You are on page 1of 41

Administração Financeira e Orçamentária p/

Auditor Federal de Controle Externo/TCU


Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

AULA 00: Visão Geral: PPA, LDO e LOA; Ciclo


Orçamentário; Créditos Adicionais; Competência para
legislar sobre orçamento.

SUMÁRIO PÁGINA
1. Apresentação 1
2.Cronograma 2
3. Os pilares da matéria 4
4. 1º Pilar: PPA, LDO e LOA 4
5. 2º Pilar: Ciclo Orçamentário 16
6. 3º Pilar: Créditos Adicionais 22
7. Competência para legislar sobre orçamento na
26
Federação
7. Lista das questões apresentadas 29
8. Lista das questões comentadas 34

1. APRESENTAÇÃO
Pessoal tudo bem? Meu nome é Giovanni Pacelli e JUNTOS (eu e
você concurseiro/concurseira) desenvolveremos o aprendizado da disciplina
“Administração Financeira e Orçamentária” voltado ao Concurso de Auditor
Federal de Controle Externo do TCU cuja provável banca será o Cespe.
Antes, porém vou me apresentar. Sou auditor federal de finanças e
controle da Controladoria Geral da União e professor de Contabilidade Pública
e de Administração Financeira e Orçamentária em cursos preparatórios de
Brasília (atualmente no IGEPP), e já ministrei aulas em São Paulo, Belo
Horizonte e Fortaleza. Já fui professor de Introdução à Contabilidade no
Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais da UnB. Sou oficial da
reserva do Exército Brasileiro. Fui aprovado no concurso da Controladoria
Geral da União (ESAF), no concurso da ANTAQ (Cespe/UnB) e, em primeiro
lugar, no concurso do Tribunal de Contas do Estado do Ceará (FCC).
Sou bacharel em Ciências Militares, pela Academia Militar, e em
Administração de Empresas, pela Universidade Estadual do Ceará, pós-
graduado em operações militares pela ESAO, e mestre e doutor em Ciências
Contábeis pela UnB.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 1 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

2. CRONOGRAMA DAS AULAS


A seguir apresento o cronograma das aulas que se fundamenta no
edital do último concurso:

Aula Tema Data

Visão Geral: PPA, LDO e LOA; Ciclo Orçamentário; Créditos Adicionais;


00 10/01/2017
Competência para legislar sobre orçamento.

01 Orçamento público: princípios. 10/01/2017


Orçamento público: conceitos. Evolução conceitual do orçamento
02 10/01/2017
público. Orçamento-Programa: fundamentos e técnicas.
Orçamento na Constituição de 1988: Plano Plurianual (PPA), Lei de
Diretrizes Orçamentárias (LDO), Lei Orçamentária Anual (LOA). Leis de
Créditos Adicionais. Plano Plurianual (PPA): estrutura, base legal,
03 objetivos, conteúdo, tipos de programas. Lei de Diretrizes 10/01/2017
Orçamentárias (LDO): objetivos, Anexos de Metas Fiscais, Anexos de
Riscos Fiscais, critérios para limitação de empenho. Orçamento público
no Brasil: Títulos I, IV, V e VI da Lei nº 4.320/1964.
Gestão organizacional das finanças públicas: sistema de planejamento e
04 orçamento e de programação financeira constantes da Lei nº 10/01/2017
10.180/2001.
Ciclo orçamentário: elaboração da proposta, discussão, votação e
05 aprovação da lei de orçamento. Programação de desembolso e 10/01/2017
mecanismos retificadores do orçamento.
Classificação da receita pública: institucional, por categorias econômicas,
06 por fontes. Execução orçamentária e financeira: estágios e execução da 10/01/2017
receita pública.
07 Dívida Ativa. 10/01/2017
Classificações orçamentárias. Classificação da despesa pública:
08 institucional, funcional, programática, pela natureza. Execução 10/01/2017
orçamentária e financeira: estágios e execução da despesa pública.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 2 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Restos a Pagar, Despesas de Exercícios Anteriores e Suprimento de


09 10/01/2017
Fundos.
Tópicos selecionados da Lei Complementar nº 101/2000: princípios,
conceitos, planejamento, renúncia de receitas, geração de despesas,
10 transferências voluntárias, destinação de recursos para o setor privado, 10/01/2017
transparência da gestão fiscal, prestação de contas e fiscalização da
gestão fiscal.
11 Novo Regime Fiscal – EC 95/2016. 10/01/2017
12 Conta Única do Tesouro Nacional: conceito e previsão legal. 10/01/2017
Funções do Governo. Falhas de mercado e produção de bens públicos.
13 Políticas econômicas governamentais (alocativa, distributiva e 10/01/2017
estabilizadora).
14 Federalismo Fiscal. 10/01/2017

Encerrando essa parte gostaria de lhe dar as boas-vindas e alertá-lo


que nosso conteúdo é completo. Vamos focar na banca Cespe: provável
banca a ser escolhida pelo TCU.

Observação importante: este curso é protegido por direitos autorais


(copyright), nos termos da Lei 9.610/98, que altera, atualiza e consolida
a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências.
Grupos de rateio e pirataria são ilegais e prejudicam os professores
que elaboram os cursos. Valorize nosso trabalho e adquira nossos cursos
apenas pelo site do 3D CONCURSOS!

