You are on page 1of 8

Directora

:
Setembro/Outubro2018
ISSN: 1645-443X - Depósito Legal: 86929/95
P r a ç a1645-443X
ISSN: D . A f o n s o- V , n º 8 6 , Legal:
Depósito 4 1 5 0- 086929/95
24 P o r t o - P O R TU G A L Ano XLIX- nº 393
Praça D. Afonso V, nº 86, 4150-024 Porto - PORTUGAL
3º CONGRESSO MUNDIAL DAS FRATERNIDADES LEIGAS
DOMINICANAS — FÁTIMA, OUTUBRO DE 2018
LAICADO DOMINICANO

Caros amigos e irmãos em Domingos: pessoas de 40 países oferece-nos a
Pediu-me a Cristina que escrevesse um possibilidade de experienciar algo da
pequeno artigo para o “Laicado” refletindo universalidade da Ordem. Vinham de
sobre o Congresso do laicado dominicano muitos sítios, carregando histórias por vezes
que aconteceu, como sabeis do dia 3 a 10 bastante sofridas como as que se vivem
de Outubro em Fátima. Faço-o com muito atualmente na Venezuela ou na parte
gosto! anglofona dos Camarões, histórias que nos
Queria começar por agradecer aos leigos falam de situações trágicas de irmãos e
dominicanos portugueses todos os esforços irmãs que reclamam a nossa solidariedade
que fizeram para o bom sucesso do e oração.
congresso. O vosso conselho provincial foi O Congresso tinha um tema: Justiça e
inexcedível em esforço, dinamismo e Paz e cuidado da criação. Era importante
presença neste grande momento na história sensibilizar o Laicado para a centralidade
do Laicado Dominicano. Um grande e deste tema na missão da Ordem. Os
fraterno bem-haja pelo vosso conferencistas foram inexcedíveis na
empenhamento. apresentação do tema. No site do Laicado
Como sabeis este foi o terceiro podeis encontrar os textos das
congresso: o primeiro aconteceu em Conferencias.
Montreal no Canadá em 1985, dele nasce a Trabalhou-se por Comissões: Regra e
Regra que atualmente tendes como Estatutos, Formação, Pregação e Oração,
referencia da vossa vida laical; o segundo Comunicação e Finanças, Justiça e Paz,
foi em Pilar, Argentina, em 2007 e agora o Relações com a Igreja e a Família
de Fátima em 2018. Como sabeis, foi Dominicana, Promotores. Cada comissão
decidido na Argentina celebrar um deveria apresentar propostas concretas a
Congresso cada dez anos, mas 2017 foi apresentar à Assembleia para serem
marcado pela clausura do Jubileu da votadas. Temos mais de 70 propostas já na
Ordem com o Congresso sobre a missão da mão do Mestre da Ordem para serem
Ordem em Roma, pareceu ao Conselho refletidas e aprovadas, para, depois da
Internacional que nesse ano não se deveria promulgação entrarem em vigor. Vamos ter
impor mais um evento pelo qual se modificações nas Declarações do Mestre da
transferiu para 2018. Ordem, que formarão um único corpo, e
Antes de mais o Congresso foi uma pequenas modificações na Regra.
ocasião fabulosa de encontro: mais de 130 (continua na pág.3)
Laicado Dominicano Setembro/Outubro2018

O QUE É UM CONGRESSO MUNDIAL DAS FRATERNIDADES?

