You are on page 1of 34

CEPSAN - SOCIOLOGIA

Prof. Bruno – 1ºF.D

As instituições
sociais
Instituição é toda forma ou estrutura social
estabelecida, constituída, sedimentada na
sociedade e com caráter normativo – ou seja,
ela define regras (normas) e exerce formas de
controle social.

ESTADO
FAMÍLIA
ESCOLA

IGREJA
As instituições são formadas para atender a
necessidades sociais. Servem também de
instrumento de regulação e controle das
relações sociais e das atividades dos
membros da sociedade que estão inseridos.
Para isso, dispõem de um poder normativo e
coercitivo aceito pela maioria da população
dessa sociedade.
Características:

-Exterioridade: são dotadas de realidade


externa ao indivíduo.

-Objetividade: quase todas as pessoas


reconhecem as instituições como algo
legítimo.

-Coercitividade: as instituições tem o poder de


exercer pressões sobre as pessoas, de modo a
levá-las a agir segundo os padrões de
comportamento considerados corretos pela
sociedade.
-Autoridade moral: as instituições são
reconhecidas pelas pessoas como tendo o
direito legítimo de exercer seu poder e obrigar
os integrantes da sociedade (pela força ou
pelo convencimento) a agir segundo
determinados padrões.

-Historicidade: as instituições já existiam antes


do nascimento do indivíduo e continuarão a
existir depois de sua morte; elas têm sua
própria história.
As instituições sociais normatizam
os grupos

Grupo Social ≠ Instituição Social

Os grupos sociais são conjuntos de indivíduos


com objetivos comuns, envolvidos num
processo de interação mais ou menos
contínuo.

As instituições sociais se baseiam em regras e


procedimentos que se aplicam a diversos
grupos.
As instituições sociais são
interdependentes

Uma instituição não existe isolada das outras.


Há entre elas uma relação de
interdependência, de tal forma que qualquer
alteração em determinada instituição pode
acarretar mudanças maiores ou menores nas
outras.
FAMÍLIA
Grupo primário de forte influência na formação
do indivíduo, a família é o primeiro corpo
social no qual os indivíduos convivem. É um
tipo de agrupamento social cuja estrutura varia
em alguns aspectos no tempo e no espaço.
Essa variação pode se referir ao número e à
forma do casamento, ao tipo de família e aos
papeis familiares.
Monogamia versus poligamia

FAMÍLIA MONOGÂMICA é aquela em que a


pessoa tem apenas um cônjuge, quer esta
relação seja estabelecida por uma aliança
indissolúvel, quer se admita o divórcio.
FAMÍLIA POLIGÂMICA é aquela em que a
pessoa pode ter dois ou mais cônjuges.

Ao casamento de uma mulher com dois ou


mais homens dá-se o nome de POLIANDRIA
(comuns entre as tribos do Tibete e entre os
esquimós).
O casamento de um homem com várias
mulheres chama-se POLIGINIA (comum entre
algumas tribos africanas e entre os
mulçumanos).
Formas de casamento
ENDOGAMIA quer dizer casamento permitido
apenas dentro do mesmo grupo, da mesma
tribo.
EXOGAMIA trata-se da união com alguém de
fora do grupo, que eventualmente pode ser
também de religião, raça ou classe social
diferentes.
Endogamia e exogamia são formas de
casamento que supõem o enlace
heterossexual tradicional. Mais recentemente,
porém, alguns países passaram a adotar
legalmente o casamento homossexual.
Classificação das famílias

FAMÍLIA CONJUGAL ou NUCLEAR – reúne


marido, a mulher e os filhos.
FAMÍLIA CONSANGUÍNEA ou EXTENSA –
engloba, além do casal e seus filhos, outros
parentes como avó, netos genros, noras,
primos e sobrinhos.
Principais funções da família
FUNÇÃO SEXUAL E REPRODUTIVA: garante a
satisfação dos impulsos sexuais dos cônjuges
e perpetua a espécie humana com a geração
de filhos;
FUNÇÃO ECONÔMICA: aquela que assegura
os meios de subsistência e bem-estar de seus
integrantes;

FUNÇÃO EDUCACIONAL: responsável pela


transmissão à criança dos valores e padrões
culturais da sociedade; ao cumprir essa
função a família se torna o primeiro agente de
socialização do indivíduo.
Em tempos de globalização
A sociedade pós-industrial criou um novo
padrão de família.
O “chefe de família” já não é apenas o pai.
A mãe deixou de ser sinônimo de “rainha do
lar”.
A troca de papeis entre pais e mães são
constantes.

O homem participa das tarefas domésticas

Diminuiu o número de famílias nucleares.


Aumentou o número de divórcios.
Aumentou, também, o número de filhos de
mães solteiras.

