You are on page 1of 31

Umbral

A ideia do Umbral sempre provocou fascínio entre os espíritas e não


espíritas. Desde que o médium Francisco Cândido Xavier revelou pela
primeira vez a existência do Umbral na obra Nosso Lar, em 1944,
muitas pessoas vêm procurando mais e mais informações a respeito.
O Umbral pode ser definido como uma zona ou região cósmica onde se
encontram, por afinidade e sintonia, espíritos que estão presos aos
resultados de suas próprias ações, emoções e pensamentos negativos.
É onde se reúnem desencarnados que não conseguem se libertar de
muitas emoções, como mágoa, ressentimento, ódio, revolta, ambição,
apego, angústia, dor, luto, decepção, frustrações, etc.

É preciso deixar claro que o Umbral não é uma região situada no


espaço, mas sim uma zona mental, de consciência, que é criada e
construída psíquica e emocionalmente pelos espíritos que nele se
encontram.
É um plano extremamente negativo, com variados graus de densidade,
que vão do mais denso ao menos denso. Não se trata de uma área
geográfica, de algo delimitado espacialmente. Trata-se, antes de tudo,
de criações mentais coletivas de grande desarmonia.
Para o Umbral vão espíritos cuja frequência é muito baixa; espíritos
que cometeram erros terríveis em vida ou que se desgarraram em
paixões, vícios, sexo, drogas, perversões, maldades e toda sorte de
qualidades inferiores, como orgulho, egoísmo, vaidade, medo, tristeza
profunda, dentre outros.

Os espíritos vão para o chamado umbral não porque alguém os enviou


para esta zona, mas por que com sua sintonia, com a ressonância de
seus pensamentos, emoções e intenções, eles são automaticamente
atraídos para as camadas de consciência de suas simpatias e
inclinações.

“O plano está repleto de desencarnados e de formas-pensamentos dos


encarnados, porque, em verdade, todo espírito, esteja onde estiver, é
um núcleo irradiante de forças que criam, transformam ou destroem
exteriorizadas em vibrações que a ciência terrestre presentemente não
pode compreender.
Quem pensa, está fazendo alguma coisa alhures.
E é pelo pensamento que os homens encontram no umbral os
companheiros que afinam com as tendências de cada um. Toda alma é
um imã poderoso ”
Dessa forma, compreendemos como, após a morte, os pensamentos
têm a capacidade de criar formas externas, que se assemelham a coisas
físicas, porém de matéria etérea. Essas são as formas-pensamentos,
muito conhecidas no esoterismo.
Como disse Edgar Cayce: “Pensamentos são coisas”.
Isso significa que nossas criações mentais coletivas podem gerar
espaços subjetivos onde futuramente estaremos vivendo após a morte,
quando todos os laços físicos forem rompidos e sobrar apenas a
realidade de nossas criações mentais.

No entanto, é preciso esclarecer que os espíritos permanecem no


Umbral apenas temporariamente. O umbral é uma zona de consciência
onde os espíritos não estacionam para sempre, mas apenas por um
determinado período.
Esse tempo não é o mesmo para todos os espíritos. Ele varia de espírito
para espírito, dependendo dos erros que cometeu, dos vícios que ele
mergulhou, do quanto agrediu, matou, estuprou, ofendeu ou
prejudicou de diversas formas seus semelhantes.
Há muitos espíritos que vão ao umbral porque não conseguem perdoar
aqueles que lhes fizeram mal.
Ou pela raiva que sente de alguém que a matou, que “tirou” a sua vida.
Mal essa alma sabe que sua vida não foi tirada, mas sim que ela
continua viva em outro plano de existência.
Algumas pessoas podem ir ao umbral pelo abuso que fazem de
entorpecentes de diversos tipos. André Luiz acabou indo ao Umbral
pelo abuso que fazia do cigarro, que foi considerado um “suicídio
inconsciente” pela espiritualidade superior.
Além disso, ele era um médico arrogante e muito voltado para si
mesmo, o que fez com que sintonizasse com a zona Umbralina
correspondente a esse tipo de vibração.
Agora vamos esclarecer um ponto importante.
O Umbral, ao contrário do inferno católico, é um “local” apenas de
passagem. Mas poucas pessoas sabem que o Umbral tem uma
característica muito importante: ele é uma zona de purgação.
Essa ideia pode surpreender alguns, mas quando meditamos em sua
essência, reconhecemos que ela faz todo sentido.
Isso significa que os espíritos que se sintonizam com o umbral
permanecem nele até purgar de dentro de si toda a negatividade que
adquiriram no mundo. Eles precisam se purificar, ou seja, realizar essa
limpeza em suas energias, para que possam ascender aos planos mais
elevados da espiritualidade.
Caso os espíritos não consigam se purificar no Umbral, eles devem lá
perdurar até conseguirem a libertação de todas as mazelas humanas
que impedem sua entrada nos portões dos planos sutis.

Exemplo, quando sentimos mágoa de uma pessoa que nos fez mal, essa
mágoa permanece dentro de nós, e fica constantemente voltando ao
nosso pensamento, as vezes de forma obsessiva, até que consigamos
nos livrar dela e perdoar.
O mesmo ocorre no Umbral: um espírito que foi prejudicado por outro
e sente muita raiva, deverá permanecer no Umbral sentindo essa raiva
até conseguir se libertar dela e perdoar, ou ao menos diminuir o grau
desse sentimento.
Ao contrário da Terra, onde temos um corpo físico que abafa nossa
natureza espiritual, os espíritos são livres e manifestam exatamente o
que são de forma muito mais ativa e intensa.
Por esse motivo, se um espírito desencarna com raiva de alguém, essa
raiva pode permanecer com ele e será muito mais forte comparado ao
que era durante sua estada na Terra.

Ele sentirá cada aspecto do seu ser fervilhar de raiva daquele que o
prejudicou, e essa raiva queimará dentro dele até que ele consiga se
desprender dela. O processo funciona mais ou menos assim: o espírito
vai repetindo suas emoções, ecoando seus pensamentos de ódio,
mágoa, repulsa, culpa etc. Até, finalmente, conseguir a libertação deles.
Ele vai repetindo as emoções e as situações que o prendem até esgota-
las e se livrar delas. Assim que ele se desapega de tudo, ele pode
ascender ao plano espiritual mais elevado e ir a uma região cósmica
que corresponde ao adiantamento de sua alma até a vida atual.
Dessa forma, fica claro que o Umbral, antes de tudo, é um local de
purgação, onde são purificadas as nossas imperfeições humanas, para
que o espírito que somos possa se manifestar mais livremente e
ascender aos planos superiores.
É como se o espírito fosse a água e as impurezas do nosso ser uma
lama misturada a essa água. Quanto mais impureza precisa retirar da
água, maior a previsão de tempo que ficaremos no Umbral.
A água precisa se tornar o mais pura possível para que possa desaguar
no mar espiritual de pureza. Dessa forma, podemos dizer que o Umbral
é uma espécie de filtro cósmico, onde se deve despojar toda a lama dos
nossos apegos, ódios, vício, erros, culpa, sofrimento, etc.
O Umbral é, sem engano, apenas um local de passagem, uma antessala
que nos conduz aos planos celestes.
Algumas pessoas podem perguntar: mas o que eu posso fazer para
evitar minha ida ao umbral?
A resposta a essa pergunta é bem simples e até óbvia: cada pessoa deve
resolver, durante a sua vida, todas as suas pendências humanas. Isso
significa que, aquele que tem raiva de alguém, deve perdoar e se
libertar dessa raiva; aquele que se sente culpado por um erro que
cometeu, perdoe-se e se liberte da culpa.
Aquele que tem rixas com seus familiares e nutre sentimentos
inferiores, resolva essas brigas, e transforme o ódio no amor.
O plano divino nos concede, na Terra, a oportunidade desses resgates
com nossos irmãos humanos. No caso do desencarne sem que certos
assuntos estejam bem resolvidos, podemos ficar um período mais ou
menos longo no Umbral até que nossa purificação se complete.
Portanto, qualquer briga, conflito, raiva, mágoa, vício, apego,
sofrimento, etc., deve ser resolvido ainda em vida, agora, nesse
momento…
É claro que nem toda briga nos levará ao Umbral, mas apenas aquelas
que nos marcaram mais profundamente e nos deixaram com
sentimentos negativos mais profundos. No entanto, para que possamos
fazer com tranquilidade nossa passagem ao plano espiritual, vamos
tratar de resolver tudo o que nos prende à matéria e aos sentimentos
inferiores da alma humana.
Há um ditado popular que diz: “Não deixe para amanha o que você
pode fazer hoje”. Há também uma máxima espiritual que diz:

“Não deixe para depois da morte o que você pode resolver durante sua
vida”
“Existem muitas moradas na casa de meu pai” (MUNDOS MATERIAIS
MUNDOS NÃO MATERIAIS).

