You are on page 1of 19

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Curso de Graduação em Engenharia de Produção

André Leão Braga


Lidiane Esteves Cândido
Magdiélin Barone Barbosa
Nayara Brunett Guedes Mansur
Rafael Veras Gomes de Mello
Rayala Raquel Arruda Serpa
Richard Michell Lima da Silva
Rodrigo Cézar Ferreira

LISTAS:
Unidades 1, 2 e 3

Belo Horizonte
2018
André Leão Braga
Lidiane Esteves Cândido
Magdiélin Barone Barbosa
Nayara Brunett Guedes Mansur
Rafael Veras Gomes de Mello
Rayala Raquel Arruda Serpa
Richard Michell Lima da Silva
Rodrigo Cézar Ferreira

LISTAS:
Unidades 1, 2 e 3

Trabalho apresentado a disciplina de Automação e


Controle da Pontifícia Universidade Católica de
Minas Gerais, como requisito para obtenção de nota.

Profª: Felipe Lage Toletino

Belo Horizonte
2018
SUMÁRIO

UNIDADE 1 - LIVRO.................................................................................................... 5
Questão 1.1 ................................................................................................................. 5

Questão 1.2 ................................................................................................................. 5

Questão 1.3 ................................................................................................................. 5

Questão 1.4 ................................................................................................................. 5

Questão 1.5 ................................................................................................................. 5

Questão 1.6 ................................................................................................................. 6

Questão 1.7 ................................................................................................................. 6

Questão 1.8 ................................................................................................................. 6

Questão 1.9 ................................................................................................................. 6

Questão 1.10 ............................................................................................................... 7

Questão 1.11 ............................................................................................................... 7

Questão 1.12 ............................................................................................................... 7

Questão 1.13 ............................................................................................................... 8

Questão 1.14 ............................................................................................................... 8

Questão 1.15 ............................................................................................................... 8

Questão 1.16 ............................................................................................................... 9

Questão 1.17 ............................................................................................................... 9

UNIDADE 1 – Slides ................................................................................................... 10


Questão 1 .................................................................................................................. 10

Questão 2 .................................................................................................................. 10

Questão 3 .................................................................................................................. 10

Questão 4 .................................................................................................................. 10

Questão 5 .................................................................................................................. 10

Questão 6 .................................................................................................................. 11

Questão 7 .................................................................................................................. 11
Questão 8 .................................................................................................................. 12

Questão 9 .................................................................................................................. 12

UNIDADE 2 – LÓGICA FUZZY ................................................................................ 12


2.1 Estudo de Caso: Aumento da geração de energia através da redução de consumo
específico dos turbogeradores - I.Sistems ............................................................................ 12

2.2 Desafio ................................................................................................................ 13

2.3 Critérios de operação do processo ...................................................................... 13

2.4 Desafios para implantação de estratégia de controle .......................................... 13

2.5 A solução ............................................................................................................ 14

2.6 Os resultados ....................................................................................................... 14

UNIDADE 3 – CAPÍTULOS 4 E 5 .............................................................................. 15


Questão 4.1 ............................................................................................................... 15

Questão 4.2 ............................................................................................................... 15

Questão 4.3 ............................................................................................................... 15

Questão 4.5 ............................................................................................................... 16

Questão 4.9 ............................................................................................................... 16

Questão 5.1 ............................................................................................................... 17

Questão 5.2 ............................................................................................................... 17

Questão 5.4 ............................................................................................................... 17

Questão 5.6 ............................................................................................................... 17

Questão 5.7 ............................................................................................................... 18

Questão 5.11 ............................................................................................................. 18

Questão 5.14 ............................................................................................................. 18

Questão 5.16 ............................................................................................................. 19


UNIDADE 1 - LIVRO
Questão 1.1
Cite quatro das realidades mencionadas no início deste capítulo com as quais os
empreendimentos modernos de produção devem se preocupar? Os empreendimentos
modernos de manufatura devem considerar as realidades econômicas do mundo moderno. Tais
realidades são: globalização, terceirização internacional e local, expectativas de qualidade e
necessidade de eficiência operacional, dentre outros.

