You are on page 1of 70

Alysson Luiz Freitas de Jesus

História do Brasil
Colônia ii

1ª EDIÇÃO ATUALIZADA

Montes Claros/MG - 2014


Copyright ©: Universidade Estadual de Montes Claros
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES

REITOR CONSELHO EDITORIAL


João dos Reis Canela Ângela Cristina Borges
Arlete Ribeiro Nepomuceno
VICE-REITORA Betânia Maria Araújo Passos
Maria Ivete Soares de Almeida Carmen Alberta Katayama de Gasperazzo
César Henrique de Queiroz Porto
DIRETOR DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÕES Cláudia Regina Santos de Almeida
Humberto Velloso Reis Fernando Guilherme Veloso Queiroz
Jânio Marques Dias
EDITORA UNIMONTES Luciana Mendes Oliveira
Conselho Consultivo Maria Ângela Lopes Dumont Macedo
Antônio Alvimar Souza Maria Aparecida Pereira Queiroz
César Henrique de Queiroz Porto Maria Nadurce da Silva
Duarte Nuno Pessoa Vieira Mariléia de Souza
Fernando Lolas Stepke Priscila Caires Santana Afonso
Fernando Verdú Pascoal Zilmar Santos Cardoso
Hercílio Mertelli Júnior
Humberto Guido REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA
José Geraldo de Freitas Drumond Carla Roselma Athayde Moraes
Luis Jobim Waneuza Soares Eulálio
Maisa Tavares de Souza Leite
Manuel Sarmento REVISÃO TÉCNICA
Maria Geralda Almeida Karen Torres C. Lafetá de Almeida
Rita de Cássia Silva Dionísio Káthia Silva Gomes
Sílvio Fernando Guimarães Carvalho Viviane Margareth Chaves Pereira Reis
Siomara Aparecida Silva
DESIGN EDITORIAL E CONTROLE DE PRODUÇÃO DE CONTEÚDO
Andréia Santos Dias
Camila Pereira Guimarães
Camilla Maria Silva Rodrigues
Fernando Guilherme Veloso Queiroz
Magda Lima de Oliveira
Sanzio Mendonça Henriiques
Wendell Brito Mineiro
Zilmar Santos Cardoso

Catalogação: Biblioteca Central Professor Antônio Jorge - Unimontes


Ficha Catalográfica:

2014
Proibida a reprodução total ou parcial.
Os infratores serão processados na forma da lei.

EDITORA UNIMONTES
Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro
s/n - Vila Mauricéia - Montes Claros (MG)
Caixa Postal: 126 - CEP: 39.401-089
Correio eletrônico: editora@unimontes.br - Telefone: (38) 3229-8214
Ministro da Educação Diretora do Centro de Ciências Biológicas da Saúde - CCBS/
José Henrique Paim Fernandes Unimontes
Maria das Mercês Borem Correa Machado
Presidente Geral da CAPES
Jorge Almeida Guimarães Diretor do Centro de Ciências Humanas - CCH/Unimontes
Antônio Wagner Veloso Rocha
Diretor de Educação a Distância da CAPES
João Carlos Teatini de Souza Clímaco Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - CCSA/Unimontes
Paulo Cesar Mendes Barbosa
Governador do Estado de Minas Gerais
Alberto Pinto Coelho Júnior Chefe do Departamento de Comunicação e Letras/Unimontes
Mariléia de Souza
Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
narcio Rodrigues da Silveira Chefe do Departamento de Educação/Unimontes
Andréa Lafetá de Melo Franco
Reitor da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
João dos Reis Canela Chefe do Departamento de Educação Física/Unimontes
Rogério Othon Teixeira Alves
Vice-Reitora da Universidade Estadual de Montes Claros -
Unimontes Chefe do Departamento de Filosofia/Unimontes
Maria ivete Soares de Almeida Ângela Cristina Borges

Pró-Reitor de Ensino/Unimontes Chefe do Departamento de Geociências/Unimontes


João Felício Rodrigues neto Anete Marília Pereira

Diretor do Centro de Educação a Distância/Unimontes Chefe do Departamento de História/Unimontes


Jânio Marques dias Francisco Oliveira Silva
Jânio Marques dias
Coordenadora da UAB/Unimontes
Maria Ângela Lopes dumont Macedo Chefe do Departamento de Estágios e Práticas Escolares
Cléa Márcia Pereira Câmara
Coordenadora Adjunta da UAB/Unimontes
Betânia Maria Araújo Passos Chefe do Departamento de Métodos e Técnicas Educacionais
Helena Murta Moraes Souto

Chefe do Departamento de Política e Ciências Sociais/Unimontes


Carlos Caixeta de Queiroz
Autor
Alysson Luiz Freitas de Jesus
Doutor em História Social – USP.
Mestre em História Social e Cultural – UFMG.
Departamento de História – Unimontes.
E-mail: alflu- iz@yahoo.com.br
Sumário
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Unidade 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
A sociedade colonial: trabalho, cultura e economia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.2 A estrutura da sociedade: um panorama geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.3 A colônia no mundo rural e no mundo urbano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

1.4 As dinâmicas, o “antigo regime nos trópicos” e as diferenças regionais . . . . . . . . . . . 21

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Unidade 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
A mineração e o sistema colonial no século XVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

2.2 A economia mineratória, as relações sociais e o papel de Minas Gerais . . . . . . . . . . . 27

2.3 O ouro e a sociedade escravista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

2.4 O ouro, a administração colonial portuguesa e o início das contradições do sistema


colonial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Unidade 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
A crise do antigo sistema colonial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .41

3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

3.2 Liberdade, liberdade, liberdade... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

3.3 As revoltas nativistas e o sistema colonial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

3.4 As conjurações, a crise do sistema colonial e os exemplos da Inconfidência Mineira e


da conjuração baiana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

3.5 Tiradentes: uma liberdade, ainda que tardia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Unidade 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
A crise do estado português e a falência dosistema colonial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

4.2 Portugal, Inglaterra, Brasil, Napoleão... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53


4.3 A família real no Brasil: burocracia, poder, história e ficção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

4.4 O significado da independência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

Referências básicas, complementares e suplementares . . . . . 65

Atividades de Aprendizagem- AA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
História - História do Brasil Colônia II

Apresentação
Prezado(a) Acadêmico(a):
A disciplina História do Brasil Colônia II é um dos principais temas para a formação do pes-
quisador e professor de História. A disciplina História tem as suas particularidades e suas sub-
divisões. É a partir destas que você poderá compreender a disciplina em sua totalidade, pois a
separação em diversas etapas da história permite compreender os processos sociais, políticos,
econômicos e culturais que caracterizam a História em seus diversos tempos.
Você, enquanto historiador e professor, perceberá que a disciplina História do Brasil Colônia
II será de suma importância para a compreensão não apenas da História do Brasil, como também
da formação de toda a era moderna.
Além disso, o estudo do período colonial brasileiro é uma oportunidade temática de repen-
sar valores, culturas e práticas políticas dos homens do passado, neste caso, do passado colonial.
Essa é, indiscutivelmente, uma das grandes questões que você deve ter em mente enquanto his-
toriador e professor de História, já que ela norteia a teoria e a prática da sua formação acadêmica,
conforme você observou desde o início do seu curso.
Os objetivos desta disciplina são muito claros, e podem ser pensados a partir dos seguintes
aspectos:
• Analisar as relações sociais que se deram na colônia, bem como a estruturação da sociedade
nos trópicos;
• Repensar a dinâmica na economia mineratória e o papel de Minas Gerais no sistema colo-
nial;
• Compreender a crise do antigo regime e as contradições vivenciadas na colônia;
• Avaliar as revoltas sociais e políticas que se deram na América Portuguesa, culminando na
efetivação da crise do sistema colonial;
• Analisar a chegada da família real no Brasil como elemento de desgaste final das relações
Brasil-Portugal.

Tendo isso em mente, este material foi produzido e Dividido em quatro grandes unidades.
Na primeira unidade, intitulada “A sociedade colonial: trabalho, cultura e economia”, procu-
ra-se fazer o panorama geral das relações sociais e culturais que se passaram na colônia, ao longo
dos três séculos.
A unidade 2 analisa as relações sociais, políticas e econômicas da região das Minas, procu-
rando compreender como a região foi, ao mesmo tempo, um dos momentos de fortalecimento
da administração portuguesa e, por conseguinte, espaço propício para os desgastes e contradi-
ções do sistema colonial.
A terceira unidade, “A crise do antigo sistema Colonial”, objetiva analisar como o final do sé-
culo XVIII foi responsável por revelar as maiores contradições externas e internas do regime colo-
nial, culminado em eventos como a Inconfidência Mineira.
Por fim, a última unidade procura relacionar a vinda da família real para o Brasil com o efeti-
vo desgaste do poder de Portugal sobre a colônia, buscando compreender como se deu o nosso
processo de independência.
Você perceberá, portanto, que esta disciplina será fundamental para todo o seu curso. Nas
demais disciplinas de História do Brasil, é imprescindível que você identifique criteriosamente
como se deu o nosso passado colonial, bem como as metodologias para o ensino de História do
Brasil Colônia II.
O texto está estruturado a partir do desenvolvimento das unidades e subunidades. Você de-
verá perceber que as questões para discussão e reflexão são muito importantes e acompanham
o texto, bem como as sugestões para transitar do ambiente de aprendizagem aos sites, para
acessar bibliotecas virtuais na web, etc.
As sugestões e dicas estão localizadas junto ao texto, aparecendo com os respectivos íco-
nes. A leitura dos textos complementares indicados, também, é importante, pois eles indicam os
possíveis desenvolvimentos e ampliações para o estudo e a discussão.
São recursos que você pode explorar de maneira eficaz, pois buscam promover atividades
de observação e de investigação que permitem desenvolver habilidades próprias da análise so-
ciológica e exercitar a leitura e a interpretação de fenômenos sociais e culturais.

9
UAB/Unimontes - 3º Período

Ao planejar esta disciplina, consideramos que essas questões e sugestões seriam fundamen-
tais, de forma a familiarizar o acadêmico, gradativamente, com a visão e procedimentos próprios
da disciplina.
Agora é com você. Explore tudo, abra espaços para a interação com os colegas, para o
questionamento, para a leitura crítica do texto, bem como para as atividades e leituras comple-
mentares.

Bom estudo!
Alysson Luiz Freitas de Jesus

10
História - História do Brasil Colônia II

Unidade 1
A sociedade colonial: trabalho,
cultura e economia

1.1 Introdução
O estudo das relações sociais na América Portuguesa permite compreender parte da nossa
formação colonial. O Brasil foi, sem sombra de dúvida, uma das maiores empreitadas coloniais da
história, constituindo-se na principal colônia portuguesa até o final do século XVII.
As relações de trabalho, as manifestações culturais e as formas político-econômicas que se
deram na sociedade colonial são os principais objetivos desta unidade inicial.
A colônia se estruturou a partir de várias dinâmicas, entre as quais o universo rural e o uni-
verso urbano, bem como as inúmeras diferenças regionais que se deram em todo o território co-
lonial. Analisar essas dinâmicas e estruturas sociais é o nosso objetivo central neste momento.
Nesse sentido, esta unidade está dividida nos seguintes tópicos:
• A estrutura da sociedade: um panorama geral;
• A colônia no mundo rural e no mundo urbano;
GLOSSÁRIO
• As dinâmicas, o “antigo regime nos trópicos” e as diferenças regionais.
Endogamia: casamen-
to entre indivíduos do
mesmo grupo,seja este

1.2 A estrutura da sociedade: um definido com base em


parentesco, residência,
território, classe, casta,

panorama geral
etnia, língua, seja por
qualquer outro critério.
Família patriarcal:
relativo à concentração
de poder e de prestígio
Os objetivos da colonização, que privilegiavam a grande propriedade, implicaram, também, na figura do patriarca.
na outorga de autoridade delegada para comandar os moradores, ficando a seu cargo a ocupa-
ção e a defesa da terra.
O povoamento frágil não criou condições para a ação comunitária de famílias ou grupos em
projetos comuns. Os grandes proprietá-
rios, com os parentes indígenas de suas
concubinas, seus bastardos e alguns
aventureiros europeus foram, então, os ◄ Figura 1: Senhor de
responsáveis pela expansão do povoa- engenho e família
mento. Fonte: Disponível em
http://www.azza.blo-
A posterior formação de família gspot.com. Acesso em:
legal pelo proprietário não resultou no 01/07/2009
desaparecimento ou exclusão daquela
família parentela, constituída pelas con-
cubinas indígenas, seus bastardos e pa-
rentes que constituíram o clã rural, ao
qual se devem acrescentar os escravos
negros.
A endogamia, quase uma neces-
sidade na fase inicial, tornou-se um
costume consagrado, fosse por razões
econômicas, como o desejo de não di-
vidir a propriedade, fosse por precon-

11
UAB/Unimontes - 3º Período

ceito racial. Ela é o elemento fundamental para


ATIVIDADE a consolidação dos chamados “clãs parentais”,
em que grandes famílias dominavam uma de-
Faça uma pesquisa na
Internet sobre o pro- terminada região, sob a chefia inconteste do
cesso de miscigenação patriarca (VIANA, 1974, p. 207).
entre índios, negros e O fato de que, no âmbito geral da socieda-
portugueses no Brasil, de, principalmente nas camadas inferiores de
durante o período
agregados, moradores, jornaleiros, pequenos
colonial, procurando
pesquisar de onde lavradores, vaqueiros, o casamento foi uma ra-
vieram os africanos ridade, predominando as uniões transitórias
que chegaram ao Brasil ou mesmo permanentes, mas não legitimadas,
e as principais tribos representava mais um elemento de superiori-
indígenas que aqui
dade social do grande proprietário. Ainda que
habitavam.
este fosse o cúmplice e agente da desagrega-
ção familiar de seus escravos e dependentes,
Figura 2: Jesuítas e ► pela exploração sexual que fazia na pessoa de
padres na colônia suas filhas e companheiras, a estabilidade do-
Fonte: Disponível em méstica que ostentava lhe dava, ainda, aquela
maniadehistoria.word- superioridade moral advinda do cumprimento
press.com. Acesso em:
01/07/2009 das exigências do cristianismo.
Se, por um lado, os bastardos eram margi-
nalizados e discriminados; por outro, a tradição
ibérica, acentuada pelas contingências locais, tendia à aceitação bastante comum daqueles bas-
tardos que, reconhecidos ou não, recebessem a proteção de seus pais ou parentes. A falta de pre-
conceitos para com a bastardia, em si, fica evidenciada no caso dos filhos de padres que foram
uma ocorrência comum na sociedade brasileira. Enquanto uns disfarçavam seus rebentos sob o
título de “afilhados”, outros os criavam às claras, em sua companhia, recebendo muitas vezes cui-
dadosa educação e bens herdados, que lhes permitiam integração total na boa sociedade local
(FREYRE, 1977, p. 446-7).

GLOSSÁRIO
Estamento (ou Esta-
mental): Estado em
que pode cada um sub-
sistir ou permanecer.
Assembleia, congresso,
parlamento.

Figura 3: Jesuítas e ►
padres na colônia
Fonte: Disponível em
http://www.mundo-
educacao.com.br/.../
jesuitas.htm. Acesso em:
01/07/2009

Autores como Gilberto Freyre e Antonio Candido ressaltaram a importância da família como
“organização fundamental do período colonial, produção, administração, defesa e status social
do indivíduo sendo dependente disto” (FREYRE, 1977 p.181).
A sociedade colonial deve ser, pois, analisada à luz dessa organização baseada na grande
propriedade particular, no trabalho escravo de indígenas e africanos e na miscigenação inevitá-
vel pela falta inicial de mulheres brancas e pelas tentações do poder absoluto do senhor sobre
servas submissas.

