You are on page 1of 27

Universidade Federal de Campina Grande

Centro de Ciências e Tecnologia


Unidade Acadêmica de Engenharia Mecânica
Curso de Engenharia de Petróleo

Disciplina: Escoamento Multifásico


Professora: Enivaldo Barbosa
Alunos: Adna Vasconcelos
Aline Duarte
Rafael Barros
Rayssa Lima
Robercy Araújo
Yuri Johann

Seminário

Campina Grande – PB
26 de agosto de 2014.
RESUMO

Transporte pneumático e sistemas de leito fluidizado exigem designers para prever


possíveis regimes de escoamento de fluxo de duas fases (sólido-gás) em condições de
funcionamento específico. Apesar de vários estudos sugeriram vários diagramas de regime de
escoamento para esse efeito, o efeito do diâmetro do tubo e concentração de sólidos em
velocidades de transição permanece incógnito.
O objetivo principal deste trabalho é desenhar um diagrama de regime de escoamento
generalizado para transporte pneumático vertical e sistemas de leito fluidizado. Analisamos
inúmeros estudos experimentais e teóricos a fim de entender a influência de vários parâmetros
incluindo propriedades de partículas e gás, diâmetro da tubulação e concentração de partículas. De
acordo com nossa análise empírica, baseada em dezenas de materiais, centenas de experimentos e
métodos experimentais diferentes, que descobrimos que a influência do diâmetro da coluna sobre
as velocidades de transição está no intervalo do erro experimental e, portanto, pode ser
negligenciada. Com base em uma análise teórica e empírica, é mostrado que o diagrama de regime
de escoamento generalizado para sistemas verticais pode ser apresentado pela relação entre
Arquimedes e o número de Reynolds modificado pela taxa de fluxo contínuo ou a concentração
volumétrica de sólidos e a fração de vazio de gás em circulação.

1. INTRODUÇÃO

Diferentes variações do sistema de transporte pneumático e de leito fluidizado são


utilizados com sucesso nas indústrias química, farmacêutica, plástica e energética. Quem planeja
frequentemente prefere os sistemas de transporte pneumático aos outros devido as inúmeras
vantagens como segurança, flexibilidade no encaminhamento e ser livre de poeira. Entretanto, o
planejamento adequado desse tipo de transporte requer o conhecimento de regimes específicos de
algumas condições de partículas-gás de duas fases. Tradicionalmente, o regime de fluído tem sido
dividido em dois grupos: diluído e denso. A transição entre esses dois regimes para o sistema de
transporte vertical é definida pelo choque de velocidade. Muitos estudos investigaram as condições
do choque para várias partículas, bem como as propriedades do sistema e dos fluídos, entretanto,
as diferentes definições e métodos de aferimento produzem alta dispersão nos resultados
experimentais e uma gama muito ampla de condições de transição.
O regime de fluído denso é geralmente dividido em regimes de fluxos específicos como
“golfadas”, “bolhas”, “bolhas dispersas” e “plugging”. Durante o processo de operação de um
sistema de transporte específico cada um desses regimes de fluxo pode ocorrer. Mesmo com
numerosos estudos investigando os limites desses regimes de fluxo denso, muitas questões ainda
não foram resolvidas. A principal discordância refere à influência do diâmetro do cano na
velocidade mínima de golfadas e a influência da taxa do fluxo de massa sólida em todas as
velocidades de transição.
O primeiro diagrama de regime de fluxo para sistemas de transportes pneumático descrito
na literatura foi o diagrama de estado Zenz. Tal diagrama apresenta a pressão exercida por unidade
de peso da pipa de transporte como uma função da velocidade superficial do fluido pela constante
da taxa da massa do fluxo sólido.
A velocidade de “chocking” clássica e acumulada apresenta duas possibilidades de
transição do regime de fluido diluído. Quando a velocidade do gás é reduzida para uma taxa de
fluxo fixa o fluxo diluído transforma-se em fluxo golfadas ou uma fase de fluxo golfadas não-
densa. A condição quando o fluxo diluído torna-se não diluído é chamado de “chocking”
acumulada está relacionada a acumulação de sólidos na parte inferior da tabulação. A condição
quando o fluxo diluído torna-se um fluxo golfadas é chamado de clássica “chocking” e está
relacionada com a formação de golfadas.
A fim de apresentar um diagrama de regime de escoamento generalizado, várias incertezas
precisam ser esclarecidas, como os possíveis regimes de escoamento e os principais grupos
adimensionais que descrevem o sistema pneumático vertical. Então a influência do diâmetro do
tubo e as correlações corretas para todas as velocidades de transição podem ser encontrados e um
diagrama regime de fluxo generalizado pode ser criado. Esse diagrama tem um interesse
significativo para os designers, uma vez que lhes permitam prever o escoamento bifásico (gás-
sólido) para todas as condições do sistema e propriedades das partículas. Seria também atualizar o
design dos sistemas de transporte e de leito fluidizado verticais pneumáticos para ser muito mais
preciso, bem como menos oneroso.

2. REGIMES DE FLUXO POSSÍVEIS PARA O TRANSPORTE


PNEUMÁTICO VERTICAL E SISTEMA DE LEITO FLUIDIZADO

Apesar dos sistemas transporte pneumático e de leito fluidizado serem designados para
diferentes tarefas, eles ainda têm muitas semelhanças. Uma delas é que para ambos os sistemas os
regimes de fluxo diluído, de bolhas dispersas rápida, bolhas dispersas turbulenta, fluxo de golfadas
e bolhas são possíveis de ocorrer. O fluxo diluído é caracterizado por um fluxo de suspensão,
velocidade de gás de alta e baixa taxa de fluxo de massa sólida. Para os sistemas de transporte
pneumático, o regime de fluxo diluído é o mais comumente utilizado, enquanto que para os
sistemas em leito fluidizado o regime pode ocorrer como um processo de derivação para o
esvaziamento da coluna ou quando a amostra inserida tem uma distribuição grande. Para obter
uma distribuição de tamanho de partícula grande, as partículas são fluidizadas na parte inferior da
coluna, enquanto os pós finos podem ser transportados ao longo de um regime de fluxo diluído.
Ao reduzir a velocidade do gás, o fluxo de suspensão é interrompido e grupos de partículas
podem aparecer. Yerushalmi e Cankurt referiram-se ao regime de vazões que ocorrem após as
aparições de aglomerados de partículas e bolhas dispersas rápida. Além disso, a literatura apresenta
as principais características da bolhas dispersas turbulenta, golfadas, bolhas e regimes de
escoamento em leito fluidizado. O regime de bolhas dispersas turbulenta é caracterizado por
extrema turbulência de partícula sem grandes bolhas discretas ou vazias. O regime de fluxo
golfadas é caracterizado por uma partícula de transporte em fase densa que é facilitado por bolhas
cujo tamanho é comparável ao tamanho do diâmetro do tubo. O regime de fluxo de bolhas pode
ser similarmente caracterizado, contudo, as bolhas são muito menores. O regime de fluxo
fluidizado é caracterizado por partículas de bolhas dispersas ou de transporte em fase densa, sem
bolhas.
Mais dois regimes de fluxo podem ocorrer no sistema de transporte pneumático, mas não
são comuns no sistema de leito fluidizado. O primeiro é o regime de fluxo plug, o qual é
caracterizado por as partículas que são transportadas como tampões separados por lacunas de ar.
Por vezes, essas partículas caem para o fundo de um plug e se acumulam na parte da frente do
bujão consequente. Este fenômeno é conhecido como "chuva de partículas" e ocorre quando a
força de coesão entre as partículas é menor do que o peso das partículas. O pior cenário para os
designers de sistemas de transporte pneumático é o bloqueio. O estado do fluxo que faz com que
o bloqueio pode ser definido como um tipo de regime de escoamento.