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 3 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

3. OS PILARES DA MATÉRIA
Muitas vezes diversos cursos iniciam seus conteúdos com princípios
ou ciclo orçamentário. Também já fiz muito isso em sala de aula, mas
observa nesse contato corpo a corpo que os alunos ficavam perdidos nas
exceções aos princípios orçamentários, ou mesmo na relação entre o PPA
e a LDO com a LOA.
Após diversos testes e cursos com minhas “cobaias”, vi que a
melhor forma de assimilação do aprendizado é que os alunos dominem de
forma superficial o quanto antes os três pilares:
1º Pilar: Instrumento de planejamento (PPA, LDO, LOA);
2º Pilar: Ciclo Orçamentário da LOA;
3º Pilar: Créditos Adicionais (suplementares, especiais e extraordinários).

4. 1º PILAR: PPA, LDO e LOA


O legislador de 1988 institui um novo modelo de planejamento
orçamentário composto por 3 instrumentos: Plano Plurianual (PPA), Lei de
Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Lei Orçamentária Anual (LOA). A Figura
1 ilustra os três.

Figura 1: Modelo de Planejamento Orçamentário adotado a partir de 1988

LOA

LDO

PPA

Inicialmente devemos saber que o Brasil é um país legalista (no


bom sentido do termo) e não um país baseado em costumes. Assim,
esses instrumentos são formalizados e materializados por leis.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 4 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Mas que tipo de Leis?


Lei Ordinárias.

A partir da resposta anterior surgem os seguintes


questionamentos:
1 – De quem é a iniciativa dessas leis ordinárias (PPA, LDO e LOA)?
2 – Qual o quórum para aprovar essas leis (PPA, LDO e LOA)?
3 – Qual a relação hierárquica entre as três leis?
4 – Essas leis estão sujeitas a emendas parlamentares?
5 – Qual a relação entre os 3 instrumentos e os níveis de planejamento
estratégico (estratégico, tático e operacional)?

1 – De quem é a iniciativa dessas leis ordinárias (PPA, LDO e


LOA)?
A iniciativa dessas leis é sempre do chefe do Poder Executivo, sim,
eu disse, sempre. Vejamos ainda a CF/1988:

Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo


estabelecerão:
I - o plano plurianual;
II - as diretrizes orçamentárias;
III - os orçamentos anuais.

2 – Qual o quórum para aprova essas leis (PPA, LDO e LOA)?


Como se trata de leis ordinárias, necessita-se apenas de maioria
simples do Poder Legislativo. No caso da União, maioria simples de cada
Casa Legislativa (Câmara dos Deputados e Senado Federal).

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 5 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

3 – Qual a relação entre as três leis?


As três leis são ordinárias, assim, não há a hierarquia formal entre
elas. Mas existe um respeito em termos de compatibilidade. Assim,
quando da elaboração da LOA, ela sempre deve ser compatível com o
PPA vigente e a LDO vigente. Assim, quando da elaboração da LDO, ela
sempre deve ser compatível com o PPA vigente.
Existe alguma regra constitucional que diga que o PPA deva
ser compatível com o PPA anterior? Não. O PPA deve ser compatível
com a CF/1988 e com a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal).
Vejamos a LRF:
Art. 5º O projeto de lei orçamentária anual, elaborado de
forma compatível com o plano plurianual, com a lei de
diretrizes orçamentárias e com as normas desta Lei
Complementar:

4 – Essas leis estão sujeitas a emendas parlamentares?


Sim, como são leis ordinárias de iniciativa do chefe do Poder
Executivo, tais leis estão sujeitas a emendas parlamentares.

Dentre outros requisitos uma emenda do


Projeto de LOA sempre deve ser
compatível com o PPA e a LDO. E uma
emenda do Projeto de LDO sempre deve
ser compatível com o PPA.

Vejamos o que diz a CF/1988:


Art. 166.
§ 3º As emendas ao projeto de lei do orçamento anual ou
aos projetos que o modifiquem somente podem ser
aprovadas caso:
I - sejam compatíveis com o plano plurianual e com a lei
de diretrizes orçamentárias;

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 6 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

5 – Qual a relação entre os 3 instrumentos e os níveis de


planejamento estratégico (estratégico, tático e operacional)?
A fim de responder a esse questionamento elaborei o Quadro 1 a
seguir.
Quadro 1: Relação entre os instrumentos de planejamento e os
elementos de planejamento estratégico
Nível do Elementos do
Instrumento de Observação
Planejamento Planejamento
Planejamento Adicional
Estratégico Estratégico
Estratégico: Visão
de futuro, valores e É um plano de
Estratégico e diretrizes. médio prazo.
PPA
Tático Tático: programas, A cada 4 anos
objetivos, metas e temos um PPA.
iniciativas.
Tático: metas fiscais
Todo ano temos
Operacional:
Tático e uma LDO que vai
LDO critérios para
Operacional orientar uma
limitação de
LOA.
empenho
Operacional: receita
e despesa nas Todo ano temos
LOA Operacional
classificações uma LOA.
orçamentárias.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 7 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

4.1. Plano Plurianual: conceitos básicos


A CF/1988 estabelece que:
Art. 165.
§ 1º A lei que instituir o plano plurianual estabelecerá, de forma
regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administração
pública federal para as despesas de capital e outras delas
decorrentes e para as relativas aos programas de duração
continuada.

A partir do conceito anterior surgem os seguintes


questionamentos:
1 – O que é essa regionalização? Ela é obrigatória?
2 – Qual o cuidado que deve ter com os termos “diretrizes, objetivos e
metas”?
3 – O PPA é apenas para União, ou para todos os entes?
4 – As despesas de capital estão no PPA? Todas de capital? E das
despesas correntes? Todas as despesas correntes também constam no
PPA?

1 – O que é essa regionalização? Ela é obrigatória?


