You are on page 1of 36

PROJETOS, TIC,

QUALIDADE E
ENGENHARIA
Mestrados e Especializações em:

- Projetos
- Engenharia Industrial
- Arquitetura e Urbanismo
- Inovação e Produto
- Cooperação Internacional
- Tecnologias da Informação
- Telecomunicações
- Engenharia de Software
- Qualidade, Ambiente e Prevenção

Doutorados

A distancia e com Campus Virtual


Programa de Bolsas de Estudo

Universidad Internacional Universidad Europea


Iberoamericana (EUA) del Atlántico (Espanha)

Universidad Internacional Universidad Tecnológica Universidad Nacional


Iberoamericana > México de Panamá (Panamá) Daniel Alcides
Carrión (Peru)

www.funiber.org.br
www.funiber.pt
EN COLABORACIÓN CON:

1
A Fundação Universitária Iberoamericana, FUNIBER, fun- A área de estudos em Projetos, Tecnologia da Informação, Pre-
dada em 1997, surge com a missão de transmitir conhecimentos venção de Riscos e Qualidade canaliza a experiência de profis-
e formar pessoas, tendo-as como o centro do processo de sionais presentes em todos os países para oferecer uma edu-
aprendizagem. cação executiva em direção empresarial.

Desde seu nascimento, a FUNIBER proporcionou à educação Neste documento, o candidato encontrará informações deta-
semipresencial e a distância um estilo inovador e de qualidade, lhadas sobre os Mestrados relacionados com a Formação em
reconhecido por uma rede de relações internacionais que, atual- Telecomunicações, Projetos, Qualidade, Tecnologias da Infor-
mente, vincula mais de 50 prestigiadas universidades, empresas mação e Cooperação Internacional. Todos se baseiam na uni-
e órgãos públicos e privados de um total de 28 países que com- versalidade do conhecimento enquanto sistema de aprendiza-
partilham suas experiências e conhecimentos. gem, e seu objetivo comum é obter um profissional capacitado
para assumir funções de direção e liderança para responder à
Fazer parte desta comunidade internacional permitiu graduar complexa realidade organizacional do século XXI.
mais de 60.000 estudantes em estudos de pós-graduação,
oferecendo um modelo de aprendizagem reconhecido com vá- Nossa equipe profissional e acadêmica está esperando para
rios prêmios internacionais. conhecê-lo e ajudá-lo a alcançar seus objetivos pessoais e pro-
fissionais, assessorando-o no programa que melhor se ajuste
A FUNIBER oferece oportunidades de crescimento profissional às suas necessidades e oferecendo formação sob medida para
de grande valor agregado, possibilitando que o estudante ob- sua empresa.
tenha uma titulação internacional e seja parte de uma extensa
rede de contatos.

Além disso, a FUNIBER põe a disposição do estudante um


programa de BOLSAS DE ESTUDO para que os aspectos so-
cioeconômicos não constituam uma barreira de acesso à edu-
cação superior.

2
ÍNDICE

4 Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos


6 Mestrado em Engenharia Industrial
8 Mestrado em Projetos de Arquitetura e Urbanismo
10 Mestrado em Desenvolvimento de Projetos de
Inovação e Produto
12 Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de
Projetos de Cooperação Internacional
14 Mestrado em Direção Estratégica em
Tecnologias da Informação
16 Mestrado em Direção Estratégica em
Telecomunicações
18 Mestrado em Direção Estratégica em
Engenharia de Software
20 Mestrado em Gestão Integrada:
Ambiente, Qualidade e Prevenção
22 Mestrado em Prevenção de Riscos Laborais
24 Especializações
30 Doutorado em Projetos
31 Formação sob Medida para Empresas
32 Outros Mestrados e Especializações
33 Campus Virtual / Programa de Bolsas de Estudo / Serviço
de Formação Continuada / Bolsa de Promoção Profissional
34 Direção Acadêmica

3
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

DESENHO, GESTÃO
E DIREÇÃO DE
PROJETOS
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

O Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos Mediante a articulação de fundamentos teóricos e casos prá-
(MDGDP) é composto por conceitos vinculados ao desenho, ticos, dentro de um espaço de aplicação de ferramentas tec-
à gestão e à direção de projetos, da formulação até a análise nológicas de programação e gestão de projetos, a pessoa que
post-mortem de um projeto, independentemente de sua origem conclui o MDGDP encontra-se qualificada para:
e finalidade.
- Elaborar projetos a partir da identificação do conflito que lhe
O MDGDP permite que seus formandos possam trabalhar no origina, determinando seus problemas e o sistema de solução.
campo de projetos, como diretores, gerentes de departamentos
de projetos, consultores em projetos, gestores de projetos de - Administrar projetos em todas as etapas de iniciação, plane-
inovação tecnológica e do conhecimento, e em qualquer outra jamento, controle, execução e encerramento, e em todas as
função vinculada a cargos executivos e de assessoria dentro do áreas de conhecimento e competência reconhecidas pelos
amplo campo de projetos. padrões internacionais, selecionando e usando ferramentas
e métodos de gestão, programação e acompanhamento de
projetos.
A QUEM É DIRIGIDO?

A profissionais de todas as áreas que queiram envolver-se - Dirigir projetos utilizando uma visão integradora e sistemática
no mundo dos projetos de uma maneira responsável e com do trabalho colaborativo e cooperativo de pessoas, equipes e
uma alta disciplina de estudo, que desejam desenvolver-se comunidades de prática.
no campo profissional exercendo cargos executivos e de as-
sessoria em projetos e/ou no campo da docência e pesquisa
sobre projetos.

4
Estrutura do Programa
DESENHO DE PROJETOS
1. Introdução a projetos
2. Desenho de sistemas projetivos
3. Análise dos serviços a prestar
4. Análise funcional no projeto
5. A ergonomia no projeto
6. Segurança e confiabilidade no projeto
7. O ambiente no projeto
8. As especificações no projeto
9. Elaboração do anteprojeto

GESTÃO DE PROJETOS
10. Introdução à gestão de projetos
11. Planejamento e gestão de projetos
12. Ferramentas informáticas de gestão de projetos
13. Acompanhamento e controle do projetos
14. Avaliação de projetos
15. Gestão da confiança: risco e qualidade
16. Gestão estratégica de recursos humanos
17. Prevenção contra riscos laborais: OHSAS 18001
18. Comunicação do projeto

DIREÇÃO DE PROJETOS
19. Ambientes virtuais de trabalho colaborativo
20. Gestão sem distâncias
21. Técnicas de apresentação em público
22. Administração e direção de empresa
23. Direção e planejamento estratégico
24. Técnicas de resolução de conflitos e negociação
25. Técnicas de direção de equipes de trabalho
26. Gestão do conhecimento e aprendizagem organizacional
27. e-business e sua integração com os sistemas
corporativos de gestão

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


28. Metodologia da pesquisa científica
29. Projeto final – dissertação de mestrado

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO
EM DESENHO, GESTÃO E DIREÇÃO DE PROJETOS, emitido
pela universidade em que tenha se matriculado.

5
Duração: 121 créditos

MESTRADO EM

ENGENHARIA
INDUSTRIAL
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

O Mestrado em Engenharia Industrial (MII) é um programa O Mestrado em Engenharia Industrial (MII) conduz à apren-
de referência que, através de uma articulação acadêmica ino- dizagem dos elementos teóricos e práticos das áreas relacio-
vadora, centrada na pesquisa e no desenvolvimento tanto do nadas às atividades industriais. Promove a pesquisa científica
conhecimento científico como da organização empresarial, para traçar soluções técnicas integrais a problemas próprios
desenvolve habilidades e a capacidade de criar soluções sus- das organizações industriais com um enfoque em sustentabi-
tentáveis para responder às necessidades e aos desafios do lidade. Forma profissionais com as competências necessárias
âmbito industrial. para ocupar postos de gestão nas organizações industriais.
Neste sentido, a pessoa que conclui o programa encontra-se
Este programa confere ao aluno uma rigorosa formação cientí- qualificada para:
fica, tecnológica e organizacional, assim como amplos conhe-
cimentos em diversas técnicas industriais que o transformam - Compreender o cenário integral da atividade produtiva industrial.
em um profissional multidisciplinar. O Mestrado em Enge- - Analisar problemas complexos ou oportunidades relacionados
nharia Industrial (MII) permite que seus formandos possam com a disciplina identificadas em organizações, com rigor me-
trabalhar em áreas como a gestão de projetos de consultoria todológico e fundamentado em conhecimento atualizado.
organizacional com um enfoque internacional, no projeto e - Administrar projetos de consultoria para melhorar o desem-
implementação de sistemas logísticos, na automatização de penho das organizações de acordo com os padrões interna-
processos industriais, no projeto e gestão de sistemas agroin- cionais aceitos.
dustriais ou na direção de operações.
- Projetar um sistema logístico que cumpra com o nível de ser-
viço requerido pelo cliente.
A QUEM É DIRIGIDO?
- Projetar o sistema de gestão da qualidade de uma organiza-
Dada a variedade de itinerários de especialização ou orienta- ção fundamentado em modelos de qualidade e certificações
ções oferecidos, este programa de formação é potencialmente internacionais.
atrativo a diversos perfis, que podem abranger os graduados - Administrar o ciclo de vida completo de qualquer atividade
de áreas da engenharia e das ciências exatas, do campo eco- industrial: da ideia inicial e redação das bases de um projeto
nômico-administrativo ou outros. Os profissionais que con- até a execução, direção e controle finais.
cluem este programa contribuirão para a busca de soluções - Desenvolver papeis de liderança, necessários para constituir-se
técnicas e sustentáveis, e desenvolverão uma liderança empre- em um agente de mudança na dinâmica de transformação de
sarial moderna que permite a constituição de grupos de trabalho seu país.
eficientes para elevar o desempenho das organizações.

