You are on page 1of 30

UNIVERSIDADE ANHAGUERA – UNIDERP

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – CEAD


POLO MACEIÓ

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CÉSAR CHAGAS DE ALMEIDA – RA: 2837308149

Desafio Profissional

Disciplinas Norteadoras:
Auditoria
Contabilidade Avançada II
Controladoria e Sistemas de Informações Gerenciais
Instituições Financeiras e Mercado de Capitais
Perícia, Arbitragem e Mediação

Tutor EAD: Cipriano Martinez

MACEIÓ/AL
2018
POLO MACEIÓ

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CÉSAR CHAGAS DE ALMEIDA – RA: 2837308149

Desafio Profissional

Trabalho apresentado ao Curso de Ciências


Contábeis 8ª série do Centro de Educação a
Distância CEAD da Universidade Anhanguera
UNIDERP, como requisito parcial para obtenção
de nota na Atividade Avaliativa Desafio
Profissional da qual compõe as disciplinas
norteadores: Auditoria; Contabilidade Avançada
II; Controladoria e Sistemas de Informações
Gerenciais; Instituições Financeiras e Mercado de
Capitais; Perícia, Arbitragem e Mediação, sob
orientação do tutor EAD Cipriano Martinez.

MACEIÓ/AL
2018
SUMÁRIO

1 - INTRODUÇÃO ................................................................................................................... 3
2 - ELABORAÇÃO DO PLANODE NEGÓCIO .................................................................. 3
3 - ALTERAÇÃO DO FORMATO LTDA PARA S.A. ...................................................... 14
4 - IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO ........................................................... 24
5 - AUDITORIA INTERNA NA EMPRESA ...................................................................... 25
6 – PERÍCIA CONTÁBIL ..................................................................................................... 26
CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................................. 28
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................. 29
3

INTRODUÇÃO

O presente trabalho trata sobre a abertura de uma empresa no ramo de serviços e


comércio. Após a observação de um mercado promissor na confecção de roupas sob medida,
principalmente para atender as demandas do público feminino, elaborou-se um plano de
negócio.
A partir da análise do plano de negócio decidiu-se por colocar em pratica a abertura da
empresa que era uma Ltda. No entanto, a responsável pela empresa optou por transformá-la
numa Sociedade Anônima com capital aberto. Dessa forma, houve uma restruturação do
empreendimento para se adequar às normas exigidas para ter suas ações negociadas na Bolsa
de Valores, inclusive com a implementação de um controle interno para auxiliar à empresa na
consecução dos seus objetivos.
O controle interno visa abranger, principalmente à área administrativa, contábil e
financeira.
Após sua implantação a empresa solicitou uma auditoria interna com o fito de verificar
a eficácia do sistema de controle adotado. Na execução, a equipe de auditores detectou uma
movimentação com registro equivocada e sugeriram a retificação do erro.
Objetivando ampliar sua atuação no mercado em que atua a empresa decidiu pela
aquisição de uma empresa concorrente e para tal contratou um serviço de perícia contábil para
analisar a real situação financeira da concorrente, bem como avaliar seu patrimônio.

1 – ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO

Partindo de uma observação do mercado da moda no Brasil, verificou-se que existe


um público que ao contrário de frequentar lojas para comprar peças de roupas já prontas,
preferem escolher seus próprios modelos e tecidos, levando suas ideias às costureiras.
Um dos motivos que fazem as pessoas adotarem esse comportamento é fugir do
padrão da moda e optar por criarem seu próprio estilo, fazendo com que suas roupas sejam
exclusivas, se adequando ao corpo, mesmo que tenham que pagar um pouco a mais por isso.
Uma outra constatação foi que o mercado da moda não tem grandes barreiras,
surgindo assim, o pensamento de se abrir um negócio nesse ramo; para tanto, elaborou-se um
plano de negócio para estudar a viabilidade de explorar o mercado em comento.
O objetivo de se elaborar um plano de negócio é utilizá-lo como ferramenta estratégica
para a obtenção de informações que auxiliem no processo de decisão em concretizar a
abertura da empresa.
4

De acordo com SEBRAE (2013, p. 13)

Um plano de negócio é um documento que descreve por escrito os objetivos de um


negócio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados,
diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negócio permite identificar e
restringir seus erros no papel, ao invés de cometê-los no mercado.

Ainda segundo SEBRAE (2013, p. 17) Um plano de negócio pode ser usado para se
conseguir novos sócios e investidores, para estabelecer parcerias com fornecedores e clientes
ou mesmo apresentado a bancos para a solicitação de financiamentos. Entretanto, o maior
usuário do plano de negócio deve ser o gestor do empreendimento.
Nas palavras de Pavani (2000, p. 2)
“O Plano de Negócios, ou Business Plan, é um documento especial, único e vivo
que deve refletir a realidade, as perspectivas e a estratégia da empresa, respondendo
ao leitor as perguntas:
Quem sou?
O que faço?
Como faço?
Por que faço?
O que quero, em particular de você (leitor)?
Para onde vou?

A elaboração de um plano de negócio ajudará a verificar a viabilidade do


empreendimento, pois permite um estudo sobre os serviços que serão ofertados, bem como o
público-alvo, a concorrência, fornecedores e sobretudo, identificar os pontos fortes e os
pontos fracos do negócio.
A seguir apresentar-se-á o plano de negócio para a empresa que se deseja abrir.

Sumário executivo
A empresa atuará no ramo de produtos e serviços com a produção sob medida de
peças do vestuário feminino adulto e infantil, serviços de reforma, ajustes e consertos em
peças prontas e comercialização de peças terceirizadas.
A clientela será formada, em sua maioria, por pessoas do sexo feminino entre 25 e 50
anos de idade.
A empresa funcionará na rua Marechal Roberto Ferreira, 151, centro, em Maceió/AL e
terá um investimento inicial de R$ 15.000,00, sendo observado o seguinte:

Indicadores de viabilidade Valor


Lucratividade
Rentabilidade
Prazo de retorno do investimento
Pronto de equilíbrio
5

Dados do empreendedor

Nome: Thalita Tavares Silva de Almeida


Endereço: Rua H, 60, Santa Amélia – CEP 57063-630
Cidade: Maceió Estado: AL
Telefone: (82) 98805-8011
E-mail: thalita_ts@hotmail.com

. Perfil
A empresa terá como proprietária a senhora Thalita Tavares Silva de Almeida,
bacharela em Administração pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e pós-graduada
em Gestão de Pessoas pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió (CESMAC). O interesse
em investir no negócio surgiu ao acompanhar a atuação no ateliê de propriedade de sua mãe,
desde os 14 anos de idade, que se iniciou na própria residência.