O Congresso das Fraternidades que decorreu lhos continentais. Ásia-Pacífico e África, então ainda
em Fátima de 4 a 10 de Outubro foi apenas o ter- em processo de formação dos conselhos regio-
ceiro do seu género. Mas porque existem Congres- nais, foram os seus delegados indicados directamen-
sos internacionais? te pelo Mestre. Esse Conselho Internacional enten-
Como é que tal funciona? deu que passados quase 20 anos de aplicação da Re-
gra era tempo de fazer um novo Congresso Interna-
cional das Fraternidades, para análise e eventual revi-
são da Regra bem como para outras propostas que
dissessem respeito às Fraternidades a nível mundial.
Tal Congresso veio a realizar-se na Argentina no ano
de 2007. Nesse Congresso foram aprovados os Esta-
tutos do ICLDF bem como uma série de propostas
sobre a Regra, propostas essas que vieram a ser legis-
ladas por intermédio das Declarações Gerais que Fr.
Carlos Aspiroz publicou no mesmo ano.
Dos Estatutos do ICLDF consta que a cada 10 anos
deve ser realizada uma Assembleia/Congresso Inter-
nacional com representantes de todas as Províncias/
Enquadramento: Vicariatos, da Ordem. Em virtude das comemora-
ções dos 800 anos da Ordem durante os anos de
Em consequência do Concílio Vaticano II e de 2016/2017, foi necessário adiar o mesmo por um
todas as mudanças operadas na Igreja, também a ano, vindo a realizar-se o III Congresso Mundial nes-
Ordem Dominicana entendeu que era necessário te Outubro, em Fátima.
proceder a alterações nas suas instituições, nomeada-
mente na vida e Regra dos leigos pertencentes à en- E de que constou o Congresso?
tão Ordem Terceira de São Domingos. O Mestre
Geral Aniceto Fernandes publicou em 1964 uma Em primeiro lugar são convocadas todas as Pro-
nova Regra de Vida dos leigos dominicanos, a qual víncias e Vicariatos e designar dois representantes,
visava actualizar a Regra de 1923 e adaptá-la aos no- sendo que um deles deverá ser preferencialmente o/
vos tempos. Entendeu no entanto o Capítulo Geral a presidente Provincial. É ainda convidado um dele-
dos frades que tal Regra era ainda demasiado clerical gado por cada país naqueles vicariatos/províncias
e pouco laical, não espelhando o espírito das mu- que incluam mais do que um país. Foi ainda convi-
danças produzidas pelo Vaticano II e produziu uma dado o Mestre Geral Fr. Bruno Cadoré, que, num
nova Regra em 1968 sendo a mesma aceite a título gesto muito significativo, não apenas interrompeu a
provisório pela Santa Sé em 1972. Finalmente, em sua presença no Sínodo dos Bispos por forma a estar
1983 o Capítulo Geral encarregou o Mestre Geral presente durante dois dias, mas igualmente fez ques-
Damian Byrne de organizar um Congresso Internaci- tão de enviar a este Congresso 10 dos seus /sócios/
onal das Fraternidades para adaptar e renovar a Re- Assistentes (Promotor para a Vida Apostólica, Vigá-
gra das Fraternidades Leigas. O que veio a suceder rio Geral, Promotor das Comunicações, Promotor
com o I Congresso Internacional das Fraternidades, de Justiça e Paz, Promotor do Laicado; Sócio para a
realizado em Montreal, Canadá, em 1985 do qual Vida Fraterna e Formação; Sócio para a Europa
resultou a elaboração e aprovação da actual Regra. Central e Oriental, Sócio para a África, Sócio para
América Latina e Caribe, Sócio para Ásia/Pacífico,
Em 2002 o Mestre Carloz Azpiroz deu posse ao Sócio para a Península Ibérica, Itália e Malta), parti-
ICLDF - Conselho Internacional das Fraternidades cipando igualmente a Promotora das DSI para a Jus-
Leigas Dominicanas, composto por 5 elementos, tiça e Paz e o Coordenador do IDYM, os quais esti-
cada um representando um dos continentes. Alguns veram quase todo o tempo e nele intervieram e parti-
membros (Europa, América do Norte e América do ciparam.
Sul) eram representantes eleitos pelos seus Conse- (continua na pág.3)

