You are on page 1of 1

MÉTODOS DE ESTERILIZAÇÃO

INTRODUÇÃO
DIVERSIDADE NAS
TÉCNICAS DE Esterilização é a eliminação ou destruição completa de
ESTERILIZAÇÃO todas as formas de vida microbiana, sendo executada através
de processos físicos e químicos. As técnicas de esterilização
Métodos físicos e químicos
são comumente utilizadas com o objetivo de garantir níveis
compõem os mecanismos
adequados de segurança em alimentos e medicamentos,
utilizados para a além de instrumentos e dispositivos utilizados no ambiente
esterilização, que visa médico-hospitalar, mas a sua aplicação também se estende a
eliminar microrganismos diversas outras áreas.
capazes de levar à
contaminação e A escolha da técnica de esterilização mais adequada para
deterioração de produtos cada caso depende do tipo de material que deverá passar
pelo processo, da carga microbiana envolvida e de outras
ou provocar infecções em
condições para o emprego do método, pois cada alternativa
seres vivos. Dada a
apresenta um conjunto de vantagens a serem consideradas
variedade de técnicas
nos critérios de avaliação de custos, eficiência, agilidade,
disponíveis, deve-se buscar
disponibilidade de espaço e segurança.
a mais apropriada a cada
tipo de aplicação e material.
O desenvolvimento e aperfeiçoamento dessas
técnicas, possibilitou um grande avanço às
indústrias, que passaram a produzir
medicamentos de qualidade, oferecendo
segurança aos consumidores.

Tipos de esterilização
a) Métodos físicos:
• Calor úmido: autoclavagem, pasteurização e tindalização;
• Calor seco: flambagem e estufa de ar quente;
• Filtração: microfiltração em membranas (0,2 µm);
Autoclave de esterilização de meio de • Radiação não-ionizante: radiação ultravioleta;
cultura em uma indústria
farmacêuticas. O processo esterilização
• Radiação ionizante: raios gama e raios X de alta energia.
garante a destruição de todos os
microrganismos. b) Métodos químicos:
• Líquido: glutaraldeído, quarternário de amônio e álcoois;
• Gasoso: óxido de etileno e peróxido de hidrogênio.

Referências:
World Health Organization (WHO) – The International Pharmacopoeia, 4 ed., 2013.

Bruno Henrique Terra


Analista da Garantia da Qualidade
Laboratório Teuto – Junho 2014