You are on page 1of 17

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO
DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DE ENSINO
COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

JEFFERSON VINÍCIUS COELHO

TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA

Brasília - DF
Junho/2017
JEFFERSON VINÍCIUS COELHO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

Relatório de Estágio apresentado ao INSTITUTO


FEDERAL DE BRASÍLIA – Campus Planaltina,
como requisito parcial para obtenção do título de
Técnico em Agropecuária.
Professor (a) orientador (a): MSc. Ronaldo Liberato
Dourado

Brasília – DF
Junho/2017
DADOS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

IDENTIFICAÇÃO DO(A) ESTUDANTE


Nome do(a) estagiário(a): JEFFERSON VINÍCIUS COELHO
Curso: TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA
Campus: PLANALTINA
Matrícula: 161034100031
Estágio Obrigatório X Estágio não Obrigatório
Período do Estágio: 27 / 10 / 16 a à 27 / 04 / 17
Carga Horária do Estágio: 160 HORAS
Professor(a) Orientador(a): MSc. RONALDO LIBERATO DOURADO

CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA
Concedente: Privada X Pública Cooperativa
Nome da Concedente: INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA CAMPUS PLANALTINA
Área de Atuação da Concedente: ENSINO PROFISSIONALIZANTE
Setor da Concedente onde o Estágio foi Realizado: UEP BOVINOCULTURA
Produtos ou Serviços Prestados pela Concedente: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO
Supervisor(a) na Concedente: ROBERTA TAVARES MOREIRA

CASOS DE APROVEITAMENTO DE ATIVIDADES COMO ESTÁGIO


Atividade: Iniciação Científica Extensão Monitoria

CASOS DE RECONHECIMENTO DE PRÁTICA PROFISSIONAL COMO ESTÁGIO


Motivação do reconhecimento de prática profissional como estágio obrigatório:
Atuação como empregado em instituição pública ou privada na área de formação do curso.
Atuação como empresário na área de formação do curso.
Atuação como autônomo na área de formação do curso.
SUMÁRIO Commented [RLD1]: No sumário os assuntos devem
conter as páginas, retirar também essas marcações, não usar
nenhuma.

 INTRODUÇÃO

 LOCAL DE ESTÁGIO

 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

o Ordenha

o Limpeza da ordenha

o Curativos

o Vacinas

o Manutenção do setor

o Fotos

 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
INTRODUÇÃO Commented [RLD2]: Alinhar à esquerda, em todas as
páginas.

O estágio foi feito de modo obrigatório com a carga horária de 160 horas no período entre 27
de outubro de 2016 ate 27 de abril de 2017. O estagio obrigatório e de suma importância para a
formação de um excelente profissional, e a oportunidade que um estudante de técnico em
agropecuária tem de aprender a pratica do que foi estudado em todo o curso, e também e onde ajuda
o técnico a escolher uma área entre varias que existe, para que possa atuar. O estagio foi acompanhado
por profissionais do setor, a supervisora do estagio foi a responsável pelo setor Doutora Roberta
Tavares Moreira, a qual foi prestada toda assistência, com ajuda dos funcionários do setor no qual me
foi instruído sobre o manejo prestado, as rotinas e responsabilidades na qual um técnico deve ter para
sua atuação nessa área de bovinocultura. No setor de bovinocultura do campus de planaltina
Planaltina tem uma ótima estrutura e excelentes profissionais, e uma UEP que tem algumas
dificuldades com recursos, devido a ser um órgão publico, mesmo assim o estagiário consegue
participar e aprender em varias áreas dentro do setor, como cuidar e manejar as vacas de leiteiras, os
bezerros, vacas de corte, cavalos, e a manutenção diária como de cercas, limpezas de cochos e
bebedouros e fazer o tratotodo o manejo dos animais.
LOCAL DE ESTÁGIO

O instituto federal de Brasília (IFB) foi criado como escola agrotécnica federal de Brasília
(EAF) em 1959. Em 1967, a escola subordina-se ao ministério da educação e cultura (MEC) passando
a ser chamado de colégio agrícola de Brasília (CAB). O colégio foi transferido para o governo do
distrito federal (GDF) em 1978, incorporando-se à rede oficial do DF. A partir do dia 19 de julho de
2000 o colégio agrícola de Brasília passou a denominação de centro de educação profissional- colégio
agrícola de Brasília (CEP/CAB), sendo objetivado para qualificação profissional em cursos básicos
e técnicos de agropecuária e agroindústria.
Em seus mais de 60 anos de historia o atual campus planaltina do IFB, passou por mudanças
diversas se integrando a rede federal de educação profissional, cientifica e tecnológica em 2008,
quando foi criado os institutos federais.
Esse núcleo fica localizado na rodovia DF180, Km 21, zona rural de Planaltina, com uma área
total de 2300 hectares.
ATIVIDADES DESENVOLVIMENTO

 ORDENHA Commented [RLD3]: Retirar essa marcação, em todas


páginas.

