You are on page 1of 153

LÍNGUA PORTUGUESA

VISÃO DE ÁREA

Sendo o homem um ser essencialmente comunicativo dentro do mundo que o cerca, ele
tem buscado, desde os primórdios da civilização, todos os recursos apreciáveis para
comunicar-se, e rumo a um novo milênio, dentro de uma sociedade tecnológica, vários
são os recursos que dispõe para o estabelecimento da comunicação.

Atualmente ouve-se falar em crise dentro das diversas modalidades: crises de conceitos,
de princípios, de ideologias, de valores, etc. nos vários segmentos da arte, da filosofia,
da política, da economia, da história, da religião e da cultura; as crianças e os jovens
encontram-se diante de uma situação que possui dois lados. Os primeiros a vivenciarem
uma ausência de padrões gerais de conduta e pensamento, ao mesmo tempo, são
testemunhas da expansão extraordinária dos meios tecnológicos de comunicação e
informação, que possibilitam um contato, uma ligação nunca antes imaginada, bem
mais rápida e eficiente com o mundo todo.

Mediante o exposto, faz-se necessário uma política educacional que assegure uma
aprendizagem eficiente, que norteie e prepare as crianças e os jovens para esse novo
desafio.

O ensino da Língua Portuguesa remete-nos a uma reflexão sobre a linguagem, pois esta
sempre nos acompanha e através dela é possível articular as relações que estabelecemos
com o mundo e a própria visão que construímos sobre ele. É a linguagem que, sendo
uma forma de representação, liberta o homem do que só é concreto e imediatista,
permitindo-lhe desenvolver a capacidade de abstração. Quanto maior domínio o homem
tem da linguagem, maiores e mais amplas suas oportunidades de aprender a realidade e
operar sobre ela.

É o saber dominar a linguagem escrita que permite ao homem uma estrutura de
pensamento cada vez mais elaborada. Portanto, é fundamental que o homem tenha
oportunidades concretas que o levem a utilizar-se desse instrumento de interação sócio-
cultural para que tenha acesso a todo um conjunto de experiências e conhecimentos

2

acumulados pela humanidade. Para isso, é preciso que haja um esforço coletivo, que
determine o quê e como fazer.

Para tanto, no ensino da Língua Portuguesa, deve-se procurar criar situações em que o
ouvir, o falar, o ler e o escrever seja uma constante atividade em sala de aula, abolindo
os exercícios mecânicos e sem objetivos concretos.

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, pode-se considerar que o ensino
e a aprendizagem da Língua Portuguesa na escola são resultantes da articulação de três
variáveis: o aluno, a língua e o ensino.

3

LINGUA PORTUGUESA
6° ANO
TRIMESTRES EIXOS NOÇÕES E CONCEITOS
TEMÁTICOS
- Interesse, iniciativa e autonomia para ler
Primeiro Normas, Valores e textos diversos adequados à condição atual do
Atitudes aluno.
- Utilização dos saberes lingüísticos nas
práticas sociais.
- Interesse pela leitura e escrita como fontes de
informação, aprendizagem, lazer e arte.

- Compreensão dos gêneros da oralidade,
Linguagem Oral previstos para a série.
. - Articulação de elementos lingüísticos a
outros de natureza não-verbal.
- Textos literários: texto dramático, poesia,
canção
- Identificação de marcas discursivas para o
reconhecimento de intenções, valores,
preconceitos veiculados no discurso.

Prática de Leitura - Percepção da intencionalidade do locutor,
das características do receptor, das exigências
da situação e dos objetivos estabelecidos.
- Seleção de procedimentos de leitura em
função dos diferentes objetivos e interesses do
aluno.
- Leitura integral: fazer a leitura seqüenciada
e extensiva de um texto.
- Formulação de hipóteses a respeito do

4

conteúdo do texto, antes ou durante a leitura.
- Inferência do sentido de palavras a partir do
contexto (vocabulário).
- Seleção, adequada ao gênero, de recursos
discursivos, semânticos e gramaticais,
prosódicos e gestuais.
- Formulação de hipóteses a respeito do
conteúdo do texto, antes ou durante a leitura.
- Linguagem figurada (conotação e denotação)

- Redação de textos considerando suas
Linguagem Escrita condições de produção: finalidade,
especificidade do gênero, lugares preferenciais
de circulação, interlocutor eleito.
- Utilização de procedimentos diferenciados
para a elaboração do texto: estabelecimento do
tema, levantamento de idéias e dados,
rascunho, revisão, versão final.
- Utilização de marcas de segmentação em
função do projeto textual: paragrafação,
pontuação (ponto, vírgula, ponto-e-vírgula,
dois pontos, ponto de exclamação, ponto de
interrogação, reticências), outros sinais
gráficos (aspas, travessão, parênteses).
- Gêneros: conto, poema, texto dramático,
fábula, histórias em quadrinhos, diário,
verbetes.
- Utilização de mecanismos discursivos e
lingüísticos de coerência e coesão textuais,
conforme o gênero e os propósitos do texto.

5

Reestruturação de - Reescrita de textos, considerando suas
Texto condições de produção, observando a sintaxe e
a semântica.
- Utilização dos padrões da escrita em função
da ortografia, coesão, coerência, paragrafação
e pontuação.

Gramática textual - Aspectos morfossintáticos:
- Semântica: sinonímia, antonímia;
- Uso do dicionário;
- Linguagem: elementos da Comunicação;
- Tipos de frase / Pontuação;
- Tipos de discurso: direto, indireto.

Segundo Normas, Valores e - Valorização das diferentes opiniões e
Atitudes informações veiculadas nos textos – orais e
escritos – como possibilidade diferenciada de
compreensão do mundo.
- Ampliação progressiva do conjunto de
conhecimentos discursivos, semânticos e
gramaticais, envolvidos na construção dos
sentidos do texto.
- Integração e sintetização de informações,
expressando-se em linguagem própria,
oralmente ou por escrito.

Linguagem Oral - Utilização de Gêneros para a prática de

6

escuta e leitura de textos.
- Linguagem oral de imprensa – entrevista.
- Variação Linguística.
- Texto literário: cordel, causos e similares.

Prática de Leitura - Construção de sínteses parciais de partes de
texto para poder prosseguir na leitura.
- Extração de informações não-explícitas,
apoiando-se em deduções.
- Integração e síntese de informações,
expressando-se em deduções e em linguagem
própria, oralmente ou por escrito.
- Formulação de hipóteses a respeito do
conteúdo do texto, antes ou durante a leitura.

- Gêneros de linguagem escrita de imprensa:
Linguagem Escrita notícia, editorial, artigo, reportagem, carta de
leitor, entrevista, charge e tira.
- Utilização de procedimentos diferenciados
para a elaboração do texto: estabelecimento do
tema, levantamento de idéias e dados,
rascunho, revisão, versão final.
- Emprego de recursos escritos (gráficos,
esquemas, tabelas) como apoio para a
manutenção da continuidade da exposição.

Reestruturação de - Reescrita de textos, considerando suas
Texto condições de produção, observando a sintaxe e
a semântica.
- Utilização dos padrões da escrita em função

7

.Substantivo. num texto dado. . . Valores e .Emprego de estratégias de registro e documentação escrita na compreensão de textos orais. determinadas inadequações em relação a um padrão estabelecido.Ajuste da fala em função da reação dos 8 . Terceiro Normas. procurando combater o preconceito lingüístico. coesão. coesão. . .Estudo Fonético: acentuação tônica e gráfica. Gramática Textual . . . palestra.Linguagem oral de divulgação científica: exposição. seminário.Conhecimento e valorização das diferentes Atitudes variedades da Língua Portuguesa. coerência. paragrafação e pontuação.Artigo. . .Utilização dos padrões da escrita em função da ortografia. da ortografia. coerência. quando necessário.Gêneros para a prática de escuta e leitura de textos de linguagem oral de divulgação cientifica. paragrafação e pontuação.Leitura de revisão: identificando e corrigindo.Adjetivo/locução adjetiva.

. refutá-lo ou negociá-lo. realização de tarefa) e das características do gênero e suporte: . .Validação ou reformulação das hipóteses levantadas a partir de novas informações obtidas durante o processo de leitura. considerando suas condições de produção: . enciclopédias. .Construção de sínteses parciais de partes do texto para poder prosseguir na leitura.Utilização de mecanismos discursivos e lingüísticos de coerência e coesão textuais. .Redação de textos. .Consulta em outras fontes em busca de informações complementares (dicionários. entretenimento.Seleção de procedimentos de leitura em função dos diferentes objetivos e interesses do Linguagem Oral aluno (estudo. formação pessoal. como levar em conta o ponto de vista do outro para acatá-lo. interlocutores. conforme o gênero e os propósitos do Prática de Leitura texto.Leitura inspecional: utilizar expedientes de escolha de textos para leitura posterior. . outro autor).Avanço ou retrocesso durante a leitura em busca de informações esclarecedoras.Leitura integral: fazer a leitura seqüenciada e extensiva de um texto. 9 . .Leitura de textos escritos: .

. . .Seleção apropriada do léxico em função do eixo temático.Comparação dos fenômenos lingüísticos observados na fala e na escrita. paragrafação Texto e pontuação. considerando suas condições de produção: finalidade. nas diferentes variedades. .Publicidade / propaganda.Reescrita de textos: identificando e corrigindo determinadas inadequações em 10 .Utilização de mecanismos discursivos e lingüísticos de coerência e/ou coesão contextuais. considerando suas condições de produção: de manutenção do paralelismo sintático e/ou semântico.Reescrita do texto. coerência.Redação de textos. conforme o gênero e os propósitos do texto. lugares preferenciais Linguagem Escrita de circulação. .Utilização dos padrões da escrita em função Reestruturação de da ortografia. .Gêneros de linguagem escrita. especificidade do gênero. . . interlocutor eleito. . .Gêneros de divulgação científica: relatório de experiências. coesão.Manutenção da continuidade do tema e ordenação de suas partes. . esquema e resumo de artigos ou verbetes de enciclopédia.

INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM: Aprimoramento nas capacidades de ouvir. relação a um padrão estabelecido. falar. revisando seus próprios textos a partir de uma primeira versão e.  Uso de inferências para dar sentido a expressões que não pertencem a seu repertório lingüístico ou que estejam empregadas de forma não-usual em linguagem.  Leitura autônoma e interpretação de diferentes tipos de textos dos gêneros previstos para a série desenvolvendo sensibilidade para conhecer a intencionalidade implícita. aumentando assim a confiança em si como leitor. utilizando os diversos recursos lingüísticos gramaticais.Numeral. em contextos públicos e privados. com ajuda do professor. bem como observando a acentuação. atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação. 11 .  Leitura autônoma. interpretar e usufruir das produções culturais.  Seleção de textos segundo seu interesse e necessidade.Aspectos morfossintáticos: Gramática Textual . expressar e comunicar suas idéias. encorajando-se para aceitar desafios mais complexos. sabendo identificar aqueles que correspondem às suas necessidades. como meio para produzir.Pronome.  Utilização da norma culta.Verbo (modo indicativo). . ler e escrever:  Utilização de diferentes linguagens – verbal e não-verbal. . bem como valorizando o repertório lingüístico de sua comunidade na produção de textos. de preferência silenciosamente. .  Produção de textos. vivenciando situações de leitura. redigindo as versões necessárias até considerá-las bem escritas para o momento. cuidando da ortografia de forma a tornar o texto em condições de ser entendido por todos.

formalidades e propósitos de interação.Valorização das diferentes opiniões e informações veiculadas nos textos – orais e escritos – como possibilidades diferenciadas de compreensão do mundo. ajustando-os às circunstâncias. figurativas e ilustrativas. . considerando as diferentes condições de produção do discurso. . LINGUA PORTUGUESA 7° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Normas. canção. sintáticas.Compreensão dos gêneros da linguagem oral Linguagem Oral previstos para as séries. .Identificação de marcas discursivas para o reconhecimento de intenções. das exigências da situação e dos objetivos estabelecidos.Gêneros para a prática de escuta e leitura de textos: . articulando elementos lingüísticos a outros de natureza não-verbal. . Valores e . a necessidade de ler e o prazer de ler. valores. .  Adequações lexicais.  Compreensão da leitura em suas diferentes dimensões – o dever de ler. 12 .literários – texto dramático.Utilização e produção de textos orais e escritos Atitudes de modo a atender a múltiplas demandas sociais respondendo a diferentes propósitos comunicativos e expressivos. das características do receptor.Planejamento prévio da fala em função da intencionalidade do locutor.

. rascunho. paragrafação. . revisão. interlocutor eleito. charge.Redação de textos. especificidade do gênero. Prática de Leitura realização de tarefa) e das características do gênero e suporte.Leitura de textos escritos: . . considerando suas condições de produção: finalidade. planejamento.Leitura integral: fazer a leitura seqüenciada e extensiva de um texto. .Leitura inspecional: utilizar expedientes de escolha de textos para leitura posterior.Emprego de estratégias não-lineares durante o processamento da leitura. preconceitos veiculados no discurso. poema. memória.Seleção de procedimentos de leitura em função dos diferentes objetivos e interesses do aluno (estudo. .Utilização de procedimentos diferenciados para a elaboração de texto: estabelecimento do tema. especificidade do gênero. pontuação.Gêneros: crônica. formação pessoal. levantamento de idéias e dados. 13 .Uso de marcas de segmentação. . outros sinais gráficos. . cartoon. Redação de textos. . . conto. considerando suas condições de produção: finalidade. entretenimento.

14 . desinencial .Sujeito: simples. na sintaxe (estruturação das sentenças e concordância).Verbo: modo indicativo (revisão) e modo Gramática Textual subjuntivo. num texto dado. no léxico (diferentes empregos de palavras). Aspectos morfossintáticos . semânticos e gramaticais envolvidos na linguagem oral na construção dos sentidos do texto. determinadas inadequações em relação a um padrão estabelecido. no que diz respeito aos diferentes componentes do sistema lingüístico em que a variação se manifesta na fonética (diferentes pronúncias). Reescrita de textos. . . composto.Leitura de revisão: identificando e corrigindo. . na morfologia (variantes e reduções nos sistemas flexional e derivacional).Ampliação progressiva do conjunto de Atitudes conhecimentos discursivos. de manutençã Linguagem Escrita paralelismo sintático e/ou semântico. privilegiando os seguintes domínios: Prática de Reestruturação .Observação da língua em uso de maneira a dar de Textos conta da variação intrínseca ao processo lingüístico.Comparação dos fenômenos lingüísticos observados na fala e na escrita nas diferentes variedades.Núcleo do Sujeito / Adjunto Adnominal Segundo Normas. considerando suas condições de produção. . Valores e .

Inferir o sentido de palavras a partir do Prática de Leitura contexto. .Avanço ou retrocesso durante a leitura em busca de informações esclarecedoras. antes ou durante a leitura. . . Linguagem Oral prosódicos e gestuais. do autor.Linguagem de imprensa. como ferramenta para a continuidade da aprendizagem fora da escola. de recursos discursivos. .Gêneros para a prática de escuta e leitura de textos. entrevista. do suporte. . . Emprego de estratégias de registro e documentação escrita na compreensão de textos orais.Utilização de mecanismos discursivos e 15 .Formulação de hipóteses a respeito do conteúdo do texto. . . tabelas) como apoio para a manutenção da continuidade da exposição. . adequada ao gênero.Explicitação de expectativas quanto à forma e ao conteúdo do texto em função das características do gênero. esquemas.Reconhecimento da necessidade de dominar os saberes envolvidos nas práticas sociais.Seleção. semânticos e gramaticais. .Emprego de recursos escritos (gráficos. . quando necessário. etc. mediadas pela linguagem.

de manutenção do paralelismo sintático e/ou semântico. coerência. paragrafação e estética.Utilização das regularidades observadas em paradigmas morfológicos. . . considerando suas condições de produção.Núcleo do Predicado Nominal. coesão. .Realização de operações sintáticas que permitam possíveis relações estabelecidas entre formas e sentido. considerando suas condições de produção: finalidade. Gramática Textual . especificidade do gênero.Prática de análise lingüística: . .Predicativo do Sujeito. de modo a ampliar os recursos expressivos.Predicado Nominal: . utilização da escrita em função da ortografia. Redação de textos.Entrevista. pontuação. de seleção apropriada Linguagem Escrita do léxico em função do eixo temático. lingüísticos de coerência e coesão textuais. . Reescrita de textos. . desenvolvendo diferentes critérios: de manutenção da continuidade do tema e ordenação de suas partes. 16 . como parte das estratégias de solução de problemas de ortografia e de acentuação gráfica.Expansão dos sintagmas para expressar sinteticamente elementos dispersos no texto que predicam um mesmo núcleo ou o modificam. Reestruturação de Texto .

.Identificação das formas particulares dos gêneros literários do oral que se distinguem do falar cotidiano. Valores e . lazer e arte. . convencionais – quanto à apresentação estética. gramaticais. aprendizagem.Preposição Terceiro Normas. . . .Preocupação com a qualidade das produções escritas próprias.Consulta a outras fontes em busca de informações complementares. . .Gêneros para a prática de escuta e leitura de textos: publicidade/propaganda. Linguagem Oral debate.Integração e sintetização de informações Atitudes expressando-se em linguagem própria oralmente ou por escrito. .Emprego de estratégias não-lineares durante o processamento de leitura. .Ajuste da fala em função da reação dos 17 . palestra.De divulgação científica: exposição. . seminário. tanto no que se refere aos aspectos formais – discursivos. textuais.Interesse pela leitura e escrita como fontes de informação.Avanço ou retrocesso durante a leitura em busca de informações esclarecedoras. Prática de Leitura .Gêneros para a prática de escrita e leitura de textos.

. interlocutor eleito. paragrafação e estética. históricos (linguagem do passado e do presente). considerando suas condições de produção: finalidade. lugares preferenciais de circulação. no que diz respeito: . como levar em conta o ponto de vista do outro para acatar. classe social).Observação da língua em uso de maneira a dar conta da variação intrínseca ao processo lingüístico. interlocutores. rascunho. técnicos (diferentes domínios da ciência e da tecnologia). . versão final.Utilização de procedimentos diferenciados para a elaboração do texto: estabelecimento do tema.Formulação de hipóteses a respeito do conteúdo do texto. sociológicos (gênero. levantamento de idéias e dados.Construção de sínteses parciais de partes do texto para poder prosseguir na leitura. Prática de análise lingüística: . refutar ou negociar. . pontuação. coerência. especificidade do gênero. urbanas e rurais). .Aos fatores geográficos (variedades regionais. Análise de Propaganda.Validação ou reformulação de hipóteses levantadas a partir das novas informações obtidas. Linguagem Escrita coesão. gerações. planejando. Redação de textos. antes ou durante a leitura. ortografia. 18 . revisão. .

19 . planejamento. responsável e construtivo nas diferentes situações sociais.Transitividade verbal.Predicado Verbal: .Complementos verbais.Utilização de procedimentos diferenciados para a elaboração do texto: tema. . . operadores lógicos e argumentativos dos tempos verbais). travessão.Reconhecimento das marcas lingüísticas específicas (marcadores temporais. .Versão final. utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas. parênteses) . paragrafação. pontuação e outros sinais gráficos. falar.Adjunto Adverbial.Utilização das regularidades observadas em paradigmas morfológicos. levantamento de Reestruturação de Texto idéias e dados. Gramática Textual .Prática de análise lingüística: . . INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM: Aprimoramento nas capacidades de: ouvir. ler e escrever:  Posicionamento crítico. revisão (com interferência do professor) – relatório. periodização. . (aspas.Uso de marcas de segmentação em função do texto: título. rascunho. . como parte das estratégias de solução de problemas ortográficos e de acentuação gráfica.

 Verificação das regularidades das diferentes variedades da Língua Portuguesa.  Seleção de textos. idéias e opiniões. 20 .  Utilização e valorização do repertório lingüístico de sua comunidade contrapondo-se com a norma padrão.  Utilização de propriedades e desenvoltura dos padrões da escrita em função das exigências do gênero e das condições de produção. contrapondo-se quando necessário. segundo seu interesse e necessidade. sendo capaz de expressar seus sentimentos. interpretando e considerando a fala dos outros. relevantes para as práticas de escuta. o preconceito contra as formas populares em oposição às formas dos grupos socialmente favorecidos.  Ampliação da capacidade de reconhecer as intenções do enunciador. relatar experiências.  Capacidade de verificar as regularidades das diferentes variedades da Língua Portuguesa. sendo capaz de aderir a ou recusar as posições ideológicas sustentadas em seu discurso. reconhecendo os valores sociais nelas implicados e. a necessidade de ler e o prazer de ler. leitura e produção de textos. o preconceito contra as formas populares em oposição às formas dos grupos socialmente favorecidos. Constituição de um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamento da linguagem e sobre o sistema lingüístico. acolhendo.  Compreensão da leitura em suas diferentes dimensões – o dever de ler. reconhecendo os valores sociais nelas implicados e.  Uso da linguagem para melhorar a qualidade de suas relações. consequentemente. consequentemente.

.Escuta de textos orais: . posições ideológicas subjacentes e possíveis conteúdos discriminatórios neles veiculados. 21 .Posicionamento crítico diante de textos. . opiniões e valores implícitos.De imprensa: comentário radiofônico. inclusive as que dependem de pressuposições e inferências (semânticas. . para dar conta de ambigüidade.Leitura de textos escritos: . . ironias e expressões figuradas.literários: cordel. .Articulação entre conhecimentos prévios e informações textuais. conto.Valorização das variedades lingüísticas que da Prática de caracterizam a comunidade dos falantes da Língua Linguagem Portuguesa nas diferentes regiões do país.Compreensão dos gêneros previstos para a série.Demonstração de respeito às diferentes opiniões e informações veiculadas nos textos – orais e escritos – como possibilidades diferenciadas de compreensão do mundo. articulando elementos lingüísticos a outros de Linguagem Oral natureza não-verbal.Gêneros de escuta e leitura: . LINGUA PORTUGUESA 8° ANO TRIMESTRE EIXOS NOÇÕES E CONCEITOS TEMÁTICOS Primeiro Valores e Atitudes . de modo a reconhecer a pertinência dos argumentos utilizados. bem como das intenções do autor. causos e similares. . pragmáticas) autorizadas pelo texto.

