You are on page 1of 14

VIAJANDO COM

Alergia ao l e i t e d e v a c a
GUIA PRÁTICO
UM GUIA
PARA VIAGENS
E PASSEIOS
“Pior que não terminar uma viagem
 é nunca partir”
Amyr Klink

VIAJAR COM UMA CRIANÇA QUE TEM ALERGIA ALIMENTAR PODE TRAZER
ALGUMAS PREOCUPAÇÕES INICIAIS, MAS, NESTE GUIA, VAMOS MOSTRAR
QUE, COM PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO, TUDO SE ACOMODA!

Começando do começo...
O que é alergia ao leite de vaca (APLV)??
1) O QUE É ALERGIA AO LEITE DE VACA (APLV)

A APLV é uma reação do sistema de defesa do


organismo às proteínas do leite de vaca.

Quando uma criança com APLV consome alimentos


que possuem as proteínas do leite, o organismo as
reconhece como uma substância estranha e produz
anticorpos e/ou células inflamatórias para combatê-
las.

Em decorrência dessa reação a criança pode


apresentar sintomas gastrintestinais, de pele,
respiratórios e gerais.

Sinais e sintomas comuns na APLV


Gastrintestinais Cutâneos Respiratórios Gerais
-Regurgitação frequente -Urticária (placas -Coriza -Baixo ganho de peso e
-Vômitos vermelhas na pele) - Obstrução nasal crescimento
-Dificuldade p/ engolir -Dermatite atópica (“pele -Chiado e tosse -Anafilaxia (coceira e
-Sensação de alimento grossa, com descamação -Respiração difícil vermelhidão na garganta e
parado na garganta; e/ou feridas”) (quando não associados no corpo, acompanhada de
-Cólicas intensas -Inchaço dos lábios e olhos a infecções ou outras dificuldade para respirar,
-Recusa alimentar e falta -Coceira nos olhos e na alergias) queda de pressão e,
de apetite pele nos casos mais graves,
-Diarreia -Olhos vermelhos e “fechamento”da garganta).
-Diarreia com sangue lacrimejando
-Sangue nas fezes
-Intestino Preso
-Assadura perianal
Planejando...
PARA QUE A FAMÍLIA POSSA CURTIR A VIAGEM, É IMPORTANTE QUE SE DEFINA
QUAL O DESTINO E QUAL A DURAÇÃO DO PASSEIO. A PARTIR DAÍ, AS DICAS VÃO
VARIAR EM FUNÇÃO DO MEIO DE TRANSPORTE, TIPO DE HOSPEDAGEM, TEMPO
DE DURAÇÃO E QUAL A INFRAESTRUTURA DISPONÍVEL.
Para viagens de carro ou ônibus, levar opções de comidas para consumo
durante a viagem, como frutas frescas, secas e biscoitos. Caso a

TranspoArDtAe viagem seja longa, é importante levar uma opção de refeição reforçada.
Vale pensar em ter “na manga” algo que não precise ser aquecido,
PÉ NA ESTR como seleta de legumes (cenoura e chuchu cozidos, misturados com
ervilha e milho e temperado com azeite e sal) ou sanduiche com patê
de frango, desde que acondicionados em recipiente térmico que os
mantenha refrigerados. Pessoas com alergia grave, que reagem ao
inalar o alérgeno mesmo sem consumi-lo, devem estar atentas para
os riscos de reações em espaços de convívio público e ter a medicação
prescrita pelo médico para o caso de reação.

Para que possa justificar a necessidade de transporte de

Transporte
alimentos, recomenda-se que o passageiro leve declaração
médica atestando a necessidade de dieta especial e que observe
IÃO
NAS ASAS DO AV
os limites de peso e dimensão das bagagens de mão e das que
serão despachadas, lembrando que as companhias áreas
podem recusar a entrada de bagagens que exalem cheiro
ou que estejam molhadas.
Em voos internacionais (ou voos internos, mas que fazem conexão com outros internacionais), existe
uma regra que limita os líquidos em 100 ml, mas admite-se que o passageiro carregue na bagagem
de mão medicamentos, fórmulas para bebês e alimentos especiais (devidamente embalados), desde
que tenha consigo a declaração médica atestando a necessidade de dieta especial, a
necessidade de carregar tais itens e que o passageiro declare antecipadamente na
inspeção da segurança. Recomenda-se que a quantidade de alimentos levada a bordo
seja compatível com o tempo de duração da viagem.
É importante checar junto à autoridade competente se há restrições específicas no
destino, já que existem países que não autorizam o transporte de alimentos frescos (não
industrializados), como EUA e Europa. Neste caso, a melhor opção é levar produtos
industrializados na bagagem e verificar antecipadamente com a companhia aérea
sobre a possibilidade de oferecer produtos livres dos alérgenos no destino.
No caso de alergias com reações graves, não se esqueça de deixar a medicação à mão.
Ao selecionar o tipo de hospedagem é importante considerar se o local:
Tem acesso a alguma cozinha ou copa;

TranspoErMte
Possibilita o uso de geladeira, freezer ou frigobar;
Promoverá alguma festa (aniversário, festa junina ou baile de
carnaval, por exemplo) para que você possa pensar em opções
HOSPEDAG
para esse momento.
O acesso a esse tipo de estrutura possibilita que as famílias levem
algumas opções de refeições prontas, preparadas previamente, ou
improvisem algum alimento em casos de emergência.