Consiste em uma rotina diária, buscando as vacas leiteiras no pasto acomodando-as em Commented [RLD4]: fazer a divisão do texto em
parágrafos, nesse só tem um.
uma área em especifica que chama sala de espera e onde elas ficam antes de ir para a ordenha,
esse local e onde elas podem defecar e urinar, pois são estimuladas na entrada da sala passando Formatted: Indent: First line: 0.25"

pelo pé diluvio, esse sistema e utilizado para evitar que elas venham a defecar e urinar na sala
de ordenha. Logo após são selecionadas seis vacas por vez para sala de ordenha, colocando
três de cada lado, o sistema para a ordenha utilizado no setor e em linha, elas ficam uma atrás
da outra formando uma fila. Depois de serem contidas na sala, o ordenhador faz a contenção
dos animais com uma corda amarrando as pernas traseiras na altura do jarrete para evitar
acidentes, como coices, logo após o ordenhador lava as mãos com sabão e álcool, antes de
fazer o teste da caneca de fundo preto que e feito em todos os tetos de todas as vacas todos os
dias, esse teste e feito para a identificação rápida de mastite clinica, ele facilita a visualização
de grumo de pus e também ajuda a estimular a produção de ocitocina, hormônio que libera o
leite, devido ao contato da mão do ordenhador, e por consequência descarta os primeiros jatos
de leite que tem um grande risco de estarem com bactérias causadoras de mastite, e também
é feito o teste da raquete ou CMT (Califórnia mastit test.), uma vez por semana usa-se um
reagente que é misturado na raquete do teste, ele reage com as células de defesa fazendo a
amostra ficar gelatinosa esse teste e para identificação da mastite sub clinica. Após os testes
os vaqueiros os devidos bezerros para fazer a primeira mamada estimulando as vacas a liberar
o leite, esse procedimento e usado devido as vacas ser misturadas de holandesas com vacas
gir que formam o girolando e é uma característica do gado zebuíno de que só produz a
ocitocina com o bezerro ao pé, depois que ocorre esse procedimento e fechado o acesso dos
bezerros, para que eles não mamem mais. Logo após é feito a limpeza dos tetos com o pré-
dipping, que é uma solução de com iodo, que quando submergido os tetos aguarda 30
segundos, cada teto tem que ser limpado com um papel toalha sempre no sentido de cima para
baixo, nunca passar o mesmo lado do papel duas vezes, utilizar um papel para cada teto e
assim colocar a ordenha. A ordenha e um sistema fechado, ou seja, o ordenhador não tem
nenhum contato com o leite, pois o leite passa pelo sistema e cai diretamente no tanque de
expansão. As vacas não são totalmente esgotadas pois logo após elas vão para um pátio, onde
são acompanhadas pelos bezerros ao qual tem a oportunidade de amamentá-los, nessa mesma
área e colocado a disposição delas um concentrado com um objetivo em especifico que é para
manter as vacas em pé, pois como foi tirado o leite o esfíncter do teto demora até 30 minutos
para fechar e com isso tem uma grade possibilidade de ocorrer infecção após a ordenha, mas
com esse estimulo do alimento elas não deitam. No termino da ordenha os bezerros são
apartados e conduzidos para um piquete que é o bezerreiro, as vacas também são conduzidas
para os piquetes.