12
História - História do Brasil Colônia II

Por força das necessidades da colonização, o gran-


de proprietário teve sua autoridade natural sobre de-
pendentes e vizinhos reforçada pela legislação que lhe
concedia o monopólio dos cargos municipais, as pa-
◄ Figura 4: Nobre
tentes militares com poderes de recrutamento e polícia
Fonte: Disponível em
sobre a população local, além de cargos burocráticos histoblogsu.blogspot.com.
de caráter lucrativo ou honorífico. Acesso em: 01/07/2009
A aparente simplicidade desse modelo não esgo-
ta, entretanto, a complexidade e a sutileza que resul-
tavam da formação de uma sociedade escravocrata,
superposta sobre a ibérica de tipo estamental - que já
se modificava sob o impacto das transformações da Era
Moderna.
Ainda é preciso não esquecer que a sociedade
ibérica, apesar de suas analogias com o resto da Euro- DICA
pa, apresentava peculiaridades oriundas do processo É importante lem-
histórico da Reconquista, da presença da escravidão brar que os próprios
europeus que aqui se
africana, da miscigenação racial e da existência de dis-
instalaram eram, já na
criminações legais contra considerável parte da popu- Europa, um povo mis-
lação, a saber, os “cristãos novos” (judeus convertidos), cigenado, o que torna
negros e mulatos. mais complexa a nossa
Um outro grupo social de enorme importância na miscigenação.
formação e funcionamento do sistema colonial era a
nobreza.
Comprovada a condição de nobreza, o indivíduo passava a gozar de seus privilégios, dos
quais lembramos como principais os que os isentavam de certos tributos, da obrigação de apre-
sentar soldados, de penas infamantes quando condenados, além de lhe darem melhores condi-
ções de prisão, processo e julgamento.

◄ Figura 5: Nobreza
Fonte: Disponível em
bloggdehistoria.blo-
gspot.com. Acesso em:
24/11/2010

Mas qual seria a condição básica para que um colono, português ou brasileiro, pudesse as-
pirar à condição de “nobre”? O autor Luis da Silva P. Oliveira inicia suas considerações a respeito
com sutil ironia, o que não diminui a veracidade das suas informações quando afirma:

Como os ricos ordinariamente se fazem às Dignidades da Igreja, aos Postos de


Milícia, aos Empregos da República, aos casamentos nobres, e tudo o que há
de mais honroso na sociedade, com razão se costuma dizer, que a riqueza pro-
duz o brilhantismo da Nobreza (OLIVEIRA, 1808, p. 120).

Eis aí um resumo correto dos caminhos de ascensão social na colônia. A documentação


municipal e a das confrarias e irmandades está repleta de referências a indivíduos “nobres”, que
“vivem nobremente” ou “vivem à lei da nobreza”. Existe uma constante preocupação com o re-
conhecimento desta qualidade que, como já vimos, abria as portas para o gozo do mais elevado

13
UAB/Unimontes - 3º Período

status social, além de garantir as posições de


mando e de influência.
Mas, em primeiro lugar, era preciso enri-
Figura 6: Elite colonial – ► quecer, e de forma menos degradante possível
senhor de engenho e, por isso, era importante abandonar, quanto
Fonte: Disponível em antes, nos primeiros estágios do processo de
http://www.portalsao-
francisco.com.br. Acesso ascensão social, qualquer atividade que lhe
em: 01/07/2009 trouxesse a mancha do trabalho manual ou do
comércio em retalho ou, como se dizia, “em loja
aberta”.
As condições sociais da colônia também
reservavam discriminações das mais variadas,
em especial no que se refere à situação de gru-
pos considerados inferiores.
A discriminação racial de que eram vítimas
negros, mulatos e “cristãos-novos” afastava-os
das posições que eram a marca da ascensão
DICA social. Mas, por outro lado, esta existia para alguns indivíduos que, com a posse de bens consi-
Você sabia que, mesmo deráveis, a aquisição de educação universitária, a obtenção de patente militar ou com a entrada
com todas as relações para o estado eclesiástico rompiam as barreiras e, para escândalo de muitos, ocupavam aquelas
de preconceito com posições que, como já vimos, implicavam nobilitação (KOSTER, 1941, p. 480).
o negro, ainda assim
era possível a escravos Para o negro e para o mulato, assim como para o branco pobre, além do trabalho manual
buscarem uma melhor em ofícios mecânicos ou do pequeno comércio, atividades que, como já vimos, eram degradan-
colocação na socieda- tes, só restava a vida militar onde, engajados espontaneamente à força, adquiriam pelo menos
de? posição social reconhecida.

Figura 7: Negros ►
trabalhando na colônia
Fonte: Disponível em
novahistorianet.blogs-
pot.com. Acesso em:
01/07/2009

A massa de escravos e marginalizados, formada por negros, mulatos e mamelucos ou ca-


boclos formava mais de dois terços da população, e a minoria branca tinha perfeita consciência
de que o seu domínio só era mantido por um delicado compromisso entre a repressão pronta e
violenta e as concessões paternalistas, que tanto impressionavam os observadores da sociedade
brasileira. Mesmo com todas as distinções sociais que se davam na América Portuguesa, um ele-
mento se faz importante: a questão da ascensão social.
O processo de ascensão social, coroado com a obtenção de ordens honoríficas ou patentes
militares, poucas vezes era completado em uma vida, pois, geralmente, apenas os filhos ou ne-
tos gozavam o sucesso cujas bases haviam sido lançadas pelos pais ou avós. Poderia ter come-
çado pela mancebia de uma escrava negra ou mulata com um branco que a alforriasse, ou com
um escravo que comprasse a liberdade, ou com um artífice enriquecido, mas o mais provável é
que começasse com um comerciante português que, à custa das mais implacáveis economias,
conseguira um cabedal considerável. Mas todos, para serem finalmente aceitos como membros
do grupo dominante, deviam adquirir terras e escravos, para se tornarem senhores de engenho,
criadores de gado ou fazendeiros de café ou, pelo menos, casar-se em família de proprietários de
terras.

14
História - História do Brasil Colônia II

Para os letrados, formados em leis por Coimbra, em Portugal, ou para funcionários mais gra-
duados que vinham de Portugal para “fazer a América”, existia o caminho bem mais fácil, o do
casamento com filhas de ricos proprietários, que muitas vezes procuravam “branquear a raça”, GLOSSÁRIO
mesmo pela união com um imigrante pobre. Cristãos-novos: Cris-
tão-novo ou converso
era a designação dada
em Portugal, Espanha
e Brasil aos judeus e
muçulmanos conver-
tidos ao cristianismo,
em contraposição aos
cristãos-velhos.

◄ Figura 8: Letrados ou
intelectuais da época
Fonte: Disponível em
caferepublica.blog.com.
Acesso em 01/07/2009

Para todos aqueles que, pelas regras, valores e preconceitos predominantes seriam excluí-
dos, como era o caso dos cristãos-novos, negros, mestiços, oficiais mecânicos, mercadores de loja
aberta eram necessárias a cumplicidade, a tolerância ou a proteção da sociedade para que pu-
dessem infiltrar-se nos círculos proibidos.
É interessante lembrar, por fim, o importante papel do Estado como poder que sancionava
ou rompia as regras do processo da mobilidade e que, em larga medida, dirigia a evolução da
sociedade colonial, segundo seus objetivos de máximo aproveitamento dos recursos locais e ma-
nutenção da ordem. ATIVIDADE
Pesquise sobre o
Estado Português entre

1.3 A colônia no mundo rural e no


os séculos XIV e XVII,
procurando compreen-
der como Portugal era
uma força política na

mundo urbano época.

A dinâmica do funcionamento colonial revela aspectos bem interessantes. É importante no-


tarmos que, mesmo com todas as questões levantadas acima, torna-se fundamental entender
que diferentes universos sociais, políticos e geográficos implicam diversas formas de relações,
como foi o caso do sistema colonial brasileiro.

15
UAB/Unimontes - 3º Período

GLOSSÁRIO
Agregado: Criado, ser-
viçal. Aquele que vive
em fazenda ou enge-
nho alheio, cultivando
certa porção de terra Figura 9: Mapa do ►
e prestando serviço ao Brasil no século XVI
proprietário alguns dias Fonte: Disponível em his-
por semana, mediante torianet.com.br. Acesso
remuneração; morador. em 01/07/2009

ATIVIDADE
Faça uma pesquisa
sobre o jesuíta Antonil
(André João Andreo-
ni) e as obras que ele
publicou, retratando
o funcionamento do
O Brasil é conhecido pela sua enorme condição territorial, o que nos mostra uma variedade
sistema colonial.
de formações sociais, a depender das regiões que se deram. Compreendê-las é fundamental para
um melhor entendimento do funcionamento da América Portuguesa, ao longo dos três séculos
de colonização.
No que se refere ao mundo rural, as vilas tornaram-se meros apêndices desertos e tristonhos
da grande propriedade e, se não desapareceram de todo, foi apenas porque a prudente políti-
ca metropolitana exerceu grande pressão no sentido de reunir os povoadores dispersos. Perce-
bendo as forças que atuavam na sociedade colonial, procurou conquistar pela persuasão os que
queriam viver entre os indígenas e punir com advertências ou multas os “homens-bons” que se
recusavam a participar das sessões das Câmaras e das procissões régias.
A largueza da hospitalidade rural, indispensável pela falta de instalações adequadas para os
viajantes, era um elemento a mais para o prestígio e força do proprietário. Era outra forma de
ostentar uma das qualidades estimadas pelo sentido aristocrático da vida - a capacidade de dar e
até de desperdiçar.
O triunfo da grande propriedade como unidade produtora e social não resultou, entretan-
to, na criação de uma classe genuinamente camponesa e, com certeza, foi responsável pelo seu
atrofiamento.

Figura 10: Latifúndios ►


no período colonial
Fonte: Disponível em
arteyartistas.word-
press.com. Acesso em
01/07/2009

16
História - História do Brasil Colônia II

◄ Figura 11: Grandes


fazendas no período
colonial
Fonte: Disponível empal-
ma1.no.sapo.pt .Acesso
em 01/07/2009

A impossibilidade de obter terras ou de conformar-se com o trabalho assalariado levava os


menos favorecidos a aceitarem a condição de agregados, categoria constantemente criticada pe-
los contemporâneos como preguiçosa, errante, suscetível e violenta, mas cujo desamparo e inse-
gurança foram identificados por Saint-Hilaire:

O único recurso que ao pobre cabe é pedir, ao que possui léguas de terra, a
permissão de arrotear um pedaço de chão. Raramente lhe é recusada tal licen- Figura 12: Senhor de
ça, mas, como pode ser cassada de um momento para o outro por capricho ou engenho
interesse, os que cultivam terreno alheio e chamam-se agregados só plantam Fonte: Disponível em enci-
grãos, cuja colheita pode ser feita em poucos meses, tais como o milho e o fei- clopedianordeste.com.br/
jão, não fazem plantações que só dêem ao cabo de longo tempo, como o café no va405.php. Acesso em:
(SAINT-HILAIRE, 1938, p. 39-40). 01/07/2009

Agregados ou moradores, além de suprirem a propriedade com algum excedente de
produtos de subsistência, prestavam serviços como garantir a posse pela sua mera pre-
sença, levar recados e, sobretudo, servir como homens de armas para a defesa ou vingan-
ça do senhor rural.
O isolamento do agregado, sem família para apoiá-lo, a inexistência de laços comu-
nitários com seus iguais, a ação do paternalismo do senhor rural estorvava a formação da
noção do interesse coletivo que levasse a uma atuação reivindicatória consciente.
Segundo Tollenare (1957), os moradores eram em geral mestiços de mulatos, negros
livres e índios que trabalhavam pouco e cujas mulheres eram vítimas da exploração se-
xual dos senhores de engenho, o que, por vezes, levava às vinganças sangrentas. Certo
senhor de engenho não se afastava mais de ¼ de légua de sua casa por temor aos “mora-
dores” que prejudicara (TOLLENARE, 1957, p. 95-96).
Enquanto os agregados ou moradores representam uma categoria social constante
em toda a colônia, tanto no campo como na cidade, as áreas açucareiras apresentavam
uma estratificação social mais complexa, com a presença de lavradores com diversos
graus de dependência do senhor de engenho e de artífices assalariados, além da massa
escrava.
A mais complexa descrição da economia e sociedade açucareiras do Nordeste pode ser en-
contrada na obra de Antonil, escrita na primeira década do século XVIII, mas cujas informações
são confirmadas por inúmeros cronistas e viajantes que o precederam e sucederam até a primei-
ATIVIDADE
ra metade do XIX.
Ao definir a posição do empresário rural, proprietário da unidade produtora de açúcar - o Faça uma pesquisa so-
bre as principais formas
engenho - com suas terras, escravos e instalações fabris, Antonil traça uma analogia com a no-
de castigo e violência
breza metropolitana, o que, como já vimos, não é descabido, dados os princípios estamentais de sofridas por escravos
que gozava. Assim dizia Andreoni: negros no Brasil.

O senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser
servido, obedecido e respeitado de muitos. E se fôr, qual deve ser, homem de
cabedal e govêrno, bem se pode estimar no Brasil o ser senhor de engenho,
quanto proporcionalmente se estimam os títulos entre os fidalgos do Reino
(ANDREONI, 1967, p. 139).

17
UAB/Unimontes - 3º Período

Figura 13: Vendas no ►


período colonial
Fonte: Disponível em
http://oglobo.globo.com.
Acesso em: 01/07/2009

As vantagens econômicas e sociais e o poder garantidos pela condição de senhor de enge-


nho explica porque tantos insistiam em erguer seus engenhos, mesmo quando não possuíam
cabedais e capacidade para mantê-los. Lavradores e comerciantes enriquecidos obtinham cré-
dito junto aos fornecedores de escravos e materiais para a construção do engenho, enquanto os
artífices se dispunham a erguê-lo, mediante pagamento posterior, assumindo uma dívida imensa
que as primeiras safras não conse-
guiam pagar.
Cronistas e memorialistas são
unânimes em destacar a importân-
cia da capacidade administrativa
do senhor de engenho, que deve-
ria patentear-se numa cuidadosa
economia e na habilidade diplomá-
tica no trato com fornecedores de
Figura 14: Escravo ► cana, vizinhos e dependentes.
negro Elemento onipresente na so-
Fonte: Disponível em
antigasternuras.blogs-
ciedade colonial, o escravo africa-
pot.com. Acesso em: no teve sua importância ressaltada
01/07/2009 na clássica definição: Os escravos
são as mãos e os pés do senhor de
engenho, porque sem eles no Bra-
sil não é possível fazer conservar e
aumentar a fazenda, nem ter enge-
nho corrente (ANDREONI, 1967, p.
159).
Desempenhando as mais di-
versas funções, desde as mais sim-
ples da lavoura, passando pelos
trabalhos domésticos e ofícios me-
cânicos até os de maior responsa-
bilidade, como purgador, mestre
de açúcar ou feitor, o escravo era
peça fundamental na economia do
engenho.

18
História - História do Brasil Colônia II

◄ Figura 15: Escrava negra


Fonte: Disponível em
blogtribuna.com.br. Aces-
so em: 01/07/2009

No entanto, os testemunhos contemporâneos são unânimes em lembrar a crueldade com


que eram tratados por seus senhores, que lhes negavam até alimento e vestuário, além de lhes
ATIVIDADE
infligir maus tratos e castigos constantes. Mesmo o costume de permitir o plantio de roças para si Faça uma pesqui-
mesmos nos domingos e feriados, tão exaltados por alguns viajantes e historiadores, nada mais sa sobre o viajante
Saint-Hilaire e sobre
era do que uma forma de poupar despesas com alimentos. outros viajantes que
O excesso de castigos levava à fuga, ao suicídio ou ao assassinato do senhor. Outra preocu- vieram para o Brasil e
pação aconselhada era a de não afastar o escravo do ofício em que estivesse treinado; do contrá- retrataram o cotidiano
rio, poderiam morrer de melancolia (ANDREONI, 1967, p. 160-2). colonial.