3. OS GRUPOS NÃO-DIMENSIONAIS DOMINANTES DE VÁRIAS


VELOCIDADES DE TRANSIÇÃO

A fim de caracterizar os grupos não-dimensionais dominantes de várias velocidades de


transição, as forças principais que afetam o transporte de partícula tem que ser conhecidas. Quando
uma partícula individual é transportada em um tubo vertical as forças agindo sobre ela incluem
gravidade, saltos, arrasto e o produto de aceleração de partículas e massa. Para condições de estado
estacionário, a aceleração das partículas é igual a zero, enquanto a velocidade relativa do fluido-
partícula é constante e é igual a velocidade terminal (ou queda livre). A velocidade terminal é
usualmente calculada para três zonas: a Stokes, o intermediário e a zona de Newton. No entanto,
as equações tradicionais de velocidade terminal podem ser facilmente convertidas a ser expressas
pelos números de Reynolds e Arquimedes [9], em que o número de Arquimedes define a fronteira
entre diferentes zonas. O regime de Stokes é válido para Ar < 32.9 de acordo com:

O regime intermediário é válido para 32.9 < Ar < 106,520 de acordo com:

e o regime de Newton é definido de acordo com a Ar > 106,520:


Os números de Reynolds e Arquimedes podem ser usados não só para apresentar a
velocidade terminal, mas também para quase qualquer transição atribuída a velocidade vertical,
sistemas de duas fases, ou mesmo para sistema horizontal. Por exemplo, de acordo com
Rabinovich e Kalman e Kalman et al., os números de Reynolds e Arquimedes podem apresentar a
velocidade de captação e da velocidade de salto na horizontal e em pneumático e hidráulicos
sistemas.
Além das propriedades de partícula e de gás, a influência da taxa de fluxo de massa sólida
em diferentes velocidades de transição foi confirmada em literatura para muitos materiais e
sistemas diferentes. Quando há aumento da taxa de escoamento de sólidos a velocidade superficial
do gás também tem que ser aumentada para manter constante a velocidade de deslizamento.
Portanto, a velocidade de deslizamento é um parâmetro essencial para a análise de diferentes
experimentos de taxas de fluxo contínuo. Por exemplo, de acordo com Klinzing et al., para
transporte pneumático vertical a transição para o regime de fluxo fluidizado para regime de fluxo
pistão pode ser obtido igualando a velocidade de deslizamento com a velocidade de deslizamento
em bolhas dispersas mínima. Esta relação é apresentada de acordo com a:

onde εmf é a fração de vazio, Umf é a mínima velocidade de bolhas dispersas e U é a velocidade
de passagem do fluxo para o leito fluidizado que liga regimes de escoamento. Com base nos
mesmos princípios, qualquer velocidade de transição atribuída ao transporte pneumático pode ser
acoplada com a velocidade de transição equivalente a sistemas de leito fluidizado a ter em conta a
taxa de fluxo de massa sólida. Obviamente, as velocidades de bolhas dispersas mínima, bolhas
mínimo e golfadas mínimo tem as mesma características para transporte pneumático e sistemas de
leito fluidizado, e, portanto, pode ser facilmente acoplado. No entanto, não é claro qual velocidade
de transição dos sistemas de leito fluidizado pode ser acoplada com chocking clássica, chocking
acumulada e pressão de velocidade mínima. De acordo com Bi e Grace [5], a velocidade chocking
clássica pode ser apresentada pela velocidade para a qual o desvio padrão de flutuações de pressão
diferencial atinja um máximo, Uc, enquanto a velocidade de chocking acumulada pode ser
apresentada pela velocidade de arrasto. Nenhum acoplamento foi apresentado para a mínima
velocidade de queda de pressão. O Uc pode ser calculado de acordo com [5]:

e a utilização de acordo com [5]:

Ao utilizar a Equação (4) e o cálculo Uc e uso de acordo com as equações (5) e (6) as
velocidades de chocking clássicas e acumuladas podem ser definidas como:
Figura 2 apresenta a relação entre os valores calculados (com base nas Eqs. 7 e 8) e os
valores experimentais (retirado da literatura) das velocidades de chocking clássicas e acumuladas.
As referências e suas condições experimentais para as medições são resumidos nas Tabelas 6 e 8.

Deve ser salientado que, de acordo com Bi e Grace, a fração de vazio no ponto de chocking
acumulada é de cerca de 0,96 para o grupo de partículas Geldart A e em torno de 0,99 para os
grupos B e D. Uma vez que a maioria dos estudos referidos no Quadro 8 não fazem medir a fração
de vazio para condições de chocking acumulados, nós assumimos que seja de 0,99 para as
partículas do grupo B, 0,96-0,98 para partículas do grupo A. É claro da Figura. 2, que as
velocidades clássico e acumulado chocking previstas por Eqs. (7) e (8) são em acordo razoável
com os resultados experimentais para a relativamente pequeno intervalo de números de
Arquimedes. A precisão geral da velocidade chocking clássica prevista pela Equação (7) é
delimitada no intervalo de -60% a +30% (Figura 2a), enquanto a precisão geral da velocidade
chocking acumulada prevista pela Equação (8) é limitada na gama de -15% a +90% (Figura 2b).
Com base nos resultados apresentados na Figura 2, podemos afirmar que a velocidade aprisionada
e a velocidade de que o desvio padrão das flutuações de pressão diferencial atingem um máximo
não pode ser usada para definir o acumulado e velocidades de “chocking” clássicos.
Como explicado acima, a velocidade de deslizamento é um parâmetro chave para a
definição da relação entre a velocidade de transição de gás e a taxa de fluxo de massa sólida. No
entanto, às vezes é necessário calcular a velocidade de transição de acordo com a relação massa
carga sólida (η) ou relação de volume (CV) em vez das (ms) taxa de fluxo de massa sólida. É
importante notar que a concentração de volume ou a relação de volume é um não-dimensional e
não depende das densidades da partícula ou fluido. Por isso, é melhor apresentar o efeito da taxa
de fluxo de partícula, utilizando a concentração de volume em vez de taxa de fluxo de massa. Deve
também notar-se que a concentração em volume de sólidos circulantes não é necessariamente igual
à concentração média de volume de sólidos (unidade de menos de fração de vazio), que
comumente ocorre em tubulações.
Este fenômeno pode ser facilmente compreendido pela análise de uma estratificada
tubulação horizontal em um regime flow occurring. Em tais aflow regime, algumas das partículas
são apresentadas como um leito fixo na parte inferior do tubo e algumas são suspensas acima desse
leito. Por conseguinte, a concentração de volume de sólidos circulantes pode ser representada por
apenas as partículas em suspensão. No entanto, para calcular a concentração de volume médio
precisamos levar em conta tanto as partículas suspensas e estacionárias. Para o estado estacionário,
a concentração em volume de sólidos circulantes relaciona-se com a de alimentação ou de descarga
de sólidos, ao passo que a concentração média está relacionada com a circulante e sólidos fixos
apresentado no pipeline.
O volume concentração de sólidos em circulação pode ser encontrado por medição direta
ou usando a seguinte relação [9,14]:

Substituindo a taxa de fluxo de massa sólida apresentado na Equação. (4) pela concentração
em volume de sólidos circulantes:

Baseado nas equações (4) e (10), pode-se concluir que a transição de velocidade do regime
de fluxo de leito fluidizado para o regime de fluxo tampão pode ser calculada com base na taxa de
fluxo de massa sólida (Equação 4) ou usando a concentração em volume de sólidos circulantes
(Equação 10). Seguindo os mesmos princípios, alguma velocidade de transição arbitrária pode ser
definida como:
onde *Utr e Utr são as velocidades mínimas de transição para leito fluidizado e sistemas de
transporte pneumático, respectivamente. É interessante notar que de acordo com a Equação (12),
a concentração em volume de sólidos (CV) de circulação não pode ser igual a média volumétrica
da concentração aparecendo na calha (1-ε), a concentração que circula é sempre menor. Figura 3
apresenta os resultados calculados pela Equação (12) para as relações entre as velocidades de
transição, a fracção de vazios e a concentração em volume de sólidos. Uma vez que para sistemas
de transporte comum a concentração em circulação igual a 0,15 é quase o valor mais alto, podemos
concluir que, para fração de vazio valores inferiores a 0,6 do efeito de concentração circulante de
sólidos pode ser negligenciada. Além disso, se a concentração em circulação torna-se igual ou
muito perto da concentração de sólidos médio aparecendo na calha. A velocidade de transição
aumenta significativamente.
Com base nos resultados presentes na Figura 2 não está claro que as velocidades de
transição de sistemas de leito fluidizado podem ser acopladas com o chocking acumulado,
chocking clássico e pressão de mínima velocidade. Portanto, prefere-se analisar anteriores e
numerosos experimentos do chocking clássico, chocking acumulado e velocidades mínimas de
pressão para fundar a transição adequada de velocidade do sistema de leito fluidizado. Isto irá
permitir-nos a construir um fluxo diagrama generalizado regime que inclui a mínima pressão,
chocking acumulado, chocking clássico, mínima bolhas dispersas, bolhas mínimo e velocidades
mínimas Golfadas. O generalizado diagrama de regime de fluxo será baseado na relação geral das
velocidades de transição:

4. SISTEMAS DE LEITOS FLUIDIZADOS

Usando a abordagem de velocidade de deslizamento qualquer velocidade de transição para


sistemas de leito fluidizado pode ser relacionada a uma velocidade de transição do sistema de
transporte vertical. Por conseguinte, a fim de caracterizar diagrama regime de fluxo geral podemos
empiricamente analisar numerosas experiência presentes na literatura para as mínimas velocidades
dos padrões bolhas dispersas, bolhas e golfadas.
4.1 Velocidade mínima do padrão bolhas dispersas
A velocidade de transição mais significativa para sistemas de leito fluidizado é a velocidade
mínima de bolhas dispersas. Esta velocidade pode ser facilmente definida encontrando a
velocidade superficial do fluido para o qual a mínima queda de pressão no leito torna-se uma
constante. A literatura apresenta inúmeras medições experimentais da velocidade mínima de
bolhas dispersas, algumas das quais estão resumidas na Tabela 2. Estes experimentos se referem a
17 diferentes grupos de pesquisa utilizado 21 diferentes materiais com faixas de tamanho de
partícula de 0-5,18mm, faixas de diâmetro coluna de 0,025-0,308m, faixas de densidade de
partículas de 364-11,370kg/m³ e fração de vazios de 0,372-0,575. A maioria dos trabalhos utilizam
ar como fluido de fluidificação, no entanto, alguns conduzem os experimentos com Argônio,
Neônio, N2 e até mesmo água.

Tabela 2: Condições experimentais para velocidade mínima de bolhas dispersas da literatura.

A velocidade mínima de bolhas dispersas é fracamente afetada pelo diâmetro da coluna e


é quase independente da altura do leito. Por conseguinte, a influência destes parâmetros poderia
ser negligenciada. A Figura 4 apresenta as experiências de velocidade mínima de bolhas dispersas
da Tabela 2 em termos do número de Reynolds como função do número de Arquimedes. Uma vez
que a dispersão dos pontos experimentais é insignificante, uma correlação adequada pode ser
facilmente encontrada. A fim de encontrar limites precisos da correlação apresentamos os mesmos
experimentos em termos de grupos de classificação de Geldart, como mostrado na Figura 5. De
acordo com a essa Figura, a velocidade mínima de bolhas dispersas tem três tendências de
comportamento, dependendo do grupo de classificação Geldart. Deve ser observado que Bi e
Grace e Smolders e Baeyens já indicaram que os diferentes grupos de Geldart pode ser descrito
pelo número de Arquimedes. Para partículas do Grupo A (1<Ar<80) a relação é:
ReMF = 0.0008Ar (15)
Para partículas do grupo B (80<Ar<30,000):
ReMF = 0.000955Ar0.96 (16)
E para partículas do grupo D (30,000<Ar):
ReMF = 0.059Ar0.56 (17)
Ao unir as equações (15) - (17) com as equações (13) ou (14), e sabendo a concentração
em volume de sólidos circulantes podemos calcular a velocidade de transição, que caracteriza a
fronteira entre regimes de escoamento fluidizado e regime plug flow (note que UMF das equações
15- 17 torna-se U*MF para as equações 13 e 14).