Dados do empreendimento

Nome da empresa: Ateliê Seu Stilo


CPF: 068.278.834-18

Missão da empresa
A missão do Ateliê Seu Stilo é tornar sonhos em realidade ao surpreender os clientes
com exclusividade e qualidade no segmento de roupas sob medida para momentos especiais,
criando valores para clientes, colaboradores, fornecedores e meio ambiente, por meio de uma
gestão baseada em processos sustentáveis.

Setores de atividades
. Produtos
. Serviços

Forma jurídica
. Microempresa (ME)

Enquadramento tributário
. Optante pelo SIMPLES NACIONAL
6

Capital social
Nome do empreendedor Valor (R$)
Thalita Tavares Silva de Almeida 15.000,00

Fonte de recursos
Os recursos serão oriundos de terceiros, captados por meio de empréstimos junto a
instituições bancárias.

Análise de mercado
. Estudo dos clientes
O público-alvo são pessoas, em sua maioria, do sexo feminino, entre 25 e 50 anos de
idade, profissionais autônomos, liberais e funcionários públicos cuja renda está entre 2 e 6
salários mínimos, que residem nas proximidades do local onde a empresa funcionará. Quanto
a escolaridade esse público possui o ensino médio e superior.
São pessoas que buscam os serviços semanalmente e que costumam adquirir os
produtos e serviços no comércio e em shopping centers, chegando a gastar em média R$
50,00 por consertos, reparos e ajuste e até R$ 800,00 por uma peça exclusiva.
Procuram por qualidade e exclusividade e realizam os pagamentos com cartão de
crédito e débito.
A empresa atuará de forma que seus clientes sejam compostos por pessoas que
residem no bairro, mas com projeto de divulgação que atinja regiões vizinhas.

Estudo dos concorrentes


Condições Serviços aos Garantias
Qualidade Preço de Localização Atendimento clientes oferecidas
pagamento
ateliê seu stilo garantia média da a vista; centro da atendimento confecções de caso os
exigida em região; cartão de cidade de diferenciado roupas; serviços/produtos
todos os crédito e maceió; onde as peças prontas; não fiquem como
serviços onde débito; preferencias e o cliente
eles são exigencias dos esperava eles
revistos antes clientes são podem refaze-los
de serem sempre sem novos custos
entregues observadas; em até 8 dias
após a entrega;
Concorrente 1 mesmo com a custos a vista; centro da devido a confecções de os serviços
rotatividade mais cartão de cidade; rotatividade de roupas; podem ser
de elevados crédito e shoping; funcionários refeitos se
funcionários débito; região nobre não é possível estiverem com a
existe um promissórias da cidade manter um etiqueta de
padrão de atendimento comprovação dos
qualidade nos personalizado; serviços com a
serviços data e o tipo de
serviço;
Concorrente 2 os serviços são preços mais só á vista; centro da atendimento feito confecções de os serviços podem
realizados da populares cidade; pelos propietários; roupas; ser refeitos a
7

forma mais qualquer tempo


prática
Conclusões:

Estudo dos fornecedores


Ordem Descrição dos Nome do Preço Condições Prazo de Localização
itens a serem fornecedor de entrega
adquiridos pagamento
1. Aviamentos Maceió Mais baixo À vista No ato da Centro de
Aviamentos compra Maceió/AL
2. Aviamentos Gaivota Mais alto À vista e No ato da Centro de
Aviamentos cartões de compra Maceió/AL
crédito e
débito
3. Tecidos Magazine São Mais alto À vista e No ato da Centro de
Paulo cartões de compra Maceió/AL
crédito e
débito
4. Tecidos Mercado dos Mais baixo À vista e No ato da Centro de
Tecidos cartões de compra Maceió/AL
crédito e
débito

Plano de Marketing
. Descrição dos principais produtos e serviços

No ramo de serviços a empresa atuará na fabricação de peças do vestuário sob


encomenda e sob medida. Sua especialidade é moda adulta feminina e masculina entre
confecções em malha e tecidos. Também irá trabalhar com ajustes e reparos de peças prontas
que clientes adquirirem de terceiros.
Quanto aos produtos a empresa trabalhará com a terceirização de blusas e vestidos em
tecido, por se tratar de peças procuradas com maior frequência por clientes, que as utilizam no
dia a dia para trabalhar.

. Preço
O preço dos produtos e serviços serão praticados de acordo com o preço de mercado,
ou seja, valor na média dos praticados pela concorrência.

Estratégias promocionais
A empresa utilizará de vários meios para a divulgação como as redes sociais,
principalmente, facebook e grupos de whatsapp Messenger. Outra ferramenta que utilizada
8

será a panfletagem nas proximidades do local de funcionamento. A empresa também fará uso
da indicação de clientes para a divulgação dos serviços ofertados.

Estrutura de comercialização
Como canal de distribuição a empresa fará uso do próprio local de trabalho, visto que,
muitos serviços serão entregues no mesmo dia da entrada.

Localização do negócio
Endereço: Rua Marechal Roberto Ferreira, 151
Bairro: Centro Cidade: Maceió Estado: AL
Fone: (82) 98805-8011 E-mail: thalita_ts@hotmail.com

Na definição da escolha do ponto para instalação da empresa observou-se um local


próximo a repartições públicas, supermercado, ponto de venda de passagens e local também
de intensa movimentação de pedestres e automóveis.
Para os clientes o estabelecimento escolhido é de fácil acesso, pois, encontra-se
vizinho a um grande supermercado no Centro da cidade de Maceió. Uma dificuldade
encontrada pelos clientes é a ausência de estacionamento próprio.
Por se tratar de uma região centralizada, gera um volume razoável de solicitação de
serviços, porém, existem épocas de movimento mais baixo de acordo com o comercio local.
No quesito segurança a região deixa um pouco a desejar por que trata-se de uma
região que em sua maioria é composta por pontos comerciais após o horário comercial a
região fica mais propicia a ação dos vândalos. O atelier possui monitoramento eletrônico par
tentar minimizar esse problema.
Em relação aos fornecedores, o acesso é fácil, pois, em sua maioria encontram-se na
mesma região do atelier.

