You are on page 1of 19

A Importância Do Sistema De

Informação Gerencial Para As


Empresas
O artigo a seguir descreve o conceito de sistema de informação gerencial –
S.I.G., qual sua importância, finalidade e contribuição para as empresas no
que influencia as mesmas no seu trabalho em agilidade. O processo de tomada
de decisão nas empresas tem uma, certa influência do sistema de informação,
pois este ajuda no processo decisório das atividades a serem executadas pela
empresa e beneficia o seu sistema de operações com um melhor atendimento e
desenvolvimento empresarial. É com isso que se pode ter uma maior
facilidade, rapidez e cuidado durante cada processo de atividade a ser
executada. Verifica-se também que a pesquisa mostra que o S.I.G. possui seus
tipos de classificações para atender ao gestor quanto ao processo de tomada de
decisão e poder executar conforme sua necessidade. O artigo teve como
metodologia, a pesquisa bibliográfica em que se obteve a conclusão de que o
sistema de informação gerencial, quando implantado nas empresas, gera
vários benefícios auxiliando até mesmo no processo de tomada de decisão na
organização sendo que esses benefícios serão mostrados no decorrer do
trabalho.

Seguir + Adalto Junior, 5 de outubro de 2012




 Problema no artigo?

1 INTRODUÇÃO

Verifica-se que as empresas de hoje precisam estar centradas em suas informações de


modo que estas venham a auxiliar o executivo na tomada de decisão. Para que a
empresa obtenha uma melhor organização em suas tarefas, o gestor necessita implantar
um S.I.G.
PUBLICIDADE
inRead invented by Teads
O presente artigo visa mostrar a importância dos sistemas de informações para as
empresas, seus benefícios, como surgiu, e também considerando seus subsistemas que
são partes integrantes e interdependentes de um Sistema de Informação Gerencial -
S.I.G. que será também conceituado no presente trabalho.

Nessa perspectiva, foi feita uma pesquisa bibliográfica para definir melhor todo o
processo do sistema de informação e como funciona, pois é de suma importância para as
empresas executarem suas atividades.

2 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

O S.I.G. é um conjunto de pessoas e softwares, organizados que fornecem e auxiliam


informações às tarefas executadas pelos diretores da empresa. Com base nesse conceito:

um Sistema de Informações Gerencial (SIG) abrange uma coleção organizada de


pessoas, procedimentos, software, banco de dados e dispositivos que fornecem
informação rotineira aos gerentes e aos tomadores de decisão. O foco de um SIG é,
principalmente, a eficiência operacional. Marketing, produção, finanças e outras áreas
funcionais recebem suporte dos sistemas de informação gerencial e estão ligados através
de um banco de dados comum. (STAIR e REYNOLDS, 2002, p. 18 apud MIRANDA,
on-line, p. 3).

Observa-se a grande eficiência de que quando a empresa implanta um sistema de


informação, ela contribui com todos os setores em que estes recebem informações
através de um banco de dados onde ficam armazenadas as informações e são
processadas e geradas assim que necessário, sendo o foco principal de um S.I.G. a
eficiência operacional em estar auxiliando todos os departamentos da organização.

O S.I.G. teve seu surgimento no século XX após a Segunda Guerra Mundial, que
desencadeou outros tipos de sistemas na sociedade.

Segundo BIO (2008, p. 19-20):

os conceitos e aplicações agregativas e de sistemas desenvolveram-se rapidamente


depois da Segunda Guerra Mundial. Passa - se então, a ouvir falar de sistemas de defesa,
hidráulicos, econômicos, etc.

(...)
Considera-se sistema um conjunto de elementos interdependentes, ou um todo
organizado, ou partes que interagem formando um todo unitário e complexo. No
entanto, é preciso distinguir sistemas fechados, como as máquinas, relógios, etc. Nos
sistemas abertos, temos os sistemas biológicos e sociais que são: o homem, a
organização e a sociedade.

(...)

... o sistema aberto pode ser compreendido como um conjunto de partes em constante
interação, constituindo um todo orientado para determinados fins e em permanente
relação de interdependência com o ambiente externo, ou seja, influenciado pelo
ambiente externo. Uma das implicações críticas dos conceitos de sistemas na
Administração é justamente a concepção da empresa como um sistema aberto, pois tal
visão ressalta que o ambiente em que vive a empresa é essencialmente dinâmico,
fazendo com que uma organização, para sobreviver, tenha2 de responder eficazmente às
pressões exercidas pelas mudanças contínuas e rápidas do ambiente.

De forma a compreender o sistema de informação gerencial é necessário compreender o


que é sistema, dados, informação e gerencial.

Assim, compreende-se sistema como um grupo de componentes interligados para


execução de determinada tarefa. Segundo Oliveira (2008, p.7) "sistema é um conjunto
de partes integrantes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário
com determinado objetivo e efetuam determinada função". Verifica-se que um sistema
constitui-se de partes formando-se um só com um único objetivo a realizar uma função,
ou seja, é a base da implantação de um S.I.G.

