You are on page 1of 213

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO

Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas


Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil

SISTEMAS DE ESTACIONAMENTO VERTICAL


MODULADO
EM ESTRUTURA METÁLICA

AUTOR: EZEQUIEL MENDONÇA REZENDE

ORIENTADOR: Prof. Antônio Maria Claret de Gouveia

Dissertação apresentada ao Programa


de Pós-Graduação do Departamento
de Engenharia Civil da Escola de
Minas da Universidade Federal de
Ouro Preto, como parte integrante dos
requisitos para obtenção do título de
Mestre em Engenharia Civil, área de
concentração: Construção Metálica.

Ouro Preto, 25 de Outubro de 2004


Rezende, Ezequiel Mendonça.
R467e Sistemas de estacionamento vertical modulado em estrutura metálica. /
Ezequiel Mendonça Rezende. – Ouro Preto: UFOP, 2004.
212p. : il. Color.; grafs. , tabs.

Orientador: Prof. Dr. Antônio Maria Claret de Gouveia.


Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Ouro Preto. Escola
de Minas. Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós Graduação
em Engenharia Civil.

1.Automóveis - Estacionamento. 2. Estacionamento. 3.


Paletes (Transporte, armazenagem, etc.). 4. MAPS
(Administração). I. Universidade Federal de Ouro Preto. Escola
de Minas.Rede Temática em Engenharia de Materiais. II. Título.

CDU: 624.014
Catalogação: sisbin@sisbin.ufop.br

ii
Agradecimentos

Ao Professor Doutor Antônio Maria Claret de Gouveia pelo estímulo e


orientação no desenvolvimento deste trabalho.
Ao Programa de Pós-Graduação do Departamento de Engenharia Civil da
Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto, pela oportunidade de
realização do mestrado e qualidade do curso oferecido.
Ao Centro Universitário Izabela Hendrix, pelo incentivo e apoio que
viabilizaram minha participação neste mestrado.
Aos Professores deste e de outros cursos que, por uma palavra ou gesto,
ensinaram-me a importância da indagação, reacenderam-me o entusiasmo e
levaram-me a procurar novos caminhos.
Aos companheiros desta última batalha que, durante o curso, me
relembraram o prazer do trabalho conjunto e da solidariedade, reafirmando o
caráter coletivo do processo de conhecimento.
Aos meus amigos, que suportaram as crises de entusiasmo e de mau
humor, com a sabedoria de balançar a cabeça e deixar-me a escolha de suas
manifestações.
E a todos aqueles que, de maneira direta ou indireta, contribuíram para a
realização deste trabalho.

iv
Sumário

Relação das figuras e fotografias ................................................................................ viii


Relação de tabelas............................................................................................................xii
Relação de gráficos ..........................................................................................................xii
Lista de abreviaturas, siglas e símbolos .................................................................... xiii
Resumo .............................................................................................................................. xv
Abstract........................................................................................................................... xvii
1 CAPÍTULO I – Introdução ....................................................................................... 1
1.1 Objetivo da pesquisa........................................................................................... 1
1.2 Histórico ............................................................................................................... 2
1.3 Estrutura do trabalho........................................................................................ 19
1.4 Justificativa......................................................................................................... 21
1.5 Revisão bibliográfica......................................................................................... 25
2 CAPÍTULO II - Desenvolvimento e Projeto de Edifícios Garagens.............. 27
2.1 Introdução .......................................................................................................... 27
2.2 Garagens subterrâneas ..................................................................................... 29
2.3 Pedestre e garagens........................................................................................... 30
2.3.1 Garagens convencionais ............................................................................... 30
2.3.2 Garagens com sistemas automatizados ..................................................... 30
2.4 Legislação atual em Belo Horizonte - MG ..................................................... 31
3 CAPÍTULO III - Garagens com rampas............................................................... 34
3.1 Introdução .......................................................................................................... 34
3.2 Procedimento de acesso e estacionamento em garagens com rampas...... 34
3.3 Classificação das garagens com rampas ........................................................ 35
3.4 Garagens com rampas retas entre dois pisos ................................................ 37
3.5 Garagens com rampas retas entre meio-pisos alternados ........................... 38
3.6 Garagens com rampas helicoidais entre pisos .............................................. 41
3.7 Garagens com pisos rampados........................................................................ 44
4 CAPÍTULO IV - Sistemas mecânicos de pequeno porte.................................. 47
4.1 Sistemas pantográficos de estacionamento ................................................... 47

v
4.2 Sistemas elétrico-hidráulicos ........................................................................... 48
4.3 Sistemas com colunas ....................................................................................... 49
4.4 Sistema semi-automático com páletes............................................................ 52
4.5 Sistema semi-automático com páletes e colunas .......................................... 54
5 CAPÍTULO V - Sistemas mecânicos de estacionamento de grande porte.... 56
5.1 Sistemas com um único dispositivo com movimentos horizontal e vertical
60
5.2 Sistemas com movimentos horizontal e vertical, utilizando dispositivos
de transportes independentes..................................................................................... 65
5.3 Sistemas com elevador e plataforma giratória.............................................. 66
5.4 Sistemas com elevadores rotatórios................................................................ 71
5.5 Outros sistemas ................................................................................................. 72
5.6 Instalações mecânicas no futuro ..................................................................... 74
6 CAPITULO VI - Desenvolvimento dos módulos .............................................. 77
6.1 Dados Gerais ...................................................................................................... 77
6.1.1 Dimensões dos veículos................................................................................ 80
6.1.1.1 Comprimento ......................................................................................... 80
6.1.1.2 Largura .................................................................................................... 81
6.1.1.3 Altura....................................................................................................... 82
6.1.1.4 Peso .......................................................................................................... 82
6.1.1.5 Altura mínima do solo .......................................................................... 83
6.2 Dimensões do módulo...................................................................................... 84
6.2.1 Compartimento de transferência de veículos............................................ 85
6.2.2 Outros espaços necessários .......................................................................... 86
6.3 Sistema Módulo Lateral – 2.............................................................................. 86
6.4 Sistema Módulo Duplo – 4............................................................................... 90
6.5 Sistema Módulo Circular – 4 ........................................................................... 92
6.6 Sistema Módulo Circular – 12 ......................................................................... 94
7 CAPÍTULO VII – Estudos de casos ...................................................................... 98
7.1 Introdução .......................................................................................................... 98
7.2 Estudo de caso - Praça Rui Barbosa (Praça da Estação)............................... 98

vi
7.2.1 Edifício proposto ......................................................................................... 109
7.2.2 Simulações de cálculo ................................................................................. 115
7.2.2.1 Sobre o sistema construtivo................................................................ 115
7.2.2.2 Sobre as cargas variáveis .................................................................... 116
7.2.2.3 Verificações no programa Cypecad Metálica 3D, versão 2002g ... 118
7.3 Implantação de garagens em lotes urbanos ................................................ 128
7.3.1 Quarteirões típicos da região da Savassi:................................................. 135
7.3.1.1 Quadra superior - Solução convencional de garagem: .................. 135
7.3.1.2 Quadra inferior - Solução com garagem modulada: ...................... 137
7.3.1.3 Vagas dispostas junto ao alinhamento das calçada: ....................... 138
8 CAPÍTULO VIII – Conclusão .............................................................................. 140
8.1 Limites do presente estudo ............................................................................ 142
8.2 Sugestões para trabalhos futuros .................................................................. 142
8.2.1 Em relação ao impacto urbano .................................................................. 142
8.2.2 Em relação à engenharia civil e à automação.......................................... 144
9 Anexos...................................................................................................................... 145
9.1 Anexo 1 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano..................................... 145
9.2 Anexo 2 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano..................................... 146
9.3 Anexo 3 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano..................................... 149
9.4 Anexo 4 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano..................................... 150
9.5 Anexo 5 - Código de Obras............................................................................ 151
9.6 Anexo 6 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Lateral-2 ...................... 152
9.7 Anexo 7 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Lateral-4 ...................... 158
9.8 Anexo 8 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Circular-4 .................... 167
9.9 Anexo 9 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Circular-12 .................. 174
9.10 Anexo 10 - Cálculo da carga de vento - NBR-6123/1988 .......................... 184
9.11 Anexo 11 - Garagens, Estacionamentos e Terrenos na Savassi ................ 188
10 Referências bibliográficas.................................................................................... 191
10.1 Livros e catálogos ............................................................................................ 191
10.2 Endereços relacionados (www) .................................................................... 192
10.3 Catálogos, artigos e arquivos digitais .......................................................... 196

vii
Relação das figuras e fotografias

Figura 1.1 - Karl Friedrich Benz........................................................................................ 2


Figura 1.2 - Gottlieb Daimler ............................................................................................ 2
Figura 1.3 - 1886 Daimler motor carriage........................................................................ 3
Figura 1.4 - 1886 Daimler steel wheel .............................................................................. 3
Figura 1.5 - Henry Ford ..................................................................................................... 3
Figura 1.6 - Henry Ford Dirigindo o seu 20.000.000° carro em 24 de abril de 1931 . 3
Figura 1.7 - Ford Model T Touring Car –1913 ................................................................ 4
Figura 1.8 - Ford Model T Roadster – 1913 ..................................................................... 4
Figura 1.9 - Mapa de pedágio urbano de veículos na cidade de Londres................ 11
Figura 1.10 - Mapa de rodízio de veículos em São Paulo ........................................... 13
Figura 1.11 - Edifício Banco Mineiro da Produção (Bemge) - Oscar Niemeyer –
1953 ............................................................................................................................. 21
Figura 2.1 - Ed. “Autorimessa”- Veneza ....................................................................... 28
Figura 2.2 - Garagem São José - Rua Tupis, 70 – Belo Horizonte – MG ................... 32
Figura 3.1 - Rampa reta de pista simples com subida e descida................................ 37
Figura 3.2 - Rampa reta entre meio-pisos ..................................................................... 38
Figura 3.3 - Rampa reta entre meio-pisos ..................................................................... 38
Figura 3.4 - Rampa reta entre meio-pisos ..................................................................... 38
Figura 3.5 - Garagem d’Humy........................................................................................ 39
Figura 3.6 - Garagem d’Humy........................................................................................ 39
Figura 3.7 - Garagem d’Humy........................................................................................ 40
Figura 3.8 - Garagem d’Humy........................................................................................ 40
Figura 3.9 - Garagem d’Humy........................................................................................ 40
Figura 3.10 - Rampa helicoidais...................................................................................... 42
Figura 3.11 - Rampa helicoidais...................................................................................... 42
Figura 3.12 - Edificio “Downtown Center”em São Francisco .................................... 43
Figura 3.13 - Pavimento tipo do Edifício “Downtown Center”................................. 43

viii
Figura 3.14 - Garagem e rampa interna do Shopping Cidade (vistas externa e
interna)........................................................................................................................ 44
Figura 3.15 - Garagem de piso rampado ....................................................................... 45
Figura 3.16 - Garagem de piso rampado ....................................................................... 45
Figura 3.17 - Garagem de piso rampado ....................................................................... 45
Figura 3.18 - Garagem de piso rampado ....................................................................... 45
Figura 3.19 - Garagem de piso rampado ....................................................................... 46
Figura 3.20 - Garagem de piso rampado ....................................................................... 46
Figura 4.1 - Sistema pantográfico ................................................................................... 47
Figura 4.2 - Sistema pantográfico ................................................................................... 49
Figura 4.3 - Sistema com coluna ..................................................................................... 50
Figura 4.4 - Sistema com coluna ..................................................................................... 50
Figura 4.5 - Sistema com páletes..................................................................................... 51
Figura 4.6 - Sistema com páletes..................................................................................... 54
Figura 4.7 - Sistema com páletes e colunas ................................................................... 55
Figura 4.8 - Sistema com páletes e colunas ................................................................... 55
Figura 5.1 - Edifícios Garagem American Custom Lifts ............................................. 57
Figura 5.2 - Wöhr Multiparker-Duisburg-Alemanha.................................................. 61
Figura 5.3 - Sistema Parkmatic-O.ME.R. Spa-Itália ..................................................... 61
Figura 5.4 - Sistema com páletes..................................................................................... 62
Figura 5.5 - Edifício Garagem - Shopping Rio Sul ....................................................... 63
Figura 5.6 - O carro é colocado em ângulo reto ao elevador ...................................... 65
Figura 5.7 - O carro é colocado paralelamente ao elevador ....................................... 65
Figura 5.8 - O carro é colocado em ângulo reto ao fosso ............................................ 66
Figura 5.9 - O carro é colocado paralelamente ao fosso.............................................. 66
Figura 5.10 - SAAB-Centre Krefeld ................................................................................ 67
Figura 5.11 - SAAB-Centre Krefeld ................................................................................ 68
Figura 5.12 - Sistema subterrâneo Trevipark em Cesena - Itália ............................... 69
Figura 5.13 - Sistema subterrâneo Trevipark em Cesena - Itália ............................... 70
Figura 5.14 - Sistema subterrâneo Trevipark em Cesena – Itália............................... 70
Figura 5.15 - Sistema rotativo vertical - Thyssen Palis ................................................ 71

ix
Figura 5.16 - Sistema rotativo vertical ........................................................................... 72
Figura 5.17 - IHI Parking Systems - Japão..................................................................... 72
Figura 5.18 - Sistema Krupp............................................................................................ 73
Figura 5.19 - Sistema Mobile Parking ............................................................................ 73
Figura 5.20 - Sistema “Roda Gigante” ........................................................................... 73
Figura 5.21 - Estacionamento sob rios ........................................................................... 74
Figura 5.22 - Estacionamento sob vias........................................................................... 75
Figura 5.23 - Marina Pirata’s - RJ e travel lift da Marina Verolme - RJ..................... 76
Figura 6.1 - Sistema Módulo Lateral – 2 ........................................................................ 87
Figura 6.2 - Sistema Módulo Lateral - 2 (variação) ..................................................... 88
Figura 6.3 - Sistema Módulo Lateral – 2 ........................................................................ 90
Figura 6.4 - Sistema Módulo Circular – 4...................................................................... 93
Figura 6.5 - Sistema Módulo Circular – 12.................................................................... 95
Figura 6.6 - Conveying Machinery - Tender de 4 módulos (cross-wise).................. 97
Figura 7.1 - Edifício da Estação – Início do Séc. XX ..................................................... 99
Figura 7.2 - Obras de requalificação da Esplanada da Praça Rui Barbosa – abr 2004
................................................................................................................................... 101
Figura 7.3 - Planta Garagem Subterrânea para a Praça da Estação......................... 102
Figura 7.4 - Fotomontagem - Implantação Garagem Subterrânea para a Praça da
Estação ...................................................................................................................... 103
Figura 7.5 - Modulação dos pilares do projeto de garagem para a Praça Rui
Barbosa ..................................................................................................................... 104
Figura 7.6 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa.. 107
Figura 7.7 - Diagrama do sistema construtivo modular ........................................... 110
Figura 7.8 - Módulo construtivo................................................................................... 111
Figura 7.9 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa.. 111
Figura 7.10 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa 112
Figura 7.11 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa 112
Figura 7.12 - Planta do módulo construtivo ............................................................... 113
Figura 7.13 - Elevação do módulo construtivo........................................................... 114
Figura 7.14 - Comparação de edifícios com dez pavimentos ................................... 115

x
Figura 7.15 - Diagrama de Cargas ................................................................................ 118
Figura 7.16 – Módulo construtivo completo com nomenclatura das barras.......... 119
Figura 7.17 - Nomenclatura das barras ....................................................................... 119
Figura 7.18 - Nomenclatura dos pilares ...................................................................... 122
Figura 7.19 - Verificação dos deslocamentos .............................................................. 123
Figura 7.20 - Diagrama de edifício com 120 módulos e 480 vagas .......................... 125
Figura 7.21 - Diagrama de edifício com 48 módulos e 192 vagas ............................ 127
Figura 7.22 - Street Shopping Savassi .......................................................................... 131
Figura 7.23 - Fotografia aérea da região da Savassi - Belo Horizonte - MG........... 133
Figura 7.24 - Mapa da região da Savassi - Belo Horizonte - MG ............................. 134
Figura 7.25 - Quarteirões típicos da região da Savassi - Belo Horizonte - MG...... 136

xi
Relação de tabelas

Tabela 1.1 - Grandes Áreas Urbanas - População & Densidade.................................. 5


Tabela 1.2–Brasil-Crescimento da população e do número de veículos,1950-1995 13
Tabela 1.3 - As dez maiores frotas mundiais de veículos em 1994............................ 14
Tabela 3.1 - Comparação das rotas de entrada e saídas de rampas .......................... 41
Tabela 6.1 - Relação de montadoras de veículos pesquisada..................................... 78
Tabela 6.2 - Dimensões e pesos dos principais automóveis brasileiros.................... 79
Tabela 6.3 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Lateral – 2 ...................... 89
Tabela 6.4 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Duplo – 4 ....................... 91
Tabela 6.5 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Circular – 4 .................... 94
Tabela 6.6 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Circular – 12 .................. 96
Tabela 7.1 - Estimativa de consumo de concreto ....................................................... 106
Tabela 7.2 - Quadro comparativo dos sistemas de garagem.................................... 109
Tabela 7.3 - Edifício com 48 módulos e 192 vagas ..................................................... 121
Tabela 7.4 - Reações dos pilares (em tf)....................................................................... 123
Tabela 7.5 - Verificação dos deslocamentos (em metros).......................................... 124
Tabela 7.6 - Tipologia de barras utilizadas nos MAPS.............................................. 124
Tabela 7.7 - Edifício com 120 módulos e 480 vagas ................................................... 126
Tabela 7.8 - Edifício com 48 módulos e 192 vagas ..................................................... 128

Relação de gráficos

Gráfico 1.1 - Crescimento da frota de veículos nos Estados Unidos........................... 4


Gráfico 7.1 - Comparação do rendimento das tipologias de garagens ................... 138

xii
Lista de abreviaturas, siglas e símbolos

ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores -


<http://www.anfavea.com.br>

ANTP Associação Nacional de Transportes Públicos -


<http://www.antp.org.br>

BHBUS Plano de Reestruturação do Sistema de Transporte Coletivo de Belo


Horizonte

BHTRANS Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte S.A.

cc Centímetro cúbico - Unidade de volume

CET Companhia de Engenharia de Tráfego-< http://www.cetsp.com.br>

CNT Confederação Nacional do Transporte - <http://www.cnt.org.br>

CSG Companhia Siderúrgica Gerdau

CSN Companhia Siderúrgica Nacional

COPPE Coordenação dos Programas de Pós-graduação de Engenharia

GVW Gross vehicle weight - Peso bruto total do veículo (PTB)

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística -


<http://www.ibge.gov.br>

IEPHA Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico

IPHAN Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

kgf Quilograma força - Unidade de força

km Quilometro - Unidade de distância

kN Quilo Newton - Unidade de força

m2 Metro quadrado - Unidade de área

MAPS Modular Automated Parking Systems - Sistemas de Estacionamento


Modular Automatizado

MPa Mega Pascal – Unidade de tensão

xiii
N Newton - Unidade de força

NPA National Parking Association

PACE Plano da Área Central (de Belo Horizonte) -


http://www.bhtrans.pbh.gov.br/bhtrans/bhtrans/pace.asp

PBH Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

PBT Peso bruto total (do veículo) - Gross vehicle weight (GVW)

PCC The Parking Consultants Council of the National Parking Association

Pé Unidade de comprimento, equivalente a 0,3048 m

PGTs Pólos geradores de tráfego

PUC Pontifícia Universidade Católica

RT Responsável Técnico

SCOMURBE Secretaria Municipal de Coordenação de Política Urbana e Ambiental

sq.ft Square feet - Pés quadrado - Unidade de área, equivalente a


0,0929 m2

SUV Sport Utility Vehicle - Veículo Utilitário Esportivo

t Tonelada - Unidade de massa, equivalente a 1.000 kg

TLF Empresa de Administração de Transporte da Cidade de Londres

UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro

ZHIP Zona do Hiper Centro – Definido pela Lei Municipal 7166/96 de Belo
Horizonte

xiv
Resumo

Um dos maiores problemas das grandes cidades está relacionado ao


envelhecimento dos centros urbanos associado à falência de toda a estrutura viária
para receber um sistema de trânsito cada vez mais conturbado. Paralelamente a
isto, o incremento de políticas públicas que privilegiam a revitalização dos centros
e a melhoria nos transportes coletivos poderá ajudar a reverter parte deste quadro,
mas, ironicamente, em contrapartida, agrava o complexo problema de
estacionamento de veículos nestas áreas centrais que merecem um novo enfoque e
a busca de novas soluções. Este é o tema principal deste trabalho.
Para compreender melhor o impacto urbano provocado pelo uso do
automóvel, deve-se retroceder à sua evolução na história, desde a sua criação no
final do séc. XIX, atingindo um grande crescimento após a segunda guerra
mundial. Atualmente enfrentam-se, nos grandes centros urbanos, políticas de
pedágios urbanos com o objetivo de minimizar os impactos negativos do trânsito
em determinadas áreas.
Para a criação de novos espaços de estacionamento nestas regiões centrais é
necessário buscar soluções criativas que adotem um aumento da densidade de
armazenamento de veículos em determinados locais. Uma das possibilidades é a
implantação de edifícios modulados em estrutura metálica, totalmente
automatizados, que consistem praticamente em simples estruturas, sem a
necessidade do uso de lajes para pisos, ou mesmo, de elementos de fechamentos.
A exemplo destes edifícios modulados, podemos citar os galpões de
armazenamento de grandes atacadistas existentes no Brasil. Estes edifícios, por
suas próprias características, não permitem o acesso do usuário ao seu interior, já
que os veículos são conduzidos por equipamentos totalmente robotizados.
Este trabalho apresenta quatro tipologias de Sistemas de Estacionamento
Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems - MAPS) que podem
ser implantados em uma grande variedade de situações, desde pequenos lotes
urbanos até composições que permitam a criação de edifícios garagens com

xv
capacidade para centenas ou até milhares de veículos, bastando para isto, agregar
mais módulos construtivos à edificação.
Cada módulo é formado por células que comportam dois ou quatro
veículos, dependendo da sua tipologia. Por serem em estrutura metálica, estes
módulos podem ser montados em um terreno urbano e após um determinado
tempo, desmontados e transferidos para outro local.
Um estudo de caso compara a solução de um edifício subterrâneo
convencional em concreto armado proposto para uma grande área urbana na
cidade de Belo Horizonte - MG, com um Sistema de Estacionamento Modular
Automatizado proposto para o mesmo local. Neste estudo, o sistema modular foi
considerado inicialmente acima do solo e posteriormente subterrâneo.
Por fim, é feita uma análise de um trecho da malha urbana da cidade de
Belo Horizonte, verificando a viabilidade da implantação destes sistemas
automatizados em terrenos propícios numa região de comércio, carente de áreas
de estacionamento.
As conclusões apresentadas neste trabalho mostram a vantagem do uso do
Sistema de Estacionamento Modular Automatizado em determinadas situações,
em que não são possíveis as implantações de edificações convencionais. Este
trabalho também apresenta as possibilidades de uso dos sistemas modulares para
a revitalização (retrofit) de edificações antigas existentes nos centros urbanos.

Palavras-chave: Estrutura Metálica, Garagem, Estacionamento, Páletes, Sistemas


Industrializados, Sistemas Modulados, Sistema de Estacionamento Modular
Automatizado, MAPS, Reestruturação, Automação, Veículo, Carro, Automóvel,
Congestionamento Urbano, Pedágio Urbano.

xvi
Abstract

One of the big city’s greatest problems is associated with the aging of urban
downtown centers and the failure of the traffic structure to support a traffic
system which is more and more chaotic every day. While a growth of public
policies which encourage downtown revitalization and the improvement of mass
transportation should help revert part of this scenario, ironically it aggravates the
already complex parking problem in urban downtown centers. This issue requires
a new approach as well as a search for new solutions. This is the main subject of
this dissertation.
It is important to look back on motor vehicle history in order to understand
well its impact on the modern urban scenario, from its creation in the late 19th
century to its vast growth after the Second World War. Nowadays, urban toll
policies are used in order to minimize the negative traffic impacts in certain urban
areas.
It is imperative to look for creative solutions when planning new parking
locations in downtown areas by adopting denser vehicle storage in specific sites.
One possibility is the implementation of buildings with modular metallic
structures, fully automated, comprised of a simple structure without the need for
floor and wall fillings. Take for example the large warehouses in Brazil; these
buildings because of their intrinsic characteristics do not allow the user access to
its interior as the vehicles are conducted by fully robotized equipment.
This dissertation presents four typologies of Modular Automated Parking
Systems - MAPS - which can be implemented in a great variety of situations from
small downtown lots to compositions allowing the construction of garage
buildings holding hundreds or even thousands of vehicles just by adding pre-
fabricated modules to the original building.
Each module is made up of cells that hold two or four vehicles depending
on its typology. Having metallic structures, these modules can be assembled in an

xvii
urban site and after some time it can be disassembled and transferred to a distinct
site.
A case study compares a conventional concrete underground building
solution proposed for a large downtown site in Belo Horizonte - MG - to a
Modular Automated Parking System proposed for the same site. In this study the
modular system was initially considered over the ground and later totally
underground.
An urban mesh analysis of the city of Belo Horizonte is done as well,
verifying the viability of gain with the implementation of automated systems in
propitious sites in a shopping center in the need of parking spots.
The conclusion presented in this dissertation show the advantages of the
use of Modular Automated Parking System in specific situations when
conventional buildings are not conceivable. This dissertation also presents the
possibilities of retrofitting old buildings in urban downtown centers with modular
systems.

Key-words: Metallic structure, Garage, Parking, Pallets, Industrialized Systems,


Modulated Systems, Modular Automated Parking Systems, MAPS, Retrofit,
Automation, Vehicle, Car, Automobile, Urban Congestion, Congestion Charge.

xviii
1 CAPÍTULO I – Introdução

1.1 Objetivo da pesquisa


O interesse em desenvolver um trabalho que abordasse Sistemas de
Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems -
MAPS) surgiu devido à quase inexistência deste tipo de edificação em
praticamente todo o Brasil, e, também, pela manifestação de interesses comerciais
apresentados por algumas empresas do mercado no desenvolvimento de sistemas
modulados de garagem (pesquisa iniciada pela Usiminas Mecânica, em 1992 1,
pelo engenheiro Yoshito Matsui e também pelo contato da Vallourec &
Mannesmann Tubes feito com o arquiteto Célio da Silveira Firmo em 2002 2).
O objetivo geral deste trabalho é estudar os Sistemas de Estacionamento
Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems - MAPS) e
desenvolver sistemas voltados para sua implantação em terrenos urbanos ou em
casos de reestruturação (retrofit) de construções existentes. Além de buscar a plena
compreensão de seu funcionamento, principalmente no aspecto construtivo,
pretende-se avaliar o seu impacto urbano em determinadas regiões.
Em uma situação hipotética, este trabalho aborda um produto modulado e
escalável que poderá ser construído e mantido em um terreno urbano por um
determinado período. Após este período, poderá ser desmontado e enviado a
outro local. Para atender a esta característica, este produto deve ser modulado,
leve, de fácil transporte e montagem e com espaços otimizados.
Outros usos destes sistemas podem ser citados, como a expansão de pátios
de estacionamento para montadoras de veículos ou de pátios de veículos em
portos marítimos.

1 Fonte: Matsui, Yoshito (2002)


2 Fonte: Firmo, Célio da Silveira (2002)

1
1.2 Histórico

No final do século XIX, por volta do ano de 1886, quando Karl Friedrich
Benz (Figura 1.1) e Gottlieb Daimler (Figura 1.2) projetaram os primeiros veículos
motorizados, que ainda não passavam de “carruagens sem cavalos” (Figura 1.3 e
Figura 1.4), não se previa o impacto que esta invenção teria em um futuro muito
próximo na vida das pessoas e na estrutura das cidades. Também não se previa a
necessidade das cidades se adaptarem a estas novas máquinas que até então eram
construídas artesanalmente.

Figura 1.1 - Karl Friedrich Benz Figura 1.2 - Gottlieb Daimler

Fonte: European Automotive Hall Of Fame Fonte: European Automotive Hall Of Fame
Disponível: Disponível:
<http://www.autonews.com/files/ <http://www.autonews.com/files/
euroauto/inductees/benz.htm> euroauto/inductees/daimler.htm >
Acesso: 19 abr. 2004 Acesso: 19 abr. 2004

Mas foi somente em 1913 que este impacto realmente teve início, quando,
nos Estados Unidos, Henry Ford (Figura 1.5 e Figura 1.6) apresentou o veículo
motorizado chamado de “Modelo T” (Figura 1.7 e Figura 1.8), sendo o primeiro a

2
sair de uma linha de montagem de uma indústria de automóvel 3.

Figura 1.3 - 1886 Daimler motor carriage Figura 1.4 - 1886 Daimler steel wheel
Fonte: Daimler-Chrysler Fonte: Hwidsteds Hjemmeside
Disponível: Disponível:
<http://wwwsg.daimlerchrysler.com/Projects/wi/cda/ <http://hjem.get2net.dk/Hwidsteds_Hjemmeside/
Tmpl_DetailC/0,4098,2916-101-49-0-101,00.html> billeder/page_01.htm>
Acesso: 19 abr. 2004 Acesso: 19 abr. 2004

Figura 1.5 - Henry Ford Figura 1.6 - Henry Ford Dirigindo o seu
20.000.000° carro em 24 de abril de 1931 4
Fonte: American history 102 -Disponível: Fonte: Spartacus Educational - Disponível:
<http://us.history.wisc.edu/hist102/bios/24.html> <http://www.spartacus.schoolnet.co.uk/USAford.htm>
Acesso: 19 abr. 2004 Acesso: 19 abr. 2004

3 O “Modelo A” foi o primeiro carro a ser oferecido pela Ford Motor Company, em junho de
1903. A produção continuou até 1904, quando foi substituído pelo “Modelo C”. Outros modelos
o seguiram, como os Modelos B, C e F em 1904 e 1905 e vários outros modelos até chegar a pre-
produção do “Modelo T” em 1908. O “Modelo T Touring” era um veículo de motor a gasolina
de quatro cilindros em linha, com a potência de 20 hp, poderia transportar 5 passageiros e
custava US$850.00 em valores de moeda da época na cidade de Detroit. Fonte: The Model T
Ford Club of América. Disponível: <http://www.mtfca.com/books/1903-4.htm> Acesso: 17
fev 2004
4 Nota: É interessante observar que em 24 de abril de 1931, Ford já tinha produzido 20 milhões de
automóveis, e segundo KLOSE (1965, p.7) o número de automóveis nos Estados Unidos na
época era de aproximadamente 30 milhões de unidades.

3
Até então, o automóvel era um artigo de luxo e distante das possibilidades
de posse do americano comum. Como a linha de montagem da fábrica de Ford
permitia a produção rápida e barata de automóveis, o carro foi colocado ao
alcance das pessoas de renda média daquele país. Com esta grande
disponibilidade de veículos, a frota americana cresceu vertiginosamente (Gráfico
1.1) e em 24 de abril de 1931, as fábricas de Ford tinha montado o 20.000.000°
veículo.

70
62
60

50
número de veículos
(em milhões)

40
30
30

20
8
10
0,5
0
1910 1920 1930 1960
Gráfico 1.1 - Crescimento da frota de veículos nos Estados Unidos
Fonte: Dados compilados de KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche,
Stuttgart, Verlag Gerd Hatje, 1965, p7

Figura 1.7 - Ford Model T Touring Car –1913 Figura 1.8 - Ford Model T Roadster – 1913
Fonte: The Model T Ford Club of América Fonte: The Model T Ford Club of América
Disponível: Disponível:
<http://www.mtfca.com/books/11cat.htm> <http://www.mtfca.com/books/11cat.htm>
Acesso: 02 jul 2003 Acesso: 02 jul 2003

4
A mesma situação ocorria na Europa, onde os automóveis ocupavam cada
vez mais as ruas das cidades, principalmente após a segunda guerra mundial. No
Reino Unido, a relação de número de veículos por habitante era de um carro para
cada 20 pessoas em 1949, passando para um carro para cada 10 pessoas em 1962 5.
No final do século XX as grandes metrópoles atingiram expressivos
contingentes populacionais causando grandes impactos urbanos relacionados à
moradia, trabalho, segurança, transporte, tratamento de água e esgotos, energia
etc, como pode-se verificar na Tabela 1.1 que apresenta uma relação entre
população e a densidade nos grandes centros urbanos.
Paralelo a estes índices de crescimento urbano, o número de automóveis
também tem atingido números elevados, cujo crescimento do número de
automóveis em todo o mundo tem sido muito superior ao crescimento
demográfico e à expansão urbana das cidades.

Tabela 1.1 - Grandes Áreas Urbanas - População & Densidade


Área Urbana População Área km2 População/km2 Período
1 Toquio-Yokohama 31.200.000 5.258 5.934 1995-2004
2 Nova Iorque 17.800.000 8.684 2.050 1995-2004
3 Mumbai 17.500.000 958 18.262 1995-2004
4 Cidade do México 17.250.000 1.476 11.685 1995-2004
5 São Paulo 16.800.000 2.460 6.828 1995-2004
6 Osaka-Kobe-Kyoto 15.450.000 2.719 5.681 1995-2004
7 Seoul 14.600.000 720 20.277 1995-2004
8 Londres e Sudeste 12.232.000 4.144 2.952 1995-2004
9 Calcuta 12.100.000 1.036 11.680 1995-2004
10 Los Angeles 11.789.000 4.320 2.729 1995-2004
11 Buenos Aires 11.200.000 2.771 4.041 1995-2004
12 Delhi 10.300.000 583 17.675 1995-2004
13 Rio de Janeiro 10.300.000 2.331 4.419 1995-2004
14 Karachi 10.100.000 932 10.832 1995-2004
15 Cairo 9.900.000 427 23.166 1995-2004
Fonte: Demographia
Disponível: <http://www.demographia.com/db-intl-ua2001.htm>
Acesso: 02 jul 2003.

5 KLOSE, 1965, p.7

5
O automóvel sempre foi apresentado como um símbolo de status social,
muito além de ser apenas um meio de transporte. Esta atração provocada pelo
automóvel é até hoje utilizada em comercias publicitários e esta característica, foi
um dos motivos de seu grande sucesso. O automóvel tornou-se um dos principais
agentes modificadores das cidades, tornando possível trabalhar em uma área
comercial da cidade e morar a quilômetros de distância em uma área residencial.
Esta mudança nas cidades criou o conceito de subúrbios dormitórios, provocando
uma onda de fluxo de trânsito que flui da periferia em direção ao centro da cidade
durante o dia e à noite, em sentido contrário.
A partir do início do século XX, uma nova situação começou a se
vislumbrar, pois as cidades e suas ruas e avenidas que, antes, eram tomadas por
pedestres, cavalos e carroças, começaram a ceder espaços para o automóvel. O
espaço ocupado pelo automóvel é cada vez maior e deve ser previsto em
quaisquer planos diretores de ordenamento e de urbanismo das cidades.
Segundo Brierley (1962, p05), “a importância do estacionamento deve ser
superestimada”. Para isto, ele faz o seguinte apontamento 6:

Considerando que o ano tem 8760 horas, se assumir a média da


quilometragem por ano por carro é de 16000 km (10000 milhas), e a
velocidade média é de 40 km por hora (25 milhas/hora), o total de tempo
de viagem será de 400 horas. Isso deixa um total de 8360 horas por ano
em que o carro fica estacionado. Provavelmente grande parte deste
período o carro fica estacionado em uma garagem privativa. Isto ilustra
que o período que o carro fica parado é muito maior, se comparado com o
tempo que ele fica em movimento.