Questão 1.2
O que é um sistema de produção? Um sistema de produção é um conjunto de pessoas,
equipamentos e procedimentos organizados para realizar as operações de produção de uma
empresa ou uma organização.

Questão 1.3
Os sistemas de produção podem ser divididos em dois níveis ou duas categorias.
Cite quais são e defina-os de forma breve? A primeira das categorias é instalações são o
layout da fábrica, incluem fábricas, equipamentos instalados e forma como os mesmos estão
organizados. Sistemas de apoio a produção se refere a um conjunto de procedimento utilizados
pela empresa no gerenciamento da produção e na solução de problemas técnicos e logísticos e
na garantia de qualidade.

Questão 1.4
Quais são os sistemas de manufatura e como eles se diferenciam dos sistemas de
produção? Os sistemas de manufatura trazem a ideia de terceirização internacional ma qual se
produz baixo volume com alta diversidade de produtos. Já o sistema de produção envolve
integração e coordenação de várias estações de trabalho remetendo a ideia de produção em
grandes quantidades;

Questão 1.5
Os sistemas de manufatura são divididos em três categorias segundo a a
participação do trabalhador. Quais são elas?
 Sistemas de trabalho manual: formados por um ou mais trabalhadores que
executam uma ou mais atividades sem a ajuda de ferramentas motorizadas.
 Sistemas trabalhador-máquina: um trabalhador opera um equipamento
motorizado, tal como uma máquina-ferramenta ou outra máquina de produção.
 Sistemas automatizados: o processo é executado por uma máquina sem a
participação direta de um trabalhador humano.

Questão 1.6
Quais são as quatro funções incluídas nos escopos dos sistemas de apoio à
produção?
 Funções de negócio;
 Projeto do produto;
 Planejamento da produção;
 Controle da produção.

Questão 1.7
Três tipos básicos de automação são descritos neste capítulo. O que é automação
rígida e quais são as suas características? Automação rígida é um sistema definido pela
configuração do equipamento, cada operação na sequência é simples e talvez envolva
movimento linear. Tem por característica alto custo inicial do equipamento, altas taxas de
produção com engenharia personalizada, inflexibilidade relativa do equipamento na
acomodação da variedade de produção.

Questão 1.8
O que é automação programável e quais são suas características? A sequência de
operações é controlada por um programa, um conjunto de instruções codificados de maneira
que possa, ou seja, um equipamento projetado com capacidade de modificar a sequência de
operações. Suas características incluem: alto investimento em equipamentos de propósito geral,
baixas taxas de produção se comparada à automação rígida; flexibilidade para lidar com
variações e alta adaptabilidade para produção em lote.

Questão 1.9
O que é automação flexível e quais são suas características?
É uma extensão da automação programável. A definição exata desta forma de
automação está ainda em evolução, pois os níveis de decisão que envolve podem neste
momento incluir toda a organização geral da produção. Um sistema flexível de produção é
capaz de produzir uma determinada variedade de produtos sem perda significativa de tempo de
produção para ajustamentos entre tipos diferentes. Assim, o sistema pode produzir várias
combinações de produtos sem necessidade de organizá-los em lotes separados.
Os aspectos típicos da automação flexível são:
 Elevados investimentos no sistema global;
 Produção contínua de misturas variáveis de produtos;
 Taxas de produção média;
 Flexibilidade de ajustamento às variações no tipo dos produtos.

Questão 1.10
O que é manufatura integrada por computador? Os
Manufatura Integrada por Computador ou Computer Integrated Manufacturing (CIM)
consiste em um sistema computacional de integração das operações de fabricação. Trata-se
de um sistema de capacitação flexível para treinamento de pessoal qualificado, facilitando a
transmissão de conhecimento nas áreas de produção e/ou manufatura. Pode ser conceituado
como o “monitoramento baseado em computador e controle de todos os aspectos do processo
de manufatura, baseado num banco de dados comum e comunicando por meio de alguma forma
de rede de computadores”.