Caiu o número de nascimentos, principalmente


nos países europeus.

O divórcio, a viuvez, o abandono e a


competitividade aumentam o número de
famílias MONOPARENTAIS.

A desestrutura familiar pode ser relacionada


ao aumento da criminalidade entre jovens e
adolescentes.
IGREJA
Todas as sociedades conheceram ou
conhecem alguma forma de religião. A crença
em algum tipo de divindade e o sentimento
religioso são fenômenos comuns a todas as
épocas e lugares do planeta.
Cada povo tem nas crenças religiosas um fator
de estabilidade, de aceitação da hierarquia
social e de obediência às normas que a
sociedade considera necessárias para a
manutenção do equilíbrio social. Por isso, a
religião desempenhou quase sempre uma
função social estabilizadora.
A religião envolve a crença em poderes
sobrenaturais ou misteriosos. Geralmente,
todas as religiões têm seu lugar de culto:
igrejas, templos, mesquitas, sinagogas, etc.
Há muitas formas e manifestações religiosas
em todo o mundo. Existem grupos que
acreditam em vários deuses. Esses são
chamados de POLITEÍSTAS, como o
hinduismo, por exemplo.
Outras religiões acreditam na existência de um
único deus, sendo chamadas, portanto, de
religiões MONOTEÍSTAS, como, por exemplo, o
islamismo, o cristianismo e o judaísmo.
Com o desenvolvimento industrial, as religiões
ocidentais sofreram transformações, fazendo
com que procurem conciliar suas doutrinas
com o avanço do conhecimento científico.

Entre algumas igrejas, passou-se a dar mais


atenção às questões sociais.
Em 1891, o papa Leão III, através da Encíclica
Rerum novarum, expôs a “doutrina social da
igreja”, que, buscando fazer frente ao
socialismo, afirmou a necessidade de o Estado
garantir melhores salários e condições de uma
vida digna para os trabalhadores.
Em 1979, na América Latina surgiu a “Teologia
da Libertação”, doutrina defendida por alguns
sacerdotes e bispos da Igreja católica que
defende o engajamento da instituição religiosa
na luta contra as desigualdades e por justiça
social.

Hoje alguns movimentos religiosos defendem


uma participação maior das Igrejas na solução
dos problemas sociais e vêm procurando
ressaltar mais as questões éticas do que os
dogmas religiosos.
Um fenômeno religioso contemporâneo é o
crescente uso dos meios de comunicação
social de massa pelas igrejas. Vários
programas são veiculados na televisão, rádio,
filmes, jornais, Internet, como um meio de
difusão das crenças religiosas.
ESTADO
O Estado é a instituição social que dispõe do
MONOPÓLIO DA FORÇA LEGÍTIMA, ou seja, é
a instituição detentora do direito de recorrer à
força sempre que isso seja necessário, e que
esse direito é reconhecido pela sociedade.
A lei confere ao Estado o direito de recorrer a
várias formas de pressão, inclusive a
violência, para que suas decisões sejam
obedecidas. Esse direito é geralmente
executado por oficiais de justiça e policiais em
cumprimento de ordens judiciais determinadas
pelos detentores do poder Judiciário.
Em virtude do seu monopólio da força
legítima, o Estado detém o poder supremo na
sociedade. Ele reserva para si o direito de
impor e de obrigar aqueles que discordam de
suas decisões a cumprirem a lei. Qualquer
outro uso da força ou coerção – por bandidos,
soldados amotinados, grupos rebeldes – é
ilegítimo e coibido pelo Estado.
Portanto, a função do Estado é fazer cumprir a
lei. Caso não cumpra esse papel, corre o risco
de deixar de existir.
Alguns componentes do Estado
TERRITÓRIO: constitui sua base física, sobre a
qual exerce sua jurisdição.
POPULAÇÃO: é composta pelos habitantes do
território.
INSTITUIÇÕES POLÍTICAS: entre elas
sobressaem os poderes Executivo, Legislativo
e Judiciário; o núcleo do poder do Estado,
contudo, está nas mãos do governo – grupos
de pessoas colocadas à frente dos órgãos
administrativos e que exercem
temporariamente o poder público em nome da
sociedade.
Estado e Nação

ESTADO ≠ NAÇÃO

NAÇÃO: conjunto de pessoas ligadas entre si


por laços permanentes de idioma, tradições,
costumes e valores; é anterior ao Estado,
podendo existir sem ele.

ESTADO: pode compreender várias nações,


como é o caso do Reino Unido (ou Grã
Bretanha, formada pela Escócia, Irlanda do
Norte, País de Gales e Inglaterra).
Estado e Governo

ESTADO ≠ GOVERNO

ESTADO: instituição social permanente ou de


longa duração.

GOVERNO: componente transitório do Estado.