Existem infinitos mundos


Mundos materiais, planetas, estrelas (sóis), que podem abrigar vida física
ou espiritua
Mundos imateriais, a maioria não conhecidos, sequer imaginados, que
abrigam Espíritos que não mais necessitam reencarnarem-se.
Acima do Mundo Físico existem muitos mais Planos Cósmicos de
existência, Universos paralelos, Dimensões vibratórias ou Mundos
Espirituais cada vez mais elevados onde habitam muitos seres de
hierarquias diversas, que evoluem nesses níveis superiores, dedicando-se
a atividades tão sublimes, variadas e complexas que nós humanos sequer
podemos imaginar.
O Espírito em seu processo evolutivo, passa pela encarnação no mundo
material para seu aprimoramento.
Cumprido o tempo determinado no plano físico, o Espírito imortal, retorna
ao Mundo Espiritual.
Espíritos que vivem no Umbral denso, ainda estão ligados ao mundo
material. Muitos não possuem a consciência que desencarnaram, o que
acaba gerando agonia e sofrimento. E ainda, sentem fome, sono, dor, etc.
“Tudo vai de acordo com a afinidade, com a sintonia espiritual da pessoa.
Se a pessoa está presa a muitos sentimentos negativos, ela irá atrair
outros que possuem os mesmos sentimentos, os mesmos ódios e
vinganças”.

O Plano Astral e o Plano Mental. Falaremos brevemente apenas


desses dois porque ambos são conhecidos pelos projetores
conscientes veteranos em viagens astrais. Acima desses, nunca
foram. Porém, a sabedoria das idades nos fala que esse universo é
setenário, ou seja, tem sete planos ou dimensões.

Estes sete planos ou sete dimensões, fazem parte, espiritualmente,


da própria Terra; os planos chamados “plano mental”, que tratamos
neste artigo, e outros que segundo a Teosofia seriam chamados,
por exemplo, de “plano búdico”, “plano monádico”, “plano átmico”,
etc. mesmo que as denominações variem um pouco, mesmo dentro
da própria linha teosófica, planos estes que estariam acima do
conhecido “plano astral”. Ainda segundo a teosofia cada um destes
planos se dividira em sete, totalizando quarenta e nove planos, o
que sabemos, hoje, por informações idôneas, que isto é verdade.

Segundo conhecimentos trazidos pela Espiritualidade Superior,


principalmente através do médium Chico Xavier, nos livros “Cidade
no Além” e “Imagens do Além”, existem apenas sete planos
somente. O “plano mental” que tratamos nesta matéria poderia ser
apenas mais um destes sete “planos astrais”, embora a
nomenclatura seja diferente. Resumindo, são sete planos somente.
Podemos chamar estes planos de diferentes formas, por exemplo:
“planos espirituais”, “esferas espirituais”, “esferas astrais”, etc.,
existentes em diferentes faixas vibratórias, mas que estão
interligados. Sobre a passagem de um plano para outro,
futuramente explicaremos.

Estes planos são diferentes entre si, seja na sua natureza vibratória
ou na pureza das suas energias, ou seja, existem planos mais
elevados, mais puros, e planos mais densos, parecidos com o
físico. Em cada um destes “planos astrais”, “esferas astrais”, enfim,
existem dezenas ou centenas de milhares de “colônias espirituais”,
cada qual com uma população variável. Estima-se que exista uma
“população invisível” cerca de nove vezes maior que a população
terrestre.

Por aí se vê que nem todos estão atualmente podendo reencarnar,


e principalmente verificamos e concluímos que a experiência
terrestre é valiosíssima e deve ser aproveitada ao máximo, para o
nosso crescimento. A condição de ser humano é algo grandioso,
magnífico, mesmo que algumas religiões digam o contrário.

No plano espiritual e nas suas diferentes faixas vibratórias, existem


muitas colônias espirituais, onde espíritos afins, no mesmo nível
evolutivo, se agrupam e formam verdadeiras sociedades
extrafísicas organizadas.

Existem, à semelhança da Terra, muitas casas, templos, jardins,


bosques, montanhas, rios cristalinos, vegetais e animais, etc.
Logicamente não se trata da mesma matéria do plano físico. É uma
matéria espiritual, mais sutil. Podemos chamar de matéria astral ou
matéria extrafísica. O plano espiritual, podemos dizer, é uma cópia,
muito mais perfeita, do plano físico, ou melhor, o plano físico é
como um esboço do plano espiritual, sendo este último uma espécie
de “Terra aperfeiçoada”. Por mais que se evolua, através dos
tempos, o plano físico, o planeta, sua matéria e tudo mais, nunca
chegará a ser igual à matéria do plano espiritual, pois esta é
formada por substância ou matéria astral que é ideoplástica, que é
manipulada e modelada pelo pensamento e pelo sentimento, pela
razão e pelo amor.

Essa similaridade, em alguns pontos, com o plano físico é


necessária para o espírito se acostumar e se adaptar a essa nova
vida que se inicia.

Os espíritos desencarnados, assim como os humanos, também tem


suas ocupações, as mais variadas possíveis. Eles tem trabalho, que
aplicam em seu benefício e também de outros seres, físicos ou
espirituais, para seu próprio crescimento espiritual, embora isso não
seja regra absoluta, pois lá também há espíritos ociosos, assim
como eram na Terra, mas sujeitos a melhorar; tem atividades, lazer,
etc. e muitos deles, de evolução mediana, também dormem, em
suas moradias.

Quanto mais evoluída a entidade, menos necessidade tem ela do


sono. O espírito tem direito apenas a uma casa astral onde vai viver
e repousar, enquanto estiver no plano espiritual.

Quando esses espíritos dormem, há um sono semelhante ao nosso,


funcionando apenas como um repouso reparador, mas, também,
em algumas ocasiões, durante o sono, eles se desprendem com
lucidez, conscientemente, usando o corpo mental, e se dirigem para
lugares os mais variados possíveis e diversas dimensões
espirituais.

Nestas cidades espirituais há toda uma administração organizada,


seres que cuidam de todos os setores da vida, mantendo a em
perfeita concordância com os princípios crísticos, para garantirem a
evolução de todos. Os espíritos mais evoluídos destas colônias tem
funções mais elevadas, e, assim, tem condições de dirigirem e
orientarem, sempre para o bem comum, a vida de todos.
Em algumas colônias, existe geralmente um Governador Espiritual,
chefe maior da colônia, vários Ministros, etc. Deixamos claro que
tudo depende do nível evolutivo da colônia e de como se
organizam. Há cidades espirituais que se organizam de forma
completamente diferente.

Em uma cidade espiritual de transição, em uma colônia espiritual,


chamada Nosso Lar, existem vários ministérios, por exemplo:

Ministério da União Divina, Ministério da Elevação, Ministério da


Regeneração, Ministério do Auxílio, Ministério do Esclarecimento,
Ministério da Comunicação, etc.

Porém, nem todas as colônias seguem esse padrão administrativo,


há cidades espirituais muito superiores, em todos os sentidos, em
planos mais elevados. A cidade NOSSO LAR está situada na
terceira “esfera-espiritual” sobre o astral do Rio de Janeiro, há cerca
de 50km de altura; acima desta há inúmeras outras, poderemos
citar, por exemplo, uma mais elevada chamada METRÓPOLE
ASTRAL DO GRANDE CORAÇÃO, de costumes brasileiros, e uma
acima desta ainda que é conhecida como CIDADE ESPIRITUAL
BRASIL e acima desta outras responsáveis por toda administração
do nosso Planeta. Portanto, a partir dessas explicações, deixamos
claro que são As Colônias Espirituais, situadas nos diversos planos
da Multidimensionalidade, a partir do Astral Mediano ao Astral
Superior, que cuidam de todos os seres do plano físico e também
dos mais diversos aspectos que compõe a vida humana, desde os
mais simples aos mais complexos; também supervisionam, dirigem
e orientam, da melhor forma possível, todos os governos, de todos
os países, do nosso mundo. No entanto, sua atuação é limitada
pela Lei Cósmica, pela Lei Divina, que tudo sustenta, e dirige para a
felicidade suprema todos os seres.

(A figura acima – recebida mediunicamente – extraída do livro


“Cidade no Além” / página 73 / Chico Xavier, Heigorina Cunha /
Espíritos: André Luiz e Lucius / mostra a ilustração da Governadoria
da Cidade Espiritual NOSSO LAR: “Edifício da Governadoria,
“encabeçado de torres soberanas que se perdem no céu”. No alto, o
aeróbus. Desenho concluído em 11.10.1981.)

