You are on page 1of 112
0473 74.0615 FICHA CATALOGRAFICA (Preparada pelo Centro de Catstogagao-na-fonte, Camara Brasileira do Livzo, SP) Chociay, Rogerio. ‘Teoria do Verso. S40 Paulo, McGraw-Hill do Brasil, 1974 P. 1. Poética 2. Portugués — Versificagio 3, Versificagao | L Titulo. cDD-808.1 469.6 Ince para catdlogo sistemtica 1. Poética : Retbrica : Literature 808.1 2. Versificacaa : Portugués : Lingiistica 469.6 3. Versificagao : Retorica: Literatura 808.1 4, Verso : Técnica : Literatura 808.1 R238 VAS TEORIA DO VERSO Rogério Chociay (Professor de Teorla do Verso Faculdade de Filosofia, Cigneias e Letras Universidade Catélica do Parand) EDITORA McGRAW-HILL DO BRASIL, LTDA SAO PAULO Bogoti RIO DE JANEIRO Dusseldost BELO HORIZONTE Johannesburg PORTO ALEGRE Kuala Lumpur London México Montreal New Dethi New York Panam St Louis San Pranciseo ‘Singapore Sydney Toronto Copyright © 1974 da Editora McGraw-Hill do Brasil, Ld Nenhuma parte desta publicacSo poderi sor reproduzida, guardada polo sistema “re- trieval” ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro mei, sea este eetroni- £0, movinico, de fotocspia, de gravacio, ou outros, sem prévia autoritagdo por eseito dt Editors, 194 Todos os direitos para lingua portuguesa reservados pele EDITORA McGRAW-HILL DO BRASIL, LTDA. Av, Rio Branco, 156 5/2614 RIO DE JANEIRO GUANABARA Rua Tabapua, 1105 SAO PAULO ESTADO DE SAO PAULO ‘Av, Afonso Pena, 768 5/1012 BELO HORIZONTE MINAS GERAIS, Ay, Alberto Bins, 325 5/29 PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL Impresso no rast Printed in Brazil PREFACIO NOTA PREVIA 1. Metro e ritmo 2, Nogies elementares : 4 3. Os versos e suas medidas 7 . sll 4, Processos de acomodaclo........ eet at 5. Receitae realizagao dos versos ..... we 34 6. Andamento dos versos re ce 61 7. Tipologia dos vers0s eee eee eee eee -81 8, Aunidade funefonal do poems 145 9. A estrofe e suas denominagses 151 10. As cadénciassidbice e acentual 154 11. Dinamiea da estrofe 161 12, O andamento fonieo e seus processos oe. eee 167 13. A cadéncia fonica: ima... z 174 14, 0 indice de reiteragdo fonica na ima 179 15, Posicionamento das rimas ....,, cee 194 NOTA FINAL Sahat ted le 200 INDICE ANALITICO 7 : 202 PREFACIO A caracterfstica principal do Professor Rogério B. Choviay, nesta bela Teoria do Verse, parece-nos ser a diligente, minuciosa, firme consciéncia com ‘que examina a matérie, de modo # expor a sua verdade, que pode coincidir ou nfo com 0 modo de ver de antecessores seus. Argumento de eutoridade para le ndo existe; existe apenas a convieezo com que chega 205 seus resultados, ‘1, se no pode atingilos, com que reconhece estar diante de um problema a ser soluclonado, Sendo pois fruto da reflexto, a Teoria do Verso se distingue da maior parte dos livros que circulam em nosso meio sobre versificagio, manuals fastidiosos ou festivos que se repetem uns aos outros, sem desconfiar de nada, nem inovar coisa alguma. Rogério Chociay no produziu um livro de repetigo, mas um livro rico de informagGes sobre o nosso verso medido, habil © GU para (odo v periodo que vein dos dicales & alinge os prOprios poetas modemos do Brasil, quando metrificam. Um livro, pois, que explica no s6 a técnica dos roménticos como a posterior, implantads aquém-mar com a obedigneia aos principios adotados por Castilho ©, scessoriamente, com 0 papamento de razodvel tributo aos manuais franceses. (0 autor nfo cuida apenas dos versos canonicamente construfdos, mas também dos que se desviam do cédigo versificatdrio de seu tempo, sendo 0 seu trabalho, em conjunto, o mais completo que conhecemos nesse campo; € também no campo, mais vasto, da restituigdo de versos a0 seu cédigo original, que pode nao ser o cédigo de nossos dias, como se dava com a versificago romantica. E leva tudo isso 2 cabo, mais a andlise do andamento fonico dos versos, com o vocebulério téenico mais simples possivel, a0 contrério de tantos estudiosos atuais, que desvirtuam ou inovam o sentido mais ou menos consagrado dos termos de Postica, ou inventam outros para fenémenos jé denominados, construindo um verdadeiro cipoal onde o intrincamento longe estava de ser necessério. Em suas linhas gerais © nos particulares, 0 livro do Professor Chociay parece-nos solidamente constra‘do ¢ inegavelmente meritério, pela amplitude © percuciéncia de sua andlise, Netural que, num ponto ou noutro, possamos ter opinigo diversa da do jovem esticélogo, cujo livro & de longe, nfo obstante, o mais sugestivo de que temos noticia sobre 0 assunto, em nossa Lingua. Assim, deixando de lado observagdes de pequena monta, e atendendo a pedido do’ proprio autor, no sentido de que expresséssomos possiveis divergéncias remanescentes, queremos fixar-nos apenas num ponto. Ndo nos parece que deva ser desprezada tao de plano a possibilidade de se evidenciar ‘metricamente um acento semiforte na segunda sileba metat6nica dos proparoxitonas. Em 2.6.2, aponta Chociay que a alternincia quaternéria pode Ser encontrada em seqiiéncias que envolvam vocabulos proparoxitonos, como em “pincaros awuis”, ~——— ©, “seqiiéncias que, de resto, nfo se reduzem dois bindrios, como querem alguns estudiosos”.