Tendo compreendido o que é sistema, abordar-se-á acerca dos dados que consiste num
elemento que depende de outro recurso para que seja melhor visualizado. Para Oliveira
(2008, p.22) dado "é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só,
não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação". O dado é apenas um
elemento neutro sem significado que depende de outro recurso para ser processado
dentro da empresa.

Com o entendimento do conceito sobre dado, temos a "informação" que é gerada para o
executivo a fim de que ele possa tomar a devida decisão. Informação, Segundo Oliveira
(2008, p.22) "é o dado trabalhado que permite ao executivo tomar decisões". À partir da
informação, o executivo irá gerenciar as atividades que forem necessárias nos
respectivos setores da organização.

E para finalmente se entender melhor um S.I.G. define-se o "gerencial" que é o


essencial para a execução das tarefas da organização que é a função executada pelo
gestor de acordo com sua devida necessidade. Na visão de Oliveira (2008, p. 24) "é o
desenvolvimento e a consolidação do processo administrativo, representado pelas
funções de planejamento, organização, direção, gestão de pessoas e controle, voltado
para a otimização dos resultados da empresa". Gerenciar é o fundamento principal para
as empresas se organizarem em seus processos decisórios, pois a direção da empresa
está nas mão do gestor em relação ao seu futuro desenvolvimento e crescimento.
No que diz respeito, as empresas precisam estar preparadas para resolver os problemas
internos e externos do ambiente em que estão inseridas, para isso buscam nos sistemas
de informações suporte para resolução de tais problemas.

Laudon e Laudon (1999, p. 26 apud Bazzotti on-line, p. 6), afirmam que "a razão mais
forte pelas quais as empresas constroem os sistemas, então, é para resolver problemas
organizacionais e para reagir a uma mudança no ambiente".

De maneira específica, os sistemas de informação dão condições para que as empresas


saibam reagir às mutações do mercado e se sintam protegidas por um processo decisório
firme o suficiente para garantir a resolução do problema.

"Os sistemas de informação objetivam a resolução de problemas organizacionais


internos, e a consequente preparação para enfrentar as tendências da crescente
competitividade de mercado" (BAZZOTTI, on-line, p. 6).

Para melhor a empresa adaptar-se à organização de documentos e arquivos em seu


sistema operacional, ela deve implantar um SIG, pois para se ter um controle de
atividades e ajudar no processo de tomada de decisões.

Conforme Bazzotti (on-line, p. 6):

A necessidade do Sistema de Informação (SI) nas empresas surgiu devido ao grande e


crescente volume de informações que a organização possui. Com o Sistema de
Informação estruturado a apresentação das informações necessárias e também já
propiciando uma visão das decisões, a empresa garante um grande diferencial em
relação aos concorrentes, e os gestores podem tomar decisões mais rápidas e de fontes
seguras.

Então se verifica que com a grande fluência de informação dentro das empresas,
necessitou-se a criação de um S.I.G. para melhor as empresas se organizarem, terem
uma visão das decisões, eficiência no trabalho, ter um diferencial na concorrência e
segurança para os gestores tomarem a devida decisão.

Segundo Batista (2004, p. 39 apud Bazzotti on-line, p. 6), "... o objetivo de usar os
sistemas de informação é a criação de um ambiente empresarial em que as informações
sejam confiáveis e possam fluir na estrutura organizacional".

É com base nas informações e no conhecimento do sistema da empresa que surgem


soluções durante a realização das tarefas executada por seus colaboradores.

"Na era da informação, o diferencial das empresas e dos profissionais está diretamente
ligado à valorização da informação e do conhecimento, proporcionando soluções e
satisfação no desenvolvimento das atividades" (BAZZOTTI on-line, p. 6).
Para que se tenham efeitos, os sistemas de informação precisam, segundo Pereira e
Fonseca (1997, p. 242 apud Bazzotti on-line, p. 6), "corresponder às seguintes
expectativas":

Atender as reais necessidades dos usuários;Estar centrados no usuário (cliente) e não no


profissional que o criou; Atender ao usuário com presteza;Apresentar custos
compatíveis;Adaptar-se constantemente às novas tecnologias de informação;Estar
alinhados com as estratégias de negócios da empresa.

Observam-se itens muito importantes para que uma organização, quando implanta um
SIG obtenha confiança em tomar suas decisões perante seus negócios.

"Ao visualizar um sistema que atenda os requisitos acima, a empresa se sente confiante
no momento de utilizá-lo no processo decisório de seus negócios" (BAZZOTTI on-line,
p. 6).

3 CONCEITO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Um sistema de custo da empresa, por exemplo, interage com outros subsistemas que
estes possuem seus requisitos que dependem para execução das tarefas. Mais claramente
no conceito de Bio (2008, p.29):

Analogamente, o sistema de custos pode envolver os subsistemas de apropriação de


mão-de-obra, de materiais, etc. As relações de interdependência entre os subsistemas
resultam, basicamente, da troca de informações entre eles. Por exemplo, uma nota
fiscal-fatura contém informações de saída de um subsistema de faturamento e, de
alguma forma, os dados sobre receitas precisam ser também processados no subsistema
de contabilidade (por contas) e no subsistema de contas a receber (por clientes).

