You are on page 1of 3

Folha de S.

Paulo - "Já fui chamada de charlatã" - 5/6/1994 26/08/2018 20(22

São Paulo, domingo, 5 de junho de 1994

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

"Já fui chamada de charlatã"


CLAUDIO JULIO TOGNOLLI
DA REPORTAGEM LOCAL

Virgínia Bicudo está com quase 80 anos de idade e é uma das


pioneiras da psicanálise em São Paulo. Teve aulas com Melanie
Klein, de quem foi amiga, e chegou a ser chamada de "charlatã" –
quando a psicanálise era praticamente desconhecida no Brasil.
Apontada como uma das mais brilhantes psicanalistas brasileiras,
concedeu a seguinte entrevista à Folha.

Folha - Como a sra. começou a se interessar por psicanálise?


Virgínia Bicudo - O que me levou para a psicanálise foi o sofrimento.
Eu queria me aliviar de sofrer. Imaginava que a causa do meu
sofrimento fossem problemas sociais, culturais. Então me matriculei
na Escola de Sociologia e Política. Isso foi em 1935.
Eu tinha conflitos muitos grandes comigo mesma, mas achava que a
causa era social. Desde criança eu sentia preconceito de cor. Queria o
curso de sociologia porque, se o problema era esse preconceito, eu
deveria estudar sociologia para me proteger do preconceito, que é
formado ao nível sociocultural.
No segundo ano do curso, com a professora Noemy Silveira, tive
contato com a psicologia social. Começei a ler e ali encontrei a
psicologia do inconsciente de Sigmund Freud. Aí disse: "É isso que
estou procurando".
Folha - E a partir daí?
Virgínia -Saí por São Paulo correndo, perguntando sobre onde poderia
encontrar cursos de psicanálise. Aí me disseram que a resposta estava
em Durval Marcondes, psiquiatra. Eu o procurei e perguntei sobre o
curso. Aí ele falou: "A senhora já pediu permissão a seu pai, para ver
se ele deixa a senhora fazer esse curso?"
Folha -Por quê essa permissão?
Virgínia- Precisava da permissão, e o Durval falava que precisava
disso porque era um curso que iria lidar com sexualidade, e havia
muito preconceito. Quando ele pediu essa permissão eu não falei nada
para ele, e disse: "Está bem, na próxima sessão eu trago a permissão
de meu pai".
Mas meu pai já tinha morrido. Voltei e na outra sessão afirmei: "Meu
pai disse que posso fazer o curso, me deu permissão". Foi asssim que

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/6/05/mais!/12.html Página 1 de 3
Folha de S.Paulo - "Já fui chamada de charlatã" - 5/6/1994 26/08/2018 20(22

começei entrar na linha de Durval Marcondes.


Folha - E a partir daí?
Virgínia - Durval começou a lutar muito pela psicanálise, queria um
especialista internacional aqui. Ele queria um psicanalista da Europa
para formar a gente aqui. Mas as pessoas só iam para a Argentina.
Durval estava desesperado, até que veio para cá a Adelheid Koch, que
chegou aqui em 1936 e começou a trabalhar em 1939, depois que
aprendeu o idioma. Eu fiz sessões de psicanálise com Adelheid por
cinco anos, a partir de janeiro 1939. Cinco anos depois eu já atendia
pessoas, numa sala na rua Araújo, no centro de São Paulo.
Folha - Era difícil ser psicanalista?
Virgínia - Tivemos notícia que no Rio de Janeiro havia intervenção
contra psicanalistas e aqui ficamos prevenidos, com advogados, caso
houvesse em São Paulo algum incidente. Depois cheguei a fazer
várias palestras na Folha, graças ao então presidente, José Nabantino
Ramos, um homem interessadíssimo em psicanálise.
Folha - Por que decidiu se mudar para Londres?
Virgínia - Foi em 1955. Houve aqui um conflito muito grande, quando
ocorreu um congresso de higiene mental. Professores da cadeira de
psiquiatria da USP estavam contra a psicanálise. Os psiquiatras
ficaram contra Durval Marcondes, porque ele formava psicanalistas.
A psiquiatria oficial não aceitava a psicanálise. Os psiquiatras me
chamavam de charlatã, achavam que só médico poderia exercer a
psicanálise.
Folha - Em Londres, a senhora teve contato com Melanie Klein?
Virgínia - Tive contato social e profissional. Quando cheguei, não a
conhecia. Eu estava no Instituto de Psicanálise de Londres quando a
vi. Enviei flores a ela, no dia de seu aniversário. Meu inglês era muito
pobre. Então fui no dicionário e tirei o termo "ornament"
(ornamento). Ela depois me mandou um cartão agradecendo, e disse
que o que mais tinha chamado a a atenção dela fora a palavra
"ornament", que não era muito usada.
Assim fui me aproximando dela. Uma vez por mês ela dava um chá
em sua casa, quando convidava os psicanalistas de Londres. Eu era a
única brasileira. Ela me ensinou muito também da psicanálise das
crianças. Em 1959 eu voltava para o Brasil e ela me ofereceu um
jantar de despedida. Ficamos cada uma numa ponta da mesa, na
cabeceira. Ele disse que numa despedida precisava-se ter intimidade.
Folha - Hoje a sra. estuda física quântica relacionada à psicanálise?
Virgínia - A psicanálise pode fazer benefícios para a humanidade. Se
melhoramos nosso psíquico, melhoramos a vida para todo mundo. E
hoje me interesso pela física quântica. Podemos reunir a dinâmica da
física quântica com a da energia psíquica. Os detritos do átomos têm
atração e repulsão, é o mesmo mecanismo da energia psíquica, que
tem amor e ódio. Aí temos que falar da entropia. A entropia é a
segunda lei do calor. Ela diz que é impossível a transmissão de calor
do mais fraco para o mais forte. A Terra recebe calor do Sol, e ele
jamais vai retirar esse calor da Terra. Isso não acontece só com os
astros, acontece com todos os elementos. Estamos sujeitos a essa lei
da entropia, e não estamos conscientes disso. Nossos conflitos

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/6/05/mais!/12.html Página 2 de 3
Folha de S.Paulo - "Já fui chamada de charlatã" - 5/6/1994 26/08/2018 20(22

emocionais são consequência do desrespeito à lei da entropia.


Folha - Dê um exemplo?
Virgínia - Conflitos entre os seres humanos, conflitos conjugais: é
comum e frequente os casais dizerem "você não me ama tanto quanto
eu te amo". Se amor for calor, é impossível dois seres amarem com a
mesma intensidade. Essa exigência dos seres humanos, portanto, é
impossível, é um desrespeito à entropia, nós queremos exigir do
corpo do outro.
- A senhora está desenvolvendo essa teoria?
Virgínia - Sim, Freud e Einstein já trabalharam juntos nisso. Einstein
coloca suas fórmulas em 1905, quando Freud analisa pela primeira
vez uma criança, o pequeno Hans. O menino sofria de fobia. Fobia é
distúrbio fóbico, do movimento. Einstein formula o movimento, que
desenvolve vida. Os humanos têm esse movimento de atração e
repulsão. Psicanálise e física são a maior herança do século 20 para o
futuro. (Claudio Julio Tognolli)

Texto Anterior: Psicanálise chega ao país com modernismo


Próximo Texto: Viva João Ubaldo e o povo de Itaparica
Índice

Clique aqui para deixar comentários e sugestões para o ombudsman.

Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em
qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/6/05/mais!/12.html Página 3 de 3