You are on page 1of 18

AS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS E A REGULAÇÃO HORMONAL

Figura 1 – Símbolo Feminino e Masculino


Microsoft

CONTEÚDOS

 Tipos de hormônios
 Glândulas endócrinas, exócrinas e mistas
 Classificação dos hormônios
 As glândulas
 Distúrbios e doenças hormonais
AMPLIANDO SEUS CONHECIMENTOS

O sistema endócrino realiza um papel particularmente fundamental na


sexualidade, no metabolismo e no desenvolvimento, atuando de diferentes formas. A
partir de agora, vamos conhecer algumas dessas glândulas e os hormônios envolvidos
nessas diferentes situações.

Afinal de contas, o que são hormônios e como agem?

Hormônios são moléculas produzidas e secretadas por glândulas, o corpo


humano apresenta diversas glândulas, que apesar de não estabelecerem uma relação
anatômica direta, constituem juntas um sistema orgânico. Observe a imagem a seguir,
e verifique a distribuição das principais glândulas no homem e na mulher.

Figura 2 – Principais Glândulas do Sitema Endócrino


Fonte: UOL
Os hormônios são substâncias de origem proteica ou gordurosa que funcionam
como mensageiros químicos, essas substâncias são transportadas através do sangue
até as células-alvo, locais onde os hormônios exercem seus efeitos. Somente as
células-alvo apresentam os receptores específicos para cada tipo de hormônio. Esses
receptores estão localizados na superfície celular ou no interior do citoplasma (Figura
3). Ao encontrar seu receptor, o hormônio se liga a ele através de um reconhecimento
molecular e com isso ativa uma série de reações químicas nessas células. Veja a seguir
a interação entre um receptor de superfície e seu hormônio na célula-alvo:

Célula-alvo
Receptor de
superfície celular
Núcleo

Citoplasma

Hormônio

Figura 3 – Célula alvo (em destaque os receptores de superfície celular)


Fundação Bradesco
A produção de hormônios realizada pelas glândulas endócrinas não é a mesma
o tempo todo, ela se altera dependendo da fase da vida em que uma pessoa se
encontra. No período da infância, por exemplo, a produção do hormônio de crescimento
é intensa, enquanto que na puberdade, os hormônios sexuais alcançam níveis elevados.
Outros hormônios são temporariamente produzidos no período da gestação e
amamentação. Já durante o processo de envelhecimento, várias glândulas vão
gradualmente reduzindo sua capacidade de produção.

No corpo humano existem glândulas endócrinas, exócrinas e mistas. As


glândulas endócrinas, liberam os hormônios para o interior do corpo, enquanto as
glândulas exócrinas liberam suas secreções para fora do corpo e/ou para o interior de
cavidades. Exemplo de glândulas exócrinas: glândulas sudoríparas, glândulas salivares
e glândula sebácea. As glândulas mistas são endócrinas e exócrinas, produzem tanto
hormônios liberados para o interior do corpo, quanto para fora dele. Observe as figuras
a seguir, que evidenciam as glândulas mistas e endócrinas:
Figura 4 - Tipos de Glândulas
Fonte: UOL

O pâncreas é um exemplo de glândula mista, produz insulina e glucagon que


são liberados na circulação sanguínea, além do suco pancreático, que é liberado no
duodeno, segmento do intestino delgado, observe as duas porções dessa glândula:

Porção Endócrina: secreção


sendo lançada no sangue

Porção Exócrina: secreção


sendo lançada nos ductos

Figura 5 – Pâncreas – uma glândula mista


Fonte: UOL
A classificação dos hormônios

Existem três tipos básicos de hormônios cuja a classificação depende de sua


composição química. De acordo com essa classificação, existem três classes de
hormônios: os proteicos, os esteroides e os aminoácidos.
 Proteicos: sua composição consiste basicamente de proteínas e são os mais
numerosos, sempre se fixam na superfície celular. Exemplos: hormônio do
crescimento, hormônios antidiurético e ocitocina.
 Esteroides: consiste, na maioria, em derivados do colesterol e sempre
atravessam a membrana celular para realizar suas funções, seus receptores
encontram-se no interior da célula. Por exemplo: progesterona, estrógenos,
testosterona, cortisol e aldosterona.
 Aminoácidos: em sua composição há principalmente moléculas de aminoácidos,
fixam-se na superfície celular ou atravessam a membrana. Exemplos: T3, T4
e adrenalina.

