You are on page 1of 8

Directora

:
Abril/Maio2018
ISSN: 1645-443X - Depósito Legal: 86929/95
P r a ç a1645-443X
ISSN: D . A f o n s o- V , n º 8 6 , Legal:
Depósito 4 1 5 0- 086929/95
24 P o r t o - P O R TU G A L Ano XLIX- nº 391
Praça D. Afonso V, nº 86, 4150-024 Porto - PORTUGAL
VIVER EM PAZ, MORRER EM PAZ
LAICADO DOMINICANO

“Não matarás” (Ex.20:13) é não só um políticas públicas – não a eutanásia.
dos mandamentos da Lei de Deus, mas tam- A medicina e os cuidados de saúde
bém um imperativo ético que constitui a têm hoje – graças a Deus e ao esforço inves-
raiz da nossa vida civilizada. Colocar este tigativo dos profissionais que trabalham na
valor supremo em causa é colocar em ques- área da saúde – inúmeros recursos terapêuti-
tão toda a estrutura ética, moral e civilizacio- cos. Mas se esses recursos não devem ser
nal em que radica a nossa própria vida pes- usados para matar (o que seria uma grave
soal e social, isto é, os nossos valores mais falha ética e uma profunda contradição com
basilares. Por isso o fundamento para esta os códigos deontológicos que regulam aque-
opção não se reduz a uma opção de fé religi- las profissões), também não devem ser usa-
osa, mas a um princípio de civilização. É dos para prolongar artificialmente vida,
certo que há situações em que o sofrimento mantê-la a todo o custo, como acontece na
humano se torna intolerável – doenças cró- chamada obstinação terapêutica ou, como
nicas incuráveis e seriamente incapacitantes, também se diz, encarniçamento terapêutico.
fim de vida com grande sofrimento. Mas a Aceitar a morte quando ela chega, não a
resposta não pode nem deve ser acabar com adiantando nem a atrasando, é uma questão
a pessoa para acabar com o sofrimento; bem de sabedoria e, digo eu, de caridade cristã.
pelo contrário, alivar o sofrimento, propor- Se temos direito a viver em paz, também
cionar cuidados paliativos, conforto huma- temos direito a que nos deixem morrer em
no e espiritual, apoio familiar. Os cuidados paz.
paliativos no fim de vida são a resposta ao José Carlos Gomes da Costa, o.p.
sofrimento – e é isto que devemos exigir das
Laicado Dominicano Abril/Maio 2018

CONGRESSO MUNDIAL DO LAICADO DOMINICANO—FÁTIMA
gentina, onde esteve presente o Gabriel Silva.
Desta vez temos a alegria de receber em Fátima
leigos dominicanos de todo o mundo, com a presen-
ça especial do nosso querido frei Rui Carlos Lopes,
Promotor Mundial do Laicado Dominicano. A orga-
nização deste congresso está a cargo da equipa do
conselho mundial das fraternidades, que é constituí-
da por um elemento de cada continente: Europa,
Ásia, África, América do Norte e América do Sul.
O elemento de contacto com Portugal é o Ga-
briel Silva, que vai coordenar uma equipa de acolhi-
mento constituída pela Lurdes Santos, a Fernanda
Carlos, o Tozé Carlos, o José Vicente Castellar
(província de Espanha), a Ruth Anne Hendersen
(província de Itália-Norte) e a Karin Bornhijm
(província da Holanda).
Vai realizar-se em Fátima, nos próximos dias 4 a O tema do Congresso será “O nosso futuro: Justi-
10 de Outubro, o 3º Congresso Mundial do Laicado ça, Paz e o Cuidado com a Criação”. Para além dos
Dominicano. trabalhos a realizar em diferentes comissões, teremos
A representar a província portuguesa estarão a várias comunicações a cargo de dominicanos dos
presidente provincial, Cristina Busto, e a Mariana vários ramos da Ordem.
Cardoso, da fraternidade de Macedo de Cavaleiros. No primeiro dia teremos a presença do Mestre
Será a terceira vez que se realiza um Congresso Geral, frei Bruno Cadoré, que nos dirigirá algumas
Mundial; o primeiro teve lugar em Montreal, Cana- palavras a propósito do tema do Congresso.
dá, onde Portugal se fez representar pelo Francisco
Piçarra. O segundo aconteceu em Buenos Aires, Ar- Maria do Carmo Ramos, o.p.
Cristina Busto, o.p.