Questão 1.11
Cite cinco dos motivos para as empresas automatizarem suas operações? O texto
lista 9 razões.
1- Aumentar a produtividade;
2- Reduzir os custos do trabalho;
3- Minimizar os efeitos da falta de trabalhadores;
4-Reduzir ou eliminar as rotinas manuais e das tarefas administrativas;
5- Aumentar a segurança do trabalhador.

Questão 1.12
Identifique três situações nas quais o trabalho manual é preferível á automação.
 O trabalho na linha de montagem final de automóveis na qual há muitas
operações de acabamento.
 Tarefas de inspeção que demandam julgamento na avaliação da qualidade.
 O trabalho onde necessita de uma grande variação de característica e
personalização.

Questão 1.13
Os trabalhos humanos são necessários nas operações de fábrica mesmo quando as
operações são extremamente automatizadas. O texto apresenta ao menos quatro tipos de
trabalho nos quais seres humanos são necessários. Cite três delas.
1- A tarefa é tecnologicamente muito difícil de ser automatizada;
2- O ciclo de vida do produto é curto;
3- O produto é customizado.

Questão 1.14
O que é o princípio USA? O que a sigla significa?
O princípio USA consiste em compreender o processo existente, simplificar o processo
e automatizar o processo.
 Compreender o processo existente:
 Análise de entradas e saídas do processo;
 Análise da cadeia de valor;
 Uso de ferramentas como o diagrama operacional e o diagrama de fluxo do
processo para encontrar pontos fortes e pontos fracos do processo;
 Uso de modelos matemáticos para identificar as variáveis relevantes do produto.

Simplificar o processo:
 Verificar a real necessidade de cada etapa do processo, visando reduzir passos e
movimentações desnecessárias.
 Automatizar o processo:
 Uso das dez estratégias para automação e melhoria de processos e estratégia de
migração para a automação.

Questão 1.15
O texto cita dez estratégias para automação e melhorias de processo. Identifique
cinco delas.
 Especialização das operações: uso de equipamentos projetados especificamente
para a execução de uma única operação com a maior eficiência possível.

 Operações combinadas: uma mesma máquina é responsável por mais de uma


operação, reduzindo assim o número de máquinas necessárias.

 Operações simultâneas: duas ou mais operações de processamento (ou


montagem) são executadas simultaneamente sobre a mesma peça, o que reduz o
tempo total de processamento.

 Integração das operações: envolve a ligação de diferentes estações de trabalho


em um único mecanismo integrado, utilizando dispositivos automatizados para
tratamento do trabalho na transferência das peças entre as estações.

 Aumento da flexibilidade: usa conceitos de manufatura flexível visando


a redução do tempo de programação e configuração da máquina de
produção (setup).

Questão 1.16
O que é uma estratégia de migração para automação? Estratégia de migração para a
automação é a forma como se deve implantar um sistema automatizado aos sistemas de
produção não automatizado de uma empresa, e para isso deve-se seguir alguns passos para que
seja facilitada essa tarefa como por exemplo, o princípio USA.

Questão 1.17
Quais são as três fases típicas de uma estratégia de migração para a automação?
Fase 1
 Produção manual
 Células únicas tripuladas trabalhando independentemente.
Vantagens: ferramentas que podem ser feitas rapidamente e a um baixo custo.

Fase 2
 Produção automatizada
 Células únicas automatizadas operando independentemente. Usadas na medida
em que a demanda de produção cresce e a automação pode ser justificada.
Fase 3
 Produção automatizada integrada
 Sistema automatizado multiestação com operações em série e transferência
automatizada das unidades de trabalho entre estações.

UNIDADE 1 – Slides
Questão 1
Precisamos das ferramentas de controle para realizar a automação de um
processo? Sim, devido as ferramentas de controle ter por objetivo analisar, monitorar e
controlar os processos produtivos.

