You are on page 1of 13
CMCG | PRF/2014 - LITERA, ALUNO N°: NOM 18 QUESTAO (25 escores) MULTIPLA ESCOLHA ESCOLHA A UNICA RESPOSTA CERTA, ASSINALANDO-A COM UM "X" NOS PARENTESES A ESQUERDA E TRANSCREVA-A PARA A TABELA DE RESPOSTAS. SO SERAO CONSIDERADAS AS OPCOES ASSINALADAS NA TABELA DE RESPOSTAS ‘AQ FINAL DESTA QUESTAO. 01. Os estilos de época podem ser entendidos como conjuntos de normas que orientam a literatura de forma predominante, mas nao exclusiva, num dado momento de sua evolugéo. Sobre o estilo de época Romantismo s@ NAG é correto afirmar que (A) foi no Romantismo gle o romance se firmou e adquiriu as formas e as significagdes com que hoje 0 conhecemos. (B) & no Romantisro que se configura e se firma na literatura brasileira a prosa de ficcdo, tendo em José de Alencar a sua maior expressao. (‘C) 0 Romantismo brasileiro, ajustando-se 4 alma do povo, propiciou a melhoria e ampliacao do publico para 9 romajice, a poesia e 0 teatro, bem como a constituigéo entre nés da carreira literaria. ((D) um dos tragos caraclerizadores da produgo postica do Romantismo é a preferéncia por uma linguagem figurativa © metaférica. (E) 0 Romantismp exprime o homem em desequilibrio, em busca de sua unidade dissolvida por um thundo em que a existéncia humana ja nao correspondia a definicao de sua esséncia. 02. Desde 0 povoament eurapeu do nosso pais, valores culturais foram aqui implantados, direcionando as opgées de géneros e de temas dos nossos escritores. E 0 que se pode observar em A Moreninha, de Joaquim Manuel de Maced®, e em Lucio/a, de José de Alencar, ja que esses dois ficcionistas (A) mostram uma fesme tendéncia estilistica da prosa, predominante na Europa desde o inicio do século XVIII. (B) desenvolvem seus temas e suas personagens a partir dos relatos dos primeiros colonizadores europeus. ((C) expressam as |deias filoséficas imediatamente anteriores ao Iluminismo e ao Enciclopedismo ‘europeus. ((D)devem muito de sia forca as influéncias de romances europeus cujo foco estava na sociedade burgues) do século XIX. (E) expandem o tema fomantico da superioridade da cultura primitiva sobre a da aristocracia dominante. 18 CHAMADA| 02 | VS" JALUNO N°: TURMA: Cap Jolaneli 03. Nas palavras de G.N., no inicio do livro Luciola, hé a seguinte afirmativa: "A sua descri¢éo néo tem pretensées a vestal. E musa cristé: vai trilhando 0 pé com os olhos no céu.”. Nesse trecho considera- se 0 perfil psicolégico da personagem Lucia por meio de uma metafora. Esta metdfora pode ser considerada como uma (A) referéncia a valorizacio da virgindade ~ um tabu na sociedade do século XIX. (B) referéncia 4 mulher Gomo simbolo da seducao e erotismo; uma “bacante infrene” aos olhos dos homens. (C) alusdo a mulher que no abismo da perdic&o conserva a pureza da alma. (D) referéncia & mulher de personalidade inconstante e indecifrével, sobre a qual ndo se tem controle. (E) alusdo a mulher mundana, que sendo um mero objeto sexual, deve ser usada e ndo amada 04. Sobre o romance Iragema, de José de Alencar, é INCORRETO afirmar que (A) 0 sentimento amojoso, forte e constante, tanto de Iracema para o portugués Martim quanto deste para 9 india, justifica as duras acdes colonizadoras. (B) destaca a misegenegao como a verdadeira origem do povo brasileiro. A morte de Iracema simbolizaré 0 Gesapsrecimento do indio para que a raca brasileira seja criada nos moldes: portugueses. (C) 0 livro tem o Subtitilo de “ lenda do Cearé” e possui uma a linguagem que é um misto de narragao e des¢ricao lirica. ((D) é uma obra de teor nacionalista em que hd uso da cor local, destacando a natureza bela e selvagem do Brasil (E) incorpora, em Seu Vocabulario, termos indigenas visando| & construcéo de uma lingua mais “brasileira” Leia os textos I e II, do