ORAÇÃO PREPARATÓRIA PARA O CONGRESSO MUNDIAL

Glória e louvor a Ti Senhor Deus, Pai amoroso, sempre através da Escritura e no Silêncio. Inflama
por nos teres chamado à família de S. Domingos, os nossos corações com a paixão pela Verdade que é
afim de que, seguindo o seu exemplo na nossa con- Cristo, a Verdade que liberta o mundo da injustiça,
dição de leigos possamos louvar-Te, bendizer o Teu da guerra e da desunião e desolação devastadora.
povo e pregar a Tua palavra. Tu nos chamas a reunirmo-nos no congresso em
Para que possamos louvar-te, abre os nossos Fátima, em Outubro de 2018, para nos lembrares
olhos para vermos a Tua mão na obra de todos os que somos chamados a partilhar os nossos testemu-
acontecimentos da vida diária; permite-nos ter a nhos e reflexões; possa o Espírito Santo inspirar-nos
graça para que as nossas vidas sejam uma sinfonia a agir nas diversas comissões para uma formação
de acção de graças à Tua bondade. mais profunda e um imenso compromisso com o
Para que possamos bendizer o Teu povo, ajuda- mundo como Teus instrumentos de amor.
nos a tomar consciência da bênção que nós somos: Possa a nossa devoção a Nossa Senhora e ao seu
Tu deste-nos numerosos dons, diversificados para o Rosário tornar-nos a todos mais desejosos de servir
fim comum de construir a Igreja e renovar a Terra o mais pequeno, o marginalizado e o necessitado de
através da Justiça, da Paz, da comunhão e do cuida- justiça e caridade, como fizeram Maria e Cristo nos-
do da Tua Criação. so Salvador, em nome do qual oramos.
Para que possamos pregar a Tua Palavra, fala-nos Ámen

