You are on page 1of 256

Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

1. INTRODUÇÃO

1.1 AGITAÇÃO MECÂNICA

Em muitas indústrias, a garantia de seus produtos está diretamente ligada ao sucesso dos
seus processos de fabricação e produção.

Quando um produto final ou intermediário depende de operações que envolvam MISTURA E


AGITAÇÃO, torna-se fundamental a correta especificação destes equipamentos e/ou
processos.

As técnicas de AGITAÇÃO e MISTURA são utilizadas num grande número de operações


físico-químicas presentes em todas as indústrias de transformação de materiais.
Observamos a utilização das mesmas nas industriais: Química, Petroquímica, de Alimentos,
Mineração, Farmacêutica, Cosméticos, de Tinta, Papel, etc.

Estes procedimentos e práticas são tão difundidos que podemos afirmar que raramente a
AGITAÇÃO E MISTURA estão ausentes dos processos industriais.

Embora frequentemente confundidos, AGITAÇÃO e MISTURA não são sinônimos. Como


acontece com as ideias comuns, estes dois termos são entendidos como sendo a mesma
coisa.

A palavra MISTURA deve ser aplicada às operações onde temos componentes com
distribuição aleatória, operações estas que procuram apenas reduzir não uniformidades ou
grandes gradientes de composição, propriedades ou temperatura.

A MISTURA vista nestes termos, pode ser alcançada pela simples movimentação do
material.

A ação de misturar pode ser realizada de várias formas. Uma melhor compreensão, pode
ser dada pelos seguintes exemplos:

• Rotação de um tambor que contenha areia, cimento, cascalho e água, por um


determinado tempo, como numa betoneira.

• Transporte de dois gases diferentes por um mesmo conduto, objetivando sua


completa mistura.

1/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Nestes dois exemplos o produto final é dito MISTURADO, embora uma amostra dos
gases seja mais homogênea que uma amostra de concreto.

Já a AGITAÇÃO, é um modo muito particular de mistura. Este termo é usado para


caracterizar uma movimentação de material líquido que esteja contido num recipiente
qualquer.

Um material homogêneo como, por exemplo, um tanque com água fria, pode ser
agitado, mas não poderá ser misturado até que acrescentemos a ele outro material com
características diferentes, tais como:

• Água quente

• Óleo

• Um material sólido ou ocorra a dispersão de um gás neste meio

Em resumo, MISTURA, é quando procuramos reduzir heterogeneidades entre fases,


características físicas ou químicas. Já a AGITAÇÃO, quando queremos produzir
movimento numa determinada fase, usualmente líquida.

A agitação mecânica definida dentro dos conceitos anteriormente expostos pode ser
encontrada em processos com uma, duas ou mesmo três fases distintas dos seus
componentes.

A natureza destas fases são aquelas definidas na Tabela I, a saber; sólida, líquida ou
gasosa, salientando-se que de modo geral, nunca se utiliza a agitação mecânica nos
processos onde a fase principal é um gás.

As tabelas I e II agrupa os principais casos de agitação mecânica empregados, seus


meios, as operações Físico-Químicas envolvidas, os tipos de impelidores recomendados
e as relações ótimas entre o diâmetro do impelidor e o diâmetro do recipiente (vaso ou
tanque).

Embora tais tabelas não pretendam ser definitivas e categóricas, sua análise, mesmo
que rápida dos diversos casos expostos permite a classificação do tipo de agitação
indicada para os mais diversos problemas existentes.

2/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Os meios chamados miscíveis são em geral, a grande maioria dos casos encontrados
quando da aplicação da agitação mecânica. Neles, os fenômenos da difusão são mais
eficazes e facilmente obtidos.

São eles caracterizados por operações hidrodinâmicas tais como, bombeamento,


circulação de produtos e homogeneização. Ressalva-se, é claro, os casos onde os
produtos a serem agitados forem de densidades ou viscosidades muito diferentes entre
si.

Nos meios imiscíveis, a agitação mecânica é caracterizada por operações tais como:
dispersão de líquidos, obtenção de emulsões grosseiras e estáveis, etc.

Nos meios onde temos sistemas bifásicos sólido/líquido, a agitação mecânica tem como
principal variável, a velocidade de sedimentação das partículas da fase sólida, e serão
exigidos níveis de agitação mais elevados, quanto maiores forem estas velocidades de
sedimentação e suas concentrações na fase líquida.

Nos meios líquido/gás, a principal operação hidrodinâmica desejada, é a de promover a


dispersão da fase gasosa na fase líquida.

Estas operações requerem elevado grau de turbulência e cisalhamento por parte do


sistema de agitação. Em alguns casos, onde a mistura possui um alto grau de
coalescência, o fenômeno da turbulência e cisalhamento pode ser predominante no
sistema de agitação, chegando a atingir níveis extremamente poderosos e violentos,
principalmente nos casos onde se deseja dispersão fina e estável de bolhas de gás num
meio líquido.

3/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
TABELA I
PRINCIPAIS OPERAÇÕES FÍSICO-QUÍMICAS
ONDE OS FENÔMENOS DA AGITAÇÃO INTERVEM

NATUREZA DA OPERAÇÃO FENÔMENO


OPERAÇÃO HIDRODINÂMICA FÍSICO-QUÍMICO

Homogeneização Transferência térmica


LÍQUIDOS Bombeamento
MISCÍVEIS Circulação

Dispersão líquido/líquido
Reação em fase heterogênea
LÍQUIDOS Emulsões estáveis Extração líquido/líquido
IMISCÍVEIS Transferência térmica
Emulsificação
Iniciar suspensão Dissolução
Manter suspensão Cristalização
Redução de tamanho de
LÍQUIDO/SÓLIDO partícula
Lavagem de partícula
Floculação
Transferência térmica
Dispersão de gás em Absorção de gases em
líquido líquidos
LÍQUIDO/GÁS Dispersão de gases em
líquidos
Lavagem de gases
Transferência térmica

4/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

TABELA II
ESCOLHA DE IMPELIDORES

MEIO OPERAÇÃO APLICAÇÃO TIPO DE


TRATADO FÍSICO-QUÍMICA PARTICULAR IMPELIDOR
D/T
-Homogeneização -Homogeneização
-Circulação em concentração e -Impelidor tipo naval -0,1~0,3
temp. -Impelidor perfilado (salvo
LÍQ/LÍQ -Manter em entrada
(MISCÍVEIS) movimento lateral)

-Estocagem -0,3~0,65
-Transferência -Aquecimento -Impelidor naval
térmica -Resfriamento -0,3~0,65
-Reação Química -Impelidor perfilado
-0,2~0,65
-Dispersão -Reação química -Turbina radial tipo
-Extração líq/líq Flat Blade (FBT) -0,1~0,5
-Lavagem
LÍQ/LÍQ -Emulsificação -Pré-emulsificação -Turbina radial tipo
(IMISCÍVEIS) -Emulsificação Flat Blade (FBT) -0,1~0,5
grosseira
-Emulsificação
estável
-Dispersão -Reação química -Turbina radial tipo
-Absorção de gases Flat Blade (FBT) -0,1~0,5
LÍQ/GÁS -Dispersão de gases
-Lavagem de gases
-Oxigenação/Aeração
-Hidrogenação

5/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

TABELA II
ESCOLHA DE IMPELIDORES
Continuação
-Iniciar e -Manter suspensão -Impelidor naval
manter -Estocagem -Impelidor pás -0,3~0,65
Fracas suspensào -Cristalização planas inclinadas
Concen- -Transporte (PBT)
trações de -Impelidor perfilado
sólido -Dissolução -Impelidor naval
SÓL -0,3~0,65
-Impelidor PBT
/ -Impelidor perfilado
LÍQ -Iniciar e -Manter suspensão -Impelidor naval
Altas Concen- manter -Estocagem -Impelidor PBT -0,4~0,6
trações suspensões -Transporte -Impelidor perfilado
(meios não -Dissoluções -Impelidor naval
Newtoniamos) -Impelidor PBT -0,3~0,65
-Impelidor perfilado
-Dispersão -Incorporar sólidos -Impelidor
em meios líquidos denteados tipo -0,3~0,60
Cowles

1.2 – LIMITES DESTE TRABALHO

Este trabalho abordará tão somente os sistemas onde há a AGITAÇÃO nos termos
descritos anteriormente, em recipientes cilíndricos verticais, e possuindo como meio de
movimentação do fluído nele contido, impelidores fixados a eixos verticais.

Embora não sendo abordados, a AGITAÇÃO E MISTURA de fluídos através de


sistemas diferentes anteriormente citados, podemos encontrar em literatura
especializada, um número de equipamentos destinados a produzir estes efeitos, todos
com concepção hidrodinâmica e mecânica diferentes do proposto neste trabalho.

Apenas para efeito de conhecimento, apresentamos a seguir alguns destes


equipamentos considerados neste trabalho, “não convencionais”, todos eles utilizados
em situações bem específicas de processos, que apesar de não se enquadrarem nos
nossos propósitos, merecem o conhecimento de suas aplicações:

6/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
• Misturadores de Braços Duplos (Sigma), para massas extremamente viscosas e
pesadas (Fig. 1.1)

• Misturadores Estáticos, para meios líquidos (Fig. 1.2)

• Misturadores Planetários, para pastas, tintas, cosméticos, etc. (Fig. 1.3)

• Misturadores com impelidores tipo âncora e cowles, para fluídos viscosos e


incorporação de sólidos em meios viscosos. (Fig. 1.4)

• Misturadores do tipo Parafuso Vertical (Fig. 1.5)

• Agitação de meios líquidos através de bicos ejetores, bocais injetores, etc. (Fig. 1.6)

• Misturadores tipo “V”, para homogeneização e mistura de material particulado seco,


ou empolpado, ou mesmo incorporação de pequenas quantidades de líquidos em
sólidos particulado (Fig. 1.7)

• Misturadores do tipo “Duplo Cone”, com a mesma função anterior (Fig. 1.8).

• Misturador de fitas Ribbon Blender (Fig. 1.9 e 1.10)

• Estrusores de parafusos geminados (Fig. 1.11)

• Misturador tipo Bambury (Fig. 1.12)

7/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
EQUIPAMENTOS NÃO CONVENCIONAIS
DE AGITAÇÃO E MISTURA

Fig.1 – Misturador de Braços Duplos (Sigma)

8/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Fig. 2 – Misturador Estático

EQUIPAMENTOS NÃO CONVENCIONAIS


DE AGITAÇÃO E MISTURA

Fig. 3 – Misturador Planetário com Tanque Removível

9/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

EQUIPAMENTOS NÃO CONVENCIONAIS


DE AGITAÇÃO E MISTURA

Fig. 1.4 – Misturador com impelidor tipo âncora e cowles

10/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

EQUIPAMENTOS NÃO CONVENCIONAIS


DE AGITAÇÃO E MISTURA

Fig. 1.5 – Misturador tipo Parafuso Vertical

11/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
EQUIPAMENTOS NÃO CONVENCIONAIS
DE AGITAÇÃO E MISTURA

Fig. 1.6

12/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
EQUIPAMENTOS NÃO CONVENCIONAIS
DE AGITAÇÃO E MISTURA

Fig. 1.7 – Misturador tipo “V”

Fig. 1.8 – Misturador tipo Duplo Cone (com chicanas)

13/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
EQUIPAMENTOS NÃO CONVENCIONAIS
DE AGITAÇÃO E MISTURA

Fig. 1.10 – Misturador de Fitas Horizontal (Ribbon Blender)

Fig. 1.11 – Misturador de Fitas Vertical (Ribbon Blender)

14/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

2 – CONCEITUAÇÃO PRELIMINAR \ DEFINIÇÕES

2.1 – TERMINOLOGIA, NOMENCLATURA E SIMBOLOGIA [1]

Procurou-se neste trabalho, adotar tanto quanto possível, as recomendações do “Grupo


de Agitação de Fluídos” do The Institution of Chemical Engineers, instituto norte
americano que procura recomendar termos padronizados e simbologia para os
processos de Agitação em que no mínimo uma das fases seja um líquido.

A adoção destas recomendações tem como objetivo reduzir as falhas de interpretações


encontradas em literatura e nas indústrias que empregam processos de agitação. Esta
lista não é definitiva e não pretende cobrir os métodos especializados tais como: os
ultra-sônicos, mistura de pós, etc. Objetiva-se desta forma cobrir as mais comuns
situações nos processos de agitação.

A terminologia relativa à Reologia, parte da Física que estuda o comportamento


mecânico e as propriedades dos corpos que não são sólidos nem líquidos, também não
será coberta nesta parte do trabalho, devendo ser definida à medida que for necessária.

2.1.1 – TERMOS GERAIS

Agitação laminar - redução de escala de segregação ou espessura de


estratificação (veja abaixo) por deformação de fluxo laminar (cortagem,
dobramento, amassamento, cisalhamento e estiramento) sem turbulência ou
movimento aleatório.

Agitação turbulenta – redução de escala de segregação através de movimento


turbulento.

Micro-agitação – agitação em pequena escala por difusão molecular.

Macro-agitação – agitação em grande escala por movimento laminar ou


turbulento.

Espessura de estratificação – distância média entre interfaces adjacentes de


materiais a serem misturados por mecanismos laminares.

15/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Blending – agitação de líquidos miscíveis (de diferentes densidades,


viscosidades, etc.)

Dispersão – Uma fase imiscível (gás, líquida ou sólida) distribuída em todo o


fluído em forma de pequenas bolhas, gotículas ou partículas.

Suspensão ou polpa – a dispersão em líquido, de partículas que podem ou não


sedimentar na ausência de agitação ou fluxo.

Pasta – uma dispersão não Newtoniana, de partículas sólidas em alta


concentração em líquidos.

Emulsão instável – uma dispersão de bolhas de gás em líquidos, que podem


separar-se na ausência de agitação ou geração de bolhas.

Emulsão estável – uma dispersão de bolhas de gás em líquidos com uma alta
fração de gás, que permanece estável por um longo período mesmo na ausência
de agitação ou geração de bolhas.

2.1.2 – GEOMETRIA

Agitador – um elemento rotatório de agitação em um recipiente (normalmente


montado em um eixo vertical centrado).

Âncora – um agitador com lâminas verticais contornando o formato do vaso, com


folga pequena entre elas e a parede deste vaso

Agitador inclinado – agitador com o eixo inclinado em relação ao eixo do


recipiente.

Defletor – chapa vertical montada no recipiente para prevenir a formação de


vórtices.

Calandra – máquina para mistura entre rolos

Turbina tipo disco – turbina com lâminas (retas, inclinadas, etc.) montadas em
torno de um disco horizontal, projetando-se acima e abaixo deste disco.

16/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Dispersor – disco rotativo de alta rotação, normalmente em formato de serra,


utilizado para a dispersão de pós ou formação de emulsões.

Draft tube – tubo vertical, D < Diâm. Tubo > T, montado concentricamente com o
agitador, para promover circulação.

Emulsificador – dispositivo de alta energia, que utiliza a energia do fluxo para


criar finas dispersões.

Extrusor – um ou mais parafusos rotativos, operando com pequena folga entre


eles e as paredes. Bombeia e mistura por cisalhamento laminar.

Flat blade turbine – impelidores com lâminas verticais retas.

Fitas helicoidas (Helical ribbon) – fitas helicóidas montadas em eixo que pode
ser vertical ou horizontal, para produzir fluxo próximo das paredes do vaso. Pode
ter um segundo conjunto de fitas para fluxo oposto próximo ao eixo central.

Parafusos helicoidais – semelhante a um transportador de rosca montado em


um eixo vertical centralizado, frequentemente utilizado com draft tube.

Impelidor de alto cisalhamento – impelidor de fluxo radial envolvido por um


estator com uma folga muito pequena entre eles, produzindo um alto efeito
cisalhante.

Bambury mixer – misturador com um ou dois rotores e folga muito pequenas


entre eles e a câmara de trabalho, produzindo alto efeito cisalhante para misturar
pastas.

Misturador estático – dispositivo sem elementos girantes, incorporados em


tubulações.

Jet mixer – dispositivo montado em tanques, composto de distribuidor central e


vários ejetores de gás ou líquidos, para promover agitação turbulenta.

17/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Pitched blade turbine (impelidor de pás retas inclinadas) – impelidor com
lâminas em ângulo com a vertical.

Propeller (impelidor naval) – impelidor com formato de pás navais, produzindo


fluxo predominantemente axial.

2.1.2.1 – NOMENCLATURA

Símbolo  Descrição            Unidade  Dimensão  

A Área m2 L2
B Largura do defletor m L
c Folga entre impelidor e a parede do vaso m L
cB Folga entre defletor e a parede do vaso m L
D Diâmetro do impelidor m L
DC Diâmetro da bobina m L
DSH Diâmetro do eixo m L
Z Altura do líquido a partir do fundo do tanque m L
H Altura total do tanque ou vaso m L
LSH Comprimento do eixo m L
L Comprimento da pá do impelidor (⊥ ao eixo) m L
n. Número de impelidores -
nb Número de pás do impelidor -
p Passo de rosca, fita ou impelidor m L
T Diâmetro do vaso/tanque m L
VL Volume de líquido no vaso tanque m3 L3
V Volume total do tanque/vaso m3 L3
W largura da pá do impelidor (paralela ao eixo) m L
α Ângulo da pá do impelidor em relação à vertical graus

18/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.1.3 – PROPRIEDADES DOS FLUÍDOS

2.1.3.1 – NOMENCLATURA
Símbolo Descrição Unidade Dimensão
μ Viscosidade dinâmica M/LT (FT/L2)
μa Viscosidade aparente M/LT (FT/L2)
ν Viscosidade cinemática L2/T
ρ Densidade M/L3 (F/L3)
ρM Densidade da mistura M/L3 (F/L3)
τy Tensão de escoamento N/m2 M/LT2 (F/L2)
Ď Difusibilidade molecular m2/s L2/T
ĎH Difusibilidade térmica L3/T
λ Temperatura
k ou λ Condutividade térmica

2.1.4 – DINÂMICA

Aglomeração – união de várias partículas (forte o suficiente para se permitir


movimentação manual).

Agregação – união de várias partículas por forças relativamente fracas.

Coagulação – união de várias gotículas (ou seja, emulsão) por forças atrativas.

Coalescência – união de várias gotículas ou pequenas bolhas para formação de


outras maiores.

Floculação – união de partículas suspensas em líquidos para formar estruturas


flutuantes (flocos).

Umectação – retirada de um gás ou vapor de uma superfície sólida, por um


líquido.

Tempo de circulação – intervalo de tempo entre sucessivas passagens de um


elemento fluído por um tempo fixo.
Tempo de mistura – tempo consumido por misturador a partir de um estado
inicial até um estado final previsto.

19/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Tempo de residência – tempo consumido por um elemento de fluído entre a sua
entrada e a saída de um agitador, vaso, tanque, etc.

2.1.4.1 – NOMENCLATURA

Símbolo  Descrição            Unidade  Dimensão  


3
C concentração kg/m M/L3
kgmole/m3
M3/m3
CD coeficiente de arraste -
d diâmetro de partícula, bolha ou gotícula m L
F força N ML/T2 ( F )
FD força de arraste (drag force) N ML/T2 ( F )
g aceleração da gravidade m/s2 L/T2
Mt torque Nm FL
N rotação do agitador rpm
NJS rotação do agitador apenas para suspender as
partículas do fundo do tanque rpm
NCH rotação do agitador para completa homogeneização
da suspensão rpm
NCD rotação do agitador para completa dispersão
de gás no vaso rpm

Símbolo  Descrição            Unidade  Dimensão  

P potência HP ML2/T3(FL/T)
Q razão volumétrica de fluxo m3/s L3/T
QP capacidade de bombeamento m3/s L3/T
t tempo s T
tc tempo de circulação s T
tM tempo de mistura s T
tR tempo de residência s T
v velocidade linear m/s L3/T
vS velocidade superficial m/s L3/T
vT velocidade terminal de queda m/s L3/T
τ Tensão de cisalhamento N/m2 M/LT2 (F/L2)
σ Tensão normal de flexão N/m2 M/LT2 (F/L2)
ω Velocidade angular rad/s

20/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.1.5 – ESTATÍSTICA E MEDIÇÕES NA AGITAÇÃO

Intensidade de segregação – a medida da diferença em concentração entre


partes de um mesmo componente em uma mistura.

Espessura de estratificação – distância média entre interfaces adjacentes de


materiais a serem misturados por mecanismos laminares.

2.1.5.1 – NOMENCLATURA

Símbolo  Descrição            Unidade  Dimensão  

IS Intensidade de segregação -
Ls Escala de segregação m L
S ou σ Desvio padrão -
S2 ou σ2 Variância -
δ Espessura de estratificação m L

2.1.7 – GRUPOS ADIMENSIONAIS

L.3 g .Δρ
NAr Número de Arquimedes
v 2 .ρ
Q
NQ Número de Bombeamento N .D3
N 2 .D v2
NFr Número de Froude ou
g g.H
Ver número
Ne Número de Newton potência

h.d
Nu Número de Nusselt k
P
Npo Número de Potência ρ . N 3 .D 5

21/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
μ.CP
NPr Número de Prandt k

N .D 2 .ρ
Nrey Número de Reynolds
μ
 
NSh Número de Sherwood Ď 
we N 2 .D 3 . ρ
Número de Weber σ .GL

2.1.8 – SUBSCRITOS E SOBRESCRITOS

Subscritos Sobrescritos

b. Bolhas — Valor médio


B Aparente ~ Valor aproximado
c. Contínuo • Equilíbrio
C Circulação
d. Fase dispersada
f. Final
g. Gasoso
G Gás
i. Inicial
j. Interface
L Líquido
M Mistura
o. Saída
p. Partícula
S Sólido
T Total
u. desgaseificado

22/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.2 – DEFINIÇÃO DE FLUÍDO

Um fluído é uma substância que se deforma continuamente sob a aplicação de uma


tensão de cisalhamento (i.e. tangencial) por menor que seja esta tensão. De acordo com
os estados físicos da matéria, os fluídos compreendem as fases líquidas e gasosas (ou
vapor). A distinção entre um fluído e os estados remanescentes da matéria (estado
sólido) torna-se clara, se compararmos um fluído segundo a definição dada acima, com
o comportamento de um sólido.

Um sólido é uma substância que se deforma quando a tensão de cisalhamento é


aplicada, mas que não se continua a se deformar. Na fig. 2.1, o comportamento de um
sólido e o de um fluído é contrastado. Na fig. 2.1a, a força de cisalhamento é aplicada no
sólido através das placas as quais ele foi ligado. Quando a força de cisalhamento é
aplicada ele se deforma conforme mostrado, e desde que o limite elástico do sólido não
seja excedido, a deformação é diretamente proporcional à tensão de cisalhamento τ
aplicada, onde τ =F/A, F é a força aplicada e A a área da superfície em contato com a
placa. Cessada a tensão de cisalhamento, o corpo volta a apresentar seu aspecto
original.

Analogamente se entre as placas tivermos um fluído, observemos o comportamento


deste fluído. Usamos um marcador à base de corante para delinear um elemento de
fluído conforme mostram as linhas sólidas (fig. 2.1.b). Sob a aplicação da força F à placa
superior, notamos que o elemento de fluído continua a se deformar durante todo o
tempo que a força é aplicada. O formato do elemento de fluído, a instantes sucessivos
de tempo t2 > t1 > t0, é mostrado através das linhas tracejadas da fig. 2.1.b, a qual
representa as posições dos marcadores de corante. Notar que o fluído em contato direto
com o contorno sólido possui a mesma velocidade que o próprio contorno.

Como o movimento do fluído continua sob a aplicação de uma tensão de cisalhamento,


podemos alternativamente, definir um fluído como sendo uma substância que não pode
suster uma tensão de cisalhamento sem sofrer deformação permanente, mesmo em
repouso.

23/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.1 – Comportamento de (a) sólido e (b) fluído, ambos sob ação de uma força de
cisalhamento constante.

2.3 – VISCOSIDADE

Podemos definir a viscosidade de um fluído como sendo a propriedade em virtude da


qual os mesmos oferecem uma maior ou menor resistência à deformação, quando
sujeitos a esforços de escorregamento, ou, viscosidade é a resistência de um fluído ao
movimento, devido a seu atrito interno.

Utilizando o modelo de Isac Newton, quem primeiro definiu a viscosidade. Imaginemos


duas lâminas (dois planos) paralelas (Fig. 2.2) muito próximas uma da outra, entre as
quais se encontra um fluído qualquer.

Fig. 2.2 – Modelo Newtoniano para definição de viscosidade

24/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
As duas lâminas se movem na mesma direção, com velocidades diferentes, V1 e V2.
Decorrido um tempo t, a distribuição de velocidades na distância dy, será linear,
conforme indicada na Fig. 2.3.

Fig. 2.3 – Distribuição de velocidades

Experimentos mostram que o gradiente de velocidades, dv/dx, é diretamente


proporcional à força por unidade de área, F/A=μ (dv/dx), onde μ é a viscosidade, uma
constante para um dado fluído.

O gradiente de velocidades, dv/dx, representa o cisalhamento a que foi submetida às


camadas de fluído entre as placas, devido ao movimento relativo das mesmas. Este
gradiente de velocidade é chamada de “razão ou taxa de deformação” S.

Também a força por unidade de área, F/A, pode ser simplificada e denominada de “força
de cisalhamento” ou mais apropriadamente “tensão de cisalhamento” τ.

Com esta simplificação podemos definir a viscosidade como τ/ S (tensão de


cisalhamento / taxa de deformação).

25/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

2.4 – VISCOSIDADE FLUÍDO NEWTONIANO [3]

Os chamados Fluídos Newtonianos são aqueles em que existe uma proporcionalidade


direta entre a tensão de cisalhamento, τ e a deformação existente, S, ou seja, a
viscosidade de um fluído a uma dada temperatura independe da velocidade de
deformação dv/dx (velocidade, agitação ou cisalhamento).

A fig. 2.4 mostra as relações entre a tensão de cisalhamento, τ e a viscosidade μ para


um fluído newtoniano. Em 2.4 b a viscosidade permanece constante mesmo
aumentando a velocidade de deformação.

Em 2.4a, observa-se a proporcionalidade entre a tensão de cisalhamento τ, e a taxa de


deformação S.

Água, óleos leves, gasolina, etc., são bons exemplos de fluídos newtonianos.

Fig. 2.4 – Fluído Newtoniano

2.5 – VISCOSIDADE – FLUÍDO NÃO NEWTONIANO

Os chamados fluídos não Newtonianos são aqueles em que a viscosidade a uma dada
temperatura é dependente da “razão de deformação”, podendo crescer ou decrescer,
dependendo do tipo de fluído.

26/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Os fluídos não Newtonianos podem ser classificados como:

• Independentes do tempo
• Dependentes do tempo
• Viscoelásticos

2.5.1 – FLUÍDOS NÃO NEWTONIANOS INDEPENDENTES DO TEMPO

Um fluído não Newtoniano é independente do tempo se a tensão de cisalhamento


a qualquer taxa de deformação, permanece constante em relação ao tempo, ou
seja, as propriedades do fluído dependem da magnitude das tensões de
cisalhamento e não do seu tempo de duração.

2.5.1.1 – PSEUDO PLÁSTICOS


A viscosidade diminui com o aumento da taxa de deformação. Este
comportamento é geralmente restrito a certa faixa de razão de deformação.
Em faixas mais altas ou mais baixas de deformação o fluxo poderá adquirir
comportamento Newtoniano.
Exemplos podem ser encontrados em soluções de polímeros, polímeros
semi-fluídos, suspensões de polpa de papel ou de pigmentos e algumas
graxas (Fig.2.5).

Fig. 2.5 – Fluídos não Newtonianos – Pseudo Plásticos

27/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

2.5.1.2- FLUÍDOS DILATANTES

A viscosidade aumenta com o aumento da taxa de deformação.


Exemplos de materiais dilatantes são as suspensões de goma de amido,
certas polpas de argila, alguns compostos de confeitaria, etc. (Fig.2.5).

Fig. 2.6 – Fluídos não Newtonianos Dilatantes

2.5.1.3- PLÁSTICOS DE BINGHAN

Estes fluídos possuem uma tensão de escoamento definida e uma tensão


menor onde não ocorre nenhum fluxo (igual aos sólidos). Certa força deve
ser aplicada para produzir o movimento.

28/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Exemplos de fluídos que exibem o comportamento de plástico de Bingham
são: certas suspensões de rocha em água, de grãos em água, ketchup,
lodo, esgoto, etc.

Fig. 2.7 – Fluídos não Newtonianos – Plásticos de Binghan

2.5.2 – FLUÍDOS NÃO NEWTONIANOS DEPENDENTES DO TEMPO

Um fluído não Newtoniano é chamado de dependente do tempo, se a sua tensão


de cisalhamento varia com a duração da deformação, ou seja, a viscosidade em
qualquer tempo depende da quantidade de uma previa agitação ou deformação
do líquido.

2.5.2.1 – TIXOTRÓPICOS

São chamados de tixotrópicos os fluídos onde a viscosidade diminui


com o tempo a uma dada taxa de deformação, exemplos deles são:

• Asfalto
• Maionene
• Certas tintas e vernizes
• Colas
• Melaço
• Lamas para sondagem e perfuração

29/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.5.2.2 – REOPÉTICOS

Os fluídos onde a viscosidade aumenta com o tempo a uma dada


taxa de deformação, são chamados de reopéticos. Exemplos:

• Suspensões de gesso em água

2.5.3 – FLUÍDOS NÃO NEWTONIANOs VISCOELÁSTICOS

Estes fluídos exibem uma recuperação elástica das deformações durante o


escoamento, podendo mesmo ser dito que os mesmos apresentam
características dos sólidos. No escoamento deste tipo de fluído, aparecem além
das tensões tangenciais usuais, tensões normais à direção do fluxo.

2.6 – ESCOAMENTOS

A observação do movimento dos fluídos mostra a existência de dois regimes de


escoamento que apresentam características notadamente diversas. Estes regimes de
escoamentos foram denominados de Regime Laminar e Regime Turbulento.

No comportamento das partículas do fluído em escoamento, residem as diferenças que


caracterizam um regime do outro. No regime laminar, as partículas de fluído
apresentam trajetórias individuais bem nítidas, dando a impressão de imobilidade no
meio da massa fluída, impressão essa, resultante do deslocamento das partículas em
camadas ou lâminas que acompanham os contornos fixos que delimitam a corrente de
fluxo.

No regime laminar, as flutuações de velocidade provocadas por obstáculos na corrente,


tendem a se amortecer devido ao efeito das tensões tangenciais adicionais oriundas da
própria viscosidade do fluído, podendo inclusive voltar a sua forma laminar original.

Na maioria dos casos, entretanto, as tensões tangenciais adicionais criadas pela


desordenação da corrente não são suficientes para evitar as flutuações de velocidade,
provocando assim um escoamento turbulento.

30/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

No regime turbulento a estrutura do escoamento é caracterizada pelo movimento


tridimensional aleatório das partículas de fluído, sobrepondo-se ao movimento da
corrente.

A experiência idealizada por Osborne Reynolds (engenheiro britânico, 1880, quem


primeiro estudou o comportamento de escoamentos em tubulações), permite visualizar
com facilidade a estrutura do escoamento laminar e turbulento (Fig. 2.8).

Todo o conjunto é feito de material transparente tipo plexiglass ou acrílico. Deixando-se


a válvula externa de saída, levemente aberta, forma-se um filamento retilíneo de corante
que passa pelo tubo interno ao tanque, sem sofrer perturbações, (fig. 2.8a)
caracterizando o movimento laminar.

Aumentando-se a velocidade do escoamento através de uma abertura gradativa da


válvula, atinge-se um ponto tal que o filamento, antes estável, começa a sofrer
perturbações (fig. 2.8.b e 2.8.c), para seguir e difundir-se com rapidez por toda a massa
fluída em consequência do movimento das partículas que passa a ser desordenado.

Esta maior ou menor estabilidade do escoamento, é definida pelo parâmetro


adimensional chamado de Número de Reynolds (Nrey).

31/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.8 – Experiência de Osborne Reynolds demonstrando o comportamento laminar e


turbulento de um escoamento (a), regime laminar (b), regime transição/turbulento (c) e
regime francamente turbulento (d).

32/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.7 – TURBULÊNCIA

Num sistema mecanicamente agitado, o tipo de escoamento que nele ocorre depende
de uma série de fatores inerentes a esse mesmo sistema. De qualquer modo, podemos
estabelecer que o tipo de escoamento que ocorrerá é função das características do
fluído, bem como da geometria do impelidor e sua velocidade de movimentação dentro
do fluído.

Do ponto de vista hidrodinâmico, uma pá de impelidor em movimento de rotação dentro


de um meio líquido, pode ser considerada como sendo uma pá fixa dentro de um
escoamento, onde a velocidade deste escoamento é igual a velocidade linear da pá.

Esta pá se comportará como um obstáculo no escoamento, e a turbulência provocada


dependerá entre outras coisas, da geometria da mesma e do Número de Reynolds do
escoamento.

Para melhor compreender o fenômeno da turbulência e suas implicações na agitação


mecânica, será necessário recapitular o conceito de camada limite e de escoamento
viscoso ao redor de um cilindro.

Em qualquer escoamento viscoso, o fluído em contato direto com uma superfície limite
sólida, possuirá a mesma velocidade que a própria superfície, ou seja, não ocorrerá
deslizamento de fluído nesta superfície.

Como a velocidade do fluído numa superfície sólida estacionária em uma corrente fluída
é nula, mas o fluído como um todo está se movendo, gradientes de velocidade, e
consequentemente, tensões de cisalhamento, devem estar presentes no escoamento.
Imaginemos uma placa lisa, fixa, no meio de um escoamento conforme indicado na
Fig.2.9. Estamos interessados em fornecer uma imagem em vários locais ao longo da
placa.

33/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.9 – Escoamento laminar, viscoso e incompressível sobre uma placa fina

Adotemos do eixo X, os pontos x1 e x2 para estudo do perfil de velocidades do fluído.


Considere-se o primeiro x1 na condição de não deslizamento da placa.

Sabe-se que a velocidade no ponto A é nula, e assim, temos um ponto do perfil de velocidades.
Sendo a placa estacionária, ela exerce, portanto, uma força retardante no escoamento que
desacelera o fluído na sua vizinhaça.

Em uma posição no eixo Y qualquer, suficientemente distante da placa, digamos em B, o


escoamento não será mais influenciado pela presença da mesma. A velocidade neste ponto B
será denominada de V.

Desta forma podemos imaginar que a velocidade desde o ponto A até B, aumente
suavemente, nos dando o perfil de velocidade semelhante ao da Fig. 2.9 em x1

Das características do perfil de velocidades traçado, e a nossa definição de tensão de


cisalhamento, podemos ver que na região entre 0 ≤ Y ≤ YB, as tensões de cisalhamento se
fazem presentes, e para Y ≥ YB o gradiente de velocidades é nulo, e, portanto não existem
tensões de cisalhamento presentes.

Desta forma, é possível observar que o escoamento pode ser dividido em duas regiões
principais. Uma, a região adjacente à superfície limite, onde as tensões cisalhantes se fazem

34/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
presentes, sendo denominada de camada limite. A outra região fora da “camada limite”, onde
o gradiente de velocidades é zero, e, portanto, sem tensões cisalhantes.

Consideremos agora um escoamento incompressível e viscoso em redor de um cilindro,


situação esta em que as forças viscosas estão presentes. (Fig. 2.10).

Fig. 2.10 – Escoamento viscoso sobre um cilindro

35/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.10ª - Ampliação do local onde ocorre a separação da camada limite. Na zona de
separação ocorre turbulência que provoca o destacamento.

Uma vista na fig. 2.10, indica que as linhas de fluxo são simétricas em relação ao eixo X. O
fluído ao longo da linha de fluxo central atinge o cilindro no ponto A, divide-se, e escoa ao redor
do cilindro. O ponto A no cilindro é chamado de ponto de estagnação.

Como acontece no escoamento sobre uma placa fina, uma camada limite desenvolve-se na
vizinhança da superfície sólida. A velocidade ao redor do cilindro aumenta até atingir um
máximo no ponto B, com consequente decréscimo da pressão. Um elemento de fluído dentro
da camada limite sofre uma força de pressão resultante na direção do escoamento.

Na região entre A e B, esta força de pressão resultante é suficiente para vencer a força de
cisalhamento oponente, e o movimento do elemento na direção do escoamento é mantido.
Analisemos um elemento de fluído dentro da camada limite, no lado de trás do cilindro, além do
ponto B.

Como a pressão aumenta no sentido do escoamento, o elemento de fluído sofre uma força de
pressão resultante, oposta ao seu sentido de movimento. Em certo ponto ao redor do cilindro, o
momentum (quantidade de movimento) do fluído na camada limite, não é mais suficiente para
carregar o elemento na região de pressão crescente, e o escoamento separar-se-á da
superfície do cilindro.

O ponto na qual isto acontece, é chamado de ponto de separação, na figura 2.10 indicada por
C. O destacamento da camada limite pode ser mais bem exemplificado na fig. 2.10ª. A
separação da camada limite resulta na formação de uma região de relativa baixa pressão atrás
do cilindro, a qual chamamos de esteira.

Assim, para o escoamento separado sobre o cilindro, haverá um desequilíbrio resultante das
forças de pressão no sentido do escoamento, tendo como consequência uma força de arrasto,
FD, sobre o corpo. Quanto maior a esteira atrás do corpo, tanto maior será a força de arrasto.

Podemos adaptar as formas do corpo às linhas de fluxo, reduzindo-se a magnitude do


gradiente de pressão desfavorável, distribuindo uma dada elevação de pressão sobre uma
distância maior. A Fig. 2.11 mostra a adaptação do corpo às linhas de fluxo do escoamento.
Esta adaptação procura atrasar o desenrolar da separação da camada limite, reduzindo-se,
portanto o arrasto.

36/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig.2.11 - Escoamento sobre um objeto cuja forma foi moldada de acordo com as linhas de fluxo

Trazendo estes dois conceitos anteriormente expostos para o comportamento de um sistema


mecanicamente agitado por um impelidor, podemos agora ver com clareza a influência da
geometria de um impelidor sobre este mesmo sistema.

Na Fig. 2.12 e 2.13, temos representado o escoamento que ocorre ao redor de uma pá, à
medida que alteramos o ângulo de inclinação da mesma em relação à corrente fluída.
Observar que mesmo pá com perfil aerodinâmico, provoca turbulência se inclinada em relação
ao fluxo.

Desta forma, e desde que as necessidades de processo permitam, podemos otimizar a


geometria dos impelidores de modo a evitar o destacamento antecipado da camada limite,
evitando com isto uma turbulência excessiva, que como veremos no desenvolver deste
trabalho, é uma das principais causas de uma maior absorção de potência nos sistemas
agitados.