Produção de textos escritos: . relatório e outros que se fizeram necessários ou da preferência da classe.De divulgação científica. notícias.De divulgação científica: exposição.Reescrita de textos: . .De imprensa: notícias.Produção de textos. .Gêneros para produção oral e escrita: . .Planejamento prévio da fala em função da intencionalidade do locutor.Produção de textos orais: . das exigências da situação e dos objetivos estabelecidos. lugar de exposição e interlocutor destinado .Análise e prática lingüística: . .Observação da variação lingüística.Revisão para reescrever seus próprios textos Reestruturação de e/ou de outro. fazendo as modificações Textos necessárias até considerá-los suficientemente bem escritos para o momento.Levantamento das restrições que diferentes suportes e espaços de circulação impõem à estruturação de textos. considerando suas Prática de Escrita condições de produção: finalidade. . no que 22 . . especificidade de gênero. editorial.Literários: crônica. . verbete enciclopédico (nota/artigo) e outros que o professor e a turma acharem necessários para o momento. das características do receptor. .

Revisão de Predicação Verbal: . 23 . . . diz respeito a fatores geográficos (variedades: regionais.Sujeito Indeterminado e Oração sem Sujeito . Gramática Textual .Sujeito: simples. posicionando-se a respeito dos textos lidos. . composto.Preposição. trocando impressões e informações com outros leitores.As diferenças entre os padrões da linguagem oral e os padrões da linguagem escrita. lazer e arte.Atitude receptiva diante de leituras desafiadoras da Prática de e disponibilidade para ampliação do seu repertório Linguagem a partir de experiências com material diversificado e recomendações de terceiros. aprendizagem.Interesse pela leitura e escrita como fontes de informação. urbanas e rurais). . classe social). Segundo Valores e Atitudes . sociológicos (gênero. técnicos (diferentes domínios da ciência e da tecnologia). fornecendo indicações de leitura e considerando os novos dados recebidos. gerações.Transitividade Verbal. históricos (linguagem do passado e do presente).Complementos verbais. desinencial / Núcleo do Sujeito / Adjunto Adnominal / Predicado Nominal / Predicativo do Sujeito. . considerando a forma de expressão da cultura de um povo.Revisão dos aspectos morfossintáticos: .

Gêneros para a produção oral e escrita: .Revisão (com intervenção do professor). .Observação da articulação de enunciados. . valores.Produção de textos escritos: .Leitura e estabelecimento de relações entre os diversos Segmentos de vários textos a partir de informações adicionais oferecidas pelo Linguagem Oral professor ou histórias de leituras anteriores. romance. argumentativa e conversacional) e suas especificidades no interior do gênero. . preconceitos veiculado no discurso. expositiva.Literários: drama – novela. descritiva.Utilização de procedimentos diferenciados para a elaboração do texto: . .Produção de textos orais: . estabelecendo a progressão temática em função das características das seqüências predominantes (narrativa. semânticos e gramaticais.Planejamento e rascunho. .Leitura de textos escritos: . .Seleção (adequada ao gênero) de recursos discursivos.versão final. 24 . prosódicos e gestuais.Identificação de marcas discursivas para o reconhecimento de intenções.Tema. . . Prática da Escrita .Sugestão de temas a partir da proposta trabalhada.Escuta de textos orais: .Levantamento de idéias e dados. . .

bancas de revistas. . na sintaxe (estruturação das sentenças e concordância). .Vocativo Terceiro Valores e Atitudes .Seleção de registros em função da situação interlocutiva (formal/ informal).Aposto .Interesse por freqüentar os espaços da Prática de mediadores de leitura – bibliotecas. livrarias. no léxico (diferentes empregos de palavras). . tornando o texto mais coeso.de divulgação científica: seminário. 25 . relatórios de experiências e outros que se fizerem necessários para o momento.Núcleo do Predicado verbo-nominal. . artigo. . Reestruturação de .Correção de textos escritos para rever e dominar os recursos lingüísticos. editoras. estético e compreensível a qualquer leitor. Linguagem distribuidoras.Análise e prática lingüística: Texto .Predicativo do sujeito e objeto.Observação dos diferentes componentes do sistema lingüístico em que a variação se manifesta: na fonética (diferentes pronúncias).Predicação verbo-nominal: .de imprensa: entrevista.Complemento Nominal Gramática Textual . na morfologia (variantes e reduções no sistema flexional e derivacional). . .

. como ferramenta para a continuidade da aprendizagem fora da escola.Sabendo orientar-se dentro da especificidade desses espaços e sendo capaz de localizar um texto desejado. boxes) no processo de compreensão e interpretação de texto.Gêneros de escuta e leitura selecionados pela classe: literários. 26 . títulos e subtítulos para texto em prosa.De imprensa: reportagem. textos poéticos.De divulgação científica: debate. enunciados de questões).Estabelecimento das relações necessárias entre textos e recursos de natureza suplementar que os acompanham (gráficos. Linguagem Oral . . didático (texto. exposições. tabelas. carta ao leitor.Escuta de textos orais: . desenhos.Leitura de textos escritos: . .Reconhecimento da necessidade de dominar os saberes envolvidos nas práticas sociais. . tais como: mudança de capítulo ou de parágrafo. depoimentos de autores . . lançamentos. mediadas pela linguagem. colocação em estrofes e versos para textos poéticos. palestras.Emprego de estratégias de registro e documentação escrita na compreensão de textos orais. . fotos.Estabelecimento da progressão temática em função das marcas de segmentação textual. debates.

Correção de textos escritos para rever e Texto dominar os recursos lingüísticos.De manutenção do paralelismo sintático e/ou semântico.De seleção apropriada do léxico em função do eixo temático. artigos. conforme o gênero e os propósitos do texto.Reescrita de textos: Reestruturação de . tira. estético e compreensível a qualquer leitor.Utilização de mecanismos discursivos e Prática da Escrita lingüísticos de coerência e coesão textuais. entrevista.De divulgação científica: didático (texto. canções. . . ou de acordo com a opção do professor e classe. verbetes de enciclopédias. charge. fazendo modificações necessárias até considerá-lo suficientemente bem escrito para o momento. e/ou outras práticas que se fizerem necessárias. . textos dramáticos e outros.De imprensa: reportagem. . revisão para reescrever seus próprios textos e/ou de outro. enunciados de questões).Literários: textos poéticos. . .Gêneros para a produção de textos orais e escritos: .De manutenção da continuidade do tema e ordenação de suas partes.Produção de textos escritos: . 27 . carta ao leitor. . desenvolvendo diferentes critérios: . depoimento. tornando o texto mais coeso.

Posição do sujeito. falar. 28 .Vozes Verbais . INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM: Aprimoramento das capacidades de: ouvir. expressando-as em linguagem própria. acentuação.Verbos Regulares / Irregulares / Auxiliares.  Seleção de textos segundo seu interesse e necessidades. aderindo às posições ideológicas sustentadas em seu discurso ou recusando-os.  Receptividade a textos que rompam com seu universo de expectativas.: Recursos gramaticais e lingüísticos a serem trabalhados a partir de textos em estudo no decorrer dos bimestres: ortografia. ler e escrever:  Aumento da capacidade de reconhecer as intenções do enunciador. . privilegiando os domínios: . apoiando-se em marcas formais do próprio texto ou em orientações oferecidas pelo professor.Tempos simples e compostos. por meio de leituras desafiadoras para sua condição atual.  Delimitação de problemas levantados durante a leitura e localização às fontes de informação pertinentes para resolução.  Seleção de procedimentos de leitura adequados a diferentes objetivos e interesse. . pontuação.Pronomes tônicos na posição de objeto.Crase Obs.  Integração e síntese de informações. oralmente ou por escrito. . concordância e recursos lingüísticos.Análise e prática lingüística: .Comparação de fenômenos lingüísticos observados na fala e na escrita nas diferentes variedades. Gramática Textual . .

 Redação de diferentes tipos de textos.). dados da própria obra (índice.  Capacidade de aderir ou recusar as posições ideológicas que reconhece nos textos que lê. imagens. Uso de inferências pragmáticas para dar sentido à expressão que não pertencem a seu repertório lingüístico ou que estejam empregadas de forma não-usual em sua linguagem.  Aquisição do hábito de analisar e revisar o próprio texto em função dos objetivos estabelecidos.  Extração de informações não explicitadas. redigindo tantas quantas forem as versões necessárias para considerar o texto produzido bem escrito.  Monitoramento de seu desempenho oral.  Treino de escolhas de elementos lexicais. prefácio. levando em conta a intenção comunicativa e a reação dos interlocutores. a necessidade de ler e o prazer de ler. posicionando-se diante da crítica. apoiando em seus conhecimentos prévios sobre gênero. figurativos e ilustrativos. reformulando o planejamento prévio. quando necessário. suporte e universo temático. tanto a partir do próprio texto como de sua prática enquanto leitor. ajustando-as às circunstâncias. da intenção comunicativa e do leitor a que se destina.  Compreensão da leitura em suas diferentes dimensões – o dever de ler.  Desenvolvimento da capacidade de construir um conjunto de expectativas (pressuposições antecipadoras dos sentidos. etc. estruturando-os de maneira a garantir a continuidade temática. postura corporal). bem como sobre saliências textuais – recursos gráficos. sintáticos. formalidades e propósitos de interação. apoiando-se em deduções. expressões faciais.  Ampliação progressiva do conjunto de conhecimentos discursivos. da forma e da função do texto).  Troca de impressões com outros leitores a respeito dos textos e/ou obras lidas.  Reconhecimento da contribuição complementar dos elementos não-verbais (gestos. semânticos e gramaticais na construção.  Utilização (com propriedade e desenvoltura) dos padrões da escrita em função das exigências do gênero e das condições de produção. 29 .

. .Como possibilidades diferenciadas de compreensão do mundo.Leitura de textos escritos. posições ideológicas subjacentes e possíveis conteúdos discriminatórios neles veiculados.Demonstração de respeito às diferentes opiniões e informações veiculadas nos textos – orais e escritos. articulando elementos Linguagem Oral lingüísticos a outros de natureza não- verbal: .  Formação de um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamento da linguagem e sobre o sistema lingüístico. LINGUA PORTUGUESA 9° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Valores e Atitudes da . . de modo a reconhecer a pertinência dos argumentos utilizados. Valorização das variedades Prática de Linguagem lingüísticas que caracterizam a comunidade dos falantes da Língua Portuguesa nas diferentes regiões do país. .Posicionamento crítico diante de textos. leitura e produção de texto. relevantes para as práticas de escuta.Compreensão dos gêneros previstos para a série. 30 .

inclusive as que dependem de pressuposições e inferências (semânticas.Planejamento prévio da fala em função da intencionalidade do locutor. Capacidade de reconhecer a 31 . opiniões e valores implícitos.De divulgação científica: exposição. para dar conta de ambigüidade. ironias e expressões figuradas. Literários: cordel. .Produção de textos escritos: . bem como das intenções do autor. Leitura e articulação entre conhecimentos prévios e informações textuais.Debate. causos e similares. . pragmáticas) autorizadas pelo texto. . . das características do receptor. Capacidade de avaliação da orientação e da força dos argumentos. das exigências da situação e dos objetivos estabelecidos. . verbete enciclopédico (nota/artigo) e outros que o professor e a turma acharem necessários para o momento.Produção de textos orais: . editorial.De imprensa: notícias. conto. . .Gêneros de escuta e leitura: . Prática de Escrita .

fazendo as devidas modificações até considerá-los suficientemente bem escritos para o momento . . os interlocutores. lugar de exposição e interlocutor destinado. considerando as intenções do enunciador.De imprensa: notícias. anáforas. considerando suas condições de produção: finalidade. conectivos) na expressão da relação entre constituintes do texto. cada texto e gêneros de texto se inserem.Reconhecimento das características dos diferentes gêneros de texto.Revisão para reescrever seus próprios textos e/ou de outro. retomadas. . . .Textos jornalísticos e científicos. . Reconhecimento do universo discursivo dentro do qual. construção composicional e estilo.Gêneros para produção oral e escrita: .Produção de textos. quanto ao conteúdo temático.Análise e prática lingüística: Reestruturação de Textos . propriedade dos recursos lingüísticos (repetição. . especificidade de gênero.Literários: crônicas. os 32 .De divulgação científica: relatório e outros que se fizerem necessários ou da preferência da classe. .

Alternativa. expositivos.Processo de Coordenação: . . argumentativos e conversacionais que se privilegiam e a intertextualidade (explícita ou não). Conclusiva e Explicativa. Segundo Valores e Atitudes da . . 33 .Interesse.Orações Substantivas (reduzidas).Conjunções Coordenativas. iniciativa e autonomia Prática de Linguagem para ler textos diversos adequados às suas condições atuais. descritivos.Leitura de textos escritos. . . Adversativa.Compreensão dos gêneros previstos para a série. articulando elementos Linguagem Oral lingüísticos a outros de natureza não- verbal: .Conjunções Subordinativas. . . .Atitude receptiva diante de leituras desafiadoras e disponibilidade para ampliação do seu repertório a partir de experiências com material diversificado e recomendações de terceiros.Processo de Subordinação: Gramática Textual . procedimentos narrativos.Classificação das orações oordenadas: Aditiva.Estrutura e Formação de Palavras.

.Produção de textos orais: . . Leitura e articulação entre conhecimentos prévios e informações textuais. conto. verbete enciclopédico (nota/artigo) e outros que o professor e a turma acharem necessários para o momento. . para dar conta de ambigüidade. opiniões e valores implícitos.Produção de textos escritos: . . . . das exigências da situação Prática da Escrita e dos objetivos estabelecidos.Planejamento prévio da fala em função da intencionalidade do locutor. ironias e expressões figuradas. editorial. Literários: cordel.De divulgação científica: exposição. causos e similares. bem como das intenções do autor.Utilização de procedimentos diferenciados para a elaboração do texto: 34 . inclusive as que dependem de pressuposições e inferências (semânticas.Debate.Gêneros de escuta e leitura: . das características do receptor.De imprensa: notícias. pragmáticas) autorizadas pelo texto. .

De imprensa: entrevista. .Emprego de tempos verbais das formas simples e compostas no futuro e no mais-que-perfeito.Planejamento e rascunho. .Revisão (com intervenção do professor).Gêneros para a produção oral e escrita. . . artigo.Reconhecimento de predominância de verbos de significação mais abrangente (ser. romance. pôr. ter. .Literários: drama – novela. estar.Correção de textos escritos para Reestruturação de Texto rever e dominar os recursos lingüísticos. predominância do modo indicativo etc. .Estabelecimento de tema. . emprego do imperfeito pelo “condicional”. . ficar.Reescrita de textos: . dar).Análise e prática lingüística: . . 35 . .Levantamento de idéias e dados. tornando o texto mais coeso.Versão final . relatórios de experiências e outros que se fizerem necessários para o momento.De divulgação científica: seminário. estético e compreensível a qualquer leitor. .

.Regência Nominal.Interesses por freqüentar os espaços Prática de Linguagem mediadores de leitura – bibliotecas.Processo de Subordinação: .Reconhecimento da necessidade de dominar os saberes envolvidos nas práticas sociais. exposições. distribuidoras. .Verbos Irregulares.Orações Adjetivas e Orações Gramática Textual Adverbiais (reduzidas). . sabendo orientar-se dentro da especificidade desses espaços e sendo capaz de localizar um texto desejado. livrarias. .Aspectos morfossintáticos: . depoimentos de autores. . mediadas pela linguagem. como ferramenta para a continuidade da aprendizagem fora da escola. editoras. . .Regência Verbal (crase). debates. 36 .Colocação Pronominal. TERCEIRO Valores e Atitudes da .Expansão mediante coordenação e subordinação de relações entre sentenças colocadas lado a lado na seqüência discursiva. palestras. bancas de revistas. lançamentos.

Título e subtítulo. tira.De divulgação científica: esquema e resumo de artigos ou verbetes de enciclopédia. etc. ponto de exclamação. 37 .Gêneros para a produção oral e escrita: .De imprensa: entrevista. ponto de interrogação. textos dramáticos e outros. parênteses.Produção de textos: .De imprensa: depoimento. .Periodização.Uso de marcas de segmentação em função do projeto textual: . tira.Paragrafação. .). reticências). ponto-e-vírgula. charge. entrevista. dois pontos. . . textos Prática de Escrita dramáticos e outros. .Publicidade/propaganda e outros da categoria. vírgula.Literários: canções.Outros sinais gráficos (aspas. .Literários: canções. . .Emprego de estratégias de registro e Linguagem Oral documentação escrita na compreensão de textos orais . .Gêneros de escuta e leitura: . travessão. . .Emprego da pontuação (ponto. charge.

Plural dos Substantivos Gramática Textual Compostos.De divulgação científica: esquema e resumo de artigos ou verbetes de enciclopédia. . . . tornando o texto mais Reestruturação de Texto coeso. .Figuras de linguagem. revisão para reescrever seus próprios textos e/ou de outro. fazendo as modificações necessárias até considerá-lo suficientemente bem escrito e/ou de acordo com a necessidade do momento. outros da categoria.Emprego do Hífen.Concordância Verbal. estético e compreensível a qualquer leitor.Publicidade/propaganda. . .Concordância Nominal. . 38 .Correção de textos escritos para rever e dominar os recursos lingüísticos.Reescrita de textos: . .

 Saber relacionar textos segundo seu interesse e necessidades.  Seleção de procedimentos de leitura adequados a diferentes objetivos e interesse. preconceito contra as formas populares em oposição às formas dos grupos socialmente favorecidos. 39 . expressando-as em linguagem própria.  Integração e síntese de informações. postura corporal). falar. apoiando-se em deduções.  Ampliação progressiva do conjunto de conhecimentos discursivos. consequentemente. compreensão das relações estabelecidas entre as unidades e das funções discursivas associadas a elas no contexto). por meio de leituras desafiadoras para sua condição atual. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM: Aprimoramento nas capacidades de: ouvir.Obs. acentuação. pontuação. apoiando-se em marcas formais do próprio texto ou em orientações oferecidas pelo professor. concordância e recursos lingüísticos.  Capacidade de aprimorar-se nos instrumentos de natureza procedimental e conceitual necessários para a análise e reflexão lingüística (delimitação e identificação de unidades.: Recursos gramaticais e lingüísticos a serem trabalhados a partir de textos em estudo no decorrer dos bimestres: ortografia. expressões faciais.  Uso de inferências pragmáticas para dar sentido a expressões que não pertencem a seu repertório lingüístico ou estejam empregadas de forma não-usual em sua linguagem.  Extração de informações não-explicitadas. reconhecendo os valores sociais nelas implicados e. semânticos e gramaticais na construção.  Reconhecimento da contribuição complementar dos elementos não-verbais (gestos. sendo capaz de aderir às posições ideológicas sustentadas em seu discurso ou de recusá-las. oralmente ou por escrito. ler e escrever:  Capacidade de verificar as regularidades das diferentes variedades da Língua Portuguesa.  Delimitação de problemas levantados durante a leitura e localização das fontes de informação pertinentes para resolvê-lo.  Receptividade a textos que rompam com seu universo de expectativas.  Aumento da capacidade de reconhecer as intenções do enunciador.

 Desenvolvimento da capacidade de construir um conjunto de expectativas (pressuposições antecipadoras dos sentidos. da intenção comunicativa e do leitor a que se destina.  Aquisição do hábito de analisar e revisar o próprio texto em função dos objetivos estabelecidos. suporte e universo temático. sintáticos. quando necessário. posicionando-se diante da crítica.  Troca de impressões com outros leitores a respeito dos textos e/ou obras lidas. relevantes para as práticas de escuta. apoiando em seus conhecimentos prévios sobre gênero. imagens. reformulando o planejamento prévio. figurativos e ilustrativos.  Redação de diferentes tipos de textos.  Utilização (com propriedade e desenvoltura) dos padrões da escrita em função das exigências do gênero e das condições de produção. estruturando-os de maneira a garantir a continuidade temática.  Treino de escolhas de elementos lexicais. leitura e produção de texto. redigindo tantas quantas forem as versões necessárias para considerar o texto produzido bem escrito. dados da própria obra (índice.  Monitoramento de seu desempenho oral.  Compreensão da leitura em suas diferentes dimensões – o dever de ler.  Formação para constituir um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamento da linguagem e sobre o sistema lingüístico. ajustando-os às circunstâncias. prefácio.  Capacidade de aderir ou recusar as posições ideológicas que reconhece nos textos que lê.). etc. formalidades e propósitos de interação. da forma e da função do texto). 40 . bem como sobre saliências textuais – recursos gráficos. tanto a partir do próprio texto como de sua prática enquanto leitor. levando em conta a intenção comunicativa e a reação dos interlocutores. a necessidade de ler e o prazer de ler.