Um exemplo de um subsistema dentro de uma empresa segundo Bio (2008, p.29)


exemplifica:

Certamente, uma empresa com um volume de 10.000 notas fiscais por mês (e com
vários itens por nota fiscal) não usará cópias das notas fiscais como meio de entrada de
dados sobre receitas nos subsistemas de contas a receber e de contabilidade. Isso
equivaleria a classificar e efetuar 10.000 ou mais lançamentos, respectivamente, para
cada cliente, de acordo com o seu respectivo código e para cada conta, de acordo com o
Plano de Contas. Por outro lado, de alguma forma o sistema de Contas e Receber deve
"informar" ao sistema de contabilidade os recebimentos de clientes. Da mesma forma,
pode ser inexecutável o registro contábil de um por um dos comprovantes de
recebimento.

No sistema aberto, ideias são introduzidas no mesmo e quando processadas, geram


saídas já transformadas através de recursos materiais, humanos e tecnológicos que a
empresa possui. Com base neste conceito, Bio (2008, p.21), afirma que:
Os sistemas abertos envolvem a ideia de que determinados inputs são introduzidos no
sistema e, processados, geram certos outputs. Com efeito, a empresa vale-se de recursos
materiais, humanos e tecnológicos, de cujo processamento que resultam em bens ou
serviços a serem fornecidos ao mercado.

Aproximando-se mais um pouco em relação ao processo de dados e informação, Bio


(2008, p. 21), afirma que: "colocando-se um zoom no fluxo entradas-processamento-
saídas, verifica-se então, internamente à empresa, os subsistemas que a compõe e que
interagem entre si, levando, com efeito, a um sistema sócio técnico".

Com isso pode-se afirmar que o sistema socio técnico inclui um ou mais sistemas
técnicos, incluem pessoas como partes inerentes do sistema e inclui também
conhecimento de como ele deve ser usado, o que significa que esses sistemas, têm
processos operacionais definidos, são regidos pelas organizações e podem ser afetados
por leis e políticas regulamentadoras.

3.1 Sistemas e subsistemas

Conceituando-se um sistema e seus componentes (subsistemas), entende-se melhor


como acontece o processo de atividades realizadas pela empresa. Tomando-se um
exemplo de

Bio (2008, p.21-22) "uma indústria de montagem, buscando caracterizar um pouco mais
detalhadamente seus subsistemas, pode-se assim conceitua-los, em síntese":

Sistema Físico-Operacional (ou sistema logístico e de produção): processos


interdependentes, de natureza física, que vão desde a obtenção dos materiais, peças e
componentes nos fornecedores até a entrega do produto final ao cliente, incluindo os
processos de produção, no caso a montagem dos produtos.Sistema de informação: é
uma rede de subsistemas, em que cada qual se decompõe em procedimentos que
coletam dados, os processam, e produzem e distribuem as informações resultantes. Por
definição sabe-se que os sistemas interagem. É o que ocorre no caso: informações
operacionais disparam atividades físicas do sistema logístico-produtivo e estas geram
dados que vão produzir novas informações.Sistema de Gestão: conjunto,
interdependente, dos processos decisórios - gerenciais (planejar, organizar, controlar,
etc.) que visa levar a empresa aos resultados desejados. O sistema de informação, por
meio das informações gerenciais, interage com o sistema de gestão, ao suportar os
processos decisórios por meio de tais informações.

3.2 Subsistemas e procedimentos

Segundo Bio (2008, p.32) "cada subsistema pode ser decomposto em três etapas":
 Coleta de dados de entrada.
 Processamento dos dados.
 Produção e distribuição de informações de saída.

Conforme as três etapas de processos de dados para a transformação da informação


concretizada, citadas anteriormente, Bio (2008, p.32) conceitua que:

Tratando-se da informação, haveria muitas formas de conceituá-la, dependendo do


ângulo de observação e do campo de conhecimento em que se busque tal conceito. Do
ponto de vista mais específico de sistemas de informação, examina-se o conceito a partir
do entendimento da informação como do tratamento de dados. Assim, pode-se entender
dado como um elemento da informação (um conjunto de letras ou dígitos), que, tomado
isoladamente, não transmite nenhum conhecimento, ou seja, não contém um significado
intrínseco. Por exemplo, as anotações "Cia. XYZ S.A. – "R$ 30.000,00", "saldo
devedor", por si só não transmitem uma informação, são apenas dados. Entretanto,
quando se diz: "Cia. XYZ S.A. – saldo devedor = R$ 30.000,00, aí, sim, a partir da
associação dos dados, transmite-se um conhecimento. Portanto, o tratamento e a
estruturação dos dados gera uma informação.

Observa-se que cada subsistema da empresa, age com o processamento de dados até se
concluir a informação desejada. "Em essência, cada subsistema age como um coletor e
processador de dados para a produção de determinadas informações". BIO (2008, p.32).