A regionalização é a localização espacial de gasto e é obrigatória. A
regionalização pode ser dar: pelas cinco regiões administrativas, por
estados, por municípios, por biomas (Caatinga, Amazônia Ocidental,
Amazônia Oriental) e outros critérios espaciais.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 8 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

2 – Qual o cuidado que deve ter com os termos “diretrizes,


objetivos e metas”?
Normalmente as bancas trocam, DOM (“diretrizes, objetivos e
metas”) por MP (metas e prioridades), termos típicos da LDO. Caso
isso ocorra considere um erro.

3 – O PPA é apenas para União, ou para todos os entes?


Apesar do conceito mencionar administração pública federal, todos
os entes da federação devem ter PPA, LDO e LOA. Assim, se
consideramos 5500 municípios temos: 1 PPA da União, 27 PPA´s dos
Estados e DF e 5500 PPA´s dos Municípios.

4 – As despesas de capital estão no PPA? Todas de capital? E das


despesas correntes? Todas as despesas correntes também
constam no PPA?
Essa pergunta é complexa e necessita de um conhecimento
adjacente: classificação da despesa orçamentária. Inicialmente devo lhe
informar que existem 9 classificações da despesa orçamentária. Essas 9
(nove) classificações vem apenas na LOA. Pelo menos duas dessas
classificações também podem vir no PPA: classificação quanto à natureza
e classificação programática. Vejamos a Figura 2 a seguir.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 9 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Figura 2: Despesas que constam na LOA

Corrente: R$ 600 Pessoal, Juros, Aluguel

Classificação quanto à natureza:


R$ 1000

Capital: R$ 400 Obras, Amortização da Dívida

Despesas Orçamentárias na
LOA: Exemplo R$ 1000
Área Fim: mobilidade urbana,
Temático: R$ 400
Bolsa-Família

Classificação programática: Gestão, Manutenção Área Meio: Pessoal, Aluguel,


R$ 1000 e Serviços: R$ 300 Reforma de Sede

Operações Especiais: Juros, Amortização da Dívida,


R$ 300 Transferências Constitucionais

Independente da classificação na LOA, se o valor da LOA é de R$ 1.000, ele é R$ 1.000 em qualquer


classificação da despesa orçamentária. Porém, já adianto que diferentemente da LOA, não constam no PPA as
despesas dos programas de operações especiais.
Assim, pelo conceito da CF/1988, as despesas com capital devem constar no PPA, porém não todas
(amortização da dívida fica fora). As despesas correntes “decorrentes”/ “derivadas”/”consequentes” das despesas
de capital também devem constar no PPA, porém não todas (juros e transferências constitucionais ficam fora do
PPA).

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 10 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

É importate você saber que nem todas as despesas orçamentárias


constam no PPA.
Os exemplos dados das despesas correntes e de capital, e dos programas
são os mais usuais em prova.

4.2.Lei de Diretrizes Orçamentárias: conceitos básicos


A CF/1988 estabelece que:
Art. 165.
§ 2º A lei de diretrizes orçamentárias compreenderá as metas e
prioridades da administração pública federal, incluindo as despesas
de capital para o exercício financeiro subsequente, orientará a
elaboração da lei orçamentária anual, disporá sobre as alterações
na legislação tributária e estabelecerá a política de aplicação das
agências financeiras oficiais de fomento.

A partir do conceito anterior surgem os seguintes


questionamentos:
1 – Qual o cuidado que deve ter com os termos “metas e prioridades”?
2 – A LDO é apenas para União, ou para todos os entes?
3 – Qual o cuidado que deve ter com o termo “orientará a elaboração da
LOA”?

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dcconcursos.com.br 11 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

1 – Qual o cuidado que deve ter com os termos “metas e


prioridades”?
Normalmente as bancas trocam, MP (“metas e prioridades”) por
DOM (diretrizes, objetivos e metas), termos típicos do PPA. Caso isso
ocorra considere um erro.

2 – A LDO é apenas para União, ou para todos os entes?


Apesar do conceito mencionar administração pública federal, todos
os entes da federação devem ter PPA, LDO e LOA. Assim, se
consideramos 5500 municípios temos: 1 LDO da União, 27 LDO´s dos
Estados e DF e 5500 LDO´s dos Municípios.

3 – Qual o cuidado que deve ter com o termo “orientará a


elaboração da LOA”?
Se todo ano temos uma LOA, então todo ano devemos ter uma LDO
que oriente a LOA na fase de ELABORAÇÃO da LOA.

4.3.Lei Orçamentária Anual: conceitos básicos


A LOA é a lei que fixa a despesa e estima a receita.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dcconcursos.com.br 12 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Apesar de simples o conceito anterior, é importante saber que o


verbo fixar tem relação com o fato de que depois de autorizado
o valor orçamentário, para um bimestre por exemplo, as unidades
podem gastar no dia seguinte mesmo que não tenha entrado um
dinheiro no caixa. Ou seja, se tem certeza do que foi autorizado a
gastar.
O verbo estimar tem relação com o fato que ao final do
bimestre, pode ser que os recursos que ingressaram não sejam
suficientes para cobrir o valor autorizado no início do período.
Ou seja, a despesa é autorizada no início do período com a
esperança de que ao final desse período entrem recursos
necessários para cobrir a despesas.
Esse procedimento dá certo, pois entre o momento em que a
despesa é autorizada e executada1, e o momento efetivo de
pagamento2 há um intervalo temporal relativamente grande (em
regra).

1
Empenhada.
2
Paga.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dcconcursos.com.br 13 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ DEPEN/ Agente Penitenciário) Jugue os itens a seguir, a


respeito das leis orçamentárias.
1. Será inconstitucional a lei de iniciativa da Câmara dos Deputados que
estabelecer as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro
subsequente.
2. Compete ao Poder Legislativo propor, no ciclo orçamentário, as metas
e as prioridades para a administração pública.

