You are on page 1of 12
A METACOGNIÇÃO NA APRENDIZAGEM DA HISTÓRIA Introdução Evelise Maria Labatut Portilho Rejane Vezoli Aprender é um

A METACOGNIÇÃO NA APRENDIZAGEM DA HISTÓRIA

Introdução

Evelise Maria Labatut Portilho 1 Rejane Vezoli 2

Aprender é um processo bem mais complexo do que supostamente imagina-se, porque não é algo que acontece simplesmente em uma parte do corpo, ao contrário, quando se aprende, todo o sistema é atingido de maneira singular. Segundo Kelso, citado por Assmann

No atual momento, as observações de que dispomos nos dizem unicamente que quando as pessoas acabam de aprender algo, sucedeu

uma mudança global em seu cérebro. (

)

o ponto principal é o

... seguinte: a aprendizagem não modifica apenas uma coisa, ela modifica todo o sistema. (ASSMANN, 2007, p.40)

Talvez aí resida uma das maiores contradições do entendimento humano:

aprender é algo tão pertinente à própria natureza, está tão presente nas práticas diárias, que na maioria das vezes esses momentos passam despercebidos a ponto de supor-se que acontecem fora dos indivíduos, independente de seu querer ou agir. Todavia, a aprendizagem faz parte da trajetória de todas as espécies animais, sendo que o elemento que diferencia a aprendizagem humana da animal é o grau de consciência em que ela se processa e, portanto, a condição de tornar explícita suas representações. Conforme indica Pozo

1 Graduada em Pedagogia. Especialista em Psicopedagogia e Grupos Operativos. Mestre em Educação pela PUC/PR. Doutora em Educação pela Universidade Complutense de Madri. Professora titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. 2 Graduada em História. Pós-Graduada em Educação Ambiental e Educação Especial. Mestranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Em algum momento de nossa evolução como espécie cognitiva, desenvolvemos a capacidade de explicitar nossas próprias representações, a capacidade de meta-representar ou, melhor ainda, de conhecer nossas próprias representações, que seria o traço cognitivo mais específico do homo sapiens. (POZO, 2004, p.105)

O próprio termo homo-sapiens, que vem do latim, significa homem sábio, ou ainda, o homem que tem consciência que sabe. Nesse sentido, Pozo afirma que em algum momento da evolução o homem passou a interpretar e criar significação para as coisas, a elaborar um olhar, um conceito ou um modelo mental sobre o mundo. Contudo, essa clareza acerca de suas representações de mundo e de seus processos de aprendizagem, nem sempre acompanha os indivíduos. Em significativa parte das vezes as pessoas vivem uma vida inteira sem dar-se conta de que possuem modelos mentais e que esses modelos acabam sendo determinantes para o seu entendimento do mundo e das coisas. Ao mesmo tempo em que os sujeitos não tem clareza dessa situação, também não se percebem como sujeitos aprendentes, capazes de assumir, gerenciar e direcionar seus processos de aprendizagem, tendo em vista determinados fins. Zimmerman, Bonner e Kovak (1996, p.21) assinalam que “a aprendizagem é uma experiência pessoal que requer uma participação do estudante, ativa, informada e dedicada”. Como qualquer experiência pessoal, quanto maior for o desprendimento, o envolvimento e a dedicação do sujeito no processo de aprendizagem, tão intensos e mais enriquecedores serão esses momentos. Nesse sentido, afirma-se que os indivíduos tem condições de criarem facilitadores durante esses momentos, potencializando suas aprendizagens. Embora cada sujeito possua formas peculiares para aprender, todos adotam estratégias durante esse processo. Entende-se por estratégias os procedimentos intencionalmente tomados, tendo em vista determinados fins. Quando se dispõem a aprender algo, o aprendiz percorre um caminho que é só seu, embora nem sempre tenha consciência disso. As estratégias adotadas pelos indivíduos na hora de aprender situam-se na esfera da cognição e da metacognição. Entende-se por estratégias cognitivas a maneira como a pessoa age quando se dispõem a aprender algo. Como exemplo tem-se o caso de um aprendiz disposto a aprender sobre as pirâmides do Egito, e que para isso passa a assistir documentários ou fazer leituras nessa área. Neste caso, a estratégia por ele utilizada, ou ainda, o meio pelo

qual ela construirá conhecimentos sobre seu objeto, será a assistência desses documentários e a leitura. Muria (1994) citado por Klimenko & Alvares define as estratégias cognitivas como sendo

un conjunto de actividades físicas (conductas, operaciones) y/o mentales (pensamientos, procesos cognitivos) que se llevan a cabo con un propósito determinado, como seria mejorar el aprendizaje, resolver un problema o facilitar la asimilación de la información. (KLIMENKO & ALVARES, 2009, p. 18)

