You are on page 1of 7

1

Assessment of Distribution-type Surge Arresters Commented [AF1]: Verificar se devemos trocar por ZnO ou
Metal-Oxide. O texto deve se adequar.

by means of Resistive Leakage Current
Estimation via Thermography
Arthur F. Andrade, Helem M. M. Alves, Valdemir S. Brito, Lenilson A. Barbosa, Edson G. Costa,
Senior Member, IEEE, and George R. S. Lira, Member, IEEE

Abstract—Basic guidelines for the preparation of a technical
work for an IEEE Power & Energy Society Transactions/Journal I. INTRODUCTION
Publication are presented. This document is itself an example of
the desired layout (inclusive of this abstract) and can be used as a
template. It contains information regarding desktop publishing
format, type sizes, and typefaces. Style rules are provided that
T HIS document is an example of the desired layout for a PES
Transactions/Journal paper. It contains information
regarding desktop publishing format, type sizes, and typefaces.
explains how to handle equations, units, figures, tables, Style rules are provided that explain how to handle equations,
abbreviations, and acronyms. Sections are also devoted to the units, figures, tables, abbreviations, and acronyms. Sections are
preparation of acknowledgments, references, and authors'
also devoted to the preparation of acknowledgments,
biographies. The abstract is limited to 150–200 words and cannot
contain equations, figures, tables, or references. It should concisely
references, and authors’ biographies.
state what was done, how it was done, principal results, and their
significance.1 Estou escrevendo um esboço da introdução para não esquecer:

Index Terms—Arresters, finite element analysis, heat transfer, Os para-raios de óxido de zinco (ZnO) são equipamentos
leakage currents, remaining life assessment, varistors. importantes para a correta operação dos sistemas elétricos, pois
exercem a proteção contra descargas atmosféricas e
NOMENCLATURE sobretensões de manobra. Dessa forma, é importante que se
ρ – density [kg/m³] faça um correto monitoramento deste equipamento com o
τ – total acquisition time [s] intuito de identificar e retirar de operação um para-raios
C – electrical capacitance [F] or thermal capacity [J/K] disfuncional.
c – thermal capacity [J/(kg∙K)] A temperatura é um dos parâmetros que influencia na
h – heat transfer coefficient [W/(m²∙K)] ocorrência de falhas e no tempo de vida útil de um para-raios.
i – instantaneous leakage current through the arrester [mA] Realizar um monitoramento térmico em para-raios de ZnO é
iR – resistive current [mA] importante para que seja possível observar o comportamento
k – thermal conductivity [W/(m∙K)] térmico do mesmo. O grupo de pesquiso do qual este trabalho
p – electric power [W] faz parte, em outras ocasiões, desenvolveu trabalhos de
Q – heat source [W/m³] monitoramento de para-raios de ZnO utilizando simulações
q – heat flux density [W/m²] computacionais.
R – thermal resistance [W/K]
RMSE – root mean square error [K] Começar com um breve comentário acerca da importância dos
T – temperature [K] para-raios do sistema e da necessidade de monitorá-los e definir
Tamb – ambient temperature [K] critérios para estimação da vida útil.
Tm – measured temperature [K] Em seguida, elencar alguns trabalhos nossos e de outros autores
Ts – simulated temperature at a specific point on the que focaram em modelagem térmica, elétrica e monitoramento
arrester’s housing [K] de para-raios. Inserir trabalhos do IEEE, da revista Power
t – time [s] Delivery e nossos trabalhos sobre o tema (SBSE, ICHVE,
v – voltage [kV] outros trabalhos do LAT. Prof. Edson tem um artigo sobre o
tema em revista, se não me engano). Há uma pasta com artigos
para referência.
Por fim, apresentar as contribuições deste trabalho, que estou

