You are on page 1of 163

Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte

Edmeire Cristina Pereira

DIREITO
AUTORAL
Perguntas e Respostas
DIREITO
AUTORAL
Perguntas e respostas
Copyright 2009 by Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte e
Edmeire Cristina Pereira

Realização
Agência de Inovação da UFPR
Universidade Federal do Paraná
Autores
Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte e
Edmeire Cristina Pereira
Diretor Executivo
Sérgio Scheer
Revisão Editorial
Elaine Lopes Medina
Capa e Projeto Gráfico Editorial
Akemi Toma
Juliana Palmeiro
Keli Mendonça
Editoração Eletrônica e Produção Gráfica
Juliana Palmeiro
Keli Mendonça
Impressão e Acabamento
Imprensa da UFPR
E-mail para contato
inovacao@ufpr.br
Produção Editorial:
É proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo,
inclusive quanto às características gráficas e/ou editoriais. A violação de
direitos autorais constitui crime (Código Penal, art. 184 e Parágrafos, e
Lei nº 6.895, de 17/12/1980) sujeitando-se à busca e apreensão e inde-
nizações diversas (Lei nº 9.610/98).
Todos os direitos desta Edição reservados à Universidade Federal do Paraná.
Impresso no Brasil
Printed in Brazil
Depósito Legal na Biblioteca Nacional, conforme decreto n 1.825, de
20/12/1907
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
( Ficha Catalográfica elaborada por Edmeire C. Pereira CRB-9/1.013)
Direito Autoral: perguntas e respostas / organização:
Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte e Edmeire Cristina
Pereira – Curitiba:UFPR, 2009.
164 páginas (Série FAQS em PI, v. 1).
Inclui Bibliografia
Inclui Legislação Brasileira

1. Ciência e Tecnologia. 2. Direito Autoral – Brasil. I Du-
arte, Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia. II – Pereira, Edmeire
Cristina.

CDD – 301.243

ISBN: 978-85-87801-07-4

Índices para Catálogo Sistemático
301.243
1. Ciência e Tecnologia
2. Direito Autoral - Brasil

Todos os direitos desta edição reservados à Agência de Inovação da
UFPR
Tel.: (41) 3310-2699
E-mail: inovacao@ufpr.br
Site: www.inovacao.ufpr.br
Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte
Edmeire Cristina Pereira

DIREITO AUTORAL
Perguntas e Respostas

Curitiba
UFPR
2009
AUTORIDADES DA UFPR

Reitor
Zaki Akel Sobrinho

Vice-Reitor
Rogério Andrade Mulinari

Pró-Reitor de Administração
Paulo Roberto Rocha Krüger

Pró-Reitora de Extensão e Cultura
Elenice Mara Matos Novak

Pró-Reitora de Graduação
Maria Amélia Sabbag Zainko

Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação
Sérgio Scheer

Pró-Reitora de Planejamento, Orçamento e Finanças
Lúcia R. Assumpção Montanhini

Pró-Reitora de Gestão de Pessoas
Laryssa Martins Born

Pró-Reitora de Assuntos Estudantis
Rita de Cássia Lopes

Superintendente da Funpar
Pedro José Steiner Neto

Chefe de Gabinete da Reitoria
Ana Lúcia Jansen de Mello de Santana

Procurador Chefe da Procuradoria Federal na UFPR
Marcos Augusto Maliska
Chefe da Assessoria de Comunicação Social
Mário Messagi Júnior

Diretora do Hospital de Clínicas
Heda Maria Barska dos Santos Amarante

Diretor do Hospital Maternidade Victor Ferreira do Amaral
Fernando César de Oliveira Júnior

Diretor do Hospital do Trabalhador
Geci Labres de Souza Júnior

AGÊNCIA DE INOVAÇÃO DA UFPR

Diretor Executivo
Prof. Dr. Sérgio Scheer

Coordenadora de Propriedade Intelectual
Prof.ª MSc. Edmeire Cristina Pereira

Coordenador de Transferência de Tecnologia
Prof. Dr. Aguinaldo dos Santos

Coordenadora das Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica
MSc. Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte

Secretária Executiva
Franciele Klosowski

Assessor de de Transferência de Tecnologia
Prof. Dr. Kleber Roberto Puchaski

Assessor de Tecnologia da Informação
José Henrique Ferreira Pinto

Assessor de Comunicação Social
Ânderson Mendes Souza
Assessora de Comunicação Social
Elen Mary de Souza Canto

Assistente de Design
Ana Luiza Morgenstern Jorge

Analista de Empreendedorismo de Base Tecnológica
Akemi Keiko Toma

Analista de Propriedade Intelectual
Eduardo Scopel Ferreira da Costa

Analista de Empreendedorismo de Base Tecnológica
Juliana Palmeiro

Analista de Empreendedorismo de Base Tecnológica
Vanderlei Moroz

DIRETORES DE ORGÃOS SUPLEMENTARES

Hospital Veterinário
Diretor: Rogério Ribas Lange

Hospital de Clínicas
Diretora: Heda Maria Barska dos Santos Amarante

Hospital do Trabalhador
Diretor: Geci Labres de Souza Júnior

Maternidade Victor Ferreira do Amaral
Diretor: José Sória Arrabal

Editora
Diretor: Gilberto de Castro

Imprensa Universitária
Diretor: Álvaro Pereira de Souza
CCE (Central de Computação Eletrônica)
Diretor: Alessandre Sena Oliveira

Biblioteca Central
Diretora: Ligia Eliana Setenareski

DIRETORES DE SETORES ACADÊMICOS

Setor de Ciências Agrárias
Diretor: Prof. Amadeu Bona Filho
Vice-Diretor: Prof. Sidon Keinert Júnior

Setor de Ciências Biológicas
Diretor: Prof. Luiz Claudio Fernandes
Vice-Diretor: Prof. Fernando Marinho Mezzadri

Setor de Ciências Sociais Aplicadas
Diretor: Prof. Vicente Pacheco
Vice-Diretor: Prof. Marcelo Luiz Curado

SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS

Diretor: Prof.ª Silvia Helena Soares Schwab
Vice-Diretora: Prof.ª Soraya Rosana Torres Kudri

Setor de Ciências Jurídicas
Diretor: Prof. Dr. Ricardo Marcelo Fonseca
Vice-Diretora: Profa. Dra. Vera Karam de Chueiri

Setor De Ciências Da Saúde
Diretora: Prof.ª Maria Emília Daudt Von der Heyde

Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes
Diretor: Prof.ª Maria Tarcisa Silva Bega
Vice-Diretora: Prof.ª Norma da Luz Ferrarini
Setor de Ciências da Terra
Diretora: Prof.ª Chisato Oka Fiori
Vice-Diretor: Prof. Edson Aparecido Mitshita

Setor de Tecnologia
Diretor: Prof. Mauro Lacerda Santos Filho
Vice-Diretor: Prof. Wiliam Alves Barbosa

Instituto Federal do Paraná
Reitor: Prof. Alípio Santos Leal Neto
Diretor Geral: Prof. Luiz Gonzaga Alves de Araújo

CAMPUS PALOTINA

Direção do Campus Palotina
Diretor: Prof. MSc. Vinicius Cunha Barcellos
Vice-Diretor: Prof. Dr. Luciano dos Santos Bersot
Secretária da Direção: Dircelei Sponchiado

Coordenação do Curso de Medicina Veterinária
Coordenadora: Prof.ª Dr.ª Bettina Monika Ruppelt Pereira
Vice-Coordenadora: Prof. Marilene Machado Silva

Coordenação do Curso de Tecnologia em Aquicultura
Coordenador: Prof. Dr. Fábio Meurer

Coordenação do Curso de Tecnologia em Biocombustíveis
Coordenadora: Prof.ª Dr.ª Leda Maria Saragiotto Colpini

Coordenação Do Curso De Tecnologia Em Biotecnologia
Coordenadora: Prof.ª Dr.ª Eliane Cristina Gruszka Vendruscolo

Direção do Hospital Veterinário
Diretora: Prof.ª Erica Cristina Bueno do Prado Guirro
Vice-Diretora: Prof.ª Geane Maciel Pagliosa
AUTORAS/ ORGANIZADORAS

Eliane Cordeiro de Vasconcellos Garcia Duarte, graduada em
Administração pela Fundação de Estudos Sociais do Paraná (1982).
Mestre em Tecnologias de Informação e Comunicação para Forma-
ção em Educação a Distância pela Universidade Federal do Ceará e
Universidade Norte do Paraná (2007), na linha de pesquisa de Gestão
e Avaliação de Sistema de Educação a Distância. É Administrador da
Universidade Federal do Paraná, desde 1982. Coordena as Incubado-
ras de Empresas de Bases Tecnológicas da Agência de Inovação da
Universidade Federal do Paraná. É consultora de projetos de Educa-
ção e de Educação a Distância. Tem experiência na área de Educação,
com ênfase em Educação a Distância, atuando, principalmente, nos
seguintes temas: gestão, tutoria, avaliação da aprendizagem, empreen-
dedorismo e propriedade intelectual.

Edmeire Cristina Pereira, graduada em Biblioteconomia e Docu-
mentação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1984)
e mestrado em Biblioteconomia e Ciências da Informação, também,
pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2001), na linha de
pesquisa em Informação para Indústria e Negócios. É docente da Uni-
versidade Federal do Paraná, desde 1993. É consultora de projetos na
Pró-Reitoria de Recursos Humanos e Assuntos Estudantis (PRHAE),
atual Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas, PROGEPE, da UFPR, desde
2003. Também é Coordenadora de Propriedade Intelectual da Agência
de Inovação da UFPR, desde 2004.
Dedicatória
A todos os usuários – clientes do antigo Nú-
cleo de Propriedade Intelectual da Universi-
dade Federal do Paraná, NPI e, hoje, Agência
de Inovação da UFPR.
AGRADECIMENTOS

Agradecemos, primeiramente, a todos os usuários – clientes do Nú-
cleo de Propriedade Intelectual - da Universidade Federal do Paraná,
NPI, que contribuíram com suas dúvidas ao longo dos últimos seis
anos.
Agradecemos, também, a ex-bolsista CNPq do NPI, Srta. Fernanda
Manica, pela primeira compilação dessas perguntas frequentes.
E, por fim, agradecemos a Sra. Eliane Cordeiro de Vasconcellos
Garcia Duarte, colaboradora da Agência de Inovação da UFPR, que
aceitou de pronto este desafio de montar/organizar esta obra, junta-
mente com a Coordenação de Propriedade Intelectual.
APRESENTAÇÃO

É com grande satisfação que é lançada pela Universidade Federal
do Paraná, UFPR, esta pequena obra de referência para os interessados
nas questões relativas aos direitos autorais.
Trata-se de uma coletânea de perguntas e respostas elaborada a par-
tir da experiência acumulada pelo Núcleo de Propriedade Intelectual
da UFPR liderado pela Professora Edmeire Cristina Pereira desde sua
criação em 2003, hoje coordenando a área na Agência de Inovação
desta Universidade.
Tem o intuito de contribuir para a divulgação de aspectos teóricos,
metodológicos e práticos sobre direitos autorais e outras questões so-
bre ativos intangíveis. As perguntas e suas respostas foram colocadas
em uma sequência lógica organizada de forma a favorecer a busca dos
temas como um instrumento de caráter didático para os alunos, pro-
fessores, profissionais e interessados na nova realidade global da pro-
priedade intelectual, mais especificamente dos direitos autorais.
Assim, num contexto de disseminação da cultura da proteção dos
ativos intelectuais gerados internamente, busca-se, também, promover
questões sobre sua transferência ao setor produtivo. Nesta obra e em
outras a serem publicadas oportunamente são abordados os aspectos
concernentes às características institucionais, principais fundamentos
de direitos autorais, propriedade intelectual, ativos intangíveis e trans-
ferência de tecnologia, arcabouço jurídico disponível no país sobre tais
assuntos e as diferenças e vantagens decorrentes das relações universi-
dade – empresa neste processo.
A Propriedade Intelectual é um dos fatores que propicia transfor-
mar as inovações geradas em ativos comercializáveis permitindo a ar-
ticulação entre agentes econômicos, com ênfase neste texto na questão
dos direitos autorais.
Portanto, o texto auxilia na compreensão de como se dá o processo de
trabalho de profissionais atuando, nos mais diversos níveis do processo
inovativo, desde a criação do novo conhecimento advindo da pesquisa,
passando pela devida apropriação do mesmo e, culminando na sua trans-
ferência ao setor produtivo para a conseqüente comercialização.
A partir deste texto, pretende-se criar um ambiente hipermidiático
de acesso livre na Internet, que facilite a inclusão de novas perguntas e
respostas, bem como a construção de debates e discussões nos temas
correlatos à inovação (empreendedorismo, propriedade intelectual e
transferência de tecnologia). O acesso se dará pelo sítio www.inovacao.
ufpr.br.

Prof. Dr. Sérgio Scheer
Diretor da Agência de Inovação da UFPR
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
DIREITO AUTORAL - PERGUNTAS E RESPOSTAS . . . . . . . . . 04
1. Como definir Propriedade Intelectual? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
2. Quem é o autor em Propriedade Intelectual? . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. E, quem é o co-autor? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
4. O que é Direito Autoral? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
5. Como é caracterizado o Direito Autoral? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
6. Quais são os Direitos Morais do autor? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
7. E os Direitos Patrimoniais? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
8. Qual o significado de reprodução e de contrafação?. . . . . . . . . . . 08
9. Por que se caracteriza crime copiar obras intelectuais? . . . . . . . . 09
10. Quais legislações são preconizadas pelo Direito Autoral? . . . . . 09
11. Quais novidades foram trazidas com a promulgação da Lei
nº 9.610/98? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
12. O que é válido para ser registrado como Direito Autoral?. . . . . . 10
13. O que não é preciso proteger observando a Lei de Direitos
Autorais? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
14. Os Direitos Autorais podem ser transferidos? . . . . . . . . . . . . . . . 12
15. Quando se pode proteger uma obra intelectual? . . . . . . . . . . . . 12
16. E, no caso de artigos publicados na imprensa? . . . . . . . . . . . . . 12
17. O que são obras intelectuais? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
18. Qual o significado de “domínio público”? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
19. O que significa publicar uma obra? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
20. Como se procede para registrar uma Obra Intelectual? . . . . . . . 14
21. Quais são as aplicações das normas às obras protegidas pela
Lei nº 9.610/98, Lei do Direito Autoral? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
22. Como saber se um material ainda continua protegido por
Direito Autoral? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
23. O que não constitui ofensa aos direitos autorais? . . . . . . . . . . . . 20
24. Como se obtém cópias da obra de outra pessoa ou a sua soli-
citação e certificação? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
25. Como se procede para registrar um manual?. . . . . . . . . . . . . . . . 22
26. Qual a diferença do registro de direitos junto a Fundação Bi-
blioteca Nacional e do registro em um Cartório de Títulos e
Documentos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
27. Como proteger materiais didáticos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
28. Quais punições podem ser impostas para quem reproduz ile-
galmente uma obra protegida? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
29. Há transgressão do direito à imagem quando a fotografia de
uma pessoa é publicada na mídia impressa sem que isso fira a
imagem dos retratados? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
30. Quais recursos podem ser utilizados como prova de autoria em
caso do uso indevido de uma obra intelectual? . . . . . . . . . . . . . . 26
31. Como publicar uma monografia, uma dissertação de mestrado
ou uma tese de doutorado? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
32. Como registrar os materiais publicados e vinculados à Educa-
ção a Distância?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
33. Sobre a comercialização de material didático de cursos a dis-
tância, o que a Lei de Direitos Autorais confere a Instituição
promotora de tal curso? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
34. Qual o significado de direito à imagem? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
35. Como proceder para registrar material com imagens de
terceiros? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
36. Por que a Propriedade Intelectual tornou-se tão premente no
Brasil? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
37. O que é permitido para reprodução? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
38. O que significa reproduzir um pequeno trecho de uma obra? . . 32
39. Qual o significado de contrafação editorial? . . . . . . . . . . . . . . . . 32
40. Além do desrespeito ao Direito Autoral, quais os prejuízos oca-
sionados pela contrafação? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
41. Como registrar uma obra artística? E Por quê isto é funda-
mental?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
42. Como registrar uma letra de música? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
43. Em qual legislação a proteção das composições musicais se
baseia? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
44. É possível registrar o nome de uma banda musical? . . . . . . . . . 40
45. Há uma lista publicizada de canções ou filmes em domínio
público? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
46. Como proceder ao registrar um produto? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
47. Como proceder ao registrar obras industriais? . . . . . . . . . . . . . . 43
48. Como proceder ao registrar uma marca? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
49. Como proceder para registrar e proteger um Desenho
Industrial? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
50. Como proceder para registrar um nome, título, slogan ou logo-
tipo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
51. Como proceder ao registrar poesias? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
52. Como proceder para registrar músicas não partituradas? . . . . . . 48
53. Como proceder para registrar obra artística alto relevo ou no-
vas técnicas de origami? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
54. Como proceder para registrar jogos didáticos pedagógicos? . . . 50
55. Qual o significado de uma base de dados? . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
56. É possível proteger dados metereológicos contidos em uma
base de dados? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
57. Como proceder para utilizar filmes em materiais didáticos?
É necessário pagar os direitos autorais às produtoras?. . . . . . . . 52
58. Como proceder ao proteger projetos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
59. Como proteger uma obra de arquitetura? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
60. Como proceder para proteger uma campanha publicitária? . . . . 55
61. Como proceder para proteger um projeto de conclusão de
curso? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
62. Como se situam os direitos autorais dos orientadores a respeito
dos trabalhos de Conclusão de Curso de mestrado e/ou douto-
rado?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
63. As teses e dissertações contidas no Banco de Teses e Disser-
tações são registradas no Escritório de Direitos Autorais da
Fundação da Biblioteca Nacional? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
64. Como proteger uma ideia? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
65. Como se realiza o registro de uma Revista Científica, bem
como seu nome e marca? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
66. O que é ISBN? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
67. E, o que significa ISSN? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
68. O que significa “protegido por direitos autorais”? . . . . . . . . . . . 61
69. Com o objetivo de proteger uma obra, como colocar uma ad-
vertência “protegido por direitos autorais”? . . . . . . . . . . . . . . . . 61
70. Como proteger o conteúdo de uma apostila fornecida a partici-
pantes de um evento, caso futuramente se deseje transformá-la
em material impresso? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
71. No âmbito da Universidade Federal do Paraná, onde se obtém
informações referentes aos Direitos Autorais? . . . . . . . . . . . . . . . . 61
72. Como fazer para não permitir a publicação de tese no BDTD
da Universidade Federal do Paraná? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
73. Como estão regulamentados os programas de computador? . . . . 62
74. Quando se faz ilustração para revistas ou livros deve-se assinar
uma cessão de direitos autorais? E, qual é a validade jurídica e
as consequências econômicas do referido documento? . . . . . . . 64
75. Como proceder para assegurar que, após o contrato vencido,
controle-se as veiculações do trabalho na mídia, tais como au-
las gravadas em cursos a distância, que muitas vezes são veicu-
ladas em outros estados e/(ou países sem o conhecimento e
consentimento do autor)? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
76. Quando se produz um filme sobre a vida e a obra de uma
pessoa renomada, como proceder quanto aos direitos auto-
rais, em termos de quem filma (sujeito) e quem é filmado
(objeto)? Como é esta questão no Brasil? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
77. Como registrar materiais que utilizam doações por pessoas já
falecidas? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
78. Há possibilidade de fazer alterações e inserções em obras de
outra pessoa e solicitar, por isto, direitos autorais? . . . . . . . . . . . 68
79. Quanto se pode alterar na própria obra que caiba uma nova
solicitação de direito autoral? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
80. Qual é o limite da “liberdade de expressão”? E até que ponto
é permitido utilizar humor sobre alguém sem sofrer represálias
de processo jurídico? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
81. Como registrar um projeto cultural ou um programa de TV? . . . 70
82. Como utilizar obras de artes plásticas? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
83. Como utilizar sons? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
84. Como utilizar obras musicais? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
85. Como proceder no caso de utilização de obras intelectuais? . . . 72
86. E, no caso de utilização de fotografia, como proceder? . . . . . . . 73
87. Como utilizar obras audiovisuais? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
88. Como utilizar obras coletivas? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
89. Como proceder quanto à transferência dos direitos autorais? . . . 76
90. Há como se considerar legal um contrato de edição com um
prazo indeterminado? Neste caso, o autor poderá rescindi-lo
unilateralmente sem acarretar uma pena por isto? . . . . . . . . . . . 76
91. Como proceder para registrar obras inéditas de texto, já pensando
que elas possam vir a compor a base do conteúdo de outras lingua-
gens a serem exploradas em diversas mídias? Durante o processo
de registro há etapas que poderão ser realizadas pelo autor? . . . . . . 78
92. Como se procede no quesito “prestação de contas” de contrato
de edição? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
93. Qual o prazo de validade de um contrato de edição? . . . . . . . . . 80
94. Como proceder quanto aos direitos autorais de uma obra que
tenha sua edição esgotada?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
95. Como auferir Royalties? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
96. Uma obra estará protegida pelos direitos autorais em outros
países? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
97. Quanto à questão dos direitos autorais no caso da Internet?
Já existe legislação pertinente? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
98. Quais são os principais meios de utilização da Música na
Internet? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
99. Como se dá a execução da obra musical no espaço cibernético? . . . . . . 87
100. O autor tem o direito de autorizar a reprodução de sua obra
na mídia que desejar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
101. E, quanto a sons e imagens. É o mesmo princípio? . . . . . . . . . 89
102. Tudo o que é publicado num blog é de responsabilidade
direta do autor? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
103. Como proceder no caso de tradução ou versão de uma obra? . . . . 89
104. O que são direitos conexos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
105. E quem são seus titulares? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
106. Como são protegidos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
CONSIDERAÇÕES FINAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
INTRODUÇÃO

A História dos Direitos Autorais no Ocidente é relativamente
recente, se comparada à história do Direito Editorial. Este é fru-
to da tecnologia do livro impresso em larga escala, com tipos
móveis, pelo alemão Gutenberg no Século XV, de onde ocorreu
a necessidade de proteger os primeiros tipógrafos/impressores e
os editores e não, necessariamente, os seus autores.
Já, o direito de autor nasceu no século XVIII, em 10 de abril
de 1710, com a Lei da Rainha Ana na Inglaterra, após séculos
de prática da concessão de privilégios outorgados pelas realezas.
Trata-se da primeira lei no sentido contemporâneo que reconhe-
ceu o direito individual pela obra publicada. Desse fato históri-
co para a doutrina dos direitos autorais surgiram os seus dois
princípios básicos e clássicos, a saber:

1. O do direito de cópia ou “copyright”.
2. O do direito de autor, dos franceses, “droit d’auteur”.

Atualmente, com o advento da Internet, esses princípios es-
tão sendo rediscutidos em função da Sociedade de Informação,
altamente virtualizada, em oposição àquela sociedade essencial-
mente materializada dos textos impressos. Não é tarefa fácil, nos
dias de hoje, determinar quem é o autor de textos eletrônicos,
principalmente dos produzidos na Internet.
Tradicionalmente, o Direito Autoral protege as obras origi-
nais de criação intelectual nos domínios das Artes, da Música, das
Ciências e da Literatura. O que se protege, nesses casos, são as
formas e os modos de expressão das obras intelectuais e não as
idéias de seus autores; o que difere dos Direitos de Propriedade
Industrial, que protegem a aplicação prática das invenções.

1
Por definição, o direito de autor “é o direito que todo criador,
de uma obra intelectual, tem sobre sua criação. Esse direito per-
sonalíssimo, exclusivo do autor (art. 5º, XXVII, da Constituição
Federal), constitui-se de um direito moral (criação) e um direito
patrimonial (pecuniário). Está definido por vários tratados e con-
venções internacionais, dentre os quais o mais significativo é a
Convenção de Berna.
No Brasil, a Lei nº 9.610, de 19/02/98, é a que regula os Di-
reitos de Autor”. Ver o sitio (www.bn.br/eda). A propósito, esta
Lei brasileira, segundo o entendimento do Conselho Regional
de Biblioteconomia de São Paulo (1998), ampliou o conceito de
livro e de questões como cessão de direitos e contratos entre em-
presas e autores, protege versões, inclusive em meio eletrônico
(por exemplo, bases de dados e “sites” da Internet), cria mecanis-
mos para recolher direitos reprográficos e para combater cópias
ilícitas, entre outros pontos.
A doutrina do Direito Autoral qualifica como obra intelec-
tual toda criação resultante de uma criação do espírito humano
(leia-se intelecto), revestindo-se de originalidade, inventividade e
caráter único e plasmada, sobre um suporte material qualquer.
Ver (www.bn.br/eda).
Daí, que as obras passíveis de proteção podem ser: conferên-
cias, alocuções, sermões, obras dramáticas, obras dramático-mu-
sicais, obras coreográficas e pantomímicas, composições musicais
que tenham ou não letra (poesia), obras audiovisuais, sonorizadas
ou não, inclusive cinematográficas, obras fotográficas, desenhos,
pinturas, gravuras, esculturas, litografias, arte cinética, ilustrações,
cartas geográficas, projetos, esboços e obras plásticas concern-
entes à Geografia, Engenharia, Topografia, Arquitetura, Paisa-
gismo, Cenografia e Ciência, as adaptações, traduções, coletâneas
ou compilações, antologias, enciclopédias, dicionários, bases de
dados etc.

2
De outro lado, o que não é protegido como Direitos Autorais
são: as idéias, os procedimentos normativos, os sistemas, os mét-
odos, os projetos ou conceitos matemáticos como tais esquemas,
planos ou regras para realizar atos mentais, jogos ou negócios,
formulários em branco para serem preenchidos e suas instruções,
textos de tratados ou convenções, leis, decretos, regulamentos,
decisões judiciais e demais atos oficiais, calendários, agendas,
cadastros ou legendas, nomes e títulos isolados, aproveitamento
industrial ou comercial das ideias contidas nas obras, nomes de
bandas, slogans e expressões de propagandas.
Portanto, não deixe de registrar suas criações intelectuais,
porque, no Brasil, a contrafação, a usurpação, o plágio e out-
ras formas de violação da propriedade intelectual aumentaram
consideravelmente representando uma ameaça constante para o
autor que pretende divulgar o seu trabalho. Com o registro, você
estará contribuindo para a disseminação da cultura brasileira.
Não a negligencie!

3
DIREITO AUTORAL
Perguntas e Respostas

1. Como definir Propriedade Intelectual?

Propriedade Intelectual é a parte do Direito que aborda a
proteção conferida a todas as criações decorrentes do espírito
humano de caráter: científico, literário, artístico ou industrial. Esta
propriedade divide-se em três grandes áreas:

a) Propriedade Industrial: que trata de patentes de invenção,
modelos de utilidade, desenhos industriais, indicações geográfi-
cas, registro de marcas e proteção de cultivares.
b) Direito Autoral: que trata de obras literárias, artísticas e
científicas.
c) Proteção sui generis: concerne a Programas de Com-
putador, topografias de circuito integrado, domínios na Internet
e cultura imaterial.

2. Quem é o autor em Propriedade Intelectual?

É a pessoa física, que cria uma obra literária, artística ou cientí-
fica, identificada por meio do nome civil (completo ou abreviado),
pelas iniciais, pseudônimo ou qualquer outro sinal convencional.
Vale lembrar, portanto, que o autor é a pessoa que adapta,
traduz, arranja ou orquestra uma obra em domínio público, não
podendo opor-se a outra adaptação, orquestração ou tradução,
somente se for cópia da sua.