Figura 4: Velocidades mínimas de bolhas Figura 5: Velocidades mínimas de bolhas


da literatura. dispersas apresentadas para relação entre o
número de Reynolds e de Arquimedes.
4.2 Velocidade mínima do padrão bolhas
De acordo com a classificação de Geldart, a diferença entre os grupos de partículas A e B
podem ser descritos pela expansão longitudinal do leito do grupo de partículas A após a velocidade
mínima de bolhas dispersas ser atingida e antes do regime de bolhas começar. Sobre as outras
partículas do grupo B, vão atingir o regime de bolhas imediatamente após a velocidade mínima de
bolhas dispersas. A velocidade mínima do regime de bolhas é geralmente encontrada através de
observações visuais da velocidade superficial mínima para a qual a primeira bolha atinge a
superfície superior do leito. A Tabela 3 resume experimentos anteriores relacionados a diferentes
condições de fluxo para velocidade de bolhas mínima. Estas experiências se referem a seis
diferentes grupos de pesquisa utilizados treze diferentes materiais com intervalos de tamanho de
partícula de 0-1,848mm, intervalos de diâmetro coluna de 0,025-0,308m, faixas de densidade de
partículas de 1000-2810kg/m3 e faixas de fração de vazio de 0,442-,675. A maioria dos trabalhos
utilizaram ar como fluido de fluidificação, embora alguns realizem os experimentos com Argônio,
Neônio e N2.

Tabela 3: Condições experimentais para velocidade mínima de bolhas da literatura.


Assim como para a velocidade mínima de bolhas dispersas, é aceitável negligenciar a
influência do diâmetro da coluna e da altura do leito na velocidade mínima de bolhas. A Figura 6
apresenta os experimentos de velocidade mínima de bolhas da Tabela 3 em termos do número de
Reynolds e de Arquimedes. Tal como esperado, os resultados do grupo B e D se sobrepõem com
as curvas de bolhas dispersas mínima, quando os resultados do grupo A exigem velocidades
maiores. De acordo com a Figura, a mínima velocidade tem três tendências de comportamento,
dependendo da classificação em grupos de Geldart. Para partículas Grupo A (1<Ar<80) a relação
é:
ReMB = 0.0055Ar 0.56 (18)
Para partículas do grupo B (80<Ar<30,000):
ReMB = 0.000955Ar 0.96 (19)
E para partículas do grupo D (30,000<Ar):
ReMB = 0.059Ar 0 .56 (20)
Ao unir as equações (18) - (20) com as equações (13) ou (14), e sabendo a concentração
em volume de sólidos circulantes pode-se calcular a velocidade de transição, que caracteriza a
fronteira entre regime de bolhas e plug ou de regimes de bolhas dispersas (note que UMB de
equações. 18-20 torna-se U*MB para as equações 13 e 14).

Figura 6: Velocidades mínimas de bolhas apresentadas para relação entre o número de


Reynolds e de Arquimedes.

4.3 Velocidade mínima do padrão golfadas


Outra velocidade de transição importante para sistemas de leito fluidizado é a velocidade
mínima de golfadas. Esta velocidade é geralmente encontrada analisando as flutuações de pressão
no interior do leito fluidizado. O início do regime de golfadas é caracterizado pela mínima
velocidade superficial do gás para o qual a frequência da oscilação da pressão obtém um valor
constante. Em contraste com as velocidades mínimas de bolhas dispersas e bolhas, a literatura
apresenta muito menos experimental os dados sobre a velocidade mínima de golfadas. Além disso,
de acordo com vários estudos, a velocidade mínima de golfadas depende na altura do leito e do
diâmetro da coluna. Baeyens e Geldart relataram que a velocidade mínima de golfadas diminui
com reduções no diâmetro da coluna. Além disso, de acordo com Baeyens e Geldart e Dimattia
Amyotte e, a velocidade mínima de golfadas diminui com o aumento da altura do leito. No entanto,
há algum valor crítico da altura do leito para que qualquer aumento adicional a altura do leito não
altere a velocidade mínima de golfadas.
De acordo com Broadhurst e Becker, através do aumento da proporção entre a altura do
leito e o diâmetro da coluna velocidade mínima de golfadas diminui. Estes autores mostram que a
velocidade mínima de golfadas diminui até H/D = 6 ÷ 30, quando o exato valor crítico da relação
depende principalmente do tamanho da partícula. Para altas razões entre a altura do leito e o
diâmetro da coluna a velocidade é constante. Uma vez que para o transporte pneumático comum
sistemas quando operando no regime de golfadas, a golfada ocupa um grande comprimento do
duto vertical, é razoável supor que a altura do leito é muito maior do que o diâmetro da coluna.
Portanto, o critério da altura do leito e a relação do diâmetro da coluna são válidas, e a influência
da altura e coluna de leito diâmetro pode ser negligenciada.
A Tabela 4 resume as experiências anteriores relacionados com diferentes condições de
fluxo para velocidades mínimas de golfadas. As experiências se referem a quatro grupos de
investigação diferentes utilizando oito diferentes materiais, com faixas de tamanho de partícula de
o,058-5,2 mm, intervalos de diâmetro da coluna de 0,025-0,308 m, faixas de densidade de
partículas de 1.125-2.680 kg / m3 e faixa de fração de vazios de 0,46-0,73. Aa velocidades mínimas
de golfadas medidas apresentadas pelo Baeyens Geldart e e Ho et al. foram realizadas utilizando
o método de flutuação da pressão. Broadhurst e Becker determinaram o aparecimento de golfadas
por observações visuais. De Wilhelm e Kwauk relataram medições de bolhas dispersas detalhadas
que nos permitiu definir o início do padrão de golfadas, indicando que a velocidade causa
significativa expansão do leito. Todas estes obras utilizam ar como fluido de bolhas dispersas. As
análises seguintes das velocidades mínimas de golfadas levam em conta apenas as experiências
relacionadas com alturas de leitos muito maior do que o diâmetro da coluna.

Tabela 4: Condições experimentais para velocidade mínima de golfadas da literatura.

Figura 7 apresenta as velocidade mínima de golfadas dos experimentos da Tabela 4 em


termos do número de Reynolds como função do Número de Arquimedes. Exceto os de Broadhurst
e Becker, todas as outras medidas podem ser previstas com precisão elevada por um curva média
específica. A razão mais lógica para a dispersão em Broadhurst e experiências de Becker são os
diferentes métodos de medir a velocidade mínima de golfadas. Além disso, é razoável supor que
a sua observação visual do início de regime de golfadas assuma um valor menor de velocidade
mínima de golfadas em comparação ao método de análise de flutuação da pressão. De acordo com
a Figura 7, a velocidade mínima de golfadas dos grupos de partículas A, B e D podem ser
apresentados pela seguinte relação de lei de potência:
REMS = 0.059Ar0,56 (21)
É interessante que a velocidade mínima de golfadas sobrepõe as velocidades mínimas de
borbulhamento e de bolhas dispersas para o grupo de partículas D (30.000<Ar) e para os grupos
de partículas A e B tem um valor maior. Ao unir Equação (21) com as equações. (13) ou (14), e
conhecendo a concentração do volume de sólidos circulantes podemos calcular a a velocidade de
transição, que caracteriza o limite entre regime de golfadas e “plug” ou regimes de escoamento
borbulhante (nota que UMS de Equação 21 torna-se UMS * Para as equações. 13 e 14).