Plano operacional

Capacidade produtiva

Para uma jornada de 8 horas diárias de trabalho, utilizando duas pessoas para mão de
obra tem uma capacidade produtiva de:
 80 calças /bermudas por mês;
9

 ou 120 camisas por mês;


 ou 160 saias por mês;
 ou 80 blazers por mês.
Já em relação a sua capacidade comercial o volume de comercialização é de 50 peças
por mês.

Necessidade de pessoal
Cargo/ função Qualificação necessária
Administradora Graduação em administração
Costureira Corte e costura

Plano financeiro
. Estimativa os investimentos fixos
Maquinas e equipamentos
Descrição Qtde. Valor Total
unitário
1 Máquina reta industrial 2 950,00 1.900,00
2 Máquina overloque semi-industrial 2 750,00 1.500,00
3 Máquina galoneira semi-industrial 1 1.500,00 1.500,00
4 Ferro a vapor 1 350,00 350,00
Sub-total 5.250,00

Móveis e utensílios
Descrição Qtde. Valor Total
unitário
1 Balcão de atendimento 1 600,00 600,00
2 Estantes 3 180,00 540,00
3 Cadeiras 7 50,00 350,00
4 Provador 2 40,00 80,00
5 Sofá 1 250,00 250,00
6 Mesa para corte de roupas 1 250,00 250,00
7 Mesa para passar roupas 1 120,00 120,00
Sub-total 2.190,00

Computador
Descrição Qtde. Valor Total
unitário
1 Notebook 1 1.050,00 1.050,00
Sub-total 1.050,00
Total dos investimentos 8.490,00
10

Aviamentos
Descrição Qtde. Valor Total
unitário
1 Linhas 25 2,80 70,00
2 Zíper comum 80 0,30 24,00
3 Zíper invisível 20 0,50 10,00
4 Zíper jeans 10 0,70 7,00
5 Agulhas para reta industrial 1pct 5,00 5,00
6 Agulhas para overloque 1pct 4,00 4,00
7 Agulhas para galoneira 1pct 4,00 4,00
8 Elástico largo 1pç 4,00 4,00
9 Elástico médio 1pç 3,00 3,00
10 Elástico estreito 1pç 2,00 2,00
11 Velcro largo 5m 0,70 3,50
12 Velcro estreito 5m 0,50 2,50
13 Entretela fina 5m 2,10 10,50
14 Entretela Grossa 5m 3,00 15,00
15 Botões 4dz 2,50 10,00
16 Bombê para cobrir botões 5pct 3,00 15,00
17 Alfinetes 1cx 4,50 4,50
18 Viés de algodão 3pç 2,00 6,00
19 Viés de seda 1pç 3,50 3,50
20 Ombreiras 1pct 3,00 3,00
21 Bobina para máquina reta 1pct 4,00 4,00
22 Bobina para reta industrial 4 3,00 12,00
23 Embalagem para mercadoria 200 1,50 300,00
24 Peças prontas para comercialização 50 40,00 2.000,00
Sub-total 2.522,50

. Capital de Giro

Descrição Valor (R$)


1 Estoque inicial 2.252,50
2 Caixa mínimo 7.067,86
Total 9.590,36

. Investimentos pré-operacionais

Investimentos financeiros R$
Despesas de legalização 1.029,63
Divulgação 800,00
Outras despesas 0,00
Total 1.829,63

. Investimento total
11

Descrição dos investimentos R$ %


Investimentos fixos 5.250,00
Capital de giro 9.590,36
Investimentos pré-operacionais 1.829,63
Total 16.669,99 100

. Estimativa do faturamento mensal da empresa

Produto/ Quantidade Preço Faturamento


Serviço (estimativa) (unitário) (total)
1. Confecção de blusa tecido feminino 20 70,00 1.400,00
2. Confecção de blusa malha feminino 5 50,00 250,00
3. Confecção de saia feminino 10 49,00 490,00
4. Confecção de blazer feminino 3 86,00 258,00
5. Confecção de bolero feminino 1 45,00 45,00
6. Confecção de Jaleco feminino 1 60,00 60,00
7. Confecção de Macacão feminino 2 100,00 200,00
8. Confecção de vestido tecido feminino 20 100,00 2.000,00
9. Confecção de vestido malha feminino 10 75,00 750,00
10. Confecção de calça tecido feminino 20 60,00 1.200,00
11. Confecção de bermuda tecido feminino 5 50,00 250,00
12. Confecção de camisa tecido masculino 1 65,00 65,00
13. Confecção de calça tecido masculino 1 75,00 75,00
14. Confecção de bermuda tecido masculino 1 65,00 65,00
15. Comercialização de peças prontas 20 70,00 1400,00
Total R$ 8.508,00

. Estimativa dos custos de comercialização

Descrição % Faturamento estimado Custo total


1. Impostos
1.1. Simples Nacional 2,0% - 170,16
1.2. IRPJ 2,0% - 170,16
1.3. PIS 1,0% - 85,08
1.4. COFINS 0,0% - -
1.5. Contribuição Social 1,0% - 85,08
1.6. ICMS 1,0% - 85,08
1.7. ISS 0,5% - 42,54
Subtotal 1 7,5% 8.508,00 638,10

2. Gasto com vendas


2.1. Comissões -
2.2. Propaganda 1,0% - 85,08
2.3. Juros 4,0% - 340,32
Subtotal 2 5,0% 8.508,00 425,40

Total 1.063,50
12

. Apuração dos custos dos materiais e/ou mercadorias vendidas

Produto/Serviço Estimativas Custo unitário de CMD/CMV


de vendas materiais/aquisição R$
(unidade) R$
Confecção de blusa tecido feminino 20 30,00 600,00
Confecção de blusa malha feminino 5 16,00 80,00
Confecção de saia feminino 10 17,00 170,00
Confecção de blazer feminino 3 36,00 108,00
Confecção de bolero feminino 1 15,00 15,00
Confecção de Jaleco feminino 1 20,00 20,00
Confecção de Macacão feminino 2 40,00 80,00
Confecção de vestido tecido feminino 20 40,00 800,00
Confecção de vestido malha feminino 10 30,00 300,00
Confecção de calça tecido feminino 20 25,00 500,00
Confecção de bermuda tecido feminino 5 20,00 100,00
Confecção de camisa tec masculino 1 30,00 30,00
Confecção de calça tec masculino 1 35,00 35,00
Confecção de bermuda tec masculino 1 30,00 30,00
Comercialização de peças prontas 20 40,00 800,00
Total 3.668,00