TEBEROSKY. GRANATIC Branca. Ministério da Educação e do desporto. e TEBEROSKY. Aprendendo Português. e CARDOSO. Brasília. São Paulo: Trajetória/Unicamp. A Psicogênese da língua escrita. 1996. 41 . A. 1989. 1988. Didática de Português: Tijolo por tijolo: leitura e produção escrita. Secretaria de Educação Fundamental. BIBLIOGRAFIA BRASIL. MEC/SEF. (org) Reflexões sobre o ensino da leitura e da escrita. COLL César e TEBEROSKY Ana. Técnicas básicas de redação. 1991. 1999. Ática. São Paulo. NASPOLINI. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. 1997. São Paulo. Ana Tereza. A. São Paulo. FTD. Scipione. São Paulo. E. Cortez. FERREIRO. B.

o conhecimento deve ser sistêmico e concentrado nos focos de compreensão oral e escrita. a crescente necessidade da aprendizagem dessa língua. aproximando o aluno da realidade dos países em que o Inglês e o Espanhol são falados. LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA VISÃO DE ÁREA A globalização da economia e das comunicações vem exigindo cada vez mais uma melhor instrumentalização do homem. Este é um tempo que exige um grau de maior compreensão entre as pessoas. mantendo sempre uma relação com os objetivos. caracterizado pelo avanço tecnológico e pelo grande intercâmbio entre os povos. seguramente. Atividades comerciais. culturais e folclore demonstram. Por outro lado. uma melhoria da capacidade de se comunicar. A principal preocupação da linha de trabalho da Equipe de Currículo na elaboração deste documento é a de fazer o aluno entender a importância da Língua Inglesa. O conteúdo deve ser adaptado de acordo com a vivência da realidade. utilizando temas da época. apesar de o conteúdo ser o mesmo. O aprendizado de uma nova língua abre uma visão diferente para o mundo. destacando a maneira de aprender. considerada hoje como instrumento de comunicação universal e busca integrar-se no mundo atual e interdependente. na construção do significado. A avaliação da aprendizagem da Língua Estrangeira deve ser centrada nos aspectos gerais. 42 . A compreensão da importância da Língua Estrangeira na globalização favorece uma maior percepção de culturas diversas. assim tornando necessária uma adequação dos currículos escolares para que os alunos possam estar aptos a fazer frente aos rápidos avanços dessa época de aproximação dos povos. levando o aluno a integrar-se no nosso mundo cultural. revela-se cada vez mais participante a influência da Língua Espanhola. para não perder a identidade social. pela proximidade a países que falam esse idioma e também por laços de amizade. É necessário considerar que. a forma de trabalhar a língua é diferente.

What are these? (those) .Demonstratives: this-that. Interpretação.Nationalitles . .Vegetables . 43 . . . Interpretação.Animals . .What’s your name? .Opposites INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Cumprimento e despedidas nos diversos momentos do dia e da noite. .Parts of our Body. . . .Numbers: 0 a 100 Terceiro Leitura. .Professions Dramatização e Música. INGLÊS 6° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura. . .Fruits Dramatização e Música.Articles: a/an . .Months.Alphabet Dramatização e Música.Personal pronouns.Possessives (my. Interpretação.My family .Adjectives Segundo Leitura.Greetings. your) .What color is. .Colors.Seasons of the year.. .Days of the week ..Verb to be . .There is / there are.Interrogative and negative of to be.? .How are you? .

interrogativo).Simple presente: regular and irregular verbs . .How old are you? . did . 44 .Demonstrativos. Interpretação.To be (contracted form).Adjectives Segundo .  Elaboração de pequenos diálogos e encenações.To be (afirmativo.  Apresentação de pessoas.  Perguntas e respostas sobre as profissões.Auxiliary: do. nomes de parentesco.Numbers: 0 a 1000 (cardinal) .  Vocalização de músicas.  Respostas dadas ao ser apresentado a alguém. . INGLÊS 7° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura.Alphabet Dramatização e Música.Imperative.How are you? . . .  Reconhecimento e uso correto das cores.. negativo.. does.  Perguntas referentes ao nome das pessoas. . números e qualidades (adjetivos).Why? Because. .

Dramatização e Música. Interpretação. Interpretação.Personal pronouns . When.Genitive case ..Interrogatives: Where. .  Respostas afirmativas ou negativas. What.  Uso correto de números e adjetivos. . procedência de pessoas ou coisas.Verbs To have.Prepositions. How.  Conhecimento dos nomes de alguns estabelecimentos e os produtos que são vendidos..  Uso de expressões de educação e delicadeza. 45 .Parts of a house. .Opposites.. can.Infinitive INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Apresentação de pessoas.Food (vocabulary) . .How many . . Leitura. .From.? Dramatização e Música.  Localização de países e respectivos adjetivos pátrios.Possessive case .Adverbs .Interrogative and negative .  Agradecimentos.  Perguntas sobre origem.  Ordenando e pedindo. .  Explicação sobre profissões e locais onde são exercidas. Terceiro Leitura.Present Continuous .  Respostas dadas ao ser apresentado a alguém. Who. to.There is/ there are .. .Possessive and adjective pronouns.  Perguntas e respostas sobre idade.how much .

 Interpretação de textos.Review of to be (present) .  Compreensão do vocabulário de comidas e bebidas. . any) .Indefinitive articles (some.Date. did.  Elaboração de pequenos diagnósticos e encenações. .Auxiliary: do. .  Convites.Plural of nouns. Dramatização e Música. Dramatização e Música.Tag questions. . . . .What time is it. Terceiro Leitura.  Perguntas sobre o que está acontecendo.Interrogative and negative . 46 .  Vocalização de músicas.Object pronouns Segundo Leitura. .Adjectives possessives . Interpretação. INGLÊS 8° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura. .Infinitivo. Interpretação.Simple Past: regular and irregular verbs.There to be – present and past . .Interrogative .  Conhecimento das estações. dos dias da semana e dos meses do ano. . Interpretação.Present and past continuous .Past tense Dramatização e Música .Degree – comparative and superlative. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Perguntas e respostas sobre o que uma pessoa está fazendo. does.To be – past. .

. would.  Pronúncia dos verbos regulares no passado.  Respostas afirmativas ou negativas. nos tempos presente ou passado. .Indefinitive pronouns: some/any .Would you like to. Interpretação.Subjectiv and objectiv pronouns Dramatização e Música.Passive voice 47 .Regular and irregular verbs – interrogative and negative form.  Uso correto dos verbos regulares e irregulares nas formas afirmativa.  Leitura de datas.Possessive adjective . Interpretação.  Perguntas sobre onde nasceu.Would you like. . negativa ou interrogativa. .  Elaboração de pequenos diálogos e histórias.Adjectives .Reflexive pronouns . . INGLÊS 9° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura.Numbers (review) . .Past participle . could. . can.Contracted form of auxiliaries .  Vocalização de músicas.  Sabendo ver as horas.Must. Dramatização e Música.  Perguntas sobre quantidades.Adverbs and prepositions Segundo Leitura.

.100).Dias de la semana.Los Artículos: definidos y indefinidos. Interpretação. .  Trocando informações sobre planos futuros.Meses del año. coisa. 48 .Immediate future Dramatização e Música. ESPANHOL 6° ANO BIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura.Vocabulário general. Interpretação. . Interpretação.Membros de la família. . Dramatização e Música.Going to.  Interpretando textos. . animais.  Expressando circunstâncias de tempo. . Dramatização e Música.Verbo ser. .  Retirando informações gerais do texto.Present INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Falando sobre hábitos e rotinas.Numerales (0 . .Present perfect tense . .  Fazendo comparações entre pessoas.  Trocando informações sobre temas atuais. .Los saludos. .Simple future . Terceiro Leitura. lugar.El alfabeto. modo.Present perfect prepositions . . Segundo Leitura.  Atribuindo qualidades e características a pessoas e objetos. .Estaciones del año.  Usando um vocabulário que lhe possibilite entender textos extracurriculares.  Cantando músicas.

Números cardinales. . . .Las frutas. ESPANHOL 7° ANO BIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura. Quarto Leitura. .  Elaboração de pequenos diálogos e encenações.Revision general. legumbres y verduras. . 49 . .  Vocalização de músicas. .Las profesiones.Textos – traduccion Segundo Leitura.Los adjetivos. números.Los numerales (1 . .Verbo ser: presente ter. nacionalidad.Las horas.El cuerpo humano. . Dramatização e Música.  Respostas dadas ao ser apresentado a alguém.Pronombres personales: pronombres demonstrativos. Dramatização e Música. . Interpretação.Los artículos determinados y indeterminados.  Perguntas e respostas sobre profissões.1000). .  Apresentação de pessoas. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Cumprimento e despedidas nos diversos momentos do dia e da noite.  Perguntas sobre o nome das pessoas. Terceiro Leitura. . . Interpretação. qualidades (adjetivos) e nomes de parentesco. Dramatização e Música.  Reconhecimento e uso correto das cores. Interpretação. .Paises: nación. Interpretação.Conversaciones culturales (textos culturais).

Preposición.Conversaciones culturales.  Agradecimentos.  Localização de países e respectivos adjetivos pátrios.Plural del substantivos.Substantivos.Muy y mucho.  Uso correto de números e adjetivos.Verbo tener y levar (continuação). .  Perguntas e respostas sobre idade.Advérbios.  Perguntas sobre origem. .  Respostas dadas ao ser apresentado a alguém. venir. . ir y hacer.  Elaboração de pequenos diálogos e encenações. . dos dias da semana e dos meses do ano. procedência de pessoas ou coisas.Los verbos: trabajar. Dramatização e Música.El vocabulário.  Vocalização de músicas.Números ordinales (1-100). . . .  Uso de expressões de educação e delicadeza.  Explicação sobre profissões e locais onde são exercidas. Dramatização e Música. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Apresentação de pessoas. .Las frutas. Quarto Leitura.Revisión generales. Interpretação.  Ordenando e pedindo. Interpretação. -Los pronombres personales y posesivos. legumbres y verduras. . 50 . . .Conocer vocabulário: masculino y feminino.  Compreensão do vocabulário referente à comida e bebida. . Terceiro Leitura. . Dramatização e Música.  Conhecimento das estações.  Respostas afirmativas ou negativas.

.El vocabulário.Colores.Las profesiónnes. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Apresentação de pessoas. . . . .Plural de las palabras y frases. espanol.Pronombres personales singular y plural. Interpretação.Algunos de los principales sufijos del Dramatização e Música.El dia y la fecha. Segundo Leitura.Uso de los verbos: hacer y tener. .Tiempos verbales.  Ordenando e pedindo. Interpretação. . . . . .  Uso correto de números e adjetivos.Interpretación textual.Conversaciones culturales.Utíles escolares. Interpretação. 51 .Revisión general.  Respostas dadas a ser apresentado a alguém. . . Interpretação. .  Perguntas e respostas sobre idade.Lugar donde se vive. . .Algunos adjetivos muy empleados Terceiro Leitura.  Uso de expressões de educação e delicadeza. Dramatização e Música.Los numerales Dramatização e Música. . Dramatização e Música. Quarto Leitura. .Produción textual. ESPANHOL 8º ANO BIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura. .Tipos de comida.Sinonimos y antonimos. .Uso de los verbos: trabajar y ir.

Quarto Leitura. ESPANHOL 9° ANO BIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Leitura.Sinonimos y antonimos. .Los alimentos. 52 .Interpretación textual.Lugar donde se viu.Número de los adjetivos: singular y plural.  Elaboração de pequenos diálogos e encenações. . .El vocabulário. Terceiro Leitura. Interpretação.Los verbos: leer. .Verbos conocer. Interpretação.Formacion de las preposiciones.  Agradecimentos. Dramatização e . . . .  Explicação sobre profissões e locais onde são exercidas. . vivir y ilevar.Plural de las palabras y frases .  Respostas afirmativas ou negativas.Substantivos heterogenericos . .Signos de pontuación.Pronombres interrogativos y indeterminados. Música. Interpretação.  Convites. Interpretação. jugar y hablar. Música.  Vocalização de músicas.Los cognatos. . . Música. .Partes de la casa y sus comodidades Dramatização e habituales.Algunos adjetivos muy empleados. Dramatização e . Segundo Leitura.Muy y mucho. . Dramatização e . Localização de países e respectivos adjetivos pátrios.El dia y la fecha.  Compreensão do vocabulário referente à comida e bebida.

 Respostas afirmativas ou negativas. .  Perguntas e respostas sobre idade.  Agradecimentos.Verbos regulares e irregulares. .Comparación de los adjetivos.  Respostas dadas a ser apresentado a alguém.  Elaboração de pequenos diálogos e encenações. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Apresentação de pessoas.Revisión general. 53 . Música.  Perguntas sobre origem. . . procedência de pessoas ou coisas.  Uso correto de números e adjetivos.Tipos de comidas. . . dos dias da semana e dos meses do ano. .Verbos en gerúndio.Conversaciones culturales.  Convites.  Conhecimento das estações.  Explicação sobre profissões e locais onde são exercidas.Uso de los verbos: cantar y estudar. .  Conhecimento dos nomes de alguns estabelecimentos e os produtos que são vendidos.  Vocalização de músicas.  Uso de expressões de educação e delicadeza.  Localização de países e respectivos adjetivos pátrios.  Ordenando e pedindo.Produción textal.  Compreensão do vocabulário referente à comida e bebida.

1998.. Español para brasileños. Parâmetros Curriculares nacionais: língua estrangeira moderna. BIBLIOGRAFIA BRASIL. LLOVET. MEC/SEF. Begoña. Secretaria de Educação Fundamental. Oscar. – São Paulo. Brasília. 2002. Ministério da Educação e do Desporto. FTD. CERROLAZA. SOUZA. Tercera reimpresión: 2editora Edelsa. Jair de Oliveira. 1997 54 .. CERROLAZA.. Matida. Planet@ E/LE: (Espanõl lengua Extranjer).

Espaço e Forma .Critérios de divisibilidade: Álgebra e funções .Sólidos geométricos (planificação).Formas geométricas planas. linhas e setores.Diferenciação entre formas geométricas tridimensionais e bidimensionais.Expressão numérica. Grandezas e Medidas .Noção de radiciação. 5. .Sistema monetário brasileiro. Números e Operações/ .Divisibilidade por 2.Operações no sistema de numeração decimal (adição. MATEMÁTICA 6° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Números e Operações/ .Máximo Divisor Comum e Mínimo 55 . . Segundo Números e Operações/ . . subtração.Reta numerada. . 9 e 10.Tabelas e gráficos: leitura e interpretação de Tratamento da tabelas e gráficos de barras. . reta e plano.Potenciação. multiplicação e divisão) . 3. .Noções de geometria: ponto. .Sistema de numeração decimal Álgebra e funções . Informação .Números Naturais: .Média aritmética. 6.Múltiplos e Divisores: Álgebra e funções .

Frações. .Noções de porcentagem. Múltiplo Comum. Terceiro Números e operações/ . .Números decimais. . .Medidas de Massa e Capacidade.Problemas envolvendo frações.Uso da calculadora para resolver problemas.Problemas convencionais envolvendo o sistema decimal. Grandezas e medidas . .Medidas de superfície (área do quadrilátero e triângulo). Espaço e Forma . Espaço e Forma .Operações envolvendo frações: soma.Sistema métrico decimal. interpretação e Informação construção (barras e linhas).Cálculo do volume. Tratamento da . Álgebra e funções . subtração. Números e Operações/ .Polígonos (triângulos e quadriláteros) e Perímetro.Medida de volume.Problemas envolvendo números decimais. multiplicação e divisão. . . 56 . Álgebra e funções .Operações com números decimais. .Tabelas e gráficos: leitura.

“é divisor de”. tais como “é múltiplo de”.  Comparação da parte com o todo.  Reconhecimento de formas geométricas. com o auxílio de calculadora através de estimativas.  Composição e decomposição de figuras planas.  Construção de gráficos e tabelas com dados obtidos a partir de pesquisa por ele desenvolvida ou através de leitura de material informativo.  Predisposição para alterar a estratégia prevista para resolver uma situação- problema.  Leitura e interpretação de gráficos e tabelas constantes em veículos de comunicação de massa.INDICADORES DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Desenvolvimento da capacidade de investigação e da perseverança na busca dos resultados.  Determinação dos resultados da divisão e da multiplicação de números decimais sem recorrer aos algoritmos. valorizando o uso de estratégias de verificação e controle de resultados.  Estabelecimento de relações entre números naturais.  Determinação. buscando entender a contribuição da Matemática para o progresso da ciência e da tecnologia. 57 .  Compreensão da relação existente entre a raiz quadrada de um número natural e a medida do lado de um quadrado de área.  Noção da organização estrutural de uma ciência e as propriedades que a caracterizam. do cálculo da raiz quadrada. quando o resultado não for satisfatório.  Identificação e utilização das propriedades das operações.  Realização de cálculo mental com números naturais.  Valorização do trabalho coletivo e participação ativa nas atividades propostas.  Demonstração de interesse pelos recursos tecnológicos.  Identificação de outros sistemas de numeração.  Representação e contagem dos casos possíveis em situações combinatórias.  Identificação do conjunto de regras e símbolos que caracterizam o sistema de numeração decimal.

utilizando a nomenclatura correta.reta numerada.  Identificação das unidades de medidas utilizadas para determinar grandezas como comprimento.Equações e Inequações do 1º grau – uso da 58 . ângulo. .Números racionais relativos: .  Manuseio adequado dos diversos instrumentos de medida.  Distinção entre figuras bidimensionais e figuras tridimensionais. tempo.Introdução a álgebra: Álgebra e funções .Ângulo: .Potenciação e radiciação. Números e Operações/ Álgebra e funções .Conceito. superfície.  Identificação da potenciação como uma sucessão de multiplicação de produtos iguais e como forma de expressão numérica de área e volume. medida e transformação. Tratamento da . capacidade.  Estabelecimento de conexões entre algumas medidas mais usuais nas resoluções de situações-problema.Leitura e interpretação.Reta numerada.Problemas envolvendo números inteiros. MATEMÁTICA 7° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Números e Operações/ . . Segundo Números e Operações/ . temperatura e velocidade.Números inteiros: Álgebra e funções . Espaço e Forma .Tabelas e gráficos: Informação .

Triângulos: . Álgebra e funções .Leitura. .Regra de três simples. Terceiro .Quadriláteros: Espaço e Forma .Porcentagem.Grandezas diretamente proporcionais. Álgebra e funções . Números e Operações/ .Noções de proporcionalidade direta e inversa. .Classificação e propriedades.Referencial Cartesiano. . 59 .Classificação Tratamento da . Tratamento da . Informação Números e Operações/ . linguagem algébrica na leitura dos dados de um problema.Representação e contagem dos casos possíveis Informação em combinatória e noções de probabilidade. interpretação e construção de gráficos de setores.Sistemas de Equações do 1º grau. Tratamento da .Média aritmética.Juros simples. Espaço e Forma . inversamente proporcionais.Gráficos: Informação .

na reta numerada.  Formulação de problemas envolvendo razão.  Leitura e interpretação de gráficos e tabelas constantes em veículos de comunicação de massa.  Cálculo de porcentagens num contexto significativo.  Reconhecimento de formas geométricas. quando o resultado não for satisfatório.  Predisposição para alterar a estratégia prevista para resolver uma situação-problema.  Cálculo da divisão e da multiplicação de números racionais com o uso da calculadora e usando algoritmo.  Demonstração de interesse pelos recursos tecnológicos. dos números inteiros e dos números racionais. buscando entender a contribuição da Matemática para o progresso da ciência e da tecnologia.  Elaboração de experimentos e simulações para estimular probabilidades.  Localização.  Noção de organização estrutural de uma ciência e as propriedades que a caracterizam.  Construção de gráficos e tabelas com dados obtidos a partir de pesquisa por ele desenvolvida ou através de leitura de material informativo.  Valorização do trabalho coletivo e participação ativa nas atividades propostas.  Compreensão da relação existente entre números decimais e frações ordinárias.  Reconhecimento e operação com números decimais. 60 .  Compreensão da média aritmética como um indicador da tendência de uma pesquisa.  Resolução de problemas envolvendo equações e inequações do primeiro grau. com e sem o auxílio da calculadora.  Obtenção de medidas através de estimativas e aproximações sucessivas. valorizando o uso de estratégias de verificação e controle de resultados.  Associação da noção de ângulo com a idéia de mudança de direção. INDICADORES DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Desenvolvimento da capacidade de investigação e perseverança na busca dos resultados.  Identificação da razão como uma comparação entre a parte e o todo.  Reconhecimento das unidades de memória da informática.  Representação e contagem dos casos possíveis em situações combinatórias.

. 61 . Espaço e Forma .  Determinação da raiz quadrada de um número pela fatoração. MATEMÁTICA 8° ANO TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Números e Operações/ . Álgebra e funções Segundo Espaço e Forma . .Introdução do conjunto IR (reais).  Manuseio adequado dos diversos instrumentos de medida.Identificação e construção da bissetriz e da mediatriz de um ângulo.  Estabelecimento de conexões entre algumas medidas mais usuais nas resoluções de situações-problema.Conjuntos numéricos IN.Introdução ao cálculo algébrico (polinômios).  Identificação da potenciação com uma sucessão de multiplicação de produtos iguais.Polígonos convexos e não-convexos.Paralelismo e perpendicularismo. . Z e Q (revisão) Álgebra e funções . Números e Operações/ .Ângulo (medidas e tipos de ângulos).  Determinação da área de uma figura plana pela composição e decomposição de suas partes.Ângulos formados por duas paralelas com uma transversal.Representação decimal finita e infinita.  Observação de regularidades que determinam as propriedades das operações. . aproximações sucessivas e com o uso da calculadora.

62 .Construção de tabelas e gráficos. Informação Números e Operações/ . INDICADORES DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Desenvolvimento da capacidade de investigação e perseverança na busca dos resultados. Álgebra e funções . Espaço e Forma . Números e Operações/ .Elementos de estatística: (média.Sistema de equações do 1º grau. gráficos e Informação porcentagens).Frações algébricas.  Predisposição para alterar a estratégia prevista para resolver uma situação-problema quando o resultado não for satisfatório. . valorizando o uso de estratégias de verificação e controle de resultados.Produtos notáveis. Álgebra e funções Tratamento da .Circunferência. Álgebra e funções .Equações e inequações do 1º grau (fracionárias e literais).Triângulos: Casos de congruência .Uso de expressões algébricas na resolução de problemas. Tratamento da .Fatoração. Terceiro Números e Operações/ .

