L'OSSERV ATORE ROMANO

REDACÇÃO, ADMINISTRAÇÃO CIDADE DO VATICANO ANO XXXVIII

EDIÇÃO SEMANAL
UNICUIQUE SUUM

EM PORTUGUÊS
NON PRAEVALEBUNT

Preço: : 1,00 . Número atrasado: : 2,00

N. 6 (1.938) - 10 de Fevereiro de 2007

REDACÇÃO: Via del Pellegrino, 00120 Cidade do Vaticano - Telefone 39/06.698.99420 - Telefax 39/06.698.83675 INTERNET: www.vatican.va/news_services/or/home_por.html E-MAIL: ornet@ossrom.va

ANGELUS u Na alocução mariana de domingo, 4 de Fevereiro, Bento XVI exorta a renovar o «sim» ao amor autêntico

Defender, ajudar, tutelar e valorizar a família na sua unicidade irrepetível
Queridos irmãos e irmãs! Celebra-se hoje na Itália o Dia pela Vida, promovido pela Conferência Episcopal sobre o tema: «Amar e desejar a vida». Saúdo cordialmente quantos estão reunidos na Praça de São Pedro para testemunhar o seu compromisso a favor da vida desde a concepção até ao seu fim natural. Uno-me aos Bispos italianos para renovar o apelo várias vezes lançado também pelos meus venerados predecessores a todos os homens e mulheres de boa vontade, para que se mostrem acolhedores em relação ao grande e misterioso dom da vida. A vida, que é obra de Deus, não deve ser negada a ninguém, nem ao nascituro mais pequeno e indefeso, muito menos quando apresenta graves deficiências. Ao mesmo tempo, fazendo eco aos Pastores da Igreja na Itália, convido a não cair no engano de pensar que se pode dispor da vida, a ponto de «legitimar a interrupção com a eutanásia, talvez dissimulando-a com um véu de piedade humana». Na nossa Diocese de Roma inicia hoje a «Semana da vida e da família», ocasião importante para rezar e reflectir sobre a família, que é «berço» da vida e de toda a vocação. Sabemos bem como a família fundada no matrimónio constitua o ambiente natural para o nascimento e para a educação dos filhos, e portanto para garantir o futuro de em primeiro lugar aos esposos, é também dever prioritário da Igreja e de todas as instituições públicas apoiar a família através de iniciativas pastorais e políticas, que tenham em consideração as reais necessidades dos casais, dos idosos e das novas gerações. Um clima familiar sereno, iluminado pela fé e pelo santo temor de Deus, favorece também o desabrochar e o florescer das vocações para o serviço do Evangelho. Refiro-me, em particular, além de quantos são chamados a seguir Cristo no caminho do sacerdócio, a todos os religiosos, religiosas, e pessoas consagradas, que recordámos na passada sexta-feira, no «Dia Mundial da Vida Consagrada». Queridos irmãos e irmãs, rezemos para que através de um esforço constante a favor da vida e da instituição familiar, as nossas comunidades sejam lugares de comunhão e de esperança onde se renova, mesmo entre muitas dificuldades, o grande «sim» ao amor autêntico e à realidade do homem e da família segundo o projecto originário de Deus. Peçamos ao Senhor, por intercessão de Maria Santíssima, que cresça o respeito pela sacralidade da vida, se tome cada vez mais consciência das verdadeiras exigências familiares, e aumente o número de quantos contribuem para realizar no mundo a civilização do amor.

toda a humanidade. Mas sabemos também quanto ela está marcada por uma profunda crise e deva enfrentar hoje numerosos desafios. Portanto, é necessário defendê-la, ajudá-la, tutelá-la e valorizá-la na sua unicidade irrepetível. Se este compromisso compete

Discurso do Papa no Dia da Vida Consagrada

Saudação aos fiéis da Lombardia com os seus Bispos em visita «ad limina Apostolorum»

Anunciai e testemunhai o Evangelho em todos os âmbitos da sociedade
Antes da Audiência geral de quarta-feira, 7 de Fevereiro, realizada na Sala Paulo VI, Bento XVI encontrou-se na Basílica de São Pedro com os fiéis das Dioceses da Lombardia por ocasião da visita «ad Limina» dos Bispos daquela Região italiana, proferindo estas palavras: Queridos irmãos e irmãs das Dioceses Lombardas! Saúdo antes de tudo a vós, queridos Irmãos no Episcopado, que viestes a Roma para a Visita ad limina Apostolorum. Convosco saúdo os fiéis que vos acompanham neste momento significativo de intensa comunhão com o Sucessor de Pedro. A Igreja que vive na Lombardia, e está aqui representada em todos os seus componentes, tem um papel importante para continuar a desempenhar na sociedade lombarda: anunciar e testemunhar o Evangelho em todos os âmbitos, especialmente onde emergem as características negativas de uma cultura consumista e hedonista, do secularismo e do individualismo, onde se registam antigas e novas formas de pobreza com sinais preocupantes do mal-estar juvenil e fenómenos de violência e de criminalidade. Se as Instituições e as várias agências educativas parecem por vezes atravessar momentos de dificuldade, não faltam contudo, grandes recursos ideais e morais no vosso povo, rico de nobres tradições familiares e religiosas. No diálogo convosco, queridos Irmãos no Episcopado, constatei como a Igreja na Lombardia é realmente uma Igreja viva, rica do dinamismo de fé e também de espírito missionário, capaz e decidida a transmitir a chama da fé às

Página 3

Mensagem para a XXII Jornada Mundial da Juventude
Página 6

gerações vindouras e ao mundo do nosso tempo. Estou-vos agradecido por este dinamismo de fé, que vive precisamente nas Dioceses da Lombardia. É vasto o vosso campo de acção. Trata-se, por um lado, de defender e promover a cultura da vida humana e da legalidade, por outro é necessária uma conversão pessoal e comunitária a Cristo cada vez mais coerente. De facto, para crescer na fidelidade ao homem, criado à imagem e semelhança do Criador, é preciso imergir-se mais intimamente com coerência no mistério de Cristo e difundir a sua mensagem de salvação. Devemos fazer o possível para conhecer sempre melhor a figura de Jesus, para ter dele um conhecimento não só «de segunda mão», mas um conhecimento através do encontro na oração, na liturgia, no amor ao próximo. É um com-

promisso certamente difícil, mas são confortadoras as palavras do Senhor: «E sabei que Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos» (Mt 28, 20). O Senhor está connosco também hoje, amanhã, até ao fim dos tempos! Portanto, intensifique-se o vosso testemunho evangélico para que em cada ambiente os cristãos, guiados pelo Espírito Santo que habita na Igreja e nos corações dos fiéis como num templo (cf. 1 Cor 3, 1617), sejam sinais vivos da esperança sobrenatural. O nosso tempo, com tantas angústias e problemas, tem necessidade de esperança. E a nossa esperança vem precisamente da promessa do Senhor e da sua presença. Encorajo-vos, queridos Bispos, a guiar o activo povo lombardo por este caminho, contando em qualquer situação com a indefectível assistência divina. Prossigamos com a ajuda do Senhor nesta direcção!