. Estimativa dos custos com mão de obra

Função Nº de Salário (%) de Encargos Total


empregado mensal encargos em (R$) (R$)
(R$) sociais
Administradora 01 1.874,00 9% 168,66 2.042,66
Costureira 02 1.874,00 9% 168,66 2.042,66
Total 03 3.748,00 18% 337,32 4.085,32

. Estimativa do custo com depreciação

Ativos fixos Valor do Vida útil Depreciação Depreciação


bem (R$) em anos anual (R$) mensal (R$)

. Estimativa de custos fixos operacionais mensais

Descrição Custo total


mensal (R$)
Aluguel 670,00
Condomínio
IPTU 15,00
Água 95,00
Energia Elétrica 120,00
Telefone 30,00
13

Celular 15,00
Honorário do Contador 100,00
Manutenção de equipamentos 60,00
Salários + encargos 1.456,00
Material de Limpeza 25,00
Material de Escritório 20,00
Serviços de Terceiros 50,00
Depreciação 91,17
Subtotal 2.747,17
Outras despesas (10%) do subtotal 274,71
Total 3.021,88

. Demonstrativo de resultados

Descrição R$ %
1. Receita Total com Vendas 8.508,00 100,00%
2. Custos Variáveis Totais
2.1. (-) Custos dos Materiais Diretos e/ou CMV(*) 3.666,95 43,10%
2.2. (-) Imposto sobre Vendas 638,10 7,50%
2.3. (-) Gastos com Vendas 425,40 5,00%
Sub-total de 2 (2.1+2.2+2.3) 4.730,45 55,60%
3. Margem de Contribuição (1 - 2) 3.777,55 44,40%
4. Custos Fixos Totais 3.020,34 35,50%
5. Lucro/Prejuízo Líquido (3 - 4) 757,21 8,90%
(*) CMV - Custo da Mercadoria Vendidas

Indicadores de viabilidade

. Ponto de equilíbrio
3.020,34
PE = = 6.864,40
0,44

A empresa precisa ter uma receita total de R$ 6.864,40 ao mês para cobrir todos os
seus custos.

. Lucratividade
757,21
Lucratividade = 8.508,00 x 100 = 0,88 x 100 = 8,8%

Nas condições estimadas a empresa apresentará uma lucratividade de 8% ao mês.

. Rentabilidade

757,21
Rentabilidade = 16.669,99 x 100 = 4,5 ao mês

A cada mês a empresa recuperará 4,5% do valor investido.


14

. Prazo de retorno do investimento


16.669,99
= 22 meses
757,21

Após 22 meses do início das atividades o empreendedor terá recuperado sob a forma
de lucro tudo o que investiu no negócio.

Construção de cenário

Descrição R$ %
1. Receita Total com Vendas 8.508,00 100,00%
2. Custos Variáveis Totais
2.1. (-) Custos dos Materiais Diretos e/ou CMV(*) 3.666,95 43,10%
2.2. (-) Imposto sobre Vendas 638,10 7,50%
2.3. (-) Gastos com Vendas 425,40 5,00%
Sub-total de 2 (2.1+2.2+2.3) 4.730,45 55,60%
3. Margem de Contribuição (1 - 2) 3.777,55 44,40%
4. Custos Fixos Totais 3.020,34 35,50%
5. Lucro/Prejuízo Líquido (3 - 4) 757,21 8,90%
(*) CMV - Custo da Mercadoria Vendidas

Avaliação estratégica
. Análise da matriz F.O.F.A.

Forças Fraquezas
Localização favorável Horário de funcionamento
Produtos únicos e de qualidade Retorno financeiro baixo
Conhecimento em costura e design Falta de controle financeiro

Oportunidades Ameaças
Rede de contatos Horário de funcionamento reduzido
Público-alvo com interesse pelo produto Exigências legais onerosas
Aumento da renda bruta anual Os produtos não são fundamentais

Avaliação do plano de negócio

O plano de negócio se configurou numa ferramenta fundamental para a avaliação da


viabilidade de investir no negócio, pois permite uma visão antecipada das condições e do
cenário que a empresa encontrará no mercado em que pretende atuar.

2 – ALTERAÇÃO DO FORMATO LTDA PARA S.A.


15

Após a análise do plano de negócio elaborado para verificar a viabilidade do


empreendimento em estudo, concluiu-se que existem razões que comprovam o sucesso da
empresa de decidiu-se por investir no negócio. No entanto, o responsável pelo
empreendimento optou por alterar o perfil da empresa que passará a ser no formato de
Sociedade Anônima (S.A), de capital aberto, ou seja, os sócios decidiram em disponibilizar
sua participação acionária para ser negociada na Bolsa de Valores.
A decisão foi tomada após entendimento de que seria conveniente abrir o capital pois
será compensatório para os interesses da empresa.
Observou-se, porém, que existe todo um processo com uma série de exigências para se
registrar e operar como S.A., sendo necessário procurar a Junta Comercial e alterar a forma
como a empresa foi constituída para S.A.
O primeiro procedimento formal para abrir o capital é protocolar o pedido de registro
na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que é o órgão regulador e fiscalizador do
mercado de capitais brasileiro.
De acordo com Ferreira (2013)

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) é uma autarquia que fica sob a


responsabilidade do Ministério da Fazenda, sendo ela considerada um porto seguro
para qualquer investidor, seja ele de pequeno ou grande porte. A comissão atua na
normatização e fiscalização do mercado de títulos de renda fixa e variável, criando
regulações que padronizam o funcionamento do mercado, trazendo maior
transparência e previsibilidade aos investidores. Ela também possui a
responsabilidade de fiscalizar o funcionamento do mercado, verificando se todos os
seus participantes (empresas, instituições financeiras, agentes de investimento e
investidores) estão cumprindo suas regras, bem como não infringindo nenhuma
legislação.