4
3. E, quem é o co-autor?

É a pessoa, cujo nome, pseudônimo ou sinal convencional é
citado na obra tais como:
Em obras audiovisuais é considerado co-autor o autor do as-
sunto ou argumento literário-musical e o seu diretor.
Em desenhos animados é a pessoa que cria os desenhos uti-
lizados na obra audiovisual.
Em obras coletivas o organizador é o titular dos direitos pat-
rimoniais, sendo que no contrato com o organizador, deverão
estar especificados:
• A contribuição do participante.
• O prazo para entrega ou realização da obra.
• A remuneração e demais condições para sua execução.
Vale salientar que não se considera co-autor quem simplesmente
auxiliou o autor na produção da obra.

4. O que é Direito Autoral?

Entende-se por direito o poder que o autor, o criador, o tradu-
tor, o pesquisador ou o artista tem de controlar o uso que se faz
de sua obra. Basicamente, os direitos autorais trabalham com a
imaterialidade, sendo esta, a principal particularidade da proprie-
dade intelectual.
Este direito está consolidado à Lei nº. 9.610, de 19 de fevereiro
de 1998. A referida Lei garante, ao autor, os direitos morais e pat-
rimoniais sobre sua criação (obra). No Brasil, a Lei em questão,
regulamenta o disposto nos Tratados Internacionais, relacionados
ao tema, dos quais, o país é signatário. Especificamente, em seu
artigo 4º interpretam-se, restritivamente, os negócios jurídicos
sobre os direitos autorais.

5
Como forma de traçar um percurso na história, observamos que:

Direito Autoral A partir do século Tendência Atual
XVI
Duração 10 a 30 anos 70 anos
Benefício Autor Empresário
Objeto Cultural Comercial
Finalidade Cultural Investimento
Natureza Jurídica Exclusivamente Propriedade Ab-
funcional soluta
Âmbito de aplicação Territorial Universal
Gestão Individual Coletiva
Limites Regra Exceção
Competência Convenção de Berna Organização Mun-
dial do Comércio
(OMC)
Tecnologia Imprensa Pluralidade
Decisões Bilaterais Órgãos Mundiais

5. Como é caracterizado o Direito Autoral?

O Direito Autoral é caracterizado sob dois aspectos:
• Moral: Garante ao criador o direito de ter seu nome im-
presso na obra, respeitando a integridade dela, bem como,
assegura os direitos de modificá-la ou mesmo de proibir sua
veiculação. É um direito inalienável e irrenunciável.
• Patrimonial: Regula as relações jurídicas da utilização
econômica das obras intelectuais. Este pode ser negociado.

6
6. Quais são os Direitos Morais do autor?

Os Direitos Morais do autor são inalienáveis e irrenunciáveis
visto que, a qualquer tempo, o autor pode reivindicar a autoria da
obra e ter seu nome, pseudônimo ou sinal convencional indicado,
como sendo o autor na utilização desta. Esta pessoa possui o
direito de conservar a obra inédita e garantir a integridade desta,
opondo-se a qualquer alteração que prejudique ou atinja o autor
em sua reputação.
Com os Direitos Morais garantidos, o autor pode alterar a obra,
antes ou depois de usá-la, retirá-la de circulação ou suspendê-la. Isto
pode ocorrer mesmo depois da sua circulação ou da sua utilização.
O autor também poderá ter acesso a exemplar único e raro
da obra, quando se encontre em poder de outrem, para o fim de
preservação da memória.

7. E os Direitos Patrimoniais?

Compete ao autor, o direito de usar e dispor da obra literária,
artística ou científica. No entanto, não podemos copiar nada sem
a licença prévia e expressa do autor (MARTINS FILHO, 1998).
Portanto, não há possibilidade de:
• Copiar ou reproduzir (parcial ou integral), editar, traduzir
e adaptar;
• Inserir em fonograma ou em produção audiovisual;
• Distribuir ou usar (direta ou indiretamente) uma obra me-
diante representação, recitação ou declamação;
• Empregar o uso de alto-falante, radiodifusão sonora ou
televisiva e sonorização ambiental;
• Executar uma música;

7
• Exibir audiovisual ou cinematograficamente;
• Usar de satélites artificiais;
• Expor obras figurativas ou plásticas;
• Armazenar, microfilmar ou incluir em base de dados etc.

Em qualquer um dos casos acima, o número de exemplares
deverá ser informado e controlado, cabendo a responsabilidade
de conservar os registros para que o autor possa fiscalizar a ex-
ploração a quem copiar e/ou reproduzir. Também, é importante
observar, que as várias formas de uso de obras (literárias, artísticas,
científicas) ou de fonogramas são independentes entre si, dado que
a autorização concedida pelo autor, ou produtor, não se estende
as demais.
Além disso, se uma pessoa adquirir uma obra literária, não lhe
assegura o direito de explorá-la comercialmente sem a autorização
do autor. Segundo a Lei 9610/98, artigo 28, cabe ao autor o di-
reito exclusivo de utilizar, fruir e dispor da obra literária, artística
ou científica. E, conforme o artigo 41, os Direitos Patrimoniais
do autor perduram por setenta anos, contados de 1° de janeiro
do ano subseqüente ao de seu falecimento, obedecida a ordem
sucessória da lei civil.

8. Qual o significado de reprodução e de contra-
fação?

Reprodução é a cópia de um ou mais exemplares de uma obra
literária, artística ou científica. E, contrafação é a cópia total ou
parcial não autorizada de uma obra, ou seja, uma “pirataria”.
Portanto, toda reprodução é uma cópia e esta, sem autoriza-
ção do titular dos direitos autorais e, do detentor dos direitos
de reprodução ou fora das estipulações legais, constitui um ato

8
ilícito civil e criminal, ou seja, uma contrafação. Compete ao au-
tor o direito exclusivo de usar e dispor da obra. Porém, depende
de autorização prévia e expressa do mesmo para que a obra seja
utilizada, de qualquer forma, dentre elas a reprodução parcial ou
integral.

9. Por que se caracteriza crime copiar obras
intelectuais?

Porque a Lei nº 9.610/98, Lei do Direito Autoral especifica que
é uma forma de apropriação indébita, utilizar o que é do outro,
sem consentimento. A obra é propriedade intelectual do autor que
aufere percentual sobre a venda de exemplares de sua obra e, um
bem produzido pelo editor. Portanto, fazer cópias de obras sem
autorização do autor e do editor é um crime, um roubo.

10. Quais legislações são preconizadas pelo Direito
Autoral?

• Constituição da República Federativa do Brasil. Texto consti-
tucional de 5 de outubro de 1988 com as alterações adota-
das pelas Emendas Constitucionais números 1/92 a 4/93.
• Declaração Universal dos Direitos Humanos.
• Convenção de Roma. Promulga a Convenção Internacional
para Proteção aos Artistas Intérpretes ou Executantes (De-
creto n. 57.125, de 19 de outubro de 1965).
• Convenção de Berna. Convenção Universal sobre o Direito
do Autor, revista em Paris (Decreto nº 76.905, de 24 de
dezembro de 1975).
• TRIP’S. Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Proprie-

9
dade Intelectual relacionados ao Comércio (Decreto nº
1.355/94, de 30 de dezembro de 1994).
• Lei nº 5.772/71. Antigo Código da Propriedade Industrial
(21 de novembro de 1961).
• Lei nº 9.279/96. Regulamenta os direitos e as obrigações
relativas à Propriedade Industrial (14 de maio de 1996).
• Lei de Programa de Computador. Lei nº 9.609, de 19 de
fevereiro de 1998.
• Lei nº 10.695/03, que altera o Código Penal.
• E, principalmente a Lei nº 9.610/98, Lei do Direito Auto-
ral.

11. Quais novidades foram trazidas com a
promulgação da Lei nº 9.610/98?

A Lei de Direitos Autorais, Lei nº 9610/98, marca um avanço
fundamental na regulamentação dos direitos do autor quando de-
fine o que é lícito e ilícito, a título de reprodução e, quais sanções
civis podem ser impostas aos seus infratores.

12. O que é válido para ser registrado como Direito
Autoral?

O direito de autor tem por objetivo assegurar ao criador uma
participação financeira e outra moral, no que diz respeito ao uso
da obra que criou (isso, quando não se tratar de uma autorização
gratuita). Vale salientar que as obras é que são protegidas e não os
autores. Portanto, é desta forma que eles se tornam favorecidos
dessa proteção. Para tanto, o surgimento do direito de autor se

10
deu com a criação da obra intelectual, dado que não se pode falar
de direito de autor sem a existência de uma obra.
O direito de autor protege as formas de expressão das ideias
e não as ideias, propriamente ditas. É necessário que elas tomem
um corpo físico, expresso mediante um livro, um desenho, um
filme ou etc.
Os artigos 7º, 8º, 9º e 10º da Lei nº 9.610/98 apontam as
formas de exteriorização das criações do espírito, que podem ser
protegidas, tais como: composições musicais, obras audiovisuais e
fotográficas, ilustrações, adaptações e traduções, bem como outras
transformações de obras originais, apresentadas como novas criações
intelectuais. Assim, o registro refere-se à base concreta, corpórea
(impressão em papel, CD-ROM, DVD) ou incorpórea (digital e
satélite) da obra criada e tem por finalidade alcançar o público. É
fundamental ressaltar que “registrar” é publicizar a obra.

13. O que não é preciso proteger observando a Lei
de Direitos Autorais?

De acordo com a Lei 9.610/98 não precisam de proteção:
• Ideias, procedimentos normativos, sistemas, métodos, pro-
jetos ou conceitos matemáticos.
• Esquemas, planos ou regras para realizar atos mentais, jo-
gos ou negócios.
• Formulários em branco para serem preenchidos por
qualquer tipo de informação.
• Textos de tratados ou convenções, leis, decretos, regula-
mentos, decisões judiciais e atos oficiais.
• Calendários, agendas etc.
• Aproveitamento industrial ou comercial das ideias contidas
nas obras.

11
14. Os Direitos Autorais podem ser transferidos?

Obviamente, assim como qualquer outra propriedade é passível
de transferência, visto que o todo ou parte dos direitos de uma
obra podem ser transferidos pelo proprietário para outro indivíduo.

15. Quando se pode proteger uma obra intelectual?

A obra é passível de proteção por direitos autorais no momento
de sua criação e fixada tangivelmente, de forma direta, sendo per-
ceptível ou perceptível somente com o auxílio de um dispositivo
ou um equipamento.

16. E, no caso de artigos publicados na imprensa?
Concerne ao editor o direito de utilizar economicamente os
escritos publicados pela imprensa (diária ou periódica), exceto os
artigos assinados ou que apresentem indicação de reserva.
A autorização para uso econômico de artigos assinados em jor-
nais e revistas é válida durante o período de publicação, acrescida
de 20 (vinte) dias. Além disso, após este prazo, o autor retoma
seus direitos.

17. O que são obras intelectuais?
Conforme o preconizado pela Lei nº 9.610/98, Lei de Direito
Autoral, em seu artigo 7º, obras intelectuais são:
Art. 7º. São obras intelectuais protegidas as criações do es-
pírito expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer

12
suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente
no futuro, tais como:
I - os textos de obras literárias, artísticas ou científicas;
II - as conferências, alocuções, sermões e outras obras da
mesma natureza;
III - as obras dramáticas e dramático-musicais;
IV - as obras coreográficas e pantomímicas, cuja execução
cênica se fixe por escrito ou por outra qualquer forma;
V - as composições musicais, com ou sem letra;
VI - as obras audiovisuais, sonorizadas ou não, inclusive as
cinematográficas;
VII - as obras fotográficas e as produzidas por qualquer pro-
cesso análogo ao da fotografia;
VIII - as obras de desenho, pintura, gravura, escultura, lito-
grafia e arte cinética;
IX - as ilustrações, cartas geográficas e outras obras da mes-
ma natureza;
X - os projetos, esboços e obras plásticas concernentes à
geografia, engenharia, topografia, arquitetura, paisagismo,
cenografia e ciência;
XI - as adaptações, traduções e outras transformações de
obras originais, apresentadas como criação intelectual nova;
XII - os programas de computador;
XIII - as coletâneas ou compilações, antologias, enciclopé-
dias, dicionários, bases de dados e outras obras que, por sua
seleção, organização ou disposição de seu conteúdo, con-
stituem-se, em uma criação intelectual.

18. Qual o significado de “domínio público”?

Uma vez esgotado o prazo de proteção, conforme determina a
Lei nº 9.610/98, as obras (literária, artística ou científica) deixam de

13
pertencer ao domínio privado de seus titulares e, passam a ser de
uso de todos, da sociedade em geral, ou seja, de domínio público.
Vale esclarecer que o que passa para o domínio público são as
obras, as interpretações, as execuções e os fonogramas e não os
seus titulares visto que, muitas vezes, um autor poderá, ao mesmo
tempo, ter obras protegidas e outras em domínio público.

19. O que significa publicar uma obra?

A publicação tem um significado técnico na Lei dos Direitos
Autorais, Lei nº 9.610/98. Conforme a referida Lei, a publicação é a
distribuição de cópias de uma obra ao público por venda, transfer-
ência de propriedade ou mesmo mediante aluguel ou empréstimo.
Também se constitui publicação, o oferecimento para distribuir
cópias para um grupo de pessoas para propósitos de distribuição
exclusiva, promocional, execução ou exibição pública. Porém, vale
lembrar que a simples exibição de uma obra não se constitui uma
publicação, dado que, geralmente, a publicação acontece na data
na qual é feita as primeiras cópias da obra para o público.

20. Como se procede para registrar uma Obra
Intelectual?

O registro refere-se à base concreta, corpórea (CD-ROM,
DVD, impressão em papel etc.) ou incorpórea (digital ou satélite)
da obra criada, acabada e pronta para alcançar o público. No Bra-
sil, este registro é facultativo, porém, pode servir como prova de
“anterioridade” relativa a uma obra igual publicada por terceiros,
sem a devida autorização. Para uma maior segurança, segundo a
Lei de Direito Autoral, Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998,

14
conforme a natureza, o criador da obra intelectual pode registrá-la
na Fundação Biblioteca Nacional, na Escola de Música, na Escola
de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Insti-
tuto Nacional do Cinema ou no Conselho Federal de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia. Ao que concerne aos programas de
Softwares, estes devem ser registrados no Instituto Nacional da
Propriedade Industrial, INPI, conforme preconiza a Lei nº 9.609,
de 19 de fevereiro de 1998.
A Constituição Federal de 1988, em seu Título II, Capítulo I,
Inciso XXVII diz que “aos autores pertence o direito exclusivo de
utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível
aos herdeiros pelo tempo que a fixar”.
Para registrar no Escritório de Direitos Autorais da Fundação
Biblioteca Nacional, a pessoa deve seguir os passos abaixo dis-
criminados:

PESSOA JURÍDICA:
• INDIVIDUAL (cópia autenticada):
- Declaração de Firma Individual e Aditivos, caso existam -
(Obs: Verso JUCEC/CARTÓRIO);
- Formulário ou Cartão do C.N.P.J. atualizado;
- Quando Microempresa, apresentar declaração.
• LIMITADA (cópia autenticada):
- Contrato Social ou Estatuto e Aditivos, caso existam (Verso
JUCEC/CARTÓRIO);
- Formulário ou Cartão do C.N.P.J. atualizado;
- Microempresa, apresentar declaração;
- Contrato Social ou Estatuto.
- Ata da última Assembleia Geral;
- Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, CNPJ;
- Contrato de Cessão de Direitos Autorais;
- Procuração original com firma reconhecida (se registro solic-
itado por Procurador) ou cópia autenticada;
- Cópia do Cadastro de Pessoa Física, CPF e Identidade do Au-

15
tor Cedente ou mesmos documentos societários se o Cedente for pes-
soa jurídica.
PESSOA FÍSICA:
- Cópia autenticada do Cadastro de Pessoa Física (CPF), do
Registro Geral (RG) e comprovante de Residência;
- Procuração original com firma reconhecida (se registro solic-
itado por Procurador) ou cópia autenticada.
Obs: Para autor estrangeiro e que não possua documentação,
deverá ser apresentada autorização designando um representante legal
para efetuar o registro em seu nome. Deverá, ainda, apresentar cópia
da identidade ou passaporte, bem como a cópia da identidade e do
CPF do representante legal.
OUTROS DOCUMENTOS:
- Requerimento para registro e/ou averbação do Escritório de
Direitos Autorais/Fundação Biblioteca Nacional (EDA/FBN) devida-
mente preenchido. “No caso de cessão de direitos patrimoniais: origi-
nal do Contrato de Cessão de Direitos Autorais Patrimoniais, constan-
do seu objeto e as condições do direito quanto a tempo, lugar e preço”
(com base nos Artigos 49 e 50 da Lei nº 9.610/98).
FORMA DE PAGAMENTO:
- No Banco do Brasil (instituição bancária credenciada para ar-
recadação, conforme artigo 20 da Lei n.º 9.610/98), mediante Guia
de Recolhimento da União, GRU, emitida a partir do site www.stn.
fazenda.gov.br - SIAFI- Guia de Recolhimento da União – (GRU);
- Impressão GRU – Simples.
Preenchimento dos Campos obrigatórios:
- Unidade Favorecida – Código: 344042 - Gestão: 34209 -
(Fundação Biblioteca Nacional);
- Recolhimento – Código: 28830-6 (Serviço Administra-
tivo) ou informando os seguintes dados ao Caixa do Banco do
Brasil:Transação:210
Opção: 7 Cliente: Conta Única do Tesouro Nacional
Identificador 1: 3.440.423.420.928.830 6
Identificador 2: (Número do CPF do autor ou CNPJ Cessionária)

16
FORMA DE ENVIO:
- Via Carta Registrada;
- Via SEDEX ao ESCRITÓRIO DE DIREITOS AUTORAIS;
- Fundação Biblioteca Nacional - Palácio Gustavo Capanema –
Rua da Imprensa, 16 - 12.º Andar - Sala 1205 - Bairro Castelo - Rio de
Janeiro/RJ CEP: 20.030-120
ANEXANDO: os documentos necessários, juntamente com o
requerimento de registro e/ou averbação, além de:
- Se obra publicada: enviar 2 (dois) exemplares (impressa em off
set, tipografia ou semelhante). Um exemplar destina-se ao Depósito
Legal da Fundação Biblioteca Nacional e o outro fica sob a guarda do
EDA/FBN.
- Se obra inédita: 01 (um) exemplar. A obra deverá ser acondicio-
nada em pasta polionda (ou similar), com as páginas numeradas e ru-
bricadas pelo(s) autor(es), contendo o(s) nome(s) na folha de rosto. No
formulário de requerimento, o requerente deverá informar o número
de páginas da obra, incluindo capa, dedicatória, introdução etc.

Biblioteca Nacional:
http://www.bn.br
Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro:
http://www.ufrj.br/musica/regaut.htm
Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro:
http://www.eba.ufrj.br
Instituto Nacional da Propriedade Industrial:
http://www.inpi.gov.br

21. Quais são as aplicações das normas às obras
protegidas pela Lei nº 9.610/98, Lei do Direito Autoral?

17
Quando as obras forem escritas por um único autor, serão
protegidas por toda a vida desta pessoa e pelo período de até 70
(setenta) anos, após sua morte. Esse prazo é contado a partir de
1º de janeiro do ano subsequente ao do seu falecimento.
Já as obras de co-autoria, indivisíveis, elaboradas por dois
ou mais autores, terão seu prazo computado a partir da morte
do último dos co-autores, sendo que as remunerações deverão
ser distribuídas a todos os seus titulares, até mesmo aos que já
faleceram há mais de 70 (setenta) anos, visto que é a obra que
permanece protegida.
Porém, quando um dos autores da obra indivisível falecer, sem
deixar herdeiros ou sucessores, sua parte será acrescida às demais.
No entanto, só nesses casos os co-autores sobreviventes, herdeiros
ou sucessores, auferirão a integralidade dos direitos produzidos
pela obra.
Quanto às obras de um mesmo autor, estas podem passar ao
domínio público em diferentes datas, segundo a data de faleci-
mento do parceiro.
As obras divisíveis e justapostas, decorrência da conexão de
diferentes criações individuais juntas (ex: uma poesia escrita por
um autor e musicada por um compositor), partes diferentes que
se uniram, podem, porém, ser identificadas e usadas em separado.
O prazo para proteção deverá ser individualizado e contado, para
cada parte da obra, a partir da data de falecimento de seu criador,
onde a música poderá cair em domínio público e a letra continuar
protegida.
Para as obras audiovisuais, resultado da fixação de imagens, com
som ou sem ele, com a intenção de criar a impressão de movimento,
independentes dos processos de captação, do suporte midiático
usado inicial ou posteriormente para fixação, como também dos
meios utilizados para veiculação (filmes de curta ou longa duração,
seriados, novelas, desenhos animados etc.), o prazo de proteção
será de 70 (setenta) anos, contados a partir de divulgação, mesmo

18
que obras e os fonogramas, nela contidos, tenham seus próprios
prazos de proteção, muitas vezes não coincidentes.
Obras anônimas e pseudônimas, isto é, quando o autor
não tem seu nome indicado ou quando o autor se oculta sob
um suposto nome, não admitindo que a identidade seja revelada
(pseudônimo secreto), o prazo de proteção será de 70 (setenta)
anos, contados a partir de 1º de janeiro do ano subsequente ao da
primeira publicação, onde os direitos serão exercidos por quem
as publicar. Porém, se o autor se fizer conhecer antes do prazo se
expirar, vigorarão as regras válidas para as obras de autores con-
hecidos, obedecidos aos direitos adquiridos por terceiros durante
o prazo em que o autor permaneceu anônimo ou se ocultou sob
um pseudônimo secreto.
Vale lembrar, que em obras de autores falecidos, sem sucessores
e as de autores desconhecidos, estas cabem ao domínio público.
Porém, é muito raro acontecer casos em que o autor não deixe
herdeiros ou sucessores ao falecer. No caso disso ocorrer, não
possuindo parceiros, em seguida a do autor, a obra, imediatamente,
passa a ser considerada de domínio público.
É importante ressaltar que as obras de autor desconhecido,
vindas de geração a geração, como as cantigas de ninar, são avali-
adas como obras em domínio público, portanto, podem ser usadas
livremente por qualquer pessoa.

22. Como saber se um material ainda continua
protegido por Direito Autoral?

Realizando uma pesquisa junto aos Órgãos Competentes,
conforme segue:

19
• Obras literárias: Fundação Biblioteca Nacional.
• Obras musicais: Escola de Música da Universidade Federal
do Rio de Janeiro.
• Obras artísticas: Escola de Belas Artes da Universidade
Federal do Rio de Janeiro.
• Projetos Arquitetônicos e de Engenharia: Conselho Federal
de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.
• Programas de Computador, marcas, patentes, cultivares e
indicações geográficas: Instituto Nacional da Propriedade
Industrial.

23. O que não constitui ofensa aos Direitos Autorais?

• Artigos de periódicos. A reprodução de notícia, artigo
informativo, discursos proferidos em reuniões públicas
veiculadas em jornais ou revistas, desde que se cite o autor
ou a publicação de onde foram transcritos.
• Retratos: Publicizar retratos ou outra representação de im-
agem, feitos sob encomenda, quando realizada pelo dono
do objeto encomendado, desde que não haja a oposição da
pessoa nele representada ou de seus herdeiros.
• Obras: Reproduzir obras literárias, artísticas ou científicas,
para uso exclusivo de deficientes visuais, sempre que a re-
produção seja feita por meio do sistema Braile ou outro
suporte tecnológico, sem fins comerciais.
• Citação: Pode-se mencionar em livros, jornais e revistas
ou qualquer outro meio de comunicação, trechos de obra,
para fins de estudo, porém, é preciso indicar o autor e as
fontes bibliográficas da obra.

20
• Utilização em estabelecimentos comerciais: O uso de
obras literárias, artísticas ou científicas, fonogramas e trans-
missão radiofônica ou televisiva em casas comerciais, desde
que seja exclusivamente para demonstração à clientela e os
estabelecimentos vendam os equipamentos que consintam
a utilização.
• Teatro: É possível, tanto a representação teatral como a
execução musical, no recinto familiar ou em instituições
de ensino (somente para fins didáticos), desde que não se
objetive auferir lucro.
• Artes plásticas: É aceita a reprodução de pequenos tre-
chos, em qualquer obra de artes plásticas, sempre que a
reprodução não seja o objetivo principal de uma nova obra
e não prejudique a exploração normal da obra reproduzida,
nem origine prejuízo injustificado aos legítimos interesses
dos autores.
• Obras públicas: As obras em locais públicos podem ser
representadas livremente, na forma de pinturas, desenhos,
fotografias e audiovisuais.

24. Como se obtém cópias da obra de outra pessoa
ou a sua solicitação e certificação?

Somente podem ser requeridas cópias desses documentos
(o que pode ser feito antes de estarem disponíveis ou regis-
trados), mediante permissão formal, por escrito do autor ou
de uma declaração de litígio obrigatória. Vale lembrar que os
Escritórios de registro de Direitos Autorais, tanto da Fundação
Biblioteca Nacional como da Escola Nacional de Belas Artes,
não fornecem cópias de um pedido de registro de uma obra para

21
outrem, sem autorização escrita do proprietário ou do procurador,
exceto no caso em que a obra esteja em litígio.

25. Como se procede para registrar um manual?

O Manual é uma obra intelectual, logo, deve ser registrado como
tal, na Fundação Biblioteca Nacional. Para um maior esclarecimento
você pode acessar o site http://www.bn.br.

26. Qual a diferença do registro de direitos junto
à Fundação Biblioteca Nacional e do registro em um
Cartório de Títulos e Documentos?

Segundo Chagas (2008), com o fito de resguardar os direitos
autorais, recomenda-se registrar a obra junto ao Escritório de Di-
reitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional, EDA, bem como
no Cartório de Títulos e Documentos. É importante frisar que
não são necessários os dois registros, visto que o direito brasileiro
não determina o registro como uma formalidade obrigatória para
a proteção do Direito de Autor. Juridicamente, este registro é
facultativo e tem como objetivo assegurar direitos.
Como eficiência de registro, ao Direito de Autor interessa, apenas,
comprovar a anterioridade do registro, pois esta configura apenas
uma presunção juris tantum1, que pode ser determinada com a prova
contrária do interessado. Vale ressaltar que os registros em matéria
autoral não possuem o mesmo valor do registro de um imóvel ou

22
de uma marca, dado que estes são constitutivos de direitos, ou seja,
quem exibe a certidão do registro é o proprietário e pode afastar outra
pessoa de qualquer anseio à sua propriedade ou de direito sobre ela.
O registro autoral é uma simples cautela com o fito de declarar
o direito exclusivo que o autor possui ao que registrou e, como o
fez. Quando a discussão recai sobre a identidade de obras e não
dos autores, tem o mesmo valor de um registro no Cartório de
Títulos e Documentos, como prova de anterioridade. Portanto,
para proteger os direitos autorais sobre uma obra, especialmente
contra terceiros, é importante registrar a obra no Escritório de
Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional e no Cartório
de Títulos e Documentos, dado que gozam de fé pública. Se hou-
ver a alegação de que alguém não autorizado alterou o texto, uma
certidão de um desses órgãos será prova cabal para a confissão
da violação do direito.