6
Estrutura do Programa

PRIMEIRA PARTE: CURSOS BÁSICOS TERCEIRA PARTE: CURSOS DE ESPECIALIDADE OPTATIVOS


1. Gestão e direção de operações O aluno deverá escolher uma das seguintes orientações, de
2. Engenharia de processos industriais acordo com suas preferências:
3. Gestão da qualidade: ISO 9001 e auditoria
4. Prevenção contra riscos laborais: OHSAS 18001 Orientação AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS
5. Gestão ambiental: ISO 14001 1. Integração de sistemas mecatrônicos
6. Sistemas de gestão integrada: qualidade, 2. Sistemas robóticos
ambiente e prevenção 3. Automação e controle
4. Administração da produção
SEGUNDA PARTE: CURSOS CENTRAIS 5. Logística
7. Integração dos sistemas de gestão empresarial 6. Seminário de pesquisa II
8. Planejamento e gestão de projetos
Orientação AGROINDÚSTRIA
9. Avaliação de projetos
1. Sistemas agroindustriais
10. Técnicas de direção e liderança organizacional
2. Planejamento e distribuição de instalações
11. Gestão estratégica dos recursos humanos
3. Engenharia de produção na indústria alimentar
12. Resolução/transformação de conflitos
4. Tecnologia das indústrias agroalimentares
no Âmbito organizacional
5. Logística
13. Seminário de pesquisa I
6. Seminário de pesquisa II

Orientação AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE


1. Planejamento e distribuição de instalações
2. Engenharia de valorização e tratamento de resíduos
3. Tratamento de águas residuárias industriais
4. Tratamento de efluentes gasosos
5. Valorização energética
6. Seminário de pesquisa II

Orientação ORGANIZAÇÃO E GESTÃO INDUSTRIAL


1. Administração da produção
2. Administração e direção de empresas
3. Coaching
4. Logística
5. Planejamento e distribuição de instalações
6. Seminário de pesquisa II

Orientação P+D
1. Administração da produção
2. Projetos de inovação
TITULAÇÃO 3. Gestão da inovação
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO 4. Planejamento e distribuição de instalações
EM ENGENHARIA INDUSTRIAL, emitido pela universidade 5. Pesquisa e desenvolvimento tecnológico
em que tenha se matriculado. 6. Seminário de pesquisa II

QUARTA PARTE: PROJETO FINAL DE MESTRADO

7
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

PROJETOS DE
ARQUITETURA E
URBANISMO
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

A área de Projetos na atualidade tem grande lugar no desen-


volvimento profissional de executivos das mais variadas profis- O programa de MPAU articula fundamentos teóricos que per-
sões, pois todos participam, em diferentes níveis de liderança, mitem um desenvolvimento conceitual de cada tema, e exercí-
do desenvolvimento e implementação de um projeto. cios práticos e metodológicos com todo o rigor próprio vivido
no seio do desenvolvimento de um projeto.
A área de Arquitetura e Urbanismo em conjunto é, sem dúvida,
a que historicamente maior desenvolvimento e aplicação teve Evidentemente, é possível afirmar que não se formam apenas
desde sua própria concepção. Daí a necessidade de desenvolver profissionais da teoria e prática, eles recebem, além disso, treino
um programa que atenda às exigências profissionais atuais, es- e exercício para sua aplicação na vida cotidiana. A pessoa que
pecializado em projetos Urbanos e Arquitetônicos. conclui o MPAU encontra-se qualificada para:

Devido a isto, o Mestrado em Projetos de Arquitetura e Ur- - Desenhar um projeto, entendendo por desenhar o treinar a
banismo (MPAU) estrutura-se sob um esquema de formação criatividade para a solução de problemas e conflitos aos quais
inovador para a área, pois não só percorre paralelamente às atender com o projeto.
três áreas clássicas do mundo dos projetos (Desenho, Gestão - Administrar projetos de Arquitetura e Urbanismo de um en-
e Direção), mas vai além, em sentido transversal com os cinco foque complementar, entendendo claramente a relação e in-
eixos temáticos relevantes da área: cumbências de ambas as áreas.
- Elevar o perfil da Direção de Projetos de Arquitetura e Urba-
- Análise e teoria da Arquitetura e Urbanismo. nismo, não só por meio da adequação de habilidades execu-
- Desenvolvimento metodológico de projetos. tivas, mas proporcionando um amplo conhecimento ao diretor
- Implementação e gestão de projetos. das áreas de impacto que se devem administrar ao realizar
- Tecnologias aplicadas a projetos de Arquitetura e Urbanismo. uma intervenção urbana.
- O ambiente em projetos de Arquitetura e Urbanismo. - Incorporar o conceito de desenho urbano, considerando que
a intervenção urbana pode supor grandes escalas territoriais,
Permitindo, desta maneira, uma formação altamente especializa- com um alto impacto ambiental.
da na área, a partir de todos os enfoques necessários para um
correto desempenho profissional na esfera privada e/ou pública.
A QUEM É DIRIGIDO?
A sobreposição dos eixos temáticos mencionados com o mó-
A profissionais com interesse no crescimento urbano e na mo-
dulo de Desenho de Projetos, permite, através do exercício
dificação física da cidade através de todas suas intervenções
prático, o desenvolvimento de um projeto de aplicação possível
e, por conseguinte, com um alto compromisso ético e social.
no mundo real.
O Mestrado forma profissionais para atuar em cargos executivos
em empresas e governos, com um conhecimento definitivo para
a administração de todas as áreas e recursos intervenientes em
projetos de Arquitetura e Urbanismo.

8
Estrutura do Programa
DESENHO DE PROJETOS DE
ARQUITETURA E URBANISMO
1. Introdução a projetos
2. Desenho de sistemas projetivos
3. Análise dos serviços a prestar
4. Análise funcional no projeto
5. A ergonomia no projeto
6. Segurança e confiabilidade no projeto
7. O ambiente no projeto
8. As especificações no projeto
9. Elaboração do anteprojeto

GESTÃO E DIREÇÃO DE PROJETOS DE


ARQUITETURA E URBANISMO
10. Introdução à gestão de projetos
11. Planejamento e gestão de projetos
12. Inter-relações entre urbanismo e arquitetura
13. Acompanhamento e controle do projeto
14. O ambiente em projetos urbanos e arquitetônicos
15. Gestão da confiança: risco e qualidade
16. Impacto da tecnologia em projetos urbano arquitetônicos
17. Componentes contextuais do projeto:
econômicos, sociais, institucionais e culturais
18. Marketing da cidade
19. Teoria do projeto urbano arquitetônico
20. Gestão sem distâncias
21. Técnicas de apresentação em público
22. Administração e direção de empresa
23. Direção e planejamento estratégico
24. Preservação do patrimônio urbano arquitetônico
25. Técnicas de direção de equipes de trabalho
26. Gestão do conhecimento e aprendizagem organizacional
27. A função do estado

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


28. Metodologia da pesquisa científica
29. Projeto final

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO EM
DESENHO, GESTÃO E DIREÇÃO DE PROJETOS, especializado
em ARQUITETURA E URBANISMO, emitido pela universidade em
que tenha se matriculado.

9
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

DESENVOLVIMENTO DE
PROJETOS DE
INOVAÇÃO E
PRODUTO
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

O destacado crescimento da área de projetos na atualidade O programa do MDPIP permite, mediante o treinamento prático
fez com que essa área fosse abordada de diferentes maneiras, no uso de ferramentas de gestão necessário para as áreas de
sendo possível citar dois que são as de maior atualidade e Desenho, um correto equilíbrio entre conceitos teóricos e exer-
complexidade no momento de estabelecer estruturas acadê- cícios práticos para o desenvolvimento de um projeto que per-
micas: Inovação e Produto. mita sua aplicação real. Os objetivos estruturais do MDPIP, são:

Para uma aproximação mais detalhada, devemos destacar que - Elaborar um projeto que tenha como resultado um elemento
o conceito de Inovação mantém uma relação direta com o de tangível ou não, mas com um alto peso de inovação.
Desenho, pois entendemos que a responsabilidade do desenho - Administrar projetos inovadores de um enfoque moderno para
está justamente em inovar, contribuir total ou parcialmente com as áreas de desenho.
soluções originais. - Proporcionar ferramentas e conhecimento para uma correta
direção de projetos de Inovação e Produto, os quais requerem
O Mestrado em Desenvolvimento de Projetos de Inovação de uma formação especializada.
e Produto, MDPIP, propõe uma formação completa nas três
- Incorporar os conceitos de desenho e rentabilidade e de contri-
áreas acadêmicas de projetos: Desenho, Gestão e Direção, de
buição de valor a partir da inovação, necessários para o mundo
forma paralela e inserida nos conceitos de Inovação e de Pro-
atual da empresa.
duto, com a incorporação de uma terceira ideia, o Desenho e
sua rentabilidade. - Alcançar altos níveis de conhecimento em planejamento, es-
tratégia e empresa, para uma adequada incorporação a níveis
Embora seja possível considerar que a imagem rígida e meto- executivos, de profissionais do Desenho.
dológica das áreas de Gestão e Direção não poderiam conviver
com a imagem criativa e artística das áreas de Desenho, na
atualidade não é assim. As áreas criativas de Desenho requerem,
mais do que qualquer outra, um processo metodológico de
desenvolvimento de projeto e de gestão e administração de A QUEM É DIRIGIDO?
recursos e habilidades.
A profissionais relacionados às áreas de desenho de produtos
O MDPIP apresenta uma estrutura acadêmica que combina de base inovadora.
temas teóricos e exercícios práticos por meio de exercícios
individuais e em grupos, assim como oficinas de trabalho de Ao mencionar produto, falamos claramente de todo elemento
reflexão sobre processos de desenho de projetos. tangível ou não, resultante de um projeto, com forte presença
do “desenho” em suas fases de desenvolvimento.
Isto permite o estruturar corretamente o trabalho de criativos e
desenhistas, contribuindo com treinamento em ferramentas atuais A modalidade e metodologia do MDPIP permitem uma forma-
de gestão, sem que isto prejudique os processos criativos. ção integral em ambas as áreas, incorporando conceitos novos
à área de Projetos, estas resultantes das áreas de desenho.

A metodológica exigência do Mestrado, somada ao treinamento


criativo, forma profissionais para ocupar, de maneira indepen-
dente ou não, cargos executivos e de direção, com um conheci-
mento global e particular de cada área de estudo envolvida, por
ser de aplicação imediata no módulo de Desenho de projetos.

10
Estrutura do Programa
DESENHO DE PROJETOS DE INOVAÇÃO E PRODUTO
1. Introdução a projetos
2. Desenho de sistemas projetivos
3. Análise dos serviços a prestar
4. Análise funcional no projeto
5. A ergonomia no projeto
6. Segurança e confiabilidade no projeto
7. O ambiente no projeto
8. As especificações no projeto
9. Elaboração do anteprojeto

GESTÃO DE PROJETOS DE INOVAÇÃO E PRODUTO


10. Introdução à gestão de projetos
11. Planejamento e gestão de projetos
12. Gestão integral de desenho e de produto
13. Acompanhamento e controle do projeto
14. Âmbitos do desenho. Condicionantes do contexto e
requisitos do usuário
15. Gestão da confiança: risco e qualidade
16. A inovação como ferramenta de melhora e
aporte de valor ao produto
17. Produto e ambiente
18. Comunicação do projeto

DIREÇÃO DE PROJETOS DE INOVAÇÃO E PRODUTO


19. Teoria do objeto
20. Gestão sem distâncias
21. Técnicas de apresentação em público
22. Administração e direção de empresa
23. Direção e planejamento estratégico
24. Relações entre inovação, criatividade, produtividade
e competitividade
25. O desenho de produto e os agentes de inovação tecnológica
26. Gestão do conhecimento e aprendizagem organizacional
27. Desenho rentável e estratégico

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


28. Metodologia da pesquisa científica
29. Projeto final

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO EM
DESENHO, GESTÃO E DIREÇÃO DE PROJETOS, especializado
em INOVAÇÃO E PRODUTO, emitido pela universidade em que
tenha se matriculado.