O espaço médio necessário para estacionar um automóvel é de 14m2


(150 sq.ft). A média de pessoas por automóvel não passa de mais do que
duas. Isto dá uma média de 7m2 (75 sq.ft) por pessoa. Como o veículo é
móvel, este necessita de dois espaços para estacionar, um normalmente em

6 Tradução nossa.

6
casa quando não está em uso e outro na cidade quando está em um uso
temporário. O espaço anterior fica vago quando o carro está em uso.

Uma pessoa parada ocupará uma área de 0,18 m2 (2 sq.ft), quando


esta pessoa está andando, ocupará 0,55 m2 (6 sq.ft). Uma casa que pode
acomodar uma família de 5 pessoas ocupa uma área de 140 m2
(1500 sq.ft) dividida em dois pavimentos. Isto dá uma área ocupada do
terreno por pessoa de 14 m2 (150 sq.ft) que é o suficiente para uma vida
confortável. Em casas subsidiadas 7 que tem uma área de 93 m2
(1000 sq.ft), esta relação daria uma área de 9 m2 (100 sq.ft) por pessoa.
Um ônibus quando estacionado, ocupa uma área de 33 m2 (360 sq.ft), o
que daria uma média de 1 m2 (11 sq.ft) por pessoa. Portanto, isto mostra
que os automóveis, quando comparado o seu benefício em relação ao
espaço ocupado, torna-se um das mais extravagantes invenções da terra
utilizada nos modernos meios de transporte.

Após este apontamento, verifica-se que, esta característica do automóvel


teve o efeito de ocupar as vias públicas, afastando as pessoas dos centros das
cidades, mas em conseqüência estendeu o raio das atividades humanas,
permitindo às pessoas morarem e trabalharem em locais distantes. Isto pode
claramente ser observado quando se comparam as cidades européias com as
cidades americanas. As antigas cidades daquele continente têm as suas regiões
centrais mais densamente povoadas que as americanas, já que estas, por suas
características que privilegiam o transporte individual, tendem a manter regiões
extremamente vazias destinadas apenas à passagem dos veículos.
Nos Estados Unidos, esta expansão que ocorria com as cidades não
apresentou inicialmente grandes problemas, pois o país era vasto o suficiente para
permitir uma dispersão e as cidades eram espaçosas o bastante para se adequar a
estas mudanças.

7 O autor (BRIERLEY) refere-se às moradias de menores dimensões que são financiadas e


subsidiadas pelo governo inglês.

7
Uma interessante constatação em relação às áreas pavimentadas ocupadas
pelos veículos é feita por Brown 8:

(...) Os Estados Unidos, com seus 214 milhões de veículos


motorizados, pavimentou 6,3 milhões de quilômetros de estradas, o
suficiente para dar a volta ao Mundo ao longo do Equador 157 vezes.
Além das estradas, os carros demandam espaço para estacionamento.
Imaginemos um estacionamento para 214 milhões de automóveis e
caminhões. Se for muito difícil, tentemos visualizar um estacionamento
para 1.000 automóveis e então imaginemos como seriam 214.000 deles.
Seja qual for o modo de visualizarmos, a área norte-americana destinada a
estradas e estacionamentos cobre cerca de 16 milhões de hectares, uma
extensão que se aproxima aos 21 milhões de hectares de trigo cultivados
pelos agricultores norte-americanos no ano passado.

(...) Entretanto, essa pavimentação de terras nos países


industrializados está se desacelerando, à medida que os países atingem a
saturação de veículos. Nos Estados Unidos, existem três veículos para
cada quatro pessoas. Na Europa Ocidental e Japão, há um para cada duas
pessoas. Nos países em desenvolvimento, todavia, onde as frotas de
automóveis ainda são pequenas e onde há carência de terra cultivável, a
pavimentação está começando a se desenvolver. Parcelas cada vez maiores
dos 11 milhões de veículos adicionados anualmente à frota mundial de
520 milhões estão no mundo em desenvolvimento.

A Europa enfrenta os mesmos problemas apresentados nos Estados Unidos,


mas, por suas cidades serem centenárias ou mesmo milenares, existe um grande
conflito na conciliação de seus espaços históricos com esta nova era de
automóveis.
Para uma convivência pacífica entre o pedestre e o motorista, os
planejadores urbanos devem ter cuidado ao elaborar soluções que contemplem

8 Fonte: Brown, Lester R. Pavimentando o planeta: Automóveis e agricultura em disputa pela


terra. WWI-Worldwatch Institute.
Disponível: <http://www.wwiuma.org.br/artigos/013.html> Acesso: 06 jul 2004

8
igual importância aos dois pontos de vista. Um ponto comum entre o motorista e o
pedestre se dá nos espaços de estacionamento, que, embora seja um mal
necessário, é um espaço que merece atenção em seu projeto como os demais
edifícios da cidade.
Uma das características essenciais para a existência de uma cena urbana é a
concentração de atividades comerciais e culturais em uma área. Em uma situação
onde o desenvolvimento urbano é exclusivamente governado pelo automóvel, fica
caracterizada uma expansão urbana e uma baixa densidade populacional nas
áreas externas da cidade. Esta situação se refletiu no conceito das cidades satélites,
amplamente empregadas a partir da década de 20.
Este padrão de urbanismo, empregado desde a década de 20, não atende
mais às necessidades econômicas de uma nova sociedade globalizada. O conceito
do urbanismo funcionalista pregado pelo arquiteto e urbanista Le Corbusier foi
baseado em uma sociedade motorizada, com estrutura de divisão do trabalho no
setor produtivo, pautado no conceito de economias em escalas e no aumento da
produtividade através do desenvolvimento dos transportes e das comunicações.
As cidades desenvolvidas com este conceito foram estruturadas em um
zoneamento funcional, onde cada uso estava circunscrito em um espaço pré-
definido. Este padrão de urbanismo funcionalista dividia a cidade em setores com
funções específicas, procurando maximizar as economias de escala,
principalmente de infra-estrutura urbana. Para a existência desta estrutura, estes
setores deveriam estar conectados por uma rede de transporte.
Com o desenvolvimento dos sistemas de telecomunicações e dos meios de
transportes nas cidades, houve mudanças na estrutura da organização e ocupação
do solo urbano. Atualmente, várias cidades européias incluem em seus planos
diretores de ordenamento e de urbanismo projetos de infra-estrutura de fibra ótica
e de meios de telecomunicações. Implementações em sistemas de

9
telecomunicações não significam necessariamente que os deslocamentos com
veículos irão diminuir. Silva9 faz o seguinte apontamento:

(...) o desenvolvimento das telecomunicações não significa que os


deslocamentos físicos irão diminuir. As telecomunicações reduzem o
custo de um grande número de transações e de trocas de dados e
contribuem para a expansão das atividades baseadas no uso intensivo de
informações. Desta forma, contribuem para a recomposição das estruturas
de produção, distribuição, financiamento e consumo.

O padrão do urbanismo funcionalista transformou as cidades em


metrópoles com problemas estruturais, com reflexos em sua estrutura dinâmica,
econômica e social. Tais problemas como os de moradia, trabalho, segurança,
água, esgoto, energia ou os relacionados com transporte e trânsito também
esbarram na dificuldade de solução, pois envolvem números elevados de
condicionantes.
A cidade de Londres é o reflexo desta situação, e numa tentativa de
solucionar o grande congestionamento de veículos em sua área central, foi
implantado pela empresa de administração de transporte da cidade (TFL), a partir
do dia 17 de fevereiro de 2003, um sistema de pedágio urbano (congestion charge -
Figura 1.9) numa tentativa de reduzir o tráfego e aliviar o fluxo de automóveis em
diversas estradas de acesso à cidade 10. Também é objetivo desta proposta
aumentar a arrecadação municipal para futuras obras no sistema viário da cidade,
com uma previsão de arrecadação de 130 milhões de libras por ano
(R$ 755 milhões).

9 Fonte: SILVA, Rachel Coutinho Marques da. Urbanismo para uma Cidade Mundial. Secretaria
Municipal de Urbanismo. Disponível:
<www.rio.rj.gov.br/smu/paginas/noticias_caderno_ed1-4.htm> Acesso: 26 mar 2003
10 Fonte: BBC London - Disponível:
<http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2003/030214_pedagiomapa.shtml> Acesso: 30
jul 2003

10
Área de abrangência do pedágio urbano Limite do pedágio urbano
Figura 1.9 - Mapa de pedágio urbano de veículos na cidade de Londres
Fonte: BBC London
Disponível: <http://www.bbc.co.uk/london/congestion/maps/map_main.shtml>
Acesso: 12 mar 2004

O pedágio abrange uma área de 21 km2 das áreas centrais de Londres, com
o funcionamento das 7:00 hs às 18:30 hs de segunda a sexta-feira. O motorista paga
antecipadamente um valor de 5 libras (aproximadamente R$ 29,00) pela internet,
celular, telefone ou nos postos de cobrança. Cerca de 900 câmeras verificam as
placas dos automóveis para conferir o pagamento do pedágio, sendo que a multa
para os infratores é de 120 libras (cerca de R$ 700,00) 11.

11 Fonte: BBC London - Disponível:


<http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2003/030214_pedagiomapa.shtml> Acesso: 30
jul 2003

11
Experiências semelhantes foram adotadas com sucesso em Singapura
(1975), Melbourne - Austrália (1999), e também em Trondheim - Noruega (1991) 12.
Cidades como México e São Paulo adotaram propostas de rodízio de placas com a
intenção de reduzir o tráfego e os níveis de poluição.
Em São Paulo, que tem uma população de 16,6 milhões e uma frota de
veículos de 5,4 milhões13, foi implantado, em outubro de 1997, pela CET -
Companhia de Engenharia de Tráfego, um rodízio de placas que ocorre entre os
horários de 7h e 10h e das 17h e 20h, restringindo a circulação dos veículos nas
vias da área delimitada pelo chamado mini-anel viário (Figura 1.10), formado
pelas marginais Tietê e Pinheiros, avenidas dos Bandeirantes e Afonso
D'Escragnole Taunay, complexo viário Maria Maluf, avenidas Tancredo Neves e
Juntas Provisórias, viaduto Grande São Paulo, avenida Professor Luís Inácio de
Anhaia Melo e avenida Salim Farah Maluf. A desobediência do rodízio prevê
multa no valor de R$ 85,13 e o acréscimo de quatro pontos no prontuário do
motorista 14.
No Brasil o número de veículos tem crescido rapidamente nas últimas
décadas, passando de pouco mais de 425 mil, na década de 50, para 3,1 milhões,
na década de 70, chegando a 25 milhões em 1995 (Tabela 1.2). Estima-se que a frota
atual esteja em torno de 29 milhões de veículos 15, figurando entre as 10 maiores
frotas de veículos do mundo. O Brasil é, ainda, o 10º maior produtor de
automóveis no ranking mundial (Tabela 1.3).

12 Fonte: Transport 2000 – Disponível:


<http://www.transport2000.org.uk/learningzone/Briefing-CongestionCharging.htm> Acesso:
18 mar 2004
13 Fonte: Revista CNT - Confederação Nacional de Transporte - março 2003 - Disponível:
<http://notesweb.cnt.org.br/revista.nsf/51cbf45fdc97caf783256a0f006c37f1/fdbb32e841e9235b
82256d2f0055902f?OpenDocument> Acesso: 14 mar 2004
14 Fonte: Folha Online – Disponível:
<http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u88940.shtml> Acesso: 01 mar 2004
15 Fonte: Associação Nacional de Transportes Públicos – Disponível:
<http://www.antp.org.br/telas/transito/cap_trans.htm> Acesso: 04 jul 2004

12
Figura 1.10 - Mapa de rodízio de veículos em São Paulo
Fonte: Agência MSV Press
Disponível:
http://www.jornalexpress.com.br/noticias/detalhes.php?id_jornal=9095&id_noticia=327>
Acesso: 01 mar 2004

Tabela 1.2–Brasil-Crescimento da população e do número de veículos,1950-1995


Veículos População (em milhares)
Ano Hab/Veículos
(Inclui motocicletas) total urbana % urbana
1950 426.621 51.937 18.782 36 122
1960 987.613 70.991 31.303 44 72
1970 3.111.890 93.139 52.084 56 30
1980 10.731.695 119.099 80.436 68 11
1990 15.932.848 143.395 110.990 77 9
1995 25.336.260 152.374 120.350 79 6
Fonte: Ministério dos Transportes (1970/90) para dados de veículos e IBGE (1996) para
dados de população (apud ANTP)

13
Tabela 1.3 - As dez maiores frotas mundiais de veículos em 1994
Total da Frota Relação
Class Países
1.000 un. Hab/Veículos
1 Estados Unidos 195.469 1,3
2 Japão 65.011 1,9
3 Alemanha 42.533 1,9
4 Itália 32.578 1,8
5 França 30.040 1,9
6 Reino Unido 27.437 2,1
7 Comunidade de Estados Independente 23.405 13,0
8 Canadá 17.440 1,6
9 Espanha 16.687 2,4
10 Brasil 14.260 10.9
Obs: Brasil é a 10ª frota mundial em veículos e é o 10º produtor mundial de veículos.
Fonte: ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores
Disponível: <http://www.anfavea.com.br> Acesso:16 jul 2003

No Brasil a maior concentração de veículos ocorre principalmente em São


Paulo, segundo informações fornecidas pela Revista CNT - Confederação Nacional
do Transporte - março 2003 16:

Maior cidade da América do Sul, com população superior a 10


milhões de habitantes e frota de 5,4 milhões de veículos (um para cada
dois habitante), São Paulo carrega a marca de abrigar o pior trânsito do
país. Os números são tão grandiosos quanto a área (1.509 quilômetros
quadrados) e a população da cidade. Os problemas decorrentes deles,
idem.

São 1.200 linhas de ônibus distribuídas em 10 mil veículos e


transportando cerca de 40% da população; 50 km de linhas de metrô, com
56 estações e 1,7 milhão de passageiros por dia; 183 km de trilhos para
trens urbanos, com 83 estações e responsáveis pelo transporte de 700 mil
pessoas em dias úteis. Seis mil peruas também circulam pela cidade como
transporte coletivo.

16 Fonte: Revista CNT - Confederação Nacional do Transporte - março 2003 - Disponível:


<http://notesweb.cnt.org.br/revista.nsf/51cbf45fdc97caf783256a0f006c37f1/fdbb32e841e9235b
82256d2f0055902f?OpenDocument> Acesso: 14 mar 2004

14
Se toda a frota de veículos da cidade - que contabiliza apenas
aqueles emplacados na capital - posicionasse-se em fila, faria um corredor
capaz de atravessar o país do Oiapoque ao Chuí, em fila tripla. Em outras
palavras: o número de veículos de São Paulo ocupa área maior que a
disponível em todo o sistema viário da cidade.

A presença dos chamados carros de passeio nas ruas é o motivo que


intensifica o caos no trânsito. As pessoas preferem usá-lo a lançar mão do
transporte público, por causa de suas deficiências. O tempo de
deslocamento explica a preferência pelos automóveis. Uma viagem de
ônibus leva em média 49,7 minutos, o que é 2,3 vezes mais do que o
tempo médio gasto pelos automóveis. Entre as grandes metrópoles do
mundo, São Paulo é das poucas que tem nos ônibus o principal motor do
transporte público. Enquanto a extensão do metrô da capital é de 50 km,
em Paris, são mais de 500 km.

Desde 1990 há uma queda no número de passageiros transportados


pelos ônibus. Eram 7,4 milhões de pessoas que usavam esse tipo de
transporte em 1995. Atualmente, são cerca de 4 milhões. Na cidade que
concentra 25% da frota de veículos do país, mais da metade das famílias
têm pelo menos um carro; 10% têm dois carros e 3% até mais de três. A
cada dia, as ruas da capital paulista ganham 500 carros.

"O grande desafio da empresa é garantir a mobilidade", afirma


Luis Antônio Seraphin, assessor técnico da presidência da Companhia de
Engenharia e Tráfego (CET). Segundo ele, o índice que mede a mobilidade
- relação do número de viagens por habitantes - vem caindo, mesmo com o
aumento da taxa de motorização dos habitantes. Desde a criação da
empresa, a frota registrada de veículos cresceu de 1,3 milhão para 5,4
milhões, enquanto a malha viária passou de 13 mil para 15,4 mil
quilômetros. Já o número de viagens caiu 7%.

Este crescimento do número de veículos está associado ao processo


econômico do país, principalmente a partir de 1995, com a estabilização econômica
e conseqüente diminuição da taxa de inflação. A estabilização econômica teve um
grande impacto na demanda de bens de consumo, principalmente nas camadas de
renda mais baixa que tinham sofrido uma grande perda com o efeito inflacionário

15
até então. A estabilidade criou condições para uma nova expansão da indústria
automobilística no país, levando a classe média a adquirir veículos através de
sistemas de financiamento com taxas de juros mais baixas. E, com o fim das
barreiras de importação, as classes com alto poder aquisitivo, começaram a
adquirir automóveis importados. Este quadro levou a um rápido crescimento do
número de veículos em circulação nas cidades.
Segundo a ANTP - Associação Nacional de Transportes Públicos17 o
aumento do número de veículos e da população elevou em 50% o número de
passageiros transportados por meios rodoviários no período de 1986 a 1996 (apud.
Geipot, 1997). A ANTP também apresenta uma previsão para o crescimento anual
da população urbana em torno de 2% e 3% e para o crescimento da frota de
veículos em 4%, podendo-se estimar que em torno do ano de 2010 teremos uma
população urbana com um acréscimo de 50 milhões de habitantes e com 20
milhões de veículos a mais na frota nacional.
Soluções que incrementem o uso do transporte público deverão ser
implantadas pelas autoridades de planejamento urbano a fim de evitar que o
trânsito nas grandes cidades se deteriore ainda mais. Estas soluções deverão
passar, necessariamente, pela integração do veículo particular com a malha
urbana.
Na cidade de Belo Horizonte a BHTRANS, um órgão da administração
indireta da Prefeitura Municipal, é a responsável pelo gerenciamento do sistema
de transportes e do trânsito da cidade. Segundo o censo demográfico de 2000
fornecido pelo IBGE, Belo Horizonte tem uma população de aproximadamente 2,4
milhões de habitantes 18, onde diariamente circulam 720 mil veículos e são
transportados 1,4 milhão de passageiros.

17 Fonte: Associação Nacional de Transportes Públicos – Disponível


<http://www.antp.org.br/telas/transito/cap_trans.htm> Acesso: 04 jul 2004
18 Fonte: IBGE - Censo Demográfico 2000 – Disponível:
<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/universo.php?tipo=31&pa
ginaatual=1&uf=31&letra=B> - Acesso: 17 mai 2004

16
Apesar de todas as atribuições da BHTRANS 19 , que incluem o
planejamento e a implantação de ações operacionais no tráfego e no sistema viário
da cidade de Belo Horizonte - MG, o gerenciamento e a fiscalização dos táxis, dos
serviços de transportes coletivo, escolar e suplementar, não há uma definição de
ações especificas para a implantação de edifícios garagens de grande porte na
cidade, além das exigências legais regidas pela Lei de Uso e Ocupação do Solo
Urbano de Belo Horizonte (Lei nº 7166 de 27-08-1996). Apenas existem algumas
exigências em relação à implantação de PGTs (pólos geradores de tráfego) tais
como shopping centers, templos religiosos e terminais de passageiros. Nos
grandes terminais de passageiros, como a Estação Diamante, que é uma estação
do BHBUS20 com operação intramodal, isto é, faz a integração do serviço de
transporte coletivo por ônibus, ainda não existe um planejamento de integração
com possíveis edifícios garagens que poderiam ser construídos em suas
proximidades.
São louváveis as soluções como aquelas adotadas pelo PACE 21 (Plano da
Área Central), um conjunto de intervenções de curto, médio e longo prazos
propostas para a área compreendida dentro dos limites da Avenida do Contorno.
As intervenções de curto prazo são em sua maioria de baixo custo e implicam na
melhoria das condições de circulação e segurança na região central da cidade. As
intervenções de médio e longo prazos visam à criação de alternativas para o
atravessamento da área central da cidade.
Diante de todos os problemas relacionados com o uso dos automóveis que
foram apresentados aqui, e também pelas exigências do estilo de vida atual, ainda
não se pode pensar em uma cidade sem o uso do transporte particular. Tentativas
de criar cidades inteiras ou, mesmo, espaços urbanos exclusivos onde é proibido o

19 Fonte: BHTRANS – Disponível:


<http://www.bhtrans.pbh.gov.br/bhtrans/bhtrans/index.asp> - Acesso: 17 mai 2004
20 BHBUS - Plano de Reestruturação do Sistema de Transporte Coletivo de Belo Horizonte
21 Fonte: BHTRANS – Disponível: <http://www.bhtrans.pbh.gov.br/bhtrans/bhtrans/pace.asp>
Acesso: 17 mai 2004

17
uso de automóveis particulares nas ruas como os apresentados pelo site Carfree
City 22, devem ser incentivadas principalmente em suas inovadoras propostas
urbanas evidenciando o transporte coletivo, principalmente com o uso de trem
metropolitano, metrô de superfície, bondes elétricos, e, para o transporte local, o
uso de bicicletas.
É certo que a grande maioria das cidades mundiais deverão encontrar
fórmulas que solucionem tanto o problema do grande número de veículos
particulares nas ruas e quanto aqueles relacionados ao tráfego e estacionamento
destes veículos.

22 Fonte: Car Free - Disponível: <http://www.carfree.com> - Acesso: 07 jul 2004

18
1.3 Estrutura do trabalho

O presente trabalho apresenta-se desenvolvido em oito capítulos. Após o


capítulo introdutório, o Capítulo II aborda os aspectos referentes ao
desenvolvimento de projeto de edifícios garagens, incluindo-se as garagens
subterrâneas. Os aspectos inerentes aos pedestres também são apresentados
incluindo-se os procedimentos de utilização das garagens convencionais e
automatizadas. Uma abordagem da atual legislação de Ocupação do Solo Urbano
de Belo Horizonte discute as limitações impostas por este instrumento.
No Capítulo III são descritos, de forma mais detalhada, os tipos de garagens
com rampas e seu funcionamento. Estas estão organizadas em quatro categorias:
a) Rampas retas entre dois pavimentos de estacionamento;
b) Rampas entre meio-pisos alternados;
c) Rampas helicoidais entre dois pavimentos de estacionamento;
d) Garagens com pisos rampados.
No Capítulo IV, são descritos, vários tipos de sistemas para garagens
residências ou de pequeno porte e seu funcionamento. Este capítulo está
subdividido em cinco tópicos:
a) Sistemas pantográficos de estacionamento;
b) Sistemas elétrico-hidráulicos;
c) Sistemas de estacionamento com colunas;
d) Sistema de estacionamento semi-automático com páletes;
e) Sistema semi-automático com páletes e colunas.
No Capítulo V, são abordados os Sistemas de Estacionamento Modular
Automatizado de grande porte, o que constitui o objetivo principal desta pesquisa.
Este capítulo está subdividido em quatro tópicos:
a) Sistemas com um único dispositivo de transporte com movimentos
horizontal e vertical;
b) Sistemas com movimentos horizontal e vertical, utilizando
dispositivos de transportes independentes;

19
c) Sistemas de transporte circular;
d) Sistemas com elevadores rotatórios.
No Capítulo VI são apresentados quatro diferentes módulos garagens,
abordando os aspectos de sua utilização e rendimento, sendo:
a) Sistema Módulo Lateral - 2
b) Sistema Módulo Duplo - 4
c) Sistema Módulo Circular - 4
d) Sistema Módulo Circular – 12
No Capitulo VII são apresentados dois estudos de casos, sendo:
a) O primeiro aborda uma proposta vencedora de concurso público de
projetos (não executada) de um edifício subterrâneo e convencional
em concreto armado para uma grande área urbana na cidade de Belo
Horizonte - MG. Em contraposição, um outro edifício garagem em
estrutura metálica, modulado e totalmente automatizado, é
proposto para a mesma região.
b) O segundo apresenta uma avaliação da área urbana da Savassi em
Belo Horizonte - MG, verificando-se as possibilidades de
implantação de garagens automatizadas, através da comparação
entre os estacionamentos de veículos em lotes vagos e nas ruas com
os sistemas modulados.
No Capítulo VIII são apresentadas as considerações finais, a título de
conclusão, enfatizando-se ainda os limites do presente estudo e sugerindo alguns
pontos a serem aprofundados em trabalhos futuros.

20
1.4 Justificativa
O panorama abordado no Capítulo I reflete-se nas grandes cidades
brasileiras, como conseqüência das políticas de administração pública. Associada à
dificuldade de circulação de veículos, há, ainda, a dificuldade de estacionar nestas
regiões cada vez mais conturbadas e adensadas. A maioria dos edifícios situados
nas áreas centrais destas cidades, por serem antigos, não possuem garagens
próprias, ou quando as têm, estas são insuficientes para atender aos seus próprios
usuários. O pequeno número de vagas nestes edifícios é reflexo de condicionantes
dos projetos da época de suas construções. Uma evidência deste sintoma é o
aparecimento de edifícios inteiros desocupados nestas regiões, como é o caso do
antigo edifício do Banco Mineiro da Produção (Bemge) localizado na Praça Sete de
Belo Horizonte (projeto do Arq. Oscar Niemeyer - 1953) (Figura 1.11). Em 1999, o

Figura 1.11 - Edifício Banco Mineiro da Produção (Bemge) - Oscar Niemeyer – 1953

21
proprietário do edifício (Banco Itaú) colocou-o à venda. Devido à depreciação do
imóvel associada à estagnação do centro da cidade e principalmente, ao fato de o
edifício não possuir garagem, não encontrou comprador.
Poder-se-ia questionar o uso de transporte coletivo, como o ônibus ou trens
metropolitanos, para o acesso a estas áreas, mas sabe-se que muitos usuários não
seriam adequadamente atendidos por ele, pois, como foi observado anteriormente
no Capítulo I, o tempo de deslocamento dos ônibus é 2,3 vezes maior do que o
tempo médio gasto pelos automóveis 23.
A atual legislação de Uso e Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte,
originada na legislação de 1976, é uma ferramenta que dificulta e limita a
construção de edifícios garagens na região central da cidade (definida na
legislação como região do hiper-centro - ZHIP), permitindo-o em apenas algumas
vias. A partir da aprovação da nova legislação, os planejadores municipais
desejavam que o hiper-centro adquirisse um perfil de usos que incluísse moradias
e alguns serviços, descentralizando os demais serviços e levando-os para outras
regiões da cidade.
Em conseqüência desta legislação e do natural envelhecimento da região do
hiper-centro, tem-se observado a degradação dos usos e dos serviços apresentados
nesta região. Algumas atitudes tomadas pelos órgãos públicos, como a
revitalização da Praça Sete e da Rua Caeté no centro de Belo Horizonte e novos
sistemas de iluminação pública, têm um certo valor para reverter este quadro, mas
não são suficientes. Edifícios vazios, desocupados ou abandonados tendem a
piorar a qualidade urbana ao seu redor.
A mídia impressa tem reportado que os casos de invasões em edifícios
abandonados ou desocupados tem ocorrido de forma sistemática nos grandes
centros urbanos:

23 Fonte: Revista CNT - Confederação Nacional do Transporte - março 2003 - Disponível:


<http://notesweb.cnt.org.br/revista.nsf/51cbf45fdc97caf783256a0f006c37f1/fdbb32e841e9235b
82256d2f0055902f?OpenDocument> Acesso: 14 mar 2004

22
Na madrugada do dia 21/07/2003, cerca de 3.500 pessoas do MTST
(Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) invadiram cinco prédios na
região central de São Paulo. Um dos edifícios é o antigo Hotel Danúbio
situado na av. Brigadeiro Luís Antônio, 1.099, que pertence UniFMU
(Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas) 24.

Estas atitudes têm se tornado cada vez mais freqüentes, e para evitar que
ocorram e, mesmo, que estas regiões se deteriorem ainda mais, novas diretrizes de
atuação deverão ser postas em prática.
Deve-se deixar bem claro que qualquer tipo de instrumento legal que
incremente as possibilidades de estacionar pode melhorar ou mesmo piorar o
trânsito em uma determinada região. É certo que construir edifícios garagens em
determinados corredores de transito poderá liberar faixas das vias que antes eram
utilizadas como estacionamento.
Em seu livro “Paletização de Estacionamentos”, Ramalho (1980) apresenta
uma relação que aborda o quanto um sistema de estacionamento modulado pode
ser benéfico para uma área urbana:

Mil vagas representam uma fila indiana de cinco quilômetros de


carros estacionados na maneira convencional, congestionando ruas e
calçadas. Cinco quilômetros representam sem dúvida o perímetro de
vários quarteirões, ou, noutra imagem, mais do que todo o comprimento
da praia de Copacabana. Pesquisas publicadas pela Companhia do Metrô
do RJ dão conta de que aproximadamente metade dos automóveis
particulares da cidade está sendo guardada nas ruas, o que ocorre também
em muitas outras cidades do país 25.

24 Fonte: Estado de Minas – Disponível:


<http://www.em.com.br/uai/noticias/agora/nacional/51699.html> Acesso: 30 jul 2003
25 RAMALHO, 1980. p3.

23
Portanto, pelas próprias características destas regiões e de seus edifícios, o
problema de estacionamento poderá ser solucionado com maior eficiência por
meio de sistemas que permitam a maior otimização dos espaços. Os Sistemas de
Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems -
MAPS) apresentam-se como soluções adequadas para os problemas levantados.

24
1.5 Revisão bibliográfica

ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue


Disponível <http://www.tradearbed.com> Acesso: 25 mar. 2004
Documento eletrônico disponibilizado pela Arcelor International America.
Aborda a construção de garagens com vários níveis em estrutura metálica,
incluindo aspectos de projeto arquitetônico, como rampas, dimensões,
inclinação de vagas e sistemas construtivos como pilares, vigas e lajes
mistas.

BRIERLEY, John - Parking of Motor Vehicles - C.R. Books Limited - London, 1962
Trata do crescimento da frota de veículos na Inglaterra e descreve alguns
métodos que podem minimizar o impacto causado pelos automóveis.
Descreve os problemas relacionados com a necessidade de estacionamento,
incluindo a legislação, administração do tráfego e áreas de estacionamento.
Aborda os edifícios garagens com vários níveis, com rampas e sistemas
mecânicos.

KLOSE, Dietrich- Parkhäuser und Tiefgaragen- Deutsche-Stuttgart- Verlag Gerd


Hatje, 1965
Klose aborda os problemas resultantes do uso do automóvel desde a sua
invenção, fazendo relações do espaço necessário para estacionamento com
as áreas urbanas, apresentando as novas reorganizações da estrutura
urbana. Mostra a crescente necessidade de estacionamento das cidades,
apresentando garagens com rampas e com instalações mecânicas.

25
NPA Parking Consultants Council - Guide to the Design & Operation of
Automated Parking Facilities - USA, 2003.
Publicação conjunta da Automated & Mechanical Parking Association e da
Parking Consultants Council of the National Parking Association, apresenta
os parâmetros de projeto e construção de sistemas de estacionamento
automatizado, destinados à administradores, projetistas, administradores
de normas para edificações e operadores de garagens. Apresenta uma visão
geral das normas de edificação publicadas para instalações de garagens
automatizadas.

RAMALHO, Luiz Carlos de Aquino - Paletização de Estacionamentos - Brasil,


1980.
Apresenta uma coletânea de dados destinados à elaboração de garagens
com sistemas de vagas paletizadas. Apresenta critérios fundamentais ao
projeto deste tipo de sistema, inclusive o uso de páletes inclinados e
giratórios. Uma garagem paletizada para 1000 veículos é apresentada
detalhadamente, juntamente com exercícios práticos de utilização de
páletes em garagens existentes.

26
2 CAPÍTULO II - Desenvolvimento e Projeto de Edifícios
Garagens

2.1 Introdução
A necessidade de construções de edifícios garagens surgiu já no início do
século XX, inicialmente com os abrigos domiciliares para veículos, uma vez que o
automóvel era um bem muito caro para ser deixado nas ruas durante a noite.
Entretanto, nas áreas já edificadas das cidades não havia espaço suficiente para
abrigar os veículos daqueles que trabalhavam nestas regiões. Iniciou-se então a
construção de edifícios especializados para abrigar estes veículos. Inicialmente
com apenas um pavimento e, posteriormente, com vários pavimentos e ainda
integrados a centros comerciais e empresariais.
A partir da necessidade de estacionar os veículos, começa a construção de
vários edifícios especializados na Europa. Em 1925, em Berlim - Alemanha, foi
construído um edifício com vários pavimentos, no qual os veículos eram
transportados para os pisos superiores por meio de elevadores. No mesmo
período foi construído em Stuttgart, também na Alemanha, um edifício com
rampas para o acesso entre os pisos.
Em Veneza, na Itália, foi construído em 1930 o edifício “Autorimessa” que
foi o primeiro grande edifício garagem da Europa (Figura 2.1). Este foi construído
com duas rampas helicoidais em suas extremidades opostas, sendo destinado ao
estacionamento de veículos de visitantes e pessoas que moravam na região, já que
o grande tráfego nesta cidade se dá pelos canais.
Entretanto, somente após a segunda guerra mundial, por volta dos anos 50,
começou a construção sistemática dos edifícios garagem na Europa.

27
Figura 2.1 - Ed. “Autorimessa”- Veneza
Fonte: Archiguide
Disponível: <http://membres.lycos.fr/archiguideeurope/venise.htm>
Acesso: 19 abr 2004

Nos Estados Unidos, a construção de edifícios garagens ocorreu como uma


necessidade do tráfego. Os proprietários dos terrenos próximos aos escritórios e
centros comerciais perceberam que a atividade de estacionamento era rentável
financeiramente e começaram a erguer estruturas com vários pavimentos acima de
seus espaços de estacionamento, dando origem aos edifícios garagens,
como o de Winston-Salem na Carolina do Norte, em 1926. Neste edifício, foram
empregadas rampas retas entre os níveis dos pavimentos como solução de acesso
e circulação. Até então, estas garagens eram semelhantes a galpões de fábricas ou,
simplesmente, ocultavam-se atrás de fachadas ecléticas. Quando a construção e a
operação das garagens se tornaram atividades regulares, houve um esforço em
desenvolver projetos compatíveis com as necessidades de uma boa operação dos
serviços.
Basicamente, os edifícios garagens são estruturas relativamente simples
com poucos componentes estruturais: colunas, pisos, elevadores ou rampas para

28
carros e escadas e elevadores para pedestres. A tarefa do arquiteto é manter estes
elementos estruturais afastados de modo a se transformarem em elementos
arquitetônicos, combinados de tal forma que componham as características do
novo edifício. Por serem edificações de volumetria relativamente simples, uma das
preocupações é concebê-lo com uma plástica agradável. Para isto várias soluções
para o fechamento externo podem ser criadas, desde painéis em concreto até
fechamento com telas, cabos e vidros.