2
Laicado Dominicano Setembro/Outubro2018

(continuação da pág.2) membros da Cúria/Assistentes do Mestre Geral que
O Congresso tem como objectivos/funções: Estu- igualmente participaram no Congresso. Nas Sessões
dar e apresentar propostas ao ICLDF; Propor, discu- plenárias o Secretário de cada Comissão apresentou
tir e aprovar alterações à Regra das Fraternidades; cada uma das propostas, as quais foram discutidas,
Aprovar alterações aos Estatutos do ICLDF; Apresen- emendadas, revistas e finalmente votadas por todos os
tar propostas ao Mestre Geral da Ordem; Propor e delegados com direito a voto.
aprovar meios financeiros para o trabalho do ICLDF; Ao todo foram aprovadas 64 propostas/
No Congresso que agora terminou foram criadas 6 recomendações/declarações. Nas sessões plenárias,
Comissões de Trabalho: Regra e Estatutos; Formação; embora apenas os delegados pudessem votar, qual-
Família Dominicana e Igreja, Comunicações e Finan- quer membro presente podia intervir, incluindo con-
ças; Oração e Pregação; Promotores. vidados, promotores, membros da Cúria ou membros
Os delegados distribuíram-se pelas várias Comis- da organização.
sões onde, a partir de várias temas/propostas, debate- Cada dia do Congresso iniciou-se com o pequeno-
ram e apresentaram diversas propostas/deliberações/ almoço seguido de Laudes/Eucaristia e consoante o
recomendações, as quais foram votadas e aprovadas programa, Sessões de Trabalho ou de Plenário.
pelos membros das Comissões de forma a serem apre- As Actas finais do Congressos serão agora redigi-
sentadas a Plenário. Cada Comissão tinha alguns das pelo ICLDF, traduzidas nas 3 línguas oficiais da
pontos prévios para discussão, sendo que membros Ordem (inglês/francês e espanhol) e remetidas ao
eram convidados a pronunciar-se/reflectir sobre os Mestre Geral que as promulgará.
mesmos com vista a apresentação de propostas con-
cretas. Cada grupo elegeu o seu Secretário que ficava Gabriel Silva o.p.
responsável pela redacção final das propostas e pela (representante europeu no conselho mundial das
fraternidades leigas dominicanas, ICLDF)
sua apresentação/defesa em sessão plenária.
O Mestre Geral esteve por algum tempo em cada uma Documentos do Congresso em: www.fraternitiesop.com
das Comissões, as quais integravam ainda vários

(continuação da pág.1) para as diversas regiões, para a formação e para a vida
Sublinharia alguns pontos importantes: apostólica e ainda pelo Promotor de Justiça e Paz. O
As propostas estão já nas mãos do Mestre da laicado pode fazer a experiência de quanto a Ordem
Ordem, vão ser analisadas no próximo Conselho olha com interesse e cuidado para o Laicado
Geral e serão promulgadas nas três línguas oficiais da Dominicano.
Ordem: francês, inglês e espanhol. A tradução já está Creio que foi um grande momento, reitero o
a ser preparada. As modificações à Regra serão agradecimento aos leigos dominicanos da minha
sujeitas à apreciação da Congregação para a Vida Província por toda a fraterna ajuda.
Consagrada antes poderem entrar em vigor. Este
processo poderá ser um pouco mais moroso.
Ficam-me na memória do coração os belos
momentos celebrativos, a experiência do diálogo e da
discussão, ainda que por vezes tensa, mas este é o
modo de viver dos dominicanos: a fraternidade exige
discussão ainda que, por vezes, acalorada.
Foi muito reconfortante e estimulante o interesse
da Ordem por este Congresso. O Mestre da Ordem
que estava presente no Sínodo dos Bispos, como um
dos representantes dos Superiores Gerais, não se
esquivou a estar dois dias no Congresso. A Cúria
esteve amplamente representada pelo Vigário do Frei Rui Carlos Lopes,o.p.
Mestre da Ordem e pelos Sócios do Mestre da Ordem Promotor Mundial do Laicado Dominicano

