You are on page 1of 4

PONTO 05 – DOMICÍLIO: NOÇÃO.

DOMICÍLIO DAS PESSOAS NATURAIS:


CONCEITO/DISTINÇÕES/ESPÉCIES. DOMICÍLIO DAS PESSOAS JURÍDICAS.
PLURALIDADE.PERDA.

1)NOÇÃO: Vivendo em sociedade, o homem precisa ter um lugar onde possa ser
oficialmente encontrado, para responder pelas obrigações que assumiu. Da mesma
forma as P.J.

WBM, 132: O domicílio é a sede jurídica da pessoa, onde ela se presume presente
para efeitos de direito e onde exerce ou pratica, habitualmente, seus atos e negócios
jurídicos.

Lugar de onde irradia a atividade jurídica. Vem do latim domus (casa).

2) DOMICÍLIO DAS PESSOAS NATURAIS- Na França desenvolveram o conceito


jurídico de domicílio

2.1) CONCEITO/ELEMENTOS/DISTINÇÕES:

Conceito legal: CC,70


“O domicílio da pessoa matural é o lugar onde ela estabelece a sua residência com
ânimo definitivo”.

Domicílio aparente ou ocasional: Se não tem residência habitual: o lugar onde for
encontrada (CC, 73). CPC/2015, art. 46 § 2º
Vimos que a pessoa natural se distingue por 3 elementos (nome, estado e domicílio).

Distinções:

Habitação ou moradia: É mera relação de fato. Onde a pessoa permanece,


acidentalmente, provisoriamente, sem o ânimo de ficar (hotel, casa de praia). Local de
mera estada.

Relação transitória de fato.

Ruggiero: É a mais tênue relação de fato entre uma pessoa e um lugar, tomada em
consideração pela lei.

Residência: é o lugar onde se habita e pode ser costumeiramente encontrada. Há


habitualidade, mesmo que dele se ausente temporariamente. Pressupõe maior
estabilidade. RUGGIERO: é a sede estável da pessoa.
VNS, Código Italiano: é “o lugar onde a pessoa tem a moradia habitual”.

Domicílio: é um conceito jurídico- o local onde a pessoa responde, permanentemente,


por seus negócios e atos jurídicos. Deve haver o propósito de permanência (animus
manendi).

1
É a residência com ânimo definitivo.

Elementos do domicílio:
>Elemento material(objetivo):residência(rel.de fato entre pessoa e lugar)- fixação
em determinado lugar.
> Elemento psicológico(subjetivo): ânimo definitivo de permanência.

PSG, 247. Nada impede que uma pessoa resida em mais de um local (com
habitualidade), tomando apenas um como centro principal de seus negócios, ou seja,
como seu domicílio. Situação diferente é o caso da pessoa ter uma pluralidade de
residências, vivendo alternativamente em cada uma delas, sem que se possa
considerar uma somente como seu centro principal” > haverá pluralidade de
domicílios- CC, 71.
Importância: É importante para fixar o lugar da celebração dos atos jurídicos, para o
exercício de direitos, para a propositura de ações judiciais, para responder pelas
obrigações, etc.

No direito processual, a regra geral (CPC/2015, art. 46) é a de que o réu deve ser
demandado no seu domicílio: na Comarca onde tem o centro dos seus negócios ou
residência.

No direito internacional: o domicílio é critério determinante para a escolha da lei a ser


aplicada: LINDB, 7º; 7º, § 4º; 10 e 12.

No direito das obrigações: CC, 327-local do pagto.(Ob. Quezível e Ob. Potável)

No direito processual penal:não se conhecendo o local onde se consumou o crime: a


compet pode ser fixada pelo domicílio ou residência (CPP, 72).
(ver PSG, 244/ VNS, 225).

2.2)ESPÉCIES DE DOMICÍLIO:

A) Voluntário: É o escolhido livremente pelo indivíduo, sem sofrer outra influência que
não a de sua vontade ou conveniência. NC, 71 a 74

Pode ser: GERAL (escolhido pela vontade do indivíduo); e ESPECIAL OU DE


ELEIÇÃO (fixado pelas partes em contrato).

B) Legal (ou necessário): A lei impõe a determinadas pessoas, que se encontram em


dadas circunstâncias.
Ex.: Incapazes/Funcionários públicos.
CC, 76 e p. ú:

a) o recém-nascido: adquire o de seus pais, ao nascer;


b)o incapaz: o de seu representante ou assistente (CC,76,p.ú.).
c) o itinerante: o lugar onde for encontrado (CC, 73/LINDB,7º, § 8º).

