You are on page 1of 31

LEGISLAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO 2

O MINISTÉRIO PÚBLICO DA
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
PROF. TIAGO ZANOLLA

proftiagozanolla

zanolla.estrategia@gmail.com 3
NATUREZA DO MP
O Ministério Público NÃO integra nenhum dos Poderes da República;

CF88 - Art. 127. O Ministério Publico é instituição permanente, essencial à
função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem
jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais
indisponíveis.

Prof. Tiago Zanolla 4
NATUREZA DO MP
´ O Ministério Público ao Judiciário como ”fiscal do cumprimento da lei” (custos
legis).

´ O MP é uma instituição independente;

´ Não pode ser tratado com um poder, ente ou órgão;

´ O MP não é instituição integrante do Judiciário;

´ O MP não integra o Poder Executivo.

´ Defesa da Ordem Jurídica; Defesa do Regime Democrático; Defesa dos
interesses sociais e indisponíveis.
Prof. Tiago Zanolla 5
FINALIDADE DO MP
O MP é uma Instituição que atua paralelamente ao Judiciário, cuja finalidade é
auxiliar no exercício da Jurisdição, seja como parte ou como fiscal do
cumprimento da lei no processo (custos legis).

´ PARTE – Autor do Processo (ex. ação penal pública).

´ FISCAL – Acompanhar o processo para a verificação do devido processo
legal.

Prof. Tiago Zanolla 6
FINALIDADE DO MP
´ O MP tem a função de DEFENDER OS INTERESSES DA SOCIEDADE, na esfera
criminal e nas demais esferas.

´ O MP não defende os interesses do Governo, e sim da SOCIEDADE.

Prof. Tiago Zanolla 7
ABRANGÊNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Os MP junto aos Tribunais de Contas não integram o MP brasileiro.
Prof. Tiago Zanolla 8
MPU x MPE
MINISTÉRIO PÚBLICO DA MINISTÉRIO PÚBLICO
UNIÃO ESTADUAL
Lei Complementar nº
Rege-se Lei nº 8.625/1993
75/93
Procuradores da
Membros Promotores de Justiça
República
Justiça Federais Justiça Estadual
Atuação
Juízes Federais Juízes de Direito

Prof. Tiago Zanolla 9
CESPE – 2013 – MPU
No que se refere aos Ministérios Públicos, julgue o item a seguir.

O órgão do MP que atua junto aos tribunais de justiça militar dos estados
pertence ao MPU.

Gabarito: Errada

Prof. Tiago Zanolla 10
CESPE – 2010 – MPU
A estrutura completa do MPU é constituída por: Ministério Público Federal e
Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

Gabarito: Errada
Art. 128. O Ministério Público abrange:
I - o Ministério Público da União, que compreende:
a) o Ministério Público Federal;
b) b) o Ministério Público do Trabalho;
c) c) o Ministério Público Militar;
d) d) o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios;

Prof. Tiago Zanolla 11
CESPE – 2010 – MPU
Com carreiras independentes entre si e com organizações próprias, o MP junto
ao TCU e o MPF integram o MPU.

Gabarito: Errada

Prof. Tiago Zanolla 12
CHEFES DO MP
CHEFES DO MINISTÉRIO PÚBLICO
RAMO Chefe
Ministério Público da União
Procurador-Geral da República
Ministério Público Federal

Ministério Público do Trabalho Procurador-Geral do Trabalho

Ministério Público Militar Procurador-Geral da Justiça Militar

Ministério Público DFT Procurador-Geral da Justiça do DFT

LC 75/93 - Art. 73. O Procurador-Geral Eleitoral é o Procurador-Geral da República

Prof. Tiago Zanolla 13
CHEFE DO MPU
´ O MPU tem por chefe o Procurador-Geral da República.

´ O chefe do MPU não é o Presidente da República.

Prof. Tiago Zanolla 14
ESCOLHA DO PGR

ATENÇÃO: No caso de recondução, deve haver NOVA APROVAÇÃO PELO SENADO!