◄ Figura 16: A violência


na escravidão
Fonte: Disponível em
http://www.vetoradm.
com.br. Acesso em:
01/07/2009

Os mulatos eram considerados os escravos mais inteligentes e ativos, embora orgulhosos e


violentos. O maior perigo era a sua capacidade de insinuar-se até dominar seus senhores, o que
Antonil atribuía à parcela de sangue branco que possuíam, acrescentando: “O Brasil é o inferno
dos negros, purgatório dos brancos e paraíso dos mulatos e mulatas (ANDREONI, 1967, p. 160).

19
UAB/Unimontes - 3º Período

A tática de encorajar com certa consideração e, possivelmente, com algum trabalho mais es-
pecializado, os escravos que aprendessem o português e cumprissem algumas práticas católicas,
resultou na fervorosa adesão dos mesmos a muitas confrarias religiosas de negros e mulatos.
A região açucareira, que pouco mudou até os fins do século XIX, conheceu o modelo mais
estruturado de sociedade colonial e as variações regionais, ditadas por diferentes atividades pro-
dutivas, tenderam sempre à sua reprodução, desde que as condições permitissem.
A sociedade dos engenhos, que representa o tipo clássico mais hierarquizado e duradou-
ro de nossa história, foi característica das regiões açucareiras da Bahia, Pernambuco e capitanias
vizinhas. O desenvolvimento tardio da produção açucareira no Rio de Janeiro e em São Paulo,
onde só se intensificou no século XVIII, resultou em formas mais flexíveis e menos hierarquizadas.

GLOSSÁRIO Figura 17: O trabalho na ►


economia açucareira
Sertão: Zona pouco Fonte: Disponível em
povoada do interior do http://www.mundoedu-
Brasil, em especial do cacao.com.br. Acesso em:
interior semi-árido da 01/07/2009
parte norte-ocidental,
mais seca do que a caa-
tinga, onde a criação de
gado prevalece sobre
a agricultura, e onde
perduram tradições e
costumes antigos.
Sertanejo: Do sertão.
Que habita o sertão.
Rústico, agreste, rude.
Forros: Ex-escravos;
aqueles escravos que Entretanto, não apenas no mundo rural se deram as relações sociais na colônia. Outro im-
conseguiam a liberda- portante universo social e político foi fundamental para a organização da América Portuguesa: o
de, deixando a antiga mundo urbano.
condição de cativo. Entre os grupos sociais que compunham o espaço urbano, podemos enfatizar alguns. Os co-
merciantes são um exemplo importante.

Figura 18: As cidades ►


na colônia
Fonte: Disponível em
professorataniavieira.
blogspot.com. Acesso em
01/07/2009

ATIVIDADE
Faça uma pesquisa
sobre a formação da
pecuária na região sul
do Brasil e no norte de Acima dos artífices, achavam-se os comerciantes, cuja importância variava de acordo com o
Minas, e procure avaliar
as principais diferenças caráter e extensão das trocas que realizavam. Excluindo os escravos de ambos os sexos, que co-
dessa atividade econô- merciavam por conta de seus amos desde produtos agrícolas, animais, doces, salgados, refrescos,
mica nas duas regiões. carnes, até artigos manufaturados como tecidos e bordados, temos em lugar os pequenos mer-
cadores das vendas. Estas, que podiam estar instaladas também à beira das estradas, realizavam
um pobre comércio de produtos alimentícios, velas, fumo, cordas e aguardente de cana, todos
de origem local.

20
História - História do Brasil Colônia II

Os comerciantes eram, geralmente, de origem portuguesa come-


çando sua carreira como caixeiros de parentes ou contemporâneos que,
dificilmente, aceitavam brasileiros para essas funções.
Os Comerciantes começavam como humildes donos de vendas ou
mascates, economizando sem tréguas, ampliavam seus negócios, em-
prestavam a juro até enriquecer. Saint-Hilaire descrevia o processo:

Enquanto os brasileiros dissipam negligentemente


tudo quanto possuem, os europeus economizam
soldo a soldo, passando por todas as privações a
fim de conseguir fortuna. A primeira coisa que ar-
ranjam é uma negra, que sirva ao mesmo tempo
de cozinheira, amasia, lavadeira, arrumadeira e até
para carregar água e lenha, trabalho que os ameri-
canos só entregam a escravos homens (SAINT-HI-
LAIRE, 1938, p. 113).

Em meados do século XVIII, além de possuir lojas, os comerciantes


faziam transações em comissão com o Reino, a África, Minas Gerais e Ín-
dia, emprestavam dinheiro a juro e administravam contratos de rendas
reais. José Antônio Caldas classificava os comerciantes em cinco catego-
rias de acordo com suas posses, capacidade mercantil, matrícula como
negociante, natureza dos negócios, origem e destino das mercadorias
que enviavam (CALDAS, 1951, p. 525-533).
No processo de ascensão social, passo importante para os comer-
ciantes era tornar-se homem de negócio ou negociante de grosso trato,
deixando de servir aos fregueses no balcão, para fazer transações por
atacado e financiar atividades agrícolas ou comerciais.
O grande surto comercial que acompanhava a descoberta e explo-
ração do ouro reforçou, ainda mais, a posição dos negociantes em todas
as partes da colônia.
Ainda que os grupos urbanos continuassem em situação de inferio-
ridade frente aos rurais, ao findar o período colonial, um número consi-
derável de comerciantes portugueses partilhava das posições de mando
e se integrava na sociedade local.

1.4 As dinâmicas, o “antigo regime Figura 19: Comércio na


colônia
Fonte: Disponível em

nos trópicos” e as diferenças


http://www.eja.org .br.
Acesso em: 01/07/2009

regionais
DICA
O funcionamento do sistema colonial deu-se por meio de variadas dinâmicas, tendo em vis- É importante lembrar
ta que Portugal procurou estabelecer uma forte estrutura de poder sobre a colônia. Esta, por sua que as regiões do
vez, imprimiu um ritmo próprio de funcionamento, já que algumas características colocaram a sertão no Brasil foram
colônia em choque com a metrópole. realmente muito utili-
zadas para a pecuária,
Um dos elementos que tornava ainda mais dinâmica a relação entre Brasil e Portugal eram além do fato de que se
as diferenças regionais. A partir delas, é possível compreender como, aos poucos, o sistema colo- tornaram espaço para
nial foi se tornando inviável, mesmo que ainda não fosse possível romper os laços que uniam as variadas relações de
duas nações. violência.
Essas diferenças regionais nos permitem entender o quanto o Brasil se construiu por meio
de um universo plural e dinâmico, o qual chamamos de “Brasil Colônia”.

21
UAB/Unimontes - 3º Período

Figura 20: Minas ►


gerais na colônia –
diamantina (beco do
ATIVIDADE Mota)
Fonte: Disponível em
Pesquise sobre o Qui- http://www.cmpp.com.br.
lombo dos Palmares e o Acesso em: 02/07/2009
papel de Domingos Jor-
ge Velho na destruição
do mesmo.

Figura 21: Capitania de ►


Pernambuco
Fonte: Disponível em
http://pernambuco-
beat.com. Acesso em:
02/07/2009

Além da separação entre universo rural e urbano, percebemos outras relações sociais, eco-
nômicas e políticas, como foi o caso da pecuária e das relações sociais que se deram nos sertões
do Brasil.
Ainda que a sociedade colonial de quase todo o Brasil fosse baseada na grande propriedade
e no binômio senhor-escravo, a variação das atividades econômicas e das condições locais criou,
por vezes, condições para que surgissem relações de produção e estruturas sociais diferentes das
já descritas.
A formação social mais frequente e dispersa por todo o país, de norte a sul e pelo centro
-oeste, foi a que se ligava às atividades pastoris.

Figura 22: A pecuária ►


na colônia
Fonte: Disponível em
http://www.brasiles-
cola.com. Acesso em:
02/07/2009

22
História - História do Brasil Colônia II

Desde a instalação dos primeiros núcleos coloniais, ao lado da agricultura, surgiu a criação
de gado, que, encontrando condições ideais de expansão, viria a ser o suporte básico e motor do
povoamento do país.
Introduzido pelos donatários e governadores, o gado expandiu-se, de forma espontânea
ou organizada, a partir de três núcleos principais: São Vicente, Bahia e Pernambuco. Do planalto
paulista atingiu os Campos de Curitiba e os pampas do Rio Grande do Sul, onde, depois de pro-
pagarem-se como gado selvagem, caçado aos milhares por índios e brancos, apenas para apro-
veitamento do couro, tornou-se importante produto de subsistência no período da mineração.
Mais tarde, o gado sulino chegaria, também, ao Mato Grosso, onde a atividade pastoril viria a
subsistir, no fim do século colonial, à mineração decadente.

◄ Figura 23: Criação de


gado no sul do Brasil
Fonte: Disponível em
http://www.joelfmachado.
blogspot.com. Acesso em:
02/07/2009

A pecuária foi grande recurso dos que, não possuindo cabedal para adquirir escravos, nem
influência para obter sesmarias, encontraram uma atividade que lhes permitia, em alguns anos,
obter alguma estabilidade econômica ou, até mesmo, ascensão social. Ali, predominou o traba-
lho livre de elementos mais ou menos marginalizados pela economia escravista que, como assa-
lariados ou associados dos fazendeiros, conseguiram, por sua vez, ter sua própria fazenda, sem
necessidade de capital inicial.
Na fase inicial da implantação, dificilmente o fazendeiro possuía capitais para a aquisição de
escravos, além do fato de que as condições de vida e trabalho no sertão, com perigo de animais
ferozes, ataques indígenas, assaltos de criminosos fugidos, exigia uma participação mais interes-
sada dos trabalhadores. O vaqueiro foi o tipo social básico do sertão.
Os sertanejos eram, geralmente, mulatos, mamelucos, pretos forros e índios mansos, que
encontravam nesta atividade um modo de vida áspero, mas livre de controles e castigos, além
da esperança da ascensão social. Por isso, atraiu os marginalizados do litoral, que para lá fugiam,
por razões econômicas ou para escapar à justiça por crimes cometidos. Essa circunstância, aliada
às necessidades de lutas contra os índios e ao abandono a que foi relegada a região pelas autori-
dades metropolitanas, por largo tempo, deu origem à violência costumeira do sistema de justiça
privada.
O homem do sertão aprendia a defender-se de todos os perigos e a fazer frente à justiça
com as próprias mãos, criando um código de honra próprio, em que os agravos e disputas eram
resolvidos no âmbito particular, com auxílio de familiares e dependentes.
Na região de São Paulo e suas vilas, percebemos um grupo social de enorme importância na
estrutura da vida colonial: os bandeirantes.
Na capitania de São Vicente, na vila de São Paulo e adjacências, surgiu, desde o início do
povoamento, uma sociedade baseada no apresamento de índios e pesquisa de metais preciosos.
Premidos pela pobreza da região, onde a distância dos centros mais desenvolvidos e as dificulda-
des de comunicação com o litoral impedira a agricultura comercial, seus habitantes voltaram-se
para a captura de escravos indígenas. Estes foram utilizados como mão de obra na lavoura de
subsistência, nas atividades artesanais, no transporte de cargas e revendidos no Rio de Janeiro e
na Bahia.

23
UAB/Unimontes - 3º Período

Figura 24: Capitania de ►


São Vicente
Fonte: Disponível em
novomilenio.inf.br/santos/
mapa17a.htm. Acesso em:
02/07/2009

Intensamente mesclados com a população indígena, os bandeirantes absorveram gostos e


hábitos da raça materna, tornando-se os maiores exploradores do sertão. Em 1690, um informan-
te anônimo, ao aconselhar o recurso aos paulistas para combater indígenas dos sertões nordesti-
nos, dizia:

Sua Magestade podia se valer dos homens de São Paulo, fazendo-lhes honras
e mercês, que as honras e interesses facilitam os homens a todo perigo, porque
são homens capazes para penetrar todos os sertões por onde andam continua-
mente sem mais sustento que caças do mato, bichos, cobras, lagartos, frutas
bravas e raízes de vários paus, e não lhes é molesto andarem pelos sertões
anos e anos, pelo hábito que têm feito aquela vida (ABREU, 1954, p. 191).

A própria economia de subsistência e a pequena propriedade libertaram o bandeirante dos


cuidados e exigências da lavoura açucareira. O objetivo econômico é constantemente lembrado
na documentação, nos eufemismos obrigatórios, dada à proibição régia do cativeiro indígena,
usados para designar suas atividades como: “Buscar o remédio para a sua pobreza”, “buscar o seu
remédio”, “buscar a sua vida” ou o “seu modo de lucrar” (ELLIS, in HOLANDA, 1963, p. 281).
Domingos Jorge Velho, famoso bandeirante conquistador dos sertões do Piauí, contratado
para combater indígenas no nordeste e os negros do quilombo dos Palmares, assim descrevia e
justificava, em 1694, suas atividades, alegando que as tropas não recebiam soldo régio e

São umas agregaçoens, que fazemos alguns de nos entrando cada hã com os
servos de armas que tem e juntos imos ao sertão deste continente não para ca-
tivar {...} senão adquirir o Tapuia gentio brabo e comedor de carne humana p.a
o reduzir ao conhecimento da urbana, e humana sociedade.
{...} e desses assyadqueridos, e reduzidos, engrossamos nossas tropas, e com el-
les guerreamos a obstinados e renitentes a se reduzirem: e se ao despoiz nos
servimos dellesp.a as nossas lavouras; nenhuma injustiça lhes fazemos; pois
tanto he para os sustentarmos a elles e a seyus filhos como a nós e aos nossos;
e terminava, alegando que se lhes ensina plantar o que não sabiam fazer por si
(ENNES, 1938, p. 205).

À época de Domingos Jorge Velho, o bandeirismo de apresamento (as bandeiras que busca-
vam capturar índios) já estava em plena extinção, predominando a forma de contrato, na qual os
paulistas eram contratados pelas autoridades coloniais para realizar tarefas específicas, como a
pacificação dos índios. Realizadas as tarefas, muitos bandeirantes se estabeleceram como criado-
res de gado nos sertões baianos, alagoanos e piauienses.
Até meados do século XVIII, terminadas as descobertas do ciclo minerador, os bandeirantes
haviam cumprido sua missão histórica de exploradores do “hinterland” brasileiro, em que desco-
briram riquezas, abriram caminhos, garantiram a posse de territórios, mas, também, despovoa-
ram pelo massacre e captura dos índios as regiões anexadas.

24
História - História do Brasil Colônia II

◄ Figura 25: Os
bandeirantes na colônia
Fonte: Disponível em
http://www.achetudoe-
regiao.com.br/atr/Bandei-
rantes.htm. Acesso em:
04/07/2009

A reconstituição da sociedade bandeiran-


te revela sua pobreza e simplicidade, onde a
pequena e média propriedade não proporcio-
naram condições para o surgimento de gran-
des diferenças de fortuna. Ao lado da agricul-
tura, o paulista exercia atividades artesanais e
comerciais, às quais renunciava simbolicamen-
te quando assumia os cargos na Câmara. ▲
Mesmo as mulheres se adaptavam à rusticidade de costumes, não vivendo na indolência
Figura 26: Os
que caracterizava as senhoras de engenho, pois, enquanto os maridos percorriam o sertão, por bandeirantes na colônia
anos seguidos, elas administravam suas propriedades. Fonte: Disponível em
O poder dos bandeirantes era medido pelo número de índios que os seguiam, sendo conhe- http://www.portalsaofran-
cidos como “homens de muitos arcos”, o que lhes dava certo caráter guerreiro. Utilizados na cap- cisco.com.br. Acesso em:
04/07/2009
tura de outros indígenas, combateram também piratas, invasores franceses e holandeses, negros
aquilombados e inimigos pessoais. Caso semelhante às lutas de família do nordeste foi a guerra
entre os Pires e os Camargos, que perturbou a vida paulista nas décadas de 1640 e 1650, e só
terminou com provisão régia que dividiu o governo da vila entre as duas facções (TAUNAY, 1927).
A descoberta do ouro dispersou os bandeirantes pelos arraiais de Minas Gerais, Mato Grosso
e Goiás, nas áreas pastoris da Bahia, do Paraná e do Rio Grande do Sul, onde se tornaram minera-
dores, comerciantes, agricultores ou criadores de gado.
Os remanescentes voltaram-se para a agricultura de subsistência e para o comércio de gado
bovino e muar que traziam do sul para Minas Gerais. Com essas atividades, acumularam o pe-
queno capital com que se lançaram, a partir das últimas décadas do século XVIII, à implantação
da agricultura de exportação de açúcar, mais tarde substituída pelo café.
Aos velhos paulistas, juntaram-se comerciantes, militares e advogados portugueses, for-
mando uma “elite” dinâmica e aberta, menos presa aos velhos preconceitos e rotinas e à qual ca-
beria iniciar os primeiros passos da arrancada econômica do século XIX (HOLANDA, 1963, p. 456).