Se o local escolhido for um hotel, resort ou pousada é recomendado que os responsáveis entrem em contato com
antecedência para informar que a criança que irá se hospedar possui alergia alimentar. É importante perguntar
se o quarto possui frigobar e se o mesmo se mantém ligado após a retirada da chave eletrônica (que interrompe
a energia elétrica do cômodo).
Alguns hotéis deixam mimos como bombons, salgadinhos ou amendoins no quarto
ou achocolatados e alimentos com leite no frigobar. Nesse caso é importante pedir
para que não sejam oferecidos a fim de evitar acidentes.
Vale à pena checar se a equipe de recreação costuma oferecer doces para as crianças
durante as brincadeiras.

Os contatos telefônicos tendem a ser mais produtivos, mas é importantíssimo consolidar


tudo o que foi dito e combinado em um e-mail ao responsável pela reserva, de modo
que sirva de documento caso haja questionamentos no momento da
hospedagem.

“Sempre que vou a um hotel ou casa com mais


pessoas, procuro já deixar a próxima refeição bem
esquematizada (onde vou aquecer e do que vou
precisar). Assim, fico mais tranquila na hora de
oferecer a comida.”
Maria Cecília Cury
Sabemos que as crianças com alergia alimentar não devem consumir
alimentos que possuem as proteínas que lhes causam alergia e que
nem sempre é possível controlar a presença de traços em alimentos

Preparando preparados fora de casa. Assim, uma sugestão durante as viagens


é levar consigo algumas refeições porcionadas para que não haja
AS REFEIÇÕES preocupações. Para tanto, é preciso calcular o período de viagem e a
variedade de alimentos que será necessária, incluindo, as opções para
eventuais festas.
As refeições deverão ser armazenadas em recipiente de vidro ou plástico com tampa, etiquetadas com o nome
do alimento e a data de preparo e congeladas no dia em que foi preparada. Caso seja necessário armazená-las
na cozinha do hotel o ideal é que sejam guardadas dentro de saco plástico transparente para evitar manipulação
ou contato indevido com alérgenos.

Dica da mamãe: para não passar a véspera da viagem cozinhando


é importante ir preparando as porções com antecedência,
aproveitando as refeições oferecidas no dia-a-dia.
Opte, sempre que possível, por opções que dispensem
refrigeração: bolachas (salgadas ou doces), bisnaguinha
caseira, biscoito de polvilho, todos isentos de leite ou do
alimento que a criança é alérgica. Em alguns casos, como o
de confraternizações durante a viagem, é importante levar
opções de doces que a criança possa comer: flocos de arroz
caramelizado, goiabada, bananada, balas e chocolates
(isentos de leite e soja), enfim, guloseimas que a criança esteja
habituada a comer.
Alimentos e refeições perecíveis deverão ser armazenados e
refrigerados adequadamente a fim de garantir sua segurança
microbiológica.
Kit Primeiros Socorros com medicamentos com os
quais estejam acostumados (antitérmico, termômetro,
O QUE NÃO antialérgicos, corticoides, adrenalina, a depender da pres-
PODE FALTAR crição médica individualizada);
NA BAGAGEM
Documentos pessoais e do plano de saúde para eventual
emergência (pesquisar antecipadamente qual é o pronto
socorro mais próximo, checar se há cobertura do plano de saúde e deixar o endereço
anotado junto aos demais documentos, assim como os telefones dos médicos respon-
sáveis pelo acompanhamento);

Se for para o exterior é importante levar uma declaração médica devidamente tradu-
zida para eventuais emergências e cartões traduzidos indicando quais as restrições
para apresentar em restaurantes, por exemplo;

Algumas crianças mais sensíveis ou que ainda não se comunicam com segurança po-
dem precisar de um crachá ou pulseira de identificação contendo nome, telefones dos
responsáveis e indicação de que esta criança tem alergia;

Alimentos industrializados isentos de leite ou de outros ingredientes que a criança


não deverá consumir (nunca sabemos o que vamos encontrar longe de casa);

A depender da sensibilidade, utensílios para preparo e consumo das refeições como


panela, frigideira, espátula, talheres, pratos, copos, tábua e faca para cortar frutas,
que podem ser armazenados em um recipiente, o que facilitará
lavagem e posterior armazenamento, além de panos de prato,
esponja, toalhinha ou jogo americano;

Lenço umedecido e álcool.