2.2 Garagens subterrâneas


Uma garagem subterrânea com vários níveis tem um custo de construção
muito mais elevado que um edifício garagem acima do solo. As garagens
subterrâneas são viáveis economicamente quando implantadas em terrenos
próximos a áreas muito adensadas, onde os terrenos têm um valor muito elevado.
É o caso dos edifícios de hotéis, escritórios ou residências com garagens em seus
subsolos.
Este tipo de garagem pode ocorrer por exigências do planejamento urbano,
onde as diretrizes públicas exigem que estas sejam dispostas no subsolo. A
implantação de garagens subterrâneas abaixo de quarteirões urbanos representa
um valioso recurso em planejamento urbano, pois os espaços de estacionamento
são resolvidos sem sacrificar preciosos espaços abertos.
Em diversas situações, a instalação de garagens subterrâneas sob os
quarteirões públicos será a única solução para criar instalações de garagens em
antigas áreas históricas dos centros urbanos sem a interferência na paisagem
urbana e arquitetônica destas áreas. Mesmo em novas áreas, recentemente
desenvolvidas, é viável a implantação deste tipo de garagem.
As garagens subterrâneas podem ser projetadas como garagens com rampas ou
com sistemas mecânicos. Um exemplo deste tipo intervenção é apresentado no
CAPÍTULO V, item 5.3 - Sistemas com elevador e plataforma giratória, onde uma
garagem mecânica e subterrânea foi construída pela empresa Italiana Trevipark na
Piazza Fabbri, em Cesena, Itália, para abrigar os veículos dos usuários da região.

29
2.3 Pedestre e garagens
Uma grande preocupação no projeto de estacionamentos ou edifícios
garagens refere-se ao pedestre, pois este merece uma atenção especial.
Independente do tipo de solução adotada para a garagem, deve-se ter sempre em
vista a segurança do pedestre e do motorista.
A grosso modo, qualquer tipo de garagem se apresenta como grandes
depósitos destinados ao abrigo de automóveis, variando apenas a sua tipologia,
podendo ser dos tipos convencionais ou automatizados.

2.3.1 Garagens convencionais


Nas garagens de auto-estacionamento é o motorista que conduz o próprio
carro, já que todos os níveis são acessíveis normalmente por rampas. Este tipo de
garagem deve ser bem iluminado e com bom projeto de circulação, permitindo
uma orientação fácil e segura, conferindo-se um cuidado especial tanto para carros
como para pedestres. O motorista não deve percorrer grandes distâncias, sendo
um padrão americano a distância máxima de 91 metros (aproximadamente 100
jardas) 26. Em grandes garagens, as áreas de circulação de veículos e de acesso para
pedestres devem ser separadas. Em garagens menores, uma pintura pode ser feita
no piso marcando a circulação de pedestres. Deve-se evitar em projeto que a
circulação de pedestres intersecione com os acessos dos veículos, principalmente
em grandes garagens, pois isto comprometerá a capacidade de acesso à garagem e
mesmo a segurança dos pedestres.

2.3.2 Garagens com sistemas automatizados


Neste tipo de garagem o motorista não tem acesso ao interior da garagem,
deixando o veículo na recepção. Sistemas com máquinas automatizadas se
encarregam de conduzir o veículo para o local apropriado. Portanto as
preocupações nestas garagens com a segurança e conforto dos pedestres se
limitam apenas à área de recepção dos veículos.

26 KLOSE,1965, p39.

30
2.4 Legislação atual em Belo Horizonte - MG
A atual legislação de Uso e Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte -
Lei nº 7166 de 27-08-1996 e a alteração feita pela Lei nº 8137 de 21-12-2000 (Anexo 1
ao Anexo 4) possui vários instrumentos que buscam direcionar o crescimento da
cidade. Alguns destes instrumentos são realmente muito válidos, como os que
exigem pista de acumulação para determinados usos ou quantidade de vagas.
Outro instrumento desta legislação, como o que limita a construção de
edifícios garagens em apenas determinadas ruas (definida na legislação como
região do hiper-centro - ZHIP), pode ser questionado quanto à sua eficiência, já
que desde a sua implantação, em 1996, o impedimento da construção deste tipo de
edifício não surtiu grandes melhorias urbanas. Este instrumento é definido no
Parágrafo 6º do Capítulo IV, Seção III:

“§ 6º - Na ZHIP, somente são admitidos edifícios-garagem em


terrenos lindeiros às avenidas dos Andradas, Olegário Maciel, Santos
Dumont, Oiapoque e do Contorno”.

Portanto, como conseqüência desta imposição, em toda a cidade existe


apenas um edifício garagem com elevador, que é a Garagem São José com acesso
pela Rua Tupis, nº 70 (Figura 2.2), construído dentro da legislação anterior a 1996.
Deve-se notar que com a atual legislação, tal edifício não poderia ser construído, já
que se situa fora dos limites impostos pela legislação. Se o mesmo tivesse que
atender a atual legislação, deveria possuir pista de acumulação.
Na região do hiper centro de Belo Horizonte (ZHIP) há poucos espaços de
estacionamentos de maior porte, tais como o estacionamento da rodoviária e o
estacionamento do pátio da Igreja São José, com acesso também pela Rua Tupis.
Outros grandes espaços de estacionamento estão localizados em edifícios
comerciais, como é o caso do Shopping Cidade.

31
Figura 2.2 - Garagem São José - Rua Tupis, 70 – Belo Horizonte – MG

Ainda nesta legislação, exige-se que apenas as residências com mais de


60m2 tenham vagas de estacionamento (Anexo 1) e, por incrível que pareça, os
templos e os locais de culto não necessitam de locais de estacionamento, como
pode ser verificado em seu Artigo 61:
“Art. 61 - O número mínimo de vagas destinadas a estacionamento de
veículos é calculado segundo o disposto no Anexo VIII.
Parágrafo único - Ficam excluídas da exigência contida neste artigo:
I - as habitações unifamiliares;
II - a unidade não residencial com área de até 60 m2 (sessenta metros
quadrados), situada em terreno onde exista, além dela, somente uma
edificação de uso residencial;
III - os templos e os locais de culto.”

32
Uma outra exigência da atual legislação que recai sobre as edificações é a
previsão de pista de acumulação de veículos para empreendimentos comerciais ou
de uso misto com mais de 60 vagas (Anexo 2 e Anexo 4), conforme o Artigo 62:
“Art. 62 - Devem dispor de pista de acumulação interna, junto à entrada
e ao nível do logradouro, de acordo com o Anexo IX, os acessos a:
I - edificações de uso não residencial com mais de 60 (sessenta) vagas de
estacionamento;
II - edificações de uso misto com mais de 60 (sessenta) vagas de
estacionamento, excluídas as relativas à parte residencial;
III - estacionamentos de veículos abertos ao público;
IV - edifícios-garagem.
Parágrafo único - O cálculo do número de vagas previsto nos incisos I e II
é feito de acordo com o previsto no artigo anterior.

Tem ocorrido freqüentemente uma mudança de usos de alguns edifícios da


cidade, como é o caso de vários cinemas que se transformaram em templos
religiosos ou mesmo em centros comerciais, conhecidos como “feiras-shopping”.
Como exemplo pode-se citar o antigo Cine Art-Palácio na Rua Curitiba, em Belo
Horizonte - MG. A antiga legislação urbana não previa estas mudanças de usos,
por outro lado, nem mesmo a atual legislação potencializa o impacto urbano que
tais mudanças arremetem à cidade.
Com estas mudanças de usos, os edifícios que já não dispunham de espaços
suficientes de estacionamento, atendem muito menos à atual exigência legal.
Além da legislação de Uso e Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte,
ainda está em vigor o Código de Obras - Decreto Lei nº 84 de 21-12-40 (Anexo 5)
que regulamenta as construções na cidade. Em seu Capítulo XI, que aborda as
construções para fins especiais, e no Item 13 - Artigo 226, que aborda
exclusivamente as construções para garagens comerciais, apresenta exigências em
relação à paredes, pisos, coberturas, pé direito mínimo, além de outras que não se
aplicam na adoção dos Sistemas de Estacionamento Modular Automatizado
(Modular Automated Parking Systems - MAPS).

33
3 CAPÍTULO III - Garagens com rampas

3.1 Introdução
As garagens com vários pavimentos podem ser classificadas em duas
categorias: garagens com rampas ou garagens mecânicas.
Nas garagens com rampas, os veículos se dirigem à vaga de estacionamento
por meio de seu próprio movimento, dispondo de planos inclinados (rampas) para
o acesso entre os vários pavimentos.
Nas garagens mecânicas, os veículos são levados às suas vagas por meio de
equipamentos mecânicos, tais como elevadores e dolly 27, plataformas, páletes etc.
Neste tipo de garagem normalmente o motorista não tem acesso ao seu interior, já
que todo o procedimento de guarda e retirada do veículo é realizado por estes
dispositivos mecânicos.

3.2 Procedimento de acesso e estacionamento em garagens


com rampas
Em garagens com rampas, o veículo pode ser estacionado pelo próprio
motorista ou por meio de um manobrista. O estacionamento executado por
manobristas permite uma economia de espaços, pois os veículos podem ser
posicionados mais próximos, entretanto as zonas de entrada e saída requerem
uma maior área de reserva (faixa de acumulação 28 ). Nestas áreas os carros são
enfileirados até que sejam removidos pelos manobristas. Normalmente as faixas
de acumulação são determinadas por legislação municipal. Seu dimensionamento

27 Dolly (do inglês: pequena locomotiva de bitola estreita) é um dispositivo de transporte


horizontal que trabalho em conjunto com o elevador, semelhante a um pequeno pálete com
roda e sobre trilhos que se movimenta sob o veículo. Através de motores elétricos este permite
elevar o veículo pelas rodas e então transferindo-o para dentro do elevador.
28 Em Belo Horizonte – MG, a faixa de acumulação de veículos é determinada pela Lei de Uso e
Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte (Lei nº 7166 de 27-08-1996), no Art. 62 e também
em seu Anexo IX que aborda este tema (vid. Anexo 1 ao Anexo 4).

34
deve ser previsto de acordo com a área do estacionamento ou pela capacidade de
veículos.
A capacidade da utilização das garagens com manobristas é menor se
comparada às garagens em que o motorista estaciona o seu próprio veículo, onde
o motorista não terá que esperar a recepção do manobrista.
A experiência mostrou que a eficiência econômica máxima é conseguida,
não pela utilização máxima do espaço, mas por uma rotatividade de veículos mais
elevada (Klose, 1965, p33).
O procedimento de acesso e saída da garagem deve ter o seu tempo
minimizado. Segundo Klose (1965, p28) calcula-se que em um estacionamento de
grande rotatividade, dois terços de sua capacidade deverá ser capaz de deixar o
local em uma hora. Na prática, os valores são mais elevados, sendo de até 100% a
rotatividade total em uma hora.
O procedimento de controle de entrada e saída totalmente automatizado é
freqüentemente encontrado em shopping centers, sendo como se segue: o motorista
passa por uma cabine de controle onde um sistema computadorizado imprime e
entrega um bilhete de estacionamento com o horário de seu acesso, e em alguns
casos, o nível e a localização da vaga a que deve se dirigir. Na saída, antes de
pegar o seu veículo, o motorista deve-se efetuar o pagamento correspondente ao
tempo em que o veículo ficou estacionado. O pagamento é efetuado em quiosques
de cobrança localizados nas proximidades das áreas de estacionamento. De posse
do bilhete quitado, o motorista dirige seu veículo a uma das saídas do
estacionamento, inserindo o bilhete nas mesmas máquinas de controle. Estas
identificam o bilhete, verificando em banco de dados do computador, se o mesmo
está quitado, procedendo, então, a abertura da cancela de saída e permitindo a
saída do veículo.

3.3 Classificação das garagens com rampas


Existem dois tipos básicos de garagens com rampas: as com rampas retas e
as com rampas helicoidais, sendo que para assegurar uma operação mais segura
no acesso dos veículos, as rampas devem ser separadas. Se houver apenas uma

35
rampa para ambos os sentidos, será necessário um divisor de pista nas rampas a
fim de evitar acidentes.
As várias possibilidades de arranjo e projetos de garagens com rampas
podem ser organizadas em quatro grupos:
1. Garagens com rampas retas entre dois pisos:
Normalmente as rampas situam-se no perímetro da garagem. As
rampas estão situadas entre dois pavimentos, vencendo um lance
completo de piso. Esta solução esta representada no item 3.4.
2. Garagens com rampas retas entre meio-pisos alternados:
Neste tipo de solução, as rampas vencem apenas meio-piso. A
solução arquitetônica encontrada para este tipo de garagem é
construir a metade da garagem meio-piso abaixo da outra metade. A
rampa que ligará as duas metades terá então que vencer apenas meio
andar. Desenvolvida por d’Humy 29 na década de 20 esta é uma
solução mais econômica e está representada no item 3.5.
3. Garagens com rampas helicoidais entre dois pisos:
Neste tipo de garagem, as rampas são construídas de forma
helicoidal, podendo estar situadas dentro ou nas extremidades do
piso da garagem. Existem soluções que utilizam duas rampas
helicoidais, uma para subir e outra para descer da garagem. Esta
solução esta representada no item 3.6.
4. Garagens com pisos rampados:
Esta solução utiliza o próprio piso como rampa para o acesso entre os
diversos níveis da garagem. Esta solução é interessante para grandes
espaços de estacionamento, sendo que neste caso a inclinação do piso
não provocará um grande incômodo aos motoristas. Esta solução
esta representada no item 3.7.

29 Fonte: ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue – Disponível


<http://www.tradearbed.com> Acesso: 25 mar. 2004

36
3.4 Garagens com rampas retas entre dois pisos
As garagens com rampas que aparentam ser muito íngreme, pouco
iluminadas, ou mal orientadas dentro de uma garagem, tendem a provocar uma
sensação de insegurança ao motorista que será obrigado a locomover-se mais
lentamente. Além dos aspectos psicológicos, existem as características técnicas que
definem a inclinação das rampas. As rampas muito íngremes não representam
problemas para os carros modernos. Neufert, Ernest et al. (2001, p135) recomenda
que a declividade máxima da rampa deverá ser de 15% e, para garagens pequenas
não deve ultrapassar 20%. Ainda recomenda que as rampas retas com apenas uma
mão tenham livre uma largura de 3,00 m, com 0,25 m de cada lado para proteção,
totalizando 3,50 m. As rampas de mão dupla obedecem ao mesmo princípio,
tendo, portando, uma largura total de 7,00 m.
A construção de garagens com rampas retas é a solução mais comumente
encontrada. Nesta tipologia, rampas retas entre pisos podem ser facilmente
solucionadas. As rampas podem ser dispostas ao longo dos lados dos pisos da
garagem permitindo uma melhor organização da garagem e uma circulação de
veículos mais fácil (Figura 3.1). Uma solução de garagem que adote rampas
independentes para entrada e saída de veículos permite um fluxo maior de
veículos, sendo operada sem a necessidade de manobristas. Deve-se observar as
larguras mínimas de rampas exigidas nas legislações locais e também a facilidade
de manobras dos veículos.

Figura 3.1 - Rampa reta de pista simples com subida e descida


KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Gerd Hatje, 1965, p30

37
3.5 Garagens com rampas retas entre meio-pisos alternados
Para a redução das rampas, pode-se adotar a redução da altura da estrutura
e conseqüentemente a redução do pé direito do pavimento. Uma possível solução
para evitar o uso de grandes rampas é o emprego de meio-pisos alternados (split-
level car park). Esta solução mais econômica foi desenvolvida por d’Humy30 na
década de 20, consistindo na adoção de rampas curtas entre meio-pisos de
garagens. É necessário que o piso da garagem seja divido em duas partes
dispostas em níveis de cotas diferentes (normalmente o desalinhamento vertical
de cada piso é a metade da altura entre pisos). Com a mudança de localização das
rampas dentro da garagem, é possível ter várias soluções de fluxo de tráfego,
trazendo maior segurança para os motoristas (Figura 3.2 à Figura 3.4).

Figura 3.2 - Rampa reta entre meio-pisos


Movimento de subida e descida com faixas de rampas separadas para mão dupla de
tráfego
KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Gerd Hatje, 1965, p30

Figura 3.3 - Rampa reta entre meio-pisos Figura 3.4 - Rampa reta entre meio-pisos
Movimento de subida e descida com parte Movimentos de subida e descida separados
das vias separadas em faixas de mão única e em vias de mão única.
com parte das vias de mão dupla de tráfego
KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche, KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche,
Stuttgart, Verlag Gerd Hatje, 1965, p30 Stuttgart, Verlag Gerd Hatje, 1965, p30

30 Fonte: ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue – Disponível


<http://www.tradearbed.com> Acesso: 25 mar. 2004

38
Como os pisos são dispostos alternados, as rampas terão que vencer apenas
meio nível, ocupando a metade do espaço que uma rampa ocuparia em uma
solução convencional (Figura 3.5 à Figura 3.9). Esta solução exige que os carros
sejam estacionados em ângulo reto (estacionamento à 90º), sendo que este tipo de
configuração requer uma largura mínima de 31 m para ser implantada (Figura
3.5).

Figura 3.5 - Garagem d’Humy Seção mostrando os pisos alternados


ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue
Disponível: <http://www.earbed.com> Acesso: 27 jun. 2003
Se as rampas forem internas, a aparência externa do edifício será definida
pela alternância dos pisos. Uma especial atenção deverá ser tomada em relação aos
aspectos de visibilidade, pois este tipo de solução pode causar confusão no
motorista. Em edifícios garagens com manobristas isto não será relevante.
Também deve-se ter atenção em relação às alturas livres nas entradas e saídas das
rampas, evitando que uma altura muito pequena danifique os veículos mais altos,
como as vans e SUV.

Figura 3.6 - Garagem d’Humy Pisos alternados e rampas separadas nas extremidades
ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue
Disponível <http://www.earbed.com> Acesso: 27 jun. 2003

39
A utilização de fluxo de trânsito separado é recomendada para evitar
acidentes durante o percurso dentro da garagem. Nas Figura 3.7 e Figura 3.9 estão
representadas estas soluções, onde apenas a relocação das rampas foi o suficiente
para evitar a mão dupla de circulação em grande parte da garagem.

Figura 3.7 - Garagem d’Humy Com circulação separada e saída rápida


ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue
Disponível <http://www.earbed.com> Acesso: 27 jun. 2003

Figura 3.8 - Garagem d’Humy Com circulação com rampa dupla


ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue
Disponível <http://www.earbed.com> Acesso: 27 jun. 2003

Figura 3.9 - Garagem d’Humy Com circulação mista e saída rápida


ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue
Disponível <http://www.earbed.com> Acesso: 27 jun. 2003

40
As Figura 3.6, Figura 3.7, Figura 3.8 e Figura 3.9 representam os vários tipos
de solução de plantas com as propostas apresentadas por d’Humy, onde as
necessidades de áreas de piso e de circulação são determinadas através do cálculo
dos acessos de subida e de decida da garagem. Assumindo que esta garagem tem
quatro níveis, pode-se verificar, na Tabela 3.1, a eficiência do melhor layout para a
distribuição das rampas de acesso e das vagas.

Tabela 3.1 - Comparação das rotas de entrada e saídas de rampas


Área total Número de Área por Comprimento da rota
Layout do piso vagas por vaga Entrada Saída
piso
m2 m2 m m
Figura 3.6 2248 100 22,48 654 521
Figura 3.7 2248 102 22,03 514 271
Figura 3.8 2170 100 21,70 673 599
Figura 3.9 2248 100 22,48 654 271
Obs: Dados referentes aos layouts de rampas mostrados nas Figura 3.6 à Figura 3.9
(considerando a garagem com 4 níveis distribuídos em 8 meio-pisos alternados)
Fonte: ARBED – Car Parks in Structural Steel – Catalogue
Disponível: <http://www.tradearbed.com> Acesso: 25 mar. 2004

Em uma análise inicial dos dados da Tabela 3.1 poder-se-ia concluir que a
solução de layout representada na Figura 3.8 é ideal, já que apresenta uma relação
de área/vagas de 21,70 m2. Mas deve-se levar em consideração que este layout,
aparentemente eficiente, cria grandes circulações com mão dupla de trânsito,
indesejável em qualquer tipo de garagem, principalmente nas rampas que são
pontos mais vulneráveis à ocorrência de acidentes.

3.6 Garagens com rampas helicoidais entre pisos


Soluções de acesso aos vários níveis de uma garagem utilizando rampas
helicoidais podem gerar edificações confortáveis e seguras para o motorista, desde
que sejam respeitadas algumas regras em seu projeto.
Para as garagens com rampas helicoidais (Figura 3.10 e Figura 3.11), o ideal
seria que a construção das rampas em curva tivesse sempre um raio mais extenso.
Segundo Klose (1965), o raio mínimo para rampas helicoidais, medidos a partir da

41
borda externa da rampa, não deve ser inferior a 9,50m 31. Para aumentar a
segurança nas garagens, deve-se manter o fluxo de tráfego no sentido anti-horário
nas rampas, pois as curvas feitas neste sentido são mais visíveis para os
motoristas.

Figura 3.10 - Rampa helicoidais Figura 3.11 - Rampa helicoidais


De mão única independente para subida e De mão única independente para subida e
descida, dispostas nas extremidades opostas descida com arcos de 180º
da garagem, com arcos de 360º
KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen,
Deutsche, Stuttgart, Verlag Gerd Hatje, 1965, p31 Deutsche, Stuttgart, Verlag Gerd Hatje, 1965, p31

A Construtora ENCOL32 utilizava em seus edifícios residenciais dois tipos


de rampas em curva, sendo o primeiro com a largura de 3,00 m, quando esta
rampa era utilizada apenas para a descida. Recomendava-se também utilizar um
raio mínimo de 6,00 m, medidos no eixo da rampa, mas reforçava que o valor ideal
era de 7,00 m.
Quando a rampa era de mão dupla, a largura deveria variar de 5,50 a
6,00 m e seu raio de construção variava de 6,00 à 7,00 m medidos em seu eixo. A
empresa não recomendava a utilização de rampas em curva nesta situação, pois
qualquer pequeno descuido do motorista poderia provocar acidentes.
Também o número de pisos em uma garagem com rampas deve ser
naturalmente limitado, para evitar longos percursos entre os acesso e as vagas. O
edifício “Downtown Center” em São Francisco nos EUA (Figura 3.12), com dez

31 KLOSE, 1965.p36.
32 ENCOL, 1990.p92.

42
níveis, talvez represente o limite de número de pisos para uma garagem com
rampas helicoidais. Como pode-se notar no diagrama da Figura 3.13, teve-se a
preocupação de separar a mão de fluxo com a construção de duas rampas
separadas, evitando assim que ocorra acidentes durante o percurso.
Em Belo Horizonte - MG, a garagem do Shopping Cidade com acesso pela
Rua Goitacazes, nº 340 (Figura 3.14) é um exemplo deste limitante. Neste edifício
foram utilizadas rampas sobrepostas para a entrada e a saída da garagem,
semelhante ao diagrama apresentado na Figura 3.10. Entretanto, as rampas não
são definidas por um círculo perfeito e sim dois arcos ligados por duas retas,
assemelhando-se à forma de uma elipse. Esta solução tem o inconveniente de
obrigar o motorista a corrigir a trajetória do veículo várias vezes durante o
percurso sobre a rampa.

Figura 3.12 - Edificio “Downtown Figura 3.13 - Pavimento tipo do Edifício


Center”em São Francisco “Downtown Center”

Fonte: Cahill Contractors - Disponível: KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und


<http://www.cahill-sf.com/projects/ Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag
details/proj_104.html> Gerd Hatje, 1965, p36
Acesso: 19 abr. 2004

43
Figura 3.14 - Garagem e rampa interna do Shopping Cidade (vistas externa e interna)

3.7 Garagens com pisos rampados


A busca de outras soluções para que o motorista estacione o seu veículo
levou ao desenvolvimento de garagens com pisos rampados, onde o motorista
pode utilizar as próprias rampas de acesso como áreas de estacionamento. Neste
tipo de garagem, as inclinações destes pisos não devem exceder de 5 a 6% para
não se gerar incomodo ao motorista.
Várias soluções de garagens com pisos rampados são apresentadas nas
Figura 3.15 à Figura 3.20. Uma solução mais simplificada, como a apresentada na
Figura 3.15, gera fluxos de mão dupla dentro da garagem, o que não é
recomendado.
As soluções apresentadas nas Figura 3.16 e Figura 3.17 permitem que o
tráfego seja organizado em duas espirais em sentido anti-horário, sendo uma
espiral de subida, que constitui o próprio piso rampado onde os carros
estacionarão, e a outra espiral de descida, permitindo a saída da garagem e a

44
mudança do piso do estacionamento. A vantagem deste tipo de garagem reside no
fato de que os veículos que estão saindo não cruzem com aqueles que estão
estacionando.
Várias outras soluções podem ser encontradas para este tipo de garagem,
como a combinação feita com pisos rampados para acesso e rampas retas na saída,
ou garagem com pisos rampados para acesso e rampas helicoidais na saída
(Figura 3.18 à Figura 3.20).

Figura 3.15 - Garagem de piso rampado Figura 3.16 - Garagem de piso rampado
Com duas mãos de tráfego Pisos separados e com duas mãos de tráfego
independente. Mudança de sentido pode ser
feito pelo centro da rampa

KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und


Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag
Gerd Hatje, 1965, p31 Gerd Hatje, 1965, p31

Figura 3.17 - Garagem de piso rampado Figura 3.18 - Garagem de piso rampado
Com mão única de tráfego Com saída rápida por meio de uma rampa
reta

KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und


Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag
Gerd Hatje, 1965, p37 Gerd Hatje, 1965, p37

45
Figura 3.19 - Garagem de piso rampado Figura 3.20 - Garagem de piso rampado
Com saída rápida por meio de uma rampa Com saída rápida por meio de uma rampa
helicoidal helicoidal

KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und


Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag
Gerd Hatje, 1965, p37 Gerd Hatje, 1965, p37

46
4 CAPÍTULO IV - Sistemas mecânicos de pequeno porte

4.1 Sistemas pantográficos de estacionamento


Este tipo de sistema de garagem é recomendado somente para residências
ou quando a exigência seja apenas o acréscimo de uma ou duas novas vagas de
estacionamento.
Estas instalações são baseadas em dispositivos com braços pantográficos
elétrico-hidráulicos que acionam as plataformas, permitindo que os veículos sejam
recolhidos a um fosso no subsolo e disponibilizando a área acima da garagem para
outras atividades ou mesmo para mais um veículo.

Figura 4.1 - Sistema pantográfico Modelo Duo-Box A/3 - MBM Box Car Systems - Itália
Fonte: MBM - Box Car System
Disponível: <http://www.mbmbox.com/eng_prodotti_1.htm>
Acesso: 19 abr. 2004

Os sistemas pantográficos fornecidos pela empresa MBM - Box Car


Systems 33 são bons exemplos deste tipo de garagem mecânica, sendo

33 MBM - Box Car Systems – www.mbmbox.com (02/07/2003) Via Oratorio 6, 46040 - Rebecco di
Guidizzolo - MN - Italy - Tel. 0376.840420 - Fax: 0376.819300

47
recomendados para pequenas instalações ou residências. No modelo Duo-Box
"Cover", um sistema pantográfico acionado por mecanismos elétrico-hidráulicos é
o responsável pela elevação dos veículos. A empresa fornece dois modelos que
comportam dois (Duo-Box "Cover" A/2) ou três veículos (Duo-Box "Cover" A/3)
(Figura 4.1).
O modelo Duo-Box "Cover" A/3 é composto de três plataformas elétrico-
hidráulicas acionadas por um dispositivo elevador, formado por dois braços
pantográficos acionados por pistões hidráulicos. Tem capacidade para acomodar
até dois veículos independentementes e um terceiro na última plataforma, exposto
ao tempo.
Este modelo tem a capacidade de trabalhar com até 5000 kg. A plataforma
dos veículos apresenta dimensões de 5,36 x 2,50 m, sendo que a distância livre
entre duas plataformas é de 1,74 m. O percurso dos braços pantográficos varia de
3,60 a 5,0 m.

4.2 Sistemas elétrico-hidráulicos


A grande vantagem deste tipo de sistema é a duplicação do espaço de vagas
com o mínimo de modificações no edifício existente, permitindo acomodar dois
veículos no espaço que anteriormente só estacionava um veículo.
Este sistema é indicado para pequenos espaços de estacionamento,
principalmente em edifícios ou residências que possuem garagens com um
razoável pé direito entre os pisos, permitindo assim a instalação do equipamento.
Pode ser utilizado em reestruturação (retrofit) de garagens ou estacionamentos,
com a grande vantagem de não ser necessário quase nenhuma alteração no
edifício para sua instalação.
O modelo Duo-Box Cuneo e Duo-Box Parallelo, da MBM Box Car Systems –
Itália, é um bom exemplo (Figura 4.2). O sistema permite a acomodação de dois
veículos. É composto por uma plataforma móvel acionada por dois pistões
hidráulicos, que pode ser inclinada para ajustar o espaço disponível ao veículo a
ser acomodado. A desvantagem deste tipo de solução é que para retirar o veículo

48
situado na plataforma superior, faz-se necessário remover o veículo de baixo para
acionar o mecanismo.

Figura 4.2 - Sistema pantográfico


Modelos Duo-Box Cuneo e Duo-Box Parallelo - MBM Box Car Systems - Itália
Fonte: MBM - Box Car System - Disponível:
<http://www.mbmbox.com/eng_prodotti_5.htm> Acesso: 19 abr. 2004

Este modelo de equipamento permite a elevação de um veículo de até


2200 kg. Vários itens de segurança foram adicionados ao equipamento, tais como:
operação em baixa voltagem (24V), dispositivo contra falhas do circuito
hidráulico, controle acionado pelo operador, dispositivo de parada do veículo,
chave de controle removível, luz de advertência de operação e pinos de segurança
no limite de parada de elevação.

4.3 Sistemas com colunas


Outro tipo de sistema mecânico é o de colunas com acionamento eletro-
hidráulico, também indicado para solução de pequenos espaços de
estacionamento.
Este sistema só pode ser instalado no pavimento inferior de garagem, sendo
necessário criar um fosso que permita que o veículo seja abaixado, liberando,
assim, o veículo situado na plataforma superior. A vantagem destes dispositivos é
que os veículos podem ser retirados de qualquer plataforma sem a necessidade de
manobra de outro veículo, como ocorre no sistema apresentado anteriormente.

49
Neste sistema, os veículos são elevados por equipamentos elétrico-
hidráulicos ou por sistemas com engrenagens e correntes dispostos nas colunas
que compõem as estrutura das plataformas.
O modelo P2042-155 fornecido pela empresa Klaus Autoparke-systeme,
com representante no Brasil (Klaus do Brasil) 34, é indicado em reestruturação
(retrofit) de garagens com pé direito livre de pelo menos 2,95 m e, ainda, que
permitam a escavação de parte do subsolo, criando um fosso de 1,55 m de
profundidade. Tal sistema permite que se comporte mais um veículo acima de
cada vaga. Devido ao pequeno pé direito disponível nesta solução, as plataformas
quando acionadas, ficarão em forma de rampas com a inclinação de 7,5º,
permitindo o acesso dos veículos (Figura 4.3).

Figura 4.3 - Sistema com coluna Figura 4.4 - Sistema com coluna
Modelo P2042-155 - Klaus do Brasil Modelo 2062 - Klaus do Brasil
Fonte: Klaus do Brasil - Disponível: Fonte: Klaus do Brasil - Disponível:
<http://www.klausautopark.com.br/inh4_2.htm> <http://www.klausautopark.com.br/inh4_2.htm>
Acesso: 19 abr. 2004 Acesso: 19 abr. 2004

A segunda solução (modelo 2062) é indicada para garagens que tem um pé


direito um pouco mais elevado, com espaço livre a partir de 3,25 m. O fosso pode
variar de 1,70 m a 1,95 m dependendo do modelo escolhido (Figura 4.4).

34 Klaus do Brasil - Rua Terencio Costa Dias Nº 393 - Jd. Monte Hey, Sorocaba - SP - Tel: (15) 222-
6253 - Disponível: <http://www.klausautopark.com.br> Acesso: 02 jul 2003.

50
A vantagem deste modelo reside ao fato de o acesso dos veículos ser feito
com as plataformas sempre na possição horizontal, facilitando a manobra para o
motorista.
Um terceiro sistema mais complexo (modelo G63) permite comportar até
seis veículos. O sistema é formado por uma estrutura composta por uma ou duas
plataformas em cada nível, com total de três níveis. Para a instalação deste sistema
é necessário um pé direito livre de 4,80 m e a construção de um fosso de 3,30 m de
profundidade. (Figura 4.5).

Figura 4.5 - Sistema com páletes Modelo G63 - Klaus do Brasil


Fonte: Klaus do Brasil
Disponível: <http://www.klausautopark.com.br/inh4_2.htm>
Acesso: 19 abr. 2004

Em todos os três sistemas apresentados, as plataformas têm dimensões que


podem variam de 2,30 x 5,30 m até 7,50 m x 5,50 m.
No Rio de Janeiro - RJ, a empresa Easy Parking35 tem desenvolvido e
instalado sistemas semelhantes, com tecnologia 100% nacional. Este sistema tem
sido utilizado para ampliar o número de vagas de uma garagem em prédios

35 Easy Parking - Rua do Rosário, 171 - 3º andar - Centro - Rio de Janeiro – RJ, Tel: 21-2224-4032 –
disponível em: <http://www.easyp.com.br> Acesso: 13 nov 2003.