2
Laicado Dominicano Abril/Maio2018

CRISTO NÃO DESEMPREGOU OS SANTOS

Pouco importa a biografia histórica de cada um
desses santos preferidos. Por exemplo, de Sto. Antó-
nio, teólogo e pregador, ficou muito pouco. Sempre
com o menino ao colo, existem poucas imagens de
Santo António cansado, de menino pela mão. Con-
ta-se tanto com ele que, no dia ou na noite em que
não ele atende os seus devotos, é posto de castigo.
Quem acompanhar as orações a este santo, no
seu Mensageiro, tem sempre uma página que lhe é
dedicada. O estilo não varia muito: «Meu Santo
...Estamos no mês dos Santos Populares: a 13, Amigo, já me salvaste da morte. Agradeço reconhe-
Santo António, a 24, S. João e, a 29, S. Pedro. Esses cido. Ajuda a minha família e em especial a minha
santos mais antigos são valores seguros. Mesmo nu- filha mais velha, tu sabes quem é. Que os médicos
ma era secular e num Estado laico, as autarquias que a seguem descubram de que padece, os assuntos
compreendem que são os santos da religião popular da mente e do espírito são complicados. Mas confio
que marcam as festas do povo. Quem reconfigura em Ti, meu Santo António. As bênçãos de Deus
esses santos são os seus devotos, sem pedir licença a para quem mais precisar. Ámen. José».
ninguém. Têm um traço comum. A sua ocupação e 3. Os santos populares não se passeiam todos em
preocupação é a vida e a alegria das populações. A andores. O Papa Francisco prefere ver a santidade
saúde e a guarda das pessoas e dos animais, o êxito nos pais que criam os seus filhos com tanto amor,
das sementeiras e das colheitas, a esperança contra nos homens e nas mulheres que trabalham a fim de
os excessos da seca e da chuva, das ameaças da fome, trazer o pão para casa, nos doentes, nas consagradas
da peste e da guerra. As promessas, as romarias, as idosas que continuam a sorrir. Vejo aí a santidade
peregrinações, o canto ao desafio e as danças dos da Igreja militante. É a santidade «ao pé da porta»,
grupos e das bandas, a partilha dos merendeiros e daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo
de uma boa pinga são a linguagem dos céus e da ter- da presença de Deus ou, por outras palavras, a classe
ra, simbolizados no fogo que leva o mundo às altu- média da santidade.
ras, não o fogo dos incêndios. A santidade não consiste em ter visões, recitar
Os santos populares e as alminhas eram gente orações elevadíssimas ou mostrar cara de santinho.
de casa com quem se podia contar na saúde e na Não é reserva da terceira idade ou de jovens que a
doença, na tristeza e na alegria. É gente do lugarejo, esperam sentados. A santidade do jovem é ir em
é gente da freguesia, é gente do Conselho, é gente frente, ser desassossegado.
do mundo todo. Fez-se uma imagem de santos cano- Cristo não se reconhece em nenhum jogo de mo-
nizados, fixos nos altares, depois de processos canó- nopólio da santidade. O seu empenhamento é levar
nicos, mais ou menos morosos, para apanhar pó. Os todos os seres humanos, seja qual for a sua idade,
Santos Populares foram canonizados pelo povo. Es- povo, cultura ou religião à plenitude da vida.
ses estão sempre no activo, venerados ou a quem se Os santos não são concorrentes, são associados,
pede contas pelos desleixos. todos membros do seu corpo místico.
Deus não vive no céu e numa eternidade aborre-
cida e os que vão para o céu também não se vão Frei Bento Domingues, o.p.
aborrecer. Todos activos. (Excerto do artigo publicado no jornal “Público” de 24
de Junho de 2018)

3
Laicado Dominicano Abril/Maio 2018

FRATERNIDADE DE S. DOMINGOS DE BENFICA
1) Fraternidade a crescer: 2) Fraternidade em eleições:

No passado dia 24 de Maio, Festa da Transladação No dia 6 de Junho, realizaram-se eleições para os
de S. Domingos, durante a celebração da Eucaristia, diversos órgãos da Fraternidade. O resultado das vo-
fizeram promessa temporária Ana Maria Pinto e Ma- tações foi o seguinte: para Presidente foi eleito José
bília Marques, e fez promessa definitiva na Ordem Alves, e para vice-Presidente Maria Teresa Sequeira.
Dominicana José Alves.

Para Secretário Maria José Vieira, e para Tesoureiro
Mabília Marques. Todos os membros eleitos para os
referidos órgãos aceitaram o serviço que lhes foi pro-
posto a cada um deles, com espírito de missão para o
Foi uma Missa solene muito bonita, acompanhada
bom funcionamento e vitalidade da Fraternidade de
pelo excelente coro de S. Domingos de Benfica, que,
com as suas vozes maravilhosas, nos fizeram estar ain- S. Domingos de Benfica.
da mais conscientes da seriedade e da responsabilida- Um agradecimento muito especial à anterior Presi-
de das promessas que fizemos dentro do carisma da dente, Maria de Fátima Fernandes, por toda a sua
Ordem Dominicana. dedicação e todo o seu empenho na presidência da
Fraternidade durante estes últimos anos. Muito obri-
gado.
José Alves,o.p.