Figura 7: Velocidades mínimas de golfadas apresentadas para relação entre o número de


Reynolds e de Arquimedes.

5. SISTEMAS DE TRANSMISSÃO PNEUMÁTICA VERTICAL

As seções seguintes analisam diversos velocidades de transição sistema s de transmissão


pneumática vertical para compreender a influência do diâmetro do duto a para fazer correlações
adequadas para velocidade de transição.

5.1 Velocidade de Estrangulamento Clássica


A literatura apresenta uma série de métodos para medir a velocidade de estrangulamento
clássica. Ademais, três estudos compararam alguns dos métodos, mas eles associaram-se a
somente características especificas de partícula, portanto, é difícil definir a precisão de alguns
métodos.
A velocidade de estrangulamento clássica é definida como a transição entre os regimes de
escoamento de bolhas dispersas rápida ou diluída e o regime de escoamento pistonado. A aparência
dos pistões permite encontrar uma velocidade de transição relativamente simples e precisa. Como
resultado, alguns dos estudos mais recentes determinaram a velocidade de estrangulamento
clássica por observações visuais. Entretanto, trabalhos recentes usam técnicas mais precisas,
muitas das quais são baseadas em mudanças de flutuação de pressão ou em alterações de fração
de vazio com diminuição da velocidade superficial ao manter a vazão mássica de sólidos constante.
Alguns métodos únicos para medir as velocidades de estrangulamento clássicas também podem
ser encontrados na literatura. Por exemplo, de acordo com Drahos et al. a velocidade de
estrangulamento clássica pode ser determinada ao medir a queda de pressão por unidade de
comprimento para a parte superior no duto ao passo que diminui-se a velocidade superficial de
fluidos. De acordo com esses autores, a velocidade de estrangulamento clássica é caracterizada
por valores de queda de pressão máximos. Deve ser enfatizado que esta técnica não foi comparada
com nenhum outro método. Ademais, Costa et al. relatou que para partículas que eles estudaram,
nenhuma máxima queda de pressão versus velocidade superficial de fluidos foi detectada.
A Tabela 5 resume os métodos mais comumente usados para determinar a velocidade de
estrangulamento clássica. De acordo com Satija et al. os métodos c e d na Tabela 5 mostram
resultados muito parecidos, portanto os dois podem ser usados para definir a velocidade de
estrangulamento clássica. Grbavcic et al. compararam os métodos c e d com medidas de velocidade
de pressão mínima, e descobriram que os valores de pressão mínima são levemente maiores que
os valores derivados pelos métodos c e d. esta conclusão também é confirmada por Costa et al.
que mostraram que a razão entre valores de pressão mínima e o método d na Tabela 5 varia entre
0.96 e 1.26. Ambos usaram partículas muito grandes. (Grupo D na classificação de Geldart).
Finalmente, conclui-se que o desvio padrão das flutuações de pressão podem ser efetivamente
usados para determinar precisamente a velocidade de estrangulamento clássica. A Tabela 6 resume
diversos experimentos da literatura relacionados com diferentes condições de escoamento para
determinar a velocidade de estrangulamento clássica. 8 diferentes grupos de pesquisa usaram 8
diferentes materiais referentes a faixas de tamanhos de partícula de 0.04-3.4 mm, faixas de
diâmetro de coluna de 0.02-0.148, faixas de densidade de partículas de 911-7850 kg/m3, faixas de
carregamento de sólidos de 0.1-70.2 e faixas de porosidade de 0.94-0.994. Ar é o fluido
transmissor para todos os estudos.

Tabela 5: Métodos mais comuns utilizados para determinar as velocidades clássicas “chocking”.

A Figura 8 mostra todos os experimentos relacionados com a velocidade de


estrangulamento clássica da Tabela 6 em termos de número de Reynolds modificado como uma
função de número de Arquimedes. De acordo com esta Figura, a velocidade de estrangulamento
clássica pode ser mostrada pela seguinte relação de lei de potência.

onde o número de Reynolds modificado é definido como:

Notar que o coeficiente da lei de potência da velocidade de estrangulamento clássica é igual


aos coeficientes de lei de potência das velocidades de mínima bolhas dispersas e de mínimo
borbulhamento das partículas do grupo D. e a mínima velocidade de pistonamento para os 3 grupos
de partícula.

Figura 8: Velocidades clássicas “chocking” apresentadas para relação entre o número de


Reynolds e de Arquimedes.

Para checar a influência do diâmetro da coluna sobre a velocidade de estrangulamento


clássica, diâmetros de coluna diferentes com outras condições de operação fixas devem ser
comparados. Infelizmente, baseando-se nos atuais dados de literatura, há poucos experimentos que
podem ser feitos com o mesmo material, tamanho de partícula e razoes de carregamento de solido.
Isto pode ser compreensivamente investigado no futuro, mas atualmente, pode-se comparar
experimentos do mesmo material com faixa estreita de razoes de carregamento de solido. Ademais,
de acordo com a Equação 22, a velocidade de estrangulamento clássica é uma função de d0.68 e
portanto a influência do diâmetro da partícula pode ser normalizada ao mostrar uma razão da
velocidade de estrangulamento sobre o d0.68. A Figura 9 mostra a razão entre velocidade de
estrangulamento clássica e o d0.68 como uma função do diâmetro da coluna para partículas de
vidro e razões de carregamento de solido na faixa de 3-11. Nenhuma tendência nítida entre os
parâmetros recentes pode ser achada. No entanto, dispersão em quase todos os experimentos estão
delimitados na faixa de 25%, para mais ou menos.
Figura 9: Influencia do diâmetro da coluna na velocidade clássica “chocking”.

Para checar a precisão geral da relação mostrada na Equação 22, os valores experimentais
da Tabela 6 foram comparados àqueles calculados na Equação 22. Os resultados foram mostrados
na Figura 10a como uma função entre os números de Reynolds experimental e calculado como
uma função da razão entre o diâmetro da coluna experimental e o diâmetro da coluna de 50 mm.
Adicionalmente, a Figura 10b mostra a razão entre os números de Reynolds experimental e
calculado como uma função da razão entre os diâmetros das partículas sobre os da coluna. Ambas
Figuras não mostram uma tendência nítida entre os parâmetros atuais. No entanto, dispersão em
quase todos os experimentos estão delimitados na faixa de 30%, para mais ou menos. Os
experimentos de CC10 foram conduzidos por um método incomum (método e na Tabela 5) e
portanto podem ser a causa da dispersão vista lá. Pode ser notado que para a maioria dos sistemas
de transmissão pneumática, 30% de dispersão é aceitável.