O governo age em nome do Estado.
Nas sociedades democráticas é a Constituição
que atribui legitimidade aos governos.
Formas de Governo
Os três poderes do Estado são:

EXECUTIVO: incumbido de executar as leis;

LEGISLATIVO: encarregado de elaborar as leis;

JUDICIÁRIO: responsável pela distribuição de


justiça e pela interpretação da Constituição.
O governo pode adotar as seguintes formas:

MONARQUIA: o governo é exercido por uma


só pessoa (rei ou rainha), que herda o poder e
o mantém até a morte.

REPÚBLICA: o poder é exercido por


representantes do povo eleitos periodicamente
pelos cidadãos.
Em países como Espanha, Inglaterra e Suécia,
a forma de governo é a monarquia, porém os
reis possuem apenas poder simbólico,
cabendo ao Parlamento, cujos representantes
são democraticamente eleitos, o exercício
efetivo do poder. São chamadas de
monarquias constitucionais.
Nas repúblicas modernas há dois tipos de
regime: o PARLAMENTARISTA e
PRESIDENCIALISTA.
ESCOLA
“A escola é uma maravilhosa colaboradora,
mas são os pais que educam... As bases que
desenvolvem o caráter da criança
correspondem aos pais, cabendo à escola o
papel de orientadora e reforçadora da
educação familiar, que deve ensinar os
modelos de convivência e exemplificar a
verdade, a alegria, a paz, a tolerância, a
justiça”.
Egidio Vecchio.
O OBJETIVO DA EDUCAÇÃO :

- A transmissão da cultura;
- A adaptação dos indivíduos à sociedade
(socialização);
- O desenvolvimento de suas potencialidades;
- Seleciona os elementos essenciais dentro da cultura,
para serem transmitidos por pessoas especializadas.
- A escola pode ser vista como grupo social (que
transmite cultura), é considerada uma reunião de
indivíduos (alunos, professores e funcionários) com
objetivos comuns e em contínua interação.
Mecanismos de sustentação dos
agrupamentos na escola:

Liderança: o professor exerce sobre os alunos uma liderança


institucional, isto é, decorre de sua própria posição na estrutura
da escola. Mas o bom andamento das atividades escolares
depende também da liderança positiva exercida por alunos
que, por suas características pessoais, se colocam em posição
de orientar o grupo.

Normas: existem regras que orientam o comportamento de


alunos e professores. Assim, espera-se que o professor esteja
no horário da aula, que cumpra o programa estabelecido, que
responda às dúvidas dos alunos, etc. dos alunos se espera que
estejam na escola no horário certo, que realizem as atividades
propostas pelos professores, que estudem a matéria ensinada,
que usem os trajes estabelecidos, etc.
INSTITUIÇÃO: MANICÔMIO

• A palavra "manicômio" deriva do grego: "manía" significa


loucura e "komêin" quer dizer curar. Portanto, a partir do
seu significado, se infere que o manicômio seja um instituto
destinado ao tratamento das pessoas com transtornos
mentais.
• Hoje utiliza-se, também, os termos: Hospital Psiquiátrico –
para tratamento de doenças mentais e o Manicômio
Judiciário – para tratamento de pessoas consideradas loucas
e criminosas.
HOSPITAIS PSIQUIÁTRICOS NO BRASIL

Em 1853, surge no Brasil, o “primeiro” hospital


psiquiátrico foi o Asilo Pedro II, no Rio de
Janeiro fundado. O Hospício São Pedro de
Porto Alegre, hoje Hospital Psiquiátrico São
Pedro (HPSP), foi inaugurado em 1884. As
atividades de ensino neste Hospital tiveram
início em 1908, incentivadas por seu Diretor Dr.
Deoclécio Pereira, para os alunos da Faculdade
de Medicina, que atualmente faz parte da
UFRGS. Posteriormente, em 1926, inicia-se a
grande fase de pesquisas no Hospital, instituída
por seu Diretor Dr. Jacyntho Godoy.
Trabalho de sociologia
Introdução
Slide 1 Defina o termo “Instituições Sociais``, falando resumidamente sobre seu Tema.
Slide 2 Descrever a sua instituição, o que é ela, para que serve, onde são encontradas.
Slide 3 Noticia de Jornal ou revista
Slide 4, 5 Qual é a função dela na sociedade.
Slide 6 Conclusão
Slide 7
Professor:______________________________________________
Aluno: _________________________________________________
Turma:_________________________________________________
Apresentação
O trabalho deve ser apresentado em forma de slides passado na TV multimídia,
nessa etapa o grupo deverá montar os slides de acordo com o que foi proposto pelo
professor.
Obs. Muito importante arquivo deve ser salvo em JPEG o formato que é
compatível com a TV multimídia.