Citaremos agora, como exemplo, para o conhecimento de todos, o


nome de várias Colônias ou Cidades Espirituais. Os nomes destas
colônias foram extraídos de vários livros mediúnicos sérios e de
entrevistas de uma médium clarividente, onde espíritos diversos
contam um pouco de sua vida no plano espiritual. Eis alguns
nomes:

 COLONIA ESPERANÇA
 COLONIA REGENERAÇÃO
 COLONIA NOSSO LAR
 COLONIA CAMPOS DA PAZ
 COLONIA SOCORRISTA MORADIA
 CASA TRANSITÓRIA DE FABIANO
 COLONIA REDENÇÃO
 COLONIA SEMONTA
 COLONIA CAMINHANDO PARA A PAZ
 COLONIA CAMINHANDO PARA A LIBERTAÇÃO
 COLONIA AMIGOS DE CRISTO
 COLONIA DOS ARTISTAS
 CASA DO ESCRITOR
 COLONIA AMIGOS DA PAZ
 COLONIA SÃO SEBASTIÃO
 COLONIA SÃO PAULO
 ALVORADA NOVA
 METRÓPOLE ASTRAL DO GRANDE CORAÇÃO
 CIDADE ESPIRITUAL BRASIL
Estas colônias espirituais se situam nos “céus” do planeta, ou seja,
nos espaços a

O Dr. José Lacerda de Azevedo, introdutor da Apometria, em seu


primeiro livro, "Matéria-Espírito - Novos Horizontes para a
Medicina", Ed. do Autor, escreve: "A energia da mente pode ser
projetada no espaço através de estruturas conhecidas como
formas-pensamento. Constituídas de um núcleo de energia com
forma modelada pela mente que as projeta, elas podem prejudicar
ou beneficiar as pessoas que visam, conforme a vontade de quem
as crie - consciente ou inconscientemente. Projetada, ela
normalmente atua primeiro sobre o campo ou corpo mental de
outros seres, dai passando para os corpos ou campos astral e
etérico, para enfim agir sobre o físico, já convertida em ação
psicomotora. Se lançada com emoções, porém, se revestirá de
massas magnéticas tanto mais densas e turvas quanto mais baixas
(e negativas) forem as freqüências vibratórias das emoções; nestes
casos,Nos grupos de Apometria, através de pulsos magnéticos, o
corpo etérico dos encarnados se "afasta" cerca de alguns
centímetros do corpo físico. Com esse desacoplamento, é como se
o corpo etérico ficasse inclinado para um dos lados do medianeiro,
mas sem estar completamente desdobrado. Então, os trabalhos dos
mentores nesse mediador denso são realizados na área espacial
justaposta, ou, quando muito, circunscritos a pequena distância. Na
verdade o fato

44

do duplo não ser remetido para "cima", como entendeis, não deve
vos desapontar, pois é perfeitamente possível agirmos
"encapsulando" esse veículo inferior em espécie de câmara
vibratória avançada do hospital do astral, a qual pode ser chamada,
para vosso entendimento, de ala de atendimento a distância.
Ademais, as vibrações mais rápidas, rarefeitas e de alta freqüência
transpassam naturalmente as mais lentas, densas e de baixa
freqüência, sendo o espaço-tempo no lado de cá diverso do de
vossa compreensão terrena.

32

em que se inclui a geração de formas-pensamento, a energia


mental emitida atingirá primeiro e diretamente o corpo astral da
criatura visada, de onde passará para o etérico e, em seguida, o
físico." strais e extrafísicos acima do nosso planeta.
Todos os planetas espalhados pelo universo, habitados ou não, tem
seu plano extrafísico, ou seja, seu lado imaterial, suas esferas
espirituais que os cercam. Por existir o plano físico,
obrigatoriamente existe a contraparte extrafísica. Existindo o lado
material, existe o astral. É certo, porém, que assim como o plano
físico está sujeito à mudanças e transformações, o plano astral
também está sujeito a essas condições. Ambos os lados podem
evoluir e melhorar. Assim os mundos foram criados segundo os
altos desígnios do Supremo Criador Universal. Em todos os
planetas foi criado primeiro os planos astrais superiores e somente
depois o físico, pois a energia vai passando por um processo lento
de condensação, devidamente orientado por Espíritos Superiores,
para estes planos coexistirem harmonicamente. Então, tudo é feito
do Alto para baixo.

Desde a origem do nosso planeta, já existiam esferas espirituais


que cercavam o globo terrestre, pois a criação começou do Alto
para baixo. Assim, é sempre feito, sempre. Primeiro, foram
formados os planos superiores para posteriormente ser formado o
plano físico. Logicamente, ainda não se tinha uma vida pronta e
organizada nos diferentes planos da Multidimensionalidade, como
atualmente. Tudo foi feito aos poucos, depois de um longo tempo.
Mas com o decorrer de centenas de milhões de anos, quando as
diferentes matérias, dos diferentes planos, foram se firmando, e
também passando por grandes mudanças e transformações, foi se
preparando o estabelecimento da vida, tanto no plano físico, quanto
no plano astral, até os planos superiores. Os Espíritos Superiores já
tinham planejado organizá-las, como assim já o fizeram em outros
planetas, para as almas que viriam a habitar a Terra e passar pelo
processo dos renascimentos contínuos.

Como explicamos acima, a criação da Terra se iniciou a partir do


Alto para baixo, formando inicialmente os planos superiores até
chegarmos ao plano material. Tudo foi cuidadosamente
supervisionado pelos Engenheiros Siderais, ou seja, pelos
chamados Espíritos Superiores. Mas como todos esses planos
maiores e menores foram formados? De onde? De que substância?
É importante esclarecermos antes que a matéria física, que existe
no plano físico, é diferente da matéria astral, que existe no plano
astral, que é diferente da matéria mental, que existe no plano
mental. Cada uma delas é diferente na sua natureza vibratória; as
superiores são muitos mais sutis, rarefeitas, resplandecentes, pura,
do que as matérias inferiores. Cabe dizer, no entanto, que todas
elas derivaram da energia primordial (fluido cósmico universal,
energia imanente, chi, etc). Assim todas elas foram criadas. As
energias dos planos superiores estão mais próximas dessa energia
livre, as energias dos planos inferiores, muito mais distantes. Todos
os planos são derivações dessa energia que permeia todo o
universo, porém, os planos são distintos entre si, na sua natureza
vibratória. Mas todos eles, são uma condensação dessa energia
sutil.

Quanto a criação da Terra, não negamos, nem poderíamos negar o


conhecimento da ciência quanto ao surgimento da vida, apenas
complementamos este mesmo conhecimento com um
conhecimento espiritual. Entendemos que tudo existia de forma
latente na energia primordial (fluido cósmico universal, energia
imanente, chi, etc), inclusive os germens básicos da vida, que
fariam a vida surgir futuramente. Porém, essa energia primordial foi
manipulada de tal forma pelos Cientistas Espirituais, para, mais
tarde, a vida física ter início por “coincidências cósmicas”. Houve,
então, inicialmente, uma condensação dessa energia sutil,
formando primeiro os planos superiores, que chamamos por: plano
mental, plano astral, até chegarmos ao plano físico. Isso fica claro,
pois a energia sutil vai partindo sempre do alto para baixo, através
de um processo lento de condensação, devidamente orientado
pelos Espíritos Superiores, para todos esses planos coexistirem
harmônicamente. Quanto a criação do princípio espiritual, que muito
mais tarde viria a se tornar Espírito, é importante dizer que o
Pensamento de Deus permeia todo o Universo, interligando tudo e
todos. O Universo é inteligente, a Vida é inteligente. Pela Vontade
de Deus, que reina soberana em todos os lugares, através dos seus
intermediários, seus Ministros, os Engenheiros Siderais, Cientistas
da Vida Superior, captaram o Pensamento Divino, e utilizaram esse
imenso potencial divino, pensante, transformando-o em bilhões de
“partículas divinas”, o que viria a ser chamado atualmente de
princípio consciencial ou princípio espiritual. Assim, tudo foi criado.

Então, este princípio consciencial, existente desde antes da criação


material do planeta, foi descendo, desde a energia primordial, até
os planos mental, astral, até chegar ao plano físico, captado em
todos esses planos, por um automatismo do ser, o que seria
necessário para sua manifestação plena na Terra, e que viria a
desenvolver somente bilhões de anos depois, o que conhecemos
por: pensamentos e sentimentos; estes são necessários à vida,
porém, vieram somente muito mais tarde. Apesar do princípio
espiritual passar primeiro pelos planos mental e astral, somente
adquiriu o pensamento e o sentimento após conquistar inicialmente
tudo que fosse possível nas inúmeras experiências no plano físico,
nos sucessivos reinos. Então, após a formação da Terra, pela
evolução das eras, este princípio espiritual foi se desenvolvendo
pelos reinos mineral, vegetal, animal, Hominal, pois assim está
escrito: “A alma dorme na pedra, sonha na planta, move-se no
animal e desperta no homem”.