 Identificação de expressões algébricas como generalização das propriedades matemáticas.  Resolução de problemas envolvendo grandezas (perímetro.  Reconhecimento das formas geométricas. 63 .  Noção da organização estrutural de uma ciência e as propriedades que a caracterizam. volume e densidade). buscando entender a contribuição da matemática para o progresso da ciência e da tecnologia.  Resolução de problemas envolvendo grandezas diretamente e inversamente proporcionais.  Cálculo de porcentagens num contexto significativo.  Desenvolvimento da divisão e da multiplicação e de números decimais infinitos. tabelas e esquemas para resolução de problemas. área. cuja solução não seja um número racional.  Comparação de duas retas. com o uso da calculadora e usando algoritmo.  Formulação e resolução de problemas envolvendo juros.  Valorização do trabalho coletivo e participação ativa nas atividades propostas. com relação às posições.  Construção de gráficos e tabelas com dados obtidos a partir de pesquisa por ele desenvolvida ou através de leitura de material informativo. com e sem o uso de calculadora. Demonstração de interesse pelos recursos tecnológicos.  Construção diagramas.  Identificação de problemas ligados à geometria.  Escolha do tipo de representação gráfica mais apropriada para expressar dados estatísticos. complementares e suplementares.  Tradução de problemas do cotidiano para a linguagem algébrica.  Uso de régua e compasso para as construções geométricas.  Identificação de ângulos congruentes.  Resolução de problemas envolvendo equações e inequações do primeiro grau. incluindo regra de três.  Construção de procedimentos para a determinação do valor numérico de uma expressão algébrica.

Números e Operações/ . Q e R).Problemas com equações do 2º grau. .Triângulos semelhantes.Triângulos e retângulos (aplicação da propriedade de Pitágoras).Racionalização de radicais elementares como: 1 e 1 √2 √3 . . Números e Operações/ Álgebra e funções Segundo Espaço e Forma .Relações métricas no triângulo retângulo. Álgebra e funções .Introdução à trigonometria: (seno. expressões numéricas. . Espaço e Forma .Revisão das potências e suas propriedades. .Radicais e propriedades.Teorema de Pitágoras. Z.Teorema de Tales: verificação e aplicação. Álgebra e funções . MATEMÁTICA 9° ANO TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Números e Operações/ .Revisão de conjuntos numéricos (IN.Equações e sistemas de equações do 2° grau. cosseno e Espaço e Forma tangente). 64 . .

65 .Circunferência e círculo. freqüência e freqüência relativa. .  Demonstração de interesse pelos recursos tecnológicos. valorizando o uso de estratégias de verificação de controle de resultados.Problemas envolvendo combinatória (princípio fundamental da contagem).Áreas de polígonos e círculo.  Leitura e interpretação de gráficos e tabelas constantes em veículos de comunicação de massa. número π.  Aplicação da relação de Pitágoras em problemas do cotidiano. .  Construção de gráficos e tabelas com dados obtidos a partir de pesquisa por ele desenvolvida ou através de leitura de material informativo. Espaço e Forma .Noções de funções: funções do 1° grau e gráficos de uma função do 1° grau. Tratamento da .  Valorização do trabalho coletivo e participação ativa nas atividades propostas. buscando entender a contribuição da matemática para o progresso da ciência e da tecnologia.Elementos de estatística (média.  Identificação das relações trigonométricas mais elementares. moda e Informação mediana).  Predisposição para alterar a estratégia prevista para a resolução de uma situação- problema quando o resultado não for satisfatório.  Noção da organização estrutural de uma ciência e as propriedades que a caracterizam. INDICADORES DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Desenvolvimento da capacidade de investigação e perseverança na busca dos resultados. .Gráficos de setores.Problemas de trigonometria envolvendo altura e Álgebra e funções distância. Terceiro Números e Operações/ . .

1994. José Luiz Tavares. São Paulo.  Compreensão de que as estatísticas podem conter erros pela manipulação dos dados. São Paulo.  Utilizações das propriedades dos triângulos para a resolução de problemas de ordem prática.  Realização de verificações experimentais do teorema de Pitágoras.  Comparação de dois triângulos quanto à forma e dimensões. com e sem uso da calculadora. 1998 66 . São Paulo.  Predisposição para uma análise crítica das informações veiculadas pela mídia. São Paulo.  Identificação da importância da estatística na atividade humana. Matemática atual.  Construção e leitura de gráficos das funções do primeiro e do segundo grau. 1998. Vincenzo. LAUREANO. Oscar. Ática. 1996. 2 ed. Ática. Matemática e Vida. BIBLIOGRAFIA BIGODE. GUELLI. 12 ed.  Resolução de problemas envolvendo funções do primeiro grau.  Identificação da raiz quadrada de um número racional n como um lado de um quadrado de área n. Matemática: Uma aventura do pensamento. José Ruy.  Resoluções de situações-problema envolvendo grandezas determinadas pela razão de duas outras. Resolução de problemas envolvendo e radiciação.  Identificação dos casos de semelhanças e congruências. FTD. Atual. José Ruy.  Reconhecimento das propriedades do triângulo. Olimpio Rudinin Vissoto. Matemática: pensar e descobrir.  Identificação e aplicações das funções lineares e quadráticas. BONGIOVANNI.  Resolução de problema envolvendo equações do segundo grau de diversos modos. GIOVANNI.  Predisposição para encontrar exemplos e contra-exemplos na formulação de hipótese e comprovação. GIOVANNI JR. LEITE. Antonio José Lopes.

1998. Experiências matemáticas. 1998. 1994. Dulce Satiko. MEC/SEF. Marcelo. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: matemática. Brasília. Secretaria de Educação. MEC/SEF. (v. Matemática. LELLIS. 20 de dezembro de 1996. IMENES. Ensinar e aprender. Brasília. Luiz Márcio P. CENPEC – Centro de Pesquisas para A Educação e Cultura/ Secretaria de Educação do Estado do Paraná. 67 . Miguel de Cuestiones Fundamentales sobre la Ensenãnza da la Matemática. Scipione. 1998. Lei n° 9. ONAGA. São Paulo. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Universidade Complutense. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. 1995. Senado Federal. 5 ed.1998. JAKUBOVIC. São Paulo. BRASIL. 1995. Matemática na Medida certa. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Secretaria de Educação Fundamental. São Paulo. São Paulo. Madrid.Saraiva.394. Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil – MEC. Brasília. Scipione. BRASIL. Irarema. 1998. 3). Marcelo. SÃO PAULO (Estado). MORI.GUZMAN. São Paulo. Matemática: idéias e desafios. José. Sociedade Andaluza de Professores da Matemática “Thales”. LELLIS. 1997. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: conhecimento de mundo.

bem como a identificação dos agentes históricos individuais ou coletivos. também. HISTÓRIA VISÃO DA ÁREA “Só na verdade. mesmo que. rádio. a relação do estudante com o conhecimento histórico dá-se na efetivação do currículo escolar e. entendida como ciência em construção. Estes possibilitam o entendimento da 68 . a História tende a ser estudada a partir de problemáticas contemporâneas presentes no contexto social relacionadas a acontecimentos de outros tempos e espaços. A partir destes observam as transformações ocorridas na sociedade e na natureza onde aprendem e usam valores. Trata-se do saber histórico informal. no processo de ensino e aprendizagem da História – conhecimento resultante de pesquisas históricas. Depende. cujo questionamento deve remeter a estudos de acontecimentos do passado mais distante no tempo e no espaço. às vezes. nos programas de TV. bases para a sobrevivência da espécie. Considera-se que o estudante. vestuário.” Paulo Freire A História. Este processo está alicerçado em objetivos sociais e culturais. ou reconstruído conhecimentos históricos por meio de memórias com as quais se relacionam como as lembranças dos antepassados. No currículo escolar. é que pode ensinar a pensar certo. nas suas relações de convívio familiar – ou social. costumes. Ainda deve levar as análises de ordem social que deram origem a transformações. adulto. dos festejos de épocas. jovem. vivido pela clientela discente. das relações de exploração e transformação descerradas pela espécie sobre a natureza. E uma das condições necessárias a pensar certo e não estarmos demasiado certo de nossas certezas. noticiários em geral. depende do pensar e do fazer humano na dinâmica pertinente à satisfação de suas necessidades relativas à alimentação. ou do mesmo espaço em outros tempos cronológicos ou tempo históricos. quem pensa certo. criança. principalmente as relações sociais estabelecidas pelos diferentes grupos humanos. Já. já têm construído. efetivos agentes históricos. especificamente. regras sociais. moradia e segurança. na escola. pense errado. A alavanca desse processo é o acontecimento mais próximo do cotidiano.

grupos ou classes sociais. possibilidades e. na construção da cidadania. (Parâmetros Curriculares Nacionais) É importante ressaltar que a reflexão histórica é passível de pluralidade de interpretação. de ação coletiva e/ou do cotidiano desencadeados na luta por mudanças ou permanências. à medida que se amplia a compreensão da realidade social do aluno cidadão. ao longo do percurso do ensino fundamental. ele poderá optar por atitudes críticas e transformadoras e assumir formas de participação social e política. vê a história com um olhar matizado por diferentes valores e ideologias. circulação. “Hoje prevalece a ênfase nas relações de complementaridade. espera-se que a história possa ajudar na formação intelectual e cultural discente. contradição e tensão com outros fatos de uma época e de outras épocas”. descontinuidade. em permanente mudança social. apto a respeitar as diversidades regionais e de grupos nacionais e estrangeiros. consciente de seus limites. Neste fazer. o que assegura novos questionamentos e novas abordagens. continuidade. No processo de ensino e aprendizagem. sobretudo. Assim. a ênfase deve ser em relacionar o pensar. o agir. considerando que ao longo do tempo o homem.repercussão de acontecimentos. o modo de ser e viver dos diferentes povos. 69 .

localizando acontecimentos no tempo/ espaço.América Terceiro Relação e organização . filmes de diferentes épocas.  Caracterização do modo de vida de acordo com as suas realidades singulares. mapas). INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Leitura e interpretação das fontes históricas (textos. bem como as .Fonte Histórica da cultura. do trabalho e . . objetos.Civilizações do Ocidente: social. .  Capacidade de pensar historicamente.Da Mesopotâmia/Egito da cultura.Pré-História Geral . fotos.  Autonomia dos trabalhos individuais e coletivos.Pré-História do Brasil Segundo História das relações e .Conceito de história representações sociais.Tempo e História do poder. do trabalho e do poder.  Reflexão crítica.Dos Hebreus do poder.Roma sociedades atuais. HISTÓRIA 6º ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro História das relações e . .  Pesquisas: coleta.As invasões bárbaras História das relações e representações sociais.  Produção de textos e desenhos.Civilizações Orientais: representações sociais. 70 . .Grécia contribuições às .  Respeito com a realidade social. da cultura. do trabalho e . .  Registros de observação. organização e sistematização.

identificação.  Reconhecimento da revolta de Espártaco como movimento da resistência ao escravismo. como sendo uma ação importante para garantir a sobrevivência física e cultural dos índios.  Criticando e exercendo formas não-violentas de atuação.  Comparação da noção de cidadania que havia em Esparta e Atenas com a noção de cidadania do Brasil atual.  Diferença dos tipos de propriedade (privada.  Identificação da demarcação das terras indígenas no Brasil atual.  Coleta. das regiões ocupadas por diferentes grupos indígenas do ES. organização e sistematização de documentos históricos. estatal).  Aquisição do seu próprio conceito de História.  Reflexão sobre sua importância como agente de transformação da História. sustentáculo do sistema clássico.  Indicação das diferenças e semelhanças nas relações de trabalho dos povos da Antigüidade clássica.  Localização.  Percepção da diferença entre tempo físico e tempo histórico.  Respeito à realidade social dos grupos adversos. coletiva. no mapa. pontuando as diferenças e semelhanças.  Entendimento de que entre as comunidades indígenas do Brasil não havia a propriedade privada da Terra antes da chegada dos Europeus. 71 . autores e local de produção). argumentado suas autorias e validade.  Interpretação de gravuras e produção de textos através delas. Reconhecimento da diversidade de fontes históricas e suas características básicas (momento.  Domínio da leitura e da escrita.  Reconhecimento das diferenças e semelhanças nas relações de trabalho do presente e do passado.  Descrição do escravismo greco-romano.

.  Comparação entre as formas de organização das relações de trabalho do período de colonização e as relações de trabalho da atualidade. do trabalho e global) do poder.Economia . 72 . América (contexto da cultura. . do trabalho e . . do trabalho e Capitalismo do poder.Sistema Colonial Brasileiro: .Expansão Marítima: representações sociais.América Portuguesa. filmes de diferentes épocas (fontes históricas). HISTÓRIA 7º ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro História das relações e . .Formação dos Estados Nacionais: .  Reconhecimento das diferenças entre as relações de trabalho da Idade Média e as relações de trabalho de hoje.Política .Renascimento da cultura. objetos. fotografias. discussão. .Escravismo Colonial Terceiro História das relações e .Reforma do poder.Idade Média: representações sociais. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Leitura e interpretação (oral/ escrita) de diferentes tipos de documentos. Espanhola e Inglesa .  Produção de textos.Ásia.Política e Economia dos Estados Nacionais Segundo História das relações e .Sociedade . África.Transição do feudalismo para o da cultura.Cultura Afro-brasileira representações sociais.  Registro de observação: entrevista.

A unificação da Itália e da Alemanha Terceiro História das relações e .  Autonomia nos trabalhos individuais e coletivos.Doutrinas sociais no Século XIX . .A Independência dos países da América da cultura do trabalho e . mapas.O Iluminismo do poder.A Proclamação da República .A Revolução Industrial e as lutas proletárias Segundo História das relações e .A Revolução Francesa e a Era Napoleônica representações sociais.  Pesquisa: coleta.  Produção de desenhos.  Reflexão histórica sobre os fatos. .Primeiro Reinado representações sociais. gráficos.  Leitura e comparação de mapas. .  Localização de acontecimentos no tempo. organização e sistematização. .O Imperialismo INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Leitura. HISTÓRIA 8º ANO TRIMESTRE EIXOS NOÇÕES E CONCEITOS TEMÁTICOS Primeiro História das relações e . Espírito Santo e Nova Venécia) .Período Regencial da cultura do trabalho e .  Percepção de que o conhecimento auxilia nas relações interpessoais. tabelas.  Reflexão crítica.A Revolução Inglesa da cultura do trabalho e . .Transição do Trabalho Escravo para trabalho livre (Brasil.Segundo Reinado do poder. 73 .Independência do Brasil do poder. interpretação e comparação de textos.A Expansão Territorial do Brasil representações sociais. .

 Identificação da Reforma Agrária como sendo principal reivindicação do MST (movimento dos trabalhadores rurais – Sem Terra). da fragmentação política da América Espanhola em relação à manutenção da integridade territorial portuguesa. homens e mulheres. para a difusão dos princípios liberais que norteiam o atual conceito de cidadania.  Relação entre a desagregação da produção artesanal têxtil com o crescimento da industrialização brasileira a partir da segunda metade do século XIX.  Relacionamento da disputa colonial entre as grandes potências imperialistas do Século XIX e começo do século XX com a eclosão dos conflitos mundiais.  Identificação do papel da mulher no mercado de trabalho desde a Revolução Inglesa até a atualidade. 74 .  Diferenciação do processo de independência.  Associação do êxodo rural inglês com o processo de industrialização da Inglaterra. Produção de textos.  Reflexão histórica sobre os fatos.  Identificação dos motivos básicos que promoveram a eclosão do movimento de independência dos EUA.  Identificação dos sujeitos sociais como direito de voto na Europa e no Brasil.  Compreensão de que a desagregação do regime escravista contribuiu para o fim do sistema monárquico.  Autonomia nos trabalhos individuais e coletivos.  Compreensão da importância da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão.  Compreensão do Imperialismo do Século XIX como um movimento decorrente da necessidade que os países industrializados tinham de conseguir fontes de matérias-primas e mercados consumidores.  Compreensão da transformação do sistema artesanal para o sistema de fábrica durante o processo da Primeira Revolução Industrial.

do trabalho .  Produção de textos. interpretação e comparação de textos.A Consolidação da República . .Segunda Guerra Mundial Segundo .Fim da União Soviética (URSS) e a Crise do representações sociais. como sendo movimentos sociais rurais gerados pela desigual distribuição da terra no Brasil.Crise do capitalismo e regimes totalitários.O período de Getulio Vargas (1930 a 1945) o Estado Novo . HISTÓRIA 9º ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro História das relações e . tabelas e demais fontes históricas.  Reflexão histórica e crítica sobre os fatos.A Ditadura Militar e do poder .A Guerra Fria e o Terceiro Mundo . 75 .Descolonização e conflitos regionais na África e Ásia . e do poder .  Identificação da ausência de apoio governamental para o pequeno produtor rural como uma das principais razões para as ações contestatórias deste segmento. mapas.Processo de Redemocratização (1985 a 2010) INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Leitura. da cultura.  Caracterização dos movimentos Messiânicos de Canudos e do Contestado. organização e sistematização.A República Velha 1889 a 1930 Terceiro .Revolução Russa.O Período Democrático 1946 a 1964 História das relações e . Leste Europeu da cultura.  Pesquisas: coleta. do trabalho . gráficos. representações sociais.Primeira Guerra Mundial.

 Identificação do federalismo como característica básica do regime republicano implantado no Brasil em 1889.  Associação do êxodo rural motivado pela industrialização ao crescimento das cidades do Sudeste brasileiro na década de cinqüenta. 76 . BIBLIOGRAFIA BRASIL.  Identificação do totalitarismo como um dos aspectos básicos do nazi-facismo.  Identificação da Guerra Fria como tendo sido a disputa indireta entre os EUA e a URSS pela supremacia mundial. Secretaria de Educação Continuada. 2006. Alfabetização e Diversidade . deveres e obrigações dos cidadãos. cultural. com a penetração da ferrovia na região. MEC/SEF. BRASIL. Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-raciais.  Relacionamento entre a desagregação do socialismo no Leste Europeu com o fim da chamada Guerra Fria e a ascensão dos EUA como potencia hegemônica mundial. Brasília.  Relação da disputa colonial entre as grandes potências imperialistas do século XIX e começo do século XX com a eclosão dos conflitos mundiais.394796. deve ser ordenada por normas que determinem os direitos. durante a segunda metade do século XIX.  Análise do papel dos sindicatos e dos anarquistas nos movimentos operários brasileiros do inicio do século. Lei n° 9.  Associação da expansão cafeeira para o interior de São Paulo.SECAD. econômica.  Compreensão de que a organização política. de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. social de um país.  Identificação da aliança do patronato com os órgãos repressivos como forma de conter os movimentos grevistas da década de vinte em São Paulo.  Caracterização do voto de cabresto como instrumento de dominação política no Brasil.

Por que planejar? Como planejar?. 1996. Secretaria da Educação Fundamental. Paz e Terra. Cezar. 1995. São Paulo. 1997. MEC/SEF. Ciro Flamarion Santana. São Paulo. São Paulo.Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA – Lei n° 8069 de 13 de julho de 1990. São Paulo. FTD. Conceição. MARTINS. Currículo –Área – Aula. MEC/SEF. Matrizes Curriculares de Referência para o SAEB. CARDOSO. Vozes. COLL. Ilza Martins. MIZUKAMI. 1996. geografia Brasília. M do Rosário da C. CIAMPI. do pilar Araújo. Borges. História & Reflexão. M. V. Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais. CABRINI.SECAD. Alfabetização e Diversidade . NEMI. EPU. 1986. Ensino: As abordagens do processo. 2006. 77 . São Paulo. Psicologia e Currículo. Maria Inês Gomes de Sá et al. Brasília. Ana Lucia Lana. O Ensino da História. Ministério da Educação e do Desporto.. Maximiliano. Maria da Graça Nicoletti. Helenice. VIEIRA. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. 1999. SANT’ANNA. MENEGOLLA. São Paulo. 1 a 4 – 1° Grau. BRASIL. Uma Introdução à Historia. PESTANA. Ática. Paulo. 1992. 1997. VAVY Pacheco. PEIXOTO. Brasiliense. FREIRE. João Carlos. Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-raciais. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à pratica educativa. 1996. Brasília. Secretaria de Educação Continuada. Petrópolis. brasiliense. 1996. COTRIM. Gilberto. Saraiva. Didática de História: O tempo vivido: Uma outra história? São Paulo.