Questão 2
Quais as características essenciais da automação de base microeletrônica que a permite
ser chamada de “automação flexível” mesmo em sistemas fixos? A capacidade de realizar
inúmeras tarefas de produção dependendo da programação que recebem.

Questão 3
Porque ela é considerada uma evolução nos sistemas de produção? Porque somente com o
desenvolvimento da base microeletrônica se tornou possível quebrar o esquema de automação
dedicada e não automação flexível. E permitiu que a geração de equipamentos pudesse ter
sistemas ativos capazes de corrigir seus próprios erros.

Questão 4
Dados os sistemas, ESTOQUE FINAL x TAXA DE PRODUÇÃO e INVESTIMENTOS
x VENDAS, qual deles possui realimentação negativa?

Estoque final x Taxa de produção.


Porque na realimentação negativa é o resultado da diferença entre uma variável
manipulada e variável controlada.

Questão 5
Quais podem ser os ganhos com a automação? Do que eles dependem? Vantagens
de facilidade e rapidez auferidas no planejamento da produção quando do uso da automação.
Tendências das indústrias discretas se tornarem contínuas com o uso da automação
flexível. Dependem de um sistema otimizado, eficaz e também da colaboração de cada
funcionário para poder se tornar possível.

Questão 6
Em quais situações se pode/deve utilizar a automação? E quais não se deve?
Diversas situações nas quais é preferível o trabalho manual á automação podem ser
listados:
 A tarefa é tecnologicamente muito difícil de ser automatizada;
 O ciclo de vida do produto é curto;
 O produto é customizado;
 A demanda passa por altos e baixos;
 É preciso reduzir de falhas nos produtos;
 Falta de capital;
 Mesmo que todos os sistemas de produção da fábrica sejam automatizados,
ainda será necessário que os seguintes tipos de trabalho sejam executados;
 Manutenção de equipamento;
 Programação e operações de computadores;
 Trabalho de engenharia de projetos;
 Gerenciamento da fábrica.

Questão 7
O que cabe ao homem? O que cabe à máquina?
Homem
 Percebem estímulos inesperados;
 Desenvolvem novas soluções para problemas;
 Lidam com problemas abstratos;
 Adaptam-se as mudanças;
 Generalizam a partir de observações;
 Aprendem com a experiência;
 Tomam decisões difíceis com base em dados incompletos.
Máquina
 Executam tarefas repetitivas de forma consistente;
 Armazenam grandes volumes de dados;
 Recuperam dados da memória de forma confiável;
 Executam diversas tarefas simultaneamente;
 Aplicam muitas força e potência;
 Executam cálculos simples com rapidez;
 Tomam decisões rotineiras rapidamente.

Questão 8
Quando, como e porque os controles falham? Falham quando ocorrem erros
denominados aberrações. Podem ser fraturas de um pino, explosões em uma linha hidráulica,
ruptura de válvula de pressão.
Bem como erro humano, na programação de controle ou nas configurações inadequadas
de fixação. Podem acontecer porque o material escolhido não foi de qualidade, houve erro no
projeto ou o operador que executou as funções errou ou estava pouco preparado para a função.

Questão 9
Até onde são confiáveis? O que fazer na falha de controlador? São confiáveis até
quando possam acontecer situações de perigo que ameaçam a segurança de trabalhadores e do
próprio sistema que o cerca. Se houver falha, provavelmente, o erro não foi antecipado na
elaboração do projeto, o subsistema de detecção de erros não poderá detectá-lo e identifica-lo
corretamente.