No antigo Egito, Hermes Trismegisto já ensinava que “a pedra se


converte em planta; a planta em animal; o animal em homem, em
Espírito; o Espírito em Deus.”. Somos, em todos os sentidos, Filhos
da Terra. Em outras palavras, resumindo tudo isso, de forma
simples, primeiro houve uma “descida” do princípio consciencial,
passando inicialmente pelos planos mais elevados até chegar ao
plano físico; no mundo material, passou pelos diversos reinos, até
formar o homem atual, protótipo do homem do futuro, do terceiro
milênio. Logicamente, existiram também inúmeros outros seres que
evoluiram em outros planetas e depois vieram para este mundo,
através do processo de reencarnação. Não vemos, nem
poderíamos ver dualidade total entre Espírito e Matéria, pois um
precisa do outro, e ambos caminharam juntos, lado a lado, no
surgimento da Vida, por centenas de milhões de anos, na
maravilhosa existência Terrestre.
Quanto ao que explicamos acima, daremos alguns esclarecimentos
adicionais. Como vimos, após a “descida” do princípio espiritual,
através dos diversos planos, por um automatismo do ser, este
princípio consciencial adquiriu, em cada plano, na intimidade do seu
ser ainda em formação, de forma embrionária, várias características
iniciais, embora rudimentares, que à semelhança de uma pequena
semente, viria dar vida, muito mais tarde, à uma imensa árvore,
bonita e frondosa. Posteriormente, passou pelos diversos reinos:
mineral, vegetal, animal, Hominal; adquiriu inicialmente as
sensações; muito mais tarde adquiriu o automatismo inconsciente e
o instinto; depois vieram os sentimentos e pensamentos. A chegada
ao reino hominal é uma conquista magnífica, pois é somente neste
reino que ele tem condição de ser chamado de Filho de Deus.

Durante os diferentes ciclos evolutivos, o princípio consciencial se


desenvolveu, e foram se formando, aos poucos, lentamente, tudo
que faz parte do seu real ser. Inicialmente, durante milênios, o
princípio consciencial vai residir nos cristais, em longuíssimo
processo de auto-fixação, ensaiando, aos poucos, os primeiros
movimentos internos de organização e crescimento volumétrico, até
que surge, no grande relógio da existência, o instante sublime em
que será liberado para a glória orgânica da vida, em sua
transferencia para o próximo reino. Em sua passagem por reinos
inferiores, o princípio espiritual desenvolveu um corpo etérico bem
acanhado. Sabemos que os cristais emitem um campo energético
próprio, concluindo, assim, que nessa fase já existia formando um
campo de energia sutil.

Após sua passagem pelo reino mineral, o princípio espiritual vai


iniciar outra etapa de sua longa carreira evolutiva. Identifica-se
como vírus, logo a seguir como bactérias rudimentares, algas
unicelulares e posteriormente como algas pluricelulares. O princípio
consciencial passa então a vivenciar as experiências nos vegetais
mais complexos, melhor estruturados, onde ele vai adquirir a
capacidade de reagir direta ou indiretamente a qualquer mudança
exterior e depois a faculdade de sentir, captar e registrar as
alterações do meio que o cerca (sensação), conquistas do princípio
espiritual em seu percurso pelo reino vegetal. Nesse reino, ampliou-
se esse campo energético, vital, e foram conquistados pequenos
chakras, em sua fase inicial de desenvolvimento, que seriam
ampliados em futuros reinos.
Mais tarde, assinala-se o ingresso do princípio consciencial no reino
animal. O princípio espiritual vai desdobrar-se entre os
espongiários, os celenterados, os equinodermos e crustáceos,
anfíbios, répteis, os peixes e as aves, até chegar aos mamíferos.
Neste imenso percurso, o princípio consciencial estará
enriquecendo a sua estrutura energética, aprimorando o seu
psiquismo rudimentar e assimilando os valores múltiplos da
organização, da reprodução, da memória, da auto-preservação,
enfim, dos diversos instintos, preparando-se, futuramente, para a
sublime conquista da razão. Este corpo vital, energético, que tanto
falamos, se desenvolveu muito mais no reino animal, principalmente
em determinados animais, e também os chakras foram passando
por uma elaboração muito maior e mais complexa do que no reino
anterior, aumentando sua quantidade, tamanho, forma, etc. Em
alguns animais, formou-se um corpo astral (perispírito), embora
fosse ainda um corpo espiritual na sua fase inicial de evolução.

Nesse reino animal, embora somente em alguns animais superiores


(macaco, cão, gato, cavalo, muar e o elefante), identifica-se uma
inteligência rudimentar, indicando, então, a existência e o início do
desenvolvimento do corpo mental. Além dos atos instintivos,
observa-se, às vezes, atitudes que demandam certo grau de
perspicácia e lucidez. Seria uma forma primitiva de inteligência
relacionada apenas a coisas que importam à sua auto-preservação
de vida animal. Existem certos espíritos elevados, certa classe de
espíritos, que cuidam de toda a natureza, desde, por exemplo, uma
simples montanha rochosa, até todos os tipos de animais. São
chamados também por Devas.

REINO HOMINAL

Até alcançarmos a idade da razão, com o título de Homem, dotado


de raciocínio e discernimento, o ser automatizado em seus
impulsos, na romagem para o reino angélico, despendeu nada
menos que um bilhão e meio de anos, conforme nos ensina o
espírito André Luiz. Esse foi o tempo aproximado que o princípio
consciencial levou, passando pelos diversos reinos, até chegar ao
reino hominal. Até então, o progresso tinha uma orientação
centrípeta, ou seja, de fora para dentro; o ser crescia pela força das
coisas, já que não tinha consciência de sua realidade, nem
tampouco liberdade de escolha. Ao entrar no reino hominal, com a
conquista da razão, aparece o raciocínio, a lucidez, o livre-arbítrio e
o pensamento contínuo. O ser humano está apto a dirigir a sua
vida, pelo esforço próprio, a iniciar uma evolução de orientação
centrífuga, de dentro para fora. Porém, a conquista da inteligência é
apenas o primeiro passo que o Espírito vai dar em sua estadia no
reino hominal. Deverá agora, iniciar-se uma ardorosa luta para
conquistar os valores superiores da alma, que permitirá ao Espírito
alçar-se à comunidade dos Seres Angélicos.

Quanto ao que falamos anteriormente sobre os animais, convêm


fazermos um esclarecimento necessário. Logicamente, o corpo
energético do animal é inferior ao do Homem, assim como o seu
corpo astral e seu corpo mental, que existe apenas em alguns
desses animais. No reino hominal, formou-se um corpo energético
muito sofisticado e bem elaborado; formaram-se maiores
quantidades de chakras, ampliaram-se seu tamanho, forma,
velocidade de rotação e brilho. Foram conquistados e foram
formados, inclusive, determinados chakras superiores, que não
existiam nos reinos anteriores; assim como o corpo astral e o corpo
mental do Homem se tornaram extremamente mais desenvolvido e
refinado. Cabe dizer, no entanto, que tanto o corpo energético,
quanto o corpo astral e também o corpo mental são diferentes em
cada indivíduo, conforme sua evolução. Logicamente, todos estes
corpos citados, comparando um ser humano altamente
espiritualizado e um ser humano “sub-humano”, desses que matam
um monte de gente, são absurdamente diferentes entre si.

Nas eras passadas, em épocas remotas, não mais lembradas, o ser


humano, após ser digno de fazer uso de um corpo humano, ao
longo de sua lenta, mas sempre ascendente evolução, desenvolveu
cada vez mais e ampliou o corpo astral (responsável pelas paixões,
emoções, sentimentos, etc), embora como já foi dito, esse corpo já
existisse, em sua fase inicial, no reino anterior, no reino animal.
Mais tarde, desenvolveu de tal forma o corpo mental (responsável
pela elaboração de raciocínios, pensamentos, discernimento,
imaginação, memória, etc) conseguindo, assim, avançar cada vez
mais no tempo e no espaço, conseguindo, com sua “inteligência”,
construir e destruir sua própria civilização. Por aí se vê que o
homem atual ainda não é um ser pronto e, quem sabe, nunca será.
Estamos em constante e eterna evolução. Cada vez mais
conquistamos partes maiores do nosso próprio Ser. Existe, em
todos nós, nos diferentes corpos, nos diferentes aspectos que
compõe o ser humano, um “barro” que precisa ser modelado por
nós mesmos, por todos os meios possíveis, para transformarmos
essa simples argila em uma escultura divina, onde o Criador, Ele
próprio, reconhecerá em nós, Sua imensa Beleza, Grandeza, e
Majestade.