Segundo o mesmo autor Ferreira (2013), dentre as principais responsabilidades da


CVM, têm-se:

 Zelar pela transparência nas operações feitas no mercado mobiliário;


 Analisar as demonstrações publicadas pelas empresas de capital aberto;
 Organizar o funcionamento das bolsas de valores;
 Averiguar a existência de fraudes por parte dos operadores do mercado;
 Assegurar ao público em geral acesso as informações dos títulos mobiliários
negociados e das empresas que os emitiram.

As etapas seguintes para formalizar a abertura do capital da empresa, estão descritas


abaixo, conforme BM&FBOVESPA (2015)
16

1. Análise preliminar sobre a conveniência da abertura: Verificar necessidade de


reestruturação societária, situação política, macroeconômica e suas relações com o
mercado, sobretudo, se o momento é conveniente para o IPO;
2. Escolha de auditoria independente: Contratar uma auditoria externa registrada na CVM,
isso contribuirá para a transparência e veracidade dos dados apresentados;
3. Escolha de intermediário financeiro: A lei exige que a abertura de capital sempre seja feita
por um intermediário financeiro;
4. Estudos técnicos para definição de preço e volume da operação: Compreendem análise das
demonstrações financeiras, instalações físicas, posição em relação à concorrência, entre
outras. A partir das conclusões, são escolhidos o tipo e a forma que as ações serão lançadas
no mercado;
5. Adaptação dos Estatutos e outros procedimentos legais: São deliberadas, em Assembleia
Geral Extraordinária, matérias com nova denominação social, composição do capital social
e adaptação do Estatuto Social;
6. Contratos de coordenação e distribuição: Definição das características da distribuição,
principalmente, se haverá garantia firme de subscrição (o intermediário financeiro garante
a captação de recursos), ou se a operação será feita no regime de melhores esforços ou best
efforts (o intermediário se compromete a realizar os melhores esforços, mas não assegura a
captação);
7. Assembleia Geral Extraordinária (AGE) deliberativa da operação e do período de
preferência: Nas reuniões, são definidas as principais características da operação;
8. Processos de obtenção de registros na CVM: A colocação de valores mobiliários a público
exige o registro na CVM;
9. Processo de registro da empresa em bolsas de valores: Para negociação das ações, a
empresa também precisa ser registrada na BM&FBOVESPA. As ações distribuídas
publicamente são negociadas em mercado de bolsa ou de balcão. Para negociação em bolsa
de valores, é necessário registro da companhia na Bolsa;
10. Formação do pool de distribuição: Um pool de instituições financeiras –
coordenadores, líderes e consorciados – que participarão da distribuição das ações já é
formado enquanto o processo está na CVM;
11. Marketing para atingir os investidores potenciais: Nesse momento, estratégias de
marketing são utilizadas, como produção e respectiva divulgação do material publicitário;
17

12. Anúncio de início de distribuição pública: O início da distribuição deve ser divulgado
por meio de Anúncio de Distribuição Pública, veiculado duas vezes em jornal de grande
circulação;
13. Subscrição dos novos títulos em leilão na Bolsa: Os investidores manifestam interesse
em comprar ações emitidas pela primeira vez por meio de preenchimento de boletim de
subscrição, de acordo com modelo da CVM;
14. Cerimônia para início da negociação das ações na Bolsa: A negociação na Bolsa
representa o apogeu no processo de abertura de capital. Esse momento pode ser celebrado
numa cerimônia na qual representantes da empresa tocam a campainha que simboliza a
abertura do pregão do dia;
15. Liquidação financeira Depois de subscritos os títulos ou efetivada a venda no mercado
secundário, a liquidação financeira é promovida pela instituição coordenadora, que repassa
os valores dos investidores à companhia emissora ou ao acionista;
16. Anúncio de encerramento de distribuição pública: Até, no máximo, quinze dias após
conclusão da distribuição, o coordenador da operação deve publicar anúncio de
encerramento da distribuição pública;
17. Manutenção da condição de companhia aberta: Certas exigências legais e
institucionais devem ser cumpridas de forma que a companhia mantenha sua condição de
companhia aberta.

Como se observa há uma série de procedimentos a serem adotados para se conseguir


operar como empresa de capital aberto, e isso demanda tempo e despesas, a depender da
complexidade da estrutura da empresa e do empenho dos gestores.
Segundo a BM&FBOVESPA (2015) algumas questões podem consumir mais tempo,
tais como: necessidade de promover alguma reestruturação societária na empresa; adequação
do sistema contábil e de controles internos; processo de diligência das demonstrações
financeiras da companhia; e a própria escolha do intermediário financeiro e dos assessores
legais.
A figura abaixo ilustra o tempo para concluir as etapas de formalização:
18

Fonte: BM&FBOVESPA
Cabendo acrescentar que a empresa para negocias suas ações na Bolsa de Valores
deve escolher um dos vários segmentos que melhor se adequar ao seu negócio.
Quando uma empresa decide abrir seu capital o faz embasado nas vantagens que esse
nicho oferta para a consecução dos seus objetivos.
Gonçalves (2017) lista algumas vantagens de uma empresa ser de capital aberto são:

Fonte de Recursos

O financiamento por meio da emissão de ações, ou seja, por meio de aumento do capital
próprio e admissão de novos sócios, é uma fonte de recursos que não possui limitação.
Enquanto a empresa tiver projetos viáveis e rentáveis, haverá investidores interessados
em financiá-los. Manter a empresa com o capital aberto é contar com o mercado para crescer.
Os investidores externos estão mais dispostos a comprar ações de uma empresa cujas
perspectivas de crescimento podem analisar. Isso torna mais fácil para a empresa levantar
capital.
O benefício financeiro sob a forma de levantar capital é a vantagem mais proeminente da
abertura de capital. Confira o que uma empresa pode fazer com essa fonte de recursos:
 Desenvolver novos projetos e novos produtos
 Fazer investimentos para apoiar e melhorar o negócio
 Expandir para novos mercados
 Realizar aquisições (seja em dinheiro ou oferecendo ações aos acionistas do negócio
alvo)
 Financiar pesquisa e desenvolvimento
19

 Pagar a dívida existente (ou substituir a dívida existente por nova dívida em melhores
condições)
 Crescer organicamente

Facilidade para Aquisição e Fusão

As empresas podem oferecer valores mobiliários na aquisição de outras empresas, ou


mesmo para fazer fusão.