UNIDADE 2 – LÓGICA FUZZY


2.1 Estudo de Caso: Aumento da geração de energia através da redução de consumo
específico dos turbogeradores - I.Sistems
A ATVOS, é uma das maiores produtoras de etanol (anidro e hidratado), açúcar e
bioenergia do país, atualmente sendo a 2ª maior produtora de etanol e a 2ª maior produtora de
energia partir de biomassa do Brasil. Na safra 2016-2017, o grupo atingiu recorde interno de
exportação de energia, com cerca de 2,2 mil GWh. Ainda nesta safra, a receita líquida da
empresa atingiu um valor R$ 4,4 bilhões, um crescimento de cerca de 20% em relação à safra
anterior.

2.2 Desafio
A geração de energia elétrica em uma usina de cana de açúcar se dá através de um
processo chamado de cogeração, o qual visa aproveitar o máximo possível que a matéria prima
tem de capacidade energética. A cana é moída no início do processo produtivo e o bagaço,
subproduto da moagem, é queimado nas caldeiras para geração de vapor (fonte energética para
as demais etapas do processo). Esta queima gera vapor de alta pressão, que, por sua vez, é
aproveitado para geração de energia elétrica nos turbo geradores da unidade. Após a geração
de energia, o vapor residual, é utilizado nas demais etapas produtivas de açúcar/etanol.

2.3 Critérios de operação do processo


As etapas produtivas de açúcar/álcool necessitam de vapor com determinada qualidade
e estabilidade. Este vapor é gerado através da cogeração, portanto, é necessário mantê-la estável
e bem controlada, a fim manter a qualidade do produto final. Para garantir um funcionamento
ótimo dos geradores, é necessário que o vapor admitido esteja em uma dada condição ótima de
temperatura e pressão. O controle de pressão do vapor é dado pela manipulação da alimentação
das caldeiras, enquanto o da temperatura é através da atuação no dessuperaquecedor, que visa
evitar que o vapor ultrapasse uma temperatura limite de segurança. O vapor proveniente dos
geradores (vapor de escape) é utilizado na evaporação, cuja primeira etapa gera vapor vegetal,
em sequência utilizado tanto nas próximas etapas do tratamento de caldo, quanto na destilação
(produção de etanol).

2.4 Desafios para implantação de estratégia de controle


O desafio de se manter a qualidade do vapor se dá por três motivos:
 As variações nas características da matéria-prima (umidade, teor de fibras, teor
de impurezas) afetam diretamente a quantidade de calor gerada na queima do
mesmo;
 Variações bruscas na geração de energia impactam rapidamente na pressão do
vapor produzido. Estas variações podem ocorrer frequentemente, devido a
variações no processo, na qualidade da cana
 Há uma diferença na dinâmica de resposta do sistema, a depender do patamar de
produção de vapor das Caldeiras
Todas estas particularidades tornam a estratégia de controle automático tradicional
(PID) insuficiente para manter uma qualidade estável do vapor. Até mesmo com um PID bem
sintonizado são necessárias diversas intervenções dos operadores, que, com sua experiência,
conseguem manter o vapor num patamar de operação dentro da faixa de operação necessária,
mas com oportunidades de melhorias. Além disso, o controle manual do setpoint de geração
deixa lacunas de otimização que podem ser preenchidas através do controle baseado em lógica
Fuzzy fornecido pelo Leaf.

2.5 A solução
O Leaf controla automaticamente, de maneira integrada, tanto o setpoint de geração,
quanto a alimentação das caldeiras e os dessuperaquecedores, buscando uma maior estabilidade
operacional, e assim uma melhor qualidade do vapor, a fim de evitar variações bruscas. Este
aumento de estabilidade permite a operação das caldeiras em um patamar ótimo de qualidade
de vapor, com o objetivo de levar os geradores para as condições ideais de operação.