37/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

2.12 – Arrasto sobre uma pá reta de um impelidor em uma corrente fluída


com vários ângulos de ataque.

38/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.13 – Arrasto sobre pá de um impelidor hidrofoil em corrente fluída

2.8 – CAVITAÇÃO

A cavitação definida de maneira prática é a formação e colapso de bolhas de vapor num líquido
em escoamento. Estas bolhas se formam em qualquer ponto da corrente líquida onde a
pressão total seja reduzida e iguale a pressão de vapor a temperatura do líquido

Em zona de baixa pressão as bolhas podem ser produzidas por um acréscimo local na
velocidade da corrente fluída, que no caso de agitadores mecânicos, pode ser a parte mais
externa das pás dos impelidores, mais precisamente a sua borda de ataque, que possuem uma
maior velocidade periférica.

Uma vez formadas, quando as bolhas atingem uma região onde a pressão for novamente
superior a pressão de vapor do líquido (a temperatura do mesmo), haverá o colapso das
mesmas, com o seu retorno a fase líquida.

Sendo o volume específico do líquido menor que o volume específico do vapor, o colapso das
bolhas implicará na existência de um vazio, que por sua vez produzirá uma onda de choque
(microjato) conforme ilustrado na figura 2.14.

39/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.14 – Colapso de bolhas em situações diferentes na corrente fluída


responsaveis pela cavitação

Na realidade, conforme pode ser observado na Fig. 2.14, o que ocorre é a penetração de
líquido na depressão originada pela deformação da bolha, produzindo um microjato na ocasião
do colapso.

O efeito deste colapso torna-se mais severo quando ocorre em local próximo a uma superfície
sólida metálica. Neste caso o microjato incide diretamente sobre a superfície.

Quando o colapso se dá na corrente líquida o impacto é transmitido através de ondas de


choque. Os principais inconvenientes da cavitação são: ruídos, vibrações e extensa erosão ou
desgaste dos materiais que limitam o líquido na região do colapso.

Pás de impelidores que operam em condições que permitam a cavitação, principalmente,


perdem eficiência de bombeamento e provocam desbalanceamento devido a perda localizada
de material (Fig. 2.15).

40/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.15 – Combinação erosão cavitação em pá de impelidor

Salienta-se que a deterioração do material devido à cavitação nada tem a ver com os
desgastes provenientes de erosão ou corrosão, dois fenômenos muito comuns aos processos
da indústria de mineração e química.

A erosão decorre da ação de partículas sólidas em suspensão sendo deslocadas em


velocidade, e a corrosão decorre de incompatibilidade do material com o líquido, propiciando
reação química destrutiva. É possível a coexistência dos fenômenos da cavitação, erosão e
corrosão em um determinado sistema, acelerando o processo de deterioração dos materiais.

41/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.9 – DINÂMICA DE PARTÍCULAS

Sempre que houver movimento relativo entre uma partícula e um fluído circundante, esta
partícula experimenta a ação de uma força resultante F, devido à ação do fluído.

A natureza das forças que contribuem para a resultante F são:

Força de cisalhamento Fcis = τ.A

Força de Pressão Fpres = P.A

Podemos decompor esta resultante F em duas componentes, sendo uma paralela, FD (Força
de Arraste) e outra, FL ( Força de Ascensão ), perpendicular a direção do movimento, conforme
indicado na Fig. 2. 16.

Fig. 2.16 – Forças atuantes numa partícula em movimento num fluído

42/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Considerando-se uma esfera polida, com diâmetro “d”, movendo-se com velocidade “V”,
através de um fluído viscoso e incompressível que possui uma densidade ρ e viscosidade μ·.
A força de arraste, FD que é a componente em que estamos interessados, pode ser expressa
como forma da seguinte função:

FD = f ( d ,V , ρ , μ )

Aplicando o método da análise dimensional, através do Teorema de Buckingham PI, teremos:

I – LISTAR OS PARÂMETROS ENVOLVIDOS, n

Fd , V , d , μ , ρ portanto n=5 parâmetros

II – SELECIONAR CONJUNTO DE DIMENSÒES FUNDAMENTAIS

Inicialmente utilizaremos o Sistema Absoluto (SI), com as dimensões fundamentais de M, L, T


(massa, comprimento e tempo), com posterior verificação através do Sistema Gravitacional
com as dimensões F, L, T, ( força, comprimento e tempo ).

Sistema Absoluto Sistema


Quantidade Simbologia MLT Gravitacional
FLT
–2
Força de Arrasto MLT
Velocidade da partícula V L T-1
Diâmetro da partícula D L
Viscosidade μ F L-2 T
Densidade ρ F L-4 T2

TABELA I – Fórmulas Dimensionais

43/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

III – LISTAR AS DIMENSÒES DOS PARÂMETROS EM TERMOS DE DIMENSÒES


PRIMÁRIAS. , “r”.

O número de dimensões será designado por “r”, sendo r = 3, conforme Tabela II

V d μ ρ

M 1 0 0 1 1
L 1 1 1 -1 -3
T -2 -1 0 -1 0

TABELA II

IV – SELECIONAR DA LISTA DE PARÂMETROS UM NÚMERO DE PARÂMETROS


REPETITIVOS IGUAL AO NÚMERO DE PRIMÁRIOS “r”
m = r = 3 parâmetros repetitivos, sendo eles:

ρ (M L-3)
V (L1 T-1)
D (L)

V – FORMULAR EQUAÇÕES DIMENSIONAIS, COMBINANDO OS PARÂMETROS


SELECIONADOS COMO REPETITIVOS, COM CADA UM DOS PARÂMETROS
RESTANTES, DE MODO A FORMAR GRUPOS ADIMENSIONAIS

Sendo que n-m = 5 – 3 = 2 (teremos dois grupos adimensionais resultantes )

Portanto Π1(FD) será:

Π1(FD) = ρα1. Dα2. Vα3. FD1

Π1(FD) = (M L-3) α1. (L) α2. (L.T-1) α3. (M L T-2)1

Π1(FD) = (Mα1 L-3α1). (L α2) (Lα3. T-1α3). (M L T-2)

Π1(FD) = (Mα1+1). (L-3α1+α2+α3+1). (. T-α3-2)

44/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

α1+1=0

-3α1+α2+α3+1=0

-α3-2=0

Resolvendo o sistema de equações, temos que:

α1= -1 ; α2=-2 ; α3=-2

Portanto: Π1(FD) = ρα1. Dα2. Vα3. FD1

Π1(FD) = ρ-1. D-2. V-2. FD1

FD
∏1FD = [2.2]
ρ .D 2 .V 2

Da mesma forma, Π2(μ) será dado por:

Π2(μ) = ρβ1. Dβ2. Vβ3. μ1

Π2(μ) = (M L-3) β1. (L) β2. (L.T-1) β3. (M L-1 T-1)1

Π2(μ) = (Mβ1 L-3β1) . (L β2 ) (Lβ3.T-β3) . (M L-1 T-1)

Π2(μ) = (Mβ1+1). (L-3β1+β2+β3+1). (T-β3-1)

β1+1=0

-3β1+β2+β3-1=0

-β3-1=0

45/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Resolvendo:
β1= -1 ; β2=-1 ; β3=-1

Portanto: Π2(μ) = ρβ1. Dβ2. Vβ3. μ1

Π2(μ) = ρ-1. D-1. V-1. μ1

μ
∏ 2μ =
ρ . V.D

VI – CONFERIR AS EQUAÇÕES DOS GRUPOS, UTILIZANDO O SISTEMA


GRAVITACIONAL BRITÂNICO, (F , L , T)

ρ (F1 L-4 T2)

V (L1 T-1)

D (L1)

Portanto Π1(FD) será:

Π1(FD) = ρα1. Dα2. Vα3. FD1

Π1(FD) = (F L-4 T2) α1. (L) α2. (L.T-1) α3. (F)1

Π1(FD) = (Fα1-4α1 T2α1). (L α2) (Lα3.T-1α3) . (F1)

Π1(FD) = (Fα1+1). (L-4α1+α2+α3). (T2α1-α3)

α1+1=0

-4α1+α2+α3=0

2α1-α3=0

46/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Resolvendo o sistema de equações, temos que:

α1= -1 ; α2=-2 ; α3=-2

Portanto: Π1(FD) = ρα1. Dα2. Vα3. FD1

Π1(FD) = ρ-1. D-2. V-2. FD1

FD
∏1FD =
ρ .D 2 .V 2

Da mesma forma, Π2(μ) será dado por:

Π2(μ) = ρβ1. Dβ2. Vβ3. μ1

Π2(μ) = (F L-4 T2) β1. (L) β2. (L.T-1) β3. (F L-2 T1)1

Π2(μ) = (Fβ1 L-4β1 T2β1). (L β2 ) (Lβ3.T-β3) . (F L-2 T1)

Π2(μ) = (Fβ1+1 ) . (L-4β1+β2+β3+2) . (.T2β1-β3+1)

β1+1=0

-4β1+β2+β3-2=0

2β1-β3+1=0

Resolvendo;
β1= -1 ; β2=-1 ; β3=-1

Portanto: Π2(μ) = ρβ1. Dβ2. Vβ3. μ1

Π2(μ) = ρ-1. D-1. V-1. μ1

μ
∏ 2μ =
ρ . V .D

47/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A relação expressa pela função é:

Π1 =f (Π2)
ou

FD μ
= f( )
ρ .D .V
2 2
ρ .V .D

O primeiro grupo adimensional na equação [2.5], FD/(ρ.D2.V2), é chamado de Coeficiente de


Resistência e é designado por CD. O segundo termo, μ / (ρ.V.D), é o Número de Reynolds da
Partícula, NReyP. Ou seja, a equação [2.5] indica que o Coeficiente de Resistência CD, é
função do Número de Reynolds da partícula , NReyP

C D = f ( N Re y P )

Fazendo o estudo da resistência de forma de uma esfera qualquer em um meio fluído,


reconhecemos quatro tipos de regime de escoamento ao redor da mesma.
• Regime Laminar
• Regime de Transição
• Regime Turbulento
• Regime Francamente Turbulento

Suponhamos um fluído qualquer escoando ao redor de uma esfera, conforme representado


pela figura 2.17.

Fig. 2.17 – Escoamento ao redor de uma esfera

48/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Do ponto A aos pontos B e C, o fluído acelera, ganhando mais velocidade e consequentemente
perda de pressão. Se o fluído fosse ideal, a passagem do mesmo dos pontos B e C para o
ponto D, permitiria a recuperação integral da pressão inicial, e consequentemente os pontos A
e D teriam a mesma pressão.

Num caso real, haverá a separação da camada limite antes de ser atingido o ponto D e as
turbulências que se formam daí para diante, dissiparão energia em forma de calor de atrito,
impedindo a recuperação da pressão inicial.

Desta forma teremos que, a pressão no ponto A será maior que a pressão no ponto B o que
caracteriza o que se chama de Resistência de Forma ou Pressão, ou ainda Coeficiente de
Arraste CD. A resistência de forma produzirá esteiras de turbulências à jusante do corpo, que
será maior ou menor, conforme a forma geométrica do corpo.

Quando analisamos a Resistência de Forma, convenciona-se classificá-las em: formas afiladas


ou aerodinâmicas, formas rombudas arredondadas e formas rombudas a angulosas, conforme
mostrado na figura Fig. 2.18.
O escoamento livre em torno de objetos de forma afilada ou aerodinâmicas, permite o
tratamento matemático para o fenômeno, que foi desenvolvido principalmente por D’Alembert,
Lagrange e Euler.

Fig. 2.18 – Escoamento livre em torno de corpos afilados e rombudos

49/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
De forma geral, o escoamento em torno de formas afiladas, produz esteira estreita, sendo a
resistência de forma ou pressão muito pequena. Em condições normais não há separação da
camada limite ou, se houver, acontecerá este destacamento longe do corpo.

O escoamento livre em torno de formas rombudas produz deslocamento do fluxo, e a esteira


formada é larga e turbulenta. Dentro da forma rombuda, temos as arredondadas e angulosas.

E escoamentos livres em torno de objetos de forma rombuda arredondada, tais como esferas e
cilindros, o deslocamento do fluxo depende muito das características do fluído, da camada
limite e das dimensões do corpo, o que pode ser descrito como uma dependência do Número
de Reynolds, da turbulência do fluxo e do estado da superfície deste corpo.

O caso do cilindro em escoamento bidimensional apresenta características bem distintas de


acordo com o Número de Reynolds (para a esfera o fenômeno é análogo), conforme nos indica
a figura 2.19.

Fig. 2.19 – Escoamento em função do Número de Reynolds

50/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
NRey < 2 Regime Laminar
O fluxo tem a forma de escoamento teórico, laminar. Não ocorre formação
de esteira, e as linhas de fluxo se fecham atrás da esfera. A resistência é
predominantemente de atrito devido as forças viscosas. Este regime é
chamado de Regime de Stokes.

2 < NRey < 40 Regime de Transição


Ocorre a separação da camada limite em ambos os lados da esfera,
formando dois turbilhões simétricos de movimentos lentos. As linhas de
fluxo se fecham com esteira de pequeno comprimento. Presença de forças
viscosas mais o aparecimento de forças de pressão (forças de resistência).

40 < NRey < 2x105 Regime de Transição


Os turbilhões destacam-se de um modo alternado e periódico em ambos
os lados. Os turbilhões ao se destacarem produzem uma força lateral
periódica e um turbilhonamento muito grande na esteira, caracterizado por
uma grande perda de energia. Estes vórtices alternados são conhecidos
como vórtices de Karman. A eles devem-se fenômenos de ressonância
causadores de colapso de muitas estruturas. Notam-se a presença de
forças viscosas e um aumento considerável de forças de pressão

NRey > 5 x 105 Regime de Transição


Não se formam mais vórtices alternados, mas sim de maneira aleatória. O
número de Reynolds em que se dá esta queda súbita de resistência
chama-se de número de Reynolds crítico, não sendo propriamente um
valor único, mas certa faixa de Nrey. As forças de pressão predominam.
Ë Chamado também de Regime de Newton.

Já para o caso de formas rombudas angulares, o deslocamento é independente do número de


Reynolds (exceto para Nrey baixo). As esteiras são ainda mais largas que as de forma esférica,
com turbulência mais acentuada.

O coeficiente de arraste CD ou força de resistência ou força de pressão varia de acordo com o


número de Reynolds. Desta forma temos:

51/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
ρ .DP .V
Número de Reynolds da Partícula N Re y P =
μ
AP. .ρ .V 2
Força de Arraste FD = CD .
2.g
Onde:

CD= Coeficiente de arraste


AP= Área projetada da partícula
V= Velocidade

ρ= Densidade do fluído
g= Aceleração gravidade local
DP= Diâmetro partícula
μ= Viscosidade do fluído

2.10 – VELOCIDADE TERMINAL DE PARTÍCULAS

Uma partícula em queda em um fluído estagnado e quiescente, sob a ação da gravidade,


acelera-se até que a força de resistência FD se iguale a força de gravidade local, após o que
continuará a cair com velocidade constante, que é chamada de Velocidade Terminal da
Partícula. McCabe e Carpenter nos dão a seguinte fórmula para cálculo da Velocidade
Terminal em m/s:
1
⎡ Dp .( ρf ( ρp − ρf )) ⎤
1+ n 2−n
Vt = ⎢0,013067. ⎥
⎣ b1.μ n .ρf 1− n ⎦

Onde as constantes b1 e n dependem do regime do fluxo, conforme abaixo:

Lei Faixa b1
Stokes K < 3,3 24,0 1,0
Intermediária 3,3 ≤ K ≤ 43,6 18,5 0,6
Newton K > 43,6 0,44 0

52/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Sendo que K é dado por:
1
⎡ ρf ( ρp − ρf ) ⎤ 3
K = 0,214.DP .⎢ ⎥
⎣ μ2 ⎦
Onde:
DP =diâmetro da partícula, mm
ρf =densidade da fluído, kg/m3
ρp =densidade da partícula, kg/m3
μ =viscosidade fluído, CP
b1 =constante tabelada
n =constante tabelada
Vt =velocidade terminal para partículas esféricas simples , m/s
K =constante dada pela equação [2.10]

2.11 – OPERAÇÕES COM VETORES

As grandezas físicas encontradas na mecânica dos fluídos e nos fenômenos de transporte


podem ser classificadas nas seguintes categorias:

Grandezas Escalares: aquelas que ficam completamente determinadas por um único valor
numérico, tais como temperatura, energia, volume, massa, densidade, tempo, etc. Os
escalares são representados por letras do alfabeto, tais como a, b, c e assim por diante.

Grandezas Vetoriais: são aquelas quantidades físicas que exigem, para sua completa
especificação, além do valor numérico, o conhecimento de uma direção orientada. Aceleração,
velocidade, momentum e força, são exemplos de grandezasr vetorias. Tais grandezas são
r r
chamadas de vetores. Os vetores são denotados por a , b , v , etc. Eventualmente, sua
representação se dá através de letras em negrito, tais como a , b , c , etc.

2.11.1 – OPERAÇÕES COM VETORES DO PONTO DE VISTA GEOMÉTRICO


r r
Dois vetores a e b são iguais quando suas magnitudes são iguais e quando eles
possuem a mesma direção, ou seja, nãor
podem ser colineares e nem possuir o mesmo
r
ponto de origem. Se dois vetores a e b possuem ar
mesma magnitude, mesma direção,
r
mas sentidos opostos, então os denotamos, a = − b .

53/285
r
a

Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Adição e Subtração de vetores

A adição de dois vetores é feita levando em consideração ambas as suas


magnitudes, e direções (sentidos), por intermédio da regra do paralelogramo, ver
Fig. 2.20a.

Fig.2.20 - (a) Construção de paralelogramo para adição de vetores


(b) Construção para subtração de vetores

Produto escalar de dois vetores (•)


r
O produto escalar de dois vetores e b é uma quantidade escalar definida por:

(ar • b ) = a.b.cosφ
r
ab

r r
Onde ∅ab é o ângulo (menor que 180º) entre os vetores a e b .
r
O produto escalar é então a magnitude do vetor b multiplicada pela projeção do
r
vetor a, ou vice-versa, ver Fig. 2.21. Observar que o produto escalar de um vetor
por ele mesmo é o quadrado da magnitude do vetor.

54/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.21 – Produto escalar (•) de dois vetores

Produto vetorial de dois vetores ( X )

r r
O produto vetorial de dois vetores a e b é o vetor definido por:

[ar × br ] = {absenΦ ab }nrab


r
Onde nab é um vetor unitário (de comprimento unitário) normal ao plano que
r r
contém a e b e apontando para a direção dada pela chamada regra de saca
r r
rolha da mão direita (sentido de giro de a para b ). O produto vetorial é
exemplificado na Fig, 2.22. A magnituder do produto vetorial é área do
r
paralelogramo definido pelos vetores a e b .

55/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.22 – Produto vetorial ( X ) de dois vetores

2.11.2 – OPERAÇÕES COM VETORES DO PONTO DE VISTA ANALÍTICO


r
Conforme visto, um vetor a é definido como sendo uma quantidade de uma dada
r
magnitude e direção. A magnitude de um vetor é designada por a

Os vetores unitários na direção (sentido) das coordenadas x, y e z são dados por


iˆ, ˆj , kˆ , respectivamente. Um vetor é representado em termos de seus
r
componentes como, por exemplo: a = axiˆ + a y ˆj + az kˆ , representado
geometricamente na Fig. 2.20.
r r
a é a magnitude ( módulo ) de a e pode ser dada pela equação;

r
a = a = ax + a y + az
2 2 2

56/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

r
Fig. 2.20 – Magnitude do vetor a em um sistema ortogonal de coordenadas

Os vetores unitários já introduzidos possuem as seguintes propriedades:

O produto escalar dos vetores unitários no sistema de coordenadas xyz são:


iˆ • iˆ = 1 ˆj • iˆ = 0 kˆ • iˆ = 0
iˆ • ˆj = 0 ˆj • ˆj = 1 kˆ • ˆj = 0
iˆ • kˆ = 0 ˆj • kˆ = 0 kˆ • kˆ = 1

O produto vetorial dos vetores unitários no sistema de coordenadas xyz são


conforme abaixo, podendo para facilitar utilizar a regra dada pela figura 2.23.
iˆ × iˆ = 0 ˆj × iˆ = −kˆ kˆ × iˆ = ˆj
iˆ × ˆj = kˆ ˆj × ˆj = 0 kˆ × ˆj = −iˆ
iˆ × kˆ = − ˆj ˆj × kˆ = iˆ kˆ × kˆ = 0

57/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 2.23 – Regra visual para o produto vetorial de vetores unitários

Produto escalar de dois vetores (•)

Do ponto de vista analítico, produto escalar de dois vetores é obtido, escrevendo-


se cada vetor em termos de seus componentes e procedendo a operação do
produto escalar nos seus vetores unitários.
r r
a •b

Sendo,
r
a = axiˆ + a y ˆj + az kˆ
r
b = bxiˆ + by ˆj + bz kˆ
r r
( )(
a • b = axiˆ + a y ˆj + az kˆ • bxiˆ + by ˆj + bz kˆ )
r r
a • b = axbx + a yby + azbz

Produto vetorial de dois vetores ( X )

r r r r
O produto vetorial de dois vetores a e b , denotado por a × b , consiste num
vetor com as seguintes propriedades:
r r r r
• a × b É um vetor perpendicular a ambos a e b

58/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r r
• O sentido de a × b é dado pela regra de mão direita, ou seja, identificando
r r
o indicador e o médio da mão direita com, a e b , respectivamente, o
r r
sentido de a × b será o do polegar direito. Ver Fig. 2.24.

Fig. 2.24 – Produto vetorial entre dois vetores

r r
O produto vetorial, a × b , é calculado através do determinante.

iˆ ˆj kˆ
r r
a × b = ax ay az
bx by bz

Expandindo
r r
a × b = iˆa ybz + ˆjazbx + kˆaxby − kˆa ybx − ˆjaxbz − iˆazby
r r
a × b = iˆ(a ybz − azby ) + ˆj (azbx − axbz ) + kˆ(axby − a ybx )

59/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.11.3 – OPERAÇÕES DIFERENCIAIS COM VETORES

A definição de uma derivada pode ser utilizada para diferenciar um vetor. Considere-se
r r
um vetor como função do tempo, a = a (t ) , que em coordenadas retangulares pode ser
decomposto em ax = ax (t ) , a y = a y (t ) , , az = az (t ) . A derivada temporal do vetor a é
r

dada por:
r r r
da lim a (t + Δt ) − a (t )
=
dt Δt → 0 Δt
r
da
ˆ [ ]
lim [ax (t + Δt ) − ax (t )]i + a y (t + Δt ) − a y (t ) j + [az (t + Δt ) − az (t )]k
ˆ ˆ
= Δt
dt Δt → 0
r
da da x ˆ da y ˆ da z ˆ
= i+ j+ k
dt dt dt dt

Se agora considerarmos o vetor como função do espaço, o que em coordenadas


cartesianas é dado por a = a ( x, y , z ) , ou seja, ax = ax ( x, y, z ) , a y = a y ( x, y, z ) ,
r r

az = az ( x, y, z ) , o que nos dá as chamadas derivadas parciais.

O vetor em função do eixo dos x nos dá a seguinte derivada parcial:


r r r
∂a lim a ( x + Δx, y , z ) − a ( x, y , z )
=
∂x Δx → 0 Δx
r
∂ a ∂ a x ˆ ∂ a y ˆ ∂a z ˆ
= i+ j+ k
∂x ∂x ∂x ∂x

Similarmente, em relação às outras coordenadas espaciais, eixos y e z, o vetor será as


seguintes derivadas parciais:
r
∂a ∂ax ˆ ∂a y ˆ ∂az ˆ
= i+ j+ k
∂y ∂y ∂y ∂y

r
∂ a ∂ a x ˆ ∂ a y ˆ ∂a z ˆ
= i+ j+ k
∂z ∂z ∂z ∂z

60/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

2.11.3.1 – DEFINIÇÃO DE OPERADOR VETORIAL, ∇

Certas operações com vetores ocorrem tão frequentemente em formulações


matemáticas que se torna necessário a utilização de uma notação abreviada. No campo
que entraremos, Mecânica dos Fluídos, Fenômenos de Transporte e Agitação Mecânica,
a utilização de operações com vetores como funções do tempo e do espaço, exige a
substituição das derivadas parciais por estas notações simplificadas chamadas de
operadores vetoriais.
O operador vetorial ∇, conhecido como “nabla”, é definido em coordenadas retangulares
como:

∂ ˆ ∂ ˆ ∂ ˆ
∇= i+ j+ k
∂x ∂y ∂z

Onde iˆ, ˆj , kˆ são os vetores unitários e ∂x, ∂y, ∂z são as variáveis associadas aos eixos
de coordenadas x, y e z. O símbolo ∇ é um “vetor operador”, e possui componente como
um vetor qualquer, e não pode existir sozinho, mas deve operar sobre uma função
escalar, uma função vetorial ou uma função tensorial. Uma vez que ∇ é um operador
vetorial, algumas operações podem ser realizadas com outras funções, como visto a
seguir.

2.11.3.2 – O GRADIENTE DE UM CAMPO ESCALAR

Quando ∇ opera sobre uma função escalar diferenciável (campo), o resultado é


chamado de gradiente. Desta forma, se uma função φ=φ (x, y,z) for um campo
escalar, então o vetor construído a partir das derivadas desta função é o
gradiente do campo escalar φ, denotado por:

∂φ ˆ ∂φ ˆ ∂φ ˆ
∇φ = gradienteφ = gradφ = i+ j+ k
∂x ∂y ∂z

Verificar que enquanto φ é um campo escalar, o ∇φ é um campo vetorial. O gradiente ∇φ


é um vetor perpendicular a uma superfície de φ, sendo sua magnitude e direção aquelas
de maior taxa de crescimento espacial de φ. Um exemplo muito utilizado em Mecânica
dos Fluídos é o gradiente da pressão.

61/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A pressão como função das coordenadas espaciais é um campo escalar, p=p(x,y,z), e
seu gradiente denotado por ∇p representa um vetor decorrente das suas derivadas
parciais .

2.11.3.3 – O DIVERGENTE DE UM CAMPO VETORIAL

Quando temos um produto escalar (•) formado entre ∇ e uma função vetorial (ou
r
campo), o resultado é chamado de Divergente de um Campo Vetorial. Se um vetor V é
r r
função de variáveis espaciais, x, y e z, ou seja, V = V ( x, y , z ) , então um produto escalar
poderá ser formado com o operador ∇, obtendo-se:

r r r ⎛∂
∇ • V = divergenteV = divV = ⎜⎜ iˆ +

∂ ˆ ∂ ˆ⎞

(
j + k ⎟⎟ • Vxiˆ + Vy ˆj + Vz kˆ
∂z ⎠
)
⎝ x y
Efetuando-se o produto escalar teremos:

r ∂V ∂Vy ∂Vz
∇ •V = x + +
∂x ∂y ∂z

2.11.3.4 – O ROTACIONAL DE UM CAMPO VETORIAL

Quando temos um produto vetorial (×) entre ∇ e um campo vetorial, um vetor que é
função das coordenadas espaciais, o resultado é chamado de Rotacional. Se o campo
r r
vetorial é V = V ( x, y , z ) , então em coordenadas ortogonais,

iˆ ˆj kˆ
r r ∂ ∂ ∂
∇ × V = rotacional V =
∂x ∂y ∂z

Vx Vy Vz

62/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.11.3.5 – DEFINIÇÃO DE OPERADOR LAPLACIANO, ∇2

Outro operador que ocorre frequentemente é obtido efetuando-se o produto escalar ∇•∇.
Este operador é chamado de Laplaciano, e a ele é atribuído o símbolo ∇2. Em
coordenadas cartesianas, denotamos como:

∂ ˆ ∂ ˆ ∂ ˆ ∂ ∂ ˆ ∂ ˆ
∇2 = ∇ • ∇ = ( i+ j + k ) • ( iˆ + j + k)
∂x ∂y ∂z ∂x ∂y ∂z
∂2 ∂2 ∂2
∇2 = ∇ • ∇ = + +
∂x 2 ∂y 2 ∂z 2

2.11.3.5 – LAPLACIANO DE UM CAMPO ESCALAR, ∇×∇φ=0

Se nos fizermos o divergente do gradiente de uma função escalar φ, nos obtemos o que
se chama laplaciano de um campo escalar, denotado por ∇×∇φ ou ∇2φ.

⎛ ∂φ ∂φ ˆ ∂φ ˆ ⎞
∇ × ∇φ = ∇ × ⎜⎜ iˆ + j+ k ⎟⎟
⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

iˆ ˆj kˆ
∂ ∂ ∂
∇ × ∇φ =
∂x ∂y ∂z
∂φ ∂φ ∂φ
∂x ∂y ∂z

Resolvendo o determinante, temos:

⎛ ∂ 2φ ∂ 2φ ⎞ ˆ ⎛ ∂ 2φ ∂ 2φ ⎞ ˆ ⎛ ∂ 2φ ∂ 2φ ⎞
∇ × ∇φ = ⎜⎜ − ⎟⎟i + ⎜⎜ − ⎟⎟ j + ⎜⎜ − ⎟⎟
⎝ ∂y∂z ∂z∂y ⎠ ⎝ ∂z∂x ∂x∂z ⎠ ⎝ ∂x∂y ∂y∂x ⎠

Visto que φ=φ(x,y,z) deve ser uma função contínua diferenciável, então a ordem da
diferenciação repetitiva será irrelevante, nos permitindo escrever:

63/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
∂ 2φ ∂ 2φ ∂ 2φ ∂ 2φ ∂ 2φ ∂ 2φ
= ,· = e =
∂x∂y ∂y∂x ∂x ∂z ∂ z ∂x ∂y∂z ∂z∂y

Conseqüentemente ∇×∇φ = 0

2.12 – CONTINUUM

Todos os fluídos são compostos de moléculas em movimento constante. Entretanto na


maioria das vezes (em aplicações de engenharia), estamos interessados nos efeitos
globais ou médios (macroscópicos) de muitas moléculas. São estes efeitos
macroscópicos que podemos perceber e medir. Desta forma precisamos tratar um fluído
como uma substância infinitamente divisível (chamado de meio contínuo) e não nos
preocuparmos com o comportamento individual das suas moléculas .

Esta conceituação de continuum é a base da mecânica dos fluídos clássicas. A


suposição do continuum é válida em se tratando do comportamento de fluídos sob
condições normais. Ela deixa de ter validade quando a distância média entre as colisões
das moléculas tornam-se da mesma ordem de grandeza que a menor dimensão
relevante do problema. Em problemas tais como do escoamento de um gás rarefeito,
temos que abandonar o conceito de continuum em detrimento de pontos de vista
microscópico e estatístico.

Como consequência da suposição do continuum, admite-se que cada propriedade do


fluído se apresenta definida em cada ponto do espaço. Deste modo, propriedades tais
como: massa específica, temperatura, velocidade, etc., são consideradas funções
contínuas de posição e tempo.

f (t) função de tempo


f(x,y,z,t)
f(x,y,z) função de posição

Para ilustrar o conceito de propriedades em um ponto, consideramos a maneira pela


qual é determinada a massa específica (densidade) no ponto C de uma região de fluído
da figura 2.24. Estamos interessados em determinar a massa específica (densidade) no
ponto C, cujas coordenadas são x0, y0 e z0.

64/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A densidade é definida como sendo a massa por unidade de volume.

m
ρ=
V

Fig. 2.24 – Conceito de propriedade em um ponto, massa específica ( densidade ) ρ

A equação [2.23] não poderá ser generalizada para representar a densidade no ponto C.
Para determinarmos corretamente a densidade em C, escolhamos um pequeno volume
δm, o menor possível ao redor do ponto C, e determinemos o quociente da massa δm,
contida no volume em relação a este volume.

O volume dito tão pequeno quanto possível só será satisfeito quando tender ao
infinitamente pequeno, de modo que permita definir a densidade de um fluído como
sendo o limite do quociente da massa contida no volume em relação ao próprio volume,
fazendo o volume tão pequeno que tenda a zero, que pode ser escrito como:

δm
ρ = limδV →0
δV

Como o ponto C é um ponto arbitrário no fluído, a densidade ρ em qualquer ponto pode


ser determinada semelhantemente.

65/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Desta forma, se determinações da densidade fossem feitas simultaneamente para um
número infinito de pontos no fluído, obteríamos uma expressão para a distribuição da
densidade como sendo uma função das coordenadas espaciais, ou seja, ρ = ρ (x, y, z)
em um dado instante de tempo. Uma vez que a densidade em um ponto pode variar com
o tempo como resultado de trabalho executado sobre ou pelo fluído ou mesmo de calor
transferido, deveríamos caracterizar a densidade como sendo função das coordenadas
espaciais e também do tempo.

ρ = ρ (x, y, z, t) campo escalar

Uma vez que a massa é uma quantidade escalar, a equação acima representa o que
denominamos de campo escalar.

2.13 – CAMPO DE VELOCIDADES

A suposição do continuum conduziu à representação de campo de propriedades do fluído. Ao


tratarmos de fluídos em movimento, estaremos interessados na descrição de um campo de
velocidades. A velocidade do fluído no ponto C da figura 2.24 é definida como a velocidade
instantânea do centro de gravidade do volume δV envolvendo o ponto C naquele instante. Ou
r
seja, num dado instante de tempo, o campo de velocidades, v , é uma função das coordenadas
espaciais.
r r
v = v ( x, y , z )

Como a velocidade num dado ponto do escoamento pode variar de um instante para outro,
temos que o campo de velocidades também é função do tempo, de modo que:
r r
v = v ( x, y , z , t ) Campo de velocidades
Campo vetorial

Se as propriedades do fluído não se alteram com o tempo, o escoamento é chamado de


escoamento permanente. Para um escoamento permanente temos:

∂ρ
=0 ⇒ ρ = ρ ( x, y , z ) Campo escalar
∂t
r
∂v r r
=0 ⇒ v = v ( x, y , z ) Campo vetorial
∂t

66/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

No escoamento permanente não há dependência temporal em um dado ponto do mesmo.

2.14 – CAMPO DE TENSÕES

As tensões em um meio resultam de forças agindo em alguma parte deste meio. O conceito de
tensão fornece uma maneira conveniente de descrever o modo pelas quais as forças agindo
sobre os limites do meio, são transmitidas através do meio.

Mesmo sendo a área e força quantidades vetorias, o campo de tensões não é um campo
vetorial. Via de regra, são necessárias nove quantidades para especificar um estado de tensão
em um fluído. Conforme visto anteriormente, tensão consiste numa quantidade tensorial de
segunda ordem.

No estudo da mecânica dos fluídos do continuum encontramos dois tipos de força que são
denominadas de forças de superfície e forças de corpo. Forças de superfície são aquelas de
contato direto. Já as forças de corpo, são aquelas desenvolvidas sem contato físíco. As forças
gravitacionais e eletromagnéticas são exemplos de forças de corpo que ocorrem em um fluído.

A descrição do campo de tensões é desenvolvida a partir da análise da tensão em um ponto.


r r
Considere-se o elemento de área δA , no ponto C, sofrendo a ação da força δ F como
r
mostrado na Fig. 2.25. A magnitude de δA é a própria área do elemento, sendo sua direção
normal à superfície.

Fig. 2.25 – Definição de tensão em um ponto do fluído

67/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

A tensão em um pontor é definida então da seguinte forma:


δF
tensão = limδAr → 0 r
δA

A definição de tensão requer o calculo da razão entre o vetor força e vetor área.
r
• vetor área δA pode ser decomposto em três componentes, de modo que:
r
δA = îδAx + ˆjδAy + kˆδAz

r
Fig. 2.26 – Decomposição do vetor Área, δA
r
A área do elemento δA , é o elemento de área limitado por ABC. O componente δAx, é o
r r
componente do vetor δA no eixo X, ou seja, a projeção de δA no eixo X.

A magnitude de δAx é a projeção de ABC no plano yz, ou seja, a área OCB que é perpendicular
ao eixo X ver Fig 2.27.
r
Da mesma forma, δAy é o componente em Y de δA , e sua magnitude é a projeção de ABC no
plano xz (área OCA), isto é, sobre o plano perpendicular ao eixo dos Y.

68/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r
δAz é o componente em Z do vetor δA , e sua magnitude é a projeção de ABC sobre o plano xy
(área OAB), isto é, sobre o plano perpendicular ao eixo dos Z.

r
Fig. 2.27 – Projeções das componentes do vetor Área δA
r
- Vetor Força δ F : agindo no ponto C da Fig. 2.25, analogamente pode ser decomposto em
três componentes, nos dando a seguinte equação:
r
δF = îδFx + ˆjδFy + kˆδFz

Ao definir a tensão em um ponto, podemos considerar os componentes δFx, δFy , δFz da força
r r
δ F no ponto C agindo sobre os componentes δAx, δAy, δAz da área δA no ponto C. Visto desta
maneira, estamos definindo efetivamente os componentes da tensão no ponto C. Desta forma
a equação 2.27 pode ser substituída por nove equações, pois temos três componentes da
tensão (resultando de cada um dos três componentes da Força, δFx, δFy , δFz) agindo sobre
cada um dos componentes de área δAx, δAy, δAz.

Para facilitar o entendimento é vantajoso usar uma notação que nos permita delinear ambos os
planos nos quais a tensão está agindo, e na direção na qual a tensão esta atuando. Uma
notação de subscritos duplos fornece uma descrição conveniente. Assim Tij denota a tensão
atuando sobre um plano i. na direção j., onde i. e j. cada qual pode representar os eixos x, y e
z.

69/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Usando esta notação, podemos expressar a definição de tensão (equação 2.27) em termos de
componentes:
r
δFj
Tij = limδAr i →0 r
δAi

Esta equação representa nove equações escalares, já que os subscritos i. e j. podem assumir
os valores de x , y e z. A tensão em um ponto é especificada pelos seus noves componentes, a
saber:

σxx τxy τxz


τyx σyy τyz
τzx τzy σzz

As tensões normais são denotadas por σ e as tensões cisalhantes denotadas pelo símbolo τ,
ver Fig. 2. 28

Fig.2.28 – Notação para tensão

70/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Verificamos desta forma que a suposição do CONTINUUM, ou seja, a suposição de que um
fluído poderia ser tratado como uma distribuição contínua de matéria, levou diretamente à
representação de campo de propriedades de um fluído.