 LIMPEZA DA ORDENHA

Após todo o procedimento de ordenha é feito a limpeza do local, na sala de espera e


recolhido todas as fezes e é feito a lavagem com a mangueira, a ordenha também e
lavada com sabão e agua corrente retirando toda a sujeira. A máquina de ordenha tem
que ser lavado internamente, mas como e um sistema que não tem como desmontar e
usado produtos em específicos para sua limpeza. A limpeza deve começar
imediatamente após a ordenha, enquanto as tubulações estão mornas e não ocorreu
formação de depósito de resíduos. Deve-se desconectar a tubulação de leite do tanque
resfriador e deixar drenar todo resíduo de leite da unidade final e bomba de leite.
Recomenda-se a limpeza manual externa das unidades finais e mangueiras, antes de
acoplar as unidades de ordenha na linha de limpeza, fechando o circuito por onde as
soluções de limpeza serão circuladas, a partir do tanque de limpeza. Enxágue inicial
com água morna (38 - 55oC) tem como objetivo remover os resíduos de leite grosseiros
e que são facilmente solúveis em água. Recomenda-se não recircular este enxágue e
descartar a água após a passagem pelo equipamento. A temperatura não deve ser
inferior ao limite de 35oC, pois abaixo ocorre a solidificação da gordura, e acima de
53oC ocorre desnaturação de proteínas. Adicionalmente, o uso de água morna no
enxágue causa leve aquecimento das tubulações e auxilia na manutenção da
temperatura dos próximos ciclos. Alternativamente, pode-se realizar enxágue entre os
ciclos de detergente alcalino e ácido, para remover resíduos químicos que podem ser
incompatíveis.
O enxágue deve remover entre 90 e 95% de todos os resíduos de leite após a ordenha.
Como nesta etapa não há gasto de detergentes deve-se procurar fazê-la com a máxima
eficácia, o que facilita as próximas etapas. Limpeza com detergente alcalino clorado o
objetivo principal desta etapa é a remoção da gordura e proteína após o enxágue inicial.
O detergente reduz a tensão superficial da água, o que facilita a penetração da água
nos resíduos aderidos. A faixa de temperatura ideal é de 43 a 77oC, sendo que a eficácia
do detergente aumenta com o aumento da temperatura da água e diminui com o
aumento da dureza.
A alcalinidade da solução para circulação é de 250 a 500 ppm de alcalinidade
(expressos como Na2O) para ordenhadeiras e 400 ppm para tanques resfriadores. O
conteúdo de compostos clorados varia de 75 a 200 ppm de NaOCl (hipoclorito de
sódio) para equipamentos de ordenha e de 100 a 200 ppm de NaOCl para tanques. Uma
das grandes deficiências das fazendas leiteiras é a falta de um bom suprimento de água
quente para esta etapa e o monitoramento para saber se a temperatura adequada está
sendo alcançada. Limpeza com detergente ácido é o ciclo de limpeza é usado para
remover os depósitos minerais de origem da água e do leite. A água pode ser fria ou
levemente aquecida (35 - 43oC). A frequência de utilização depende da qualidade da
água (dureza) usada para limpeza, sendo normalmente recomendada pelo menos duas
vezes por semana. A solução detergente ácida deve apresentar pH menor ou igual a
3,5 para uma ação efetiva, diminuindo a capacidade de multiplicação microbiana e
facilitando a ação do sanitizante.
Desinfecção ou sanitização é uma etapa importante da limpeza visando reduzir a
contaminação bacteriana. Os sanitizantes são aplicados por circulação após as etapas
de limpeza para eliminar microrganismos que sobreviveram e que podem se
multiplicar. Os depósitos de resíduos e filmes aderidos as superfícies impedem a ação
dos sanitizantes, protegendo os microrganismos de sua ação. De forma geral, os
compostos a base de cloro são os mais utilizados, pois são de amplo espectro de ação
e de boa eficácia. Após o preparo da solução desinfetante, a solução deve apresentar
de 100 a 200 ppm de cloro disponível. Os produtos mais usados são os hipocloritos de
cálcio (CaOCl) e de sódio (NaOCl). Os compostos clorados, no entanto, são inativados
pela matéria orgânica e podem sofrer volatilização durante a estocagem inadequada,
durante as diluições ou se forem submetidos a altas temperaturas. A volatilização
causa perda da eficácia dos produtos clorados. A formação de gases de cloro ocorre
quando produtos clorados são misturados com ácidos. Estes gases são nocivos à saúde,
caso sejam inalados. A desinfecção com produtos à base de cloro pode ser realizada
antes da ordenha para eliminar os microrganismos que sobrevivem no período entre
ordenhas. Commented [RLD5]: Colocar noi tempo verbal: passado,
uma vez que você realizou a tarefa. Cuidado ao copiar e
colar textos, esse está com erros de formatação e sem citar as
referências no texto. Aconselho você descrever apenas como
 CURATIVOS era realizado aqui no estágio, e o objetivo de fazer cada
etapa.

 BEZERROS Commented [RLD6]: tirar essa marcação.