As glândulas endócrinas

Hipófise - a glândula mestra

A hipófise é do tamanho de um grão


de ervilha e pesa cerca de 0,5 mg, apesar
de ser muito pequena, os diferentes
hormônios produzidos pela hipófise
exercem controle sob o funcionamento de
todas as outras glândulas, tais como:
tireoide, adrenal, gônadas (testículos e
ovários) e glândulas mamárias. A hipófise
por sua vez é controlada pelo hipotálamo,
uma pequena região do sistema nervoso
Figura 6 – Localização da hipófise e do
central que controla a secreção hipofisária.
hipotálamo
Observe na figura ao lado, a localização da Fonte: Marco Tulio Sette
hipófise e do hipotálamo.

Alguns hormônios são apenas armazenados na hipófise, sua produção


entretanto, ocorre no hipotálamo. O hormônio antidiurético (ADH), por exemplo, é
liberado pela hipófise em casos de desidratação e queda da pressão arterial, esse
hormônio atua nos rins promovendo a reabsorção de água, reduzindo e concentrando
o volume de urina.

A ocitocina, também produzida pelo hipotálamo, é armazenada e liberada pela


hipófise no momento do parto para estimular as contrações uterinas e na descida do
leite materno. Além disso, sua função também é estreitar o vínculo afetivo entre mãe e
filho. A ocitocina é chamada de hormônio do amor pois está intimamente ligada à
sensação de prazer, bem estar físico e emocional, e à sensação de segurança. Esse
hormônio também é produzido pelo homem, sendo responsável por influenciar seu
comportamento. A ocitocina é capaz de deixá-los menos agressivos, mais amáveis,
generosos e com comportamentos sociais mais adequados, embora sua atuação seja
muitas vezes bloqueada pela ação da testosterona.

Durante nosso crescimento e desenvolvimento, a hipófise produz e secreta o


hormônio de crescimento, também conhecido como GH (Growth Hormone). Esse
hormônio é responsável pelo nosso crescimento em altura e também pelo
desenvolvimento da nossa mente e corpo. Sua produção é maior na infância e continua
até o fechamento das cartilagens e crescimento dos ossos, culminando no final da
adolescência. Apresenta picos de produção, principalmente no período noturno, com
duração de 3 à 4 horas por noite.

CURIOSIDADE:

Os Anões de Itabaianinha

Um estudo brasileiro revelou a causa da alta


prevalência de nanismo na população da cidade de
Itabaianinha, em Sergipe. Os pesquisadores
encontraram um defeito genético que impede a
produção normal do hormônio de crescimento pela
hipófise entre os indivíduos com nanismo. Esse
defeito genético acabou se disseminando na Figura 7 – Localização de
Itabaianinha
população por conta de muitos casamentos
Fonte: Diário de São Paulo
consanguíneos. Os indivíduos que apresentavam o
defeito genético, não produziam o hormônio de .

crescimento de forma adequada, com isso


desenvolveram baixa estatura. Entre os portadores
do defeito genético, a altura variou de 1,08 à 1,35
metros de altura.
A Glândula Adrenal

Leia o título da manchete de jornal a seguir:

Disponível em: <http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/noticia/2014/03/adrenalina-e-muita-emocao-devem-


marcar-gp-brasil-de-motocross-em-penha-4459805.html>. Acesso em: 21 mar. 2016. 09h20min.

É muito comum associarem a palavra “adrenalina” às situações perigosas, tais


como as proporcionas pelos esportes radicais, a exemplo do Motocross. A adrenalina é
um hormônio produzido pela glândula adrenal, geralmente após fortes reações
emocionais, especialmente quando condições do meio ameaçam a integridade do
corpo, física ou psicológica, como a ansiedade, por exemplo.