É de conhecimento comum que os espíritos passam por um longo


processo de reencarnações sucessivas, não apenas neste orbe
terráqueo, mas em diversos outros mundos espalhados pelo
cosmos. Tivemos vidas em outros planetas e teremos mais vidas
em outros “educandários espirituais” ao longo da eternidade, até
que este processo de nascimento e morte cesse por completo e
paremos de renascer e vivermos somente do espírito e pelo
Espírito. Quando chegamos a esse ponto, sabemos que o tipo de
vida que se leva é diferente e não pode ser totalmente
compreendido por nós ainda em nosso atual estágio de evolução.
Chegamos a conclusão, então, que existem transmigrações
interplanetárias, ou seja, a entidade vai viver em diferentes sistemas
de vida, com diferentes corpos, pois isso é necessário e
indispensável para nosso crescimento.

TRANSMIGRAÇÕES ESPIRITUAIS

Essas transmigrações espirituais acontecem da seguinte forma: um


ser humano viveu seu período de vida na Terra, cumpriu seus
deveres aos quais tinha se comprometido cumprir antes de nascer;
quitou a parcela do seu karma perante o planeta, não tem mais
dívida perante a Terra, nem com seus semelhantes terrestres, tem
a consciência limpa e sabe, dentro do seu ser, que pode seguir seu
caminho; esse ser quando desencarna vai para o Astral Terrestre,
ou seja, às esferas espirituais que circundam o globo terráqueo.
Pode também ficar nesse espaço espiritual por um tempo,
trabalhando em benefício dos seres humanos. Um dia, sabemos,
por Ordem Superior, ele vai ser chamado a novas
responsabilidades, em outro ninho estelar, para continuar a subir as
escadas rumo ao Paraíso Eterno.

Este ser, agora desencarnado, vai ser conduzido por Entidades


Maiores do Astral Terrestre para o Astral de outro mundo habitado.
É lógico que seu psicossoma (corpo astral, perispírito, etc) terá que
sofrer modificações para viver e se adaptar à esse novo ambiente
espiritual, pois terá que se revestir dos fluidos do novo globo para
poder viver nesse lugar. Essa entidade transmigrada ao novo
mundo, ficará um tempo neste novo Astral, aprendendo sobre a
vida neste diferente berço planetário, até que seja conduzido a
nascer, viver, e cooperar com a evolução do planeta e de todos os
seus seres. Não viverá apenas para si, multiplicará muito mais de si
mesmo, doando ao novo mundo, em todos os sentidos, tudo o que
puder doar para que esse planeta brilhe mais na imensidão celeste
e seja como uma joia refulgente refletindo a infinita glória da
Criação do Grande Arquiteto do Universo.

Existem colônias pequenas, médias e grandes, com um número


variável de habitantes. Algumas colônias são mais evoluídas que as
outras, algumas são mais antigas, outras mais novas. Todas
colônias tiveram sua origem, sua fundação, várias delas foram
fundadas por espíritos nobres e elevados. A Colônia “Nosso Lar”,
por exemplo, foi fundada por espíritos portugueses. Em algumas
colônias transitórias, onde a evolução do espírito é mediana,
compatível com a média dos encarnados, existe o “aeróbus” (ver
livro de Chico Xavier “Nosso Lar”), que é uma espécie de veículo,
que flutua alguns metros acima do chão, capaz de transportar
vários espíritos de um lugar para o outro. É uma espécie de veículo
espiritual utilizada por espíritos que ainda não dominaram
plenamente o processo de volitação (vôo no espaço). O “aeróbus”
pode ir de uma colônia à outra, pode ir à diversos lugares no plano
físico ou no plano espiritual.

VOLITAÇÃO

Quanto à volitação, para explicarmos esse processo: “O encéfalo do


psicossoma (corpo astral, perispírito, etc) tem circuitos impressos
de memória cinestésica, ou dos movimentos, e o respectivo banco
de memória, que organizam, ditam e programam a volitação, não só
a preparação-decolagem até os mais sofisticados tipos, altos,
extensos, e rápidos de vôo livre. Os rudimentos desses circuitos no
cérebro constituem as estrias complexas do neo-estriado.”.

Existem, no plano espiritual, em diferentes faixas vibratórias,


diversos planos de existências, inferiores e superiores.
Basicamente, dividimos em três todas essas regiões, a saber: Astral
Inferior (com suas subdivisões), Astral Mediano (com suas
subdivisões), Astral Superior (com suas subdivisões). Podemos
citar, por exemplo, a existência do Umbral que é uma região
espiritual atrasada, escura, sombria, situando-se em planos
vibratórios mais densos, próximos à crosta terrestre. No Umbral
encontram-se cidades, cidadelas, lugarejos, etc., nos quais
convivem espíritos com o mesmo padrão vibratório. Precisamos
esclarecer que não existe apenas um local chamado Umbral, mas,
sim, muitas, inúmeras, milhares, de colônias extrafísicas atrasadas
ou colônias espirituais umbralinas, desorganizadas, onde não há
disciplina, nem ordem. Porém, podemos dizer, sem nos
aprofundarmos no assunto, que existe, sim, uma espécie de “ordem
contrária”, ou seja, o domínio de seres inferiores, negativos, porém
inteligentes, sobre os seres em geral. No entanto, tudo está sob a
supervisão do Alto, porém, por determinação superior e pela Lei
Maior, tudo permanecerá assim, até que por Ordem do Alto, tudo
isso se encerre definitivamente, “dando à Deus o que é de Deus, e
ao homem, o que é do homem”.

UMBRAL

O Umbral, em uma comparação mais simples, é como se fosse o


purgatório, onde incontáveis espíritos permanecem por um período
de sofrimentos, de intensidade variada, segundo o karma de cada
entidade, para se purificarem interiormente, retificarem seus
pensamentos e sentimentos, repensarem sua última existência
carnal, e drenarem para fora do seu perispírito toda carga pesada
que está sobre ele. Esses sofrimentos inicialmente advêm do
interior da própria entidade, do próprio espírito pelas inúmeras
falhas durante o trancurso da vida terrena. Às vezes acontece, em
vez de resgatar dívidas de vidas e existências pretéritas, durante o
período em que estava encarnada, acumulou mais dívidas para
existências futuras; portanto, é inteligente da nossa parte nos
esforçarmos para nos aperfeiçoarmos cada vez mais, dia após dia,
polirmos os aspectos negativos do nosso ser que precisam e
podem ser corrigidos, mudarmos nossas atitudes, comportamentos,
etc. para resgatarmos débitos kármicos de pretéritas existências e
acumularmos méritos kármicos para existências futuras melhores.

Conforme explicamos acima, outros tipos de sofrimentos são


externos, ou seja, do lugar onde o espírito passa a viver
temporariamente, como a paisagem sombria, mergulhada nas
trevas ou em nuvens cinzentas e escuras a cobrir todo lugar; e todo
tipo de flora e fauna que realmente existem nestas regiões
sombrias; por exemplo, árvores secas, vegetação pegajosa, e,
inclusive, animais um tanto exóticos, que não existem na Terra, de
natureza repugnante e inferior; a atmosfera mental e emocional
carregada, além dos gritos de multidões de seres que parecem não
encontrarem um fim para suas dores. O Umbral está ligado à Terra,
pois tudo que a Humanidade emite através de ondas mentais, ou
seja, através de pensamentos pesados, carregados de ódio, raiva,
etc., envolve inicialmente o nosso próprio planeta, depois é
projetado para fora dele, até os limites dessas cidades espirituais
inferiores, atingindo principalmente as regiões espirituais mais
próximas.

Por tudo que falamos acima, pelo homem terreno influenciar,


irradiar cargas pesadas, em forma de pensamentos e sentimentos
negativos aos planos inferiores, é que se ligam aos seres humanos,
espíritos negativos, por uma afinidade energética recíproca, pois os
semelhantes se atraem. Outro motivo é que pelo homem “sujar”
energeticamente os planos inferiores, com energias deletérias, é
que é permitida a influência desses seres espirituais “umbralinos”,
podendo atuar e “sujar” nossa Terra e a vida dos humanos que se
ligam à eles, por suas próprias atitudes, comportamentos,
pensamentos e sentimentos. Portanto, é melhor nos ligarmos
somente aos seres espirituais de luz, pois eles somente poderão
nos ajudar. Essa é uma escolha de cada pessoa. Quem vive com a
Luz, vê seus caminhos claros, luminosos, e sua vida anda para
frente. Quem se agarra à escuridão, não enxerga nada, só faz cair
em buracos e se afunda neles.

ZONAS ABISSAIS

É importante esclarecer que, mesmo diante do quadro acima


apresentado, existem regiões ainda inferiores, descendo mais, mais
e mais, onde o domínio sobre o ser imortal é cada vez maior. O ser
se afasta cada vez mais da sua real natureza iluminada, como filho
de Deus que é, e aos poucos vai perdendo partes superiores do seu
próprio ser. Repetimos, quem se liga, por vontade própria à luz, por
ela é envolvido e ajudado. Quem se liga à escuridão, por ela será
dominado, todas as partes do ser, desde a parte espiritual, mental,
emocional, até mesmo o controle de sua vida física, que foge às
suas mãos. Enfim, continuando as nossas explanações, é preciso
esclarecer que existem postos de socorro perto destas regiões
sombrias, com toda segurança espiritual e magnética necessária.
Alguns espíritos sublimes que descem a essas regiões astrais
inferiores, socorrem àqueles que já clamam por socorro,
misericórdia, enfim, por aqueles que buscam o perdão e o Amor de
Deus. Essas entidades que sofrem nessas regiões, estão lá, por
determinação superior, para diminuir o Karma da última existência
ou de centenas de vidas pelas costas.