51
comerciais e residenciais da cidade. Utilizando um equipamento semelhante aos
elevadores de oficinas mecânicas, o Easy Parking coloca os carros uns sobre os
outros, até o limite máximo de sete automóveis. Com isso, prédios que ofereciam
somente uma vaga por apartamento podem acomodar vários no mesmo espaço.
Rogério Zylbersztajn, da construtora RJZ (apud Veja-Rio, 2002)36, utilizou o
equipamento num prédio de alto luxo do Leblon afirmando que "é uma solução
que facilita a vida de muita gente e alivia as ruas". Este edifício foi construído com
cinco apartamentos, um por andar, mas só dispunha de 95 m2 de área para a
garagem, suficiente para apenas seis veículos. Como todos os compradores tinham
dois veículos, precisavam de um total de dez vagas. A solução seria parar na rua
ou criar um andar subterrâneo. "Construir no subsolo era caríssimo e o sistema foi
uma solução maravilhosa", atesta a moradora Danielle Kremnitzer.
Neste sistema não é necessária a existência de um fosso no piso, apenas a
exclusão de uma vaga no térreo. Os veículos do primeiro nível ficam estacionados
sobre páletes que possuem a capacidade de movimento lateral, liberando assim a
vaga para que o veículo de cima seja retirado. O engenheiro Roberto Kreimer (apud
Veja-Rio, 2002), que em 1998 começou a construir o Easy Parking em parceria com
o Laboratório de Acústica e Vibrações da COPPE e várias empresas juniores da
UFRJ e da PUC, informa que para remover o carro de cima, basta empurrar o
veículo de baixo para a vaga ao lado. Semelhante a um quebra-cabeça, "qualquer
carro consegue sair sem que seja preciso manobrar o outro".

4.4 Sistema semi-automático com páletes


Os sistemas que utilizam páletes têm como característica principal a
supressão das áreas necessárias às manobras para entrada e saída de vagas,
reduzindo as áreas para a circulação interna.
Nestes sistemas, cada vaga possui um pálete que se desloca
transversalmente sobre guias instaladas sobre o piso existente. O deslocamento

36 Veja-Rio, 2002.

52
transversal é feito manualmente ou por meio de motores elétricos. No sistema
manual, o esforço braçal é reduzido, sendo normalmente inferior a 5 kgf 37.
Comparando uma garagem convencional com uma que utiliza o sistema de
páletes, pode-se verificar o extraordinário aumento no número de vagas
disponíveis que este proporciona. Segundo Ramalho (1980) 38, considerando o fato
de que os automóveis sobre as páletes podem estacionar lateralmente e
longitudinalmente, distantes apenas 5 cm, há um ganho real de uma vaga para
cada grupo de quatro carros estacionados lateralmente, o que representa 25% de
ganho de vagas. E o ganho de uma vaga para cada grupo de seis carros
estacionados longitudinalmente, o que representa 16,66% de vagas a mais.
Somando-se estes dois valores parciais tem-se 41,66% de novas vagas.
Acrescente-se, também, que este sistema permite colocar vagas livres nas ruas
internas dos estacionamentos e, em alguns casos, em locais inacessíveis
convencionalmente, o que resultaria em um aumento final de vagas muito maior.
A empresa Klaus do Brasil também fornece um sistema de estacionamento
semi-automático, com a utilização de páletes para estacionar. Como exemplo é
apresentado abaixo o modelo PQ Pallets, juntamente com um diagrama em planta
mostrando o seu funcionamento (Figura 4.6).

37 RAMALHO, 1980. p11.


38 Ibidem, p17.

53
Figura 4.6 - Sistema com páletes Modelo PQ Pallets - Klaus do Brasil
Fonte: Klaus do Brasil
Disponível: < http://www.klausautopark.com.br/inh4_4.htm>
Acesso: 19 abr. 2004

Neste sistema, com o acionamento de apenas um botão, um motor elétrico


muda de posição as páletes longitudinalmente ou transversalmente, liberando o
espaço desejado. Este sistema permite a criação de locais de estacionamento em
áreas antes utilizadas como circulação de veículos.

4.5 Sistema semi-automático com páletes e colunas


Este tipo de sistema permite uma otimização ainda maior dos usos dos
espaços, combinando o sistema de estacionamento com colunas com o sistema de
páletes, permitindo que os movimentos verticais fornecidos pelas colunas sejam
associados aos movimentos longitudinais e transversais fornecidos pelas páletes.
Também pode ser utilizado em reestruturação (retrofit) de garagens ou
estacionamentos. Dois exemplos do sistema podem serem ilustrados pelos
modelos P110 e P210 fornecidos pela - Klaus do Brasil (Figura 4.7 e Figura 4.8).

54
Figura 4.7 - Sistema com páletes e colunas Modelo P110 - Klaus do Brasil
Fonte: Klaus do Brasil
Disponível: <http://www.klausautopark.com.br/inh4_3.htm>
Acesso: 19 abr. 2004

Figura 4.8 - Sistema com páletes e colunas Modelo P210 - Klaus do Brasil
Fonte: Klaus do Brasil - Disponível: <http://www.klausautopark.com.br/inh4_3.htm>
Acesso: 19 abr. 2004

55
5 CAPÍTULO V - Sistemas mecânicos de estacionamento
de grande porte

Os Sistemas de Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated


Parking Systems - MAPS) oferecem muito mais conforto ao usuário e proteção
contra roubos e vandalismo. Todo o espaço destinado ao estacionamento de
veículos normalmente só é acessível por uma única entrada, e todo o sistema
ainda pode ser implantado como um edifício subterrâneo ou mesmo como um
edifício convencional. No início do procedimento de estacionamento, sensores
eletrônicos verificam a dimensão do veículo, certificando se cada tipo de veículo
poderá ser condicionado dentro das células padrão com segurança. Quando o
motorista deixa o veículo na plataforma de recepção, o sistema move
automaticamente o veículo para uma vaga disponível no interior do edifício,
sendo todo este processo controlado e monitorado por sistemas eletrônicos e
computadorizados.
Neste tipo de sistema, os carros podem ser dirigidos às vagas pelas suas
próprias rodas, conduzidos pelos motoristas ou manobristas, ou, ainda, podem ser
levados por dispositivos mecânicos. Entre os diversos tipos de instalações
mecânicas existentes, pode ser feita uma distinção entre tipos de sistemas
utilizados atualmente, sendo:
a) Sistemas com um único dispositivo com movimentos horizontal e
vertical;
b) Sistemas com movimentos horizontal e vertical, utilizando dispositivos
de transportes independentes;
c) Sistemas de transporte circular;
d) Sistemas com elevadores rotatórios.
Grandes sistemas de estacionamentos podem ser construídos para abrigar
dezenas, centenas ou milhares de veículos, como as propostas apresentadas pela

56
empresa americana American Custom Lifts 39, que desenvolve garagens
automatizadas para comportar até 5000 veículos (Figura 5.1). A empresa fornece
sistemas que podem ser instalados sobre o solo, ou no subterrâneo, dentro de um
edifício, no topo, no subsolo ou, mesmo, ao lado de um edifício existente.
Estes Sistemas de Estacionamento Modular Automatizado são projetados
de modo a oferecem a integração de sistemas computadorizados com elevadores
mecânicos, páletes e empilhadeiras para estacionar e recuperar os veículos em
edifícios garagens com vários pavimentos, com grande segurança e rapidez. Estes
sistemas são projetados sob encomenda, adaptando-se às necessidades de projetos
impostos pelas legislações urbanas locais e pelas condicionantes dos locais onde
serão implantados.

Figura 5.1 - Edifícios Garagem American Custom Lifts


Modelos RPS 100, RPS 20W, RPS 20L
Fonte: American Custom Lifts
Disponível: <http://aclifts.com/CarParks/default.asp>
Acesso: 19 abr. 2004

Uma das grandes vantagens dos MAPS é solucionar um grande número de


problemas tipicamente associados aos sistemas de estacionamentos convencionais.
Com a crescente escassez dos terrenos urbanos e conseqüentes elevações de seus
custos, este sistema de estacionamento se apresenta como um grande benefício

39 Fonte: American Custom Lifts - EUA – Disponível: <http://aclifts.com > Acesso: 27 jun 2003

57
quando implantado em pequenos espaços urbanos, podendo atingir até 20 níveis,
permitindo uma grande flexibilidade de soluções arquitetônicas. Segundo a
empresa American Custom Lifts, os MAPS podem custar até 30% menos que os
sistemas de garagem convencionas 40. Os equipamentos, fabricados em módulos e
etapas, são enviados aos canteiros de obra. Após a instalação inicial, os sistemas
podem ser modificados, expandidos ou relocados, de modo que as necessidades
de ampliações futuras não sejam impedidas por restrições orçamentárias atuais.
Dentro de uma perspectiva conservadora, as instalações MAPS são mais
eficientes, de fácil uso e mais seguras que as garagens convencionais: o processo
completo de estacionar e recuperar o veículo é completado em minutos, enquanto
que nos sistemas convencionais, os espaços devem ser bem iluminados e seguros.
Segundo a NPA Parking Consultants Council 41, as vantagens da utilização
dos Sistemas de Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated
Parking Systems - MAPS) são:
a) Não necessitam de ventilação mecânica: já que os veículos são
transportados por equipamentos automatizados, e com os seus motores
desligados, não é necessário ventilação mecânica para remover os gases
dos veículos;
b) Não necessitam de ambientes condicionados: como o interior do edifício
não é acessível ao público, não é necessário nenhum tipo de ventilação,
aquecimento ou condicionamento de ar;
c) Reduzem o espaço entre os veículos: já que os veículos são estacionados
por máquinas, não são necessários espaços para abrir as porta ou para
manobras. Pode-se acomodar até quatro veículos em um espaço que
acomodava até três veículos em um estacionamento convencional;

40 Fonte: American Custom Lifts - EUA – Disponível:


<http://aclifts.com/CarParks/advantages.asp> Acesso: 27 jun 2003.
41 NPA Parking Consultants Council - Guide to the Design & Operation of Automated Parking
Facilities - USA, 2003.

58
d) Redução na altura: como não existe a circulação de pedestres no interior
do edifício, o pé-direito pode ser muito baixo. Aproximadamente a
altura de três níveis de um estacionamento automatizado poderia
ocupar a altura de dois níveis de uma garagem convencional;
e) Otimização do espaço: como os veículos são transportados por
máquinas, sobre páletes, e sem a necessidade da presença do motorista,
o sistema pode posicionar os veículos muito próximos uns dos outros.
f) Permitem duplicar o número de vagas (ou requerem apenas a metade
do espaço) para acomodar o mesmo número de carros quando
comparado com as garagens convencionais. Pode-se instalar um sistema
de estacionamento em uma pequena área a partir de 6,0 x 9,0 metros. A
altura ou a profundidade deste tipo de instalação é aproximadamente
50% menor que a de uma instalação convencional
g) Não necessitam de escadas ou elevadores: já que as vagas dos veículos
não são acessíveis ao público, não é necessária a instalação de
elevadores para pessoas ou escadas. Somente escadas de marinheiro ou
de incêndio serão necessárias. Na falta de energia elétrica, geradores
elétricos se encarregam de manter todo o sistema em funcionamento.
h) Redução de custos com manutenção dos sistemas: nos sistemas
automatizados, as exigências em iluminação e ventilação dos espaços
destinados à guarda dos veículos são mínimas, conseqüentemente os
gastos com a manutenção destas áreas serão mínimos. Também não terá
nenhum custo com o reparo de piso, já que não existem pisos para
manutenção.
i) Não há nenhuma possibilidade de ocorrer danos causados pelos
equipamentos que estacionam e retiram os veículos, já que todo o
procedimento é executado por equipamentos automatizados. Sendo
todo o sistema composto por páletes protegidos, impede-se que se caia
óleo, sal ou sujeira sobre os veículos quando estacionados ou durante
seu transporte.

59
j) Redução de custos com pessoal: como não há necessidade de
manobristas, o número de funcionários para operar todo o edifício
poderá ser reduzido.
k) Redução de custos com seguro: com este tipo de sistema, o risco de
acidentes com os veículos ou mesmo pessoal será extremamente baixo,
diminuindo conseqüentemente os custos das apólices de seguros.
l) Maior tranqüilidade para os proprietários dos edifícios garagens:
considerando-se que os motoristas e o público em geral não têm acesso
as áreas de estacionamento, eliminam-se as chances de vandalismo e
roubo dos veículos sob a guarda dos administradores de tais garagens.

5.1 Sistemas com um único dispositivo com movimentos


horizontal e vertical
Os Sistemas de Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated
Parking Systems - MAPS) equipados com dispositivos de transporte com
capacidade de movimentos horizontal e vertical, são os tipos de sistemas mais
comumente encontrados.
Normalmente o acesso do veículo é feito no pavimento térreo, sendo
posteriormente transportado para o interior do edifício. Depois de feito o
procedimento de entrada, o veículo é elevado a um dos pavimentos do edifício
garagem pelos dispositivos transportadores, constituídos de elevador e dolly.
Finalmente o próprio equipamento se encarrega de posicionar o veículo em uma
das células de estacionamento disponível.
Diversas empresas desenvolveram tecnologias com procedimentos para a
recepção e entrega do veículo muito semelhantes, tais como a Klaus
Autoparkesysteme 42, MP Systems 43, Wöhr Parksysteme 44, MBM Box Car
Systems 45, e outras (Figura 5.2, Figura 5.3 e Figura 5.4).

42 Klaus do Brasil - Rua Terencio Costa Dias Nº 393 - Jd. Monte Hey, Sorocaba - SP - Tel: (15) 222-
6253 - Disponível: <http://www.klausautopark.com.br> Acesso: 02 jul 2003.

60
Figura 5.2 - Wöhr Multiparker-Duisburg-Alemanha
Fonte: Wöhr Parksysteme
Disponível: <http://www.woehr.de/engl/projekte/projekt07.htm>
Acesso: 19 abr. 2004

Figura 5.3 - Sistema Parkmatic-O.ME.R. Spa-Itália


Fonte: OMER S.p.a.
Disponível: <http://www.omerlift.com/index.html>
Acesso: 19 abr. 2004

43 MP System CO. LTD. - 6F, Woosuk Bldg, 1007-39 Sadang-1 dong - Dong Jak-gu, Seoul – Korea -
Disponível: <http://www.mp-parking.com> Acesso: 07 jul 2003
44 Wöhr Auto Parksysteme - Postfach 1151`D-71288 Frilzheim - Germany - Disponível:
<http://www.woehr.de> Acesso: 07 abr 2003
45 MBM-Box Car Systems - Via Oratorio 6, 46040 Rebecco di Guidizzolo - MN - Italy - Disponível:
<http://www.mbmbox.com> Acesso: 07 jul 2003

61
Figura 5.4 - Sistema com páletes
Modelo KLAUS series AP-R3, AP-F3 - MBM Box Car Systems – Itália
Fonte: MBM Car Parking Systems
Disponível:< http://www.mbmbox.com/eng_prodotti_4.htm>
Acesso: 19 abr 2004

Praticamente em todos estes sistemas, o veículo é dirigido à recepção pelo


motorista. Através de dispositivos de movimento horizontal (dolly), este é levado à
plataforma do elevador e, deste, até a vaga de estacionamento. O elevador de
transporte pode servir a diversas fileiras verticais de vagas de estacionamento,
caso possua a capacidade de realizar movimentos horizontais.
Em sistemas mais antigos ou menos automatizados, o carro pode ser
conduzido ao elevador por um manobrista ou por meios de dispositivos
mecânicos controlados por um funcionário que viaja na própria plataforma do
elevador. Este tipo de sistema foi adotado no edifício garagem Auto Copa Park em
Copacabana na cidade do Rio de Janeiro - RJ, Brasil, que possui um operador de
elevador para posicionar os veículos nas vagas. Semelhante, o sistema adotado na
nova expansão da garagem do edifício “Shopping Rio Sul” na mesma cidade,
também tem a necessidade de um operador de elevador para posicionar e recolher
os veículos. A vantagem desta solução é a redução dos custos operacionais e de
execução do sistema, principalmente em relação aos dispositivos de automação,
tais como sensores, computadores e programas específicos.

62
No edifício “Shopping Rio Sul” (Figura 5.5), a empresa Kreimer
Engenharia 46 encontrou a solução para a reestruturação (retrofit) da garagem
existente com a implantação de um sistema modular de garagem fornecido pela
empresa Easy Parking47, acrescentando 450 vagas à garagem existente. Como
solução, foi construído, no último pavimento de garagem do edifício, um sistema
semi-automático de garagem modulada, permitindo multiplicar as vagas
existentes, dando lugar a um sistema de estantes modulares em estrutura metálica.
Com a utilização de plataformas elevadoras, permite-se o posicionamento
automático do carro numa vaga disponível com segurança e, em uma rápida
operação, permite-se entregá-lo ao motorista. Neste sistema, as plataformas
elevadoras são controladas por funcionários do estacionamento que viajam junto à
base da plataforma do elevador.

Figura 5.5 - Edifício Garagem - Shopping Rio Sul


Av. Lauro Müller 116 - Botafogo - RJ - Brasil - F: 21 -2545-7256 - 2545-7257

46 Kreimer Engenharia - General Contractor - Rua do Rosário, 171 - 3º andar - Centro - Rio de
Janeiro – RJ, F: 21-2507-2200 Fax: 21-2232-4198 – Disponível: <http://www.kreimer.com.br>
Acesso: 13 nov 2003.
47 Easy Parking - Rua do Rosário, 171 - 3º andar - Centro - Rio de Janeiro – RJ, Tel: 21-2224-4032 –
disponível em: <http://www.easyp.com.br> Acesso: 13 nov 2003.

63
Esta garagem é formada por um conjunto de três edifícios justapostos com
capacidade para abrigar até 150 veículos cada, totalizando 450 vagas. Cada edifício
possui uma entrada e uma plataforma elevadora independente.
Todo o sistema é modulado, sendo que cada módulo é constituído por uma
célula que permite comportar dois veículos estacionados. No primeiro nível, onde
ocorre o acesso dos veículos, foram retirados alguns dos módulos para permitir o
embarque e desembarque.
O usuário deixa e recebe o seu veículo em áreas próprias destinadas ao
embarque e ao desembarque. Ao entregar o veículo, recebe um bilhete
informatizado, constando de um código eletrônico de localização de sua vaga,
deixando o estacionamento sem esperar que o equipamento estacione o seu
veículo.
O pagamento e a retirada do veículo também são automáticos. De posse do
bilhete quitado, o usuário dirige-se ao estacionamento e o funcionário que opera a
plataforma elevadora inicia o procedimento de retirada do veículo. Dependendo
da localização do veículo, isto ocorre entre um minuto e um minuto e meio. Todo
o procedimento é rápido, seguro, sem congestionamento ou filas, evitando
manobras ou buscas para localizar a vaga.
Do ponto de vista de um empresário incorporador, este tipo de sistema
pode aumentar a sua rentabilidade, pois economiza espaços e custos com rampas,
circulação, elevadores, escadas, saídas de emergência, dentre outros. Também
dispensa sistemas de segurança, ventilação e iluminação. Oferece maior segurança
para os usuários e seus veículos. Toda a construção é rápida, desmontável e
relocável, permitindo a sua expansão.
O conjunto de garagem fornecido pela empresa Easy Parking, pode ter de 4
a 7 pavimentos, com a altura da torre da plataforma elevadora variando de 9,85m
até 15,85m respectivamente.
Na Figura 5.6 e Figura 5.7 estão representadas algumas variações deste
sistema, caracterizadas pelo movimento da caixa do elevador verticalmente pela
extensão do edifício. Nestes, os veículos podem ser levados às suas vagas
frontalmente ou paralelamente.

64
Caixa do elevador movendo verticalmente pela extensão do edifício
(gravuras com elevações lateral e frontal):

Figura 5.6 - O carro é colocado em ângulo Figura 5.7 - O carro é colocado


reto ao elevador paralelamente ao elevador
KLOSE, Dietrich, Parkhäuser und KLOSE, Dietrich, Parkhäuser und
Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag
Gerd Hatje, 1965, p28 Gerd Hatje, 1965, p28

5.2 Sistemas com movimentos horizontal e vertical, utilizando


dispositivos de transportes independentes
Semelhante ao sistema anterior, este Sistema de Estacionamento Modular
Automatizado (Modular Automated Parking Systems - MAPS) apresenta
equipamentos de transporte com capacidade de movimentos horizontal e vertical,
sendo que os dispositivos de transportes são independentes.
A diferença deste sistema em relação ao anterior, é que o elevador só pode
servir a uma fileira vertical de vagas de estacionamento, situada de um ou do
outro lado do equipamento. Para cada fileira vertical de vagas será necessário um
elevador para atendê-la (Figura 5.8 e Figura 5.9).
Neste caso, também o acesso do veículo é feito normalmente pelo
pavimento térreo, e posteriormente transportado para o interior do edifício através
de dois ou mais dispositivos independentes. Normalmente um equipamento
transportador (dolly) move o veículo para o interior do edifício colocando-o sobre
uma plataforma de elevador e esta o posicionará na vaga disponível. Outro
dispositivo que viaja junto à plataforma do elevador, fará a transferência do
veículo para a vaga.

65
Elevador com caixa fixa instalada em fosso vertical:
(gravuras com elevações lateral e frontal):

Figura 5.8 - O carro é colocado em ângulo Figura 5.9 - O carro é colocado


reto ao fosso paralelamente ao fosso
KLOSE, Dietrich, Parkhäuser und KLOSE, Dietrich, Parkhäuser und
Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag
Gerd Hatje, 1965, p28 Gerd Hatje, 1965, p29

5.3 Sistemas com elevador e plataforma giratória


Neste tipo de Sistema de Estacionamento Modular Automatizado (Modular
Automated Parking Systems - MAPS) o elevador não possui a capacidade de
movimento horizontal, sendo substituído por uma plataforma giratória que
posiciona os veículos por meio de páletes em uma das faces do edifício (Figura
5.10).

66
Figura 5.10 - SAAB-Centre Krefeld
Wöhr Car Display Tower - Berlim – Alemanha
Fonte: Wöhr Parksysteme - Disponível:
<http://www.woehr.de/engl/download/pdf_files/distower/displaytower.pdf>
Acesso: 19 abr. 2004

Uma utilização interessante para este tipo de sistema foi desenvolvida pela
empresa alemã Wöhr Parksysteme para expositores de veículos. Esta empresa
desenvolveu três tipos de soluções que permitem a exposição de quatro a quinze
veículos por pavimento, podendo chegar ao máximo de vinte pavimentos.
Sistemas semelhantes também têm sido desenvolvidos pela MP Systems da
Coréia, Trevipark da Itália48 e pela Palis Parking Technologies GmbH49 da
Alemanha.

48 Trevipark Ltd.- 14 Berkeley Mews - London - W1H 7AX - United Kingdom - Disponível:
<http://www.trevipark.co.uk>. Acesso: 16jun 2003
49 Palis Parking Technologies GmbH - Senefelderstraße 23 - D-86368 Gersthofen – Germany -
Disponível: <http://www.palis.de> Acesso: 07 abr 2003

67
Em Berlim, em uma revenda de automóveis da SAAB, um edifício expositor
com oito pavimentos foi totalmente envidraçado para permitir a visualização dos
veículos em seu interior como numa grande vitrine(Figura 5.11).

Figura 5.11 - SAAB-Centre Krefeld


Wöhr Car Display Tower - Berlim – Alemanha
Fonte: Wöhr Parksysteme - Disponível:
<http://www.woehr.de/engl/download/pdf_files/distower/displaytower.pdf>
Acesso: 19 abr. 2004

Uma outra possibilidade para a mesma tecnologia é fazer o edifício


subterrâneo. Um bom exemplo é o sistema de estacionamento automatizado em
Cesena, na Itália 50. O sistema fornecido pela empresa Trevipark foi desenvolvido
como alternativa a um sistema de estacionamento ideal para o uso em uma área

50 Fonte: Road Traffic Technology – Disponível: <http://www.roadtraffic-


technology.com/projects/index.html> Acesso: 18 mar 2004

68
urbana. O sistema foi adotado por solucionar muitos dos problemas tradicionais
associados ao estacionamento urbano: congestionamento, poluição, espaço,
segurança. Foi implantado através da instalação de um silo circular compacto e
subterrâneo otimizando o espaço, de fácil construção e completamente
automatizado.
As autoridades locais encontraram neste tipo de sistema de estacionamento
uma solução que minimizava a interferência no entorno urbano. A escolha do
sistema automatizado Trevipark foi baseada em um grande número de
características fornecido pelo sistema, entre as quais, o sistema totalmente
automatizado, não sendo necessário um manobrista; estacionamento por elevador
com plataforma giratória de 360º, posicionando os veículos diretamente nas vagas;
a média de tempo de estacionamento e retirada o veículo, sendo de 50 segundos e
com alto nível de segurança. Esta garagem ocupa uma área de 965 m2 e um
volume de 4335 m3, distribuídos em 12 vagas por pavimento, totalizando a
capacidade de 108 veículos, com uma relação de área de vagas por veículo de
13,40 m2 (Figura 5.12, Figura 5.13 e Figura 5.14).

Figura 5.12 - Sistema subterrâneo Trevipark em Cesena - Itália


Fonte: Road Traffic Technology
Disponível: <http://www.roadtraffic-technology.com/projects/cesena/index.html>
Acesso: 19 abr. 2004

69
Figura 5.13 - Sistema subterrâneo Trevipark em Cesena - Itália
Fonte: Road Traffic Technology
Disponível: <http://www.roadtraffic-technology.com/projects/cesena/index.html>
Acesso: 19 abr. 2004

Figura 5.14 - Sistema subterrâneo Trevipark em Cesena – Itália


Fonte: Road Traffic Technology
Disponível: <http://www.roadtraffic-technology.com/projects/cesena/index.html>
Acesso: 19 abr. 2004

70
5.4 Sistemas com elevadores rotatórios
Nos sistemas com elevadores rotatórios não é o carro que é movido para
vaga de estacionamento, mas, ao contrário, a vaga é movida para a posição do
carro. Neste sistema, o veículo geralmente é dirigido até a vaga pelo motorista. Até
agora este tipo de instalação de estacionamento foi construída somente para
poucos carros. Em instalações maiores, o processo de estacionar e recuperar o
automóvel levaria um tempo razoavelmente longo.
Estes sistemas de estacionamento rotativo também são conhecidos como
sistemas “Paternoster”, sendo mais empregados nos paises asiáticos, carentes de
terrenos urbanos de grandes dimensões. A razão desta preferência é a facilidade
de sua implantação em pequenos terrenos, pois a projeção vertical de todo o
sistema é muito compacta. O sistema utiliza uma estrutura vertical rotativa para
acomodar os veículos, conforme pode ser verificado no diagrama da Figura 5.15,
Figura 5.16 e Figura 5.17.

Figura 5.15 - Sistema rotativo vertical - Thyssen Palis


Fonte: Palis Parking Technologies GmbH
Senefelderstraße 23 - D-86368 Gersthofen - Germany
Disponível: <http://www.palis.de> Acesso: 07 abr 2003

71
Figura 5.16 - Sistema rotativo vertical Figura 5.17 - IHI Parking Systems - Japão
Parking Book 92’ - Japão - p.47 Parking Book 92’ - Japão - p.84

Para iniciar o procedimento de acesso à garagem, o veículo é posicionado


sobre uma plataforma giratória de recepção e então é conduzido para o interior da
edificação automaticamente por meio de páletes. Através de polias controladas
por correntes, sendo uma polia na parte inferior e outra na parte superior da
edificação, este sistema mecânico permite a elevação dos veículos para a vaga
desejada. Para proceder ao estacionamento e à retirada de um veículo, o sistema
deverá movimentar todos os veículos em seu interior, com um sistema muito
semelhante a uma roda gigante. Finalmente quando o veículo desejado estiver na
parte inferior da edificação, este poderá então ser retirado.

5.5 Outros sistemas


Uma grande variedade de outras soluções existe para as garagens
automatizadas e, por não serem muito empregadas, não são abordadas no escopo
deste trabalho. Alguns destes sistemas, como o sistema Krupp apresentado na
Figura 5.18, utiliza como solução a combinação do movimento de uma pálete sob o
veículo e correias de transporte, permitindo acesso à vaga disponível. Este sistema

72
e o sistema Mobile Parking apresentado na Figura 5.19, que utiliza como princípio
uma correia transportadora, são ideais para locais com pequenas distâncias entre
pisos, já que a sua utilização será em espaços que tenham maiores distâncias
horizontais do que verticais.

Figura 5.18 - Sistema Krupp


KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Gerd Hatje,
1965, p29

Figura 5.19 - Sistema Mobile Parking


KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Gerd Hatje,
1965, p29

Com possibilidade de variação do sistema anterior, pode-se apresentar uma


solução conforme a representada na Figura 5.20, que utiliza um princípio de uma
roda gigante.

Figura 5.20 - Sistema “Roda Gigante”


KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen, Deutsche, Stuttgart, Verlag Gerd Hatje,
1965, p29

73
5.6 Instalações mecânicas no futuro
Tem-se pensado em vários tipos de soluções para a implantação de edifícios
garagens, nos mais variados moldes. Algumas soluções ficam apenas no papel,
não passando da mente de seus idealizadores, com algumas propostas
apresentadas por arquitetos japoneses. Algumas realmente são possíveis de serem
realizadas, outras por terem custos elevadíssimos de implantação, provavelmente
nunca serão construídas, como as propostas de gigantescos sistemas de
estacionamento sob vias públicas ou mesmo sob rios, como os apresentados nas
Figura 5.21 e Figura 5.22.

Figura 5.21 - Estacionamento sob rios


Parking Book 92’ - Japão - p.23

74
Figura 5.22 - Estacionamento sob vias
Parking Book 92’ - Japão - p.168

No Brasil existem poucas soluções para os problemas de estacionamento de


veículos utilizando os sistemas automatizados. Os produtos fornecidos por
empresas como a Kreimer Engenharia - General Contractor ou pela empresa alemã
Klaus que tem representante no Brasil, são soluções que abrem novas opções de
mercados para a construção civil.
Outras empresas têm apresentado algumas alternativas para resolver o
problema do acesso às vagas e às rampas com soluções menos significativas, como
o Grupo Bianchi de Belo Horizonte com o seu sistema Auto Beliche que são
sistemas de garagens com rampas móveis em estrutura metálica correndo sobre
trilhos.
A automatização de vagas não ocorre apenas para os automóveis, mas
também em outras áreas onde existe a necessidade de guardar grandes objetos,
como é o caso dos grandes armazéns atacadistas e das marinas. Segundo
SAMBRANA 51, no Brasil várias marinas estão se adequando à esta nova

51 SAMBRANA, Carlos – Revista Dinheiro, Nº 329, p.86

75
realidade, como é o caso das novas instalações da Bahia Marina em Salvador com
a capacidade de 450 vagas para barcos; Marina Pirata’s com 550 vagas (Figura
5.23); Marina Verolme com 370 vagas, ambas em Angra dos Reis, no Rio de
Janeiro; e Porto Marina Astúrias com a capacidade de 600 vagas, no Guarujá, em
São Paulo. Estas marinas são investimentos milionários, onde grupos empresariais
ergueram complexos que se assemelham a pequenas cidades. Estes novos portos
têm hotéis, shopping centers, lojas, restaurantes e estaleiros. Para estacionar nestas
marinas apenas um barco de 50 pés, paga-se R$150,00 em média, por dia, sendo
que os serviços são cobrados à parte.

Figura 5.23 - Marina Pirata’s - RJ e travel lift da Marina Verolme - RJ


Fonte: Revista Dinheiro, Nº 329, p.87 – 17 dez 2003

A Bahia Marina foi construída em 1999 com um investimento de


R$ 23 milhões e a previsão de mais R$ 35 milhões em novos projetos. Além dos
serviços básicos como oferecer eletricidade, oficinas mecânicas, hidráulicas,
estação de rádio e outros aparatos, esta marina tem funcionários bilíngües e um
centro de lojas dos principais estaleiros do Brasil.
A marina Verolme tem um travel lift, que é um dispositivo que retira o
barco da água, com a capacidade para suportar embarcações de 70 toneladas e até
100 pés. A área de abrigo dos barcos é composta de oito galpões em estrutura
metálica de 1.800 m2.

76
6 CAPITULO VI - Desenvolvimento dos módulos

6.1 Dados Gerais


Os módulos aqui apresentados resultam de estudos e levantamentos de
várias tipologias de mecanismos automatizados para garagens. Para a definição
desta pesquisa, limitou-se o trabalho ao desenvolvimento de quatro módulos que
representam algumas das principais soluções para Sistemas de Estacionamento
Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems - MAPS).
Os módulos popostos podem ser combinados de modo a definir uma certa
variedade de soluções para garagens automatizadas. Estes módulos apresentam
dimensões que podem acomodar a maioria dos automóveis existentes no Brasil.
Como no Brasil não existe uma catalogação sistemática dos veículos fabricados no
país, foi necessário fazer um levantamento para determinar as medidas e pesos de
um certo número representativo de veículos nacionais.
Para o levantamento das medidas e pesos e para a escolha destes
automóveis, foram selecionadas seis grandes montadoras de veículos de acordo
com a classificação de vendas de veículos fornecida pela ANFAVEA - Associação
Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, segundo documento “Vendas
Internas no Atacado de Nacionais - ano de 2003”.
As dimensões de veículos apresentadas nesta pesquisa foram levantadas a
partir dos endereços na Internet das maiores montadoras de veículos do Brasil e
ainda foram confrontadas com as informações fornecidas para os veículos
americanos que são apresentadas no livro “Guide to the Design & Operation of
Automation Parking Facilities” da National Parking Assotiation para verificar se
existia alguma discrepância nas medidas levantadas para os veículos nacionais.
A partir da definição destas seis grandes montadoras de veículos, foram
escolhidos quatro veículos de cada montadora, sendo um veículo pequeno, um

77
médio, um grande e ainda um SUV 52 ou utilitário, totalizando 24 veículos
pesquisados, conforme a Tabela 6.1.

Tabela 6.1 - Relação de montadoras de veículos pesquisada


FIAT Automóveis S.A. Volkswagen do Brasil Ltda.
Disponível: <www.fiat.com.br> Disponível:<www.volksvagen.com.br>
Acesso: 01 abr 2004 Acesso: 01 abr 2004
Pequeno: Uno Mille Pequeno: Fox
Médio: Siena Médio: Polo Sedan
Grande: Marea Grande: Passat
Utilitário: Doblo Adventure Utilitário: Kombi

General Motors do Brasil Ltda Honda Automóveis do Brasil Ltda.


Disponível: <www.gm.com.br> Disponível: <www.honda.com.br>
Acesso: 01 abr 2004 Acesso: 01 abr 2004
Pequeno: Celta Pequeno: Fit
Médio: Corsa Sedan Médio: Civic
Grande: Omega Grande: Acord
Utilitário: Blazer 2.4 SUV: CR-V

Ford Motor Company Brasil Ltda. Renault do Brasil S.A.


Disponível: <www.ford.com.br> Disponível: <www.renault.com.br>
Acesso: 01 abr 2004 Acesso: 01 abr 2004
Pequeno: Ka Pequeno: Clio
Médio: Focus Sedan Médio: Mégane
Grande: Mondeo Grande: Laguna
SUV: EcoSport Utilitário: Kangoo

Os valores disponíveis de dimensões e pesos foram lançados em uma


planilha eletrônica de modo a ter uma média dos valores encontrados. Para cada
veículo pesquisado, quando disponível, foram registrados os valores de
dimensões para comprimento, largura, altura, distância entre eixos, bitola
dianteira, altura mínima do solo e, ainda, peso do veículo e capacidade de carga.
Com estes valores, pode-se definir as diretrizes para o desenvolvimento dos
módulos aqui apresentados (Tabela 6.2).