25
UAB/Unimontes - 3º Período

Referências
ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial. 4. ed. Rio de Janeiro: Sociedade Capistra-
no de Abreu/Livraria Briguiet, 1954.

ANDREONI, João Antônio (André João Antonil). Cultura e opulência do Brasil. São Paulo: Cia.
Editora Nacional, 1967.

CALDAS, José Antônio. Notícia geral de toda esta capitania da Bahia desde seu descobri-
mento até o presente ano de 1759. Salvador: Editora Fac-Similar, 1951.

ELLIS, Myriam. As bandeiras na expansão geográfica do Brasil. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de
(Dir.). História geral da civilização brasileira. Tomo I. v. 1. São Paulo: Difusão Europeia do Livro,
1963.

ENNES, Ernesto. As Guerras nos Palmares. v.1. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1938.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. 18. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora,
1977.

HOLANDA, Sérgio Buarque de (Dir.). História geral da civilização brasileira. Tomo I. v. 1. São
Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1963.

KOSTER, Henry. Viagens ao nordeste do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1941.

OLIVEIRA, Luís da Silva Pereira. Privilégios da nobreza e fidalguia de Portugal. Lisboa, 1808.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e São Paulo.
São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1938.

TAUNAY, Affonso de E. Histórias seiscentistas da Vila de São Paulo. Tomo segundo. São Paulo:
Typ. Ideal, 1927.

TOLLENARE, L. F. Notas dominicais. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1957.

VIANA, Oliveira. Instituições políticas brasileiras. 3.ed. v. 1. Rio de Janeiro; São Paulo: Distribui-
dora Record, 1974.

26
História - História do Brasil Colônia II

Unidade 2
A mineração e o sistema colonial
no século XVIII

2.1 Introdução
A descoberta do ouro na região centro-sul da colônia provocou importantes transformações
nas relações sociais e políticas que se davam entre Brasil e Portugal.
A economia mineratória aumentou o fluxo das riquezas que circulavam na região, levando
Portugal a aumentar o seu interesse pela exploração e administração das Minas. Nesse sentido, a
colônia viu aumentar a sua capacidade produtiva, bem como se percebeu uma maior integração
entre as várias regiões da colônia, especialmente em função do abastecimento das Minas.
Contudo, a região das Minas e outras regiões do Brasil, também, presenciaram um novo mo-
mento histórico, que consistia no início do desgaste das relações entre a colônia e a metrópole.
Aos poucos, o século XVIII foi presenciando a crise do sistema colonial, que acompanhava a crise
do antigo regime europeu.
Esta segunda unidade pretende compreender o papel de Minas Gerais nesses dois aspectos:
no momento do auge do ouro, compreendendo, assim, o funcionamento da exploração do ouro,
bem como o momento onde tais relações começam a entrar em crise, em especial pelo fato de
Portugal criar um sistema administrativo específico para as Minas. Tal administração levou a re-
voltas, acentuando a crise das relações coloniais.
Para tal intento, esta unidade está dividida nos seguintes tópicos:
• A economia mineratória e o papel de Minas Gerais;
• O ouro e as relações escravistas;
• O ouro e a administração colonial portuguesa;
• Minas Gerais e as contradições do sistema colonial.

2.2 A economia mineratória, as


relações sociais e o papel de Minas
Gerais
“A exploração de metais preciosos teve importantes efeitos na metrópole e na
colônia. Na metrópole, a corrida do ouro provocou a primeira grande corren-
te imigratória para o Brasil. Durante os primeiros sessenta anos do século XVIII,
chegaram de Portugal e das ilhas do Atlântico cerca de 600 mil pessoas, em
média anual de 8 a 10 mil, gente da mais variada condição, desde pequenos
proprietários, padres, comerciantes, até prostitutas e aventureiros (FAUSTO,
2002, p. 98).

Apesar das grandes distâncias a serem vencidas e dos obstáculos oferecidos pelo relevo, a
notícia da descoberta de ouro espalhou-se rapidamente, atraindo milhares de colonos e de rei-
nóis para a região.
Em Portugal, a ‘febre do ouro’ atingiu tal proporção que obrigou a Coroa a limitar a emigra-
ção de seus súditos, a partir de 1720. Logo surgiram povoados, roças, igrejas. A região do ouro
teve um rápido crescimento, criando um polo econômico novo e dinâmico no interior da colônia.

27
UAB/Unimontes - 3º Período

Figura 27: Homens ►


trabalhando na
exploração do ouro
Fonte: Disponível em
http://www.cprm.gov.br.
Acesso em: 04/07/2009

Deslocando o eixo econômico brasileiro do nordeste para o centro-sul, a economia minera-


tória traz novas perspectivas para a metrópole portuguesa. Com a mineração, inicia-se uma ex-
ploração intensa do território brasileiro, onde Portugal se dedica a extrair da colônia o máximo
de lucros com metais preciosos.
O estado de Minas Gerais apresenta grande destaque nessa economia; afinal, o auge da
mineração na colônia se dá nessa região, revolucionando o estado, tanto no campo econômico
quanto no político e cultural. A atividade primordial passa a ser, então, a extração de riquezas
preciosas, relegando as outras atividades coloniais a segundo plano.

Figura 28: Mapa ►


de Minas Gerais na
Colônia
Fonte: Disponível em
http://www.scielo.br/
img/revistas/rbh/v27n53/
a06map1.jpg. Acesso em:
04/07/2009

28
História - História do Brasil Colônia II

◄ Figura 29: Mapa da


articulação econômica
da Colônia em torno da
mineração
Fonte: Disponível em
http://www.scielo.br e
http://www.klepsidra.net/
klepsidra4/tropeiros.html
Acesso em: 04/07/2009

Não foi apenas no campo econômico que se fizeram sentir as grandes mudanças na colônia Figura 30: Carlos Julião
com a atividade mineratória. Politicamente, percebemos algumas alterações, como a mudança Fonte: Disponível em
da capital do país, que é transferida de Salvador para o Rio de Janeiro, um centro mais próximo http://www.multirio.
da área mineratória. rj.gov.br Acesso em:
04/07/2009
Ao contrário da atividade açucareira, que tinha um caráter estritamente rural, no caso des-
sa nova economia, percebemos que seu caráter é mais urbano, auxiliando inclusive na intensi- ▼
ficação do comércio. A sociedade também apresenta alguns
caracteres distintos da economia anterior: aqui se percebe uma
maior diversidade social.
No ano de 1702, é criada a Intendência das Minas, com o
objetivo de controlar a produção do ouro e cobrar tributos, bus-
cando um controle cada vez maior para evitar o contrabando.
Quando se encontrava um novo depósito de ouro, o fato deveria
ser comunicado à Intendência, que mandava funcionários ao lo-
cal para fazer a demarcação de terras. A forma como se procedia
à cessão dos direitos de exploração do ouro revela que as autori-
dades procuravam estimular a descoberta de novas jazidas.
Podemos perceber, também, que a Coroa tratava de forma
diferenciada os grandes mineradores, proprietários de muitos
escravos, preparados para extrair da terra grandes quantidades
de minério. Parte desse ouro revertia a Portugal, na forma de
imposto.
Já no ano de 1720, são criadas as Casas de Fundição, onde
o ouro seria transferido para barras. Todo esse aparato era cria-
do buscando-se acabar ou pelo menos solucionar em parte o
alto índice de contrabando do ouro na colônia.O contrabando
do ouro envolvia toda a sociedade: clérigos, autoridades, mine-
radores e escravos. São famosas as histórias dos ‘santos de pau
oco’, imagens de madeira, ocas por dentro, feitas especialmente
para ocultar o metal precioso.
29
UAB/Unimontes - 3º Período

Os impostos criados por Portugal para extrair e lucrar ao máximo na atividade mineradora
são diversos. O quinto é um deles, onde seria tributado um percentual de 20% sobre o ouro que
ATIVIDADE passava pelas Casas de Fundição. Outros exemplos de impostos nesse setor é o finto, que esta-
Pesquise sobre as belecia uma quantia anual de 30 arrobas, e a capitação, que determinava um valor devido por
principais formas de número de escravos utilizados por determinado proprietário na região que este se propunha à
contrabando do ouro extração.
na região das Minas.
Pesquise sobre o No ano de 1734, Portugal estabelece uma quantia anual de 100 arrobas que deveria ser co-
funcionamento das brada à colônia; caso este piso não fosse atingido, deveria ser aplicada a derrama, onde se busca-
Casas de Fundição e as va – inclusive através da violência – o pagamento da “dívida” dos colonos para com a metrópole.
consequências que as
mesmas geraram nas A extração de ouro e diamantes deu origem à intervenção regulamentadora
Minas. mais ampla que a Coroa realizou no Brasil. O governo português fez um grande
esforço para arrecadar os tributos. Tomou também várias medidas para orga-
nizar a vida social nas minas e em outras partes da colônia, seja em proveito
próprio , seja no sentido de evitar que a corrida do ouro resultasse em caos
DICA (FAUSTO, 2002, p. 99).

Você sabia que o abas-


tecimento das Minas A sociedade que se implantou nos núcleos auríferos de Minas Gerais, ainda que subordina-
se tornou fundamental da ao modelo já existente na colônia, desenvolveu algumas características peculiares.
depois da descoberta A primeira corrida de ouro da História (Boxer, 1963, p. 58), magistralmente descrita por An-
do ouro? Tal questão tonil, com todos os lances trágicos que resultaram da súbita chegada de milhares de aventurei-
permitiu uma maior ros de todas as partes, criou de início uma sociedade anárquica, violenta e desregrada.
integração da colônia
depois da economia
mineratória. Cada ano, vêm nas frotas quantidade de portugueses e estrangeiros, para pas-
sarem às minas. Das cidades, vilas, recôncavos e sertões do Brasil, vão brancos,
pardos e pretos, e muitos índios, de que os paulistas se servem. A mistura é de
toda condição de pessoas: homens e mulheres, moços e velhos, pobres e ricos,
nobres e plebeus, seculares e clérigos, e religiosos de diversos institutos muitos
dos quais não tem no Brasil convento nem casa (ANDREONI, 1967, p. 264).

As peculiaridades da extração do ouro, a despeito das vantagens óbvias que beneficiavam


os ricos possuidores de escravos que assim obtinham as datas auríferas, deixavam certa margem
à sorte, o que abriu caminho para muitos desfavorecidos.
A necessidade de abastecimento deu importância primordial às atividades comerciais, que
se encarregavam de trazer gado, ali-
mentos, roupas, ferramentas, e arti-
gos exportados de regiões próximas
e longínquas para revendê-los aos
moradores.
Também a agricultura de subsis-
tência e, mais tarde, a do algodão e
da cana para a fabricação de tecidos
grosseiros e aguardente, aliada à cria-
Figura 31: Escravos ►
ção de porcos e aves, proporcionou
trabalhando nas minas
Fonte: Disponível em
grandes lucros aos que forneciam es-
http://www.eb23- diogo- ses artigos indispensáveis.
-cao.rcts.pt/ Trabalhos/ Na mineração, os escravos con-
bra500/ouro.htm Acesso
em: 04/07/2009
seguiram acumular o suficiente para
a compra da liberdade, com ouro
desviado ou pela concessão feita pe-
los senhores do excedente das quo-
tas diárias. Para as mulheres, existia
ainda o caminho da prostituição
forçada ou imposta pelos senhores,
o que lhes permitia algumas sobras
para a alforria.
“O governador Manoel da Fon-
seca Azevedo denunciava, em 1732,
os vendeiros que, nas suas tabernas,
mantinham verdadeiros bordéis dis-
farçados, enquanto outros enviaram

30
História - História do Brasil Colônia II

escravas às lavras com pretexto de


vendas de suas quitandas” (TORRES,
1965, p. 90).
A falta de mulheres brancas ◄ Figura 32: Escravos nas
ocasionou intensa miscigenação e minas
consequente surgimento de mula- Fonte: Disponível em
tos, geralmente libertos que, graças http://www.multirio.rj.gov.
ao exercício dos ofícios artesanais br Acesso: 04/07/2009
muito desenvolvidos em Minas Ge-
rais, chegaram a formar uma espécie
de classe média.
Ainda que a tendência fosse
pela sua exclusão das posições nobi-
litantes, no que se refere às ativida-
des artesanais, tornaram-se o grupo
mais expressivo.
O caráter mais urbanizado, o
gosto pelo luxo dos mineradores fe-
lizes, a competição das irmandades
religiosas organizadas segundo as
barreiras de cor e classe, o orgulho
das Câmaras proporcionaram excelente mercado para móveis, roupas, boas casas, igrejas belíssi-
mas e música para entretenimento.
A sociedade mineradora criou condições para o florescimento da criação artística no campo
da arquitetura, escultura, pintura, música e literatura onde, com exceção da última, privilégio dos
letrados, destacaram-se negros e mulatos.
As câmaras organizavam, periodicamente, leilões públicos para o serviço de música da cida-
de, que eram arrematados pelo candidato que melhor coro e orquestra apresentassem.

◄ Figura 33: O espaço


urbano das minas
Fonte: Disponível em
http://cidademuseu.
blogspot.com. Acesso em:
04/07/2009

Todas as festividades cívicas eram abrilhantadas por concertos de música de câmara ou re-
ligiosa. Nesse campo, as irmandades costumavam encomendar peças novas para ocasiões sole-
nes, o que estimulou a criatividade de inúmeros compositores como José Joaquim Américo Lobo
de Mesquita, Francisco Gomes da Rocha, Inácio Parreiras Neves, Marcos Coelho Neto, e muitos
outros que ficaram anônimos. O excesso de músicos mulatos que irritava o Desembargador José
João Teixeira Coelho, em 1780, foi responsável por uma tradição musical em Minas Gerais, que se
prolongou muito depois da decadência das atividades mineradoras (COELHO, 1888, p. 458).
A já mencionada rivalidade das irmandades, responsáveis pela construção de templos, pe-
los sepultamentos e pela assistência social, dada à proibição da instalação de ordens religiosas,
deu grande impulso à arquitetura e escultura, onde se destacou a obra genial do mulato Anto-
nio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Em sua longa vida, desenhou igrejas e esculpiu estátuas e
ornamentos para os templos, sempre utilizando a plasticidade da “pedra-sabão”, deixando para
os pósteros um dos mais belos exemplos da arte barroca na América.
Ao findar o período colonial, se, à primeira vista, a sociedade brasileira dividia-se entre se-
nhores e escravos, examinada mais de perto, revelava certa mobilidade possibilitada pelo enri-
quecimento. Embora determinações legais sancionassem preconceitos sociais e estamentais, as
necessidades da colonização abriram caminhos para a ascensão social dos mais empreendedo-
res ou protegidos.