romance Memérias de um sargento de milicias, e responda ao item 05. Texto I “[..JEra a sobrinha Je Dena Maria ja muito desenvolvida, porém que, tendo perdido as gracas de menina, ainda nao tinha edquirido a beleza de moca: era alta, magra, palida: andava com o queixo enterrado no peito, trazia as pélpebras sempre baixas, e olhaya a furto; tinha os bracos finos e compridos; 0 cabelo, cortado, dava-lhe apenas até 0 pescoco e como andava mal penteada e trazia a cabeca sempre baixa, uma grande porcao Ihe caia sobre a testa e olhos, como uma viseira. [...]” “ALMEIDA, Manuel Antonio de. Memérias de um Sargento de Milicias. Sao Paulo:FTD, 2011. p. 99) Texto II “[...]Passado 0 tempo inJispensavel de luto, 0 Leonardo, em) uniforme de sargento de milicias, recebeu- -se na Sé.cym Luisinha assistindo a ceriménia a familia em peso Daqui em diante aparece o reverso da medalha. Seguiu-se a morte de Dona Maria, a do Leonardo Pataca, e Uma effiada de acontecimentos tristes que pouparemos aos leitores, fazendo aqui ponto final. [...]” (ALMEIDA, Manuel Antonio de, Memérias de um Sargento de Milicias. S40 Paulo:FTD, 2011. p.235) Tendo como base a5 jextos I e II, e a obra como um todo, considere as afirmativas: I. A descrigéo da *spbrinfia de Dona Maria” é feita por meio de clichés do Romantismo, caracterizan- do-a como heroina reméntica. II. O foco narrative é em terceira pessoa, com um narrador observador que busca dialogar com o leitor. SSAA / STE / CMCG 2014 SABAR: |! [ccc [PRF/2014 - LTreRA-URA| 2° ANG DO-ENSINO MEDIO—_|1* CHAMADA] 03 |" II. embora pertencente ap periodo roméntico, o romance antecipa tracos modernos, como o tom de crénica e uma linguagem coloquial, popular, préxima da fala. 05. Esta correto 0 que se afirma em (A)L (8) 0. (C) UL. (D) lel (E) Wen. Leia 0 texto abaixo e Fespanda aos itens 06 e 07. Texto III “Este Ultimo capitulo é todo de negativas. Nao alcancei a celebridade do emplasto, no fui ministro, nao ful califa, nao conhec| o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de nao comprar 0 pao com o suor do meu rosto. Mais; ndo padeci a morte de D®. Placida, nem a semideméncia do Quincas Borba. Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginaria que nao houve mingja nem sobra, e conseguintemente que sai quite com a vida. E imaginaré mal; Porque ao chegar a este olltro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que ¢ a derradeira negativa deste capitulo de negativas: - Nao tive filhos, nao transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.” (ASSIS, Machado de. Memérias Péstumas de Bras Cubas. So Paulo: FTD, 2010. p. 186.) 06. Trata-se do trecho fillal de Memérias Péstumas de Brés Cubas, de Machado de Assis. Levando isso em consideracéo, examirie a expresso “ao chegar a este outro lado do mistério”. Com ela, o narrador: (A) Refere-se ao mistérig da semideméncia de Quincas Borba, cuja causa nunca péde compreender. (B ) Refere-se ao misté/io da morte, pelo qual j4 passou. ((C) Alude ao prépri passado, pois sé agora percebe como a sua vida foi inuitil e negativa. (.D ) Alude ao fato de nao ter conseguido tornar-se ministro, embora tivesse condicées para tanto. (E) Refere-se ao mistérig do casamento e da paternidade, que ele no conheceu. 07. O texto III e\ Assis: lencia, com clareza, pelo menos uma das caracteristicas principais de Machado de (A) 0 pessimismo ingénup dos escritores realistas e naturalistas do século XIX. (B) A linguagem rebuscadla, de tal modo ambigua, que quase préjudica a compreensao do sentido ((C) A capacidade de sintetizar, em apenas um pardgrafo, todo 0 enredo do romance. (D) 0 gosto pelas frases “arregadas de expressées inusitadas. (E) Um pessimisnio irdnico, disfarcado sob a aparéncia de conformidade indiferente. SSAA / STE / CMCG 2014