Já as estratégias metacognitivas demandam, não apenas a ação, mas a tomada de consciência, a lucidez acerca do como se faz. As estratégias metacognitivas fazem parte de um processo bem mais amplo porque demandam, além da reflexão, a intervenção. Assim, as estratégias metacognitivas correspondem às ações intencionalmente tomadas, durante o ato de aprender, tendo em vista a melhoria do processo. Taylor, novamente citado por Klimenko & Alvares, prorroga a comparação mencionando que

cuando se habla sobre metacognição, se refiere al plano de conceptualización, de abstracción. Solo desde este plano es possible la reflexión sobre el conocimiento que se tiene, sobre cómo se está realizando una actividad determinada o cómo se há hecho, llevando a cabo una autorregulación consciente. Esto implica obtener una tendência general o predisposición para analizar tanto las tareas como las respuestas y reflexionar sobre las consecuencias de las respuestas. (KLIMENKO & ALVARES, 2009, p.19)

Os estudos referentes à Metacognição são ainda bastante recentes, embora que o filósofo grego Sócrates já tenha proposto essa reflexão por volta de 450 a.C., ao pontuar “Conhece-te a ti mesmo”, ou seja, reconhece-te como sujeito pensante. O termo, inicialmente proposto por Flavell na década de 70, diz respeito à “cognição sobre a cognição”, ou ainda, à percepção de como se aprende a fim de monitorar e regular os processos de aprendizagem. De acordo com Flavell

Metacognição refere-se aos conhecimentos sobre os próprios processos cognitivos ou qualquer coisa relacionada a eles, por exemplo, as propriedades relevantes para a aprendizagem de dados ou informações. A título de exemplo, eu sou exercício de metacognição se eu perceber que estou tendo mais problemas em aprender A do que B, se isso for verdade, eu deveria verificar C antes de aceitar isso como um fato.(FLAVELL, 1976, p. 232)

Conforme indica o autor, a metacognição envolve autoconhecimento, uma vez que é por meio do reconhecimento sobre como se aprende que pode-se tomar medidas concretas tendo em vista a aprendizagem. Na construção desse saber sobre si próprio, muitas vezes, a pessoa que inicialmente fazia o exercício de observar sobre como aprendia, aos poucos assume tanto essa atitude que passa a observar e refletir sobre coisas do cotidiano que antes a ela passavam-se total ou parcialmente despercebidas. Quanto mais crítico for esse exercício, maior o reconhecimento acerca daquilo que a pessoa faz bem, assim como daquilo que precisa ser melhorado. Nesse sentido, a atividade metacognitiva envolve o reconhecimento das dificuldades e limitações, bem como das próprias características cognitivas do indivíduo. Para que o exercício metacognitivo seja uma prática constante e completa, esta atividade deve apoiar-se sobre determinados elementos que constituem-se em bub- estratégias de aprendizagem, a citar: o planejamento, o controle ou regulação, e a avaliação. Quando aborda-se a questão do planejamento, faz-se menção à maneira como executa-se uma tarefa, ou mesmo, à distribuição do tempo ou dos recursos. Pozo (2002, p.160) descreve essa sub-estratégia relatando que “o planejamento de uma tarefa de aprendizagem implica fixar, antes de começá-la, as metas e os meios para alcançá-la”. Para resolver situações dos mais diversos tipos, é comum que siga-se um roteiro, que adote-se uma estratégia. Quando procede dessa forma, o indivíduo elabora, ainda que indireta ou involuntariamente, um plano de ação. Em situações rotineiras, dificilmente as pessoas agem mediadas por um plano claro; contudo, essa pré- disposição em refletir e planejar dá aos bons aprendizes maiores condições de construírem aprendizagens significativas. Quanto às sub-estratégias de regulação, entende-se que elas são fruto de uma ação pensada, são resultado da observação constante dos procedimentos empregados na resolução das mais diversas situações-problema, ou mesmo, do monitoramento dos momentos de aprendizado. É nesse instante que, após se ter detectado os erros ou limitações das estratégias adotadas, se passa à regulagem do processo. Conforme Martí (1995, p. 27) “las actividades de regulación permiten ajustar y controlar la actividad del sujeto cuando aborda uma determinada tarea”. Esse momento corresponde à fase em que o aprendiz, saindo do plano da reflexão, assume novas ações que viabilizam e potencializam as condições de sua