This work was supported by the Coordination of Improvement of Higher Education Personnel (CAPES) and the National Council for Scientific and
Technological Development (CNPq).
A. F. Andrade (arthur.andrade@ee.ufcg.edu.br), H. M. M. Alves (helem.alves@ee.ufcg.edu.br) and L. A. Barbosa (lenilson.barbosa@ee.ufcg.edu.br) are with
the Graduate Program in Electrical Engineering, Federal University of Campina Grande, Campina Grande, PB, Brazil.
V. S. Brito (valdemir.brito@ifpb.edu.br) is with the Electrical Engineering Department, Federal Institute of Paraiba, Princesa Isabel, PB, Brazil.
E. G. Costa (edson@dee.ufcg.edu.br) and G. R. S. Lira (george@dee.ufcg.edu.br) are with the Electrical Engineering Department, Federal University of
Campina Grande, Campina Grande, PB, Brazil.
2

esboçando a seguir: O ensaio consistiu na aplicação de uma sobretensão com
valor eficaz de cerca de 15 kV por 15 minutos, seguido por um
Neste artigo, é proposta uma metodologia para período de resfriamento de 30 minutos. O valor de tensão
monitoramento do estado de degradação de para-raios aplicado foi suficiente para produzir um aquecimento
poliméricos empregados em sistemas de distribuição. A mensurável no invólucro do para-raios.
metodologia se baseia em um modelo eletrotérmico que permite Voltage and current waveforms were acquired por meio de
correlacionar a temperatura medida por meio de termografia à um osciloscópio, e a temperatura de um ponto no invólucro foi
corrente resistiva no para-raios. Para a elaboração do modelo, a medida periodicamente por meio de uma FLIR-P65 infrared
resposta eletrotérmica de um para-raios de 12 kV foi avaliada camera. O ponto utilizado para medição de temperatura é
em laboratório considerando tanto power frequency quanto ilustrado na Fig. 5. A temperatura ambiente também foi medida.
sinais impulsivos. Para a estimação de parâmetros do modelo Voltage, current and temperature measurements foram feitos a
eletrotérmico, métodos de otimização e identificação de cada 3 minutos durante o ensaio.
sistemas foram empregados a um modelo físico baseado em Após os 30 minutos de resfriamento, duas séries de aplicação
cálculo de campo e a um circuito térmico a parâmetros de tensão variável foram realizadas, com o objetivo de se
concentrados associado. A metodologia proposta permite levantar a curva característica tensão corrente dos varistores
avaliar o estado dos varistores mediante medições com câmera para diferentes valores de temperatura. O para-raios foi
infravermelha. energizado apenas durante tempo suficiente para realizar a Commented [AF2]: Essa introdução tá muito com cara de
aquisição das grandezas elétricas, de modo a minimizar a resumo, mas fiz assim porque pensei em fornecer toda a informação
possível sobre como eu estou pensando o artigo.
II. LABORATORY MEASUREMENTS variação da temperatura dos varistores para uma mesma série
de pontos tensão-corrente.
A. Medições em Laboratório
De modo a se obter dados experimentais para a determinação B. Obtenção dos valores de Potência e Corrente Resistiva
dos parâmetros elétricos e térmicos do para-raios em estudo, o Após o término do ensaio, as formas de onda de tensão e
setup/circuito apresentado na Fig. 1 foi utilizado para a correntes foram utilizadas para se calcular os valores de
aplicação de energia em um para-raios polimérico de 12 kV. O potência e corrente resistiva.
circuito consiste em um transformador de alta tensão um A potência elétrica média absorvida foi calculada para cada
resistor limitador de corrente e um divisor capacitivo para a um dos pares de onda tensão corrente adquiridos utilizando a
medição da tensão aplicada. A atenuação do divisor capacitivo aproximação (1):
é de cerca de 344.9. Em série com o para-raios foi posicionado
𝑛
a 1-kΩ shunt resistor para a medição da corrente de fuga. 1 𝜏 1
𝑃= ∫ 𝑣(𝑡)𝑖(𝑡)𝑑𝑡 = ∑ 𝑣𝑘 𝑖𝑘 , (1)
𝜏 0 𝑛
𝑘=1

where T é o período total de aquisição e n é o número de
amostras obtidas no período. No experimento realizado, os
valores empregados foram T = 50 ms e n = 2500 amostras. Um
exemplo de forma de formas de onda adquiridos por meio do
osciloscópio pode ser visto na Fig. 2.

(a)

Fig. 2. Sample of acquired current and voltage waveshapes.