11
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

DESENHO, GESTÃO
E DIREÇÃO DE
PROJETOS
DE COOPERAÇÃO
INTERNACIONAL
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

A Cooperação Internacional sempre relaciona dois ou mais - Formar profissionais comprometidos com uma participação
agentes interessados em intercambiar conhecimento, transferir ativa na cooperação internacional com um pensamento criativo,
técnicas e tecnologias, habilidades ou experiências com a in- executivo e cooperativos, aptos para o desenho, a gestão, e a
tenção de colaborar na busca de soluções mutuamente favo- direção de projetos de cooperação internacional.
ráveis. Este espírito essencial de cooperação internacional ex-
perimentou um aumento em sua presença na atual sociedade Proporcionar com ferramentas, conhecimentos e habilidades
globalizada, sendo agora um setor sociopolítico, econômico e
para:
organizacional que recebe cada vez mais atenção e preocupa-
ção por parte das organizações internacionais e locais, tanto
públicas quanto privadas, convertendo em agentes de coope- - Dominar o processo de desenho de um projeto de cooperação
ração internacional desde multinacionais e governos até ONGs internacional para dar resposta às perguntas essenciais da
ou fundações locais. Este cenário exige um esforço cada vez cooperação no sentido de sua pertinência, utilidade, viabili-
maior em conseguir uma profissionalização do setor para que dade, executabilidade e pertinência.
seja reforçado o compromisso social, ético e organizacional na
concretização de projetos que efetivamente reduzam as desi- - Dominar a gestão de um projeto de cooperação internacional
gualdades produzidas na sociedade atual. conhecendo a teoria da cooperação internacional e dominan-
do as práticas de gestão desde as específicas como os As-
O Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos de pectos Lógicos até as genéricas, como aquelas providas por
Cooperação Internacional: organizações internacionais como PMI, IPMA e AEIPRO.

- aborda o compromisso do benefício mútuo, em busca do - Dominar a direção de um projeto de cooperação internacional
equilíbrio entre agentes que precisam de recursos e oportu- mediante o uso das TIC, ferramentas administrativas e de
nidades para aumentar suas possibilidades de progresso e direção de pessoas, adotando uma perspectiva cooperativa,
crescimento econômico, social e organizacional, com agen- colaborativa, ética e responsável.
tes que podem atendê-los e estejam dispostos a ajudar;

- surge diante da demanda de profissionalização no setor com


uma visão de projeto como um dispositivo que desenha so-
luções sistêmicas, integrais e globais, e administra e dirige a
complexa estrutura de recursos e possibilidades que materia-
lizam o desenho; e

- é um programa equilibrado e único que abrange desde o con-


texto e a teoria geral da cooperação até os aspectos organi-
zacionais, financeiro-econômicos, tecnológicos e de relações
humanas, através de um aprender-fazendo cooperativo-cola-
borativo que integra o Desenho, a Gestão e a Direção.

12
Estrutura do
Programa
A QUEM É DIRIGIDO? 1ª PARTE: DESENHO
1. Introdução aos projetos
O Mestrado em Desenho, Gestão e Direção de Projetos de 2. Desenho de sistemas projetivos
Cooperação Internacional está dirigido a pessoas com grande
3. Análise dos serviços a prestar
interesse na Cooperação Internacional com ou sem experiência
4. Análise funcional no projeto
no setor. Consideram-se aptos técnicos, diretores, responsáveis
ou vinculados à Cooperação Internacional. 5. A ergonomia no projeto
6. Segurança e confiabilidade no projeto
O Mestrado está dirigido a pessoas em cargos executivos de 7. O ambiente no projeto
empresas, ONGs, governos, fundações ou órgãos de coope- 8. As especificações no projeto
ração, sem excluir empresas ou instituições privadas nacionais 9. Elaboração do anteprojeto
ou internacionais que desenvolvam ou estejam interessados
em desenvolver atividades de cooperação. Por outro lado, os
interessados ou interessadas devem estar motivados pelo livre 2ª PARTE: GESTÃO
desempenho da consultoria ou da assessoria em projetos de 11. Introdução à gestão de projetos
cooperação internacional. 12. Planejamento e gestão de projetos
13. Sistema de cooperação internacional
14. Acompanhamento e controle do projeto
15. Avaliação de projetos
16. Gestão da confiança: risco e qualidade
17. Âmbito lógico
18. Ética e responsabilidade social corporativa
19. Comunicação do projeto

3ª PARTE: DIREÇÃO
21. Ambientes virtuais de trabalho colaborativo
22. Gestão sem distâncias
23. Técnicas de apresentação em público
24. Teoria do desenvolvimento e da cooperação
25. Direção e planejamento estratégicos
TITULAÇÃO 26. Técnicas de resolução de conflitos e negociação
27. Técnicas de direção de equipes de trabalho
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO
28. Direção financeira
EM DESENHO, GESTÃO E DIREÇÃO DE PROJETOS, es-
29. Resolução/transformação de conflitos em
pecializado em COOPERAÇÃO INTERNACIONAL, emitido
Âmbito comunitário
pela universidade em que tenha se matriculado.
PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO
30. Metodologia da pesquisa científica
31. Projeto final – dissertação de mestrado

13
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

DIREÇÃO
ESTRATÉGICA EM
TECNOLOGIAS DA
INFORMAÇÃO
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

O Mestrado em Direção Estratégica em Tecnologias da In- - Compreender o fenômeno da Sociedade da Informação e da


formação (MDETI) constitui uma resposta à imersão das em- Mudança enquanto fundamento das novas estratégias ba-
presas em inovadores cenários de atuação, com a aparição seadas deste modo em inovações empresariais.
de novos agentes de trabalho e que sugerem o emprego das - Conhecer as tecnologias de negócio que habilitam e facilitam
tecnologias da informação. Em resposta a este fenômeno apa- a geração de inovações em negócios.
recem formas de atuação como o e-Business e o e-Commerce. - Conhecer e dominar os elementos que fundamentam a gestão
da mudança organizacional ocasionada pelas TIC, seus efeitos
Tudo isto ocorre dentro de uma realidade social emoldurada e sua disposição em um projeto de negócios e tecnológico.
pela Sociedade da Informação e do Conhecimento, que conduz
- Conhecer e dominar as ferramentas e as técnicas estratégicas
a novos estilos de gestão empresarial.
de negócios que permitem desenhar, gerar e desdobrar uma
estratégia de negócios baseada nas TIC.
Esta realidade obriga à contemplação de novos elementos para
- Conhecer e dominar técnicas e ferramentas de direção de
gerar ou construir novos processos segundo as necessidades
pessoas para a direção estratégica de negócios e TIC.
das empresas, o que implica novos modelos de comercialização
e de fazer negócios que vão além do uso das novas tecnologias
e da internet aplicados aos processos de negócio, considerando
também os elementos de mudança organizacional e social,
em que se engloba qualquer processo tradicional em um en-
foque moderno.

A QUEM É DIRIGIDO?

A profissionais que desenvolvem sua atividade em postos ge-


renciais ou executivos, em funções de assessoramento de dire-
tores ou em consultoria de negócios. Em particular, a empresá-
rios, diretores e responsáveis pelas áreas funcionais envolvidas
com a inovação e a gestão de negócios com a internet e as
novas tecnologias.

14
Estrutura do Programa
ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS
1. Direção e planejamento estratégico
2. Reingenharia, estratégia e direção de sistemas
e tecnologias da informação
3. Gestão estratégica de recursos humanos
4. Sociedade da informação e da mudança

DIREÇÃO DE PESSOAS
5. Técnicas de direção e liderança organizacional
6. Técnicas de direção de equipes de trabalho
7. Ambientes virtuais de trabalho colaborativo
8. Gestão sem distâncias

TECNOLOGIA E NEGÓCIOS
9. Comércio e marketing eletrônico
10. Segurança eletrônica e legislação
11. Business intelligence e gestão documental
12. Integração dos sistemas de gestão empresarial
13. Inovação, cultura e gestão do trabalho na sociedade
da Comunicação
14. Gestão do conhecimento e aprendizagem organizacional
15. Direção e gestão de projetos TIC

CASOS PRÁTICOS
16. Estudo e resolução de casos

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


17. Metodologia da pesquisa científica
18. Projeto final

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO EM
DIREÇÃO ESTRATÉGICA EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO,
emitido pela universidade em que tenha se matriculado.

15
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

DIREÇÃO
ESTRATÉGICA EM
TELECOMUNICAÇÕES

APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

O Mestrado em Direção Estratégica em Telecomunicações - Compreender e dominar os conceitos básicos relativos às


(MDETEL) constitui o elemento de formação essencial para redes de telecomunicação e aos serviços associados a elas
assegurar uma sólida carreira no desempenho de postos exe- como parte da estratégia de desenvolvimento empresarial.
cutivos na Empresa do século XXI. - Compreender o fenômeno das Telecomunicações como o fun-
damento de novas estratégias empresariais, base, inclusive, de
A moderna gestão empresarial se desenvolve em uma socie- inovações organizacionais.
dade global e em contínua evolução interconectada através - Conhecer as tecnologias de Telecomunicações que possibi-
das Tecnologias da Informação e das Telecomunicações. litam e facilitam a geração de inovações de negócios.
- Conhecer e dominar as ferramentas e as técnicas de negócios
Para enfrentar estes desafios, não basta uma formação pon-
que permitem desenhar, gerar e desenvolver uma estratégia de
tual especializada em Redes e Serviços de Telecomunicações.
negócios baseada em redes e serviços de Telecomunicações.
Como fator diferenciador, o gestor deve adquirir a capacidade
- Conhecer e dominar técnicas e ferramentas de direção de
de contribuir com uma visão global que se materialize em ações
pessoas para a direção estratégica de novos negócios de
sistêmicas, integrais e inovadoras que lhe permitam liderar seu
base fundamentada nas Telecomunicações.
projeto empresarial com êxito.

A QUEM É DIRIGIDO?

A profissionais que desejam desenvolver sua carreira profis-


sional em cargos gerenciais ou executivos, em funções de
assessoramento de diretores ou em consultoria de novos pro-
dutos e/ou serviços.