31
UAB/Unimontes - 3º Período

2.3 O ouro e a sociedade


escravista
É importante acentuarmos que a presença do trabalho escravo nas minas não excluía a for-
ça dos trabalhadores livres nesse campo, afinal a presença desse grupo foi sempre muito impor-
tante para a exploração do ouro nessas regiões.
Como aconteceu na região da lavoura de cana-de-açúcar, aqui, na mineração, percebemos a
formação de uma sociedade com características próprias. Percebemos uma sociedade um pouco
mais ampla e diversificada que a sociedade do açúcar, afinal aqui não existiam apenas as figuras
do senhor e do escravo, apresentando também uma numerosa classe média, o que nos faz notar
que a sociedade era mais móvel nesse campo econômico, com a presença de atividades como os
artesãos, médicos, contadores e prostitutas.

Figura 34: Escravos ►


trabalhando na
economia açucareira
Fonte: Disponível em
http://www.premium.
klickeducacao.com.br
Acesso em: 04/07/2009

Figura 35: Escravos ►


trabalhando na
economia mineratória
Fonte: Disponível em
http://www.eb23-diogo-
-cao.rcts.pt.Acesso em:
04/07/2009

Ao contrário da sociedade do nordeste açucareiro, essencialmente rural, a sociedade da


região das minas era predominantemente urbana. Nas vilas, desenvolviam-se atividades tipica-
mente urbanas, como o comércio e o artesanato. As ruas estreitas e sinuosas dos núcleos esta-
belecidos em regiões serranas abrigavam oficinas de alfaiates, sapateiros, carpinteiros, tanoeiros,
ferreiros e outros.

32
História - História do Brasil Colônia II

Na base da sociedade estavam os escravos. O trabalho mais duro era o da mi-


neração, especialmente quando o ouro do leito dos rios escasseou e teve de
ser buscado nas galerias subterrâneas. Doenças como a disenteria, a malária, as
infecções pulmonares e as mortes por acidente foram comuns. Há estimativas
de que a vida útil de um escravo minerador não passava de sete a doze anos
(FAUSTO, 2002, p. 102).

Em relação à sociedade que se originou em torno da mineração, pode-se dizer, comparando


com a sociedade açucareira, que ela foi mais liberal e permitia certa mobilidade social, já que
uma pessoa com poucos recursos e um pouco de sorte podia enriquecer achando ouro. Este fa-
tor, aliás, contribuiu para ampliar a população colonial, já que mais pessoas vinham para o Brasil
tentar a sorte (inclusive mulheres), fato que gerou problemas demográficos em Portugal, que se
viu obrigado a criar leis para limitar a emigração.
Este aumento populacional terminou por resultar numa sociedade urbana que se viu de-
pendente de outros segmentos produtivos e de prestação de serviços, fato que beneficiou ou-
tras regiões como o Rio Grande do Sul e o norte de Minas, bem como possibilitou o surgimento
de uma classe média colonial.

◄ Figura 36: A grande


circulação de pessoas
na região das minas.
Tropeiros da época da
mineração retratados
por Rugendas. As
tropas de burros
foram um recurso vital
para a ocupação do
interior iniciada pelos
bandeirantes
Fonte: Disponível em
http://www.constelar.com.
br/revista/edicao68/ban-
deirantes1.htm Acesso em:
05/07/2009

Nesta sociedade, até mesmo os escravos tinham tratamento distinto dos que trabalhavam
na indústria açucareira. Nesse sentido, se é verdade que a mineração matava mais que os enge-
nhos, nas minas um escravo com sorte podia obter sua alforria contentando seu dono com a des-
coberta de um bom filão de ouro. Além disso, em meio a uma sociedade urbana, poderiam ser
utilizados em outras funções que não fosse só na mineração e até serem treinados para a prática
do contrabando.
No caso das negras, entre outras funções, era comum utilizá-las como escravas de ganho
(praticavam pequeno comércio para seus senhores), além de serem empregadas no contraban-
do de ouro e diamantes.

◄ Figura 37: A mulher


na região das minas.
Trabalho feminino na
Mina de Morro Velho.
Reprodução fotográfica
Fonte: Disponível em
http://www.portalsaofran-
cisco.com.br. Acesso em:
05/07/2009

33
UAB/Unimontes - 3º Período

Quanto ao aspecto familiar, enquanto no


nordeste observava-se o patriarcalismo, na re-
gião central, embora ele também fosse predo-
minante, não era raro o matriarcalismo, ou seja,
mulheres à frente do controle familiar.
Apesar da riqueza extraída, salienta-se
que a maioria da população na região minera-
dora vivia na miséria, já que os lucros obtidos
com a exploração do ouro e dos diamantes
acabavam se destinando a poucas pessoas na
colônia, contrabandistas, a fazenda real por-
tuguesa e, sobretudo, aos cofres ingleses. No
mais, em uma sociedade que não primava pela
produção agrícola, os problemas com a alimen-
tação tornavam ainda mais precárias as condi-
ções de vida da maioria das pessoas.
A historiadora Laura de Mello e Souza sa-
lientou a questão do enorme número de “des-
▲ classificados” que a região das Minas produziu.
A riqueza, que parecia a regra, não o era na verdade. Vários grupos sociais, para a autora, eram os
Figura 38: A pobreza na
protagonistas da miséria que se via na região, tais como: padres infratores, prostitutas, feiticeiras
região das minas
Fonte: Disponível em
e bandidos (SOUZA, 2005).
http://www.leiturasdahis- Em artigo recente, destaca Laura de Mello e Souza:
toria.uol.com.br Acesso
em: 05/07/2009 Nos primeiros tempos, faltaram gêneros para alimentar a gente que despen-
cava sobre as lavras. Mesmo que logo se organizassem roças, se tangessem
boiadas e se erguessem moendas e monjolos, não chegava para tantos. Com a
escassez veio a inflação, e uma testemunha contemporânea não deve ter exa-
gerado muito quando disse que vários morreram com um punhado de ouro na
mão sem ter espiga de milho para matar a fome. Fortunas se fizeram no con-
trole do abastecimento alimentício, e o açambarcamento de carne esteve na
origem de um dos primeiros conflitos, e dos mais graves, que marcaram o nas-
ATIVIDADE cimento nas Minas: a guerra dos emboabas (1707-1709). (SOUZA, 2005, p. 38).

Pesquise sobre o papel


da mulher no processo
Quem não tinha dinheiro, nascimento, tradição, fortuna, ou quem, no polo oposto, não con-
de exploração do ouro tasse entre os que eram escravos e carregavam a produção nas costas, sofria na carne, mais do
e na região das Minas. que ninguém, as contradições de uma sociedade esquartejada entre princípios ordenadores dis-
Uma boa dica é pesqui- tintos entre si e, não raro, contraditórios. Eram os que tinham posição definida na estrutura so-
sar um pouco sobre a cial, não podiam ser identificados pela cor da pele ou pela ocupação, vivendo a cavaleiro de dois
trajetória de Chica da
Silva.
mundos, descartáveis a qualquer volta do caminho. Entre eles estavam os forros: negros como os
escravos, mas livres como os brancos ou como os ricos, e difíceis de classificar, sobretudo do pon-
to de vista dos europeus, que não conseguiam entender a sua ambiguidade.

Figura 39: A pobreza na ►


região das minas
Fonte: Disponível em
http://leiturasdahistoria.
uol.com.br Acesso em:
05/07/2009

34
História - História do Brasil Colônia II

Desclassificados sociais foram, portanto, parte constitutiva da sociedade das


Minas do século XVIII, pondo a nu a sua natureza iníqua. O ouro que dali se ex-
traiu em grandes quantidades gerou mais riqueza na Europa do que em Por-
tugal, e mais em Portugal do que nas Minas, onde o que ficou concentrou-se,
seguindo a fórmula ainda hoje cara às nossas elites. Como disse um autor, “em
meio a tanta riqueza, começamos a ser pobres” (SOUZA, 2005, p. 41).

◄ Figura 40: Os
desclassificados
(mendigos)
Fonte: Disponível em
http://www.baudeatmos-
feras.blogspot.com Acesso
em: 05/07/2009

2.4 O ouro, a administração


colonial portuguesa e o início das
contradições do sistema colonial
O período de exploração do ouro na colônia foi responsável por dar um novo contorno às
relações entre Brasil e Portugal. Nesse processo, a colônia, ao mesmo tempo em que se tornou
mais interessante para a metrópole, por outro lado, também acabou por revelar algumas das
contradições do próprio sistema de exploração portuguesa.
A descoberta do ouro se apresentou como uma solução imediata para a crise econômica de
Portugal diante das suas colônias. Nesse sentido, o sistema administrativo desenvolvido na co-
lônia brasileira, durante o período aurífero, tinha por finalidade atender aos interesses da Coroa
Portuguesa, desejosa de lucros e de ver aumentado o seu poder sobre o Brasil.
O período da mineração, com as grandes descobertas das jazidas auríferas, foi marcado pelo
aumento da exploração colonial e pelo claro aumento do controle político e administrativo por-
tuguês na região das Minas.

◄ Figura 41: Mapa do


Brasil Colônia (Minas
Gerais)
Fonte: Disponível em
http://www.historianet.
com.br. Acesso em:
05/07/2009

35
UAB/Unimontes - 3º Período

Segundo Caio Prado Jr., em seu livro História econômica do Brasil:

O que estes aspiravam para sua colônia americana é que fosse uma simples
produtora e fornecedora de gêneros úteis ao comércio metropolitano e que
se pudessem vender com grandes lucros nos mercados europeus. Este será o
objetivo da política portuguesa até o fim da era colonial. E tal objetivo ela o
alcançaria plenamente, embora mantivesse o Brasil, para isto, sob um rigoroso
regime de restrições econômicas e opressão administrativa; e abafasse a maior
parte das possibilidades do país (PRADO Jr., 1979, p. 55).

Raymundo Faoro, em seu livro Os donos do poder, publicado em 1958, aponta que o movi-
mento expansionista pelo interior do Brasil teve como um importante centro irradiador a Capi-
tania de São Vicente, onde a plantação da cana-de-açúcar, produto agrícola importante para o
comércio português, não se desenvolveu, tendo os paulistas tomado outro rumo que lhes asse-
gurasse vantagens econômicas e remediasse a pobreza da agricultura policultora e de subsistên-
cia do planalto paulista.
Desta forma, para Raymundo Faoro, formava-se uma poderosa camada de potentados, cujo
poder vinha da força militar. Os funcionários metropolitanos tinham dificuldades em controlar
a rebeldia das camadas dominantes na colônia. A Coroa portuguesa, que muitas vezes fechou
os olhos à rebeldia nos sertões, passou, então, a não tolerar a indisciplina e a atuar no fortale-
cimento gradual do poder real, principalmente depois das descobertas auríferas. Sendo assim,
Raymundo Faoro defende a ideia de um sucesso na imposição da ordem pública e de uma eficá-
cia do aparelho burocrático repressivo e fiscalizador na região das minas (FAORO, 1987).

Figura 42: Mapa das ►


regiões com maior
exploração de ouro em
Minas Gerais
Fonte: Disponível em
http://www.historianet.
com.br. Acesso em:
05/07/2009

A política seria, daqui por diante, outra: o governo metropolitano calaria a insubmissão – o
rei tomaria conta, diretamente, do seu negócio, negócio seu e não dos paulistas. O ciclo do ouro,
no fim do século XVII, se conjuga com as medidas centralizadoras e absolutistas do Portugal res-
taurado. Os paulistas ocupam os postos civis e militares, mas sob a direta vigilância do rei, dobra-
dos ao organismo hierárquico, vertical, sob o domínio direto da Coroa. Acabam as transações, a
tolerância e o pedido de favores em troca de honrarias. [...] O contexto é um só, ao norte e ao sul.
O agente régio, reinol de nascimento, substitui o turbulento conquistador, caudilho e potentado.
Primeiro, ele o assiste, ajudado como os seus meios. Depois, o controla, para, finalmente, dominá
-lo e, se necessário, garroteá-lo (FAORO, 1987, p. 162-3).
Ao analisar a administração portuguesa no Brasil, este autor afirma que, no início do século
XVIII, a Coroa portuguesa introduziu uma série de medidas administrativas, com vistas a deter a
anarquia e instaurar uma certa estabilidade nas zonas de mineração. Eram três os principais pro-
pósitos dessas medidas: promover um governo eficiente no âmbito local e regional, administrar

36
História - História do Brasil Colônia II

a justiça e aplicar a lei e, por último, cumprir as obrigações reais de defensor da fé. O instrumento
fundamental dessa política era a elevação de vários povoados à categoria de “vilas”, que repre-
sentavam a estabilidade, a manutenção da justiça e a presença da Coroa.

◄ Figura 43: “Homens


bons” da colônia
Fonte: Disponível em
http://www.ecletico.blogs-
pot.com/2004_04_01_ar-
chi ve.html. Acesso em
05/07/2009

Para o autor, o padrão característico de povoamento nas minas era de núcleos isolados a
considerável distância um do outro, mas, com a criação das vilas, em Minas Gerais, a presença de
esferas concêntricas de influência administrativa ajudou a diminuir esse isolamento e a aumen-
tar a eficiência do controle administrativo efetivo. A fundação de vilas no interior do Brasil tinha
como função ajudar na aplicação da lei e na instauração da ordem.
Talvez o exemplo mais espetacular do bom êxito dessa política tenha vindo da Bahia. Entre
1710 e 1721, ocorreram em Jacobina 532 mortes por arma de fogo; nos quatros anos que se se-
guiram à sua elevação à categoria de vila, em 1721, houve apenas duas mortes violentas, uma
por faca e outra por espada.
Por esses inúmeros aspectos, o governo das Minas sempre foi uma tarefa difícil e delicada,
exigindo a mistura de agressividade e suavidade nos assuntos que se referiam especificamente
às Minas. Havia por parte do Estado Português a preocupação em fazer-se sentir presente, usan-
do a força quando necessário e, ao mesmo tempo, buscando evitar transtornos com a sua pre-
sença.
Não obstante, tais conflitos não puderam ser evitados, levando Minas Gerais a apresentar al-
guns dos principais conflitos políticos, sociais e econômicos que marcariam os passos iniciais do
desgaste entre Brasil e Portugal. A Guerra dos Emboabas é um exemplo singular.
A imagem do caos – tão típica dos relatos dessa época – estava também associada à fluidez
geográfica dos povoados, que se moviam de um lado para o outro. Ao sabor das novas desco-
bertas e do esgotamento das velhas lavras.
Segundo Adriana Romeiro (2006), em artigo recente sobre os conflitos na região das Minas,
Antonil teria feito impressões importantes sobre a região. Uma bela expressão sua foi feita para
descrever o movimento dos arraiais da região: “Freguesias móveis de um lugar para outro como
os filhos de Israel no deserto.”
Para Romeiro (2006), em pouco tempo a corrida do ouro desencadearia efeitos perversos.
Do ponto de vista econômico, o êxodo de milhares de escravos negros colocou em risco as la-
vouras do tabaco e do açúcar, considerados os pilares da economia colonial. A autora ainda
acentua que o episódio serviu para mostrar à Coroa os limites do seu domínio sobre a região e a
força dos poderosos locais que, não por acaso, viriam a substituir o magistrado que pouco antes
haviam escorraçado (ROMEIRO, 2006, p. 16).
Ainda analisando o episódio da Guerra dos Emboabas, Romeiro revela que as discensões en-
tre paulistas e forasteiros remontavam às primeiras descobertas, radicalizando-se muito com o
passar do tempo. Os paulistas alegavam a sua condição de descobridores para pleitear um trata-
mento especial, reivindicando para si o monopólio das terras de sesmarias e dos cargos e postos
administrativos.

37
UAB/Unimontes - 3º Período

▲ ▲
Figura 44: A guerra dos emboabas Figura 45: A guerra dos emboabas
Fonte: Disponível em http://www.alunosonline.com.br/ Fonte: Disponível em http://www.opiniaocaete.com.br/
historiab/guerra-dos-emboabas/. Acesso em: 05/07/2009 conheca_caete.htm. Acesso em: 05/07/2009

Lastreados nas promessas feitas aos descobridores ao longo de todo o século


XVII, quando a Coroa havia desenvolvido uma política sistemática para trazer
à luz o ouro tão almejado, eles consideravam a presença dos forasteiros uma
ameaça real aos seus interesses, vendo-os com desconfiança e receio. A supe-
rioridade numérica dos forasteiros abriu-lhes, no entanto, caminho para plei-
tear, junto às autoridades, cargos e postos na administração local, valendo-se
para isso das intrincadas redes de clientelismo que emanavam de Lisboa e se
ATIVIDADE espalhavam por todo o Império (ROMEIRO, 2006, p. 16).