2.6 Os resultados
Utilizando o controlador Fuzzy, proporcionou-se uma redução de 39% na variabilidade
da temperatura de admissão dos geradores, e de 30% na pressão de admissão. Através deste
aumento de estabilidade, e do uso do otimizador de Setpoint presente no Leaf, proporcionou-se
um ganho de rendimento de 0,65% no consumo específico de vapor (MW/t vapor), e de 2,1%
na geração bruta de energia, representando um benefício de cerca de 11101 MWh/ano.
Essas melhorias geraram ganhos em produção de energia em mais de 11000 MWh/ano.
UNIDADE 3 – CAPÍTULOS 4 E 5
Questão 4.1
O que é automação? Automação pode ser definida como a tecnologia na qual um
processo ou procedimento é alcançado sem assistência humana. É realizada quando se utiliza
de um programa de instruções combinado a um sistema de controle que executa as instruções.
Também pode ser definida como o conjunto de técnicas por meio das quais se constroem
sistemas ativos capazes de atuar com uma eficiência ótima pelo uso de informações recebidas
do meio sobre o qual atuamos.

Questão 4.2
Quais são os três elementos básicos que compõem um sistema automatizado?
1) Energia para concluir os processos e operar o sistema
2) Um programa de instruções que direcione os processos
3) Um sistema de controle que execute as instruções

Questão 4.3
Qual a diferença entre um parâmetro de processo e uma variável de processo?
Os parâmetros do processo são entradas do processo. Por exemplo: a configuração da
temperatura de um forno, o valor do eixo coordenado em um sistema de posicionamento, a
válvula aberta ou fechada em um sistema de fluxo de fluidos e o motor ligado ou desligado.
Alterações nos valores dos parâmetros do processo podem ser contínuas (alterações graduais
durante uma etapa do processo, por exemplo, o aumento gradual da temperatura durante um
ciclo de tratamento térmico) ou discretas (mudanças de estado, ligado ou desligado por
exemplo). Já as variáveis de processo, são as saídas do processo, por exemplo, a temperatura
atual de um forno, a posição atual de um eixo, a velocidade rotacional do motor e etc.. Os
parâmetros do processo são identificados por variáveis de processo.

Questão 4.5
Qual a diferença entre um sistema de controle de malha fechada e uma de malha
aberta?
Os sistemas de controle de malha fechada, também conhecido como sistema de controle
por realimentação, são sistemas nos quais se estabelece uma relação de comparação entre a
saída e a entrada de referência e se utiliza esta diferença como meio de controle (qualquer
diferença entre um parâmetro de entrada e uma variável de saída é utilizada para fazer com que
a saída esteja em conformidade com a entrada).
Já em um sistema de controle de malha aberta, o sinal de saída não exerce
nenhuma influência ou ação sobre o sistema, é um sistema que opera sem uma malha por
realimentação. Portanto, não há comparação entre o valor de saída e o parâmetro de entrada
desejado e esta é a diferença entre os dois sistemas.

Questão 4.9
Identifique os cinco níveis de automação em uma fábrica?
 Nível do dispositivo: é o nível mais baixo na hierarquia de automação. Inclui
atuadores, sensores e outros componentes de hardware incluídos no nível da
máquina. Os dispositivos são combinados em loops individuais de controle.

 Nível da máquina: nesse nível, as funções de controle incluem a execução da


sequência de etapas no programa de instruções na ordem correta e a certificação
de que cada etapa foi adequadamente executada.

 Nível da célula ou da máquina: opera sob as instruções do nível da fábrica. Uma


célula ou sistema de produção é um grupo de máquinas ou estações de trabalha
conectadas e apoiadas por um sistema de manuseio de materiais, um computador
ou outro equipamento apropriado ao processo de produção. As linhas de
produção estão incluídas nesse nível. As funções incluem a expedição da peça e
o carregamento da máquina, a coordenação das máquinas com os sistemas de
manuseio de materiais e a coleta e avaliação dos dados de inspeção.
 Nível da fábrica: é o nível da fábrica ou da produção. Recebe instruções do
sistema de informações corporativas e as traduz em planos operacionais para a
produção. Funções semelhantes incluem processamento de pedidos,
planejamento de processos, controle de estoque, aquisição, planejamento de
requisitos de materiais, controle do chão de fábrica e controle de qualidade.