COMENTÁRIO ÀS QUESTÕES

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dcconcursos.com.br 14 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ DEPEN/ Agente Penitenciário) Jugue os itens a seguir, a


respeito das leis orçamentárias.
1. Será inconstitucional a lei de iniciativa da Câmara dos Deputados que
estabelecer as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro
subsequente.
CERTO, a iniciativa é exclusiva do Poder Executivo.

2. Compete ao Poder Legislativo propor, no ciclo orçamentário, as


metas e as prioridades para a administração pública.
ERRADO, compete ao Poder Executivo.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dcconcursos.com.br 15 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

5. 2º PILAR: CICLO ORÇAMENTÁRIO

O ciclo orçamentário é composto por 4 etapas ilustradas na Figura


3.
Figura 3: Ciclo Orçamentário da Lei Orçamentária Anual (LOA)

A Figura 4 ilustra as principias datas no ciclo orçamentário da União.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dcconcursos.com.br 16 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Figura 4: Ciclo Orçamentário da LOA 2012 na União

Publicação do
Publicação Decreto de Publicação do
da LOA Programação Relatório de
2012 Financeira da Avaliação da LOA
LOA 2012 2012

Envio da
Prestação de
Envio do Aprovação Abertura da Contas do PR
Início do
PLOA do PLOA sessão ao CN da
EF
2012 2012 legislativa LOA 2012

31.08 22.12 01.01 31.01 02.02 05.04 15.09

2011 2012 2013


Legenda: considerei que entre 02.02.2013 e 05.04.2013 existem 60 dias; LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias); PPA (Plano plurianual).

Fazendo uma análise sobre o ciclo orçamentário da União, observa-se que em ambos os entes a etapa de
Elaboração e a etapa de Discussão, Votação e Aprovação ocorrem em 2011, enquanto que a etapa de
Execução Orçamentária Financeira ocorre em 2012.

Prof. M.Sc. Giovanni Pacelli www.3dcconcursos.com.br 17 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Observando a Figura 4 fica claro que o clico orçamentário é maior


que 1 ano, abrangendo pelo menos 3 (três) exercícios conforme a
perspectiva.
A 1ª etapa da LOA - Elaboração se encerra com o envio do PLOA
até 31/08/2011, enquanto a 2ª etapa da LOA – Discussão, Votação e
Aprovação se encerra com a devolução da LOA aprovada até
22/12/2011.
A 3ª etapa da LOA – Execução Orçamentária e Financeira se
inicia em 01/01/2012 e se encerra em 31/12/2012.
Apesar da etapa de Controle e Avaliação vir em 4° lugar, a
mesma pode ser observada em todas as etapas, haja vista termos três
tipos de controle: prévio, concomitante e subsequente 3. A seguir
apresento exemplos de controles que existem nas etapas da LOA
considerando todo o ciclo orçamentário.

Quadro 2: Exemplos de controles durante o ciclo orçamentário da LOA a


ser executada em 2012
Etapa em
Exemplo Em que consiste Ano
que ocorre
Caso as propostas do Judiciário
Controle sobre as
esteja em desacordo como os
propostas 1ª Etapa -
limites da LDO, o Executivo 2011
orçamentárias dos Elaboração
efetuará os ajustes dentro dos
demais Poderes.
limites da LDO4.
Exame sobre a
Não são aceitas emendas, por 2ª Etapa –
admissibilidade de
exemplo, que estejam Discussão,
emendas na 2011
incompatíveis como o PPA e a Votação e
Comissão Mista de
LDO5. Aprovação
Orçamento.

3
Art. 77º da lei 4320/1964.
4
§ 4º do Art. 99º da CF/1988
5
Inciso I do § 3º do Art. 166º da CF/1988.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 18 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Os Tribunais de Contas e os
órgãos integrantes do sistema de
controle interno poderão solicitar
para exame, até o dia útil
Atuação do controle imediatamente anterior à data
3ª Etapa –
interno ou externo de recebimento das
Execução
sobre editais (antes propostas, cópia de edital de 2012
Orçamentária e
da execução da licitação já publicado, obrigando-
Financeira
despesa). se os órgãos ou entidades da
Administração interessada à
adoção de medidas corretivas
pertinentes que, em função desse
exame, lhes forem determinadas6.
Até 60 dias após a abertura da
Prestação de
sessão legislativa o Presidente 4ª Etapa –
Contas do
da República deve enviar a Controle e 2013
Presidente da
prestação de contas ao Avaliação
República
Congresso Nacional 7.

A bancas quando querem enganar os alunos, insistem em dizer que o


ciclo orçamentário é de um ano.
Um ano pessoal é apenas a 3ª etapa da LOA – Execução
Orçamentária e Financeira.
O ciclo orçamentário abrange pelo menos três exercícios
distintos.

6
§ 2o do art. 113º da lei 8666/1993.
7
Inciso XXIV do art. 84º da CF/1988.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 19 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ STJ/ Técnico) Acerca de técnicas e princípios relacionados


com o orçamento público, julgue o item a seguir.
3. O ciclo orçamentário da despesa pública é concluído com a autorização
de gasto dada pelo Poder Legislativo por meio da lei orçamentária anual
(LOA ), ressalvadas as eventuais aberturas de créditos adicionais no
decorrer da vigência do orçamento.