Após a mochação dos bezerros é feito um acompanhamento na cicatrização, e feito a Commented [RLD7]: mudar o tempo verbal.

limpeza com gases limpas e soro fisiológico retirando o excesso e resíduos de pomadas da Formatted: Indent: First line: 0.49"

cura anterior assim limpando a ferida. Em seguida e passado um unguento ALANTOL que e
uma pomada cicatrizante e por cima da pomada e passado um spray MAX PRATA que
também ajuda na cicatrização e espanta mosca afim de evitar a miíase.
 VACA

Fazendo a contenção no brete foi feito o curativo de uma vaca de corte, nelore, após ela ter
quebrado o chifre que infeccionou, por modo cirúrgico foi feito a descorna. Alguns dias depois
a descorna ocorreu uma infecção, rompendo os pontos. O seu tratamento efeito diariamente
com a limpeza do local retirando carnes mortas, cascas e miíases se tiver, até o presente
momento do estágio que foi acompanhado o tratamento era feito a limpeza com gases e soro
fisiológico em seguida e colocado um remédio anti-inflamatório em pó por cima da ferida,
logo se passa um unguento ALANTOL que é uma pomada cicatrizante e por cima da pomada
e passado um spray MAX PRATA que também ajuda na cicatrização e espanta mosca afim
de evitar a miíase. Essa vaca teve uma grande perca de peso devido ao seu longo processo de
cicatrização, que mesmo com todo o acompanhamento não se teve progresso.

 VACINAÇÃO

 FEBRE AFTOSA Commented [RLD8]: também retirar essa marcação.


Deixar sem. para todas as demais que vierem.

A vacinação contra febre aftosa é obrigatória em todo território nacional, ela e feita no mês
de maio e novembro. A vacinação do rebanho na UEP e feito no curral de manejo, são
vacinados no brete. A vacina tem que ser mantida em caixa de isopor com gelo e a sombra.
Utilizar agulhas 15x18 para aplicação via subcutânea da vacina oleosa, e agulha 20x18 para
aplicação via intramuscular, a pistola de aplicação tem que ser mantida na mesma temperatura
da vacina que e de 2°c a 8°c, o frasco tem que ser agitado toda vez que for completar a vacina
na pistola certificando que não tem ar na mesma. A aplicação tem que ser feita na parte anterior
ou posterior a escapula do animal, tendo o cuidado de manter a pistola inclinada quase em pé,
com a agulha apontada para baixo. Certificar que a dose da vacina foi totalmente aplicada e
que não escorreu pelo orifício deixado pela agulha. Depois de vacinado todo o rebanho, as
notas fiscais têm que ser entregues a secretaria de agricultura e pecuária especificando todo o
rebanho.
 BRUCELOSE

A vacinação do rebanho na UEP e feito no curral de manejo, são vacinados no brete. A


vacinação contra a brucelose é feita com a vacina B19, é obrigatória somente para as fêmeas
na idade entre três e oito meses. Esta vacinação só pode ser realizada, sob responsabilidade
de médicos veterinários cadastrados no serviço de defesa sanitária animal de seu Estado de
atuação. Fêmeas com idade acima de oito meses não podem ser vacinadas com a B19, uma
vez que a vacinação nesta idade pode causar interferência nos testes de diagnóstico da
brucelose. Os animais vacinados contra brucelose deverão ser marcados no lado esquerdo da
cara com um “V” e o dígito final do ano vigente. A brucelose, conhecida também como mal
de Bang, febre de malta ou aborto infeccioso, é considerada uma zoonose (transmitida do
animal para o homem) distribuída mundialmente, e é responsável por consideráveis perdas
econômicas dentro do rebanho bovino. Quando a contaminação se dá por contato direto com
fetos abortados, restos placentários e descarga uterina há a penetração da bactéria pela
mucosa: nasofaringe, conjuntival ou genital e pele íntegra. Após esta penetração, o agente cai
na corrente sanguínea sendo transportado para diversos tecidos e órgãos do corpo do animal,
multiplicando-se. Os sinais clínicos clássicos observados nos animais infectados estão
relacionados a problemas reprodutivos, como: aborto no terço final da gestação, natimortos,
nascimentos de bezerros fracos e corrimentos vaginais. É comum haver retenção de placenta
e infertilidade temporária ou permanente. Nos machos, pode causar orquite (inflamação do
testículo), consequentemente, levando à infertilidade no animal devido à diminuição da
qualidade espermática. Podem ser observadas lesões nas glândulas mamárias e lesões
articulares (bursite e artrite).