ORAÇÃO

Afável Deus, que nada vês em nós que não tenhas sido Tu a dar-nos;
faz que o meu corpo seja saudável e ágil;
a minha mente, clara e perspicaz;
o meu coração, alegre e satisfeito;
a minha alma, fiel e cheia de amor.
E rodeia-me dos homens e anjos que partilham a minha devoção para
Contigo.
Acima de tudo, permite que eu viva na Tua presença, pois Contigo,
todo o medo é banido e há apenas harmonia e paz.
Que cada dia combine a beleza da Primavera, o brilho do Verão, a
abundância do Outono e o repouso do Inverno.
E quando a minha vida na Terra terminar, permite que eu Te veja e
conheça em toda a tua glória.
S. Tomás de Aquino
(dominicano, séc.XIII)
4
Laicado Dominicano Abril/Maio 2018

GRUPO DE SIMPATIZANTES DE VILA REAL
MÊS DE MAIO: COM MARIA NO CORAÇÃO O segundo, foi leigo da Ordem Terceira Domini-
E O TERÇO NAS MÃOS cana e fundador da congregação dominicana das Fi-
lhas do Santo Rosário de Pompeia [3]. Foi beatifica-
Este ano, o Papa Francisco deu um mimo à Igreja, do por João Paulo II, a 26 de Outubro de 1980, que
ao instituir a memória litúrgica da “Bem-aventurada o considerou como sendo “o apóstolo do Rosário” e
Virgem Maria, Mãe da Igreja”. Inscrita no Calendá- “o homem de Nossa Senhora” . Durante o rito de
rio Romano Geral, esta celebração ocorre no mesmo beatificação deste servo de Deus, João Paulo II conti-
dia que o Beato Paulo VI proclamou o título de Ma- nua o elogio a Bártolo Longo afirmando que, por
ria como Mãe da Igreja, no dia 21 do distante ano de amor a Maria este se tornou «(…) escritor, apóstolo
1964, e ofereceu a primeira Rosa de Ouro ao Santuá- do Evangelho, propagador do Rosário, e fundador do
rio de Fátima. célebre Santuário [4] no meio de enormes dificulda-
Na Sé de Vila Real, antiga igreja do Convento de des e adversidades; por amor de Maria criou institu-
São Domingos, é já longa a tradição de rezar diaria- tos de caridade, fez-se mendicante em favor dos filhos
mente o terço no mês de Maio. Neste dia tão especi- dos pobres e transformou Pompeia numa viva cidade-
al, coube ao Grupo de Simpatizantes das Fraternida- zinha de bondade humana e cristã» [5].
des Leigas de São Domingos de Gusmão de Vila Em 2008, foi a vez do Papa Emérito Bento XVI
Real, assegurar a oração do terço. Foi uma noite mui- fazer uma visita pastoral ao Pontifício Santuário. Nes-
to especial para os membros deste grupo porque, ao se domingo, 19 de Outubro, antes de recitar o santo
jeito de São Domingos, permitimos que Ele, através Rosário, deteve-se por breves minutos diante do tú-
da sua Mãe, entrasse na nossa amizade e relações soci- mulo do beato e, rezando dirigiu-lhe a seguinte inter-
ais com a comunidade na qual estamos inseridas. rogação: «De onde tirou este grande apóstolo de Ma-
Ser dominicana também é isto, um esforço de fi- ria a energia e a constância necessárias para realizar
delidade à oração que nos entranha no amor com o uma obra tão imponente, conhecida em todo o mun-
Pai, o Filho e o Espírito Santo, para adorar e pedir do? Não é precisamente do Rosário, por ele acolhido
por cada um de nós e por todos os outros. Esta inti- como um verdadeiro dom do coração de Nossa Se-
midade, com a Santíssima Trindade, é ser “Luz do nhora?". Sim, foi verdadeiramente assim!» [6].
Mundo” [1]. Mal comparado, a meditação da Palavra Maria tem uma função muito especial dentro da
de Deus, através da reza da terça parte do rosário, Igreja, ela é a mãe de Cristo e, como tal, mãe de cada
está para nós, dominicanos, como a água está para a um de nós. Na actualidade da mensagem de Fátima,
sede. e imitando estes dois arautos, não se canse o nosso
Esta é também uma boa oportunidade para recu- corpo de tentar alcançar uma vida de oração, aberta
perarmos a memória de dois dominicanos de grande ao mundo. E juntos, endereçamos a esta mãe que
vulto, devotos da Virgem Maria, e que trabalharam, Deus nos deu, a seguinte súplica: «Nossa Senhora do
por caminhos diversos, para a propagação da devoção Rosário de Fátima, salvai-nos, salvai Portugal e o
mariana e do Santo Rosário. São eles: António Mi- mundo inteiro».
chele Ghislieri e Bártolo Longo.
O primeiro teve uma carreira em constante ascen- Cláudia Guiomar Casaca Pires
são desde que entrou na Ordem Dominicana, e foi [1] Jo 8, 12.
chamado a ocupar a cadeira de Pedro, usando o no- [2] [3] Província Portuguesa da Ordem dos Prega-
me Pio V. Foi o responsável pela publicação das se- dores (2013). Santos e Celebrações da Ordem dos Prega-
guintes obras saídas do Concílio de Trento: o Cate- dores. Fátima: Editorial Apostolado do Rosário.
cismo, o Breviário e o Missal Romanos [2]. Ora, é no [4] Pontifício Santuário de Nossa Senhora do Ro-
breviário, publicado no ano de 1568, que aparece sário, Itália.
pela primeira vez a fórmula oficial da Ave-Maria na [5] [6] A Santa Sé, página oficial. [Em linha].
oração da Igreja.
5
Laicado Dominicano Abril/Maio 2018