52 SUV-Sport Utility Vehicle - Veículo Utilitário Esportivo

78
Tabela 6.2 - Dimensões e pesos dos principais automóveis brasileiros

Altura mínima do solo

Capacidade de carga
Distância entre eixos

Peso do veículo
Bitola Dianteira
Comprimento

Largura
Modelo

Altura
Fabricante

Uno Mille 3692 1548 1445 2361 1337 122 825 400
FIAT Automóveis S.A.
Siena 4135 1634 1437 2373 1418 155 1080 400
Disponível: <www.fiat.com.br>
Acesso: 01 abr 2004 Marea 4393 1741 1450 2540 1370 480
Doblo Adventure 4554 1763 1957 2583 223 1400 490

Celta 3748 1766 1342 2443 834 450


General Motors do Brasil Ltda
Corsa Sedan 4170 1954 1432 2491 1080 460
Disponível: <www.gm.com.br>
Omega 4964 2010 1425 2788 1637 408
Acesso: 01 abr 2004
Blazer 2.4 4709 2044 1678 2718 1740 725

Ka 3677 1631 2448 910


Ford Motor Company Brasil Ltda.
Focus Sedan 4382 1998 1491 2615 1494 200 1179 490
Disponível: <www.ford.com.br>
Acesso: 01 abr 2004 Mondeo 4631 1812 2754 1390 475
EcoSport 4228 1734 1679 2490 1484 200 1220 400

Fox 3804 1640 1544 2464 962 440


Volkswagen do Brasil Ltda.
Polo Sedan 4179 1650 1484 2464 1147 503
Disponível: <www.volksvagen.com.br >
Passat 4703 1746 1481 2702 1476 554
Acesso: 01 abr 2004
Kombi 4505 1720 2003 2400 1250 1000

Fit 3830 1675 1525 2450 1460 1080


Honda Automóveis do Brasil Ltda.
Civic 4455 1715 1455 2620 1463 1146
Disponível: <www.honda.com.br>
Acord 4813 1820 1466 2738 1551 1445
Acesso: 01 abr 2004
CR-V 4535 1780 1675 2620 1535 205 1510 680

Clio 3773 1940 1417 2472 187 865 520


Renault do Brasil S.A.
Mégane 4164 1999 1435 2580 135 1140 410
Disponível: <www.renault.com.br >
Laguna 4576 2060 1429 2748 120 1445 550
Acesso: 01 abr 2004
Kangoo 3995 2030 1860 2600 205 1024 470

Valores Médios 4276 1809 1550 2561 1468 175 1215 515

Obs:
▫ Dados coletados nas páginas na Internet dos fabricantes de veículos no dia 01 abr. 2004.
▫ Os valores estão em mm (milímetros) para dimensões e em kg (quilogramas) para pesos.
▫ Os valores médios correspondem à média dos números encontrados em cada coluna.
▫ De cada montadora fora selecionados quatro veículos, sendo um modelo compacto, um
médio, um grande e ainda um SUV ou um outro veículo utilitário.

79
Deve-se notar que a escolha de um veículo SUV ou um utilitário médio de
cada fabricante, justifica-se em função dos problemas que estes representam para
as garagens automatizadas devido às suas grandes dimensões e pesos. No Brasil
não tem ocorrido a importação em grande escala de veículos especiais como o
SUV Hummer 53, fornecido aqui pela montadora GM. Este automóvel,
originalmente um veículo militar, foi adaptado para o uso civil. Dependendo do
modelo, este veículo pode chegar a 5,18 m de comprimento, por 2,07 m de largura
sem os espelhos, 2,06 m de altura e, carregado, pode chegar a 3040 kg de peso. Fica
fácil perceber que com estas dimensões e pesos, este veículo não será facilmente
acomodado em garagens convencionais ou, até mesmo, em garagens com sistemas
modulados. Esta limitação ocorre também nos sistemas de garagens
automatizadas existentes fora do Brasil.

6.1.1 Dimensões dos veículos


Nos Estados Unidos, as dimensões dos equipamentos de transporte e
espaços de estacionamento são baseadas em uma coletânea histórica de dados
oriundos da sua frota de veículos. Estas informações são publicadas anualmente
pelo Automotive News Annual Market Data Book. A organização The Parking
Consultants Council (PCC), da National Parking Association, tem analisado todos os
comprimentos e larguras dos veículos desde 1983 e publicado as informações no
Recommended Parking Geometric Guidelines. Adicionalmente, tem analisado os
dados referentes à altura e ao peso dos veículos em Automotive New de 1996 a 2001.
Estes dados incluem veículos de passageiros, utilitários leves, SUVs e minivans.

6.1.1.1 Comprimento
Depois da crise de petróleo entre 1973 e 1976, o governo americano aprovou
uma legislação determinando um padrão para a eficiência de economia de
combustível para os automóveis com prazos predeterminados para

53 Fonte: Official site of HUMMER vehicles – Disponível: <http://www.hummer.com> - Acesso:


13 abr. 2004

80
implementação. Como resultados, a porcentagem de veículos compactos (veículos
menores que 4,57 m de comprimento) vendidos nos EUA aumentou drasticamente
de 15% em 1979 para 53% em 1981, e compreensivelmente, tem reduzido
significativamente a fabricação dos carros grandes. Em 2001, 98% da frota
americana de veículos de passageiros tem seu comprimento menor que 5,48 m,
incluindo utilitários, minivans e SUVs. Aproximadamente 85% da frota de
veículos é menor que 5,02 m de comprimento. Por isto, é comum adotar-se nos
EUA um valor de 5,80 m para grandes vagas de estacionamento e para
equipamento de transporte em instalações de garagens automatizadas, o que
acomodaria necessariamente 100% da frota de veículos de passageiros, com a
possível exceção de alguns utilitários de cabines estendidas.
Na Tabela 6.2 foi apresentada uma relação de medidas para alguns veículos
nacionais, sendo que o comprimento médio destes é de 4,27 m. Deve-se verificar
que o maior valor apresentado na tabela é de 4,96 m, para o automóvel Omega da
General Motors (GM). Portanto, os valores utilizados para os EUA não serão
necessariamente os mesmos utilizados no Brasil, já que aqui, pela própria cultura e
condições financeiras da população, ocorre uma preferência pelos veículos de
tamanhos médio e pequeno. Também ocorre uma grande preferência pelos
pequenos veículos de 1000 cc 54, conhecidos como carros populares, já que
atualmente estes representam a maioria dos veículos da frota nacional.

6.1.1.2 Largura
Nos EUA, a largura dos veículos não sofreu mudanças significativas. A
largura máxima dos veículos de passageiros naquele país é de 2,08 m, com exceção
do veículo Hummer citado anteriormente. Aproximadamente 85% da frota de
veículos de passageiros tem a largura inferior a 1,98 m. Os veículos compactos são
normalmente 30 cm mais estreitos que os veículos médios. O espaço destinado a
vagas em instalações de garagens automatizadas para veículos médios é de 2,13 m

54 cc - Centímetro cúbico - Unidade de volume. 1000 cc equivale a um litro.

81
e para carros compactos de 1,82 m de largura. Estes valores não incluem os
espelhos retrovisores e nem a fixação de acessórios nas laterais do veículo.
Na Tabela 6.2, verifica-se que as dimensões dos veículos nacionais são um
pouco inferiores às correspondentes nos EUA. O valor médio encontrado foi de
1,81 m de largura, sendo que o veículo mais largo apresentado nesta tabela é o
Laguna fabricado pala Renault, que atinge um valor de 2,06 m.

6.1.1.3 Altura
A análise dos dados do veículos americanos vendidos desde 1996 indica
que aproximadamente 53% destes veículos têm a altura abaixo de 1,52 m e
aproximadamente 83% têm a altura inferior a 1,82 m. É claro que estas dimensões
não incluem bagageiros, SUVs com suportes para bicicletas ou esqui etc. Em
instalações de garagens automatizadas, é comum destinar de 25% a 40% das
vagas aos SUVs, com uma altura de pé direito em 2,13 m e o restante dos espaços
com dimensões compatíveis com os veículos de passageiros típicos, ou seja com
uma altura de 1,52 a 1,82 m. As vagas destinadas aos veículos cujos proprietários
são portadores de deficiência requerem uma altura de 2,43 m.
No Brasil, a altura dos veículos não é muito diferente da dos veículos
americanos, como se pode verificar na Tabela 6.2. A altura média dos veículos
pesquisados foi de 1,55 m, sendo que o veículo mais alto é a Kombi fabricada pela
Volkswagem, que tem 2,00 m.

6.1.1.4 Peso
A análise dos dados de peso dos veículos é um pouco mais complexa, já que
muitos fabricantes apresentam o peso líquido do veículo sem nenhum
carregamento, isto é, sem as informações de capacidade de carga. O peso bruto
total (Gross vehicle weight - GVW ou peso bruto total -PBT) deve incluir o
carregamento. Nos EUA, para utilitários leves e SUVs o peso líquido é inferior a
2608 kg, entretanto o peso total pode ser superior a 5170 kg. Por outro lado, o peso
líquido de 69% dos veículos é inferior a 1814 kg. Como provavelmente o
carregamento dos utilitários leves ou SUVs não é constante em uma instalação de

82
garagem automatizada, a National Parking Association e a Parking Consultants
Council recomenda que o peso máximo dos veículos seja de 2608 kg.
O peso dos veículos brasileiros não é muito diferente dos veículos
americanos, como se pode verificar na Tabela 6.2. O peso médio dos veículos
pesquisados foi de 1218 kg, sendo que o veículo mais pesado foi o utilitário
Blazer 2.4, fabricado pela GM, com 1740 kg e que tem uma capacidade de carga de
725 kg.
A perua Kombi fabricada pela Volkswagen tem seu peso de 1250 kg e uma
espantosa capacidade de carga de 1000 kg, sendo o único veículo pesquisado que
tem como característica uma capacidade de carga quase igual ao seu peso líquido.
Deve-se notar que este tipo de veículo é único no mercado brasileiro com estas
características, sendo o modelo de veículo mais antigo fabricado no mundo. A
Kombi entrou em produção na fábrica de Wolfsburg na Alemanha em 1950 e, no
Brasil, em 1957 e se manteve até hoje com pouquíssimas alterações. Atualmente a
Kombi só é fabricada no Brasil. Por suas características robustas associadas a um
motor refrigerado a ar, fabricado pela Volkswagen, com baixíssimo custo de
manutenção, tornou-se o veículo preferido pelos perueiros e carreteiros. O número
de veículos Kombi vendidas no Brasil já ultrapassou a marca de dois milhões de
unidades, sendo esse um dado relevante para a ocupação das garagens.

6.1.1.5 Altura mínima do solo


A altura mínima do veículo em relação ao solo deve ser considerada, pois
muitas das instalações de garagens automatizadas, particularmente as que
utilizam sistemas combinados (itens 5.1, 5.2 e 5.3), utilizam dispositivos de
transporte horizontal que se movimentam sob os veículos para movê-los para os
compartimentos de transporte, e, também, para armazená-los e retirá-los dos
espaços de vagas de estacionamento. Nos EUA, dados publicados pelos
fabricantes de automóveis indicam que o valor mínimo da altura em relação ao
solo para os veículos de passageiros é de aproximadamente de 15,24 cm. Para as
instalações de garagens automatizadas, usualmente considera-se um valor de
12,7 cm para a altura mínima do solo.

83
Para os veículos brasileiros, a altura mínima do solo é de 17,2 cm. Este é um
valor muito alto devido às características dos veículos aqui produzidos. Muitos
fabricantes modificam o sistema de suspensão de seus automóveis com o objetivo
de evitar danos na sua parte inferior, já que muitas rodovias e estradas estão em
péssimas condições de tráfego e também devido à existência de quebra-molas com
dimensões irregulares. Para estas modificações, os fabricantes dão o nome de
“climatização” dos veículos, ou seja, fazem adaptações para que os veículos
vendidos em outros países, possam ser vendidos também aqui no Brasil. A Tabela
6.2 apresenta os valores encontrados de altura mínima do solo para os veículos
pesquisados, sendo que o menor valor é o do automóvel Laguna, fabricado pela
Renault, com um valor de 12,0 cm, seguido pelo Uno Mille da Fiat, com 12,2 cm.
Portanto qualquer dispositivo que seja introduzido sob os veículos, deverá
ter uma altura máxima de 8 cm para evitar que toque no fundo do veículo,
principalmente quando estes estiverem carregados ou com os pneus um pouco
vazios.

6.2 Dimensões do módulo


Para a definição das dimensões ideais de um módulo de garagem que
atenda aos veículos nacionais, foram considerados os dados apresentados no
tópico 6.1.1, definindo assim as diretrizes construtivas.
Para o desenvolvimento destes módulos de garagens automatizadas, foi
proposto inicialmente um módulo em estrutura metálica com as dimensões
máximas em planta de 5,00 m x 4,50 m, cada um comportando dois pavimentos.
Dependendo da solução adotada, estes módulos poderão abrigar um ou dois
veículos por pavimento.
Este módulo pode ser arranjado de várias formas, podendo vencer até 12
pavimentos, ou seja, um arranjo de seis módulos sobrepostos.
A partir deste estudo inicial, decidiu-se que quatro tipos de arranjos
poderiam atender a um determinado número de possibilidades de sistemas
automatizados de acordo com a realidade brasileira, sendo chamados de:

84
a) Sistema Módulo Lateral – 2,
b) Sistema Módulo Duplo – 4,
c) Sistema Módulo Circular – 4,
d) Sistema Módulo Circular – 12.

6.2.1 Compartimento de transferência de veículos


Além do módulo, foi considerado o compartimento de transferência de
veículos, que é o ponto de transição entre o motorista e o veículo e
conseqüentemente requer uma especial atenção.
Duas possibilidades para o compartimento de transferência de veículos
podem ser definidas em projeto.
A primeira, mais simples, define que o veículo seja posicionado já sob a
estrutura da garagem. Logo em seguida o motorista deve se retirar do
compartimento para que se inicie o procedimento de guarda do veículo. Uma
atenção especial deverá ser dada neste caso para se evitar que ocorram acidentes
durante a guarda e a retirada do veículo, pois o equipamento automatizado de
transporte terá acesso à esta área.
A segunda, um pouco mais complexa e onerosa para a execução, define que
o compartimento de transferência de veículos seja completamente separado do
edifício garagem. O motorista posiciona o seu veículo sobre uma plataforma que
fará a transferência do veículo para dentro do edifício. Este cômodo deve ser bem
iluminado e dotado de portas automáticas que somente serão acionadas quando o
veículo for recolhido ou retirado da garagem.
O projeto do compartimento de transferência deve facilitar o
posicionamento dos veículos, desligamento, remoção de qualquer objeto do
interior destes, para, então, permitir a ativação do sistema automático. A área em
volta do veículo deve ser livre de obstáculos e segura contra danos. As instalações
de garagens automatizadas devem ter sensores que impeçam a ativação dos
dispositivos de transporte, quando qualquer pessoa ou animal estiverem presentes
dentro do compartimento de transferência. Através de outros sensores, devem

85
ainda, indicar se os veículos se encontram em condições de comprimento, largura,
altura e peso requeridos pelos espaços das vagas e pelos dispositivos de
transporte. Estes dispositivos de transporte não se ativarão caso o veículo não
atenda a todas estas exigências.

6.2.2 Outros espaços necessários


Deve-se prever nos sistemas automatizados espaços para o acesso dos
veículos, permitindo que o motorista manobre até o compartimento de
transferência. Dependendo da tipologia do sistema, isto não representará nenhum
problema, mas, em determinadas situações, será necessária a previsão destes
acessos à edificação. Em muitas situações, o acesso ao edifício é feito frontalmente,
e, para facilitar a manobra, são colocadas plataformas giratórias no piso (Figura
5.16).
Em um sistema automatizado é necessário o constante fornecimento de
energia elétrica para o funcionamento dos motores elétricos que operam os
equipamentos. Portanto, será necessária a previsão de um gerador elétrico para o
caso de falta de energia elétrica.
Outras instalações poderão existir dependendo da necessidade do
empreendimento, como escritório de administração ou sanitários para
funcionários.

6.3 Sistema Módulo Lateral – 2


O desenvolvimento do Sistema Módulo Lateral - 2 partiu de um módulo
que comporta dois veículos por pavimento, sendo o tipo de solução ideal para
fachadas cegas de edifícios existentes (Figura 6.1). Poder-se-ia utilizar este tipo de
solução em recuos dos edifícios, por exemplo, para o retrofit de dois prédios
existentes, utilizando o afastamento entre eles. Deste modo, sem grandes
intervenções, criar-se-ia novos espaços de estacionamentos. Com uma avaliação

86
prévia, poder-se-ia utilizar a própria estrutura do edifício existente para a
estabilização horizontal para a nova estrutura de garagem.

Figura 6.1 - Sistema Módulo Lateral – 2

Em Belo Horizonte - MG, esta solução esbarra nas imposições legais da


atual legislação de Uso e Ocupação do Solo Urbano que exige que a edificação
tenha um determinado afastamento. A antiga legislação de Uso e Ocupação do
Solo Urbano, anterior à 1976, exigia que os afastamentos laterais e de fundo das
edificações fossem de 1,50 m. Muitos prédios construídos dentro das exigências
desta lei têm recuo de 1,50 m, portanto, existem situações em que o espaço
existente entre dois edifícios é de 3,00 m o que poderia facilmente comportar tal
sistema, beneficiando-os mutuamente.
Um questionamento deve ser feito, já que existem situações onde é possível
melhorar as disponibilidades de vagas destes antigos edifícios:
ƒ Em benefício da cidade e mesmo dos proprietários destes edifícios,
poder-se-ia utilizar estes afastamentos para uso de garagens?
ƒ Como evitar que tais sistemas também não sejam utilizados para usos
especulativos do solo urbano?

87
As respostas a estas questões transcendem o escopo deste trabalho, mas se
desejar que estas novas possibilidades se concretizem, uma nova postura legal
deverá ser elaborada para contemplar e disciplinar estas novas possibilidades
construtivas.
Naturalmente, estas novas instalações só poderão ser construídas quando
todas as condicionantes de projeto forem satisfeitas, tais como: a existência de
fachadas ou paredes cegas, sem aberturas; possibilidades de acessos no nível da
rua ou mesmo a partir do último pavimento de uma garagem existente; e, mesmo,
condições técnicas adequadas para a instalação dos sistemas de garagens.
Pequenas variações do sistema também são possíveis, permitindo que
espaços de 5,00 m de largura possam receber até quatro veículos por pavimento
(Figura 6.2).

Figura 6.2 - Sistema Módulo Lateral - 2 (variação)

A tecnologia dos elevadores será semelhante às adotadas nos elevadores


convencionas, sendo que em sua plataforma deverá existir um dispositivo de
transporte horizontal (dolly) que permita retirar o veículo do compartimento de
transferência, colocá-lo sobre a plataforma do elevador e finalmente transferi-lo

88
para uma vaga livre. Dos quatros sistemas apresentados neste capítulo, este é o
que possui a solução do dispositivo de transporte mais simples.
O sistema de automação poderá ser extremamente simples, semelhante aos
utilizados em armazéns atacadistas, com um nível de complexidade muito menor,
já que não é necessário cadastrar a entrada, saída ou estoque de produto.
Naturalmente vários sensores deverão ser dispostos por toda a estrutura para
garantir que os dispositivos de transporte posicionem os veículos de maneira
correta. O computador que gerenciará todo o sistema poderá ficar instalado junto
ao painel de controle que o usuário tem acesso para guardar ou retirar o seu
veículo.
Em um espaço de apenas 2,50 m x 15,00 m já seria possível a implantação
deste sistema, acomodando dois veículos por pavimento. Em uma situação
hipotética, poder-se-ia construir uma estrutura de 10 pavimentos para comportar
até 19 veículos, já que se perde uma vaga no nível da rua, para permitir o acesso
dos veículos ao elevador. A Tabela 6.3 apresenta um resumo desta tipologia de
estacionamento automatizado, chegando a um rendimento de 12,89 m2/vaga.

Tabela 6.3 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Lateral – 2


itens
1 Número de módulos por pavimento 1
2 Número de pavimentos 10
3 Área mínima para implantação do módulo 36,75 m2
4 Área líquida do módulo 24,5 m2
5 Área total da estrutura (item 1 x item 2 x item 4) 245 m2
6 Número de vagas por módulo 2
7 Número de vagas por pavimento (item 1 x item 6) 2
8 Número de vagas total (item 1 x item 2 x item 6 - 1) 20 (-1) = 19
9 Relação de área /vagas (item 5 / item 8) 12,89 m2/vaga

Ao final deste trabalho, é apresentado, no Anexo 6, o projeto arquitetônico


do Sistema Módulo Lateral-2.
Dispondo de um terreno mais profundo, algo em torno de 30 metros, e
considerando a mesma situação poder-se-ia acomodar até 37 veículos, perdendo
somente três vagas no nível da rua para permitir o acesso à garagem.

89
Fazendo um paralelo desta solução com uma garagem convencional em
concreto armado e com rampas, verifica-se que é impossível a implantação da
garagem convencional nestas mesmas condições, já que não existem espaços para
a colocação de rampas e áreas de circulação dos veículos.

6.4 Sistema Módulo Duplo – 4


No desenvolvimento do Sistema Módulo Duplo - 4 foi definido que cada
módulo poderia comportar dois veículos de cada lado da estrutura, totalizando,
então, quatro veículos por conjunto de módulo. O espaço entre os módulos seria
destinado para o deslocamento do equipamento transportador, que teria
movimentos horizontais e verticais, semelhantes aos apresentados no item 5.1 -
Sistemas com um único dispositivo com movimentos horizontal e vertica. Esta
solução está representada na Figura 6.3.

Figura 6.3 - Sistema Módulo Lateral – 2

Para dotar o elevador de movimento horizontal, este deverá ter uma


coluna vertical que se desloque sobre trilhos dispostos no piso do primeiro
pavimento. Guias secundárias dispostas horizontalmente em alguns dos

90
pavimentos acima poderão dar maior estabilidade à estrutura da torre do
elevador. Para o movimento vertical do elevador, este utilizará as mesmas
tecnologias dos elevadores convencionais. Além da plataforma, o elevador deverá
comportar um dispositivo de transporte horizontal (dolly) junto à plataforma do
elevador, permitindo a retirada do veículo do compartimento de transferência,
para transferi-lo a uma vaga livre.
Para a implantação de cada módulo com quatro veículos por pavimento é
necessário um espaço de 4,50 m x 15,00 m, sendo que uma área livre no centro da
estrutura de 4,50 m x 5,00 m deve ser destinada ao elevador. Esta estrutura pode
ter uma grande repetição destes módulos, tanto na horizontal quanto na vertical.
O limite na repetição horizontal se dá nas limitações dos terrenos disponíveis. Um
terreno de 60 metros de comprimento, por exemplo, comporta uma repetição de
até 12 módulos com afastamento frontal de seis metros, podendo acomodar até 48
veículos por pavimento. Em uma estrutura com 10 pavimentos, isto representa
uma capacidade de quase 480 veículos para esta estrutura, já que algumas vagas
do nível pavimento térreo devem ser liberadas para permitir o acesso dos veículos
ao interior da garagem.
Na Tabela 6.4 pode-se verificar o aproveitamento desta estrutura em uma
relação de área construída, chegando a um valor de 11,25 m2/vaga.

Tabela 6.4 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Duplo – 4


itens
1 Número de módulos por pavimento 12
2 Número de pavimentos 10
3 Área mínima para implantação do módulo 67,50 m2
4 Área líquida do módulo 45 m2
5 Área total da estrutura (item 1 x item 2 x item 4) 5400 m2
6 Número de vagas por módulo 4
7 Número de vagas por pavimento (item 1 x item 6) 48
8 Número de vagas total (item 1 x item 2 x item 6 - 1) 480 (-1) = 479
9 Relação de área /vagas (item 5 / item 8) 11,27 m2/vaga

91
Ao final deste trabalho é apresentado, no Anexo 7, o projeto arquitetônico
do Sistema Módulo Duplo - 4, inclusive a possibilidade de associação de dois
edifícios para obter maior número de vagas.
Fazendo um paralelo desta solução com uma garagem convencional em
concreto armado e com rampas, semelhante às apresentadas no CAPÍTULO III,
principalmente a do item 3.5 que aborda garagens com entre meio-pisos
alternados, esta solução representa uma relação de quase o dobro do número de
vagas, já que a solução convencional mais econômica, apresentada na Tabela 3.1,
apresenta 21,70 m2/vaga contra 11,27 m2/vaga fornecido pelo sistema
automatizado proposto.
A maior limitação deste sistema será a sua agilidade no tempo de guardar e
retirar os veículos, pois um grande número de vagas atendidas por um único
dispositivo de transporte fará com que o tempo de espera para que o usuário
tenha seu veículo devolvido seja tolerável. Pelas experiências de sistemas
desenvolvidos em outros países, este limite é de no máximo dois minutos. Para
reduzir este tempo, a solução é a utilização de equipamentos de transporte mais
velozes ou então aumentar o número de equipamentos, o que representa a perda
de duas vagas por cada equipamento transportador.

6.5 Sistema Módulo Circular – 4


Para o Sistema Módulo Circular - 4 pode-se adotar como solução as
mesmas configurações do módulo apresentado no item 6.4, só que estes serão
dispostos em forma radial, totalizando quatro módulos por pavimento, tendo um
aspecto final como o representado na Figura 6.4.

92
Figura 6.4 - Sistema Módulo Circular – 4

Para o seu funcionamento, além do elevador, este sistema deve ter um


dispositivo de transferência (dolly) que transporte o veículo da área externa da
garagem para a plataforma do elevador. A partir desta, o veículo é posicionado
nas vagas por um outro dispositivo. Sistema semelhantes é apresentado no item
5.3 - Sistemas com elevador e plataforma giratória.
Neste tipo de sistema, o elevador não tem a capacidade de movimento
horizontal, mas apenas movimento vertical e capacidade de rotação da plataforma
dos veículos. Este giro permite que o dispositivo de transferência dos veículos
fique em posição adequada em relação à vaga.
Na Tabela 6.5 verifica-se o aproveitamento desta estrutura para uma relação
de área construída, apresentando um valor de 11,53 m2/vaga.

93
Tabela 6.5 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Circular – 4
itens
1 Número de módulos por pavimento 4
2 Número de pavimentos 10
3 Área mínima para implantação do módulo 126,21 m2
4 Área líquida do módulo 23,75 m2
5 Área total da estrutura (item 1 x item 2 x item 4) 900 m2
6 Número de vagas por módulo 2
7 Número de vagas por pavimento (item 1 x item 6) 8
8 Número de vagas total (item 1 x item 2 x item 6) 80 (-2) = 78
9 Relação de área /vagas (item 5 / item 8) 11,53 m2/vaga

Ao final deste trabalho, é apresentado, no Anexo 8, o projeto arquitetônico


do Sistema Módulo Circular - 4.
Fazendo um paralelo desta solução com uma garagem convencional em
concreto armado e com rampas, semelhante às apresentadas no CAPÍTULO III,
que aborda garagens com entre meio-pisos alternados (item 3.5), esta solução
também apresenta uma relação de maximização das vagas em quase o dobro em
relação a solução convencional mais econômica apresentada na Tabela 3.1. Ou seja,
21,70 m2/vaga contra 11,53 m2/vaga fornecida por este tipo de sistema
automatizado.

6.6 Sistema Módulo Circular – 12


O Sistema Módulo Circular - 12 apresenta solução semelhante ao anterior,
mas a forma radial abriga até doze veículos por pavimento (Figura 6.5). Para a
implantação desta solução serão necessários espaços muito maiores mas, em
compensação, o número de vagas será muito maior.
Semelhante ao sistema anterior, um dispositivo de transferência transporta
o veículo da área externa para a plataforma do elevador e finalmente posiciona-o
em uma das vagas. Neste sistema o elevador não tem a capacidade de movimento
horizontal, mas apenas movimento vertical e capacidade de rotação.

94
Figura 6.5 - Sistema Módulo Circular – 12

A ampliação desta solução pode ser alcançada com o aumento do número


de módulos por pavimento, conseqüentemente atingindo uma maior otimização
dos espaços.
Na Tabela 6.6 pode-se verificar o aproveitamento desta estrutura em uma
relação de área construída, chegando a um valor de 17,20 m2/vaga. Esta relação é
superior às encontradas nas outras propostas justamente por se tratar de uma
solução que simplifica o sistema de transporte, mas conseqüentemente aumenta a
área construída. Em instalações maiores, com maior número de vagas por
pavimento, será menor a relação área /vaga. É interessante notar que a área
central destinada ao dispositivo de transporte ocupa apenas 49,50 m2 que é um
espaço bastante reduzido, considerando os outros tipos de soluções apresentadas.
O diâmetro desta estrutura será de aproximadamente 18,50 m.

95
Tabela 6.6 - Proposta de estrutura com Sistema Módulo Circular – 12
itens
1 Número de módulos por pavimento 12
2 Número de pavimentos 10
3 Área mínima para implantação do módulo 256,00 m2
4 Área líquida do módulo 17,20 m2
5 Área total da estrutura (item 1 x item 2 x item 4) 2064 m2
6 Número de vagas por módulo 1
7 Número de vagas por pavimento (item 1 x item 6) 12
8 Número de vagas total (item 1 x item 2 x item 6) 120 (-1) = 119
9 Relação de área /vagas (item 5 / item 8) 17,34 m2/vaga

Ao final deste trabalho, é apresentado, no Anexo 9, o projeto arquitetônico


do Sistema Módulo Circular – 12, inclusive a possibilidade de associação de mais
edifícios para obter maior número de vagas (no caso, a implantação de dois ou
quatro edifícios, um ao lado do outro).
Em um paralelo desta solução com uma garagem convencional em concreto
armado e com rampas, como as apresentadas no CAPÍTULO III, no item 3.5, que
aborda garagens com entre meio-pisos alternados, esta solução apresenta uma
maximização das vagas em mais de 25%, já que a solução convencional mais
econômica apresentada na Tabela 3.1 é 21,70 m2/vaga contra 17,34 m2/vaga
fornecida por este tipo de sistema automatizado.
Existem outras variações deste sistema, como o adotado para o edifício de
estacionamento automatizado construído em Cesena na Itália (Figura 5.12 e Figura
5.14), onde foi empregada uma estrutura subterrânea em concreto, também com 12

vagas por pavimento. Neste edifício, cada módulo de vaga foi construído em
concreto pré-moldado e posteriormente içado para dentro do fosso do edifício.
Confirmando as possibilidades de variações do sistema, uma outra
proposta de arranjo é apresentada pela empresa Grando Parking System55,
utilizando até 24 vagas por pavimento e um dispositivo de transporte dos veículos
em forma de cruz (Figura 6.6).

55 Fonte: Grando Parking System – Disponível: <http://www.grandopark.com> - Acesso: 24 abr


2004

96
Figura 6.6 - Conveying Machinery - Tender de 4 módulos (cross-wise)
Fonte: Grando Parking System
Disponível: <http://www.grandopark.com/convey.htm>
Acesso: 24 abr 2004

Uma particularidade deste sistema é que o piso das vagas são construídos
de forma helicoidal e o sistema de transporte giratório atende a estas vagas de
modo diferente dos sistemas anteriormente apresentados, já que permite a
transferência de até quatro veículos simultaneamente. O fabricante ainda
apresenta outras soluções que permitem o emprego de seu sistema para o abrigo
de ônibus e caminhões, com módulos de até 12,20 m de comprimento.
Fornecida pelo mesmo fabricante, uma outra solução apresenta um sistema
com 24 veículos por pavimento, ocupando uma área total de 531,90 m2. Com área
central disponível para os dispositivos de transporte de 200,00 m2 e diâmetro do
sistema de 26,17 m, é possível implantá-lo em um espaço de 25,95 m.
Naturalmente para a implantação deste sistema serão necessários terrenos cada
vez maiores. Em uma situação hipotética, poderiam ser agrupados até quatro
conjuntos em um terreno quadrado de 50 x 50 m.

97
7 CAPÍTULO VII – Estudos de casos

7.1 Introdução
Nesta etapa de trabalho é apresentado um estudo de caso, analisando a
possibilidade de implantação de garagens moduladas em situações reais, na
cidade de Belo Horizonte – MG. Busca-se através de um estudo comparativo
destacar as diferenças obtidas em cada caso.

7.2 Estudo de caso - Praça Rui Barbosa (Praça da Estação)


Inicialmente, procurou-se eleger dentro da cidade de Belo Horizonte - MG
uma área de grande movimentação de veículos, inserida em um contexto urbano
de alto valor histórico. Esta área vem recebendo incentivos através de políticas de
transformações de usos com o objetivo de melhorar a qualidade do espaço urbano.
Trata-se da Praça Rui Barbosa, também conhecida como Praça da Estação.
Todo o seu espaço e o Edifício da Estação são tombados por instrumentos legais
de preservação do patrimônio e quaisquer intervenções nesta área deverão passar
pelo aval das instituições responsáveis, como o IPHAN - Instituto do Patrimônio
Histórico e Artístico Nacional, IEPHA - Instituto Estadual de Patrimônio Histórico
e Artístico e pela Secretaria Municipal da Coordenação de Política Urbana e
Ambiental - SCOMURBE da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte,
respectivamente nos âmbitos federal, estadual e municipal.
Para uma intervenção nesta área foi lançado, em 1995, um concurso público
de projetos que deveriam contemplar o espaço urbano à frente do Edifício da
Estação Ferroviária (Figura 7.1). Ao lado das diretrizes que norteam o citado
projeto, o edital do concurso exigiu a construção de um abrigo subterrâneo para
aproximadamente 1000 veículos.

98
Figura 7.1 - Edifício da Estação – Início do Séc. XX
Fonte: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

O projeto vencedor do concurso foi elaborado pelo Escritório de


Arquitetura BGL (Beggiato, Grillo e Leal) de Belo Horizonte. Este projeto atendeu
a todas as exigências do edital do concurso, apresentando como solução, um
edifício garagem implantado no subsolo, e com salas para áreas administrativas e
de apoio técnico.
A proposta esteve estagnada até o ano de 2003, quando a Secretaria
Municipal da Coordenação de Política Urbana e Ambiental – SCOMURBE da
Prefeitura Municipal retomou, através do programa Centro Vivo, vários projetos
urbanos abandonados, tais como este da Praça Rui Barbosa.
Para a Praça Rui Barbosa, devido a sérias restrições orçamentárias do
contratante (Prefeitura Municipal de Belo Horizonte), o projeto proposto no
concurso de 1995 foi definitivamente abandonado. Em seu lugar, está sendo
realizada apenas uma revitalização da praça diante do Edifício da Estação, com a

99
construção de duas grandes fontes (Figura 7.2), segundo informações disponíveis
no site da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte 56:

As obras de requalificação da Esplanada da Praça Rui Barbosa, a


popular Praça da Estação, foram iniciadas em setembro de 2003. O
projeto prevê a adequação do espaço público, dotando-o de infra-estrutura
adequada para manifestações culturais com grande aglomeração de
pessoas. As obras visam também a melhorar as condições de acesso à
Estação Central do Trem Metropolitano.