Esse hormônio reage fazendo com que o


sangue fique mais oxigenado, pois acelera o
ritmo da respiração e os batimentos cardíacos.
Um maior aporte de sangue é direcionado para
os músculos, disponibilizando nutrientes e
oxigênio para as células, preparando o corpo
para uma ação rápida da musculatura, caso
necessite reagir ou fugir, por exemplo. Sua ação
sob reservas energéticas consiste em estimular
a quebra de glicogênio no fígado, aumentando
os níveis de glicose, e de promover a lipólise
(quebra de gordura) no tecido adiposo. Desta Figura 8 – Motocross
forma, os nutrientes são disponibilizados na Fonte: Microsoft

circulação para o consumo rápido, caso o corpo


necessite.
A glândula adrenal localiza-se nos polos
superiores dos rins, portanto, possuímos um par
de glândulas adrenais. Além da adrenalina, a
glândula adrenal produz o cortisol, um
hormônio sintetizado em situações em que o
corpo encontra-se sob estresse. Sua ação
concentra-se em disponibilizar ao corpo energia.
O aumento da glicemia, consequentemente gera
migração de água para o sangue, aumentando o
volume sanguíneo e a pressão arterial. Outra
ação conhecida do cortisol é sua capacidade de
atenuar a intensidade dos processos
inflamatórios. A indústria farmacêutica produz
inúmeros fármacos que apresentam substâncias
sintéticas análogas ao cortisol que imitam seus
efeitos no organismo. Figura 9 – Anti-inflamatórios
Fonte: Microsoft

A Glândula Tireoide

A glândula da tireoide localiza-se na base


do pescoço, próxima a região conhecida como
pomo de adão, é uma das maiores glândulas do
corpo humano, seus hormônios atuam em quase
todas as células do organismo, regulando a taxa
metabólica. Quando os níveis dos hormônios
tireoidianos no sangue estão diminuídos, o corpo
funciona mais lentamente, condição denominada
de hipotireoidismo. Se existe a situação contrária,
ou seja, quando os hormônios estão em níveis
elevados, essa condição denomina-se
hipertireoidismo, a taxa metabólica aumenta, Figura 10 - Sal iodado
resultando no aceleramento das funções do Negócios Brasil

organismo.
Para produção dos hormônios tireoidianos, é necessário a presença de iodo no
organismo. O sal de cozinha produzido no Brasil, por lei recebe complementação de
iodo com o intuito de reduzir os riscos dos distúrbios da tireoide por deficiência de iodo
na população brasileira, especialmente, o hipotireoidismo (Figura 10).
Como os hormônios tireoidianos regulam a taxa de metabolismo, tem se
observado a suplementação desses hormônios indevidamente mesmo para pessoas
que não apresentam deficiência em sua produção, visando o aumento da taxa
metabólica e com isso obter o emagrecimento, conforme destaca a manchete de jornal,
a seguir:

Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,venda-de-hormonios-sinteticos-da-


tireoide-cresce-65-em-cinco-anos,1020990,0.htm>. Acesso em: 21 mar. 2016. 09h43min.

A venda de produtos contendo substâncias sintéticas que imitam os efeitos


desses hormônios é ilegal e proibida, pois o uso indiscriminado pode causar problemas
no funcionamento da tireoide e doenças cardiovasculares. Veja a seguir, os efeitos da
suplementação desse hormônio, em uma pessoa saudável:

Figura 11 - Hormônio da tireoide e o emagrecimento.


Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
O pâncreas

Ao estudar o sistema digestório, você aprendeu que os nutrientes absorvidos no


intestino delgado são distribuídos ao restante do corpo pela circulação sanguínea. Após
a digestão dos carboidratos são liberados na circulação sanguínea moléculas de
glicose. O sistema endócrino controla a quantidade de glicose no sangue, impedindo
que essa taxa se altere excessivamente. Vamos entender como esse controle hormonal
ocorre: quando a taxa de glicose no sangue eleva-se, por exemplo, após as refeições,
as células do pâncreas são estimuladas a produzir a insulina, um hormônio que habilita
as demais células do corpo a absorverem a glicose do sangue e a utilizarem como
combustível celular.