FRATERNIDADE DE MACEDO DE CAVALEIROS
A PEREGRINAR PELA MONTANHA

tério havia uma cruz enfeitada com uma rosa e uma
fita brancas esta iniciativa foi surpresa que pessoas
da aldeia quiseram fazer a toda a gente. Além de vá-
rios elementos da Fraternidade e da junta de fregue-
sia que aderiu e apoiou também quiseram juntar-se
muitos populares da aldeia e outras localidades, sen-
do umas sessenta e cinco pessoas. Ao longo do per-
curso havia árvores de grande porte, como castanhei-
ros, sobreiros, carvalhos e outras. Junto ao nicho
houve a intervenção do Presidente e outros elemen-
tos da Fraternidade bem como o Presidente da Junta
de Freguesia que agradeceu publicamente à Fraterni-
dade Dominicana e que a Junta se comprometia a
Treze de Maio foi o dia escolhido pela Fraternida- melhorar o percurso até ao nicho. Foi pedido aos
de para fazer uma peregrinação ao nicho de Nossa Dominicanos, pelo Presidente da Junta e pela popu-
Senhora das Candeias, na localidade de Comunhas lação que em 2019 contavam com a peregrinação.
freguesia de Ferreira concelho de Macedo de Cava- No final houve um lanche comunitário em que toda
leiros. Esta localidade foi visitada no ano 2017 em a gente esteve presente e decorreu muitíssimo bem.
cumprimento de uma promessa que um irmão da
Fraternidade fez pedindo a proteção da Senhora das
Candeias para as melhoras de outro irmão Domini-
cano desta Fraternidade. A peregrinação deste ano
foi previamente preparada com conhecimento dos
respetivos sacerdotes de Macedo e da aldeia de Co-
munhas. Pelas quinze horas ainda dentro da igreja
cantaram-se cânticos à Virgem. Iniciou-se no adro o
primeiro mistério sendo o Presidente da Fraternida-
de a iniciar a recitação do mesmo seguindo-se os res-
tantes mistérios recitados pelos elementos Leigos
Dominicanos. No final de cada mistério cantavam-
se cânticos próprios para o dia. Ao iniciar cada mis- Armindo Augusto Geraldes, o.p.
Presidente da fraternidade