COMENTÁRIO À QUESTÃO

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 20 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ STJ/ Técnico) Acerca de técnicas e princípios relacionados


com o orçamento público, julgue o item a seguir.
3. O ciclo orçamentário da despesa pública é concluído com a
autorização de gasto dada pelo Poder Legislativo por meio da lei
orçamentária anual (LOA ), ressalvadas as eventuais aberturas de
créditos adicionais no decorrer da vigência do orçamento.
ERRADO, a autorização dada pelo Legislativo que deve ocorrer até
22/12 configura o encerramento da 2ª etapa da LOA, mas não do
ciclo orçamentário.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 21 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

7. 3º PILAR: Créditos Adicionais


Após o início da execução da LOA, pode ser necessário retificar ou
ajustar o orçamento, seja porque a dotação é insuficiente, seja porque
não consta na LOA. Os instrumentos que permitem essa alteração são
denominados créditos adicionais. O Quadro 3 contém as características
desses instrumentos retificadores do orçamento.

Quadro 3: Créditos Adicionais


Tipo de
Suplementar Especial Extraordinário
Crédito
Créditos
Créditos destinados a
Créditos destinados a
despesas urgentes e
destinados a ao despesas para as
imprevistas, em caso de
Finalidade8 reforço de quais não haja
guerra, comoção
dotação dotação
intestina ou calamidade
orçamentária. orçamentária
pública.
específica.
Será aberto por decreto
Forma de
Serão autorizados por lei e abertos por do Poder Executivo, que
abertura na
decreto executivo. deles dará imediato
Lei
conhecimento ao Poder
4320/1964
Legislativo.
Forma de Lei Ordinária ou
abertura na Decreto Lei Ordinária. Medida Provisória.
CF/1988 Executivo.
Depende da existência de recursos Não dependem da
disponíveis para ocorrer a despesa e existência prévia de
Recursos
será precedida de exposição recursos.
justificativa.

Observamos que os créditos suplementares são para reforçar


uma dotação previamente existente, ou seja, a despesa a ser
reforçada já existia na LOA; enquanto que os créditos especiais se
destinam a uma nova dotação, uma dotação que não estava prevista na
LOA. Os créditos extraordinários se destinam a despesas
imprevisíveis e urgentes.

8
Art. 41º da lei 4320/1964.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 22 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Quanto à forma de abertura, os créditos suplementares e


especiais serão autorizados por lei e abertos por decreto. Essa regra
é aplicada nos Estados e Municípios. Na União consideram-se estes
créditos abertos quando da publicação da respectiva lei ordinária.
Ainda, quanto à forma de abertura os créditos extraordinários
são abertos diretamente por decreto. Essa regra é aplicada nos
Estados e Municípios. Na União o instrumento para abrir créditos
extraordinários é a Medida Provisória.
Quanto à fonte de recursos a mesma será aprofundada
posteriormente. Neste primeiro momento quero que você grave que os
créditos suplementares e especiais somente podem ser abertos se
indicarem as fontes de recursos. Os créditos extraordinários não
dependem para sua abertura de indicação das fontes de recursos.
Porém, nada impede que quando da abertura dos créditos extraordinários
o chefe do Poder Executivo indique os recursos.

Nas questões omissas em que não se mencione legislação federal e não


se mencione o tipo de ente (União, Estados e Municípios), deve adotar a
forma de abertura da lei 4320/1964.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 23 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ TCU/ Procurador) Considerando que a CF estabelece rito


legislativo específico para a elaboração, proposta e aprovação das leis
orçamentárias, julgue o item a seguir.
4. Admite-se alteração da LOA já aprovada pelo Poder Legislativo por
medida provisória, desde que para a abertura de créditos especiais e
extraordinários.

COMENTÁRIOS À QUESTÃO

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 24 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ TCU/ Procurador) Considerando que a CF estabelece rito


legislativo específico para a elaboração, proposta e aprovação das leis
orçamentárias, julgue o item a seguir.
4. Admite-se alteração da LOA já aprovada pelo Poder Legislativo por
medida provisória, desde que para a abertura de créditos especiais e
extraordinários.
ERRADO. Como ele cita CF/1988 está se referindo a União. Na
União, apenas se admite medida provisória para abrir créditos
extraordinários.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 25 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

7. COMPETÊNCIA PARA LEGISLAR SOBRE ORÇAMENTO NA


FEDERAÇÃO
De acordo com a CF/1988 a competência para legislar sobre
matéria orçamentária é concorrente:
Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal
legislar concorrentemente sobre:
I - direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e
urbanístico;
II - orçamento; (...)
§ 1º No âmbito da legislação concorrente, a competência da
União limitar-se-á a estabelecer normas gerais.
§ 2º A competência da União para legislar sobre normas gerais
não exclui a competência suplementar dos Estados.
§ 3º Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados
exercerão a competência legislativa plena, para atender a
suas peculiaridades.
§ 4º A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende
a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário.

Na competência concorrente a União legisla sobre as normas


gerais e os Estados sobre as normas suplementares.
Se a União se omitir, os Estados também podem legislar sobre
normas gerais.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 26 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/IPEA/2008/Técnico Superior em Orçamento) No que se refere aos


princípios orçamentários brasileiros e ao poder de legislar sobre
orçamento, julgue os itens seguintes.
5. O poder de estabelecer normas gerais sobre orçamento restringe-se à
União.

COMENTÁRIOS À QUESTÃO

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 27 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/IPEA/2008/Técnico Superior em Orçamento) No que se refere aos


princípios orçamentários brasileiros e ao poder de legislar sobre
orçamento, julgue os itens seguintes.
5. O poder de estabelecer normas gerais sobre orçamento restringe-se
à União.
ERRADO. Caso a União se omita, os Estados podem exercer a
competência plena.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 28 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

8. LISTA DAS QUESTÕES APRESENTADAS


Nada como fazer umas questões enquanto se espera a próxima
aula.
BATERIA CESPE

(Cespe/IPEA/2008/Técnico Superior em Orçamento) No que se refere aos


princípios orçamentários brasileiros e ao poder de legislar sobre
orçamento, julgue os itens seguintes.