Existe também um lugar pior e inferior ao Umbral que são as Trevas


ou fossas abissais (brevemente citado no livro do Chico Xavier
“Nosso Lar”), situada abaixo da crosta terrestre, geralmente nas
profundezas dos oceanos, que aqui não vamos entrar em detalhes,
mas salientamos que muitos assassinos violentos, marginais e
criminosos de todas a natureza, ficam nessas regiões, por
centanas, milhares, de longos e penosos anos, até voltarem seu
espírito ao Autor da Vida, com profundade e respeito, e
principalmente humildade e sinceridade de coração. Em muitos
lugares do plano espiritual inferior, existem verdadeiras e grandes
prisões espirituais, com grades astrais mesmo, onde ficam os
espíritos trevosos e perversos. Cabe esclarecer que essas grades
são para os espíritos que lá estão confinados tão materiais quanto
seriam as grades para os criminosos da Terra, ou seja, são
intransponíveis.

O Autor dessa matéria, há muito tempo atrás, visitou estas prisões


astrais. Inicialmente sobrevoamos uma área verde, depois fomos ao
solo. Embaixo do solo, espiritualmente, tinha a construção de uma
grande prisão. Fomos transportados pra lá. A construção era
enorme. Não vamos entrar em detalhes, apenas dizer que
conversamos com um dos responsáveis pelo lugar. Escrevo isso
apenas para refletir que possivelmente existem certos lugares que
são realmente mais “carregados” porque realmente há alguma coisa
errada, vinda de algum lugar, mesmo quando não identificado.

Muitas pessoas, hoje em dia, estão interessadas pelos estudos da


saída do corpo e também pelo desenvolvimento das suas
capacidades extra-sensoriais ou faculdades parapsíquicas. Existe
um grande números de pessoas, que tende a crescer muito, de
praticantes da Tenepes. Essas pessoas, aliadas com as Falanges
da Luz, trabalhando junto dos Serenões e sob a supervisão do Alto,
executam um belo, admirável e grande trabalho. Através da prática
da Tenepes, ajuda-se a realizar, aos poucos, as “reurbanizações
extrafísicas”. O que é isso? Resumindo, são limpezas espirituais de
áreas extrafísicas, que afetam a área física, material,
correspondente, e influi na vida das pessoas de certas regiões.
Enquanto sobre uma cidade, tiver um “astral sujo”, o tipo de vida
que vai haver nestas regiões é pior. Quando se “limpa o astral”, isso
contribui para um tipo de vida muito melhor e de progresso na área
física correspondente. Outro aspecto importante da Tenepes, é a
contribuição para que seres espirituais atrasados, que não
reencarnam há séculos, que fogem das reencarnações e
prejudicam os homens, a partir do plano astral, sejam obrigados a
reencarnar e se reajustarem perante a Justiça Divina. Tudo isso
significa que a Terra está passando, e por algum tempo ainda vai
passar, por acontecimentos negativos, mas que isso é necessário,
até certo ponto, para “limpar toda sujeira” e reorganizar a “casa”,
tudo para melhor.

Ainda em relação a estas prisões, resumindo, dizemos que vimos


muitas coisas horríveis, inenarráveis, que, por um cuidado para com
nossos irmãos terrestres, não vamos transmitir. Muito mais tarde,
surgiram alguns livros de que falam um pouco da realidade dessas
regiões. Essas prisões, assim como as inúmeras casas existentes
no Astral, são dessa mesma natureza; explicando melhor, um
espírito no plano espiritual não poderia passar pelas paredes de
suas casas astrais, embora o consiga com as paredes da Terra,
pois são diferentes, na sua contextura, da matéria astral; Essas
regiões subcrostais conhecidas como zonas abissais, também
conhecido como o Abismo, onde existem espíritos que perderam a
forma humana, devido a vivência constante no mal. O perispírito
desses espíritos se desconfigura, fica disforme, como uma massa
escura cizenta. Existem ainda muitos espíritos perversos que
sofrem o fenômeno de licantropia, ou seja, a sua forma perispiritual
vai regredindo, até ficar parecida com um animal, por exemplo.

VALE DOS SUICIDAS

Outro lugar espiritual atrasado é conhecido pelos espíritas, como


“Vale dos Suicidas”, onde os suicidas geralmente vão depois de
cometar um auto-assassinato. Esse nome, em alguns casos, é
também batizado pelos próprios Guias Espirituais, embora,
antigamente, o nome dado ao mesmo lugar era totalmente diferente
e mudou de tempos em tempos. É um lugar de grandes
sofrimentos, pois o suicida percebe que a vida continua, lembra dos
seus familiares que tanto o estimavam e amavam, e que jogou tudo
fora, não tem mais como voltar atrás e pesa-lhe imensamente a
consciência com terríveis remorsos; existem alguns casos, ainda,
de pessoas que, quando encarnadas, conheciam sobre o mundo
espiritual, os diversos estudos sobre o espírito, as comunicações
mediúnicas da existência de uma vida melhor e superior e mesmo
assim se matam, e se matam justamente por isso, porque esperam
encontrar uma vida melhor; Será que vão ter? Vamos analisar:
quando eles desencarnam nesta situação, geralmente vão para
lugares onde existem entidades afins, que fizeram coisas
semelhantes com seu próprio ser. É necessário mostrarmos a
todos, algumas conseqüências desse ato. O espírito da entidade
que cometeu o suicídio vai ficar um tempo no astral inferior para
resgates kármicos e reajustes, ao mesmo tempo para drenar para
fora do seu perispírito a carga espiritual tóxica e nociva que
carregava no seu envoltório espiritual, purgando-o aos poucos, para
ir eliminando o mal. Posteriormente, vai ter uma reencarnação para
resgate kármico, geralmente dolorosa, segundo seu karma, para a
devida expiação.

Devemos lembrar sempre que tudo no Universo é regulado e


mantido em equilíbrio por Leis Divinas, sábias leis, que mantém em
harmonia tudo que existe na criação. A infração dessas leis causa
um desequilíbrio que naturalmente irá requerer uma situação que
compense esse desequilíbrio causado. No caso do suicídio, esse
gesto além de ter prejudicado, por completo, a vida recém-finda,
pode prejudicar também várias vidas futuras na matéria, ou seja,
não repercute apenas na vida posterior ao suicídio, pode repercurtir
também em outras tantas, “dependendo do impacto causado na
onda com a força da pedra”, até que a harmonia volte a reinar no
interior do ser em consonância com as Leis de Deus até que o
homem volte a caminhar respeitando essas Leis, sendo beneficiado
por elas, e não as infringindo, causando mal para si próprio. A vida
no homem na Terra é causada por uma série de fatores espirituais
quase incompreensíveis, porém vale sempre lembrar que o
beneficiado é sempre ele próprio.

Apesar de muitas doutrinas e filosofias espiritualistas pregarem o


desapego a vida, às coisas materiais, nós dizemos o contrário
disso. É necessário e indispensável, ter um grande apego e apreço
enorme pela vida. A vida tem muito valor. Ela é valiosa. É uma
grande oportunidade que deve ser aproveitada a cada segundo
para construirmos nossa felicidade e a de nossos irmãos. Tem
gente que espera morrer, sem realizar nada, sem ao menos tentar.
A sorte, a felicidade, o bem-estar, estão a disposição de todos que
se esforçam em lutar. Para o preguiçoso e o comodista tudo parece
dar errado. As pessoas, em geral, querem tudo com facilidade. As
facilidades, as ilusões, o desvio e não cumprimento do Dharma
(dever), da Boa Lei, a falta de ombridade de caráter, moral e bons
costumes, afastam todos do caminho. O caminho é maravilhoso
para quem contribui, se ajudando, e, assim, sendo ajudado pela
correnteza da vida que corre a seu favor. Quem não se ajuda, nada
contra a correnteza e a vida fica complicada. A inteligência do que é
bom e saudável para nós dirige a ação e a vontade determinada de
mudar, porque é necessário e preciso. Esforçando-nos para mudar,
a vida toma outros rumos, maiores e melhores, nunca antes
sonhados.