aprendizagem. Depois de planejar e fazer, ele controla seus processos e os regula a fim de garantir maiores possibilidades de aprendizado. Ao planejamento e regulação, segue-se a avaliação. Para Pozo (2002, p. 161) “uma reflexão consciente sobre a aprendizagem ajudará não apenas a exercer mais controle sobre nossos modos de aprender como também a compreender melhor suas lacunas e suas possibilidades ocultas”. A avaliação do processo é uma oportunidade de se repensar aquilo e o como se fez, tendo em vista o próprio crescimento do sujeito, já que ele pode, por meio dessa reflexão, tomar atitudes e posturas que o permitam aprender mais e melhor. Como nota-se, as estratégias reguladoras formam uma cadeia, uma vez que à avaliação segue-se a elaboração de um novo planejamento. É a avaliação e o monitoramento dos processos cognitivos que permite detectar os momentos e as condições falhas ou não tão propícias à aprendizagem, que por sua vez necessitam de um replanejamento, de um repensar, mas principalmente, de uma intervenção ou da adoção de novas estratégias. Avaliação, planejamento e regulação interagem entre si reciprocamente, e na medida em que tornam-se momentos claros da construção do pensamento para o aprendiz, tornam-se elementos alavancadores de aprendizagens significativas.

Resolvendo a situação-problema

Na situação-problema apresentada aos alunos, estes tinham uma circunstância hipotética em que ocupando o cargo de Ministros da Defesa, teriam de tomar alguma medida frente à invasão da Amazônia brasileira pelos países desenvolvidos. Eles deveriam relatar quais estratégias de guerra utilizariam para defender o território de seu país. Na própria situação-problema foram dadas aos alunos algumas alternativas que poderiam ser utilizadas, contudo, estas não se constituiriam as únicas possíveis. Dentre essas possibilidades, estavam o estabelecimento de alianças com os países vizinhos e a convocação do Exército, da Marinha e/ou da Aeronáutica. Na resolução desta situação-problema, nenhum dos alunos apresentou uma estratégia inovadora em relação a como defenderiam seu país. Todos os discentes elaboraram estratégias que situaram-se dentro das possibilidades apresentadas no enunciado do problema.

Notou-se que alguns alunos fizeram um movimento na tentativa de estabelecer algumas relações, mas não conseguiram ir além do que foi apresentado. Essa situação evidencia a dificuldade de pensar diferente, a impossibilidade de se vislumbrar alternativas na resolução de situações-problema reais ligadas ao cotidiano e o quanto os alunos estão presos àquilo que o professor apresenta. Em parte, isso pode decorrer do fato de que a escola apresenta aos alunos os conteúdos de maneira desarticulada e fora de contexto, o que dificulta a articulação desses temas com a realidade de cada grupo. Ao mesmo tempo, esse ensino fechado e não problematizador, aumenta as dificuldades dos alunos quando estes tem de resolver situações reais ligadas ao seu dia-a-dia. Segundo Claxton

Em termos da sua capacidade para enfrentar as exigências maiores da idade adulta, os jovens certamente não se sentem bem-preparados pelo seu ensino. São características dos jovens ocidentais as atitudes reveladas por uma pesquisa nacional encomendada pela Sociedade Industrial Britânica em 1997. Dois terços dos jovens de 16 a 25 anos

disseram que a escola não os preparou para a vida no mundo real. Um

muçulmano falou em nome de muitos quando disse assim: “(

...

) Na

escola, tudo funciona como um mecanismo de relógio, sabe? Vamos às aulas, fazemos nossos trabalhos, aprendemos todas as informações,

e isso fica na nossa cabeça. Fazemos as provas e obtemos todas as

informações possíveis de ser obtidas (CLAXTON, 2005, p. 198)

...