Em particular, a empresários, diretores e responsáveis pelas


áreas funcionais envolvidas com a inovação e a gestão de Novos
Negócios de Base Tecnológica.

16
Estrutura do Programa
ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS
1. Direção e planejamento estratégico
2. Reengenharia, estratégia e direção de sistemas e TICs
3. Gestão estratégica de recursos humanos
4. Sociedade da informação e da mudança

DIREÇÃO DE PESSOAS
5. Técnicas de resolução de conflitos e negociação
6. Técnicas de direção de equipes de trabalho
7. Ambientes virtuais de trabalho colaborativo

TECNOLOGIA E NEGÓCIOS
8. O mercado das telecomunicações
9. Estrutura técnico-empresarial das telecomunicações
10. Redes de telecomunicações
11. Serviços de telecomunicações
12. Gestão e segurança de redes
13. Regulação do mercado das telecomunicações
14. Business intelligence e gestão documental
15. Integração dos sistemas de gestão empresarial
16. Gestão do conhecimento e aprendizagem organizacional
17. Gestão ambiental da empresa ISO 14001
18. Direção e gestão de projetos de telecomunicações

CASOS PRÁTICOS
19. Estudo e resolução de casos

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


20. Metodologia da pesquisa científica
21. Projeto final – dissertação de mestrado

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO EM
DIREÇÃO ESTRATÉGICA EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO
especializado em TELECOMUNICAÇÕES, emitido pela univer-
sidade em que tenha se matriculado.

17
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

DIREÇÃO
ESTRATÉGICA EM
ENGENHARIA DE
SOFTWARE
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

O Mestrado em Direção Estratégica em Engenharia de Soft- - Compreender e dominar os conceitos básicos relativos à
ware conjuga a visão tecnológica com a de negócios, permitindo concepção, desenvolvimento e manutenção de software
a profissionais e executivos de diversas áreas chegar a um perfil de qualidade como parte da estratégia de desenvolvimento
em que se potencializa o aspecto estratégico do software nas empresarial.
organizações, sem desligá-los de seus aspectos técnicos. Esta - Compreender o fenômeno do desenvolvimento de sistemas
dupla abordagem do Mestrado em matérias de Administração de software como o fundamento de novas estratégias empre-
de Empresas e Desenvolvimento e Manutenção de Software é sariais-base e de inovações organizacionais.
muito adequado para perfis profissionais formados em: - Conhecer os princípios e metodologias para o desenvolvi-
mento e manutenção de sistemas de software.
- Áreas técnicas como departamentos de sistemas, onde po- - Conhecer os princípios e métodos da engenharia a fim de
derão liderar projetos de concepção, desenvolvimento e ma- obter um software de forma rentável, que seja confiável e fun-
nutenção de software com um enfoque sistêmico e global. cione eficientemente.
- Áreas empresariais, nas quais poderão aplicar as mais moder- - Conhecer e dominar os elementos que sustentam a gestão
nas técnicas de liderança de empresas de tecnologia, onde o da mudança organizacional que supõe o desenvolvimento e
desenvolvimento de software tem um papel fundamental. implantação de sistemas de software; seus efeitos e sua dis-
posição em um projeto de negócios e tecnológico.
Tudo isso, unido ao enfoque para a excelência operacional,
- Conhecer e dominar as ferramentas e as técnicas estratégicas
sustentada por um excelente nível acadêmico e um projeto cur-
de negócios que permitem conceber, gerar e desdobrar uma
ricular flexível e sob medida para aluno, faz do Mestrado o ele-
estratégia de negócios baseada nos sistemas de software.
mento de formação essencial para garantir uma sólida carreira
- Conhecer e dominar técnicas e ferramentas de direção de
profissional no desempenho de postos executivos na Empresa
pessoas para a direção estratégica de novos negócios de
do século XXI.
base sustentável no software.
- Possibilitar a avaliação da limitação, a justificação de novas
aplicações e a tomada de decisões estratégicas quando se
veem envolvidos recursos de desenvolvimento de sistemas de
software.

A QUEM É DIRIGIDO?

A Mestrado em Direção Estratégica em Engenharia de Soft-


ware orienta-se a formar profissionais dinâmicos, criativos e
motivados para liderar projetos empresariais de desenvolvi-
mento de software.

18
Estrutura do Programa
ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS
1. Direção e planejamento estratégico
2. Reengenharia, estratégia e direção de sistemas e TIC
3. Gestão estratégica de recursos humanos
4. Sociedade da informação e da mudança

DIREÇÃO DE PESSOAS
5. Técnicas de resolução de conflitos e negociação
6. Técnicas de direção de equipes de trabalho
7. Ambientes virtuais de trabalho colaborativo

TECNOLOGIA E NEGÓCIOS
8. Linguagens e paradigmas de programação
9. Arquiteturas, redes e sistemas distribuídos
10. Tecnologia web e web engineering
11. Análise e desenho integral de sistemas e requerimentos
12. Modelagem de dados e concepção de base de dados
13. Gestão e segurança de redes
14. Gestão de base de dados e recursos de informação
15. Processo de negócio de software
16. Business intelligence e gestão documental
17. Integração dos sistemas de gestão empresarial
18. Direção e gestão de projetos tecnológicos

CASOS PRÁTICOS
19. Estudo e resolução de caso

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


20. Metodologia da pesquisa científica
21. Projeto final – dissertação de mestrado

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO EM
DIREÇÃO ESTRATÉGICA EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO
especializado em ENGENHARIA DE SOFTWARE, emitido pela
universidade em que tenha se matriculado.

19
Duração: 90 créditos

MESTRADO EM

GESTÃO
INTEGRADA DE
AMBIENTE, QUALIDADE
E PREVENÇÃO

APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

No atual ambiente competitivo, as organizações devem admi- O aluno que cursa o programa será capaz de implantar um sis-
nistrar suas diferentes atividades de forma eficaz. Por este mo- tema de gestão integrada na empresa, o que permitirá cumprir
tivo, demandam modelos de gestão que possam utilizar como a legislação vigente e obter uma melhoria na eficiência da or-
ferramentas para esta tarefa. ganização. Neste sentido, a pessoa que conclui o Mestrado
em Gestão Integrada de Ambiente, Qualidade e Prevenção
Até agora, as empresas têm dado resposta ao problema optando estará qualificada para:
pela implementação de sistemas de gestão independentes ba-
seados em modelos mais ou menos normalizados. Entretanto, é - Conhecer e compreender as fases e elementos de um Sistema
um fato que a evolução das diferentes versões dos padrões de de Gestão Integrada em ambiente, qualidade e prevenção.
qualidade, ambiente e prevenção de riscos laborais converge - Redigir planilhas para a elaboração de procedimentos refe-
para um único sistema integrado adaptado à idiossincrasia das rentes a aspectos ambientais e de segurança e saúde, instru-
organizações. ções técnicas e planos de emergência nas empresas.
- Realizar uma avaliação ambiental inicial da empresa, iden-
Assim, a partir de uma abordagem eminentemente prática, o tificando natureza, alcance e avaliação dos impactos mais
Mestrado em Gestão integrada: Ambiente, Qualidade e Pre- significativos.
venção constitui um referente ideal para aquelas empresas que
- Conduzir com êxito o Sistema de Gestão de Qualidade e su-
precisam incorporar a sua filosofia empresarial um sistema de
perar as auditorias correspondentes.
gestão integrado para obter vantagens competitivas, procurando,
além disso, uma otimização dos recursos existentes. - Conhecer as exigências de integração da gestão de prevenção
de riscos laborais com outros sistemas de gestão da empresa.
- Identificar os conceitos fundamentais utilizados em segurança,
A QUEM É DIRIGIDO? assim como as técnicas utilizadas na prevenção de acidentes
de trabalho.
A metodologia proposta, somada à clareza, amplitude e didática - Conhecer as atuações de identificação, avaliação e controle
dos conteúdos, permite dirigir o programa a profissionais que dos agentes químicos, físicos e biológicos presentes no local
precisem de uma formação em gestão ambiental da empresa, de trabalho que podem ocasionar doenças.
controle de qualidade e prevenção de riscos laborais, tudo isso - Expor alguns problemas de saúde habituais que podem pro-
sob a perspectiva da gestão integrada. vocar uma situação deficiente do ponto de vista ergonômico
no local de trabalho.
- Determinar os fatores organizacionais que podem afetar tan-
to o bem-estar e a saúde do trabalhador como o desenvolvi-
mento do trabalho.

20
Estrutura do Programa
AMBIENTE
1. Introdução ao meio ambiente
2. Gestão da água: princípios básicos
3. Fundamentos da gestão de resíduos
4. Tratamento da poluição atmosférica
5. Tratamento de solos contaminados
6. Gestão ambiental da empresa ISO 14001 e auditorias

QUALIDADE
1. Sistemas de gestão da qualidade
2. A norma ISO 9001
3. O dia a dia com a norma ISO 9001
4. Auditoria da qualidade
5. Casos práticos

PREVENÇÃO DE RISCOS LABORAIS


1. Fundamentos da prevenção de riscos laborais
2. Segurança no trabalho
3. Higiene industrial
4. Ergonomia
5. Psicossociologia aplicada
6. OHSAS 18001 e auditoria

GESTÃO INTEGRADA
1. Marco teórico
2. Os sistemas de gestão integrada: qualidade,
ambiente e prevenção
3. Modelos de integração
4. Gestão da responsabilidade social corporativa
5. Casos práticos

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


1. Metodologia da pesquisa científica
2. Projeto final – dissertação de mestrado

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO EM
GESTÃO INTEGRADA: AMBIENTE, QUALIDADE E PREVENÇÃO,
emitido pela universidade em que tenha se matriculado.

