You are on page 1of 2

Por que Paulo foi tão rigoroso com os Gálatas?

9 de agosto de 2017 by Leandro Quadros


Há um irmão que constantemente posta no blog comentários extensos, com
capítulos bíblicos INTEIROS dirigidos aos adventistas. Um dos livros que ele mais cita
é o de Gálatas para tentar mostrar que a lei foi “abolida” e que somos “legalistas”.

Na resposta a seguir espero que esse irmão entenda de verdade a teologia de Paulo
sobre a graça e a Lei. E que pare de pensar numa graça barata, que não transforma
o pecador.

Também deseo que ele aceite definitivamente que Paulo não foi contra a
observância da Lei, pois ele mesmo guardava toda ela (Atos 25:8; Romanos 3:31;
7:22, etc). Ao escrever aos Gálatas o apóstolo estava é condenando um sistema de
religião que coloca a lei no lugar de Jesus. Como ele bem disse: “Sabemos, porém,
que a lei é boa, se alguém dela se utiliza de modo legítimo” 1 Timóteo 1:8.

Em breve postarei os comentários desse irmão. Ainda não o fiz porque pretendo
postar as devidas respostas juntamente. Enquanto isso, peço que, com carinho, ele
analise o contexto histórico da carta aos Gálatas para não relacionar os adventistas
com eles.

Lembrei de uma coisa: A carta de Tiago parece não ter sido lida por esse
internauta…

Vamos à análise da questão proposta no título:

Paulo foi firme com os Gálatas porque eles estavam negando a salvação pela fé em
Jesus. Quando lemos o capítulo 3:1-4 da carta, percebemos que os irmãos daquela
igreja estavam fazendo da Lei (os cinco livros de Moisés, com todas as instruções ao
povo de Deus) o meio de salvação no lugar de Cristo.:

“Ó gálatas sem juízo! Quem foi que enfeitiçou vocês? Na minha pregação a vocês eu
fiz uma descrição perfeita da morte de Jesus Cristo na cruz; por assim dizer, vocês
viram Jesus na cruz. Respondam somente isto: vocês receberam o Espírito de Deus
por terem feito o que a lei manda ou por terem ouvido a mensagem do evangelho e
terem crido nela? Como é que vocês podem ter tão pouco juízo? Vocês começaram
a sua vida cristã pelo poder do Espírito de Deus e agora querem ir até o fim pelas
suas próprias forças? Será que as coisas pelas quais vocês passaram não serviram
para nada? Não é possível!” (Nova Tradução Na Linguagem de Hoje – Grifos
acrescentados).

1
Para afastar de vez essa ideia perigosa da igreja, Paulo mostra-lhes que o perdão
(justificação) é apenas pela fé, graças ao sacrifício substitutivo realizado por Cristo
na cruz.

A lei, na teologia bíblica (e de Paulo) não pode ser o meio de salvação de pecadores
(Efésios 2:8, 9). Ela é sim o resultado de um coração transformado pela graça (ver
Efésios 2:10). Afinal, quando nos tornamos novas criaturas (2 Coríntios 5:17) a Lei de
Deus é escrita em nosso coração (Hebreus 8:10) para que vivamos em santo
procedimento (2 Pedro 3:11) aguardando a volta gloriosa de Jesus a esse mundo (2
Pedro 3:10-13).

Por isso, a função da Lei não é salvar, mas, nos levar ao Salvador (por nos mostrar
nossa condição pecaminosa – ler Romanos 3:20) e ser o resultado da transformação
que o Espírito Santo produz no crente (Efésios 2:10) durante o processo de
santificação (2 Tessalonicenses 2:13; 1 Pedro 1:2) – que é diária.

Também não deixa de ser uma evidência externa de nosso amor por Cristo: “Se me
amais, guardareis os meus mandamentos.” João 14:15.

http://leandroquadros.com.br/por-que-paulo-foi-tao-rigoroso-com-os-galatas/