3
Laicado Dominicano Setembro/Outubro2018

OS PORTUGUESES NO CONGRESSO
no meu coração. Tão atentas como discretas ao servi-
ço. Um verdadeiro exemplo!
Foi igualmente excepcional toda a equipa de aco-
lhimento que, incansavelmente, resolveu tudo a to-
dos.
O ponto alto deste Congresso foi, sem dúvida, a
presença significativa do Mestre Geral, Frei Bruno
Cadoré, que fez questão de ajudar na realização dos
trabalhos em todas as comissões.
Somos cristãos leigos e leigas congregados ao povo
de Deus, pelo carisma de São Domingos, e constituí-
dos num só corpo de Cristo, que participamos da
missão salvífica da Igreja. Estamos aptos para
Foi em Fátima, lugar de encontro, de paz e de ora- "modificar pela força do Evangelho, os critérios de
ção, que decorreu este nosso terceiro congresso inter- julgar, os valores que contam, os centros de interesse,
nacional. No dia 3 de Outubro foi a chegada da maio- as linhas de pensamento, as forças inspiradoras e os
ria dos delegados e participantes ao hotel Steyler, Di- modelos de vida da humanidade, que se apresentem
vino Verbo, que nos acolheu com primor até ao dia em contraste com a Palavra de Deus e com o desígnio
11 de Outubro, dia da nossa partida. da salvação." (EN, n.19).
Cerca de duzentas pessoas representavam quarenta Assim, a Ordem dos Pregadores confiou-nos res-
países. Apesar de lugares e culturas tão diferentes nas ponsabilidades escutando os nossos apelos, reconhe-
suas realidades, estávamos unidos no mesmo propósi- cendo-nos em situações reais, para juntos partilhar-
to: servir! mos a esperança da acção evangelizadora mais actuali-
Foi para mim um grande privilégio e honra poder zada aos dias de hoje.
participar como leiga dominicana da Fraternidade de Sob o olhar fraterno de São Domingos e expressan-
Macedo de Cavaleiros, e, juntamente com a extraordi- do sempre a comunhão, seremos capazes de manter
nária Presidente Provincial, Cristina Busto, represen- viva a nossa vocação dominicana: LOUVAR, BENDI-
tar a Província Portuguesa. ZER, PREGAR!
A presença contínua e gratificante do nosso queri- Bem-haja a Família Dominicana!
do Frei Rui, Promotor Mundial do Laicado Domini- Um abraço em São Domingos,
cano, foi uma vantagem exclusiva concedida a todos Mariana Cardoso,o.p.
os delegados e participantes. Fraternidade de Macedo de Cavaleiros
(delegada da Província portuguesa no Congresso)
Quanto à Irmã Celina e à Irmã Conceição levo-as

Porque nos deram a coragem de aceitar.
Obrigado á Assembleia Mundial das Fraternidades
Leigas de São Domingos por nos terem acolhido com
tanto carinho, com tanta fraternidade, e até nos arris-
camos a dizer, com tanto amor e paciência.
Foi uma experiencia que nunca imaginámos de
sermos dignos de a viver.
Chegar, começar a ter contacto com os nossos que-
ridos irmãos apesar das diferenças da língua, sermos
acolhidos por todos com um sorriso, sentimos verda-
deiramente o que era uma Família.
Na verdade a música é universal, e o Gabriel pro-
Obrigado ao Nosso Pai do Céu. porcionou-me esta única experiencia de sentir e viver
Obrigado ao Nosso Pai São Domingos. a música litúrgica dos outros países, de cantar, tocar
Obrigado a Santa Catarina de Sena. (mesmo com o orgãozito que desenrascou muito bem)
(continua na pág.seguinte)
4
Laicado Dominicano Setembro/Outubro2018

(continuação da pág-4) na, entre nós, a Cristina, a Mariana, a Lurdes e o Ga-
e viver com os meus irmãos sem dominar a língua briel, obrigado pela vossa compreensão e carinho.
uma verdadeira musica universal que é a música do Não podemos deixar de um modo especial agrade-
amor, da partilha, da entreajuda mutua com o nosso cer ao Gabriel esta oportunidade e esta confiança que
Frei Filipino, director do coro. Foi uma honra para em nós depositou. Obrigado Gabriel.
nós termos conhecido, ouvido e cumprimentado o
nosso Mestre Geral, Frei Bruno Cadoré, op. Fernanda Carlos, op
Um verdadeiro encontro com a família dos frades, Tozé Carlos, op
das monjas, por todos fomos acarinhados. Fraternidade de Elvas
(Equipa de acolhimento do Congresso)
Os nossos dias foram de verdadeira amizade frater-