Os campos de propriedades são definidos por funções contínuas das coordenadas espaciais e
do tempo. Podemos falar de um campo escalar [ρ = ρ ( x, y , z , t )] como, por exemplo, o campo
[r r
]
de densidade já visto anteriormente. Um campo vetorial V = V ( x, y , z , t ) como o campo de
velocidades e um campo de tensões como visto anteriormente. Logicamente um campo de
tensões (campo tensorial) é muito mais complexo que um campo escalar e um campo vetorial.

2.15 – EQUAÇÕES DE NAVIER – STOKES

A revisão anterior foi dedicada à Análise Vetorial, que por sua vez está profundamente
relacionada com o material objeto deste trabalho. O equacionamento de Navier – Stokes que
se seguirá, servirá de base para o desenvolvimento das equações que serão utilizadas na
análise dimensional de um sistema mecânicamente agitado.

As Equações de Navier-Stokes são um grupo de Equações Diferenciais Parciais que


representam as Equações do Movimento que governam o fluído continuum. Estas equações
modelam a maioria dos fluxos tratados em Dinâmica de Fluídos e Fenômenos de Transporte.
Este grupo contém 5 equações, Equação da Conservação de Massa, 3 componentes da
Equação da Conservação do Momentum e a Equação da Conservação da Energia.

O movimento de um fluído em um sistema agitado como o que estamos estudando, deve


obedecer apenas as leis de conservação de massa e momentum. A lei de conservação de
massa pode ser eliminada da nossa análise, uma vez que o nosso fluído será tratado como
incompressível, ou seja, a densidade é constante, não dependendo nem das coordenadas
espaciais, nem do tempo.

Antes de prosseguirmos, cabe agora utilizarmos os exemplos citados por Bird para evidenciar
o significado dos três tipos de derivadas do tempo que serão utilizadas neste trabalho.

Bird utiliza a analogia do problema que um homem tem ao reportar a concentração c de peixes
em um determinado rio. Uma vez que os peixes estão se movendo continuamente, a
concentração c dos mesmos será uma função da sua posição ( x , y , z ) e do tempo (t).

∂c
Derivada Parcial do Tempo ,
∂t

71/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Supomos que estamos parados numa ponte sobre o rio, e observamos como a concentração
de peixes, fixamente sob nós, varia com o tempo. Nós estamos observando então como a
concentração varia com o tempo em uma posição fixada no espaço. Consequentemente
∂c
interpretamos que , significa a derivada parcial de c com relação a t, permanecendo as
∂t
coordenadas x , y e z constantes.

dc
Derivada Total do Tempo,
dt

Supomos agora que em vez de estarmos parados na ponte, nós pegamos um barco
motorizado e nos deslocamos pelo rio, nos dirigindo algumas vezes à montante, algumas vezes
a juzante e algumas vezes cruzando o rio transversalmente. Se formos relatar a mudança de
concentração de peixes com relação ao tempo, os números que apresentarmos deverá refletir
também o movimento do barco. Isto nos dá o que chamamos de derivada total, denotada por

dc ∂c ∂c dx ∂c dy ∂c dz
= + + +
dt ∂t ∂x dt ∂y dt ∂z dt

Onde dx/dt, dy/dt e dz/dt , são os componentes da velocidade do barco

Dc
Derivada Substancial do Tempo,
Dt

Supomos agora que utilizamos uma canoa sem motorização e simplesmente navegamos à
deriva contando peixes. Agora a velocidade do observador é a mesma que a velocidade do
r
fluxo v . Quando relatamos a mudança na concentração de peixes com relação ao tempo, os
números dependerão da velocidade local do fluxo do rio.
Esta derivada é um tipo especial de derivada total do tempo e é chamada de derivada
substancial, ou algumas vezes (e mais logicamente) de derivada seguindo um movimento.

Dc ∂c ∂c ∂c ∂c
= + vx + v y + vz
Dt ∂t ∂x ∂y ∂z
r
Onde vx , vy e vz , são os componentes da velocidade local do fluído v

72/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.15.1 – EQUAÇÃO DA CONTINUIDADE (Conservação da massa)

A dedução da equação diferencial para a conservação de massa é levada a termo,


aplicando-se o princípio da conservação de massa a um volume de controle diferencial.
Relembrando a diferença entre volume de controle e sistema. Sistema é definido como
uma quantidade fixa identificável de massa, com os limites separando-o do meio
exterior. Calor e Trabalho podem atravessar estes limintes, porém a massa não o
atravessa permanendo fixa dentro do sistema. Volume de Controle é um volume
arbitrário no espaço através do qual um fluído (massa) pode escoar. O contorno
geométrico de um volume de controle é chamado de superfície de controle. Em
coordenadas retangulares, o volume de controle escolhido, consiste de um cubo
infinitesimal com os lados de comprimento dx, dy e dz, conforme Fig. 2.29

Fig. 2.29 – Volume de Controle Diferencial em coordenadas retangulares

A densidade no centro do volume de controle é ρ, e a velocidade ali é dada por


r
V = uiˆ + vˆj + wkˆ . Em termos do principio de conservação de massa, podemos escrever;

taxa de efluxo taxa de variação


através da + de massa = 0
superfície de controle dentro do volume controle

73/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
⎡ ∂ρ .u ∂ρ .v ∂ρ .w ⎤ ⎡ ∂ρ ⎤
⎢ + + ⎥ dx.dy.dz + ⎢ .dx.dy.dz ⎥ = 0
⎣ ∂x ∂y ∂z ⎦ ⎣ ∂t ⎦

∂ρ .u ∂ρ .v ∂ρ .w ∂ρ
+ + + =0
∂x ∂y ∂z ∂t

Podemos escrever em notação vetorial, de maneira mais compacta,

∂ ˆ ∂ ˆ ∂ ˆ
Como: i+ j+ k =∇ (operador vetorial )
∂x ∂y ∂z
r
e u.iˆ + v. ˆj + w.kˆ = V ( vetor velocidade)

r ∂ρ
∴ ∇.ρ .V + =0 Princípio de Conservação de Massa
∂t

Dois tipos de escoamentos mereçem serem notados

Escoamento Incompressível

Onde a densidade é constante, não sendo influenciada nem pelas coordenadas


espaciais e nem pelo tempo. Este caso é o adotado em nosso trabalho. A equação da
continuidade pode ser escrita:
r
∇ •V = 0 (Divergente de campo vetorial)

Escoamento Permanente

Para um escoamento permanente, todas as propriedades do fluído são por definição


independente do tempo. Desta forma o campo escalar da densidade, pode no máximo
ser dependente das coordenadas espaciais ρ=ρ(x,y,z). A equação da continuidade
passa a ser:
r r
∇ • ρV = 0 ( Divergente de ρV )
r
O vetor ρV é o fluxo de massa e o seu divergente significa a razão de massa por
unidade de volume.

74/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
2.15.2 – EQUAÇÃO DO MOVIMENTO (Conservação Do Momentum )

Uma equação dinâmica descrevendo a movimentação de fluído, pode ser obtida


aplicando-se a Segunda Lei de Newton a uma partícula. A segunda Lei de Newton diz
r r
que a força F é a variação temporal da Quantidade de Movimento ou Momentum P .
r
r dP
F =
dt
r
Onde a Quantidade de Movimento P é dado por:
r r
P= ∫ dm
V
massa

De modo que a Segunda Lei de Newton pode ser escrita na forma:


r r
r dV dV r
dF = dm. =a
dt dt
r
Podemos estabelecer que o termo d F pode ser expresso em termos de forças de
superfície e força de corpo, atuando sobre o elemento fixo DM.

• Aceleração de uma partícula de fluído em um campo de velocidade


Uma descrição geral da aceleração pode ser obtida considerando-se uma partícula de
fluído em um campo de velocidades. A hipótese do CONTINUUM, nos conduziu à uma
descrição de campo de escoamento de fluído, na qual as propriedades são definidas por
funções contínuas das coordenadas espaciais e do tempo, em particular o campo de
r r
velocidades V = V ( x, y , z , t ) . Neste caso nosso problema consiste em obter a descrição
do campo para as propriedades do fluído, obtendo uma expressão para a aceleração de
uma partícula de fluído à medida que ela translada em um campo de escoamento.
Podemos trabalhar sobre o seguinte enunciado:
r r r
Dado um campo de velocidades, V = V ( x, y , z , t ) , determinar a aceleração ap da partícula
de fluído, considere uma partícula movendo-se em um campo de escoamento conforme
a Fig. 2.30. No tempo t, a partícula se encontra na posição x, y, z e possui uma
velocidade correspondente a:

75/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r r s
Vp = V ( x, y, z, t ) Vp =velocidade partícula
t

No tempo subseqüente t+dt, a partícula terá se movido para uma posição com
coordenadas ( x + dx, y + dy , z + dz ) , e possuirá uma velocidade dada por:
r r
Vp = V ( x + dx, y + dy, z + dz, t + dt )
t + dt

Fig. 2.31 – Movimento de uma partícula em um campo de escoamento

r r r
A velocidade da partícula no tempo t (posição r ) é dada por VP = V ( x, y , z , t ) . A variação
r r r r
na velocidade da partícula, dVP , movimentando-se da posição r para a posição r + dr ,
é dada por:
r r r r
r ∂V ∂V ∂V ∂V
dVP = dxP + dyP + dzP + dt [2.35]
∂x ∂y ∂z ∂t
r
A aceleração é a variação temporal de dVP (derivada em relação ao tempo )

76/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r r r r r
r dVP ∂V dx P ∂V dy P ∂V dz P ∂V dt
aP = = + + + [2.36]
dt ∂t dt ∂t dt ∂t dt ∂t dt

dxP dyP dz P
Como ; =u , =v , =w
dt dt dt

De forma
r querpodemos
r escrever
r ar equação[2.36] na forma,
r d V P ∂V ∂V ∂V ∂V
aP = = u+ v+ w+ [2.37]
dt ∂t ∂t ∂t ∂t

O cálculo da aceleração de uma partícula


r de fluído em um campo de velocidade,é uma
DV
derivada especial, denotada por . Esta derivada é chamada de derivada substancial
Dt
para nos lembrar que ela é calculada seguindo uma partícula de substância.
r r r r r
DV r ∂V ∂V ∂V ∂V
= aP = u+ v+ w+ [2.38]
Dt ∂t ∂t ∂t ∂t

O significado físico de cada termo é:


r
DV r
= aP Aceleração total da partícula
Dt
r r r
∂V ∂V ∂V
u+ v+ w Aceleração convectiva
∂t ∂t ∂t
r
∂V
Aceleração local
∂t

A equação [2.38] é uma equação vetorial, e pode ser expressa em equações


componentes escalares como:

Du r ∂u ∂u ∂u ∂u
= a xP = u+ v+ w+ [2.39a]
Dt ∂x ∂y ∂z ∂t

77/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Dv r ∂v ∂v ∂v ∂v
= ayP = u + v + w + [2.39b]
Dt ∂x ∂y ∂z ∂t

Dw r ∂w ∂w ∂w ∂w
= az P = u+ v+ w+ [2.39c]
Dt ∂x ∂y ∂z ∂t

• Forças agindo sobre uma partícula de fluído

Tendo obtido uma expressão para a aceleração de um elemento de fluído de massa dm,
movendo-se em um campo de velocidades, podemos escrever a Segunda Lei de
Newton na forma de equação vetorial.
r r
r dV r DV
dF = dm dF = dm
dt Dt
r r r r
r ⎡ ∂V ∂V ∂V ∂V ⎤
dF = dm ⎢ u + v+ w+ ⎥ [2.40]
⎣ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎦

As equações escalares são dadas por:

r Du ⎡ ∂u ∂u ∂u ∂u ⎤
dFx = dm = dm ⎢ u + v + w+ ⎥ [2.41a]
Dt ⎣ ∂x ∂ ∂ ∂⎦

r Dv ⎡ ∂v ∂v ∂v ∂v ⎤
dFy = dm = dm ⎢ u + v + w + ⎥ [2.41b]
Dt ⎣ ∂x ∂ ∂ ∂⎦

r Dw ⎡ ∂w ∂w ∂w ∂w ⎤
dFz = dm = dm ⎢ u + v+ w+ [2.41c]
Dt ⎣ ∂x ∂ ∂ ∂ ⎥⎦
r
É necessário obter formulação adequada para a d F ou suas componentes escalares
r r r
dFx , dFy e dFz atuando sobre o elemento considerado.

78/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
As forças sobre o elemento de fluído podem ser classificadas como forças de corpo e
forças de superfície, deduzidas como se segue.

• Forças de superfície

As forças de superfície incluem as forças normais e tangenciais. Consideremos a


componente em x da força atuando sobre um elemento diferencial de massa dm, e
volume dV=dx.dy.dz. Somente as tensões que atuam na direção x darão origem a
forças de superfície na direção x.

Se as tensões no centro do elemento diferencial forem tomadas como σxx, τyx , τzx , então
as tensões atuando na direção x em cada face do elemento são conforme mostrado na
Fig. 2.32

Fig. 2.32 – Tensões na direção x sobre um elemento de flu

Tomemos como exemplo a direção do eixo x no sistema de coordenadas cartesiana.


Para se obter a força de superficie resultante na direção x, denotada por dFSX, devemos
somar as forças na direção x .

79/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
⎛ ∂σ xx dx ⎞ ⎛ ∂σ xx dx ⎞
dFs X = ⎜ σ xx + ⎟dydz − ⎜ σ xx − ⎟dydz +
⎝ ∂x 2 ⎠ ⎝ ∂x 2 ⎠
⎛ ∂τ yx dy ⎞ ⎛ ∂τ dy ⎞
+ ⎜⎜τ yx + ⎟⎟dxdz − ⎜⎜τ yx − yx ⎟dxdz +
⎝ ∂y 2 ⎠ ⎝ ∂y 2 ⎟⎠
⎛ ∂τ dz ⎞ ⎛ ∂τ dz ⎞
+ ⎜τ zx + zx ⎟dxdy − ⎜τ zx − zx ⎟dxdy
⎝ ∂z 2 ⎠ ⎝ ∂z 2 ⎠

Que após as devidas simplificações, obtém-se a força de superfície atuando no


elemento:

⎛ ∂σ ∂τ yx ∂τ zx ⎞
dFsx = ⎜⎜ xx + + ⎟dxdydz Força de superfície em x
⎝ ∂x ∂y ∂z ⎟⎠

• Força de corpo

A força de corpo que nos interessará no desenvolvimento deste trabalho é a força


devido a gravidade, de modo que a adotaremos de imediato.
r
Se a força da gravidade for designada por g , podemos escrever,

r
g = g xiˆ + g y ˆj + g z kˆ Força de corpo

A componente da força da gravidade ( força de corpo) por unidade de massa na direção


x, denotada por dFgx poderá ser escrita por
r r r
dFgx = g x dm = g x ρdV = g x ρ .dxdydx Força de corpo na direção x

• Resultante

A força resultante na direção x, decorrente da soma da força de superfície dFSx e força


de corpo ( gravidade ) dFgx será dadao por:

dFx = dFSx + dFgx [2.42]

⎛ ∂σ ∂τ yx ∂τ zx ⎞ r
dFx = ⎜⎜ xx + + ⎟⎟dxdydz + ( g x ρ )dxdydz
⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

80/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
⎛ ∂σ ∂τ yx ∂τ zx r ⎞
dFx = ⎜⎜ xx + + + ρg x ⎟⎟dxdydz [2.42a]
⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

As outras expressões similares para as componentes de força nas direções y e z são


como se segue:

⎛ ∂τ xy ∂σ yy ∂τ zy r ⎞
dFy = ⎜ + + + ρg y ⎟dxdydz [2.42b]
⎜ ∂x ∂y ∂z ⎟
⎝ ⎠

⎛ ∂τ ∂τ yz ∂σ zz r ⎞
dFz = ⎜⎜ xz + + + ρg z ⎟⎟dxdydz [2.42c]
⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

• Equações Diferenciais do Momentum


r
Após a formulação das expressões para as componentes da força d F (ver eq. 2.42)
agindo sobre o elemento de fluído de massa dm, podemos utilizar estas expressões
para substituir na equação [2.41]. Estas substituições nos dará as equações diferenciais
do movimento, conhecida como equações de Navier-Stokes.
Du Du
dFx = dm → dm = dFsx + dFg x [2.43a]
Dt Dt

Dv Dv
dFy = dm → dm = dFs y + dFg y [2.43b]
Dt Dt

Dw Dw
dFz = dm → dm = dFsz + dFg z [2.43c]
Dt Dt

Ou

⎡ ∂u ∂u ∂u ∂u ⎤ ⎡ ⎛ ∂σ ∂τ yx ∂τ zx ⎞⎤
dm ⎢ u + v + w + ⎥ = ⎢( ρg x ) + ⎜⎜ xx + + ⎟⎥ dxdydz [2.44a]
⎣ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎦ ⎣ ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎟⎠⎦

⎡ ∂v ∂v ∂v ∂v ⎤ ⎡ ⎛ ∂τ xy ∂σ yy ∂τ zy ⎞⎤
dm⎢ u + v + w + ⎥ = ⎢(ρg y ) + ⎜⎜ + + ⎟⎥ dxdydz [2.44b]
⎣ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎦ ⎣ ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎟⎠⎦

81/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
⎡ ∂w ∂w ∂w ∂w ⎤ ⎡ ⎛ ∂τ ∂τ yz ∂σ zz ⎞⎤
dm⎢ u + v+ w + ⎥ = ⎢( ρg z ) + ⎜⎜ xz + + ⎟⎥ dxdydz [2.44c]
⎣ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎦ ⎣ ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎟⎠⎦

Uma vez que dm = ρdV = ρdxdydz, podemos eliminar dxdydz dos dois membros
permanendo somente a densidade ρ, de forma que as Equações Diferenciais do
Momentum ficam.

⎛ ∂u ∂u ∂u ∂u ⎞ ∂σ xx ∂τ yx ∂τ zx
ρ ⎜⎜ u+ v+ + ⎟⎟ = ρg x + + + [2.45a]
⎝ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎠ ∂x ∂y ∂z

⎛ ∂v ∂v ∂v ∂v ⎞ ∂τ xy ∂σ yy ∂τ zy
ρ ⎜⎜ u + v + + ⎟⎟ = ρg y + + + [2.45b]
⎝ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎠ ∂x ∂y ∂z

⎛ ∂w ∂w ∂w ∂w ⎞ ∂τ ∂τ ∂σ zz
ρ ⎜⎜ u+ v+ + ⎟⎟ = ρg z + xz + yz + [2.45c]
⎝ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎠ ∂x ∂y ∂z

Simplificando:

Du r ∂σ ∂τ yx ∂τ zx
ρ = ρg x + xx + + [2.46a]
Dt ∂x ∂y ∂z

Dv r ∂τ xy ∂σ yy ∂τ zy
ρ = ρg y + + + [2.46b]
Dt ∂x ∂y ∂z

Dw r ∂τ ∂τ yz ∂σ zz
ρ = ρg z + xz + + [2.46c]
Dt ∂x ∂y ∂z

As equações [2.46] são as equações diferenciais do movimento para qualquer fluído que
satisfaça a suposição do continuum. Estas equações de qualquer modo, são equações
que representam a Segunda Lei de Newton na forma que a soma das forças = massa
x aceleração.

82/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Para que se possa utilizar estas equações devemos introduzir expressões mais
adequadas para as tensões. Para fluídos Newtonianos, as tensões podem ser
expressadas em termos de gradiente de velocidade (tensões nas camadas de fluído) e
propriedades de fluído.

Dispensando uma complexa dedução destas equações, as tensões podem ser


expressas na forma.

⎛ ∂v ∂u ⎞
τ xy = τ yx = μ ⎜⎜ + ⎟⎟ [2.47a]
⎝ ∂x ∂y ⎠

⎛ ∂w ∂v ⎞
τ yz = τ zy = μ ⎜⎜ + ⎟⎟ [2.47b]
⎝ ∂y ∂z ⎠

⎛ ∂u ∂w ⎞
τ zx = τ xz = μ ⎜ + ⎟ [2.47c]
⎝ ∂z ∂x ⎠

2 r ∂u
σ xx = − p − μ∇ • V + 2μ [2.47d]
3 ∂x

2 r ∂v
σ yy = − p − μ∇ • V + 2 μ [2.47e]
3 ∂y

2 r ∂w
σ zz = − p − μ∇ • V + 2μ [2.47f]
3 ∂z

Onde p é a pressão local, e os outros membros representam um estado mais geral da


Lei da Viscosidade de Newton do aquele descrito no item 2.4 (pagina 11). No nosso
caso, as equações de Newton para a viscosidade, se aplicam a um caso mais complexo
de fluxo, onde o fluído flui em todas as direções.

Quando o fluído de desloca na direção x entre duas placas perpendiculares a direção y,


conforme indicado na Fig. 2.3, de modo que vx é função apenas de de y. Deste modo o
grupo de seis equações fica: τxx = τyy = τzz = τyz = τxz =0 e τ yx=μ(dvx/dy) conforme
descrito em 2.4.

83/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Fazendo as substituições das equações [2.47] nas equações diferenciais [2.46]

Du r ∂p ∂ ⎡ ⎛ ∂u 2 r ⎞⎤ ∂ ⎡ ⎛ ∂u ∂v ⎞⎤ ∂ ⎡ ⎛ ∂w ∂u ⎞⎤
ρ = ρg x − + ⎢ μ ⎜ 2 − ∇ • V ⎟⎥ + ⎢ μ ⎜⎜ + ⎟⎟⎥ + ⎢μ ⎜ + ⎟⎥ [2.48a]
Dt ∂x ∂x ⎣ ⎝ ∂x 3 ⎠⎦ ∂y ⎣ ⎝ ∂y ∂x ⎠⎦ ∂z ⎣ ⎝ ∂x ∂z ⎠⎦

Dv r ∂p ∂ ⎡ ⎛ ∂u ∂v ⎞⎤ ∂ ⎡ ⎛ ∂u 2 r ⎞⎤ ∂ ⎡ ⎛ ∂v ∂w ⎞⎤
ρ = ρg y − + ⎢μ ⎜⎜ + ⎟⎟⎥ + ⎢μ ⎜⎜ 2 − ∇ • V ⎟⎟⎥ + ⎢ μ ⎜⎜ + ⎟⎟⎥ [2.48b]
Dt ∂y ∂x ⎣ ⎝ ∂y ∂x ⎠⎦ ∂y ⎣ ⎝ ∂y 3 ⎠⎦ ∂z ⎣ ⎝ ∂z ∂y ⎠⎦

Dw r ∂p ∂ ⎡ ⎛ ∂w ∂u ⎞⎤ ∂ ⎡ ⎛ ∂v ∂w ⎞⎤ ∂ ⎡ ⎛ ∂w 2 r ⎞⎤
ρ = ρg z − + ⎢μ ⎜ + ⎟⎥ + ⎢ μ ⎜⎜ + ⎟⎟⎥ + ⎢ μ ⎜ 2 − ∇ • V ⎟⎥ [2.48c]
Dt ∂z ∂x ⎣ ⎝ ∂x ∂z ⎠⎦ ∂y ⎣ ⎝ ∂z ∂y ⎠⎦ ∂z ⎣ ⎝ ∂z 3 ⎠⎦

Estas são as equações do movimento chamadas de EQUAÇÕES DE NAVIER-STOKES.


Estas equações se simplificam sobremodo quando aplicadas a escoamentos
incompressíveis nos quais as variações na viscosidade do fluído podem ser
desprezadas, como é o nosso caso neste trabalho sobre agitação mecânica. Deste
modo, as Equações de Navier-Stokes podem ser escritas.

⎛ ∂u ∂u ∂u ∂u ⎞ r ∂p ⎛ ∂ 2u ∂ 2u ∂ 2u ⎞
ρ ⎜⎜ u + v + w + ⎟⎟ = ρg x − + μ ⎜⎜ 2 + 2 + 2 ⎟⎟ [2.49a]
⎝ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎠ ∂x ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

⎛ ∂v ∂v ∂v ∂v ⎞ r ∂p ⎛ ∂ 2v ∂ 2 v ∂ 2 v ⎞
ρ ⎜⎜ u + v + w + ⎟⎟ = ρg y − + μ ⎜⎜ 2 + 2 + 2 ⎟⎟ [2.49b]
⎝ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎠ ∂y ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

⎛ ∂w ∂w ∂w ∂w ⎞ r ∂p ⎛ ∂2w ∂2w ∂2w ⎞


ρ ⎜⎜ u+ v+ w+ ⎟⎟ = ρg z − + μ ⎜⎜ 2 + 2 + 2 ⎟⎟ [2.49c]
⎝ ∂x ∂y ∂z ∂t ⎠ ∂z ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

Ou de modo mais conhecido:

Du r ∂p ⎛ ∂ 2u ∂ 2 u ∂ 2u ⎞
ρ = ρg x − + μ ⎜⎜ 2 + 2 + 2 ⎟⎟ [2.50a]
Dt ∂x ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠
Dv r ∂p ⎛ ∂ 2v ∂ 2 v ∂ 2v ⎞
ρ = ρg y − + μ ⎜⎜ 2 + 2 + 2 ⎟⎟ [2.50b]
Dt ∂y ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

84/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Dw r ∂p ⎛ ∂2w ∂2w ∂2w ⎞


ρ = ρg z − + μ ⎜⎜ 2 + 2 + 2 ⎟⎟ [2.50c]
Dt ∂z ⎝ ∂x ∂y ∂z ⎠

Ou em notação com os devidos operadores vetoriais:


r
DV r r
ρ = ρg − ∇ p + μ∇ 2V [2.51]
Dt

ρ Densidade

r
DV
- derivada substancial
Dt
r
g - gravidade (força de corpo)
p- pressão local
μ- viscosidade

Para o caso de escoamento livre de fricção (μ=0), as equações do movimento se reduzem à


EQUAÇÃO DE EULER, dada por:
r
DV r
ρ = ρg − ∇ p [2.52]
Dt

3 – TEORIA DE POTÊNCIA EM SISTEMAS FLUÍDOS AGITADOS

3.1 – INTRODUÇÃO
O desenvolvimento da Teoria de Potência que se seguirá, esta embasada na ferramenta
da Mecânica dos Fluídos denominada Análise Dimensional. A Análise Dimensional
quando aplicada em um problema de escoamento, permite simplificar sobremodo sua
resolução, possibilitando converter um grande número de variáveis, sejam elas
geométricas, operacionais e físicas, em um pequeno número de grupos adimensionais
passíveis de um tratamento experimental e analítico.

85/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
O desenvolvimento da Mecânica dos Fluídos sempre dependeu de resultados
experimentais obtidos em laboratórios. São poucos os fenômenos que ocorrem nesta
área que podem ser resolvidos somente através de métodos analíticos.

A Agitação Mecânica em sistemas fluídos se enquadra neste tipo de problema, onde


temos um escoamento com um número considerável de variáveis que necessita de um
tratamento não totalmente analítico.

Podemos descrever o método de estudo destes problemas reais da seguinte forma:


Inicialmente a situação de escoamento real (no nosso caso agitação em sistemas
fluídos) é aproximada através de modelos matemáticos em uma visão puramente
analítica, porém, suficientemente simples de modo a podermos obter uma solução inicial
para o problema.

A seguir medições experimentais são executadas para conferir os resultados analíticos.


Com base nestas medições experimentais, refinamentos podem ser introduzidos na
análise, e assim por diante. De qualquer modo, o trabalho experimental deste processo
de aproximações é ao mesmo tempo longo e dispendioso.

Que experimentos precisariam ser feitos para se determinar a potência absorvida num
sistema fluído agitado? Para responder esta pergunta, precisaríamos determinar os
parâmetros que são importantes e influenciam na determinação desta potência
absorvida.

A primeira vista, espera-se que a potência venha a depender da geometria do impelidor,


da rotação do mesmo no meio fluído, da viscosidade e densidade do fluído.
Representando a potência por P, podemos escrever uma equação preliminar que será:

P = ψ( D , N , μ , ρ ) [3.1a]

Nesta função, podemos ter desprezado alguns parâmetros dos quais a potência
dependa, ou mesmo incluído parâmetros dos quais a mesma não dependa. De qualquer
modo, formulou-se uma equação preliminar para determinação da potência absorvida
em termos controláveis e mensuráveis num laboratório.

Imaginemos que série de experimentos precisaria ser feitos para se determinar a forma
de dependência de P, das variáveis, D, N, μ e ρ. Após a construção de uma
aparelhagem experimental adequada, o trabalho pode ser realizado.

86/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Para obtermos a curva de P versus N, para valores fixos de D, μ e ρ, poderemos vir a
necessitar de testes em 10 valores de N. Para concluirmos sobre o efeito do diâmetro D
do impelidor, cada teste seria repetido para impelidores de 10 diâmetros diferentes.

Logo a seguir o procedimento seria repetido 10 vezes para viscosidade μ, e 10 vezes


para a densidade ρ.

Observa-se facilmente através de simples aritmética, que precisaríamos de 104


experimentos diferentes. Considerando que cada teste tomasse meia hora e
trabalhassemos oito horas por dia, tal avaliação experimental devaria dois anos e meio
para ser concluída. Não é necessário citar as dificuldades de apresentação dos
resultados destes experimentos.

Todo este trabalho complexo e dispendioso pode ser substituído pela Análise
Dimensional citado, permitindo obter resultados significativos com considerável
economia de esforço e tempo.

Conforme dito anteriormente a Análise Dimensional permite agrupar um grande número


de variáveis dimensionais em um pequeno número de grupos adimensionais e no nosso
caso, a potência absorvida pelo impelidor em um sistema fluído agitado, pode ser
agrupada e plotada como relação funcional de poucos parâmetros adimensionais.

A forma da função obtida precisa ainda ser determinada experimentalmente, porém, em


vez de conduzirmos 104 experimentos, podemos determinar a natureza da função com a
mesma exatidão usando apenas 10 experimentos distintos.

Imaginemos nosso problema que é estabelecermos a potência absorvida em um sistema


fluído agitado mecânicamente por impelidores. Estabelecemos bem apropriadamente
nossa potência como sendo função das seguintes variáveis.

P = ψ( D , N , μ , ρ ,Q) = [3.1b]

Onde:
P = Potência absorvida
N = Rotação do impelidor (velocidade periférica )
D = Diâmetrio do impelidor
ρ = Densidade do fluído
μ = Viscosidade do fluído
Q = Vazão

87/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Admitindo que um recipiente esteja preenchido com um líquido de nível definido, com
viscosidade e densidade conhecidas e constantes. Temos um agitador com impelidor de
pás retas inclinadas a 450, com suas dimensões indicadas na Fig. 3.1, impulsionado a
uma rotação de N rotações por minuto. Admitimos também que as dimensões do tanque
são conhecidas e indicadas por:

T = Diâmetro interno do tanque


C = Distância do impelidor ao fundo do tanque
Z = Altura do líquido
B = Largura do defletor
Bc = Folga entre a parede do tanque e o defletor
W = Altura projetada das pás

Fig. 3.1 – Dimensões necessárias à Análise Dimensional de um sistema fluído


mecanicamente agitado

88/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A potência absorvida num sistema fluído agitado depende da geometria e dimensões do
tanque onde o fluído está contido, bem como das características deste fluído e do seu
comportamento.

O mecanismo que rege um sistema de agitação é uma complicada combinação de


fluxos nos regimes laminares, turbulentos e na chamada zona de transição, produzido
pelo impelidor que devido sua rotação, provoca correntes de fluxo axial, radial e
tangencial. Dentro desta análise, devemos considerar o aparecimento de vórtices na
superfície do líquido, induzidos pela componente tangencial da velocidade do fluxo.
Desta forma devemos considerar que a gravidade g influencia nosso sistema agitado.

Como veremos mais adiante, vórtices, na maioria das vezes são prejudiciais aos
sistemas mecânicos, e são invariavelmente eliminados através de montagem de
dispositivos tais como defletores nas paredes do tanque.

Ignorando temporariamente os fatores dimensionais do tanque, e admitindo o fluído


agitado como Newtoniano, a potência absorvida será função das seguintes variáveis:

P = ψ( D , N , μ , ρ ,g,Q) = [3.1.c]

A Análise Dimensional que se seguirá, será desenvolvida de dois modos. Um utilizará as


Equações de Navier-Stokes (demonstradas anteriormente), o outro modo utilizará o
chamado Teorema de Buckinghan Pi.

Em ambos os casos estaremos atrás de equações adimensionais que representam as


relações fundamentais entre as variáveis e consequentemente o comportamento do
sistema fluído agitado, permitindo o cálculo de potência, vazões, transferência de
massa, transmissão de calor, suspensão de sólidos, dispersão de gases, etc.

Exemplos de diferentes variáveis tais como velocidade, comprimento, aceleração,


densidade etc., podem ser ser fundamentalmente diferentes uma das outras e, no
entanto elas possuem certas qualidades comuns. Todas estas variáveis são derivadas
de um pequeno numero de entidades chamadas de dimensões.

Estas dimensões podem ser classificadas em dois grupos. Um é aquele definido pelo
Sistema Absoluto (SI) que compreende as entidades (dimensões) Massa (M),
Comprimento (L) e Tempo (T), e o outro é o Sistema Gravitacional Britânico que
compreende Força (F), Comprimento (L) e Tempo (T).

89/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Desta forma, podemos expressar todas as variáveis envolvidas no fenômeno estudado,
em termos destas dimensões básicas. A tabela I a seguir lista algumas variáveis usadas
neste trabalho e sua composição em dimensões básicas. As Quantidades assinaladas
com sombreamento são aquelas utilizadas como variáveis do nosso fenômeno, sendo a
Potência uma função das mesmas

Quantidade Símbolo
Dimensões
Massa M M ou FT2/L
Comprimento L L
Tempo T T
Velocidade v L/T
Aceleração a L/T2
Força ML/T2 ou F
F
Tensão ou Pressão
σ,τ ou p M/LT2 ou F/L2
Módulo de Elasticidade M/LT2 ou F/L2
E
Densidade M/L3 ou FT2/L4
ρ
Viscosidade Dinâmica M/LT ou FT/L2
μ
Viscosidade Cinemática L2/T
ν
Vazão L3/T
Q
Energia ou Trabalho ML2/T2 ou FL
W
Potência ML2/T3 ou FL/T
P

TABELA I

3.2 – ANÁLISE DIMENSIONAL APLICADA A UM SISTEMA FLUÍDOAGITADO


EQUAÇÕES DE NAVIER-STOKES
Fluídos em movimento em sistemas agitados obedecem aos conceitos fundamentais de
Movimento de Líquidos e Fenômenos de Transporte de Massa e, portanto sujeitos às
leis de conservação de massa e momentum, leis estas que descrevem a velocidade e
distribuição de pressão dentro de um fluído. Conforme visto em Conceituação
Preliminar, para um fluído líquido Newtoniano, de densidade constante e viscosidade
tambem considerada como constante (variação desprezível), a equação diferencial do

90/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
momentum, chamada de Equação de Navier-Stokes escrita convenientemente com os
operadores vetoriais, é dada por:
r
DV r r
ρ = ρg − ∇ p + μ∇ 2V [3.2]
Dt

Onde:

ρ -densidade do líquido
μ -viscosidade do líquido

DV
-derivada substancial
Dt
r
g -gravidade (força de corpo)
p -pressão local

No estudo de escoamentos, nos devemos selecionar o que se chama quantidades


características, que devem representar as principais dimensões que são o Comprimento,
o Tempo e a Massa (ou Força). Em muitos escoamentos podemos selecionar D como
comprimento característico e V como velocidade característica.

Num escoamento por um tubo circular, D é usualmente o diâmetro do tubo e V a


velocidade média do fluxo. Para um escoamento em torno de uma esfera, D é
usualmente o diâmetro da esfera e V a velocidade média do fluxo.

No caso da agitação mecânica de líquidos o comprimento característico D utilizado é o


diâmetro do impelidor. Utilizamos como tempo característico o recíproco da rotação do
impelidor, 1/N. A massa característica é o produto da densidade do líquido, ρ e o cubo
do diâmetro do impelidor D3, ρD3. A velocidade característica pode ser derivada a partir
da dimensão comprimento e da dimensão tempo, utilizando o produto do diâmetro do
impelidor e a rotação do agitador, DN.

A seguir definimos algumas variáveis adimensionais e operações diferenciais. Esta


escolha é arbitraria e deve ser escolhida cuidadosamente de modo a representar as
dimensões principais do comprimento L, tempo T e massa M.