Exemplo:

COLETA DE DADOS DE ENTRADA---> PROCESSAMENTO DE DADOS---


>INFORMAÇÕES DE SAÍDA

3.3 Benefícios dos sistemas de informações gerenciais para as empresas

Conceitua-se que o S.I.G. possui suas vantagens que ajudam a empresa


economicamente a desempenhar suas atividades no dia a dia. Segundo Oliveira (2008,
p.31) "pode-se afirmar que o sistema de informações gerenciais, sob determinadas
condições, proporciona os seguintes benefícios para as empresas:

 Redução dos custos das operações;


 Melhoria no acesso às informações, propiciando relatórios mais precisos e rápidos,
com menor esforço;
 Melhoria na produtividade, tanto setorial quanto global;
 Melhoria na tomada de decisões, através do fornecimento de informações mais
rápidas e precisas;
 Estímulo de maior interação entre os tomadores de decisão;
 Melhoria na estrutura organizacional, por facilitar o fluxo de informações;
 Redução do grau de centralização das decisões na empresa;
 Melhoria na adaptação da empresa para enfrentar os acontecimentos não previstos,
a partir das constantes mutações nos fatores ambientais ou externos.
 Melhoria nas atitudes e nas atividades dos profissionais da empresa; e
 Redução de funcionários em atividades burocráticas.

A informação dentro da empresa auxilia no apoio às decisões através de sistemas


informativos que a organização possui focalizando a transmissão e a recepção dessas
informações para serem processadas com eficiência na tomada de decisão. Com base
nesse conceito, Oliveira (2008, p.32) afirma que:

O processo de administração nas empresas utiliza a informação como apoio às decisões,


através de sistemas informativos que observam requisitos quanto a transmissores e
receptores de informações, canais de transmissão, conteúdo das informações,
periodicidade das comunicações, bem como processos de conversão das informações
em decisões junto a cada um dos centros de responsabilidades - unidades
organizacionais - da empresa.

Têm-se o conceito de que o sistema de informação gerencial ajuda no tripé básico de


segurança da empresa. "O SIG auxilia os executivos das empresas a consolidar o tripé
básico de sustentação da empresa: qualidade, produtividade e participação".
(OLIVEIRA 2008, p.32).

No que segue a relação tripé básico de sustentação, em relação à qualidade, Oliveira


(2008, p.32) conceitua que:

A qualidade não deve estar associada apenas ao produto ou ao serviço final. Deve
envolver o nível de satisfação das pessoas no trabalho associado a uma qualidade de
vida que se entenda à sua estrutura pessoal, familiar e social. Possíveis desequilíbrios
nessa relação podem resultar em boicotes, greves, acidentes, agressividade e outras
consequências danosas para a empresa.

Isso significa afirmar que toda a equipe de trabalho dentro da organização deve estar de
bem com relação a sua vida pessoal, para assim melhor render nas suas respectivas
funções de trabalho, caso contrário poderá acarretar graves consequências dentro da
empresa.

Em relação à produção da empresa, Oliveira (2008, p.33), afirma que:

A produtividade não deve ser abordada como um assunto de tempos e métodos, de


ergonomia ou de linhas de produção. Deve ir até o nível da produtividade global e
consolidar a filosofia de comprometimento de todos para com os resultados parciais e
globais da empresa.

Pode-se afirmar que, a produção não deve ser limitada ou centralizada em relação o
entendimento das interações entre os seres humanos e sistemas, ela deve criar um
compromisso da equipe de trabalho com as metas da organização.

Oliveira (2008, p.33) conclui o tripé básico de sustentação da empresa com a


participação afirmando que:

Nesse contexto, a participação deve consolidar-se como uma resultante das melhorias de
qualidade e de produtividade. Entretanto, todo esse processo de mudança pode ser
problemático para a empresa. E, um dos instrumentos administrativos que em muito
podem ajudar os executivos das empresas na consolidação desse processo é o SIG –
sistema de informações gerenciais.

A participação é muito importante em relação às melhorias de qualidade e produção,


pois conta com o desempenho dos colaboradores da empresa nos resultados esperados.

O executivo necessita conhecer os principais conceitos para que o sistema de


informação da sua empresa não venha a dar errado quanto a sua execução. Segundo
Ackoff (1974, p.79 apud Oliveira, 2008, p.36) "chama a atenção para cinco suposições
comuns e erradas que têm levado os sistemas de informações gerenciais a fracassar
como solução para todo tipo de problema empresarial, a saber":

 O executivo necessita muito de informações mais relevantes;


 O executivo precisa das informações que deseja;
 Entregues ao executivo as informações que ele necessita, suas decisões melhorarão;
 Mais comunicação significa desempenho melhor; e
 Um executivo não tem de saber como funciona um sistema de informação, mas
apenas como usá-lo.

Analisa-se o ponto vista de um executivo quanto a implantação do SIG em sua empresa,


que para se obter um bom resultado desejado, Ronchi (1977, p.69 apud Oliveira, 2008,
p.36) "evidencia sua dependência dos seguintes elementos":

 Significância das informações transmitidas;


 Rapidez com que as informações fluem dos pontos sensores aos centros de decisão;
e
 Características do processo de decisão, tais como periodicidade das decisões, grau
de análise das informações com base nas quais é tomada a decisão, grau de
coordenação.
De uma forma mais eficiente, para se obter um melhor desempenho no sistema de
informação da empresa, Oliveira (2008, p.37) afirma que: "no intuito de eliminar tais
elementos, atualmente trabalha-se com os sistemas em tempo real, de modo a propiciar
sistemas eficientes, devidamente integrados às decisões empresariais, assegurando a
validade das ações decorrentes".