Estrutura e Funcionamento do ensino Fundamental. 78 . 1998.PILETTI. Nélson. Ática. São Paulo.

individual ou coletivamente. seja na escola ou fora do ambiente. GEOGRAFIA VISÃO DE ÁREA As transformações geradas pela globalização nos últimos anos na educação. o meio rural. ativo em seu processo de aprendizagem. mas também para o desenvolvimento de importantes atitudes na vida de todo estudante. de produção. de necessidades e de transformação. explorando a oralidade. a articulação entre o pensamento e a fala. globos. aquilo que observaram ou aprenderam é uma maneira de aproximá-los de procedimentos essenciais (ler e escrever) não apenas paras o campo da Geografia. relevo e hidrografia) e aqueles criados pelo homem. Nestas conversas informais e aparentemente casuais. bairro e os tipos de relações contidos nestes espaços vividos. casa. através de mapas. levar o aluno à compreensão de como acontece a organização espacial. contribuindo para que o ensino de Geografia se modifique e se renove. portanto. vegetação. como o bairro. estará o professor mediando. que possam modificar melhor a realidade social vivida por todos nós. 79 . trabalho. Para o ensino de geografia. abrange a dimensão de tempo. promovendo a aproximação da turma. através de atividades práticas. a cidade. o de tempo. promovendo o repensar sobre o fazer pedagógico. sistematizando conceitos. o aluno deixa de ser o receptor estático de conteúdos sem significados e passa a ser sujeito participativo. que objetiva. O trabalho com espaço. que por se relacionarem. que fortalece todo o conceito de lateralidade. deixando de ser apenas uma disciplina decorativa. propiciando. exigem cada vez mais pessoas atuantes e dinâmicas. que são tidos como elementos culturais. alguns conceitos fundamentais devem ser esclarecidos como o de espaço. principalmente nas séries iniciais do Ensino Fundamental. no Brasil e no mundo. Propor que os alunos registrem por escrito. natureza e cultura. cabe ao professor nesse processo estimular as conversas e as narrativas de modo que os alunos falem sobre sua participação em seu meio social: família. nessa proposta. Implica também na representação cartográfica do espaço. a de orientação referencial e de localização. para ser cada vez mais dinâmica e vivenciada. o meio urbano e outros. estimulando a expressão do aluno. Essa exigência tem influenciado diretamente o meio escolar. explicitando o estudo dos elementos naturais (clima. Nessa prática pedagógica. rua. maquetes. estão ligados aos conceitos de sociedade.

Favorece também o educando. os Temas Transversais devem ser trabalhados com os conteúdos que apresentarem afinidades. visto que. de modo que venha a anular a divisão existente e favoreça maior interação dentre elas. para nortear o trabalho do professor. o critério de seleção de conteúdos deve fundamentar-se na importância social e formação intelectual do aluno. o objeto de estudo estará sendo analisado sobre diferentes aspectos e abordagens. apoiado na visão de uma geografia fundamentada no princípio de unidade. 80 . em que as áreas de física e humana se complementam. apesar de não constarem explicitamente na seleção de conteúdos sugeridos. reforçando o caráter interdisciplinar da geografia. tem sido tratada por professores e autores de livros didáticos a partir de uma dicotomia: física e humana. Nesse sentido é válido lembrar ainda que. esta seqüência exige uma abordagem metodológica que contemple as diversas áreas que a constitui. por ser uma ciência de vasto conhecimento. Por isso.De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). por isso eles aparecem em forma de eixos temáticos. SOBRE A QUESTÃO METODOLÓGICA Entendemos que a Geografia.

Tempo histórico Tempo geográfico e A cartografia como natural: instrumento na . GEOGRAFIA 6º ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS meiro A geografia como .Clima: . 81 .Previsão do tempo.As desigualdades sociais e a criação de um espaço desigual: . .Conceitos.observação no bairro. homem . O estudo da natureza e a . .A conquista espacial. . .O homem como agente modificador .O espaço natural e geográfico: . . Segundo A cartografia como . e do mundo.Escala. instrumento na plantas e cartas: aproximação dos lugares .Estrelas e Galáxias.Fatores e elementos do clima: sua importância para o .O que estuda a astronomia.A Terra e o Universo: .Fusos Horários.O Sistema Solar.Legenda.Projeções cartográficas: mapas.Introdução à Geografia: compreensão do mundo.Clima das cidades.Pontos cardeais. .Conceito de ciências/geografia: possibilidade de leitura e .Coordenadas geográficas. . . . aproximação dos lugares . . .Zonas climáticas da Terra.A Lua é o satélite da Terra. . e do mundo. .A Terra é parte do Universo.Estações do ano.

Hierarquia fluvial.Litosfera – movimentos tectônicos/ sua importância para o formas de relevo: homem. destruição da camada de ozônio.Hidrografia: . . .Água: recurso esgotável.Relevo: .Associação com os tipos de clima e os principais aspectos da vegetação do Brasil e do mundo (noções) . .O relevo do Brasil. .Oceanos e mares. .meio ambiente – poluição ambiental mundial (efeito estufa. . chuva ácida) e poluição local (urbanização e degradação ambiental).Fenômenos climáticos: El niño e La niña . .Processo de erosão.Agentes modificadores e as relações homem-natureza. . .Formação dos solos/ ocupação. . .Vegetação: .As águas subterrâneas. Terceiro O estudo da natureza e a .Relevo e uso do solo. 82 .Importância dos rios e preservação local.

INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Reconhecimento do homem como agente transformador do espaço.  Reconhecimento das diferentes formas de organização do espaço (centro e periferia).  Identificação das formas de relevo e seus agentes de transformação.  Localização dos fusos horários no Brasil e no mundo.  Produção de textos descritivos.  Interpretação de mapas e plantas através de legenda e das convenções cartográficas.  Localizações a partir dos pontos de referência. 83 .  Localização de um ponto sobre uma carta com as coordenadas geográficas.  Identificação das Zonas Climáticas da terra e dos fatores que as modificam.  Reconhecimento da interação dos recursos naturais e sua relação com a vida humana.  Demonstração das noções de proporção e escala.  Ação antrópica.

Meio Urbano: .País subdesenvolvido industrializado. 84 .As transformações do setor primário.A estrutura fundiária no Brasil/ ES. .Agricultura de subsistência e comercial.Colônia de exploração.A questão da reforma agrária. .A formação histórico-econômica do lugares e do mundo Brasil: . .Movimentos migratórios: na cidade e no humano no espaço campo: geográfico . aproximação dos . . GEOGRAFIA 7º ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro A cartografia como .Rede urbana – hierarquia das cidades.Atividade rural no Brasil .As megalópoles. .Principais cultivos no Brasil. instrumento na .O Brasil no mundo. . Segundo O deslocamento .Latifúndio/ minifúndio. . .Produção intensiva / extensiva.O crescimento urbano no Brasil.O Meio Rural: . . . .Brasil: um país de contrastes.Urbanização e industrialização.

As regiões geoeconômicas: .fontes de energia. .Divisão oficial do IBGE.introdução ao capitalismo.  Estabelecimento dos pontos de vista sobre a estrutura agrária do Brasil. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Identificação dos elementos do capitalismo no seu dia-a-dia.Centro-sul Obs.a atividade industrial no Brasil.  Explicação das diferenças entre campo/ cidade.desenvolvimento do setor terciário. .Ocupação do espaço.as relações comerciais internacionais.tipos de transportes.A divisão do Brasil em três regiões geoeconômicas: .: Estes temas deverão ser abordados durante o estudo das regiões geoeconômicas:  A transformação da natureza pelo trabalho do homem.desenvolvimento e subdesenvolvimento.atividade industrial: . Terceiro O campo e a cidade .Amazônica .Conceito de Regionalização: territorial no Brasil .Regionalização (trabalho comparativo com formação com os mapas): social/espacial .  Diferenciação do grau de desenvolvimento dos países a partir das condições de vida da população. 85 .Nordeste . . .meios de transportes no Brasil.  Comércio/ transportes e comunicação: .tipos de indústrias.  As mudanças nas relações sociais do trabalho: . . Paisagens e diversidade . . . .

 Demonstrações das noções de proporção e escala.Blocos econômicos regionais e mundiais.Sugestão: trabalhar com gráficos. .A deriva continental – a origem dos continentes.” . .A configuração atual – os cinco continentes.Colonização: . GEOGRAFIA 8º ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Um só mundo e muitos . .Globalização. . dissertativos e descritivos. .Os continentes e oceanos: cenários geográficos.Países subdesenvolvidos.O mundo em transformação: .  Regionalização do território brasileiro.Divisão geográfica e cultural da América 86 .Países “socialistas.  Compreensão da pluralidade sociocultural do Brasil. .  Produção de textos.Países desenvolvidos. . .  Relação dos principais cultivos de subsistência e de exportação do Brasil.  Reconhecimento da indústria no desenvolvimento sócio-econômico do país e impacto gerado no meio ambiente.

Um só mundo e muitos .Aspectos físicos.Extrativismo mineral. 87 .Fonte de energia. econômicos. .Divisão geográfica.Problemática ambiental .América do Sul: cenários geográficos. .América Platina: .Aspectos físicos. .Aspectos econômicos.Agropecuária.Turismo.Indústria. . .Narcotráfico. . . . sociais e culturais.Atividade pesqueira.América Andina/Guianas: .Divisão geográfica. . . . .População.População. . .Segundo Um só mundo e muitos .Extrativismo mineral. .América Central: .Aspectos históricos/impacto ambiental. cenários geográficos.População. .

. .População.  Interpretação de gráficos.NAFTA .NAFTA .  Análise sobre o processo de urbanização e as formas de produção no campo.CANADÁ: .População. 88 .ESTADOS UNIDOS: .Aspectos físicos/impacto ambiental.  Identificação dos domínios naturais e o reflexo da ação humana. .Aspectos físicos/ impacto ambiental.Economia.  Reconhecimento da divisão política e cultural da América. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Explicação da origem dos continentes a partir da teoria da deriva continental.População. .Aspectos físicos/ impacto ambiental. Terceiro . .MÉXICO: . .Economia. . .  Identificação dos blocos econômicos atuais.Separatismo de Quebec. mapas e produção de textos analíticos.Economia. .  Diferenciação das características do desenvolvimento e subdesenvolvimento.País socialista: CUBA .  Reconhecimento dos continentes.

Países menos industrializados (Portugal/ Espanha). .Taxa de natalidade/ mortalidade.Impacto ambiental.A multipolarização econômica – modos de vida.Expansão das multinacionais. . .EUROPA: . culturais e demográficos: .Qualidade de vida nos grandes centros industriais . globalização: territorialidades e meio .Aspectos sócio–econômicos. .Crescimento demográfico. fecundidade. . . .Tecnologia na agropecuária: .Regionalização mundial (trabalho Primeiro cenários geográficos.Países intensamente industrializados (Alemanha). .Aspectos físicos e impactos ambientais .Reflexos da tecnologia no meio ambiente: .Regionalização da Europa . zonas de influência.Tecnologia industrial: . GEOGRAFIA 9º ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Um só mundo e muitos .Agropecuária intensiva. comparativo com o planisfério): Evolução das tecnologias .Formação dos blocos econômicos – ambiente. 89 .Surgimento dos novos países industrializados (NPIs).

.Aspectos físicos .Tecnologia na agropecuária.Impactos Ambientais . .Japão.ÁFRICA: as novas territorialidades. .Extensiva nos países mais pobres.Aspectos físicos . Terceiro Evolução das tecnologias e . Tigres Asiáticos e China.Impacto Ambiental . .Estrutura etária (pirâmide etária) . demográficos. .Imigração e xenofobia Segundo Evolução das tecnologias e . . .África do sul.Impacto ambiental.Subcontinente Indiano Índia (Formigueiros Humanos).Tecnologia industrial: . . sociais e religiosos.Agropecuária extensiva/ baixa produtividade.Sudeste Asiático.Oriente Médio – aspectos econômicos.Reflexos da tecnologia no meio ambiente: .Divisão Regional – África do Norte / África Subsaariana . . 90 .Expectativa de vida.Agropecuária intensiva no Japão.ÁSIA: as novas territorialidades. . .Tecnologia industrial: . . .Extremo Oriente. .Conflitos.Países de dependência tecnológica.Tecnologia na agropecuária: . .

Crescimento demográfico.Expectativa de vida.Taxa de natalidade/ mortalidade.Qualidade de vida nos grandes centros industriais .  Relações de poder no espaço geográfico mundial. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Análise das causas da bipolarização mundial.  Reconhecimento do socialismo como forma de governo.  Identificação das possíveis causas para a existência de movimentos separatistas mundiais.Taxa de analfabetismo.  Reconhecimento dos graus de desenvolvimento dos países do velho mundo. . .  Análise das causas dos problemas ambientais e suas conseqüências mundiais.  Percepção dos blocos econômicos como resultado da multipolarização ou globalização. .Aspectos sócio–econômicos.  Elaboração e interpretação de gráficos.  Explicação das alianças político-econômicas que surgiram após a Segunda Guerra Mundial.  Produção de textos dissertativos e descritivos. . .  Relação dos aspectos físicos condizentes ambientais e suas conseqüências mundiais.Cultura dos povos. 91 . culturais e demográficos: .

MEC/SEF. KOZEL. 1 a 4 – 1º Grau. MEC/SEF. Proposta Pedagógica. Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental. Brasília. 1997. 92 . Vol.Centro de Estudos e Pesquisa em Educação. São Paulo. Brasília: Senado Federal. 1994. 1998. Geografia Crítica. Gilberto. ed. ed. Ática. 1998. Ática. História e Reflexão. Secretaria de Educação Fundamental. FILIZOLA. 1998. São Paulo. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Geografia. Vozes. BIBLIOGRAFIA ADAS. Cultura e Ação Comunitária. São Paulo. Didática de Geografia. Parâmetros Curriculares Nacionais: primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental: Geografia.º. Maximiliano. COTRIM. 1995. Melhem. Brasília. Lei n. BRASIL. Ilza Martins. FTD. PILETTI. BRASIL. 9. SANT’ANA. O espaço vivido. 1997. BRASIL. 3. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. VICENTINI. Secretaria de Educação Fundamental. Geografia. Nelson. Petrópolis. José William. 12. Roberto. Moderna.394 de 20 de dezembro de 1996. 1996. MENEGOLLA. 1998. CENPEC . São Paulo. Salete. São Paulo. Por que Planejar? Como Planejar? Currículo – Área-Aula. Saraiva. 1992.

É importante que se supere a postura “cientificista” que levou durante muito tempo a considerar-se ensino de Ciências como sinônimo da descrição de seu instrumental teórico ou experimental. por definição encontram-se expressos nos conteúdos próprios das diversas disciplinas. A apropriação de seus conceitos e procedimentos pode contribuir para o questionamento do que se vê e ouve. é a meta que se propõe para o ensino da área na escola fundamental. sociedade e tecnologia. CIÊNCIAS NATURAIS VISÃO DA ÁREA “Os conhecimentos que pelo currículo são selecionados. Transmitem. para além do “conhecimento científico”. 33) Numa sociedade em que se convive com a supervalorização do conhecimento cientifico e com a crescente intervenção da tecnologia no dia-a-dia.” (PEDRA. divorciado da reflexão sobre o significado ético dos conteúdos desenvolvidos no interior da ciência e suas relações com o mundo do trabalho. distribuídos e avaliados derivam de uma cultura concreta e ultrapassam os denominados “conhecimentos científicos” que. para a compreensão e valoração dos modos de intervir na natureza e de utilizar seus recursos. para reconhecer o homem como parte do universo e como indivíduo. P. O homem acreditou que a natureza estava à sua disposição. quando se depara com uma crise ambiental que coloca em rico a vida do planeta. 1993. um modo de ver e classificar o mundo. alterou seus ciclos. o ser humano foi considerado como o centro do universo. o ensino de 93 . sistematizados. não é possível pensar na formação de um cidadão crítico à margem do saber científico. Hoje. para a reflexão sobre questões éticas implícitas nas relações entre ciência. Durante os últimos séculos. redefiniu seus espaços. inclusive a humana. Trazem por isso – por serem culturais – representações do que pode ser considerado conhecimento válido e não-conhecimento. assim. Apropriou-se de seus processos. para a ampliação das explicações acerca dos fenômenos da natureza. Mostrar a ciência como um conhecimento que colabora para a compreensão do mundo e suas transformações.

entre muitas outras. Tanto os aspectos da herança biológica quanto aqueles de ordem cultural. que interage com o meio em sentido amplo. 94 . O conhecimento como sobre a natureza se comporta e a vida se processa contribui para o aluno se posicionar com fundamentos acerca de questões bastantes polêmicas e orientar suas ações de forma mais consciente. os desmatamentos. o destino dado ao lixo industrial.Ciências Naturais pode contribuir para uma reconstrução da relação homem-natureza em outros termos. e para a compreensão da sexualidade humana sem preconceitos. social e afetiva refletem-se na arquitetura do corpo. é uma maquina e cada ser humano é único como único é seu corpo. da postura de respeito ao próprio corpo e ao outros. o acúmulo na atmosfera de produtos resultantes da combustão. O corpo humano. Também é importante o estudo do ser humano considerando-se seu corpo como um todo dinâmico. portanto. Nessa perspectiva. à área de ciências pode contribuir para a formação da integridade pessoal e da auto-estima. hospitalar e doméstico. São exemplos dessas questões: a manipulação gênica. para o entendimento da saúde como um valor pessoal e social.

Propriedades do ar .O Sol .O Planeta Terra .Distribuição da vida na Biosfera .O Sistema Solar Ambiente -Os nove planetas .As relações entre os seres vivos .Previsão do Tempo Terceiro A Terra por dentro e por . CIÊNCIAS NATURAIS 6° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Universo .A água na natureza (estados físicos) .A Lua Os Seres Vivos e o .Minérios e Jazidas 95 .Os componentes do ar . .O ser humano e o ambiente .A Via Láctea . .Desequilíbrios Ambientais Segundo A água e o Ar no .Existência e composição da água Ambiente .Preservar a água do planeta .Da superfície ao centro da Terra fora .Biomas Brasileiros .O Ambiente -Universo: Galáxias.A transferência de energia e da matéria num ecossistema .As Rochas .Atmosfera – A camada gasosa que envolve a Terra.Onde a vida acontece .Água potável e saneamento básico .Propriedades da água . estrelas. planetas e Maior satélites.

Reconhecendo um ser vivo . justificando idéias.  Análise e interpretação de fatos e idéias.  Formulação de perguntas e hipóteses.  Interpretação das informações por intermédio do estabelecimento de relações de semelhança.  Valorização da disseminação de informações socialmente relevantes aos membros de sua comunidade. da relação de causas e efeitos.Classificação dos seres vivos . esquemas.  Confrontação das suposições individuais e coletivas com informações obtidas.A origem da vida . .A evolução dos seres vivos . organização. para justificar suas idéias. tabelas e gráficos. suposições e conclusões que respeitem diferentes opiniões. textos.Biodiversidade e classificação .Os cinco reinos 96 .Vírus – seres sem organização celular Segundo Os seres vivos .Preservando o solo . diferença. quadros. CIÊNCIAS NATURAIS 7° ANO BIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Diversidade da vida na . através de perguntas.  Registro escrito através de desenhos. utilizando informações de dados para validação de uma idéia.O que se pode fazer para evitar problemas no solo? INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Expressão. listas.Investigação Científica Terra . registro e comunicação oral.O Solo . de seqüências de fatos de regularidades. estabelecimento de relações.

registro e comunicação oral. esquemas. flor. .Répteis . quadros.Reino dos Animais Vertebrados . 97 .Peixes . caule.  Formulação de perguntas e hipóteses. da relação de causas e efeitos. através de perguntas.Aves .Reino das Moneras .  Registro escrito através de desenhos. estabelecimento de relações.Anfíbios . raiz.Mamíferos INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Expressão. organização.Artrópodes .  Análise e interpretação de fatos e idéias.Algas pluricelulares .Reino dos Animais Invertebrados .Gimnospermas .Platelmintos e Nematelmintos .  Interpretação das informações por intermédio do estabelecimento de relações de semelhança. listas.Angiospermas (aspectos gerais.Equinodermos Terceiro Os Seres Vivos . tabelas e gráficos. justificando idéias.Reino dos Fungos . de seqüências de fatos de regularidades. suposições e conclusões que respeitem diferentes opiniões.Reino dos Protistas . textos.Poríferos e Celenterados . folha. diferença. utilizando informações de dados para validação de uma idéia.Pteridófitas .Briófitas .Anelídeos e Moluscos . fruto-semente) .

Desenvolvimento e puberdade Segundo Ser humano e saúde .Nutrição: .Citologia: .Descobertas de Mendel .Alimentação saudável .O ciclo Menstrual . .Transmissão das características hereditárias .Os gametas masculinos e femininos .Engenharia Genética .  Confrontação das suposições individuais e coletivas com informações obtidas.Divisão celular (núcleo).Composição dos alimentos .A importância dos alimentos .Reprodução .Cromossomos e genes .  Flexibilização de idéias.O Organismo Humano: Uma visão geral corpo humano .  Valorização da disseminação de informações socialmente relevantes aos membros de sua comunidade.A fecundação . CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO BIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro A organização do .Tecido .Sistema Digestório: 98 . para justificar suas idéias.Sistema genital e saúde .Genética: .Célula .

Trocas gasosas .Sistema Respiratório: .A composição e as funções do sangue . .O paladar .Sistema Nervoso: .Coração .Locomoção: . 99 .Sistema Circulatório: .Digestão .Os Órgãos Dos Sentidos: .Ar no nosso corpo Terceiro Ser humano e saúde .A ação dos hormônios INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Expressão.O olfato . através de perguntas. organização.Sistema Endócrino: .Controle por meio de impulsos elétricos .Os ossos .Movimentos: músculos e ossos interligados .Audição .A Visão . suposições e conclusões que respeitem diferentes opiniões.Circulação do sangue .A célula e a produção de energia . justificando idéias.Sistema Urinário: .Fluxo sanguíneo . registro e comunicação oral.Excreção .

 Análise e interpretação de fatos e idéias;
 Registro escrito através de desenhos, listas, textos, quadros, esquemas, tabelas e
gráficos;
 Formulação de perguntas e hipóteses, estabelecimento de relações, utilizando
informações de dados para validação de uma idéia.
 Interpretação das informações por intermédio do estabelecimento de relações de
semelhança, diferença, de seqüências de fatos de regularidades, da relação de
causas e efeitos;
 Confrontação das suposições individuais e coletivas com informações obtidas,
para justificar suas idéias;
 Flexibilização de idéias;
 Valorização da disseminação de informações socialmente relevantes aos
membros de sua comunidade.