Redução do Risco de Crédito

A abertura de capital representa redução de risco de crédito para a empresa. Os


recursos dos sócios investidores, da mesma forma que o dinheiro que o empresário colocou
no empreendimento, não têm prazo de amortização ou resgate.
Também, diferentemente de empréstimos, não exigem rendimento definido: o retorno
dos investidores depende do desempenho da empresa.

Redução do Custo de Capital

Risco mais baixo tem outro efeito benéfico: a redução do custo de capital, que pode
induzir a companhia a um ciclo virtuoso. O capital total à disposição da empresa corresponde
à soma do capital próprio (patrimônio líquido) com o capital de terceiros (dívidas ou
obrigações).
O custo do capital de uma empresa é fator de fundamental importância para uma
variedade de decisões a serem tomadas, alguma delas são as diferenças na composição de
informações entre públicas e privadas afetam o custo do capital, bem como que a taxa de
obtenção de capitais para projetos de investimentos influencia a estrutura de capital da
empresa.
Nas empresas que têm certo grau de endividamento, a abertura de capital confere
equilíbrio à estrutura de capital, balanceando o uso do crédito e do capital próprio.

Liquidez Patrimonial

A abertura de capital também representa liquidez patrimonial, isso pela possibilidade


de empreendedores e/ou seus sócios transformarem, a qualquer tempo, parte das ações que
20

possuírem na empresa em dinheiro. Ao se tornar público, uma empresa fornece liquidez para
seus acionistas.
Quando uma empresa cresce, seus principais acionistas talvez desejem lucrar com a
riqueza de sua participação no negócio. A abertura de capital cria um mercado para as ações
da empresa, permitindo que os investidores possam vender suas participações.

Vantagem Competitiva

Passa a ter mais projeção e reconhecimento dos públicos com os quais se relaciona,
melhorando as condições de negociação com fornecedores e instituições financeiras, contando
com maior exposição de suas marcas, ganhando competitividade e elevando o
comprometimento de seus funcionários.
Tendo uma listagem em uma bolsa de valores também oferece à empresa maior
credibilidade com o público.
O próprio processo de IPO gera publicidade que pode aumentar o reconhecimento da empresa
no mercado.
Como resultado, fornecedores, fornecedores e credores muitas vezes percebem a
empresa como um melhor risco de crédito e os clientes podem percebê-lo como uma melhor
fonte de produtos ou serviços.

Atração e Retenção de Talentos

A estatura de uma empresa pública também pode aumentar sua capacidade de atrair
executivos de nível superior e funcionários.
Programas de ações e opções de ações podem ser oferecidos a potenciais empregados
e executivos, tornando a empresa atraente para os melhores talentos.

No entanto, conforme o mesmo autor Gonçalves (2017) também existe desvantagens


para uma empresa que atua nesse nicho, tais como:

Custos e Taxas Elevadas

Mais importante, especialmente para as pequenas empresas, é o custo de cumprimento


com os requisitos regulamentares que podem ser muito elevados. Quando uma empresa
21

considera abrir capital, ela precisa de musculatura para poder dar conta de todos os custos
iniciais e contínuos.
Algumas das despesas para a abertura de capital são:

 Contratação de auditoria externa


 Preparação de documentação
 Publicações legais
 Confecção de prospecto
 Comissão da instituição financeira e processo de marketing da distribuição,
 Tempo do pessoal interno envolvido na operação.

O custo para se manter de capital aberto é uma despesa contínua para a empresa não é
barato, e incluem:

 Geração de documentos de relatórios periódicos


 Taxas de auditoria
 Departamentos de relações com investidores
 Comitês de supervisão contábil.
 Despesas com seguros de responsabilidade de diretores e oficiais
 Despesas de conformidade com a regulamentação da CVM
 Honorários de conselheiros independentes na forma de pagamentos em dinheiro e
prêmios de opções e outras despesas.

Mais Exposição Legal

Os diretores são cada vez mais processados por queda nos preços das ações resultantes
de sua violação do dever fiduciário. Além disso, os diretores são, por vezes, questionados ou
penalizados pela CVM por supostas falsas declarações de relatórios financeiros ou outras
violações de leis ou regulamentos.
O IPO coloca você e outras partes interessadas na sua empresa sob a obrigação de que
todas as comunicações, escritas ou orais, relativas à oferta ou incluídas em relatórios
periódicos ou outras divulgações públicas devem ser precisas.
Isso significa que você pode ser processado por fraude de valores mobiliários se essas
comunicações fossem materialmente enganosas.
22

Assim, ser de capital aberto vai exigir que a empresa se torne muito mais formal na
sua tomada de decisão. Ela não pode mais operar informalmente no que diz respeito ao
envolvimento do diretor, como fazem as empresas privadas.

Divulgação de Resultados

Uma das mudanças mais importantes é a necessidade de divulgação de


demonstrativos, relatórios e diversos outros documentos para os investidores, alguns de
periodicidade trimestral e outros anuais.
Eles também devem cumprir outras regras e regulamentos que são monitorados pela
Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
Para uma Sociedade Anônima de capital aberto e sociedades de grande porte os
demonstrativos contábeis obrigatórios são os seguintes:

 Balanço Patrimonial
 Demonstrativo do Resultado do Exercício
 Demonstrativo do Fluxo de Caixa
 Demonstrativo de Mutação de Patrimônio Líquido
 Demonstrativo de Valor Adicional
 Notas Explicativas
 Outros quadros analíticos necessários para esclarecimento da situação patrimonial e do
resultado do exercício.

As empresas também costumam elaborar outros relatórios, tais como:

 Relatório de Administração
 Formulário de Referência
 Formulário Cadastral
 Relatório de Sustentabilidade

Portanto, todos esses relatórios devem ser apresentados pelas empresas de acordo com
uma agenda e prazos, que podem variar a depender do segmento de listagem na
BMF&Bovespa.
23

Pressão do Mercado

As empresas públicas são confrontadas com a pressão adicional do mercado que pode
levá-los a se concentrar mais em resultados de curto prazo, em vez de crescimento a longo
prazo.
As ações da administração da empresa também se tornam cada vez mais analisadas, à
medida que os investidores procuram constantemente lucros crescentes. Isso pode levar a
administração a realizar práticas um pouco questionáveis, a fim de aumentar os lucros.
Antes de decidir se vai ou não para o público, as empresas devem avaliar todas as
vantagens e desvantagens potenciais que irão surgir.
Isso geralmente acontecerá durante o processo de subscrição quando a empresa
trabalha com um banco de investimento para pesar os prós e contras de uma oferta pública e
determinar se é o melhor interesse da empresa.