91/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
As variáveis adimensionais são definidas como sendo a relação entre a variável atual
(tipo comprimento x, y, z, tempo t, ou massa m) e a quantidade característica
(conforme visto anteriormente, D p/ o comprimento, 1/N para o tempo, ρ.D3 para a
massa, etc.) Deste modo teremos as seguintes variáveis adimensionais:

Comprimento Adimensional, x∗ , y∗ e z∗

O comprimento característico usado na agitação é o diâmetro do impelidor, D, de modo


que o comprimento adimensional que é denotado por x∗ , y∗ e z∗ é dado por:

x
x∗ =
D
y
y∗ = [3.3]
D
z
z∗ =
D

Onde: x∗, y∗ z∗ - comprimento adimensional


x,y,z - comprimento atual
D - comprimento característico

Tempo Adimensional, t∗

O tempo característico usado na agitação é o recíproco da rotação do agitador, 1/N., de


modo que o tempo adimensional , que é denotado por t∗ , é:

t t
t∗ = = −1 = tN [3.4]
1 N
N

Massa Adimensional, m∗
A masssa característica é o produto da densidade, ρ e o cubo do diâmetro do impelidor,
D3, ou seja ρ D3, deduzida da seguinte forma:

F
F = m.a ⇒ m = Onde: m = ρD3
a

92/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
L D D D
a= 2
= 2 = 2
= − 2 = DN 2
T T ⎛1⎞ N
⎜ ⎟
⎝N⎠

F = ρD3.DN 2 = ρD4 N 2


F ρD 4 N 2
m= = 2
= ρD 3
a DN

De modo que a massa adimensional é dada por:

m
m∗ = [3.5]
ρD 3

Velocidade adimensional, v∗
A velocidade característica pode ser derivada a partir do comprimento e do tempo,
utilizando-se o produto do diâmetro D e da rotação N, DN que é deduzida da seguinte
forma:

L D D
v= = = −1 = DN
T 1 N
N

De modo que a velocidade adimensional é dada por:

v
v∗ = [3.6]
DN

Aceleração gravidade adimensional, g ∗


A aceleração característica é dada por DN2 deduzida assim.

v
g= Onde: v=DN
t
t=1/N

93/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

DN
g= = DN 2
1
N

A aceleração da gravidade adimensional será dada por:

g
g∗ = [3.7]
DN 2

Potência adimensional, P∗
A potência característica é dada por ρD5N3, deduzida da seguinte forma:

P = F .v Onde: F=ρD4N2 ( força)


v=DN (velocidade)

P = ρD 4 N 2 .DN = ρD5 N 3

De modo que a potência adimensional é dada pela relação entre a variável atual e
quantidade característica e é dada conforme abaixo:

P
P∗ = [3.8]
ρD 5 N 3

Pressão adimensional, p∗
A pressão característica é definida por ρN2D2, deduzida da seguinte forma:

F v
p= Onde: F = m.a ⇒ F = m.
A t
(ρD ).(DN ) = ρD N
3
F=
( N)
4 2
1

A = D2

ρD 4 N 2
p= 2
= ρD 2 N 2
D

94/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Desta forma a pressão adimensional é dada pela relação entre a variável atual e
quantidade pressão característica, deduzida anteriormente. A variável pressão atual é
utilizada como sendo, ( p − po )gc , onde po é uma pressão de referência e gc é o fator de
conversão gravitacional.

p∗ =
( p − po )g c [3.9]
ρN 2 D 2

Operador vetorial adimensional, ∇∗

⎛ ∂ ˆ ∂ ˆ ∂ ˆ⎞
∇∗ = D∇ = ⎜⎜ i+ j+ k⎟ [3.10]
⎝ ∂x ∗ ∂y ∗ ∂z ∗ ⎟⎠

Laplaciano Adimensional , ∇∗2

⎛ ∂2 ˆ ∂2 ˆ ∂2 ˆ ⎞
∇ ∗2 = D 2∇ 2 = ⎜⎜ i + j + k⎟ [3.11]
⎝ ∂x ∗
2
∂y ∗2 ∂z ∗2 ⎟⎠

Desta forma podemos montar um resumo das quantidades adimensionais deduzidas


anteriormente e utilizadas neste trabalho, sendo elas:

x
x∗ =
D
y comprimentos adimensionais
y∗ =
D
z
z∗ =
D

t ∗ = tN tempo adimensional

m
m∗ = massa adimensional
ρD 3
r
r v
v∗ = velocidade adimensional
DN

95/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r
r g
g∗ = aceleração gravidade adim.
DN 2
P
P∗ = potência adimensional
ρD 5 N 3
p∗ =
( p − p0 )g c
pressão adimensional
ρN 2 D 2
⎛ ∂ ˆ ∂ ˆ ∂ ˆ⎞
∇∗ = D∇ = ⎜⎜ i+ j+ k⎟ operador vetorial adimensional
⎝ ∂x ∗ ∂y ∗ ∂z ∗ ⎟⎠
⎛ ∂2 ˆ ∂2 ˆ ∂2 ˆ ⎞
∇∗ = D ∇ = ⎜
2 2 2
⎜ i+ j+ k ⎟⎟ operador laplaciano adimensional
⎝ ∂x ∗2
∂y ∗2
∂ z ∗2

Tabela II – Quantidades adimensionais

De posse das quantidades adimensionais podemos reescrever a equação de Navier-


Stokes dada em [3.2], na forma adimensional
r
DV r r
ρ = ρg − ∇ p + μ∇ 2V [3.2]
Dt

Reescrevendo as variáveis adimensionais para podermos substituir em [3.2], teremos:


r
r∗ V r r
V = è V = V ∗ ND
DN
t∗
t ∗ = tN è t=
N

p∗ =
( p − p0 )gc è ( p − p0 ) = p ∗ ρN 2 D 2
ρN D 2 2

r
r g r r
g∗ = è g = g ∗ DN 2
DN 2
∇∗
∇ ∗ = D∇ è ∇=
D
∇ 2∗
∇ 2 ∗ = D 2∇ 2 è ∇2 = 2
D

96/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Substituindo, eliminando e re-arranjando coeficientes:


r r r r r r
DV ρg ∇p μ∇2V DV r ∇g μ∇ 2V
= − + è =g− + [3.2a]
Dt ρ ρ ρ Dt ρ ρ

∇∗ ∇∗ r ∗
2

( )
r∗ p ∗ ρN D
2 2
μ 2 V ND
D V ND r
= g ∗ DN 2 − D + D [3.2b]
⎛ t ∗⎞ ρ ρ
D⎜ ⎟
⎝N⎠

( )
r r
D V ∗ ND r∗ ∗ ∗ 2 μ∇∗2V ∗ ND−1
= g DN − ∇ p N D +
2
[3.2.c]
( )
D t ∗ N −1 ρ

( )
r
⎡ μN ⎤ ∗ 2 r ∗
D V ∗N 2D
=
r∗
g DN 2
− N [
2
D ∇ ]
∗ ∗
p + ⎢ ⎥∇ V [3.2d]
Dt ∗ ⎣ ρD ⎦

Dividindo tudo por DN2


r
DV ∗ N 2 D ⎡ μN ⎤
r
Dt ∗

g DN 2
⎡ N D ⎤ ∗ ∗ ⎢ Dρ ⎥ ∗2 r ∗
2
= − ⎢ 2⎥
∇ p +⎢ ⎥∇ V [3.2e]
DN 2 DN 2 ⎢ DN ⎥
2
⎣ DN ⎦
⎢⎣ ⎥⎦
r∗
DV r∗ ∗ ∗ μND −1 ρ −1 ∗ 2 r ∗
= g − ∇ p + ∇ V [3.2f]
Dt ∗ DN 2
r
DV ∗ r ∗ ⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗
= g − ∇ ∗ ∗
p + ⎜⎜ 2 ⎟⎟∇ V [3.2g]
Dt ∗ ⎝ D Nρ ⎠

O que nos permite escrever a nossa equação na forma:


r
DV ∗ ⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗ r ∗
= −∇ ∗ ∗
p + ⎜⎜ 2 ⎟⎟∇ V + g [3.12]
Dt ∗ ⎝ D Nρ ⎠

97/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r
r g r
Uma vez que g ∗ = 2
, ou seja, a gravidade adimensional g∗ pode ser escrita como
DN
r
sendo a relação entre a variável atual g e a quantidade característica da aceleração,
DN2 podemos substituir e obter a sequinte equação:
r r
DV ∗ ⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗ ⎛ g ⎞
= −∇ ∗ ∗
p + ⎜ ⎟
⎜ D 2 Nρ ⎟∇ V + ⎜ 2 ⎟
[3.12a]
Dt ∗ ⎝ ⎠ ⎝ DN ⎠

Deste modo podemos escrever a Equação de Navier-Stokes que descreve um fluído


agitado na forma final:
r r
DV ∗ ⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗ ⎛ g ⎞ g
= −∇ p + ⎜⎜ 2
∗ ∗
⎟⎟∇ V + ⎜ 2 ⎟
[3.12b]
Dt ∗ ⎝ D Nρ ⎠ ⎝ DN ⎠ g

N Rey N Froude

Nesta equação aparecem dois grupos adimensionais como parâmetros:


⎛ D 2 Nρ ⎞
• O primeiro grupo do Número de Reynolds é dado por ⎜⎜ ⎟⎟ , e representa a
⎝ μ ⎠
relação entre as forças inerciais e forças viscosas.

⎛ DN 2 ⎞
• O segundo grupo é do Número de Froude ⎜⎜ ⎟⎟ , que representa a relação entre
⎝ g ⎠
forças inerciais e forças gravitacionais.

A análise da equação de Navier-Stokes [3.12] para um líquido agitado permite indicar as


relações básicas para a velocidade e a distribuição de pressão.

Para um dado conjunto de condições inicial e de contorno, que requerem similaridade


r
geométrica, a velocidade adimensional V ∗ , e a distribuição de pressão p∗ , podem ser
expressas como função do Nrey e NFroude:

Num sistema agitado onde aparecem vórtices, ou seja, é influenciado pela gravidade, a
velocidade e a distribuição de pressão é função de NRey e de Nfroude.

98/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r
( )
V ∗ x∗ , y , z ∗ , t ∗ = f ( N Re y, NFroude)

[3.13]
p (x , y , z , t ) = f (Nrey, NFroude)

∗ ∗ ∗ ∗
[3.14]

Quando a superfície do líquido é essencialmente plana como o que ocorre em tanques


montados com defletores, os efeitos gravitacionais podem ser eliminados, ficando a
velocidade e a distribuição de pressão determinadas somente pelo NRey.
r
( )
V ∗ x∗ , y , z ∗ , t ∗ = f (N Re y )

[3.15]
p (x , y , z , t ) = f ( Nrey )

∗ ∗ ∗ ∗
[3.16]

3.2.1 – POTÊNCIA DE AGITAÇÃO

A distribuição de pressão através de um vaso agitado, não pode ser aplicada


diretamente ao projeto, entretanto uma parte desta distribuição de pressão ao
longo da face da pá do impelidor pode ser relacionada com a potência absorvida
do agitador.

Para demonstrar a veracidade desta relação, tomemos como ponto de partida a


propria descrição do sistema.

Potência é o produto da velocidade rotacional e o torque aplicado, P=TN,


deduzido da seguinte forma;

P = F .V
T = F .L

Vimos anteriormente que a velocidade característica é dada por V=DN, e o


comprimento característico foi adotado como o diâmetro do impelidor, L=D, de
modo que podemos reescrever:

P = F .DN
T
T = F .D è F=
D
Substituindo,

T
P= .DN è P = TN
D

99/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

P = TN [3.17]

O torque ou momento linear, T, é determinado integrando-se a distribuição de


pressão ao longo da superfície das pás do impelidor, conforme mostrado na figura
3.2.

Distribuiçã
o de
pressão

Fig. 3.2 - Distribuição de pressão ao longo de pá de impelidor

O torque ou momento linear T é dado por:

T = F .x x=D
T = FD

A pressão sobre a pá do impelidor é dada por:


F
p= A = D2 F = pD2
A

Substituindo,
T = F .D = p.D2 .D

100/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
P
Sendo P = TN Ô T =
N
P
= p.D3
N
P
p= [3.18]
N .D 3

Portanto a relação entre a distribuição de pressão do líquido nas pás do impelidor


e a Potência absorvida, é dada por:

( p − p0 )pá α
P
[3.19]
ND3

Uma vez que a pressão adimensional dada em [3.9] é dado por:

p∗ α
( p − p0 )g c
ρN 2 D 2

Podemos substituir na relação de distribuição de pressão / potência, obtendo:

P
gc PN 1D −3 g c
p∗ α ND 3 =
ρN 2 D 2 ρN 2 D 2

A pressão adimensional pode ser escrita também na forma;

Pg c
p∗ α [3.20]
ρN 3 D 5

Uma vez que a distribuição de pressão foi expressa em [3.14] e [3.16] como
função do NRey e NFroude, ou seja:

Sistemas com superfície encapelada e vortices

( )
p∗ x∗ , y ∗ , z , t ∗ = f (Nrey, NFroude)

[3.14]

101/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Sistemas com superfície calma, plana e sem vórtices


( )
p∗ x∗ , y ∗ , z , t ∗ = f ( Nrey )

[3.16]

De modo que nos é permitido escrever as seguintes equações:

Sistemas com superfície encapelada e vórtices

= f (N Re y, NFroude )
P.g c
[3.21]
ρN 3 D 5

O primeiro termo é chamado de Número de Potência Npo, e indica como a


distribuição de pressão se relaciona com a potência, sendo função do Número de
Froude e Número de Reynolds.

Sistemas com superfície calma, plana e sem vórtices.

= f (N Re y )
P.g c
[3.22]
ρN 3 D 5

Quando os efeitos gravitacionais não são fatores relevantes, a equação poderá


ser escrita como função apenas do Nrey.

3.2.2 – CASOS LIMITES PARA POTÊNCIA DE AGITAÇÃO

Os casos limites para a potência de agitação envolvem Números de Reynolds


elevados e muito baixos. Visto ser o NRey, uma relação entre forças inerciais e
forças viscosas, estamos então descrevendo sistemas líquidos turbulentos e
laminares, respectivamente.

3.2.2.1 – CASO LIMITE – ELEVADO NRey

Elevados NRey, indica agitação turbulenta onde as forças inerciais dominam o


sistema e inibem as forças viscosas.

Na equação de Navier-Stokes dada em [3.12], negligenciamos os termos


relacionados com as forças viscosas, ou seja, eliminamos a fricção fazendo
μ =0

102/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r r
DV ∗ ⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗ ⎛ g ⎞ g
= −∇ p + ⎜⎜ 2
∗ ∗
⎟⎟∇ V + ⎜ 2 ⎟
[3.12]
Dt ∗ ⎝ D Nρ ⎠ ⎝ DN ⎠ g
r r
DV ∗ ∗ ∗ ⎛ g ⎞g
= −∇ p + ⎜ 2 ⎟
[3.23]
Dt ∗ ⎝ DN ⎠ g

Visto que os efeitos gravitacionais também podem ser negligenciados (tanques


com defletores), podemos escrever a equação na forma conhecida como
Equação de Euler.
r
DV ∗

= −∇ ∗ p ∗ [3.24]
Dt

Nesta condição limite a relação potência e distribuição de pressão é fixa e


invariante, significando que a distribuição de pressão ao longo da pá do impelidor,
que é o Npo, é constante para elevados Número de Reynolds. Ou seja, em
regimes turbulentos e francamente turbulentos o Npo é invariante.

P.g c
= cte [3.25]
ρN 3 D 5

P α ρN 3 D5 [3.26]

3.2.2.2 – CASO LIMITE – BAIXO Nrey

Baixos Nrey, indicam agitação laminar ou viscosa, onde as forças viscosas


dominam o sistema e inibem as forças inerciais. Na equação de Stokes-Navier,
negligenciamos os termos relacionados com as forcas inerciais e gravitacionais
r r
DV ∗ ⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗ ⎛ g ⎞ g
= −∇ p + ⎜⎜ 2
∗ ∗
⎟⎟∇ V + ⎜ 2 ⎟
[3.12]
Dt ∗ ⎝ D Nρ ⎠ ⎝ DN ⎠ g
r
DV ∗ ⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗
= −∇ ∗ ∗
p + ⎜⎜ 2 ⎟⎟∇ V [3.27]
Dt ∗ ⎝ D Nρ ⎠

103/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Resulta desta forma a igualdade entre distribuição de pressão e as forças
viscosas, permitindo escrever a equação da seguinte forma.

⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗
∇∗ p∗ = ⎜⎜ 2 ⎟⎟∇ V [3.28]
⎝ D Nρ ⎠

Temos a pressão adimensional dada anteriormente por.

p∗ α
( p − p0 )g c
ρN 2 D 2

O que nos permite substituir em [3.28]

∇∗
( p − po )gc=
⎛ μ ⎞ ∗2 r ∗
⎜⎜ 2 ⎟⎟∇ V [3.28a]
ρN 2 D 2 ⎝ D Nρ ⎠
∇∗
( p − po )gc = μ∇∗2Vr ∗ [3.28b]
N
∇∗
( p − po )g c r
= ∇ ∗ 2V ∗ [3.28c]

O termo
( p − po )g c , é chamado de pressão característica e é relacionada à força

viscosa por unidade de área, sendo representada por p**.

p∗∗ =
( p − po )gc [3.29]

Substituindo em [3.28c], podemos escrever.


r
∇∗ p ∗∗ = ∇ ∗2V ∗ [3.30]

Voltando à equação [3.28c]

∇∗
( p − po )g c r
= ∇ ∗ 2V ∗ [3.28c]

104/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Conforme visto anteriormente em [3.19], a relação entre a pressão do fluído nas
pás do impelidor e a potência absorvida, é dada por:

( p − p0 )pá α
P
[3.19]
ND3

Substituindo na equação da pressão característica relacionada à força viscosa


dada em [3.29], obtemos o Número de Potência Viscoso:

P
g
∗∗ ND 3 c PN −1D − 3 g c
p = =
Nμ Nμ
Pg c
p ∗∗ = [3.31]
μN 2 D 3

O segundo membro da equação é chamado de NPo Viscoso, e uma vez que o


NPo Viscoso é constante a baixos NRey, temos;

Pg c
= cte
μN 2 D 3

P α μN2D3 [3.32]

3.2.3 – VELOCIDADE E BOMBEAMENTO

r r V
A velocidade adimensional, V , dada em [3.6], como sendo V = , pode ser
DN
expressa como função do NRey e NFr.
r
( )
V ∗ x∗ , y , z ∗ , t ∗ = f ( N Re y, NFroude)

[3.13]

Como visto, quando a superfície do líquido é plana e calma, como o que ocorre
em tanques com defletores, os efeitos gravitacionais que provocam ondas e
vórtices, podem ser desprezados, passando a velocidade ser função apenas do
NRey.

105/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r
( )
V ∗ x∗ , y , z ∗ , t ∗ = f (N Re y )

[3.15]

Desta forma:

r V
V∗ = = f (Re y )
DN

Podemos relacionar a velocidade através do tanque e a capacidade de


bombeamento deste sistema agitado. Necessitamos de estabelecer o que é
chamado de velocidade média para o sistema, ou seja, uma velocidade
representativa do que ocorre num tanque ou recipiente.

Vmed
V ∗med = = f (Re y )
DN

A relação entre velocidade e bombeamento é dada por:

Q Q
Vmed = =
A D2

Sustituindo em Vmed / DN temos;

Q
−2
D 2 = QD = Q = f (Re y )
DN DN D3 N

Sendo Q / D3N chamado de Número de Bombeamento, NQ

3.3 – ANÁLISE DIMENSIONAL APLICADA A UM SISTEMA FLUIDOAGITADO


ATRAVÉS DO TEOREMA DE BUCKINGHAN Π
Como vimos anteriormente a Análise Dimensional é uma técnica que permite
estabelecer relações entre variáveis que influenciam um determinado tipo de fenômeno
físico a ser estudado.
Estas relações, obtidas na forma adimensional, possibilitam uma indicação da influência
de cada variável no fenômeno, bem como facilitam o seu entendimento. O Teorema de
Buckinghan Π cujo procedimento é detalhado a seguir é um método de Análise
Dimensional, permite a formação de grupos adimensionais que relacionam estas

106/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
variáveis. As equações finais resultantes serão as mesmas obtidas em [3.2]. Conforme
visto na equação [3.1c], a potência absorvida em um sistema fluído agitado é função das
seguintes variáveis.
P = ψ (N , D, Q, ρ , μ , g ) [3.1.c]

PROCEDIMENTO DETALHADO DO TEOREMA APLICADO A UM SISTEMA FLUÍDO


AGITADO:

I – LISTAR OS PARÂMETROS ENVOLVIDOS, n


P,V,D,Q,μ,ρ,g portanto, n = 7 parâmetros

II – SELECIONAR CONJUNTO DE DIMENSÕES FUNDAMENTAIS

Inicialmente utilizaremos o Sistema Absoluto (SI), com as dimensões


fundamentais de M, L, T (massa, comprimento e tempo).

III – LISTAR AS DIMENSÕES DOS PARÂMETROS EM TERMOS DE DIMENSÕES


PRIMÁRIAS, r

O número de dimensões será designado por ‘r’, sendo r=3, conforme tabela
abaixo.

Sistema Absoluto Sistema Gravitacional


Quantidade Simbologia MLT FLT
Potência ML2T-3 FLT-1
P
Velocidade LT-1 LT-1
V
Diâmetro L L
D
Vazão L3T-1 L3T-1
Q
Viscosidade ML-1T-1 FL-2T
μ
Densidade ML-3 FL-4T2
ρ
Aceleração gravidade LT-2 LT-2
g

Tabela II

107/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Como usaremos inicialmente o Sistema absoluto:

P V D μ ρ g Q
1 0 0 1 1 0 0
M
L 2 1 1 -1 -3 1 3
T -3 -1 0 -1 0 -2 -1
Tabela III

IV – SELECIONAR DA LISTA DE PARÂMETROS, UM NÚMERO DE


PARÂMETROS REPETITIVOS IGUAL AO NÚMERO DE PRIMÁRIOS.

m=r=3

Parâmetros repetitivos, sendo eles escolhidos como:

ρ = ML-3
V = L1T-1
D=L

V – FORMULAR EQUAÇÕES DIMENSIONAIS, COMBINANDO OS


PARÂMETROS SELECIONADOS COM OS REPETITIVOS, COM CADA UM
DOS PARÂMETROS RESTANTES, DE MODO A FORMAR GRUPOS
ADIMENSIONAIS.

Os grupos adimensionais restantes serão dados por:

n – m = 7 – 3 = 4 grupos adimensionais resultantes

Portanto Π1 (potência) será:

Π1(P)=ρα1.Vα2.Dα3.P1
Π1(P)=(ML-3)α1.(LT-1)α2.(L)α3.(ML2T-3)1
Π1(P)=(Mα1L-3α1).(Lα2T-1α2).(Lα3).(ML2T-3)
Π1(P)=(Mα1+1).(L-3α1 +α2 +α3 +2).( T-1α2-3)

α1+1=0
-3α1 +α2 +α3 +2=0
-1α2-3=0

108/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Resolvendo o sistema de equações, temos:

α1=-1, α2=-3, α3=-2

Portanto: Π1(P)=ρα1.Vα2.Dα3.P1
Π1(P)=ρ-1.V-3.D-2.P1

P
Π1( P ) = [3.33]
ρ .V 3 .D 2

Da mesma forma Π2 (viscosidade) será dada por:

Π2(μ)=ρβ1.Vβ2.Dβ3.μ1
Π2(μ)=(ML-3) β1.(LT-1) β2.(L) β3.(ML-1T-1)1
Π2(μ)=(Mβ1L-3β1).(Lβ2T-1β2).(Lβ3).(M1L-1T-1)1
Π2(μ)=(Mβ1+1).(L-3β1 +β2 +β3 1).( T-1β2-1)

β1+1=0
-3β1 +β2 +β3 -1=0
-1β2-1=0

Resolvendo,

β1=-1, β2=-1, β3=-1

Portanto: Π2(μ)=ρβ1.Vβ2.Dβ3.μ1
Π2(μ)=ρ-1.V-1.D-1.μ1

μ
Π 2( μ ) = [3.34]
ρ .V .D

Da mesma forma Π3 (gravidade) será dada por;

Π3(g)=ργ1.Vγ2.Dγ3.g1
Π3(g)=(ML-3) γ1.(LT-1) γ2.(L) γ3.(L1T-2)1
Π3(g)=(Mγ1L-3γ1).(Lγ2T-1γ2).(Lγ3).(L1T-2)1

109/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Π3(g)=(Mγ1).(L-3γ1 +γ2 +γ3+1).( T-1γ2-2)

γ1=0
-3γ1 +γ2 +γ3+1=0
-1γ2-2=0

Resolvendo,

γ1=0, γ2=-2, γ3=1

Portanto: Π3(g)=ργ1.Vγ2.Dγ3.g1
Π3(g)=ρ0.V-2.D1.g-1

D.g
Π3( g ) = [3.35]
V2

Também a Π4 (vazão) será dada por:

Π4(Q)=ρδ1.Vδ2.Dδ3.Q1
Π4(Q)=(ML-3) δ1.(LT-1) δ2.(L) δ3.(L3T-1)1
Π4(Q)=(Mδ1L-3δ1).(Lδ2T-1δ2).(Lδ3).(L3T-1)1
Π4(Q)=(Mδ1).(L-3δ1 +δ2 +δ3+3).( T-1δ2-1)

δ1=0
-3δ1 +δ2 +δ3+3=0
-1δ2-1=0

Resolvendo,

δ1=0, δ2=-1, δ3=-2

Portanto: Π4(Q)=ρδ1.Vδ2.Dδ3.Q1
Π4(Q)=ρ0.V-1.D-2.Q1

Q
Π 4 (Q ) = [3.36]
V .D 2

110/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

VI – CONFERIR AS EQUAÇÕES DOS GRUPOS, UTILIZANDO O SISTEMA


GRAVITACIONAL F, L, T

ρ = (F1 L-4 T2)


V = (L1 T-1)
D = (L1)

De modo Π1 ( potência) neste sistema será;

Π1(P)=ρα1.Vα2.Dα3.P1
Π1(P)=(FL-4T2)α1.(LT-1)α2.(L)α3.(FL1T-1)1
Π1(P)=(Fα1-4α1T2α1).(Lα2T-1α2).(Lα3).(FL1T-1)
Π1(P)=(Fα1+1).(L-4α1 +α2 +α3 +1).( T2α1-α2-1)

α1+1=0
-4α1 +α2 +α3 +1=0
2α1-α2-1=0

Resolvendo o sistema de equações, temos: α1=-1, α2=-3, α3=-2

Portanto: Π1(P)=ρα1.Vα2.Dα3.P1
Π1(P)=ρ-1.V-3.D-2.P1

P
Π1( P ) = [3.33’]
ρ .V 3 .D 2

Da mesma forma Π2 (viscosidade) será dada por;

Π2(μ)=ρβ1.Vβ2.Dβ3.μ1
Π2(μ)=(FL-4T2) β1.(LT-1) β2.(L) β3.(FL-2T1)1
Π2(μ)=(Fβ1L-4β1T2β1).(Lβ2T-1β2).(Lβ3).(F1L-2T1)
Π2(μ)=(Fβ1+1).(L-4β1 +β2 +β3 2).( T2β1-β2+1)

β1+1=0
-4β1 +β2 +β3 -2=0
2β1-β2+1=0

111/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Resolvendo: β1=-1, β2=-1, β3=-1

Portanto: Π2(μ)=ρβ1.Vβ2.Dβ3.μ1
Π2(μ)=ρ-1.V-1.D-1.μ1

μ
Π 2( μ ) = [3.34’]
ρ .V .D

Da mesma forma Π3 (gravidade) será dada por;

Π3(g)=ργ1.Vγ2.Dγ3.g1
Π3(g)=(FL-4T2) γ1.(LT-1) γ2.(L) γ3.(L1T-2)1
Π3(g)=(Fγ1L-4γ1T2γ1).(Lγ2T-1γ2).(Lγ3).(L1T-2)
Π3(g)=(Fγ1).(L-4γ1 +γ2 +γ3+1).( T2γ1-1γ2-2)

γ1=0
-4γ1 +γ2 +γ3+1=0
2γ1-γ2-2=0

Resolvendo: γ1=0 , γ2=-2 , γ3=1

Portanto: Π3(g)=ργ1.Vγ2.Dγ3.g1
Π3(g)=ρ0.V-2.D1.g-1

D.g
Π3( g ) = [3.35’]
V2

Tambem a Π4 (vazão) será dada por:

Π4(Q)=ρδ1.Vδ2.Dδ3.Q1
Π4(Q)=(FL-4T2) δ1.(LT-1) δ2.(L) δ3.(L3T-1)1
Π4(Q)=(Fδ1L-4δ1 T2 δ1).(Lδ2T-1δ2).(Lδ3).(L3T-1)
Π4(Q)=(Fδ1).(L-4δ1 +δ2 +δ3+3).( T2δ1-1δ2-1)

δ1=0

112/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
-4δ1 +δ2 +δ3+3=0
2δ1-δ2-1=0

Resolvendo: δ1=0, δ2=-1, δ3=-2

Portanto: Π4(Q)=ρδ1.Vδ2.Dδ3.Q1
Π4(Q)=ρ0.V-1.D-2.Q1

Q
Π 4 (Q ) = [3.36’]
V .D 2

Visto como os dois sistemas de medida nos deram os mesmos grupos


adimensionais, podemos então descrever os meios líquidos agitados como uma
relação expressa pela seguinte função:

Π1 = f (Π 2 , Π3 , Π 4 )

Ou
P ⎛ μ D.g Q ⎞
= f ⎜⎜ , 2 , ⎟
2 ⎟
[3.37]
ρ .V .D
3 2
⎝ ρ .V .D V V .D ⎠

A equação [3.37] sofrerá transformações decorrentes de verificações empíricas e


adoção de quantidades características, como veremos mais tarde no estudo dos
grupos adimensionais. Relembrando apenas que o comprimento característico L,
foi adotado como sendo o diâmetro do impelidor D [3.31], e a velocidade
característica como o produto da rotação pelo diâmetro do impelidor, ND [3.6].
Por ora, ela será apresentada na sua forma final.

P ⎛ N .D 2 .ρ D.N 2 Q ⎞
= f ⎜⎜ , , ⎟ [3.38]
ρ .N 3 .D5 ⎝ μ g N .D3 ⎟⎠

O primeiro grupo adimensional da equação [3.37], P/N3. D5.ρ·, é chamado de


Número de Potência ou Número de Newton, sendo designado por NPo.

O segundo, N.D2.ρ/μ·, é o Número de Reynolds, NRey.

113/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
O terceiro, N2.D/g, ë o Número de Froude, NFroude.
O quarto, Q/D3.N, é o Número de Bombeamento, NQ.

A equação [3.38], pode ser escrita da seguinte forma:


Npo = f ( NRey, NFr, NQ ) [3.39]

3.4 – SIGNIFICADO FÍSICO DOS GRUPOS ADIMENSIONAIS


As equações obtidas através da Análise Dimensional são fórmulas simplificadas e ainda de
difícil manipulação. Conforme visto anteriormente, a Análise Dimensional é um modo lógico
de juntar as variáveis de um fenômeno físico em pequenos grupos adimensionais,
permitindo uma análise mais simples do mesmo. Ela serve também no auxílio da previsão
do comportamento de sistemas reais, mediante a utilização de resultados obtidos em
modelos reduzidos em escala, obedecendo é lógico as condições de semelhança
geométrica, cinemática e dinâmica do sistema.
Fazendo as transformações e substituições necessárias, obtemos fórmulas modificadas,
com possibilidade de obtenção de resultados imediatos.
Os grupos passam a ter as seguintes definições:

3.4.1 – NÚMERO DE REYNOLDS, NRey


O grupo adimensional, “μ / ρ.V.D”, conforme foi obtido através da Análise
Dimensional, pode ser definido como sendo a relação existente entre as Forças
Inerciais e as Forças Viscosas dentro do escoamento considerado, no nossa
caso, um sistema fluído agitado. As forças inerciais são desenvolvidas quando um
fluído muda de direção ou velocidade. O fluído em movimento tende a perpetuar-
se até encontrar uma superfície sólida como anteparo, ou outro fluído em direção
diferente que se lhe oponha.
Estas forças de inércia são desenvolvidas durante a transferência de quantidade
r
de movimento (momentum), P, que então ocorre.
Relembrando que a quantidade de movimento, ou momento cinético ou
r
momentum, P, vem a ser o produto da massa, m de um corpo pela velocidade v
de seu deslocamento, e é uma grandeza vetorial de mesma direção da
velocidade, sendo um conceito físico de grande importância, pois combina os dois
elementos que caracterizam o estado dinâmico de um corpo, sua massa e sua
velocidade.

114/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
r
Sua importância é acentuada pelo conceito de força F que dela deriva. Força vem
a ser a variação temporal (derivação) da quantidade de movimento.
dP d (mv ) dP dv
= Sendo m=cte =m
dt dt dt dt
A variação temporal da velocidade vem a ser a aceleração a=dv/dt.
Desta forma temos a força como: F=m.a
Já as forças viscosas, aparecem quando uma camada de fluído se move mais
rápida ou mais vagarosamente que outra camada vizinha de fluído, ou mesmo
uma superficie sólida, onde ocorrem então tensões de cisalhamento.
O grupo adimensional “μ / ρ.V.D”, não é todavia, utilizado na forma como foi
deduzido pela Análise Dimensional. Estudos e testes práticos indicam que o seu
recíproco é mais conveniente de ser trabalhado.
Desta forma, temos:
ρ .V .D ρ .N .D 2
N Re y = = [3.40]
μ μ
Que pode ser expresso dimensionalmente por:
NRey ~ Forças de Inércia
Forças Viscosas

Onde: Força de inércia (pressão dinâmica) x área


Força viscosa (tensão cisalhamento) x área

ρ - Densidade relativa dolíquido


μ - Viscosidade do líquido
D – Diâmetro do impelidor
N – Rotação do impelidor

3.4.2 – NÚMERO DE BOMBEAMENTO, NQ


O grupo adimensional “Q/V.D2”, que se obteve na Análise Dimensional, define a
capacidade de bombeamento que um sistema fluído agitado possui, considerando
uma velocidade média do fluído no tanque.

115/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Q
NQ =
V .D 2
Conforme visto, a velocidade característica foi dada pelo produto da rotação pelo
diâmetro do impelidor, ND.
Q Q
NQ = 2
= [3.41]
ND.D ND3
Onde: Q – Capacidade de bombeamento do sistema
NQ – Número de Bombeamento, adimensional, (pode ser encontrado em literatura
especializada sobre agitação)
O significado físico para o Número de Bombeamento pode ser dado, fazendo um
estudo vetorial do fluxo de líquido que percorre o impelidor.
Um impelidor de um agitador pode ser considerado como um rotor de bomba
operando em aberto, ou seja, sem a carcaça e sem entrada e saída definidas.
Para melhor compreender os vetores velocidade do fluxo que ocorre no impelidor
do agitador, iniciamos com um estudo preliminar em um impelidor de uma bomba
centrífuga.
No esquema de uma bomba centrífuga dada na Fig. 3.3, pode-se verificar como o
líquido fluí através da mesma.

116/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
O líquido entra axialmente na sucção (a). Com a rotação do rotor, o líquido se
desloca radialmente pelas palhetas do mesmo (1), fluindo para a periferia em (2),
onde é coletado pela voluta e deixa a bomba em (b).
O desempenho de uma bomba deve ser analisado considerando-se todos os
estágios indicados. Entretanto o estágio (1) → (2) pode ser considerado o
“coração” de uma bomba, sendo justamente onde necessitamos de uma análise
vetorial das velocidades do fluxo.
As figuras 3.4 e 3.5 mostram as velocidades do fluxo se deslocando do ponto (1)
(2) e o diagrama de vetores na saída do impelidor da bomba.
Para efeito de simplificação utilizamos um sistema bi-dimensional de coordenadas
espaciais, indicando somente uma pá das muitas que um rotor de bomba possui.

Fig. 3.4 – Composição de vetores velocidades do fluxo na entrada e saída das pás de um
impelidor centrífugo

117/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Devido a configuração da pá do impelidor, a tangente do diâmetro mais externo


do impelidor forma com o término da pá, um ângulo denominado de β2.
r
O vetor v2 é a velocidade do fluído no ponto (2), conforme vista por um
observador movendo-se juntamente com o impelidor, sendo, portanto uma
r
velocidade relativa. O vetor v p é a velocidade periférica do impelidor, determinada
pela rotação do mesmo, sendo também uma velocidade relativa.
r
O vetor V2 é a velocidade resultante do fluxo de líquido deixando o impelidor, visto
de um referencial externo à bomba. Esta é a Velocidade Absoluta do fluído.
r
Este vetor velocidade absoluta V2 , é, pela a Lei dos Paralelogramos de Vetores, a
r r
soma das velocidades relativas v2 e v p , conforme Fig. 3.5.

Fig. 3.5 – Diagrama vetorial na extremidade da pá de um impelidor.

118/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
De posse da composição vetorial na extremidade do impelidor de uma bomba,
podemos dar sequência ao estudo do Número de Bombeamento NQ de um
impelidor de agitador em meio líquido. Conforme visto, um impelidor de agitador
pode ser considerado um rotor de bomba operando em aberto. Iremos considerar
um impelidor do tipo disco com pás retas conforme Fig 3.6.

Fig. 3.6 – Vetores Velocidade na extremidade de um impelidor


Onde:
Vp -Velocidade periférica das pás

vr , vtg -Velocidades radiais e tangenciais do líquido deixando a extremidade da pá

V -Velocidade total do líquido considerado num mesmo ponto

Assumindo que a velocidade tangencial do líquido, vtg, é uma fração, digamos “k”
da velocidade periférica das pás do impelidor, Vp , de modo que podemos
escrever:
vtg = k .VP Sendo Vp = π.D.N

119/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
vtg = k .π .D.N [3.43]

A vazão volumétrica através do impelidor é dada por:


Q = vr A p [3.44]

Onde:
vr – Componente radial da velocidade abs, V
Ap=πDW - Área de seção da altura das pás em todo o perímetro do impelidor, ver
Fig 3.7
W = Altura da pá

Fig. 3.7 – Área de vazão volumétrica através do impelidor

Uma análise da geometria dos vetores na Fig. 3.6, permite que possamos
escrever a velocidade radial vr da seguinte forma:

120/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
vr = (v p − vtg )tgβ [3.45]

Substituindo em [3.44]
Q = (v p − vtg )tgβ .πDW

Q = (πDN − kπDN )tgβ .(πDW )


Q = (1 − k )πDN .tg β .πDW

Q = π 2 D2 NW .(1 − k )tgβ

Assumindo a similaridade geométrica até agora empregada, podemos fazer a


altura da pá W proporcional ao diâmetro do impelidor D, permitindo que
possamos escrever:
Q = π 2 D2 ND(1 − k )tgβ
Q = π 2 D3 N (1 − k )tgβ [3.46]

Para um determinado valor de conhecido de k e do ângulo β, a capacidade de


bombeamento de um impelidor, Q, pode ser escrita como sendo;
Q α ND3 [3.47]

A relação destas duas quantidades nos dá o que chamamos de Número de


Bombeamento, NQ.
Q
NQ = [3.48]
ND 3

De modo que a capacidade de bombeamento de um impelidor é dada por:


Q = NQ N D3 [3.49]

121/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
3.4.3 – NÚMERO DE POTÊNCIA OU NEWTON, NPo
O grupo adimensional, P/ρV3D2, obtido na Análise Dimensional, pode ser definido
como sendo a relação existente entre as forças de arraste nas pás do impelidor e
as forças de inércia do sistema.
A Força de Arraste é a resistência que um corpo sólido experimenta quando se
encontra imerso num meio fluído e existe movimento relativo entre este corpo e o
meio.
A Força de Inércia, como definido anteriormente, são aquelas desenvolvidas
quando da mudança de direção ou velocidade do fluído, ao encontrar algum
obstáculo.
Esta relação pode ser expressa dimensionalmente como:
P P P
NPo = = = [3.50]
ρ .V .D
3 2
ρ (DN ) D
3 2
ρ .D 5 . N 3
Npo ~ Forças de arraste
Forças de inércia
O significado físico para a relação entre forças de arraste e forças de inércia pode
ser deduzido do seguinte:
Consideremos o movimento relativo (rotação) de um impelidor em um meio
líquido. Os deslocamentos das pás deste impelidor sofrerão uma resistência
devido a Força de Arraste, FD, que está distribuída sobre todo o impelidor.
Imaginemos esta força FD, concentrada nas extremidades das pás, conforme
indicado em Fig. 3.4.
Pela definição de Força de Arraste dada em [2.8], temos que;
A.V 2 .ρ
FD = C D [3.51]
2
Onde:
FD – Força de arraste nas pás do impelidor
CD – Coeficiente de arraste
V – Velocidade do fluxo
A – Área projetada das pás do impelidor

122/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
ρ - Densidade do meio líquido

Fig. 3.4 – Forças agindo sobre um impelidor em rotação em meio líquido.