27. Como proteger materiais didáticos?

Igualmente como se age ao registrar uma obra intelectual, visto
que a lei resguarda quaisquer formas ou processos de publicação,
distribuição e reprodução, conforme preconizado no artigo 5º,
Incisos I, IV e VI, da Lei nº 9.610 de 19.02.98. A referida Lei as-
segura a proteção às participações individuais em obras coletivas.
Ao organizador, cabe a titularidade dos direitos patrimoniais sobre
a obra coletiva e o contrato com o organizador especializado. (Direi-
tos Patrimoniais da Lei nº 9.610/98, Capítulo III, artigos 28 a 45).
1 Expressão que pode ser traduzida como direito que resulta de. Como
exemplo: Geralmente em Direito de Trânsito quem bate atrás de um veículo é o cul-
pado. Essa é a presunção relativa juris tantum, dado que admite prova em contrário,
já que nem sempre quem bate na traseira de um veículo é o culpado. (www.politica-
para politicos.com.br/glossário.php?id_glossário=218)

23
28. Quais punições podem ser impostas para quem
reproduz ilegalmente uma obra protegida?

A Lei nº 10.693, de 1º de julho de 2003, que alterou os artigos
184 e 186 do Código Penal e acrescentou parágrafos ao artigo 525
do Código de Processo Penal, representa um avanço considerável,
além do que, pode ser vista como uma nova arma para o combate
à contrafação2.
A supracitada Lei aumenta a pena mínima para os crimes de
violação de direito de autor com o objetivo de auferir lucro, mesmo
que indireto, para 2 (dois) anos de reclusão. Portanto, o crime de
violação de direito de autor, com o fito de comercialização, passa a
ser visto como um crime de menor potencial ofensivo, o que con-
firma a seriedade com que passa a ser tratado pela legislação penal.
Além da pena de reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, multa
e apreensão do conjunto dos bens ilicitamente produzidos ou
reproduzidos, há também a possibilidade de apreensão dos equi-
pamentos, suportes e materiais que possibilitaram a sua criação,
desde que se destinem para a prática do dolo.
Na esfera cível, o infrator estará sujeito ao pagamento de
indenização, calculada a partir do prejuízo causado aos ofendi-
dos. Quando da impossibilidade de valoração por consequência
doesconhecimento do número de exemplares contrafeitos, a Lei
determina que o ofensor indenize os ofendidos pagando-lhes
o valor correspondente a 3.000 (três mil) exemplares por título
reproduzido ilegalmente, além dos apreendidos. Exemplificando:
Se uma obra literária de R$ 30,00 (trinta Reais) foi ilegalmente
reproduzida, o copista pode ser punido com a pena de reclusão
de 2 a 4 anos e ser condenado a indenizar um valor substancial,
que poderá superar R$ 90.000,00 (noventa mil Reais).
2 Reprodução não autorizada de uma obra seja musical, literária ou de outra
natureza, sem prévia autorização do autor.

24
29. Há transgressão do direito à imagem quando
a fotografia de uma pessoa é publicada na mídia
impressa sem que isso fira a imagem dos retratados?

Segundo Gasparian (2000), não há o que discutir sobre o direito
à imagem, dado que este diz respeito exclusivo à tutela do aspecto
físico. Não tem nada a ver com outro significado de “imagem”,
quando se reporta ao conceito que a pessoa tem de si mesma.
O direito à imagem é preconizado pela Constituição Federal e é
reconhecido pela jurisprudência jurídica. Neste sentido, a imagem
(em forma de direito personalíssimo) só pode ser publicizada por
meio de uma autorização. Porém, quando a divulgação da imagem
não depende de consentimento do retratado, existem limites, tais
como: a notoriedade da pessoa retratada, os interesses públicos
e culturais, o direito à informação e a presença do sujeito em
cenário público etc.
No Brasil, já há algum tempo, os tribunais vêm decidindo que a
esfera de privacidade de uma pessoa de renome, com vida pública
ou destaque social é reduzida, em razão do interesse que desperta
a sua intimidade. (GASPARIAN, 2000).
O entendimento dos tribunais é de que as pessoas que par-
ticipam de eventos públicos (festas, desfiles etc.) abdicam da
privacidade. Portanto, a divulgação não viola o direito à imagem.
(GASPARIAN, 2000).
O veículo de comunicação que retratar uma pessoa em sua
casa, sem o seu consentimento, poderá ser considerada uma
invasão de privacidade. Porém, se for retratada em local público,
não haverá objeção.
Não há como impedir que os veículos de comunicação pub-
liquem a fotografia de uma pessoa em razão de interesse público
ou cultural. Neste caso, é negar o próprio direito à comunicação e
a informação. Se houver proibição, se constituirá um desrespeito

25
à Constituição, podendo haver uma punição. Neste sentido, não
se fala em publicidade, porque a utilização da imagem dependerá
sempre de autorização.
Nos casos em que a divulgação da imagem trouxer benefícios,
não se poderá falar de abuso de direito (ex: para artistas, onde se
presume que a divulgação de fatos e acontecimentos beneficiará
a notoriedade).

30. Quais recursos podem ser utilizados como
prova de autoria em caso do uso indevido de uma obra
intelectual?

Pedido de indenização por perdas e danos, que podem resultar
do emprego indevido ou desautorizado.
O dano moral é consequência da própria violação ao direito.
O autor deve ser compensado sem qualquer obrigação de prova
de prejuízo material.

31. Como publicar uma monografia, uma
dissertação de mestrado ou uma tese de doutorado?

Por intermédio da editora da própria Instituição de Ensino
Superior a qual defendeu o Título ou de Associações, Fundações e
Editoras Particulares. Feito isso, é importante registrar na Funda-
ção da Biblioteca Nacional, com o devido ISBN.

32. Como registrar os materiais publicados e

26
vinculados à Educação a Distância?

Da mesma forma como se procede ao registrar uma obra in-
telectual, dado que a lei protege todas as formas ou processos de
publicação, distribuição e reprodução, conforme preconizado no
artigo 5º, Incisos I, IV e VI, da Lei nº 9.610 de 19.02.98.
A referida Lei assegura a proteção às participações individuais
em obras coletivas. Cabe ao organizador a titularidade dos direitos
patrimoniais sobre a obra coletiva e o contrato com o organiza-
dor especial (Direitos Patrimoniais da Lei nº 9.610, de 19.02.98,
Capítulo III, artigos 28 a 45).
Porém, vale ressaltar a necessidade premente de uma política de
direitos autorais para a educação a distância, com o fito de: reduzir
os riscos de problemas jurídicos para as Instituições de Ensino,
conduzir os atores do processo (gestores, professores, alunos e
técnicos) a um caminho seguro e possibilitar uma flexibilização
dos direitos autorais.

33. Sobre a comercialização de material didático
de cursos a distância, o que a Lei de Direitos Autorais
confere a Instituição promotora de tal curso?

É matéria que está sendo estudada e pesquisada por diversas
Instituições de Ensino Superior, IES. Porém, deve seguir a Lei nº
9.610 de 19.02.98, Capítulo III, artigos 28 a 45. No caso da IES, esta
poderá ser detentora dos direitos patrimoniais, desde que o autor
conceda este direito mediante contrato firmado entre as partes.
O contrato poderá ser de cessão total, parcial (licenciamento)
e edição, e devem ser interpretados restritivamente.

27
Contrato de cessão. A cessão dos direitos de autor sobre as
obras abrangerá, no máximo, o período de 5 (cinco) anos. O prazo
será estabelecido em 5 (cinco) anos sempre que indeterminado ou
superior, diminuindo-se, na devida proporção, o preço estipulado.
Contrato de edição. O editor obriga-se a reproduzir e divulgar
a obra e fica autorizado, em caráter de exclusividade, a publicá-la
e a explorá-la pelo prazo e nas condições pactuadas em contrato.

34. Qual o significado de direito à imagem?

É um dos direitos da personalidade dos quais todos os seres
humanos usufruem, facultando-lhes o controle do uso de sua
imagem, seja a representação fiel de seus aspectos físicos, tais
como em fotografias, retratos, gravuras, na mídia televisiva etc.,
ou, como o usufruto da representação de sua aparência individual
e distinguível, concreta ou abstrata.
O direito à imagem, como atributo irrenunciável da person-
alidade, não pode ser confundido com o do direito autoral do
fotógrafo ou do criador intelectual da representação da imagem
(concreta ou abstrata) de um indivíduo. Portanto, o direito do
criador da imagem concerne à autoria, já o direito do retratado
encontra-se no uso de sua imagem, sendo dois direitos distintos,
exercidos por pessoas distintas e com existência jurídica distinta.
O uso da imagem de um indivíduo ocorre, basicamente, por
duas formas: a autorizada e a não-autorizada. Já, o uso consentido
pode ocorrer por três modalidades:
• Gratuita, mediante consentimento tácito;
• Gratuita, por intermédio de consentimento expresso;
• Para, por meio de consentimento condicionado à gratifica-
ção financeira.

28
A primeira modalidade ocorre quando a imagem é utilizada
por veículos de informação, tais como: periódicos, emissoras
de televisão, livros etc. e representa personalidades públicas ou
notórias (e pessoas que estejam por sua livre vontade próxima a
elas, quando o consentimento é presumido). Neste caso, o uso
da imagem, mesmo quando se trata de personagem notória, para
fins publicitários (com o fito puramente financeiro) não se pode
gozar da exceção ao exercício do direito de imagem, diferente do
uso meramente informativo.
A segunda e a terceira modalidades apresentam-se por meio de
autorização pessoal do retratado. Nestes casos, a única característica
que as diferenciam é a troca financeira.
O uso não autorizado, basicamente, configura-se em duas
modalidades: o uso contra a vontade do retratado e o uso contra
a vontade para motivo amoral. Ambas as formas sofrem sanções
penais, sendo o uso contra a vontade para motivo amoral mais grave.
Com finalidade informativa, como já apontado, o uso da
imagem de pessoas públicas para fins informativos (também com
fins educacionais) é lícito, na maioria dos países, como desdobra-
mento do direito coletivo à liberdade de informação que, desta
forma, limita o direito à imagem. Tal interpretação baseia-se no
direito de informar e de ser informado.
É fundamental observar que não se pode impedir que um
indivíduo conheça a imagem de outrem, e sim que a use contra a
vontade, nos casos previstos em lei.
No Brasil, o direito à imagem é preconizado no artigo 20, Capitulo
II do Código Civil, onde se refere aos direitos de personalidade:
Salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da
justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação
de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a ex-
posição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão
ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indeni-

29
zação que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a
respeitabilidade, ou se destinarem a fins comerciais.

O direito à imagem é protegido de forma clara. E as ressalvas
ao uso informativo podem ser feitas, desde que não atinjam a
respeitabilidade e a honra do indivíduo.

35. Como proceder para registrar material com
imagens de terceiros?

Primeiramente, solicitando ao autor a autorização para utilização
das imagens. Esta pode ser feita por meio de correio eletrônico.
Após, pode ser formalizado um contrato de “Cessão de Direitos
Autorais”. Porém, somente a autorização por escrito já assegura
a possibilidade de publicar o material com imagens de terceiros.

36. Por que a Propriedade Intelectual tornou-se tão
premente no Brasil?

No Brasil, nos últimos anos, houve um grande avanço no campo
da repressão à violação da Propriedade Intelectual. Em particular,
no que concerne à Contrafação, visto o volume das perdas e danos
para os diversos setores do País, com o não pagamento dos direitos
devidos, encargos e impostos da indústria de pirataria.
Portanto, reconhecer o direito do criador e do produtor da
obra é um passo à cidadania e o respeito à cultura e à economia.
Desta forma, o Relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito
do Governo Federal (2004), sobre Contrafação, no Capítulo V, que
diz respeito aos Direitos Autorais e Editoriais, afirma que indicará

30
ao Poder Executivo, mediante o Ministério da Educação, a fim
de alertar todas as Universidades e Faculdades credenciadas, que
a conduta por elas tolerada é criminosa.
É fundamental lembrar que a produção de conteúdo intelec-
tual demanda uma grande dedicação. É preciso que bons autores
transformem o seu conhecimento em obras literárias. Se persistir a
pirataria, as perspectivas de médio e longo prazo serão preocupantes.

37. O que é permitido para reprodução?

Conforme o preconizado pelo artigo 28, da Lei nº 9.610, de
19.02.98, Lei do Direito Autoral, compete ao autor o direito ex-
clusivo de utilizar, desfrutar e dispor da obra literária, artística ou
científica. No artigo 29 é disposto que está sujeito à autorização
prévia e expressa do autor a utilização da obra, por diferentes
formas, como a reprodução integral ou parcial.
A referida exclusividade é limitada pelas hipóteses expressas no
artigo 46, da Lei 9.610 de 19.02.98. Exceto as exceções legais e da
autorização da cópia para uso privado do copista, a reprodução,
sem autorização do titular ou de seu representante, constitui con-
trafação passível de punição (nas esferas cível e criminal).

38. O que significa reproduzir um pequeno trecho
de uma obra?

Pequeno trecho é parte da obra que não considera a sua sub-
stância. Portanto, não se refere ao tamanho da reprodução, mas
sim, ao conteúdo reproduzido.
Na Lei nº 9.610/98, Lei de Direito Autoral, não se verifica o

31
que é um pequeno trecho, bem como a referida Lei não fala so-
bre a porcentagem significante deste pequeno trecho. Portanto,
não se pode assegurar que 10%, 15% ou 20% do total da obra
é um pequeno trecho, dado que muitas vezes, neste âmbito de
reprodução, já se contempla parte substancial da obra protegida.
De acordo com a Associação Brasileira de Direitos Reprográficos
(2008), ainda que o trecho que se queira reproduzir possa ser con-
siderado como um pequeno trecho, isto é, apenas uma das hipóteses
especificadas na lei, precisa ser atendida simultaneamente às demais.

39. Qual o significado de contrafação editorial?

A contrafação (pirataria) intelectual ou o uso e a reprodução
indevida e não autorizada de obras intelectuais, tais como: marcas,
patentes e obras (literárias, artísticas e científicas), com o fito de
auferir lucro, geram prejuízos incalculáveis aos titulares dos direitos,
bem como ao mercado.
No que concerne à contrafação editorial os prejuízos chegam
aos autores e editores. No caso dos autores, os mesmos veem seus
direitos intelectuais violados e seu trabalho furtado. Os editores se
sentem usurpados quando se deparam com obras, pelas quais pagaram
os direitos autorais e editoriais, muitas vezes, copiadas ilegalmente,
sem qualidade, acarretando em prejuízos morais e materiais.
Segundo Cabral (1998), a fluxo criar, produzir, distribuir desaba,
tendo em vista a pirataria que está alcançando o movimento edito-
rial, vez que para editar um livro há muito trabalho e influência de
vários setores na cadeia produtiva.
A elaboração do texto, a editoração, a composição, a revisão,
a impressão, a logística, o marketing e a comercialização deman-
dam um trabalho respeitável e invejável que ordena investimentos
financeiros e humanos altíssimos.

32
Vale lembrar que a pirataria é deverás desleal, dado que, muitas
vezes, a pessoa que copia a obra nem utiliza instrumentos tec-
nológicos contemporâneos, ou seja, adquire um simples exemplar
e reproduz com baixa qualidade e a vende a preço ínfimo, obtendo
um ganho financeiro invejável, dado que só teve uma despesa, ou
seja, a aquisição de um exemplar do livro.

40. Além do desrespeito ao Direito Autoral, quais os
prejuízos ocasionados pela contrafação?

De acordo com a Associação Brasileira de Direitos Autorais
(2008), estima-se que o mercado editorial brasileiro perde mais
de R$ 1 bilhão ao ano em decorrência da contrafação de obras
literárias. Este número é estimado por meio do consumo médio
de cópias não autorizadas realizado anualmente somente pelos
alunos de cursos superiores.
Segundo a referida Associação, este dado denota um prejuízo
significativo e fundamental no fechamento de diversas editoras que
se especializaram em livros técnicos e didáticos, dado que acarreta
desemprego de vários profissionais de diversas áreas, tais como:
autores, ilustradores, designers, tradutores, revisores, livreiros etc.
A pirataria editorial também sustenta um outro quadro: o das
pequenas tiragens dos livros no Brasil. Este quadro indica a estag-
nação do mercado leitor e contribui para o aumento do custo do
livro. Enquanto as tiragens e o número de vendas estacionaram,
as cópias se proliferaram.
Isto demonstra o pouco atrativo na geração e publicação de
conteúdos, o que resulta em uma interrupção do processo de dis-
seminação do conhecimento acadêmico.

33
41. Como registrar uma obra artística? E por que
isto é fundamental?

O registro dos Direitos Autorais de uma obra artística é fun-
damental para a comprovação da autoria perante terceiros, a fim
de impedir sua utilização sem autorização; para a especificação
dos direitos morais e patrimoniais, bem como, para o estabeleci-
mento do prazo de proteção, tanto para o titular, quanto para
seus sucessores. Além disso, o registro é uma forma de preservar
a memória nacional, já que a obra ficará registrada em um dos
órgãos governamentais responsáveis.
Podem registrar uma obra literária ou artística: o autor dela e/
ou a pessoa autorizada pelo autor, mediante procuração específica
para exercer esse poder.

42. Como registrar uma letra de música?
Este registro é feito na Fundação Biblioteca Nacional (2009).
Para o registro de letras e partituras, o autor requerente poderá
adotar uma das formas abaixo:

1° - Registro de Várias Letras em uma só pasta (Sem Par-
tituras) – Gênero: 01 ou Registro de Várias Partituras em uma só
Pasta (Sem Letras) - Gênero: 04

a) Para este tipo de registro, a pasta deverá conter apenas letras ou
apenas partituras, sendo que todas devem ser de um mesmo autor ou
autores. Se houver necessidade de alterar a parceria, deverá ser aberta
uma nova pasta. Exemplo: Pasta 01 = Todas as letras ou partituras per-
tencem ao João / Pasta 02 = Todas as letras ou partituras pertencem ao
João e ao José / Pasta 03 = Todas as letras ou partituras são do João, do
José e do Paulo.

34
b) Deverá ser fornecido apenas um título geral para a pasta
(Exemplo: o título de um disco ou livro), ou o título da primeira
letra da pasta ou da primeira partitura seguida da palavra “e outras”.
Exemplo: O amor e outras. Atenção: O autor receberá o Certificado
constando apenas o título geral escolhido, mas todas as letras ou parti-
turas existentes na pasta estarão registradas e protegidas.
c) O autor deverá elaborar uma relação, em 02 vias, dos títulos das
letras ou das partituras, seguindo a mesma ordem em que foram co-
locadas na pasta para controle da Fundação da Biblioteca Nacional,
FBN e do próprio autor. Esta relação deverá ser a primeira folha da
pasta. Exemplo: 1) Minha Vida. 2) Amor, estou a caminho de casa. 3)
O amor etc.
Observação: Não se coloca a relação dos títulos um embaixo
do outro.
d) Deverá ser preenchido um Requerimento por pasta. Cada fol-
ha do requerimento possui espaço para ser preenchido por até dois
autores. Se a letra tiver mais de dois autores, deverá ser tirada cópia
do requerimento (frente e verso) para que os outros também possam
preenchê-lo e assiná-lo.
e) O Requerimento deverá ser assinado abaixo da primeira página
(caso a obra seja cópia, também deverá ser assinada a “Declaração” no
verso do Requerimento).
f ) Todas as páginas do trabalho deverão ser numeradas, inclusive a
capa. Os autores deverão assinar ou rubricar cada página do trabalho.
Observação: Não esquecer que o tamanho do Papel é igual a A4.
g) Colocar as letras em uma pasta polionda ou encadernada com bro-
chura. (Pasta plástica ou de papelão com elástico, sem presilhas de metal).
h) Anexar cópia do CIC e RG de todos os autores maiores de 16
anos. Autores com idade entre 16 e 18 anos deverão fornecer cópia do
seu próprio CIC e RG, bem como do Responsável (pai ou mãe), que
deverá assinar no verso do Requerimento. Menores de 16 anos, cópia
do RG ou Certidão de Nascimento e RG e CIC do Responsável, o qual
será o requerente.
i) Pagar a Taxa de Registro “por pasta”.
Pagamento antecipado via guia de recolhimento da União no Banco do Brasil.

35
2° - Registro de várias letras e suas partituras correspon-
dentes em uma só pasta – gênero: 04
a) Para este tipo de registro, a pasta deverá conter as letras e as re-
spectivas partituras sendo elas de um mesmo autor ou dos mesmos
autores. Se houver alteração na parceria, deverá ser aberta uma nova
pasta. Exemplo: Pasta 01 = Todas as letras e partituras pertencem ao
João/Pasta 02 = Todas as letras e partituras pertencem ao João e ao José/
Pasta 03 = Todas as letras e partituras são do João, do José e do Paulo.
b) Deverá ser dado apenas um título geral para a pasta (Exemplo, o
título de um disco ou livro), ou o título da primeira letra/partitura da
pasta seguida da palavra “e outras”. Exemplo: A cidade e outras.
Observação: O autor receberá o Certificado constando apenas o
título geral escolhido, porém, todas as letras/partituras existentes na
pasta estarão registradas e protegidas.
c) O autor deverá criar uma relação, em 02 vias, dos títulos das
letras/partituras seguindo a mesma ordem em que foram colocadas na
pasta para controle da FBN e do próprio autor. Esta relação deverá
ser a primeira folha da pasta. Exemplo: 1) Meu Amor. 2) Amor estou
voltando para casa. 3) A vida etc.
Observação: Na relação, deverão ser colocados os títulos, um em-
baixo do outro.
d) Deverá ser preenchido um Requerimento por pasta. Cada fol-
ha de Requerimento possui espaço para ser preenchido por dois au-
tores. Se a letra tiver mais do que dois autores, deverá ser tirada cópia
do Requerimento (frente e verso) para que os outros autores possam
preenchê-lo e assiná-lo.
e) Assinar o Requerimento abaixo da primeira página. Caso a obra seja có-
pia, também deverá ser assinada a “Declaração” no verso do Requerimento.
f ) Deverão ser numeradas todas as páginas do trabalho, incluindo a
capa. Os autores deverão assinar ou rubricar cada página do trabalho.
TAMANHO DO PAPEL= A 4.
g) Colocar as letras e partituras em uma pasta polionda ou encad-
ernada com brochura. (Pasta plástica ou de papelão com elástico, sem
presilhas de metal).

36
h) Deverá ser anexada cópia do CIC e RG de todos os autores maiores de
16 anos. Autores com idade entre 16 e 18 anos deverão fornecer cópia do seu
próprio CIC e RG e também do responsável (pai ou mãe), que deverá assinar
no verso do Requerimento. Menores de 16 anos, cópia do RG ou Certidão
de Nascimento e RG e CIC do responsável, que será o requerente.
i) Pagar a Taxa de Registro “por pasta”. Pagamento antecipado via
Guia de Recolhimento da União no Banco do Brasil.

3° - Registro de cada letra (individualmente) – Gênero: 01
a) Cada letra deverá ser considerada 01 (um) registro. Taxa, paga-
mento “por letra” PAGAMENTO VIA GRU NO BANCO DO BRA-
SIL.
b) Deverá ser preenchido um Requerimento para cada letra. Cada
folha de Requerimento possui espaço para ser preenchida por dois au-
tores. Se a letra possui mais de dois autores, deverá ter cópia do Re-
querimento (frente e verso) para que os outros autores também possam
preenchê-lo e assiná-lo.
c) O Requerimento deverá ser assinado abaixo da primeira página.
Caso a obra seja cópia, também deverá ser assinada a “Declaração” no
verso do Requerimento.
d) Todas as páginas do trabalho deverão estar numeradas, inclusive
a capa. Os autores deverão assinar ou rubricar cada página do trabalho.
O trabalho deverá ser em tamanho A4.
e) Cada letra deverá ser colocada em uma pasta polionda ou encad-
ernada com brochura. (Pasta plástica ou de papelão com elástico, sem
presilhas de metal).
f ) Deverão ser anexadas cópias do CIC e RG de todos os autores
maiores de 16 anos. Autores com idade entre 16 e 18 anos deverão
fornecer cópia do seu próprio CIC e RG e também do responsável (pai
ou mãe), que deverá assinar no verso do Requerimento. Menores de 16
anos devem fornecer cópia do RG ou Certidão de Nascimento e RG e
CIC do responsável, que será o requerente.
i) Pagar a Taxa de Registro “por pasta”. PAGAMENTO ANTE-
CIPADO VIA GRU NO BANCO DO BRASIL.

37
4º - Registro de partituras (individualmente) – Gênero: 04
a) Cada partitura é considerada 01 (um) registro. Taxa “por parti-
tura”. PAGAMENTO VIA GRU NO BANCO DO BRASIL.
b) Deverá ser preenchido um Requerimento para cada partitura. Cada
folha de Requerimento possui espaço para ser preenchida por dois au-
tores. Se a letra possuir mais de dois autores, tirar cópia do Requerimento
para que os outros autores também possam preenchê-lo e assiná-lo.
c) O Requerimento deverá ser assinado abaixo da primeira página.
Todas as páginas do trabalho deverão estar numeradas, inclusive a capa.
Todas as páginas deverão ser assinadas ou rubricadas. TAMANHO DO
PAPEL=A 4.
d) Cada partitura deverá ser colocada em uma pasta polionda ou
encadernada com brochura. (Pasta plástica ou de papelão com elástico,
sem presilhas de metal).
e) Deverá estar anexada cópia do CIC e RG de todos os autores
maiores de 16 anos. Autores com idade entre 16 e 18 anos deverão
fornecer cópia do seu próprio CIC e RG e também do responsável (pai
ou mãe), que deverá assinar no verso do Requerimento. Menores de 16
anos deverão fornecer cópia do RG ou Certidão de Nascimento e RG e
CIC do responsável, que será o requerente.
Observação: O trabalho que segue para o Escritório de Direi-
tos Autorais, da Fundação da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro,
não é mais devolvido. Portanto, sugere-se guardar cópias em casa.
A Fundação Biblioteca Nacional permite tirar cópia (frente
e verso) do Requerimento para solicitações futuras de registro
autoral de novos trabalhos. Os registros de nomes de bandas são
solicitados no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial).

43. Em qual legislação a proteção das composições
musicais se baseia?

A Lei nº 9.610/98, Lei de Direito Autoral, protege todos os

38
tipos de composições musicais, com a presença ou não de texto ou
letra. Em todas as utilizações da obra musical, com fins lucrativos,
exige-se autorização do autor ou do seu representante para o qual
será dada a retribuição financeira.
Segundo Jalil (2004), a anuência deve não apenas preceder ao
uso da música como ser feita por escrito pelo titular do direito,
segundo dispõe o art. 29 da Lei 9.610/98:
Art. 29. Depende de autorização prévia e expressa do autor
a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais como:
I - A reprodução parcial ou integral.
II - A edição.
III - A adaptação, o arranjo musical e quaisquer outras
Transformações.
IV - A tradução para qualquer idioma.
V - A inclusão em fonograma ou produção audiovisual.
VI - A distribuição, quando não intrínseca ao contrato firma-
do pelo autor com terceiros para uso ou exploração da obra.
VII - A distribuição para oferta de obras ou produções me-
diante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro
sistema que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou
produção para percebê-la em um tempo e lugar previamente
determinados por quem formula a demanda, e nos casos em
que o acesso às obras ou produções se faça por qualquer
sistema que importe em pagamento pelo usuário.
VIII - A utilização, direta ou indireta, da obra literária, artísti-
ca ou científica, mediante: (...)
b) execução musical; (...)
d) radiodifusão sonora ou televisiva.
e) captação de transmissão de radiodifusão em locais de
freqüência coletiva.
f) sonorização ambiental; (...)
i) emprego de sistemas óticos, fios telefônicos ou não, cabos
de qualquer tipo e meios de comunicação similares que ven-
ham a ser adotados. (...)