O projeto prevê implantação de piso em placas de concreto


texturado colorido de tom avermelhado, com juntas em granito preto, em
uma área de aproximadamente 12.000 m2, formando um grande espaço
destinado aos pedestres; instalação de dois conjuntos de fontes, no espaço
de pedestres, sem formação de lagos; implantação de postes de iluminação,
com aproximadamente 20 m de altura, nas laterais da praça, com
iluminação especial, inclusive para eventos, delimitando e formando o
espaço público desejado; implantação de projeto paisagístico e adequação
de mobiliários urbanos.

O prazo previsto para a conclusão das obras é de sete meses. O


custo será de R$ 5.079.894,80.

56 Fonte: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - Secretaria Municipal da Coordenação de


Política Urbana e Ambiental - SCOMURBE - Disponível:
<http://portal1.pbh.gov.br/pbh/index.html?id_conteudo=4340&id_nivel1=-
1&ver_servico=N> - Acesso: 25 abr 2004

100
Figura 7.2 - Obras de requalificação da Esplanada da Praça Rui Barbosa – abr 2004

Se a proposta vencedora fosse executada, esta seguiria as soluções


encontradas pelos arquitetos, com a implantação de um edifício garagem
subterrâneo com sistema estrutural convencional em concreto armado. Com
extensão de pouco mais de 550 m de comprimento, estendendo-se do viaduto
Santa Tereza até o viaduto da Floresta, teria a capacidade de abrigar 963 veículos
(Figura 7.3 e Figura 7.4). Este edifício, além do espaço destinado à garagem,
comportaria vários espaços destinados às áreas administrativas e de manutenção.
Para o acesso à garagem eram previstas duas rampas nas extremidades do edifício
destinadas aos automóveis e, ainda, duas escadas destinadas ao público.

101
100m
S

50
25
0
Projeção Prédio da Estação
Ribeirão Arrudas

Administração e Manutenção

S
Circulação

Rampas
Vagas

Figura 7.3 - Planta Garagem Subterrânea para a Praça da Estação


Fonte: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte– Projeto: Escr. Arquitetura BGL–dez 1995

102
30 m

54 m

0 25 50 100m

Figura 7.4 - Fotomontagem - Implantação Garagem Subterrânea para a Praça da Estação


Fonte da imagem: Navegando sobre o município de Belo Horizonte – Disponível:
<http://www.belohorizonte.com.br> - Acesso: 26 abr 2004 - Fotomontagem do autor

103
Para a modulação entre os pilares foi adotado um valor de 7,00 (Figura 7.5).
Isto representa uma solução com implantação de três vagas entre os pilares. Note
que os pilares apresentados neste projeto seriam de aproximadamente
0,40 x 0,40 m, deixando um espaço livre entre faces de pilares de 6,60 m, ou seja, as
vagas teriam uma largura de 2,20 m. No outro sentido da modulação também se
utilizou o valor de 7,00 m entre pilares. Esta solução permite vagas com 4,50 m de
comprimento e ruas de circulação com 5,00 m entre vagas. O recuo de 1,00 m dos
pilares em relação às vagas é muito benéfico em garagens convencionais, pois
permite ao motorista maiores facilidades de manobras.

Figura 7.5 - Modulação dos pilares do projeto de garagem para a Praça Rui Barbosa
Fonte: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte– Projeto: Escr. Arquitetura BGL–dez 1995

Uma consideração deve ser feita: as dimensões das vagas de 2,20 x 4,50 m
adotadas neste projeto são inferiores aos valores exigidos atualmente pela
Prefeitura, que é de 2,40 x 4,50 m de medidas livres entre pilares. Esta exigência
legal deve-se aos constantes abusos de empreiteiros e construtores quando
executam as áreas de estacionamento em edifícios residenciais ou comerciais,
criando vagas de estacionamentos com valores muitos menores que os
recomendados, o que obriga a motorista fazer manobras complexas para
posicionar o veículo em sua vaga. Atualmente as exigências do Departamento de

104
Aprovação de Projetos da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (PBH) atribuem
a responsabilidade sobre o dimensionamento das vagas ao arquiteto responsável
técnico (RT) pelo projeto arquitetônico.
Nesta proposta foi previsto, para o edifício subterrâneo, um piso de
garagem 4 m abaixo do nível da rua, ocupando uma área total de 22.867,77 m2, dos
quais 20.184,18 m2 destinados exclusivamente para as vagas e circulação de
veículos. Isto representa uma relação de 20,96 m2/vaga, um valor um pouco
elevado. Entretanto deve-se considerar que esta é uma solução convencional com
várias ruas de acesso às vagas (Figura 7.3).
Outro aspecto a considerar é o volume de terra envolvido na escavação do
local para a implantação do edifício subterrâneo, que seria de
22.867,77 m2 x 4,00 m, ou seja, um movimento de terra de 91.471 m3. Com o
empolamento desta terra após a escavação, o volume final seria da ordem de
118.911 m3, sendo necessários 19.818 viagens de caminhões de 6m3 de capacidade
para transportar a terra e, ainda, a identificação de um local adequado para
liberação do bota-fora; sem dúvida uma operação complexa.
O consumo de concreto para este empreendimento pode ser facilmente
estimado: considerando-se que o perímetro das paredes-cortinas seja de 1442,33 m
para uma altura total de 4,00 m, com espessura de 0,40 m incluindo a drenagem, o
arrimo e a impermeabilização, tem-se aproximadamente um volume inicial de
2307,73 m3 de concreto. Acrescentando-se ainda os 424 pilares de 0,40 x
0,40 x 6,00 m, e considerando-se que este comprimento inclua a sua fundação,
obtém-se mais 407,04 m3 de concreto. Considerando-se que a modulação entre
vigas e pilares seja de 7,00 m, tem-se um total de 6156 m lineares de vigas. Para
estimar o volume de concreto de todas as vigas, considerando-se a seção desta em
0,20 m x 0,70 m, chegando-se ao volume de concreto de 862,00 m3. Considerando-
se as duas lajes de piso e de teto com impermeabilização em 0,20 e 0,30 m de
espessura respectivamente, multiplicando pela área da edificação, chega-se a um
valor de 11.433,88 m3 de concreto somente para as lajes. Portanto, o total estimado
de consumo de concreto é de 15.010,65 m3, como pode ser verificado no resumo
apresentado na Tabela 7.1.

105
Tabela 7.1 - Estimativa de consumo de concreto
Item Altura-m Largura-m Profund.-m Quant.-un Volume -m3
1.442,33 m
Paredes cortinas 4,00 0,40 - 2.307,73
(comprimento total)
424 um
Pilares 6,00 0,40 0,40 407,04
(número total)
6.157,14 m
Vigas 0,70 0,20 - 862,00
(comprimento total)
22.867,77m2
Piso 0,25 - - 5.716,94
(área total)
22.867,77m2
Teto 0,25 - - 5.716,94
(área total)
TOTAL 15.010,65 m3

Para a implantação dos Sistemas de Estacionamento Modular


Automatizado (Modular Automated Parking Systems - MAPS), com relação ao
dimensionamento das vagas, os valores são definidos previamente em projeto de
modo a garantir o atendimento da maioria dos veículos nacionais. Utilizando-se o
módulo anteriormente proposto, de 4,50 x 5,00 m entre eixos de pilares e com
espaço livre entre pilares de 4,35 m, tem-se uma vaga muito estreita, com apenas
2,175 x 5,00 m. Mesmo assim isto não representa nenhum problema, já que os
veículos são colocados nas vagas com as portas fechadas e por equipamentos
transportadores e não pelo próprio motorista.
Adotando-se um sistema de garagem acima do solo, não se farão
necessários a escavação do solo ou mesmo outros itens como o consumo de
concreto, de armaduras de aço e formas, conforme pode-se verificar na última
coluna do quadro comparativo apresentado na Tabela 7.2.
Para a implantação do edifício acima do solo, poder-se-ia utilizar uma área
sub-aproveitada que já foi motivo de um concurso público em 1999 para a
implantação do Museu de Arte de Belo Horizonte, projeto este que já foi
abandonado (Figura 7.4).
Empregando um sistema semelhante como o apresentado no item 6.4 -
Sistema Módulo Duplo – 4, com dois veículos por módulo, 12 módulos de cada
lado do edifício e 10 pavimentos, esta solução poderá comportar até 480 veículos.
Portanto, duas instalações deste tipo serão suficientes para atender às exigências

106
do edital do concurso de 1995, com um total de 960 vagas (Figura 7.6). Para
otimizar o tempo de entrega e retirada dos veículos, pode-se acrescentar um ou
dois elevadores a mais para cada conjunto de garagem, tendo um total de quatro
ou seis elevadores para atender a toda a edificação. Com o emprego de seis
elevadores, cada elevador atenderá a até 160 vagas, um número razoável para este
tipo de empreendimento, minimizando assim o tempo de espera do usuário para
receber o seu veículo.

Figura 7.6 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa


Vista aérea com a implantação no terreno à Av. dos Andradas e Av. do Contorno

Se fosse imperativo manter a exigência inicial do edital deste concurso,


poder-se-ia implantar o mesmo sistema de garagem automatizada em um subsolo,
sendo necessário para tal, duas áreas de 54,00 x 15,00 m ou, então, em apenas uma
área de 54,00 x 30,00 m de projeção, já incluindo os espaços necessários para a
instalação e movimento dos sistemas de transportes horizontais e verticais. Neste
caso, uma escavação de 22,00 m de profundidade seria o suficiente para a
implantação desta solução que teria 10 pavimentos abaixo do solo, condensada em
uma área de 14,12 vezes menor que a apresentada no projeto do concurso. A
comparação destas duas situações é apresentada na Figura 7.4.

107
Ainda neste caso, o consumo de concreto se daria apenas nas faces
definidas por este volume, já que todo o seu interior seria constituído por um
sistema em estrutura metálica. Considerando-se que fosse utilizada uma parede
cortina semelhante à empregada no edifício originalmente proposto, com
espessura de 0,40 m incluindo a impermeabilização, tem-se o volume de concreto
de 1478,40 m3 (que é a multiplicação do perímetro das paredes pela profundidade
de escavação e pela espessura: 168,00 x 22,00 x 0,40 = 1478,40 m3). Incluindo-se um
piso semelhante ao projeto do edifício originalmente proposto tem-se, para as
duas lajes de piso e de teto com a impermeabilização em 0,20 e 0,30 m de
espessura respectivamente, o volume de 810,00 m3 de concreto empregado.
Portanto, a estimativa de consumo de concreto para este sistema subterrâneo será
de 2288,40 m3, aproximadamente 6,6 vezes menor em relação ao edifício
originalmente proposto, totalmente em concreto e de apenas um pavimento.
No entanto, não se deve esquecer que em projetos que envolvem subsolos
profundos, a tecnologia envolvida na contenção do lençol freático não é tão
simples, e, neste caso, o lençol freático do Ribeirão Arrudas passa a um pouco
mais de 4,00 m abaixo do nível do piso da Praça. Esta condicionante também
influiu na proposição de apenas um nível de subsolo no projeto original. Também,
como se pode verificar no projeto apresentado na Figura 7.3, um outro ponto a ser
considerado é que a cortina de retenção da canalização do Ribeirão Arrudas passa
aproximadamente a 1,50 m da parede da garagem proposta. Logo, qualquer tipo
de obra que tenha uma escavação abaixo deste valor do lençol freático deverá ter
uma especial atenção em relação à impermeabilização dos pisos e das paredes
cortinas.
A economia não se dá apenas no volume de concreto, mas em outro itens
importantes da obra, como formas de madeira, escoramentos e, principalmente,
áreas impermeabilizadas. No edifício originalmente proposto somavam-se
51.504,86 m2, contra apenas 6936,00 m2 no sistema subterrâneo, o que representa
uma redução nas áreas impermeabilizadas de quase oito vezes.
Todos estes valores anteriormente levantados podem ser verificados na
Tabela 7.2 que apresenta as três possibilidade de implantação da garagem: uma

108
convencional subterrânea, uma modulada subterrânea e a última modulada acima
do solo.

Tabela 7.2 - Quadro comparativo dos sistemas de garagem


convencional modulado
Tipologia do edifício
subterrâneo subterrâneo acima do solo
Procedimento de manobra manual automático automático
Número de pavimentos 1 10 10
Número de vagas/pavimento 963 96 96
Número total de vagas 963 960 960
Profundidade do 1º subsolo 4m 22 m 0
Área de projeção 22.867,77 m 2 1620 m 2 1.620 m2
Área útil para vagas 20.184,18 m2 10.800 m2 10.800 m2
Área total construída 22.867,77 m2 10.800 m2 10.800 m2
Dimensões de cada vaga 2,20 x 4,50 m 2,175 x 5,00 m 2,175 x 5,00 m
Relação m /vaga
2 20,96 m2/vaga 11,27 m2/vaga 11,27 m2/vaga
Impermeabilização 51.504,86 m2 6.936,00 m2 1.620 m2
Movimento de terra 118.912 m3 46.332 m3 0
Consumo de concreto 15.010,57 m 3 2.288,40 m 3 486 m3

Uma solução arquitetônica que contemple uma nova proposta de edifício


garagem subterrâneo para esta região poderia ter os seu acessos semelhantes aos
adotados em Cesena na Itália (Figura 5.12), onde os veículos param sobre um
dispositivo que os recolhe para o interior do edifício. Esta solução privilegiando a
estética, geraria um impacto menor no espaço urbano e arquitetônico da Praça
Rui Barbosa. Naturalmente, outras soluções de acesso ao edifício podem ser
encontradas, inclusive algumas que permitem controlar o acesso à garagem com o
emprego de funcionários, para evitar vandalismo.

7.2.1 Edifício proposto


Para a proposta de um Sistema de Estacionamento Modular Automatizado
(Modular Automated Parking Systems - MAPS) que atenda à Praça Rui Barbosa,
considerou-se a implantação de dois blocos de edifícios idênticos, acoplados um
ao lado do outro, construídos em estrutura metálica e acima do nível do solo.

109
Para uma melhor compreensão, na Figura 7.7 é apresentado o sistema
construtivo proposto com as seguintes observações:
1-Um módulo com capacidade para acomodar até quatro veículos;
2-Disposição dos módulos na horizontal (para o caso deste edifício serão
necessários 12 módulos);
3-Disposição dos módulos na vertical (no caso deste edifício proposto serão
necessários 10 módulos ou 20 pavimentos);
4-Bloco de um edifício completo formado por 120 módulos, com capacidade
para acomodar até 480 veículos;
5-Dois blocos de edifício idênticos e acoplados (B1 e B2), totalizando 240
módulos com capacidade para acomodar até 960 veículos.

Figura 7.7 - Diagrama do sistema construtivo modular

Portanto, para atender ao valor de aproximadamente 1000 vagas, dois


edifícios idênticos deverão ser construídos justapostos. Considerando-se que os
edifícios sejam implantados acima do solo, algumas vagas no nível térreo deverão
ser retiras para permitir o acesso dos veículos ao edifício.
Na Figura 7.8 é representado o módulo construtivo de dois pavimentos,
comportando dois veículos por pavimento, totalizando quatro veículos por
módulo.

110
Figura 7.8 - Módulo construtivo

As Figura 7.9, Figura 7.10 e Figura 7.11 apresentam, em detalhe, um bloco da


edificação, incluindo parte do sistema de fechamento vertical com comunicação
visual, fechamento horizontal, dispositivo transportador (elevador e dolly) e rampa
de acesso lateral ou frontal.

Figura 7.9 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa


Detalhe externo da estrutura com parte do fechamento vertical incluindo comunicação
visual, rampa de acesso, e o dispositivo transportador

111
Figura 7.10 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa
Detalhe interno da estrutura com rampa de acesso, e o dispositivo transportador

Figura 7.11 - Estacionamento Modular Automatizado para a Praça Rui Barbosa


Detalhe externo da estrutura com parte do fechamento vertical incluindo comunicação
visual, rampa de acesso, e o dispositivo transportador

112
O ante-projeto arquitetônico desta edificação encontra-se no Anexo 7 -
Projeto arquitetônico Sistema Módulo Lateral-4 – onde se verifica que todo o
edifício é uma repetição de um módulo de 4,50 x 5,00 m com dois pavimentos e
que comportam até quatro veículos. Para esta solução, adotou-se uma modulação
entre pilares com o valor de 4,50 m em um sentido e de 4,025 m no outro. Deve-se
notar, na Figura 7.12, que o espaço livre entre os pilares disponíveis para as vagas
é de [(4,50-15)/2] = 2,175 m, sendo que foi considerado um pilar em perfil
laminado de 0,15 m de largura. Com este valor, cada vaga disponível será de
5,00 x 2,175 m, atendendo praticamente a todos os veículos de fabricação nacional.
500

48.75 402.5 48.75


12.5 12.5
42.5 145 100 145 42.5
12.5
12.5

ligações parafusadas
espaço livre entre vagas

ligações soldadas
217.5
200

ligações parafusadas
450

25

ligações soldadas
espaço livre entre vagas

ligações soldadas
217.5
200

estabilização horizontal
piso
12.5

viga-1
viga-2
pilar
12.5

Figura 7.12 - Planta do módulo construtivo

Toda a estrutura adotada é basicamente constituída de perfis laminados da


série americana e perfis dobrados e enrijecidos, montados em caixas duplas. Com
esta disposição, ficará mais fácil a soldagem dos perfis de piso de cada vaga com
os perfis dobrados, já que haverá dois apoios para executar a ligação destes
componentes.

113
A modulação vertical da estrutura foi definida adotando-se 2,20 m de piso a
piso para cada vaga. Porém, descontando as vigas componentes da estrutura,
haverá um espaço livre de 1,875 m para acomodar cada veículo. Descontando
aproximadamente 0,15 m necessários para o manuseio do mecanismo de
transporte, o pé-direito livre alcançará 1,725 m, correspondendo ao limite máximo
de altura dos veículos que poderão ser acomodados. Considerando-se que a altura
média dos veículos pesquisados seja de 1,555 m (Tabela 6.3), este pé-direito livre é
suficiente para acomodar a maioria dos veículos. Alguns veículos mais altos, como
utilitários, minivans e SUVs, também poderão ser acomodados nesta estrutura.
Para atender aos veículos mais altos, o primeiro e o último pavimento do edifício
garagem terão 2,675 m de altura entre pisos e 2,35 m de pé direito livre abaixo das
vigas. Descontando 0,15 m do dispositivo de transporte, o pé-direito livre será de
2,20 m, o suficiente para atender a totalidade dos veículos disponíveis no mercado
brasileiro (Figura 7.13).

500

48.75 402.5 48.75


12.5 12.5
42.5 145 100 145 42.5
5
12.5

pé direito livre
172.5
220

pé direito
202.5

187.5

altura para o deslocamento


5

do dispositivo transportador
viga-1
12.5

piso
viga-2
estabilização vertical
pé direito livre

pilar
267.5

do 1º pavto
pé direito
250

220
235

altura para o deslocamento


5

do dispositivo transportador
12.5

Figura 7.13 - Elevação do módulo construtivo

114
Por exemplo, considerando-se uma garagem com sistema modulado de dez
pavimentos, sendo o primeiro e o ultimo com pé direito mais alto, isto representa
que 20% das vagas estarão destinadas aos veículos grandes, o suficiente para
atender a toda a demanda destes tipos de veículos, que segundo o Anuário
Estatístico da Indústria Automobilística Brasileira de 2004, fornecido pela
ANFAVEA, é de 13,2% 57.
Vale a pena ressaltar que neste sistema a altura total de um edifício
modulado em estrutura metálica de 10 pavimentos corresponde a 23,00 m, sendo
bem menor que a de um edifício convencional que poderá atingir até 30,00 m,
significando uma economia de 7,00 m na construção (Figura 7.14).

Figura 7.14 - Comparação de edifícios com dez pavimentos

7.2.2 Simulações de cálculo

7.2.2.1 Sobre o sistema construtivo


Para a modelagem deste módulo, adota-se uma estrutura de edifício que
dispensa fechamentos em alvenaria, placas de concreto e lajes de piso. Para o

57 ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores - Anuário


Estatístico da Indústria Automobilística Brasileira - 2004 - Vendas internas no atacado
Disponível: <http://www.anfavea.com.br> Acesso:16 jul 2003

115
fechamento adota-se, quando necessário, telhas trapezoidais em chapas de aço
pintadas.
Para atender às exigências da legislação de segurança contra incêndio, o
edifício também receberá, quando necessário, fechamento em tela metálica pintada
em suas extremidades opostas, permitindo a ventilação cruzada o que despensa a
proteção da estrutura de aço. O fechamento é fixado por parafusos às longarinas
que percorrem toda a estrutura da edificação e que estão fixadas ao sistema
estrutural do edifício. O telhado segue a mesma solução, prevendo inclinação e
calhas adequadas ao recolhimento de águas pluviais.
Dependendo da solução adotada, caso a estética da edificação não seja
preponderante para a definição da volumetria final, a edificação poderá
apresentar seu esqueleto estrutural exposto, exibindo assim todo o seu conteúdo,
inclusive os automóveis, sem que seja necessário fazer os fechamentos laterais e,
mesmo, a cobertura. Isto não representa nenhum problema, já que os automóveis
são construídos para resistirem ao tempo e às chuvas.
Com a adoção destas medidas, permite-se, ainda, uma significativa redução
nas cargas permanentes atuantes na estrutura.
Para os pilares, foram utilizados perfis “H” laminados da série americana.
Para as vigas, utilizaram-se perfis “I” laminados da série americana ou dobrados
para absorver as forças de compressão e os esforços de flexão. Todo o sistema de
estabilização, tanto horizontal quanto vertical, é feito através da utilização de
tirantes dispostos em forma de “X” que trabalham sobre forças de tração.

7.2.2.2 Sobre as cargas variáveis


A NBR-880058 define cargas variáveis do seguinte modo:

Cargas variáveis são aquelas que resultam do uso e ocupação do


edifício ou estrutura, tais como: sobrecargas distribuídas em pisos devidas
ao peso de pessoas, objetos e materiais estocados, cargas de equipamentos,

58 NBR-8800 - Projeto e Execução de Estruturas de Aço de Edifícios– Anexo B, Brasil, ABNT-


Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1986

116
elevadores, centrais de ar condicionado, equipamento industriais, pontes
rolantes, peso de paredes removíveis, sobrecarga em coberturas, etc; são
também consideradas cargas variáveis os empuxos de terra, as pressões
hidrostáticas, o vento, a variação de temperatura, os recalques de
fundações, as deformações impostas etc.

Para esta pesquisa, considerou-se como fonte de cargas variáveis os


automóveis, os elevadores, os equipamentos de transporte horizontais e a carga de
vento.
Segundo ARBED 59 a norma alemã DIN-1055, item 2.6.3.1, considera, para
pisos de garagens, uma carga uniformemente distribuída de 3,5 kN/m2 . Para uma
área de estacionamento de 12,5 m2, este carregamento corresponde a um total de
4,38 tf por veículo. Este valor é consideravelmente grande, se comparado ao peso
médio de um veículo que varia entre uma e duas toneladas. As normas utilizadas
nos Estados Unidos e na França utilizam um carregamento de 2,5 kN/m2 para esta
mesma condição, o que representa 3,23 tf por veículo.
No Brasil, segundo a NBR-6120/80, adota-se para pisos de garagens uma
carga uniformemente distribuída de 3,0 kN/m2. Considera-se que, para a
edificação proposta, cujas vagas tem a dimensão de 5,00m x 2,25 m, a aplicação de
um carregamento de 3,0 kN/m2, resultaria a um total de 33,75 kN, ou seja, um
peso de 3365 kg por veículo. Note-se que os dados apresentados na Tabela 6.3
indicam que o peso médio dos veículos nacionais é de 1215 kg, com uma
capacidade de carga de 515 kg. Estes dois valores totalizam 1730 kg,
representando apenas 51,41% do valor exigido em norma. Considerando-se estes
valores, foi adotada como carga para as simulações um valor de 2000 kg ou
aproximadamente 20 kN, representando o efeito de cada veículo na estrutura.
Portanto, para cada veículo têm-se quatro cargas de 5 kN distribuídas em cada
uma de suas rodas. Estas cargas foram aplicadas diretamente à estrutura
(Figura 7.15).

59 ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue, p.7 - Disponível:


<http://www.tradearbed.com> Acesso: 25 mar. 2004

117
Figura 7.15 - Diagrama de Cargas

O valor exigido na NBR-6120/80 também é um pouco mais elevado que o


adotado nos Estados Unidos, mas considerando-se o tipo de edificação aqui
proposta, este poderia ser um pouco menor, já que os pesos levantados para os
veículos nacionais não atingem o valor de 20 kN.
Note-se que não é considerada nenhuma carga permanente para lajes,
pisos, paredes ou telhados, já que estes componentes estruturais não existem neste
tipo de solução adotada.
Não foi considerado o possível excesso de cargas dentro dos veículos, já que
o peso médio apurado na pesquisa feita foi de 1730 kg quando estiverem
carregados, adotando-se para o cálculo, o valor de 2000 kg por veículo.
Também deve-se considerar que neste tipo de edifício não há
movimentação de veículos, já que estes são colocados em determinados pontos
por elevadores. As únicas cargas dinâmicas a serem consideradas são as
provocadas pelo movimento dos elevadores.

7.2.2.3 Verificações no programa Cypecad Metálica 3D, versão 2002g


Para a verificação e dimensionamento da estrutura, foi utilizado o
programa de cálculo estrutural Cypecad Metálica 3D, versão 2002g.

118
Para uma melhor compreensão da nomenclatura adotada para as barras do
modelo estrutural lançado no programa, são apresentados nas Figura 7.16 e Figura
7.17, os nomes dados a cada barra que compõe o sistema modulado automatizado,
sendo que as distâncias entre elas estão representadas nas Figura 7.12 e Figura 7.13
(mais informações sobre o sistema podem ser obtidas no Anexo 7 - Projeto
arquitetônico Sistema Módulo Lateral-4).

Figura 7.16 – Módulo construtivo completo com nomenclatura das barras

Figura 7.17 - Nomenclatura das barras

119
As configurações do sistema estrutural para o Sistema Modulado Lateral – 4
apresentam as seguintes características:

a) Pilares:
As barras que representam os PILARES foram lançadas a uma
distância de 4,025 x 4,50 m entre eixos. Cada barra que forma o pilar tem o
comprimento de 4,40 m, sendo que o primeiro (1º e 2º pavimentos) e o
último módulo terão 5,20 m. Para os pilares, foram utilizados perfis
laminados “H” da série americana (H-Am), fornecidos pela CSN; as
ligações entre barras consecutivas de PILARES foram consideradas rígidas
para efeito de cálculo.
b) Vigas:
Para as VIGAS-1, foram utilizados perfis laminados “I” da série
americana (I-Am), fornecidos pela CSN, sendo que cada barra tem o
comprimento de 4,35 m. As ligações entre as barras das VIGAS-1 e
PILARES, foram consideradas rígidas para efeito de cálculo.
Para as VIGAS-2, foram utilizados perfis em caixa dupla, em chapa
dobrada “U” com enrijecedores (CR) dispostos a 0,15 m de distância um do
outro e ligados com presilhas dispostos a cada 0,175 m. Cada viga tem
5,00 m de comprimento. Cada conjunto de nove vigas forma uma estrutura
de piso para as vagas; as ligações entre as barras das VIGAS-2 e PILARES
foram consideradas rígidas para efeito de cálculo.
c) Estabilização:
Para a estabilização horizontal utilizaram-se TIRANTES formados
por barras redondas fornecidas pela CSG, dispostos em forma de “X”, com
comprimento de 5,90 m para cada barra. Para a estabilização vertical
também foram utilizados os mesmos TIRANTES com comprimento de
6,10 m para cada barra. As ligações entre os cruzamentos em “X” das barras
dos TIRANTES, e também com o restante da estrutura, foram consideradas
rotuladas para efeito de cálculo.

120
d) Piso:
Para a composição da estrutura do PISO, foram utilizadas 18 barras
de perfis conformados a frio “C” (CF),soldadas sobre as VIGAS-2. Para
efeito de cálculo, as ligações foram consideradas rígidas.
e) Ligações:
Para uma maior facilidade de montagem, definiu-se que a maioria
das ligações em canteiro de obra seriam executadas através de parafusos; e
as ligações executadas em fábrica através de soldas.
f) Cargas de vento:
Para as cargas de vento foi considerado que o edifício estaria em uma
região central de Belo Horizonte e teria a configuração apresentada na
Tabela 7.3.

Tabela 7.3 - Edifício com 48 módulos e 192 vagas


Retangular (15,00x27,00 m)
Planta
com 12 módulos por pavto.
4 módulos sobrepostos ou
Altura
8 pavimentos (de 2,20 m cada)→ 17,60 m
Número de módulos 48 módulos
Número de vagas 192 vagas
Localização: Belo Horizonte – MG
Vento dominante: Leste → Oeste

Com estes dados, atendendo às exigências da NBR-6123/1988,


definiram-se as cargas de vento a serem aplicadas na estrutura para fins de
cálculo (Anexo 10 - Cálculo da carga de vento - NBR-6123/1988).
Os valores encontrados das cargas de vento que atuam na menor
fachada da edificação são relativamente pequenos, por isto não foram
considerados no cálculo.
Para a configuração do programa de cálculo estrutural foram consideradas
as normas NB-1, para concreto; AISI, para aços dobrados; NBR8800 para aços
laminados, e o sistema de unidades adotado é o M.K.S. (m.tf.s). O material
utilizado para todas as barras é o aço A-36 com a tensão de escoamento de
250 MPa.

121
A partir destes dados, foi modelada no programa de cálculo estrutural
Cypecad Metálica 3D versão 2002g, uma estrutura com 16 módulos, sendo quatro
módulos na horizontal e quatro na vertical, totalizando oito pavimentos com a
capacidade para até 64 veículos. As duas cargas de 5 kN que representam duas
rodas dos veículos foram lançadas em cada barra da estrutura, conforme indicação
da Figura 7.15, a uma distância de 0,81 m e 3,22 m em relação aos pilares,
respectivamente 60.
A fundação de cada módulo foi considerada de engastamento completo,
isto é, com impedimento de movimentos em X,Y e Z.

7.2.2.3.1 Dados fornecidos pelo programa Cypecad Metálica 3D:


a) Reações de fundação:
Para efeito deste trabalho, foram identificados os pilares da estrutura em
análise como pilares P1 a P10 (Figura 7.18).

P6 P7 P8 P9 P10

X
P1 P2 P3 P5 P5
Figura 7.18 - Nomenclatura dos pilares

O programa Cypecad Metálica 3D forneceu as reações nos apoios para


várias combinações selecionadas em hipóteses simples para peso próprio,
sobrecarga e carga de vento. Estes valores estão apresentados na Tabela 7.4.

60 Nota: O comprimento total da barra é de 5,00 m, mas para efeito de cálculo foi considerada a
distância de 4,025 m entre os eixos dos pilares.

122
Tabela 7.4 - Reações dos pilares (em tf)
P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10
RX 0,057 -0,003 0,038 -0,038 -0,056 0,056 -0,004 0,043 -0,039 -0,056
Sobrecarga Peso próprio

RY 0,046 0,048 0,054 0,048 0,047 -0,046 -0,048 -0,054 -0,048 -0,046
RZ 1,068 1,470 1,472 1,400 1,104 1,069 1,470 1,472 1,400 1,103
RX 0,871 -0,028 0,608 -0,595 -0,850 0,867 -0,040 0,640 -0,611 -0,862
RY 0,923 0,943 0,946 0,955 1,191 -0,929 -0,943 -0,942 -0,934 -1,210
RZ 9,160 13,571 13,577 12,473 10,260 9,154 13,571 13,594 12,504 11,837
RX 0,056 0,039 0,085 -0,113 -0,075 -0,075 -0,104 0,071 0,058 0,058
Vento

RY -0,989 -0,990 -0,988 -0,990 -0,987 -1,005 -1,007 -1,005 -1,007 -1,004
RZ -4,931 -4,916 -4,900 -4,923 -4,915 4,931 4,916 4,900 4,924 4,915

b) Verificação dos deslocamentos:


Foram identificados dez nós na estrutura analisada (numerados de D1 à
D10) para verificar se os deslocamentos em determinados pontos da estrutura não
excediam os limites estabelecidos pela norma NBR8800 (Figura 7.19 e Tabela 7.5).

D7
D8 D2
D3
D9
D4 D6

D1

D10
D5

Z
Y
X

Figura 7.19 - Verificação dos deslocamentos

Tendo como referência a Figura 7.19, são apresentados, na Tabela 7.5, os


dez nós estudados. Foi solicitado ao programa que apresentasse os valores de

123
deslocamento com base na envoltória dos esforços, isto é, a combinação de todos
os esforços simultaneamente (peso próprio, sobrecargas e ações de vento).
Em cada nó escolhido, são apresentados os valores de deslocamentos em
metros nos eixos X, Y e Z (nomeados de DX, DY e DZ respectivamente) e também
a rotação em radianos (nomeados de GX, GY e GZ respectivamente).

Tabela 7.5 - Verificação dos deslocamentos (em metros)


D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 D8 D9 D10
DX -0,0036 -0,0071 -0,0070 -0,0070 -0,0036 -0,0036 -0,0072 -0,0070 -0,0070 -0,0036
Deslocam.
(metros)

DY -0,0000 0,0000 -0,0001 -0,0001 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000
DZ -0,0009 -0,0012 -0,0016 -0,0011 -0,0008 -0,0010 -0,0014 -0,0016 -0,0011 -0,0008
GX -0,0006 -0,0014 -0,0009 -0,0009 -0,0005 0,0000 0,0001 0,0001 0,0001 0,0000
(radianos)
Rotação

GY -0,0009 -0,0017 -0,0003 0,0000 0,0000 -0,0009 -0,0017 -0,0003 0,0000 0,0000
GZ 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000

Após algumas variações nos tipos de engastamentos das barras e nos tipos
de perfis a serem utilizados, chegou-se à conclusão final desta verificação, onde foi
possível definir as dimensões dos perfis a serem utilizados no Sistema de
Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems –
MAPS). A Tabela 7.6 apresenta os tipos de perfis adotados.