(b) A corrente resistiva no para-raios foi calculada com base no
Fig. 1. Diagrama do circuito utilizado para ensaio eletrotérmico (a) e fotografia de circuito equivalente do para-raios mostrado na Fig. 3, que
da montagem experimental (b). considera uma componente capacitiva iC(t) e uma componente
3

resistiva iR(t) não linear para a corrente. meio do método dos elementos finitos (FEM), conforme passos
descritos abaixo.
A. Ambiente de Simulação
FEM é uma ferramenta numérica adequada à resolução de
problemas baseados em equações diferenciais parciais. A
premissa básica do FEM é que um domínio pode ser
representado pela união de um número finito de elementos
discretos, nos quais os valores da variável de campo estudada
podem ser calculados por meio de um sistema de equações.
Neste estudo, o FEM foi aplicado por meio de um software
comercial que realiza as operações de discretização do domínio,
Fig. 3. Circuit model for a surge arrester under power frequency excitation.
seleção das funções de interpolação e resolução do sistema de
equações resultante. Devido à geometria axisymmetric, um
A corrente total i(t) referente é dada por (2), em que C
modelo cilíndrico 2d pôde ser empregado. Na Fig. 5, são
representa a capacitância equivalente:
apresentadas a geometria definida para representar o para-raios,
com destaque para os materiais definidos e a malha de
𝑑
𝑖(𝑡) = 𝑖𝑅 (𝑡) + 𝑖𝑐 (𝑡) = 𝑓[𝑣(𝑡)] + 𝐶 𝑣(𝑡). (2) elementos finitos obtida.
𝑑𝑡
𝑑𝑣
Nos instantes em que a derivada da tensão é zero, a
𝑑𝑡
componente capacitiva se anula, e o valor instantâneo da
corrente resistiva para o valor de tensão correspondente naquele
ponto pode ser obtido.
Para cada par de amostras tensão-corrente obtidas a partir do
ensaio, uma média correspondente aos seis picos ocorrentes
durante o período τ de aquisição foi calculada. Os resultados
obtidos podem ser vistos na Fig. 4.

(a) (b)
Fig. 5. Geometria e materiais definidos (a) e malha de elementos finitos
utilizada para a representação do para-raios (b).

Na Fig. 5a, a cor laranja representa a coluna de varistor, os
terminais de alumínio são representados em azul e o invólucro
polimérico aparece em cinza. Após a definição da geometria,
devem ser definidos parâmetros físicos para representar o
comportamento dos materiais. Os parâmetros utilizados na
simulação são apresentados na Table I. Alguns parâmetros têm
Fig. 4. Relações corrente resistiva – tensão obtidas do experimentalmente. valores bem definidos, enquanto outros possuem uma faixa de
variação típica em função do método de fabricação e da
A Fig. 4 registra três séries de dados distintas: uma série de temperatura de operação. Os parâmetros que apresentam maior
5 pontos obtida com tensão aproximadamente constante de faixa de variação de acordo com a literatura técnica são zinc
19.2 kV e temperatura do varistor crescente (black square) e oxide and silicone rubber thermal conductivity. A
duas séries obtidas após a etapa inicial de resfriamento, nas condutividade térmica do óxico de zinco pode variar de 23 a
quais a temperatura do varistor é aproximadamente constante cerca de 60 W/(m∙K) [ref. Prof. Edson], [COMSOL], enquanto
curvas. a condutividade térmica da borracha pode variar de cerca de
0.15 a 3.3 W/(m∙K).
III. FINITE ELEMENT SIMULATIONS
TABLE I
Com o objetivo de analisar a relação entre as temperaturas
Parâmetros Físicos Atribuídos aos Materiais Simulados
interna e externa do para-raios submetido a uma determinada
Density Heat capacity Thermal conductivity
entrada de potência (a given power input), simulações de Material
ρ c k
transferência de transferência de calor foram realizadas por
4