PEREGRINAÇÃO NACIONAL AO SANTUÁRIO DE FÁTIMA E DA FAMÍLIA DOMINICANA

29 SÁBADO 30 DOMINGO
16h30 Concentração na Cruz Alta 17h00 Sauda- 08h30 Oração de Laudes, Tema de Reflexão e
ção a Nossa Senhora 18h00 Festa da Família Domi- Lançamento do Ano Pastoral (na Casa das IDSCS)
nicana (no salão do Bom Pastor, no Centro Paulo 10h00 Celebração do Rosário (na Capelinha das
VI) 21h30 Celebração do Rosário na Capelinha Aparições) 11h00 Eucaristia e Procissão (no Recinto
23h00 Via Lucis com Maria (nos Valinhos) do Santuário)

ATENÇÃO: 1 - Pedimos a máxima pontualidade a todos os actos do programa
2 - Pedimos a todos os peregrinos que venham preparados para comungar

6
Laicado Dominicano Abril/Maio 2018

FRATERNIDADE DE S.DOMINGOS DE ELVAS
Celebraram no passado dia 15 de Maio de 2018, a nossa
Formadora Provincial e o nosso Formador da Fraternidade, a
Fernanda e o Tozé, o 25º aniversário de Matrimónio.
A bênção das alianças ocorreu no sábado dia 19 de Maio na
igreja de São Domingos durante a Eucaristia da Vigília da Sole-
nidade de Pentecostes, foi presidida pelo Pároco, Senhor Padre
Jerónimo Fernandes e os cânticos estiveram a cargo do Coro
Beato Aleixo Delgado regido pelo seu filho Tiago, do qual o
Tozé é o Director; estiveram também presente muitos elemen-
tos da Fraternidade, familiares e amigos do casal que com eles
louvaram a Deus pelo Dom do Matrimónio.
Á Fernanda e ao Tozé desejamos muitas felicidades e pedi-
mos a Deus por intercessão de São Domingos muitas bênçãos
do Céu."
Fraternidade Leiga de São Domingos de Elvas.
O Secretário da Fraternidade
José Crisóstomo

DOMINIS MISSIO’18

Aceitam o desafio?!

Data limite inscrições: 31 de JULHO
Donativo de participação: 25€ (mais custo das
viagens)
Alojamento: acantonamento

Ficha de inscrição:
https://docs.google.com/forms/d/
e/1FAIpQLSeLcOF-5kfLbCxB-
d6oe6coqPwXAJLTR6WcIOWPEiF4XY7dig/
viewform
Pela sétima vez, ouvindo as palavras de Jesus:
"Ide e evangelizai todos os povos" ou a palavra dirigida Outras informações: pastoralidscs@gmail.com
aos discípulos: "Vem e segue-Me!", queremos respon-
der-lhe, dar-lhe uma semana das nossas férias, acei- Testemunhos dos anos anteriores:
tando o desafio de viver em espírito de missão, http://pastoraljuvenilidscs.blogspot.com/
mais um Dominismissio!
Em nome da equipa organizadora,
Para jovens entre os 15 e os 26 anos, o campo Abraço na paz de Cristo,
de trabalho missionário organizado pela Pastoral Ir. Ana Margarida Lucas, op
Juvenil das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina
de Sena, será de 28 de Agosto a 5 de Setembro de Esquece-te de ti sempre,
2018, no Pedrogão Grande, ao lado de quem viveu para pensar em fazer o bem ao próximo.
maus momentos, queremos levar um sorriso, uma Venerável Me.Teresa de Saldanha
esperança... 1837-1916