Menos Controle da Empresa

Ao se tornar pública a empresa dilui sua propriedade e controle da empresa. Além


disso, dependendo do que seu mercado de negociação estipula, é provável que você seja
obrigado a ter um Conselho de Administração composto por uma maioria de diretores
independentes.
Este conselho é responsável por proteger os interesses dos acionistas, e você precisará
considerar as recomendações da diretoria ao tomar decisões. Além disso, como sua
propriedade é diluída, a possibilidade de uma aquisição hostil aumenta.

Mais Vulnerabilidade às Aquisições

Na pior das hipóteses, uma empresa pode se tornar vulnerável a uma aquisição hostil
se a maioria dos acionistas concordar com uma oferta.
Com as ações sendo livremente transferíveis, um potencial licitante pode acumular
uma participação antes do lançamento de uma tentativa de lance.
Esse evento se chama Take Over, e é o processo de adquirir o controle societário de
uma empresa por outro grupo, por meio da compra em bolsa de valores de ações da
companhia, que buscam aumentar a rentabilidade a longo prazo.
24

4 – IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO

Todo empreendimento que opera nos termos da empresa em estudo precisa implantar
um controle interno com o intuito de auxiliar a gestão a alcançar os resultados estabelecidos
no planejamento.
Nas palavras de Costa (2018)
“O controle interno pode ser definido como um conjunto de procedimentos
realizados pela administração da empresa, que tem por objetivo a conferência de
dados, a verificação da eficácia dos sistemas implantados na empresa de forma a
proteger o patrimônio de possíveis desvios ou fraudes, resguardando assim os
interesses dos sócios, diretores e administradores, objetivando o alcance de metas”.

De acordo com o COSO (apud Alencar, 2018), “Controle interno é um processo


conduzido pela estrutura de governança, administração e outros profissionais da entidade, e
desenvolvido para proporcionar segurança razoável com respeito à realização dos objetivos
relacionados a operações, divulgação e conformidade”.
Contudo, a implantação de um controle interno requer toda um planejamento,
inclusive da criação de um manual de controle interno. Sem o manual é praticamento
impossível aplicar esse controle.
Para Dias (2010, p. 60) Manual de Controle Interno é
Um projeto que visa à modernização dos processos organizacionais na empresa, sua
padronização, conhecimentos e aplicação por todos os funcionários, para a
certificação quanto ao sucesso de sua implantação e a obtenção de todos os
resultados previstos e ansiados pela alta gestão da instituição, é necessária a
elaboração de um planejamento que detenha todos os pontos chaves e etapas
previstas pela sua concreta realização.

Em relação à empresa em comento será implantado o controle administrativo e o


controle contábil.
Esses controles são definidos por Attie (2011, p. 192-193) da seguinte forma:
Controles administrativos – compreendem o plano de organização e todos os
métodos e procedimentos que dizem respeito à eficiência operacional e à decisão
política traçada pela administração. Normalmente, se relacionam de forma indireta
aos registros financeiros. Com frequência abrangem análises estatísticas, estudos de
tempo e movimentos, relatórios e desempenho, programas de treinamento e controle
de qualidade;

Controles contábeis – compreendem o plano de organização e todos os métodos e


procedimentos diretamente relacionados, principalmente com a salvaguarda do
patrimônio e a fidedignidade dos registros contábeis. Geralmente incluem os
seguintes controles: sistema de autorização e aprovação; separação das funções de
escrituração e elaboração dos relatórios contábeis daquelas ligadas às operações ou
custódia dos valores; e controles físicos sobre estes valores.

Cabe destacar a importância do controle financeiro visto que esse setor é fundamental
25

para a sobrevivência de qualquer empresa. Esse controle “possibilita observar


antecipadamente as necessidades de caixa da empresa auxiliando na tomada de decisões, para
que possíveis eventos de insolvência, como falta de capital de giro e até mesmo a falência,
possam ser corrigidos ou evitados”. (POTTMEIER, 2010, p.21).

5 – AUDITORIA INTERNA NA EMPRESA

Após a implantação do controle interno, os gestores da empresa contratam os serviços


da auditoria interna com o intuito de verificar a eficiência do sistema de controle interno.
Contundo, ao auditar a empresa, constatou-se que a empresa deixou de registrar na
contabilidade o ajuste de avaliação patrimonial de um equipamento cujo valor justo superou o
valor do custo de aquisição.
Esse situação originou os seguintes questionamentos:

 Se a empresa tivesse registrado o ajuste no momento oportuno, como deveria ser


efetuado o lançamento contábil da operação?
 Uma vez constatada essa situação, qual seria o tipo de relatório a ser emitido pelo
auditor independente? Justifique sua resposta. Considere os seguintes dados para
responder aos questionamentos: Valor de Custo R$ 2.000,00 Valor Justo R$ 2.200,00

A auditoria apresntou a seguinte solução em relação ao primeiro quistionamento:

Valor Custo / Contábil = R$ 2.000,00

Valor Justo de Mercado = R$ 2.200

Ajuste de Avaliação Patrimonial = R$ 200,00

D – Equipamento (Ativo Não Circulante - Imobilizado) – R$ 200,00

C – Ajuste de Avaliação Patrimonial (Patrimônio Líquido) - R$ 132,00

C – Imposto diferido (Passivo Não Circulante) - R$ 68,00

*O imposto diferido é calculado com base em um percentual de 34%, valor máximo de


imposto (IR + CSLL) pago sobre os ganhos de uma empresa.

Neste caso, basta fazer - 200 * 34% = 68,00

Quanto ao segundo questionamento o Auditor irá emitir um Relatório de Avaliação,


26

onde contarão dados do ativo da empresa a valor contábil e a valor ajustado pelo preço de
mercado (valorização ou desvalorização).