É necessário dizer que cada um é um e não há dois iguais. Mas a


Justiça Divina é sempre feita, em todo Universo. Prefirimos não
usarmos o termo justiça, pois já ficou consagrado, em uma de suas
partes, que é algo que pune, castiga, etc. Prefirimos usar o termo
AMOR DIVINO, pois o Amor do Nosso Pai Deus Criador, não
castiga, mas reconhece as falhas humanas, que precisam ser
corrigidas, para cada um construir sua própria felicidade. Então,
para o BEM deles, para a felicidade tão próxima de cada espírito, é
necessário transformar o chumbo humano em ouro puro espiritual,
através da alquimia divina efetuada pelo próprio ser. Isso é feito em
muitas reencarnações, em muitos renascimentos, através de
esforços constantes de progresso. Portanto, concluímos dizendo: o
AMOR DE DEUS corrige para a felicidade imediata e futura dos
seus filhos; nunca, jamais, castiga ou pune. Deus é o Supremo
Amor que sustenta a Vida e o AMOR é o ELO COMUM DE
LIGAÇÃO entre todos os seres viventes. O Amor é a Palavra da
Vida e o Idioma Universal entre tudo que está vivo.

TEMPO HUMANO-TERRESTRE

Existe uma lenda em que o tempo no plano espiritual é muito


diferente do nosso. Um ano lá equivaleria à várias décadas na
Terra, aproximadamente, ou seja, o tempo da “quarta dimensão”
seria muito mais rápido. É preciso esclarecer que o o nosso sol é o
mesmo que ilumina de dia as inúmeras colônias espirituais
existentes em torno da Terra. Então, da mesma forma que a Terra
gira em torno do sol (junto com seu duplo astral, ou seja, sua
contraparte extrafísica), em um ano terrestre, os espaços astrais-
espirituais do nosso planeta também seguem esse rítmo-ciclo.
Então, o tempo é exatamente o mesmo. Um dia terrestre equivale à
um dia espiritual. O mesmo acontece com as semanas, meses,
anos, etc. Porém, as colônias e planos mais afastados da Terra que
não necessariamente “orbitam” o planeta, o tempo realmente é
muito diferente do nosso tempo humano-terrestre.

O plano extrafísico se situa astralmente acima da Terra, nos


diferentes planos existenciais, que coexistem harmônicamente em
nosso mundo. O plano astral é a contraparte imaterial do mundo.
Cada cidade tem sua contraparte espiritual, ou seja, seus espaços
extrafísicos (e suas respectivas colônias espirituais) “acima”, nos
“céus”, desta ou daquela cidade. É importante dizer também que o
Sol que ilumina nossa Terra é o mesmo que ilumina as inúmeras
colônias espirituais existentes em torno da Terra, com uma única
diferença básica, pois assim como a Terra, o Sol também tem sua
parte física e sua parte astral, ou seja, sua esfera física e sua esfera
astral. Sendo assim, essa esfera astral solar ou parte astral do Sol
com suas energias solares astralinas ilumina, com muito mais
intensidade, Amor, luz, vida e energias as colônias existentes em
torno da Terra. Assim também a nossa Lua é a mesma que ilumina
de noite o céu das colônias espirituais. Portanto, podemos dizer que
nas cidades espirituais existe dia e noite, “assim na Terra, como no
Céu”. Porém, nos planos mais elevados, além da luz solar e da luz
lunar, existe uma luz própria, astral, luminosa, que, por si mesma,
ilumina tudo e faz resplandecer em todos os lugares.

PLANO MENTAL

Acima do Plano Astral, temos o Plano Mental. É uma dimensão


muito superior às outras. Aqueles que vivem no plano mental,
logicamente fazem uso do corpo mental. O plano mental é
constituído de matéria mental, que é encontrada nesse próprio
meio; assim como o corpo mental é revestido dessa mesma
matéria. A matéria do plano mental está mais próxima da energia
primordial (fluido cósmico universal, energia imanente, chi, etc), ou
seja, dessa energia livre que permeia todo o Universo. O corpo
astral é inacessível à essas regiões. Somente alguns poucos
encarnados, vivendo aqui no plano material, e os espíritos, vivendo
no plano espiritual, tendo um desdobramento com o corpo mental,
raras vezes podem ver as belezas encontradas nesse Plano
Sublime.

O Plano Mental é uma dimensão muito evoluída. Nesta dimensão


superior não existem casas, templos, hospitais, vida vegetal e
animal, tal como na Terra e no Plano Espiritual. Não existem
colônias organizadas e limitadas; existe, sim, o infinito universo
ilimitado de Deus. Não existem formas definidas ou delineadas
nesse plano. É muito difícil até mesmo para os projetores
conscientes que lá estiveram descreverem este plano maior. Não
há nada terrestre, no mundo material, e nada no plano espiritual,
nas colônias espirituais, para comparar ou tomar como referência.
Podemos dizer que o tipo de vida que se desenrola nessa e a partir
dessa dimensão é muito superior em todos os aspectos, porém é
um tipo de vida ainda incompreensível para a humanidade terrestre
no seu atual estágio evolutivo.

Até atingirmos esse alto estágio evolutivo, são necessárias muitas


vidas em um corpo físico (através das sucessivas reencarnações),
são necessários muitos períodos intermissivos (intervalo entre as
vidas no plano espiritual utilizando o corpo astral-espiritual), até
desativar-se, por completo, todos os corpos (físico, energético,
astral – 1ª, 2ª, 3ª mortes), para viver-se apenas com o corpo mental.
A sabedoria das idades nos fala que o homem, seus corpos, e
todos os planos, enfim, que este universo conhecido é setenário.
Baseados nisso, acreditamos que vai haver um momento que o
corpo mental será descartado. Porém, podemos dizer que a partir
do corpo mental e neste respectivo plano, se encerram
definitivamente os ciclos contínuos das reencarnações sucessivas,
e a consciência vive apenas com esse corpo no Plano Mental,
podendo ir, logicamente, para o plano astral, visitar as colônias
espirituais; poderá ir também ao plano físico e para qualquer lugar
do Universo.

CORPO MENTAL AMÓRFICO

Quando se atinge essa alta condição evolutiva, somos


Consciências Livres. Livres das reencarnações sucessivas e de
todo e qualquer sofrimento. A Realidade do Nirvana, da bem-
aventurança sem limite, é Eterna. O mundo, que virará um grande
vazio no espaço, é impermanente, assim como também o é o
sofrimento, doença, velhice e morte, tudo isso é impermanente e
passa. O que está além de tudo, essa Grande Realidade, existe
desde sempre, e não passa, sendo, assim, Real. A bem-
aventurança sem limite é possível a todas as criaturas, sem
excessão, através dos esforços contínuos da consciência em
evoluir, rumo à uma vida maior e melhor.
A Consciência Livre dirige o processo evolutivo de outros espíritos
menos evoluídos que buscam a perfeição. As Consciências Livres
também supervisionam e orientam, sempre para o bem de todos, a
evolução dos seres espirituais, nas inúmeras colônias espirituais, e
de todos os seres físicos da Terra. No Universo, tudo se faz
Hierarquicamente, sempre do Alto para baixo, e nos diversos planos
existenciais da multidimensionalidade. Nas diversas dimensões
existentes, existem inúmeros seres, espirituais ou físicos, que
recebem as ordens vindas da Espiritualidade Superior, e as
cumprem, para o bem comum da sua coletividade.

Nessa condição evoluída de Consciência Livre, em um corpo


mental amórfico (um foco de luz, um “clarão”, uma “chama”, que se
irradia para todos os lados, em diversos níveis de frequência), a
comunicação é superior à comunicação telepática utilizada pelos
espíritos em geral. É uma comunicação não-verbal, não se utiliza de
palavras, mesmo mentalmente, é uma transmissão de idéias
apenas, em blocos, em uma velocidade incrível, quase instantânea.
Pode ser chamada de cosmo-comunicação ou comunicação
cósmica.

A Consciência Livre vive constantemente em estado de cosmo-


consciência ou Consciência Cósmica. Nessa condição superior, a
consciência sente a presença viva do Universo pulsando em seu
interior e se torna Una com ele, formando uma Unidade indivisível,
sentindo toda Grandeza Magnífica da Vida, nos seus múltiplos e
variados aspectos. É a percepção da unidade entre todas as coisas.
É sentir o Todo vibrando em seu interior e viver nessa beatitude
sublime toda Eternidade.

Ficam espalhados pelas regiões sombrias. E esses postos são locais de


ajuda, parecido com hospitais, sendo que normalmente é vinculado a uma
colônia de nível superior.
E a partir do momento em que o espírito despertar para a necessidade de
melhorar, crescer e evoluir, ele é levado para uma colônia onde será
tratado, passando seu tempo estudando e realizando tarefas úteis para o
próximo.