Panqueca estilo americano:

Modo de preparo:
AS
RECEITAS PRÁTIC Colocar os ingredientes secos em uma vasilha e mexer.
PARA VIAGENS Adicionar aos poucos o ovo batido e metade da água e mexer
lentamente. Adicionar o restante da água e misturar até formar
uma massa homogênea.
Aquecer frigideira, colocar fio de óleo e despejar com o auxílio
de uma concha uma pequena quantidade de massa que cubra o
fundo da frigideira. Virar a massa para fritar do outro lado.
Após esfriar, embalar uma a uma em papel filme e congelar.
• 1 copo americano de
farinha de trigo Para descongelar, retire o papel filme e embale em um
• 200ml de água guardanapo de papel para preservar umidade.
• 1 ovo
• Pitada de sal
• 2 col. (sopa) de açúcar
Dica da mamãe:
• 2 col. (chá) fermento em pó sem Esta receita sempre me ajuda muito em café da manhã de
leite hotel. Outra opção é cortar no formato de um retângulo e
• 1 col. (chá) de essência de baunilha
colocar em um palito de churrasco para ser usada como
• Óleo vegetal para fritar
substituto de crepes no palito.

Patê de frango

Modo de preparo: • 1/2 quilo de peito de frango 



Cortar em cubos, colocar em uma panela e cobrir • 100ml de água do cozimento
do frango 

com água. Quando estiver cozido, desligue o fogo, • 2 tomates picados sem pele
espere esfriar e desfie o frango. Reserve a água do e sem sementes 

cozimento. Em uma panela refogue a cebola. • 1 cebola pequena picadinha 

• 3 col. (de sopa) de azeite 

No azeite, depois acrescente o tomate o champignon • 2 col. (de sopa) de farinha de trigo 

e o frango. Dissolva a farinha de trigo na água de • champignhon ou azeitona 

cozimento do frango e despeje-a lentamente na • sal a gosto
mistura, mexendo até engrossar. Quando a mistura
estiver dourada e cremosa desligue o fogo. Dica da mamãe: pode usar também alecrim,
orégano ou outro tempero de sua preferência.
Cream cracker:

Misturar a farinha , fermento e sal, depois adicionar óleo e água e


mexer com a mão até formar uma massa homogênea. • 1 copo americano de farinha
de trigo
Abrir com o rolo sobre uma superfície lisa de modo que fique uma
• 1/2 col. (sobremesa) de sal
massa bem fina. Cortar em formato circular e fazer furinhos na • 1 col. (sobremesa) de
superfície com a ajuda de um garfo. fermento em pó sem leite
Assar em assadeira untada com óleo e enfarinhada, em forno médio • 4 col. (sopa) de óleo de milho
por 30 min. • 1 xícara de café de água
(70 ml de água)

Dica da mamãe: estes biscoitos são sempre uma boa pedida


para a hora da fominha. É possível usar cortadores ou partir em
quadradinhos com uma faca.

Biscoito de chocolate:

Bater a manteiga com o açúcar em uma batedeira até formar um


creme. Acrescentar a farinha de trigo, o chocolate, o sal e misturar
bem. Por último acrescentar o fermento. A massa • 100 g de creme vegetal sem leite
trigo
deverá ficar úmida e homogênea. • 1 copo americano de farinha de
• 1 copo americano de chocolate em
Deixar descansar meia hora e em
pó sem leite
seguida fazer pequenas bolinhas e
• 1/4 xíc. (chá) de açúcar
amassar com um garfo. • 1/4 col. (chá) de sal
Assar em assadeira • 1 col. (chá) de fermento em pó sem
untada com óleo vegetal e leite
enfarinhada, em forno médio
pré aquecido por 15 minutos.

Dica da mamãe: estes biscoitos são uma delícia!


Minha família adora!
nais
Informações adicio
IVAS:
TABELAS ORIENTAT

QUADRO 1 - ALIMENTOS E INGREDIENTES QUE POSSUEM PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA E


DEVERÃO SER RETIRADOS DA DIETA.