 RAIVA

O rebanho da UEP foi todo vacinado contra raiva, ela não e uma vacina obrigatória em todo
o território nacional, mas no distrito federal tem uma lei que obriga a fazer a vacinação pelo
menos uma vez ao ano. Ela e feita juntamente com as de aftosa para aproveitar o manejo. Um
dos principais problemas da raiva bovina é o fator surpresa. Assim que o vaqueiro notifica ao
veterinário responsável que determinado animal está com sintomas da doença, nada mais pode
ser feito. Possivelmente, ele morrerá de forma rápida e agonizante com prejuízo certo.
Portanto, para que os danos causados pela raiva bovina sejam anulados, é imprescindível que
sejam adotadas medidas de controle da doença no rebanho.A raiva bovina é uma encefalite
aguda viral, que se caracteriza por um quadro neurológico grave, na maioria das vezes, fatal.
A importância da raiva é ainda maior, pois é uma zoonose, portanto, com grande impacto para
a saúde pública. Os transmissores da raiva bovina são os morcegos hematófagos que são
portadores, reservatórios e transmissores do vírus da raiva. No Brasil, a espécie mais
importante é a Desmodus rotundus. O agente etiológico da raiva bovina é o RNA vírus, da
família Rhabdoviridae gênero Lyssavirus. Esse encontra-se na saliva do morcego infectado
que, pela mordedura ou lambida em alguma ferida aparente do animal, transmite a raiva. Vale
lembrar que o vírus não consegue atravessar a pele íntegra.
Com o animal infectado, o vírus se desloca para o sistema nervoso, e o curso da doença leva
poucos dias, com sequência sintomatológica rápida. Uma vez infectado, o bovino apresenta
nítida mudança de hábito, com sintomas evoluindo para perda de consciência, mugido rouco,
aumento do volume e presença de espuma na saliva, midríase (dilatação da pupila), fezes secas
e escuras. Uma característica bastante marcante da raiva bovina é o andar cambaleante com
posterior paralisia dos membros posteriores e evolução para a dos membros anteriores. Uma
vez no chão, o animal não levanta mais e estará fadado à morte, que é dolorosa e triste, e leva
de 4 a 8 dias. Por ser uma zoonose, a notificação da doença aos órgãos competentes é
obrigatória. Commented [RLD9]: Cuidado com o copia e cola, citar a
fonte no texto, mas é preferível que você cite apenas o que
fez e o porquê?

 MANUTENÇÃO DO SETOR

O setor demanda por uma manutenção diária devido a alta demanda de serviços e
poucos funcionários, essas manutenções são remendos de cercas, construir colchetes, lavar
bebedouros, fazer a limpeza dos cochos, conferir se precisa repor o sal mineral.

 FOTOS
Sala de ordenha Commented [RLD10]: Colocar as fotos na posição
correta.
Pátio com cocho
Manejo a campo Repondo o sal Commented [RLD11]: Dimensionar melhor as fotos no
documento.

Fazendo curativo
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Nesse período de conhecimentos no estágio na UEP de bovinocultura, foi aprendido e Commented [RLD12]: o que é UEP?

praticado técnicas, de manejo, conservação, manutenção, bem-estar animal, dentro da área de


bovinocultura leiteira e de corte, as quais obtive experiência e amadurecimento profissional e pessoal.
Essa formação técnica será de grande importância para minha vida, pois pretendo trabalhar na
área, e é um início de uma longa caminhada profissional. Com essa minha estadia na UEP conseguir
ver que o mercado de trabalho tem muito a ser explorado, área que tem grande deficiência de mão de
obra especializada, espero poder conquistar o meu espaço nesse mercado de trabalho.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

http://www.cnpgl.embrapa.br/sistemaproducao/book/export/html/368
http://labovet.com.br/blog-grandes-animais/raiva-bovina-uma-ameaca-para-o-rebanho-que-precisa-
ser-controlada/
http://www.infoescola.com/medicina-veterinaria/brucelose-bovina/ Commented [RLD13]: deve estar escrito acessado em....
PARECER FINAL

O (a) aluno (a) JEFFERSON VINÍCIUS COELHO foi APROVADO(A) no estágio


curricular supervisionado, cumprindo carga horária de 160 horas.

Data da aprovação: _______ de _____________________de__________.

_____________________________________________
Professor(a) Orientador(a) do Estágio