Não considerando constantes numéricas e utilizando-se grandezas similares à


área A e à velocidade V, conforme visto em grandezas características temos que:

A ∼ D2
V ∼ DN

FD α [ CD . D2 . (DN)2 . ρ ]

FD α [ CD . D4 . N2 . ρ ]

123/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Sendo que Potência pode ser definida como o produto da Força pela velocidade,
P=F.V

P = FD.VP
P ∼ CD.D4.N2.(DN)
P ∼ CD.D5.N3.ρ

De modo que podemos escrever:


P
= NPo α CD [3.52]
D .N 3 .ρ
5

3.4.4 – NÚMERO DE FROUDE, NFr


O Número de Froude D.g/V2, dado pela Análise Dimensional, tem particular
importância na Dinâmica de Fluídos, naqueles escoamentos com efeitos de
superfície livre, onde o movimento de ondas e redemoinhos se faz presente.
Num meio líquido agitado por meio do movimento rotatório de um impelidor,
ocorre o aparecimento de vórtices devido o desbalanceamento das Forças
Gravitacionais e Forças de Inércia presentes.
O Número de Froude é a relação existente entre as Forças de Inércia e as Forças
Gravitacionais. O grupo adimensional D.g/V2, não é utilizado na forma como foi
deduzido através da Análise Dimensional. Estudos e testes práticos indicam
maior conveniência em se utilizar o seu recíproco.
NFr ~ V2
D.g
Utilizando a proporcionalidade V=DN;

NFr =
( DN )
2
=
D 2 .N 2
D.g D.g

D .N 2
NFr = [3.53]
g

A interpretação física deste grupo adimensional pode ser dada da seguinte forma:
Consideremos um meio líquido agitado mecanicamente, onde o recipiente seja

124/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
cilíndrico e não possua defletores laterais. Ocorrerá desta forma a formação de
um vórtice (Fig. 3.5)

Fig. 3.5 – Forças agindo em um impelidor em rotação

125/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Consideremos o volume de líquido que está acima do plano b-b e que passa pelo
fundo do vórtice (Fig. 3.5). A formação deste vórtice representa o balanceamento
das Forças de Inércia FI e as Forças Gravitacionais Fg. Podemos dizer então que
as Forças de Gravidade são proporcionais à massa de líquido influenciada pelo
vórtice.

Se a altura média do líquido sobre o plano b-b é indicada por Z, e se a área do


recipiente é A, então esta massa m de líquido será A.Z.ρ. Desta forma a Força de
Gravidade por unidade de área, nos dá o que se denomina Tensão
Gravitacional, τg

Fg m.g AZρ .g
α =
A A A

Fg
α ρ.Z.g
A

Desta forma a chamada Tensão Gravitacional, τg será dado por:

Fg
τg = α ρ.Z.g
A

Uma vez que a similaridade esta assumida, podemos considerar Z proporcional


ao diâmetro do impelidor, D.

Fg
τg = α ρ.D.g [3.54]
A

A Tensão de Inércia, τi , por sua vez esta relacionada com a Quantidade de


Movimento P do fluxo, associada ao movimento do fluído, que por sua vez
quando derivada em relação ao tempo nos dá a Força, F = m.a.

P m.v
F m.a
τ i = dt = dt = =
A A A A

126/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A massa é dada por m=AZρ
A aceleração característica é dada por DN2 conforme visto em [3.7]

Desta forma, podemos escrever:

AZ ρ ..DN 2
τi = = Zρ .DN 2
A

Uma vez que a similitude nos permite escrever que Z=D, então temos que a
tensão inercial é dada por:

F
τi = = ρD2 N 2 [3.55]
A

Visto que a velocidade periférica característica do impelidor é dada por VP=DN,


podemos escrever a tensão inercial como sendo o produto da densidade pelo
quadrado da velocidade periférica.

τ i = ρ.Vp 2 [3.56]

Desta forma o Número de Froude representado pela relação entre a Tensão de


inércia, τi e Tensão Gravitacional, τg será expresso na forma:

τ i/τg α
N 2 D2 ρ N 2 D
= = NFR [3.57]
ρDg g

O Número de Froude aparece nas situações fluído-dinâmicas onde existe


significativo movimento de ondas na superfície de um líquido. No nosso estudo de
sistemas fluídos agitados, adotamos como premissa básica a ausência de
vórtices que são prejudiciais aos agitadores, na grande maioria dos casos.

3.5 – RELAÇÃO ENTRE OS GRUPOS ADIMENSIONAIS


Decorrente do nosso estudo da Análise Dimensional aplicada a um sistema fluído
agitado vimos que os Grupos adimensionais estão relacionados conforme demonstrado
na equação [3.38].

127/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
P ⎛ N .D 2 .ρ D.N 2 Q ⎞
= f ⎜⎜ , , ⎟
3 ⎟
[3.38]
ρ .N 3 .D5 ⎝ μ g N .D ⎠

Extensos trabalhos experimentais têm confirmado estas relações, para sistemas


geometricamente similares. Visto que eliminamos a dependência de um sistema fluído
agitado do Número de Froude podemos estabelecer relações e consequentemente
levantar gráficos mostrando a interdependência entre NPo versus NRey e NQ versus
NRey. Os gráficos resultantes correlacionam as variáveis iniciais básicas que são os
efeitos da densidade e viscosidade do fluído, diâmetro e rotação do impelidor.

3.5.1 –NÚMERO DE POTÊNCIA VERSUS NÚMERO DE REYNOLDS


Conforme visto no estudo da potência de agitação, o número de potência foi
desenvolvido a partir da distribuição de pressão ao longo das lâminas do
impelidor. Isto implicará que a correlação entre Npo e Nrey dependerá
primariamente da configuração do impelidor.
Em literatura especializada, podemos encontrar um sem-número de correlação
Npo versus Nrey para impelidores de todo tipo de aplicação.
As figuras seguintes mostram gráficos correlacionando Npo e Nrey para alguns
tipos de impelidores muito empregados na indústria de transformação. Estes
gráficos são obtidos experimentalmente utilizando toda a teoria da Análise
Dimensional e Similitude até agora citada.
O estudo das curvas que correlacionam Npo com Nrey revela que podemos
dividir os sistemas fluídos agitados em zonas ou regimes claramente distintos,
sendo eles o Regime Laminar, o Regime de Transição e o Regime Turbulento

3.5.1.1 – REGIME LAMINAR


Para os sistemas onde o Número de Reynolds encontra-se em valores
menores que 20, inclusive, a agitação encontra-se numa região viscosa ou
laminar, onde predominam as forças viscosas, caracterizando os sistemas
onde não se aceitam modificações bruscas de movimento.
Esta região encontra-se na seção “A-B” dos gráficos.

128/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 3.6 – Número de Potência versus Número de Reynolds

129/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
As curvas foram empiricamente levantadas para os impelidores identificados nos quadros
acima. A inclinação A-B das curvas é típica para a maioria dos impelidores, e indica que o
sistema agitado é grandemente dependente da viscosidade do fluído. Os efeitos das forças
inerciais são negligíveis se comparado aos efeitos das forças viscosas, sendo o fluxo
predominantemente tangencial. Observar que o Npo é comparativamente elevado em relação
com outras seções das curvas

Fig. 3.7 – NPo versus NRey

130/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
3.5.1.2 – REGIME DE TRANSIÇÃO
À medida que o Número de Reynolds aumenta, o comportamento do líquido
muda gradualmente de regime laminar para o regime turbulento. Valores de
Nrey compreendidos entre 20 e 2000 indicam regimes dentro de uma região
de transição. Como sua própria denominação, sistemas agitados onde o
Número de Reynolds encontra-se na Zona de Transição, é indefinida no
tocante as predominâncias dos efeitos viscosos ou inerciais. Os fluxos serão
uma combinação de velocidade tangencial, axial e radial. Esta região
encontra-se na seção “B-C” das curvas.

3.5.1.3 – REGIME TURBULENTO


Número de Reynolds maiores que 2000, indicam que o regime encontra-se
em zonas turbulentas, indicadas pela seção “C-D” das curvas. Após estes
valores o Nrey, torna-se francamente turbulento, onde o Número de Potência
será invariante, permanecendo constante mesmo que uma das suas variáveis
aumente, como por exemplo, a rotação. O Número de Potência, característica
principal de cada tipo de impelidor é normalmente fornecido e indicado para o
regime invariante, situação esta em que se encontra a grande maioria dos
sistemas agitados. A figura 3.8 mostra alguns tipos de impelidores mais usuais
com seus característicos Npo no regime turbulente.

Fig. 3.8 – Valores de Npo turbulento para vários tipos de impelidores.


W/D é a relação entre a altura projetada das pás e o diâmetro do impelidor

131/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Conforme exposto, a potência absorvida em um sistema fluído agitado está
diretamente ligada ao chamado Número de Potência, que por sua vez está
correlacionado com o regime de escoamento em que o sistema se encontra.
Ao se dimensionar um agitador mecânico, instalam-se motores compatíveis com as
potências requeridas, sem fatores de serviço exagerados, permitindo sua operação
somente dentro de condições definidas de rotação, densidade e viscosidade do fluído,
bem como geometria do impelidor. Alterações numa destas variáveis, implica em
alterações do sistema fluído, podendo o Npo deslocar-se para regiões onde o seu
valor aumenta, tendo como resultado um aumento na potência absorvida do sistema.

Visto que este trabalho está sendo apresentado com as unidades no sistema
britânico, operaremos algumas modificações nas fórmulas.

O Número de Reynolds, Nrey deverá ter suas variáveis dadas em;


N .D 2
N Re y = ρ
μ
Viscosidade em centipoise ( poise=g/cm.sec)x 10-2
Rotação em rpm
Diâmetro do impelidor em polegadas
Densidade relativa ou gravidade específica – adimensional

N (1/ 60).D 2 (2,54) ρ.N .D2


2
N Re y = ρ = 0,107
μ.10− 2 μ.10− 2

N .D 2
N Re y = 10,7.ρ [3.39]
μ

A potência absorvida, Pabs, derivada do Npo, e convenientemente trabalhada


conforme abaixo, nos dará fórmulas mais manuseáveis.

P.g c NPo.ρ.D5 N 3
NPo = P=
ρ .D 5 N 3 gc

Onde: gc = contante de proporcionalida

132/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
lbm. ft
gc = 32,17
lbf .sec 2
Vp=π.D.N → N=Vp/πD → N=V/D

Portanto:
ρ ⎛V ⎞
3

P= ⎜ ⎟ D
5

gc ⎝ D ⎠

lbm ft 3
ft 3 3 lbm. ft −3 ft 3 .s −3 5
P= . s 3 . ft 5 → P= . . ft
lbm. ft ft lbm. ft.lbf −1.sec− 2 ft 3
lbf .sec2

ft
P = lbf Ou seja: P=F.v (potência=força x velocidade)
sec

⎛ ft ⎞ ρ .D5 N 3
P⎜ lbf ⎟ = NPo
⎝ sec ⎠ gc
Sendo: P= lbf.ft/sec
N=rps
D=ft
gc=32,17 lbm.ft/lbf.sec2
ρ=62,30 lbm/ft3 ( água )

Fazendo as transformações necessárias para que:


Pot.=HP, N=rpm, D=pol e ρ = ton/m3

3 5
62.3 ⎛ 1 ⎞ 3 ⎛ 1 ⎞ 5
P= ⎜ ⎟ N ⎜ ⎟ D .NPo
32,17 ⎝ 60 ⎠ ⎝ 12 ⎠
P = 1,9365.N D NPo.1,8605E − 11
3 5

P = 3,6028E − 11.N 3 D5 NPo

Visto que 1 HP = 550 ft.lb/sec, então:

133/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
P = (6,5506E − 14).N 3 D5 NPo [3.40]

Sendo: P= HP
N=rpm
D=pol
ρ=1 ton/m3

Como a fórmula deve abranger sistemas onde a densidade seja diferente ao da água
e agitadores com número de impelidores diferentes de um.

P = 0,65506E − 13.N 3 D5 NPo.ρ.n

Isto nos permite escrever uma fórmula mais simplificada

NPo .N 3 .D 5 .ρ .n
P= [3.41]
1,524 E13

O exemplo que se segue procura mostrar a correlação existente entre o Número de


Potência e o Número de Reynolds, bem como das consequências advindas de
alterações que por ventura se faça em equipamentos sem o devido cuidado.

EXEMPLO:
Um sistema fluído agitado mecanicamente foi dimensionado para operar com as
seguintes variáveis.
• Impelidor tipo 6PBT-45 conforme Fig.3.6 curva 4
• Diâmetro impelidor: D=20”
• Rotação: N=130 rpm
• Viscosidade líquido: μ = 1500 cP
• Densidade líquido: ρ = 1,0
• Acionador: motor elétrico ¾ HP

O sistema encontra-se trabalhando no seguinte regime de escoamento:


ρ .N .D 2
N Re y = 10,7
μ
1,0.130 .20 2
N Re y = 10,7 = 370 Regime de transição
1500

134/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Plotado na curva #4 da figura 3.6, o Npo =1,4 é invariante

A potência absorvida pelo sistema será:

Pabs = NPo.
N 3 D5 ρ
= 1,4
(130)3.(20)5.1,0 = 0,64bhp
1,524E13 1,524E13

Pabs=0,64< Pmotor=0,75 hp OK

Modificação #1
Na eventualidade de termos as condições de operação alteradas como, por exemplo,
para um fluído com viscosidade de fluído de 5000 cP e densidade de 1,2.

O Número de Reynolds torna-se:


1,2.130.20 2
N Re y = 10,7 = 133 Regime de transição
5000

Observando a curva #4 verifica-se um deslocamento para esquerda do Npo. Que


passará a ser Npo=1,9. A potência absorvida será então:

Pabs = 1,9
(130) .(20) .1,2
3 5
= 1,05bhp
1,524E13
Pabs=1,05> Pmotor=0,75 hp

Modificação #2
Alterando-se a rotação para 145 rpm e diâmetro do impelidor para 22”:
1,2.145 .22 2
N Re y = 10,7 = 600 Regime de transição – Npo=1.6
1500

Pabs = 1,6
(145) .(22) .1,0
3 5
= 1,64bhp
1,524E13

Pabs=1,64> Pmotor=0,75 hp

Descobriremos de maneira quase que imediata que o motor não está dimensionado
para trabalhar nestas novas condições e provavelmente ele também terá problemas
mecânicos.

135/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
3.5.2 –No. DE BOMBEAMENTO versus No. DE REYNOLDS
Conforme visto na seção 3.2.3, podemos associar a velocidade do fluxo com o
regime de escoamento do sistema, ou seja, o seu Número de Reynolds. Muitos
trabalhos têm demonstrado esta correlação.

O gráfico apresentado em Fig. 3.9, nos mostra esta correlação para um impelidor
do tipo turbina de pás retas inclinadas a 45º com Número de Potência invariante
de 1,37 e contém curvas para várias relações entre o seu diâmetro e o diâmetro
do tanque. Inúmeras correlações para os mais variados tipos de impelidores
podem ser encontradas em literatura especializada.

Em um sistema fluído agitado, espera-se que todo o meio objeto do processo


possua as mesmas características em qualquer ponto do recipiente que o
contém. Nestas condições, um impelidor deverá ser capaz de produzir a
circulação do fluído por todo o volume do tanque, dentro de um tempo requerido.

Também as velocidades das correntes de fluxo que deixam o impelidor, devem


ser suficientemente “fortes” para atingir as partes mais remotas do recipiente.
Estas correntes de fluxo induzidas pelo impelidor carregam certa quantidade de
energia que será dissipada por meio de atrito, devido à ação cisalhante que as
correntes de fluxo provocam ao atravessar a massa de meio líquido.

Como visto, a capacidade de bombeamento Q em CFM é proporcional à


quantidade NQ. N.D3, onde NQ é um fator adimensional, N a rotação em rpm e D o
diâmetro do impelidor em pés.

Os gráficos semelhantes ao da Fig. 3.9 permitem o cálculo da capacidade de


bombeamento de um sistema fluído agitado mecanicamente.

136/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 3.9 Número de Bombeamento como função do Nrey para impelidor de pás retas
inclinadas a 45o (Npo= 1,37)

Dividindo-se o valor de Q pela área da seção transversal do tanque A, obtemos o


que se denomina de velocidade aparente, VB., uma quantidade que será utilizada
como referência para se determinar o grau de agitação do sistema.

VB = Q/A

Devido a dissipação de energia do fluxo ao atravessar o massa líquida, a


velocidade da corrente que deixa o impelidor, dada pela velocidade periférica do
mesmo, não pode ser utilizada como representativa das correntes no tanque.
Estas velocidades diminuem à medida que se afastam da região do impelidor,
indo para as paredes do tanque e locais mais remotos. A Fig. 3.40, mostra as
correntes de fluxo induzidas por um impelidor do tipo Turbina de 6 pás retas a 90
graus, com 6 polegadas de diâmetro, girando a 200 rpm, num tanque cilíndrico de
12 polegadas de diâmetro, com água à temperatura ambiente. O plano de
observação passa através do eixo do impelidor e imediatamente a frente do
defletor.

137/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Superfície
do líquido

Eixo

Defleto

Impelidor
Parede
do

Redemoinho

Fig. 3.40 – Perfil de velocidades de fluxo de um impelidor tipo turbina de 6 pás retas a 90 graus

O fluxo deixa o impelidor numa direção radial, e ao atingir a parede do tanque,


próximo do defletor, o fluxo é direcionado para cima e para baixo percorrendo
longitudinalmente o tanque. Estas correntes dirigem-se para o centro, na região
do eixo e retornam novamente até o impelidor.

Imediatamente abaixo do impelidor, no centro do tanque, observa-se um


redemoinho, indicando correntes predominantemente tangenciais. Os números
indicados na figura 3.40 mostram a magnitude da velocidade do fluído em vários
pontos, sendo frações da velocidade periférica do impelidor.

138/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A velocidade aparente representativa de todo o sistema é considerada como
sendo a velocidade do fluxo a 2/3 da altura do líquido, conforme indicado na Fig.
3.41. Destes conceitos, surge o que se chama grau de agitação do sistema fluído
agitado que como veremos mais adiante é fundamental para especificação de um
agitador.

Fig. 3.41 – Localização da Velocidade Aparente, Vb

4. MODELOS DE FLUXOS EM VASOS/TANQUES MECANICAMENTE AGITADOS

O estado hidrodinâmico do fluxo num vaso cilíndrico agitado mecanicamente por um impelidor
é algo complexo, particularmente nas vizinhanças do impelidor onde ocorrem regimes
violentamente turbulentos. De qualquer forma fazendo as devidas simplificações, podemos
afirmar que o tipo de fluxo num vaso agitado depende das características do fluído, da
geometria e proporções do tanque e do próprio impelidor que produz o fluxo.
A velocidade do fluído em qualquer ponto do tanque possuI três componentes distintos e o
perfil global do fluxo vai depender das variações que estes componentes apresentarem ponto a
ponto no sistema.

139/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
O primeiro componente de velocidade é a radial, Vr. Este componente age numa direção
perpendicular ao eixo do impelidor. O segundo componente age numa direção paralela ao eixo
do impelidor. Ela é chamada de componente axial, Vz. A terceira componente é a tangencial ou
rotacional, Vg. Ela age numa direção tangencial à círculos concêntricos a linha do eixo.

Nos sistemas hidrodinâmicos agitados mecanicamente com eixos verticais, os componentes de


velocidade radial e tangencial estão localizadas num plano horizontal e a componente axial
num plano vertical. Nestes, as componentes responsáveis pela ação de agitação é a axial e a
radial, ficando o componente tangencial como indutor de efeitos indesejáveis tais como a
criação de vórtices e redemoinhos.

Se considerarmos um tanque cilíndrico sem defletores e eixo centrado, o vórtice formado pelo
componente tangencial tende a perpetuar-se e em altas velocidades este pode chegar até a
região do impelidor arrastando grande quantidade de ar para o meio líquido (ver Fig. 4.3 e 4.4).
Nesta situação o impelidor poderá operar parcialmente descoberto.

Esta situação, com frequência, é prejudicial, pois pode proporcionar a dissolução do ar no


líquido formando espuma e produzir oscilações e vibrações comprometedoras ao sistema
mecânico.

Nos sistemas onde o regime é laminar, a tendência é estratificar as velocidades tangenciais em


vários níveis, sem o acompanhamento do fluxo axial e radial. Se houver presença de sólidos,
as correntes tangenciais tendem a deslocar (pela força centrífuga) as partículas para as regiões
mais próximas das paredes do tanque. Neste ponto, estas partículas vão para o fundo do
tanque produzindo então, acúmulo de material no que se chama de “zonas mortas” .
O regime de um sistema líquido agitado por impelidor mecânico depende inicialmente do
Número de Reynolds, ou seja, se o sistema é laminar, de transição ou turbulento.

Deste modo podemos definir o estado hidrodinâmico do fluxo num vaso cilíndrico agitado
mecanicamente por um impelidor, como sendo função do Número de Reynolds do sistema,
conforme já demonstrado quando indicamos a interdependência entre o Número de Reynolds e
a Capacidade de Bombeamento e Número de Reynolds e Potência. Isto permite descrever os
regimes dos fluxos da seguinte forma:

REGIME COMPLETAMENTE LAMINAR, Fig. 4.1A


Nas regiões onde N.Rey 10, o líquido ao redor do impelidor se movimenta juntamente
com a rotação do impelidor e a medida que vai se afastando da região do impelidor
começa a tornar-se estagnado conforme indicado na figura Fig 4.1A.

140/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Este comportamento deve-se a predominância das forças viscosas e o sistema não
aceita modificações bruscas do movimento. Nestes sistemas os efeitos centrífugos
devido à rotação do impelidor são neglicíveis e a circulação é pobre. Das componentes
existentes da velocidade, predomina no sistema a componente de velocidade tangencial
e ela é observada em todos os níveis do fluído, sendo, porém mais acentuada na região
do impelidor, diminuindo à medida que se afasta do mesmo até todo o sistema se
estagnar.

Os impelidores usados para sistemas hidrodinâmicos laminares devem ser os maiores


possíveis de modo que possam induzir a circulação em todo o tanque. Normalmente são
utilizados impelidores do tipo âncora ou fitas helicoidais em tanques sem defletores.

A figura 4.1A1 mostra um sistema laminar onde operamos com um impelidor de pás
verticais retas e pequena dimensão. A região onde há circulação esta tracejada e
somente próximo ao impelidor ela se faz presente. A figura 4.1A2 mostra o mesmo
sistema operado com um impelidor do tipo ribbon (fitas helicoidais) com a circulação
presente em todo o tanque.

REGIME PARCIALMENTE LAMINAR, Fig. 4.1B


Quando o Número de Reynolds aumenta para valores acima de 10 ou mais, a força
centrífuga devido a rotação do impelidor começa a deixar de ser negligível e a
circulação de fluxo se desenvolve com a contribuição da transferência de momento
angular ( momentum ) para as partes mais distantes do líquido. Observam-se zonas
estagnadas somente em regiões imediatamente acima e abaixo da extremidade do
impelidor, numa forma toroidal conforme mostrado na figura 4.1B.

REGIÃO DE TRANSIÇÃO, Fig. 4.1C


Quando o Número de Reynolds aumenta para algumas centenas (Nrey=300˜500), o
fluxo ao redor do impelidor começa a tornar-se turbulento e a circulação do fluxo
aumenta notadamente e o que ocorre é uma combinação de fluxos laminar e turbulento
denominada de zona de transição.

Nestes sistemas, as zonas estagnadas observadas nos regimes laminares,


desaparecem totalmente. Apesar do fluxo que deixa o impelidor ser laminar, a
velocidade de rotação induzida pela componente rotacional começa a diminuir e a
diferença entre as velocidades do líquido e do impelidor é grande o suficiente para que
os efeitos centrífugos sejam predominantes
Juntamente com as regiões mostradas nas figuras 4.1A e 4.1B, a região de transição
não apresenta depressão na superfície do líquido que origina os redemoinhos, e deste

141/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
modo não necessita da instalação de defletores. Nestes sistemas a instalação de
defletores pode provocar também o surgimento de zonas mortas e estagnadas
imediatamente atrás dos mesmos.

REGIME TURBULENTO/FRANCAMENTE TURBULENTO, Fig. 4.1 D


Na faixa de Número de Reynolds maior que 103, a componente tangencial é
predominante e o comportamento do sistema dependerá da existência ou não de
defletores no tanque. Em tanques sem defletores, além da componente tangencial
predominante que produzirá a rotação de todo líquido, haverá correntes de fluxo
secundárias que se sobreporão entre si. Existirá neste caso a formação de depressão no
centro do tanque iniciando o redemoinho. A figura 4.1D1, mostra um sistema
trabalhando em regime turbulento dentro de um tanque com defletores. Já a figura
4.1D2, mostra o mesmo sistema turbulento em um tanque sem defletores com início do
vórtice e as correntes secundárias.

Figura 4.1 – Regimes de fluxo que ocorrem num sistema agitado em função do Número de
Reynolds

142/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Visto que o nosso trabalho centra-se basicamente no regime de fluxo turbulento e
francamente turbulento, naquela região do gráfico, Nrey versus Npo (Fig. 3.6, 3.7) em
que o regime torna-se invariante após atingir determinado Número de Reynolds, vamos
tomar somente o comportamento hidrodinâmico da figura 4.1D para mostrar as
componentes típicas de velocidades encontradas em um sistema de agitação e como
elas se distribuem nele.

Nagata estudou a distribuição de velocidade em água com medidores de velocidade do


tipo tubo pitot, utilizando um tanque cilíndrico de 58,5 cm. As velocidades típicas podem
ser vistas na figura 4.2(A, B, C e D) onde se compara o tanque sem e com defletor.

O impelidor utilizado é uma turbina de 8 pás retas verticais com 30 cm de diâmetro


denominada comumente de 8FBT (Flat Blade Turbine). O regime é francamente
turbulento e invariante, e apesar de ter sido utilizado um tipo específico de impelidor,
podemos utilizá-lo para entendermos como as velocidade se distribuem em um sistema
agitado por impelidor. Impelidores com geometrias diferentes, apenas deslocarão as
curvas para um lado ou outro, permanecendo a validade do estudo.

Tanque sem defletor Tanque com defletor (não mostrado)

Fig. 4.2A – Distribuição de Velocidade para a componente tangencial (Vt)

143/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Na figura 4.2A observar-se no tanque sem defletor que a velocidade tangencial é muito
maior do que quando o tanque está equipado com defletores na parede do mesmo. As
forças inerciais prevalecem sobre as forças viscosas e todo o conjunto líquido passa a
acompanhar atrasadamente o movimento rotatório do impelidor. O fenômeno devido ao
chamado Número de Froude visto em [3.4.4] surge como efeito devido ao
desbalanceamento das forças de inércia e das forças gravitacionais e ocorrerá então o
aparecimento de um vórtice no centro da massa líquida.

Quando instalamos defletores, a componente tangencial é drasticamente reduzida e o


fenômeno devido o Número de Froude desaparece. Vórtices e redemoinhos nestes
casos são considerados negligíveis. A figura 4.2.B mostra a distribuição de velocidades
para a componente radial, Vr. Ela se dirige para a parede do tanque numa direção
perpendicular ao eixo Z do agitador.

Verifica-se que sua atuação mais significativa encontra-se mais ou menos confinada na
região próxima do impelidor. As linhas tracejadas da figura 4.2B indicam este
confinamento. Exceto pelo início de vórtice, parece não haver grandes diferenças nas
velocidades dos fluxos produzidos em tanques com ou sem defletores.

Tanque sem defletor Tanque com defletor (não mostrado)


Fig. 4.2B – Distribuição de Velocidade para a componente radial (Vr)

144/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Tanque sem defletor


Tanque com defletor (não mostrado)

Fig. 4.2C – Distribuição de Velocidade para a componente axial (Vz)

A distribuição de velocidades para a componente axial é mostrada na figura anterior 4.2C, tanto
para o tanque sem defletor e devidamente equipado com defletores laterais. Conforme
mostrado na figura 4.2C, na região imediatamente acima do impelidor, o líquido move-se para
cima na região próxima do impelidor e também bem próximo da parede do tanque.

O líquido retorna então através do através do “annulus” indicado entre as duas linhas
tracejadas da figura considerada. A combinação das três componentes mostradas
anteriormente, nos dá a circulação total do fluxo. A figura 4.2D indica as linhas de fluxo
resultante dos três componentes. A figura à esquerda de 4.2D mostra as linhas de fluxo
ocorrendo em um tanque sem defletores e à direita em um tanque com quatro defletores
integrais, ou seja, desde o fundo até a superfície do líquido.

As linhas de fluxo resultantes mostram perfeitamente que a instalação de defletores na parede,


previne a formação de vórtices devido à eliminação da componente tangencial. Próximo à
superfície do líquido passamos a ter correntes de fluxo horizontais que fazem com que o líquido
retorne para a região de mais baixa pressão que é o centro do tanque. Tem-se início então a

145/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
circulação que é a princípio o objetivo que se deseja dos sistemas mecanicamente agitados por
impelidores.

Fluxo em tanque com defletor (indicado


Fluxo total em tanque sem defletor
na figura)

Fig. 4.2D – Distribuição do fluxo resultante, Q

146/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 4.3 – Formação de vórtice

147/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 4.4 Vórtice em alta velocidade atingindo o impelidor

148/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Vórtices e redemoinhos podem ser evitados pelos seguintes métodos:

• Em tanques pequenos e sem defletores, o impelidor pode ser instalado fora do


centro, conforme indicado na figura 4.5. O eixo deve ser um pouco inclinado em
relação à linha vertical.

• Em tanques maiores, o agitador pode ser montado na parede lateral ou costado do


tanque. Neste caso, o eixo fica num plano horizontal, Fig. 4.6.

Fig. 4.5 – Eliminação de vórtices através de montagem do impelidor deslocado do


centro em tanques sem defletores

149/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 4.6 – Eliminação de vórtices através de montagem de agitador de entrada lateral


em tanques sem defletores

150/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 4.7 – Formas incorretas de posicionamento de agitadores de entrada lateral

151/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Em tanques de maiores dimensões e montados com agitadores verticais, o método preferível
de redução e eliminação de vórtices é a instalação de defletores que interceptem a
componente tangencial do fluxo sem interferir com o fluxo axial e radial. Existem vários tipos de
montagem destes defletores conforme indicado na Fig. 4.8, entretanto a maneira mais
convencional para eliminação da componente tangencial do fluxo é utilizar 4 (quatro) defletores
do tipo integral ao longo de toda parede dos tanques espaçados de 90º. Em tanques de
grandes dimensões é recomendável a utilização de um número maior de defletores.
Nestes casos os modelos de fluxo assumem comportamento hidrodinâminco semelhante aos
dos indicados nas figuras Fig 4.8 e Fig. 4.9
O defletor do tipo integral indicado deve seguir uma proporcionalidade geométrica em relação a
uma variável dimensional do sistema, que como veremos mais adiante é o diâmetro do tanque
designado por “T”.

Fig. 4.8 – Métodos de eliminação de vórtices através da instalação de defletores.

152/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Visto os mecanismos normalmente utilizados para eliminar as ocorrências de vórtices, o fluxo
produzido por um impelidor dentro de um tanque cilíndrico então passa a depender somente do
tipo, geometria e proporcionalidade do impelidor utilizado. Os impelidores de indução de fluxo
predominantemente axial são utilizados quando se deseja produzir dentro do tanque, circuitos
de fluxos de cima para baixo ou vice-versa. Na figura Fig. 4.9 podemos ver claramente o
comportamento da componente de velocidade predominante no sistema, direcionando o fluxo
para o fundo do tanque. O impelidor utilizado no caso é do tipo de pás retas inclinadas
denominado PBT (Pitched Blade Turbine).

Fig. 4.9 – Modelo de Fluxo Axial em tanque com defletor integral

O fluxo ao deixar o impelidor desloca-se para baixo e para a periferia do tanque onde
encontram os defletores, sendo então direcionados naturalmente para cima. Desde modo os
defletores, além de eliminar os redemoinhos, atuam de modo muito importante no
direcionamento do fluxo. Quando o fluxo atinge as regiões superiores, próximo da superfície, o
fluxo é forçado a retornar para a região central do sistema onde existe uma zona de baixa
pressão produzida pelo fluxo em movimento. Isto produz então um eficiente modo de circulação
e transporte de massa. Nas camadas superiores podemos afirmar com certeza que o fluxo é
totalmente horizontal e como veremos mais adiante o comportamento desta superfície pode ser
adotada como meio de definir graus de agitação.

153/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Impelidores de fluxo radial tem como principal característica induzir correntes de fluxo
predominantemente radiais. Podemos observar na figura Fig. 4.10 que as correntes de fluxo
estão mais ou menos confinadas nas proximidades do impelidor, tanto acima como abaixo do
mesmo. O impelidor é do tipo pás retas verticais, denominado FBT (Flat Blade Turbine).

O fluxo que próximo ao eixo imediatamente acima do impelidor é axial, toma gradualmente um
perfil radial, até atingir as paredes do tanque, onde é redirecionado tanto para cima como para
baixo.

Os impelidores que induzem fluxos predominantemente radiais, quando montados em tanques


com defletores, conseguem produzir também fluxos axiais, tanto nas paredes do tanque como
na parte central.

Fig. 4.10 – Modelo de Fluxo Radial (tanque com defletores do tipo integral).

154/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 4.11 – Modelos de Fluxo em tanques com mais de um impelidor; a) Dois impelidores de
fluxo axial; b) Dois impelidores de fluxo radial; c) Múltiplos impelidores radiais

Algumas situações podem ocorrer que determinado tanque tenha que ter por questões de
processo ou espaço, a altura muito maior do que o diâmetro. Nestes casos, dois ou mais
impelidores podem ser montados no mesmo eixo, e cada impelidor agirá isoladamente como
indutor de fluxo. Duas ou mais correntes de circulação são geradas então. Ver figura Fig.
4.1.1.

5 - RELAÇÕES GEOMÉTRICAS
Comumente, quando precisamos descrever os efeitos produzidos pela agitação de líquidos em
tanques cilíndricos verticais, adotamos uma relação considerada ideal entre a altura do líquido,
Z e o diâmetro interno do tanque T, como sendo Z/T=1. A partir desta relação primária ideal,

155/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
podemos descrever as relações geométricas e proporções dos diversos componentes de um
sistema agitado mecanicamente. A relação Z/T é chamada de razão de preenchimento e pode
variar de acordo com as necessidades de processo, espaço, etc. Usualmente esta relação
pode variar entre 0,5 e 1,5, sendo que nestes valores limites o sistema não apresenta
diferenças consideráveis em relação à chamada relação ideal.

A escolha do número e posicionamento dos impelidores dentro de um tanque ou vaso, além de


depender da relação Z/T, também depende do tipo de processo a ser utilizado, sendo
usualmente governada pelos requisitos de agitação. Se o processo for por batelada e com
agitação durante o descarregamento, o posicionamento do(s) impelidor(es) passa a ter grande
importância e normalmente ele é definido em função desta necessidade ou não da agitação
durante o descarregamento do produto.

Quando se utiliza múltiplos impelidores de fluxo axial, particular cuidado deve ser tomado ao se
definir a distância entre eles. Se os impelidores forem localizados muito próximos um do outro
(por exemplo menor que um diâmetro de impelidor), seu comportamento hidrodinâmico na
indução de fluxo pode ser considerado como sendo de um só impelidor de maior dimensão.

Múltiplos impelidores de fluxo axial possuem menor tendência de produzir fluxo separado do
que múltiplos impelidores de fluxo predominantemente radial, por isto eles devem ser
posicionados sempre a uma distância mínima de um diâmetro de impelidor.

Os impelidores de fluxo quando montados em número de dois ou mais, possuem melhor


capacidade de produzir fluxos separados, podendo ser montados a uma distância mínima de
1,5D de afastamento entre si. Neles a distância do impelidor próximo a superfície e à superfície
do líquido deve ser entre 0,5 e 1,5 D.

Se um impelidor de indução de fluxo axial ou radial for posicionado muito próximo da superfície
do líquido, as correntes de fluxo podem desenvolver pequenos redemoinhos responsáveis pela
incorporação de ar no meio líquido, mesmo com defletores instalados. Em tanques cilíndricos
verticais os defletores são montados na parede do tanque e obedecem à uma relação
considerada ideal que é fixada como sendo 1/10~1/12 do diâmetro do tanque.

Conforme visto nas tabelas I e II as relações geométricas dos diversos componentes de um


tanque agitado mecanicamente serão classificados conforme os tipos de fases presentes no
mesmo. A figura Fig. 5.1 mostra as cotas referentes ao posicionamento e dimensões dos
componentes do tanque.

156/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 5.1 – Relações geométricas em tanques cilíndricos agitados

5.1 – SISTEMAS MONOFÁSICOS LÍQUIDO-LÍQUIDO

cP No. FOLGA Z/T Diâmetro DEFLETORES


IMPELIDORES IMP/FUNDO (máximo) Impelidor D
H2 B

1 1,4
Z/3
< 25000 2 (2/3) Z 2,1
T/3 0,3<T<O,5T
1 0,8 T/12 T/12
Z/3
> 25000 2 (2/3) Z 1,6
T/3

157/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
5.2 – SISTEMAS BIFÁSICOS SÓLIDO-LÍQUIDO

Folga Defletores
No. Imp/Fundo Diâmetro do Impelidor
Impelidores Z/T
Máx. Tanque Tanque Tanque
H1 H2 Bc B Fundo Fundo Fundo
Plano Abaulado Esférico

1 Z/4 1,2

2 T/4 2/3Z 1,8 T/72 T/12

D=0,4T D=0,35T

6. EQUIPAMENTOS E COMPONENTES
Usualmente a agitação em meios líquidos é feita em recipientes cilíndricos verticais, tais como
vasos e tanques. Um sistema de agitação considerado como padrão é composto normalmente
das seguintes partes: acionador que normalmente é elétrico, mas pode ser pneumático ou
hidráulico, redutor de velocidades que pode ser por redutor de engrenagens ou sistema de
transmissão por polias e correis, eixo, acoplamentos, vaso/tanque, impelidor e acessórios tais
como selo mecânico, caixa de gaxetas, mancais de escora-guia, estabilizadores e partes
internas tais como: defletores, serpentinas, camisas, draft tube, revestimentos, etc.

O recipiente cilíndrico para o sistema de agitação pode ter uma configuração de um tanque
aberto atmosférico ou um vaso de pressão fechado. Tanques atmosféricos geralmente
obedecem a normas de construção do tipo API 650, tanques fechados sob baixa pressão a API
620 e os fechados sob pressão, a norma ASME Seção XIII.