1.O poder de estabelecer normas gerais sobre orçamento restringe-se à


União.

2.Para a aprovação de um plano plurianual é exigido o voto favorável da


maioria simples de cada casa do Congresso Nacional.

(Cespe/TCE-AC/2009/Analista de Controle Externo) Julgue os itens a


seguir.
3. A iniciativa de apresentação do projeto é privativa do chefe do Poder
Executivo.

4. As emendas ao projeto de LOA incompatíveis com o PPA poderão ser


aprovadas, caso indiquem as respectivas fontes de recursos.

5. (Cespe/TRE-BA/2010/Analista) O processo orçamentário é


autossuficiente: cada etapa do ciclo orçamentário envolve elaboração e
aprovação de leis independentes umas das outras.

6. Não tem essa questão no vídeo.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 29 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

7. (Cespe/2010/ MPU/ Analista) As principais etapas do ciclo orçamentário


são: elaboração da proposta orçamentária; discussão, votação e
aprovação da lei orçamentária; execução orçamentária e controle e
avaliação da execução orçamentária.

8. (Cespe/2010/ MPU/ Analista) O ciclo orçamentário compreende um


período de tempo que se inicia antes do exercício correspondente àquele
em que o orçamento deve entrar em vigor, sendo necessariamente
superior a um ano.

9. (Cespe/2010/ MPU/ Analista) Na administração pública federal, o


exercício financeiro corresponde ao período compreendido entre 1.º de
janeiro e 31 de dezembro de cada ano civil.

10.(Cespe/2013/ DF/ Procurador) O DF tem competência exclusiva para


dispor sobre normas gerais de direito financeiro apenas por lei
complementar distrital.

11. (Cespe/2013/ FUNASA) As diretrizes orçamentárias no âmbito federal


são desenvolvidas por iniciativa do Congresso Nacional.
(Cespe/2013/ANTT/Analista Administrativo) Julgue os itens a seguir,
relativos ao orçamento público.

12. De competência privativa do Poder Executivo, a LOA especifica a


receita, as despesas e as metas da administração pública federal para o
período de sua vigência.

13. No Brasil, o ciclo orçamentário se divide em duas etapas: a


elaboração/planejamento da proposta orçamentária e a execução
orçamentária/financeira.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 30 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2013/TCE-RS/Oficial de Controle Externo) Julgue os itens a


seguir, relativos ao orçamento público.
14. O orçamento público tem caráter e força de lei, em sentido formal.

15. O projeto da lei orçamentária anual pode ser de iniciativa do Poder


Legislativo, desde que computadas a receita e a despesa de todos os
órgãos públicos.

(CESPE/2013/TCE-RO/ Auditor de Controle Externo) A respeito do


ordenamento constitucional em vigor no contexto do orçamento público,
julgue o item subsecutivo.
16. É vedada a abertura de crédito extraordinário sem prévia autorização
legislativa e sem indicação dos recursos correspondentes.

17. (Cespe/2013/MME/Analista Financeiro) Em sua dimensão legal, o


orçamento público abrange a elaboração e a execução de três leis - o
PPA, a LDO e a LOA - que, em conjunto, formalizam o planejamento e a
execução das políticas públicas federais.

18. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) A LOA, cujo período de


execução é de 1.º de janeiro a 31 de dezembro, objetiva, principalmente,
estimar as receitas e fixar as despesas.

19. (Cespe/2013/Min Integração/ Analista) No universo das retificações


dos orçamentos federais, estaduais e municipais, os créditos adicionais
não são considerados como mecanismos de alteração ou retificação da lei
do orçamento anual.

20. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) As despesas de capital não


devem constar do PPA.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 31 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

21. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) O PPA deve ser elaborado de


forma nacional, não sendo permitida a sua regionalização.

22. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) A iniciativa de elaboração da


proposta orçamentária é sempre do Poder Legislativo.

23. (Cespe/2014/Câmara dos Deputados/Consultor) O PPA, a LDO e a lei


orçamentária anual são os principais componentes do processo
orçamentário brasileiro. Em termos de competência, esta é de iniciativa
do Poder Legislativo e aqueles são de inciativa do Poder Executivo.

(Cespe/2015/ MDIC /Agente Administrativo) No que se refere ao ciclo


orçamentário, julgue os itens.
24. A elaboração do orçamento inicia-se com a fixação da despesa.

25. A duração do ciclo orçamentário é superior a um exercício financeiro,


ou seja, o ciclo orçamentário não coincide com o ano civil.

(Cespe/2015/ Prefeitura de Salvador/ Procurador) Jugue o item a seguir,


a respeito das leis orçamentárias.
26. A LDO é de iniciativa do Poder Executivo e tem por finalidade
estabelecer diretrizes, objetivos e metas da administração pública tanto
para as despesas de capital e outras delas decorrentes quanto para as
despesas relativas aos programas de duração continuada.

(Cespe/2015/ DEPEN/ Agente Penitenciário) Jugue o item a seguir, a


respeito das leis orçamentárias.
27. Será inconstitucional a lei de iniciativa da Câmara dos Deputados que
estabelecer as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro
subsequente.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 32 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

28. Compete ao Poder Legislativo propor, no ciclo orçamentário, as metas


e as prioridades para a administração pública.