4 TOMADA DE DECISÃO

Toda e qualquer organização tem que se planejar bem para tomar a devida decisão, para
que futuramente ela não tenha maiores problemas.

(Leal on-line), define:

A tomada de decisão esta presente em todas as funções do administrador, e através delas


podemos: planejar, organizar, coordenar e controlar. Os sistemas de informações são
utilizados pelo gestor para apoiar a tomada de decisão de forma eficiente e racional,
podendo antecipar o futuro e reduzir riscos de incerteza.

Têm-se no sistema de informação, o conceito de dois tipos de decisões. Lacombe e


Heilborn (2003, p. 441 apud Leal on-line), diferem as decisões em dois tipos:

decisões programadas e decisões não programadas. As decisões programadas são as que


ocorrem com certa frequência, enquanto as não programadas são decisões novas, sem
precedentes, que requerem tratamento especial. Há ainda as decisões estratégicas que
envolvem a definição precisa do negócio ou sua alteração e têm impacto a longo prazo e
grande dificuldade de serem desfeitas. Essas decisões tendem a ser mais importantes e
são tomadas por níveis hierárquicos mais elevados da organização.

Analisa-se que o SIG ajuda com bastante eficiência os gestores em relação ao processo
decisório da empresa. De acordo com (Leal on-line) "O auxílio que os sistemas de
informações gerenciais dão no processo de tomada de decisão é a obtenção de relatórios
periódicos com rapidez". Na definição de Lacombe e Heilborn (2003, p. 451 apud Leal
on-line):

Um sistema de informações gerenciais inclui informações coerentes e consistentes de


todas as áreas e essas informações devem estar à disposição de quem delas precisa no
momento certo. Os relatórios gerados costumam atender às necessidades gerenciais de
grande número de executivos de diversos níveis; por isso os relatórios tendem a ser
relativamente inflexíveis, requerendo esforço e custo para mudá-los. Nem sempre é
possível obter as informações desejadas com a rapidez desejável, embora esse seja um
dos seus objetivos. Sua principal finalidade é o controle, envolvendo ações corretivas
quando necessário.

O procedimento de tomada de decisão depende da qualidade do sistema de informação,


quanto a sua capacidade informativa de estar auxiliando o executivo.
"O processo de tomada de decisão está diretamente ligado, ao potencial informativo do
sistema de informações que a empresa utiliza, sendo este o gerador de informações de
auxilio para o gestor". (LEAL on-line).

4.1 Aspectos que fortalecem a tomada de decisão

Para que o gestor tenha uma tomada de decisão firme e correta dentro da empresa
Lacombe e Heilborn (2003, p. 450 apud Leal on-line) afirma:

O que caracteriza, na empresa, o sistema de informações gerenciais, não é o fato de se


dispor de um conjunto de informações arrumadas de forma inteligível, mas sim sua
integração, consistência, processamento e comunicação, incluindo a forma de
apresentação e o acesso dos administradores ao sistema, bem como a sua eficácia e
utilidade gerencial para ações e providências administrativas em tempo hábil.

O que se pode observar quanto à integração do sistema de informação é o planejamento,


a organização e o controle, sendo que estes os principais requisitos que se juntam para
desempenhar as tarefas da empresa. Oliveira (2000, p. 174 apud Leal on-line), afirma
que:

A relação dos sistemas informativos, que geram informações decisórias, contribuem


para eficácia do gestor no exercício das funções de planejamento, organização e
controle na gestão das empresas, pressupondo:

 A predisposição de um esquema de planejamento em seus níveis estratégico, tático


e operacional, contemplando todos os centros de responsabilidade da empresa;
 O levantamento contínuo e imediato dos resultados da gestão empresarial;
 A comparação dos resultados efetivos com dados previstos, constantes do processo
de planejamento;
 A análise das variações entre os resultados apresentados e o planejamento efetuado,
bem como a regularização dos desvios, por meio do funcionamento dos centros de
responsabilidade da empresa.

5 CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Observa-se que o sistema de informação se classifica conforme sua precisão e


necessidade. Conforme (Bazzotti on-line, p. 7):

Os sistemas, do ponto de vista empresarial, podem ser classificados de acordo com a


sua forma de utilização e o tipo de retorno dado ao processo de tomada de decisões. Os
sistemas podem ser de contexto operacional ou gerencial, ou seja, Sistemas de Apoio às
Operações e Sistema de Apoio Gerencial.
5.1 Sistema de apoio às operações

Esse tipo de sistema executa vários procedimentos que influenciam no ambiente interno
e externo da empresa. Com isso (Bazzotti on-line, p. 7), afirma que:

Os sistemas de Apoio às Operações de uma empresa têm por principais metas processar
transações, controlar processos industriais e atualizar banco de dados, fornecendo
informações de âmbito interno e externo. Apesar da sua importância para o
desenvolvimento normal das atividades da empresa, não consegue desenvolver
informações específicas, necessitando do apoio do sistema de informação gerencial.