CIÊNCIAS NATURAIS
9° ANO
BIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS
Primeiro Conceitos básicos de - Matéria e Energia:
Física e de Química - Medições e Unidades de Medida
- Matéria: Estados Físicos e
propriedades
- Estudo da Física:
- Movimento
- As Leis de Newton
- Gravitação Universal
- Trabalho das Máquinas e Energia
Mecânica:
- Trabalho
-Energia Mecânica
- Eletricidade e Magnetismo:
- Transformações químicas e energia
elétrica – as pilhas
- Corrente Elétrica

100

- A transformação da energia elétrica
- O magnetismo
- O eletromagnetismo

Segundo Estudo da Física -Temperatura e Calor:
- A medida de temperatura
- Transferência de calor
- Dilatação dos corpos
- Relação entre quantidade de calor,
massa e variação de temperatura
- Calor específico
- Mudanças de estado físico
- As Ondas e o Som:
- Geração e propagação de ondas
- Ondas sonoras
- As Ondas e a Luz
- Instrumentos Ópticos:
- Espelhos planos
- Espelhos esféricos
- Lentes esféricas
Terceiro Estudo da Química - Química:
- O átomo
- Características do átomo (Isótopo,
Isóbaro e Isótonos)
- Mecânica Quântica
- Números Quânticos - Principal
- Secundário
- Magnético
- Spin
- Diagrama de Pauling
- Distribuição pelo Diagrama
- Organização dos elementos a
classificação periódica:

101

- Tabela Periódica
- As Ligações Químicas:
- A estabilidade dos gases
- A ligação iônica
- A ligação covalente
- A ligação metálica
- Substâncias e Misturas:
- O que é uma substância
- As misturas
- Separando os componentes de uma
mistura
- Funções Químicas
- Ácidos e Bases
- Sais e Óxidos
- Reações Químicas:
- Representando reações químicas
- Balanceando equações químicas

INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:
 Expressão, organização, registro e comunicação oral, através de perguntas,
suposições e conclusões que respeitem diferentes opiniões, justificando idéias;
 Análise e interpretação de fatos e idéias;
 Registro escrito através de desenhos, listas, textos, quadros, esquemas, tabelas e
gráficos;
 Formulação de perguntas e hipóteses, estabelecimento de relações, utilizando
informações de dados para validação de uma idéia.
 Interpretação das informações por intermédio do estabelecimento de relações de
semelhança, diferença, de seqüências de fatos de regularidades, da relação de
causas e efeitos;
 Confrontação das suposições individuais e coletivas com informações obtidas,
para justificar suas idéias;
 Flexibilização de idéias;

102

SCHWENCK. Carlos. Nyelda Rocha.ª à 8. 1998. BRASIL. 1997. Wilson Roberto. Saraiva.  Valorização da disseminação de informações socialmente relevantes aos membros de sua comunidade. Editora do Brasil. 1989. Brasília. São Paulo. PEDRA. MEC/SEF. São Paulo. BIBLIOGRAFIA PILETTI. VIMIEIRO. Currículo e Conhecimento: níveis de seleção de conteúdo. Ministério da Educação e do Desporto. BARROS. São Paulo. LOPES. 103 . Em Aberto. BARROS. Terezinha do Carmo. Ciências. Maria das Graças Monteiro. Brasília. São Paulo. Plínio Carvalho. Ministério da Educação e do Desporto. Isabel Maria Martins Barros de. Ática. Carlos. Ática. José Alberto. Belo Horizonte.ª série. Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental. Maria da conceição Ferreira. Ciências Descobrindo o Ambiente. Ciências – Coleção Quero Aprender. YKROTA. Nelson. Ciências Crítica e Ação.ª série. MEC/SEF. Secretaria de Educação Fundamental: Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: ciências naturais de 1. 1995. Secretaria de Educação Fundamental: Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: ciências naturais de 5. Brasília. 1998. 23 ed. Jordelina Lages. OLIVEIRA. OLIVEIRA. Vamos Aprender Ciências. Formato. 1993. BRASIL. 1990. São Paulo. Ática. 1998. 1993.ª à 4. PAULINO.

São Paulo. esporte e  Jogos e atividades que. CENTRO DE PESQUISAS PARA A EDUCAÇÃO E CULTURA/ Secretaria de Educação do Estado do Paraná. v. estética. 1998.análise e discussão sobre os modismos e valores lançados pelas academias de ginástica (vestuário. com relação a si mesmo e ao outro. Jogos e Expressão Desenvolvimento da noção Corporal espaço/tempo vinculada ao estímulo musical (diversos). permitam vivenciar diferentes formas de corridas e saltos. padrões de beleza.circuitos. EDUCAÇÃO FÍSICA 6° ANO TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Jogo. .percepção do ritmo grupal. etc. ao silêncio.percepção do próprio ritmo. 4. CENPEC.saltos. etc.). na sua ginástica. envolvendo os elementos de atletismo: . .). execução. Ensinar e Aprender.corridas .  Ginástica: vivência das diferentes formas ginásticas (aeróbicas. .respeito ao seu limite corporal. . .arremessos. com aparelhos.  Construção do movimento expressivo a partir da: . 104 .  Reconhecimento da importância da ginástica para manutenção da saúde.

experimentação.experimentação. 105 . atacante. técnico. Segundo Jogos e Expressão VÔLEI Corporal  Toque.identificação da situação/problema. .goleiro. recepção (domínio).proposta de mudança/adaptação. condução de bola. juiz. visando à inclusão do outro a partir da: . drible. passe.  Saque. chute. . materiais e espaço na realização dos jogos.  Vivência de variados papéis assumidos no contexto esportivo: . visando à inclusão do outro a partir da: .  Manchete. defensor.proposta de mudança/adaptação.  Adaptação de regras.identificação da situação/problema. arremesso. HANDEBOL  Manejo de bola.  Adaptação de regras. drible.avaliação dos resultados obtidos. torcedor. . materiais e espaço na realização dos jogos. passe. Primeiros Socorros  Noções básicas de Primeiros Socorros.avaliação dos resultados obtidos. . . FUTSAL Condução. .

 Adaptação de regras. . Ex: vareta.  Domínio das técnicas. DAMAS  Regras. .alongamentos. Primeiros Socorros  Noções básicas de Primeiros Socorros 106 .  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola.proposta de mudança/adaptação. materiais e espaço na realização dos jogos.  Introdução à cortada. Corporal  Combinações.tensão e relaxamento.experimentação.avaliação dos resultados obtidos.identificação da situação/problema. peteca. Conhecimento sobre o . etc.  Participação na organização de campeonatos dentro do contexto escolar.freqüência respiratória.  Noções básicas de Lutas.freqüência cardíaca. visando à inclusão do outro a partir da: . corpo . . .  Identificação das funções orgânicas relacionadas com a atividade motora: . Jogos e Expressão  Iniciação às técnicas.

XADREZ  Regras básicas: tabuleiro. xeque e xeque- mate. apresentação para a escola e/ou comunidade.proposta de mudança/adaptação. . semelhanças e diferenças.características. passe. peteca. drible. arremesso. . movimentos especiais.  Adaptação de regras.vivência dos movimentos.experimentação.compreensão do contexto sociocultural de onde se desenvolvem. Atividades rítmicas e  Danças folclóricas e regionais: expressivas . Ex. .  História dos esportes institucionalizados: . materiais e espaço na realização dos jogos. sobre o corpo  Alongamentos.identificação da situação/problema. bandeja. etc.: vareta. . visando à inclusão do outro a partir da: . movimentos e capturas. .  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola. peças.avaliação dos resultados obtidos. . empate. 107 . Conhecimento  Exercícios respiratórios. Terceiro BASQUETE  Manejo de bola.

distúrbios e doenças crônico-degenerativas e sua relação com o esporte e a atividade física.os perigos da obesidade e sedentarismo. 108 . físicas.  Adoção de atitudes de respeito mútuo.  Pluralidade cultural. pelo diálogo.  Controle sobre as funções orgânicas relacionadas com a atividade física (FC e FR). lutas e dos esportes. A cultura afro-brasileira deverá ser inserida nos quatro bimestres abordando a questão do corpo e a participação dos negros no esporte. aplicando-as com discernimento em situações – problemas que surjam no cotidiano. prescindindo da figura do árbitro. Observação: Os temas Transversais deverão ser inseridos no decorrer dos quatro bimestres de acordo com a realidade escolar e as urgências detectadas além de outros temas importantes a serem trabalhados em sala de aula:  Ética. sem discriminar por características pessoais. sexuais ou sociais. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Participação em atividades de natureza relacional. bem como a de seus colegas. buscando encaminhar os conflitos de forma não violenta. reconhecendo e respeitando suas características físicas e de desempenho motor. .  Saúde: .  Trabalho e consumismo.  Percepção dos limites corporais e criação de coreografias em grupo com Atividades rítmicas e conteúdos relacionados à realidade expressivas social dos alunos e da comunidade. A apropriação das situações relacionais. dignidade e solidariedade na prática dos jogos.

 Conhecimento organização e interferência do espaço de forma autônoma. sexuais ou culturais.  Conhecimento apreciação e vivência de algumas das diferentes manifestações da cultura corporal. linguagem e expressividade decorrentes. Relacionamento da diversidade de manifestações da cultura corporal de seu ambiente e de outros com o contexto em que são produzidas e valorizadas. sexuais e sociais. identificando e evitando o caráter excessivamente competitivo em quaisquer destes contextos.  Aprofundamento no conhecimento dos limites e das possibilidades do próprio corpo de forma a poder controlar algumas de suas posturas e atividades corporais com autonomia e valorizá-las como recurso para a melhoria de suas aptidões físicas. adotando uma postura despojada de preconceitos e discriminações por razões sociais. Aprofundamento das noções conceituais de esforço. saúde e desempenho presentes no cotidiano e compreensão de sua inserção no contexto sociocultural em que são produzidos. bem como ter a capacidade de alterar ou interferir nas regras convencionais com o intuito de torná-las mais adequadas ao momento do grupo. favorecendo a inclusão dos praticantes. compreensão e manipulação dos elementos que compõem as regras como instrumentos de criação e transformação. Análise.  Análise de alguns dos padrões de beleza. escolar e profissional. 109 . Conhecimento dos diferentes contextos: amador. recreativo. em busca de uma melhor qualidade de vida. Busca de informações para seu aprofundamento teórico de forma a construir e adaptar alguns sistemas de melhoria de sua aptidão física.  Organização e prática de atividades corporais. valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. reconhecendo-as como uma necessidade do ser humano e um direito do cidadão. bem como reivindicações dos locais adequados para promoção de atividades corporais e de lazer. Reconhecimento das diferenças de desempenho. intensidade e freqüência por meio do planejamento e sistematização de suas práticas corporais. despertando para o senso crítico e relacionando-os com as práticas da cultura corporal de movimento. inclusive dessas mesmas diferenças culturais.

 Vivência as diferentes formas de ginásticas (aeróbica.conhecimento de sua importância para manutenção da saúde. execução. à área do gol). . envolvendo os elementos do atletismo.respeito ao seu limite corporal .elaboração de projetos individuais e coletivos de prática/exibição de ginástica na escola e/ou comunidade  Jogos que na sua execução permitam criar estratégias de defesa (ao gol. esportes. permitam vivenciar diferentes formas de corridas e saltos. com aparelhos): . à cesta.saltos.  Circuitos. estética.) . EDUCAÇÃO FÍSICA 7° ANO TRIMESTRE EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Jogo. etc. envolvendo os fundamentos dos esportes institucionalizados: 110 .corridas. na sua ginástica. padrões de beleza. . armar oportunidades de ataque e partir de uma situação de ataque para uma de defesa.arremessos. lutas e  Jogos e atividades que.análise e discussão sobre os modismos e valores lançados pelas academias de ginástica (vestuário. sendo: . .

experimentação.experimentação. drible.  Participação na organização de campeonatos dentro do contexto escolar.  Adaptação de regras.proposta de mudança/adaptação. chute. materiais e espaço na realização dos jogos. arremesso. Atividades rítmicas e  Construção do movimento expressivas expressivo a partir da: 111 . .  Adaptação de regras. materiais e espaço na realização dos jogos.identificação da situação/problema. .identificação da situação/problema. visando à inclusão do outro a partir da: .proposta de mudança/adaptação.avaliação dos resultados obtidos. . Conhecimento sobre o corpo  Alongamento e relaxamento. FUTSAL  Condução. HANDEBOL  Drible. .avaliação dos resultados obtidos. condução de bola. passe. . recepção (domínio). visando à inclusão do outro a partir da: .  Noções básicas do exercício físico e seus benefícios. passe. .

etc.percepção do próprio ritmo.  Participação na organização de 112 . ao silêncio. visando à inclusão do outro a partir da: .  Desenvolvimento da noção espaço/tempo vinculada ao estímulo musical (diversos).experimentação.  Saque.  Introdução à cortada. .  Manchete.  Adaptação de regras.  Iniciação às técnicas. esportes.avaliação dos resultados obtidos. materiais e espaço na realização dos jogos. . .proposta de mudança/adaptação.percepção do ritmo grupal. lutas e VÔLEI ginástica.  Combinações. com relação a si mesmo e ao outro. peteca. .identificação da situação/problema.  Toque. Ex: vareta. .  Domínio das técnicas. Segundo Jogo. DAMAS  Regras.  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola.

. lutas e BASQUETE ginástica. XADREZ  Regras básicas: tabuleiro. drible. xeque e xeque-mate. materiais e espaço na realização dos jogos. peças.  Aquecimento: Conhecimento sobre o .  Adaptação de regras. esportes. arremesso.Fundamentos e formas de aquecimento corpo como preparação para atividades físicas. . passe. Atividades rítmicas e  Representação de cenas do expressivas cotidiano.experimentação.  Criação de seqüências de movimentos em grupo. campeonatos dentro do contexto escolar. visando à inclusão do outro a partir da: . movimentos especiais.  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a 113 .avaliação dos resultados obtidos.identificação da situação/problema. bandeja. movimentos e capturas. partindo de um tema relacionado à realidade social. empate.  Manejo da bola.proposta de mudança/adaptação. Terceiro Jogo.  Jogos dramáticos. .

compreensão do contexto sociocultural de onde se desenvolvem. Atividades rítmicas e . Ex. Atividades rítmicas e  Percepção dos limites corporais e expressivas criação de coreografias em grupo com conteúdos relacionados à realidade social dos alunos e da comunidade. 114 . Observação: Os temas Transversais deverão ser inseridos no decorrer dos quatro bimestres de acordo com a realidade escolar e as urgências detectadas além de outros temas importantes a serem trabalhados em sala de aula:  Ética. . peteca.: vareta.  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola.vivência dos movimentos. Ex. Conhecimento sobre o  Reconhecimento dos principais corpo grupos musculares e estruturas articulares relacionados com os movimentos e envolvidos no equilíbrio postural. etc. etc.: vareta. peteca. Conhecimento sobre o  Danças folclóricas e regionais: corpo .  Conhecimento sobre os efeitos da atividade física sobre o organismo e saúde: benefícios e riscos.apresentação para a escola e/ou expressivas comunidade. disponibilidade de material e local existente na escola.

sexuais ou sociais.  Conhecimento apreciação e vivência de algumas das diferentes manifestações da cultura corporal. recreativo. bem como a de seus colegas. intensidade e freqüência por meio do planejamento e sistematização de suas práticas 115 . INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Participação em atividades de natureza relacional.  Trabalho e consumismo. reconhecendo e respeitando suas características físicas e de desempenho motor. Reconhecimento das diferenças de desempenho. físicas.  Conhecimento dos diferentes contextos: amador. inclusive dessas mesmas diferenças culturais.  Saúde: . dignidade e solidariedade na prática dos jogos. sexuais ou culturais.  Aprofundamento no conhecimento dos limites e das possibilidades do próprio corpo de forma a poder controlar algumas de suas posturas e atividades corporais com autonomia e valorizá-las como recurso para a melhoria de suas aptidões físicas.distúrbios e doenças crônico/degenerativas e sua relação com o esporte e a atividade física. escolar e profissional.  Adoção de atitudes de respeito mútuo. . linguagem e expressividade decorrentes. A apropriação das situações relacionais. buscando encaminhar os conflitos de forma não violenta. pelo diálogo. prescindindo da figura do árbitro. Relacionamento da diversidade de manifestações da cultura corporal de seu ambiente e de outros com o contexto em que são produzidas e valorizadas. adotando uma postura despojada de preconceitos e discriminações por razões sociais. sexuais e sociais. Aprofundamento das noções conceituais de esforço. Pluralidade cultural.os perigos da obesidade e sedentarismo. sem discriminar por características pessoais. identificando e evitando o caráter excessivamente competitivo em quaisquer destes contextos. lutas e dos esportes. A cultura afro-brasileira deverá ser inserida nos quatro bimestres abordando a questão do corpo e a participação dos negros no esporte. aplicando-as com discernimento em situações – problemas que surjam no cotidiano.

corporais. favorecendo a inclusão dos praticantes. à cesta. valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. Análise. 116 . armar oportunidades de ataque e partir de uma situação de ataque para uma de defesa. à área do gol).  Análise de alguns dos padrões de beleza. EDUCAÇÃO FÍSICA 8° ANO TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Jogo. esportes. permitam criar estratégias de defesa (ao gol. envolvendo os fundamentos dos esportes institucionalizados: HANDEBOL  Drible em várias direções. Busca de informações para seu aprofundamento teórico de forma a construir e adaptar alguns sistemas de melhoria de sua aptidão física. compreensão e manipulação dos elementos que compõem as regras como instrumentos de criação e transformação.  Organização e prática de atividades corporais. despertando para o senso crítico e relacionando-os com as práticas da cultura corporal de movimento. reconhecendo-as como uma necessidade do ser humano e um direito do cidadão. em busca de uma melhor qualidade de vida. bem como reivindicações dos locais adequados para promoção de atividades corporais e de lazer. bem como ter a capacidade de alterar ou interferir nas regras convencionais com o intuito de torná-las mais adequadas ao momento do grupo. saúde e desempenho presentes no cotidiano e compreensão de sua inserção no contexto sociocultural em que são produzidos.  Conhecimento organização e interferência do espaço de forma autônoma. lutas e  Jogos que na sua execução ginástica.

discussão e construção de regras aplicadas aos jogos e esportes: . estética. atacante.goleiro.compreensão das transformações das regras e sua relação com o desenvolvimento do nível técnico. defensor. etc.  Passe. .  Vivência às diferentes formas de ginásticas (aeróbica.análise e discussão sobre os modismos e valores lançados pelas academias de ginástica (vestuário. juiz.conhecimento de sua importância para manutenção da saúde.elaboração de projetos individuais e coletivos de prática/exibição de ginástica na escola e/ou comunidade. técnico torcedor.  Progressão – 3 passos.respeito ao seu limite corporal . do espaço e dos materiais disponíveis. com aparelhos): . . padrões de beleza.  Marcação individual.  Compreensão. Conhecimento sobre o corpo  Condicionamento físico e desenvolvimento das 117 .) .utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo.  Vivência de variados papéis assumidos no contexto esportivo: .

capacidades físicas:
- conceitos, princípios e sistemas
para seu desenvolvimento, abordando o
nível das capacidades físicas pessoais
para a aplicação concreta de sistemas
de desenvolvimento dessas
capacidades, segundo necessidades e
características individuais.
 Vivência de alongamentos e
conscientização da ação sobre a
musculatura diretamente
relacionada ao equilíbrio
postural.
Atividades rítmicas e
expressivas  Desenvolvimento da noção
espaço-temporal vinculada ao
estilo musical (diversos), ao
silêncio, com relação a si
mesmo e ao outro:
- expressão corporal.
FUTSAL
 Passes.
 Recepção.
 Chute.
 Condução.
 Drible.
 Posicionamento e função dos
jogadores.
 Compreensão, discussão e
construção de regras aplicadas
aos jogos e esportes:
- compreensão das transformações
das regras e sua relação com o

118

desenvolvimento do nível técnico;
- utilização e adaptação das regras
ao nível da capacidade do grupo, do
espaço e dos materiais disponíveis.

Segundo Jogo, esportes, lutas e VOLEIBOL
ginástica.  Toque.
 Manchete.
 Saque.
 Cortada.
 Posicionamento.
 Sistema de ataque.
 Compreensão, discussão e
construção de regras aplicadas
aos jogos e esportes:
- compreensão das transformações
das regras sua relação com o
desenvolvimento do nível técnico;
- utilização e adaptação das regras
ao nível da capacidade do grupo, do
espaço e dos materiais disponíveis.