ciais do mundo actual. Muito interessante o trabalho
de apoio a migrantes e refugiados, desenvolvido pelos
Leigos Dominicanos no Quebec, contando com o
apoio das Irmãs Dominicanas que cederam o espaço
para acolher os sem tecto. Exemplo vivo do Carisma
de S. Domingos, quando decidiu vender os próprios
livros para socorrer os mais necessitados do seu tem-
po. Como referiu o conferencista “Sem justiça não há
Paz”. O Santo Paulo VI, assim o disse e continua actu-
al.
Nos plenários, admirei a forma interventiva como
os delegados se pronunciavam.
Agradeço a oportunidade que me foi concedida de Quanto a propostas, para a alteração aos Estatutos,
participar no Congresso. não vou “relatar” do que foi proposto. Na minha opi-
O meu contributo foi mínimo, comparado com o nião, os documentos devem ser actualizados, conside-
empenho e contributo que os responsáveis, de modo rando os tempos e situação em que a sociedade / Lei-
especial o Frei Rui Carlos e as pessoas que fazem parte gos dominicanos no mundo actual vivem.
do Conselho Mundial, os Conferencistas e todas as A formação do leigo, é permanente e deve viver a
pessoas que trabalharam para que tudo decorresse de vida conforme o Evangelho.
forma ordeira. Como foi referido, toda a pregação deve ser basea-
Foi um acontecimento que nunca vou esquecer, o da nas Sagradas Escrituras.
ambiente vivido nestes dias pelos participantes é algo Nosso Pai S. Domingos, nos conceda a graça de
que me marcou pela positiva. Sendo um mesclado de vivermos segundo o seu Carisma com a força do Espí-
culturas, raças e estratos sociais, o ambiente foi fantás- rito Santo.
tico. Lurdes Santos,o.p.
Não acompanhei todas as conferências, mas as que Fraternidade da Parede
escutei, na minha opinião abordaram temas muito (Equipa de acolhimento do Congresso)
actuais contextualizando os problemas e situações so-

MISSÃO CUMPRI- minicanos, as pequenas compras de quem está fora de
DA! Acorreram a casa e não sabe onde se dirigir, dinheiro que é preciso
Fátima cerca de trocar, uma boleia para não perder o avião, um sorriso
110 dominicanos à chegada do hotel, uma mão que ajudou a levar a
leigos de 41 países bagagem…Gestos oferecidos por quem muito recebeu
dos quatro cantos em troca - o Gosto de sabermos que pertencemos a
do mundo. A re- uma família espalhada pelo mundo, a família Domini-
cebê-los, uma pe- cana!
quena equipa de portugueses que tudo fez para que Cristina Busto ,o.p.
nada lhes faltasse durante os dias do Congresso: a mú- Fraternidade do Porto
sica durante as celebrações, a venda dos símbolos do- (Delegada da Província portuguesa no Congresso)