 Nível do empreendimento: é o nível mais alto, formado pelo sistema de


informações corporativas. Se preocupa com todas as funções necessárias ao
gerenciamento da empresa: marketing e vendas, contabilidade, projeto,
pesquisa, planejamento agregado e controle de qualidade.

Questão 5.1
O que é controle industrial? Controle industrial é definido como a regulação
automática das operações da unidade e de seus equipamentos associados bem como a integração
e a coordenação dessas operações no sistema de produção maior.

Questão 5.2
Qual a diferença entre variável contínua e variável discreta?
Variável Contínua mantém ininterrupta conforme o tempo procede durante a operação
de produção. Pode assumir qualquer valor dentro de um determinado intervalo, não sendo
restrita a um conjunto discreto de valores. Ex: Força, temperatura, vazão, pressão e velocidades
aplicadas em dado processo de produção são contínuas no tempo durante o processo e podem
assumir qualquer número de infinitos valores possíveis em um intervalo.
Variável Discreta: Pode assumir apenas certos valores em um dado intervalo. Ex: Tipo
binário que pode assumir um de dois valores possíveis, ligado ou desligado, aberto ou fechado,
motor ligado ou desligado, peça de trabalho ausente ou presente em uma instalação.

Questão 5.4
Qual a diferença entre sistema de controle contínuo e sistema de controle discreto?
Controle contínuo: variáveis e parâmetros são contínuos e analógicos.
Controle discreto: variáveis.

Questão 5.6
O que é controle adaptativo?
O controle adaptativo é uma forma autocorretiva de controle otimizado que inclui o
controle por retroalimentação.

Questão 5.7
Quais são as três funções do controle adaptativo?
Função de identificação: O valor atual do índice de desempenho do sistema é
determinado com base em medidas coletadas do processo. Como o ambiente sofre alterações
com o tempo, o desempenho do sistema também muda. Assim, a função de identificação deve
ser completada de forma mais ou menos contínua durante o tempo em que o sistema estiver
operando.
Função de decisão: Uma vez que o desempenho do sistema foi determinado, a próxima
função é decidir quais mudanças devem ser feitas para aumentá-lo. A função de decisão é
implementada por meio do algoritmo programado do sistema adaptativo. Dependendo desse
algoritmo, a decisão pode ser de mudar um ou mais parâmetros de entrada para o processo,
alterar algum dos parâmetros internos do controlador ou fazer outras alterações.
Funções de modificação: A terceira função do controle adaptativo é implementar a
decisão. Se de um lado a decisão é uma função lógica, de outro a modificação diz respeito a
mudanças físicas no sistema, envolvendo hardware em vez de software. Na modificação, os
parâmetros do sistema ou as entradas de processo são alterados usando-se atuadores disponíveis
para conduzir o sistema a um estado mais otimizado.

Questão 5.11
O que é um Inter travamento? Quais são os dois tipos de Inter travamentos no
controle industrial?
Inter travamento é um mecanismo de segurança para a coordenação de atividades de
dois ou mais dispositivos, prevenindo a interferência de um com outro. Em um processo o Inter
travamento oferecem os meios pelos quais o controlador é capaz de sequenciar as atividades
em uma célula de trabalho, garantindo que as ações de um equipamento sejam completadas
antes que o próximo equipamento reinicie sua atividade.
Inter travamento de entrada: Sinal que se origina em um dispositivo externo

Questão 5.14
O que é controle digital direto (DDC), e porque ele não é mais usado nas aplicações
de controle de processos industriais?
É um sistema de controle de processos por computador em que certos componentes de
um sistema de controle analógico convencional são substituídos pelo computador digital. A
regulação do processo é realizada pelo computador em uma base de tempo compartilhado e
com uma amostragem de dados em vez de vários componentes analógicos individuais
trabalhando de forma contínua e dedicada.

Questão 5.16
O que é um sistema de controle distribuído?
É o sistema que conecta vários computadores para compartilhar e distribuir a carga de
trabalho do controle de processos.