6 – PERÍCIA CONTÁBIL

O planejamento do trabalho pericial é fundamental para que a perícia ocorra da melhor


maneira possível, oferecendo os resultados corretos diante dos fatos apresentados.
De acordo com a NBC TP 01 – Perícia Cotábil (2015), “O planejamento da perícia é a
etapa do trabalho pericial que antecede as diligências, pesquisas, cálculos e respostas aos
quesitos, na qual o perito do juízo estabelece a metodologia dos procedimentos periciais a
serem aplicados, elaborando-o a partir do conhecimento do objeto da perícia”.
Para o cenário em questão elaboraou-se o seguinte planejamento, com base na NBC
TP 01 – Perícia Contábil (2015):

Fase Pré-Operacional:
ITEM ATIVIDADE AÇÕES TEMPO PRAZO
Estimado Real Estimado Real
Carga ou Retiada do processo da 24h 24h 03/09/2018 03/09/2018

1
recebimento Secretaria.
do processo

Conhecer os detalhes 60h 60h 11/09/2018 11/09/208


acerca do objeto da
Leitura do
2
perícia, realizando a
processo
leitura e o estudo dos
autos.

Aceitação da perícia 24h 24h 12/09/2018 12/09/2018


Aceitação, ou por não haver
não, da impedimento ou
3
perícia suspeição. Início do
planejamento.

Estimativa das horas 360h 360h 03/10/2018 03/10/2018


para cada fase do
trabalho, com base na
relevância, no vulto, no
Proposta de risco e na
4 honorários complexidade dos
serviços, entre outros,
considerando ainda a
qualificação do pessoal
que participará dos
serviços, o prazo para a
27

entrega dos trabalhos e


a confecção de laudos
interdisciplinares.

Execução da perícia
ITEM ATIVIDADE AÇÕES TEMPO PRAZO
Estimado Real Estimado Real
Sumário dos autos, 24h 24 14/09/2018 14/09/2018
indicando o tipo do
documento e a folha
5 Sumário
dos autos onde pode
ser encontrado.

Assistentes - - - - -
6
técnicos
Diligência necessária, 48h 48h 18/09/2018 18/09/2018
onde será relacionada a
7 Diligências documentação ausente
nos autos.

8 Viagens - - - - -
Definição de pesquisas 24h 24h 19/09/2018 19/09/2018
Pesquisa com fundamento no
9
documental conteúdo do processo.

Exame de documentos 48h 48h 21/09/2018 21/09/2018


pertinentes à perícia.

Exame de livros 48h 48h 26/09/2018 26/09/2018


contábeis, fiscais,
societários e outros.

Análises contábeis a - -
serem realizadas. -

Programa de Entrevistas, vistorias, - - - -


10
trabalho indagações,
investigações,
informações
necessárias.

Laudos - - - -
interdisciplinares e
pareceres técnicos.

Cálculos, 24h 24h 27/09/2018 27/09/2018


arbitramentos,
28

mensurações e
avaliações a serem
elaborados.

Preparação e redação 48h 48h 29/09/2018 29/09/2018


do laudo pericial.

Proceder à revisão final 48h 48h 02/10/2018 02/10/2018


do laudo para verificar
eventuais correções,
bem como verificar se
Revisões todos os apêndices e
11
técnicas anexos citados no
laudo estão na ordem
lógica e corretamente
enumerados.

Prazo - - - - -
12
suplementar
Devolver os autos do 03/10/2018 03/10/2018
processo e peticionar,
requerendo a juntada
Entrega do
do laudo e
13 laudo pericial
levantamento ou
contábil.
arbitramento dos
honorários.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O presente trabalho proporcionou, de uma forma multidisciplinar, sentir como


algumas áreas da contabilidade atua na realidade. O procedimento de abertura de uma
empresa, bem como a sua mudança de perfil mostrou a importância do profissional contábil
nesse momento, devido aos procedimentos com certo grau de complexidade.
Dessa forma, a pesquisa intensificou a admiração pela contabilidade e evidenciou o
quanto o profissional precisa ser atualizado e qualificado em face da infinidade de leis
específicas, regras e normas a serem seguidas sob pena de se cometer crime.
29

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

ALENCAR, Wellington. Controle interno: direcionando sua empresa para alcançar


resultados. 2018. Disponível em: <https://www.produtividademaxima.com/controle-interno-e-
resultados/>. Acessado em: out. 2018.

ATTIE, William. Auditoria: Conceitos e aplicações. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

BM&BOVESPA. Abertura de Capital: Uma alternativa para financiamento das empresas.


2015. Disponível em: < http://vemprabolsa.com.br/wp-
content/uploads/2015/11/CartilhaPMEs.pdf>. Acessado em: out. 2018.

FERREIRA, Denis. Comissão de Valores Mobiliários (CVM): o que é e o que faz? 2013.
Disponível em: <http://economiasemsegredos.com/cvm-o-que-faz/>. Acessado em: out. 2018.

COSTA, Jhessica Caroline Barbosa. Controle interno: sugestão de implantação em uma


empresa de corretagem de seguros. 2018. Disponível em:
<https://monografias.brasilescola.uol.com.br/administracao-financas/controle-interno-
sugestao-implantacao-uma-empresa-corretagem.htm>. Acessado em: out. 2018.

DIAS, Sergio Vidal dos Santos. Manual de controles internos: desenvolvimento e


implantação, exemplos e processos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2010.

GONÇALVES, Bruno. Vantagens e Desvantagens de uma Empresa ser de Capital Aberto.


2017. Disponível em: < http://investidoremvalor.com/empresa-de-capital-aberto/>. Acessado
em: out. 2018.

NCB TP 01 – Perícia contábil. 2015. Disponível em: < https://cfc.org.br/tecnica/normas-


brasileiras-de-contabilidade/nbc-pp-do-perito-contabil/>. Acessado em: out. 2018.

PAVANI, Cláudia. Plano de Negócio. 2000. Disponível em:<


http://www.cin.ufpe.br/~dmvb/empreendimentos/Check%20list.pdf>. Acessado em: out.
2018.

POTTMEIER, Fabiana. Aplicação de controles internos no setor financeiro de uma empresa


de pequeno porte no comércio varejista de vestuário. 2010. 71f. Monografia (Conclusão do
curso) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Ciências Contábeis, Criciúma.

SEBRAE. Como elaborar um plano de negócio. Brasília, 2013. Disponível em:


<http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/bis/documento-ensina-a-montar-plano-de
negocio,7f0c26ad18353410VgnVCM1000003b74010aRCRD>. Acessado em: out. 2018.