5
Laicado Dominicano Setembro/Outubro2018

VENEZUELA – UM TESTEMUNHO NA PRIMEIRA PESSOA
Querida irmã Cristina… O que motivou esta carta instituição que gozava de reconhecido prestígio e cre-
foi passar a escrito a situação actual da Venezuela de dibilidade na população, foi totalmente corrompida: o
acordo com o que conversámos no Congresso das Fra- alto comando militar é composto por indivíduos que
ternidades Leigas Dominicanas em Fátima. Mas a situ- ocupavam os últimos lugares na hierarquia das suas
ação é tão complexa que requer vários capítulos para carreiras e que estão presumivelmente envolvidos em
ser explicada em detalhe. delitos de corrupção e narcotráfico. Por outro lado o
É muito difícil para algumas pessoas no exterior do território fronteiriço venezuelano é uma zona de refú-
país perceberem a situação em que se encontra actual- gio para a guerrilha colombiana, FARC e ELN, que
mente a Venezuela. Apesar do que se vê diáriamente cometem toda a espécie de crimes contra a população
nos jornais, notícias alarmantes sobre o que se passa sem que a Força Nacional Armada intervenha, o que
no país, muitos se surpreendem todos os dias ao ver a denota uma violação da soberania nacional perante
situação de crise humanitária que atravessamos, uma um exército que faz vista grossa a este atropelo. O po-
coisa é inteirar-se pelas notícias e outra pelo vo não ficou de braços cruzados e tem havido muitíssi-
“testemunho” de um leigo dominicano que usa a sua mas marchas para protestar contra os abusos e atrope-
voz para denunciar a situação de ignomínia total cuja los, mas o governo reagiu cada vez com mais força che-
descrição, tal como a referi no Congresso em Fátima, gando a assassinar mais de 100 estudantes nas mani-
não pode ser definida por nenhuma palavra em língua festações e prender 400 presos políticos que diaria-
espanhola, pois tragédia é todavia uma definição gene- mente sofrem torturas e violação sistemática dos seus
rosa para descrever o mal estruturado que tantas mor- direitos humanos. Irmãs dominicanas foram vítimas
tes tem causado na população, uma maldade de tal de bombas lacrimogéneas durante a sua participação
magnitude que foi assumida como política de estado nas manifestações contra o governo.
pela cúpula do poder governante na Venezuela. FACTOR TRABALHO – O desemprego teve um
A Venezuela foi outrora o país mais rico e próspero aumento motivado pelas políticas inquestionáveis de
da América do Sul, onde convivem há várias gerações aumentos de preços por parte do governo. No sector
e que a assumiram como segunda pátria portugueses, público os trabalhadores foram coagidos, tal como
italianos e espanhóis, encontra-se agora numa situação acontece em Cuba, a assistir às actividades e concen-
política, económica e social muito complicada, resulta- trações de carácter político a favor do governo sob pe-
do da implantação, desde 1998, de um regime totalitá- na de serem castigados ou despedidos dos seus empre-
rio, de estilo marxista, que sob a premissa da justiça gos. Os que não simpatizam com o governo são despe-
social para com os pobres, estabeleceu sistemas de didos sem poder solicitar qualquer indemnização por
controle governamentais em direitos fundamentais esta arbitrariedade. Podem apelar ao Ministério do
tais como: alimentação, serviços de saúde, segurança, Trabalho e formular a denúncia, mas esta não prosse-
trabalho, informação, liberdade de circulação e reu- guirá. Eu próprio trabalhei durante quase 7 anos no
nião, educação, entre muitos outros. Ministério da Alimentação e fui despedido sem outro
Neste sentido e sem dispor para este trabalho de motivo senão o de não simpatizar com o governo, e
reflexão de dados estatísticos oficiais, senão da própria apesar de apelar ao ministério correspondente para
vivência dos factos reais, pode-se destacar os seguintes fazer valer os meus direitos, a denúncia não avançou.
factores: FACTOR EDUCAÇÃO – As escolas públicas não
FACTOR POLÍTICO – Na Venezuela governa o têm as infra-estruturas necessárias para o seu funciona-
Partido Socialista Unido da Venezuela, criado a partir mento, os currículos e os planos de estudo foram mo-
da dissolução de outros partidos e movimentos de es- dificados para inculcar nas crianças a ideologia Cha-
querda que apoiaram o falecido golpista Hugo Chávez vista (de Hugo Chávez), os colégios privados (católicos
quando chegou ao poder. Esta cúpula governante apo- ou não) são assediados constantemente pela entidade
derou-se da totalidade dos poderes anulando o Estado encarregada de regular os preços. Por causa da infla-
de direito na Venezuela reduzindo o que foi uma Re- ção galopante, têm de aumentar o custo das matrícu-
pública a um feudo pessoal governado por uma cúpu- las para irem funcionando, mas são impedidos de o
la cleptocrática e corrupta. Uma das primeiras acções fazer, levando a que em cada ano escolar encerrem
que realizou foi apoderar-se do Conselho Nacional e cerca de 400 colégios. O governo decretou um aumen-
Eleitoral e do Supremo Tribunal de Justiça, conse- to de salário que não pode ser coberto pelos colégios
guindo assim legalizar as fraudes eleitorais cometidas privados, com o fim de cancelar a contratação do seu
durante todos os comícios celebrados, erguendo defe- pessoal docente, administrativo e operário e muito
sas contra possíveis denúncias. menos cobrir os gastos de manutenção.
A Força Armada Nacional que outrora era uma (continua na pág.7)
6
Laicado Dominicano Setembro/Outubro2018