Tabela 6: Condições experimentais para velocidade clássica “chocking” da literatura.


Figura 10: Comparação dos resultados de velocidade clássica “chocking” baseados nas Equações
(22) e medições experimentais: (a) função do diâmetro da coluna; (b) a função de partícula em relação ao
diâmetro da coluna.

Baseando-se nas Figuras 9 e 10, conclui-se que diâmetros de coluna na faixa de 2 a 15 cm


e razoe s de diâmetro de coluna na faixa de 10-3 a 10-1 a influência do diâmetro da coluna está
dentro da faixa de erro experimental, e portanto pode ser desconsiderada.

5.2 Velocidade de Estrangulamento Acumulado


Estudos experimentais usando métodos diferentes para medir a velocidade de
estrangulamento acumulada estão disponíveis na literatura. No entanto, insuficientes trabalhos
comparam os diferentes métodos e como resultado, os valores medidos que referem-se a diferentes
métodos podem mostrar uma grande dispersão.O método mais comumente usado para definir a
velocidade de estrangulamento acumulado é medir a queda de pressão por unidade de
comprimento ao aumentar o fluxo de solido. A transição é caracterizada por um aumento rápido
na tendência de queda de pressão com um aumento no fluxo de solido. Outros métodos para medir
a velocidade de estrangulamento acumulado estão na Tabela 7. A Tabela 8 resume os
experimentos da literatura associados a condições de fluxo diferentes para determinar a velocidade
de estrangulamento acumulado. 9 grupos de pesquisa distintos usaram 8 diferentes materiais
associados a faixas de tamanhos de partícula de 0.038-0.234 mm, faixas de diâmetro de coluna de
0.05-0.2 m, faixas de densidade de partícula de 750-7400 kg/m3 e faixas de carregamento de solido
de 0.1-30. Ar é o fluido transmissor para todos os estudos.
A Figura 11 mostra os experimentos de velocidade de estrangulamento acumulado da
Tabela 8 em termos do número de Reynolds modificado como uma função do número de
Arquimedes. Pode-se notar que velocidades de estrangulamento acumulado de partículas
relativamente grandes (80<Ar) se sobrepõem a correlação de velocidade de estrangulamento
clássica. Isto pode explicar a ausência de experimentos de velocidade de estrangulamento
acumulado para partículas grandes. Além disso, as velocidades de estrangulamento acumulado e
clássico diferem para números de Arquimedes menores que 80. Como mostrado acima para
experimentos de velocidade de fuidização mínima, um número de Arquimedes igual a 80 define
os limites entre grupos A e B de Geldart.

Figura 11: Velocidade de Estrangulamento acumulada mostrada


Figura 12: Influencia do diâmetro da coluna na velocidade de
pela relação de lei de potência entre os números de Reynolds
estrangulamento acumulado.
modificado e o de Arquimedes.

De acordo com a Figura 11, a velocidade de estrangulamento acumulado tem duas


tendências de comportamento, ambas das quais seguem uma relação de lei de potência. Para
1<Ar<80, a relação é definida como
Re*AC = 2.06Ar0.33 (24)
E para 80<Ar como
Re*AC = 0.75Ar0.56 (25)
O número de Reynolds modificado é definido como
De acordo com a Figura 11, o regime de escoamento situado entre velocidades clássica e
acumulada de estrangulamento é bastante estreito, que torna isso muito difícil de definir e medir.
Aparentemente, este regime de escoamento relaciona-se com o regime de bolhas dispersas
turbulento.
Xu et al. reportaram que o diâmetro da coluna influencia na velocidade de estrangulamento.
Eles mostraram que aumentar o diâmetro da coluna e manter uma taxa constante de circulação de
sólidos causa uma diminuição na velocidade de estrangulamento acumulado para o grupo A de
Geldart e um aumento para partículas do grupo B.
De modo a verificar como o diâmetro da coluna influencia a velocidade de estrangulamento
acumulado, diâmetros de coluna diferentes com outras condições de operação deveriam ser
comparados. De acordo com a Tabela 8, os materiais mais comuns para medição de velocidade de
estrangulamento acumulado são as partículas de FCC. Além disso, de acordo com a Equação 24,
a velocidade de estrangulamento acumulado não é influenciada pelo diâmetro da partícula. O efeito
exato do diâmetro da coluna será compreensivamente investigado no futuro, mas atualmente,
pode-se comparar os experimentos de partícula de FCC que foram conduzidos com diferentes
diâmetros de coluna e faixas estreitas de carregamento de solido, como mostrado na Figura 12.
Nenhuma tendência nítida entre os parâmetros presentes pode ser encontrada, entretanto, dispersão
em quase todos os experimentos estão situados na faixa de 25%, para mais ou para menos.
Para checar a precisão geral da relação mostrada nas equações 24 e 25, compara-se os
valores experimentais de velocidade de estrangulamento acumulado aos calculados usando a
Equação 24 e 25. Os resultados estão apresentados em termos de razão entre números de Reynolds
experimentais e calculados, como uma função da razão entre o diâmetro de coluna experimental e
o de coluna de 50 mm. (Figura 13a). Adicionalmente, a Figura 13b mostra os resultados da razão
entre números de Reynolds experimental e calculado como uma função da razão entre diâmetro
da partícula e diâmetro da coluna. A Figura 13 não mostra nenhuma tendência nítida entre os
parâmetros. No entanto, quase todos os experimentos estão situados na faixa de 30%, para mais
ou menos. Uma possível razão para os pontos dispersarem pode ser o fato de que os valores de
fração de vazio foram assumidos e não medidos. Baseado nas Figuras 12 e 13, conclui-se que para
diâmetros de coluna na faixa de 5 a 20 cm e razões partícula-coluna na faixa de 3*10-4 a 4*10-3, a
influência do diâmetro da coluna está na faixa de erro experimental e portanto pode ser
desconsiderada.
Figura 13: Comparação dos resultados da velocidade de estrangulamento acumulada baseados nas equações 24 e 25 e
medidas experimentais. (a) função do diâmetro da coluna; (b) função da razão de diâmetro da partícula sobre diâmetro
da coluna.