(kg/m³) (J/(kg∙K)) (W/(m∙K)) Ambas as temperaturas são evaluted ao longo do tempo para
um número N de pontos, o qual está relacionado ao passo de
Aluminum 2700 900 238
tempo escolhido para a simulação. Como a temperatura medida
Silicone
1265 1803 k1
Tm só tem valores definidos em instantes específicos, neste caso
Rubber a cada 3 minutos, uma interpolação é realizada para a estimação
Zinc Oxide 5650 c(T) k2 dessa temperatura em instantes intermediários.
O algoritmo BOBYQA (acronym for Bound Optimization
Na Table I, the zinc-oxide heat capacity is defined as a BY Quadratic Approximation) [Powell] foi aplicado para a
function c(T) expressed by: minimização da função objetivo em (w). Trata-se de um
iterative algorithm, free-derivative suitable for constrained,
𝑐(𝑇) = 41.58 + 3.009 ∙ 𝑇 − 6.803 ∙ 10−3 𝑇² + 7.343 nonlinear optimization.
(x) When applied to a finite-element model, em cada iteração,
∙ 10−6 𝑇³ − 3.029 ∙ 10−9 𝑇 4 .
uma nova FEM simulation é realizada modificando-se os
Após a definição dos parâmetros fixos e parâmetros de valores dos parâmetros variáveis do modelo, no caso k1, k2 e h.
ajuste, a próxima etapa é a resolução de (y) e (y2) [ref. Holman, Estimativas iniciais para os parâmetros devem ser fornecidas.
está na pasta Livros da dissertação] que rege a transferência de O critério de parada é atingido quando a variação da função
calor em sólidos, de modo a determinar a distribuição de objetivo se torna menor que uma optimaly tolerance, que foi
temperatura ao longo do para-raios: definida neste estudo como 0.01.
O algoritmo convergiu após 21 iterações. Na Table II, são
𝜕𝑇 mostradas as estimativas iniciais fornecidas com base em testes
𝜌𝑐 +∇∙𝒒=𝑄 (y) preliminares e valores da literatura, bem como os valores
𝜕𝑡
and obtidos para os parâmetros ao final do processo de ajuste de
𝒒 = −𝑘∇𝑇. (y2) curvas.
TABLE II
em que Q [W/m³] representa uma fonte volumétrica de potência Valores dos parâmetros térmicos estimados
Silicone Rubber
térmica e o vetor q [W/m²] é a densidade de fluxo de calor por Varistor thermal Heat transfer
thermal
Parameter conductivity (k2) coefficient (h)
condução. conductivity (k1)
[W/(m∙K)] [W/(m²∙K)]
[W/(m∙K)]
Além dos parâmetros dos materiais, the heat transfer
coeficient h deve ser determinado. Este parâmetro modela a Initial estimate 0.2600 60.00 17.00
taxa de transferência de calor entre um objeto e o ambiente
Obtained value 0.3245 28.81 17.88
adjacente de acordo com (z):

𝑞 = ℎ(𝑇 − 𝑇𝑎𝑚𝑏 ). (z) Na Fig. 6, as curvas de temperatura simulada com os
parâmetros calculados são apresentadas. A curva verde
em que q é a densidade de fluxo de calor na interface do corpo, representa a temperatura no ponto de referência no invólucro.
em W/m² é e Tamb é a temperatura ambiente. O coeficiente h é A curva vermelha corresponde ao ponto equivalente, na mesma
geralmente determinado de forma empírica. altura, situado no centro da coluna de varistores. As
Por serem os parâmetros com maior nível de incerteza em temperaturas medidas por termovisão e ambiente também são
sua especificação, as condutividades térmicas k1 e k2 e o heat apresentadas.
transfer coeficient h foram considerados como parâmetros de
ajuste do modelo térmico do para-raios.

B. Estimação dos Parâmetros do Modelo
A estimação dos parâmetros térmicos com faixa de incerteza
foi realizada efetuando-se um ajuste das curvas de temperatura
medida e simulada com o FEM. O ajuste de curvas consistiu na
resolução de um problema de mínimos quadrados não linear, ou
seja, na minimização da função objetivo:

𝑁

𝑓(𝑘1 , 𝑘2 , ℎ) = ∑[𝑇𝑠 (𝑛) − 𝑇𝑚 (𝑛)]2 . (w)
𝑛=1

Em (x), Ts e Tm são a temperatura simulada e a temperatura
medida no ponto situado na região central do invólucro, Fig. 6. Temperaturas medida e simulada para o ensaio de aquecimento.
respectivamente. Este ponto está representado na Fig. 5a. De modo a avaliar a eficácia do ajuste de curvas, estatísticas
5

de erro entre as temperaturas medida e simulada no invólucro atinge o regime, isto é, ele é termicamente instável.
foram calculadas. Os valores de erro médio, desvio padrão do
erro e RMSE (root mean square error) obtidos foram IV. MODELAGEM DA RELAÇÃO CORRENTE RESISTIVA –
respectivamente -0.03 K, 0.61 K e 0.59 K. As estatísticas de TEMPERATURA
erro atestam a conformidade do modelo com os dados Após o ajuste do finite-element model, tem-se um modo de
experimentais, tendo em vista que a acurácia da infrared câmera estimar a temperatura do varistor com base em uma entrada de
utilizada era de ±2 K. potência especificada e na temperatura medida no invólucro do
By way of illustration, os mapas de temperatura e medido e para-raios, e torna-se possível analisar a relação entre a corrente
simulado correspondentes ao instante t = 15 min são resistiva nos varistores e a temperatura dos varistores e
apresentados na Fig. 7. The temperature measured on the invólucro do para-raios.
reference point, denoted by point 1 on the infrared camera, foi
de 316 K (43.4ºC). A. Mathematical Model for the Leakage Current
Para os estudos realizados, a corrente resistiva considerando
temperatura constante foi modelada utilizando (x):

𝑖𝑅 (𝑣) = 𝐴𝑒 𝐵𝑣 . (x)

Como pode-se constatar de uma análise da Fig. 4, a elevação
de temperatura provoca um aumento da corrente resistiva, o
qual pode ser descrito considerando que os parâmetros A e B
em (x) são funções da temperatura.

B. Análise de Estabilidade do Para-raios
Check that all figures and tables are numbered correctly. Use
arabic numerals for figures and Roman numerals for tables.

(a) C. Correlação entre Corrente Resistiva Eficaz e Temperatura
do Invólucro
Check that all figures and tables are numbered correctly. Use
arabic numerals for figures and Roman numerals for tables.

V. MODELAGEM DO PARA-RAIOS POR MEIO DE UM CIRCUITO
TÉRMICO
Metric units are preferred for use in IEEE publications in
light of their global readership and the inherent convenience of
these units in many fields. In particular, the use of the
International System of Units (Systeme Internationale d'Unites
or SI Units) is advocated.

(b)
Fig. 7. Comparação entre mapas de temperatura medido e simulado no final da VI. CONCLUSION
etapa de aquecimento (t = 15 min).
Check that all figures and tables are numbered correctly. Use
arabic numerals for figures and Roman numerals for tables.
C. Simulações em Regime Estacionário
Após a estimação de parâmetros e validação do modelo por
meio da confrontação com os valores medidos, simulações em VII. REFERENCES
regime estacionário foram realizadas, com os objetivos de [1] M. J. D. Powell. (2009, Aug.). The BOBYQA algorithm for bound
relacionar as temperaturas do invólucro e varistores, bem como constrained optimization without derivatives. DAMTP, Univ. Cambridge,
a relação entre potência dissipada e corrente de fuga em regime Cambridge, UK. [Online]. Available: http://www.damtp.cam.ac.uk/
user/na/NA_papers/NA2009_06.pdf
peramente.
A análise estabilidade é uma consequência natural da Basic format for books:
simulação em regime estacionário. A distribuição de [2] J. K. Author, “Title of chapter in the book,” in Title of His Published Book,
temperatura em regime estacionário é calculada por meio de (y) xth ed. City of Publisher, Country if not USA: Abbrev. of Publisher, year,
e (y2) considerando que a derivada da temperatura com relação ch. x, sec. x, pp. xxx–xxx.
ao tempo é nula A impossibilidade de resolução da equação Examples:
nesse caso representa/ é um indicativo de que o sistema não
6