Faça uma pesquisa de- Por fim, Adriana Romeiro conclui, demonstrando como a região das Minas levou o sistema
talhada sobre a Guerra
dos Emboabas, bem colonial a apresentar as suas primeiras contradições, especialmente quando analisa que a Guerra
como as suas impli- dos Emboabas deixaria um legado amargo para a história política da capitania. As formulações
cações para a história sobre o direito dos povos à resistência contra a tirania, a noção de direito de conquista – expres-
de Minas Gerais e São so na visão potencialmente sediciosa de que a descoberta das Minas foi feita à custa de sangue,
Paulo. sem o apoio de Portugal, e a ideia, trazida pelos paulistas, de que os vínculos entre vassalos e
Coroa tinham um “caráter contratualista”, condicionando a fidelidade dos primeiros à atitude da
segunda – “tudo isso viria a imprimir uma marca indelével no imaginário político dos mineiros,
fomentando sedições e motins por todo o século XVIII” (ROMEIRO, 2006, p. 16).
Pesquise sobre o papel da mulher no processo de exploração do ouro e na região das Minas.
Uma boa dica é pesquisar um pouco sobre a trajetória de Chica da Silva.

Figura 46: A Revolta de ►


Filipe dos Santos
Fonte: Disponível em
sokarinhos.com.br/HISTO-
RIA/histbr_27.htm. Acesso
em: 05/07/2009

38
História - História do Brasil Colônia II

Essas questões revelam o quanto o ouro da região das Minas, além de enriquecer aqueles
que se envolveram na sua exploração, levou a conflitos dos mais variados.
Outra revolta também deve ser lembrada: a Revolta de Filipe dos Santos – ou Sedição de
Vila Rica. A revolta se deu como consequência do processo direto de exploração do ouro, tendo
como estopim a criação das chamadas Casas de Fundição. Liderados por Filipe dos Santos, os
mineiros da cidade de Vila Rica – atual Ouro Preto – se revoltaram contra as determinações da
Coroa, provocando mais uma tensão no chamado sistema colonial, já em crise devido ao desgas-
te do antigo regime na Europa.
Nesse sentido, fica evidente que o sistema colonial entrava em crise, o que levou Portugal a
propor reformas na sua administração na América Portuguesa. A escolha: o Marquês de Pombal,
novo homem forte do poder em Portugal, que tentaria salvar a Coroa Portuguesa da sua falência
iminente.
Pelo Tratado de Methuen, Portugal, com uma economia destruída pelas décadas de domi-
nação espanhola e de lutas pela restauração de sua independência, comprometeu-se a adquirir
tecidos de lã ingleses, enquanto a Grã-Bretanha compraria os vinhos produzidos em Portugal.
Os efeitos do tratado foram desastrosos para o Estado português, pois ele impediu o franco de-
senvolvimento das atividades manufatureiras naquele país e, ao mesmo tempo, estabeleceu a
dependência econômica de Portugal em relação à economia britânica.
Um dos grandes administradores portugueses no Brasil Colonial foi o Marquês de Pombal
e, por isso, nos dedicamos a enfatizar algumas medidas e atitudes dessa figura. Desde o ano de
1750, Pombal foi o dirigente da economia em Portugal, trabalhando para Dom José I.

◄ Figura 47: O Marquês de


Pombal
Fonte: Disponível em
atelier.hannover2000.mct.
pt/~pr466/HistMat2.htm.
Acesso em 05/07/2009

O Marquês de Pombal pode ser caracterizado e classificado como um administrador da li-


nha dos chamados “Déspotas Esclarecidos”, pois tinha uma filosofia de administração permeada
pelos ideais iluministas. Com a sua presença no Brasil, percebemos algumas práticas mercanti-
listas que o mesmo buscou adotar, entre elas a questão da intervenção do estado na economia.
Outra grande medida de Pombal foi a expulsão dos jesuítas do território brasileiro, ocorrida no
ano de 1759. Com isso, o administrador promove o confisco de algumas propriedades da Igreja.
No plano administrativo, predominou uma orientação centralizadora. O Conselho Ultramari-
no, criado em 1642, responsável pela administração das colônias portuguesas, perdeu parte dos
seus poderes, absorvidos pelo próprio ministro. As Capitanias Hereditárias desapareceram, com
a transferência para a Coroa dos poderes até então reservados aos capitães- donatários. A única
exceção foi a Capitania de São Vicente, que perdurou até 1759.

39
UAB/Unimontes - 3º Período

Atendo-se ao Brasil, quanto à questão tributária, Pombal resta-


beleceu as casas de fundição e o quinto, que, a partir de então, deve-
ria render 100 arrobas de ouro anuais. Porém, com o ciclo do ouro em
decadência, esta meta não era atingida. Assim, sob a desculpa do con-
trabando, a partir de 1760, estabeleceu-se a derrama, que consistia no
confisco de bens para completar as 100 arrobas de ouro, fato que se
apresentou como uma das causas da Inconfidência Mineira.
Entre outras medidas em seu governo na colônia, está a questão da
extinção da escravidão dos indígenas, o fim da perseguição aos cristãos-
novos (os judeus), a extinção das capitanias hereditárias e a criação de
alguns órgãos com o intuito de promover maior fiscalização na produ-
ção do ouro.
Como já mencionado, a morte de Dom José I, em 1777, represen-
tou a queda de Pombal. Ao assumir o trono, a rainha Maria I, “a louca”,
iniciou a chamada “viradeira”, que se caracterizou por um conjunto de
medidas que foram alterando muitas das reformas pombalinas. A citar
apenas duas, aboliu as companhias de comércio e, em 1785, decretou
uma lei que proibiu as manufaturas no Brasil, lei que ficou conhecida
como o “Alvará de 1785”.

Uma das medidas mais controvertidas da administração pombalina foi a ex-
Figura 48: D. Maria I, a pulsão dos jesuítas de Portugal e seus domínios, com confisco de bens. Essa
Rainha Louca medida pode ser compreendida no quadro dos objetivos de centralizar a ad-
Fonte: Disponível em ministração portuguesa e impedir áreas de atuação autônoma por ordens reli-
http://www.bempara- giosas cujos fins eram diversos dos da Coroa. Além dos jesuítas, em meados da
na.com.br. Acesso em: década de 1760, os mercedários – segunda ordem em importância na Amazô-
06/07/2009 nia – foram expulsos da região e tiveram suas propriedades confiscadas. Mas o
alvo principal foi a Companhia de Jesus, acusada de formar ‘um Estado dentro
do Estado’ (FAUSTO, 2002, p. 111).

Em 1777, o poderoso ministro deixou o governo português sob várias acusações de crimes
e arbitrariedades. Entretanto, suas diretrizes em relação ao controle do comércio minerador con-
tinuaram. Além disso, a sucessora de D. José I, D. Maria I, visando garantir as exportações da me-
trópole, proibiu a indústria artesanal de tecidos de algodão no Brasil. As medidas da rainha fica-
ram conhecidas como viradeira.

Referências
ANDREONI, João Antônio (André João Antonil). Cultura e opulência do Brasil. São Paulo: Cia.
Editora Nacional, 1967.

BOXER, C. R.A Idade do ouro no Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1963.

COELHO, José João Teixeira. Instrução para o governo da Capitania de Minas Gerais. In: Revista
do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, tomo XV, 2.ed. 1888.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 7 ed. Rio
de Janeiro: Globo, 1987.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. 10.ed. São Paulo: Edusp, 2002.

PRADO JR., Caio. História econômica do Brasil. 22.ed. São Paulo: Brasiliense, 1979.

ROMEIRO, Adriana. A febre do ouro. Revista Nossa História, 2006, p. 12- 18.

SOUZA, Laura de Mello e. Canalha indômita. Revista Nossa História, 2005, p. 36-41.

TORRES, Luis W. Tiradentes, a áspera estrada para a liberdade. São Paulo: Obelisco, 1965.

40
História - História do Brasil Colônia II

Unidade 3
A crise do antigo sistema colonial

3.1 Introdução
O Sistema Colonial passou, ao longo do século XVII, por inúmeras crises. Com a crise do an-
tigo regime, o sistema entrou em profunda decadência, consequência natural do desgaste das
relações entre metrópoles e colônias.
França, Inglaterra e Estados Unidos forneceriam os exemplos para que as colônias lutassem
pela emancipação política. Suas revoluções foram parâmetro para a ideia de “soberania dos po-
vos”. Nesse sentido, a América viveria um novo ambiente histórico, e o Brasil se inseria nesse mo-
mento.
O objetivo desta unidade é compreender como se deu essa crise no final do século XVII, a
partir da análise da situação externa e interna que levou à crise do antigo sistema colonial. Para
tal, esta unidade está dividida nos seguintes tópicos:
• Liberdade, liberdade, liberdade;
• As revoltas nativistas e o sistema colonial;
• As Conjurações, a crise do sistema colonial e os exemplos da Inconfidência Mineira e da
Conjuração Baiana;
• Tiradentes: uma liberdade, ainda que tardia.

3.2 Liberdade, liberdade,


liberdade...
Ao mesmo tempo em que a Coroa lusa mantinha uma política de reforma do
absolutismo, surgiram na colônia várias conspirações contra Portugal e tenta-
tivas de independência. Elas tinham a ver com as novas ideias e os fatos ocorri-
dos na esfera internacional, mas refletiam também a realidade local. Podemos
mesmo dizer que foram movimentos de revolta regional e não revoluções na-
cionais. Esse foi o traço comum de episódios diversos como a Inconfidência Mi-
neira, a Conjuração dos Alfaiates e a Revolução de 1817 em Pernambuco (FAUS-
TO, 2002, p. 113).

A história da humanidade tem sido marcada por lutas sangrentas, em nome da busca pela
liberdade política, econômica e social. No Brasil, os embates por uma sociedade justa e igualitária
foram e ainda são uma constante. A situação persiste porque, na prática, a maioria da população
brasileira não teve acesso a direitos considerados fundamentais, como saúde, educação, mora-
dia, emprego, justiça, lazer – enfim, cidadania plena.
Não éramos e já não queríamos ser ‘reinóis’ ou ‘filhos de Portugal’, mas também não podía-
mos nos considerar indígenas. Tanto nos costumes como na cultura tínhamos absorvido os ele-
mentos básicos da civilização europeia, e tudo o que nossos ascendentes pretendiam era partici-
par dela.
A Revolução Francesa foi, indiscutivelmente, um marco para o processo de nascimento da
idade contemporânea. Com os franceses, aprendemos o significado dos ideais de “liberdade,
igualdade e fraternidade”, entendendo como a ação social e política nos levaria a atingi-los.

41
UAB/Unimontes - 3º Período

ATIVIDADE
Pesquise sobre os
Figura 49: A queda da ►
principais eventos que
bastilha
se deram na França no
final do século XVIII, Fonte: Disponível em
especialmente sobre a http://www.ufrgs.br/.../
pao/curiosidades/bas-
Revolução Francesa. tilha.htm. Acesso em
06/07/2009

Quase todos os eventos sociais do final do século XVIII e início do século XIX tiveram a Fran-
ça como parâmetro. E o Brasil não fugiu a essa regra:

Quem está ou foi privado de liberdade sabe quanto ela faz falta. É doloroso vi-
ver preso em poucos metros quadrados. A liberdade é para o homem o que o
céu é para o condor, como diria Castro Alves. Vida e liberdade quase sempre se
confundem. [...] Todo mundo quer ser livre. Por causa da liberdade, quantas dis-
cussões nas famílias, nos edifícios, nos colégios e na sociedade! Até os animais
gostam de usufruir de sua “liberdade” (CORDI, 2002, p.108).

Figura 50: A revolução ►


francesa
Fonte: Disponível em
http://maniadehistoria.
wordpress.com. Acesso
em 06/07/2009

Aos poucos, a influência da Inglaterra também passou a ser decisiva. Depois das revoluções
no país, em especial a Revolução Industrial, os ingleses passaram a influenciar várias nações com
a ideia de liberdade comercial, baseados nos princípios de Adam Smith.

42
História - História do Brasil Colônia II

A industrialização na Grã-Bretanha foi mui-


to mais do que o fruto de uma revolução técnica e
científica. Ela representou uma mudança social pro-
funda na medida em que transformou a vida dos
homens, sem se preocupar com os custos sociais e
◄ Figura 51: Livro a
ambientais dessa mudança. riqueza das nações –
A Inglaterra também contribuiu para o início Adam Smith
do mundo contemporâneo, tendo em vista que a Fonte: Disponível em
Revolução Industrial moldou e ainda molda boa http://www.images.que-
parte das nossas relações sociais. barato.com.br. Acesso em
06/07/2009
Se, por um lado, o desenvolvimento tecnoló-
gico trouxe inovações importantes para a socieda-
de, como os avanços na medicina, nas telecomuni-
cações, nos transportes e na produção de bens de
consumo, por outro trouxe também o chamado
“desemprego estrutural”. Milhares de trabalhado-
res, no mundo inteiro, estão sendo substituídos por
máquinas ou por operários multifuncionais – isto é,
por aqueles que desempenham múltiplas funções
no sistema produtivo. Mais uma vez, grupos sociais
inteiros vão sendo historicamente colocados à mar-
gem dos benefícios gerados pelo desenvolvimento econômico.

◄ Figura 52: A revolução


industrial
Fonte: Disponível em
http://www.ufrgs.br/ali-
mentus/pao/curiosidades/
bastilha.htm. Acesso em
06/07/2009

Quanto aos Estados Unidos, a sua decisiva contribuição reside no fato de ter sido a primeira
colônia a lutar diretamente pela sua emancipação.

◄ Figura 53: As
treze colônias e a
independência dos
Estados Unidos
Fonte: Disponível em
http://www.portalsaofran-
cisco.com.br. Acesso em
06/07/2009

43
UAB/Unimontes - 3º Período

Figura 54: A declaração ►


de independência dos
Estados Unidos
Fonte: Disponível em
http://www.colegiosao-
francisco.com.br. Acesso
em 06/07/2009

DICA
É importante notar O pioneirismo da América inglesa na ruptura do sistema colonial está ligado à afirmação
o quanto os EUA crescente de uma identidade própria, primeiro local e depois norte-americana. Nesse processo,
representaram para a colônias separadas conceberam um projeto coletivo e aproximaram-se numa confederação de
formação do mundo
contemporâneo, o que Estados, que mais tarde evoluiu para uma unidade política federativa. Tendo como marco a inde-
vai muito além da ideia pendência dos Estados Unidos, movimentos semelhantes aconteceram nas Américas espanhola
atual de se posicionar e portuguesa, sempre utilizando como parâmetro a Declaração Unânime dos Treze Estados Uni-
contra os norte-ameri- dos da América.
canos, o anti-america- “Nós, os Representantes dos Estados Unidos da América, reunidos em Congresso, plenário,
nismo.
tomando o Juiz supremo do mundo como testemunha da retidão de nossas intenções em nome
e por delegação do bom povo destas colônias, afirmamos e declaramos solenemente:
Que estas Colônias Unidas são, e devem ser de direito, Estados Independentes, que elas es-
tão dispensadas de fidelidade à Coroa Britânica, e que todo vínculo político entre elas e o Estado
da Grã-Bretanha está, e deve ser, inteiramente desfeito.” (Declaração Unânime dos Treze Estados
Unidos da América, 1776 (APTHEKER, 1969).
Nesse sentido, a ideia de liberdade entrava na ordem do dia. O Brasil caminhava, mesmo
que a passos ainda lentos, em busca da sua liberdade diante de Portugal.