21
Duração: 75 créditos

MESTRADO EM

PREVENÇÃO DE
RISCOS LABORAIS
APRESENTAÇÃO OBJETIVOS

É inquestionável que toda atividade laboral traz implícito um - Conhecer e compreender os conceitos fundamentais utilizados
risco para os trabalhadores. Essa realidade gerou uma nova em segurança e conhecer as técnicas utilizadas na prevenção
necessidade empresarial, que requer o cumprimento de um de acidentes de trabalho.
conjunto de obrigações específicas cada vez mais rigorosas - Conhecer a forma de atuação em matéria preventiva, basean-
por parte dos empresários. Tais obrigações baseiam-se em um do-se em métodos ativos ou anteriores ao incidente.
conjunto de regulamentos e normas específicas que partem - Identificar as ações dedicadas à identificação, avaliação e
de um organismo do mais alto nível e vão se incorporando controle de agentes químicos, físicos e biológicos presentes
paulatinamente a cada um dos países, ajustando-se progres- no local de trabalho que podem ocasionar doenças.
sivamente à esfera local.
- Expor alguns problemas de saúde habituais que podem pro-
vocar uma situação deficiente do ponto de vista ergonômico
Se a isto se soma a cada vez mais ampla demanda social, que
no local de trabalho.
exige um regulamento e vigilância das condições de segurança
- Determinar os fatores organizacionais do trabalho que podem
e saúde, compreende-se o interesse das organizações, indepen-
afetar tanto o bem-estar ou saúde (física, psíquica e social) do
dente seu tamanho, por conseguir uma gestão da segurança e
trabalhador como o desenvolvimento mesmo do trabalho.
saúde trabalhista que lhes permita controlar seus riscos e cum-
prir com a legalidade vigente. - Adquirir os conhecimentos básicos, finalidade e ações da Me-
dicina do Trabalho.
É neste aspecto em que o Mestrado em Prevenção de Ris- - Conhecer as necessidades formativas em prevenção de riscos
cos Laborais se converte em um instrumento ótimo para o laborais dos diferentes grupos nas empresas e organizações.
desenvolvimento de uma formação em matéria de segurança e - Entender os aspectos teóricos e práticos relacionados com o
saúde de alto nível, graças à experiência acumulada e docência conflito e as estratégias de resolução mais usuais: negociação,
dentro este campo. O programa de formação a distância que mediação e arbitragem.
aqui se apresenta responde às novas exigências expostas, con- - Assentar as bases para a implantação do padrão ISO 9001,
tribuindo com critério, rigorosidade e, sobretudo, bom senso na ISO 14001 e OHSAS 18001 na empresa.
hora de deslocar a política em matéria de segurança e saúde
à organização.

A QUEM É DIRIGIDO?

A profissionais de todas as áreas que queiram atuar no âmbito


da segurança e saúde na empresa. O programa foi conce-
bido pensando, sobretudo, em graduados nas áreas de en-
genharia, medicina, arquitetura, química, psicologia, relações
trabalhistas, enfermagem, entre outros; assim como para pro-
fissionais diretamente vinculados com departamentos de Pre-
venção, Saúde no Trabalho, Produção, Recursos Humanos,
Engenharia ou Qualidade.

22
Estrutura do Programa
PREVENÇÃO DE RISCOS LABORAIS
1. Fundamentos de prevenção de riscos laborais
2. Segurança laboral
3. Higiene industrial
4. Medicina do trabalho
5. Ergonomia
6. Psicossociologia aplicada
7. Formação e comunicação
8. OHSAS 18001 e auditoria
9. Técnicas de direção de equipes de trabalho
10. Técnicas de resolução de conflitos e negociação
11. Gestão da qualidade ISO 9001
12. Gestão ambiental na empresa: ISO 14001

ESPECIALIZAÇÕES
Selecionar uma:
Módulo A.
“Segurança no trabalho”
Módulo B.
“Higiene no trabalho”
Módulo C.
“Ergonomia e psicossociologia aplicada”

PROJETO FINAL – DISSERTAÇÃO DE MESTRADO


- Metodologia da pesquisa científica
- Projeto final – dissertação de mestrado

TITULAÇÃO
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de MESTRADO
EM PREVENÇÃO DE RISCOS LABORAIS, emitido pela uni-
versidade em que tenha se matriculado.

23
ESPECIALIZAÇÕES
CAPACITAÇÃO TÉCNICA

O campo empresarial engloba uma grande variedade de disci- Por outro lado, existe um elevado número de pessoas, já gra-
plinas que afetam profissionalmente as pessoas de diferentes duadas, que, além de sua formação básica, desejam uma es-
origens. Muitas vezes, estas pessoas não têm titulação univer- pecialização prática no campo empresarial para ampliar suas
sitária, mas, por suas características pessoais ou experiência, oportunidades profissionais. Neste caso, podem cursar uma
desejam uma formação de qualidade nesta área. Neste caso, destas especializações, e se, uma vez concluída, se deseja-
podem cursar um programa de capacitação técnica no campo rem, podem optar por um ano adicional a fim de obter o título
de sua escolha. de Mestrado.

Tecnologias da Informação
Duração: 50 créditos

e-Commerce
Apresenta o comércio eletrônico, desde seus fundamentos ESTRUTURA DO PROGRAMA
conceituais até os tecnológicos, permitindo a implementação 1. Sociedade da informação e da mudança
de um modelo de integração com todos os agentes envolvidos 2. Direção e planejamento estratégico
(administração, empresa e consumidores). Os objetivos são:
3. Reengenharia, estratégia e direção de sistemas
- Conhecer o contexto empresarial na sociedade atual para 4. Comércio e marketing eletrônico
situar o alcance do comércio eletrônico. 5. Segurança eletrônica e legislação
- Proporcionar soluções relacionadas ao comércio eletrônico 6. Business intelligence e gestão documental
para tarefas complexas que requerem pesquisa e planeja-
mento consideráveis, assim como o conhecimento sobre os
sistemas de segurança e normas para sua execução.
- Abordar o tema do pagamento eletrônico e da comercialização
na internet em sua dimensão organizacional e técnica.

Duração: 61 créditos

e-Business
Orienta-se a todas as pessoas que desejam obter os conhe- ESTRUTURA DO PROGRAMA
cimentos necessários para que as empresas ou organizações 1. Direção e planejamento estratégico
incorporem o uso das novas tecnologias da internet aos seus 2. Reengenharia, estratégia e direção de sistemas e TIC
processos de negócio, englobando qualquer processo tradi-
3. Comércio e marketing eletrônico
cional suscetível de ser desenvolvido com evidentes melhorias
4. Segurança eletrônica e legislação
em eficiência e custo através das TIC. Os objetivos são:
5. Business intelligence e gestão documental
- Apresentar a influência e o impacto específico das novas tec- 6. Integração dos sistemas de gestão empresarial
nologias nas empresas. 7. Sociedade da informação e da mudança
- Analisar porquê e como a Sociedade da Informação e as Novas 8. Direção e gestão de projetos e-Business
Tecnologias estão influindo no novo modelo de atividades da
empresa.
- Aprender a observar uma empresa, detectar seus processos
essenciais e gerar uma estratégia e-Business.

24
Duração: 40 créditos

Economia e Regulação das Telecomunicações


O programa desenvolve os conceitos básicos da Economia das ESTRUTURA DO PROGRAMA
Telecomunicações no que se refere a custos e preços, assim 1. Serviços de telecomunicações
como apresenta conceitos de regulamentação no contexto de 2. Direção e planejamento estratégico
mudanças constantes dos modelos de negócios derivados da
3. Técnicas de direção de equipes de trabalho
convergência, tema do qual também se trata. Os objetivos são:
4. Técnicas de resolução de conflitos e negociação
- Compreender o funcionamento de um mercado de telecomuni- 5. Fundamentos de economia e regulação
cações em competências, limitações e oportunidades. em telecomunicações
- Conhecer a perspectiva das mudanças que estão aconte- 6. Regulação e interconexão
cendo no setor através da evolução dos modelos de negócio 7. Regulação – promoção e defesa da concorrência
para uma indústria em convergência, em que as cadeias de
valor migram para constelações de valor. 8. A convergência nos mercados e a regulação
- Compreender a importância do espectro radioelétrico na 9. Fundamentos e melhores práticas da gestão do espectro
provisão dos serviços de telecomunicações, os sistemas
sem fio e os principais aspectos relacionados ao uso do
espectro.
- Adquirir uma visão global e multidisciplinar do comportamento
desta indústria.

Duração: 40 créditos

Serviços de Valor Agregado das Tecnologias


O programa é orientado a pessoas que desejam conhecer as ESTRUTURA DO PROGRAMA
ferramentas que transformam uma organização tradicional em 1. Business intelligence e gestão documental
uma organização baseada nos sistemas tecnológicos. Os ob- 2. Integração dos sistemas de gestão empresarial
jetivos são:
3. Direção e gestão de projetos tecnológicos
4. Gestão do conhecimento e aprendizagem organizacional
- Saber como desenvolver projetos de integração tecnológica.
- Conhecer os sistemas, tecnologias e processos que permitem
obter, para as organizações, serviços de valor agregado a partir
das tecnologias.

Duração: 44 créditos

Gestão de Telecomunicações
O programa é orientado a pessoas que desejam compreender ESTRUTURA DO PROGRAMA
e dominar a atual visão global dos negócios quando as Teleco- 1. O mercado das telecomunicações
municações estão envolvidas e são consideradas um recurso 2. Estrutura técnico-empresarial das telecomunicações
estratégico. Os objetivos são:
3. Redes de telecomunicações
4. Serviços de telecomunicações
- Conhecer as ferramentas que transformam uma organização
tradicional em uma organização em rede baseada nas redes e 5. Gestão e segurança de redes
serviços de Telecomunicações. 6. Regulamentação do mercado de telecomunicações
- Compreender o mercado das Telecomunicações, suas tecno- 7. Gestão ambiental da empresa ISO 14001
logias e negócios.
- Compreender como administrar ambientalmente as tecnologias.

25
Duração: 42 créditos

Análise e Desenho Integral de Software


O software é um ativo estratégico em qualquer tipo de orga- ESTRUTURA DO PROGRAMA
nização e, como tal, é um recurso alinhado às estratégias de 1. Análise e desenho integral de sistemas e requisitos
negócio. O programa é orientado, portanto, a pessoas que 2. Tecnologia web e web engineering
desejam modelar o software com um pensamento estratégico
3. Modelagem de dados e concepção de base de dados
e uma visão integradora das organizações, tanto em termos
4. Business intelligence e gestão documental
de funções e processos como em termos de cadeias de valor,
integração público-privado, etc. Os objetivos são: 5. Processo de negócio de software

- Conhecer ferramentas e métodos de modelagem organiza-


cional orientados ao desenvolvimento de software.
- Desenvolver software como um processo de negócio.
- Compreender que o desenvolvimento de software é um pro-
cesso de integração organizacional.

