You are on page 1of 4

IMPAGLIAZZO, M. Cidade dos meninos em Duque de Caxias/RJ: crime ambiental anunciado.

Revista
Agrogeoambiental, Pouso Alegre, Edição Especial n. 1, p. 55-58, ago. 2013.

Cidade dos meninos em Duque de Caxias/RJ:


crime ambiental anunciado

Marianina Impagliazzo1

1 | Introdução 2 | Área de estudo


A presente pesquisa visa analisar e justificar os A Cidade dos Meninos fica localizada no muni-
motivos da morosidade na resolução de crimes cípio de Duque de Caxias, no km 12 da Aveni-
ambientais, mostrando o impacto ambiental da Presidente Kennedy, na região da Baixada
decorrente da contaminação por organoclora- Fluminense, sendo incorporada em março de
dos na população da Cidade dos Meninos em 2002 ao Patrimônio da União e a partir desta
Duque de Caxias, município da Baixada Flu- mesma data está sob a guarda, em caráter de
minense, no Rio de Janeiro. A inexistência de emergência, do Ministério da Saúde. O municí-
um planejamento para o desmonte da fábrica pio de Duque de Caxias, onde se situa a Cidade
de inseticidas organoclorados acarretou sérios dos Meninos, faz parte da região comumente
problemas de natureza ambiental com reper- chamada de Baixada Fluminense, que se carac-
cussões na saúde da população decorrentes do teriza pela grande concentração de pobreza e
depósito de tais compostos organoclorados de de carência de infraestrutura urbana. Apresen-
forma inadequada sobre o solo, colocando em ta uma série de problemas ambientais classi-
risco a saúde pública e o ambiente. Um cenário ficados pelo órgão ambiental Estadual como
de impasses judiciais, onde todos questionam críticos e caracterizados pela deficiência de
o problema, mas em que cada uma das partes sistemas de esgoto sanitário, degradação de
segue interesses não convergentes, compro- áreas de preservação, deficiência de cobertu-
mete diretamente todo o processo, inviabili- ra arbórea, precárias condições de vida, veto-
zando a solução. O crescimento demográfico res, favelização e sub-habitação, refúgios de
no município de Duque de Caxias possibilitou flora e fauna ameaçados, risco de acidentes,
ainda a formação de assentamentos urbanos poluição de águas, inundações e enchentes,
de baixa renda, acarretando não somente o resíduos sólidos, poluição do ar, assoreamento
agravamento dos problemas já existentes, de corpos de água, poluição de praias, aterros
como também a questão da contaminação da de corpos d’água, vazamento e lançamento de
área por resíduos organoclorados, bem como o óleo. Duque de Caxias é o segundo pólo indus-
aumento da população exposta. trial da Região Metropolitana e do Estado do
Rio de Janeiro, que abriga a Refinaria de Caxias
(REDUC), maior unidade industrial da área do
Grande Rio e uma fábrica de borracha sintéti-
ca, indústrias que foram de grande importância
para o desenvolvimento da região. Segundo

1 Universidade Castelo Branco: Escola Superior de Gestão e Tecnologia. Avenida Santa Cruz, 1631 - Realengo - Rio de Janeiro/
RJ, CEP: 21710-250. Telefone: (21) 3216-7700 - e-mail: impagliazzo@unidadezero.com