Os tanques fechados são utilizados, por exemplo, nas condições de processo onde se
requerem operação sob pressão para se obter uma reação ou impedir o desprendimento de
substâncias tóxicas proveniente do líquido agitado. A vedação dos mesmos se faz por meio de
dispositivos do tipo selo hidráulico, caixa de gaxetas ou selos mecânicos.

A configuração básica do vaso e do tanque vertical pode ser vista na figura Fig. 6.1 e Fig. 6.2

158/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.1 – Padrão de tanque atmosférico com fundo plano agitado mecanicamente.

159/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.2 – Padrão de vaso sob pressão agitado mecanicamente

160/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
6.1 TANQUES E VASOS
Tanques e vasos cilíndricos verticais com fundo plano ou arredondado são geralmente
os mais utilizados em sistemas mecanicamente agitados. Outros tipos de recipientes
também são utilizados para estes sistemas dependendo então de variáveis como
espaço, processo, disponibilidade de tanques, etc., podendo ser do tipo cilíndrico
horizontal, quadrados ou retangulares (ver Fig 6.6). Os padrões de fabricação e projeto
destes tanques/vasos obedecem a normas tais como API 650 para tanques
atmosféricos, API 620 para tanques de estocagem com baixa pressão, ou ASME Seção
XVIII para vasos pressurizados. No caso de recipientes cilíndricos verticais (onde nosso
trabalho está apoiado) devemos relevar alguns fatores importantes quando do projeto do
tanque/vaso.

Fig. 6.6 – Tipos de Tanques

161/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

6.1.1 – RELAÇÃO ENTRE ALTURA DO LÍQUIDO E DÍÂMETRO DO TANQUE


Usualmente, a relação entre a altura do líquido e o diâmetro do tanque fica entre
valores compreendidos entre 0,5 e 1,5 sendo esta razão denominada de razão
de enchimento Fig. 6.7.

Fig. 6.7 – Relação entre Z e T , denominado de razão de enchimento

Procura-se sempre que possível especificar tanques com razão de enchimento


próximo de 1,0 (square) visto ser esta a relação normalmente adotada quando se
faz estudos empíricos para determinação de características físicas de impelidores
que determinarão valores para o Número de Potência, Número de Bombeamento,
etc. De modo geral a melhor configuração para um vaso ou tanque é a chamada
“square” que tem a razão de enchimento próxima de 1,0 onde o diâmetro do
tanque/vaso e a altura do líquido são aproximadamente iguais. A figura Fig. 6.8
procura ilustrar porque uma configuração dita “quadrada” é mais eficiente nos
sistemas mecanicamente agitados.
Para um mesmo volume de líquido, um tanque baixo e largo necessita de
impelidor de grandes dimensões girando em baixa rotação o que requer redutores
de velocidades de alto torque. Um tanque alto e estreito, poderá requerer
múltiplos impelidores e eixos muito longos, o que com certeza apresentará
problemas de rotação crítica e de mancais de escora-guia.

162/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.8 – Tanques/Vasos “quadrados” são mais adequados para sistemas agitados

6.1.2 – FORMA DO FUNDO DO VASO/TANQUE


De uma maneira geral, vasos e tanques com fundo arredondados tendem a
consumir menos potência na agitação do que outras geometrias. Isto se deve ao
fato de já termos uma configuração que facilita as correntes de fluxo. Recipientes
com fundo plano tem a desvantagem de uma baixa eficiência nos cantos entre a
parede e o fundo, criando zonas mortas de difícil circulação do fluxo. Tal
problema também ocorre na extremidade do cone nos tanques de fundo cônico.

Fig.6.9- Esquema de vasos cilíndricos verticais com vários tipos de fundo

163/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Outros tipos de fundo têm sido estudados, particularmente para suspensões de sólidos.
Estes estudos indicam tanques com fundo perfilado permitem especificar sistemas de
agitação mais eficientes, tanto hidrodinâmicamente, visto que o tanque tem perfil que
facilita as correntes de fluxo, tanto quanto mecanicamente, visto que menor potência
será despendida.
Nos tanques de fundo plano, existe a ocorrência de cantos mortos que se situam no
fundo do tanque imediatamente abaixo do impelidor e na intersecção entre o fundo e o
costado. Estas zonas mortas são naturais em todos os sistemas que utilizam fundos
planos, elas ocorrem devido à tendência do fluxo percorrer o caminho de menor
consumo de energia, ver Fig 6.10

Fig. 6.10 – Correntes de fluxo em um tanque com defletores (não mostrado), indicando
zonas mortas abaixo do impelidor e nas paredes do tanque junto ao fundo

Chudacek estudou formatos de fundo de tanques cilíndricos e concluiu nos seus estudos
que o formato de fundo ideal para um tanque cilíndrico vertical é o chamado de fundo
totalmente perfilado. Nele a configuração do fundo estaria bem próxima do formato
hidrodinâmico do fluxo que ocorre durante a agitação produzida por impelidores, eliminando
desta forma os pontos mortos, ver Fig. 6.11

164/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Visto que este formato implica em produzir tanques complexos na sua forma tornando-os de
difícil fabricação e de alto custo, podemos pensar em introduzir no fundo do tanque um perfil
que se aproxime do perfil ideal, mas que seja de fácil fabricação.
A figura 6.12 mostra um tanque cilíndrico vertical onde os cantos retos são substituídos por
cantos inclinados de fácil fabricação. O centro onde ocorre uma zona morta possui um cone
invertido. Um tanque de fundo reto pode ser facilmente transformado para possuir um perfil
próximo do chamado ideal.

Fig. 6.11-Fundo ideal Fig. 6.12 – Fundo quase ideal

6.2 – IMPELIDORES
A seleção de um impelidor está intimamente ligada às condições requeridas de processo
e ao tipo de atuação requerida do mesmo no sistema hidrodinâmico a ser produzido. As
funções básicas do impelidor é produzir; bombeamento, circulação, turbulência ou
cisalhamento que resultar em operações hidrodinâmicas globais de homogeneização,
dispersão, suspensões, etc.
Na maioria das aplicações, o efeito mais desejado de um impelidor, é o transporte do
líquido através do tanque. Nestes casos o impelidor deve ser capaz de induzir correntes
de fluxo que atinjam todo o líquido a ser agitado, mesmo que com níveis diferentes de
energia de agitação.

165/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Nas operações de bombeamento e circulação, temos como principais objetivos as
condições de homogeneização e mistura de líquidos, a suspensão de sólidos, promover
a transferência de calor, etc. Já o cisalhamento, é um efeito produzido quando temos um
diferencial de velocidades elevado em dois pontos do líquido. Este efeito é desejado
quando temos, por exemplo, que dispersar aglomerados de partículas sólidas em meios
líquidos, produzir a mistura de materiais extremamente viscosos com materiais pouco
viscosos ou dispersar um produto de fase gasosa em outro de fase líquida, neste caso
bolhas grandes são transformadas em pequenas e bombeadas pelo meio líquido.
A turbulência é produzida pelo movimento irregular do fluído em todas as direções. Para
que ela ocorra, os efeitos de circulação e cisalhamento devem estar presentes. Os
impelidores que produzem estas operações hidrodinâmicas podem ser divididos em três
classes: aqueles em que as correntes de fluxo induzidas são predominantemente axiais
à linha de centro do eixo, aqueles em que o fluxo induzido é predominantemente radial,
sendo transversal à linha de centro do eixo e os impelidores que produzem movimento
predominantemente tangencial que acompanham o movimento de rotação do mesmo
sendo geralmente utilizados em fluídos de alta viscosidade.
Os tipos que nos interessam são dos de fluxo axial e radial, que englobam a maioria dos
problemas de agitação. Aos primeiros dá-se o nome de Impelidores de Fluxo Axial e aos
segundos de Impelidores de Fluxo Radial. Ver figura Fig. 6.13 para os efeitos globais
produzidos por estes impelidores.

Fig. 6.13 - Tipos de fluxos induzidos por impelidores.

166/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

6.2.1 – IMPELIDORES INDUTORES DE FLUXO AXIAL


IMPELIDOR TIPO NAVAL
É um impelidor de fluxo predominantemente axial, desenhado com base na teoria de
uma curva helicoidal. As pás destes impelidores são segmentos da superfície helicoidal
gerada pela uma curva helicóide, que possuem passo constante e ângulo de inclinação
infinitamente variável, desde o cubo até a extremidade das pás. Este tipo de impelidor é
caracterizado pela relação passo/ diâmetro, sendo o seu passo o avanço que qualquer
ponto da superfície dá quando o impelidor gira uma volta, ver Fig. 6.14.

Fig. 6.14 Impelidor tipo naval (Npo=0,8 para P/D=1,0)

167/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
O passo da maioria dos impelidores aplicados na agitação situa-se entre 0,5 a 1,5 vezes
o diâmetro do mesmo. A relação passo/diâmetro mais usual é de valor igual a 1,0
denominada de square pitch. Nela o passo da hélice é igual ao diâmetro do impelidor.
Em líquidos de baixa viscosidade e sistemas de agitação de pequeno porte utilizam
estes tipos de impelidores que podem operar em altas rotações e geralmente são
acoplados diretamente aos motores. A utilização mais comum destes impelidores é nos
agitadores chamados de portáteis.

IMPELIDOR TIPO TURBINA DE PÁS RETAS INCLINADAS (PBT)


Este tipo de impelidor produz fluxo predominantemente axial e cuja predominância
dependerá do ângulo de inclinação de suas pás. São impelidores chamados de ângulo
constate e passo infinitamente variável.
A maioria das aplicações utiliza inclinações de 45 graus, entretanto outras inclinações
são utilizadas dependendo da aplicação. São impelidores utilizados numa faixa grande
de potências e tamanhos e sua principal vantagem sobre outros impelidores de fluxo
axial é o seu baixo custo e um processo de fabricação simplificado.
Estes impelidores podem ter 4 ou 6 pás e podem ser construídos com suas pás
soldadas diretamente ao eixo ou com sistema de cubo, o que permite a montagem das
pás por meio de parafusos, tornando-o um impelidor de pás substituíveis.

Fig. 6.15 – Impelidor tipo 4PBT ( Npo=1,3)

168/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
IMPELIDOR DE ALTA EFICIÊNCIA COM PÁS DE ÂNGULO VARIÁVEL E PASSO
QUASE CONSTANTE
Este tipo de impelidor foi desenvolvido para promover um fluxo predominantemente axial
com um menor consumo de potência. Não é sua melhor característica promover uma
alta capacidade de bombeamento, mas mesmo assim o impelidor pode ser classificado
como sendo de alta eficiência. Sua construção é simples sendo suas pás perfiladas ou
dobradas em perfil próximo ao perfil helicoidal.

Fig. 6.15 – Impelidor de pás perfiladas Npo=0,53 (com estabilizador) e Npo=0,45 (sem
estabilizador)

IMPELIDOR DE ALTA EFICIÊNCIA DE PÁS PERFILADAS EM PERFIL HELICOIDAL


Este impelidor é do tipo alta eficiência e uma capacidade de bombeamento maior. Suas
pás são perfiladas em perfil helicoidal com passo constante e ângulo infinitamente
variável, sendo que a relação passo/diâmetro pode variar de 1 a 1,5. Este tipo de
impelidor tem como característica um baixo consumo de potência aliado a uma alta taxa
de bombeamento. Normalmente possui 4, 5 ou mesmo 6 pás dependendo da
necessidade de maior ou menor bombeamento.

Fig. 6.16 – Impelidor de alta eficiência (Npo = 0,5~0,8)

169/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
IMPELIDOR TIPO “SABRE”
O impelidor tipo “Sabre” foi desenvolvido pela Cia francesa SEM. Sua principal
característica é possuir um formato das pás, onde a parte próxima ao cubo é mais larga
do que nas extremidades. Esta configuração permite uma distribuição mais intensa
particularmente imediatamente abaixo do eixo central do agitador, onde normalmente é
uma zona morta. Impelidores comuns, geralmente possuem baixa eficiência de bombeio
na região próxima ao eixo. Este tipo de impelidor minimiza a formação de depósitos na
parte central do fundo do tanque devido a sua capacidade de induzir linhas de fluxo
eficientes nesta região. Convém salientar que outros impelidores podem fornecer estas
características ao sistema, apenas que, comparativamente com um impelidor tipo sabre,
eles precisariam trabalhar em condições de rotação e potência um pouco acima

Fig. 6.17 – Impelidor tipo Sabre (Npo=0,4)

IMPELIDOR TIPO HIDROFÓLIO


A utilização de impelidores do tipo hidrodinâmicos nos sistemas de agitação é
relativamente recente. Este tipo de impelidor na sua melhor concepção foi inicialmente
utilizado na indústria de alumina nos precipitadores que são tanques de grande diâmetro
e altura. Impelidores com eficiência extrema de perfil hidrodinamizados combinados com
draf tubes foram requeridos para induzir grande circulação em tanque de até 30 m de
altura. Estes impelidores utilizam pás com perfis aerodinâmicos, utilizando curvas de
aerofólios usadas na indústria aeronáutica, e definidos pela National Advisory Committee
for Aeronautics (NACA). Estes perfis de pás permitem uma excelente relação entre
potência e fluxo produzido, obtendo impelidores que produzem uma alta taxa de
bombeamento com potências relativamente menores.

170/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.18- Impelidor Hidrofólio com pás em perfil NACA.

Estes impelidores possuem um alto custo, pois sendo fundido exigem usinagens
extremamente sofisticadas e sendo fabricados, sua construção complexa exigem pás
ocas reforçadas semelhantemente às asas de avião. Houve posteriormente uma
assimilação desta conceituação hidrodinamizada na fabricação de impelidores pelos
fabricantes de agitadores. Procurou-se produzir impelidores denominados hidrofólio que
não fossem onerosos. As pás foram perfiladas em perfil helicoidal e sofriam curvaturas
que simulavam o perfil aerodinamizado das curvas NACA. São componentes geralmente
utilizados em grandes agitadores, com tanques de até 10m de diâmetro, permitindo
encontrar uma boa relação na eficiência na agitação e potência absorvida.

Fig. 6.19- Impelidor do tipo hidrofólio 5 pás (Npo=0,54)

171/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.20 – Impelidor tipo Hidrofólio

IMPELIDOR CONTRA CORRENTE- IMPULSO


Este tipo de impelidor é utilizado com mais frequência, quando se deseja promover
homogeneização na estocagem ou troca de calor. É um impelidor de grandes diâmetros
em relação ao tanque, usando relações D/T de 50% a 95%. Suas pás são retas
inclinadas, com a parte central produzindo fluxo axial para cima e a parte periférica com
inclinação oposta, produzindo fluxo para cima (ou vice-versa). Agitadores que utilizam
este sistema possuem vários estágios de impelidores.

172/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.21 – Impelidor Contra Corrente (Npo=2,0)

6.2.2 – IMPELIDORES INDUTORES DE FLUXO RADIAL


IMPELIDOR TIPO TURBINA DE PÁS VERTICAIS (Flat Blade)
Este é um tipo de impelidor que possui como característica a produção de fluxo
predominantemente radial, sendo o mais utilizado numa grande gama de aplicações.
Sua construção mais comum é a configuração com 4 ou 6 pás. Apesar de possuir uma
capacidade de bombeamento considerada alta, ela se restringe a uma região próxima do
impelidor, ou seja, no plano do impelidor e imediatamente acima e abaixo do mesmo,
onde temos uma zona de correntes rápidas, de alta turbulência e cisalhamento. Apesar
de produzir uma parcela de fluxo axial, os principais componentes de velocidade são a
radial e a tangencial, induzindo junto com a agitação a formação de vórtices.

Fig. 6.22 – Impelidores Tipo Turbina de Pás Verticais - 6FBT(Npo=6,9), 4FBT(Npo=3,0),


2FBT(Npo=2,0)

173/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
IMPELIDOR TIPO TURBINA DE PÁS VERTICAIS CURVADAS (Curved-Blade Turbine)
Além das características principais do impelidor tipo FBT, este impelidor tem a vantagem
de produzir pouco cisalhamento devido a curvatura de suas pás. Sua capacidade de
bombeamento é elevada, sendo utilizado para suspensões e na agitação contendo
materiais fibrosos tais como na estocagem de polpa de papel. Devido ao formato de
suas pás é menos sensível à abrasão.

Fig. 6.22 – Impelidor padrão tipo turbina de 6 pás curvadas (Npo=5,0)

IMPELIDOR TIPO RUSHTON


Este impelidor possui um disco central com pás verticais montadas nas suas
extremidades. E um impelidor utilizado na dispersão de gás em líquidos. O gás é
introduzido imediatamente abaixo do impelidor por meio de anéis ejetores. Ao subir
encontra-se com o disco do impelidor e tem que contorná-lo, ao passar pelas pás sofre o
efeito do cisalhamento das mesmas.

Fig. 6.23 – Impelidor Tipo Disco com Pás Retas - Rushton ( Npo=5,6)

174/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
IMPELIDOR DE BARRAS
É um impelidor utilizado quando se deseja no processo, elevados níveis de turbulência e
cisalhamento.

Fig. 6.24 – Impelidor de Barras (Npo=0,61)

6.2.3 – IMPELIDORES INDUTORES DE FLUXO TANGENCIAL


IMPELIDOR TIPO ÂNCORA
É um impelidor de duas pás que tem o formato do contorno tanque. São utilizados nas
aplicações de alta viscosidade como 40000 a 50000 cP onde os regimes são
exclusivamente laminares.

Produzem somente a componente tangencial do fluxo e operam em baixas rotações e


alto torque naquelas situações em que o sistema hidrodinâmico não aceita alteração
bruscas de movimentação. As potências absorvidas por estes impelidores variam muito
visto que o seu Npo possui uma curva que praticamente não tem uma faixa invariante.

A largura das suas pás varia numa relação com o diâmetro do impelidor (D) entre D/8 e
D12, o que não produz alterações sensíveis no Npo.

Este tipo de impelidor é usado com frequência na mistura de líquidos viscosos que
trocam calor com a parede do vaso ou também nas aplicações onde é preciso raspar
produtos aderentes da parede do vaso. Não são recomendados quando se requer
homogeneidades uniformes.

175/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.25 – Impelidor tipo Âncora

6.2.4 – OUTROS TIPOS DE IMPELIDORES


IMPELIDOR AXIAL DE DUPLA ESPIRAL
São utilizados para produtos muito viscosos, sendo construídos como sendo uma hélice
externa que pode ter uma ou duas entradas, e uma hélice interna próxima ao eixo que
conduz o líquido ou pasta em sentido oposto. Normalmente as hélices externas
conduzem o produto para cima e a interna para baixo. Também operam em baixas
rotações e alto torque. O seu Numero de Potência não tem regime invariante e altera-se
muito com o Número de Reynolds do sistema. Diferentemente do âncora, estes
impelidores são indicados quando necessita-se de uniformidade completa na
homogeneização e é especialmente empregado nos processos onde o fluído tem
comportamento pseudo plástico (viscosidade diminui com aumento taxa de
deformação), ou de plástico de Binghan (precisam de uma tensão definida para ocorrer
o escoamento abaixo da qual não ocorre), pois geram circulação por todo o tanque.

176/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.26 – 177oublé Helix

IMPELIDOR TIPO ESPIRAL EM DRAF TUBE


Também utilizado para produtos altamente viscosos, possui indicação para produzir
homogeneidade da mistura nestes fluídos, pois possui uma alta taxa de circulação no tanque.
Aplicações semelhantes ao ribbon.

Fig. 6.27 – Espiral em Draf Tube

177/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
6.3 – DRAF TUBE
O retorno das correntes de fluxo a um impelidor ocorre em todas as direções. Podem-se
comparar com o que ocorre a um ventilador num quarto fechado, as correntes de ar
retornam porque é um único local de baixa pressão.
Na maioria das aplicações, esta ocorrência não é uma limitação, porém, quando se
deseja que o fluxo que chega ao impelidor seja direcionado e tenha velocidade
controlada, é necessária a utilização de draft tubes.
Estes componentes são tubos ou camisa em volta do eixo podendo ou não conter o
impelidor. O fluxo produzido pelo impelidor somente retornará a sua zona de baixa
pressão, passando pelo draft tube.
Uma aplicação típica de draft tube é sua utilização nas aplicações líquido-sólido onde o
sólido tende a flutuar na superfície. O fluxo nestas condições arrasta as partículas por
todo o tanque, passando inicialmente pelo draft.
Os impelidores de fluxo axial podem ser montados dentro ou fora do draft tube
(imediatamente abaixo), e os de fluxo radial são montados fora do draft tube.
Deve-se considerar que este acessório aumenta a potência absorvida do sistema,
devido ao atrito do líquido com as paredes do tubo e principalmente quando o impelidor
está montado dentro do mesmo.

Fig. 6.28 – Draft tube em tanque com defletores

178/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A utilização do draft tube em um tanque deve ser estudada adequadamente. Ë um
componente que requer um projeto hidrodinâmico adequado, tomando-se os devidos
cuidados com as velocidades que serão impostas ao fluxo dentro e fora do draft tube,
particularmente quando trabalhamos com suspensões de sólidos.
Sua montagem também apresenta dificuldades tanto na sua fixação como na sua
regulagem de altura e centragem. Este componente será submetido a esforços maiores
principalmente na parte superior por onde todo o fluxo retornará com um aumento
sensível na sua velocidade e com uma forte tendência de produzir vórtices. Isto exigirá
um projeto mecânico adequado.
De qualquer forma, a sua utilização num sistema agitado possibilita ao mesmo usufruir
das seguintes vantagens:
• Definir um caminho específico para o fluxo produzido pelo impelidor, evitando-se
o “curto-circuito” entre a entrada e saída do líquido no tanque;
• Promover, nas aplicações de troca de calor, uma melhor eficiência, pois o fluxo é
forçado a passar pelas serpentinas;
• Promover, nas aplicações gás-líquido, uma melhor recirculação do gás não
reagido;
• Minimizar áreas de turbulências inadequadas no tanque;
• Acentuar a ação de cisalhamento do impelidor sobre o fluído;
• Reduzir o comprimento do eixo;

APLICAÇÕES
• Em sistemas de processo contínuo, pode-se evitar o curto-circuito entre o fluxo de
entrada e fluxo de saída (Fig. 6.29).

179/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 6.29

• A utilização de draft tube em sistemas onde se requeira troca térmica, produz


resultados mais eficientes quando o fluído é forçado a passar pelas serpentinas
dentro de um caminho bem definido (Fig 6.30).

Fig. 6.30

180/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
• Sólidos sedimentados no fundo do tanque podem ser rapidamente disperso sob a
ação do fluxo dirigido do draft tube (Fig. 6.31).

Fig. 6.31

• Impelidores tipo espiral montado em draft tube são efetivos na homogeneização


de produtos viscosos e na mistura de materiais fibrosos. (Fig. 6.32)

Fig. 6.32

181/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
• Problemas mecânicos podem ser solucionados usando-se draft tube. Eixos mais
esbeltos e menores são permitidos de utilização. (Fig. 6.33)

Fig. 6.33

6.4 – DEFLETOR
Defletores devem ser instalados nos tanques quando o agitador é vertical centrado
de entrada pelo topo e o regime em que o líquido se encontra é turbulento.
Utilizamos o defletor para eliminar a componente tangencial de velocidades e
também para redirecionamento do fluxo produzido.
O projeto adequado para o defletor é de extrema importância para o sistema de
agitação. O tipo de defletor mais indicado é o chamado integral montado nas paredes
do tanque. Este tipo de defletor deve utilizar uma proporcionalidade entre sua largura
e o diâmetro do tanque de 10 a 12%. Quando da utilização de defletor do tipo integral
cuidados devem ser tomados para evitar largura excessiva do defletor ou o seu
posicionamento muito avançado para dentro do tanque.

182/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Normalmente é indicada a utilização de quatro defletores espaçados a 90 graus.
Outros projetos de defletores são utilizados conforme indicado na Fig. 6.34, e
algumas configurações podem ser permitir uma diminuição da potência absorvida.

Fig. 6.34 – Tipos de defletores

183/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
7 – AGITAÇÃO EM SISTEMAS MONOFÁSICOS

Este capítulo tratará das características da movimentação de fluídos na Agitação, seus níveis
de Agitação no sistema e apresentará também a forma de se calcular a potência absorvida, tipo
de regime e capacidade de bombeamento do sistema. O sistema que servirá de base para o
desenvolvimento deste capítulo será o monofásico, apresentando um comportamento único
para parâmetros tais como viscosidade, densidade, temperatura, pressão e demais
características.

A teoria aqui apresentada poderá ser aplicada também para alguns sistemas bifásicos, desde
que possa ser enquadrado dentro de um comportamento monofásico, tal como sistemas com
pequena concentração de sólidos que tenham baixas velocidades de sedimentação. Os
padrões de escoamento válidos para o desenvolvimento deste capítulo são escoamentos de
líquidos Newtonianos com baixas ou moderadas viscosidades em regimes turbulentos e
francamente turbulentos.

Os procedimentos descritos não se aplicam a problemas tais como: mistura de líquidos


imiscíveis, de alta viscosidade ou dissolução de sólidos. Produtos com elevada viscosidade já
se encontram em estado pastoso e, portanto, em condições de escoamento laminar. Estes
fluidos caracterizam-se pela não aceitação de movimentos bruscos, acelerações e mudanças
de velocidade, exigindo sistemas de agitação que utilizem impelidores do tipo âncora, dupla
hélice, etc.

Uma escala ou nível de agitação é um parâmetro um tanto quando complicado de se definir.


Uma definição bastante simples para analisar o grau de agitação de um sistema, é a
observação da superfície do líquido agitado. Uma superfície plana, como pouco movimento,
define uma agitação fraca/baixa. Uma superfície encapelada e com pequenos redemoinhos
pode representar um nível de agitação forte/alto. Logicamente, a formação de superfícies com
ondas encapeladas se dá somente nos fluídos de baixa viscosidade, onde facilmente temos
regimes turbulentos.

Esta escala é bastante subjetiva, pois podemos ter interpretações errôneas se não soubermos
a localização correta do impelidor. Se posicionarmos um impelidor bem próximo da superfície,
teremos obtido os efeitos de superfície com formação de ondas ou mesmo redemoinhos, o que
poderia ser interpretado como um nível de agitação, digamos médio ou forte, sendo que o
líquido na sua parte inferior poderia estar estagnado ou com pouca movimentação. O oposto
também poderia ocorrer, se o impelidor fosse posicionado muito baixo num tanque com relação
Z/T alta, mesmo que com nível de agitação forte, talvez as correntes de fluxo não fossem
suficientes fortes para encrespar a superfície.

184/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Este método visual é passível de muitos erros, mas quando conhecemos a geometria dos
equipamentos ela passa a ter relevância na avaliação de um nível de agitação ocorrendo em
um tanque. Outro modo de definir níveis de agitação é feito através da avaliação da velocidade
periférica do impelidor. Nível de agitação baseado na velocidade periférica do impelidor tem
sido adotado desde os primórdios da utilização de agitadores mecânicos para produzir agitação
de fluídos.

Trabalhos como o de Garrison, Holland e Advani e outros, têm adotado velocidade periférica
para estabelecer níveis de agitação. Quando estudamos a análise dimensional da agitação,
verificou-se que as equações deduzidas continham o parâmetro velocidade periférica do
impelidor. Esta velocidade que por comodidade de cálculo era transformada em revoluções por
minuto, pode servir para estabelecer níveis de agitação como:

Baixa/Fraca agitação: 500 – 650 fpm (2,5 – 3,3 m/s)


Média agitação: 650 – 800 fpm (3,3 – 4,0 m/s)
Alta/Forte agitação: 800 – 1100 fpm (4,0 – 5,6 m/s)

Ao se adotar tal método de avaliação do grau de agitação, estamos também fazendo uma
avaliação que pode ser subjetiva. Se desconhecermos o diâmetro exato do impelidor pode
acreditar que um pequeno impelidor girando a alta velocidade periférica produz um nível de
agitação forte, o que pode não ocorrer se as suas dimensões forem muito pequenas em
relação ao diâmetro do tanque.

E como definir as velocidades das correntes de fluxo a partir da velocidade periférica do


impelidor? Ao deixar o impelidor à velocidade do fluxo é igual, mais vai perdendo energia à
medida que se afasta do mesmo, ao se chocar com o líquido em velocidade menor, com os
defletores, com a parede do tanque, etc.

Mais recentemente toda literatura produzida para agitação mecânica tem adotado de maneira
sistemática os trabalhos desenvolvidos por Hicks e Fenic e Gates, Morton e Fondy, onde se
propõem uma escala de agitação e critérios analíticos para o cálculo da rotação necessária
para se produzir um determinado tipo de agitação em meios monofásicos líquido-líquido, que
recebe níveis que vão de 1 a 10.

Nesses trabalhos adota-se um conceito chamado de velocidade aparente do fluxo que procura
ser uma velocidade representativa das velocidades fluxo por todo o tanque. Ela é adotada
como existente a 2/3 da altura do líquido no tanque e vem a ser a capacidade de
bombeamento, Q que o impelidor produz dividido pela área transversal do tanque.

185/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A maioria das aplicações nos sistemas líquido-líquido utiliza velocidade aparente, Vb entre 6 a
60 pés/min (0,03 – 0,3 m/s). A tabela que se segue estabelece níveis de 1 a 10 como
parâmetros a serem adotados na agitação de sistemas monofásicos líquidos.

ESCALA DE VELOCIDADE
AGITAÇÃO APARENTE DESCRIÇÃO
FT/MIN
Agitação nos níveis 1 e 2 são usadas nas aplicações onde se
requer velocidades mínimas do fluído para se obter;
1 6
- Misturar líquidos miscíveis até a uniformidade, se a diferença
entre suas densidades for menor que 0,1
- Misturar líquidos miscíveis até a uniformidade, se a diferença
entre suas viscosidades não ultrapassar 100
2 12
- Produzir superfície do líquido plana e com pouco movimento

Agitação nos níveis 3 a 6 é característica da maioria das


3 18 aplicações em sistemas agitados. Estes agitadores poderão:
- Misturar líquidos miscíveis até a uniformidade, se a diferença
entre suas densidades for menor que 0,6.
- Misturar líquidos miscíveis até a uniformidade, se a diferença
4 24 entre suas viscosidades for menor do que 10000 vezes uma
da outra.
- Promover suspensão de pequenas concentrações de sólidos
5 30 (< 2%) com velocidades de sedimentação de 2 a 4 ft/min.
- Produzir em líquidos de baixa viscosidade superfícies com
movimento mais acentuado e pequenas cristas
6 36

Agitação nos níveis 7 a 10 são característicos das aplicações


7 42 onde se requer maior velocidade do líquido
Os agitadores operando nestes níveis poderão:
- Misturar líquidos miscíveis até a uniformidade se a diferença
entre as suas densidades for menor do que 1,0
8 48 - Misturar líquidos miscíveis até a uniformidade se o mais
viscoso for 100 000 vezes menor do que o outro.
- Suspender sólidos em pequenas concentrações (<2%) com
velocidades de sedimentação de 4 a 6 fpm
9 54 - Promover superfícies encapeladas em líquido de baixa
viscosidade.

10 60

186/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Iremos agora, aplicar a teoria desenvolvida no capítulo 3, sendo que as fórmulas básicas para
o cálculo de um agitador são:
Q
Número de Bombeamento, NQ NQ =
D3 .N

Capacidade de Bombeamento, Q Q = N Q .D3 .N

Q
Rotação, N N=
N Q .D 3

Q
Velocidade Aparente, VB VB =
A

1,524 E13.P
Número de Newton, Npo Npo =
N 3 . D 5. . ρ

Potência Absorvida, Pabs Npo . N 3 .D 5 .ρ .n


Pabs =
1,524 E13

CASO #1 - Um tanque cilíndrico vertical com diâmetro T=2,0 metros e altura total, H de 2,3
metros, será utilizado para produzir agitação de um fluído monofásico que possui densidade de
1,1 ton/m3 e viscosidade de 1 cP. Qual deve ser a potência e a rotação que um agitador deve
ter para que tenhamos no sistema um nível de agitação médio com uma velocidade aparente
de 36 fpm. Deseja-se também um agitador que tenha fluxo predominantemente axial, com uma
turbina de 6 pás inclinadas a 45 graus. As dimensões do nosso tanque são:

187/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Como o volume está definido, podemos calcular a altura Z do líquido no tanque;

π .T 2
Vol = .Z
4

4.Vol 4(6,3)
Z= Z=
π .T 2 π .22

Z=2,01 metros

De acordo 6.1.1 a razão de enchimento (relação entre a altura do líquido e diâmetro do tanque)
deve situar-se entre 0,5 e 1,5 como preferência para aproximar-se de 1,0. No nosso caso,
temos;

Z 2,01
= ≈ 1,0
T 2

A capacidade de bombeamento Q do sistema, para que produza um nível de agitação médio e


velocidade aparente VB= 36 fpm, será dado por:

Q=VB.A

Onde A, é a área da seção transversal do tanque em ft2

π .T 2 π .(6,56) 2
A= = = 33,8 ft 2
4 4

Substituindo:
Q=VB.A = 36.(33,8)
Q=1216,8 ft3/min

Precisamos agora, definir o diâmetro do impelidor. Conforme descrito em 5, a relação ideal


entre o diâmetro do impelidor e o diâmetro do tanque, D/T deve situar-se entre 0,3 e 0,5. No
nosso caso vamos adotar D/T=0,3 e o diâmetro do impelidor será;

D/T=0,3 D=0,3. T 0,3. 78,74


D=23,62 polegadas

188/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Passemos agora para a determinação da rotação, N que é dada por:

Q
N= =
NQ .D3

Devemos determinar o número de bombeamento NQ para o impelidor escolhido. Em literatura


especializada, podemos encontrar gráficos ou tabelas com os valores de NQ para diversos tipos
de impelidores e os respectivos regimes em que operam. Valores de NQ podem ser
encontrados nos anexos. Do gráfico da Fig. 7.1, tiramos o valor de NQ.

Fig. 7.1 - NQ versus Nrey para impelidores 6PBT45 com W/D=1/8

Como não temos o valor da rotação para calcular o NRey, adotamos o regime inicialmente
como francamente turbulento ( NRey > 104 ). Para o impelidor 6PBT45 com relação D/T=0,3
temos NQ= 0,78

189/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Podemos calcular a rotação N:

Q 1216,8CFM
N= =
⎛ 23,62′′ ⎞
3 3
N Q .D
0,78.⎜ ⎟
⎝ 12 ⎠

N=204,6 rpm

Fazendo a verificação Número de Reynolds para confirmar se o regime é turbulento, conforme


inicialmente adotado.

ρ .N .D 2 (1,1).(204,6).(23,62′′) 2
N Re y = 10,7. = 10,7.
μ 1,0
NRey= 1,3435E6

Este número confirma um regime francamente turbulento, com NQ invariante e igual ao


inicialmente adotado.

Com a rotação definida, podemos passar para o cálculo da potência absorvida pelo impelidor:

N 3 .D 5 . ρ .
Pabs = Npo .
1,524 E13

O valor do Número de Newton ou Potência pode ser encontrado em literatura especializada


para diversos tipos de impelidores. Do gráfico 7.2, podemos tirar Npo (ver também Fig. 3.6).
Nosso impelidor é do tipo turbina de 6 pás retas inclinadas a 45 graus com relação entre altura
projetada das pás, W e diâmetro do impelidor, D de W/D=1/8.

190/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 7.2 – Npo versus NRey para diversos impelidores


A curva #4 é para impelidor 6PBT45 com W/D=1/8

Visto estarmos com o agitador trabalhando num regime francamente turbulento: Npo = 1,3
Portanto a potência absorvida pelo impelidor será determinada por:

( 204,6) 3 .( 23,62) 5 .1,1


Pabs = 1,3.
1,524 E13

Pabs= 5,91 bhp

Com todos os principais dados operacionais do agitador determinados, o dimensionamento dos


equipamentos passam a ser puramente mecânico, conforme veremos mais adiante.

CASO #2 - Deseja-se agitar 2000 litros de um líquido com as seguintes características:


Densidade: 1,0 / Viscosidade: 2000 cP. O processo exige um nível de agitação médio, podendo
ser adotado uma velocidade aparente, VB de 20 pés/min. Deseja-se produzir fluxo
predominantemente axial. Calcular a potência consumida pelos impelidores, determinar a
geometria do tanque e defletores.
Geometria do tanque:
Tanque cilíndrico vertical aberto
Razão de enchimento ideal de Z/T=1,0

191/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

n=Z/T ´ Z=T

π .T 2 π .T 2 .T
Vol = .Z =
4 4
1
4.Vol ⎛ 4.( 2,0) ⎞ 3
T3 = =⎜ ⎟ = 1,37
π ⎝ π ⎠

T=Z=1,37 metros

Sendo o volume útil de 2000 litros (2 m3) e considerando um acréscimo de 10% para obtermos
o volume total do tanque.
Vol. total = 1,1 x 2000 = 2 200 litros

A altura “H” do tanque será então.

π .T 2
Vtotal = .H
4
4.Vtotal 4.(2.2)
H = = = 1,49m
π .T 2
π (1,37) 2

-Relação D/T (diâmetro do impelidor /diâmetro do tanque)

192/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
D/T= 0,3 (conforme capítulo 5)

D=0,3. (1,37)
D=0,41m (16,14”)

-Tipo de impelidor
Como é necessário um impelidor de fluxo predominantemente axial, escolhemos um impelidor
do tipo pitched blade, ver em Anexos a Tabela 1 para impelidor 6PBT45 com W/D= 1/5.