Duração: 40 créditos

Gestão de Redes
O programa é orientado a pessoas que desejam obter ou apri- ESTRUTURA DO PROGRAMA
morar conhecimentos sobre o desenvolvimento de serviços de 1. Arquiteturas, redes e sistemas distribuídos
redes. Os objetivos são: 2. Gestão e segurança de redes
3. Gestão de bases de dados e recursos de informação
- Conhecer tecnologias e sistemas de redes.
4. Redes de telecomunicações
- Propor novos serviços de redes.
5. Serviços de telecomunicações

Duração: 38 créditos

Infraestrutura Tecnológica de Software


O programa é orientado a apresentar a infraestrutura tecnoló- ESTRUTURA DO PROGRAMA
gica empregada nos sistemas informáticos contemporâneos. 1. Arquiteturas, redes e sistemas distribuídos
Este conhecimento permite desenvolver sistemas informáticos 2. Gestão e segurança de redes
mais robustos e integrados, especialmente, tanto a cenários
3. Gestão de bases de dados e recursos de informação
globais quando a pequenas e médias empresas, assim como
4. Linguagens e paradigmas de programação
facilita sua inserção em redes globais e melhora o próprio po-
tencial de gestão. Os objetivos são: 5. Tecnologia web e web engineering

- Conhecer os princípios fundamentais da infraestrutura tecnoló-


gica empregada no desenvolvimento de sistemas informáticos.
- Conhecer os diversos sistemas, processos, métodos e meto-
dologias empregados na implantação das diversas tecnologias
estudadas no programa.

26
Projetos
Duração: 37 créditos

Desenho de Projetos
Introduz as pessoas na análise de situações de conflito ou ne- ESTRUTURA DO PROGRAMA
cessidade para a obtenção de soluções na forma de propostas 1. Introdução a projetos
de projetos ideais para o momento, o lugar e nas condições 2. Desenho de sistemas projetivos
preexistentes. A realização deste programa inclui o desenho
3. Análise dos serviços a prestar
prático de um projeto por parte do aluno. Os objetivos são:
4. Análise funcional no projeto
- Identificar um conflito, determinando seus problemas e o 5. A ergonomia no projeto
sistema-solução, e aprendendo a formular um projeto que 6. Segurança e confiabilidade no projeto
o resolva. 7. O ambiente no projeto
- Determinar e diferenciar as fases de um projeto. 8. As especificações no projeto
- Saber elaborar propostas de projetos. 9. Elaboração do anteprojeto

Duração: 35 créditos

Gestão de Projetos
Dirige-se a todas as pessoas que desejam adquirir os conhe- ESTRUTURA DO PROGRAMA
cimentos para administrar um projeto de qualquer área de co- 1. Introdução à gestão de projetos
nhecimento. Os objetivos são: 2. Planejamento e gestão de projetos
3. Ferramentas informáticas de gestão de projetos
- Administrar projetos nas etapas de iniciação, controle, exe-
4. Acompanhamento e controle do projeto
cução e encerramento, e em todas as áreas de conhecimento
e competência. 5. Avaliação de projetos
- Estimar os recursos necessários para implementar propostas 6. Gestão da confiança: risco e qualidade
de projetos. 7. Gestão estratégica de recursos humanos
- Utilizar ferramentas que permitem facilitar o trabalho de gestão. 8. Prevenção contra riscos laborais: OHSAS 18001
- Aplicar padrões internacionais como o International Mana- 9. Comunicação do projeto
gement Association (IPMA) e o Project Management Institute
(PMI).

Duração: 38 créditos

Direção de Projetos
Orienta-se à aquisição de habilidades gerenciais e executivas ESTRUTURA DO PROGRAMA
que permitem dirigir o esforço de executar um projeto. Os ob- 1. Ambientes virtuais de trabalho colaborativo
jetivos são: 2. Gestão sem distâncias
3. Técnicas de apresentação em público
- Determinar e analisar as atividades e responsabilidades do Di-
4. Administração e direção de empresas
retor de Projetos em cada uma de suas áreas de competência.
5. Direção e planejamento estratégico
- Propor ferramentas para cumprir cada uma das fases do ciclo
de vida de um projeto. 6. Técnicas de resolução de conflitos e negociação
- Abranger cada uma das áreas de conhecimento de um proje- 7. Técnicas de direção de equipes de trabalho
to: integração, alcance, tempo, custos, qualidade, recursos, 8. Gestão do conhecimento e aprendizagem organizacional
comunicações, riscos e fornecimentos, entre outras. 9. e-Business e sua integração com os sistemas corporativos
de gestão

27
Duração: 35 créditos

Gestão de Projetos de Arquitetura e Urbanismo


A arquitetura e o urbanismo são áreas profissionais que se ESTRUTURA DO PROGRAMA
encontram estreitamente vinculadas. Ambas intervêm em di- 1. Introdução à gestão de projetos
ferentes escalas e interagem com diferentes atores da gestão 2. Inter-relações entre urbanismo e arquitetura
pública e privada. O programa reúne os conhecimentos teóricos
3. Teoria do projeto urbano-arquitetônico
indispensáveis, resultantes da experiência na prática profissional
4. O ambiente em projetos urbanos e arquitetônicos
deste tipo de intervenção, considerando não apenas a relação
evidente entre arquitetura, urbanismo e ambiente, mas também 5. Impacto da tecnologia em projetos urbanos e arquitetônicos
os pontos de vínculo desde a gestão pública até a construção 6. Marketing da cidade
da imagem da cidade. Os objetivos são: 7. A função do estado
8. Componentes contextuais do projeto: econômicos,
- Determinar os principais atores/áreas intervenientes na gestão sociais, institucionais e culturais
do espaço público e suas relações a partir de um enfoque ur-
9. Preservação do patrimônio urbano e arquitetônico
bano-arquitetônico.
- Estabelecer os conhecimentos básicos para a elaboração e
gestão de projetos.
- Proporcionar ferramentas conceituais, definidas a partir do
exercício profissionais, a todos os atores participantes na
gestão de projetos urbano-arquitetônicos.

Duração: 38 créditos

Gestão da Inovação Aplicada ao Produto


O mundo atual dos projetos estabeleceu uma evidente e proa- ESTRUTURA DO PROGRAMA
tiva relação entre “desenho de produto” e inovação, de maneira 1. Teoria do objeto
que a atividade de desenho, tal como conhecemos, incorpora 2. Gestão integral de desenho e de produto
um percentual crescente de inovação. Neste cenário, o pre-
3. Âmbitos do desenho. Condicionantes do contexto
sente programa aborda temas como o ambiente, a produtivi-
e requisitos do usuário
dade, a rentabilidade, a competitividade, tudo isso relacionado
com o projeto e incorporando novas temáticas necessárias 4. Produto e ambiente
para entender os impactos da inovação aplicada ao produto. 5. A inovação como ferramenta de melhora e
Os objetivos são: aporte de valor ao produto
6. Relações entre inovação, criatividade, produtividade
- Estabelecer as relações, a partir da gestão, entre os principais e competitividade
temas que participam da inovação aplicada especialmente ao
7. O desenho de produto e os agentes de inovação tecnológica
desenho de produto.
8. Direção e planejamento estratégico
- Incorporar um enfoque ou uma visão estratégica necessária para
9. Desenho rentável e estratégico
a gestão de produto em um mercado globalizado multicultural.
- Entender que o papel da inovação aplicada ao produto não se
verifica apenas no campo estético, mas, principalmente, em
seu uso e na contribuição para a melhoria de vida (benefícios)
que o produto traz para a sociedade/indivíduo.

28
Qualidade, Ambiente e Prevenção
Duração: 10 créditos

Qualidade ISO 9001


Dirige-se a empresas que desejam implantar um sistema de ESTRUTURA DO PROGRAMA
Gestão da Qualidade ISO 9001 como fator essencial do qual 1. Sistemas de gestão de qualidade
dependem a maior parte das organizações, não somente para 2. A norma ISO 9001 comentada capítulo a capítulo
manter sua posição no mercado, mas também para assegurar
3. Documentação da norma ISO 9001
sua sobrevivência. Os objetivos são:
4. Auditoria de qualidade
- Aplicar os conhecimentos na implantação do padrão ISO 5. Casos práticos
9001 em qualquer tipo de empresa.
- Conhecer os procedimentos de auditoria de qualidade e ma-
nejar as planilhas e formulários empregados nesta ferramenta
de diagnóstico.
- Avaliar informação básica complementar de utilidade para a
implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade.

Duração: 10 créditos

Ambiente – Implementação da ISO 14001


Dirige-se a empresas que desejam implantar um sistema de ESTRUTURA Do PROGRAMA
Gestão Ambiental ISO 14001 em sua organização, propondo a 1. Empresa e ambiente
adoção de boas práticas ambientais para conseguir uma ativi- 2. Os sistemas de gestão ambiental na empresa
dade produtiva mais eficiente. Os objetivos são:
3. A norma ISO 14001
4. Documentação do SGA ISO 14001
- Aplicar os conhecimentos para implantar um sistema de
gestão ambiental baseado nos padrões ISO 14001 ou EMAS 5. Auditorias ambientais
em qualquer tipo de empresa. 6. Manual de auditoria
- Introduzir a variável ambiental nas atividades da empresa para 7. Casos práticos
obter uma produção mais sustentável.
- Conhecer os procedimentos de auditoria ambiental, estabele-
cendo o alcance, frequência, metodologia e outros requisitos.

Duração: 10 créditos

Prevenção de Riscos Laborais OHSAS 18001


Dirige-se a empresas que desejam incorporar em sua orga- ESTRUTURA DO PROGRAMA
nização a segurança no trabalho e o restante das disciplinas 1. A norma OHSAS 18001
preventivas que cooperam reciprocamente para tornar o local 2. Implantação da norma OHSAS 18001
de trabalho mais seguro, mais confortável e, em consequência,
3. Documentação do sistema de gestão de segurança
mais saudável. Os objetivos são:
e saúde no trabalho OHSAS 18001
4. Auditoria de prevenção de riscos laborais
- Aplicar os conhecimentos na implantação do padrão OHSAS
18001 em qualquer tipo de empresa. 5. Casos práticos
- Implantar medidas para promover a melhoria da segurança e
da saúde dos trabalhadores no local de trabalho.
- Planejar um programa de auditorias baseado na avaliação
de riscos.