Tabela 7.6 - Tipologia de barras utilizadas nos MAPS


Pilares Vigas 1 Vigas 2 Estab. Piso
H-Am I-Am CR
Tipo de perfil B-10.00 CF-60x2.0
152x22.5 127x14.9 127x50x3.04
Legenda:
H-Am = Perfil laminado H Americano
I-Am = Perfil laminado I Americano
CR = Perfil caixa dupla em chapa dobrada “U” com enrijecedores
B = barras redondas – Ø = 10mm
CF = Perfil conformados a frio “C”

De posse dos dados fornecidos pelo programa, é apresentado o consumo de


aço para duas opções de edificações. A primeira opção representa a garagem do
estudo de caso, sendo formada por 120 módulos distribuídos em 10 pavimentos,
com a capacidade para abrigar 480 veículos.

124
A segunda opção é uma garagem com 48 módulos distribuídos em oito
pavimentos com capacidade para abrigar 192 veículos. Esta opção representa uma
solução para a maioria dos lotes vagos existentes nas regiões centrais da cidade de
Belo Horizonte - MG.

7.2.2.3.2 Garagem para 480 vagas - Resumo de quantitativos de aço


Para o edifício proposto com 480 vagas (Anexo 7 - Projeto arquitetônico
Sistema Módulo Lateral-4), teremos a seguinte configuração:

Edifício com 120 módulos e 480 vagas


Número de módulos por pavimento: 24 Número total de módulos: 120
Número de pavimentos: 10 Número total de vagas: 480

Esta configuração está representada na Figura 7.20, onde o edifício é


composto por sobreposição de cinco módulos (10 pavimentos) e por uma repetição
horizontal de 12 módulos (24 vagas x 2), totalizando 120 módulos e 480 vagas.

Elevação - 10 módulos verticais Planta - 24 módulos horizontais


Figura 7.20 - Diagrama de edifício com 120 módulos e 480 vagas
Nota: Número de vagas = 10 x 24 x 2 = 480

Considerando-se um edifício com esta configuração, teremos um


quantitativo de barras conforme apresentado na Tabela 7.7.

125
Tabela 7.7 - Edifício com 120 módulos e 480 vagas
Pilares Vigas 1 Vigas 2 Estab. Piso
H-Am I-Am CR
Tipo de perfil B-10.00 CF-60x2.0
152x22.5 127x14.9 127x50x3.04
Perfil H série Perfil I série Barra Conformados
Série Perfil CR
americana americana Trefilada C
Peso por m -
22,50 14,90 11,87 0,62 2,50
kgf/m
Comprimento de
4,55 4,35 5,00 5,90 1,45
cada perfil - m
Peso de cada perfil 102,38 64,79 59,35 3,63 3,63
Número de perfis 260 528 1048 500 8640
Peso Parcial - kgf 26617,50 34206,59 62198,80 1817,25 31357,24

Peso total da
156256,72
estrutura - kgf
Área edificada–m2 5400,00
Relação de kg/m2 28,94

Portanto para atender ao total de 960 vagas, serão necessários dois edifícios
totalizando 312.513 kg em aço. Isto equivale a um consumo de 28,94 kg/m2, que é
um valor razoável para edificações em aço, considerando-se que esta edificação
não necessita de outros componentes estruturais ou mesmo de vedação, exceto os
painéis externos em chapas metálicas pintadas, quando necessários.

7.2.2.3.3 Garagem para 192 vagas - Resumo de quantitativos de aço


Esta mesma tipologia de edificação poderia ser implantada em pequenos
lotes vagos que são utilizados atualmente como áreas de estacionamentos pagos.
Em Belo Horizonte - MG, ainda existe um grande número de lotes com 10,00, 12,00
e 15,00m de frente, e com uma profundidade variando de 30,00 a 50,00m.
Os lotes com as dimensões de 15,00 x 30,00m são os mais indicados para
receber esta tipologia de edificação, sendo que num sistema de estacionamento
convencional e com um único pavimento, estes terrenos comportam
aproximadamente 20 veículos estacionados em suas vagas. Implantando uma
edificação com oito pavimentos (com quatro módulos sobrepostos) e com a
mesma tipologia apresentada no Anexo 7 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo
Lateral-4, esta poderá abrigar até 192 veículos. Isto representa um aumento de

126
960% no número total de vagas e de 480% na área edificada. Deve-se notar que as
proporções de vagas/área edificadas não crescem linearmente, já que o número de
vagas por pavimento aumentou para 24 veículos. Isto é possível devido ao
processo de armazenamento destes nas vagas, muito próximos uns dos outros.
Para esta situação, o edifício apresentará as seguintes características:

Edifício com 48 módulos e 192 vagas


Número de módulos por pavimento: 12 Número total de módulos: 48
Número de pavimentos: 8 Número total de vagas: 192

Esta configuração está representada na Figura 7.21, onde o edifício é


composto por sobreposição de quatro módulos (8 pavimentos) e por uma
repetição horizontal de 6 módulos (12 vagas x 2), totalizando 48 módulos e 192
vagas.

Elevação - 8 módulos verticais Planta - 12 módulos horizontais


Figura 7.21 - Diagrama de edifício com 48 módulos e 192 vagas
Nota: Número de vagas = 8 x 12 x 2 = 192

Considerando-se um edifício com esta configuração, teremos o quantitativo


de barras apresentado na Tabela 7.8.

127
Tabela 7.8 - Edifício com 48 módulos e 192 vagas
Pilares Vigas 1 Vigas 2 Estab. Piso
H-Am I-Am CR
Tipo de perfil B-10.00 CF-60x2.0
152x22.5 127x14.9 127x50x3.04
Perfil H série Perfil I série Barra Conformados
Série Perfil CR
americana americana Trefilada C
Peso por m -
22,50 14,90 11,87 0,62 2,50
kgf/m
Comprimento de
4,55 4,35 5,00 5,90 1,45
cada perfil - m
Peso de cada perfil 102,38 64,79 59,35 3,63 3,63
Número de perfis 112 216 440 208 3456
Peso Parcial - kgf 11466,00 13993,60 26114,00 755,98 12542,90

Peso total da
64931,82
estrutura - kgf
Área edificada–m2 2160,00
Relação de kg/m2 30,06

Este edifício poderia atender a um total de 192 vagas distribuídas em uma


estrutura de oito pavimentos (quatro módulos dispostos na vertical), consumindo
64.931 kg em aço. Isto equivale a um consumo de 30,0 kg/m2. O aumento do
consumo de aço neste caso, deve-se ao menor agrupamento de módulos que no
exemplo anterior.

7.3 Implantação de garagens em lotes urbanos


A possibilidade de implantação deste tipo de edificação em uma área
urbana depende exclusivamente da disponibilidade de terrenos com dimensões
mínimas que atendam às exigências do projeto arquitetônico.
Para esta pesquisa foi escolhida, na região da Savassi61 em Belo Horizonte -
MG, uma área de 64 quarteirões, delimitados pela Avenida do Contorno, Rua

61 Quando a praça Diogo de Vasconcelos foi inaugurada, nos primeiros anos da nova capital
mineira, era difícil prever que a região se transformaria em um dos pontos mais badalados de
Belo Horizonte. Porém, foi com o sobrenome dos Savassi, dado a uma padaria pertencente a
uma família de imigrantes italianos que o lugar ficou famoso. Inaugurada em 1939, a Padaria
Savassi veio juntar-se a outros estabelecimentos, como os bares de Espanhol e do Português, o
armazém Colombo, o Açougue Vila Rica e a Pensão Magnífica.
Fonte: Site Savassi - Disponível:<http://www.savassi.com.br/hist_f3.htm> Acesso: 19 jul 2004

128
Ceará, Avenida Afonso Pena, Avenida Brasil, Praça da Liberdade e Rua da Bahia.
Esta área foi escolhida por ser uma das principais regiões de comércio de rua da
cidade.
Tramitou na câmera dos vereadores de Belo Horizonte - MG um projeto de
lei de autoria do vereador José Lincoln de Magalhães, que permitiria a execução
de um projeto urbanístico chamado “Street Shopping Savassi 62”:

O Projeto (…) delimita a área conhecida como "Coração da


Savassi", destinando-a à implantação desse centro comercial, com
funcionamento 24 horas, inclusive nos domingos e feriados. Essa
iniciativa, além de facilitar a vida dos belo-horizontinos, vai incentivar o
turismo na capital.

Com a construção do Street Shopping Savassi, Belo Horizonte - a


exemplo das grandes cidades como Nova Iorque, onde o comércio não pára
- ganharia um espaço voltado principalmente para quem não dispõe de
tempo para fazer suas compras durante o horário comercial.

Algumas propostas do projeto, apresentadas pelo arquiteto Gustavo


Penna, prevêem a delimitação da área da Savassi, com:

- colocação de portais eletrônicos;


- criação de um estacionamento subterrâneo com capacidade
para quatro mil veículos 63
- cobertura transparente nas ruas que formam o coração da Savassi
(Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Tomé de Souza e Antônio de
Albuquerque);
- tratamento no piso para criar o mesmo ambiente interior das
lojas;
- direcionamento de áreas livres para funções complementares
(área de babysitter, centro de convenções, casa de espetáculos);
- criação de passarelas especiais;
- retirada de veículos pesados da região;

62 Fonte: Site Savassi - Disponível:< http://www.savassi.com.br/news.htm > Acesso: 19 jul 2004


63 Grifo nosso (na realidade o projeto previa 3732 vagas).

129
- implantação de quiosques de serviços e vendas de produtos
diversificados.

No entanto, esse projeto somente poderá ser concluído caso haja a


participação da iniciativa privada com o patrocínio de investidores
interessados e apoio da comunidade, que, sendo proprietários de imóveis
nesta região, serão os maiores beneficiados com essas melhorias. Estamos
falando em revalorização imobiliária.

A garagem subterrânea proposta para este empreendimento teria três


subsolos em forma de cruz, totalizando 88.565 m2. Contava, ainda, com uma
grande cobertura em aço e vidro, elevadores panorâmicos, escadas rolantes,
centrais de ventilação, duas rampas de entrada e quatro de saída, entre outros.
Para a viabilização técnica e financeira, este empreendimento contaria com a
participação público-privado. Pela grandiosidade do projeto e devido a fatores
administrativos associados ao custo elevado de sua implantação, este não foi
realizado (Figura 7.22).

130
RUA DOS INCONFIDENTES
SAIDA SAIDA
NORTE
LESTE

RUA TOMÉ DE SOUZA ENTRADA RUA TOMÉ DE SOUZA


D

RUA RIO GRANDE DO NORTE


AV

AS
C
R

G
IS

R
RUA SERGIPE

TO

VA

RUA PARAIBA
RUA ALAGOAS

O
LI
O

Ú
C

ET
O

G
LO

AV
M
BO

RUA ANTÔNIO DE ALBUQUERQUE RUA ANTÔNIO DE ALBUQUERQUE


AV
AS

C
R
G

IS
R

TO
VA


O
LI

O
Ú

C
ET

O
LO
G
AV

M
BO

D
ENTRADA SAIDA
RUA FERNANDES TOURINHO OESTE

NO
TOR
ON LEGENDA
OC
AD
NID Circulação
AVE Vagas
Rampas

SAIDA
SUL 0 50 100 150m

Figura 7.22 - Street Shopping Savassi


Fonte: Arquiteto Gustavo Penna

Nesta situação que exige um número muito grande de vagas, a utilização


de Sistemas de Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated
Parking Systems - MAPS) seria uma das melhores alternativas, mas não
necessariamente implantados em subsolos ou atendendo a quatro mil vagos em
uma só edificação. Uma das vantagens dos MAPS, nesta situação, é possibilitar a
implantação de garagens em pequenos terrenos vagos na região, com custos que
podem ser arcados por pequenos empresários ou por empresas administradoras
de garagens de aluguel.

131
Para um melhor entendimento desta pesquisa, é apresentada uma
fotografia aérea da região em estudo (Figura 7.23 - Fotografia aérea da região da
Savassi - Belo Horizonte - MG). Esta é uma área muito adensada, sendo que os
poucos terrenos disponíveis são utilizados sistematicamente para a implantação
de edificações comerciais e residenciais que não oferecem vagas para aluguel. Esta
utilização tem levado a uma redução dos espaços destinados ao estacionamento
nesta região.
Na Figura 7.24, é apresentado o levantamento dos lotes vagos ainda
existentes nesta região, com potencial para a implantação de Sistemas de
Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems -
MAPS). Os terrenos em sua grande maioria, são relativamente pequenos, com 10,
12 ou 15 metros de frente, por 20 ou 30 metros de profundidade. Para a
implantação do Sistema Módulo Lateral - 4 será necessário um terreno com
15,00 m de frente e com pelo menos 27,00 m. Em pequenos terrenos de 15,00 m x
15,00 m, pode-se implantar o Sistema Modulo Circular 4 (Anexo 8 - Projeto
arquitetônico Sistema Módulo Circular-4), já que estes edifícios quando dispostos
em planta a 45º, ocupam apenas 14,30 m.
No Anexo 11 - Garagens, Estacionamentos e Terrenos na Savassi - é
apresentado uma relação mais detalhada dos terrenos pesquisados com seus
respectivos endereços e características. Na Figura 7.24, estão em destaque, na cor
azul, os terrenos que atualmente são utilizados como estacionamentos pagos e, em
cor amarela, outros lotes que atualmente já comportam garagens comerciais em
edifícios convencionais, lotes vagos, casas abandonadas, casas antigas e
edificações de um pavimento com pequenos comércios.

132
Figura 7.23 - Fotografia aérea da região da Savassi - Belo Horizonte - MG
Legenda: Perímetro estudado Quarteirões pesquisados
Fonte da imagem: Navegando sobre o município de Belo Horizonte – Disponível:
<http://www.belohorizonte.com.br> - Acesso: 27 jul 2004

133
AVE

DIAS
R UA N IDA
MAR DO C
IRAS

OEL
A NHÃ O NT
O O RN
O

MAN
TIMB

ES
ES

AV

ÇALV
AR Ã
DOS

EN
IDA
RUA

GUIM

GON
PIAU
RUA

UDIO
GE
RÉS


RU A
MAR

CLÁ
LIO
A NH
AIMO

O ÃO
NA

VA
A RD

PE

R
O

GA
NS
N

O
AF
BER

S
RU A A
ID

RUA
CEA EN

RUA

AV
R UA

ES
DO S

PIAU
Í

E NT
A
AÇ IN
P R JA M Ã E S
RUA

NFID
N
BE IMAR
AVE
GU

ZA
NID

INCO
A BE
RNA

SOU
R DO
M ON 5 S UP
TEIR 88 E RM
O ERC RUA
ADO CE A

RUA

2
87
NA
PE SN

DO S
SO

E
ON

ÉD
AF 615
DIAS

TOM
ID 54
EN
AV RUA

SN
P RO

635
FES

E
SOR

RQU
M ORA
101 5
S

RUA
ES
E

A RUA
AÇ ES
ES

Q UE
ARÃ

RIO
AV

PR ENT GRA
ÇALV

D N DO D
EN

A 567
GUIM

166

ALBU
O NO

CONTORNO
IR

RUA
EL

T
ID

RTE
1040

577 194
A
GO N

GE
MAN


ÃO

1445
R UA
L

758
IO
DUR
596

RIO
DO

1589
G RA

AVENIDA DO
VA

N DO
839
N AR

DO N
SN

RUA
RG

ORT

1 434
849 PAR E
AIBA
AS
BER

RU A

689
UDIO

DE
8 94

ÔNIO
89 5
ES
CLÁ
593
SN

RITA

E NT

A NT 5892
883
753
781
787

RUA
NFID
797

RUA PAR
PER AIBA
RUA

NAM 925
BU C
873

INCO

O
1364

RU A
RUA
SN
SIL

ALAG
1011
1025

OA S
RUA

4 89
SN
RA

1046
990
AB

85 1
TA

1066 999
SAN
ID

1068 A
A Ç DE
EN

87

PR GO LOS
DOS

R UA 988
AV

ALAG E
OAS 99 8 DIO ONC
SN

SC
33

VA
772

RUA
SER 1149
G IPE 264 1 95
1199
RU A

O
1201

MB
LO 6180
RUA

CO RUA
AV

ÃO ALAG
1140

RU A 6190
871

OV OAS
EN
1196

SER
GIPE ST
RI
E

ID
12 50
RQ U

AC
ZA

AG

ID
AV.J EN
S OU

ET

OÃO AV 712
Q UE

PIN
65

434
ÚL

HEIR
4

O 71
INHO

IO

16
ALBU

PRA
Ç
LIBE A DA
VA

6324
R DA AS RUA
R

RG

DE RV SER
TOU

G IPE
SE
A
DE

PALÁ
S

C
LIBE IO DA
É
DIAS

DE

RDA
TOM
T

DE
E
N

EMG

ÔNIO
.BRA

DES

6446
D

A NT
CO

6 464
PRO

NA N
217
ES

64 72
RNO

R UA 50 3
OF.F

RUA LEVIN
ÇALV

6500
FER

DA B DO L 51 5
OPE
NTO

S AHIA
R.PR

TE S 529
OR
RUA
GON

SF
SN

O CO

BIA
648
A 56 9
ID 660
RUA

EN
AV
IDA D

672 SN
RUA
RUA

ESP
N

ÍR RU A
ITO DA B
AVE
RU A

SA NTO AHIA

0 50 100 200 300 400m


Figura 7.24 - Mapa da região da Savassi - Belo Horizonte - MG
Perímetro estudado Lotes com estacionamento
Legenda:
Quarteirões pesquisados Lotes com potenciais para MAPS

134
7.3.1 Quarteirões típicos da região da Savassi:
Para suprir o número de vagas de estacionamento previsto na proposta do
“Street Shopping Savassi”, estas poderiam ser distribuídas em vários pequenos
edifícios com Sistemas de Estacionamento Modular Automatizado (Modular
Automated Parking Systems - MAPS) construídos em alguns dos terrenos
disponíveis apresentados na Figura 7.24.
Para efeito comparativo, na Figura 7.25 é apresentado um diagrama que
representa os quarteirões típicos da região. Estes quarteirões são exatos quadrados
de 120m de lado. As duas quadras apresentadas, indicam as possibilidades de
utilização da quadra ou dos lotes com várias dimensões possíveis, conforma
abordado a seguir.

7.3.1.1 Quadra superior - Solução convencional de garagem:


Na Figura 7.25 está representada, na quadra superior da figura, uma
solução convencional de implantação de garagem em um único pavimento. Nesta
solução cada vaga ocupa 2,50 x 5,00 m, o indicado para estacionamentos
convencionais. Desta forma recomenda-se que cada rua de acesso às vagas tenha
no mínimo 6,00 m de largura para facilitar as manobras. Cabines de controle de
acessos devem ser posicionadas nas entradas e saídas do estacionamento. Esta
solução convencional comporta apenas 570 veículos distribuídos na área
apresentada de 14.400 m2, o que representa um rendimento de 25,26 m2/vaga. Se
as ruas internas de acesso às vagas forem mais estreitas (5,00 m) este mesmo
terreno passaria a comportar até 639 vagas, representando um rendimento de
22,54 m2/vaga.
Note-se que para atender às 4000 vagas do projeto do “Street Shopping
Savassi”, seriam necessários sete quarteirões destinados somente para
estacionamentos (ou, então, em uma garagem subterrânea com sete pavimentos
ocupando a área de um quarteirão inteiro).

135
De 10 a15 vagas de cada lado do quarteirão

Entrada/Saída
De 10 a 15 vagas de cada lado do quarteirão

De 10 a 15 vagas de cada lado do quarteirão


ESTACIONAMENTO CONVENCIONAL

14.400 m2

570 vagas

Entrada/Saída

De 10 a15 vagas de cada lado do quarteirão


MAPS 8 PAVTO
104 MÓDULOS
LOTE 900 m2

416 VAGAS
De 10 a 15 vagas de cada lado do quarteirão

De 10 a 15 vagas de cada lado do quarteirão

LOTE 675 m2 LOTE 675 m2


ESTACIONAMENTO MAPS 8 PAVTO
CONVENCIONAL 80 MÓDULOS
34 VAGAS 320 VAGAS
ESTACIONAMENTO
CONVENCIONAL
LOTE 900 m2

46 VAGAS

LOTE 450 m2 192 VAGAS


ESTACIONAMENTO 48 MÓDULOS
CONVENCIONAL MAPS 8 PAVTO
22 VAGAS LOTE 450 m2

De 10 a15 vagas de cada lado do quarteirão

0 10 20 30 40 50m
Figura 7.25 - Quarteirões típicos da região da Savassi - Belo Horizonte - MG

136
7.3.1.2 Quadra inferior - Solução com garagem modulada:

Ainda na Figura 7.25, a quadra representada na parte inferior da figura


apresenta algumas possibilidades da utilização dos Sistemas de Estacionamento
Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems - MAPS), implantados
em terrenos de várias profundidades, conforme descritos a seguir:

ƒ O destaque número 1 apresenta uma possibilidade de implantação de


um edifício com oito pavimentos e 48 módulos distribuídos em um
terreno de 450 m2. Esta edificação atenderia até 192 vagas. Em
contrapartida, o destaque número 4 apresenta o mesmo lote com uma
solução convencional, comportando apenas 22 vagas. Em uma solução
convencional com rampas, o valor de 192 vagas nunca seria alcançado,
já que se deve descontar as área ocupadas pelas rampas e pela circulação
dos veículos.
ƒ A segunda solução, destacada pelo número 2, apresenta um terreno
mais profundo de 675 m2, com a implantação de um edifício com o
mesmo número de pavimentos, porém acrescentando vários módulos.
Neste caso, o número de módulos passou para um total de 80 e a
quantidade de vagas passou para 320. No sistema convencional,
destacado pelo número 5, a quantidade de vagas é de somente 34.
ƒ Na terceira solução, destacada pelo número 3, em um terreno mais
profundo com 900 m2, é implantado um edifício que também apresenta
o mesmo número de pavimentos (oito) com um total de 104 módulos. O
número de vagas atendidas passou para 416, contra as 46 vagas
disponíveis pelo sistema convencional (representado pelo número 6).
Estas três situações são comparadas no Gráfico 7.1.

137
450
416
400
350 320

número de vagas
300
250
192
200
150
100
34 46
50 22
0 450m2 675m 900m
área do2terreno 2
garagem convencional sistema modulado

Gráfico 7.1 - Comparação do rendimento das tipologias de garagens

Portanto, para atender às exigências do projeto do “Street Shopping


Savassi”, seriam necessários dez edifícios semelhantes ao destaque número 3,
representado na Figura 7.25. Note-se que isto representa a utilização de 10 lotes de
900 m2, ou seja, 62,5% da área disponível do quarteirão. Isto representa um
rendimento de 1150,4% em relação ao sistema convencional.
Por ser praticamente impossível encontrar tais lotes contíguos nesta região
ou que tenham exatos 900 m2 de área, e pelas próprias características dos Sistemas
de Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems -
MAPS), estes edifícios poderão ser implantados nos lotes ainda disponíveis,
seguindo critérios que permitam uma melhor adaptação e um melhor rendimento
em cada terreno, variando o número de módulos e o de pavimentos para cada
edifício proposto.

7.3.1.3 Vagas dispostas junto ao alinhamento das calçada:


Outro fato importante a observar na Figura 7.25, refere-se às vagas
dispostas junto ao alinhamento das calçadas. Fazendo uma consideração otimista,
pode-se prever de 10 a 15 veículos estacionados nas vias públicas de cada lado dos
quarteirões, já que se deve descontar as vagas em frente às portas das garagens,
pontos de ônibus e outros. Portanto, se considerarmos umas 12 vagas ao longo da

138
via a cada lado do quarteirão, pode-se estacionar até 48 veículos ao redor de cada
quadra. Apenas um único edifício conforme, apresentado na Figura 7.20, poderia
abrigar todos os veículos estacionados ao redor de dez quarteirões. Isto representa
a retirada das vias públicas de 2880 m de veículos estacionados em fila indiana, ou
seja, desobstruir 4800 m em frente destes 10 quarteirões que poderiam ser
utilizados como pistas para a livre circulação do trânsito. Fazendo uma outra
relação, não havendo abrigo para os 4000 veículos do “Street Shopping Savassi”,
estes ocupariam 40 km lineares junto às calçadas. Necessariamente, um
empreendimento deste porte só poderá ser implantado concomitantemente à
existência de abrigo para os veículos.

139
8 CAPÍTULO VIII – Conclusão

Este trabalho apresentou possibilidades de uso dos Sistemas de


Estacionamento Modular Automatizado (Modular Automated Parking Systems -
MAPS) para a solução imediata dos problemas relacionados com o estacionamento
de veículos em grandes centros urbanos.
Pelas próprias características destes sistemas modulados, é possível a sua
implantação em variados tipos de terrenos urbanos, desde pequenos espaços de
2,50 x 15,00 m entre edifícios existentes, como é o caso representado pelo Sistema
Módulo Lateral-2 , ou, mesmo, pequenos terrenos com apenas 15,00 x 30,00 m,
como representado pelo Sistema Módulo Duplo-4. Outras possibilidades, ainda,
foram apresentadas, com a mudança na disposição dos módulos para a forma
radial, obtendo, deste modo, outras configurações, como a apresentada pelo
Sistema Módulo Circular-4 ou pelo Sistema Módulo Circular-12, inclusive o
agrupamento de mais edifícios permitindo, que atendam praticamente a qualquer
quantidade de vagas.
Como todo o sistema é construído em estrutura metálica, existe a
possibilidade de desmontá-la e transportá-la para outro local. Esta característica é
muito vantajosa quando se deseja que um terreno urbano seja utilizado por um
determinado período como edifício garagem.
Várias outras vantagens no uso desta tecnologia foram apresentadas nesse
trabalho, tais como:
a) Redução do espaço entre os veículos, já que estes são estacionados
por máquinas e não necessitam de abrir as portas;
b) Redução no pé-direito das garagens, já que não existe circulação de
pessoas dentro da edificação;
c) Otimização de espaços. Como os veículos são transportados por
máquinas, estes podem ser posicionados muito próximos uns dos
outros;

140
d) Aumento do número de vagas. Um espaço que acomoda três
automóveis poderá acomodar até quatro, com os sistemas
automatizados;
e) Não há necessidade de rampas ou escadas ou elevadores, já que não
há a circulação de veículos ou pedestres no interior do edifício;
f) Não há necessidade de condicionamento de ar ou, mesmo,
ventilação;
g) Redução do custo com pessoal e com seguro.
Por se tratar de um sistema onde a modulação é fundamental para o seu
desenvolvimento, e por ser uma edificação totalmente industrializada, é grande a
racionalização dos perfis de estrutura metálica.
Por ter poucos componentes distintos (vigas, pilares, contraventamento,
etc), este tipo de edificação pode ser montado com grande rapidez e simplicidade,
já que os seus componentes estruturais são relativamente leves. Para isto bastaria a
utilização de um pequeno guindaste montado sobre um caminhão. Também deve-
se notar que a maioria das ligações mais complexas dos componentes estruturais
seriam feitas em fábrica, limitando-se às ligações parafusadas para o local da obra.
Como foi apresentado no CAPITULO VI - Desenvolvimento dos módulos, a
relação da área construída/área de vagas, é extremamente reduzida, chegando a
11,27 m2 no caso do Sistema Módulo Duplo-4. Estes valores só podem ser
atingidos com a utilização destes tipos de sistemas modulados. Vale ressaltar o
estudo de caso apresentado no CAPÍTULO VII – Estudos de casos, no tópico 7.2,
que aborda a implantação deste tipo de sistema em um terreno urbano, como o da
Praça Rui Barbosa, em Belo Horizonte – MG. Neste caso, verificou-se que as
vantagens vão além da diminuição do consumo de concreto ou do movimento de
terra. É visível que tal sistema modulado poderia ser implantado em áreas muito
pequenas, reduzindo assim a interferência urbana que poderiam ocorrer.
Também ficou evidente que, em determinados casos, somente os edifícios
garagens com sistemas modulados atenderão às exigências de estacionamento em
áreas urbanas extremamente adensadas, como é o caso apresentado também no
CAPÍTULO VII – Estudos de casos, no tópico 7.3, que aborda a implantação de

141
garagens com sistemas modulados em lotes urbanos. Neste estudo de caso
verificou-se que, nesta situação específica onde não existe grandes disponibilidade
de terrenos, os sistemas modulados aumentarão de forma satisfatória a densidade
de áreas construídas destinadas ao estacionamento de veículos.

8.1 Limites do presente estudo


Esta dissertação limitou-se a apresentar os problemas urbanos relacionados
ao abrigo dos veículos automotores, apresentando soluções para os Sistemas
Modular e Automatizado em estrutura metálica. Devido à complexidade das
variáveis urbanas envolvidas em cada situação de implantação do edifício
garagem, este trabalho não aborda os problemas relacionados à engenharia de
tráfego urbano ou mesmo os sistemas de transporte urbanos, coletivos ou
alternativos.

8.2 Sugestões para trabalhos futuros


Diante da variada gama de possibilidades de acoplamentos e de soluções
construtivas para os Sistemas de Estacionamentos Modular Automatizado (MAPS
- Modular Automated Parking Systems), e, em relação a suas implicações, este
trabalho sugere que determinados temas abordados poderão servir como pontos
de partida para novas pesquisas, conforme os itens a seguir.

8.2.1 Em relação ao impacto urbano


Devido à complexidade dos centros urbanos e de suas peculiaridades,
qualquer implantação de um sistema de estacionamento modulado automatizado
implicará em uma revisão da legislação urbana que aborda a implantação deste
tipo de edifício, juntamente com as implicações diretas ao trânsito nas regiões
abordadas. Necessariamente, grandes empreendimentos devem ser contemplados
com estudos que envolvem a engenharia de tráfego.
A possibilidade de implantação dos Sistemas de Garagens Automatizadas
em lotes vagos entre edifícios representa uma solução que atende de imediato às

142
necessidades de estacionamentos, já que este é o caso mais comum na região
central de cidades como Belo Horizonte - MG.
Ainda é grande o número de lotes com 10,00, 12,00 e 15,00m de frente,
sendo que os lotes com 15,00m de frente são os mais indicados para a instalação
deste tipo de sistema. Atualmente os terrenos de 15,00 x 30,00m utilizados como
estacionamentos pagos, têm uma capacidade aproximada de 22 vagas. No caso da
implantação de um sistema modulado de garagem, esta capacidade poderia ser de
192 à 240 vagas, dependendo do número de pavimentos utilizados e da
quantidade de módulos por pavimento, ou seja, uma maximização do número de
vagas em mais de 1000% na utilização destes terrenos.
Em outra situação hipotética, considerando-se um antigo edifício de 8
andares, poder-se-ia implantar com a mesma altura um novo sistema de garagem
de até 10 pavimentos, abrigando dois veículos por pavimento junto a uma fachada
cega deste edifício, acrescentando até 19 novas vagas à antiga edificação.
Dependendo da situação e do espaço disponível, esta estrutura pode se repetir por
toda a extensão da fachada, aumentando em muito o número de vagas
disponíveis.
A implantação de edifícios garagens subterrâneas sob vias públicas e praças
também deve ser considerado, como já ocorre em vários outros países (Figura 5.12
- Sistema subterrâneo Trevipark em Cesena - Itália), inclusive com sua integração
com ônibus e trens metropolitanos. Estas novas garagens poderiam ter a sua
administração feita por concessão pública.
Deve-se ressaltar também que, com a implantação de sistemas modulares
de vários níveis, as áreas impermeabilizadas serão muito menores, já que são
relativamente pequenos os terrenos para a sua implantação, se comparados com o
número de vagas disponibilizadas.
Portanto, para atender a algumas das possibilidades apresentadas nesta
dissertação, deverão ser criados instrumentos legais que permitam contemplar a
real situação dos antigos edifícios do centro das grandes cidades, permitindo que
estas soluções técnicas sejam implantadas, dando nova vida a estes edifícios.

143
Finalmente, torna-se necessário prever em futuros planos diretores, de
ordenamento e de urbanismo das cidades, a integração com ônibus e trens
metropolitanos com os espaços destinados ao estacionamento de veículos.

8.2.2 Em relação à engenharia civil e à automação


O conhecimento e domínio de novas tecnologias empregadas em Sistemas
de Estacionamento Modular Automatizado permitirão novas abordagens em
soluções de engenharia e arquitetura.
O sistema construtivo proposto por este trabalho apresenta uma estrutura
sem a necessidade de nenhum tipo de vedação tanto para paredes ou pisos. Pelas
próprias características da edificação, também não se fazem necessários grandes e
dispendiosos sistemas de proteção contra incêndios. Em trabalhos futuros, poderá
ser verificado em ensaios de laboratórios o comportamento da estrutura às
solicitações diversas e, mesmo, em situações de incêndio.
Em relação à automação, este sistema está intrinsecamente ligado à área de
robótica e mecatrônica, já que para o seu funcionamento é fundamental que todo o
sistema seja acionado por motores elétricos controlados por computadores.
É natural que seja feita uma relação deste tipo de sistema com os sistemas
extremamente automatizados, utilizados nos grandes depósitos atacadistas, já que
seus princípios são os mesmos. A diferença fundamental reside na escala, já que
envolve o manuseio e transporte de automóveis com o comprimento de
aproximadamente 5,00m e com até 2000kg. As propostas dos edifícios garagens
apresentadas neste trabalho têm de dois a cinco módulos sobrepostos, ou seja, de
quatro a dez pavimentos, não havendo impedimento para que sejam montados
com até 20 pavimentos.

144
9 Anexos

9.1 Anexo 1 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano


Lei nº 7166 de 27-08-1996
Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte

CAPÍTULO IV - DA OCUPAÇÃO DO SOLO


Seção II -Dos parâmetros Urbanísticos
Subseção X - Das Áreas de Estacionamento

Art. 61 - O número mínimo de vagas destinadas a estacionamento de


veículos é calculado segundo o disposto no Anexo VIII.
Parágrafo único - Ficam excluídas da exigência contida neste artigo:
I - as habitações unifamiliares;
II - a unidade não residencial com área de até 60 m2 (sessenta metros
quadrados), situada em terreno onde exista, além dela, somente uma edificação de
uso residencial;
III - os templos e os locais de culto.

Art. 62 - Devem dispor de pista de acumulação interna, junto à entrada e ao


nível do logradouro, de acordo com o Anexo IX, os acessos a:
I - edificações de uso não residencial com mais de 60 (sessenta) vagas de
estacionamento;
II - edificações de uso misto com mais de 60 (sessenta) vagas de
estacionamento, excluídas as relativas à parte residencial;
III - estacionamentos de veículos abertos ao público;
IV - edifícios-garagem.
Parágrafo único - O cálculo do número de vagas previsto nos incisos I e II é
feito de acordo com o previsto no artigo anterior.

