O ATRASO TECNOLÓGICO NA EDUCAÇÃO

Erasmo Gagliardi
Professor Assistente da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás

Nestas últimas décadas do século XX estamos vivendo uma verdadeira REVOLUÇÃO CULTURAL E CIENTÍFICA que vem ocasionando grandes transformações tecnológicas em todas as áreas do conhecimento e em todos os setores profissionais. Essa revolução vem atingindo, por exemplo, a medicina, a engenharia, a arquitetura, a agronomia, a eletrônica, a psicologia, o direito, a política, etc, e ATÉ MESMO A EDUCAÇÃO... E por que esse até mesmo a educação?

Todos sabem muito bem, que novos avanços tecnológicos vem sendo incorporados no dia-a-dia de todos os profissionais de nível superior. Nenhum profissional, hoje em dia, sob pena de ser superado competetivamente, pode dispensar a tecnologia mais recente que estiver ao seu alcance. Mas em relação a educação, a nossa prática pedagógica ainda esta em plena idade medieval. Ainda predomina na maioria de nossas escolas, do 1º grau a Universidade, a prática introduzida no Brasil pelos jesuítas algumas décadas após a sua descoberta. Ou seja, na prática diária de nossa sala de aula, ainda impera a figura do professor, quase sempre autoritário, dando a aula expositiva e o aluno, passivamente, recebendo. Temos aí o professor fazendo de conta que está ensinando e o aluno fazendo de conta que está aprendendo. Depois de algum tempo é feito o acerto entre essas duas partes. E o momento da prova, em que o aluno tem que provar que aprendeu alguma coisa. As conseqüências disso é do conhecimento de todos. A triste verdade é que temos nessa situação um verdadeiro embuste, um pacto de mediocridade.

O grande avanço tecnológico deste final de século, também atingiu a Educação, mas só chegou as nossas salas de aulas de forma reduzidíssima. Na década de oitenta ocorreu no Brasil uma mudança no discurso pedagógico. V rios autores brasileiros passaram a se dedicar ao estudo do fenômeno educacional de uma forma crítica, contextualizada. Essa nova produção acadêmica que substituiu a antiga, composta majoritariamente de autores estrangeiros, principalmente norte-americanos, favoreceu o surgimento de inovações na área educacional. Inovações marcantes. Temos exemplos na área de alfabetização, na psicologia da aprendizagem, na didática, na avaliação da aprendizagem, na relação aluno-professor, no planejamento de ensino, na construção de currículos e SOBRETUDO NA TECNOLOGIA DE ENSINO.

No campo da tecnologia do ensino, principalmente com o advento da informática na educação, tivemos um avanço aceleradíssimo. Para citarmos um só exemplo, dispomos da MULTIMÍDIA, um estágio sofisticadíssimo da tecnologia em educação. Enquanto isso, em nossas salas de aula, a única mudança ocorrida nas ultimas décadas foi a mudança de cor do quadro-de-giz, de negro para verde, mas que curiosamente ainda é chamado de "quadro negro"...

(Publicado em O POPULAR, Goiânia-GO, 12/09/92)