29
DOUTORADO EM

PROJETOS
APRESENTAÇÃO ESTRUTURA DO DOUTORADO
A sociedade, hoje em dia, precisa de pessoas capazes de en- I. CURSOS GERAIS
frentar as diversas mudanças causadas pelos rápidos avanços 1. A gestão de projetos
na ciência, na tecnologia e nas próprias organizações e pes- 2. Planejamento e programação de projetos
soas. Para abordar estes desafios, é necessária uma formação
3. O controle do projeto
que proporcione com um pensamento sistêmico, integral e global
4. Metodologia da pesquisa científica
e que, ao mesmo tempo, deve ser muito formal no modo de
confrontar os processos de mudança. 5. Seminário de pesquisa (ficha doutoral)
6. Gestão ambiental da empresa: ISO 14001 e auditoria
Diante deste panorama, o Doutorado em Projetos (DOP) busca
a preparação de pessoas com uma sólida formação científica e II. CURSOS MEDULARES
profissional. Proporciona um perfil orientado à pesquisa e conta 7. Ambientes virtuais de trabalho colaborativo de desenho
com um excelente nível acadêmico, um projeto curricular flexível de Projetos
e, ao mesmo tempo, permite que os doutorandos contribuam
8. Introdução ao desenho de projetos: do conflito ao
com o desenvolvimento humano, científico e tecnológico da so-
problema técnico
ciedade. No programa de doutorado, cursam-se disciplinas e
realiza-se o trabalho de pesquisa de doutorado dentro de uma 9. Desenho de sistemas-solução em projetos
das linhas de pesquisa oferecidas de acordo com o programa 10. Serviço desejado e as condições de prestação
de estudos. Durante a realização do programa, o doutorando 11. O sistema-solução: análise funcional no projeto
contará com o apoio de professores tutores e orientadores de 12. Oficina transversal I
tese que facilitam o cumprimento acadêmico através das no- 13. As funções das pessoas no projeto
vas tecnologias.
14. A segurança e a confiabilidade no projeto
OBJETIVO 15. A viabilidade ambiental do projeto
16. Oficina transversal II
O Doutorado em Projetos tem o objetivo de preparar as pes- 17. A proposta do projeto: especificações
soas com uma sólida formação científica, oferecendo um perfil 18. O anteprojeto e sua apresentação
de especialização em pesquisa que resulta em um campo pró-
prio de intensificação do estudante. O doutorado em Projetos III. FASE DE PESQUISA
foca-se em aprofundar o conhecimento associado à resolução 19. Trabalho de pesquisa I
dos problemas que se apresentam em todo tipo de projetos, ou
20. Trabalho de pesquisa II
seja, pesquisa a concepção transversal da arte de projetar me-
Linhas de pesquisa: Projetos Integrados / Arquitetura,
diante o desenvolvimento e trabalho de um conjunto de linhas
Construção e Urbanismo / Engenharia, Organização e
de pesquisa.
Tecnologia Industrial / Inovação / Cooperação Interna-
cional / Tecnologias da Informação (TIC) e Telecomuni-
A QUEM É DIRIGIDO?
cações / Engenharia de Software / Gestão Integrada de
Ambiente, Qualidade e Prevenção.
A metodologia de formação proposta, somada à clareza, am-
plitude e didática dos conteúdos, permite dirigir o programa a 21. Proposta de tese de doutorado
profissionais em posse do grau do Mestrado/Master/Magister 22. Realização e defesa da tese de doutorado
nas diversas áreas de conhecimento de seu desenvolvimento
ou que desejam dedicar-se à pesquisa de qualidade no mundo
dos projetos, de uma maneira responsável e com alta disciplina TITULAÇÃO
de estudo em áreas especificas.
Ao finalizar o programa, o aluno obterá o título de DOUTOR
EM PROJETOS, indicando a área de conhecimento na
qual se realizou a tese, e sendo emitido pela universidade
na qual tenha se matriculado.

30
Soluciones Formativas sob medida
Método de Formação
As pessoas são os ativos mais valiosos das organizações. O mercado de trabalho exige profissionais em contínua formação.
Na FUNIBER, estamos cientes de que existe uma demanda crescente por parte das empresas e instituições de formar seu
pessoal. Em resposta a esta necessidade, a FUNIBER desenvolve Planos de Formação sob Medida, analisando, planejando
e executando programas para profissionais e equipes de diferentes setores, tanto em nível nacional quanto internacional, que
se caracterizam por:

ANÁLISE PRÉVIA DAS NECESSIDADES FORMATIVAS ELABORAÇÃO DE CONTEÚDOS

Analisamos em conjunto com a empresa suas Elaboramos e estruturamos conteúdos que a


necessidades específicas, procurando fazer com própria instituição disponha no seu acervo do-
que a concepção e a implementação de cada ação cumental e que necessite transmitir aos seus
formativa seja adaptada à estratégia exigida pela colaboradores, trabalhando esse conhecimento
organização, visando planejar a solução mais a partir da metodologia pedagógica mais ade-
adequada. Trata-se, portanto, de criar uma for- quada a cada caso. Além disso, caso seja ne-
mação sob medida à empresa e às pessoas que cessário, elaboramos conteúdos novos que se
a compõem. adaptem plenamente à necessidade formativa.

ESCOLHA DOS MEIOS ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE FORMAÇÃO

Para serem utilizados no plano de formação, rea- É fundamental que a empresa conheça o grau
lizamos uma escolha dos meios e recursos que de aproveitamento de cada um de seus funcio-
melhor se adaptem às necessidades apresenta- nários e colaboradores no plano de formação
das, sendo possível incluir formação presencial, desenvolvido. Por este motivo, realizamos e
o uso de tecnologia educativa diferenciada ou enviamos os relatórios pertinentes aos respon-
uma combinação desses meios. sáveis pela formação para que se mantenham
Apostamos em uma metodologia de formação cientes, de modo a darem uma melhor contri-
mista, combinando a formação a distância com buição à ação formativa.
suporte virtual com aulas presenciais, obtendo, Este acompanhamento também tem como ob-
assim, a máxima rentabilidade das ações forma- jetivo resolver dúvidas durante a prática dos
tivas. Criamos para cada empresa um Campus conhecimentos e a atualização dos conteúdos.
Virtual próprio, possibilitando a máxima perso- Este serviço entra em funcionamento uma vez
nalização na formação de seus colaboradores. finalizado o programa de formação.

Formação em Âmbito Internacional


A globalização da economia e a crescente presença de empresas europeias na América Latina e de corporações internacionais
latino-americanas geram a necessidade de criar programas de formação globais e que, ao mesmo tempo, adaptam-se às reali-
dades locais. A FUNIBER proporciona um serviço de formação a partir desta perspectiva, produzindo conteúdos formativos com
uma visão global, simultaneamente singularizando-os às necessidades específicas que da empresa em cada país, e em colabo-
ração com as universidades de maior prestígio e através das sedes da FUNIBER na América Latina. Deste modo, oferecemos um
serviço de formação totalmente personalizado, sem perder a coesão formativa necessária às organizações para transmitir sua
cultura corporativa.

31
Outros programas
de formação em
nosso catálogo

Empresas, Direito

MESTRADOS ESPECIALIZAÇÕES

- Mestrado Internacional em Administração e Direção de - Direção Estratégica


Empresas (MBA) - Direção de Recursos Humanos
- Mestrado Internacional em Auditoria e Gestão Empresarial - Gestão de Conhecimento e Processos na Organização
- Mestrado em Direção Estratégica - Habilidades Diretivas
- Mestrado em Direção Estratégica de Empresas Familiares - Novas Ferramentas para a Gestão de Empresas Familiares
- Mestrado em Direção Estratégica de Marketing - Resolução de Conflitos e Mediação Organizacional
- Mestrado em Direção Estratégica de Organizações de Saúde - Resolução de Conflitos e Mediação Social
- Mestrado em Direito e Negócios Internacionais - Coaching
- Mestrado em Negócios com a China e Ásia-Pacífico - Auditoria
- Mestrado Internacional em Gestão de Empresas Cooperativas - Negócios e Comércio Internacional
- Mestrado em Recursos Humanos e Gestão do Conhecimento - Gestão Sanitária
- Mestrado em Resolução de Conflitos e Mediação - Habilidades Diretivas para a Gestão Sanitária

DOUTORADO

- Doutorado em Direito Econômico e da Empresa

Turismo

MESTRADOS ESPECIALIZAÇÕES

- Mestrado em Direção e Consultoria Turística - Consultoria Turística


- e-Business em Empresas Turísticas
- Turismo Sustentável
- Direção de Hotéis

32
CAMPUS
VIRTUAL
O QUE É O CAMPUS VIRTUAL?
Todos os cursos da FUNIBER contam com um suporte pedagó- O Campus apresenta-se, portanto, como o ponto de refe-
gico baseado no emprego das novas tecnologias: o Campus Vir- rência através do qual os alunos de diferentes países podem
tual. Com esta inovadora ferramenta de ensino, o aluno poderá se conectar a partir de qualquer terminal do mundo, com-
realizar o acompanhamento de seu curso através da internet partilhar experiências e realizar os diversos programas.
como complemento de estudo ao material impresso.

POR QUE ESTUDAR COM O CAMPUS VIRTUAL? PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO


O Campus Virtual permite: Graças ao patrocínio da Fundação Universitária Iberoamericana,
- Compartilhar opiniões, experiências e conhecimentos de forma e em conjunto com Universidades, outras Fundações e Insti-
assincrônica com outros alunos. tuições associadas à FUNIBER, oferecem-se periodicamente
- Realizar uma busca rápida por conteúdos. fundos para BOLSAS DE ESTUDOS em Formação Empre-
- Acessar uma base de dados de perguntas e respostas frequentes. sarial para que os aspectos socioeconômicos não sejam uma
- Consultar fóruns de notícias e novidades nas diferentes áreas barreira de acesso à educação superior.
do setor em questão.
- Corrigir exames tipo teste de forma imediata e com a justifi-
cativa do motivo pelo qual é correta ou incorreta a resposta SERVIÇO DE FORMAÇÃO CONTINUADA
assinalada pelo aluno. O Serviço de Formação Continuada oferece a oportunidade de
- Realizar perguntas de autoavaliação com soluções e justificativas. continuar incorporando à documentação do Curso as últimas
- Acessar links de páginas da internet recomendadas, com uma novidades, permitindo a formação permanente do aluno, além
pequena explicação sobre o conteúdo delas. de manter o acesso ao Campus Virtual, onde poderá seguir
- Consultar um glossário terminológico. acessando os fóruns de discussão, as notícias, novos conteúdos,
agenda de eventos, banco de Teses, etc.
- Conhecer os eventos que se realizarão em qualquer lugar do
mundo.
- Visualizar toda a documentação com uma estrutura grafica-
mente atraente para o aluno.
BOLSA DE PROMOÇÃO PROFISSIONAL
- Atualizar a documentação de forma imediata. Uma vez finalizado o programa, os alunos que o desejem po-
derão ingressar na Bolsa de Promoção Profissional. Desta ma-
neira, poderão manter-se informados sobre ofertas de trabalho
que vão surgindo e que se ajustem ao seu perfil profissional.