3.3 As revoltas nativistas e o


sistema colonial
Ao longo do século XVIII, o Brasil experimentou revoltas que colocaram em xeque o sistema
colonial, de forma direta ou indireta.
De forma geral, podemos agrupar essas revoltas em dois conjuntos: o primeiro reúne movi-
mentos que se caracterizaram por defender interesses locais, contestando aspectos particulares
da política portuguesa ou expressando a luta entre grupos pelo domínio de uma região. Muitos
estudiosos identificam nesses movimentos a formação do sentimento nativista.
No segundo grupo, reúnem-se revoltas contra o domínio português no Brasil, movimentos
que questionaram o sistema colonial e propuseram a separação entre a colônia e a metrópole.

44
História - História do Brasil Colônia II

Ao longo do período colonial bra-


sileiro, estivemos diante de um quadro
onde as revoltas se apresentavam, ora
como movimentos isolados em deter- ◄ Figura 55: A guerra dos
minadas regiões, ora como movimentos emboabas
de contestação à opressão portuguesa Fonte: Disponível em
no Brasil. Com isso, classificam-se as re- www.agenciaminas.
mg .gov.br. Acesso em:
voltas coloniais em dois grupos distin- 06/07/2009
tos, sendo o primeiro deles as rebeliões
nativistas.
As duas revoltas ocorridas em Mi-
nas já foram por nós trabalhadas na uni-
dade anterior: a Guerra dos Emboabas
e a Revolta de Filipe dos Santos. Aqui,
cabe lembrar que essas revoltas denota-
ATIVIDADE
vam a tensa relação que se dava na ex-
ploração do ouro, base para compreen- Faça uma pequena pes-
quisa sobre a biografia
der a crise do sistema colonial. de Filipe dos Santos,
Destacamos, ainda, as outras duas para que, assim, seja
revoltas de grande relevância. possível entender me-
A Revolta de Beckman (1684) se lhor as elites coloniais
deu devido à falta de mão de obra ne- das Minas no século
XVIII.
gra no Maranhão. A solução seria a es-
cravização indígena. Porém, existia uma
grande resistência jesuítica. Interferindo
no problema da mão de obra, a Coroa
criou a Companhia Geral de Comércio
do Maranhão, que passou a monopoli-
zar o comércio.
Porém, o surgimento de tal com- ◄ Figura 56: A revolta de
Filipe dos Santos
panhia que utilizava a mão de obra ne-
Fonte: Disponível em
gra fez com que se revoltasse Manuel http://www.colband.com.
Beckman, procurando revogar o mono- br. Acesso em: 06/07/2009
pólio, expulsar os jesuítas, recuperar a li-
berdade de comércio e de utilização da
mão de obra indígena. Declarados tais
objetivos, foi conseguida a nomeação
de novo governador para o Estado e foi
abolido o estanco da companhia. Con-
seguindo parcialmente os objetivos, o
movimento perdeu a força, dois líderes
foram executados (Manuel Beckman e Jorge Sampaio), e os jesuítas voltaram à região, isso por
volta de 1685.

◄ Figura 57: A revolta de


Beckman
Fonte: Disponível em
www.brasilescola.com/
historiab/revolta-beck-
man.htm. Acesso em:
06/07/2009

45
UAB/Unimontes - 3º Período

Outro importante movimento foi a Guerra dos Mascates.


“Mascates” era o apelido dos comerciantes portugueses que mo-
ravam em Recife e que incitavam a ira dos latifundiários de Olin-
da, cidade mais velha, porém em segundo plano, desde as inva-
sões holandesas. Na ocasião em que Recife foi elevada à vila, os
latifundiários, grandes devedores dos comerciantes, iniciaram o
movimento.
Os Mascates possuíam uma visível superioridade econô-
mica; porém, politicamente, Olinda detinha o poder político. Os
olindenses não aceitaram a emancipação de Recife e, inaugurado
o conflito, a Coroa interviu, nomeou o governador e confirmou a
autonomia de Recife.
Sendo assim, já nos anos iniciais do século XVIII, o Brasil
apresentava sinais que levariam à crise derradeira do sistema. As
Revoltas revelam claramente o clima que se instalava. A metrópo-
le se tornava um empecilho para o crescimento da colônia.
Para Fernando Novais, a situação levaria efetivamente a um
novo contexto político:

Neste quadro de agudas tensões, neste complexo emaranhado de múltiplos
Figura 58: A guerra dos interesses, o equilíbrio se torna evidentemente precário, e se rompe com a in-
mascates dependência dos Estados Unidos. A constituição da nova República tinha, com
Fonte: Disponível em efeito, implicações que de muito transcendiam o simples evento político. Era a
http://www.maltez.info. primeira vez que uma colônia se tornava independente. Crises, tensões, com-
Acesso em: 06/07/2009 petição, supremacia de uma potência que se apropria de colônias de outras
metrópoles haviam sido ajustamentos dentro do sistema. O que este eviden-
temente não comportava era a ruptura do pacto. Na mesma medida em que
as tensões estruturais se agravavam, que os interesses divergentes vinham à
tona, o mundo colonial passava a viver em tensão; a crítica do Antigo Regime
atingia as colônias, onde encontrava ambiente altamente receptivo. Com a in-
dependência dos Estados Unidos porém, o que era uma possibilidade passou a
ser uma realidade. As inovações políticas envolvidas na forma republicana que
assumia o novo estado ainda mais acentuavam o seu significado, marcando o
início da crise não só do Sistema Colonial, mas de todo o Antigo Regime (NO-
VAIS, 1998, p. 105-6).

3.4 As conjurações, a crise do


sistema colonial e os exemplos
da Inconfidência Mineira e da
conjuração baiana
Conforme explicitado anteriormente, os movimentos na colônia se deram sob duas motiva-
ções, e a segunda delas a que nos dedicaremos agora são os movimentos que buscavam a inde-
pendência do Brasil com relação a Portugal.
A aversão aos portugueses tornou-se maior à medida que as exigências fiscais da Coroa au-
mentaram, principalmente na região das minas. O exemplo da Independência dos Estados Uni-
dos e, em menor escala, as ideias revolucionárias dos filósofos franceses, que os estudantes bra-
sileiros ficavam conhecendo quando iam realizar seus cursos superiores na Europa, contribuíram
para a formação das ideias separatistas naquela parte da colônia.

46
História - História do Brasil Colônia II

◄ Figura 59: A
independência dos EUA
Fonte: Disponível em
http://catatau.blog-
some.com Acesso em:
06/07/2009

ATIVIDADE
As influências a esses movimentos separatistas se dão não apenas na independência dos Procure fazer uma
EUA, como também pela Revolução Francesa e pelo Iluminismo. pesquisa mais deta-
Para Caio Prado Jr, em seu livro Evolução Política do Brasil, a colônia caminhava a passos lar- lhada de alguns dos
gos para o futuro processo de independência. Rompia-se parte das relações entre metrópole e Inconfidentes de Minas
colônia: Gerais. Tais homens são
fundamentais para se
compreender o perfil
Mas, rompera-se o equilíbrio político do regime colonial minando-lhe surda- das elites coloniais à
mente a base, e manifestando-se por vezes na superfície em atritos e choques época.
violentos, trabalhavam forças contrárias, que dia a dia mais comprometiam a
estabilidade. O choque destas forças, interesses nacionais e lusitanos, no terre-
no econômico: autonomia local, representada pela alta administração dos co-
lonos, e sujeição administrativa, representada pelo poder soberano da Coroa
portuguesa, no terreno político; o choque destas formas contrárias assinala a
contradição fundamental entre o desenvolvimento do país e o acanhado qua-
dro do regime de colônia. Dele vai resultar a nossa emancipação (PRADO Jr.,
1999, p. 44).

Inegavelmente, a Inconfidência Mineira foi o maior exemplo dessa crise colonial que o Brasil
vivia.
A Inconfidência Mineira é datada do ano de 1789, ou seja, o mesmo período de início da
Revolução Francesa, não sofrendo, entretanto, influência direta do movimento francês. O movi-
mento tem como principal característica o fato de se tratar de um evento político e elitista, onde
a participação popular não se via de maneira tão intensa.

◄ Figura 60: OS
inconfidentes de Minas
Gerais
Fonte: Disponível em
http://www.conversade-
menina.wordpress.com.
Acesso em: 06/07/2009

47
UAB/Unimontes - 3º Período

A pretensão básica era a procla-


mação de uma República para a região,
Figura 61: Bandeira de ►
Minas Gerais procurando-se separar do jugo portu-
Fonte: Disponível em guês. A revolta deveria iniciar-se no dia
http:// www.portalsao- da derrama, que o governo programa-
francisco.com.br. Acesso va para 1788 e acabou suspendendo
em: 06/07/2009
quando soube da conjuração. As causas
de maior destaque que contribuíram na
decisão de iniciar o movimento estão
na questão da decadência da minera-
ção e no aumento da opressão da me-
trópole portuguesa sobre a região das
minas.
A importância de Minas Gerais nesse contexto é enorme, pois se trata da região que, no sé-
culo XVIII, era o centro econômico, político e cultural da colônia.
A Inconfidência Mineira teve relação direta com as características da sociedade regional e
com o agravamento de seus problemas, nos dois últimos decênios do século XVIII. Isso não sig-
nifica que seus integrantes não fossem influenciados pelas novas ideias que surgiam na Europa e
na América do Norte:

Desde 1734, o valor mínimo do quinto exigido pelo governo português era de
cem arrobas anuais. Em 1650, estabeleceu-se que os impostos atrasados se-
riam cobrados através da derrama. Quer dizer, nos anos em que o recolhimen-
to do quinto da capitania de Minas Gerais não atingisse cem arrobas, o débito
seria cobrado à força da população mineira. [...] Na verdade, com o declínio da
mineração, tornou-se cada vez mais difícil cobrir as cem arrobas anuais exigi-
DICA das. A partir de 1763, os mineradores não conseguiram mais pagar o quinto
Você sabia que Tiraden- estabelecido e os impostos atrasados começaram a acumular-se (ANASTASIA,
tes não era o homem 1995, p. 18).
mais pobre que partici-
pou da Inconfidência? Muitos membros da elite mineira
circulavam pelo mundo e estudavam
na Europa. Em 1787, entre os dezenove
estudantes brasileiros matriculados na
Universidade de Coimbra, dez eram de
Minas.
Figura 62: A execução ► Os objetivos da inconfidência se-
de Tiradentes
riam, então, o rompimento definitivo
Fonte: Disponível em
http://histoblogsu. com a metrópole, estabelecendo um
blogspot.com. Acesso em: governo independente, assim como
07/07/2009 o que foi feito na independência das
treze colônias dos EUA. Entre outros
planos, os inconfidentes pretendiam
fundar uma Universidade em Vila Rica e
criar algumas indústrias.
Não haviam propósitos mais vol-
tados para questões de cunho social,
como, por exemplo, a abolição da es-
cravidão nas minas (somente uma mi-
noria se via do lado deste tipo de me-
didas).
A liderança fora atribuída a Tira-
dentes – hoje considerado o grande
líder da Inconfidência Mineira e nosso
herói da República, mas o movimento
fracassa, devido à traição de um de seus membros, Joaquim Silvério dos Reis. O processo contra
os inconfidentes arrastou-se durante dois anos. A sentença inicial condenou à morte vários deles
e ao degredo outros.
Posteriormente, a Rainha Dona Maria I comutou todas as sentenças de morte, modificando
-as para degredo, com exceção da sentença de Tiradentes.

48
História - História do Brasil Colônia II

A Inconfidência Mineira é um exemplo de como acontecimentos históricos de


alcance aparentemente limitado podem ter impacto na história de um país.
[...] Mas a relevância da Inconfidência deriva de sua força simbólica: Tiradentes
transformou-se em herói nacional, e as cenas de sua morte, o esquartejamen-
to de seu corpo, a exibição de sua cabeça passaram a ser evocadas com muita
emoção e horror nos bancos escolares (FAUSTO, 2002, p. 118).

Torna-se importante destacar também a Conjura-


ção Baiana – ou Revolta dos Alfaiates – que fez parte
do processo de decadência das relações coloniais.
Ocorrida no ano de 1798 (portanto percebe-se
aqui a influência que o movimento sofreu do proces- ◄ Figura 63: A conjuração
so revolucionário francês...), este movimento apresenta baiana
um caráter mais popular que a inconfidência de Minas Fonte: Disponível em
Gerais. O seu caráter popular se deve ao fato de ser um portalsaofrancisco.com.br.
Acesso em: 07/07/2009
movimento que tem em suas bases ideais de melhoria
na situação do povo, como a busca da abolição da es-
cravidão.
A Inconfidência Baiana de 1798, também cha-
mada Conjuração Baiana, teve características bem di-
ferentes das anteriores, especialmente porque seus
participantes pertenciam às camadas pobres da popu-
lação.

O poderoso e magnífico povo


bahiense republicano desta
Cidade da Bahia Republicana
considerando-nos muitos e repetidos latrocínios feitos com os títulos de im-
posturas, tributos e direitos que são cobrados por ordem da Rainha de Lisboa
e no que respeita a inutilidade da escravidão do mesmo povo tão sagrado
e digno de ser livre, com respeito à liberdade e igualdade ordena, manda e
quer que para o futuro seja feita nesta cidade e seu termo a sua revolução
para que seja exterminado para sempre o péssimo jugo reinável da Europa
(INÁCIO, 1993) p. 60.

Entre as pretensões do movimento, buscava-se a proclamação de uma República. No entan-


to, o movimento fracassa, devido ao despreparo dos seus participantes e à desorganização do ATIVIDADE
mesmo. Em agosto de 1798, os conspiradores colocaram nos muros da cidade papéis manuscri-
Faça uma pesquisa so-
tos chamando a população à luta e proclamando ideias de liberdade, igualdade, fraternidade e bre os principais líderes
República. Foram descobertos e presos e, em 8 de novembro de 1799, enforcados em Salvador. da Conjuração Baiana,
e procure avaliar como
Os conspiradores defendiam a proclamação da Republica, o fim da escravidão, o perfil dos baianos era
o livre comércio, especialmente com a França, o aumento do salário dos milita- diferente dos inconfi-
res, a punição de padres contrários à liberdade. O movimento não chegou a se dentes de Minas Gerais.
concretizar, a não ser pelo lançamento e alguns panfletos e várias articulações
(FAUSTO, 2002, p. 119).

É importante destacar que esses movimentos deram uma grande contribuição à Indepen-
dência do Brasil, afinal fazem parte de um contexto contrário à situação colonial do Brasil. Mais
do que a boa vontade de Dom Pedro, essas revoluções são, na verdade, o grande empurrão para
o processo de independência da nação.

3.5 Tiradentes: uma liberdade,


ainda que tardia
O momento histórico a que comumente se chamou de “crise do sistema colonial”, além de
produzir eventos dos mais importantes para a História do Brasil, foi capaz também de produzir
mitos.