55
dados do IBGE de 2010, estima-se uma popu- derada posteriormente como foco principal. O
lação de aproximadamente 872.762 (oitocen- Ministério da Saúde retirou os compostos que
tos e setenta e dois mil setecentos e sessenta estavam sobre o solo, 40 toneladas de HCH
e dois) habitantes residindo em quase sua to- que foram acondicionadas em 16 bombonas
talidade em área urbana. A área da Cidade dos plásticas e armazenadas na Refinaria de Du-
Meninos possui aproximadamente 19.000.000 que de Caxias. A área da antiga fábrica, hoje é
m² (dezenove milhões de metros quadrados) denominada foco principal de contaminação.
e características predominantemente rurais. A utilização de resíduos como material de ca-
A Cidade dos Meninos tem aproximadamente peamento das estradas na Cidade dos Meni-
750 famílias, conforme cadastro realizado pelo nos, estocagem, manuseio e utilização dos
município de Duque de Caxias em 2009. resíduos, inseticida e como material de rebo-
co nas residências, resultou na contaminação
em diversos pontos que foram considerados
3 | A problemática focos de contaminação. Pelas razões acima,
enquanto não forem eliminadas as exposições
Em 1950, o antigo Ministério da Educação e relatadas e realizadas operações seguras de re-
Saúde instalou na área da Cidade dos Meninos mediação na Cidade dos Meninos, infere-se a
o Instituto de Malariologia, que em três anos existência de rotas passada, presente e futura
inaugurou uma fábrica de Hexaclorociclohe- de exposição a compostos organoclorados. A
xano (HCH), também conhecido como Pó de contaminação ambiental existente na Cidade
Broca, e ainda outros compostos organoclora- dos Meninos, bem como os problemas referen-
dos, como o diclorodifeniltricloroetano (DDT). tes como o estado em que foram mantidas as
A produção química da fábrica destinava-se instalações da antiga fábrica, a manipulação e
ao controle de endemias transmitidas por ve- o destino dos pesticidas remanescentes no lo-
tores, como malária, febre amarela e doença cal, representam um caso de difícil resolução
de Chagas. Na época, era mais barato produ- quanto à implementação de ações que solucio-
zir no país do que importar. Essa situação se nem o dano causado ao meio ambiente e à po-
inverteu e em 1956 a fábrica foi desativada e pulação da referida localidade face à conduta
toneladas do pesticida foram abandonadas de todas as partes envolvidas.
na área da Cidade dos Meninos. A fábrica de
HCH inaugurada dentro da Cidade dos Meni-
nos utilizava como matéria prima o benzeno, 4 | Método
fornecido pela Companhia Siderúrgica Nacio-
nal, de Volta Redonda, e o cloro, fornecido pela Com o intuito de contextualizar as questões le-
Companhia Eletroquímica Fluminense, de São vantadas, adotou-se, prioritariamente, a estra-
Gonçalo, ambas no Estado do Rio de Janeiro. tégia de levantamento de dados e informações
Além do HCH, a fábrica também desenvolvia disponíveis em diferentes fontes documentais
pesquisas com outros pesticidas, como o arse- de domínio público, sendo utilizados como ins-
nito de cobre, também conhecido como Verde trumento no presente trabalho. A partir disso,
Paris e o DDT. A partir de 1956, a fábrica, que foi possível realizar um estudo de caso e com
passa a se chamar “Fábrica de Produtos Pro- isso fazer uma descrição panorâmica sobre o
filáticos”, produziu até seu fechamento pasta caso de “Cidade dos Meninos”, buscando iden-
de DDT; pasta de BHC (isômero alfa, enrique- tificar processos relacionados à emergência
cido com gama-HCH); emulsionáveis – DDT; do problema da contaminação ambiental e
mosquicidas – DDT + Lindano (gama-HCH); exposição humana em diferentes contextos. A
rodenticidas, composto “1080 (monofluoroa- pesquisa foi desenvolvida no Curso Superior de
cetato de sódio) e cianeto de cálcio”. Em 1988, Tecnologia em Gestão Ambiental da Universi-
após divulgação pela mídia da comercialização dade Castelo Branco (UCB) na disciplina Moni-
clandestina de pesticidas nas feiras livres de toramento e Impacto Ambiental.
Duque de Caxias, foi constatada que a origem
do produto era da antiga fábrica na Cidade dos
Meninos, e estava espalhado em contato dire-
to com o solo em uma área descampada consi-