Serve como um grande auxiliador nas atividades da empresa, porém necessita do apoio
do S.I.G. para desenvolver informações.

5.2 Sistema de processamento de transações (SPT)

Quando a empresa implanta esse tipo de sistema, torna-se mais eficiente de realizar as
suas atividades com mais rapidez e precisão. Com base nesse conceito Afirmam Laudon
e Laudon (2001, p. 31 apud Bazzotti on-line, p. 7), que: "... um sistema de
processamento de transações é um sistema computadorizado que executa e registra as
transações rotineiras diárias necessárias para a condução dos negócios".

É um tipo de sistema importantíssimo e de grande eficiência, pois além de executar,


ainda registra todas as transações do dia-a-dia feitas pela empresa. Afirma então
(Bazzotti on-line, p. 7), que:

A automatização dos trabalhos repetitivos e rotineiros comuns aos negócios da empresa


agiliza e facilita a realização dos trabalhos. Além de oferecer uma gama maior de
informações. Como exemplo, pode-se citar a transação das rotinas da folha de
pagamento, a computação, além de produzir os cheques para pagamento dos
colaboradores, pode fornecer relatórios exigidos pelos órgãos federais e estaduais. São
também exemplos de SPT, a emissão de notas fiscais e o controle de estoque.

5.3 Sistemas de trabalho do conhecimento e de automação de escritório (STC e SAE)

Observa-se que se precisa conhecer bem a empresa em que trabalha, pois é através
desse sistema que é reconhecido o entendimento do colaborador para com as
informações processadas na organização. De acordo com Batista (2004, p. 24 apud
Bazzotti on-line, p. 7),

A definição que se aplica ao STC e SAE é descrita da seguinte forma: ... toda e qualquer
tecnologia de informação que possui como objetivo principal aumentar a produtividade
pessoal dos trabalhadores que manipulam as informações de escritório. Os aplicativos
dos escritórios são projetados com base na necessidade de manipulação e gerenciamento
de documentos, aumentando assim a produtividade dos envolvidos com a atividade, por
exemplo, a editoração eletrônica, arquivamento digital, planilhas de cálculo e outros,
favorecem a qualidade e agilidade das tarefas.

Pode-se observar que se trata de um conjunto de aplicativos que consiste no comando e


gerenciamento de documentos para evoluir a execução das tarefas do dia-a-dia da
empresa.

5.4 Sistema de apoio gerencial

Verifica-se a grande importância neste sistema quanto ao fornecimento de informações


para a tomada de decisão, visto que toda a empresa deve estar interligada quanto ao
processo decisório. A divergência de opiniões entre os executivos de uma empresa deve
ser solucionada pelo sistema de apoio gerencial.

Com base neste conceito, O'brien (2002, p.29 apud Bazzotti on-line, p. 8), afirma que
"quando os sistemas de informação se concentram em fornecer informação e apoio à
tomada de decisão eficaz pelos gerentes, eles são chamados sistemas de apoio
gerencial". "Entre os vários tipos de sistemas de apoio gerencial, pode-se citar: Sistema
de Suporte da Decisão (SSD), Sistema de Suporte Executivo (SSE) e Sistema de
Informação Gerencial (SIG)" (BAZZOTTI on-line, p. 8).

5.4.1 Sistema de suporte da decisão (SSD)

Têm-se uma grande facilidade e disponibilidade de recursos quanto a esse tipo de


sistema para tomada de decisão. Na afirmação de (Bazzotti on-line, p. 8), "os sistemas
de suporte da decisão são munidos de grande quantidade de dados e ferramentas de
modelagem, permitindo uma flexibilidade, adaptabilidade e capacidade de resposta
rápida ao nível gerencial da organização".

Nessa contextualização, Batista (2004, p. 25 apud Bazzotti on-line, p. 8), considera


como SSD "... os sistemas que possuem interatividade com as ações do usuário,
oferecendo dados e modelos para a solução de problemas semiestruturado e focando a
tomada de decisão".

5.4.2 Sistema de suporte executivo (SSE)

Ajuda no suporte ao desenvolvimento do planejamento estratégico da empresa. No que


se refere (Bazzotti on-line, p. 8) diz que "os sistemas de suporte executivo não são
projetados para resolver problemas específicos, em vez disso, fornecem uma capacidade
de computação e telecomunicações que pode mudar a estrutura dos problemas".
"Permitem que um executivo focalize rapidamente detalhes de problemas e, depois,
volte a uma visão geral da empresa. Desenvolvidos de modo a otimizar o tempo do
usuário na obtenção da informação" (RAMOS on-line).

É um sistema que consiste no ganho de tempo quanto à verificação geral dos problemas
da organização e ter o retorno da informação sobre o que está ocorrendo.

5.4.3 Sistema de informação gerencial (SIG)

O SIG auxilia nas funções de planejamento, controle e organização de uma empresa,


fornecendo-lhe informações seguras e em tempo hábil para a tomada de decisão. Diante
deste conceito Oliveira (2002, p. 59 apud Bazzotti on-line, p. 8), define que, "o sistema
de informação gerencial é representado pelo conjunto de subsistemas, visualizados de
forma integrada e capaz de gerar informações necessárias ao processo decisório".