Na vida real não é assim”.

O abismo entre o mundo apresentado na escola e os problemas e situações concretas vividas pelos alunos, faz com que se percam possibilidades de aprendizagem, ao mesmo tempo em que cria condições potenciais de que acentuem-se nos discentes as dificuldades para lidar eficientemente com problemas reais. A dificuldade de identificar alternativas inovadoras e eficazes, ficou evidente nas saídas encontradas pelos alunos para resolverem a situação da possível invasão ao território de seu país. Grande parte dos discentes pesquisados adotou como estratégia para a situação-problema proposta, o estabelecimento de alianças com os países vizinhos. Talvez, essa escolha evidencie uma situação concreta vivida pelos alunos em sala de aula, no caso as parcerias estabelecidas entre eles e os seus pares, própria da fase do desenvolvimento em que se encontram. Para autores como Sarmento (1997), Ferreira (2002) e James & Prout (2004) “as relações sociais estabelecidas entre os atores são a matriz do desenvolvimento do ser

humano”. Em outras palavras, as pessoas aprendem e constroem habilidades em interação com o outro. Isso fica evidente em diversas fases da vida, a citar na adolescência, momento em que os sujeitos identificam-se muito com o seu grupo de iguais, sendo que a aproximação decorrente deste fato e as experiências resultantes podem constituir-se em facilitadores no desenvolvimento de aprendizagens significativas. Como citado acima, poucos alunos conseguiram desenvolver estratégias mais elaboradas; contudo, notou-se dois tipos de reflexões que merecem atenção, conforme indicam os relatos abaixo:

A10P- Eu me aliaria com os meus países vizinhos. Pois começar uma guerra não daria certo, os países desenvolvidos tem mais soldados e mais armas. Eu poderia me aliar, juntar exércitos e assim começar a sonhada guerra. Mas numa era em que vivemos não valeria a pena: estamos nos tornando cada vez mais gananciosos; somos (os seres humanos em geral) bem mais superiores que a violência, passamos da faze de guerrear por qualquer coisa. Mas a guerra, com a ajuda de outros países ainda é uma alternativa boa.

A6E- Eu procuraria estabelecer alianças com os países que estão invadindo, tentar achar soluções que evitariam a guerra, mas se não fosse possível, tentaria aliar meu país com os países vizinhos, assim, a disputa seria mais equilibrada, já que são nações desenvolvidas, e possuem fortes armamentos. Depois usaria o exército e a marinha. Não usaria aeronáutica, soltando bombas, porque iria pegar fogo na Amazônia.

No primeiro caso identifica-se o estabelecimento de relações com os conhecimentos prévios do aluno. Em algum momento de sua trajetória, ele conseguiu perceber e identificar que alguns países do mundo, sendo mais desenvolvidos economicamente, desfrutam de maiores possibilidades frente a uma possível guerra que outros. Além disso, existe ainda nesta fala uma reflexão acerca da condição humana e da importância de se manter a paz. No segundo caso, nota-se a insistência em se conservar a paz e a busca pelo equilíbrio das forças. Além disso, um elemento que chama a atenção é a ponderação sobre o resultado da ação, sobre o que pode acontecer se, ou conforme relata o aluno “Não usaria aeronáutica, soltando bombas, porque iria pegar fogo na Amazônia”.

Embora reflexões dessa ordem tenham tido uma ocorrência menor, elas revelam a existência de adolescentes reflexivos, que conseguem projetar aquilo que aprendem para outros cenários e eventos e que tem desenvolvida a percepção de que a toda ação emerge uma reação, em maior ou em menor escala. Contudo, um agravante identificado nas resoluções para a situação-problema proposta, foi o recuo da parte dos alunos pesquisados em relação ao hipotético ataque dos países desenvolvidos à Amazônia brasileira. Em sua grande maioria, os Ministros da Defesa fictícios não planificaram uma estratégia de ataque, mas ao contrário, elaboraram estratégias de defesa do território, como demonstra o gráfico 1:

Gráfico 1- Estratégias adotadas frente ao ataque da Amazônia Brasileira

Embora reflexões dessa ordem tenham tido uma ocorrência menor, elas revelam a existência de adolescentes reflexivos,