56
5 | Propostas de solução povo e fundamental para a existência de uma
saudável qualidade de vida (BRASIL, 2005).
O Ministério da Saúde classificou a área como Caberá ao poder público e à coletividade, se-
local de perigo urgente para a saúde públi- gundo dispõe o art. 225 da CF, a defesa e a pre-
ca. Diante disso, foram apontadas três ações, servação ambiental para os presentes e futuras
como a retirada de toda a população exposta gerações. Com o objetivo de regulamentar o
para outra área, acompanhamento da saúde referido artigo, entrou em vigor, nos seus as-
da população exposta e incompatibilidade da pectos penais, a Lei nº 9.605/98, conhecida
presença da população durante a remedia- como a Lei de Crimes Ambientais. O Projeto
ção ambiental. Em 2004, foi encaminhado de Lei nº 3.034/04 foi proposto pelo executivo
ao Congresso Nacional, o Projeto de Lei nº para autorizar a União a conceder indenização
3.034/2004, estratégia utilizada pela Advoca- por danos morais e materiais aos ocupantes
cia Geral da União (AGU) para que a União pu- de imóveis residenciais a ela pertencentes,
desse indenizar as famílias expostas na Cidade na localidade denominada “Cidade dos Meni-
dos Meninos. A criação do referido projeto de nos”, que tenham sido expostos a compostos
lei foi necessária para justificar juridicamente organoclorados. A indenização proposta era
a obrigatoriedade de indenização aos morado- de R$50.000 (cinquenta mil) reais por família,
res por parte da União, pelo reconhecimento e R$10.000 (dez mil) reais a mais por pessoa
da responsabilidade pelo abandono da fábrica nas famílias que têm mais de cinco pessoas.
de pesticida por parte do Ministério da Saú- Teriam direito à indenização somente as fa-
de. Em 12 de junho de 2006, foi firmado um mílias cadastradas. Abre-se questionamento
Termo de Compromisso entre o Ministério da em relação à supressão do Art. 2°, segundo o
Saúde, o Estado do Rio de Janeiro e o municí- qual o recebimento da referida indenização fi-
pio de Duque de Caxias. O Termo de Compro- caria condicionada à desocupação dos imóveis
misso enquadra todas as ações envolvendo o e à assinatura de termo de transação no qual
monitoramento da saúde da população da Ci- os ocupantes renunciem a qualquer direito ou
dade dos Meninos, a interrupção da exposição ação relativa à exposição ao referido risco am-
humana e a remediação ambiental, fazendo biental, sendo de fundamental relevância para
parte do conjunto de medidas contempladas uma possível solução. A discussão gira em tor-
no “Plano de Ação Cidade dos Meninos”. Os no do projeto de lei perder a sua função primor-
Ministérios (da Saúde; das Cidades; da Agricul- dial de interromper a exposição da população
tura, Pecuária e Abastecimento; da Justiça; do na área da Cidade dos Meninos. O fato é que
Meio Ambiente e do Planejamento Orçamento permanece o impasse. A efetividade relaciona-
e Gestão) para articular, integrar, acompanhar da à reparação do dano ambiental é uma das
e gerir as ações do “Plano de Ação de Cidade questões mais polêmicas tratadas atualmen-
dos Meninos” cria o Grupo de Trabalho Intermi- te, tanto pela doutrina quanto pelos tribunais,
nisterial (GTI) pela Portaria Interministerial nº. pois afeta o indivíduo, considerado singular-
1.557, de 1º de agosto de 2008 e, por meio da mente ou em sua coletividade, na busca de um
Portaria n.° 1182 de junho de 2009, constituiu meio ambiente ecologicamente equilibrado,
o grupo. Entre as ações deste plano de ações assegurado constitucionalmente no art. 225
destacam-se: a elaboração de uma proposta de da CF/88. Enquanto alguns moradores consi-
uso futuro da área da Cidade dos Meninos e a derarem plausíveis as opções de desocupação
atualização cadastral da população. Este Gru- de seus imóveis, outros mais antigos resistem
po de Trabalho Interministerial (GTI) possui o e não aceitam a possibilidade da referida de-
desafio de resolver o problema da exposição à socupação. Portanto, observa-se o conflito de
contaminação ambiental na área. interesses dentro da própria população, que
dificulta, inclusive, a negociação para atingir
metas vantajosas para a comunidade como um
6 | Resultados e discussões todo. Houve propostas para evacuação da área
e indenização da população, porém a popula-
A Constituição Federal determina que a todos ção afetada demonstra grande interesse em
seja garantido o direito ao meio ambiente eco- deixar as áreas contaminadas se receberem
logicamente equilibrado, de uso comum do suas indenizações. De todas as providências