2
d)o de cada cônjuge: o do casal (CC, 1.569 e Lei 6.515/77, art. 2º).
e)o servidor público: onde exerce permanentemente a sua função (CC, 76, p.ú.)-
chamado DOMICÍLIO FUNCIONAL.
f)o do militar em serviço ativo: o lugar onde servir. Se na Marinha ou Aeronáutica, a
sede do Comando a que esteja diretamente subordinado CC, 76, p.ú.).
g)os oficiais e tripulantes da Marinha Mercante: o lugar onde esteja matriculado o
navio (CC, 76, p. ú.).
h) os presos: o lugar onde cumpre a sentença (CC, 76, p. ú.).
i)o agente diplomático (que citado no estrageiro alegar extraterritorialidade, sem
indicar o domicílio no país): poderá ser demandado no DF ou no último ponto do
território nacional onde teve domicílio (CC, 77).

Antes: A mulher – o do marido, salvo “se estiver desquitada ou lhe competir a


administração do casal”.- CC/16, 36.

3)DOMICÍLIO DAS PESSOAS JURÍDICAS.

MHD, 245: o domicílio das P. J. é “a sua sede jurídica, onde os credores podem
demandar o cumprimento das obrigações. Como não têm residência, é o local de suas
atividades habituais, de seu governo, administração ou direção, ou, ainda, o
determinado no contrato constitutivo”.

a)D. Público: CC, 75, I a III - têm por domicílio a sede do seu governo.

b)D. Privado: CC, 75, IV – Onde funcionar a diretoria ou administração se do estatuto


não constar alusão de domicílio especial.

Geralmente consta do estatuto (regra para registro)

Sede no estrangeiro: CC, 75, § 2º.


MHD,246: Reputa-se domiciliada no Território Nacional a empresa estrangeira que
opere ou tenha no Brasil filial, agência sucursal, escritório, estabalecimento, agente ou
representante (Lei nº 8.884/94, c/ red. Da Lei 10.149/2000, art 2º, § 1º).

4)PLURALIDADE DE DOMICÍLIOS:

Pessoa natural:
Prático, quando tem diversos centros de atividade. Quebrado o princípio da unidade
domiciliar. É possível o domicílio plúrimo (p. ex> voluntário e funcional).
CC, 71- Se porém a pessoa natural tiver diversas residências, onde, alternativamente,
viva, considerar-se-á domicílio seu qualquer delas. Já constava do CC/16. Adotou o
sistema germânico. Fança – só 1 domicílio

Admite-se o domicílio profissional: Tanto o local da residência (regra geral) como o da


profissão são considerados domicílio. Hoje é comum residir em um local e trabalhar
em outro.

3
Novidade: CC, 72:
“É também domicílio da pessoa natural, quanto às relações concernentes à profissão,
o lugar onde esta é exercida”.
P. ú: Se a pessoa exercitar profissão em lugares diversos, cada um deles constituirá
domicílio para as relações que lhe corresponderem.

Pessoa jurídica:

Vários estabelecimentos: CC, 75, § 1º. > cada um deles será considerado domicílio
para os atos nele praticados.

STF, Súmula 363: “a pessoa jurídica de direito privado pode ser demandada no
domicílio da agência ou estabelecimento em que se praticou o ato”.

5) PERDA DO DOMICÍLIO:

a) pela mudança: Quando altera sua residência com intenção de transferir seu centro
de atividades.CC, 74. O domicílio passa a ser o mais recente. Prova: CC, 74, p. ú.
CC, 215, § 1º,III.

b) por determinação de lei: nas hipóteses de domicílio legal, o domicílio antecedente


cede lugar ao do preceito normativo.

c) por contrato: em razão de eleição das partes, no que atina aos efeitos dele
oriúndos. CC, 78: Nos contratos escritos, poderão os contratantes especificar domicílio
onde se exercitem e cumpram os direitos e obrigações deles resultantes.
Ver: Súmula 335 do STF.
Foro de eleição nos contratos de adesão: VNS, 232, entende que não há abusividade,
não se aplicando o art. 51, IV da Lei 8.078/90-CDC.
STJ: Tem determinado que seja considerado, mesmo de ofício, o foro de domicílio do
consumidor, ignorando-se o foro previsto em contrato de adesão- VNS, 232.