39
IX - A inclusão em base de dados, o armazenamento em
computador, a microfilmagem e as demais formas de arqui-
vamento do gênero.
X - Quaisquer outras modalidades de utilização existentes ou
que venham a ser inventadas.

44. É possível registrar o nome de uma banda
musical?

Negativo. Nomes não são protegidos pela Lei nº 9.610/98, Lei de Direito
Autoral. Porém, observa-se que alguns nomes podem ser resguardados
sob a Lei 9.279/96, Lei de Propriedade Industrial (LPI), especificamente
no que concerne às questões relativas às Marcas. Neste caso, deverão
ser registradas no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

45. Há uma lista publicizada de canções ou filmes
em domínio público?

Não. Porém, uma busca nos respectivos registros nos órgãos
competentes poderá revelar se uma obra particular entrou em
domínio público ou se ainda continua protegida.

46. Como proceder ao registrar um produto?

Com o fito de diversificar os negócios e alargar a participação
de mercado, criando novos produtos, é válido patentear. Assim,
os direitos ficam garantidos. Este registro é feito pelo Instituto

40
Nacional da Propriedade Industrial, INPI. O Estado concede a
propriedade temporária da inovação, mediante o detalhamento
do conteúdo técnico do material a ser patenteado.
Conforme determinação do INPI (2009), é preciso seguir
alguns passos:
1. Informar-se se o produto pode ser patenteado.
Antes de tentar registrar o produto é preciso certificar-se de que
o produto pode ser patenteável. Para tanto, deverá ser consultada a Lei
9.279/96, Lei de Propriedade Industrial.
2. Saber se a ideia já existe. Se ela é uma novidade, uma
atividade inventiva e se possui aplicação industrial.
No site do INPI encontra-se um banco de dados de patentes.
Neste é possível saber se a ideia é mesmo inovadora e se não houve
um produto igual ao que se imaginou acessível ao público antes da data
de depósito do pedido. Por meio do Sistema Eletrônico de Gestão da
Propriedade Industrial, denominado de e-INPI, se tem acesso aos reg-
istros dos produtos que foram depositados.
3. Preencher o formulário.
O primeiro passo é preencher o formulário de pedido de pat-
ente com um relatório descritivo. Nele, se esclarece a técnica e os prob-
lemas técnicos que a patente resolve; Registram-se as reivindicações,
com base nos direitos de inventor; apresenta-se um resumo e os desen-
hos, se houver necessidade. Também deve fazer parte deste o compro-
vante de pagamento da retribuição relativa ao depósito. O formulário
está disponível no INPI e no site do Instituto. Para o preenchimento
eletrônico é necessário estar cadastrado no e-INPI.
4. Depositar o pedido de patente.
O pedido de patente deve ser depositado na sede do INPI ou
enviá-lo para Diretoria de Patentes DIRPA/CGPROP, com indicação
do código DVP (AN 127 itens 4.2, 4.2.1 e 4.4).

41
O pedido pode ser depositado na Sede, no Rio de Janeiro, ou
nas Divisões Regionais ou Representações nos demais Estados.
5. Solicitar o exame do pedido de patente.
O pedido, após permanecer em sigilo por 18 (dezoito) meses,
é publicado e deve ser solicitado um exame. Para isso, se tem até 36
(trinta e seis) meses, contados a partir da data do depósito. Depositado,
o processo deve ser acompanhado por meio da Revista de Propriedade
Industrial, RPI, disponível no acervo da Biblioteca do INPI e no site
do Instituto, até o momento em que for proferido o resultado.
6. Pagar a retribuição.
Concedido o pedido, o INPI oferece um prazo de até 60 (sessen-
ta) dias para se pagar a retribuição correspondente e, então, solicitar a
expedição da carta-patente. Deve-se verificar se na carta constam o
número, o título e a natureza da patente, o nome do inventor, qualifi-
cação e domicílio, além do prazo de vigência, o relatório descritivo, as
reivindicações, os desenhos e os dados relativos à prioridade. Expedida
a carta, se efetua um pagamento anual a partir do terceiro ano, após o
depósito.

47. Como proceder ao registrar obras industriais?

Obras industriais são patentes. Assim, deve ser registrada como
tal, por intermédio do Instituto de Propriedade Industrial, INPI. Para
maiores informações você pode acessar ao site: http://www.inpi.gov.br.

48. Como proceder ao registrar uma marca?

Primeiramente deverá ser consultada a Lei 9.279/96, Lei de

42
Propriedade Industrial para constatar os principais aspectos legais
sobre marcas. É importante conhecer a referida Lei para assegurar
todos os direitos. A Lei, em conjunto com Tratados dos quais o
Brasil faz parte, rege a concessão de registros de marcas no país.
Assim, verificar o que pode ser objeto de registro, a natureza
e as formas de apresentação configura um passo importante para
um pedido de sucesso. Após, deve-se determinar a natureza e a
forma de apresentação da marca, tendo em vista que elas podem
ser de diversos tipos.
No que tange à sua natureza, elas podem ser de produto,
serviço, coletiva ou de certificação. Já no que concerne à forma
de apresentação, podem ser nominativas, mistas, figurativas ou
tridimensionais.
É fundamental que se saiba precisamente a que se destina e
que forma de apresentação ela terá, pois a proteção conferida pelo
registro varia de acordo com as duas escolhas.
A seguir, observa-se um resumo sobre a natureza e as formas
de apresentação de uma Marca.

Natureza Aplicação
Produto Distinguir produtos de outros iguais,
semelhantes ou afins.
Serviço Distinguir serviços de outros iguais,
semelhantes ou afins.
Coletiva Identificar produtos ou serviços
originários de membros de um grupo
ou entidade.
Certificação Atestar a conformidade de produtos
ou serviços a algumas normas ou
especificações técnicas.

43
Formas de apresentação Aplicação
Normativa Sinal composto apenas por palavras
ou combinação de letras e/ou algaris-
mos, sem apresentação fantasiosa.
Mista Sinal que combina elementos nomi-
nativos e figurativos.
Figurativa Sinal composto por desenho, ima-
gem, formas fantasiosas em geral.
Tridimensional Sinal composto pela forma plástica
distintiva e necessariamente incomum
do produto.

Para o sucesso com a pesquisa, sugere-se realizar uma busca
prévia no banco de dados do INPI. Cabe lembrar que não ob-
rigatória, mas relevante, dado sua importância em conhecer as
marcas que se parecem com aquela que se quer registrar.
Efetuando a referida busca (que pode ser feita no portal ou requerida
oficialmente ao INPI), se assegurará se a marca é mesmo original.
É fundamental um cadastro junto ao e-INPI. Após determinar
quantos e quais tipos de pedidos de marca se quer protocolar, é preciso
o cadastro junto ao sistema do INPI para emissão de Guia de Recolhi-
mento da União, GRU.
Para acessar o e-MARCAS e preencher o formulário eletrônico
de pedido de registro no INPI, é aconselhável consultar o Manual
do Usuário, dado que lá estão todas as informações necessárias para
o preenchimento do formulário eletrônico de pedido de registro,
bem como de outros formulários eventualmente necessários.
Ressalta-se que o sucesso no preenchimento do pedido é fun-
damental para que o processo não sofra nenhum tipo de exigência.
Após enviar o pedido, é viável acompanhar a etapa de exame formal.
Depois de preenchido o formulário eletrônico de pedido de
registro, anexados os documentos necessários e pagar a respectiva

44
taxa, deve-se enviar o pedido e anotar o número do processo, que
será gerado no momento do envio do formulário eletrônico.
É válido lembrar que a data de entrada do pedido será a chamada
data de prioridade. Esta data é a garantia contra concorrentes
que desejem obter o registro de marca igual ou semelhante, para
produtos ou serviços afins, posteriormente ao depósito. A prio-
ridade é importante visto que todo o exame de marcas leva em
consideração a existência de pedidos anteriores, ou seja, quanto
mais cedo se efetuar o pedido, maiores serão as garantias contra
a utilização indevida.
É fundamental, após depósito do pedido, mediante o número
protocolado, acompanhar na Revista Eletrônica da Propriedade
Industrial, RPI, a formulação de possíveis exigências. Isto decorre
porque, durante a fase inicial, os técnicos realizam um exame
formal do pedido, o qual pode eventualmente conter falhas. Por
isso, é fundamental consultar com periodicidade a referida Re-
vista. Caso existam problemas a serem corrigidos no percurso, se
terá um prazo de 5 (cinco) dias para solucioná-lo, ao término do
qual, se a exigência for satisfatoriamente cumprida, o pedido será
publicado na RPI.
Após a fase de exame formal, deverá ser acompanhada a pub-
licação do pedido na Revista Eletrônica da Propriedade Industrial,
RPI. A referida publicação é necessária para divulgação ao público
da intenção de registrar uma marca, consentindo que outros possam
se opor contra o pedido. O direito de oposição é propiciado pela
Lei de Propriedade Industrial, sendo que esta também assegura o
direito de defesa em caso de oposição.
Também é fundamental acessar regularmente a RPI ou a própria
base de dados de marcas, com o objetivo de conhecer as decisões
referentes ao pedido ou eventuais exigências que tenham sido
formuladas pelos examinadores, vez que se tem um prazo de 60
(sessenta) dias, após a publicação, para respondê-las, sob pena do

45
arquivamento do pedido. O cliente também poderá interpor recursos
contra uma eventual decisão de indeferimento dentro do prazo de
60 (sessenta) dias da sua publicação. Todos esses procedimentos
têm um custo e formulários próprios a serem preenchidos.
Vale lembrar, que depositar um pedido de marca não assegura
o registro da marca. Somente, após o exame técnico, em que to-
das as condições de registrabilidade são verificadas e as buscas de
anterioridades são feitas, é que o pedido será decidido.
Caso a marca seja deferida, o cliente deverá pagar as taxas
relativas à expedição do certificado de registro e à proteção ao
primeiro decênio. O cliente terá um prazo de 60 (sessenta) dias, a
contar da publicação do deferimento, para pedir a concessão do
registro. Extraordinariamente, esse prazo poderá se estender até
90 (noventa) dias contados da publicação do deferimento, o que
acarretará em retribuição complementar. Após isso, a marca, já
devidamente registrada, terá vigência de 10 (dez) anos, a contar
da publicação da concessão na RPI. Ao final do primeiro decênio,
o cliente poderá prorrogar a vigência, indefinidamente, mediante
retribuição específica.
É importante ressaltar que não se deve esquecer de conservar
atualizado o cadastro junto ao INPI. Portanto, toda e qualquer
alteração de dados devem ser comunicadas ao órgão competente.

49. Como proceder para registrar e proteger um
Desenho Industrial?

O desenho industrial é a forma plástica ornamental de um ob-
jeto ou o conjunto ornamental de linhas e cores. Pode ser aplicado
a um produto, proporcionando resultado visual novo e original
na sua configuração externa e tem por objetivo servir de tipo de
fabricação industrial.

46
Como requisitos à proteção, o desenho visual deverá ser dis-
tintivo em relação a outros objetos já existentes no mercado. É
preciso que ele possua aplicação ou utilização industrial.
Portanto, qualquer pessoa física pode registrar um desenho
industrial, desde que tenha legitimidade para obtê-lo. O artigo
6o, § 1º, da Lei nº 9279/96, Lei de Propriedade Industrial, afirma
que a pessoa que requer o registro está legitimada, pois tem uma
autorização do autor. Para tanto, é desnecessária a apresentação
da documentação que prove a legitimidade do requerente.
Este registro, junto ao Instituto Nacional de Propriedade In-
dustrial, INP, tem como validade, por um prazo de 10 (dez) anos
contados a partir da data do depósito, prorrogável por 3 (três)
períodos sucessivos de 5 (cinco) anos cada um.
Segundo a Legislação Nacional, os desenhos industriais são
protegidos mediante registro concedido, que deverá ser requerido
no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, INPI, no Estado
de origem ou eletronicamente.

50. Como proceder para registrar um nome, título,
slogan ou logotipo?

O Direito autoral não protege nomes, títulos, slogans ou frases
pequenas. Eventualmente, estes podem ser protegidos como mar-
cas registradas, caso a lei permita. Porém, proteção por direitos
autorais pode estar disponível para obra de arte de logotipo que
contém originalidade artística suficiente. Um logotipo artístico
pode ser protegido também como uma marca registrada.

47
51. Como proceder ao registrar poesias?

O registro é feito junto à Fundação Biblioteca Nacional, FBA.
Esta Fundação tem como missão: atender à sociedade, oferecendo
serviços públicos e gratuitos de livre acesso à leitura, à informação
e aos registros de expressão cultural e intelectual humana, sem
distinção de faixa etária e nenhuma forma de censura ideológica,
política ou religiosa em sua diversidade e pluralidade e, desenvol-
vendo atividades de caráter informativo, cultural e educacional.
Portanto, deverá seguir os passos do registro de uma obra intelectual
(artística, científica e literária).

52. Como proceder para registrar músicas não
partituradas?

Uma música pode conter letra e melodia ou somente melo-
dia, visto que para que todos os músicos possam executar seus
respectivos instrumentos (mesmo que não conheçam a música)
existe a partitura. Portanto:

• Partitura é a representação escrita com símbolos próprios,
ou seja, notas musicais representadas mundialmente.
• Obra é definida como criação psíquica e física do autor
de letra, da melodia ou da notação musical, no primeiro
momento de existência, que transmite uma forma de ex-
pressão ao ouvinte, que por sua vez poderá interpretar de
forma igual ou diferente do autor.
• Autor é a pessoa física que cria, adapta, traduz, arranja
ou orquestra (neste último caso, só as obras em domínio
público) identificado pelo nome civil, pseudônimo ou

48
qualquer outro sinal convencional.
• Co-Autor é aquele que cria em conjunto, traduz ou adapta
uma obra. Tem os mesmos direitos de autor, porém, não se
considera co-autor quem apenas auxilia o autor, avalia, revê
ou atualiza, bem como fiscaliza ou dirige.

A obra pode ser registrada (só letra, só partitura ou letra e par-
titura) na Fundação Biblioteca Nacional ou na Escola de Música
na Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Vale lembrar que a solicitação de registro deverá ser paga por
meio de Guia de Recolhimento e seguir os passos do registro de
Obras Intelectuais.

53. Como proceder para registrar obra artística alto
relevo ou novas técnicas de origami?

Da mesma forma explicitada no registro de Obras Intelectuais,
ou seja, por meio do Escritório de Direitos Autorais da Fundação
da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro.

54. Como proceder para registrar jogos didáticos
pedagógicos?

Os jogos pedagógicos não são passíveis de registro, conforme
preconiza o artigo 8º, da Lei 9.610/98.

Artigo 8º. Não são objetos de proteção como direitos auto-
rais de que trata esta Lei:
I - as ideias, procedimentos normativos, sistemas, métodos,

49
projetos ou conceitos matemáticos como tais.
II - os esquemas, planos ou regras para realizar atos mentais,
jogos ou negócios.
III - os formulários em branco para serem preenchidos por
qualquer tipo de informação, científica ou não, e suas in-
struções.
IV - os textos de tratados ou convenções, leis, decretos, regu-
lamentos, decisões judiciais e demais atos oficiais.
V - as informações de uso comum tais como: calendários,
agendas, cadastros ou legendas.
VI - os nomes e títulos isolados.
VII - o aproveitamento industrial ou comercial das idéias
contidas nas obras.

55. Qual o significado de uma base de dados?

Base de dados também é conhecida como banco de dados. É
a compilação de dados (informações) que, em suporte tradicional,
confunde-se com o arquivo físico e que, com o advento do computa-
dor, compõe um sistema integrado de informações, por este lido e
manipulado por meio de um programa. Neste sentido, observa-se que:
a) Base de dados é tal como sempre existiu.
b) O computador trouxe um valor agregado de alavanca-
gem organizacional e comercial.
c) O diferencial trazido pela legislação internacional e na-
cional está na proteção da disposição, na forma de organizar os
dados, em seu design.
d) Dados e base de dados não são a mesma coisa. O que
distingue é que a base de dados implica em elementos de criação
intelectual que dão aos dados uma forma organizada e distinta.
Esse elemento distintivo é visto como original.
Desta forma, no reconhecimento da proteção autoral a uma

50
base de dados, há que se observar 2 (dois) fatores simultâneos:
a) Tratar-se de uma obra completa, orgânica e não de dados
sequencialmente apresentados aos usuários como simples infor-
mação.
b) Apresenta suficientes aspectos distintivos que possam
dar identidade própria, destacando-a de seus pares.
No art. 7º, inciso XIII, a Lei 9.610/98, apresenta a base de da-
dos no rol das obras legalmente protegidas, como as compilações,
coletâneas, enciclopédias, dicionários, os quais, por sua seleção,
organização ou disposição de conteúdo, constituem criação in-
telectual. Mas, reserva em seu parágrafo 2º:
A proteção concedida no inciso não abarca os dados ou ma-
teriais em si mesmos, e vige independentemente do recon-
hecimento que pré-existe às obras que integrem esse sistema
organizado e dotado de identidade própria.

56. É possível proteger dados metereológicos
contidos em uma base de dados?

Sim. O titular dos direitos patrimoniais sobre uma base de dados
poderá, com exclusividade, a respeito da forma de expressão da
referida estrutura da base, autorizar ou proibir sua reprodução por
qualquer meio ou processo, sua tradução, adaptação, reordenação
ou qualquer outra modificação; a distribuição do original ou cópias
da base de dados ou sua comunicação ao público, a reprodução,
distribuição dos resultados das operações de tradução, adaptações,
reordenação ou modificação.

57. Como proceder para utilizar filmes em materiais

51
didáticos? É necessário pagar os direitos autorais às
produtoras?

De acordo com o preconizado no artigo 28 da Lei do Direito
Autoral, Lei nº 9.610/98, cabe ao autor o direito exclusivo de
utilizar, fruir e dispor da obra literária, artística ou científica.
Conforme o artigo 29, depende de autorização prévia e ex-
pressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades,
dentre elas a reprodução parcial ou integral, ou seja, deverá haver
uma licença por escrito, com tempo determinado, estabelecendo
a forma de divulgação, preservando o direito moral do autor da
indicação de seu nome. Contudo, essa exclusividade é limitada
pelas hipóteses expressamente indicadas no artigo 46 da mesma
Lei. Art. 46. Não constitui ofensa aos direitos autorais:
I - A reprodução:
a) Na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de arti-
go informativo, publicado em diários ou periódicos, com a
menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de
onde foram transcritos.
b) Em diários ou periódicos, de discursos pronunciados em
reuniões públicas de qualquer natureza.
c) De retratos, ou de outra forma de representação da ima-
gem, feitos sob encomenda, quando realizada pelo propri-
etário do objeto encomendado, não havendo a oposição da
pessoa neles representada ou de seus herdeiros.
d) De obras literárias, artísticas ou científicas, para uso ex-
clusivo de deficientes visuais, sempre que a reprodução, sem
fins comerciais, seja feita mediante o sistema Braille ou outro
procedimento em qualquer suporte para esses destinatários.
II - A reprodução, em um só exemplar de pequenos trechos,
para uso privado do copista, desde que feita por este, sem
intuito de lucro.
III - A citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro
meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para
fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para

52
o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da
obra.
IV - O apanhado de lições em estabelecimentos de ensino por
aqueles a quem elas se dirigem, vedada sua publicação, integral ou
parcial, sem autorização prévia e expressa de quem as ministrou.
V - A utilização de obras literárias, artísticas ou científicas,
fonogramas e transmissão de rádio e televisão em estab-
elecimentos comerciais, exclusivamente para demonstração
à clientela, desde que esses estabelecimentos comercializem
os suportes ou equipamentos que permitam a sua utilização.
VI - A representação teatral e a execução musical, quando
realizadas no recesso familiar ou, para fins exclusivamente
didáticos, nos estabelecimentos de ensino, não havendo em
qualquer caso intuito de lucro.
VII - A utilização de obras literárias, artísticas ou científicas
para produzir prova judiciária ou administrativa.
VIII - A reprodução, em quaisquer obras, de pequenos tre-
chos de obras preexistentes, de qualquer natureza, ou de obra
integral, quando de artes plásticas, sempre que a reprodução
em si não seja o objetivo principal da obra nova e que não
prejudique a exploração normal da obra reproduzida nem
cause um prejuízo injustificado aos legítimos interesses dos
autores. Fora dessas exceções legais, e da permissão da cópia
para uso privado do copista, a reprodução, sem autorização do
titular de direitos autorais ou de seu representante, constitui
contrafação passível de punição nas esferas cível e criminal.

Vale salientar que quando uma obra for utilizada por terceiros,
este deverá indicar de forma legível o nome de seu autor.

58. Como proceder ao proteger projetos?

O modo convencional é registrar o projeto nos órgãos compe-
tentes. Porém, muitos também adotam a seguinte técnica:

53
Assim que concluir o projeto, o autor faz uma cópia e antes de entregar
o original ao cliente, despacha a mesma para si mesmo pelos correios, via
Sedex ou com A.R. (Aviso de Recebimento). É importante salientar que
este envelope jamais poderá ser aberto. Exceto na presença de um juiz.
Após receber a correspondência, preencher o A.R., como con-
firmação do recebimento do envelope. Este deve ser guardado em
lugar seguro. Além disso, a própria confirmação também deverá
ser guardada. Em caso de roubo há como provar, dado que o
envelope, sem violação, poderá ser aberto por um juiz.

Por que isso funciona?
O carimbo dos correios e a confirmação de recebimento, devi-
damente datada é um documento legal sem chances de ser forjado.
Outra consideração é que o envelope não pode estar danificado.
Caso contrário, se perderá a prova com registro legal. Também é
possível registrá-lo no Cartório de Títulos e Documentos.

59. Como proteger uma obra de arquitetura?

As obras arquitetônicas estão sujeitas à proteção por direitos
autorais. Seu registro é efetuado no Conselho Federal de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia, CONFEA (2009). Para maiores esclare-
cimentos, poderá ser acessado o site: http://www.confea.org.br.
A Lei de Direitos Autorais define a “obra” arquitetônica como
o design de um edifício demonstrado em qualquer meio tangível
de expressão, inclusive, plantas arquitetônicas ou desenhos.

60. Como proceder para proteger uma campanha
publicitária?

54
A proteção dos direitos de autor independe de registro, o qual
é facultativo. Efetivado o registro, se resguardam os direitos e vale
como prova de anterioridade. A hipótese de coincidência criativa
é um item motivador ao autor para registrar seu trabalho.
A não divulgação do inteiro teor de obra registrada não implica
seu desconhecimento por terceiro. Se o registro acusar a existência
de obra semelhante à usada pelas recorridas, caberá a elas procurar
o autor para conhecer o trabalho e conseguir autorização de uso.
O registro por terceiro da expressão publicitária no Instituto
Nacional de Propriedade Industrial, INPI, não afasta o direito do
recorrente, relativos à criatividade e originalidade do slogan criado.
O INPI não é um órgão competente por tal registro (Art. 124, VII,
da Lei nº 9.279/96). Tal efeito somente ocorre quando o registro é
feito em um dos órgãos relacionados no Art. 17 da Lei nº 5.988/73.

Para segurança de seus direitos, o autor da obra intelectual
poderá registrá-Ia, conforme sua natureza, na Biblioteca
Nacional, na Escola de Música, na Escola de Belas Artes
da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Instituto Na-
cional do Cinema, ou no Conselho Federal de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia.
Vale lembrar que a Lei 5.988, de 14 de dezembro de 1973, foi
revogada pela Lei nº 9619 de 98, excetuando o artigo 17 e seus
parágrafos 1º e 2º.

61. Como proceder para proteger um projeto de
conclusão de curso?

Seguindo as normas institucionais de onde o curso foi ofertado.
Porém, há possibilidade de registrá-los nos órgãos competentes,
como:
a) Patentes: Por meio do Instituto Nacional de Propriedade

55
Intelectual, INPI. Site: http://www.inpi.gov.br
b) Artigos Científicos: Por intermédio da Fundação da Biblio-
teca Nacional, FBN. Site: http://www.bn.br
c) Projetos (arquitetônicos, civis etc.): Mediante o Conselho
Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, CONFEA.
Site: http://www.confea.org.br

62. Como se situam os direitos autorais dos
orientadores a respeito dos trabalhos de Conclusão de
Curso de Mestrado e/ou Doutorado?

Em consulta à literatura, os direitos autorais, patrimoniais e
morais pertencem integralmente aos autores, podendo ser cedidos
mediante contrato de licença de direitos autorais.
Na Universidade Federal do Paraná, UFPR, as informações
emanam da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, conforme
estabelecem as Resoluções do CEPE nº 62/03 e alterada a letra
“D” do artigo 78 da Resolução nº 64/04 de 18.06.04. Para um
maior esclarecimento, consultar o link da PRPPG: http://www.
prppg.ufpr.br/ - “Políticas e Programas”.

63. As teses e dissertações contidas no Banco de
Teses e Dissertações são registradas no Escritório de
Direitos Autorais da Fundação da Biblioteca Nacional?

O Registro, junto ao Escritório, é declaratório e facultativo,
porém, o direito moral já é assegurado ao depositar os trabalhos
em tal banco.

56
64. Como proteger uma ideia?

O Direito Autoral não protege ideias, conceitos, sistemas ou
métodos de fazer algo. É possível expressar ideias por escrito e rei-
vindicar os Direitos Autorais da descrição. Porém, o Direito Autoral
não protegerá a própria ideia como foi revelada em seu escrito.

65. Como se realiza o registro de uma Revista
Científica, bem como seu nome e marca?

O Registro deverá ser feito na Fundação Biblioteca Nacional,
FBN, mediante ISBN. Para uma melhor compreensão, acesse o
site: http://www.bn.br.
Já, o nome e a marca deverão ser registrados no Instituto Nacio-
nal de Propriedade Industrial, INPI. Site: http://www.inpi.gov.br.

66. O que é ISBN?

O International Standard Book Number, ISBN, é um sistema
internacional padrão, que identifica numericamente os livros,
conforme o título, o autor, o país e a editora, individualizando-
os por edição. É usado para identificar Software. Seu sistema
numérico é convertido em código de barras. Este sistema auxilia
na eliminação de barreiras linguísticas e promove a circulação e a
comercialização das obras.
Este sistema foi criado em 1967, porém só foi oficializado em
1972, como norma internacional pela International Organization
for Standardigation, ISO 2108 - 1972.