57
adotadas para interromper a exposição hu- com os anseios e os interesses da população a
mana aos organoclorados, e que tem gerado que se destinam, criando contradições entre os
grande dificuldade, é a retirada dos morado- objetivos do formulador, o efeito real e o efeito
res, objeto principal de todas as ações imple- percebido, gerando conflitos que prejudicam
mentadas nos âmbitos judicial e administra- tanto a eficácia quanto o alcance e causam o
tivo. É importante frisar que os moradores da desperdício de tempo, recursos humanos e fi-
localidade são em sua maioria de baixa renda, nanceiros. Enquanto perdurar a inércia para
não possuindo condições financeiras para ad- resolução do dano ambiental na Cidade dos
quirir novas habitações; esta situação poderá Meninos, maiores serão os impactos negativos
ser minimizada por intermédio de indenização e externalidades gerados sobre a saúde e o am-
condicionada ao PL 3.034/2004. Há que se con- biente, consequentemente, o ônus pertencerá
siderar que os habitantes desta localidade usu- a todos os envolvidos.
fruem dos imóveis de forma gratuita, uma vez
que esta é patrimônio da União conforme EM
n.° 096/GM 2003. Referências bibliográficas
ALMEIDA, J. R.; OLIVEIRA, S. G.; PANNO, M.
7 | Conclusão Perícia ambiental. Rio de Janeiro: Thex. 2003.

Partindo do princípio de que a saúde do ho- BRASIL, Avaliação de risco à saúde humana
mem depende diretamente da boa saúde do por resíduos de pesticidas organoclorados
ambiente, somente investindo em programas em cidade dos meninos, RJ. 2004
de Educação Ambiental para o povo é possível
a formação de uma consciência ecológica vol- MEDINA, N. M.; SANTOS, E. Educação am-
tada para melhores condições de vida. A edu- biental: uma metodologia participativa de for-
cação ambiental representa um instrumento mação. Petrópolis: Vozes. 2005.
capaz de provocar na sociedade as mudanças
de comportamento requeridas pela realidade SILVA, J. A. Direito ambiental constitucional.
ambiental atual. Somente a partir da formação São Paulo: Malheiros Editores. 2002.
de uma consciência crítica desta realidade se
mudarão valores, hábitos e atitudes, optan-
do por comportamentos menos agressivos
com relação ao ambiente e inter-relações hu-
manas. Neste caso, só a Educação Ambiental
pode provocar mudanças no comportamento
e na relação homem, sociedade e natureza.
A formulação e a implementação de políticas
ambientais dependem diretamente de uma
cadeia de agentes sociais, cujos elos vão des-
de o Estado, agentes públicos, cientistas, se-
tores econômicos, meios de comunicação,
sociedade civil organizada e a população em
geral. Todos os segmentos sociais devem ter
como objetivo que as políticas ambientais se-
jam formuladas e executadas de forma a re-
fletir o máximo possível as suas pretensões.
Com isso, os gastos do dinheiro público serão
mais eficientes, existirá satisfação por parte
da população com o desempenho dos agentes
governamentais, ocorrerá uma efetiva prote-
ção ambiental, bem como o desenvolvimento
social e econômico sustentável. Infelizmente,
esses programas nem sempre estão de acordo

58