Quando os níveis de glicose caem, automaticamente reduzem os níveis


circulantes de insulina no sangue, essa quantidade chega a níveis mínimos constantes
que não mais estimulam as células do pâncreas a produzirem a insulina. Quando a
quantidade de glicose chega a níveis mínimos, o pâncreas é estimulado a produzir o
hormônio denominado glucagon, que estimula o fígado a transformar suas reservas
energéticas, o glicogênio, em glicose liberando-a no sangue. Quando a glicose atinge
níveis adequados, o pâncreas interrompe a produção de glucagon. Observe o esquema
que resume o mecanismo envolvido na produção desses hormônios:

Figura 12. Regulação dos níveis de glicose através dos hormônios Insulina e Glucagon
Fonte: Wikimédia
Distúrbios no metabolismo da glicose: Diabetes Mellitus

Quando uma pessoa apresenta deficiência na produção de insulina, seja pela


destruição das células do pâncreas ou pela atuação irregular do hormônio, a glicemia
(quantidade de glicose no sangue) fica elevada. Esse é um sinal clínico do aparecimento
de um distúrbio metabólico denominado Diabetes Mellitus. Há dois tipos de Diabetes
Mellitus, a diabetes do tipo 1 e a diabetes do tipo 2.

No Brasil, a incidência de diabetes do tipo 2 é maior, esse tipo de diabetes está


relacionado ao sobrepeso e aos hábitos de vida e caracteriza-se por um defeito de
interação entre a insulina e as células que dela necessita, isso ocorre porque o hormônio
não consegue ultrapassar a resistência oferecida pelo excesso de gordura no corpo,
especialmente a gordura abdominal, portanto, o problema está na função do hormônio,
também chamado de resistência à insulina. A diabetes do tipo 2, representa 90% dos
casos de diabetes e geralmente se manifesta na fase adulta. Observe no infográfico a
seguir, a incidência de Diabetes Mellitus no Brasil e no Mundo:

Figura 13 - Incidência de Diabetes Mellitus no Brasil e no mundo


Fonte: Educação em Diabetes

A diabetes do tipo 1, por outro lado, embora ocorra em qualquer idade, é mais
frequente em crianças e adolescentes, é caracterizada por uma reação autoimune, onde
o sistema imunológico reage contra as células responsáveis pela produção de insulina,
nesse tipo de diabetes o indivíduo necessita de doses diárias de injeções de insulina a
fim de manter a glicemia normalizada. Os principais sintomas do portador de Diabetes
Mellitus são:
Figura 14 - Sintomas da Diabetes Mellitus
Fonte: Controle da Diabetes

As Gônadas

As gônadas são os testículos no sexo masculino e os ovários, no sexo feminino.


Além de produzirem as células reprodutoras, esses órgãos também sintetizam
hormônios que influenciam o crescimento e o desenvolvimento do corpo de forma geral.
Os hormônios produzidos pelas gônadas são chamados de hormônios esteroides e
também controlam o ciclo reprodutivo e determinam os caracteres sexuais secundários
masculinos e femininos.

Hormônios masculinos

Diferentemente do sistema genital feminino, as gônadas masculinas estão


localizadas do lado de fora do abdômen, mas isso tem uma razão de ser, para produzir
e nutrir essas células reprodutoras, essa região deve estar 1°C mais baixa do que a
temperatura corporal normal. Parte da função da bolsa escrotal é assegurar essa
temperatura ótima, afastando-se do corpo no clima quente ou contraindo-se trazendo-
os para próximo do corpo no clima frio. Os testículos secretam andrógenos, dos quais
a testosterona é a mais importante. Ela é responsável pelo desenvolvimento das
características sexuais secundárias masculinas e pela espermatogênese. Ela é também
essencial para o crescimento normal, desenvolvimento e maturação do sistema
esquelético masculino.