[3] G. O. Young, “Synthetic structure of industrial plastics,” in Plastics, 2nd [22] S. L. Talleen. (1996, Apr.). The Intranet Architecture: Managing
ed., vol. 3, J. Peters, Ed. New York: McGraw-Hill, 1964, pp. 15–64. information in the new paradigm. Amdahl Corp., CA. [Online].
[4] W.-K. Chen, Linear Networks and Systems. Belmont, CA: Wadsworth, Available: http://www.amdahl.com/doc/products/bsg/intra/infra/html
1993, pp. 123–135.
Basic format for computer programs and electronic documents
Basic format for periodicals: (when available online): ISO recommends that capitalization
[5] J. K. Author, “Name of paper,” Abbrev. Title of Periodical, vol. x, no. x,
pp. xxx–xxx, Abbrev. Month, year.
follow the accepted practice for the language or script in which
Examples: the information is given.
[6] J. U. Duncombe, “Infrared navigation—Part I: An assessment of Example:
feasibility,” IEEE Trans. Electron Devices, vol. ED-11, no. 1, pp. 34–39, [23] A. Harriman. (1993, June). Compendium of genealogical software.
Jan. 1959. Humanist. [Online]. Available e-mail: HUMANIST@NYVM.ORG
[7] E. P. Wigner, “Theory of traveling-wave optical laser,” Phys. Rev., vol. Message: get GENEALOGY REPORT
134, pp. A635–A646, Dec. 1965.
[8] E. H. Miller, “A note on reflector arrays,” IEEE Trans. Antennas
Propagat., to be published. Basic format for patents (when available online):
[24] Name of the invention, by inventor’s name. (year, month day). Patent
Number [Type of medium]. Available: site/path/file
Basic format for reports:
Example:
[9] J. K. Author, “Title of report,” Abbrev. Name of Co., City of Co., Abbrev.
State, Rep. xxx, year. [25] Musical toothbrush with adjustable neck and mirror, by L. M. R. Brooks.
(1992, May 19). Patent D 326 189 [Online]. Available: NEXIS Library:
Examples: LEXPAT File: DESIGN
[10] E. E. Reber, R. L. Michell, and C. J. Carter, “Oxygen absorption in the
earth’s atmosphere,” Aerospace Corp., Los Angeles, CA, Tech. Rep. TR-
0200 (4230-46)-3, Nov. 1988. Basic format for conference proceedings (published):
[11] J. H. Davis and J. R. Cogdell, “Calibration program for the 16-foot [26] J. K. Author, “Title of paper,” in Abbreviated Name of Conf., City of
antenna,” Elect. Eng. Res. Lab., Univ. Texas, Austin, Tech. Memo. NGL- Conf., Abbrev. State (if given), year, pp. xxx–xxx.
006-69-3, Nov. 15, 1987. Example:
[27] D. B. Payne and J. R. Stern, “Wavelength-switched passively coupled
Basic format for handbooks: single-mode optical network,” in Proc. IOOC-ECOC, 1985, pp. 585–590.
[12] Name of Manual/Handbook, x ed., Abbrev. Name of Co., City of Co., Example for papers presented at conferences (unpublished):
Abbrev. State, year, pp. xxx–xxx. [28] D. Ebehard and E. Voges, “Digital single sideband detection for
Examples: interferometric sensors,” presented at the 2nd Int. Conf. Optical Fiber
[13] Transmission Systems for Communications, 3rd ed., Western Electric Co., Sensors, Stuttgart, Germany, Jan. 2–5, 1984.
Winston-Salem, NC, 1985, pp. 44–60.
[14] Motorola Semiconductor Data Manual, Motorola Semiconductor Basic format for patents:
Products Inc., Phoenix, AZ, 1989. [29] J. K. Author, “Title of patent,” U.S. Patent x xxx xxx, Abbrev. Month,
day, year.
Basic format for books (when available online): Example:
[15] Author. (year, month day). Title. (edition) [Type of medium]. volume [30] G. Brandli and M. Dick, “Alternating current fed power supply,” U.S.
(issue). Available: site/path/file Patent 4 084 217, Nov. 4, 1978.
Example:
[16] J. Jones. (1991, May 10). Networks. (2nd ed.) [Online]. Available: Basic format for theses (M.S.) and dissertations (Ph.D.):
http://www.atm.com [31] J. K. Author, “Title of thesis,” M.S. thesis, Abbrev. Dept., Abbrev. Univ.,
City of Univ., Abbrev. State, year.
Basic format for journals (when available online): [32] J. K. Author, “Title of dissertation,” Ph.D. dissertation, Abbrev. Dept.,
[17] Author. (year, month). Title. Journal. [Type of medium]. volume (issue), Abbrev. Univ., City of Univ., Abbrev. State, year.
pages. Available: site/path/file Examples:
Example: [33] J. O. Williams, “Narrow-band analyzer,” Ph.D. dissertation, Dept. Elect.
[18] R. J. Vidmar. (1992, Aug.). On the use of atmospheric plasmas as Eng., Harvard Univ., Cambridge, MA, 1993.
electromagnetic reflectors. IEEE Trans. Plasma Sci. [Online]. 21(3), pp. [34] N. Kawasaki, “Parametric study of thermal and chemical nonequilibrium
876–880. Available: http://www.halcyon.com/pub/journals/21ps03- nozzle flow,” M.S. thesis, Dept. Electron. Eng., Osaka Univ., Osaka,
vidmar Japan, 1993.