5.3 Velocidade de Pressão Mínima


Um dos modos mais comuns de retratar sistemas de transmissão pneumática é pelo
diagrama de estado (Diagrama de Zenz). Este diagrama mostra a queda de pressão diferencial por
unidade de comprimento de tubulação como uma função da velocidade de gás superficial. Isto
também define um ponto muito importante de velocidade de pressão mínima para as curvas de
pressão referentes a vazão mássica constante de sólido. Ao operar o sistema de transmissão
pneumática perto da velocidade de pressão mínima (levemente acima), o consumo de energia é
diminuído significantemente para escoamentos de fase diluída.
A Tabela 9 resume os experimentos da literatura relacionados a diferentes condições de
escoamento para determinar a velocidade de pressão mínima. Sete grupos de pesquisa distintos
usaram diferentes materiais referentes a faixas de tamanho de partícula de 0.02-2.85 mm, faixas
de diâmetro de coluna de 0.02-0.192 m, faixas de densidade de partícula de 1050-2620 kg/m3,
faixas de razão de carregamento de sólidos de 0.7-23.8 e faixas de fração de vazio de 0.925-0.999.
Ar é o fluido transmissor para todos os estudos. Habitualmente, o regime de escoamento diluído
corresponde a razões de escoamento de massa de sólido de 0-15, uma faixa que foi confirmada por
quase todos os experimentos, com exceção de Mok et al. and Wang et al. Os experimentos de
Costa et al. foram conduzidos usando três diferentes dispositivos de alimentação: um alimentador
de leito jorrado, um alimentador em parafuso e um alimentador gravitacional. Conforme este
trabalho, o alimentador gravitacional permite operação a uma vazão mássica de solido constante
para uma faixa de condições bastante estreita. Sendo assim, os resultados experimentais mostrados
na Tabela 9 incluem apenas os resultados de alimentador em parafuso e de alimentador de leito
jorrado.
A Figura 14 exibe experimentos de velocidade de pressão mínima da Tabela 9 em termos
de número de Reynolds modificado como uma função de número de Arquimedes. Pode-se notar
que as medições de velocidade de pressão mínima para partículas maiores (30000<Ar) sobrepõem-
se a correlações de velocidades de estrangulamento clássica e acumulada. As medições de
velocidade de pressão mínima têm duas tendências de comportamento, ambas das quais seguem
uma relação de lei de potência. Para Ar < 30000, esta relação é definida como

Onde o número de Reynolds modificado é definido como

Figura 14: Velocidade de pressão mínima mostrada na relação de lei de potência entre os números de Reynolds modificado e o de
Arquimedes.

Conforme Klinzing et al. quando a velocidade do gás é reduzida abaixo da velocidade de


pressão mínima, partículas solidas não são mais dispersas uniformemente. Carreamento pistonado
pode ocorrer (que é realmente confirmado por analise de partículas grossas). Do contrário,
agrupamento de partículas aparece, que são análogos a um rápido regime de escoamento de bolhas
dispersas. Sendo assim, conclui-se que o regime de escoamento situado entre velocidade de
pressão mínima e velocidades de estrangulamento clássica ou acumulada associa-se a um rápido
regime de escoamento de bolhas dispersas.
Costa et al. descobriu que ao aumentar o diâmetro da coluna, a velocidade de
estrangulamento decresce. Entretanto, os experimentos foram conduzidos com valores distintos de
vazão mássica de sólidos, então é difícil detectar nitidamente o efeito do diâmetro da coluna.
Para checar a influência do diâmetro da coluna sobre a velocidade de pressão mínima,
diferentes diâmetros de coluna com outras condições de operação fixas deveriam ser comparados.
Infelizmente, baseado no mostrado nos dados da literatura, não há muitos experimentos que foram
feitos com o mesmo material, tamanho de partícula e razoes de carregamento de sólidos. A
comparação mais apropriada pode ser feita ao usar os mesmos princípios usados para velocidades
de estrangulamento clássica e acumulada. Conforme a Equação 27, a velocidade de pressão
mínima é função de d-0.19, sendo assim, a influência do diâmetro da partícula pode ser normalizada
ao apresentar a razão entre a velocidade de pressão mínima e d-0.19, como exibido na Figura 9. Esta
Figura sumariza experimentos da Tabela 9 das partículas de vidro e razoes de carregamento de
sólidos na faixa de 3-10. De acordo com a Figura 9, nenhuma tendência nítida entre os parâmetros
atuais pode ser encontrada. No entanto, dispersão em quase todos os experimentos são delimitados
na faixa de 25%, para mais ou menos. Para checar a precisão geral da relação apresentada nas
equações 27 e 28, compara-se os valores experimentais da velocidade de pressão mínima àqueles
calculados usando equações 27 e 28. Os resultados são exibidos em termos de razão entre o número
de Reynolds experimental e o calculado como função da razão entre o diâmetro da coluna
experimental e o diâmetro de coluna de 50 mm (Figura 16ª). A Figura 16b apresenta a razão entre
o número de Reynolds experimental e o calculado como função da razão entre os diâmetros da
partícula e da coluna.

Figura 15: Influencia do diâmetro da coluna na velocidade de pressão mínima.

De acordo com a Figura 16, não há uma tendência nítida entre os parâmetros mostrados.
No entanto, quase todos os experimentos estão delimitados na faixa de 30%, para mais ou menos.
Figura 16: Comparação dos resultados da velocidade de estrangulamento acumulada baseados nas equações 27 e 28 e medidas
experimentais. (a) função do diâmetro da coluna; (b) função da razão de diâmetro da partícula sobre diâmetro da coluna.

Baseados nas Figuras 15 e 16, conclui-se que para diâmetros de coluna na faixa de 2 a 20
cm, e razoes de tamanho de partícula sobre coluna na faixa de 3*10-4 a 4*10-2, a influência do
diâmetro da coluna está dentro da faixa de erro experimental e portanto pode ser desconsiderada.

6. DIAGRAMA DO REGIME DE ESCOAMENTO GENERALIZADO

Com base na análise teórica e empírica apresentada acima, de Arquimedes e do número de


Reynolds modificado pode definir qualquer velocidade de transição para o transporte pneumático
vertical e sistemas de leito fluidizado. A Equação geral para várias velocidades de transição segue
uma lei de relação de potência:

(30)
Onde o número de Reynolds modificado é definido como:

(31)