Os efeitos andrógenos da testosterona são responsáveis, em parte, pela


retenção da proteína muscular e hipertrofia muscular observados durante o treinamento
de força.
Hormônios femininos

O sistema reprodutor feminino é controlado pela glândula hipófise localizada no


cérebro. No período da puberdade, a hipófise recebe estímulos para produzir o
hormônio luteinizante (LH) e o hormônio do folículo estimulante (FSH) que atuarão
nos ovários para produção de estrógeno e progesterona. O controle fisiológico desse
sistema nada mais é do que um controle cíclico da produção alternada desses quatro
hormônios. Esse ciclo de produção hormonal também é conhecido pelo ciclo menstrual.
No capítulo A Reprodução e a Sexualidade Humana, estudaremos mais a fundo a
ação desses hormônios no ciclo reprodutivo da mulher.

ATIVIDADES

1 - Os hormônios atuam especificamente sobre alguns tipos de células, denominadas


células-alvo. A hipófise, por exemplo, produz vários hormônios responsáveis por
controlar o funcionamento de outras glândulas. Explique como os hormônios são
capazes de reconhecer as células-alvo específicas em órgãos e tecidos distintos.

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

2 - Quando uma pessoa vivencia uma situação de perigo, o sistema nervoso estimula
as glândulas adrenais a liberarem adrenalina no sangue, que irá promover a quebra de
glicogênio. Explique a importância da quebra do glicogênio para o organismo, numa
situação de perigo.

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
3 - Analise a sentença: “Os hormônios são dinâmicos e não estáticos”. Essa afirmação
está correta? Com base no conteúdo estudado, tente justificar sua resposta.

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

4 - (FUVEST) O gráfico mostra os níveis de glicose medidos no sangue de duas


pessoas, sendo uma saudável e outra com Diabetes Mellitus, imediatamente após
uma refeição e nas cinco horas seguintes.

I) Identifique a curva correspondente às medidas da pessoa diabética, justificando sua


resposta.
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
II) Como se explicam os níveis estáveis de glicose na curva B, após 3 horas da refeição

_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

LEITURAS COMPLEMENTARES

1. Os receptores de hormônios e as Terapias Atuais

A ligação entre o hormônio e seu receptor é uma etapa crucial para a ação
hormonal. Sabendo disso, a indústria farmacêutica desenvolveu alguns fármacos que
combatem a progressão do câncer bloqueando esta etapa de ligação entre o hormônio
e seu receptor. No câncer de próstata, por exemplo, o efeito exercido pelo hormônio
masculino faz com que ele progrida, uma das terapias utilizadas é bloquear o efeito do
hormônio através do uso de interferentes hormonais, observe no esquema a seguir, o
mecanismo desse tipo de terapia:

O interferente hormonal
1 apresenta afinidade pelo
receptor da célula-alvo e se
encaixa a ele.
1 2
O hormônio se encaixa
2 perfeitamente ao seu receptor
e envia sinais indispensáveis à
célula.

O interferente hormonal se
3 encaixa à célula e impede que
o hormônio se ligue e envie
3 seus sinais às células-alvo.

Interferente
Hormônio Hormonal Receptor
Hormonal
Figura 15. Terapia com bloqueadores hormonais
Fundação Bradesco

2. Desreguladores endócrinos no ambiente

Você sabia que existem algumas substâncias presentes especialmente nos materiais
plásticos que atuam como interferentes hormonais? Essas substâncias são
denominadas “desrreguladores endócrinos”, uma das substâncias mais conhecidas e
estudadas é o composto Bisfenol A. Apesar do plástico ser considerado estável, já se
sabe que as ligações químicas entre as moléculas do bifesnol A são instáveis,
permitindo que esse composto se desprenda do plástico e contamine alimentos ou
produtos embalados. No Brasil, recentemente foi proibido a adição de Bisfenol A na
fabricação de mamadeiras. Para as demais aplicações, o bisfenol A ainda é permitido,
porém a ANVISA estabeleceu limites máximos de sua concentração.

INDICAÇÕES

No Mapa Curricular de Ciências da Natureza/ Ciências da Natureza II, acesse as


indicações de Vídeos, para o conteúdo curricular “Sistema Hormonal” e amplie seus
conhecimentos sobre esse assunto.