Leite e derivados Ingredientes que indicam a presença de leite


- Leite de vaca (todos os tipos: integral, desnatado, - Soro do leite, sólidos do leite
semi-desnatado, evaporado, condensado, em pó, fluído, - Soro: isento de lactose, de concentrado
desidratado, maltado, sem lactose) de proteínas, desmineralizado
- Leite e queijo de cabra, ovelha e búfala - Proteína do soro, Whey protein
- Queijos (todos os tipos) - Caseína
- Requeijão, cream cheese, cottage - Caseinato (todos os tipos: de amônio, cálcio,
- Nata, coalho, coalhada, soro de leite magnésio, potássio ou sódio) estabilizantes caseinato de
sódio
- Creme de leite, molho branco
- Fermento lácteo
- Iogurte, leite fermentado, petit suisse
- Lactoalbumina, Lactoglobulina
- Bebida láctea
- Fosfato de lactoalbumina
- Manteiga
- Lactoferrina
- Ghee (manteiga clarificada)
- Composto lácteo, mistura láctea
- Margarina com leite - Proteína láctea do soro do leite microparticulada
- Doce de leite (substituto de gordura)
- Cremes doces - Lactose, lactulose, lactulona
- Gordura de manteiga, óleo de manteiga, éster
de manteiga
QUADRO 2: ALIMENTOS NORMALMENTE PREPARADOS COM LEITE OU QUE PODEM CONTER
LEITE NA COMPOSIÇÃO

Preparações Alimentos industrializados


- Pudim, flan, mingau - Embutidos e frios
- Purês e suflê - Sopas prontas
- Bolos recheados - Massas congeladas
- Tortas, pães e massas - Biscoitos e bolachas
- Salgados - Chocolate e achocolatado
- Doces de caramelo e/ou com cremes - Nougat (torrone)
- Doces com chocolate - Bolos prontos
- Pizza - Sorvete
- Preparações gratinadas - Alguns temperos prontos
- Legumes souté

QUADRO 3: ALIMENTOS E PREPARAÇÕES QUE POSSUEM AS PROTEÍNAS DA SOJA E DEVEM


SER RETIRADOS DA DIETA QUANDO A CRIANÇA É ALÉRGICA À SOJA

- Grão de soja - Molho de soja (shoyo)


- Brotos de soja - Tao-cho
- Coalhos de soja - Tao-si
- Concentrados de proteína de soja - Taotjo
- Farinha de soja - Tempeh
- Feijões de soja - Tamari
- Granulado de soja - Missô
- Proteína isolada de soja - Queijo de soja (Tofu)
- Extrato de soja - Pasta de soja fermentada (Natto)
- Bebida à base de soja - Proteína texturizada de soja (PTS)
- Bebida de soro de soja - Proteína vegetal texturizada
- Suco de soja - Semente de soja
- Iogurte de soja
- Shakes de proteína de soja
QUADRO 4: INGREDIENTES QUE PODEM CONTER TRAÇOS DE LEITE
Corante, aroma ou sabor natural de manteiga, Não necessariamente a presença desses ingredientes
margarina, leite, queijo, caramelo, creme de coco, indica a presença de leite, pois depende do fabricante.
creme de baunilha, iogurte. Quando o alimento ou medicamento tiver um desses
Cultura inicial de ácido lático fermentados em leite ou ingredientes, entre em contato com o fabricante para
soro do leite. se certificar.

QUADRO 5: INGREDIENTES QUE NÃO POSSUEM LEITE E PODEM SER CONSUMIDOS


Ácido lático, Lactato de sódio e de cálcio, Estearoil lactil lactato de cálcio ou de sódio, conservador propionato
de cálcio, Leite de coco, Manteiga de cacau, Gordura vegetal hidrogenada, Cremor tártaro.
MARÇO 2013
Material desenvolvido por:

Maria Cecília Cury


Mãe

• Advogada com experiência em direito regulatório, mestre e doutora em Direito


Constitucional, tendo defendido tese sobre direito à informação, saúde e
alimentação adequada das pessoas com alergia alimentar.
• Mãe de criança com alergia alimentar com quem já fez algumas viagens ótimas

Apoio: Nutricionista Renata Pinotti


CRN-10.886
Amigas da Alergia
amigasdaalergia.blogspot.com.br
Amargo que te torno doce
amargoquetetornodoce.blogspot.com.br

O Ministério da Saúde Informa: após os 6 (seis) meses de idade, continue amamentando seu filho e ofereça novos alimentos.

O leite materno é o melhor alimento para o lactente. O aleitamento materno é recomendado até os dois anos de idade ou mais.
As gestantes e as mulheres que amamentam precisam ingerir uma dieta saudável e equilibrada.
O uso de mamadeiras, bico e chupetas pode dificultar o aleitamento materno, principalmente quando se deseja manter ou retornar a amamentação.
A introdução de substitutos do leite materno só deverá ser feita com a orientação de um especialista, que deve esclarecer quanto ao custo, risco e impactos sociais desta substituição para o bebê.
Para a saúde do bebê é importante preparar os substitutos do leite materno corretamente e com cuidados de higiene. Sempre seguir as orientações e quantidades prescritas pelo médico ou nutricionista.

CONSULTE SEMPRE SEU MÉDICO Material de acordo com a Lei nº 11.265/2006, a


E/OU NUTRICIONISTA Portaria nº 2.051/2001 e a Resolução RDC nº 222/2002.