You are on page 1of 5

PORTARIA No- 1.

107, DE 5 DE JUNHO DE 2008

O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA INTERINO, no uso de suas atribuições que lhe


confere o art. 4o- do Decreto no- 6.061, de 15 de março de 2007, resolve:

Art. 1o- Aprovar o regimento interno do Conselho Nacional de Política Criminal e


Penitenciária - CNPCP, na forma do anexo a esta Portaria.

Art. 2o- Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3o- Fica revogada a Portaria no- 277, de 10 de março de 2006.


LUIZ PAULO TELES FERREIRA BARRETO

ANEXO
REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA CRIMINAL E
PENITENCIÁRIA

CAPÍTULO I
CATEGORIA E FINALIDADE
Art. 1o- O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária - CNPCP, órgão
colegiado a que se refere o art. 2o- , inciso III, alínea "a", do Anexo I do Decreto n.o-
6.061, de 15 de março de 2007, diretamente subordinado ao Ministro de Estado da Justiça,
tem por finalidade executar as atividades previstas no art. 64 da Lei n.o- 7.210, de 11 de
julho de 1984, e especificamente:

I - propor diretrizes da política criminal quanto à prevenção do delito, administração da


Justiça Criminal e execução das penas e das medidas de segurança;

II - contribuir na elaboração de planos nacionais de desenvolvimento, sugerindo metas e


prioridades da política criminal e penitenciária;

III - promover a avaliação periódica do sistema criminal e penitenciário para sua adequação
às necessidades do País;

IV - estimular e promover a pesquisa criminológica;

V - elaborar programa nacional penitenciário de formação e aperfeiçoamento do servidor;

VI - estabelecer regras sobre a arquitetura e construção de estabelecimentos penais,


inclusive casas de albergados;

VII - estabelecer os critérios para a elaboração de estatística criminal;

VIII - inspecionar e fiscalizar os estabelecimentos penais, bem assim informar-se, mediante


relatórios dos Conselhos Penitenciários, requisições, visitas ou outros meios, acerca do
desenvolvimento da execução penal nos Estados e Distrito Federal, propondo às
autoridades dela incumbidas as medidas necessárias a seu aprimoramento;
IX - representar ao juiz da execução ou à autoridade administrativa para a instauração de
sindicância ou procedimento administrativo, em caso de violação das normas referentes à
execução penal;

X - representar à autoridade competente para a interdição, no todo ou em parte de


estabelecimento penal;

XI - opinar sobre matéria penal, processual penal e execução penal submetida à sua
apreciação;

XII - responder a consultas sobre matéria de sua atribuição, não conhecendo, a juízo prévio
do Plenário, aquelas referentes a fatos concretos;

XIII - estabelecer os critérios e prioridades para aplicação dos recursos do Fundo


Penitenciário Nacional - FUNPEN;

XIV - realizar audiências públicas para a discussão de temas pertinentes às atividades do


Conselho; e

XV - exercer outras atribuições, desde que compatíveis com sua finalidade.

CAPÍTULO II
ORGANIZAÇÃO DO COLEGIADO
Seção I

Composição
Art. 2o- O CNPCP é integrado por treze membros titulares e treze suplentes, designados
pelo Ministro de Estado da Justiça, dentre professores e profissionais da área de Direito
Penal, Processual Penal, Penitenciário e ciências correlatas, bem como por representantes
da comunidade e dos Ministérios da área social. (Redação dada pela Portaria do Gabinete
do Ministro Portaria nº 81, de 19 de Janeiro de 2017 - Altera regimento interno.pdf)

Art. 3o- O Conselho tem a seguinte composição:


a) Presidente;
b) 1o- Vice- presidente;
c) 2o- Vice- presidente;
d) Plenário.

Parágrafo único. O Plenário constituído por todos os membros titulares e suplentes,


conhecerá as matérias submetidas à apreciação do Colegiado.

Art. 4o O Conselho será presidido por um de seus membros, designado pelo Ministro de
Estado da Justiça.
Parágrafo único. O 1o- e o 2o- Vice-Presidente serão designados pelo Presidente do
Conselho, dentre seus membros.
Art. 5o- O Presidente, em suas faltas e impedimentos, será substituído pelo 1o- Vice-
Presidente e, na falta deste, pelo 2o- Vice- Presidente.
Parágrafo único. Nas ausências simultâneas do Presidente e dos Vice-Presidentes, a
presidência será exercida pelo Conselheiro mais antigo ou, em caso de empate, pelo mais
idoso.

Art. 6o- O mandato dos membros titulares do Conselho e de seus suplentes terá duração de
dois anos, contados a partir da posse, renovado um terço a cada ano, permitida a
recondução.

Art. 7o- O Conselheiro que faltar a três reuniões consecutivas ou a cinco intercaladas, no
período de um ano, injustificadamente, não mais será convocado às reuniões do Conselho,
comunicando-se o fato ao Ministro de Estado da Justiça.

Seção II
Funcionamento

Art. 8o- O Conselho, com sede na Capital Federal, reunir-se-á, ordinariamente, um vez por
mês e, extraordinariamente, mediante convocação de seu Presidente ou em decorrência de
requerimento de um terço dos Membros.