(continuação da pág.6) FACTOR RELIGIOSO – A Conferência Episco-
Muitos professores universitários emigraram do pal Venezuelana e a Igreja Católica têm mantido uma
país porque os seus salários não permitiam cobrir as luta frontal condenando as arbitrariedades, abusos e
suas necessidades básicas. Eu trabalho actualmente violações dos direitos humanos por parte do Gover-
como administrador num colégio privado católico no. Esta tomada de posição ocasionou ataques a pa-
franciscano e no ano escolar que está a decorrer já dres e bispos por parte dos «colectivos» armados, que
tivemos uma deserção de cerca de 40% dos professo- são grupos de choque criados pelo governo para agre-
res assim como uma diminuição de 35% de estudan- dir quem não está de acordo com as políticas do par-
tes que emigraram para outro país. tido socialista unido da Venezuela (PSUV). Muitos
FACTOR ECONÓMICO – A economia está to- sacerdotes forma agredidos e ameaçados de morte,
talmente colapsada. Depois de 20 anos de controle algumas igrejas foram profanadas, os padres são enxo-
cambial, de regulação de preços e da emissão da moe- valhados nos programas de rádio e televisão sobre
da sem apoio de reservas, a inflação é semelhante à controle do Estado.
que existiu no Zimbábue, e o rendimento mensal de Leigos comprometidos que lutam pelos direitos
uma pessoa ronda 1,79 dólares. Não existem produ- humanos foram ameaçados de morte assim como os
tos agrícolas para exportação e muito menos para seus familiares como é o caso da nossa irmã Liliana
consumo interno. A indústria petrolífera, ao ser con- Rodríguez OP, presidente da Fraternidade de S. Do-
trolada pelo estado, está práticamente quebrada, ra- mingos de Gusmão na cidade de Barquisimeto, Esta-
zão pela qual não pode assumir compromissos como do de Lara.
fazia anteriormente. Antes de chegar o Chavismo ao Devemos fazer referência especial acerca do recen-
poder, registavam-se no país cerca de 12000 empre- te assassinato do conselheiro Fernando Calbar, um
sas, das quais apenas sobrevivem 3200, resultado da leigo comprometido, ligado à Igreja, querido por mui-
destruição do aparelho produtivo nacional. A popula- tos que trabalham na Comissão dos Cultos, que foi
ção mais carenciada foi vítima de um aparelho de vilmente torturado e que morreu em consequência
controle social por meio da emissão de um “cartão da dos castigos a que era sujeito e foi atirado do 10º piso
pátria”, um requisito para poder ter acesso a doações do Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN) para
do governo como a caixa CLAP (uma caixa que pos- simular o seu suicídio.
sui a propriedade dos alimentos de primeira necessi- Apesar de todas estas tragédias, os nossos pastores
dade importados do México) sobre a qual recente- e a Igreja Católica em geral mantem-se firmes e sem
mente foi revelada a informação dos seus preços infla- medo sendo a voz dos que não tem voz e mantendo a
cionados praticados para enriquecer um grupo de esperança. A Igreja pediu em múltiplas ocasiões pela
pessoas, e da má qualidade dos seus produtos. A moe- abertura de um canal humanitário e o governo fez
da foi desvalorizada em três ocasiões, sendo que na ouvidos surdos. A Caritas instituição da Igreja, reali-
última foram eliminados 5 zeros, mas isto não deteve zou urgentes doações de medicamentos e estes forma
a inflação pois o governo emite dinheiro sem o apoio expropriados pelo governo impedindo que pudessem
de reservas e esta massa monetária, ao entrar na eco- chegar ás pessoas que mais necessitam deles.
nomia com um aparelho produtivo paralisado, a pro- Foi por isto que no interior da Igreja se estabelece-
cura de bens, que já por si são escassos, faz disparar ram canais clandestinos de distribuição de ajuda e
os preços para níveis astronómicos. Então o cidadão também e tem vindo a implementar principalmente a
vê-se obrigado a só pensar em tentar encontrar o que Família Dominicana, neste sentido pedimos aos nos-
pode comprar para comer. sos irmãos do Laicado Dominicano de Portugal que
FACTOR SAÚDE – Há uma escassez total dos no que puderem solidarizar-se connosco ajudando-
remédios mais elementares como antibióticos, reagen- nos no que considerarem que está humanamente ao
tes para laboratórios clínicos, anti-hipertensores, anti- vosso alcance. Podem ser remédios, roupa, alimentos
diarreicos, anti-convulsivos, anti-coagulantes e outros não perecíveis (enlatados, conservas) e dinheiro que
de alto custo como tratamentos de quimioterapia, será utilizado para articular esforços dentro da Equi-
radioterapia, anti-retrovirais, derivados de sangue, pe de Justiça e Paz da Ordem na Venezuela para aju-
albumina e imunoglubinas, insulina, medicamentos dar as acções da Família Dominicana. Quanto a este
para o glaucoma, broncodilatadores, entre muitos último ponto avaliaremos a maneira mais expedita
outros. O estado dos hospitais públicos é terrível: pa- para fazê-lo e esperamos contar com o vosso valioso
vilhões contaminados com bactérias, escassez de água, apoio.
apagões de energia elétrica que ocorrem diariamente, Por favor irmãos, como última súplica: não dei-
ocasionando a morte de pacientes em unidades de xem de rezar por nós.
cuidados intensivos e neonatais. Ocorreram cerca de Um grande abraço e bênçãos para todos vós.
30 mortes em recém-nascidos em hospitais e materni-
dades, como resultado dos cortes de energia eléctrica Willy Rafael Rivero e Rivero OP
e da falta de suprimentos médicos. Como consequên- Presidente do Conselho Vicarial
Delegado do Vicariato da Venezuela no Congresso
cia da crise, emigrou um grande número de médicos (Traduzido do original em espanhol)
qualificados. 7
Laicado Dominicano Setembro/Outubro2018