 Vídeo - Guia para a diabetes tipo 1


 Vídeo - Obesidade
 Vídeo - Diabetes
 Vídeo - Novo Telecurso -Biologia/EM
 Vídeo - Diabetes - prevenção e controle
 Vídeo - Hormônios

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CONTROLE DA DIABETES. Sintomas da Diabetes Mellitus. Disponível em: <


http://www.controlediabetes.net/sintomas-da-diabetes/>. Acesso em: 21 mar. 2016.
12h42min.

DIÁRIO DE SÃO PAULO. Itabaianinha. Disponível em: <


http://www.diariosp.com.br/noticia/detalhe/84916/itabaianinha-e-conhecida-como-a-
cidade-dos-anoes>. Acesso em: 21 mar. 2016. 12h34min.

EDUCAÇÃO EM DIABETES. Incidência de Diabetes Mellitus no Brasil no Mundo.


Disponível em: <http://www.educacaoemdiabetes.com.br/diabetes-problema-de-saude-
mundial/#more-4050>. Acesso em: 21 mar. 2016. 10h02min.

ESTADÃO. Artigo: Venda de hormônios sintéticos da tireoide cresce 65 % em cinco


anos. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/geral,venda-de-hormonios-
sinteticos-da-tireoide-cresce-65-em-cinco-anos-imp-,1020990>. Acesso em: 21 mar.
2016. 12h38min.
SETTE, Marco Tulio. Localização da hipófise e hipotálamo. Disponível em:
http://marcotuliosette.site.med.br/index.asp?PageName=Tumores-20da-20Hip-F3fise>.
Acesso em: 21 mar. 2016. 09h02min.

NEGÓCIOS BRASIL. Sal iodado. Disponível em:


<Fonte:<http://www.br.all.biz/img/br/catalog/35718.jpeg>. Acesso em: 21 mar. 2016.
09h40min.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA. Hormônio da


Tireoide e Emagrecimento. Disponível em: <http://www.endocrino.org.br/>. Acesso
em: 21 mar. 2016. 09h47min.

UOL – Mundo Educação. Tipos de Glândulas. Disponível em: <


http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/biologia/tipos-glandulas.htm>. Acesso em: 18
mar. 2016. 16h45min.

UOL. Pâncreas – Uma glândula mista. Disponível em:


<http://escolakids.uol.com.br/glandulas.htm>. Acesso em: 18 mar. 2016. 16h51min.

UOL. Principais Glândulas do Sistema Endócrino. Disponível em:


<http://escolakids.uol.com.br/hormonios.htm>. Disponível em: 21 mar. 2016. 12h32min.

WIKIMEDIA. Regulação dos níveis de glicose através dos hormônios Insulina e


Glucagon. Disponível em:
<https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/60/Glicemia.svg>. Acesso em: 21
mar. 2016. 0956min.

GABARITO

1 - O reconhecimento se deve à presença de receptores específicos a estes hormônios


nas células-alvo. Em algumas dessas células, esses receptores ficam localizados na
superfície celular, outros ficam ainda situados internamente. Em ambas as situações,
há extrema afinidade e especificidade entre o receptor e seu hormônio, o que garante
que não haja a ligação entre os tipos de moléculas, somente ao hormônio específico.

2 - A quebra do glicogênio promove a liberação de glicose, que será utilizada no


processo de respiração celular para a produção de energia, sendo utilizada pelo
organismo para responder a uma situação de perigo.
3 - Os hormônios ajustam-se conforme a situação vivenciada e de acordo com a fase
da vida. Na infância, por exemplo, alguns hormônios são produzidos mais intensamente,
outros só iniciarão na puberdade e vários hormônios tendem a reduzir sua produção na
idade avançada.

4 - I. A “curva A” representa um indivíduo diabético porque observa-se uma


hiperglicemia acentuada, ou seja, o nível de glicose sanguíneo ficou muito elevado, após
a refeição. A queda desse nível até o normal levou mais de 3 horas.

II. Na curva normal B, de 1 a 3 horas foi o tempo utilizado para que a glicemia voltasse
ao normal, devido ao hormônio insulina. Após 3 horas a glicemia permaneceu normal
por causa da ação do hormônio glucagon.