57
O sistema ISBN é controlado pela Agência Internacional do
ISBN, que orienta, coordena e delega poderes às Agências Nacio-
nais em cada país. Desde 1978, a Agência Brasileira, representante
oficial, é a Fundação da Biblioteca Nacional e tem como função
atribuir o número de identificação aos livros editados no país.
O princípio do sistema é identificar um livro e sua edição.
Uma vez fixada a identificação, ela só se aplica àquela obra e
edição, não se repetindo em outra. A versatilidade deste sistema
de registro promove a interconexão de arquivos, a recuperação
e a transmissão de dados em sistemas automatizados, razão pela
qual é adotado internacionalmente. Portanto, o ISBN simplifica
a busca e a atualização bibliográfica, convergindo à integração
cultural entre todos os países.
Publicações que recebem ISBN. Compete a Agência In-
ternacional coordenar e supervisionar mundialmente o sistema
ISBN de: livros impressos; publicações em braille; mapas (espe-
cificando sua escala); livros em fita cassete, CD, DVD (audioliv-
ros); publicações eletrônicas, na Internet ou em suportes físicos
(fitas lidas por máquinas, disquetes ou em CD Rom); software
educacional ou instrutivo; guias; capítulos individuais separados
e disponibilizados pelo editor; artigos de uma publicação em série
específica (não a publicação em série na sua totalidade); discursos;
relatórios (que são públicos); aulas e cursos em vídeo somente
se forem educacionais e comercializados (enviar o material para
análise da Agência); agendas com texto de grande predominância
( mais texto/conteúdo do que espaço para anotações); álbum de
figurinhas (direcionados a conteúdos educativos e com textos
significativos e explicativos); álbuns para colorir, pintar, recortar
(em consonância com a Lei do Livro - cap.II - artigo IV - será
atribuído ISBN ) . A Agência atribuíra ISBN para tais publicações,
porém, serão consideradas efêmeras.

58
Como registrar. O serviço prestado pelo Escritório de Di-
reitos Autorais, EDA existe desde 1898. Por meio do registro de
obras intelectuais, de acordo com a Lei nº 9.610/98, o EDA tem
por finalidade dar ao autor segurança quanto ao direito de criação
sobre sua obra. O registro permite o reconhecimento da autoria,
especifica direitos morais e patrimoniais e estabelece prazos de
proteção tanto para o titular quanto para seus sucessores. Além
disso, o EDA, através da Lei do Depósito Legal, contribui para a
preservação da Memória Nacional, uma das missões da Fundação
Biblioteca Nacional.
Para solicitar o ISBN é necessário que o editor (pessoa física
ou pessoa jurídica) seja cadastrado na Agência.
Normas para Solicitação
• Preencher o formulário de solicitação do ISBN em 01
(uma) via para cada título a ser publicado.
• Enviar juntamente com o formulário a cópia da folha de
rosto da obra a ser publicada (o envio é obrigatório).
• Enviar o depósito bancário original (o editor deve guardar
a cópia do mesmo caso haja extravio ou perda).
• Cópia de comprovante de pagamento só será aceita dentro
do mês corrente. Após este prazo, só aceitaremos o com-
provante de pagamento original.
Não é necessário o envio da Boneca do Livro. Caso seja
enviada, será encaminhada para o Setor de Intercâmbio da Biblioteca
Nacional para ser distribuída como doação para outra Instituição.
Também, a Agência solicitará, sempre que necessário, o envio
da cópia das 15 primeiras páginas da obra a ser editada ou o envio
da obra completa.
• É obrigatório o preenchimento de todos os campos espe-
cificados no formulário.

59
• É obrigatório preencher o campo Tabela de Assuntos.
• É obrigatório o preenchimento do prefixo editorial. Ele é a iden-
tificação do(a) editor(a) na Agência. Formulário enviado sem o
campo do prefixo preenchido será devolvido pela Agência.
• Formulários enviados com dados incompletos e/ou em de-
sacordo com as normas, serão devolvidos para regularização.
• As solicitações deverão ser encaminhadas por correio ou
entregues na própria Agência.
A folha de rosto de uma publicação deve conter as
seguintes informações: Autor; Título e Subtítulo (se houver);
Edição; Local; Nome do Editor e Ano da publicação.
OBS: O ano de edição é o ano no qual a obra será efetivamente
publicada.
Para maiores informações, consultar: http://www.bn.br/
portal/?nu_pagina=26

67. O que significa ISSN?

É o número internacional normalizado para publicações se-
riadas, International Standard Serial Number, ISSN. Identifica o
título de uma publicação seriada em: jornais, revistas, anuários,
relatórios, monografias seriadas etc., em circulação, futuras (pré-
publicações) e encerradas, em qualquer idioma ou suporte físico
utilizado (impresso, on-line, CD-ROM etc.). Portanto, o ISSN é
o “RG” do periódico.

68. O que significa “protegido por direitos autorais”?

É um aviso. “Protegido por direitos autorais” é uma indicação
colocada nas cópias de uma obra para informar ao público sobre

60
a propriedade protegida pela Lei de Direitos Autorais. Lembrando
que este aviso é opcional.

69. Com o objetivo de proteger uma obra, como
colocar uma advertência “protegido por direitos
autorais”?

O uso da advertência “protegido por direitos autorais” é de
responsabilidade do autor e não necessita de permissão prévia ou
solicitação ao escritório de registro de direitos autorais. A advertên-
cia supõe, somente, que a afirmação é verdadeira, ou seja, que a
obra que originou as cópias tenha sido registrada corretamente.

70. Como proteger o conteúdo de uma apostila
fornecida a participantes de um evento, caso
futuramente se deseje transformá-la em material
impresso?

Pode ser feito um “Termo de proteção aos Direitos Autorais
e de Propriedade Intelectual” e entregue a cada um dos partici-
pantes para que o assinem, bem como, tenham ciência de quem
é os direitos da produção daquela obra.

71. No âmbito da Universidade Federal do Paraná,
onde se obtém informações referentes aos Direitos
Autorais?

61
As informações poderão ser obtidas na Agência de Inovação
da UFPR, Coordenação de Propriedade Intelectual, Praça Santos
Andrade, 50 - Centro - Curitiba, PR Tel: + 55 (41) 3360 5379 ou
+55 (41) 3310 2699 | Fax: + 55 (41) 3360 5379. Site: http://www.
inovacao.ufpr.br

72. Como fazer para não permitir a publicação
de tese na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e
Dissertações, BDTD, da Universidade Federal do
Paraná?

Os autores devem apresentar a solicitação contrária com o visto
da Coordenação do Programa de Pós-Graduação, na Pró-Reitoria
de Pós-Graduação, PRPPG. Porém, o depósito na Biblioteca
Central da UFPR é imprescindível.

73. Como estão regulamentados os Programas de
Computador?

O Instituto Nacional de Propriedade Intelectual, INPI, é o
órgão competente para registrar os Programas de Computador,
conforme Decreto nº 2556, de 20 de abril de 1998, em seu artigo 1º:
Os programas de computador poderão, a critério do titular
dos respectivos direitos, serem registrados no Instituto Na-
cional de Propriedade Industrial.
A Lei nº 9608/98, Lei do Software, dispõe sobre a proteção
de Propriedade Intelectual de Programa de Computador e sua
comercialização. O seu artigo 2º preconiza:

62
O regime de proteção à Propriedade Intelectual de programa
de computador é conferido às obras literárias pela legislação
de direitos autorais e conexos vigentes no país...

O artigo 10 determina que o programa de computador deva
ser protegido como obra literária pela Convenção de Berna (1971).
A Lei acima, também, define Programa de Computador como
um conjunto de instruções que, quando incorporados a um suporte
legível por equipamentos, pode fazer com que uma máquina com
capacidade para tratamento da informação indique, realize ou
consiga uma função, tarefa ou resultado.
As legislações pertinentes ao registro de Programas de Com-
putador são:
• Lei nº 9609, de 19 de fevereiro de 1998, Lei do Software.
• Lei nº 9610/98, Lei dos Direitos Autorais, que dispõe so-
bre a matéria não disciplinada na Lei 9.609/98.
• Decreto nº 2556/98, que regula a aplicação da Lei nº 9609/98.
• Resolução CNDA nº 057/98, que estabelece procedimen-
tos gerais para o registro dos programas.
• Convenção de Berna, sobre direitos Autorais.
• Resoluções do INPI.
Ao registrar o Programa de Computador, o autor terá as
seguintes vantagens:
• Abrangência internacional. Proteção para o produto e
seu título. Comprova a anterioridade em relação a terceiros.
• Duração dos Direitos. 50 anos, contados a partir de 1º
de janeiro do ano subseqüente à data na qual o programa
torna-se capaz de executar as funções para as quais foi con-
cebido.
• Caráter sigiloso dos documentos. Os documentos identifi-
cados do programas têm assegurado em lei a guarda sigilosa.

63
74. Quando se faz ilustração para revistas ou livros
deve-se assinar uma cessão de direitos autorais? E, qual
é a validade jurídica e as consequências econômicas
do referido documento?

Não é obrigatória à assinatura de cessão de direitos quando se
cria desenhos para ilustrações de revistas e/ou de livros. Neste
caso, simplesmente poderá ser assinado um contrato de edição,
uma licença ou uma cessão, parcial ou integral.
Assim, se mediante um contrato de edição, combinar-se com o
editor autorizar somente o uso de uma obra em um livro ou revista,
para a qual a obra foi originariamente contratada, escolhem-se os
suportes midiáticos (gráfico, eletrônico, digital, audiovisual etc.).
Neste caso, pode-se presumir uma ou mais edições dos suportes
e, a edição terá caráter de exclusividade. Mas, em compensação, o
editor terá a obrigatoriedade de publicar e divulgar a obra dentro
da outra obra.
Uma licença autoral equivale a uma cessão parcial. A lei não
define nem licença, nem cessão. O que se entende por cessão (global)
é a transferência total que se faz dos direitos sobre os desenhos
ao cessionário (que pode ser ou não o editor), que é quem passa a
dizer de que forma, por qual meio, em qual território, por quem e
por quanto tempo a obra vai poder ser utilizada, por qualquer um
que queira comprá-la para reprodução. A cessão global e definitiva
pode ser por tempo indeterminado. Porém, a cessão é sempre
onerosa, visto que prevê pagamento ao autor e se faz por escrito.
A licença é um pouco maior que a edição e um pouco menor
que a cessão. Ela é mais ampla, dado que prevê a transferência de
um maior número de direitos do que o de um só tipo de edição, tal
como a utilização do desenho em outro livro, para ilustrar cartões,
para servir de abertura em uma obra audiovisual etc.

64
Na licença, controla-se diretamente o uso e a autorização, porque
a relação é entre o autor e o licenciante. Isso não acontece com a
cessão, cujo único direito do autor é em relação aos pagamentos,
dado que as autorizações são fornecidas pelo cessionário.
Em qualquer caso, vale salientar que só se cede ou licencia
os direitos de reprodução dos desenhos e pinturas. O direito de
mantê-los na íntegra e o de ver o nome creditado é direito do au-
tor moral, que ninguém usurpa.

75. Como proceder para assegurar que, após
o contrato vencido, controla-se as veiculações do
trabalho na mídia, tais como, aulas gravadas em
cursos a distância, que muitas vezes, são veiculadas
em outros estados e/ou países sem o conhecimento e
consentimento do autor?

Esse controle é fundamental. Porém, vale esclarecer que cada
vez que uma aula é reexibida, essa reprodução gera direitos au-
torais a autores e demais titulares desses direitos.
Todo processo deve estar consubstanciado em um bom
contrato. Esse contrato deve antever o número de veiculações,
os canais de exibição, o território etc., não só durante a vigência
do referido contrato, como também depois dela.
Nesse contrato, é fundamental estipular a obrigação do
contratante de dar conhecimento das veiculações posteriores e
de efetivar o pagamento correlato. Se esta última hipótese não
estiver prevista no contrato, então, a veiculação será ilícita, dando
ensejo à perda e danos que se pode impetrar na justiça.

65
76. Quando se produz um filme sobre a vida e
a obra de uma pessoa de renomada, como proceder
quanto aos Direitos Autorais em termos de quem
filma (sujeito) e quem é filmado (objeto)? Como é esta
questão no Brasil?

Lamentavelmente, o filme (documentário = obra audiovisual,
conforme a Lei Autoral) não é tratado pela Lei de Direitos Au-
torais de forma especial, como desejável.
Segundo a Associação de Direitos Autorais (2009), quando
se toma como tema de um filme uma obra literária, ficcional
ou real, primeiramente o autor deve procurar o criador da obra
para solicitar a autorização para roteirizar o filme. A vida de uma
pessoa, enquanto não for colocada em suporte midiático, não é
uma obra autoral, portanto, não necessita da autorização prévia
do criador, dado que, desta forma, não há autor.
É fundamental destacar que a história da vida privada de uma
pessoa só a ela compete, sendo um direito de personalidade, ga-
rantido pela Constituição da República, em seu artigo 5º, Inciso
X, como inviolável, tanto quanto a honra e a imagem. No entanto,
a Constituição fala em vida privada.
No que se refere à vida pública de pessoas públicas, a lei não
é clara, ou seja, não informa. Neste caso, há uma divisão entre
os juristas. Uns aceitam esse uso público, sem a autorização do
“filmado” ou de seus herdeiros, outros, negam a necessidade de
autorização prévia por se tratar de uma figura pública.
Neste sentido, entende-se que em casos como este, só quando
for considerado ofensivo ou desonroso pelos interessados diretos
é que poderá ser apreciado judicialmente.
É recomendável uma autorização prévia, mesmo no caso de

66
figuras públicas. O interesse individual não pode colidir com
outro preceito constitucional, o de informar, ensinar e produzir a
memória nacional política, cultural, desportiva etc.
Ressalta-se que, quanto à titularidade da obra audiovisual, a Lei
nº 9610/98, Lei de Direito Autoral, estabelece que um filme tem
como co-autores, além do diretor, o autor do argumento literário
e/ou musical. A saber, a Lei nº 5988/73 era acrescida à figura do
produtor como co-titular da obra cinematográfica.
Cabe ressaltar que, na maior parte das vezes, no Brasil, o docu-
mentário não é produto de mercado e não possui valor de difusão
e exploração comercial, assinalando-se mais como um trabalho
de investigação/informação artística e social de preservação da
memória cultural.

77. Como registrar materiais que utilizam doações
por pessoas já falecidas?

Mediante uma declaração dos Doadores. Porém, é condição
“sine qua non” o registro no Cartório de Títulos e Documentos.

78. Há possibilidade de fazer alterações e inserções
em obras de outra pessoa e solicitar, por isto, direitos
autorais?

Só o proprietário dos direitos autorais de uma obra tem o
direito de autorizar outrem a criar uma nova versão. Portanto,

67
nenhuma pessoa pode reivindicar direitos autorais para uma
obra que originalmente não lhe pertença. Mesmo que esta sofra
modificações. Esta questão, só poderá acontecer, caso a pessoa
consiga aquiescência do proprietário (autor).

79. Quando se pode alterar na própria obra e obter
uma nova solicitação de direito autoral?

Somente poder-se-á realizar um novo pedido quando as alter-
ações forem substanciais, inovadores e criativas, ou seja, algo maior
do que simples mudanças editoriais ou secundárias.
Desta forma, não basta somente correções, dado que isto não é
a garantia suficiente de inovação para um novo pedido. Já, acrescer
um capítulo poderá antever novas formas para um novo registro.

80. Qual é o limite da “liberdade de expressão”? E
até que ponto é permitido utilizar humor sobre alguém
sem sofrer represálias de processo jurídico?

Esta é uma questão mais adequada aos direitos da personalidade
que aos de autoria. O direito autoral auxilia na difusão da cultura e
do conhecimento, conferindo ao titular a exclusividade, temporária
e limitada, a uma determinada obra. É importante lembrar que isto
não ocorre com outras da mesma espécie, porque todas as pessoas
possuem o direito de criar e usufruir o resultado de sua criação.
Quanto aos limites, há questões sobre os quais podem até se tentar,
mas não há garantia do alcance de exclusividade de assuntos que são de
domínio público, tais como: piadas, receitas culinárias, design de roupa etc.
Como informação, ao contar uma piada, não é preciso solicitar

68
uma licença, dado que o uso público de uma obra protegida está
condicionado à expressa e prévia autorização do titular, pessoa
física ou jurídica, quando os direitos foram negociados.
Uma questão ligada ao humor é uma forma de recordar, de modo
divertido, situações cotidianas comuns e rotineiras. É uma forma
de liberdade de expressão, fruto da criação de uma(s) pessoa(s),
porém livre para reproduções.
Segundo a Associação Brasileira dos Direitos Autorais (2008),
ao lado do direito de se manifestar livremente (Constituição da
República, art. 5º, incisos V e IX), há o direito do criticado ou
parodiado, de não ter a sua imagem, honra, vida privada ou in-
timidade violados, também, garantido pela Constituição (art. 5º,
inciso X). Os direitos e garantias individuais não se unem uns aos
outros, mas devem coexistir em harmonia.
Conforme a referida Associação, a figura pública que se queixar
perante a Justiça das suas piadas, além de não ser uma atitude
simpática, terá que provar o prejuízo à sua imagem e honra. Se
não conseguir esta prova, prevalecerá o interesse público, que é
de todos, à informação jornalística ou do entretenimento crítico.
Em hipótese alguma, uma pessoa, figura pública, notória ou
não, poderá ser caluniada ou difamada. Em qualquer caso, o bom
senso deve prevalecer. O humor deverá sempre elevar as pessoas
e, nunca ser ofensivo e agressivo. Caso a questão passe à Justiça,
esta deverá ser avaliada por um árbitro ou por um juiz.

81. Como registrar um projeto cultural ou um
programa de TV?

Em Direitos Autorais cabem duas formas de proteção: uma
moral e outra patrimonial.

69
Os direitos morais são aqueles que todo criador possui de ter
seu nome vinculado à obra, de zelar pela integridade da mesma, de
modificá-la ou conservá-la inédita.
Os direitos patrimoniais competem ao autor de utilizar, usar e
dispor da obra literária, artística ou científica.
Habitualmente, se admite por direitos autorais patrimoniais o
percentual financeiro que cada autor tem direito na venda de cada
exemplar de sua obra, na execução e na utilização (royalties).
É importante salientar que se houver cessão dos direitos em con-
trato por um único valor, independente do número de exemplares
vendidos, esse valor é denominado de Direito Patrimonial de Autor.
Este direito está relacionado ao alcance da obra (número de exem-
plares, território, mídia etc.) e à reprodução do suporte.
Portanto, se alguém, sem o conhecimento prévio, reproduzir ou
copiar a obra, tal como o autor colocou no papel e distribuir e/ou
vender, estará violando o direito autoral. Para tanto, sugere-se o reg-
istro da obra na Biblioteca Nacional como prova de anterioridade.
Já, quanto ao uso por terceiros do conteúdo original da obra, a
suposição pode ser a seguinte: o autor entregou o projeto para bus-
car um financiamento ou patrocínio e, alguém o retém para exame.
Depois o devolve e, após alguns meses, o autor depara-se com a
ideia contida no projeto apropriado e desenvolvida por outrem.
Do ponto de vista autoral, o autor não tem muita saída, porque
a Lei 9610/98 é clara, quando afirma no artigo 8º, que não é objeto
de proteção como direitos autorais: ideias, sistemas, métodos. Por-
tanto, não sendo objetos de proteção, não podem ser registrados.
Mas, segundo a Associação Brasileira de Direitos Autoriais, o
exemplo acima é injusto, dado que o Poder Judiciário não é indife-
rente a uma situação desta. Se o autor e sua empresa sobrevivem
de projetos dessa natureza, presume-se que sob a concorrência
desleal o autor irá alcançar o apoio da Justiça.

70
82. Como utilizar obras de artes plásticas?

O autor de obra de artes plásticas, ao vendê-la, transmite o
direito de expô-la, mas não o direito de reproduzi-la.
A licença para reprodução de obra de artes plásticas, por qualquer
processo, precisa ser por escrito e é onerosa.

83. Como utilizar sons?

Os sons que contenham mínima originalidade de seu emis-
sor, produzidos pelo seu humano, são protegíveis no âmbito do
direito autoral. Em todos os casos há necessidade de autorização
expressa dos autores.

84. Como utilizar obras musicais?

Nas obras musicais há três classes de direito a serem protegidos:
• O da obra em si (autor e editor musical).
• O de sua interpretação (intérprete).
• O da fixação fonográfica (gravadora).
O tratado da Organização Mundial de Propriedade In-
telectual (OMPI, 1996), assegura a necessidade de autorização
de artista-intérprete ou executante e dos produtores de fono-
grama para a reprodução.
Vale lembrar que a utilização de download deve ser
objeto de específica autorização no licenciamento dos direitos
sobre a obra musical.
Para utilizar obras musicais em conteúdos ou qualquer

71
outro dispositivo, algumas regras deverão ser obedecidas:
1 – Referenciar título e autor.
2 – Informar o nome ou pseudônimo do intérprete.
3 – Informar o ano da publicação.
4 – Informar o nome ou a marca que identifique o produtor.

85. Como proceder no caso de utilização de obras
intelectuais?

Qualquer obra só pode ser editada mediante contrato de
edição. O editor obriga-se a reproduzir e a divulgar a obra, em
caráter de exclusividade, pelo prazo e condições pré-estabelecidas
com o autor.
Em cada exemplar da obra, é preciso que editor cite:
• Título da obra e autor;
• Título original e o nome do tradutor (no caso de tradução);
• Ano da publicação;
• Nome da editora.

86. E, no caso de utilização de fotografia, como
proceder?

O autor da fotografia possui o direito de reproduzi-la e colocá-la
à venda, porém, observadas as restrições à exposição, reprodução
e venda de retratos, sem prejuízo aos direitos de autor sobre a
obra fotografada. Entretanto, se a fotografia for de artes plásticas
protegidas deverá constar, de forma legível, o nome do fotógrafo
quando esta for utilizada por terceiros.

72
É proibida a reprodução de obra fotográfica que não esteja
em consonância com o original, salvo quando o autor autorizar
previamente.

87. Como utilizar obras audiovisuais?

A autorização do autor ou do intérprete de obra para a produção
audiovisual implica no consentimento para a sua utilização econômica.
Portanto, deve haver também a autorização por escrito para ser objeto
de comércio, usufruir lucro sobre a obra. A autorização cessa em 10
(dez) anos após a celebração do contrato.
Como regras:
Em cada cópia da obra audiovisual, mencionará o produtor:
• O título da obra audiovisual.
• Os nomes ou pseudônimos do diretor e dos demais co-
autores.
• O título da obra adaptada e seu autor se for o caso.
• Os artistas intérpretes.
• O ano de publicação.
• O nome ou marca que identifique.
• Neste caso, quanto à forma de contratação destas obras, o
contrato deverá estabelecer:
• A remuneração devida pelo produtor aos co-autores da
obra e aos artistas intérpretes e executante, bem como o
tempo, lugar e forma de pagamento.
• O prazo de conclusão da obra.
• A responsabilidade do produtor para com os autores, artis-
tas intérpretes ou executantes, no caso de co-produção.

73
88. Como utilizar obras coletivas?

Conforme o artigo 88 da Lei nº 9610/96, ao publicar a obra
coletiva, o organizador mencionará em cada exemplar:
• O título da obra.
• A relação de todos os participantes, em ordem alfabética, se
outra não houver sido convencionada.
• O ano de publicação.
• O nome ou marca de identificação.

Para qualquer contratação, deve-se levar em conta, o precon-
izado no artigo 46, da Lei nº 9610/96:
“Os direitos do autor poderão ser total ou parcialmente
transferidos a terceiros, por ele ou por seus sucessores, a
título universal ou singular, pessoalmente ou por meio de
representantes com poderes especiais, por meio de licencia-
mento, concessão, cessão ou outros meios admitidos em Di-
reito, obedecidas as seguintes limitações:
• A transmissão total compreende todos os direitos do au-
tor, salvo os de natureza moral e os expressamente ex-
cluídos por lei.
• Somente se admitirá transmissão total e definitiva dos di-
reitos mediante estipulação contratual escrita.
• Na hipótese de não haver estipulação contratual escrita, o
prazo máximo será de 5 anos.
• A cessão será válida unicamente para o país em que se
firmou o contrato, salvo estipulação em contrário.
• A cessão só se operará para modalidades de utilização já
existentes à data do contrato.
• Não havendo especificações quanto à modalidade de uti-
lização, o contrato será interpretado restritivamente, en-
tendendo-se como limitada apenas a uma que seja aquela

74
indispensável ao cumprimento da finalidade do contrato.
Cabe ao organizador a titularidade dos direitos patrimoniais
sobre o conjunto da obra coletiva, garantindo, no entanto, o
direito moral dos participantes, sendo que, o contrato com
o organizador especificará a contribuição do participante, o
prazo para entrega ou realização, a remuneração e demais
condições para sua execução.”

A Lei Autoral não possui regulamentação específica quanto à
titularidade dos direitos autorais.
Cabe aos contratos – de prestação de serviços e de trabalho – fixar
exceções ao preceito geral – “salvo disposição em contrário, os direitos
em obras sob encomenda remanescem com o criador originário”.

89. Como proceder quanto à transferência dos
direitos autorais?

Os direitos do autor poderão ser totais ou parcialmente transferidos
a terceiros, por ele ou seus sucessores, pessoalmente ou mediante
representantes, por meio de licenciamento, cessão ou concessão.
A transferência do direito autoral só será aceita por intermédio
da formalização de contrato escrito. Porém, não existindo este, o
prazo máximo será de 5 (cinco) anos e, muitas vezes, é onerosa.

90. Há como se considerar legal um contrato de
edição com um prazo indeterminado? Neste caso, o
autor poderá rescindi-lo unilateralmente sem acarretar
uma pena por isto?

A queixa da maioria dos autores é referente aos contratos de edição.
75
Muitos desconhecem as questões pertinentes aos direitos autorais,
outros são imaturos por ocasião da assinatura dos contratos, irão
conhecer tardiamente as consequências dos atos jurídicos praticados.
Outrora, para os contratos de edição era facultada a duração
indeterminada. Já, para a Lei 9610/98, os contratos de edição não
poderão mais ser celebrados por tempo indefinido. Em se tratando
de contratos escritos, o tempo de validade não possui regra, com
exceção àqueles que versem sobre obras futuras, 5 (cinco) anos.
Em 90% dos casos de contrato de edição há cláusulas embu-
tidas que versam sobre cessão dos direitos patrimoniais, e não
meramente sobre edição.
A Lei 9610/98, Lei Autoral, não determina contrato de cessão,
mas de acordo com o artigo 53, se entende a transferência dos
direitos de utilização pública de uma obra ao cessionário, enquanto
que a edição definida pelo legislador, como um contrato simples de
reprodução e de divulgação da obra em caráter de exclusividade.
O contrato de cessão de direitos, desde a Lei 5988/73, previa o
prazo como uma das condições de validade.
No contrato de edição, a editora tem como objetivo zelar pelo bom
uso das obras, monitorando-as e divulgando-as. Assim, cabe as mes-
mas o equivalente a 20% ou 30%, em média, do que se arrecada com
a comercialização das obras, a título de honorários de agenciamento.
Toda gravação de uma música por outro cantor ou instrumen-
tista, ou mesmo quando almejarem utilizá-la, como fundo musical
para qualquer finalidade (novela, documentário, publicidade etc.),
a editora deverá ser consultada antes do uso, a fim de autorizar,
celebrar os contratos e fazer os devidos repasses aos criadores
dos valores negociados.
Na hipótese do autor ser maior de 21 (vinte e um) anos, é
difícil a rescisão unilateral de contrato, sem responder por perdas
e danos, simplesmente pela mudança de ideia. Porém, poderá
76
haver uma rescisão desde que o autor prove que a editora não
produziu ou divulgou a música enquanto esteve na posse da
obra para comercialização ou, mesmo que prove que ela não lhe
fez o repasse financeiro dos direitos patrimoniais nas datas pré-
estabelecidas em contrato. Assim, o autor poderá pedir a rescisão
judicial ou extrajudicial se a editora não cumprir as cláusulas do
contrato celebrado.
Sugere-se que todo autor procure uma editora idônea para
comercializar suas obras, que esteja estabelecida no mercado há
algum tempo, tenha por hábito a utilização de obras somente
com a devida permissão do autor, bem como faça rigorosamente
o pagamento dos direitos patrimoniais aos criadores das obras. É
importante o autor nunca assinar um contrato de adesão.