Rodrigo Romo, mentor da metodologia denominada “Cura Quântica


Estelar” e Carina Greco, progenitora da “Apometria Quântica”, além
de Alexandre e Beth Cosmos, criadores da “Apometria Cósmica” ,
são importantes canais de uma apometria mais simplificada e
dinâmica, e que não se propõe a ser melhor, apenas mais acessível.
Carina e Greco e Rodrigo Romo revolucionaram o processo
apométrico quando preconizaram a intervenção de importantes
egrégoras no procedimento apométrico: A Fraternidade de Santa
Ametista; Fraternidade de Santa Esmeralda; Arcanjos
(especialmente Miguel e Rafael); Além dos Orixás e Seres de Luz.
Um procedimento inicial de ancoragem das egrégoras e
hierarquias facilitadoras e o uso de símbolos de poder com vistas à
criação de campos de força, além da ancoragem da forma-
pensamento que chamamos de vórtice platino de drenagem,
viabilizam a realização da sessão de apometria de uma forma mais
simples e mais rápida que a preconizada pela Apometria Clássica,
além de dispensar a presença de dois médiuns de incorporação.
O Professor Jair Cordeiro Neto canalizou, adicionalmente,
importantes informações relacionadas à participação da massa
ascencionalintraterrena, representada por Lady Gaia, que
transmitiu novos procedimentos a serem adotados nas sintonizações
e na prática da apometria. Surgiram símbolos, que são de fácil
visualização e que trazem traçados assemelhados àqueles já
disseminados na humanidade há milênios. Esses símbolos são
apresentados apenas como ancoradores, de sorte que cada indivíduo
irá com a prática da apometria integrada, identificar os símbolos de
maior sintonia pessoal, além de canalizar seus próprios símbolos.
A Auto-Obsessão e seu Tratamento
A auto-obsessão tem se revelado ao longo de nossas investigações como
verdadeira fera devastadora de sonhos e projetos de vida por agir
sorrateiramente nas profundezas desconhecidas dos escaninhos do
psiquismo humano. Com o desenvolvimento da técnica do
Desdobramento Múltiplo que nos dá a condição de atingir os quatro
primeiros níveis de consciência ou quatro primeiros corpos (duplo-etérico,
corpo astral, mental inferior e mental superior), poderemos identificar
melhor onde estão sediadas as raízes das desarmonias que são
somatizadas a nível físico ou comportamental. Os dirigentes e médiuns ao
buscarem conhecer em profundidade os atributos de cada corpo, terão
bastante facilidade em identificar as causas dos problemas e diagnosticá-
las. Com isso, ficando mais fácil programar um tratamento mais
adequado. Pois agora já se sabe que se um dos corpos estiver em
desarmonia com a nova proposta encarnatória, poderá transformar-se em
verdadeiro obsessor dos demais, prejudicando seriamente a contraparte
encarnada, provocando doenças, desajustes, comportamentos do tipo
dupla ou múltiplas personalidades, atitudes confusas e agressivas, fugas,
etc. Quando dois ou mais corpos se associam, ou estão aferrados em um
mesmo apego, viciação ou automatismos, fica muito difícil a abordagem,
pois o paciente resiste aos tratamentos e orientações até mesmo os mais
especializados. Principalmente nos casos de alcoolismo, acontece de dois
corpos estarem associados pois na maioria das vezes a criatura já vem
viciada de várias encarnações e todos os seus níveis inferiores estão
impregnados por automatismos geradores da necessidade do álcool. Deve
haver também, uma profunda conscientização da criatura para que a
mesma convença-se da necessidade urgente de curar-se, lute e se esforce
honesta e corajosamente, arregimentando forças para livrar-se do vício
que a destrói impiedosamente, pois quando as forças inferiores dos níveis
de consciência em desajuste predominam, a personalidade encarnada
pode ser levada ao suicídio como tentativa de evadir-se de seu calvário de
sofrimentos e até mesmo por resistência rebelde às propostas e correções
que se fazem necessárias à vida encarnada.
Sintomas que revelam Desarmonias nos Níveis de Consciência
Quando pessoas que apreciam ou gostam de estudar ou buscar
conhecimentos novos bem como exercitar-se em novas e mais positivas
vivências, apresentam sintomas de fadiga constante, dor de cabeça,
inquietude ou mal estar não bem identificado e diagnosticado, pode
significar que um dos níveis ou corpos está em desalinho. Sabemos já que
os fluxos coordenadores que descem do buddhi para os corpos inferiores
podem ser barrados por algum dos corpos e não conseguirem chegar ao
corpo físico e da mesma forma os fluxos de informações apreendida pelo
consciente físico nas suas experiências, dentro da sua proposta
encarnatória e enviados para as estruturas superiores podem ser barrados
por um dos corpos em sua viagem ascendente. Com isso teríamos em
tese, uma sobrecarga por acumulação ou congestionamento, de produtos
que não puderam ser transportados por haver impedimentos ou barreiras
no caminho. Esse acúmulo gera então as desarmonias e fadigas,
produzindo um refluxo energético, nesses casos então teríamos como o
sintoma mais comum, a dor de cabeça e a sensação de fadiga durante
uma leitura ou a não absorção das informações lidas ou dificuldades em se
reter e memorizar o que se leu. Pessoas normalmente pacíficas que diante
de um problema reagem violentamente ou fora dos padrões normais
poderão ser enquadradas na sintomática acima exposta. É preciso
portanto, decifrar o paciente, entender o porque do que ele faz e diz e
principalmente decifrar o que ele não diz. É preciso aprender a usar a APS
(Alta Percepção Sensorial) somada ao Amor Fraterno e a vontade de
auxiliar. A cura esta diretamente relacionada com a identificação, correção
ou eliminação do elemento propulsor, descobrir a raiz do mal, identificá-lo
e conduzir acertadamente o paciente para o tratamento adequado.
77
O que ocorre é que muitas vezes a nível consciente, a criatura quer,
mesmo com vontade débil, reajustar-se no presente, mas nos níveis
inconsciente não quer, não aceita e não deseja e tudo faz para que isso
não aconteça. É como se o espírito não se reencarnasse por inteiro. A
parte encarnada fica isolada do resto do conjunto, fragilizada, impotente.
Nesses casos, só a conscientização, tratamento e doutrinação do corpo ou
nível desajustado, possibilitará a sincronização do agregado espírito-
matéria. No nível consciente, a criatura infeliz busca desesperadamente
encontrar uma solução para o seu drama, na maioria das vezes quer que
lhe curem. Busca a solução que vem de fora, o que raramente consegue.
Quer a cura sem modificar-se. Quer sarar para continuar com os mesmos
vícios, com as mesmas atitudes negativas. Não sabe ou não quer tomar
conhecimento de que a dor ou o sofrimento é sinal de que o sofredor é
um incurso nas Leis da Justiça Superior por contumaz desrespeito a essas
mesmas leis. Somente quando já cansado de sofrer e plenamente
consciente de que tem de fazer algo por si mesmo, se reajustar com as
Leis da Vida é que se resolve por abrir essas portas, embora
relutantemente. Busca conhecer o que já foi, com a finalidade de ajustar-
se. É a consciência de que a “Semeadura é livre mas a colheita é
obrigatória.”. Pode-se trabalhar, levando cada nível a enfrentar o passado
e de certa forma, passando-o a limpo, todas as mazelas, erros, apegos,
automatismos, podem ser despolarizados, dando condições melhores a
que o paciente possa reajustar-se, enfrentar as vicissitudes, provas e
propostas programadas para a nova personalidade. Os estudos sobre
Desdobramentos Múltiplos continua, percebemos que cada um deles
pode ser dissociado em sete sub-níveis e cada sub-nível em sete partes
novamente. Muitas vezes, dentre estes sete, encontramos mais algumas
personalidades diferentes destas e poderão aparecer outras sete, e assim
infinitamente. O espírito se divide para que um dia possa se harmonizar,
voltando a ser uno novamente na centelha divina. Enquanto não faz este
retorno, se divide infinitamente para que possa ser recuperado e
harmonizado. É isto o que acontece na Dissociação dos Níveis. Até que
todas estas personagens sejam tratadas, a criatura continuará
apresentando desequilíbrios emocionais e até mesmo físicos. Enquanto
ela não produzir em si a reforma íntima e as alterações necessárias e
adequadas, sempre haverá personalidades rebeladas. Lembremos sempre
que a ponta encarnada (personalidade real ou visível) deve ser sempre a
condutora firme e forte das demais. Caso não o faça, sempre haverá
alguém problemático em meio a todo este agregadoArcanjo Miguel:
invoque a Espada de Luz Azul e aprenda a usá-la para proteção!
Fraternidade Branca
Acesse o conteúdo completo em:
http://animamundhy.com.br/blog/arcanjo-mi

Quando vos ajustardes a essas leis evolutivas e só souberdes operar em


vosso benefício espiritual, sem entrardes em conflito com a coletividade,
ser-vos-á facultado o exercício do livre arbítrio de modo ilimitado. .guel-
espada-de-luz-protecao-fraternidade-branca