- Capacidade de Bombeamento, Q

Q= VB. A
Área seção transversal do tanque em pés quadrados, A=15,87 ft2
Q= 20. 15,87 = 317,34 ft3/min

Q
- Rotação N=
NQ .(D)3

Assumindo o regime francamente turbulento, dos Anexos, no gráfico 1 temos NQ=0,78

NQ=0,78

317,34
-N = = 167,2rpm ( Vp=706 fpm)
16,14 3
0,78.( )
12

Precisamos verificar o Número de Reynolds;

N .D 2 .ρ 167,2.(16,14)2 .(1,0)
N Re y = 10,7. = 10,7
μ 2000
NRey=233

Do gráfico 1, em Anexos, verificamos que este valor para NRey, encontra-se em uma zona de
transição entre laminar e turbulento, não correspondendo ao NQ=0,78 adotado.
É necessário proceder à nova correção:

Para NRey=233, temos que NQ=0,72

193/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A rotação corrigida será:

317,34
N= = 181,1rpm ( Vp=765 fpm)
16,14 3
0,72( )
12

Verificando o NRey

181,1.(16,14) 2. .(1,0)
N Re y = 10,7 = 252 ,4
2000

NRey = 252 , não corresponde a NQ=0,72

Nova correção deve ser adotada:

Para NRey=252, NQ=0,74 a rotação será;

317,34
N= 3
= 176,2rpm (Vp=744 fpm)
⎛ 16,14 ⎞
0,74⎜ ⎟
⎝ 12 ⎠
176,2.(16,14) 2 .1,0
N Re y = 10,7. = 245
2000

Este valor pode ser considerado compatível com NQ=0,74, de modo que paramos as
aproximações

N 3 .D 5 . ρ
-Potência absorvida pelo impelidor Pabs = Npo .
1,524 E13

Para o Impelidor adotado 6PBT45 da tabela 1 em anexos, temos que Npo= 1,7

Npo=1,7

Pabs = 1,7.
(176,2) .(16,14) .1,0
3 5

1,524E13

Pabs=0,67 bhp

194/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
As dimensões do tanque serão:

CASO #3 – Temos um agitador no depósito em boas condições de uso, sendo suas


características as seguintes:

Motor 5 cv
Rotação eixo=400 rpm
Impelidor tipo naval (propeller) com 3 pás, relação P/D=1,0 e diâmetro de 400 mm

Verificar a possibilidade de utilizar este agitador num tanque com um produto que tenha as
seguintes características: Densidade=1,4 / Viscosidade=10 cP

Dimensões do tanque, T=1,0m; Z=1,0m e H=1,3m, com quatro defletores montados na parede
do tanque espaçados a 90 graus e com 100 mm de largura

- Relação D/T;

195/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
D/T= 400/1000=0,4
A relação está compatível com as relações geométricas para agitação líquido-líquido.

-Potência absorvida pelo impelidor:

De acordo com o Gráfico 3 de ANEXOS, temos para a curva #2 um Npo=0,4 para o regime
invariante (Nrey francamente turbulento)

N 3 .D 5 . ρ
Pabs = NPo .
1,524 E13

Pabs = 0,4.
(400) .(15,75) .1,4
3 5
= 2,28bhp
1,524E13

N .D 2 .ρ 400(15,75) 2 .(1,4)
N Re y = 10,7. = 10,7. = 148639
μ 10

NRey=1,48E5- Regime francamente turbulento.


O agitador está compatível para ser utilizado nestas novas condições.

8 – AGITAÇÃO EM SISTEMAS BIFÁSICOS SÓLIDO-LÍQUIDO

O problema da suspensão de sólidos em meios líquidos através de agitadores mecânicos é


consideravelmente mais complexo que aqueles que envolvem tão somente o movimento de
meios líquidos de uma única fase, isto devido ao fato de que não podemos definir este meio
bifásico como um fluído newtoniano e o seu tratamento não podem ser totalmente analíticos.

Não podemos definir analiticamente por meio de equações exatas o movimento de uma
partícula sólida em um meio líquido próximo a um impelidor em movimento. Desta forma
recorremos aos métodos de aproximações tais como ao da Análise Dimensional
complementada por experimentações e medições reais de velocidade por meio de aparelhos
do tipo Doppler e simulações de dinâmica de fluídos computadorizados (CFD), ambos
devidamente tratados em literatura especializada.

Quando os sólidos presentes no meio líquido são de pequena granulometria e/ou baixa
concentração ou sua densidade real é aproximadamente igual a do líquido, as partículas se
movem como parte integrante do líquido, e a mistura se comporta como um líquido de fase
única.

196/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Entretanto quando os sólidos presentes possuem granulometria maior, densidade acima do


líquido e sua concentração é relevante, o meio final passa a ter um comportamento regido por
sua reologia sendo suas propriedades e comportamento, aqueles de corpos que não são nem
líquidos e nem sólidos.

Os requisitos de agitação na suspensão de sólidos variam conforme a aplicação, indo desde a


simples movimentação no fundo do tanque para impedir o seu acúmulo, até a quase
uniformidade em todo tanque produzindo homogeneidade para retirada por bombeamento por
baixo e uma uniformidade total em toda altura do tanque, permitindo a retirada de polpa
homogênea por transbordo.

A velocidade terminal de uma partícula é determinada quando a Força de Arraste (Draga


Force) resultante do movimento da mesma através do meio líquido se iguala à Força da
Gravidade que a partícula sofre, não existindo após este equilíbrio, nenhuma aceleração.
Conhecem-se bem as relações entre os Coeficientes de Arraste e o Número de Reynolds (que
determinam as velocidades terminais) para as formas geométricas mais simples tais como:
esferas, cilindros, discos, etc. Porém, quase não se tem conhecimento destas relações para as
partículas mais comuns encontradas no dia a dia.

Em adição à complexidade de se determinar a Velocidade Terminal de uma partícula, os


Coeficientes de Arraste disponíveis, mesmos para as partículas de forma geométricas mais
simples, só são conhecidos em fluídos estagnados e quiescentes, e quase nenhuma
informação está disponível para os Coeficientes de Arraste de partículas no campo de
velocidades, produzido por fluxos induzidos por um impelidor de um sistema de agitação
mecânica.

Em face de toda esta dificuldade, o cálculo da Velocidade Terminal, Vt, é feito adotando-se
formas esféricas da partícula de maior tamanho presente no meio líquido. Também é
necessário ajuste nestes cálculos, pois a partir de uma determinada concentração de sólidos
presentes, e quando existe diferença acentuada entre a densidade do meio líquido e do sólido,
as partículas apresentam o comportamento que se denomina Velocidade de Sedimentação
Dificultada, Vd, ou seja, num campo de velocidade de um meio líquido, as partículas presentes
se chocam uma com as outras perdendo energia neste choque, o que torna mais difícil o seu
movimento e apenas a velocidade terminal não é suficiente para aplicar as correlações para
partículas isoladas.

197/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Quanto maior é a concentração de sólidos, quanto maior for à diferença de densidades e
quanto maior é a força de arraste devido a sua forma, mais energia será necessária para que
as correntes de fluxo induzidas carreguem os sólidos em seu movimento.

Em algumas concentrações de determinados tipos de minérios onde existem as sedimentações


dificultadas, e sendo estas concentrações elevadas o suficiente, o comportamento da
suspensão poderá adquirir padrões semelhantes a fluídos não newtonianos independentes do
tempo tais como: os fluídos pseudoplasticos, dilatantes ou de binghan ou dependentes do
tempo tais como os tixotrópicos ou reopéticos, etc.

De acordo com Vincent Uhl e Joseph Gray, a uniformidade completa de concentração de


sólidos em um tanque agitado mecanicamente, não pode ser alcançada na prática. A
uniformidade completa de concentração de sólidos em um tanque agitado pode ser definida se
todas as amostras retiradas desde sistema, tiverem 100% da suspensão de sólidos. Se todas
as amostras possuírem a mesma distribuição granulométrica e concentração de sólidos igual a
de todo o tanque, então teremos a uniformidade total.

Na pratica, tal condição de uniformidade nunca é alcançada, e, em um sistema agitado


mecanicamente, mesmo em escala de agitação máxima, ele nunca alcançará a completa
uniformidade.

Por razões praticas admite-se que se alcança uma “quase completa uniformidade”, algo em
torno de 98% que é definida como sendo a condição de agitação existente onde um aumento
de rotação do impelidor, não mais produzirá mudanças significativas na uniformidade da
concentração de sólidos nas regiões próximas da superfície da suspensão. Um grande número
de investigadores tem pesquisado e proposto formulações para se calcular as rotações ideais
para produzir determinado tipo de nível de agitação em meios bifásicos sólido-líquido.

Devido ao fato de estarmos tratando com fluídos não newtonianos, em que o tratamento
analítico não é totalmente aceitável, os resultados obtidos no cálculo da rotação crítica ou ideal
para se produzir certo nível de agitação varia de pesquisador para pesquisador. Mesmo
usando a mesma concentração, a mesma distribuição granulométrica, propriedades físicas e
geometria do tanque, os resultados produzidos não são os mesmos, conforme assinala Uhl e
Gray [21] e Oldshoe.

Oldshoe cita um trabalho de Bohnet e Niesmak e transcreve uma tabela de ambos onde são
compilados inúmeros autores e suas equações para cálculo de rotações críticas necessárias
para atender determinados tipos de agitação, enfatizando que os resultados são diferentes
mesmo calculados para as mesmas condições.

198/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Níveis de agitação baseados na velocidade periféricos do impelidor têm sido adotados desde
os primórdios da utilização de agitadores mecânicos para produzir agitação de fluídos.
Trabalhos como o de Garrison e Advani tem adotado velocidade periférica para estabelecer
níveis de agitação. Até o tipo de superfície produzida na agitação às vezes serve de parâmetro
para definirmos escala de agitação. Superfícies calmas e pouco agitadas representam níveis
de agitação fracos e superfícies encapeladas e produzindo pequenos redemoinhos podem
representar níveis de agitação elevados.

Mais recentemente toda literatura produzida para agitação mecânica tem adotado de maneira
sistemática os trabalhos desenvolvidos por Gates, Morton e Fondy, onde se propõem uma
escala de agitação e critérios analíticos e empíricos para o cálculo da rotação necessária para
se produzir um determinado tipo de agitação em meios bifásicos sólido-líquido, que recebe
níveis que vão de 1 a 10.

Nesta escala, os valores de 1 a 2 representam agitação que movimenta os sólidos no fundo do


tanque. Níveis de 3 a 5 a suspensão destes sólidos do fundo do tanque, até os níveis de 6 a 10
que representa níveis de agitação para a quase completa uniformidade da suspensão. A
maioria das aplicações de suspensão de sólidos é encontrada onde as velocidades terminais
situam-se entre 0,5 pés/min (0,0025 m/s) e 20 pés/min (0,10 m/s) e concentração até 70% em
peso. Estas aplicações podem ser divididas em grupos como os definidos abaixo;

1 - Sistemas com baixa concentração, velocidades de sedimentação abaixo de 2,5


mm/s baixa viscosidade e reologia considerada Newtoniana.
As partículas nestes sistemas sedimentam-se tão vagarosamente que elas são fáceis de
suspender em tanques agitados por impelidores. Polpas com pequenas concentrações e
pequenas partículas podem ser tratadas com líquidos de fase única.

2 – Baixa concentração, velocidades de sedimentação variando entre 2,5 mm/s(0,5


pés/min) até 100 mm/s.
Estas polpas têm comportamento reológico próximo de sistemas Newtonianos e o regime do
sistema encontram-se normalmente acima de NRey > 104. Estes sistemas que possuem
partículas com velocidade de sedimentação entre 2,5 a 100 mm/s são os mais
frequentemente encontrados na indústria.

3 – Baixa concentração com partículas que se sedimentam com velocidades acima de


100 mm/s(20 pés/min).
São sistemas que apresentam maiores dificuldades para suspensão, uma vez se tornam
rapidamente estagnados outra vez cessado ou diminuído o movimento. O sistema como um

199/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
todo necessita de circulação e bombeamento em altas taxas que devem ser induzidos por
impelidores em maiores velocidades.

4 – Polpas moderadamente pseudoplásticas ou tixotrópicas (viscosidade diminui com


aumento da taxa deformação) com partículas que possuem velocidade terminal menor
que 2,5 mm/s e onde a concentração não seja alta o suficiente para permitir a
existência de uma tensão de escoamento (plásticos de Binghan)
Tais polpas fogem ao objeto do nosso trabalho

5 – Sistemas com altas concentrações de sólidos com comportamento reológico


nitidamente de plástico de Binghan (possui uma tensão de escoamento para iniciar
movimento) ou de fluído altamente pseudoplástico.
Tais polpas também fogem do objetivo do nosso trabalho.

Podemos também definir alguns critérios para desempenho de uma suspensão sólido-
líquido, critérios estes que podem ser adotados para caracterização de um processo. Estes
critérios podem ser tanto visuais como físico por meio da medição da concentração de
partículas.

Deste modo a maneira como os sólidos são suspensos em meio líquido por meio do
movimento do fluído por todo o tanque pode ter métodos de julgamento que depende então
de critérios de observação visual do comportamento das partículas ou na medição da
concentração destas partículas em várias partes da suspensão contida no tanque.

De acordo com Gray e Oldshue estes Métodos de Julgamento e Critérios de Desempenho


de um sistema sólido-líquido podem ser definidos como:

1 – Velocidade rotacional para um comportamento desejado da partícula

2 – Uniformidade na concentração de sólidos

3 – Escala de agitação para suspensão de sólidos

8.1 – VELOCIDADE ROTACIONAL PARA UM COMPORTAMENTO DESEJADO


Este é um critério de julgamento do desempenho de um equipamento agitando um meio
sólido-líquido que envolve achar e definir uma velocidade de rotação para um
comportamento esperado de uma partícula neste meio líquido. Como este critério é

200/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
visual, isto é feito observando-se o sistema em um tanque com paredes transparentes
ou uma janela instalada no tanque.

A – Formação de cantos mortos


O sistema agitado tem a tendência de formar cantos mortos na intersecção entre a
parede cilíndrica vertical do tanque e o seu fundo. Nestes sistemas é preferível permitir a
formação deste canto morto do que investir em um agitador de alta rotação e potência
para eliminar este canto morto.

B – Movimento apropriado da partícula


Outro critério de julgamento do desempenho do agitador envolve determinar a correta
rotação do impelidor de modo que o movimento das partículas próximo do fundo do
tanque (~1/3Z) possa ser determinado como satisfatório para um processo requerido.
Nesta forma de avaliação temos três possibilidades:
(1) Nenhuma partícula permanece no fundo do tanque por mais do que 1 segundo.
(2) Movimento completo adjacente ao fundo do tanque. Todas as partículas
adjacentes ao fundo do tanque estão em completo movimento, não existindo
cantos mortos ou partículas estagnadas sobre ele.
(3) Movimento completo fora do fundo do tanque. Todas as partículas estão em
movimento numa região mais afastada do fundo do tanque, possuindo inclusive
alguma velocidade vertical.

8.2 – UNIFORMIDADE NA CONCENTRAÇÃO

Outro método de julgamento do desempenho do equipamento que trabalha com sólidos,


envolve retirar amostras a partir de vários locais no tanque e proceder à medição da
concentração dos sólidos nestas amostras. Deve-se observar que não se tem nenhuma
garantia de que estas amostras serão representativas do local amostrado. A simples
presença de um dispositivo amostrador tal como um tubo introduzido no fluxo irá
produzir perturbações que irá afetar a distribuição de concentração de partículas neste
local. O posicionamento e tamanho destes dispositivos amostradores afetam localmente
a distribuição de concentração. Amostradores transversais ao fluxo afetarão mais que se
instalados longitudinalmente ou em ângulo. Também o tamanho da amostra pode afetar
a distribuição de concentração. Não se tem como definir a magnitude destes efeitos
sobre a concentração. Os métodos de julgamento para definir a uniformidade na
concentração de sólidos podem ser descritos como:

201/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A – Percentual de Suspensão
O percentual de sólidos de uma amostra dividido pela concentração de sólidos em
todo o tanque nos dá o que se chama de Percentual de Suspensão. Por exemplo, se
uma amostra contém 35% de sólidos em um tanque onde a concentração total é de
40%, o percentual de suspensão será dado por 35/40 ou 87,5%, que significa que
naquele local amostrado a amostra está com 87,5% da concentração total do tanque.

B – Perfis de Concentração
Perfis de concentração para cada uma das várias frações de tamanho de partículas
podem tomados para determinar o desempenho que um equipamento produz num
sistema. Um percentual para cada uma das várias faixas de partículas sólidas
presentes é determinado tomando-se amostras em elevações selecionadas ao longo
da altura do tanque.

C – Uniformidade Completa
De acordo com Vincent Uhl e Joseph Gray, a uniformidade completa de concentração
de sólidos em um tanque agitado mecanicamente, não pode ser alcançada na prática.
A uniformidade completa de concentração de sólidos em um tanque agitado pode ser
definida se todas as amostras retiradas desde sistema tiverem 100% da suspensão
de sólidos. Se todas as amostras possuírem a mesma distribuição granulométrica e
concentração de sólidos igual à de todo o tanque, então teremos a uniformidade total.
Na pratica, tal condição de uniformidade nunca é alcançada, e, em um sistema
agitado mecanicamente, mesmo em escala de agitação máxima, ele nunca alcançará
a completa uniformidade.

D – Uniformidade Quase Completa


Por razões praticas admite-se que se alcança uma “quase completa uniformidade”,
algo em torno de 98% que é definida como sendo a condição de agitação existente
onde um aumento de rotação do impelidor, não mais produzirá mudanças
significativas na uniformidade da concentração de sólidos nas regiões próximas da
superfície da suspensão.

8.3 – ESCALAS DE AGITAÇÃO


Gates, Morton e Fondy, descrevem vários tipos de comportamento de partículas em
suspensões e propõem uma escala de agitação e critérios analíticos e empíricos para o
cálculo da rotação necessária para se produzir um determinado tipo de agitação que
recebe níveis que vão de 1 a 10.

202/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Nesta escala, os valores de 1 a 2 representam agitação que movimenta os sólidos no
fundo do tanque. Níveis de 3 a 5 a suspensão destes sólidos do fundo do tanque, até os
níveis de 6 a 10 que representa níveis de agitação para a quase completa uniformidade
da suspensão.

Escala de Definição Critério de


Agitação Desempenho
Escalas de agitação #1 e #2 caracterizam aplicações Movimentação completa na
que requerem níveis mínimos de suspensão de região adjacente ao fundo
sólidos. do tanque. Formação de
1a2 Nestas escalas de agitação o agitador poderá; zonas mortas
• Produzir no fundo do tanque o movimento de
todas as partículas presentes.
• Permitir a formação de zonas mortas que
periodicamente são suspensas.
Escalas de agitação de #3 à #5 caracteriza a maioria Movimentação e elevação
das aplicações de suspensão de sólidos completa das partículas do
encontradas nos processos de beneficiamento e fundo do tanque
transformação.
Na escala de #3 o agitador poderá;
• Suspender completamente todas as partículas do
3a5 fundo do tanque
• Promover uniformidade de distribuição de
concentração dos sólidos presentes até no
mínimo 1/3 da altura do líquido.
Permitir a retirada de polpa uniforme com bocais de
saída localizado em níveis baixos do tanque.
Escalas de agitação de #6 à #8 são caracterizadas
nas aplicações onde a homogeneidade da
suspensão deve-se aproximar da uniformidade por
quase todo o tanque.
Na escala #6 o agitador deverá ser capaz de;
6a8 • Promover uniformidade de distribuição de
concentração de sólidos desde o fundo até 95%
da altura do líquido
• Permitir a retirada de polpa uniforme com bocais
de saída localizado em elevações até 80% da
altura do líquido.

203/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Escalas de agitação de nível 9 e 10 caracterizam as Uniformidade quase
aplicações onde a homogeneidade da suspensão completa da suspensão.
deve ser uniforme na concentração até 98% da
9 a10 altura do liquido.
Estes agitadores devem promover;
• Uniformidade de distribuição de concentração
desde o fundo do tanque até uma altura de 98%
do líquido.
• Permitir a retirada de polpa uniforme por
transbordamento.

8.4 – PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DO AGITADOR


O procedimento que se segue obedece aos critérios de Gates que utiliza a parte
analítica desenvolvida no capítulo 7 mais correções empíricas. Consideremos então um
exemplo prático para desenvolvimento da relação rotação-potência na suspensão de
sólidos.

Um tanque cilíndrico vertical com 6,0 metros de diâmetro, altura de 7,5 metros e fundo
plano, será utilizado para promover a suspensão completa do fundo do tanque ate 1/3
da altura da polpa, correspondendo ao nível # 5 na escala de agitação de Gates.

A polpa atingirá 7,0 m de altura e sua concentração de sólidos será de 50% em peso. Os
sólidos a serem suspensos possuem tamanhos máximos de 150 micra, com densidade
real de 2,7 ton/m3. A suspensão será feita em água à temperatura ambiente e pressão
atmosférica sendo a densidade final da polpa de 1,47 ton/m3. O impelidor utilizado será
do tipo 4PBT45 com 4 pás retas inclinadas a 45 graus e altura projetada das pás
W/D=1/5. Dos Anexos Tabela #1 podemos tirar o Npo= 1,37 e do gráfico #1, o NQ=0,65.

Calcular a rotação necessária do impelidor para produzir a correta resposta dinâmica


que promova a suspensão e homogeneização completa dos sólidos do fundo do tanque,
bem como determinar a potência absorvida pelo impelidor.

- Velocidade terminal da partícula


Iniciamos estes cálculos pela determinação da velocidade terminal da maior partícula
presente no sistema, mesmo que sua fração seja pequena na distribuição
granulométrica.

204/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
No capitulo 2 - Conceituação, temos o desenvolvimento dos cálculos que envolvem a
velocidade terminal de uma partícula em meio líquido (ver 2.12). A figura 8.1, abaixo,
também apresenta um gráfico simplificado para estimativa bem aproximada desta
velocidade terminal.

Fig. 8.1 – Estimativa de Velocidade Terminal de Partículas

A diferença entre as densidades do sólido e do líquido é:


ρS − ρ L = 2,7 − 1,0 = 1,7

Sendo o diâmetro da partícula Dp= 150 micra (100 mesh), determinamos


aproximadamente no gráfico que VT=3,5 fpm. Utilizando o método de Carpenter, para
determinação da VT, desenvolvido em 2.12 temos;

- Fator K
O fator K é calculado conforme equação [2.9]

205/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
1
⎡ ρ (ρ − ρ )⎤ 3
k = 0,214.Dp.⎢ L S 2 L ⎥
⎣ μ ⎦

1
⎡1000(2700 − 1000 ) ⎤ 3
k = 0,214.(0,150).⎢ ⎥ = 3,83
⎣ 12 ⎦

O regime da partícula em líquido quiescente encontra-se sob uma Intermediária entre a


Lei de Newton e a Lei de Stokes conforme indicado em 2.12.
Temos que b1=18,5 e n=0,6.

Substituindo na equação [2.10], temos.

1
⎡ (0,150)1+ 0, 6 .(2700 − 1000) ⎤ 2 − 0, 6
Vt = ⎢0,013067. ⎥ = 3,54 fpm
⎣ 18,5.(1)0, 6 .(1000)1− 0,6 ⎦

VT=3,54 fpm (0,018 m/s)

Esta é a velocidade terminal da partícula isolada em um fluído estagnado. Devemos


corrigi-la em função da concentração de sólidos. Na tabela I abaixo obtemos fatores
empíricos de correção.

Tabela I
% Sólidos Fator Correção, Fw
2 0,80
5 0,84
10 0,91
15 1,00
20 1,10
25 1,20
30 1,30
35 1,42
40 1,55
45 1,70
50 1,85

Fig. 8.2- Tabela com fatores de correção de velocidade terminal

206/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
VTcorrig=Fw . VT

VTcorrig=1,85 . 3,54

VTcorrig=6,55

-Relação D/T
Conforme capítulo (Relações Geométricas), temos como recomendação para tanques
cilíndricos verticais de fundo plano uma relação D/T de 0,4~0,5.

Adotaremos D/T=0,45

D/T=0,45 D=0,45.(6,0m)
D=2,70m (106,3”)

-Rotação
Gates apresenta um gráfico que permite determinar a rotação de impelidor do tipo PBT,
relacionado com o nível de agitação e a velocidade terminal dificultada, VTC .

Fig. 8.3 – Gráfico de Gates para determinação da rotação crítica para suspensão de sólidos

207/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Φ.VT corrig .
N = 3, 75
D 2 ,81

No nosso caso o nível de agitação é #5 e D/T=0,45, o que nos dá.

Ф=2,4E10

Portanto:

1
2,4 E10.(6,55) ⎛ 2,4 E10.(6,55) ⎞ 3,75
N = 3, 75 = ⎜⎜ ⎟⎟ = 29,3
(106,3)2,81 ⎝ (106,3)
2 ,81

N=29,3 rpm
VP=π.D.N=700 pés/min

-Potência absorvida pelo impelidor

D 5 .N 3 .ρ polpa
Pabs = Npo.
1,524 E13

Dos Anexos Tabela #1 podemos tirar o Npo= 1,37

(106 ,3) 5 .( 29,3) 3 .1,47


Pabs = 1,37 . = 45,11bhp
1,524 E13

Pabs=45,11bhp]

CASO # 2 - Um tanque de 8,0m de diâmetro por 8 metros de altura será utilizado para
homogeneizar minério de ferro deslamado e espessado para alimentação da flotação. O
material a ser agitado possui densidade real de 4,63 ton/m3 e na sua distribuição
granulométrica um top size de 0,21 mm e uma concentração de sólidos em peso de 60%.

Dimensionar um agitador capaz de homogeneizar o minério em água a temperatura ambiente


até uma altura de 70% no tanque e permitir retirada por meio de bombeamento por baixo.

-velocidade terminal da partícula

208/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Dados:
Top size=0,21 mm
Densidade real solidos=4,63
Viscosidade da água=1 cP
Concentração em peso=60%

1
⎡ ρ (ρ − ρ )⎤ 3
k = 0,214.Dp.⎢ L S 2 L ⎥
⎣ μ ⎦
1
⎡1000(4630 − 1000 ) ⎤ 3
k = 0,214.(0,210).⎢ ⎥ = 6,9
⎣ 12 ⎦

O regime da partícula em líquido quiescente encontra-se sob uma Intermediária entre a


Lei de Newton e a Lei de Stokes conforme indicado em 2.12.
Temos que b1=18,5 e n=0,6.

Substituindo na equação [2.10], temos.

1
⎡ (0,210)1+ 0,6 .(4630 − 1000) ⎤ 2 − 0,6
Vt = ⎢0,013067. ⎥ = 8,96 fpm
⎣ 18,5.(1)0,6 .(1000)1− 0, 6 ⎦

VT=8,96 fpm (0,046 m/s)

A velocidade de sedimentação dificultada será;

VTcorrig=Fw.VT

FW = e(0, 01755378C − 0, 26177136 )


FW=2,2
VTcorrig=2,2.(8,96)
VTcorrig =19,76 pés/min
=0,10090 m/s
=100,90 mm/s

Considerações iniciais de projeto do agitador:

209/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
• A aplicação é de concentração média para alta de sólidos com o comportamento
reológico da polpa próximos de sistemas Newtonianos com NRey>104 em sistemas
onde a velocidade terminal encontra-se entre 2,5mm/s a 100mm/s.
• O sistema tem a tendência de formação de cantos mortos na intersecção entre o fundo e
a parede do tanque.
• O equipamento deverá ser capaz de promover uniformidade de distribuição de
concentração dos sólidos até aproximadamente 50 a 70% da altura do nível da polpa
permitindo retirada por baixo por meio de bombeamento
• A escala de agitação de Gates deve situar o equipamento em torno de 5 a 6.
• Relação D/T=0,4
• O impelidor deve ser do tipo alta eficiência e grande capacidade de bombeamento.
• Eixo e impelidor devem ser revestidos com borracha antiabrasiva.

Geometria do agitador

T=8m diâmetro do tanque


H=8m altura do tanque
Z=7,8m altura da polpa
D/T=0,4
D=3,2m (125,98”) diâmetro do impelidor
Z/4=2m distância do fundo do tanque ao impelidor
B=T/12=660mm largura do defletor
Bc=T/72=110mm folga entre costado e defletor
Npo=0,54 impelidor hidrofólio HIFLO PENTAFOIL DN3200
Nq=0,66

210/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

-rotação

Φ.VT corrig .
N = 3, 75
D 2 ,81

Φ = 10 [0 , 5373314510 79 . LN ( N ) − 2 , 5665690313 LN ( D / T ) + 7 , 4748230601 6 ]


Φ = 10 [0 , 5373314510 79 . LN ( 5 ) − 2 , 5665690313 LN ( 0 , 4 ) + 7 , 4748230601 6 ]
Φ=4,9115E10

211/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
4,9115E10.(19,76)
N = 3,75 = 41,95rpm
125,982,81
N=42rpm
VP=1384 fpm

- potência absorvida pelo impelidor

D 5 .N 3 .ρ polpa
Pabs = Npo.
1,524 E13
(125,98)5 .( 42 ) 3 .1,89
Pabs = 0,54 . = 157 ,47 bhp
1,524 E13
Pabs=157,47bhp
Rendimento=0,7
Prequerida=224,96
Pmotor=250cv

- capacidade de bombeamento

Q = vb. A
3= 3
⎛D⎞ ⎛ 125,98 ⎞
Q = NQ .N .⎜ ⎟ = 0,66.42.⎜ ⎟ = 32077CFM
⎝ 12 ⎠ ⎝ 12 ⎠
Q=32077cfm (908 m3/min)
A=540,78 ft2

Q 32077
Vb = = = 59,32 fpm
A 540,78

CASO #3 – Será necessário proceder em polpa de minério de ferro, o seu condicionamento


com reagentes antes da flotação. O minério deslamado e espessado com concentração
máxima de 53% e top size de 0,210 possui densidade real de 4,66 dando uma densidade de
polpa de 1,71. A vazão de polpa nestas condições é de 261 m3/h e o tempo de residência no
tanque para estas condições de processo determinado em planta piloto é de aproximadamente
8 minutos.

212/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Dimensionar um agitador capaz de produzir o condicionamento da totalidade do minério dentro
deste tempo de residência estabelecido, permitindo a retirado da polpa por transbordo.

Geometria do tanque condicionador

Q=262 m3/h Vazão de polpa


4,36 m3/min
tr=8min Tempo de residência necessário no tanque para permitir o
condicionamento

Vol
tr = Vol = tr.Q = 8.(4,36) = 34,88m3
Q
O nosso tanque deve possuir um volume de 34,88m3 para obedecer às condições requeridas
de processo De acordo com os capítulos 5 e 6 a relação ideal para um tanque agitado é aquela
onde o diâmetro do tanque é igual a altura do líquido, chamada de relação Z/T quadrada. Desta
forma adotando esta relação Z/T=1,0 para o nosso condicionador teremos.

n=Z/T´ 1,0=Z/T ´ Z=T

π .T 2 π .T 2 .T
Vol = .Z =
4 4
1
4.Vol ⎛ 4.(34,88) ⎞ 3
T3 = =⎜ ⎟ = 3,54m
π ⎝ π ⎠

T=Z=3,54 metros

Uma vez que a descarga deverá ser por transbordo a altura H do tanque deverá também ser
igual Z. Arredondando estas dimensões, obtemos que poderá ser T=Z=H=3,6metros

- velocidade terminal da partícula

Dados:
Top size=0,21 mm
Densidade real sólido=4,63
Viscosidade da água=1 cP
Concentração em peso=60%

213/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
1
⎡ ρ (ρ − ρ )⎤ 3
k = 0,214.Dp.⎢ L S 2 L ⎥
⎣ μ ⎦
1
⎡1000(4630 − 1000 ) ⎤ 3
k = 0,214.(0,210).⎢ ⎥ = 6,9
⎣ 12 ⎦

O regime da partícula em líquido quiescente encontra-se sob uma Intermediária entre a


Lei de Newton e a Lei de Stokes conforme indicado em 2.12. Temos que b1=18,5 e
n=0,6.

Substituindo na equação [2.10], temos:

1
⎡ (0,210)1+ 0, 6 .(4660 − 1000) ⎤ 2 − 0, 6
Vt = ⎢0,013067. ⎥ = 9,01 fpm
⎣ 18,5.(1)0, 6 .(1000)1− 0,6 ⎦

VT=9,01 fpm (0,046 m/s)

A velocidade de sedimentação dificultada será:

VTcorrig=Fw.VT

FW = e(0, 01755378C − 0, 26177136 )


FW=1,95
VTcorrig=1,95.(9,01)
VTcorrig =17,58 pés/min
=0,0897 m/s
=89,7 mm/s

Requisitos de projeto do agitador para o condicionador de polpa;

• A aplicação é de concentração média para alta de sólidos com o comportamento


reológico da polpa próximos de sistemas Newtonianos com NRey>104 em sistemas
onde a velocidade terminal encontra-se entre 2,5mm/s a 100mm/s.
• O sistema tem a tendência de formação de cantos mortos na intersecção entre o fundo e
a parede do tanque.

214/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
• O equipamento deverá ser capaz de promover uniformidade quase completa de
distribuição de concentração dos sólidos até aproximadamente 98% da altura do nível
da polpa permitindo retirada por transbordamento.
• A escala de agitação de Gates deve situar o equipamento em torno de 8 ou acima.
• O agitador deve promover uma grande circulação da polpa caracterizando a utilização
de um impelidor de alta capacidade de bombeamento.
• Relação D/T=0,4
• O sistema agitado deve prevenir curtos circuitos entre a entrada e a saída de polpa e
reagentes.
• Eixo e impelidor devem ser revestidos com borracha antiabrasiva.

Geometria do condicionador

T=3,6m diâmetro do tanque.


H=3,6m altura do tanque.
Z=3,6m altura da polpa.
D/T=0,4
D=1,44m (56,69”) diâmetro do impelidor.
Z/4=0,9m distância do fundo do tanque ao impelidor.
B=T/12=300mm largura do defletor.
Bc=T/72=50mm folga entre costado e defletor.
Npo=0,54 impelidor hidrofólio HIFLO PENTAFOIL DN1440
Nq=0,66

- rotação

Φ.VT corrig .
N = 3, 75
D 2 ,81

Φ = 10 [1, 6736976715 1. LN ( N ) − 2 , 5719662438 4 LN ( D / T ) + 5 , 4335470610 1]


Φ = 10 [1, 6736976715 1. LN ( 8 ) − 2 , 5719662438 4 LN ( 0 , 4 ) + 5 , 4335470610 1]

Φ=1,8349E11
1,8349E11.(17,58)
N = 3,75 .K = 86,2rpm
56,692,81

215/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
N=86rpm
VP=1275 fpm

- potência absorvida pelo impelidor


D 5 .N 3 .ρ polpa
Pabs = Npo.
1,524 E13
(56,69 ) 5 .(86 ) 3 .1,71
Pabs = 0,54 . = 22,57 bhp
1,524 E13
Pabs=22,57bhp
Rendimento=0,7
Prequerida=32,24
Pmotor=40cv

- capacidade de bombeamento

Q = vb. A
3= 3
⎛D⎞ ⎛ 56,69 ⎞
Q = NQ .N .⎜ ⎟ = 0,66.86.⎜ ⎟ = 5985CFM
⎝ 12 ⎠ ⎝ 12 ⎠
Q=5985cfm (169 m3/min)
A=109,51 ft2
Q 5985
Vb = = = 54,66 fpm
A 109,51

11 – PROJETO MECÂNICO DO AGITADOR

Após a definição do agitador em termos hidrodinâmico, faz-se necessário apresentar algumas


consideração sob o ponto de vista mecânico do mesmo. A partir dos dados obtidos tais como;
tipo, diâmetro e rotação do impelidor, potência absorvida, posicionamento do impelidor e
defletores, etc. É necessário projetor um equipamento que cumpra a contento com os
requisitos e condições exigidas no processo.

Incluiremos neste capitulo uma introdução aos aspectos mecânicos de cada componente do
agitador e os seus requisitos de projeto, construção e instalação. Introduziremos também os
aspectos limitantes de um projeto de agitador tais como: forças agindo sobre o impelidor e eixo,
deflexões e rotação crítica.

216/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
A figura 10.1 mostra um vaso agitado que podemos apresentar como exemplo de um
mecanismo completo para a operação de agitação; eles contem a maioria dos componentes
mecânicos que podem estar presentes num tanque/vaso agitado. Os impelidores que podem
ser qualquer um dos apresentados anteriormente dependendo da aplicação que se requeira; o
eixo que transmite a potência e torque do conjunto acionador para o impelidor; acoplamentos
que permitem a interligação de várias partes que possa ter o eixo permitindo facilidades de
montagem e desmontagem; estabilizadores montados nos impelidores que produzem
estabilidade e diminuição da deflexão lateral e elevam a freqüência natural de vibração para
rotações maiores; sistemas de vedação que isolam o conteúdo do vaso da atmosfera externa
que podem ser selos hidráulicos ou retentores, caixa de gaxetas para baixa pressão ou selo
mecânico quando as pressões são maiores; acionador que pode ser elétrico, hidráulico ou
pneumático, redutor de velocidades; acoplamentos flexíveis; defletores para prevenir
redemoinhos; serpentinas para troca térmica, camisa externa envoltória ao vaso para troca
térmica, etc.

Para projetarmos corretamente o mecanismo agitador, precisamos da correta análise e


avaliação das forças que agem no sistema e compreender como estas forças são transmitidas,
amplificadas ou amortecidas.

Os mecanismos que produzem tensões, torções e flexões sobre o sistema são as chamadas
forças inerciais, as forças viscosas e também as forças de arraste vistas no capitulo 3 deste
trabalho.

As forças inerciais são aquelas desenvolvidas quando o fluído muda de direção ou velocidade,
as forças viscosas são desenvolvidas quando uma camada de fluído se move mais rápida ou
vagarosamente que outra camada vizinha, ou mesmo uma superfície sólida produzindo
tensões de cisalhamento. Já as forças de arraste são decorrentes da resistência que um
corpo sólido experimenta quando ele se encontra imerso em meio fluído e existe movimento
relativo entre ele e o meio.

Numa análise preliminar podemos considerar que as tensões decorrentes destas chamadas
forças hidráulicas bastem para dimensionar um agitador, entretanto existem outros
mecanismos que induzem tensões no sistema e que devem ser levados em conta no
dimensionamento e projeto do mesmo. Forças hidráulicas menos conhecidas tais como as
produzidas por localizações assimétricas do impelidor no tanque, ou mesmo um projeto
assimétrico do impelidor ou dos defletores, induzem desbalanceamentos e vibrações no
sistema.

217/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 11.1 – Conjunto vaso agitador

218/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
As forças centrífugas desenvolvidas devidas desbalanceamento estático ou dinâmico nas
partes girantes do sistema são indutoras de tensões que devem ser eliminadas ou controladas
a níveis aceitáveis. Elas ocorrem quando o centro de massa do conjunto eixo/impelidor não
coincide com eixo de rotação e podem levar o sistema ao colapso se condições de ressonância
forem produzidas.

Encontramos também forças devido ao atrito em mecanismos tais como redutores de


engrenagens, sistemas de vedação, mancais. O sistema pode sofrer influência de mecanismos
mais complexos tais como as forças periódicas produzidas por sistemas em vibração devido a
um alto grau de esbeltez de seus componentes tais como eixo ou estrutura de sustentação do
agitador. Eixos muitos esbeltos mesmo quando amortecidos pelo líquido circundante podem
produzir vibrações que afetam o mecanismo acionador (redutor, motor), e podem entrar em
ressonância e colapsar se operarem em vazio.
O vigamento de sustentação dos agitadores em tanques, também pode produzir forças
periódicas se o seu projeto não for bem analisado e suas deflexões estáticas forem excessivas.