Prof. Tiago Zanolla 15
CHEFE DO MPU – POLÊMICA
´ Embora a Constituição fale em “membro da carreira”, o que daria a entender que
qualquer membro do MPU (Do MPF, MPT, MPM ou MPDFT) poderia ser nomeado,
somente os membros do Ministério Público Federal podem vir a ser Procurador-Geral
da República, pois o PGR é o chefe do MPU e do MPF.

´ O CESPE entende que QUALQUER MEMBRO DO MPU pode se tornar PGR, seguindo a
literalidade do que consta na Constituição Federal.

´ Art. 128. § 1º O Ministério Público da União tem por chefe o Procurador-Geral da República,
nomeado pelo Presidente da República dentre integrantes da carreira, maiores de trinta e cinco
anos, após a aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal,
para mandato de dois anos, permitida a recondução.

Prof. Tiago Zanolla 16
DESTITUIÇÃO DOS CHEFES DO MP
RAMO DESTITUIÇÃO
Iniciativa do Presidente da República + aprovação maioria
PGR
absoluta do SENADO

PGT
Procurador-Geral da República
PGJM

PGJDFT Deliberação da maioria absoluta do Poder Legislativo (SENADO)

Deliberação da maioria absoluta do Poder Legislativo
PGE’s
(Assembleia Estadual)

Prof. Tiago Zanolla 17
CESPE – 2015 – MPU
O procurador-geral da República é a maior autoridade na hierarquia do MPU, e
sua nomeação, pelo presidente da República, está condicionada à aprovação
de seu nome pela maioria simples do Congresso Nacional.

Gabarito: Errada

Prof. Tiago Zanolla 18
CESPE – 2013 – MPU
A destituição do procurador-geral de justiça do Distrito Federal e territórios exige
a deliberação da maioria absoluta dos membros da Câmara Legislativa do
Distrito Federal.

Gabarito: Errada

A destituição do Procurador-Geral do DF e Territórios não é deliberada pelo
Poder Legislativo do DF (Câmara Legislativa) e sim pelo Senado.

Prof. Tiago Zanolla 19
PRINCÍPIO DA UNIDADE
Por princípio da unidade entende-se que o MP é apenas um, sob a direção do seu chefe
(PGR, PGJ...). Sendo assim, a manifestação de um membro do MP em um processo, por
exemplo, representa a vontade do MP enquanto instituição.

Prof. Tiago Zanolla 20
PRINCÍPIO DA INDIVISIBILIDADE
Os membros do MP (do mesmo ramo) podem se substituir uns aos outros, sem qualquer
impedimento. Esse princípio deriva do princípio da unidade.

´ Os membros do MP podem se substituir uns aos outros porque quem atua no processo não é
o promotor (ou Procurador da República, Procurador do Trabalho, etc.), é o MP. O membro
do MP é apenas o meio utilizado para a materialização da vontade do MP.

´ Quando houver necessidade de atuação do MP para a prática de algum ato processual,
quem será intimado não será o membro que assinou a petição inicial da ação, mas o MP.

´ O termo “intimação pessoal” não quer dizer que a intimação deva ser realizada na pessoa
de algum membro do MP.

Prof. Tiago Zanolla 21
PRINCÍPIO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL
´ Este princípio garante que os membros do Ministério Púbico, no exercício de
suas funções, não se submetem à nenhuma hierarquia de ordem ideológico-
jurídica. O membro do MP tem liberdade total para atuar conforme suas ideias
jurídicas.

´ A independência funcional diz respeito apenas à atividade jurídica do
membro do MP. No que se refere à organização administrativa do órgão, HÁ
SIM HIERARQUIA

Prof. Tiago Zanolla 22
PRINCÍPIO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL
No caso do arquivamento do inquérito policial, o PGJ pode rever a decisão do promotor.
Isso não viola o princípio da Independência funcional?

E como fica a independência funcional deste outro membro do MP que receberá a
ordem do PGJ para ajuizar a ação? Nesse caso, o membro designado age em nome do
Chefe, como longa manus do PGR.

