FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO MATERIAIS E CONSTRUÇÃO TREM EPICICLOIDAL TRENS PLANETÁRIOS: Um trem planetário ou epicicloidal

é aquele no qual existe um ou mais eixos de engrenagens com movimento de translação e rotação simultâneos. Um trem planetário é composto basicamente de uma engrenagem “Solar”, uma ou mais engrenagens “Satélites ou “Planetárias”, e um “Braço” ou transportador de engrenagens satélites.

Figura no 01 –. 7.21 Trem simples e 7.22 Trem planetário. [ref.01 pág. 263] O nome de engrenagens Epicicloidais é devido ao fato de que pontos pertencentes as engrenagens planetárias descrevem curvas epiciclóides quando em movimento. O sistema tem 2 (dois) graus de liberdade, portanto o movimento de todos elementos só é definido quando forem conhecidos pelo menos o movimento de 2 (dois) dos seus elementos. Existem dois métodos para análise e síntese de trens planetários: 1) Método por Fórmula 2) Método por Tabulação MÉTODO DE TABULAÇÃO: É usado porque permite determinar o movimento de qualquer elemento no trem. MÉTODO DE FÓRMULA: É usado em projetos preliminares e em síntese de trens para obter a relação do trem e. É um método rápido. ANÁLISE DE VELOCIDADES POR FÓRMULAS (RELAÇÃO DE WILLIS) A figura no 02, a seguir, representa um trem epicicloidal simples formado por duas rodas (A e C) e um braço B. A engrenagem A e o braço B giram, ambos, independentemente, no eixo O. Se as velocidades de 2 (dois) elementos são conhecidas, poderemos determinar a velocidade do terceiro. É muito difícil visualizar o movimento das engrenagens planetárias. Isto só pode ser feito através da análise de velocidade.

1

a VP de A é igual a VP de C A VELOCIDADE DE ROTAÇÃO DE C: A rotação da engrenagem C é conhecida a partir da velocidade relativa VN/P ωC = VN / P PN mas. 264] ANÁLISE DAS VELOCIDADES A figura no 03 apresenta as velocidades de diferentes pontos no trem epicicloidal de duas rodas. [ref. [ref. V N / P = V N − V P e PN = rC 2 .A engrenagem C gira em torno do pino N. Admite-se conhecer ωA e ωB com sentido anti-horário (+) Figura no 02 – Trem epicicloidal com duas rodas. 264] A VELOCIDADE NO PONTO N vale: V N = ω B x ON = ωB (rA + rC) A VELOCIDADE NO PONTO P vale: V P = ω A rA Neste ponto. Figura no 03 – Análise de velocidade de trem epicicloidal. engrenada com A.01 pág.01 pág.

ωA . exceto que. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA: [01] Deane Lent – Analisys and Design of Mechanisms 3 . teremos: Na expressão anterior a relação do trem e vale − − ωC + ω B Z =− A ZC ωB − ωA ou − ωC + ωB =e ωB − ωA A equação torna-se mais lógica se multiplicarmos numerador e denominador do membro do lado esquerdo por (-1).Sinais iguais para as velocidades de rotação denotam sentidos iguais. ωC .ωA rA ω C − ω B rA = ω B − ω A rC Substituindo rA = m ZA e rC = m ZC ωC − ω B Z A = ωB − ωA Z C ZA porque as engrenagens A e C são ZC montadas de forma a girar em sentidos opostos. Multiplicando por (-1) ambos os membros.ωB → é a velocidade da roda C relativo ao braço B.Nos trens epicicloidais o sinal de e tem o mesmo significado que nos trens simples. ωC / B =e ωA / B INTERPRETAÇÃO DE SINAIS . em trens epicicloidais não são comparadas as direções. Para entrar na equação e = ωC − ω B considera-se (+) o sentido anti-horário. ωA − ωB .V N − VP → ω C x rC = V N − VP rC Substituindo os valores de VN e VP teremos. ωC = ωC rC = ωB (rA + rC) .ωA rA ωC rC -ωB rC = ωB rA .ωB → é a velocidade da roda A relativo ao braço B. ωC − ω B = ωA − ωB e OBSERVAÇÕES: Todas as velocidades são absolutas e a razão dos dentes é determinada pelo número de dentes e seus sentidos relativos de rotação.ωA rA ωC rC = ωB rA +ωB rC .