91. Como proceder para registrar obras inéditas de
texto, já pensando que elas possam vir a compor a base
do conteúdo de outras linguagens a serem exploradas
em diversas mídias? Durante o processo de registro há
etapas que poderão ser realizadas pelo autor?

O órgão encarregado para realizar o registro do direito autoral é
a Biblioteca Nacional. A saber, os registros em matéria autoral não
possuem a mesma importância do registro de documentos sobre
imóveis ou marcas. Ambos são constitutivos de direitos, ou seja,
quem exibe a certidão do registro é o proprietário e pode afastar
outra pessoa de cobiça à propriedade ou eventual direito sobre ela.
O registro autoral é um simples zelo e tem como objetivo declarar
o direito que se possui, unicamente, quanto ao que foi e como foi
registrado. Porém, como prova de anterioridade, possui igual vali-

77
dade de um registro no Cartório de Títulos e Documentos quando
a discussão recair sobre a identidade de obras e não de autores.
É fundamental observar que a Fundação Biblioteca Nacional
não pode analisar o conteúdo de uma obra levada para registro
ou recusá-la somente porque ela é parecida com outra.
A autoria se prova com a criação da obra como fato. Caso a
pessoa seja a verdadeira criadora de uma obra, poderá provar por
meios hábeis, tais como testemunhos ou documentos. Mas, é válido
lembrar que essa prova somente tem validade judicial.
A proteção da Lei Autoral somente dar-se-á sobre a obra criada,
a qual não haja dúvidas quanto à sua autoria. Ou seja, no caso da
obra ser um livro, antes de entregá-lo à editora, recomenda-se que
o autor leve-o para registro como segurança.
O registro na Fundação Biblioteca Nacional possui fé pública,
ou seja, caso uma pessoa declarar que o seu texto sofreu mudan-
ças e não as autorizou, a certidão da FBN será a prova cabal à
confissão da violação do direito moral. Desta forma, o registro só
pertence ao autor e à sua obra, não dá garantia contra imitações.
Quanto à garantia de que o registro atue como base de conteúdo
de outras mídias, também não traz proveito, porque as outras mídias
são expressões de um mesmo tema com a concorrência de vários
outros elementos fundamentais de composição da obra. Ou seja,
se a partir de um texto escrito se realizar um filme, a obra audio-
visual na qual o texto se transformar conterá outras obras autorais
e titulares de direitos unidas a ela, ou melhor, o texto será apenas
um dos elementos de expressão. No caso, o texto escrito passou a
contar com diferentes personagens, tais como: atores, figurantes,
cenário, som, iluminação, produção executiva, continuista, dire-
tor e/ou produtor, bem como sofreu novas alterações no texto
original, ocasionando novas criações. Portanto, deixou de ser de
propriedade de uma só pessoa, para uma criação coletiva.
Além disso, um produtor de cinema ou mesmo diretor de teatro

78
poderá, de forma alguma, apropriar-se de um texto sem prévio
consentimento do autor.

92. Como se procede no quesito “prestação de
contas” de contrato de edição?

Em qualquer condição de contrato o editor é obrigado a facultar
ao autor o exame da escrituração na parte que lhe corresponde,
bem como informá-lo sobre o estado da edição.
O editor será obrigado a prestar contas mensalmente ao autor
sempre que a retribuição estiver condicionada à venda da obra,
salvo se prazo diferente estiver condicionado no contrato. O prazo
mais comum proposto é de 6 (seis) em 6(seis) meses.

93. Qual o prazo de validade de um contrato de
edição?

Se não for estabelecido um prazo em contrato para a edição
da obra, considera-se que a obra deverá ser publicada em um
período de 2 (dois) anos, após a assinatura do contrato, ou o
prazo referente a uma edição da obra. Não havendo a edição da
obra no prazo contratual, o contrato poderá ser rescindido e o
editor poderá responder por danos. Entretanto, enquanto não se
consumirem as edições a que o editor tiver direito, o autor não
poderá dispor de sua obra.
Considera-se esgotada a edição somente quando restarem em
estoque, em poder do editor, exemplares em número inferior a
10% do total da edição. Neste caso, o editor só poderá vender os
exemplares restantes, como saldo, após 1 (um) ano de lançamento

79
da obra, e o autor deve ser notificado de que, no prazo de 30 (trinta)
dias, terá a prioridade na aquisição dos referidos exemplares pelo
preço de saldo.

94. Como proceder quanto aos direitos autorais de
uma obra que tenha sua edição esgotada?

Segundo a Associação Brasileira de Direitos Autorais (2008),
o fato da edição da obra estar esgotada não denota possibilidade
de uma reprodução.
Muitas vezes, uma obra pode estar fora de circulação por
problemas logísticos em função de uma nova edição ou mesmo
pelo desinteresse do autor em uma nova impressão.
Conforme preconiza o § 2º, do artigo 63, Lei 9610/98, Lei
autoral, é considerada esgotada a edição de uma obra somente
quando restarem em estoque 10% de exemplares do total da edição,
em poder do editor. O artigo 65, da referida Lei, esclarece que:
...esgotada a edição, e o editor, com direito à outra, não a publi-
car, poderá o autor notificá-lo a que o faça em certo prazo, sob
pena de perder aquele direito, além de responder por danos.

O artigo 67 recomenda que:
...se, em virtude de sua natureza, for imprescindível a atu-
alização da obra em novas edições, o editor, negando-se o
autor a fazê-la, dela poderá encarregar outrem, mencionando
o fato na edição.
Desta forma, o contrato de edição determina o prazo e as
condições pactuadas com o autor da obra relativas à exploração
e à reprodução. A Lei 9610/98 fornece os elementos para que o
autor e o editor tenham seus direitos e interesses garantidos no

80
que concerne às novas edições.
Segundo Ascensão (2007), no caso de obras já divulgadas e não
mais no mercado, deveria haver a possibilidade de reprodução com
fins justificados que ultrapassassem o uso privado. Além disso, o
autor esclarece que os fins não seriam justificados se a ausência da
obra fosse temporária e as necessidades permitissem esperar pela
publicação da obra. No entanto, o referido autor salienta que, em
qualquer dos casos, deveria ser imposta a adequada remuneração.

95. Como auferir Royalties?

Normalmente, a aquisição dos Royalties sobre a comercialização
de cópias de uma obra é uma questão de acordos privados entre
o autor e o editor.
A Fundação Biblioteca Nacional, a Escola Nacional de Belas
Artes e outras entidades não representam papel algum na execução
das condições contratuais ou práticas de negócio.
Há organizações autorizadas a recolher e distribuir os valores
obtidos com direitos autorais e publicações (Royalties) para seus
sócios, em caso de música. No caso de obras, o pagamento é feito
pelos editores.

96. Uma obra estará protegida pelos direitos
autorais em outros países?

Sim. O Brasil mantém acordos e faz parte de tratados interna-
cionais para a proteção de Direitos Autorais em quase todo mundo
e, como resultado destes acordos, são honrados e assegurados os

81
direitos autorais dos seus cidadãos.

97. Quanto à questão dos direitos autorais no caso
da Internet? Já existe legislação pertinente?

Com a explosão das novas tecnologias, principalmente no que
concerne à informática, está havendo o surgimento de uma nova
cultura, com novos conceitos de comercialização.
Um dos problemas que hoje se discute é se a Internet é uma
mídia impressa, tais como jornais e revistas. Caso afirmativo, está
fora de qualquer controle ou censura. Porém, se for do tipo a
não impressa, está submetida aos regulamentos correspondentes.
Outro fato complicador à análise da Internet é que esta não
tem um proprietário definido, um autor, tendo em vista que é livre,
ou seja, qualquer um que possua um computador pode acessá-la.
Os questionamentos aparecem constantemente, porém, nem
sempre as respostas conseguem atender corretamente, visto que
a Internet é nova e assuntos novos são aqueles que mais clamam
por soluções.
Lamentavelmente, somente com a experiência e com o tempo
é que os caminhos irão aparecer e fornecerão os passos jurídicos
que deverão ser tomados. É uma nova cultura no que se refere
à proteção justa dos direitos autorais (GANDELMAN, 2001).
É importante ressaltar que as obras intelectuais tais como: livros,
vídeos, filmes, fotos, obras de artes plásticas, música, intérpretes
etc., mesmo quando digitalizadas, não perdem a proteção. Sendo
assim, é terminantemente proibido usar sem a devida autorização,
visto que os direitos autorais têm a mesma vigência no mundo
cibernético e no mundo físico.

82
Portanto, os crimes cometidos por qualquer pessoa, seja no mundo
físico, seja no mundo virtual, são passíveis de punição pelo Código Penal
Brasileiro. A Lei Brasileira de Direitos Autorais (Lei 9.610/98) trata, em
sua maior parte, de criações tangíveis, tais como: livros, publicações
impressas, fotos, obras artísticas, literárias, científicas, etc. Apesar das
inovações incorporadas nessa Lei, como a inclusão da Utilização de
Bases de Dados, da Utilização da Obra Coletiva, entre outras, ainda,
assim, não cobre assuntos referentes ao uso do meio eletrônico.

98. Quais são os principais meios de utilização da
Música na Internet?

A reprodução, a execução pública e a distribuição, onde um
processo não exclui o outro, pelo contrário, coexistem.
No que concerne à reprodução da obra, o artigo 5º, Incisos
VI e VII, da Lei nº 9610/98, estabelece que:
VI - reprodução - a cópia de um ou vários exemplares de
uma obra literária, artística ou científica ou de um fono-
grama, de qualquer forma tangível, incluindo qualquer ar-
mazenamento permanente ou temporário por meios ele-
trônicos ou qualquer outro meio de fixação que venha a ser
desenvolvido.
VII - contrafação – a reprodução não autorizada.

Portanto, reprodução é o ato de copiar a obra, resultando
em um objeto tangível, um arquivo eletrônico ou qualquer outra
forma de fixação.
Diante do avanço tecnológico, observou-se o surgimento de
meios capazes de facilitar cada vez mais a troca de arquivos musicais
pela Internet (tal como o MP3, que possibilita o armazenamento e

83
a reprodução de músicas com qualidade digital), obtendo-se, com
isso, um aumento considerável da reprodução não autorizada.
Hoje, somente com uma unidade de Cd-rom ou DVD, monta-se
uma coletânea pessoal com qualidade digital.
Porém, mesmo com esta facilidade, deve-se observar as questões
referentes ao Direito Autoral da Música, no âmbito da Internet,
com um olhar crítico e reflexivo.
Quanto à execução da obra, na Lei 9.610/98, destacam-se tais
disposições:
Art. 68 - Sem prévia e expressa autorização do autor ou titu-
lar, não poderão ser utilizadas obras teatrais composições mu-
sicais ou litero-musicais e fonogramas, em representações e
execuções públicas. (...)
§ 2º - Considera-se execução pública a utilização de com-
posições musicais ou litero-musicais mediante a participação
de artistas, remunerados ou não, ou a utilização de fonogram-
as e obras audiovisuais, em locais de frequência coletiva, por
quaisquer processos, inclusive a radiodifusão ou transmissão
por qualquer modalidade, e a exibição cinematográfica. (...)
§ 4º - Previamente à realização da execução pública, o em-
presário deverá apresentar ao escritório central, previsto no
artigo 99, a comprovação dos recolhimentos relativos aos
direitos autorais.(...)
§ 6º - O empresário entregará ao escritório central, imedi-
atamente após a execução pública ou transmissão, relação
completa das obras e fonogramas utilizados, indicando os
nomes dos respectivos autores, artistas e produtores.
Art. 94 – Cabe ao produtor fonográfico perceber dos
usuários a que se refere o artigo 68 e parágrafos desta Lei os
proventos pecuniários resultantes da execução pública dos
fonogramas e reparti-los com os artistas, na forma conven-
cionada entre eles ou suas associações.

84
Dentre os Direitos Patrimoniais do autor inscreve-se o direito
de execução pública, o qual tem o criador da obra musical de au-
torizar a comunicação de sua criação ao público, por meio de vozes,
instrumentos, aparelhos mecânicos ou eletrônicos, recebendo por
isto o valor financeiro correspondente.
Em razão de sua natureza e da diversificação dos processos e
dos meios de comunicação da música, o direito de execução pública
é um dos direitos mais relevantes para o autor, apresentando dife-
rentes especificações em consonância com a forma de utilização.
É necessário salientar que a execução é o contato da obra com
o público, por meio da expressão sonora, alcançado, com o ob-
jetivo de auferir lucro, direto ou indireto, por processo acabado.
Portanto, qualquer processo de execução pública deve gerar uma
remuneração ao autor.
Ressalta-se que o Escritório Central de Arrecadação e Distri-
buição, ECAD, é o órgão competente para autorizar a execução
pública da obra musical. Por outro lado, é de competência do
referido Órgão à arrecadação de Direitos Autorais pela execução
da música, assim como com a radiodifusão tradicional e a distri-
buição dos direitos para os titulares.
No que tange à distribuição da obra, o art. 5º da Lei 9.610/98,
preconiza:
Art.5º (...)
IV - Distribuição - a colocação à disposição do público do
original ou cópia de obras literárias, artísticas ou científicas,
interpretações ou execuções fixadas e fonogramas, mediante
a venda, locação ou qualquer outra forma de transferência de
propriedade ou posse.

Portanto, adaptando o conceito para o espaço cibernético, a
distribuição da música se faz quando quaisquer obras intelectuais,
tais como: interpretações, execuções fixadas ou fonogramas são
disponibilizadas ao público por sistemas de comunicação eletrôni-

85
ca, com o fito de venda ou transferência de propriedade. Desta
forma, é a transferência ou a disponibilização da obra musical
para reprodução.
Assim, quando um site vende músicas ou Cd-rom pela Internet,
fundamenta-se em uma distribuição eletrônica, incidindo Direitos
Patrimoniais.
O art. 29, inciso VII, da mesma Lei, impõe a precisão de autoriza-
ção prévia e expressa do autor para a distribuição com o objetivo de
oferta de obras ou produções por meio de cabo, fibra ótica, satélite,
ondas ou qualquer outro sistema que admita a realização da seleção
da obra ou produção para percebê-la em um tempo e lugar.
Porém, ainda, hoje há a distribuição eletrônica, ou seja, aquela
que quando o consumidor, fazendo uso de um gravador de Cd-
rom, conecta o site do seu artista ou gravadora favorita e faz um
download da música diretamente para o seu gravador de CD-Rom
ou para a memória do seu computador, como forma de escolher
faixas do disco para baixar, criando seus próprios CDs.

99. Como se dá a execução da obra musical no
espaço cibernético?

Por duas formas: Simulcasting e do streaming nas rádios virtuais;
Lojas virtuais de CDs e DVDs.

Simulcasting: Transmissão simultânea inalterada de emissões
de rádio e televisão aberta ou via cabo, por meio da Internet. É
feito em analogia ao broadcasting (termo inglês utilizado para a
radiodifusão convencional).
A emissora, ao tempo que promove a simultaneidade de sua

86
programação tradicional com a Internet, estimula novas formas de
ingressos financeiros, obtidos pela música apresentada diretamente
ao usuário da Internet.
Uma forma de publicidade na simulcasting encontra-se espe-
cificamente no site da emissora exclusivamente contratada para
patrocinar a nova atividade.
Streaming: Termo técnico, em inglês, usado para a prática de transmitir
música por meio da Internet. O sistema de transmissão pela Internet
por streaming é denominado webcasting, que tem por características:
• Interatividade em potencial oferecida pelo webcaster ao usuário,
o que distingue este método do simulcasting e do broadcasting.
• Possibilidade oferecida ao usuário de fazer o download
das músicas, no tempo e ordem que preferir. Este sistema
denomina-se on demand. Por meio dele é possível combi-
nar músicas, criar séries por intérpretes, autores ou gêne-
ros, onde o usuário pode montar sua própria coletânea a
partir das músicas dispostas pelo webcasting e fixadas na
memória do seu computador.
Portanto, a interatividade que caracteriza o sistema de music
on demand, requer uma licença especial dos titulares dos direitos
autorais, ou seja, dos autores, executantes, intérpretes e produtores
de fonogramas, conforme preconiza o artigo 29 da Lei 9.610/98,
quando dispõe que “realizar a seleção da obra ou produção para
percebê-la em um tempo e lugar previamente determinados”.
Portanto, há necessidade de prévia e expressa licença dos titulares
dos direitos autorais.
Também, equivalente ao que procede com o simulcasting, os
ingressos financeiros auferidos com a publicidade posta no site
do webcaster devem ser divididos com os titulares dos direitos
autorais (JALIL, 2004). Cabe à emissora pagar os direitos autorais

87
à execução pública.
Porém, na hipótese de não haver o download da música e o
ouvinte a escutar no âmbito doméstico ou privativo, não é preciso
autorização do autor para a execução da obra.
Já, no caso das lojas virtuais de CDs estão envolvidas as questões
pertinentes à execução e à distribuição da obra.

100. O autor tem o direito de autorizar a reprodução
de sua obra na mídia que desejar?

Sim, o autor tem o direito de autorizar a reprodução de sua
obra no meio que quiser, incluindo a Internet. O que deve ser
observado é o que o usuário pode fazer com esse material. É ób-
vio que, se ele fizer uma cópia de um material protegido e quiser
utilizar, deverá solicitar a autorização do autor.
Texto, home page ou site que apresentar criatividade e originalidade
é protegido, portanto, precisará de autorização para ser reproduzido.

101. E, quanto a sons e imagens. É o mesmo
princípio?
O mesmo princípio que protege a obra originária também res-
guarda os direitos conexos. Desta forma, a utilização de imagens
e sons estão sujeitos à autorização do autor para reprodução.
Porém, o que ocorre, com muita facilidade, é a manipulação
mediante programas, onde é possível a alteração de uma imagem
de tal forma que se torna quase impossível assegurar, ou mesmo
provar, que pertença a seu autor.

88
102. Tudo o que é publicado num blog é de
responsabilidade direta do autor?

Os Direitos Morais de quaisquer criações intelectuais sempre
serão de responsabilidade direta de seus autores, independente
do veículo de comunicação. Já os Direitos Patrimoniais implicam
as suas responsabilidades por sobre os responsáveis pela Edição,
Publicação, Armazenamento, Organização, Produção e todas as
áreas envolvidas no processo de distribuição dessas informações. No
caso da rede mundial, o dono do domínio em que está publicada
a matéria é quem possui os Direitos Patrimoniais da obra. Dessa
forma, ele, também, é responsável legal pelo conteúdo que veicula.

103. Como proceder no caso de tradução ou versão
de uma obra?

Na tradução o tradutor é um titular de algo que originou da
criação. O efeito é uma obra derivada da obra original. Uma obra
traduzida é resultado de uma outra obra, porém, o tradutor possui
a titularidade originária. Se alguém pretender utilizar a tradução
deverá solicitar autorização ao tradutor bem como ao autor da obra.
Nas questões relativas às obras musicais, conclui-se ser uma nova
letra para uma melodia. Portanto, o versionista, ou seja, aquele
que faz a versão de uma letra passa a ser o autor de uma nova letra.
Neste caso, passa a ser o parceiro do autor da melodia, mesmo que
a versão não siga a tradução corretamente, mas coloca palavras
em outra língua, dentro das possibilidades exigidas pela melodia.

89
104. O que são direitos conexos?

Também são conhecidos como direitos vizinhos ou análogos (aos
direitos de autor) identificado na sua origem, natureza e peculiaridades,
bem como os seus titulares. É preconizado pela Lei nº. 9610/98.
Decorre de uma realidade sócioeconômica suscitada pela
evolução tecnológica, que transformou a execução da obra, em
algo duradouro, mediante fixação sonora ou audiovisual. Hoje, há
a possibilidade de eternizar no tempo ou projetar pelo espaço uma
obra, dando uma nova dimensão nas distâncias. (EBOLI, 2003).

105. E quem são seus titulares?

Três são os titulares de Direitos Conexos, ou seja, o artista, sobre
sua interpretação ou execução, o produtor de fonogramas, sobre sua
produção sonora e o organismo de radiodifusão, sobre seu programa.

106. Como são protegidos?

A proteção aos Direitos Conexos não depende de registro e é
preconizado pela Lei nº. 9.610/98. A duração da proteção é de 70
(setenta) anos a partir do ano em que houve a primeira fixação,
transmissão ou representação pública.

90
91
92
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Escrever esta pequena obra foi um tanto difícil, dado que não
somos advogados especializados em Direitos Autorais, mas, ao
mesmo tempo, foi um ato prazeroso que possibilitou a ampliação
de novos conhecimentos.
Portanto, aceitamos a gratificante missão de escrever sobre
a temática, o que nos deixou muito contentes e estimulados a
avançar nos estudos sobre propriedade intelectual.
Quando iniciamos o trabalho, pudemos observar quão preo-
cupante é o tema, visto que, ao mundo acadêmico, ficam muitos
questionamentos que foram apontados por clientes do Núcleo
de Propriedade Intelectual da UFPR, tais como: o que fazer para
produzir materiais didáticos? O que é considerado pirataria?
Como utilizar obras de terceiros?
Neste caso, a resposta às questões foi a mola propulsora para
escrever sobre um tema muitas vezes desconhecido para a maio-
ria das pessoas, principalmente, aos profissionais do mundo
acadêmico, de uma forma didática e simples.
Estas questões já nos angustiavam e nos motivaram a escrev-
er sobre o tema, visto que estávamos dos dois lados do balcão,
ou seja, como membros da Agência de Inovação e, também,
como autores de materiais didáticos, ao tempo de colocá-los à
disposição dos interessados.
Sabemos que este será o início de um processo muito maior,
visto que esta obra estará em constante mutação, dado que fará
parte de um ambiente hipermidiático de acesso livre na Inter-
net. Este procedimento facilitará a inclusão de novas perguntas
e respostas, bem como a construção de debates sobre os temas
correlatos à inovação.
Ao ler a obra, estarão ajudando-nos como leitores. Opinem,
mandem dúvidas, sugestões de temas ou críticas! Serão muito
bem-vindas!
93
94
REFERÊNCIAS

a) BIBLIOGRÁFICAS

ASCENSÃO, José de Oliveira. Direito autoral. 2.ed. Rio de
Janeiro: Renovar, 2007.

CABRAL, Plínio. Revolução Tecnológica e Direito Auto-
ral. São Paulo: Ed. Sagra Luzzatto, 1998.

GANDELMAN, Henrique. De Gutenberg a Internet. São
Paulo: Record, 2001.

MEDEIROS, Luis Antonio de. A CPI da Pirataria: os seg-
redos do contrabando e da falsificação no Brasil. São Paulo: Ge-
ração Editorial, 2005.

b) DIGITAIS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIREITOS AUTO-
RAIS. O que são direitos autorais. 2008. Disponível em http://
www.abdr.org.br/site/ Acesso em 27.04.2009.

BRASIL. Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Lei so-
bre Direitos Autorais. Disponível em http://www.planalto.gov.
br/ccivil/leis/l9610.htm. Acesso em 30.04.2009.

BRASIL. Lei 9.279 de 14 de maio 1996. Lei de Proprie-
dade Industrial. Disponível em http://www.planalto.gov.br/
ccivil/leis/l9279.htm. Acesso em 10.05.2009.

95
BRASIL. Lei nº 5.988, de 14 de dezembro de 1973. Di-
sponível em http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/leis/L5988.
htm. Acesso em 11.05.2009.

BRASIL. Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código
Civil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
LEIS/2002/L10406.htm. Acesso em 02.05.2009

BRASIL, Decreto nº 2.556, de 20 de abril de 1998. Pro-
teção da propriedade intelectual de programa de computador e
sua comercialização no Brasil. Disponível em http://www.plan-
alto.gov.br/ccivil/decreto/D2556.htm Acesso em 04.04.09

BRASIL. Lei nº 9609, de 19 de fevereiro de 1998. Proteção
da propriedade intelectual de programa de computador, sua co-
mercialização no Brasil. Disponível em: http://www.planalto.
gov.br/ccivil/Leis/L9609.htm Acesso em 02.04.09

BRASIL. Constituição da República Federativa do Bra-
sil. Texto promulgado em 05 de outubro de 1988. Disponível
em: http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/ Acesso em
02.04.09

CHAGAS, Marco Aurélio. Atos e Condutas. 2008. Di-
sponível em http://www.marcoaureliochagas.com.br. Acesso
em 03.05.2009.

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUIT-
ETURA E AGRONOMIA. Projetos. Disponível em: http://
www.confea.org.br. Acesso em 05.04.09

CONVENÇÃO DE BERNA. Decreto n° 75.699, de
06.05.75. Convenção de Berna para a Proteção das Obras
Literárias e Artísticas, de 9 de setembro de 1886, Revista em

96
Paris, a 24 de julho de 1971. Disponível em: http://www.cultu-
ra.gov.br/site/wp-content/uploads/2007/10/decreto-75699.pdf
Acesso em 10.04.09.

EBOLI, João Carlos de Camargo. Direitos Conexos. 2003.
Disponível em http://www2.uol.com.br/direitoautoral/arti-
go190503.htm. Acesso em 10.05.2009.

ESCOLA DE BELAS ARTES DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Direitos Autorais. Di-
sponível em http://www.eba.ufrj.br. Acesso em 20.04.2009

ESCOLA DE MÚSICA DA UNIVERSIDADE FEDER-
AL DO RIO DE JANEIRO. Direitos Autorais. Disponível em
http://www.ufrj.br/musica/regaut.htm. Acesso em 20.04.2009

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Direitos Auto-
rais. Disponível em http://www.bn.br Acesso em 20.04.2009

GASPARIAN, Taís. Imprensa e Direito de Imagem.2000.
Disponível em: http://www2.uol.com.br/direitoautoral/artigo17.
htm Acesso em 15.04.09.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUS-
TRIAL. Marcas e Patentes. Disponível em: http://www.inpi.
gov.br. Acesso em 10.04.09

JALIL, Daniela Schaun. Direitos Autorais sobre Música
na Internet.2004. Disponível em http://www2.uol.com.br/
direitoautoral/artigo 0804b.htm. Acesso em 19.04.09

MARTINS FILHO, Plínio. Direitos autorais na Internet.
Ci. Inf. [online]. 1998, vol.27, n.2, pp. nd-nd. ISSN 0100-1965.
doi: 10.1590/S0100-19651998000200011. Acesso em 20.04.09

97
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Resolução
Nº 62/03-CEPE. Normas gerais únicas para os cursos de
pós-graduação stricto sensu (mestrado acadêmico, mestrado
profissional e doutorado) da Universidade Federal do Paraná.
Disponível em http://www.ufpr.br/soc/cepe_resolucoes.
php?conselho=CEPE&item_id=14&item=Resoluções%20vi-
gentes Acesso em 02.05.09

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Resolução
nº 64/04. Altera a alínea “d” do art. 78 da Resolução nº 62/03-
CEPE que estabelece normas gerais únicas para os cursos de
pós-graduação stricto sensu (mestrado acadêmico, mestrado
profissional e doutorado) da Universidade Federal do Paraná.
Disponível em: http://www.ufpr.br/soc/cepe_resolucoes.
php?conselho=CEPE&item_id=14&item=Resoluções%20vi-
gentes Acesso em 02.05.09

98
BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

ABRÃO, Eliane Y. Direitos Autorais e Direitos Conexos.
São Paulo: Editora do Brasil S.A., 2002.