Prof. Tiago Zanolla 23
PRINCÍPIOS INSTITUCIONAIS
Art. 127 - §1º São princípios institucionais do Ministério Público da União a unidade, a
indivisibilidade e a independência funcional.

Prof. Tiago Zanolla 24
(CESPE – 2013 – MPU)
De acordo com a CF, são princípios institucionais do MP a independência funcional, a
indivisibilidade e a unidade.

CORRETA
Art. 127 (...)
§ 1º - São princípios institucionais do Ministério Público a unidade, a
indivisibilidade e a independência funcional.
O art. 4º da LC 75/93 traz a seguinte redação:
Art. 4º São princípios institucionais do Ministério Público da União a
unidade, a indivisibilidade e a independência funcional.

Prof. Tiago Zanolla 25
(CESPE – 2015 – MPU)
Um procurador da República está atuando em determinado processo criminal sobre
tráfico ilícito de drogas. Nessa situação, conforme o princípio da indivisibilidade, poderá
haver substituição do procurador.

CORRETA
Pelo princípio da indivisibilidade, os membros do MP (do mesmo ramo)
podem se substituir uns aos outros, sem qualquer impedimento. Na
verdade, esse princípio deriva do princípio da unidade, pois tira seu
fundamento daquele.

Prof. Tiago Zanolla 26
GARANTIAS DOS MEMBROS DO MPU
Art. 128. § 5º - I - as seguintes garantias:

a) vitaliciedade, após dois anos de exercício, não podendo perder o
cargo senão por sentença judicial transitada em julgado;

b) inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público, mediante
decisão do órgão colegiado competente do Ministério Público, pelo
voto da maioria absoluta de seus membros, assegurada ampla defesa;

c) irredutibilidade de subsídio [...]

Prof. Tiago Zanolla 27
GARANTIAS DOS MEMBROS DO MPU
TEXTO CONSTITUCIONAL TEXTO DA LC 75/93
a) vitaliciedade, após dois anos de I - vitaliciedade, após dois anos de efetivo
exercício, não podendo perder o cargo exercício, não podendo perder o cargo
senão por sentença judicial transitada em senão por sentença judicial transitada em
julgado; julgado;

b) inamovibilidade, salvo por motivo de II - inamovibilidade, salvo por motivo de
interesse público, mediante decisão do interesse público, mediante decisão do
órgão colegiado competente do Ministério Conselho Superior, por voto de dois terços
Público, pelo voto da maioria absoluta de de seus membros, assegurada ampla
seus membros, assegurada ampla defesa; defesa;

c) irredutibilidade de subsídio, fixado na III - (Vetado)
forma do art. 39, § 4º, e ressalvado o
disposto nos arts. 37, X e XI, 150, II, 153, III,
153, § 2º, I;

Prof. Tiago Zanolla 28
GARANTIAS DOS MEMBROS DO MPU

Prof. Tiago Zanolla 29
(CESPE – 2013 – MPU)
Aos membros do MP é garantida constitucionalmente a vitaliciedade após dois anos de
exercício no cargo, ressalvada a perda do cargo por sentença judicial transitada em
julgado.

CORRETA
Art. 17. Os membros do Ministério Público da União gozam das seguintes
garantias:
I - vitaliciedade, após dois anos de efetivo exercício, não podendo
perder o cargo senão por sentença judicial transitada em julgado;

Prof. Tiago Zanolla 30
(CESPE – 2013 – MPU)
Uma das garantias estabelecidas pela CF aos membros do MP é a inamovibilidade
absoluta.

ERRADA
Art. 17. II - inamovibilidade, salvo por motivo de interesse público,
mediante decisão do Conselho Superior, por voto de dois terços de seus
membros, assegurada ampla defesa;

Prof. Tiago Zanolla 31
ATÉ A PRÓXIMA!

facebook.com/ProfTiagoZanolla/
zanolla.estrategia@gmail.com

32