DAMAS
 Combinações com damas.
 Tomando as damas.
 Tomando pela maioria.
 Escolha múltipla.
 Lance livre – o ganho de tempo.
 Lei da maioria.
 História da inclusão e exclusão
da mulher em determinados
esportes, em determinados

119

momentos históricos.
 Atividades alternativas que
possam ser desenvolvidas
conforme a disponibilidade de
material e local existente na
escola. Ex.: vareta, peteca, etc.
 Alongamento e relaxamento;
 Noções básicas do exercício
físico e seus benefícios;
 Identificação das funções
orgânicas relacionadas com a
atividade motora:
- contração muscular: tensão e
relaxamento;
- circulação cardiovascular:
freqüência cardíaca.
 Danças folclóricas e regionais:
- compreensão do contexto
sociocultural de onde se desenvolvem;
- vivência dos movimentos;
- apresentações para a escola e/ou
comunidade.
Conhecimento sobre o
corpo

Atividades rítmicas e
expressivas

120

em outra escola). lutas e BASQUETEBOL ginástica.utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo.frente.capacidades físicas necessárias no movimento.esquerda. .  Marcação por zona e marcação individual. discussão e construção de regras aplicadas aos jogos e esportes: . habilidades motoras básicas contidas nos gestos esportivos.  Dribles em várias direções e ritmos utilizando obstáculos. .Terceiro Jogo.utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo.direita. identificando: . Conhecimento sobre o XADREZ 121 .  Passes de diferentes distâncias  Bandeja: . vídeo. . esportes.  Drible e bandeja. do espaço e dos materiais disponíveis.  Arremessos.compreensão das transformações das regras e sua relação com o desenvolvimento do nível técnico. . do espaço e dos materiais disponíveis.  Compreensão.principais regras e estratégias.  Análise de uma competição de basquete (outra série. . .

no meio do jogo. corpo  Princípios gerais do jogo: . esporte.  Análise dos movimentos e posturas no cotidiano a partir de elementos socioculturais e biomecânicos (trabalho. . . esforço): . .  A história das Olimpíadas (condições e apoio ao esporte nos diversos países). Ex. etc. peteca.no final.  Representação de cenas do cotidiano: .Alongamentos e relaxamento.Percepção do próprio corpo e consciência de posturas e movimentos não-prejudiciais no dia-a-dia. TÊNIS DE MESA  Utilização de diversas formas 122 .  Anotação da partida.na abertura.  Atividades alternativas que Atividades rítmicas e possam ser desenvolvidas expressivas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola.: vareta. Criações de seqüências de movimentos em grupo a partir de um tema relacionado à realidade social.  Jogos dramáticos. riscos de lesões.

 Ataque e defesa.  Percepção do “efeito” imposto pela raquete. Ex. de recepção. do espaço e dos materiais disponíveis.  Reconhecimento e apropriação dos princípios básicos para Atividades rítmicas e construção de desenhos expressivas coreográficos simples. .  Utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo.  Utilização dos princípios básicos na construção de 123 .elaboração de programas de condicionamento físico para manutenção do desenvolvimento das capacidades físicas.  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola. etc. peteca. Conhecimento  Efeitos das atividades físicas sobre o corpo sobre o organismo e a saúde.  Noções básicas do exercício físico e seus benefícios.  Alongamento e relaxamento.  História da inclusão e exclusão do negro nos esportes em determinados momentos históricos.: vareta.

 Saúde: . pelo diálogo.  Adoção de atitudes de respeito mútuo. Relacionamento da diversidade de manifestações da cultura corporal de seu ambiente e de outros com o contexto em que são produzidas e valorizadas. linguagem e expressividade decorrentes. recreativo.  Conhecimento apreciação e vivência de algumas das diferentes manifestações da cultura corporal. aplicando-as com discernimento em situações – problemas que surjam no cotidiano. prescindindo da figura do árbitro. Reconhecimento das diferenças de desempenho. sem discriminar por características pessoais. Observação: Os temas Transversais deverão ser inseridos no decorrer dos quatro bimestres de acordo com a realidade escolar e as urgências detectadas além de outros temas importantes a serem trabalhados em sala de aula:  Ética.  Conhecimento dos diferentes contextos: amador.distúrbios e doenças crônico/degenerativas e sua relação com o esporte e a atividade física. sexuais ou culturais.  Pluralidade cultural. bem como a de sues colegas. físicas. sexuais e sociais. buscando encaminhar os conflitos de forma não violenta.  Trabalho e consumismo. 124 . desenhos coreográficos. escolar e profissional. adotando uma postura despojada de preconceitos e discriminações por razões sociais. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Participação em atividades de natureza relacional. identificando e evitando o caráter excessivamente competitivo em quaisquer destes contextos. dignidade e solidariedade na prática dos jogos.os perigos da obesidade e sedentarismo. lutas e dos esportes. reconhecendo e respeitando suas características físicas e de desempenho motor. A cultura afro-brasileira deverá ser inserida nos quatro bimestres abordando a questão do corpo e a participação dos negros no esporte. sexuais ou sócias. inclusive dessas mesmas diferenças culturais. . A apropriação das situações relacionais.

Aprofundamento das noções conceituais de esforço. armar oportunidades de ataque e partir de uma situação de ataque para uma de defesa. intensidade e freqüência por meio do planejamento e sistematização de suas práticas corporais. lutas e  Jogos que na sua execução permitam ginástica.  Conhecimento organização e interferência do espaço de forma autônoma. valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. Análise. despertando para o senso crítico e relacionando-os com as práticas da cultura corporal de movimento. à área do gol). criar estratégias de defesa (ao gol. em busca de uma melhor qualidade de vida. EDUCAÇÃO FÍSICA 9° ANO TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Jogo. esportes. envolvendo os fundamentos 125 . compreensão e manipulação dos elementos que compõem as regras como instrumentos de criação e transformação. bem como reivindicações dos locais adequados para promoção de atividades corporais e de lazer. favorecendo a inclusão dos praticantes.  Análise de alguns dos padrões de beleza. Aprofundamento no conhecimento dos limites e das possibilidades do próprio corpo de forma a poder controlar algumas de suas posturas e atividades corporais com autonomia e valorizá-las como recurso para a melhoria de suas aptidões físicas. bem como ter a capacidade de alterar ou interferir nas regras convencionais com o intuito de torná-las mais adequadas ao momento do grupo. saúde e desempenho presentes no cotidiano e compreensão de sua inserção no contexto sociocultural em que são produzidos. Busca de informações para seu aprofundamento teórico de forma a construir e adaptar alguns sistemas de melhoria de sua aptidão física.  Organização e prática de atividades corporais. à cesta. reconhecendo-as como uma necessidade do ser humano e um direito do cidadão.

 Sistema de defesa. estética.) .  Vivência às diferentes formas de ginásticas (aeróbica.compreensão das transformações das regras e sua relação com o desenvolvimento do nível técnico.utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo. padrões de beleza.  Sistema de ataque. 126 .análise e discussão sobre os modismos e valores lançados pelas academias de ginástica (vestuário. etc.respeito ao seu limite corporal . com aparelhos): .elaboração de projetos individuais e coletivos de prática/exibição de ginástica na escola e/ou comunidade.  Compreensão.conhecimento de sua importância para manutenção da saúde. dos esportes institucionalizados: HANDEBOL  Arremessar com progressão.  Alongamento e relaxamento. Conhecimento sobre o corpo  Utilização de algumas relações das funções orgânicas (freqüências cardíacas e respiratórias como indicadores da intensidade e do esforço). . . discussão e construção de regras aplicadas aos jogos e esportes: . do espaço e dos materiais disponíveis.

capacidades físicas necessárias na execução dos gestos esportivos.  Tomando as damas. lutas e VOLEI ginástica.utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo.  Saque. do espaço e dos materiais disponíveis. 127 .  Sistema de ataque.  Organização de campeonatos e/ou gincanas. DAMAS  Combinações com damas. expressivas  Atividade física x saúde.principais regras estratégicas.  Tomando pela maioria. Segundo Jogo.  Toque.  Reconhecimento e apropriação dos princípios básicos para construção de desenhos coreográficos.  Observação de uma competição oficial analisando: .influência da mídia nas alterações das regras.  Bloqueio. Atividades rítmicas e  Alimentação x Alimentação. .  Escolha múltipla.  Cortada.  Lei da maioria.  Lance livre – o ganho de tempo.  Higiene.  Manchete. . esportes. .

 Alongamento e relaxamento.contração muscular: tensão e relaxamento. 128 .  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola.  Passe/bandeja/corta-luz.: bozó.esquerda.circulação cardiovascular: freqüência corpo cardíaca.  Marcação individual. .  Passes de diferentes distâncias  Bandeja . lutas e BASQUETE ginástica.  Intensificação das funções orgânicas relacionadas com a atividade motora: . Ex. . etc. regionais e manifestação cultural: . .compreensão do contexto sociocultural de onde se desenvolvem. peteca. vareta.vivência dos movimentos. utilização de algumas relações (freqüências cardíaca e respiratória) como indicadores da intensidade e do esforço. captação de oxigênio: freqüência respiratória.direita.  Danças folclóricas. Terceiro Jogo. expressivas . esportes.  Drible/arremesso. Conhecimento sobre o .apresentação. Atividades rítmicas e .

 Organização de campeonato e/ou gincanas. do espaço e dos materiais disponíveis.  Análise de uma competição oficial. etc. .  Arremessos. discussão e construção de regras aplicadas aos jogos e esportes: .utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo. XADREZ  Princípios gerais do jogo: .compreensão das transformações das regras e sua relação com o desenvolvimento do nível técnico.  Anotação da partida.no meio do jogo.  Atividades alternativas que possam ser desenvolvidas conforme a disponibilidade de material e local existente na escola. 129 . .a relação patrocinador e o esporte (influência e controle). . peteca.conhecimento (origem e histórico). . identificando: .  Jogos Para-olímpicos: .utilização e adaptação das regras ao nível da capacitação do grupo.  Compreensão.na abertura.:.no final. vareta. . Ex.frente. do espaço e dos materiais disponíveis.

Conhecimento sobre o  O dopping no esporte (pesquisa.  Utilização e adaptação das regras ao nível da capacidade do grupo.  Percepção do “efeito” imposto pela raquete. do espaço e dos materiais disponíveis. corpo análise e discussão). Observação: Os temas Transversais deverão ser inseridos no decorrer dos quatro bimestres de acordo com a realidade escolar e as urgências detectadas além de outros temas importantes a serem trabalhados em sala de aula: 130 . Jogo. ginástica.  Alongamentos: Conhecimento sobre o .  Elaboração de programas de condicionamento físico para manutenção e desenvolvimento das Atividades rítmicas e capacidades físicas. lutas e . Atividades rítmicas e  Construção de coreografias a partir de expressivas temas relacionados à realidade social.Reconhecimento dos principais grupos corpo musculares e articulares relacionados com os movimentos. esportes. expressivas  Construção de coreografias a partir de tema afro-brasileiro. TÊNIS DE MESA  Utilização de diversas formas de recepção.  História da inclusão e exclusão do negro nos esportes em determinados momentos históricos.  Ataque e defesa.

A cultura afro-brasileira deverá ser inserida nos quatro bimestres abordando a questão do corpo e a participação dos negros no esporte. Aprofundamento das noções conceituais de esforço. inclusive dessas mesmas diferenças culturais. recreativo.  Pluralidade cultural. .  Aprofundamento no conhecimento dos limites e das possibilidades do próprio corpo de forma a poder controlar algumas de suas posturas e atividades corporais com autonomia e valorizá-las como recurso para a melhoria de suas aptidões físicas.  Trabalho e consumismo.  Adoção de atitudes de respeito mútuo. Relacionamento da diversidade de manifestações da cultura corporal de seu ambiente e de outros com o contexto em que são produzidas e valorizadas. prescindindo da figura do árbitro.os perigos da obesidade e sedentarismo. A apropriação das situações relacionais.distúrbios e doenças crônico/degenerativas e sua relação com o esporte e a atividade física. bem como a de sues colegas. buscando encaminhar os conflitos de forma não violenta. sexuais e sociais. sexuais ou culturais. dignidade e solidariedade na prática dos jogos. linguagem e expressividade decorrentes. Ética. escolar e profissional. aplicando-as com discernimento em situações – problemas que surjam no cotidiano. intensidade e freqüência por meio do planejamento e sistematização de suas práticas corporais. adotando uma postura despojada de preconceitos e discriminações por razões sociais. Busca de 131 . identificando e evitando o caráter excessivamente competitivo em quaisquer destes contextos. sem discriminar por características pessoais. pelo diálogo. lutas e dos esportes. reconhecendo e respeitando suas características físicas e de desempenho motor. sexuais ou sócias.  Conhecimento dos diferentes contextos: amador. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Participação em atividades de natureza relacional. Reconhecimento das diferenças de desempenho. físicas.  Conhecimento apreciação e vivência de algumas das diferentes manifestações da cultura corporal.  Saúde: .

MEC/SEF. Editora Cortez. São Paulo. Análise. 132 . Brasília. saúde e desempenho presentes no cotidiano e compreensão de sua inserção no contexto sociocultural em que são produzidos.  Organização e prática de atividades corporais. 1997. Metodologia de Ensino de Educação Física. 1997. BIBLIOGRAFIA BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. bem como ter a capacidade de alterar ou interferir nas regras convencionais com o intuito de torná-las mais adequadas ao momento do grupo. reconhecendo-as como uma necessidade do ser humano e um direito do cidadão. em busca de uma melhor qualidade de vida. despertando para o senso crítico e relacionando-os com as praticas da cultura corporal de movimento.ª ed.  Conhecimento organização e interferência do espaço de forma autônoma. Ministério da Educação e do Desporto. COLETIVO DE AUTORES.  Análise de alguns dos padrões de beleza. Parâmetros Curriculares Nacionais: educação física: ensino de quinta à oitava série. 1996. favorecendo a inclusão dos praticantes. MEC/SEF. Brasília. compreensão e manipulação dos elementos que compõem as regras como instrumentos de criação e transformação. Parâmetros Curriculares Nacionais: educação física: ensino de primeira à quarta série. valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível. 3. informações para seu aprofundamento teórico de forma a construir e adaptar alguns sistemas de melhoria de sua aptidão física. bem como reivindicações dos locais adequados para promoção de atividades corporais e de lazer. Secretaria de Educação Fundamental. ______ Ministério da Educação e do Desporto.

Rio de Janeiro. ARTES VISÃO DE ÁREA 133 . Xadrez: cartilha. 1989. Rio de Janeiro. S. Ao Livro Técnico. 1985. A. A.. A. Gerhard e SCHALLER. 1981.O. J. C. 1998.M. J. OLIVEIRA.Z. TRINDADE. DURRWACHTER. Lisolott. Ao LivroTécnico. Grandes Jogos. Didática de Educação física: a criança em movimento – jogo. Desenvolvimento motor das criança. TAFFAREL..Scipione. B. FLINCHUM.B.J.N. Rio de Janeiro.Metodologia e Prática.A. SÁ. Criatividade nas aulas de Educação Física. prazer e transformação. GALLARDO. FREIRE. Educação de Corpo Inteiro. DIETRICH. M.. 1984. Interamericana. B.S. Ao Livro Técnico. LIMA FILHO. São Paulo. 1993. São Paulo.S. Knut. 1981. FTD. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto. Hans-Jurgen.A. ARAVENGA. Rio de Janeiro. C..H.P.DIEM. Brincadeiras e Esporte no Jardim de Infância.V.B.

técnicas. nacional e internacional. exploração e experimentação das possibilidades de cada linguagem artísticas. modelos de articulação formal. registrar seu conhecimento. respeitando e podendo observar as produções no entorno. sua maneira de ver o mundo. identificação da arte como fato histórico. PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais”. A arte é uma manifestação particularmente humana. para deixar o registro da história para seus descendentes. O processo criador do aluno pode vir à tona independentemente da previsão. viver emoções.O homem necessita de alguma forma. construir. acesso à cultura regional. suas emoções. a arte também abre perspectiva para que o homem tenha. acordos. produção de artes e respeito a produções dos colegas. A capacidade de criar. inventar. buscando um mundo melhor dentro de uma visão crítica e mutante. se a arte começar a fazer parte do seu universo. A escola também é incumbida de preservar a autonomia do aluno favorecendo o seu contato sistemático com os conteúdos: arte como comunicação. liberdade para criar e registrar sua visão de mundo e tentar mudar sua realidade. transformar o mundo criando nas formas de expressão formas perceptíveis de sensibilidade e criatividade é exclusivamente humana. portanto ser flexível é fundamental. A arte também ensina que a experiência gera movimento de transformação permanente que é preciso reordenar referências a cada momento. gostar da arte. acesso às formas artísticas. ele será incentivado a consumir arte. valorização das manifestações artísticas de outros 134 . “A aprendizagem em arte acompanha o processo de desenvolvimento geral do aluno que observa sua participação nas atividades do cotidiano social e estão nas regularidades. como teve o homem das cavernas”. mas se esse aluno é estimulado. construções e leis que reconhece na dinâmica social e da comunidade à qual pertence. materiais e procedimentos na criação em artes. com as mudanças de paradigmas. “Nos tempos atuais. perceber que a arte está no seu entorno e é necessária para que ele extravase seus sentimentos. E foi registrando através do desenho e da pintura que passou todas essas informações para outras gerações e essas tiveram acesso à história de seus antepassados. pelo fato de se perceber como parte constitutiva desta.

E para que isso aconteça a escola deve viabilizar o acesso do aluno ao estudo. incluindo a arte contemporânea e a arte brasileira. dos outros. ajudando a reorganizar e reconstruir novas idéias. rir de si mesmo. Quanto à avaliação. social e antropológica. é contribuir para o processo de formação do homem não como ser isolado. histórica. AS LINGUAGENS ARTÍSTICAS TEATRO O teatro tem grande importância no conjunto de recurso e elementos que favorecem o crescimento do indivíduo sendo uma arte coletiva onde a matéria é o corpo (presença psicofísica do ser humano). poderá ser feita dentro da própria situação de aprendizagem. traz um arsenal de elementos dentro do aspecto intelectual e criativo.povos e culturas de diferentes épocas e locais. improvisar com os elementos da linguagem teatral. trabalhar do ponto de vista de situações conflitantes. conforme os diversos níveis dos alunos é auxiliá-los na construção da identidade cultural. na sua consciência crítica. estéticas. pesquisar e 135 . A avaliação pode se dar também ao término de um conjunto de atividades que está dentro de uma unidade didática para analisar como a aprendizagem aconteceu (avaliação processual). pode-se avaliar também com o intuito de diagnosticar o nível de conhecimento artístico e estético dos alunos (portanto deverá ser feita antes de uma atividade). mas concebido como ser histórico e social. Experimentar. buscar soluções imaginárias: eis a essência do TEATRO! Utilizá-lo desde as primeiras séries do ensino fundamental. produção e fruição. no momento em que o professor observa como o aluno interage com os conteúdos e transforma seus conhecimentos. É necessário. “compreender o teatro em suas dimensões artísticas. estabelecendo relações entre o indivíduo e o coletivo.

Assim. dos trabalhos de colegas e de profissionais de teatro. ela é um tal fazer que. compromisso e reciprocidade com o próprio trabalho e com o trabalho de colegas na atividade teatral na escola.otimizar recursos materiais disponíveis na própria escola e na comunidade para a atividade teatral e linguagem teatral. a tradição dos estilos e a presença dessa tradição na produção teatral contemporânea. interagir com variedades de materiais. enquanto faz. ARTES VISUAIS “A Arte é também invenção.. etc. mobilizando e despertando dentro dele possibilidades de crescimento pessoal. conhecer e distinguir diferentes momentos da história do teatro. criando e inventando formas que entenderão melhor as manifestações artísticas visuais.. sensações por meio da articulação de poéticas pessoais. Essa sensibilização parte dos primeiros contatos com o fazer artístico que deve estar ligado ao apreciar e conhecer a arte. inventa o por fazer e o modo de fazer” (Lugi Pareyson). Fazendo. todo fazer artístico revela uma leitura particular de mundo. As artes visuais podem ajudar a “Expressar. Os conceitos em arte poderão ser construídos pelos alunos se forem explorados nas próprias produções. (PCN) 136 . dentro do universo cultural. os aspectos estéticos predominantes. reconhecer diversas técnicas. olhar e observar poderá auxiliar no domínio da decodificação visual do cotidiano. conseqüentemente poderão compreendê-las dentro do seu universo cultural. identificar a diversidade e inter-relações de elementos da linguagem visual.visitas a museus. emoções. Empregar vocabulário apropriado para a apreciação e caracterização dos próprios trabalhos. Se as atividades de leitura visual forem trabalhadas com o objetivo de exercitar e analisar os modos de ver. representar idéias. na obras artísticas que lhe forem apresentadas em sala: livros. que se encontram em múltiplas realidades. estabelecer relação de respeito. perceber e analisá-los criticamente desenvolvendo trabalhos individuais e grupais”. O professor tem a possibilidade de explorar o universo criativo do aluno. reconhecer a prática do teatro como tarefa coletiva de desenvolvimento da solidariedade social” (PCN).

suas vivências e o meio ambiente. É preciso estimular no aluno sensibilidade para ouvir. expressão. livros etc. por meio da dança. aprender bastante para poder mostrar e experimentar novas formas de expressão que não são possíveis por meio de palavras”. “Os alunos podem.. dança e sociedade. ver e apreciar música de vários gêneros. dando importância à questão da auto-estima. reforçar seus laços de amizade. comunicação.” (PCN). relacionados às suas próprias experiências pessoais como criadores. 137 . O corpo somos nós e nós somos o corpo. A dança possibilita “aos alunos a construção de uma relação de cooperação. intérpretes e apreciadores de dança. criar danças que fazem sentidos para eles. Também podem desafiar o corpo físico. emoção. aperfeiçoar a capacidade de discriminação verbal. o corpo é conhecimento. Tudo vai depender de como o professor irá direcionar as aulas. registrar e documentar informações sobre dança em contato com artistas. situar e compreender as relações entre o corpo. que ocorre em sala de aula e na sociedade. DANÇA No dia-a-dia. visual e sinestésica e o preparo corporal adequado em relação às danças criadas. o corpo e o movimento estão sempre presentes. diálogo e valorização das diversas escolhas. tendo em vista os alunos. interpretadas e assistidas. principalmente no que diz respeito ao diálogo entre a tradição e a sociedade contemporânea. MÚSICA A Educação Musical deve partir por caminhos que considera o conhecimento e experiências que o aluno traz do seu cotidiano. É importante que o corpo não seja tratado simplesmente como “instrumento” ou veículo da dança. trabalhar e conhecer o grupo. assim como conhecer a si próprios de outra maneira. Portanto o corpo é a nossa dança e a dança é o nosso corpo. documentos. possibilidades de interpretação e de criação em dança. respeito. buscar e saber organizar.

trabalho em equipe e com respeito mútuo. . improvisar. valorizar as diversas culturas musicais. interpretar e apreciar músicas do próprio meio sócio cultural e as nacionais e internacionais que fazem parte do patrimônio da humanidade. especialmente as brasileiras.História da Arte: . compor e interpretar sons de diversas naturezas e procedências desenvolvendo autoconfiança.Luz e sombra.Cores primárias e secundárias. interpretar e apreciar. .Apreciação de obras greco-romanas (afrescos. .Cores quentes.Da Pré-história a Idade Média . arquitetura gótica) . bem como com mercado cultural (indústrias de produção. . tempo/espaço). pesquisar. senso estético e crítico. procurar participar nem que seja somente como ouvinte em eventos musicais. as veiculadas pela mídia e as que são produzidas individualmente e/ou por grupos musicais da localidade e região.Audição de músicas brasileiras de 138 . explorar. desenvolver a memória musical. refletir os vários aspectos das relações comunicacionais dos alunos com a música produzida pelos tecnológicos contemporâneos (que trazem novos paradigmas receptivos e novas relações.Patrimônio Histórico e Artístico. frias e neutras.O homem e sua relação com as artes com as artes plásticas plásticas. compor. distribuição e formas de consumo). tímbrico nos processos de improvisar. Segundo Qualidades sonoras na . refletindo suas respectivas estéticas e valores. estabelecendo relações entre a música produzida na escola.” (PCN) ARTES 6° ANO TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro O homem e sua relação . adotar atitudes de respeito à variedade de manifestações musicais. harmônico.Os alunos podem por meio da música: “alcançar progressivo desenvolvimento musical melódico. esculturas.

temas do folclore regional e nacional.Organizar ações dramáticas partindo de histórias e lendas brasileiras. realizando reflexões sobre as respectivas estéticas.Formas Geométricas: . . . .Músicas folclóricas . considerações e análise sobre a influência que hoje se estabelece entre elas e as músicas internacionais.Compreensão do teatro como atividade escola que favorece a identificação com outras realidades socioculturais. etnia e minorias.Criação de fantoches dos personagens do folclore brasileiro para encenação das lendas .A contribuição de Monteiro Lobato . . INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM: 139 .Tangram .xilogravura Terceiro Ação dramática na .Criação de Paródias . .Colagem Cômica Obs.: Relacionar as expressões artísticas à diversidade étnico-racial.Gilvan Samico .Interpretação de músicas existentes vivenciando um processo de expressão individual ou grupal. . realidade várias vertentes.Discutir e criticar a discriminação de gênero.Confecção de mosaico .Seleção e organização de movimentos para a criação de pequenas coreografias.