145
9.2 Anexo 2 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano
Lei nº 7166 de 27-08-1996
Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte

CAPÍTULO V - DOS USOS


Seção III - Da Localização dos Usos e do Funcionamento das Atividades

Art. 67 - A localização de usos não residenciais é disciplinada pela


conjugação, definida no Anexo XI, da classificação de cada atividade, prevista no
Anexo X, com a natureza da via pública, prevista no Anexo IV e a largura da via,
obtida na planta cadastral.
§ 1º - Nas ZPs, não é admitida a localização de usos dos grupos II e III,
exceto na ZP-1, mediante licenciamento ambiental pelo COMAM.
§ 2º - Para efeito de localização de usos, consideram-se arteriais as vias da
ZCBH e da ZHIP.
§ 3º - Para efeitos de localização, as atividades não listadas no Anexo X
devem ser classificadas pelo COMPUR, com fundamento em parecer técnico que
avalie as repercussões no meio urbano.
§ 4º - A classificação referida no parágrafo anterior pode ser alterada por lei,
respeitado o direito de permanência dos usos regularmente instalados.
§ 5º - As pré-escolas, os estabelecimentos de ensino de 1º e 2º grau, os pré-
vestibulares e as unidades isoladas de escolas de ensino superior somente podem
ser localizados em terrenos lindeiros a vias locais e coletoras secundárias.
§ 6º - Na ZHIP, somente são admitidos edifícios-garagem em terrenos
lindeiros às avenidas dos Andradas, Olegário Maciel, Santos Dumont, Oiapoque e
do Contorno.
§ 7º - Nas ADEs Residencial Central, do Estoril, do Mangabeiras, do
Belvedere, do São Bento, da Cidade Jardim e da Pampulha, são permitidos os usos
não residenciais que atendam o disposto na Lei nº 6.831, de 18 de janeiro de 1995.

146
Art. 68 - Nas edificações de uso misto com mais de três pavimentos, os usos
residencial e não residencial devem estar separados por pilotis, acima dos quais
somente poderá haver pavimento destinado ao uso residencial.

Art. 69 - O funcionamento de atividades é regulado pela legislação


pertinente, estando sujeito, no caso das relativas aos usos dos grupos II e III, ao
atendimento de medidas, a serem definidas em lei, que possibilitem amenizar as
repercussões negativas provocadas, de acordo, dentre outros, com os seguintes
critérios urbanísticos:
I - para as atividades atratoras de veículos leves:
a) reserva de área para embarque e desembarque;
b) previsão de número adicional de vagas de estacionamento;
c) relocação e recuo do acesso de veículos à edificação;
d) implantação de sinalização e equipamentos de controle de tráfego;
e) alteração da geometria das vias;
II - para as atividades atratoras de veículos pesados:
a) reserva de área para carga e descarga;
b) previsão de área adicional para estacionamento;
c) atendimento do previsto nas alíneas "c" e "d" do inciso anterior;
III - para as atividades atratoras de pessoas, reserva de área interna para
filas;
IV - para as atividades que geram risco de segurança:
a) aprovação de projeto específico de prevenção e combate a incêndios;
b) implantação de sistema de alarme e segurança;
V - para as atividades geradoras de efluentes poluidores, odores, gases ou
radiações ionizantes:
a) tratamento da fonte poluidora por meio de equipamentos e materiais;
b) implantação de programa de monitoramento;
VI - para as atividades geradoras de ruídos e vibrações, implantação de
sistema de isolamento acústico ou de vibrações;

147
Parágrafo único - A lei de que trata o caput deve definir as repercussões de
cada atividade, de acordo com o art. 66, bem como os padrões de emissão de
poluentes e as medidas amenizadoras das repercussões negativas, considerando
seu porte e suas características.

Art. 70 - São considerados usos do grupo III, além dos listados no Anexo X:
I - empreendimentos não residenciais com mais de 60 (sessenta) vagas de
estacionamento;
II - empreendimentos mistos com mais de 60 (sessenta) vagas de
estacionamento, excetuadas as correspondentes à parte residencial, calculadas de
acordo com o art. 61.

Art. 71 - Está sujeito às disposições desta Seção o funcionamento de


atividades em edificações em que seja exercida, ainda que por autônomo,
atividade classificada como uso do grupo II ou III.

148
9.3 Anexo 3 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano
Lei nº 7166 de 27-08-1996
Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte

ANEXO VIII
NÚMERO MÍNIMO DE VAGAS DE ESTACIONAMENTO

CLASSIFICAÇÃ
CATEGORIA TAMANHO NÚMERO
O
DE USO DAS UNIDADES DE VAGAS
DA VIA
Residencial Ligação Regional / 1 vaga por
-
Familiar Arterial unidade
Unidades m. 1 vaga por 3
- -
ou=40m2 unidades
40m2 m.unidade 2 vagas por 3
- Coletora/Local
m.ou=60m2 unidades
unidade M. ou = 1 vaga por
- -
60m2 unidade
1 vaga para cada
Ligação Regional /
Não Residencial - 50m2 de area
Arterial / Coletora
líquida
1 vaga para cada
- Local - 75m2 de área
líquida
OBS:
No caso de uso misto, o cálculo do número mínimo de vagas seguirá as regras:
-da categoria de uso residencial multifamiliar para a parte residencial;
-da categoria de uso não residencial para a parte residencial.
Nomenclatura:
m. = menor que
M. = Maior que

149
9.4 Anexo 4 - Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano
Lei nº 7166 de 27-08-1996
Lei de Uso e Ocupação do Solo Urbano de Belo Horizonte

ANEXO IX
FAIXA DE ACUMULAÇÃO DE VEÍCULOS

ÁREA DE COMPRIMENTO DA FAIXA NÚMERO


ESTACIONAMENTO DE ACUMULAÇÃO (em metros) DE FAIXAS
Até 1.000 5 1
De 1.001 a 2.000 10 1
De 2.001 a 5.000 20 1
De 5.001 a 10.000 15 2
Mais de 10.000 25 2

150
9.5 Anexo 5 - Código de Obras
Decreto Lei nº 84 de 21-12-40
Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
Secretaria Municipal de Regulação Urbana - SMRU
13 - Garagens:
Art. 226 - As garagens para fins comerciais, além do que mandem outras
disposições aplicáveis deste Regulamento, obrigatoriamente terão:
a) construção inteiramente de material incombustível, só se tolerando o

emprego de material combustível em caibros, ripas da cobertura e esquadrias;


b) em toda a superfície coberta, o piso asfaltado ou revestido por uma
camada de dez centímetros (0,10 m), pelo menos, de concreto, ou por uma calçada
de paralelepípedos, com as juntas tomadas com argamassa de cimento;
c) as paredes revestidas, até dois metros (2 m) de altura, de argamassa de
cimento, de ladrilhos ou azulejos;
d) a parte destinada à permanência de veículos, inteiramente separada das
demais dependências - administração, depósitos, almoxarifado etc. - por meio de
paredes construídas de material incombustível;
e) pé direito mínimo de três metros (3 m), na parte destinada a depósitos de
veículos, devendo satisfazer em tudo, nas demais dependência - administração,
depósito, oficinas etc. - as exigências deste Regulamento que lhes forem aplicáveis;
f) instalações sanitárias subdivididas em latrinas e mictórios, separados ,
para cada indivíduo, e bem assim chuveiros para banho, tudo na razão de uma
latrina e um chuveiro para cada grupo de quinze (15) pessoas de permanência
efetiva na garagem;
g) ralos em quantidade e situação convenientes, para o escoamento das
águas de lavagem, que não poderão, em caso algum, ser descarregadas
diretamente no logradouro;
h) instalação conveniente contra incêndio.

151
9.6 Anexo 6 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Lateral-2

152
9.7 Anexo 7 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Lateral-4

158
9.8 Anexo 8 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Circular-4

167
9.9 Anexo 9 - Projeto arquitetônico Sistema Módulo Circular-12

174
9.10 Anexo 10 - Cálculo da carga de vento - NBR-6123/1988
Localização: Belo Horizonte – MG
Vento dominante: Leste → Oeste
Edifício: Planta retangular (15,00 x 27,00 m)
12 módulos por pavimento e com 8 pavimentos
total de 48 módulos e com 192 vagas
Altura: 8 pavimentos (de 2,20 m cada) → 17,60 m
v0 = 32 m / s
Velocidade básica: Belo Horizonte →
S1 = 1, 0
Fator topográfico: Terreno plano →

Fator de rugosidade:
Localização: Rugosidade 4 - Centro de grandes cidades
Altura da edificação: 17,60m
Classificação: Classe B - Maior dimensão entre 20 e 50 m
h = 3 → S 2 = 0,52
h = 5 → S 2 = 0,55
S 2 = b ⋅ Fr ( z /10) p
→ → h = 10 → S 2 = 0, 62
h = 15 → S 2 = 0, 69
h = 20 → S 2 = 0, 75
Grupo 3 → S3 = 0,95
Fator estatístico: Silos, depósitos: →
vk3 = 32 ⋅1, 0 ⋅ 0,52 ⋅ 0,95 = 15,80m / s
vk5 = 32 ⋅1, 0 ⋅ 0,55 ⋅ 0,95 = 16, 72m / s
vk = v0 ⋅ S1 ⋅ S2 ⋅ S3 → → k = 32 ⋅1, 0 ⋅ 0, 62 ⋅ 0,95 = 18,84m / s
v10
k = 32 ⋅1, 0 ⋅ 0, 69 ⋅ 0,95 = 20,97 m / s
v15
vk20 = 32 ⋅1, 0 ⋅ 0, 75 ⋅ 0,95 = 22,80m / s
Cálculo da pressão de obstrução:
(15,80) 2
q3 = = 15, 60kgf / m 2
16
(16, 72) 2
q5 = = 17, 47kgf / m 2
16
vk 2 (18,84) 2
q= → → → q10 = = 22, 20kgf / m 2
16 16
(20,97) 2
q15 = = 27, 49kgf / m 2
16
(22,80) 2
q =
20
= 32, 49kgf / m 2
16

184
17,60m

220

260
15,00m

180 40

500
220
10,00m

120 100
1760
220

500
160
5,00m

140 60

200
3,00m

80

300
220
0,00m

Diagrama de alturas (vista frontal do pórtico)

Pressão dinâmica do vento no exterior do edifício:


Proporção em planta:
A a =27 m a =27m
C edificio D vento a 0º → edificio b = 15m edificio b = 15m
B ↑vento a 90º
Valores de Ce para fachada maior (vento à 90º): A = +0,7 B = -0,5
Valores de Ce para fachada menor (vento à 0º): C = +0,7 D = -0,2
Forças uniformemente distribuídas por trechos das fachadas: p = Ce ⋅ q ⋅ l1
17,60m
p20

p20

15,00m
p15

p15

10,00m
BARLAVENTO
SOTAVENTO

p10

p10

5,00m

3,00m
p5

p5
p3

p3

0,00m

Diagrama da aplicação das cargas de vento (vista frontal do pórtico)

185
Fachada maior A (vento à 90º - Barlavento):

pn3 = 0, 7 ⋅15, 60 = 10,92 ⇒ 0, 01092 Tf / m 2


pn5 = 0, 7 ⋅17, 47 = 12, 23 ⇒ 0, 01223 Tf / m 2
n = 0, 7 ⋅ 22,18 = 15,52 ⇒ 0, 01552 Tf / m
p10 2

n = 0, 7 ⋅ 27, 48 = 19, 23 ⇒ 0, 01923 Tf / m


p15 2

pn20 = 0, 7 ⋅ 32, 49 = 22, 74 ⇒ 0, 02274 Tf / m 2

Considerando que cada pórtico está a uma distância de 4,50 m um do outro,


teremos as seguintes cargas aplicadas em cada pórtico:

Carga aplicada aos pórticos centrais Carga aplicada aos pórticos


( p ⋅ 4,5) laterais ( p ⋅ 2, 25)
p 3 = 0, 049 Tf / m p 3 = 0, 025 Tf / m
p 5 = 0, 055 Tf / m p 5 = 0, 027 Tf / m
p10 = 0, 069 Tf / m p10 = 0, 034 Tf / m
p15 = 0, 086 Tf / m p15 = 0, 043 Tf / m
p 20 = 0,102 Tf / m p 20 = 0, 051 Tf / m

Fachada maior B (vento à 90º - Sotavento):

pn3 = −0,5 ⋅15,80 = −7,90 ⇒ −0, 0079 Tf / m 2


pn5 = −0,5 ⋅16, 72 = −8,36 ⇒ −0, 0083 Tf / m 2
n = −0,5 ⋅ 18,84 = −9, 42 ⇒ −0, 0094 Tf / m
p10 2

n = −0,5 ⋅ 20,97 = −10, 48 ⇒ −0, 0104 Tf / m


p15 2

pn20 = −0,5 ⋅ 22,80 = −11, 4 ⇒ −0, 0114 Tf / m 2

Considerando que cada pórtico está a uma distância de 4,50 m um do outro,


teremos as seguintes cargas aplicadas em cada pórtico:

Carga aplicada aos pórticos centrais Carga aplicada aos pórticos


( p ⋅ 4,5) laterais ( p ⋅ 2, 25)
p 3 = 0, 035 Tf / m p 3 = 0, 017 Tf / m
p 5 = 0, 037 Tf / m p 5 = 0, 018 Tf / m
p10 = 0, 042 Tf / m p10 = 0, 021 Tf / m
p15 = 0, 046 Tf / m p15 = 0, 023 Tf / m
p 20 = 0, 051 Tf / m p 20 = 0, 025 Tf / m

186
Fachada menor C (vento à 0º - Barlavento):

pn3 = 0, 7 ⋅15, 60 = 10,92 ⇒ 0, 01092 Tf / m 2


pn5 = 0, 7 ⋅17, 47 = 12, 23 ⇒ 0, 01223 Tf / m 2
n = 0, 7 ⋅ 22,18 = 15,52 ⇒ 0, 01552 Tf / m
p10 2

n = 0, 7 ⋅ 27, 48 = 19, 23 ⇒ 0, 01923 Tf / m


p15 2

pn20 = 0, 7 ⋅ 32, 49 = 22, 74 ⇒ 0, 02274 Tf / m 2

Considerando que cada pórtico está a uma distância de 5,0 m um do outro,


teremos as seguintes cargas aplicadas em cada pórtico:

Carga aplicada aos dois pórticos Carga aplicada aos dois pórticos
centrais ( p ⋅ 5, 0) laterais ( p ⋅ 2,5)
p 3 = 0, 054 Tf / m p 3 = 0, 027 Tf / m
p 5 = 0, 061 Tf / m p 5 = 0, 030 Tf / m
p10 = 0, 077 Tf / m p10 = 0, 038 Tf / m
p15 = 0, 096 Tf / m p15 = 0, 048 Tf / m
p 20 = 0,113 Tf / m p 20 = 0, 056 Tf / m

Fachada maior D (vento à 0º - Sotavento):

pn3 = −0, 2 ⋅15,80 = −3,16 ⇒ −0, 0031 Tf / m 2


pn5 = −0, 2 ⋅16, 72 = −3,34 ⇒ −0, 0033 Tf / m 2
n = −0, 2 ⋅18,84 = −3, 76 ⇒ −0, 0037 Tf / m
p10 2

n = −0, 2 ⋅ 20,97 = −4,19 ⇒ −0, 0041 Tf / m


p15 2

pn20 = −0, 2 ⋅ 22,80 = −4,56 ⇒ −0, 0045 Tf / m 2

Considerando que cada pórtico está a uma distância de 5,0 m um do outro,


teremos as seguintes cargas aplicadas em cada pórtico:

Carga aplicada aos dois pórticos Carga aplicada aos dois pórticos
centrais ( p ⋅ 5, 0) laterais ( p ⋅ 2,5)
p 3 = 0, 015 Tf / m p 3 = 0, 007 Tf / m
p 5 = 0, 016 Tf / m p 5 = 0, 008 Tf / m
p10 = 0, 018 Tf / m p10 = 0, 009 Tf / m
p15 = 0, 020 Tf / m p15 = 0, 010 Tf / m
p 20 = 0, 022 Tf / m p 20 = 0, 011 Tf / m

187
9.11Anexo 11 - Garagens, Estacionamentos e Terrenos na
Savassi

Dimensões
Número de

Estimada
vagas
Uso

Local Característica Observações

Estacionamento pago em edifício


E Av Contorno, 5892 Estacionamento Minas Park 55 na
comercial
E Av Contorno, 6180 Estacionamento 10X30 Estacionamento pago em lote
E Av Contorno, 6190 Estacionamento Santa Lúcia 15x40 Estacionamento pago em lote
Lote com edificação de uso
C Av Contorno, 6342 10x40 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
Lote com edificação de uso
C Av Contorno, 6446 10x40 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
Lote com edificação de uso
C Av Contorno, 6464 10x40 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
Lote com edificação de uso
C Av Contorno, 6472 10x40 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
Lote com edificação de uso
C Av Contorno, 6500 10x40 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
E Av Contorno, sn Estacionamento 12x25 Estacionamento pago em lote
Lote com casa antiga uso como
C Av Cristóvão Colombo, 336 15x40 Lote com potencial para MAPS
restaurante
Lote com edificação de uso Lote com potencial para MAPS
C Av Cristóvão Colombo, 654 30x15
comercial de 1 pavto Lote triangular
E Av Cristóvão Colombo, 87 Estacionamento 12x40 Estacionamento pago em lote
Estacionamento pago em lote
E Av Cristóvão Colombo, sn Estacionamento Parking Purri 15x40
Ao lado do nº 336
C Av Getúlio Vargas, 1671 Lote com lava-jato 10x25 Lote com potencial para MAPS
Estacionamento pago em edifício
E Av Getúlio Vargas, 872 Estacionamento Diamond Arch na
comercial
C Av Getúlio Vargas, 885 Lote com casa antiga 10x25 Lote com potencial para MAPS
E R. Alagoas, 1140 Estacionamento 10x25 Estacionamento pago em lote
E R. Alagoas, 1196 Estacionamento All Park 20x25 Estacionamento pago em lote
V R. Alagoas, 1199 Lote vago 25 Lote com potencial para MAPS
Lote com edificação de uso
C R. Alagoas, 1201 25x15 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
Lote com edificação de uso
C R. Alagoas, 1250 20x25 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
E R. Alagoas, 772 Estacionamento 15x20 Estacionamento pago em lote
Estacionamento Royal Park Ed. Estacionamento pago em edifício
E R. Alagoas, sn na
Adress Savassi comercial
C R. Ant. Albuquerque, 166 Lote com casa 20x50 Lote com potencial para MAPS
C R. Ant. Albuquerque, 194 Lote com casa 25x50 Lote com potencial para MAPS
Lote com potencial para MAPS
C R. Ant. Albuquerque, 489 Lote com casa de uso comercial 20x50 Conjunto de lojas com 1 pavto
em terreno triangular
E R. Ant. Albuquerque, 54 Estacionamento 60 25x40 Estacionamento pago em lote
E R. Ant. Albuquerque, 712 Estacionamento Royal Park 25x40 Estacionamento pago em lote
Estacionamento pago sob
E R. Cláudio Manoel, 1149 Estacionamento Terraço 200 20x50
edifício inacabado
Estacionamento pago sob
E R. Cláudio Manoel, 894 Estacionamento 10x50
edifício inacabado

188
Dimensões
Número de

Estimada
vagas
Uso

Local Característica Observações

Estacionamento pago sob


E R. Cláudio Manoel, 895 Estacionamento 20x50
edifício inacabado
E R. Fernandes Tourinho, 195 Estacionamento ML Park 15x40 Estacionamento pago em lote
V R. Fernandes Tourinho, 264 Lote vago 15x25 Lote com potencial para MAPS
E R. Fernandes Tourinho, 434 Estacionamento Red parking 32 15x40 Estacionamento pago em lote
Lote com edificação de uso
C R. Fernandes Tourinho, 503 12x25 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
Lote com edificação de uso
C R. Fernandes Tourinho, 515 20x25 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
E R. Fernandes Tourinho, 529 Estacionamento 20x20 Estacionamento pago em lote
E R. Fernandes Tourinho, 569 Estacionamento 20x20 Estacionamento pago em lote
C R. Fernandes Tourinho, 648 Lote com casa de 1 pavto 10x25 Lote com potencial para MAPS
Lote com edificação de uso
C R. Fernandes Tourinho, 660 10x25 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
Lote com edificação de uso
C R. Fernandes Tourinho, 672 10x25 Lote com potencial para MAPS
comercial de 1 pavto
E R. Gonçalves Dias, 615 Estacionamento 20x40 Estacionamento pago em lote
V R. Gonçalves Dias, 839 Casa Abandonada 10x15 Lote com potencial para MAPS
V R. Gonçalves Dias, 849 Casa Abandonada 10x15 Lote com potencial para MAPS
V R. Inconfidentes, 883 Lote vago 20x40 Lote com potencial para MAPS
E R. Inconfidentes, 925 KI Empreendimentos 40 20x40 Estacionamento pago em lote
C R. Inconfidentes, 990 Lote com casa antiga 20x30 Lote com potencial para MAPS
Estacionamento Supermercado
C R. Inconfidentes, sn 60 50x25 Supermercado Champion
Champion
Lote com potencial para MAPS
V R. Inconfidentes, sn Lote vago 20x50
Ao lado do nº 429
E R. Levindo Lopes, 217 Estacionamento 15x40 Estacionamento pago em lote
Lote com potencial para MAPS
V R. Levindo Lopes, sn Lote vago 10x40
Ao lado do nº 52
Estacionamento pago em edifício
E R. Paraíba, 1364 Estacionamento Golden Center 80 na
comercial
C R. Paraíba, 596 Casa Antiga em bom estado 15x50 Utilizado pela Polícia Militar
Lote com potencial para MAPS
V R. Paraíba, sn Lote vago 10X20
Ao lado do nº 570
Lote com potencial para MAPS
C R. Pernambuco, 1011 Lote com casa 15x50
com casa de 1 pavto
E R. Pernambuco, 1025 Estacionamento Amorecana 53 15x50 Estacionamento pago em lote
C R. Pernambuco, 593 Casa Abandonada 20x40 Lote com potencial para MAPS
Novo estacionamento sendo
E R. Pernambuco, 753 Estacionamento 30x50
implantado
C R. Pernambuco, 781 Lote com casa de uso comercial 15x30 Lote com potencial para MAPS
C R. Pernambuco, 787 Lote com casa de uso comercial 15x30 Lote com potencial para MAPS
C R. Pernambuco, 797 Lote com casa de uso comercial 25x25 Lote com potencial para MAPS
E R. Pernambuco, 873 Estacionamento 15x40 Estacionamento pago em lote
Lote com potencial para MAPS
V R. Pernambuco, sn Lote vago 10x50
Ao lado do nº 1011
E R. Pernambuco, sn Estacionamento Multipark 15x40 Estacionamento pago em lote
V R. Prof. Moraes, 635 Lote vago 20x50 Lote com potencial para MAPS
Lote triangular próximo à Av
V R. Prof. Moraes, sn Lote vago 25X15
Getúlio Vargas
Estacionamento pago em edifício
E R. Rio Grande Norte, 1015 Estacionamento Real Park 113 na
de hotel

189
Dimensões
Número de

Estimada
vagas
Uso

Local Característica Observações

Estacionamento Rio Grande do


E R. Rio Grande Norte, 1040 22 10x30 Estacionamento pago em lote
Norte
E R. Rio Grande Norte, 1434 Estacionamento Garden Park 80 nd Estacionamento pago em lote
E R. Rio Grande Norte, 1445 Estacionamento Clean Car 22 15x25 Estacionamento pago em lote
V R. Rio Grande Norte, 1589 Lote vago 10x20 Lote com potencial para MAPS
E R. Sergipe, 871 Estacionamento Drive & Park 25x20 Estacionamento pago em lote
C R. Sta. Rita Durão, 1046 Lote com casa antiga 10x50 Lote com potencial para MAPS
C R. Sta. Rita Durão, 1066 Lote com casa antiga 10x50 Lote com potencial para MAPS
C R. Sta. Rita Durão, 1068 Lote com casa antiga 20x30 Lote com potencial para MAPS
E R. Sta. Rita Durão, 758 KI Empreendimentos 36 30x20 Estacionamento pago em lote
C R. Sta. Rita Durão, 999 Lote com casa antiga 15x20 Lote com potencial para MAPS
C R. Tomé de Souza, 567 Lote com casa antiga 10x40 Lote com potencial para MAPS
C R. Tomé de Souza, 577 Lote com casa antiga 10x40 Lote com potencial para MAPS
E R. Tomé de Souza, 689 Estacionamento 10x20 Estacionamento pago em lote
E R. Tomé de Souza, 851 Jabs Empreendimentos 28 15x30 Estacionamento pago em lote
C R. Tomé de Souza, 988 Lote com casa antiga 10x30 Lote com potencial para MAPS
E R. Tomé de Souza, 998 Estacionamento 10x30 Estacionamento pago em lote

Legenda:
C = Construído V = Lotes vagos E = Estacionamento E = Estacionamento em lotes vagos

Obs:
▫ As dimensões dos terrenos são estimadas.
▫ O número de vagas dos estacionamentos foram incluídos na tabela apenas
quando informado pela administração das garagens.
▫ Esta tabela também apresenta os terrenos que têm potencial para se
transformar em garagens automatizada (MAPS).
▫ na = Não se aplica
▫ nd = Não disponível

190
10 Referências bibliográficas

10.1 Livros e catálogos

BRASIL, Decreto Lei nº 7166 de 27-08-1996 - Legislação de Parcelamento,


Ocupação e Uso do Solo Urbano - Diário Oficial do Município de Belo Horizonte -
Ano II - Nº 224 - 28 ago. 1996 - Prefeitura Municipal de Belo Horizonte.
Disponível: <http://www.pbh.gov.br> Acesso: 26 jul 2004

BRASIL, Decreto Lei nº 8137 de 21-12-2000 - Legislação de Parcelamento,


Ocupação e Uso do Solo Urbano - Diário Oficial do Município de Belo Horizonte -
Prefeitura Municipal de Belo Horizonte.
Disponível: < http://www.pbh.gov.br> Acesso: 26 jul 2004

BRASIL, Decreto Lei nº 84 de 21-12-40 - Código de Obras - Prefeitura Municipal de


Belo Horizonte - Secretaria Municipal de Regulação Urbana - SMRU.
Disponível: <http://www.pbh.gov.br> Acesso: 26 jul 2004

BRIERLEY, John - Parking of Motor Vehicles - C.R. Books Limited - London, 1962

DITTRICH, Gerhard G. - Tiefgaragen: Grundlagen, Planung, Wristschaftlichkeit -


Stuttgart, Deutsche Veslags-Anstalt GmbH, 1974.

ENCOL - Arquitetura Empresarial - Dipro-Diretoria de Projeto - Brasília - Brasil,


1990.

KLAUS do Brasil - Estacione Tranqüilo - Tecnologia inovadora contra a falta de


vagas - Klaus Car Parking System - Brasil, 2001.

KLOSE, Dietrich - Parkhäuser und Tiefgaragen - Stuttgart, Verlag Gerd Hatje,


1965.

NBR-6120 - Carga para cálculo de estruturas de edificações – Procedimento, Brasil,


ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1980

NBR-8800 - Projeto e Execução de Estruturas de Aço de Edifícios, Brasil,


ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1986

NEUFERT, Ernest - Arte de Projetar em Arquitetura 7ª Edição, Brasil, 1981

NEUFERT, Peter; NEFT, Ludwig – Casa – Apartamento - Jardim , Brasil, 2001

NPA Parking Consultants Council - Guide to the Design & Operation of


Automated Parking Facilities - USA, 2003.

Parking Book 92’ - Japão – 1992 – ISBN4-8339-0450-0 C3052 P4500E

RAMALHO, Luiz Carlos de Aquino - Paletização de Estacionamentos - Brasil,


1980

191
10.2 Endereços relacionados (www)

Agência MSV Press


Disponível: http://www.jornalexpress.com.br>
Acesso: 01 mar 2004

American Custom Lifts – EUA


Disponível: <http://aclifts.com >
Acesso:27 jun 2003

American history 102


Disponível:<http://us.history.wisc.edu >
Acesso: 19 abr 2004

American Institute of Steel Construction, Inc. (AISC)


One East Wacker Drive, Suite 3100 - Chicago, IL - EUA
Disponível: <http:// www.aisc.org>
Acesso: 31 jul 2003

ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores


Disponível: <http://www.anfavea.com.br>
Acesso:16 jul 2003

Associação Nacional de Transportes Públicos


Rua Augusta, 1626 - São Paulo - SP - Brasil
Disponível: <http://www.antp.org.br>
Acesso: 31 jul 2003

BBC London
Disponível: <http://www.bbc.co.uk>
Acesso: 30 jul 2003

BHTRANS
Disponível: <http://www.bhtrans.pbh.gov.br>
Acesso: 17 mai 2004

Brown, Lester R. Pavimentando o planeta: Automóveis e agricultura em disputa


pela terra. WWI-Worldwatch Institute.
Disponível: <http://www.wwiuma.org.br/artigos/013.html>
Acesso: 06 jul 2004

Cahill Contractors
Disponível: <http://www.cahill-sf.com>
Acesso: 19 abr. 2004

Car Free
Disponível: <http://www.carfree.com>
Acesso: 07 jul 2004

192
Daimler-Chrysler
Disponível: <http://wwwsg.daimlerchrysler.com>
Acesso: 19 abr 2004

Demographia
Disponível: <http://www.demographia.com>
Acesso: 02 jul 2003.

Easy Parking
Rua do Rosário, 171 - 3º andar - Centro - Rio de Janeiro – RJ, Tel: 21-2224-4032
Disponível: <http://www.easyp.com.br>
Acesso: 13 nov 2003

Estado de Minas
Disponível: <http://www.em.com.br>
Acesso: 30 jul 2003

European Automotive Hall Of Fame


Disponível: <http://www.autonews.com>
Acesso: 19 abr 2004

Folha Online
Disponível: <http://www1.folha.uol.com.br>
Acesso: 01 mar 2004

Grando América
427 Old Quarry Rd. North - Larkspur, CA 94939 - EUA
Disponível: <http://www.grandopark.com>
Acesso: 07 abr 2003

HUMMER - Official site of HUMMER vehicles


Disponível: <http://www.hummer.com>
Acesso: 13 abr. 2004

Hwidsteds Hjemmeside
Disponível: <http://hjem.get2net.dk/Hwidsteds_Hjemmeside>
Acesso: 19 abr 2004

IBGE - Censo Demográfico 2000


Disponível: <http://www.ibge.gov.br>
Acesso: 17 mai 2004

Klaus Auto-Parksysteme GmbH


Hermann-Krum-Str. 2 . D-88319 Aitrach – Alemanha
Disponível: <http://www.klaus-autopark.de>
Acesso: 02 jul 2003.

193
Klaus do Brasil
Rua Terencio Costa Dias Nº 393 - Jd. Monte Hey, Sorocaba - Brasil
Disponível: <http://www.klausautopark.com.br>
Acesso: 31 jul 2003

Kreimer Engenharia - General Contractor


Rua do Rosário, 171 - 3º andar - Centro - Rio de Janeiro – RJ
F: 21-2507-2200 Fax: 21-2232-4198
Disponível: <http://www.kreimer.com.br>
Acesso: 13 nov 2003

MBM - Box Car Systems


Via Oratorio 6, 46040 Rebecco di Guidizzolo - MN - Italy
Disponível: <http://www.mbmbox.com>
Acesso: 07 jul 2003

MP System CO. LTD.


6F, Woosuk Bldg, 1007-39 Sadang-1 dong - Dong Jak-gu, Seoul - Korea
Disponível: <http://www.mp-parking.com>
Acesso: 07 jul 2003

Navegando sobre o município de Belo Horizonte


Disponível: <http://www.belohorizonte.com.br>
Acesso: 26 abr 2004

O.ME.R. Spa - Via Galilei, 20 - Z. I. - 30035 Mirano Venezia - Italy


Disponível: <http://www.omer-spa.net>
Acesso: 07 abr 2003

Otto Nußbaum GmbH & Co KG


Korker Straße 24 - D-77694 Kehl - Bodersweier - Germany
Disponível: <http://www.nussbaum-lifts.de>
Acesso: 07 abr 2003

Palis Parking Technologies GmbH


Senefelderstraße 23 - D-86368 Gersthofen - Germany
Disponível: <http://www.palis.de>
Acesso: 07 abr 2003

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - Secretaria Municipal da Coordenação de


Política Urbana e Ambiental - SCOMURBE
Disponível: <http://portal1.pbh.gov.br>
Acesso: 25 abr 2004

Revista CNT - Confederação Nacional do Transporte


Disponível: <http://notesweb.cnt.org.br>
Acesso: 14 mar 2004

194
Road Traffic Technology
Disponível: <http://www.roadtraffic-technology.com/projects/index.html>
Acesso: 18 mar 2004

SILVA, Rachel Coutinho Marques da - Disponível:


<www.rio.rj.gov.br/smu/paginas/noticias_caderno_ed1-4.htm>
Acesso: 26 mar 2003

Site Savassi
Disponível: < http://www.savassi.com.br/news.htm >
Acesso: 19 jul 2004

The Model T Ford Club of América


Disponível: <http://www.mtfca.com/books/1903-4.htm>
Acesso: 17 fev 2004

Transport 2000
Disponível: <http://www.transport2000.org.uk>
Acesso: 18 mar 2004

Trevipark Ltd.
14 Berkeley Mews - London - W1H 7AX - United Kingdom
Disponível: <http://www.trevipark.co.uk>
Acesso: 16 jun 2003

Wöhr Auto Parksysteme


Postfach 1151`D-71288 Frilzheim - Germany
Disponível: <http://www.woehr.de>
Acesso: 07 abr 2003

ZYLBERSZTAJN, Rogério - Entrevista concedida a Veja-Rio - 27 abr 2002


Disponível: <http://veja.abril.com.br/vejarj/270202/cidade.html>
Acesso: 09 out 2003

195
10.3 Catálogos, artigos e arquivos digitais

ARBED – Car Parks in Structural Steel - Catalogue


Disponível <http://www.tradearbed.com>
Acesso: 25 mar 2004

Eco & Park Brochure - Castiglione d/Stiv. Italy


Disponível: <http://www.ecoandpark.com>
Acesso: 31 jul 2003

Parking Systems Catalogue - Klaus do Brasil


Rua Terencio Costa Dias Nº 393 - Jd. Monte Hey, Sorocaba – Brasil
Disponível: <http://www.klausautopark.com.br>
Acesso: 31 jul 2003
Klaus Auto-Parksysteme GmbH
Hermann-Krum-Str. 2 . D-88319 Aitrach - Alemanha
Disponível: <http://www.klaus-autopark.de>
Acesso: 31 jul 2003

SAMBRANA, Carlos – Reportagem: Estrela do Mar


Fonte: Revista Dinheiro, Nº 329, p.86 – 17 dez 2003

Trevipark Technical Report


Trevipark brochure 27.05.02 - London - United Kingdom
Disponível: <http://www.trevipark.co.uk>
Acesso: 31 jul 2003

196