AGRADECIMENTO
Cara Presidente e membros do Conselho Nacio- tuguesa e de 2000 euros oferecidos pelo ramo dos
nal da Família Dominicana em Portugal frades para a contribuição de ajuda fraterna para as
Caro Prior provincial e membros do conselho dos despesas de deslocação e participação das delegações
Irmãos da Ordem dos Pregadores, das províncias mais carenciadas.
Em nome do Conselho Provincial das Fraternida- Ficámos muito contentes em poder ter afetado a
des Leigas de São Domingos da Província Portugue- totalidade das vossas ajudas à realização deste con-
sa, venho agradecer-vos o generoso acolhimento aos gresso por vermos que ele manifesta em atos concre-
pedidos de ajuda financeira para as despesas no III tos que todos os dominicanos em Portugal praticam
Congresso Internacional das fraternidades leigas rea- a comunhão fraterna nos momentos e acontecimen-
lizado em Fátima. tos mais marcantes.
Foram entregues ao tesoureiro do conselho mun- Bem hajam pela vossa solidariedade.
dial dos leigos as importâncias de 1000 euros doada Fraternalmente em São Domingos,
pelo conselho da família dominicana para custear as Francisco Piçarra, op
despesas de inscrição e participação da delegação por- (Administrador provincial das FLSDPP)

ORAÇÃO DE ACÇÃO DE GRAÇAS
Senhor faz de mim um meio da Tua comunicação: Onde tantos sofrem a solidão da multidão
Que eu promova o encontro com alguém
Onde tantos lançam bombas de destruição Onde só vivem as misérias do que passa
Que eu leve a palavra de união Que eu viva o espírito que fica
Onde tantos procuram ser servidos Onde tantos só olham para a terra
Que eu leve a alegria de servir Que eu saiba olhar para o céu que nos habita e
Onde tantos fecham a mão para bater estimula.
Que abra o coração para acolher Frei Bernardo Domingues,o.p.
Onde tantos adoram a máquina
Que eu saiba venerar a pessoa
Onde tantos endeusam a técnica
Que eu saiba respeitar as pessoas
Onde a vida perdeu sentido
Que eu leve o sentido da vida
Onde tantos me pedem um peixe
Que eu saiba ensinar a pescar
Onde tantos me pedem pão
Que eu saiba ensinar a semear
Onde tantos estão sempre distantes
Que seja alguém sempre presente

F i c h a T é c n i c a
Jornal bimensal Rua Comendador Oliveira e Carmo, 26 2º Dtº
Publicação Periódica nº 119112 / ISSN: 1645-443X 2800– 476 Cova da Piedade
ISSN: 1645-443X
Propriedade: Fraternidade Leigas de São Domingos Endereço: Praça D. Afonso V, nº 86,
Contribuinte: 502 294 833 4150-024 PORTO
Depósito legal: 86929/95 E-mail: laicado@gmail.com
Direcção e Redacção Tiragem: 350 exemplares
Cristina Busto (933286355)
Maria do Carmo Silva Ramos (966403075) Os artigos publicados expressam apenas
Colaboração: Maria da Paz Ramos a o p i n i ã o d o s s e u s a u t o r e s .
Administração: Maria do Céu Silva (919506161)
8