You are on page 1of 2

Fundamentos do advogado da empresa multinacional Baden Baden

A execução é o instrumento processual a disposição do credor para exigir


o adimplemento forçado das obrigações através da retirado de bens do patrimônio
do devedor, no caso proposto, a ação executiva promovida pela multinacional Baden
Baden está fundamentada no Art. 784, I CPC que retrata sobre título extrajudicial
(Duplicata), comprova o direito do autor de efetuar a execução do título.

Art. 789. O devedor responde com todos os seus bens presentes e futuros
para o cumprimento de suas obrigações, salvo as restrições estabelecidas em lei o
devedor responde com os bens que possui no momento da execução, significa que,
mesmo que o devedor tenha comprado bens futuros após a dívida, estes poderão
ser executados a execução será feita mediante ação de processo autônomo
aplicando as regas do Art. 829 CPC e seguintes;

Os direitos além de reconhecidos devem ser efetivados com base nos


princípios para serem critérios norteadores para orientação dos operadores do direito
responsáveis pela análise da lide, no caso proposto da multinacional Baden Baden.

Princípio da efetividade garante o direito fundamental a tutela executiva


que consiste meios capazes de proporcionar pronta e integral satisfação do credor
como garantia de acesso da ordem jurídica justa efetivada em uma prestação
jurisdicional adequada ao direito de sentença do autor da execução deve ser vista
como direito ao provimento e aos meios executivos capazes de dar efetividade ao
direito do credor.

Princípio da menor onerosidade fundamentado no Art. 805 do CPC, este


deve ser interpretado a luz do princípio da efetividade não podendo ser sacrificado
na tutela executiva, tratando de princípios conflitantes cada qual a proteção de uma
das partes da execução caberá ao juiz no caso concreto aplicação de regras da
razoabilidade e proporcionalidade para encontrar um meio termo que evite
sacrifícios exagerados, tanto para o credor e devedor.
O artigo 854 do CPC/2015, dispõe que: “para possibilitar a penhora de
dinheiro em depósito ou em aplicação financeira, o juiz, a requerimento do exequente,
sem dar ciência prévia do ato ao executado, determinará às instituições financeiras, por
meio de sistema eletrônico gerido pela autoridade supervisora do sistema financeiro
nacional, que torne indisponíveis ativos financeiros existentes em nome do executado,
limitando-se a indisponibilidade ao valor indicado na execução”. Fundamentação legal
para penhora on line proposta pela multinacional Baden Baden.