7
Laicado Dominicano Abril/Maio 2018

NOTÍCIAS DA FAMÍLIA DOMINICANA

PASSEIO DA FAMÍLIA DOMINICANA más de Aquino, aberto a todos os ramos da Família
Dominicana.
O tema foi “Formação permanente” e começou
com uma comunicação pelo frei Bento Domingues,
que como sempre, captou o interesse de toda a assis-
tência. Seguidamente celebrou-se a eucaristia, presidi-
da pelo frei José Nunes. Os cânticos foram dirigidos
pelo frei Fernando e o Tozé Carlos acompanhou ao
órgão. A homilia foi proferida pelo frei José Manuel
Silva, estudante da comunidade de Lisboa. Foi um a
celebração muito bonita.
Após o almoço, que decorreu com muita anima-
ção, houve trabalhos de grupo, que depois foram par-
tilhados no plenário final.
Foi um dia muito bem passado, quer pelo ambien-
Realizou-se no passado dia 21 de Abril, em Avei- te animado e fraterno, quer pelo conteúdo, onde a
ro, o passeio da Família Dominicana. Como sempre necessidade da formação foi muito bem consciencia-
foi um momento de convívio excelente, em que esti- lizada.
veram presentes frades, irmãs e leigos de vários pon-
tos do país. MONTEJUNTO—800 ANOS DA
O dia começou com uma visita guiada ao museu CHEGADA DOS PRIMEIROS
de Santa Joana, recentemente restaurado. Seguida- DOMINICANOS A PORTUGAL.
mente almoçou-se na casa das irmãs dominicanas de
Santa Catarina, uma vez que o tempo não permitiu No passado dia 5 de Maio, o ISTA organizou uma
um almoço ao ar livre. As iguarias eram muitas e sa- visita a Montejunto, às ruínas do 1º convento domi-
borosas, o que contribuiu para o ambiente agradável. nicano em Portugal. A visita realizou-se durante a
Após o almoço dirigimo-nos para a Sé Catedral de manhã e foi guiada pelo arqueólogo João Ludgero. À
Aveiro, igreja do antigo convento dos frades domini- tarde, no auditório da Câmara do Cadaval, realiza-
canos, onde a eucaristia foi presidida pelo prior pro- ram-se várias conferências. O frei Bento Domingues
vincial, frei José Nunes, e abrilhantada pelo coro do proferiu uma palestra sobre o tema “Dominicanos:
grupo de jovens do Movimento Juvenil Dominicano ontem e hoje”. A presença dos primeiros dominica-
de S. João de Vêr. nos em Portugal data de 1218. A criação da Provín-
cia Portuguesa da Ordem de S. Domingos ocorreu
DIA DE FORMAÇÃO EM FÁTIMA em 1418, pelo que a Província também está a assina-
lar neste ano os seus 600 anos. Nesse contexto, vai
Realizou-se no passado dia 25 de Abril, em Fáti- decorrer nos dias 9, 10 e 11 de Outubro, em Lisboa,
ma, na casa das irmãs de Santa Catarina de Sena, um o colóquio “Rastos Dominicanos - de Portugal para o
dia dia de formação organizado pelo Instituto S. To- Mundo” para assinalar esta comemoração.

Cristina Busto, o.p.

F i c h a T é c n i c a
Jornal bimensal Rua Comendador Oliveira e Carmo, 26 2º Dtº
Publicação Periódica nº 119112 / ISSN: 1645-443X 2800– 476 Cova da Piedade
ISSN: 1645-443X
Propriedade: Fraternidade Leigas de São Domingos Endereço: Praça D. Afonso V, nº 86,
Contribuinte: 502 294 833 4150-024 PORTO
Depósito legal: 86929/95 E-mail: laicado@gmail.com
Direcção e Redacção Tiragem: 350 exemplares
Cristina Busto (933286355)
Maria do Carmo Silva Ramos (966403075) Os artigos publicados expressam apenas
Colaboração: Maria da Paz Ramos a o p i n i ã o d o s s e u s a u t o r e s .
Administração: Maria do Céu Silva (919506161)
8