§ 1o- As reuniões serão públicas, podendo transformar-se em reservadas por deliberação do


Presidente ou do Plenário, quando a natureza do assunto o exigir.

§ 2o- As reuniões serão realizadas com a presença da maioria absoluta dos membros,
titulares e suplentes.

Art. 9o- A distribuição das matérias, bem como a designação dos respectivos Relatores,
será feita por seu Presidente.

Parágrafo único. A distribuição obedecerá à ordem de entrada dos processos e, tanto quanto
possível, à proporcionalidade entre os Conselheiros.

Art. 10. O Conselheiro designado Relator se pronunciará mediante parecer escrito sobre
qualquer matéria que lhe for distribuída. Em casos de urgência, a critério do Plenário, o
parecer poderá ser oral.

§ 1o- Os pareceres serão sempre precedidos de ementa.


§ 2o- As diligências poderão ser determinadas de ofício pelo Relator.

Art. 11. O Relator, quando considerar que a matéria é alheia às atribuições do Conselho,
poderá propor ao Plenário seu arquivamento ou encaminhamento ao órgão competente.

Art. 12. O Relator indicará a colocação do processo em pauta para deliberação, podendo
enviar o respectivo relatório, previamente, à área de apoio técnico e administrativo do
Conselho que, sempre que possível, remetê-lo-á aos demais Conselheiros.
Art. 13. Decorridas três reuniões ordinárias da distribuição do processo, sem que,
justificadamente, o Relator se pronuncie na forma do artigo anterior, o Presidente poderá
redistribuí-lo.

Art. 14. Iniciada a deliberação, qualquer Conselheiro poderá pedir vista dos autos, para
análise e votação da matéria na reunião subseqüente.

Art. 15. As deliberações do Conselho, observado o quorum estabelecido no parágrafo 2o-


do art. 8o- , serão tomadas pela maioria simples dos presentes.

Art. 16. As deliberações, quando tomadas por meio de Resoluções, serão assinadas pelo
Presidente e pelo Relator.

Parágrafo único. As Resoluções do Conselho poderão ser revistas a qualquer tempo, por
indicação do Presidente ou de qualquer Conselheiro, desde que aprovada a revisão pela
maioria de seus membros.

Art. 17. O Presidente do Conselho terá direito a voto nominal e de qualidade.

Art. 18. O Presidente, de ofício ou a requerimento de qualquer Membro, poderá convocar o


Conselho para solenidades especiais.

Art. 19. O Plenário do Conselho, observada a legislação vigente, estabelecerá normas


complementares relativas ao seu funcionamento e à ordem dos trabalhos.

Seção III
Atribuições dos Membros do Colegiado

Art. 20. Ao Presidente incumbe dirigir, coordenar e supervisionar as atividades do


Conselho e especificamente:

I - representar o Conselho nos atos que se fizerem necessários, podendo delegar a


representação em casos especiais;

II - convocar e presidir as reuniões do Conselho, elaborando as respectivas pautas;

III - indicar, dentre os membros do Conselho, o Relator de matéria a ser apreciada nas
reuniões;

IV - assinar o expediente, as atas das reuniões e, juntamente com os Relatores, as


Resoluções;

V - expedir, ad referendum do Conselho, normas complementares relativas a seu


funcionamento e à ordem dos trabalhos;

VI - designar membro do Conselho para inspecionar, fiscalizar ou visitar estabelecimentos


ou órgãos de execução penal das diversas unidades da Federação; e
VII - criar Comissões Especiais e designar seus integrantes.

Art. 21. Aos membros do Conselho incumbe:


I - participar e votar nas reuniões;

II - propor a convocação de reuniões extraordinárias;

III - relatar as matérias que lhes forem distribuídas;

IV - coordenar ou participar de Comissões de estudos sobre matérias de atuação do


Conselho;

V - cumprir determinações quanto à inspeção, fiscalização ou visitas a estabelecimentos e


órgãos de execução penal, apresentando relatório ao Conselho; e

VI - exercer outras atribuições que lhes forem cometidas pelo Presidente.

Seção IV
Ordem dos Trabalhos

Art. 22. Nas reuniões será observada a seguinte ordem:


I - abertura pelo Presidente;

II - leitura, discussão e aprovação da ata da reunião anterior;

III - expediente e comunicações diversas;

IV - apresentação de proposições;

V - pauta da reunião.

CAPÍTULO III
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 23. O Conselho receberá apoio técnico, administrativo e financeiro do Departamento


Penitenciário Nacional - DEPEN, devendo o seu Diretor-Geral, quando convidado,
participar das reuniões com direito a voz, principalmente nas matérias afetas ao
Departamento.

Art. 24. O Regimento Interno poderá ser alterado mediante proposta do CNPCP, submetida
à aprovação do Ministro de Estado da Justiça, nos termos da legislação específica.

Art. 25. Os casos omissos e as dúvidas surgidas na aplicação deste Regimento Interno serão
dirimidos pelo Presidente, ad referendum do Plenário.