Basic format for papers presented at conferences (when Basic format for the most common types of unpublished
available online): references:
[35] J. K. Author, private communication, Abbrev. Month, year.
[19] Author. (year, month). Title. Presented at Conference title. [Type of
medium]. Available: site/path/file [36] J. K. Author, “Title of paper,” unpublished.
[37] J. K. Author, “Title of paper,” to be published.
Example:
Examples:
[20] PROCESS Corp., MA. Intranets: Internet technologies deployed behind
the firewall for corporate productivity. Presented at INET96 Annual [38] A. Harrison, private communication, May 1995.
[39] B. Smith, “An approach to graphs of linear forms,” unpublished.
Meeting. [Online]. Available: http://home.process.com/Intranets/wp2.htp
[40] A. Brahms, “Representation error for real numbers in binary computer
arithmetic,” IEEE Computer Group Repository, Paper R-67-85.
Basic format for reports and handbooks (when available
online): Basic format for standards:
[21] Author. (year, month). Title. Company. City, State or Country. [Type of [41] Title of Standard, Standard number, date.
medium]. Available: site/path/file Examples:
Example: [42] IEEE Criteria for Class IE Electric Systems, IEEE Standard 308, 1969.
[43] Letter Symbols for Quantities, ANSI Standard Y10.5-1968.
7

VIII. BIOGRAPHIES
A technical biography and photograph for each author may
be included. The photo should be 2.54 centimeters (1 inch) wide
by 3.18 centimeters (1.25 inches) high. The head and shoulders
should be centered, and the photo should be flush with the left
margin. The space required for the biographies and photos is
included in the eight-page limit.
The first paragraph should begin with the author’s name (as
it appears in the byline) and IEEE membership history. A place
and/or date of birth may be included (list place, then date). Next,
the author’s educational background is listed. The degrees
should be listed with type of degree in what field, which
institution, city, state, and country, and year the degree was
earned. The author’s major field of study should be lower-
cased.
The second paragraph uses the pronoun of the person (he or
she) and not the author’s last name. It lists military and work
experience, including summer and fellowship jobs. Job titles
are capitalized. The current job must have a location; previous
positions may be listed without one. Information concerning
previous publications may be included. Try not to list more than
three books or published articles. The format for listing
publishers of a book within the biography is: title of book (city,
state: publisher name, year) similar to a reference. Current and
previous research interests end the paragraph.
The third paragraph begins with the author’s title and last
name (e.g., Dr. Smith, Prof. Jones, Mr. Kajor, Ms. Hunter). List
any memberships in professional societies other than the IEEE.
Finally, list any awards and work for IEEE committees and
publications.
The following is a biography of Nikola Tesla as an example.

Nikola Tesla (M’1888, F’17) was born in Smiljan in
the Austro-Hungarian Empire, on July 9, 1856. He
graduated from the Austrian Polytechnic School,
Graz, and studied at the University of Prague.
His employment experience included the
American Telephone Company, Budapest, the
Edison Machine Works, Westinghouse Electric
Company, and Nikola Tesla Laboratories. His
special fields of interest included high frequency.
Dr. Tesla received honorary degrees from
institutions of higher learning including Columbia University, Yale University,
University of Belgrade, and the University of Zagreb. He received the Elliott
Cresson Medal of the Franklin Institute and the Edison Medal of the IEEE. In
1956, the term “tesla” (T) was adopted as the unit of magnetic flux density in
the MKSA system. In 1975, the Power Engineering Society established the
Nikola Tesla Award in his honor. He died on January 7, 1943.