33
Direção
Acadêmica
Internacional
Dr. Arturo Ortega
Diretor da Área de TIC
Universidad Internacional Iberoamericana

Dr. Roberto Álvarez


Prof. da Universidad de Buenos Aires
Diretor da Área de Projetos, UNINI

Dr. Eduardo García


Diretor da Área Ambiental
Universidad Internacional Iberoamericana

Dr. Luis Dzul


Reitor da Universidad Internacional Iberoamericana

Autores e Professores
Dr. Humberto Álvarez Dra. Marina Castillo
Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá Prof. da Universidad del País Vasco
Dr. Jon Arambarri Dra. Margarita Castillo
Prof. da Área de TIC. FUNIBER Prof. da Universidad Nacional Autónoma de México
Dr. Sergio Balarezzo Dr. Raúl Chiu
Prof. da Universidad de Piura. Perú Prof. da Universidad Modelo
Dr. David Barrera Dr. José Cortizo
Doutor pela Universidad Politécnica de Cataluña Prof. da Universidad de León. Espanha
Dra. Brenda Bravo Dr. Lázaro Cremades González
Prof. da Universidad Autónoma Metropolitana. México Prof. da Universidad Politécnica de Cataluña
Dr. Rubén Calderón Dr. Jorge Crespo
Prof. da Universidad Europea del Atlántico Prof. da Universidad Europea del Atlántico
Dr. Martín Candanedo Dr. Antoni Creus
Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá Prof. da Universidad Politécnica de Cataluña
Dra. Olga Capó Iturrieta Dr. Juan Miguel Durán
Prof. do Instituto de Investigaciones Agropecuarias. Chile Prof. da Universidad Autónoma de Campeche
Dr. Dorindo Cárdenas Dr. Luiz Fernández Estrada
Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá Prof. da Universidad Europea del Atlántico
Dr. Manuel Castejón Dr. Fermín Ferriol
Prof. da Universidad de León. Espanha Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana

34
Dr. José Manuel Figueroa Dr. Héctor Solano
Diretor do Departamento de Inovação, Negócios e Novas Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Tecnologias. Universidad Internacional Iberoamericana
Dra. Isabel de la Torre
Dra. Milena Gómez Prof. da Universidad de Valladolid
Prof. da Universidad del Quindío. Colombia
Dr. Killian Tutusaus
Dra. Margarita González Diretor de e-learning na FUNIBER
Prof. da Universidad Politécnica de Cataluña
Dra. Martha Velasco
Dra. Rosalba Guerrero Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Prof. da Universidad de Piura. Perú
Dr. Carlos Uc Ríos
Dra. Cristina Hidalgo Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Prof. da Universidad de León. Espanha
Dr. Alberto Vera
Dr. Agustín Iza Prof. da Universidad Nacional de Lanús. Argentina.
Prof. da Universidad Científica del Sur. Perú Prof. da Área de Projetos. UNINI
Dr. Víctor Jiménez Arguelles Dr. José Zavala
Prof. da Universidad Autónoma Metropolitana. México Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dr. Yuri Kogan Dr. Carlos Mario Zuluaga
IPMA. Costa Rica Prof. da Universidad Nacional de Colombia
Dr. Miguel López Flores Dra (c). Begoña Blanco
Prof. do Instituto Politécnico Nacional. México Prof. da Universidad del País Vasco
Dr. Antonio López Fuenzalida Dr (c). Marcelino Diez
Prof. da Universidad Mayor. Chile Vice-presidente do Project Management Institut. Venezuela
Dr. Manuel Maeda Dr (c). Diego Kurtz
Prof. da Universidad de Piura. Perú Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dra. Izel Emilia Marez López Dra. (c) Silvana Marín
Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dr. Julio Martínez Dra (c). Lina Pulgarín
Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dra. Mariana de McPherson Dra (c). Daniela Torrico
Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dra. Isabel Joaquina Niembro Dr (c). Gregorio Urriola
Prof. do Tecnológico de Monterrey Prof. da Universidad de las Américas
Dr. Otto Ortega Dr. (c) Juan Luis Vidal
Prof. da Universidad Autónoma de Campeche. México Prof. da Universidad Europea del Atlántico
Dra. Yarissa Palma Mg. Erick Arauco
Prof. da Universidad Tecnológica de Panamá Prof. da Universidad de Piura. Perú
Dra. Alina Eugenia Pascual Mg. Andrea Nieto
Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana Pesquisadora do Instituto de Ciencia y Tecnología de Alimentos
Dra. María Sol Quiroga Ms. Santiago Brie
Prof. da Universidad Nacional de Lanús. Argentina Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dr. José María Redondo Vega Ms. Jhonny Espinosa
Prof. da Universidad de León. Espanha Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dr. José Ulises Rodríguez Ms. María Magdalena Peña Rodríguez
Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana Universidad de la República. Uruguay
Dr. Juan Antonio Romo Ms. Mariela Pamela Rodríguez
Prof. da Universidad del País Vasco Universidad Católica de Santa Fé. Argentina
Dra. Beatriz Sainz Ms. Pablo Urquizo
Prof. da Universidad de Valladolid Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dr. Ramón San Martín Ms. Nelson Yepes
Prof. de la Universidad Politécnica de Cataluña Prof. da Universidad Internacional Iberoamericana
Dr. Raúl Sardinha
Prof. del Instituto Piaget. Portugal

35
EUROPA Panamá · Fundación Ciudad del Saber. Clayton, Ancón.
Casa 140-B. Apartado 0819-11767. Panamá, República de Panamá.
Espanha · C/ Isabel Torres 21. 39011 - Santander.
Tel. (507) 315 0696 - panama@funiber.org
Paseo García Faria nº 29. 08005 - Barcelona.
Tel. 902 114 799 - funiber@funiber.org Paraguai · Avda. Aviadores del Chaco 2050 - World Trade Center. Torre 4,
piso 7, oficina C. Asunción Paraguay, CP 1749 / Tel: 595 (021) 2386014
Itália · Via Primo Maggio, 156. 60131 - Ancona, Italia.
Celular: 0983 333 517 - 0971 555 774 - paraguay@funiber.org
Tel. (39) 071 998 0281 - info.italia@funiber.org
Peru · Calle Chimu Cápac Nº 163, Urb. Los Rosales Surco - Lima 33.
Portugal · Av. D. João II, N.º 50. Ed. Mar Vermelho,
Tel. (511) 448 0200 / 01 449 8000 - peru@funiber.org
Parque das Nações. 1990-095 - Lisboa.
Tel. (351) 211 212 155 - portugal@funiber.org Porto Rico · Carr. 658 Km 1.3 Bo. Arenalejos Sector Palaches Arecibo,
PR 00613. P.O. Box 1304 - Arecibo, PR 00613-1304
AMÉRICA Tel. 1 787 878 2121 - puertorico@funiber.org

Argentina · Pasaje Enrique Santos Discépolo Nº 1859, Piso 7. República Dominicana · Ave. 27 de Febrero, Esquina
C1051AAA - Ciudad Autónoma de Buenos Aires. Seminario No.272, 4to. Piso. Ensanche La Julia.
Tel. (54-11) 4000 1150 - argentina@funiber.org Tel. (809) 540 4720 - republica.dominicana@funiber.org

Bolívia · Calle Bumberque Nro. 361. Santa Cruz. Uruguai · Cnel. Brandzen 1956 - Oficina 901
Tel. (591-3) 339 8527 - bolivia@funiber.org Edificio Cosmos. 11200 - Montevideo.
Tel. (00598) 2409 4962 - uruguay@funiber.org
Brasil · Rua Vento Sul, 126. Campeche
Florianópolis/SC - Brasil - CEP: 88063-070. Venezuela · Av. 17 de Diciembre, Centro Comercial Virgen del Valle,
Fone/Fax: 55 (48) 3239 0000 - brasil@funiber.org local 11 y 12. Ciudad Bolivar. Edo. Bolívar.
Tel. 0285 6317310 / 0414 8744102 - venezuela@funiber.org
Chile · Arzobispo Larraín Gandarillas, 70 ex.260.
Comuna: Providencia. CP. 7500955 - Santiago de Chile.
ÁFRICA
Tel. (56-2) 2928 9700 - chile@funiber.org
Angola · Estrada direita, Bairro Salinas, casa s/n (em frente à praça
Colômbia · Calle 40 Nº 26 A - 08, Bogotá.
de artesanato). Município de Cacuaco - Luanda.
PBX. (571) 285 35 33 - colombia@funiber.org
Tel.: 994 843344 / 924 843344 - info.angola@funiber.org
Costa Rica · Barrio Escalante. 200 mt al este de
Camarões · Mballa II, Carrefour Jamot B.P. 8147 Yaoundé.
la Rotonda del Farolito. Avenida 13, calle 35.
Tel.: +237 222 209 184 - camerun@funiber.org
PBX: (506) 2280-4522 - costarica@funiber.org
Gabão · Avenue des Grandes Écoles, 450.
Equador · Cdla. Kennedy Norte. Jerónimo Avilés y Miguel H. Alcívar.
Boîte Postale 9785. Libreville Gabón.
Mz. 405, Solar 13. 090512 - Guayaquil, Ecuador.
Tel.: +24104348968 - gabon@funiber.org
Tel. (593 - 4) 2682721 - ecuador@funiber.org
Marrocos · 11 Rue Dayat Aoua nº 8, Agdal Rabat. Maroc.
El Salvador · 87 Avenida Norte y Calle El Mirador #730
Tel.: (212) 667875906 / (212) 537680554 - maroc@funiber.org
(atrás de Hotel Crowne Plaza) Colonia Escalón. San Salvador.
Tel. (503) 2246 0173 / (503) 2246 0176 - elsalvador@funiber.org Moçambique · Rua António Enes, 274, Bairro do Chaimite. Beira - Sofala.
Tel. 00 (258) 2332 4024 - info.mozambique@funiber.org
EUA · 460 Park Avenue South, 12th Floor, New York, NY 10016.
Tel. 866-877-9857 - usa@funiber.org Senegal · Sicap Liberte 1, 1050, derriere Casino Bourguiba - Dakar.
Tel. 221 338643870 - senegal@funiber.org
Guatemala · Avenida las Americas 8-42 zona 13, Nivel 11,
Edificio Américas 10, Oficina 1101. 01013 - Guatemala, Ciudad.
ÁSIA
Tel. (502) 2204 3222 - guatemala@funiber.org
China · Room 1407, No. 488 South Wuning Road,
Honduras · Centro Morazán, Torre 2, Piso 14,
Jing’an District, Shanghai, 200042 P.R - China.
Local 21407. Tegucigalpa, Honduras.
Tel. (0086) 021 – 51182497 - china@funiber.org
Tel. (504) 2202 8960 / (504) 2270 7273 - honduras@funiber.org

México · Wisconsin nº 38 Colonia Ampliación Nápoles


Benito Juárez. C.P 03810 - Ciudad de México.
L/C: 01800 11 20 243 / Tel. (01 55) 5340 8370 - mexico@funiber.org

Nicarágua · Colonial Los Robles, esquina opuesta del Registro


Central del Consejo Supremo Electoral, casa nº 63.
Tel. (505) 2270 5252 / (505) 2277 3729 - nicaragua@funiber.org

www.funiber.org.br

www.funiber.pt

36