Essa quase ausência de um posicionamento ativo frente aos acontecimentos, fato que foi identificado na grande maioria das resoluções, pode ser fruto da atitude assumida pela escola quando esta se debruça mais sobre o produto do que sobre o processo; quando depositam demasiados esforços sobre o conteúdo, em detrimento às conexões que esse conteúdo estabelece. Ao mesmo tempo, pode revelar a passividade dos adolescentes e jovens de hoje, acostumados a receber tudo pronto. De acordo com Illich (1970), em uma análise inferida sobre a escola na década de 70, esta instituição apresenta mais condições de escravizar sistematicamente o indivíduo porque age sobre sua capacidade crítica, ora a desenvolvendo, ora a inibindo. Como todo processo educativo assume uma postura ideológica, conforme continua nas décadas posteriores pontuando Freire (2005), é de intuir-se que a prática educativa pode

estar voltada tanto para o desenvolvimento integral do indivíduo quanto, ainda que involuntariamente, para negar as condições necessárias para esse desenvolvimento. Nesse sentido, na medida em que o processo educativo prioriza o conteúdo, que é apresentado na maioria das vezes, como a própria pesquisa identificou nos relatos dos professores, de maneira desconectada da realidade do aluno e não problematizada, ela incapacita o senso crítico dos discentes, bem como a tomada de consciência da historicidade a que representa a vida de cada indivíduo. Kosik (1989, p. 18) aprimora essa idéia mencionando que “a realidade pode ser mudada de modo revolucionário só porque e na medida em que nós mesmos produzimos a realidade, e na medida em que saibamos que a realidade é produzida por nós”.

Esse não reconhecimento dos indivíduos acerca de sua condição de sujeitos históricos, acentua a posição que muitas vezes ocupam de receptáculos passivos de informações frente a uma sociedade que já se encontra-se pronta e estabelecida, não sendo passível à mudança. Quando os alunos, resolvendo a situação-problema, adotaram em sua maioria estratégias de defesa de seu território, mais que desejar apenas defender, esses alunos evidenciaram uma educação voltada para o desenvolvimento de sujeitos que vivem na retaguarda, que não tem consciência da força que possuem e da maneira como suas ações são determinantes para o desenrolar dos fatos. Transmitindo informações de maneira desvinculada e descomprometida com a historicidade a que representa a vida dos indivíduos, a escola impossibilita aos alunos a tomada de consciência acerca de sua condição sine qua nom. Dessa forma, a instituição escolar, superestrutura ideológica, cumpre duas funções evidentes: sancionar as relações de acordo com a classe dominante e legitimar uma sociedade de dominação e exclusão. Contudo, o sonho de uma escola inclusiva, capaz de atingir e desenvolver as mais diversas potencialidades humanas, parece estar mais próximo, na medida em que os conteúdos ganham uma significação maior por meio de um ensino problematizador e comprometido com a vida e para a vida.

Considerações Finais

A análise dos dados obtidos junto à situação-problema permitem afirmar que os alunos mobilizam estratégias diferenciadas na hora de resolverem as situações-

problema; contudo, também ficou evidente que nem todos os alunos mobilizam as três estratégias reguladoras. Curiosamente, os alunos que planejam, regulam e avaliam o desenvolvimento de suas atividades, seus níveis de aprendizagem, são justamente os alunos que apresentam os melhores resultados, em termos qualitativos. Por isso a relevância do ensino de atitudes gestoras de aprendizagem na escola, já que estas podem funcionar como alavancadoras de aprendizagens significativas. Segundo Perraudeau

Notemos, ainda, o benefício para o aluno quando o professor o leva a elucidar as estratégias que ele emprega. Trata-se de fazê-lo compreender o que faz, as razões do que faz e as escolhas que realiza, o fato de que compreendeu essas razões e de que é capaz de reutilizar os procedimentos em outras tarefas. Alguns autores chamam de metacognição essa competência nova e complexa que permite a alguém distanciar-se de sua ação para analisá-la e modificá-la. (PERRAUDEAU, 2009, p.83)