Então como já foi citado anteriormente no decorrer do trabalho, o SIG consiste na


empresa, em poder atingir suas metas, além de ter a vantagem de auxiliar o gestor
detalhadamente sobre as atividades diárias de maneira que estas venham a colocar toda
uma ordem na organização afim, de se obter sucesso em seu projeto de execução
juntamente com seus colaboradores.

Baseado no conceito de Stair (1998, p.278 apud Bazzotti on-line, p. 8), assim define
que: "o propósito básico de um SIG é ajudar a empresa a alcançar suas metas,
fornecendo a seus gerentes detalhes sobre as operações regulares da organização, de
forma que possam controlar, organizar e planejar com mais efetividade e com maior
eficiência".

Com o conceito citado acima, pode-se concluir que o objetivo principal do sistema de
informação é dar apoio à empresa relatando sobre cada operação feita, facilitando o
controle e o planejamento das atividades a serem executadas pelos gestores.

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pôde-se observar que para as empresas executarem suas atividades com segurança,
precisão e eficiência, ela deve implantar um sistema de informação gerencial. Devido o
mercado competitivo, as organizações necessitam estar atentas e adotar softwares dos
mais atualizados, pois para treinar seus funcionários e alcançar seus objetivos pelo uso
eficiente dos recursos disponíveis, portanto, as informações podem decidir o futuro da
organização. Como foi visto também, o S.I.G. possui suas classificações, que estas se
especificam em seus tipos organizacionais dentro da empresa, dando suporte ao
gerenciamento e aos colaboradores da empresa. Quando as empresas adotam um S.I.G.
ela colabora para com seus funcionários também, pois ajuda no processo de atividades
tornando mais eficiente dentro da empresa em relação as atividades diárias da
organização.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BATISTA, Emerson de Oliveira. Sistemas de informação: o uso consciente da


tecnologia para o gerenciamento. 1. ed. – São Paulo : Saraiva, 2004.

BAZZOTTI, Cristiane. A Importância do Sistema de Informação Gerencial Para


Tomada De Decisões: UNIOESTE, Cascavel-PR. Disponível em:
http://www.unioeste.br/campi/cascavel/ccsa/VISeminario/Artigos%20apresentados%20
em%20Comunica%E7%F5es/ART%203%20%20A%20import%E2ncia%20do%20siste
ma%20de
0informa%E7%E3o%20gerencial%20para%20tomada%20de%20decis%F5es.pdf
acesso em: 03/06/2012. 17:40'32".

BIO, Sérgio Rodrigues. Sistema de Informação: Um enfoque Gerencial, 2ed. Atlas, São
Paulo 2008 – ORG. Cornachione Jr., Edgar Bruno.

LACOMBE, Francisco J. M. e HEILBORN, Gilberto L. J. Administração, princípios e


tendências. 1. ed. – São Paulo : Saraiva, 2003.

LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas de informação. 4. ed. LTC:
Rio de Janeiro,1999.

LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Gerenciamento de sistemas de


informação. 3º ed. LTC: Rio de Janeiro,2001.

LEAL, Tiago Anderson Carneiro e Silva. Sistemas De Informações Gerenciais e Sua


Importância Para Tomada De Decisões: Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e
Letras de Rondônia-FARO, 2008. Disponível em:
http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/sig-e-sua-importancia-para-
tomada-de-decisoes/26869/ acesso em: 22/05/2012. 16:32'26".

MIRANDA, Ozineide Alves. A Importância Do Sistema De Informação Gerencial Na


Empresa Sol Distribuidora De Combustíveis LTDA: Faculdade Interamericana de Porto
Velho-RO – UNIRON. Disponível em:
http://www.profsergio.net/artigos/artigoozineidealves.pdf acesso em: 15/05/2012.
20:15'44.

O´BRIEN, James A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet.


Tradução de Cid Knipel Moreira. São Paulo: Saraiva, 2002.

OLIVEIRA, Jair Figueiredo. Sistema de Informação: um enfoque gerencial inserido no


contexto empresarial e tecnológico. 1. ed. – São Paulo: Érica, 2000.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Sistemas, organizações e métodos: uma


abordagem gerencial. 13. ed. São Paulo, 2002.
___________, Djalma de Pinho Rebolças. Sistemas de Informações Gerenciais, 12ed.
Atlas, São Paulo 2008.

PEREIRA, Maria José Lara de Bretãs; FONSECA, João Gabriel Marques. Faces da
Decisão: as mudanças de paradigmas e o poder da decisão. São Paulo: Makron Books,
1997.

RAMOS, Prof. Ricardo Argenton. Tecnologia e Sistemas de Informações: Universidade


Federal do Vale do São Francisco. Disponível em:
http://www.univasf.edu.br/~ricardo.aramos/disciplinas/TSI2009_1/aula5_1.pdf acesso
em: 10/06/2012. 09:17'53".

STAIR, Ralph M. Princípios de sistemas de informação. Rio de Janeiro: LTC, 1998.

______, Ralph M. e REYNOLDS George W. Princípios de Sistemas de Informações:


Uma abordagem Gerencial. 4º ed. São Paulo: LTC, 2002.