 Interação com materiais, instrumentos e procedimentos variados em artes (artes
visuais, música, teatro), experimentando-os e conhecendo-os de modo a utilizá-
los nos trabalhos pessoais;
 Construção de uma relação de autoconfiança na produção artística pessoal e
conhecimento estético, respeitando a própria produção e a dos colegas o
percurso de criação que abriga uma multiplicidade de procedimentos e soluções;
 Identificação, relacionamento e compreensão das diferentes funções da arte, do
trabalho e da produção dos artistas;
 Articulação de percepção, imaginação, emoção, investigação, sensibilidade e
reflexão ao realizar e fruir produções artísticas;
 Desenvolvendo trabalhos individuais e grupais, expressando idéias, emoções e
sensações;
 Construção, expressão e comunicação em artes plásticas e visuais, articulação da
percepção, imaginação, memória da sensibilidade e reflexão;
 Adoção de atitudes de respeito diante do número variado de manifestações
musicais e análise das interpretações que se dão entre elas, refletindo suas
estéticas e valores.

ARTES
7° ANO
TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS
Primeiro O homem e sua relação - Características Musicais:
com as artes plásticas - Carnaval (marchinhas)
- Patrimônio Artístico:
- Histórico- cultural (inventário cultural do
município)
- História da Arte:
- Renascimento, Barroco, Neoclássico,
Realismo e Aleijadinho.
- Caravaggio, Velásquez e Aleijadinho
- Patrimônio Histórico Mundial

140

Segundo Música e sua - Formação de habilidades específicas para
contribuição para a a escuta e o fazer musical:
formação do homem - Improvisando e Interpretando.
- Características musicais.
- Elementos do som.
- O Samba
- Elemento de linguagem:
- Cor – cores primárias e secundárias.
- Oficina de painéis de tecidos – minha terra
tem...ilustrando o cotidiano.

Terceiro A dança em nossa vida - Dimensões histórico-sociais e culturais da
dança e seus aspectos estéticos.
- Aperfeiçoamento e compreensão dos
elementos do movimento, partes do corpo,
dinâmicas do movimento uso do espaço e das
ações.
- A Dança e os Povos:
- Da capoeira ao frevo.
- Danças Regionais.
- Seleção de gestos e movimentos observados
em dança, imitando, recriando, podendo
chegar à improvisação e criação de uma
seqüência de movimentos.

Obs.: Relacionar as expressões artísticas à diversidade étnico-racial.

INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:
 Conhecimento de artistas brasileiros (vida, obra e período);

141

 Interação com materiais, instrumentos e procedimentos variados em artes (artes
visuais, dança, música.), experimentando-os e conhecendo-os de modo a utilizá-
los nos trabalhos pessoais;
 Construção de uma relação de autoconfiança na produção artística pessoal e
conhecimento estético, respeitando a própria produção e a dos colegas o
percurso de criação que abriga uma multiplicidade de procedimentos e soluções;
 Identificação, relacionamento e compreensão das diferentes funções da arte, do
trabalho e da produção dos artistas;
 Compreensão da arte como fato histórico, observando as produções presentes no
entorno, como também do patrimônio cultural e do universo natural, percebendo
as diferenças de padrões estéticos;
 Articulação de percepção, imaginação, emoção, investigação, sensibilidade e
reflexão ao realizar e fruir produções artísticas;
 Construção, expressão e comunicação em artes plásticas e visuais, articulação da
percepção, imaginação, memória da sensibilidade e reflexão;
 Conhecimento da capacidade de discriminação verbal, visual e sinestésica e de
expressão corporal adequada em relação às danças criadas, interpretadas e
assistidas;
 Conhecendo, apreciando e adotando atitudes de respeito diante da variedade de
manifestações musicais e analisando as interpretações que se dão
contemporaneamente ente elas, refletindo sobre suas respectivas estéticas e
valores;
 Compreensão dos papeis sociais em relação aos gêneros (masculino e feminino)
e contextos específicos como etnias, diferenças culturais, de costumes e crenças.

ARTES
8° ANO
TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS

142

programas e outros. Bossa Nova e Os reflexos sociais da vanguarda) Papel da música na nossa . estruturas dramatúrgicas/peça. como cartazes.Modernismo no Brasil – Semana de arte 22 . . Terceiro Teatro na vida e na . cenário (definido pela organização de objetos de cena ou ainda pelo jogo de cena dos atuantes).Tarsila do Amaral.Maria Clara Machado .Releitura através de tela-viva. Segundo A dança como expressão . direto/sinuoso.Identificar e reconhecer a história do teatro história brasileiro em diferentes épocas: . rápido/lento. Tropicalismo. atores/personagens. .Criação de movimentos em duplas ou grupos opondo qualidades de movimentos (leve/pesado. . Candido Portinari. Os festivais.Nelson Rodrigues .Arte Moderna: sociedade . roteiro/enredo.Identificação e aprofundamento dos elementos essenciais pra a construção de uma cena teatral: atuantes/papéis. alto/baixo) .Jean Francesco Guarnieri .Edgar Degas. pesquisa e criação dos meios de divulgação do espetáculo teatral. Di Cavalcanti.Papel da música na nossa sociedade (A era do com as artes plásticas rádio. faixas. 143 .Primeiro O homem e sua relação .Miguel Falabella .Reflexão e ação sobre o papel do corpo na e reflexão dança e suas diversas manifestações artísticas.Artistas e Obras .Experimentação.

dos aspectos estéticos predominantes.  Compreensão da arte como fato histórico. respeitando a própria produção e a dos colegas o percurso de criação que abriga uma multiplicidade de procedimentos e soluções.  Discussão e reflexão sobre as preferências musicais e influências do contexto sociocultural. do trabalho e d produção dos artistas. a emoção.  Construção de uma relação de autoconfiança na produção artística pessoal e conhecimento estético. sensibilidade e reflexão ao realizar e fruir produções artísticas. 144 . INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Expressando e sabendo comunicar-se em artes. a sensibilidade e a reflexão ao realizar e fruir produções artísticas. instrumentos e procedimentos variados em artes (artes visuais.  Conhecimento da capacidade de discriminação verbal. da tradição dos estilos e da presença dessa tradição na produção contemporânea.  Identificação. música.: Relacionar as expressões artísticas à diversidade étnico-racial.  Articulação de percepção. emoções e comunicação em artes visuais articulação da percepção. relacionamento e compreensão das diferentes funções da arte. imaginação.  Interação com materiais. percebendo as diferenças de padrões estéticos. observando as produções presentes no entorno. sensibilidade e reflexão. dança. e memória.  Conhecimento e discernimento de diferentes momentos da história do teatro. a imaginação. articulando a percepção. interpretadas e assistidas. investigação.  Conhecimento de artistas brasileiros (vida.  Representação de idéias. visual e cinestésica e de expressão corporal adequada em relação às danças criadas. conhecendo usos e funções da música em épocas distintas e as participações diferenciadas de gêneros. teatro).Obs. como também do patrimônio cultural e do universo natural. mantendo uma busca pessoal e/ou coletiva. emoção. obra e período). experimentando-os e conhecendo-os de modo a utilizá-los nos trabalhos pessoais. minorias e etnias. imaginação.

Van Gogh .Arte Contemporânea e suas com as artes plásticas manifestações artísticas: . esculturas. 145 . histórias. descobertas guiadas.Mozart . . etc. poesia.Arte conceitual: . sons e silêncio. objeto. vida .Seleção de trilha sonora para enredo.Roy Lichtenstein . intervenção e video-arte. .Experimentação. improvisação e arranjos. investigação e utilização de diferentes estímulos para improvisações (instruções diretas.A música clássica história . Segundo A música em nossa . objetos cênicos).Pontos de vista: .O caleidoscópio da arte. quadros. A dança e seu papel na . elementos de movimento. . jogos.Importância para a sociedade.) e para composição coreográfica (notícia de jornal.Um ponto de vista e/ou vários pontos de vista.Apreciação e releitura. .Qualidades plásticas da forma e do espaço. instalação. ARTES 9° ANO TRIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro O homem e sua relação .A Música.Performance.George Seurat – O pontilhismo . respostas selecionadas.

: Relacionar as expressões artísticas à diversidade étnico-racial.Construindo um taumatrópio. percebendo as diferenças de padrões estéticos.  Compreensão da arte como fato histórico. a imaginação.Identificar e reconhecer a história do cinema mundial e brasileiro em diferentes épocas: .Glauber Rocha . observando as produções presentes no entorno. investigação. . obra e período). experimentando-os e conhecendo-os de modo a utilizá-los nos trabalhos pessoais. teatro). relacionamento e compreensão das diferentes funções da arte. mantendo uma busca pessoal e/ou coletiva. dança. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Expressando e sabendo comunicar-se em artes. a sensibilidade e a reflexão ao realizar e fruir produções artísticas.Bertolt Brecht . do trabalho e produção dos artistas. a emoção. 146 . música. emoção.  Identificação.  Articulação de percepção.Deborah Colker Terceiro Ação dramática .  Construção de uma relação de autoconfiança na produção artística pessoal e conhecimento estético. . respeitando a própria produção e a dos colegas o percurso de criação que abriga uma multiplicidade de procedimentos e soluções.  Conhecimento de artistas brasileiros e estrangeiros (vida. articulando a percepção. instrumentos e procedimentos variados em artes (artes visuais.  Interação com materiais. sensibilidade e reflexão ao realizar e fruir produções artísticas. como também do patrimônio cultural e do universo natural.Animação – confecção de um flip-book .Efeitos especiais – Alfred Joseph Hitchcock Obs. imaginação.

A necessidade da arte. 1991-1995. interpretadas e assistidas.  Conhecendo. apreciando. Rio de Janeiro. 2006. com procedimentos de pesquisa experimentando e comunicando entre si. Trad. Leandro Konder. Brasília. os aspectos estéticos predominantes. Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-raciais.  Conhecendo e distinguindo diferentes momentos da história do teatro. BRASIL. MEC/SEF. Secretaria de Educação – Superintendência de Educação – Departamento de Ensino de 1º Grau. MEC/SEF. Educação para Crescer. Zahar. 1ª a 8ª séries. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais.  Conhecimento da capacidade de discriminação verbal. 1998.  Reconhecendo. Porto Alegre.SECAD. Currículo Básico para a Escola Pública. Secretaria de Educação Fundamental. 1979. Ernst. diferenciando e sabendo utilizar com propriedades diversas técnicas de arte. refletindo sobre suas respectivas estéticas e valores. à tradição dos estilos e da presença dessa tradição na produção teatral contemporânea. visual e sinestésica e de expressão corporal adequada em relação às danças criadas. Arte. FISCHER. BIBLIOGRAFIA PARANÁ (Estado). Alfabetização e Diversidade . FUNDAÇÃO LOWTONS DE EDUCAÇÃO E CULTURA. Secretaria de Educação Continuada. Proposta Pedagógica. adotando atitudes de respeito diante da variedade de manifestações que se dão contemporaneamente. RIO GRANDE DO SUL (Estado). 147 . Brasília. Curitiba.

1984. A religião desperta emoções e sentimentos. com a sociedade. 148 . Ática. G. Perspectiva. industrial. com a natureza. Teatro na sala de aula. tentou compreender o mundo. diante da complexidade tecnológica. a sua origem. São Paulo. urbana.REVERBEL. atualizada através de legislações específicas. 1990. em toda sua história. História da Arte. da secularização. ENSINO RELIGIOSO VISÃO DE ÁREA O ser humano. O. O sagrado não se dirige ao intelecto. mas ao coração do homem. na busca de sobreviver e dar significação para sua existência ao longo da história. surge o seguinte desafio: Quem sou? De onde vim? Para onde vou? O homem. sua finitude. um olhar que revela essa relação e a compreensão de todo processo (acolhido ou rejeitado). PRENÇA. Através desses elementos a experiência religiosa desenvolve nos indivíduos e nas comunidades. São Paulo. A institucionalização é manifestada através do poder que estabelece autoridades detentoras do saber. estas transmitem o conhecimento em forma de doutrina. através da religião. do racionalismo. Na tentativa de superar sua limitação. desenvolver as mais variadas formas de relacionamento consigo próprio.

contribuindo na formação do cidadão. sustentar. na escola. a culturas e tradições religiosas:  Povos indígenas – concepções diferenciadas sobre a vida e a morte. orientar e adequar a intervenção pedagógica. posteriormente. a partir o substrato religioso presente nas culturas. mas por que e para que. da Lei 9. conforme a nova redação do artigo 33. portanto.Toda a discussão relacionada ao fenômeno religioso ocorre na sociedade que é pluralista. O Ensino Religioso. o professor. Conforme a cultura e a postura que os participantes de cada tradição religiosa assumem em relação a sua opção em relação a outras tradições acontece o proselitismo que não é a proposta do Ensino Religioso. Culturas de tradições religiosas estão intimamente relacionadas e marcam o estabelecimento do cotidiano das comunidades. com o método: Observar – Refletir – Informar. No Ensino Religioso atual. (Ela é compreendida. assim. na Lei 4.692/71.  Cristianismo – catolicismo e. de toda a experiência a partir do pessoal até a sua institucionalização.  Grupos de origem negra – tradições através de seus Orixás organizaram o candomblé.475/97. No Brasil. era entendido com transformação da sociedade e. portanto assume uma perspectiva polêmica. portanto como um conjunto de atuação. fará uma releitura do fenômeno religioso. operacionalizado no método: VER – JULGAR – AGIR. exige conteúdos específicos e novos pressupostos de avaliação. dessa forma. na Lei 9394/96 exige-se uma competência profissional docente. na Lei 5. A religião interfere e interage nesse universo cultural. depois a umbanda. Esta disciplina na escola pretende decodificar esse fenômeno de forma sistemática. com os conteúdos retirados da vivência dos discentes. acentuava o repasse dos conteúdos. com a função de alimentar. Por esse motivo os Parâmetros não pretendem responder o que é. 149 . nos Parâmetros Curriculares Nacionais surge algo novo: a avaliação como elemento integrador entre a aprendizagem do educando e a atuação do educador na construção do conhecimento. portanto com tratamento diferenciado das propostas anteriores. na raiz de toda a criação cultural esta a Transcendência.024/61. Assim. A forma como vemos o mundo é a que favorece a forma que lidamos com este mesmo mundo. as Igrejas Evangélicas. verificando o grau de aprendizagem que foi atingido pelo educando).

O Ensino religioso tem como referencial a capacidade de perceber as diferenças das tradições religiosas. . .Dia internacional da mulher – 08 de março. . digo e faço (IMORAL ou LEGAL?) . Trabalho . surgindo o diálogo. ENSINO RELIGIOSO 6° e 7° ANO BIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Ética e Conhecimento . .Páscoa.Conhecendo e respeitando o outro (diferenças. .O desemprego e suas conseqüências.O trabalho e a desigualdade social. 150 .Por que e para quê estudar? . .O cooperativismo dentro das relações pessoais.O que eu sei? .O conhecimento é importante para a minha vida/ .Dia das Mães.Solidariedade. na convergência dar-se-á a construção e a reconstrução do conhecimento do fenômeno religioso.O que eu preciso saber? .Como trabalhavam nossos antepassados? . idéias. atitudes). .O que eu penso.A capacidade para o trabalho.

151 .Meio ambiente.  Reconhecimento do valor da socialização entre os seres humanos.Cultura e política. INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Aprendendo o respeito às diferenças.Contra-cultura. respeito. Terceiro Ciência . .  Destacar a importância do homem e mulher conviverem como companheiros de igual dignidade.Democracia.Ethos/valores e limites.Ciência e ética. Segundo . ENSINO RELIGIOSO 8° e 9° ANO BIMESTRES EIXOS TEMÁTICOS NOÇÕES E CONCEITOS Primeiro Ética e Conhecimento -“Conhece-te a ti mesmo”: auto-imagem. independente da sua cultura.Culturas e Tradições Religiosas (mito/rito) . cumprimento dos deveres e exigência por seus direitos. Tradições orais . .  Apropriar-se de conceitos como: igualdade.O ser político. solidariedade. cooperação.História das narrativas sagradas . Cultura e Política .  Descobrir a relação de interdependência entre os seres humanos e os outros seres da Natureza. . .Pátria e patriotismo.O que é ciência? Escrituras sagradas e .O que é cultura? .Teologias: divindades .

Meio ambiente.Cuidando dos bens privados e públicos. . . reproduzir e morrer: o ciclo da vida). . discriminação). . Segundo Política e Trabalho . ao descanso e ao lazer.O sentido da religião para o ser humano . .Política. . .Solidariedade e interdependência: precisamos uns dos outros. .Contradições e negação da vida: hábitos e vícios (drogas. .Principais religiões do mundo 152 .O exercício da cidadania: o direito e dever de todos. crescer. Terceiro Fenômeno religioso .Os amigos na adolescência liderança e amizade. . gravidez e contracepção.O sentido da vida: um projeto em construção (nascer.Autoconhecimento: um processo.Sujeito histórico.O que é religião .Pátria e patriotismo. aborto. . . .Namoro.Dia das Mães. .Dia Internacional da Mulher – 08 de março. autoconceito e auto-estima.Páscoa. .O direito ao trabalho.

MELLO. São Paulo. refletindo sobre a liberdade e identificando meios para fazer opções saudáveis.  Identificar o namoro como uma relação de compromisso com o outro. 1997. ed.Escola Vocacional Masrour. posicionando-se em defesa da vida. analisando as influências externas. da Comunidade Baha’i de Manaus .  Analisar questões ambientais emergentes e da bioética. Cadernos Pedagógicos (1 a 8 – tema gerador) subsídios de 1ª a 8ª séries.INDICADOR DE DESEMPENHO E APRENDIZAGEM:  Respeitar as diferentes tradições religiosas (oral e escrita) das diversas culturas. BASIL.  Perceber-se como sujeito histórico consciente de sua própria identidade. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Religioso.  Valorização da cultura da vida. 1998.  Descoberta do valor de sua própria vida e da vida de seu semelhante. Maria de Lourdes Trujillo. 153 . Projeto para Ensino Religioso para Escolas Públicas.  Constatar e valorizar a amizade como forma de evoluir na maturidade humana. Ave – Maria. Maria Helena Ferrini (orgs). Ensino Religioso. MAIA. Fórum Nacional Permanente de Ensino Religioso. Paulus.) Proposta Curricular para Ensino Fundamental de 1ª a 4ª série. Embu (SP). BIBLIOGRAFIA ASSOCIAÇÃO INTERCONFISSIONAL DE EDUCAÇÃO DE CURITIBA – ASSINTEC. identificando os contra-valores e aprendendo os limites.  Reconhecer a importância das relações sociais significativas para a solidificação dos princípios que norteiam a vida.  Conscientizar-se da importância do auto-conhecimento para a realização pessoal. 2. ADCAM. BATTAZZA. Lúcia da Silva (Elab. na construção da personalidade de cada um.

Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso e pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) e com apoio da secretaria Estadual de Educação do Piauí. Ir. 2000.SALETTE. Congregação das Escravas do Divino Coração. Resenha do 5º Seminário de capacitação profissional do Ensino Religioso. Programa de Educação Religiosa. TERESINA. FNPR (não publicado) 154 . Maria.