(Cespe/2015/ TCU/ Procurador) Considerando que a CF estabelece rito


legislativo específico para a elaboração, proposta e aprovação das leis
orçamentárias, assinale a opção correta acerca do processo legislativo
orçamentário.
29. Admite-se alteração da LOA já aprovada pelo Poder Legislativo por
medida provisória, desde que para a abertura de créditos especiais e
extraordinários.

(Cespe/2015/ STJ/ Técnico) Acerca de técnicas e princípios relacionados


com o orçamento público, julgue o item a seguir.
30. O ciclo orçamentário da despesa pública é concluído com a
autorização de gasto dada pelo Poder Legislativo por meio da lei
orçamentária anual (LOA), ressalvadas as eventuais aberturas de créditos
adicionais no decorrer da vigência do orçamento.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 33 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

9. LISTA DAS QUESTÕES COMENTADAS


Nada como fazer umas questões enquanto se espera a próxima aula. É
importante que você tenha lido a parte teórica antes ou tenha assistido os
vídeos.
BATERIA CESPE

(Cespe/IPEA/2008/Técnico Superior em Orçamento) No que se refere aos


princípios orçamentários brasileiros e ao poder de legislar sobre
orçamento, julgue os itens seguintes.
1.O poder de estabelecer normas gerais sobre orçamento restringe-se à
União.
ERRADO, caso a União seja omissa, os Estados podem exercer a
competência plena.

2.Para a aprovação de um plano plurianual é exigido o voto favorável da


maioria simples de cada casa do Congresso Nacional.
CERTO, isso vale para o PPA, LDO e LOA que são leis ordinárias.

(Cespe/TCE-AC/2009/Analista de Controle Externo) Julgue os itens a


seguir.
3. A iniciativa de apresentação do projeto é privativa do chefe do Poder
Executivo.
CERTO, sempre será do Chefe do Executivo.

4. As emendas ao projeto de LOA incompatíveis com o PPA poderão ser


aprovadas, caso indiquem as respectivas fontes de recursos.
ERRADO, sempre as emendas à LOA devem ser compatíveis om o
PPA e LDO.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 34 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

5. (Cespe/TRE-BA/2010/Analista) O processo orçamentário é


autossuficiente: cada etapa do ciclo orçamentário envolve elaboração e
aprovação de leis independentes umas das outras.
ERRADO, o processo é integrado e as leis se inter-relacionam. A
LOA sempre deve ser compatível com o PPA e a LDO.

6. Não tem essa questão no vídeo.

7. (Cespe/2010/ MPU/ Analista) As principais etapas do ciclo orçamentário


são: elaboração da proposta orçamentária; discussão, votação e
aprovação da lei orçamentária; execução orçamentária e controle e
avaliação da execução orçamentária.
CERTO, este é o ciclo orçamentário da LOA.

8. (Cespe/2010/ MPU/ Analista) O ciclo orçamentário compreende um


período de tempo que se inicia antes do exercício correspondente àquele
em que o orçamento deve entrar em vigor, sendo necessariamente
superior a um ano.
CERTO, o ciclo inicia na Elaboração que ocorre no ano anterior a
Execução que é quando a LOA efetivamente é publicada e
executada.

9. (Cespe/2010/ MPU/ Analista) Na administração pública federal, o


exercício financeiro corresponde ao período compreendido entre 1.º de
janeiro e 31 de dezembro de cada ano civil.
CERTO, a questão se refere à 3ª etapa da LOA – Execução
Orçamentária e Financeira.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 35 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

10.(Cespe/2013/ DF/ Procurador) O DF tem competência exclusiva


para dispor sobre normas gerais de direito financeiro apenas por lei
complementar distrital.
ERRADO, a competência original para normas gerais é da União e
não dos Estados e DF.

11. (Cespe/2013/ FUNASA) As diretrizes orçamentárias no âmbito federal


são desenvolvidas por iniciativa do Congresso Nacional.
ERRADO, a iniciativa do PPA, LDO e LOA sempre será do
Executivo.

(Cespe/2013/ANTT/Analista Administrativo) Julgue os itens a seguir,


relativos ao orçamento público.
12. De competência privativa do Poder Executivo, a LOA especifica a
receita, as despesas e as metas da administração pública federal
para o período de sua vigência.
ERRADO, as metas constam na LDO e não na LOA.

13. No Brasil, o ciclo orçamentário se divide em duas etapas: a


elaboração/planejamento da proposta orçamentária e a execução
orçamentária/financeira.
ERRADO, são 4 etapas: elaboração da proposta orçamentária;
discussão, votação e aprovação da lei orçamentária; execução
orçamentária e controle e avaliação da execução orçamentária.

(Cespe/2013/TCE-RS/Oficial de Controle Externo) Julgue os itens a


seguir, relativos ao orçamento público.
14. O orçamento público tem caráter e força de lei, em sentido formal.
CERTO, em caráter formal é uma lei, e em caráter material é um
ato.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 36 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

15. O projeto da lei orçamentária anual pode ser de iniciativa do


Poder Legislativo, desde que computadas a receita e a despesa de
todos os órgãos públicos.
ERRADO, a iniciativa do PPA, LDO e LOA sempre será do
Executivo.

(CESPE/2013/TCE-RO/ Auditor de Controle Externo) A respeito do


ordenamento constitucional em vigor no contexto do orçamento público,
julgue o item subsecutivo.
16. É vedada a abertura de crédito extraordinário sem prévia
autorização legislativa e sem indicação dos recursos correspondentes.
ERRADO, o crédito extraordinário é o único que não depende de
prévia autorização legislativa e não precisa indicar os recursos
correspondentes.