IS0 27003
ISO 27003 Ele providencia um guia prático que ajuda na implantação de
um Sistema de Gestão de Segurança da Informação(SGSI) em uma
organização com base na ISO 27001. Ele possibilita elaborar um processo,
dando as pessoas responsáveis a segurança de que os riscos desses
recursos de informação estarão continuamente mantidos dentro das
limitações de segurança impostas pela organização.

ISO / IEC 27003: 2017 - Tecnologia


da informação - Técnicas
de segurança - Sistemas de
gerenciamento de segurança da
informação - Orientação (segunda
edição)
Introdução
A ISO / IEC 27003 fornece orientação para aqueles que implementam
os padrões ISO27k , cobrindo os aspectos do sistema de
gerenciamento em particular.
Seu escopo é simplesmente “fornecer explicações e orientações sobre
a ISO / IEC 27001: 2013”.
O padrão complementa e se baseia em outros padrões,
particularmente ISO / IEC 27000 e ISO / IEC 27001, além de ISO /
IEC 27004 , ISO / IEC 27005 , ISO 31000 e ISO / IEC 27014 .

Objetivo do padrão
Como resultado da intenção da ISO de tornar todos os padrões de
sistemas de gestão consistentes em estrutura e forma, e para que
seja utilizável para fins de certificação ISMS, a linguagem da ISO /
IEC 27001: 2013 é inevitavelmente formal, sucinta e formal. A ISO /
IEC 27003 oferece uma explicação pragmática com conselhos e
orientações simples para implementadores do '27001.

Estrutura e conteúdo do padrão


Por conveniência, '27003 segue virtualmente a mesma estrutura que'
27001, expandindo cláusula-por-cláusula em '27001:
 Prefácio
 Introdução
 1 escopo
 2 Referências normativas
 3 Termos e definições
 4 Contexto da organização
 5 Liderança
 6 Planejamento
 7 Suporte
 8 Operação
 9 Avaliação de desempenho
 10 Melhoria
 Anexo - Marco político
 Bibliografia
Para cada cláusula '27001, este padrão:
 Re-afirma o requisito / s;
 Explica as implicações; e
 Oferece orientação prática e informações de apoio, incluindo
exemplos, para ajudar os implementadores a implementarem.
Por exemplo, é isso que '27001 diz na seção 4.1,' Entendendo a
organização e seu contexto ':
“A organização deve determinar questões externas e internas
que sejam relevantes para seu propósito e que afetem sua
capacidade de alcançar o (s) resultado (s) pretendido (s) de seu
sistema de gerenciamento de segurança da informação.
NOTA A determinação dessas questões refere-se ao
estabelecimento do contexto externo e interno da organização
considerada na Cláusula 5.3 da ISO 31000: 2009 [5] ”.
A seção 4.1 de '27003 primeiro declara a' atividade exigida '(não a
nota):
“A organização determina questões externas e internas
relevantes para o seu objetivo e afeta sua capacidade de
alcançar o (s) resultado (s) pretendido (s) do sistema de
gerenciamento de segurança da informação (SGSI).”
Em seguida, ele expande as razões pelas quais é apropriado
"determinar questões externas e internas", fornecendo uma página
de explicação para complementar o texto sucinto e um tanto difícil de
entender de '27001. Explica, por exemplo, que as "questões internas"
incluem a cultura da organização; suas políticas, objetivos e
estratégias para alcançá-los; sua governança, estrutura
organizacional, papéis e responsabilidades; e listar mais sete
"questões internas" a serem consideradas. Ele também identifica
outras cláusulas que usam essa informação .
Isso por si só seria uma expansão valiosa na seção 4.1 do 27001,
mas o 27003 não para por aí: ele fornece uma página adicional de
explicação, orientação prática e exemplos do mundo real nessa área.
O resultado final é que o leitor deve ter uma compreensão muito
melhor dos requisitos de '27001 e uma idéia mais clara de como
satisfazê-los.

Status do padrão
O padrão foi publicado inicialmente em 2010, aconselhando sobre
como planejar um projeto de implementação do SGSI.
A norma foi substancialmente revisada e reeditada em abril de
2017. Ela agora reflete e explica a estrutura e sequência da ISO /
IEC 27001: 2013 . Ele não prevê mais uma estrutura ou abordagem
de projeto de implementação do SGSI em particular.

Comentários pessoais
Ao contrário da versão anterior, o padrão 2017 revisado é um
excelente guia, encaixando um buraco na suíte ISO27k . No Fórum
ISO27k , somos frequentemente questionados sobre como interpretar
e implementar o '27001. Junto com o nosso FAQ , o '27003 ajuda
muito a responder perguntas dessa natureza.
Estou intrigado com a idéia de que '27003 talvez possa, em futuras
revisões, se estender além da parte de design, implementação e
certificação do SGSI para oferecer conselhos pragmáticos sobre a
operação, gerenciamento, monitoramento e melhoria do SGSI nos
anos seguintes. O ponto é que a certificação de um SGSI é
meramente o início de um longo processo de evolução e maturidade,
à medida que a segurança da informação se torna gradualmente uma
parte integral e valiosa das operações e estratégias comerciais
normais.