AFONSO, Otavio. Direito Autoral: conceitos essenciais.
São Paulo: Manole, 2008.

ASCENÇÃO, José de Oliveira. Direito Autoral. Rio de Ja-
neiro: Renovar, 1997.

BELTRÃO, Silvio Romero. Direitos da Personalidade: de
Acordo com o Novo Código Civil. São Paulo: Atlas, 2005.

BARBOSA, Antonio Luiz Figueira. Sobre a propriedade
intelectual: uma perspectiva crítica. Rio de Janeiro, 1999.

BARBOSA, Denis Borges. Uma introdução à Proprie-
dade Intelectual. Rio de Janeiro: ed. Lúmen Júris: 2003.

BARBOSA, Denis Borges. Aspectos Polêmicos da Pro-
priedade Intelectual. São Paulo: Lúmen Júris, 2004.

BARBOSA, Denis Borges. Propriedade Intelectual no
Século XXI. São Paulo: Lúmen Júris, 2008.

BASSO, Maristela. O Direito Internacional da Proprie-
dade Intelectual. Porto Alegre: Livraria do Advogado. 2000.

BASSO, Maristela; RODRIGUES JUNIOR, Edson Beas;
POLIDO, Fabrício. Propriedade Intelectual: Legislação e
Tratados Internacionais. São Paulo: Atlas, 2007.

BIGLER, Dannemann Siemsen; MOREIRA, Ipanema.

99
Legislação sobre Propriedade Intelectual. São Paulo: Rono-
var, 2004.

CABRAL, Plínio. Direito Autoral: dúvidas e controvérsias.
São Paulo: Harbra, 2000.

CABRAL, Plínio. A nova lei de direitos autorais. 4ª ed. São
Paulo: Harbra, 2003.

CARBONI, Guilherme C. Direito de autor na multimídia.
São Paulo: Quartier, 2003.

DOTTI, René Ariel. Declaração Universal dos Direitos
do Homem: 50 anos e notas da legislação brasileira. Curitiba:
JM, 1998.

ÉBOLI, João Carlos de Camargo. Pequeno Mosaico do
Direito Autoral. São Paulo: Irmãos Vitale, 2006.

ÉGEA, Maria Luiza Freitas Valle. Direitos do Artista Plás-
tico, in Tribuna do Direito, Ano 8, n. 87, julho/2000 (artigo)

FEKETE, Elisabeth Kasznar. O regime jurídico do seg-
redo da indústria e comércio no direito brasileiro. Rio de
Janeiro: Forense, 2003.

GUEIROS JUNIOR, Nehemias. O Direito Autoral no
Show Business. 3ª ed. São Paulo: Gryphus, 2005.

MAIA, Carmem. ABC da EAD: A Educação a Distancia
Hoje. São Paulo: Pearson Education, 2007.

MENEZES, Elisangela Dias. Curso de Direito Autoral.
São Paulo: Del Rey, 2007.

100
OLIVER, Paulo. Direito Autoral e Sua Tutela Penal: Lei
nº. 9.609/98, Lei nº. 9.610/98 e Decreto nº 2556/98. São Paulo:
Ícone, 1998.

OLIVO, Luiz Carlos Cancellier de. Direito e Internet: A
Regulamentação do Ciberespaço. 2ª ed. Florianópolis: UFSC,
1999.

PAESANI, Liliana Minardi. Direito e Internet: Liberdade
de Informação Privacidade 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

PEREIRA, Marcelo Cardos. Direito a Intimidade na In-
ternet. Curitiba: Juruá, 2003.

SANTOS, Manuela. Direito Autoral na era Digital: Impos-
tos, controvérsias e possíveis soluções. São Paulo: Saraiva, 2009.

SANTOS, Newton Paulo Teixeira dos. Direito Autoral: Lei
n 9610/98 lei de Programas de Computador. São Paulo: Dp&a,
1998.

SANTOS FILHO, Adalberto; LUCCA, Newton de. Direito
e Internet: Aspectos Jurídicos Relevantes. São Paulo: Lerlivros,
2000.

101
102
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.

Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais
e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o
Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Título I
Disposições Preliminares

Art. 1º Esta Lei regula os direitos autorais, entendendo-se sob
esta denominação os direitos de autor e os que lhes são con-
exos.
Art. 2º Os estrangeiros domiciliados no exterior gozarão da
proteção assegurada nos acordos, convenções e tratados em vig-
or no Brasil.
Parágrafo único. Aplica-se o disposto nesta Lei aos nacionais
ou pessoas domiciliadas em país que assegure aos brasileiros ou
pessoas domiciliadas no Brasil a reciprocidade na proteção aos
direitos autorais ou equivalentes.
Art. 3º Os direitos autorais reputam-se, para os efeitos legais,
bens móveis.
Art. 4º Interpretam-se restritivamente os negócios jurídicos
sobre os direitos autorais.
Art. 5º Para os efeitos desta Lei, considera-se:

103
I - publicação - o oferecimento de obra literária, artística ou
científica ao conhecimento do público, com o consentimento
do autor, ou de qualquer outro titular de direito de autor, por
qualquer forma ou processo;
II - transmissão ou emissão - a difusão de sons ou de sons e
imagens, por meio de ondas radioelétricas; sinais de satélite; fio,
cabo ou outro condutor; meios óticos ou qualquer outro pro-
cesso eletromagnético;
III - retransmissão - a emissão simultânea da transmissão de
uma empresa por outra;
IV - distribuição - a colocação à disposição do público do
original ou cópia de obras literárias, artísticas ou científicas,
interpretações ou execuções fixadas e fonogramas, mediante a
venda, locação ou qualquer outra forma de transferência de pro-
priedade ou posse;
V - comunicação ao público - ato mediante o qual a obra é
colocada ao alcance do público, por qualquer meio ou procedi-
mento e que não consista na distribuição de exemplares;
VI - reprodução - a cópia de um ou vários exemplares de
uma obra literária, artística ou científica ou de um fonograma,
de qualquer forma tangível, incluindo qualquer armazenamento
permanente ou temporário por meios eletrônicos ou qualquer
outro meio de fixação que venha a ser desenvolvido;
VII - contrafação - a reprodução não autorizada;
VIII - obra:
a) em co-autoria - quando é criada em comum, por dois ou
mais autores;
b) anônima - quando não se indica o nome do autor, por sua
vontade ou por ser desconhecido;

104
c) pseudônima - quando o autor se oculta sob nome suposto;
d) inédita - a que não haja sido objeto de publicação;
e) póstuma - a que se publique após a morte do autor;
f) originária - a criação primígena;
g) derivada - a que, constituindo criação intelectual nova, re-
sulta da transformação de obra originária;
h) coletiva - a criada por iniciativa, organização e respons-
abilidade de uma pessoa física ou jurídica, que a publica sob seu
nome ou marca e que é constituída pela participação de difer-
entes autores, cujas contribuições se fundem numa criação au-
tônoma;
i) audiovisual - a que resulta da fixação de imagens com ou
sem som, que tenha a finalidade de criar, por meio de sua re-
produção, a impressão de movimento, independentemente dos
processos de sua captação, do suporte usado inicial ou poste-
riormente para fixá-lo, bem como dos meios utilizados para sua
veiculação;
IX - fonograma - toda fixação de sons de uma execução ou in-
terpretação ou de outros sons, ou de uma representação de sons
que não seja uma fixação incluída em uma obra audiovisual;
X - editor - a pessoa física ou jurídica à qual se atribui o dire-
ito exclusivo de reprodução da obra e o dever de divulgá-la, nos
limites previstos no contrato de edição;
XI - produtor - a pessoa física ou jurídica que toma a inicia-
tiva e tem a responsabilidade econômica da primeira fixação do
fonograma ou da obra audiovisual, qualquer que seja a natureza
do suporte utilizado;
XII - radiodifusão - a transmissão sem fio, inclusive por sa-
télites, de sons ou imagens e sons ou das representações desses,

105
para recepção ao público e a transmissão de sinais codificados,
quando os meios de decodificação sejam oferecidos ao público
pelo organismo de radiodifusão ou com seu consentimento;
XIII - artistas intérpretes ou executantes - todos os atores,
cantores, músicos, bailarinos ou outras pessoas que representem
um papel, cantem, recitem, declamem, interpretem ou executem
em qualquer forma obras literárias ou artísticas ou expressões do
folclore.
Art. 6º Não serão de domínio da União, dos Estados, do Dis-
trito Federal ou dos Municípios as obras por eles simplesmente
subvencionadas.

Título II
Das Obras Intelectuais
Capítulo I
Das Obras Protegidas

Art. 7º São obras intelectuais protegidas as criações do espíri-
to, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte,
tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro,
tais como:
I - os textos de obras literárias, artísticas ou científicas;
II - as conferências, alocuções, sermões e outras obras da
mesma natureza;
III - as obras dramáticas e dramático-musicais;
IV - as obras coreográficas e pantomímicas, cuja execução
cênica se fixe por escrito ou por outra qualquer forma;
V - as composições musicais, tenham ou não letra;
VI - as obras audiovisuais, sonorizadas ou não, inclusive as
cinematográficas;

106
VII - as obras fotográficas e as produzidas por qualquer pro-
cesso análogo ao da fotografia;
VIII - as obras de desenho, pintura, gravura, escultura, lito-
grafia e arte cinética;
IX - as ilustrações, cartas geográficas e outras obras da mesma
natureza;
X - os projetos, esboços e obras plásticas concernentes à
geografia, engenharia, topografia, arquitetura, paisagismo, ce-
nografia e ciência;
XI - as adaptações, traduções e outras transformações de
obras originais, apresentadas como criação intelectual nova;
XII - os programas de computador;
XIII - as coletâneas ou compilações, antologias, enciclopé-
dias, dicionários, bases de dados e outras obras, que, por sua
seleção, organização ou disposição de seu conteúdo, constituam
uma criação intelectual.
§ 1º Os programas de computador são objeto de legislação
específica, observadas as disposições desta Lei que lhes sejam
aplicáveis.
§ 2º A proteção concedida no inciso XIII não abarca os da-
dos ou materiais em si mesmos e se entende sem prejuízo de
quaisquer direitos autorais que subsistam a respeito dos dados ou
materiais contidos nas obras.
§ 3º No domínio das ciências, a proteção recairá sobre a forma
literária ou artística, não abrangendo o seu conteúdo científico
ou técnico, sem prejuízo dos direitos que protegem os demais
campos da propriedade imaterial.
Art. 8º Não são objeto de proteção como direitos autorais de
que trata esta Lei:

107
I - as idéias, procedimentos normativos, sistemas, métodos,
projetos ou conceitos matemáticos como tais;
II - os esquemas, planos ou regras para realizar atos mentais,
jogos ou negócios;
III - os formulários em branco para serem preenchidos
por qualquer tipo de informação, científica ou não, e suas in-
struções;
IV - os textos de tratados ou convenções, leis, decretos, regu-
lamentos, decisões judiciais e demais atos oficiais;
V - as informações de uso comum tais como calendários,
agendas, cadastros ou legendas;
VI - os nomes e títulos isolados;
VII - o aproveitamento industrial ou comercial das idéias con-
tidas nas obras.
Art. 9º À cópia de obra de arte plástica feita pelo próprio au-
tor é assegurada a mesma proteção de que goza o original.
Art. 10. A proteção à obra intelectual abrange o seu título, se
original e inconfundível com o de obra do mesmo gênero, divul-
gada anteriormente por outro autor.
Parágrafo único. O título de publicações periódicas, inclu-
sive jornais, é protegido até um ano após a saída do seu último
número, salvo se forem anuais, caso em que esse prazo se elevará
a dois anos.

Capítulo II
Da Autoria das Obras Intelectuais

Art. 11. Autor é a pessoa física criadora de obra literária, artís-
tica ou científica.

108
Parágrafo único. A proteção concedida ao autor poderá apli-
car-se às pessoas jurídicas nos casos previstos nesta Lei.
Art. 12. Para se identificar como autor, poderá o criador
da obra literária, artística ou científica usar de seu nome civil,
completo ou abreviado até por suas iniciais, de pseudônimo ou
qualquer outro sinal convencional.
Art. 13. Considera-se autor da obra intelectual, não havendo
prova em contrário, aquele que, por uma das modalidades de
identificação referidas no artigo anterior, tiver, em conformidade
com o uso, indicada ou anunciada essa qualidade na sua utiliza-
ção.
Art. 14. É titular de direitos de autor quem adapta, traduz, ar-
ranja ou orquestra obra caída no domínio público, não podendo
opor-se a outra adaptação, arranjo, orquestração ou tradução,
salvo se for cópia da sua.
Art. 15. A co-autoria da obra é atribuída àqueles em cujo
nome, pseudônimo ou sinal convencional for utilizada.
§ 1º Não se considera co-autor quem simplesmente auxil-
iou o autor na produção da obra literária, artística ou científica,
revendo-a, atualizando-a, bem como fiscalizando ou dirigindo
sua edição ou apresentação por qualquer meio.
§ 2º Ao co-autor, cuja contribuição possa ser utilizada sepa-
radamente, são asseguradas todas as faculdades inerentes à sua
criação como obra individual, vedada, porém, a utilização que
possa acarretar prejuízo à exploração da obra comum.
Art. 16. São co-autores da obra audiovisual o autor do assunto
ou argumento literário, musical ou lítero-musical e o diretor.
Parágrafo único. Consideram-se co-autores de desenhos ani-
mados os que criam os desenhos utilizados na obra audiovisual.

109
Art. 17. É assegurada a proteção às participações individuais
em obras coletivas.
§ 1º Qualquer dos participantes, no exercício de seus direitos
morais, poderá proibir que se indique ou anuncie seu nome na
obra coletiva, sem prejuízo do direito de haver a remuneração
contratada.
§ 2º Cabe ao organizador a titularidade dos direitos patrimo-
niais sobre o conjunto da obra coletiva.
§ 3º O contrato com o organizador especificará a contribuição
do participante, o prazo para entrega ou realização, a remunera-
ção e demais condições para sua execução.

Capítulo III
Do Registro das Obras Intelectuais

Art. 18. A proteção aos direitos de que trata esta Lei inde-
pende de registro.
Art. 19. É facultado ao autor registrar a sua obra no órgão
público definido no caput e no § 1º do art. 17 da Lei nº 5.988, de
14 de dezembro de 1973.
Art. 20. Para os serviços de registro previstos nesta Lei será
cobrada retribuição, cujo valor e processo de recolhimento serão
estabelecidos por ato do titular do órgão da administração públi-
ca federal a que estiver vinculado o registro das obras intelec-
tuais.
Art. 21. Os serviços de registro de que trata esta Lei serão
organizados conforme preceitua o § 2º do art. 17 da Lei nº 5.988,
de 14 de dezembro de 1973.

110
Título III
Dos Direitos do Autor

Capítulo I
Disposições Preliminares

Art. 22. Pertencem ao autor os direitos morais e patrimoniais
sobre a obra que criou.
Art. 23. Os co-autores da obra intelectual exercerão, de co-
mum acordo, os seus direitos, salvo convenção em contrário.

Capítulo II
Dos Direitos Morais do Autor

Art. 24. São direitos morais do autor:
I - o de reivindicar, a qualquer tempo, a autoria da obra;
II - o de ter seu nome, pseudônimo ou sinal convencional
indicado ou anunciado, como sendo o do autor, na utilização de
sua obra;
III - o de conservar a obra inédita;
IV - o de assegurar a integridade da obra, opondo-se a quais-
quer modificações ou à prática de atos que, de qualquer forma,
possam prejudicá-la ou atingi-lo, como autor, em sua reputação
ou honra;
V - o de modificar a obra, antes ou depois de utilizada;
VI - o de retirar de circulação a obra ou de suspender qualquer
forma de utilização já autorizada, quando a circulação ou utiliza-
ção implicarem afronta à sua reputação e imagem;
VII - o de ter acesso a exemplar único e raro da obra, quando

111
se encontre legitimamente em poder de outrem, para o fim de,
por meio de processo fotográfico ou assemelhado, ou audiovi-
sual, preservar sua memória, de forma que cause o menor incon-
veniente possível a seu detentor, que, em todo caso, será inden-
izado de qualquer dano ou prejuízo que lhe seja causado.
§ 1º Por morte do autor, transmitem-se a seus sucessores os
direitos a que se referem os incisos I a IV.
§ 2º Compete ao Estado a defesa da integridade e autoria da
obra caída em domínio público.
§ 3º Nos casos dos incisos V e VI, ressalvam-se as prévias
indenizações a terceiros, quando couberem.
Art. 25. Cabe exclusivamente ao diretor o exercício dos dire-
itos morais sobre a obra audiovisual.
Art. 26. O autor poderá repudiar a autoria de projeto arquit-
etônico alterado sem o seu consentimento durante a execução ou
após a conclusão da construção.
Parágrafo único. O proprietário da construção responde pe-
los danos que causar ao autor sempre que, após o repúdio, der
como sendo daquele a autoria do projeto repudiado.
Art. 27. Os direitos morais do autor são inalienáveis e irre-
nunciáveis.

Capítulo III
Dos Direitos Patrimoniais do Autor e de sua Duração

Art. 28. Cabe ao autor o direito exclusivo de utilizar, fruir e
dispor da obra literária, artística ou científica.
Art. 29. Depende de autorização prévia e expressa do autor a
utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais como:

112
I - a reprodução parcial ou integral;
II - a edição;
III - a adaptação, o arranjo musical e quaisquer outras trans-
formações;
IV - a tradução para qualquer idioma;
V - a inclusão em fonograma ou produção audiovisual;
VI - a distribuição, quando não intrínseca ao contrato fir-
mado pelo autor com terceiros para uso ou exploração da obra;
VII - a distribuição para oferta de obras ou produções medi-
ante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema
que permita ao usuário realizar a seleção da obra ou produção
para percebê-la em um tempo e lugar previamente determinados
por quem formula a demanda, e nos casos em que o acesso às
obras ou produções se faça por qualquer sistema que importe em
pagamento pelo usuário;
VIII - a utilização, direta ou indireta, da obra literária, artís-
tica ou científica, mediante:
a) representação, recitação ou declamação;
b) execução musical;
c) emprego de alto-falante ou de sistemas análogos;
d) radiodifusão sonora ou televisiva;
e) captação de transmissão de radiodifusão em locais de
freqüência coletiva;
f) sonorização ambiental;
g) a exibição audiovisual, cinematográfica ou por processo
assemelhado;
h) emprego de satélites artificiais;

113
i) emprego de sistemas óticos, fios telefônicos ou não, cabos
de qualquer tipo e meios de comunicação similares que venham
a ser adotados;
j) exposição de obras de artes plásticas e figurativas;
IX - a inclusão em base de dados, o armazenamento em com-
putador, a microfilmagem e as demais formas de arquivamento
do gênero;
X - quaisquer outras modalidades de utilização existentes ou
que venham a ser inventadas.
Art. 30. No exercício do direito de reprodução, o titular dos
direitos autorais poderá colocar à disposição do público a obra,
na forma, local e pelo tempo que desejar, a título oneroso ou
gratuito.
§ 1º O direito de exclusividade de reprodução não será
aplicável quando ela for temporária e apenas tiver o propósito de
tornar a obra, fonograma ou interpretação perceptível em meio
eletrônico ou quando for de natureza transitória e incidental,
desde que ocorra no curso do uso devidamente autorizado da
obra, pelo titular.
§ 2º Em qualquer modalidade de reprodução, a quantidade
de exemplares será informada e controlada, cabendo a quem re-
produzir a obra a responsabilidade de manter os registros que
permitam, ao autor, a fiscalização do aproveitamento econômico
da exploração.
Art. 31. As diversas modalidades de utilização de obras
literárias, artísticas ou científicas ou de fonogramas são indepen-
dentes entre si, e a autorização concedida pelo autor, ou pelo
produtor, respectivamente, não se estende a quaisquer das de-
mais.
Art. 32. Quando uma obra feita em regime de co-autoria não

114
for divisível, nenhum dos co-autores, sob pena de responder por
perdas e danos, poderá, sem consentimento dos demais, publicá-
la ou autorizar-lhe a publicação, salvo na coleção de suas obras
completas.
§ 1º Havendo divergência, os co-autores decidirão por maio-
ria.
§ 2º Ao co-autor dissidente é assegurado o direito de não con-
tribuir para as despesas de publicação, renunciando a sua parte
nos lucros, e o de vedar que se inscreva seu nome na obra.
§ 3º Cada co-autor pode, individualmente, sem aquiescência
dos outros, registrar a obra e defender os próprios direitos contra
terceiros.
Art. 33. Ninguém pode reproduzir obra que não pertença ao
domínio público, a pretexto de anotá-la, comentá-la ou melhorá-
la, sem permissão do autor.
Parágrafo único. Os comentários ou anotações poderão ser
publicados separadamente.
Art. 34. As cartas missivas, cuja publicação está condicionada
à permissão do autor, poderão ser juntadas como documento de
prova em processos administrativos e judiciais.
Art. 35. Quando o autor, em virtude de revisão, tiver dado à
obra versão definitiva, não poderão seus sucessores reproduzir
versões anteriores.
Art. 36. O direito de utilização econômica dos escritos pub-
licados pela imprensa, diária ou periódica, com exceção dos as-
sinados ou que apresentem sinal de reserva, pertence ao editor,
salvo convenção em contrário.
Parágrafo único. A autorização para utilização econômica de
artigos assinados, para publicação em diários e periódicos, não

115
produz efeito além do prazo da periodicidade acrescido de vinte
dias, a contar de sua publicação, findo o qual recobra o autor o
seu direito.
Art. 37. A aquisição do original de uma obra, ou de exemplar,
não confere ao adquirente qualquer dos direitos patrimoniais do
autor, salvo convenção em contrário entre as partes e os casos
previstos nesta Lei.
Art. 38. O autor tem o direito, irrenunciável e inalienável, de
perceber, no mínimo, cinco por cento sobre o aumento do preço
eventualmente verificável em cada revenda de obra de arte ou
manuscrito, sendo originais, que houver alienado.
Parágrafo único. Caso o autor não perceba o seu direito de
seqüência no ato da revenda, o vendedor é considerado deposi-
tário da quantia a ele devida, salvo se a operação for realizada
por leiloeiro, quando será este o depositário.
Art. 39. Os direitos patrimoniais do autor, excetuados os
rendimentos resultantes de sua exploração, não se comunicam,
salvo pacto antenupcial em contrário.
Art. 40. Tratando-se de obra anônima ou pseudônima, caberá
a quem publicá-la o exercício dos direitos patrimoniais do autor.
Parágrafo único. O autor que se der a conhecer assumirá o
exercício dos direitos patrimoniais, ressalvados os direitos ad-
quiridos por terceiros.
Art. 41. Os direitos patrimoniais do autor perduram por set-
enta anos contados de 1° de janeiro do ano subseqüente ao de
seu falecimento, obedecida a ordem sucessória da lei civil.
Parágrafo único. Aplica-se às obras póstumas o prazo de pro-
teção a que alude o caput deste artigo.
Art. 42. Quando a obra literária, artística ou científica real-
izada em co-autoria for indivisível, o prazo previsto no artigo

116
anterior será contado da morte do último dos co-autores sobre-
viventes.
Parágrafo único. Acrescer-se-ão aos dos sobreviventes os
direitos do co-autor que falecer sem sucessores.
Art. 43. Será de setenta anos o prazo de proteção aos direitos
patrimoniais sobre as obras anônimas ou pseudônimas, contado
de 1° de janeiro do ano imediatamente posterior ao da primeira
publicação.
Parágrafo único. Aplicar-se-á o disposto no art. 41 e seu
parágrafo único, sempre que o autor se der a conhecer antes do
termo do prazo previsto no caput deste artigo.
Art. 44. O prazo de proteção aos direitos patrimoniais sobre
obras audiovisuais e fotográficas será de setenta anos, a contar de
1° de janeiro do ano subseqüente ao de sua divulgação.
Art. 45. Além das obras em relação às quais decorreu o prazo
de proteção aos direitos patrimoniais, pertencem ao domínio
público:
I - as de autores falecidos que não tenham deixado suces-
sores;
II - as de autor desconhecido, ressalvada a proteção legal aos
conhecimentos étnicos e tradicionais.

Capítulo IV
Das Limitações aos Direitos Autorais

Art. 46. Não constitui ofensa aos direitos autorais:
I - a reprodução:
a) na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo
informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção

117
do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram
transcritos;
b) em diários ou periódicos, de discursos pronunciados em
reuniões públicas de qualquer natureza;
c) de retratos, ou de outra forma de representação da imagem,
feitos sob encomenda, quando realizada pelo proprietário do
objeto encomendado, não havendo a oposição da pessoa neles
representada ou de seus herdeiros;
d) de obras literárias, artísticas ou científicas, para uso exclu-
sivo de deficientes visuais, sempre que a reprodução, sem fins
comerciais, seja feita mediante o sistema Braille ou outro pro-
cedimento em qualquer suporte para esses destinatários;
II - a reprodução, em um só exemplar de pequenos trechos,
para uso privado do copista, desde que feita por este, sem intuito
de lucro;
III - a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro
meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins
de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a
atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da obra;
IV - o apanhado de lições em estabelecimentos de ensino por
aqueles a quem elas se dirigem, vedada sua publicação, integral
ou parcial, sem autorização prévia e expressa de quem as minis-
trou;
V - a utilização de obras literárias, artísticas ou científicas,
fonogramas e transmissão de rádio e televisão em estabelecimen-
tos comerciais, exclusivamente para demonstração à clientela,
desde que esses estabelecimentos comercializem os suportes ou
equipamentos que permitam a sua utilização;
VI - a representação teatral e a execução musical, quando real-
izadas no recesso familiar ou, para fins exclusivamente didáticos,

118
nos estabelecimentos de ensino, não havendo em qualquer caso
intuito de lucro;
VII - a utilização de obras literárias, artísticas ou científicas
para produzir prova judiciária ou administrativa;
VIII - a reprodução, em quaisquer obras, de pequenos trechos
de obras preexistentes, de qualquer natureza, ou de obra integral,
quando de artes plásticas, sempre que a reprodução em si não
seja o objetivo principal da obra nova e que não prejudique a
exploração normal da obra reproduzida nem cause um prejuízo
injustificado aos legítimos interesses dos autores.
Art. 47. São livres as paráfrases e paródias que não forem
verdadeiras reproduções da obra originária nem lhe implicarem
descrédito.
Art. 48. As obras situadas permanentemente em logradouros
públicos podem ser representadas livremente, por meio de pintu-
ras, desenhos, fotografias e procedimentos audiovisuais.