Conhecendo-se a extensão destas forças, podemos projetar um equipamento que atenda aos
requisitos hidrodinâmicos exigidos, permitindo dimensionar cada componente do agitador de
modo que resista as tensões desenvolvidas quando em funcionamento.

11.1 – FORÇA HIDRAÚLICA


O eixo do agitador em operação está submetido a tensões cisalhantes e normais
decorrentes da combinação dos momentos torcionais desenvolvidos pelo conjunto
acionador ao transmitir torque ao impelidor, bem como a tensões normais decorrentes
das cargas axiais a que o eixo é submetido tanto devido ao peso do agitador como ao
empuxo produzido pelo impelidor.

Somam-se às estas tensões, aquelas produzidas de forma aleatória pela chamada força
hidráulica vista anteriormente como a combinação das forças inerciais, viscosas e de
arraste. Esta sem sombra de dúvidas produz os maiores níveis de tensão normal no
eixo, decorrentes do momento fletor desenvolvido quando a força hidráulica age contra o
impelidor em balanço.

Para conhecer melhor esta força hidráulica precisamos do grupo adimensional chamado
de Número de Newton ou Potência desenvolvida no capitulo 3. Este grupo adimensional
que tem como significado físico a relação entre as forças de arraste nas pás do impelidor
e as forças de inércia do sistema servem de ponto de partida para desenvolvermos a
equação que determinará a força hidráulica, FH.

219/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
P P P
NPo = = =
ρ .V .D ρ (DN ) D ρ .D 5 . N 3
3 2 3 2

P = Npo.D .N 3.ρ [11.1]


Considerando uma força tangencial Ft atuando a ¾ do raio do impelidor, e girando com uma
velocidade angular w.

Fig. 11.2 – Cargas e momentos sobre o impelidor.

P = F .v
sendo v=w.r

v- velocidade linear
w- velocidade angular

220/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
P = F .wr
P = ( F .r ). w
P = T .w
Sendo o torque, T dado por
P
T=
w

Sendo a velocidade angular constante e dada por:


w = 2πN

Portanto;

P Npo.N 3 .D 5 .ρ Npo.N 2 .D 5 .ρ
T = = = [11.2]
2πN 2.π .N 2.π

Se a força tangencial, Ft está agindo sobre uma fração do raio da pá, podemos escrever;

T
Ft =
⎛D⎞
l.⎜ ⎟.Nb
⎝2⎠
Onde: Ft=Força tangencial
l= raio efetivo %/100 ( no nosso caso ¾=0,75)
Nb=Número de pás

Portanto;

Npo.ρ .N 2 .D 5
2.π Npo.ρ .N 2 .D 5 .2−1.π −1 Npo.ρ .N 2 .D 4 .
Ft = = = [11.3]
⎛D⎞ l.D.21.Nb (0,75).π .Nb
l.⎜ ⎟.Nb
⎝2⎠

Esta força tangencial vem a ser a força hidráulica que produzirá momentos fletores e
momentos torsoniais no eixo.

221/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Uma vez que o impelidor confinado no vaso/tanque não produz um fluxo simétrico,
podemos afirmar que as velocidades deste fluxo (magnitude e direção) são diferentes
para todas as pás individualmente.

O resultado final em cada instante é que serão induzidas forças desiguais e sob cada
pá, produzindo variações nos momentos fletor e torsor. Dizemos que a força hidráulica é
aleatória. Deste modo a expressão final para cálculo da força hidráulica é dada por;

N 2 .D 4 .ρ
Fh = Npo.
(0,75).π .Nb

Ajustando para o sistema britânico de unidades

N 2 .D 4 .ρ
Fh = Npo. [11.4]
(0,75).π .Nb.(3,8467E 7)

D=polegadas
N=rpm

11.2 – EIXO

A seleção da configuração do eixo requer uma análise das limitações e requisitos que o
projeto como um todo impõe ao mesmo, sejam os requisitos de processo como, por
exemplo, pressão e temperatura, geometria do tanque e tipo de montagem do agitador
se vertical, inclinado ou lateral e o tipo de suportação e acoplamento entre o conjunto
acionador/redutor de velocidades e o eixo. A análise deve iniciar pelo tipo de
sustentação e acoplamento que o eixo deve ter no agitador, pois a especificação do
mesmo deve determinar como as forças e momentos serão transferidos entre o
acionador e o eixo.

222/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 11.3 – Esquema de cargas atuantes sobre o agitador

O esquema da Figura 10.3 nos dá um exemplo clássico de sustentação de eixo


de agitador. Nele o eixo é dito em balanço, sendo sustentado por um conjunto de
mancais de escora guia fora do meio agitado e que faz parte do conjunto
acionador.

Neste caso, não existe nenhum mancal guia na extremidade inferior do eixo o que
resulta em cálculos mais precisos e rigorosos do eixo, particularmente no tocante
as suas deflexões estáticas e rotações críticas.

Adotaremos este tipo clássico de montagem por ser ela a única recomendada
quando temos sólidos presentes em meio líquido.

223/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
11.2.1 – REQUISITOS DE PROJETO

O projeto de um eixo de agitador deve ser baseado em certas suposições e


considerações razoáveis do ponto de vista mecânico.

I. Devemos considerar que as tensões a serem resistidas por um eixo de


agitador são consideravelmente maiores do que aquelas indicadas
inicialmente pelo projeto e cálculos baseados nos Momentos Torsor e
Fletor, particularmente quando altos valores de potência por volume são
usados.
II. Durante a partida com motores elétricos convencionais o eixo deverá ser
capaz de resistir no mínimo duas vezes e meio o torque produzido por este
motor.
III. Em operação normal o eixo deverá resistir no mínimo uma vez e meia o
momento fletor oriundo das forças hidráulicas aplicadas no impelidor.
IV. O eixo deverá rodar de maneira estável sob qualquer carga no vaso, desde
a operação em vazio até com carga total quando o agitador estará
totalmente imerso. Deverá ser considerado em qualquer dos casos que
sua rotação de trabalho deverá ser no mínimo 30% distante da primeira
frequência natural de vibração. Em agitadores de pequeno porte é
permitido que a rotação de trabalho esteja acima da primeira freqüência
natural de vibração, desde que a aceleração produzida pelo acionador seja
suficiente para atravessar rapidamente a faixa crítica de vibração.
V. O projeto do eixo deverá se basear também numa relação entre as tensões
que ocorre sobre condições de operação normal e aquelas tensões
induzida em condições de máxima potência disponível. Esta metodologia
permite que na prática tenhamos eixos suficientemente fortes para resistir
(sem exceder as tensões de escoamento do material) as tensões que
poderão ser induzidas no eixo se uma das pás dos impelidor for travada
em um ponto a 75% do raio deste impelidor. Este travamento não deve ser
considerado como o aterramento do impelidor por sólidos, pois não se
calcula o eixo para esta condição. Este travamento deve ser visto como,
por exemplo; uma pá batendo num componente do tanque, ou um corpo
estranho caindo dentro do tanque diretamente sobre uma das pás. Este
método assume dois níveis de torque aplicado conforme indicado na tabela
1.

224/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Torque disponível sob operação normal

Torque desenvolvido pelo motor sob travamento


1 2
Condições normais Condições severas
Para impelidores em baixa Para impelidores em alta
rotação, distantes da parede do velocidade, e alta potência por
tanque e onde não haja sólidos volume unitário, para impelidores
precipitados. que passam próximos da parede
do tanque ou defletores, e onde
haja sólidos que poderão
precipitar no tanque
Fator de 1,5 Fator 2,5

Os eixos dimensionados de acordo com a coluna 1, não colapsarão


mesmo que a sobrecarga no motor seja tal que a proteção do mesmo
desarme a energia. Eixos dimensionados conforme coluna 2 não colapsará
mesmo que o agitador seja subitamente travado e o motor continue
funcionando não tendo sido desarmando pela proteção elétrica.
VI. Juntamente com o dimensionamento do eixo, o seu projeto deve privilegiar
uma configuração que permita enquadrar o mesmo dentro de vida infinita
quando analisado sob o ponto de vista da fadiga de materiais.
Fatores concentradores de tensões devem ser bem analisados.

11.2.2 – TENSÕES/CARGAS SOBRE O EIXO


Usaremos a metodologia e recomendações da Handbook #9 da EEUA-Engineers
Equipment Users Association. Esta metodologia assume que o eixo esta em
balanço apoiado somente por dois mancais de escora guia conforme figura
Fig.11.3. Os requisitos gerais relativos ao projeto de um eixo associado com
impelidores de palhetas ou pás tais como os estudados neste trabalho, podem ser
definidos como se segue:

(1) O eixo deverá ser forte o suficiente para resistir:


Condições Severas- 2 ½ vezes o momento torsor disponibilizado pelo motor, e
11/2 vezes o momento fletor devido forças hidráulicas aplicadas sem que a
tensão de escoamento do material utilizado seja excedida. Condições Normais-
1 ½ vezes o momento torsor disponibilizado pelo motor, e 1 ½ vezes o momento
fletor devido forças hidráulicas aplicadas sem que a tensão de escoamento do

225/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
material utilizado seja excedida. OBS - Estas condições são aquelas definidas em
requisitos de projeto onde a condição de travamento do impelidor a 75% do raio
do impelidor ocorre.
(2)- O eixo não poderá trabalhar em rotação na chamada zona crítica. Ou seja,
sua rotação de trabalho deverá estar distante no mínimo 30% da primeira
frequência natural de vibração, se o mesmo tiver sido balanceado estaticamente,
ou no mínimo 15% da primeira freqüência natural de vibração se o mesmo tiver
sido balanceado dinamicamente.
(3)- A deflexão do eixo em operação com carga ou vazio ou mesmo quando
travado conforme (1), não poderá elevada a ponto de permitir que o impelidor
atinja as paredes do vaso ou tanque ou atinja componente interno tais como
defletores, serpentinas, etc.
(4)- As pás do impelidor não deverão colapsar na condição de travamento citada
em (1).
(5)- Metodologia: A figura Fig.11.4 e 11.5 nos mostra o diagrama para as cargas
envolvidas em eixos em balanço apoiados em dois suportes na outra
extremidade.

Fig. 11.4 - Momento fletor, torque e distribuição de carga axial em várias seções de um
eixo de agitador indutor de fluxo axial

226/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 11.5 – Diagrama de cargas e fórmulas para cálculo de forças cortantes, momento e
deflexões que ocorrem em um eixo de agitador (

11.2.2.1- Momentos

(a)-Momento Torsor,Mt
63025 . Pot . FS
Mt = [1.5]
N
Pot.- Hp
N- rpm
Mt- lbf.pol
FS- fator de serviço

(b)-Momento Fletor devido Força Hidráulica, Mf


Mf = Fh . L. FS [11.6]
Fh- Força hidráulica
L- comprimento do eixo em balanço
Mf- lbf.pol

(c)-Momento Fletor devido força aplicada a ¾ do raio da pá oriundo do Mt.

227/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Mt
Mf = .L.FS [11.7]
D
(0,75). .nb
2
D- diâmetro impelidor
Nb- número de pás

11.2.2.2- Eixos requeridos quando submetidos à flexão composta.

[
⎧⎪16. Mf + Mf 2 + Mt 2
dt = ⎨
]⎫⎪⎬ 1/ 3

[11.8]
⎪⎩ π .σ adm ⎪⎭

σadm- tensão normal admissível


dt- diâmetro eixo requerido a tração

11.2.2..3-Eixos requeridos quando submetidos à torção composta.

( )
1/ 3
⎡ 16 ⎤
ds = ⎢ . Mf 2 + Mt 2 ⎥ [11.9]
⎣ π .τ adm ⎦

τadm- tensão cisalhante admissível


ds- diâm. Eixo requerido a cisalhamento

11.2.2..4-Tensão cisalhante máxima devida torção

16.Mt
τ max = [11.10]
π .d 3

11.2.2.5-Tensão normal máxima devida flexão

32 Mf
σ mas = [11.11]
π .d 3

228/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

11.2.3 – CARGAS SOBRE OS MANCAIS DE ESCORA-GUIA

A figura 11.4 mostra as cargas envolvidas durante operação de um agitador


mecânico. Nosso estudo agora se concentrará sobre as reações que ocorre nos
mancais de escora-guia do agitador, denotado por R1 e R2, decorrente destas
cargas envolvidas. R1 e R2 podem representar os mancais do próprio redutor ou
um conjunto de mancais externos, e as fórmulas para calcular as reações que
ocorrem são dadas por:

(a) Em operação normal com somente a Força hidráulica atuando


⎛ l − Sb ⎞
Mancal Superior = Fh ⎜ ⎟ [11.12]
⎝ Sb ⎠

⎛ l + Sb ⎞
Mancal Inferior = Fh ⎜ ⎟ [11.13]
⎝ Sb ⎠

(b) Em condições severas de emperramento do impelidor


⎛ l − Sb ⎞
Mancal Superior = Fh⎜ ⎟.2,5
⎝ Sb ⎠
⎛ l + Sb ⎞
Mancal Inferior = Fh⎜ ⎟.2,5
⎝ Sb ⎠
O diagrama de cargas pode ser visto na figura 11.5

11.2.4 – DEFLEXÃO DO EIXO EM OPERAÇÃO


A deflexão no eixo tratada aqui é aquela decorrente da operação normal do
agitador onde as forças hidráulicas atuam no impelidor ou aquela decorrente de
um emperramento qualquer do impelidor que induza o acionador a transferir um
torque mais elevado ao eixo, situação está definida anteriormente como condição
severa de operação.

Sob estas condições e considerando que o nosso eixo esta engastado somente
de um lado e deve ser considerando como uma viga cantilever, o agitador tenderá
a sofrer uma deflexão logo abaixo do mancal inferior que irá aumentando até o
máximo na sua extremidade inferior. Esta deflexão será maior ou menor em
função do grau de rigidez do eixo.

229/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Este grau de rigidez do eixo por sua vez, é governado por características tais
como diâmetro e momentos de inércia.

Usando a nomenclatura previamente definida, a força F agindo o impelidor em


operação normal ou em condição severa e que causa a deflexão Δ do eixo será
dada por:

F . L3
Δ max = [11.14]
3EI
Onde:
E – modulo de elasticidade (Young)
E=2,98E7 ,psi
I– momento de inércia
π .d 4 sh
,I = ,pol4
64

A figura 11.6 mostra esquematicamente a deflexão do centro do eixo em função


da carga aplicada na pá do impelidor, bem como o deslocamento total da
extremidade do impelidor, de modo que podemos escrever:

Fig. 11.6-Diagrama para deflexão do eixo devida força aplicada no impelidor.


Tanque visto de cima

230/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Temos a proporcionalidade:

Δmax ⎯ 0,75r
x ⎯ 1,75r

De modo que podemos escrever:

x.(0,75r ) = Δ max (1,75r )


0,75r Δ max
=
1,75r x
Sendo 1,75=7/4 e 0,75=3/4
3 / 4.r Δ max Δ .(7 / 4 )
= ⇒ x = max
7 / 4 .r x ( 3 / 4)
x = (7 / 3).Δ max

Relacionando esta deflexão ao diâmetro do eixo e à força aplicada onde;

F . L3 π .d 4 sh
Δ max = e I=
3EI 64

⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎛ F .L ⎞
x = (7 / 3).⎜⎜
3

⎟⎟ = (7 / 3).⎜
F .L3 ⎟ (7 / 3).F .L3 7.3−1.F .L3 .64
⎟= = =
⎝ 3EI ⎠ ⎜ 3E.⎛⎜ π .d sh
4
⎞ ⎟ 3E.π .d 4 sh .64 −1 3.E.π .d 4 sh
⎜ ⎜ 64 ⎟⎟ ⎟ [11.15]
⎝ ⎝ ⎠⎠
7.64.F .L3 448.F .L3 4
x= = .d sh
3.3.E.π .d 4 sh 9.E.π

11.2.5 – EXEMPLO DE CÁLCULO


Um agitador com potência instalada de 150hp, dotado de um impelidor de 3200
mm de diâmetro e 5 pás, girando a 35 rpm, sendo que a potência absorvida pelo
impelidor em condições normais de operação é de 91 bhp. O esquema do mesmo
é dado na figura abaixo. Determinar as cargas e dimensionar o eixo.

231/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig.11.7

(a)- Momento Torsor

63025.Pot.FS
Mt =
N

• Torque disponibilizado pelo motor


63025.150
Mt = = 270107 pol.lbf (30400N .m)
35

• Torque em operação normal


63025.91
Mt = = 163865 pol.lbf (18400N .m)
35

• Torque em condições severas (emperramento impelidor)


63025.150.2,5
Mt = = 675267 pol.lbf (76000N .m)
35

232/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
(b)- Forças aplicadas no impelidor

• Força hidráulica Fh=695 lbf


• Força devido torque aplicado à ¾ do raio da pá

Mt
F= D=3200mm(126”)
⎛D⎞
0,75.⎜ ⎟.nb
⎝2⎠

1. Força devida torque disponível pelo motor.


270107
F= = 1143lbf
⎛ 126 ⎞
0,75.⎜ ⎟.5
⎝ 2 ⎠
2. Força devida torque em operação normal
163865
F= = 694lbf
⎛ 126 ⎞
0,75.⎜ ⎟.5
⎝ 2 ⎠
3. Força devido torque em condições severas(emperramento do
impelidor)
675267
F= = 2858lbf
⎛ 126 ⎞
0,75.⎜ ⎟.5
⎝ 2 ⎠

(c)- Momento Fletor

Mf = F . L. FS
• Devido Força Hidráulica

Mf = 695 lbf .252 " = 175140 lbf . pol

• Devido força oriunda do torque disponível pelo motor à ¾ do raio da


pá.
Mt 270107
Mf = .L = .252 = 288114lbf . pol
⎛D⎞ 0,75.(63).5
0,75.⎜ ⎟.nb
⎝2⎠

233/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
• Devido força oriunda do torque em condições
severas(emperramento do impelidor).

Mt 675262
Mf = .L = .252 = 720216lbf . pol
⎛D⎞ 0,75.(63).5
0,75.⎜ ⎟.nb
⎝2⎠

(d)- Diâmetros de eixo requeridos sob condições severas (FS=2,5)

• Flexão (tensão normal)

[
⎧⎪16. Mf + Mf 2 + Mt 2
dt = ⎨
]⎫⎪⎬ 1/ 3

⎪⎩ π .σ adm ⎪⎭

[
⎧⎪16. 720216 + 7202162 + 675267 2
dt = ⎨
]⎫⎪⎬ 1/ 3

⎪⎩ π .10000 ⎪⎭

dt=9,5 polegadas

• Torção (tensão cisalhamento)

( )
1/ 3
⎡ 16 ⎤
ds = ⎢ . Mf 2 + Mt 2 ⎥
⎣ π .τ adm ⎦

( )
1/ 3
⎡ 16 ⎤
ds = ⎢ . 7202162 + 6752672 ⎥
⎣⎢ π .6000 ⎦⎥
ds=9,42 polegadas

(e)- Diâmetro escolhido para o eixo

dsh=10 polegadas

234/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
(f)-Tensões no eixo sob condições severas

• Tensão cisalhante máxima devida torção


16.Mt 16.675267
τ max = = = 3439PSI
π .d 3 π .103

• Tensão normal máxima devida flexão


32 Mf 32.720216
σ max = = = 7336PSI
π .d 3 π .103

(g)-Cargas nos mancais

• Em condições de operação normal

⎛ l − Sb ⎞ ⎛ 252 − 14,5 ⎞
R1(Mancal Superior) = Fh⎜ ⎟ = 695⎜ ⎟ = 11383lbf
⎝ Sb ⎠ ⎝ 14,5 ⎠
⎛ l + Sb ⎞ ⎛ 252 + 14,5 ⎞
R2(Mancal Inferior) = Fh⎜ ⎟ = 695⎜ ⎟ = 12773lbf
⎝ Sb ⎠ ⎝ 14,5 ⎠

Fig.11.8

235/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

ΣVi = 0 ⇒ V1 + 695lbf = V 2
ΣMi = 0 ⇒ MV1 + MV2 + MFh = 0
Usando o ponto 1 como referencia
⇒ 0.V1 + 14,5.V 2 − (14,5 + 252 ).695 = 0
⇒ 14,5V2 − (266,5).695 = 0
⇒ 14,5V2 = 185217,5
⇒ V2 = 12773lbf
V1 + 695lbf = V2
V1 = V2 − 695
V1 = 12773 − 695
V1 = 12078lbf

(f)-Deflexão no eixo em operação

• Deflexão do eixo
F .L3 F .L3 64.F .L3
Δ max = = =
3.E.. I ⎛ π .d sh4 ⎞ 3.E.π .d sh4
3.E.⎜⎜ ⎟⎟
⎝ 64 ⎠
64.(695).(252) 3
Δ max = = 0,25 pol
3.(29,8E 6).π .10 4

• Deslocamento da extremidade da pá do impelidor

448.F .L3 448.(695)(252) 3


x= = = 0,59 pol
9.E.π .d sh4 9.(29,8E 6).π .104

236/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
(g)-Deflexão no eixo em condições severas de emperramento do
impelidor(FS=2,5)

• Deflexão do eixo
F .L3 F .L3 64.F .L3
Δ max = = =
3.E.. I ⎛ π .d sh4 ⎞ 3.E.π .d sh4
3.E.⎜⎜ ⎟⎟
⎝ 64 ⎠
64.(2858).(252) 3
Δ max = = 1,04 pol
3.(29,8E 6).π .104

• Deslocamento da extremidade da pá do impelidor

448.F .L3 448.(2858)(252) 3


x= = = 2,43 pol
9.E.π .d sh4 9.(29,8E 6).π .104

11.2.6 – FADIGA DE MATERIAIS E FRATURAS


Feito a análise e a identificação das cargas e tensões que ocorre em um eixo de
agitador quando em operação, achamos conveniente fazermos uma introdução e
procurar ressaltar alguns aspectos mais profundos do projeto deste eixo
relacionados com a possibilidade de falhas e fraturas. Este capítulo não pretende
aprofundar-se nesta matéria, mas tão somente enfatizar a importância que deve
ser dada ao mecanismo de fadiga e fratura de materiais, mostrando as bases da
ocorrência do mesmo e as teorias que permitem sua análise e prevenção.

A ocorrência de falha do eixo geralmente é devido ao mesmo ser submetido às


cargas e forças que o submetem a tensões que ultrapassam o limite de
escoamento do material, ou então devido ao que se denomina de fadiga do
material. No primeiro caso a falha ocorre quando o eixo é subitamente submetido
a uma carga elevada o suficiente para deformar plasticamente o seu material.

O caso de falha por fadiga apesar de ser complexo, pode ser definido em última
instância como sendo a situação onde as tensões a que é submetido o eixo são
altas o suficiente para iniciar uma pequena trinca no material, que devido à
alternância e continuidade da aplicação destas tensões, produzirá o crescimento
desta trinca até a ocorrência da fratura do eixo. A figura 11.9 nos dá uma visão do
tipo de tensão flutuante provocadora de falha por fadiga.

237/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Das teorias existentes para estudo de falhas em elementos de máquinas as mais


utilizadas são; a Teoria da Tensão Normal Máxima, a Teoria da Tensão
Cisalhante Máxima e a Teoria da Energia de Distorção.

A Teoria da Tensão Normal Máxima é creditada ao inglês Rankine e vem a ser


a mais simples das teorias de falha de materiais. Ela estabelece que a falha
ocorre sempre que a maior tensão principal se iguala ao limite de escoamento ou
à resistência à ruptura do material.

Se σ for designada para representar a maior tensão, então a teoria da tensão


normal máxima estabelece que a falha ocorra sempre que σ=σesc ou σ=σrupt,
sendo σesc o limite de escoamento e σrupt o limite de ruptura do material.

Esta teoria é importante para fins de comparação somente, sendo que as suas
previsões nem sempre concordam com a experiência e pode até conduzir a
resultados que estão na faixa de insegurança. Deste modo temos as falhas por
escoamento e rupturas ocorrerão sempre que;

σ = σ esc E σ = σ rupt [11.16]

Podemos definir para esta teoria um critério de segurança, usando um fator de


segurança, n. Deste modo obtém-se a segurança do elemento sempre que;

σ esc σ rupt
σ= E σ = [11.17]
n n

A Teoria da Tensão Cisalhante Máxima foi proposta originalmente pelo cientista


francês Coulomb. Esta é uma teoria fácil de utilizar, e produz resultados seguros
quando contrastados com os testes, sendo muito empregada nos códigos de
projeto. Ela é usada somente para a previsão do escoamento e, portanto só se
aplica aos materiais dúteis. A teoria da tensão cisalhante máxima estabelece que
o escoamento comece sempre que a tensão cisalhante máxima em uma peça
torna-se igual à tensão cisalhante máxima em um corpo de prova de tração,
quando inicia o escoamento. Deste modo, de acordo com esta teoria, a falha por
escoamento ocorrerá sempre que:
σ esc
τ máx = [11.18]
2

238/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Observar que esta teoria prevê que o limite de escoamento ao cisalhamento seja
metade de limite de escoamento à tração do corpo de prova. Podemos também
definir a segurança, como sendo:

σ esc
τ máx = [11.19]
2.n

A Teoria da Energia de Distorção, creditada à Hueber, Von Mises e Hencky, e é


também conhecida como teoria da energia de cisalhamento e teoria de Von
Mises-Hencky. Tal qual a teoria da tensão cisalhante máxima, ela é empregada
para definir o início do escoamento do material e presta-se aos materiais dúteis.

A observação de que os materiais dúteis possuíam limites de escoamento muito


acima dos valores dados pelos testes de tração originou esta teoria. Postulou-se
que o escoamento não era somente um fenômeno decorrente da tração ou
compressão, sim relacionado de algum modo à distorção angular do elemento
tensionado.

Nesta teoria a falha ocorre quando a energia total de deformação atinge um valor
igual à energia total de deformação de um elemento de um corpo de prova
submetido a um teste de tração na ocasião do escoamento. A tensão equivalente
ou tensão de Von Mises é dada por;

σ mises = σ 2 + 3τ 2 [11.20]

Nas falhas de componentes de máquinas que foram submetidos às tensões


repetidas, alternadas ou flutuantes observa-se frequentemente que sob uma
análise mais cuidadosa que as tensões a que estes componentes estavam
submetidas possuíam valores bem abaixo da tensão de resistência do material e
quase sempre ata abaixo do limite de escoamento. A característica marcante
neste tipo de falha vem a ser a alternância, repetição ou flutuação das tensões
aplicadas em um número muito grande de vezes, ver figura Fig. 11.9. Dá-se o
nome de Fadiga a este tipo de falha. Uma falha por fadiga começa com uma
pequena fissura que não se pode detectar a olho nu. Esta fissura aparecerá em
um ponto de descontinuidade do material, como uma mudança de diâmetro da
seção de um eixo, um rasgo de chaveta ou um furo ou mesmo uma irregularidade
causada por usinagem. Uma vez iniciada a fissura, o efeito concentrador de
tensões deste ponto irregular torna-se maior e a fissura progride à medida que as
tensões alternadas ocorrem.

239/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
À medida que a área tensionada diminui de tamanho devido ao aumento da
fissura, a tensão aumenta de intensidade até finalmente ocorrer à ruptura da
peça. Conhecendo-se este mecanismo de falha, é possível estabelecer requisitos
de projeto para um elemento de máquina que impeça que sua falha por fadiga. É
de extrema importância quando do projeto de um eixo, que sejam observados os
fatores modificadores de resistência à fadiga e os fatores concentradores de
tensões.

Fig.11.9 – Tipos de tensões de fadiga

Desde modo devemos basear o projeto do eixo do agitador na resistência à


fadiga e não nas resistências ao escoamento ou à ruptura do material. Projetos
feitos na base da tensão média nominal (F/A, Mc/I, Mt/J), com fator de segurança
tomado em relação à resistência ao escoamento e à ruptura, não leva em
consideração os efeitos do estado da superfície, falhas de material,
descontinuidade da seção, vida esperada, etc.

Muitas vezes usamos para se cobrir destes efeitos desconhecidos, e dependendo


do grau de importância e do tamanho do agitador utilizamos fatores de segurança
ordinariamente grandes. Mesmo assim falhas inesperadas ocorrem comprovando
que fatores de segurança baseados no escoamento ou ruptura do material são
em grande parte, um fator de desconhecimento para nós.

240/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Para se determinar o limite de resistência à fadiga, um corpo de prova é colocado
em uma máquina, carregada com uma carga de flexão e posto a girar. Esta carga
produz esforços de tração nas fibras do material de um lado e compressão no
outro, de modo que ao girar o tipo de esforço é invertido para cada fibra do corpo.
Observa-se que existe uma relação entre o limite de fadiga de um elemento de
máquina e as resistências dos materiais obtidas a partir de testes de tração e
rotativos em corpos de prova.

Este limite de resistência do elemento de máquina pode ser consideravelmente


menor do que o limite de resistência do corpo de prova, se não observarmos
determinadas correções a qual se denomina fator modificador do limite de
resistência, de modo que podemos escrever;

σ n = σ n' .k a .k b .k c .k d .k e .k f [11.21]
Onde:
σn=limite resistência à fadiga da peça
σ’n=limite resistência à fadiga do corpo de prova no teste de
flexão rotativa
ka=fator de acabamento superficial
kb=fator de tamanho da peça
kc=fator de confiabilidade
kd=fator de temperatura
ke=fator concentrador de tensões
kf=fatores diversos

Deste modo o projeto e fabricação do eixo do agitador adquirem uma importância


extrema, particularmente nos agitadores de grande porte onde as cargas
desenvolvidas são elevadas. Cuidados extremos devem ser tomados ao
projetarmos e fabricamos o eixo, seus rasgos de chavetas, furos, transições entre
diâmetros, tipos de acabamento de superfície, etc.

241/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 11.10 – Fatores concentradores de tensão para eixos submetidos à flexão e carga axial

Fig. 11.11 – Fator concentrador de tensão para eixo submetido à torção

242/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
11.6 - ACIONADOR
Ao selecionar um acionador para um agitador, deve ser considerado que a potência do
mesmo será sempre maior do que aquela obtida durante os cálculos anteriores que nos
determinava as potências absorvidas pelos impelidores.

Devemos considerar que a potência instalada de um acionador sofre perdas através dos
diversos mecanismos de transmissão até atingir o impelidor, perdas estas que são
geradas pelo sistema de transmissão que pode ser um redutor de velocidades ou
sistema polias e correias, uma caixa de gaxetas, defletores, draft tube, serpentinas e
outros acessórios.

A escolha de um acionador seja elétrica ou não, é dada pela seguinte fórmula.

Pabs
Pacionador =
η total

Onde ηtotal é o valor representativo das perdas geradas pelos diversos componentes
citados anteriormente. Adota-se com freqüência um rendimento total do sistema
variando de 0,7 a 0,8, que são distribuídos da seguinte maneira:
η total = η polias / correias .η redutor .η selagem .η acessórios

Os subsistemas que compõem o agitador possuem rendimentos individuais que variam


de acordo com o fabricante, tipo de material, etc.
η polias/correias =0,90 ( 90%)
η redutor =0,60-0,80 para coroa-sem fim
0,90-0,95 para engrenagens helicoidais
Caixa de gaxetas =0,5 – 1,0 hp em média
Selo mecânico =0,2 hp em média

Os acionadores mais utilizados são os motores elétricos, podendo ser os mesmos de


indução, síncronos e corrente contínuos. Algumas aplicações, particularmente aquelas
em áreas de risco de explosão, requerem que os acionadores sejam do tipo pneumático
ou hidráulico.

243/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
11.7 – SISTEMAS DE TRANSMISSÃO
Quase que na totalidade das aplicações de agitadores mecânicos, é necessário reduzir-
se a rotação do acionador. Esta redução é possível de ser feita através de redutores de
velocidades de engrenagens e sistemas de polias e correias.

11.7.1 – SISTEMA POLIAS E CORREIAS


Este sistema de redução de velocidades é o mais simples e econômico que se
pode utilizar em um agitador, particularmente naqueles de pequenas e médias
dimensões. As vantagens da sua utilização são o baixo custo do sistema, a
possibilidade de alteração da rotação permitindo flexibilidades no agitador, sua
utilização como fusível mecânico, etc. As desvantagens são as baixas relações
de redução com valores que não passam de 1:5, uma manutenção mais
acentuada e um rendimento muito baixo quando comparado com redutores de
velocidade.

Fig. 11.12 – Unidade redutora de polias e correias

11.7.2 – REDUTORES DE ENGRENAGENS


Quando utilizamos redutores de velocidade de engrenagens, temos como
garantia uma transmissão de potência com alta eficiência, vida útil longa, pouco
espaço ocupado, pouca manutenção, etc.

244/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
Estas vantagens são obtidas quando selecionamos o tipo correto de redutor e o
tamanho mais apropriado para determinada aplicação. Temos no mercado uma
vasta gama de marcas, tipos, preços, qualidade, etc. permitindo a escolha ideal
do redutor para cada aplicação de agitador. Na seleção de um redutor, além do
mesmo ter que atender a potência consumida pelo agitador e os diversos
componentes existentes, leva-se em conta um fator de segurança que permitirá
ao redutor trabalhar por longo tempo. As maiorias dos fabricantes apresentam
nos seus catálogos, procedimentos de seleção, com tabelas que classificam os
tipos de cargas, fatores de serviço, etc.

11.7.3 – VARIADORES DE VELOCIDADES


Em algumas situações de processo, um agitador pode necessitar de variar sua
rotação. Esta variação de velocidades pode ser obtida através da própria unidade
acionadora ou instalando-se componentes entre o motor e redutor que permite
esta variação.

11.7.3.1 – MOTORES COM DUPLA OU TRIPLA POLARIDADE


Estes motores são facilmente encontrados no mercado e nos permite obter
rotações fixas e diferenciadas no agitador.

11.7.3.2 – VARIADORES DE FREQUÊNCIA


Pode-se obter a variação da rotação de um motor de indução, alterando a
freqüência de alimentação do mesmo através de componentes
denominados de inversores de freqüência. Existem no mercado várias
companhias que já fornecem tal componente para potências que atingem
potencias de motores elevadas. Sua aplicação é vantajosa por ser um
equipamento que é instalado na própria linha de alimentação do motor,
permitindo assim, ser usado em agitadores de rotação fixa já existente.

11.7.3.3 – VARIADOR ELETRO-MAGNÉTICO


É uma embreagem eletro-magnética que permite um escorregamento
constante, independente da carga aplicada. Seu controle consiste na
variação da excitação da bobina, o que provocará um aumento ou
diminuição do fluxo magnético que por sua vez modifica a força de arraste
do eixo ligado ao motor. Pode ser controlado a distância.

245/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
11.7.3.4 – VARIADOR DE POLIAS VARÍAVEIS
São componentes muito utilizados em agitadores por se tratar de um
componente simples, robusto e com possibilidade de acoplar no redutor de
engrenagens. É constituído de duas polias variáveis ligadas por uma
correia plana. Tanto a polia motora quanto a acionada é constituída de dois
discos cônicos pressionados um contra o outro através de molas na polia
acionada e por um regulador de afastamento na motora, ver Fig. 11.13.

Fig. 11.13 – Variador de velocidades de polias variáveis

A variação da distância entre estes dois discos permite à correia trabalhar


num diâmetro maior ou menor, dando-se assim a diferenciação de
velocidade de uma em relação à outra. Conseguimos variações de 1:4
para potências de até 25 cv, de 1:6 até 15 cv e 1:8 até 4 cv.

O rendimento destes variadores é da ordem de 80 a 85% para baixa


redução e até 50% para as reduções maiores. Nestes componentes
sempre há um pequeno escorregamento das correias que pode chegar até
3%, limite máximo para manter a integridade da correia.

246/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
11.7.3.5 – VARIADOR DE POLIAS TIPO REEVES
São variadores semelhantes aos anteriores com a diferença da polia
acionada ser plana. A variação é feita acionando o fuso da base porta-
motor que altera a distância do conjunto motor-polia expansiva em relação
à polia conduzida, sendo que este movimento deverá ser efetuado com o
conjunto em funcionamento (Fig. 11.14). Sua capacidade de variação
máxima é de 1:3 podendo ser aplicada até potências de 10cv.

Fig. 11.14 – Variador de velocidades tipo Reeves

11.7.3.6 – VARIADOR POSITIVO INFINITAMENTE VARIÁVEL


Em princípio este tipo de variador é semelhante ao de polias variáveis,
sendo sua diferença que ele utiliza correntes de lâminas e discos cônicos
ranhurados radialmente. Estes componentes permitem relações até 1:6 e
rotações infinitamente variáveis.

247/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig. 11.15 – Variador positivo infinitamente variável

11.7.3.7 – VARIADOR DE CONES PLANETÁRIOS


São componentes variadores compactos, que permitem variação de
velocidades desde zero até 1000 rpm. A rotação do eixo de entrada é
transmitida através do disco de entrada para os cones, que adquirem
movimento de rotação. Ao mesmo tempo os cones giram ao longo da
superfície interna do anel fixo. O movimento de rotação dos cones é
transmitido para o disco de came, que é acoplado ao eixo de saída através
do came do sistema autocompensador de pressão. Embora o anel não
gire, ele pode ser deslocado axialmente por meio de um volante. Quando
o anel está na posição de alta velocidade, os cones adquirem alta rotação
e movimento de translação lenta ao longo da superfície interna do anel.
Esta rápida rotação dos cones é transmitida para o disco de came,
resultando em alta velocidade de saída. Movendo o anel para a posição de
baixa velocidade, a rotação dos cones decresce e aumenta a velocidade
de translação ao longo da superfície interna do anel. Resultando em baixa
velocidade de saída. A velocidade de saída zero é alcançada quando o
ponto de contato do anel no cone tem o mesmo diâmetro do ponto de
contato do disco de came (Fig.11.16).

248/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

Fig.11.16 – Variador de cones planetários

249/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica
ANEXOS

TABELA 1 – Extraído de artigo técnico da Chemineer-Kenics

GRAFICO 1 – Extraído de artigo técnico da Chemical Engineering

250/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

GRAFICO 2

251/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

GRAFICO 3

252/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

253/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

GRAFICO 4

254/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

GRÁFICO 5 – Velocidade Terminal de Partículas

255/285
Boletim 0-000

BENEFICIAMENTO
Agitação Mecânica

GRÁFICO 6 – Determinação do Número Ф

256/285