Os coeficientes proporcionais adequados e a lei dos coeficientes da potência (C e M) e do


range adequados para cada velocidade de transição são apresentados na Tabela 10. Esta Tabela
resume os coeficientes para uma bolhas dispersas mínima, minimo para escoamento de bolhas,
minimo para escoamento pistonado, accumulated choking, classical choking e velocidades
mínimas de pressão que se refere ao número de Arquimedes.
Com base na relação de lei de potência apresentado por Equação30 e Tabela 10, foram
capazes de definir um diagrama de regime de escoamento generalizado, conforme mostrado na
Figura 17. O diagrama apresenta os regimes de leito fixo, bolhas dispersas rápida, leito turbulento,
leito em fase densa lenta(slug), leito borbulhante, transporte pneumático.
Note que a velocidade referente à transição entre o transporte pneumático de suas partículas
e o bloqueio da pipeline esteja ausente a partir do diagrama, devido a uma base teórica e empírica
muito pobre apresentada na literatura.
A literatura propõe alguns modelos teóricos que tentam definir as condições de bloqueio
através da comparação das forças de atrito, arrasto, gravidade e de adesão, no entanto, a base
experimental desses modelos é inadequada.
Os termos não-dimensionais do diagrama nos permitirá encontrar um estado de fluxo
adequado para qualquer propriedade ou partículas de gases. Geralmente as propriedades de sólidos
e a taxa de fluxo de massa de sólidos são conhecidos.
Por isso, a fim de usar a Equação30 e diagrama de regime de escoamento generalizado
apresentado pela Figura17 apenas a fração de vácuo é um parâmetro desconhecido. No entanto,
não são valores adequados para a fração de vácuo para qualquer velocidade de transição. De acordo
com as Tabelas 2-4,6,8 e 9 esses valores são iguais para 0.4-0-5 para a velocidade mínima de
bolhas dispersas, 0.5-0.6 para a velocidade mínima do leito borbulhante, 0.6-0.7 para velocidade
mínima pistonada, 0.9-0.99 para accumulated coking velocidade e 0.98-0.999 para velocidade
mínima de pressão.
Baseado na Figura17 a transição entre vários regimes de escoamento depende do número
de Archimedes. Para o grupo A, o aumento da velocidade começa a mudar a hidrodinâmica do
leito desde o leito fixo, começa o limiar da mínima bolhas dispersas, passando pelo leito
borbulhante, leito turbulento, bolhas dispersas rápida e finalmente o transporte pneumático de suas
partículas. No caso do grupo B, as partículas desse grupo sofrem as mesmas transições de regime
do grupo A, exceto que há ocorrência de bolhas antes de se atingir a velocidade mínima de bolhas
dispersas. As partículas do Grupo C formam canais no leito e depois seguem formando leito em
fase densa (slug flow), bolhas dispersas rápida e finalmente transporte pneumático de suas
partículas. Finalmente as partículas do grupo D formam jatos ou jorros de ar (bolhas) transportando
as partículas em leito lento (golfadas), com o aumento da velocidade, o leito de partículas deste
grupo entra em bolhas dispersas rápida e finalmente transporte pneumático.
Deve salientar-se que, em contraste com o caso em que a velocidade do fluido diminuindo,
devido a um aumento da taxa de fluxo de massa sólida, e uma velocidade superficial constante do
gás pode não ocorrer para todos os regimes de fluxo no sistema de transporte.
Este fato pode ser facilmente verificado por comparação das alterações do número de
Reynolds modificado a partir de um regime de leito fixo para os valores mais significativos da
concentração do volume de sólidos em circulação. Desde o maior valor da concentração de volume
de sólidos em circulação para sistemas práticos seja de cerca de 0,15 e a fração de vazio de fase
mais densa seja em torno de 0,4 a função representada na Equação31, dá um valor de cerca de 0,9.
Isso significa que a queda máxima do número de Reynolds modificado para um aumento da taxa
de fluxo de massa sólida, mantendo a constante velocidade superficial do gás é de cerca de dez
por cento.
7. CONCLUSÕES

Baseado em inúmeros estudos experimentais e teóricos, possíveis regimes de escoamento


para sistemas de leito fluidizado e transporte pneumático vertical foram definidos e caracterizados.
Verificou-se que há uma relação entre o número de Reynolds e Arquimedes, e que a fração de
vazio e a concentração volumétrica de sólidos em circulação são os parâmetros mais precisos para
definir as velocidades de transição em sistemas verticais.
Analisamos também empiricamente as condições operacionais de “chocking” clássica,
“chocking” acumulada, pressão mínima, mínima bolhas dispersas, mínimo borbulhando e mínimo
golfadas de velocidades a fim de compreender as transições entre diferentes regimes de
escoamento.
Com base nos nossos resultados, podemos concluir que todas as velocidades de transição
seguem a relação entre o número de Reynolds e Arquimedes modificados.
A análise empírica de dezenas de experiências relacionadas à “chocking” clássica, e
acumulada de velocidades mostrou que uma variação de diâmetro da coluna não afeta
significativamente a velocidade de transição específica.
Portanto, o efeito do diâmetro da coluna em várias velocidades de transição pode ser
negligenciado. Uma das inovações mais significativas deste estudo é a nossa conclusão de que os
grupos de classificação do Geldart relacionam não só aos sistemas de leito fluidizado, mas também
para sistemas de transporte pneumático.
Além disso, nós desenvolvemos um diagrama de regime de escoamento generalizado para
transporte pneumático vertical e sistemas de leito fluidizado. Com base neste diagrama, o regime
de fluxo refere-se às propriedades de partículas e sistema específico através do qual uma taxa de
fluxo de massa sólida ou uma relação sólida de carregamento pode ser facilmente encontrada. Mais
estudos teóricos e empíricos são necessários para definir a transição entre o regime de escoamento
do plug e o bloqueio de pipeline.

8. REFERÊNCIAS

F.A. Zenz, Two-phase fluid-solid flow, Industrial and Engineering Chemistry 41 (1949)
2801–2806.
L.S. Leung, Vertical pneumatic conveying: a flow regime diagram and a review us non-
choking systems, Powder Technology 25 (1980) 185–190.
G.E. Klinzing, R.D. Marcus, F. Rizk, L.S. Leung, Pneumatic conveying of solids, a
theoretical and practical approach, Second EditionChapman & Hall, 1997.
G.S. Lee, S.D. Kim, Bed expansion characteristics and transition velocity in turbulent
fluidized beds, Powder Technology 62 (1990) 207–215.
H.T. Bi, J.R. Grace, Flow regime diagrams for gas-solid fluidization and upward transport,
Journal of Multiphase Flow 21 (1995) 1229–1236.
M. Horio, H. Ishii, M. Nishimuro, On the nature of turbulent and fast fluidized beds,
Powder Technology 70 (1992) 229–236.
F. Rizk, A comparison between horizontal and vertical pneumatic conveying systems
considering the optimal operating conditions, Journal of Powder & Bulk
Solids Technology 7 (1983) 5–11.
S.I. Plasynski, G.E. Klinzing, M.P. Mathur, High-pressure vertical pneumatic transport
investigation, Powder Technology 79 (1994) 95–109.
A. Rautiainen, G. Stewart, V. Poikolainen, P. Sarkomaa, An experimental study of vertical
pneumatic conveying, Powder Technology 104 (1999) 139–150.
F.J. Wang, J.X. Zhu, J.M. Beeckmans, Pressure gradient and particle adhesion in the
pneumatic transport of cohesive fine powders, International Journal of Multiphase
Flow 26 (2000) 245–265.
Y. Tsuji, R.Asano, Fundamental investigation of plug conveying of cohesionless particles
in a vertical pipe, The Canadian Journal of Chemical Engineering 68 (1990) 758–767.