Capítulo V
Da Transferência dos Direitos de Autor

Art. 49. Os direitos de autor poderão ser total ou parcial-
mente transferidos a terceiros, por ele ou por seus sucessores, a
título universal ou singular, pessoalmente ou por meio de rep-
resentantes com poderes especiais, por meio de licenciamento,
concessão, cessão ou por outros meios admitidos em Direito,
obedecidas as seguintes limitações:
I - a transmissão total compreende todos os direitos de autor,
salvo os de natureza moral e os expressamente excluídos por lei;
II - somente se admitirá transmissão total e definitiva dos
direitos mediante estipulação contratual escrita;

119
III - na hipótese de não haver estipulação contratual escrita, o
prazo máximo será de cinco anos;
IV - a cessão será válida unicamente para o país em que se
firmou o contrato, salvo estipulação em contrário;
V - a cessão só se operará para modalidades de utilização já
existentes à data do contrato;
VI - não havendo especificações quanto à modalidade de uti-
lização, o contrato será interpretado restritivamente, entenden-
do-se como limitada apenas a uma que seja aquela indispensável
ao cumprimento da finalidade do contrato.
Art. 50. A cessão total ou parcial dos direitos de autor, que se
fará sempre por escrito, presume-se onerosa.
§ 1º Poderá a cessão ser averbada à margem do registro a que
se refere o art. 19 desta Lei, ou, não estando a obra registrada,
poderá o instrumento ser registrado em Cartório de Títulos e
Documentos.
§ 2º Constarão do instrumento de cessão como elementos es-
senciais seu objeto e as condições de exercício do direito quanto
a tempo, lugar e preço.
Art. 51. A cessão dos direitos de autor sobre obras futuras
abrangerá, no máximo, o período de cinco anos.
Parágrafo único. O prazo será reduzido a cinco anos sem-
pre que indeterminado ou superior, diminuindo-se, na devida
proporção, o preço estipulado.
Art. 52. A omissão do nome do autor, ou de co-autor, na di-
vulgação da obra não presume o anonimato ou a cessão de seus
direitos.

120
Título IV
Da Utilização de Obras Intelectuais e dos Fonogramas

Capítulo I
Da Edição

Art. 53. Mediante contrato de edição, o editor, obrigando-se a
reproduzir e a divulgar a obra literária, artística ou científica, fica
autorizado, em caráter de exclusividade, a publicá-la e a explorá-
la pelo prazo e nas condições pactuadas com o autor.
Parágrafo único. Em cada exemplar da obra o editor mencio-
nará:
I - o título da obra e seu autor;
II - no caso de tradução, o título original e o nome do tradu-
tor;
III - o ano de publicação;
IV - o seu nome ou marca que o identifique.
Art. 54. Pelo mesmo contrato pode o autor obrigar-se à feit-
ura de obra literária, artística ou científica em cuja publicação e
divulgação se empenha o editor.
Art. 55. Em caso de falecimento ou de impedimento do autor
para concluir a obra, o editor poderá:
I - considerar resolvido o contrato, mesmo que tenha sido
entregue parte considerável da obra;
II - editar a obra, sendo autônoma, mediante pagamento
proporcional do preço;
III - mandar que outro a termine, desde que consintam os
sucessores e seja o fato indicado na edição.

121
Parágrafo único. É vedada a publicação parcial, se o autor
manifestou a vontade de só publicá-la por inteiro ou se assim o
decidirem seus sucessores.
Art. 56. Entende-se que o contrato versa apenas sobre uma
edição, se não houver cláusula expressa em contrário.
Parágrafo único. No silêncio do contrato, considera-se que
cada edição se constitui de três mil exemplares.
Art. 57. O preço da retribuição será arbitrado, com base nos
usos e costumes, sempre que no contrato não a tiver estipulado
expressamente o autor.
Art. 58. Se os originais forem entregues em desacordo com
o ajustado e o editor não os recusar nos trinta dias seguintes ao
do recebimento, ter-se-ão por aceitas as alterações introduzidas
pelo autor.
Art. 59. Quaisquer que sejam as condições do contrato, o
editor é obrigado a facultar ao autor o exame da escrituração
na parte que lhe corresponde, bem como a informá-lo sobre o
estado da edição.
Art. 60. Ao editor compete fixar o preço da venda, sem, toda-
via, poder elevá-lo a ponto de embaraçar a circulação da obra.
Art. 61. O editor será obrigado a prestar contas mensais ao au-
tor sempre que a retribuição deste estiver condicionada à venda
da obra, salvo se prazo diferente houver sido convencionado.
Art. 62. A obra deverá ser editada em dois anos da celebração
do contrato, salvo prazo diverso estipulado em convenção.
Parágrafo único. Não havendo edição da obra no prazo legal
ou contratual, poderá ser rescindido o contrato, respondendo o
editor por danos causados.
Art. 63. Enquanto não se esgotarem as edições a que tiver

122
direito o editor, não poderá o autor dispor de sua obra, cabendo
ao editor o ônus da prova.
§ 1º Na vigência do contrato de edição, assiste ao editor o
direito de exigir que se retire de circulação edição da mesma obra
feita por outrem.
§ 2º Considera-se esgotada a edição quando restarem em es-
toque, em poder do editor, exemplares em número inferior a dez
por cento do total da edição.
Art. 64. Somente decorrido um ano de lançamento da edição,
o editor poderá vender, como saldo, os exemplares restantes,
desde que o autor seja notificado de que, no prazo de trinta dias,
terá prioridade na aquisição dos referidos exemplares pelo preço
de saldo.
Art. 65. Esgotada a edição, e o editor, com direito a outra, não
a publicar, poderá o autor notificá-lo a que o faça em certo prazo,
sob pena de perder aquele direito, além de responder por danos.
Art. 66. O autor tem o direito de fazer, nas edições sucessivas
de suas obras, as emendas e alterações que bem lhe aprouver.
Parágrafo único. O editor poderá opor-se às alterações que
lhe prejudiquem os interesses, ofendam sua reputação ou au-
mentem sua responsabilidade.
Art. 67. Se, em virtude de sua natureza, for imprescindível
a atualização da obra em novas edições, o editor, negando-se o
autor a fazê-la, dela poderá encarregar outrem, mencionando o
fato na edição.

Capítulo II
Da Comunicação ao Público

Art. 68. Sem prévia e expressa autorização do autor ou titular,

123
não poderão ser utilizadas obras teatrais, composições musicais
ou lítero-musicais e fonogramas, em representações e execuções
públicas.
§ 1º Considera-se representação pública a utilização de obras
teatrais no gênero drama, tragédia, comédia, ópera, opereta,
balé, pantomimas e assemelhadas, musicadas ou não, mediante
a participação de artistas, remunerados ou não, em locais de
freqüência coletiva ou pela radiodifusão, transmissão e exibição
cinematográfica.
§ 2º Considera-se execução pública a utilização de com-
posições musicais ou lítero-musicais, mediante a participação de
artistas, remunerados ou não, ou a utilização de fonogramas e
obras audiovisuais, em locais de freqüência coletiva, por quais-
quer processos, inclusive a radiodifusão ou transmissão por
qualquer modalidade, e a exibição cinematográfica.
§ 3º Consideram-se locais de freqüência coletiva os teatros,
cinemas, salões de baile ou concertos, boates, bares, clubes ou
associações de qualquer natureza, lojas, estabelecimentos com-
erciais e industriais, estádios, circos, feiras, restaurantes, hotéis,
motéis, clínicas, hospitais, órgãos públicos da administração
direta ou indireta, fundacionais e estatais, meios de transporte
de passageiros terrestre, marítimo, fluvial ou aéreo, ou onde quer
que se representem, executem ou transmitam obras literárias,
artísticas ou científicas.
§ 4º Previamente à realização da execução pública, o em-
presário deverá apresentar ao escritório central, previsto no art.
99, a comprovação dos recolhimentos relativos aos direitos au-
torais.
§ 5º Quando a remuneração depender da freqüência do públi-
co, poderá o empresário, por convênio com o escritório central,
pagar o preço após a realização da execução pública.

124
§ 6º O empresário entregará ao escritório central, imediata-
mente após a execução pública ou transmissão, relação completa
das obras e fonogramas utilizados, indicando os nomes dos re-
spectivos autores, artistas e produtores.
§ 7º As empresas cinematográficas e de radiodifusão man-
terão à imediata disposição dos interessados, cópia autêntica
dos contratos, ajustes ou acordos, individuais ou coletivos, au-
torizando e disciplinando a remuneração por execução pública
das obras musicais e fonogramas contidas em seus programas ou
obras audiovisuais.
Art. 69. O autor, observados os usos locais, notificará o em-
presário do prazo para a representação ou execução, salvo prévia
estipulação convencional.
Art. 70. Ao autor assiste o direito de opor-se à representação
ou execução que não seja suficientemente ensaiada, bem como
fiscalizá-la, tendo, para isso, livre acesso durante as representa-
ções ou execuções, no local onde se realizam.
Art. 71. O autor da obra não pode alterar-lhe a substância,
sem acordo com o empresário que a faz representar.
Art. 72. O empresário, sem licença do autor, não pode en-
tregar a obra a pessoa estranha à representação ou à execução.
Art. 73. Os principais intérpretes e os diretores de orquestras
ou coro, escolhidos de comum acordo pelo autor e pelo produ-
tor, não podem ser substituídos por ordem deste, sem que aquele
consinta.
Art. 74. O autor de obra teatral, ao autorizar a sua tradução
ou adaptação, poderá fixar prazo para utilização dela em repre-
sentações públicas.
Parágrafo único. Após o decurso do prazo a que se refere este
artigo, não poderá opor-se o tradutor ou adaptador à utilização

125
de outra tradução ou adaptação autorizada, salvo se for cópia da
sua.
Art. 75. Autorizada a representação de obra teatral feita em
co-autoria, não poderá qualquer dos co-autores revogar a autor-
ização dada, provocando a suspensão da temporada contratual-
mente ajustada.
Art. 76. É impenhorável a parte do produto dos espetáculos
reservada ao autor e aos artistas.

Capítulo III
Da Utilização da Obra de Arte Plástica

Art. 77. Salvo convenção em contrário, o autor de obra de arte
plástica, ao alienar o objeto em que ela se materializa, transmite
o direito de expô-la, mas não transmite ao adquirente o direito
de reproduzi-la.
Art. 78. A autorização para reproduzir obra de arte plástica,
por qualquer processo, deve se fazer por escrito e se presume
onerosa.

Capítulo IV
Da Utilização da Obra Fotográfica

Art. 79. O autor de obra fotográfica tem direito a reproduzi-
la e colocá-la à venda, observadas as restrições à exposição, re-
produção e venda de retratos, e sem prejuízo dos direitos de au-
tor sobre a obra fotografada, se de artes plásticas protegidas.
§ 1º A fotografia, quando utilizada por terceiros, indicará de
forma legível o nome do seu autor.
§ 2º É vedada a reprodução de obra fotográfica que não esteja

126
em absoluta consonância com o original, salvo prévia autoriza-
ção do autor.

Capítulo V
Da Utilização de Fonograma

Art. 80. Ao publicar o fonograma, o produtor mencionará em
cada exemplar:
I - o título da obra incluída e seu autor;
II - o nome ou pseudônimo do intérprete;
III - o ano de publicação;
IV - o seu nome ou marca que o identifique.

Capítulo VI
Da Utilização da Obra Audiovisual

Art. 81. A autorização do autor e do intérprete de obra
literária, artística ou científica para produção audiovisual implica,
salvo disposição em contrário, consentimento para sua utilização
econômica.
§ 1º A exclusividade da autorização depende de cláusula ex-
pressa e cessa dez anos após a celebração do contrato.
§ 2º Em cada cópia da obra audiovisual, mencionará o produ-
tor:
I - o título da obra audiovisual;
II - os nomes ou pseudônimos do diretor e dos demais co-
autores;
III - o título da obra adaptada e seu autor, se for o caso;

127
IV - os artistas intérpretes;
V - o ano de publicação;
VI - o seu nome ou marca que o identifique.
Art. 82. O contrato de produção audiovisual deve estabelec-
er:
I - a remuneração devida pelo produtor aos co-autores da obra
e aos artistas intérpretes e executantes, bem como o tempo, lugar
e forma de pagamento;
II - o prazo de conclusão da obra;
III - a responsabilidade do produtor para com os co-autores,
artistas intérpretes ou executantes, no caso de co-produção.
Art. 83. O participante da produção da obra audiovisual que
interromper, temporária ou definitivamente, sua atuação, não
poderá opor-se a que esta seja utilizada na obra nem a que ter-
ceiro o substitua, resguardados os direitos que adquiriu quanto à
parte já executada.
Art. 84. Caso a remuneração dos co-autores da obra audio-
visual dependa dos rendimentos de sua utilização econômica,
o produtor lhes prestará contas semestralmente, se outro prazo
não houver sido pactuado.
Art. 85. Não havendo disposição em contrário, poderão os
co-autores da obra audiovisual utilizar-se, em gênero diverso, da
parte que constitua sua contribuição pessoal.
Parágrafo único. Se o produtor não concluir a obra audiovi-
sual no prazo ajustado ou não iniciar sua exploração dentro de
dois anos, a contar de sua conclusão, a utilização a que se refere
este artigo será livre.
Art. 86. Os direitos autorais de execução musical relativos a
obras musicais, lítero-musicais e fonogramas incluídos em obras

128
audiovisuais serão devidos aos seus titulares pelos responsáveis
dos locais ou estabelecimentos a que alude o § 3o do art. 68
desta Lei, que as exibirem, ou pelas emissoras de televisão que
as transmitirem.

Capítulo VII
Da Utilização de Bases de Dados

Art. 87. O titular do direito patrimonial sobre uma base de
dados terá o direito exclusivo, a respeito da forma de expressão
da estrutura da referida base, de autorizar ou proibir:
I - sua reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou pro-
cesso;
II - sua tradução, adaptação, reordenação ou qualquer outra
modificação;
III - a distribuição do original ou cópias da base de dados ou
a sua comunicação ao público;
IV - a reprodução, distribuição ou comunicação ao público
dos resultados das operações mencionadas no inciso II deste ar-
tigo.

Capítulo VIII
Da Utilização da Obra Coletiva

Art. 88. Ao publicar a obra coletiva, o organizador mencio-
nará em cada exemplar:
I - o título da obra;
II - a relação de todos os participantes, em ordem alfabética,
se outra não houver sido convencionada;

129
III - o ano de publicação;
IV - o seu nome ou marca que o identifique.
Parágrafo único. Para valer-se do disposto no § 1º do art. 17,
deverá o participante notificar o organizador, por escrito, até a
entrega de sua participação.

Título V
Dos Direitos Conexos

Capítulo I
Disposições Preliminares

Art. 89. As normas relativas aos direitos de autor aplicam-
se, no que couber, aos direitos dos artistas intérpretes ou execu-
tantes, dos produtores fonográficos e das empresas de radiodi-
fusão.
Parágrafo único. A proteção desta Lei aos direitos previstos
neste artigo deixa intactas e não afeta as garantias asseguradas
aos autores das obras literárias, artísticas ou científicas.

Capítulo II
Dos Direitos dos Artistas Intérpretes ou Executantes

Art. 90. Tem o artista intérprete ou executante o direito exclu-
sivo de, a título oneroso ou gratuito, autorizar ou proibir:
I - a fixação de suas interpretações ou execuções;
II - a reprodução, a execução pública e a locação das suas in-
terpretações ou execuções fixadas;
III - a radiodifusão das suas interpretações ou execuções,
fixadas ou não;

130
IV - a colocação à disposição do público de suas interpreta-
ções ou execuções, de maneira que qualquer pessoa a elas possa
ter acesso, no tempo e no lugar que individualmente escolher-
em;
V - qualquer outra modalidade de utilização de suas interpre-
tações ou execuções.
§ 1º Quando na interpretação ou na execução participarem
vários artistas, seus direitos serão exercidos pelo diretor do con-
junto.
§ 2º A proteção aos artistas intérpretes ou executantes es-
tende-se à reprodução da voz e imagem, quando associadas às
suas atuações.
Art. 91. As empresas de radiodifusão poderão realizar fix-
ações de interpretação ou execução de artistas que as tenham
permitido para utilização em determinado número de emissões,
facultada sua conservação em arquivo público.
Parágrafo único. A reutilização subseqüente da fixação, no
País ou no exterior, somente será lícita mediante autorização es-
crita dos titulares de bens intelectuais incluídos no programa,
devida uma remuneração adicional aos titulares para cada nova
utilização.
Art. 92. Aos intérpretes cabem os direitos morais de integ-
ridade e paternidade de suas interpretações, inclusive depois
da cessão dos direitos patrimoniais, sem prejuízo da redução,
compactação, edição ou dublagem da obra de que tenham par-
ticipado, sob a responsabilidade do produtor, que não poderá
desfigurar a interpretação do artista.
Parágrafo único. O falecimento de qualquer participante
de obra audiovisual, concluída ou não, não obsta sua exibição
e aproveitamento econômico, nem exige autorização adicional,
sendo a remuneração prevista para o falecido, nos termos do
contrato e da lei, efetuada a favor do espólio ou dos sucessores.

131
Capítulo III
Dos Direitos dos Produtores Fonográficos

Art. 93. O produtor de fonogramas tem o direito exclusivo
de, a título oneroso ou gratuito, autorizar-lhes ou proibir-lhes:
I - a reprodução direta ou indireta, total ou parcial;
II - a distribuição por meio da venda ou locação de exem-
plares da reprodução;
III - a comunicação ao público por meio da execução pública,
inclusive pela radiodifusão;
IV - (VETADO)
V - quaisquer outras modalidades de utilização, existentes ou
que venham a ser inventadas.
Art. 94. Cabe ao produtor fonográfico perceber dos usuários
a que se refere o art. 68, e parágrafos, desta Lei os proventos
pecuniários resultantes da execução pública dos fonogramas e
reparti-los com os artistas, na forma convencionada entre eles
ou suas associações.

Capítulo IV
Dos Direitos das Empresas de Radiodifusão

Art. 95. Cabe às empresas de radiodifusão o direito exclusivo
de autorizar ou proibir a retransmissão, fixação e reprodução de
suas emissões, bem como a comunicação ao público, pela tele-
visão, em locais de freqüência coletiva, sem prejuízo dos direitos
dos titulares de bens intelectuais incluídos na programação.

132
Capítulo V
Da Duração dos Direitos Conexos

Art. 96. É de setenta anos o prazo de proteção aos direitos
conexos, contados a partir de 1º de janeiro do ano subseqüente à
fixação, para os fonogramas; à transmissão, para as emissões das
empresas de radiodifusão; e à execução e representação pública,
para os demais casos.

Título VI
Das Associações de Titulares de Direitos de Autor e dos
que lhes são Conexos

Art. 97. Para o exercício e defesa de seus direitos, podem os
autores e os titulares de direitos conexos associar-se sem intuito
de lucro.
§ 1º É vedado pertencer a mais de uma associação para a
gestão coletiva de direitos da mesma natureza.
§ 2º Pode o titular transferir-se, a qualquer momento, para
outra associação, devendo comunicar o fato, por escrito, à as-
sociação de origem.
§ 3º As associações com sede no exterior far-se-ão represen-
tar, no País, por associações nacionais constituídas na forma pre-
vista nesta Lei.
Art. 98. Com o ato de filiação, as associações tornam-se
mandatárias de seus associados para a prática de todos os atos
necessários à defesa judicial ou extrajudicial de seus direitos au-
torais, bem como para sua cobrança.
Parágrafo único. Os titulares de direitos autorais poderão
praticar, pessoalmente, os atos referidos neste artigo, mediante
comunicação prévia à associação a que estiverem filiados.
Art. 99. As associações manterão um único escritório central

133
para a arrecadação e distribuição, em comum, dos direitos relati-
vos à execução pública das obras musicais e lítero-musicais e de
fonogramas, inclusive por meio da radiodifusão e transmissão
por qualquer modalidade, e da exibição de obras audiovisuais.
§ 1º O escritório central organizado na forma prevista neste
artigo não terá finalidade de lucro e será dirigido e administrado
pelas associações que o integrem.
§ 2º O escritório central e as associações a que se refere este
Título atuarão em juízo e fora dele em seus próprios nomes como
substitutos processuais dos titulares a eles vinculados.
§ 3º O recolhimento de quaisquer valores pelo escritório cen-
tral somente se fará por depósito bancário.
§ 4º O escritório central poderá manter fiscais, aos quais é
vedado receber do empresário numerário a qualquer título.
§ º A inobservância da norma do parágrafo anterior tornará
o faltoso inabilitado à função de fiscal, sem prejuízo das sanções
civis e penais cabíveis.
Art. 100. O sindicato ou associação profissional que cong-
regue não menos de um terço dos filiados de uma associação
autoral poderá, uma vez por ano, após notificação, com oito dias
de antecedência, fiscalizar, por intermédio de auditor, a exatidão
das contas prestadas a seus representados.

Título VII
Das Sanções às Violações dos Direitos Autorais

Capítulo I
Disposição Preliminar

Art. 101. As sanções civis de que trata este Capítulo aplicam-
se sem prejuízo das penas cabíveis.

134
Capítulo II
Das Sanções Civis

Art. 102. O titular cuja obra seja fraudulentamente reproduz-
ida, divulgada ou de qualquer forma utilizada, poderá requerer a
apreensão dos exemplares reproduzidos ou a suspensão da divul-
gação, sem prejuízo da indenização cabível.
Art. 103. Quem editar obra literária, artística ou científica,
sem autorização do titular, perderá para este os exemplares que
se apreenderem e pagar-lhe-á o preço dos que tiver vendido.
Parágrafo único. Não se conhecendo o número de exemplares
que constituem a edição fraudulenta, pagará o transgressor o val-
or de três mil exemplares, além dos apreendidos.
Art. 104. Quem vender, expuser a venda, ocultar, adquirir,
distribuir, tiver em depósito ou utilizar obra ou fonograma re-
produzidos com fraude, com a finalidade de vender, obter ganho,
vantagem, proveito, lucro direto ou indireto, para si ou para out-
rem, será solidariamente responsável com o contrafator, nos ter-
mos dos artigos precedentes, respondendo como contrafatores o
importador e o distribuidor em caso de reprodução no exterior.
Art. 105. A transmissão e a retransmissão, por qualquer meio
ou processo, e a comunicação ao público de obras artísticas,
literárias e científicas, de interpretações e de fonogramas, realiza-
das mediante violação aos direitos de seus titulares, deverão ser
imediatamente suspensas ou interrompidas pela autoridade judi-
cial competente, sem prejuízo da multa diária pelo descumpri-
mento e das demais indenizações cabíveis, independentemente
das sanções penais aplicáveis; caso se comprove que o infrator
é reincidente na violação aos direitos dos titulares de direitos de
autor e conexos, o valor da multa poderá ser aumentado até o
dobro.

135
Art. 106. A sentença condenatória poderá determinar a
destruição de todos os exemplares ilícitos, bem como as matriz-
es, moldes, negativos e demais elementos utilizados para praticar
o ilícito civil, assim como a perda de máquinas, equipamentos e
insumos destinados a tal fim ou, servindo eles unicamente para
o fim ilícito, sua destruição.
Art. 107. Independentemente da perda dos equipamentos
utilizados, responderá por perdas e danos, nunca inferiores ao
valor que resultaria da aplicação do disposto no art. 103 e seu
parágrafo único, quem:
I - alterar, suprimir, modificar ou inutilizar, de qualquer ma-
neira, dispositivos técnicos introduzidos nos exemplares das
obras e produções protegidas para evitar ou restringir sua cópia;
II - alterar, suprimir ou inutilizar, de qualquer maneira, os si-
nais codificados destinados a restringir a comunicação ao públi-
co de obras, produções ou emissões protegidas ou a evitar a sua
cópia;
III - suprimir ou alterar, sem autorização, qualquer informa-
ção sobre a gestão de direitos;
IV - distribuir, importar para distribuição, emitir, comuni-
car ou puser à disposição do público, sem autorização, obras,
interpretações ou execuções, exemplares de interpretações fixa-
das em fonogramas e emissões, sabendo que a informação sobre
a gestão de direitos, sinais codificados e dispositivos técnicos
foram suprimidos ou alterados sem autorização.
Art. 108. Quem, na utilização, por qualquer modalidade, de
obra intelectual, deixar de indicar ou de anunciar, como tal, o
nome, pseudônimo ou sinal convencional do autor e do intér-
prete, além de responder por danos morais, está obrigado a di-
vulgar-lhes a identidade da seguinte forma:

136
I - tratando-se de empresa de radiodifusão, no mesmo horário
em que tiver ocorrido a infração, por três dias consecutivos;
II - tratando-se de publicação gráfica ou fonográfica, medi-
ante inclusão de errata nos exemplares ainda não distribuídos,
sem prejuízo de comunicação, com destaque, por três vezes con-
secutivas em jornal de grande circulação, dos domicílios do au-
tor, do intérprete e do editor ou produtor;
III - tratando-se de outra forma de utilização, por intermédio
da imprensa, na forma a que se refere o inciso anterior.
Art. 109. A execução pública feita em desacordo com os arts.
68, 97, 98 e 99 desta Lei sujeitará os responsáveis a multa de vinte
vezes o valor que deveria ser originariamente pago.
Art. 110. Pela violação de direitos autorais nos espetáculos e
audições públicas, realizados nos locais ou estabelecimentos a
que alude o art. 68, seus proprietários, diretores, gerentes, em-
presários e arrendatários respondem solidariamente com os or-
ganizadores dos espetáculos.

Capítulo III
Da Prescrição da Ação

Art. 111. (VETADO)
Título VIII
Disposições Finais e Transitórias

Art. 112. Se uma obra, em conseqüência de ter expirado o
prazo de proteção que lhe era anteriormente reconhecido pelo
§ 2º do art. 42 da Lei nº. 5.988, de 14 de dezembro de 1973, caiu
no domínio público, não terá o prazo de proteção dos direitos
patrimoniais ampliado por força do art. 41 desta Lei.

137
Art. 113. Os fonogramas, os livros e as obras audiovisuais
sujeitar-se-ão a selos ou sinais de identificação sob a responsabili-
dade do produtor, distribuidor ou importador, sem ônus para o
consumidor, com o fim de atestar o cumprimento das normas le-
gais vigentes, conforme dispuser o regulamento. (Regulamento)
Art. 114. Esta Lei entra em vigor cento e vinte dias após sua
publicação.
Art. 115. Ficam revogados os arts. 649 a 673 e 1.346 a 1.362
do Código Civil e as Leis nºs 4.944, de 6 de abril de 1966; 5.988,
de 14 de dezembro de 1973, excetuando-se o art. 17 e seus §§ 1º
e 2º; 6.800, de 25 de junho de 1980; 7.123, de 12 de setembro
de 1983; 9.045, de 18 de maio de 1995, e demais disposições em
contrário, mantidos em vigor as Leis nºs 6.533, de 24 de maio de
1978 e 6.615, de 16 de dezembro de 1978.

Brasília, 19 de fevereiro de 1998; 177º da Independência e
110º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Francisco Weffort

138
139
Formato: 13 cm x 19 cm | Composição: Eletrônica em Garamond 12 | Papel do Miolo:
Chamois Fine 80 g/m²|Papel da capa: Cartão Supremo 250g/m² | Técnica de Impressão: Off-set
|Acabamento: Plastificação brilho(capa) e lombo colado à quente | Tiragem: 1.500 exemplares

140