You are on page 1of 32

ÁGUA NOS GRÃOS

Prof. Osvaldo Resende


IFGOIANO - Câmpus Rio Verde
Ma = Massa de água

Mms = Massa de matéria seca

Mt = Massa total

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A água pode ser encontrada em três formas básicas:

•CONSTITUIÇÃO
•ADSORVIDA
•ABSORVIDA

Para fins práticos são considerado as duas formas básicas:

•ÁGUA LIVRE
•ÁGUA FORTEMENTE LIGADA

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
8 a 13

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Formas Básicas para Expressar a Quantidade de Água
A nos Grãos
A
BASE ÚMIDA (% b.u.)

BASE SECA (b.s.)

Conversão de Unidades

 100 x Xbu   100 x Xbs 


Xbs    Xbu   
 100 - Xbu   100  Xbs 

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Porcentagem de quebra A
A

 Xi - Xf 
PQ   .100
 100 - Xf 

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Determinação da umidade dos grãos A
A
Métodos Empíricos

•comuns no dia a dia do armazenamento


•utilizam a variação de características como a
dureza, som e massa específica
•são práticos
•são subjetivos
•não oferecem qualquer precisão ou repetibilidade.

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Determinação da umidade dos grãos A
A
Métodos Diretos

•Quantificam o teor de água retirando toda a água da amostra


•Alguns são usados como padrão (Método padrão de estufa)
•Baseiam-se na curva típica de remoção de água dos grãos

Massa
inicial

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Estufa de ventilação forçada A
A

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Método da estufa A
A
•reconhecido internacionalmente
•Diferenças de massas inicial e final.
•são empíricos por natureza
•os resultados dependem da temperatura e tempo de secagem,
do estado do grão.
•existem muitas combinações de tempo e temperatura e as
recomendações variam:
•com a espécie
•com o tamanho dos grãos
•com o teor de água esperado
•Para grãos volumosos ou de produtos com umidade > 60%b.u. a
amostra é moída para determinação da umidade em dois estágios
•Em geral, utilizam-se temperaturas de 103 a 130ºC e tempos de
secagem variando de 8 a 72 h.

•No Brasil, utiliza-se com frequência: 105º  3ºC, 24h (RAS)

•ASAE; ISO; AOAC, etc

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
RECOMENDAÇÕES O MÉTODO EM ESTUFA
A
A
•Amostra representativa
•Proteção da amostra
•Precisão da pesagem da amostra
•Preparação das amostras
•Tamanho da amostra
•Tanto as estufas de convecção natural como as de convecção
forçada podem ser usadas

•Conferir:
•a estabilidade da temperatura
•a uniformidade de aquecimento
•a ventilação
•a taxa de fluxo de ar
•a taxa de recuperação da temperatura após a inserção das
amostras
•a precisão do termômetro.

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
RECOMENDAÇÕES PARA AUMENTAR AAPRECISÃO
A
NA DETERMINAÇÃO DA UMIDADE UTILIZANDO-SE O
MÉTODO EM ESTUFA

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Brown Duvel - desenvolvido em 1907, foi oA método oficial
de inspeção de grãos nos EUA. A

Vários módulos destilação. A precisão do processo


depende muito do controle da temperatura.

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
EDABO: evaporação direta da água em banho
A de óleo -
variação do método de Brown Duvel

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

Determinador de umidade modelo EDABO.

Temperaturas recomendadas para diversos produtos durante a utilização no EDABO.

175

IF Goiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
INFRAVERMELHO - a água é removida Ados grãos pelo
A
aquecimento com raios infravermelhos. Pesagem
contínua.

IF Goiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
MÉTODO KARL-FISHER - água extraída da A amostra
moída, utilizando-se metanol, é medida porAprocesso de
titração, solução chamada “reagente de Karl-Fisher”.

- reagente de Karl-Fisher é específico para a água, não


ocorrendo reação alguma com qualquer outra substância.

- Método Exato – calibrar todos os outros métodos

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Métodos Indiretos A
A

-Métodos de Condutividade Elétrica


R = Resist. Elétrica

Teor de água
U = Teor de Umidade

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
-Métodos de Condutividade Elétrica A
A

Determinador Universal

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

Determinador Universal

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

Determinador Universal
IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

Determinador Universal
IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
Métodos Indiretos A
A

- Métodos de capacitância elétrica: propriedade dielétrica


ou capacidade de armazenar carga elétrica

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende
A
A

IFGoiano - RV
CEFET-RV Osvaldo Resende