A necessidade de formar aprendizes autônomos e independentes passa pela elucidação e pelo reconhecimento acerca de como se aprende e como fazer para aprender melhor, uma vez que os sujeitos só têm condições de regular seus processos quando apresentam sobre eles certo grau de domínio. Uma maneira sutil, mas interessante e eficaz, de inserir o ensino das práticas metacognitivas na sala de aula, é integrar aos momentos de trabalho com o conteúdo específico, a reflexão e verbalização, por parte dos alunos, de seus processos. Pois como assinalam Bransford, Brown e Cocking (2007, p.38) “o ensino das atividades metacognitivas deve ser incorporado ao assunto que os estudantes estão aprendendo”. Possibilitar ao aluno que ele se reconheça como sujeito pensante e como co- responsável por suas aprendizagens, é criar condições para que ele alcance sua independência intelectual, elemento mister para o exercício da cidadania. A conquista do pensamento autônomo e crítico passa antes pela codificação da palavra e pelo entendimento da condição do sujeito no mundo. Como se vê, trata-se muito mais de ser sujeito de sua própria história que expectador. Assim, o ensino da Metacognição pode contribuir, além da esfera cognitiva, no plano da ação, na medida em que cria condições para que os indivíduos tomem decisões acertadas por terem conseguido perceber-se donos de si e de sua história.

REFERÊNCIAS

ASSMANN, Hugo. Reencantar a Educação. 10ª Ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

BRANSFORD, John D.; BROWN, Ann L.; COCKING, Rodney R. Como as pessoas aprendem. São Paulo: Editora SENAC, 2007.

CLAXTON, Guy. O desafio de aprender ao longo da vida. Porto Alegre: Artmed, 2005.

FERREIRA, Maria Manuela Martinho. A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros meninos: as crianças como actores sociais e a (re)organização social do grupo de pares no quotidiano de um Jardim de Infância. Porto, 2002. Dissertação (Doutoramento em Ciências da Educação). Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto.

FLAVELL, J. H. Metacognitive aspects of problem solving. In: RESNICK, L. B. (Ed.) The nature of intelligence. Hillsdale: Erlbaum, 1976. p. 231-235.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – saberes necessários à prática educativa. Editora Paz e Terra. 16ª edição. São Paulo. 2000.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. Petrópolis: Vozes, 1970.

JAMES, Allison e PROUT, Alan. Hierarquia, fronteira e agência: para uma perspectiva teórica sobre a infância. In: FERREIRA, Manuela e SARMENTO, M. J. (Orgs.). Antropologia de textos em sociologia da infância, Porto: ASA, 2004.

KLIMENKO, Olena e ALVARES, José Luís. Aprender cómo aprendo: la enseñanza de estrategias metacognitivas. IN: Educación e Educadores. Universidad de La Sabana. V.12, n.2, 2009.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

MARTÍ, Eduardo. Metacognición, desarrollo y aprendizaje. Dossier documental. IN:

Infancia y Aprendizaje. V. 2, 1995.

MARTÍ, Eduardo. Metacognición: Entre la fascinación y el desencanto. IN: Infancia y Aprendizaje. V. 2, 1995.

PERRAUDEAU, Michel. Estratégias de Aprendizagem- Como acompanhar os alunos na aquisição dos saberes. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PERRAUDIAU, Michel. Estratégias de Aprendizagem- Como acompanhar os alunos na aquisição dos saberes. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PORTILHO, Evelise Maria Labatut. As estratégias metacognitivas de quem aprende e de quem ensina. In: Aprendizagem- Tramas do conhecimento, do saber e da subjetividade. Petrópolis: Vozes, 2006, p. 47-59.

PORTILHO, Evelise. Como se aprende. Curitiba: Editora Wak, 2009.

POZO, Juan Ignácio. Aprendizes e Mestres. Porto Alegre: Artmed, 2001.

POZO, Juan Ignácio. Aquisição do Conhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SARMENTO, Manuel Jacinto e PINTO, Manuel. As crianças e a Infância: definindo conceitos delimitando o campo. In: PINTO, Manuel e SARMENTO, Manuel J. (coords.) As crianças: contextos e identidades. Braga, Portugal: Centro de Estudos da Criança, 1997.

ZIMMERMAN, B. J., Bonner, S.; & KOVACH, R. (1996). Developing self regulated learners: Beyond achievement to self-efficacy. Washington DC: American Psychological Association.