17. (Cespe/2013/MME/Analista Financeiro) Em sua dimensão legal, o


orçamento público abrange a elaboração e a execução de três leis - o
PPA, a LDO e a LOA - que, em conjunto, formalizam o planejamento e a
execução das políticas públicas federais.
CERTO, são os três instrumentos de planejamento no modelo pós
1988.

18. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) A LOA, cujo período de


execução é de 1.º de janeiro a 31 de dezembro, objetiva, principalmente,
estimar as receitas e fixar as despesas.
CERTO, a 3ª etapa da LOA é que de fato coincide com o ano civil.

19. (Cespe/2013/Min Integração/ Analista) No universo das retificações


dos orçamentos federais, estaduais e municipais, os créditos adicionais
não são considerados como mecanismos de alteração ou
retificação da lei do orçamento anual.
ERRADO, os créditos adicionais retificam/alteram a LOA.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 37 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

20. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) As despesas de capital não


devem constar do PPA.
ERRADO, devem constar no PPA.

21. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) O PPA deve ser elaborado de


forma nacional, não sendo permitida a sua regionalização.
ERRADO, o PPA da União é nacional, mas deve ser regionalizado
obrigatoriamente.

22. (Cespe/2013/MME/ Gerente de Projeto) A iniciativa de elaboração da


proposta orçamentária é sempre do Poder Legislativo.
ERRADO, a iniciativa do PPA, LDO e LOA sempre será do
Executivo.

23. (Cespe/2014/Câmara dos Deputados/Consultor) O PPA, a LDO e a lei


orçamentária anual são os principais componentes do processo
orçamentário brasileiro. Em termos de competência, esta é de iniciativa
do Poder Legislativo e aqueles são de inciativa do Poder Executivo.
ERRADO, a iniciativa do PPA, LDO e LOA sempre será do
Executivo.

(Cespe/2015/ MDIC /Agente Administrativo) No que se refere ao ciclo


orçamentário, julgue os itens.
24. A elaboração do orçamento inicia-se com a fixação da despesa.
ERRADO, a fixação da despesa ocorre quando da publicação da
LOA após o término da 2ª etapa.

25. A duração do ciclo orçamentário é superior a um exercício financeiro,


ou seja, o ciclo orçamentário não coincide com o ano civil.
CERTO, o ciclo orçamentário abrange 3 exercícios.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 38 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ Prefeitura de Salvador/ Procurador) Jugue o item a seguir,


a respeito das leis orçamentárias.
26. A LDO é de iniciativa do Poder Executivo e tem por finalidade
estabelecer diretrizes, objetivos e metas da administração pública tanto
para as despesas de capital e outras delas decorrentes quanto para as
despesas relativas aos programas de duração continuada.
ERRADO, este é o conceito de PPA.

(Cespe/2015/ DEPEN/ Agente Penitenciário) Jugue o item a seguir, a


respeito das leis orçamentárias.
27. Será inconstitucional a lei de iniciativa da Câmara dos Deputados que
estabelecer as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro
subsequente.
CERTO, a iniciativa do PPA, LDO e LOA sempre será do Executivo.

28. Compete ao Poder Legislativo propor, no ciclo orçamentário, as metas


e as prioridades para a administração pública.
ERRADO, a iniciativa do PPA, LDO e LOA sempre será do
Executivo.

(Cespe/2015/ TCU/ Procurador) Considerando que a CF estabelece rito


legislativo específico para a elaboração, proposta e aprovação das leis
orçamentárias, assinale a opção correta acerca do processo legislativo
orçamentário.
29. Admite-se alteração da LOA já aprovada pelo Poder Legislativo por
medida provisória, desde que para a abertura de créditos especiais e
extraordinários.
ERRADO. Como ele cita CF/1988 está se referindo a União. Na
União, apenas se admite medida provisória para abrir créditos
extraordinários.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 39 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

(Cespe/2015/ STJ/ Técnico) Acerca de técnicas e princípios relacionados


com o orçamento público, julgue o item a seguir.
30. O ciclo orçamentário da despesa pública é concluído com a
autorização de gasto dada pelo Poder Legislativo por meio da lei
orçamentária anual (LOA), ressalvadas as eventuais aberturas de créditos
adicionais no decorrer da vigência do orçamento.
ERRADO, a autorização dada pelo Legislativo que deve ocorrer até
22/12 configura o encerramento da 2ª etapa da LOA, mas não do
ciclo orçamentário.

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 40 de 41


Administração Financeira e Orçamentária p/
Auditor Federal de Controle Externo/TCU
Prof. Dr. Giovanni Pacelli – Aula 00

Gabarito das questões comentadas Cespe


1-Errado 2-Certo 3-Certo 4-Errado 5-Errado
6-Anulada 7-Certo 8-Certo 9-Certo 10-Errado
11-Errado 12-Errado 13-Errado 14-Certo 15-Errado
16-Errado 17-Certo 18-Certo 19-Errado 20-Errado
21-Errado 22-Errado 23-Errado 24-Errado 25-Certo
26-Errado 27-Certo 28-Errado 29-Errado 30-Errado

Pessoal o prazer foi meu. Até a próxima aula.

Prof. Dr. Giovanni Pacelli

Me siga no meu grupo de dicas no facebook, no meu canal do youtube e


no periscope (@GiovanniPacelli)

Observação importante: este curso é protegido por direitos autorais


(copyright), nos termos da Lei 9.610/98, que altera, atualiza e consolida
a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências.
Grupos de rateio e pirataria são ilegais e prejudicam os professores
que elaboram os cursos. Valorize nosso trabalho e adquira nossos cursos
apenas pelo site do 3D CONCURSOS!

Prof. Giovanni Pacelli www.3dconcursos.com.br 41 de 41