49
UAB/Unimontes - 3º Período

O processo de independência do Brasil


levou à construção histórica de heróis e vilões,
em meio às relações de desgaste entre Brasil e
Figura 64: Tiradentes ► Portugal.
Fonte: Disponível em No período colonial, Tiradentes foi visto
http://www.passado.com. como criminoso, pois tinha cometido um crime
br. Acesso em: 07/07/2009 de lesa-majestade, isto é, contra a rainha e o
poder do Estado português. Durante o império,
sua imagem continuou a mesma, uma vez que
D. Pedro I e D. Pedro II descendiam em linha di-
reta da rainha D. Maria I, responsável pela con-
firmação da sentença dos condenados.
Foi somente com a proclamação da Re-
pública, em 1889, que Tiradentes foi elevado
à condição de herói. Afinal, o alferes morrera
defendendo os interesses do Brasil contra a
opressão portuguesa. A construção do herói
nacional teve seu momento decisivo durante o
período militar (1964-1985), quando Joaquim
José da Silva Xavier se tornou o patrono da na-
ção brasileira.
Herói, bandido ou bode expiatório? De
acordo com o historiador Kenneth Maxwell
Figura 65: Tiradentes ► (1978), o enfoque excessivo sobre a figura de
esquartejado
Tiradentes acabou deixando de lado o real
Fonte: Disponível em
http://www.bibliaco.zip. significado histórico do movimento, que foi o
net Acesso em: 07/07/2009 conflito entre grupos econômicos da colônia e
do reino. Mas, independente- mente das ver-
sões dadas ao movimento ou ao próprio Tira-
dentes, foi Cecília Meireles (1901-1964) quem
nos deixou uma bela lição sobre liberdade, que
perpassou e perpassará por todos os tempos
da nossa história, por meio do Romanceiro da
Inconfidência.
José Murilo de Carvalho (1990), em A for-
mação das almas, analisa a ideia de se ter for-
mado Tiradentes como herói para a República
ATIVIDADE brasileira. Para o autor, o herói tem que atender
Faça uma pequena pes- às aspirações da nação, a partir de uma identi-
quisa sobre as imagens dade que, se necessário, tem que ser fabricada.
que foram produzidas Assim, o herói tem que atender a uma aspira-
sobre Tiradentes, espe- ção coletiva da nação.
cialmente as telas que Vários nomes teriam disputado esse espa-
foram pintadas. Você
perceberá o quanto ço, e Tiradentes teria atendido com maior êxito
elas apresentam dife- a esse perfil:
renças, o que demons-
tra a dificuldade de se A aceitação de Tiradentes veio, assim, acompanha-
criar uma imagem úni- da de sua transformação em herói nacional, mais do
ca dele.Poste seu ponto que em herói republicano. Unia o país através do espaço, do tempo, das clas-
de vista no fórum da ses. Para isso, sua imagem precisava ser idealizada, como de fato o foi. O pro-
unidade. cesso foi facilitado por não ter a história registrado nenhum retrato, nenhuma
descrição sua (CARVALHO, 1990, p. 71).

Vários elementos, portanto, serviram à idealização da imagem de Tiradentes. Também se


utilizando das ideias levantadas por José Murilo de Carvalho, a historiadora Sílvia Hunold Lara
explicita:

A associação do herói com Cristo faz parte deste processo. Ela já se fazia pre-
sente nos anos 60 do século XIX, e se consolidava com a obra de Joaquim Nor-
berto de Souza e Silva em 1873. O condenado que saiu da cadeia em ‘soliló-
quios com o crucifixo’, que havia perdoado a seu próprio carrasco, tinha seu

50
História - História do Brasil Colônia II

momento máximo, com a corda no pescoço, tornou-se o grande símbolo da


redenção do país. A forma de representar este símbolo daí por diante vai tomá
-lo sempre nesta situação, ao pé do cadafalso, em uma cenografia que lembra
inevitavelmente a imagem de Cristo ao pé da cruz. As comemorações do 21 de
abril no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e em outros lugares do país ganham
cada vez mais o caráter de procissões da Paixão ou do Senhor morto, relem-
bram-se sempre todos os acontecimentos que precederam o enforcamento
(CARVALHO, 1990, p. 78-80).

Referências
ANASTASIA, Carla Maria Junho. Inconfidência Mineira. São Paulo, Ática,
1995.

APTHEKER, Herbert. Uma nova história dos Estados Unidos: a revolu-


ção americana. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1969.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas. São Paulo: Cia das Letras, 1990.
Figura 66: Tiradentes
CORDI, Cassiano et al. Para filosofar. São Paulo, Scipione, 1995. FAUSTO, Boris. História do Bra- e sua semelhança com
Jesus Cristo
sil. 10 ed. São Paulo: Edusp, 2002.
Fonte: Disponível em
http://www.brasilazul.
FAUSTO, Boris. História do Brasil. 10. ed. São Paulo: Edusp, 2002. com.br Acesso em:
07/07/2009
INÁCIO, Inês da Conceição & LUCA, Tânia Regina de. Documentos do Brasil colonial. São Paulo:
Ática, 1993.

LARA, Silvia Hunold. Tiradentes e a nação esquartejada. In: Secretaria Municipal de Cultura de
São Paulo. Pátria amada esquartejada. São Paulo: DPH, 1992.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1978.

NOVAIS, Fernando. Estrutura e dinâmica do antigo sistema colonial. São Paulo: Brasiliense,
1998.

PRADO JR., Caio. Evolução Política do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.

51
História - História do Brasil Colônia II

Unidade 4
A crise do estado português e a
falência do sistema colonial

4.1 Introdução
Portugal entrou no século XIX em crise já acentuada. O estado português parecia falido
diante da não adaptação dos lusitanos ao capitalismo liberal, já que Portugal permanecia atrela-
do ao antigo modelo absolutista e mercantilista.
Nações como França e Inglaterra, cada qual da sua forma, impulsionavam a crise do antigo
regime e, por sua vez, à crise do sistema colonial. Dessa forma, as relações entre essas nações le-
variam ao processo de independência do Brasil.
O objetivo desta unidade é compreender como se deu o processo definitivo de fim do siste-
ma colonial, especialmente por meio da vinda da família real portuguesa ao Brasil que, inegavel-
mente, traria consequências definitivas para a relação entre Brasil e Portugal. Para tal, essa quarta
unidade está dividida nos seguintes tópicos:
• Portugal, Inglaterra, Brasil, Napoleão;
• A família real no Brasil: burocracia, poder, história e ficção,
• O significado da independência.

4.2 Portugal, Inglaterra, Brasil,


Napoleão...
Houve muita confusão no embarque, e a viagem não foi fácil. Uma tempestade
dividiu a frota; os navios estavam superlotados, daí resultando falta de comi-
da e água; a troca de roupa foi improvisada com cobertas e lençóis fornecidos
pela marinha inglesa; para completar, o ataque dos piolhos obrigou as mulhe-
res a raspar o cabelo. Mas esses aspectos novelescos não podem ocultar o fato
de que, a partir da vinda da família real para o Brasil, ocorreu uma reviravolta
nas relações entre a Metrópole e a Colônia (FAUSTO, 2002, p. 121).

No começo do século XIX, a situação do Brasil, do ponto de vista político, não era muito di-
ferente do século anterior. Depois da chegada de Dom João e da Corte portuguesa, em 1808,
várias mudanças políticas e administrativas começaram a ocorrer no Brasil. Quando as Cortes de
Lisboa quiseram promover a recolonização do Brasil, os brasileiros logo reagiram. No ano seguin-
te ao da partida de Dom João e da Corte para a metrópole, foi proclamada a Independência.
A Independência do Brasil não aconteceu devido a um fato isolado. Vários são os fatores que
contribuíram no processo, acarretando a nova condição para o Brasil.
As influências externas são diversas, trazendo-se da Europa contribuições para tornar os co-
lonos mais conscientes e aptos a contestarem, para efetivar a independência do Brasil, e a trans-
ferência da corte portuguesa para o Brasil, mais precisamente para o Rio de Janeiro.

53
UAB/Unimontes - 3º Período

Figura 67: A revolução ►


francesa
Fonte: Disponível em
http://www.revolucao-
-francesa.blogspot.com.
Acesso em: 07/07/2009

Perguntaríamos, então, por que aconteceu tal situação. O que levaria a corte portuguesa a
se estabelecer em uma colônia? Na Europa, passava-se por um momento onde o cenário políti-
co-militar era dominado por uma figura: Napoleão Bonaparte. Este, por meio do seu domínio na
França, estende sua influência por toda a Europa, decretando o chamado Bloqueio Continental.
ATIVIDADE
Faça uma pesquisa so-
bre a história da Revo-
lução Francesa em sua
última fase, e procure
analisar o papel de Na-
poleão no processo de
estabilização da França Figura 68: Napoleão ►
depois da Revolução de Bonaparte
1789. Fonte: Disponível em
http://www.finalsports.
com.br. Acesso em:
07/07/2009

Com este bloqueio, os países da Europa estariam obrigados a interromperem suas relações
diplomáticas com a Inglaterra, inimiga da França. Com essa medida, Napoleão pretendia enfra-
quecer a Inglaterra, privando-a de seus mercados consumidores e de suas fontes de abasteci-
mento.

54
História - História do Brasil Colônia II

◄ Figura 69: Mapa da


Europa - bloqueio
continental
Fonte: Disponível em
http://www.portalsaofran-
cisco.com.br. Acesso em:
07/07/2009

Como sabemos, a ligação entre Portugal e Inglaterra era muito grande, afinal a economia
portuguesa tinha uma grande dependência em relação aos ingleses.
Pressionado por Napoleão, que exigia o
fechamento dos portos portugueses ao comér-
cio inglês, e ao mesmo tempo pretendendo
manter as relações com a Inglaterra, Dom João
◄ Figura 70: Dom João VI
tentou adiar o mais que pôde uma decisão
Fonte: Disponível em
definitiva sobre o assunto. No entanto, tal si- embaixada-portugal-bra-
tuação levou à desobediência do Bloqueio por sil.blogspot.com. Acesso
parte da Coroa portuguesa. em: 07/07/2009
Com isso, Napoleão invade Portugal, le-
vando a Coroa a procurar um novo local para
se estabelecer: o Brasil. Toda a administração
portuguesa se transfere para a colônia, e o
Brasil passa a ser a nova sede da Coroa Portu-
guesa.
A chegada de Dom João à Bahia, onde fi-
cou pouco mais de um mês, ocorreu em 22 de
janeiro de 1808. Teve início, então, uma nova
época na História do Brasil, pois a colônia foi a
grande beneficiada com a transferência da Corte. A presença da administração real criou pouco a
pouco condições para a futura emancipação política da colônia.

4.3 A família real no Brasil:


burocracia, poder, história e ficção
A transferência da família real para o Brasil é um dos temas de maior preocupação entre os
historiadores brasileiros. Em grande parte, isso se dá devido ao fato de que a vinda da família real
para a colônia foi um evento exclusivo das relações entre Brasil e Portugal.

55
UAB/Unimontes - 3º Período

Figura 71: A ►
transferência da família
real para o Brasil.
Fonte: Disponível em
http://www.portaltosa-
bendo.com.br. Acesso em:
07/07/2009

Figura 72: A ►
transferência da família
real para o Brasil
Fonte: Disponível emem-
baixada-portugal-brasil.
blogspot.com. Acesso em:
07/07/2009

Além das abordagens históricas sobre o tema, preocupações das mais variadas são perceptí-
veis quando se estuda o famoso evento de 1808. Eventos dramáticos e pitorescos fazem parte do
episódio.
Segundo Schwarcz (2005), o evento carrega em si várias curiosidades. O tempo para a trans-
ferência era curto, além de se tratar de uma empreitada única.
O plano era mais complexo do que se podia imaginar. Afinal, seguiriam viagem, acompa-
nhando a família real, não apenas alguns poucos funcionários selecionados. Já em relativa pron-
tidão e expectativa, encontravam-se outras inúmeras famílias – as dos conselheiros e ministros
de Estado, da nobreza, da corte e dos servidores da Casa Real. Para Schwarcz (2005, p. 22), “não
eram, porém, indivíduos isolados que fugiam, carregando seus objetos pessoais.
Portanto, o evento é dotado de várias possibilidades de estudo, o que implica outras tantas
interpretações (SCHWARCZ, 2005).
Não apenas a história se preocupou em analisar a vinda da família real. No ano de 2008 a
História, a Mídia, a Literatura, entre tantas outras áreas do conhecimento se voltaram para a com-
preensão do evento que ocorrera no ano de 1808.
Em texto recente, Jesus (2008) procura estudar o tema sobre a percepção da ficção, em uma
abordagem que intenciona aproximar os leitores comuns ao evento de 1808. Sobre Dom João,
revela o autor:

A saída de Portugal era uma demonstração da sua fraqueza e covardia, corren-


do às pressas da Europa com medo de Napoleão Bonaparte. Comia frango o
dia inteiro e não tinha capacidade de tomar decisões importantes, por isso ata-
cara a Guiana Francesa. Uma invasão para entrar para a nossa história expan-
sionista. [...] Trouxera para o Brasil milhares de portugueses, como ele, um peso
para a colônia. Uma máquina burocrática falida, deficiente, retrógrada. Ajuda-
ram a aperfeiçoar no Brasil as nossas práticas corruptas e paternalistas, as ações

56
História - História do Brasil Colônia II

de nepotismo e mal uso da máquina pública. Uma escola, sem dúvida. Dom
João era um exemplar perfeito daqueles políticos bonachões, ridículos mesmo
(JESUS, 2008, p. 42-3).
ATIVIDADE
A intenção do Jesus (2008), obviamente, é apenas “brincar” com os detalhes e diversas con-
Pesquise sobre a bio-
cepções que envolvem o evento. Nesse sentido, o autor lança mão da ficção, revelando o quanto grafia de Dom João VI
o estudo do tema pode atrair a atenção de pessoas comuns e especialistas. e da família real, espe-
Não obstante, a administração de Dom João VI foi marcante para a História do Brasil. cialmente Dona Maria
Logo que chega ao Brasil, Dom João trata de colocar em prática as suas prerrogativas de I, a louca, e Carlota
imperador. Menos de uma semana depois de sua chegada, ainda na Bahia, o Príncipe Regente Joaquina.
tomou a primeira e mais importante medida de caráter econômico. Em 28 de janeiro de 1808,
influenciado por José da Silva Lisboa, mais tarde Visconde de Cairu, Dom João expediu a carta
régia de abertura dos portos do Brasil às nações amigas de Portugal. Daí em diante, o Brasil po-
deria comerciar diretamente com quem quisesse.
Abrindo os portos para as nações amigas de Portugal, na verdade se apresenta um outro
discurso: abriam-se os portos para a Inglaterra, a grande parceira da Coroa portuguesa no cená- ATIVIDADE
rio europeu:
Faça uma pesquisa so-
bre a história da Revo-
A abertura dos portos foi um ato historicamente previsível, mas ao mesmo lução Francesa em sua
tempo impulsionado pelas circunstâncias do momento. Portugal estava ocu- última fase, e procure
pado por tropas francesas, e o comércio não podia ser feito através dele. Para a analisar o papel de Na-
Coroa, era preferível legalizar o extenso contrabando existente entre a colônia poleão no processo de
e a Inglaterra e receber os tributos devidos (FAUSTO, 2002, p. 122). estabilização da França
depois da Revolução de
Sendo assim, o sentido do Pacto Colonial já não seria mais o mesmo. Na verdade, essas me- 1789.
didas põem fim ao Pacto entre o Brasil e Portugal, pois agora a “colônia” estaria aberta para ou-
tras nações (leia-se Inglaterra); portanto, o decreto de abertura dos portos pôs fim ao monopólio
luso sobre o comércio brasileiro, que era a base da política colonial portuguesa.
Aqui, surge um momento importante da história do Brasil: a união que vai permear as rela-
ções entre o Brasil e a Inglaterra. Era como se o Brasil passasse a ter uma nova metrópole com a
independência em relação a Portugal.
Alguns tratados são assinados entre Portugal e Inglaterra, buscando facilitar a entrada e
ação dos ingleses na colônia. Os Tratados de Comércio e Navegação e de Aliança e Amizade são
os grandes exemplos.

◄ Figura 73: Os tratados


de 1810
Fonte: Disponível em
http://www.portalsaofran-
cisco.com.br. Acesso em:
07/07/2009

ATIVIDADE
Procure assistir ao filme
“Carlota Joaquina”,
Em 1810, Dom João assinou vários tratados com a Inglaterra. O mais importante deles foi o dirigido por Carla Ca-
murati, um dos filmes
Tratado de Comércio e Navegação, que estabelecia uma taxa de apenas 15% sobre a importação de maior relevância na
de produtos ingleses. Para avaliar o significado dessa medida, basta lembrar que a taxa de impor- produção cinematográ-
tação de produtos portugueses era de 16% e a de produtos de outras nações de 24%. Com esses fica brasileira.
tratados, portanto, os ingleses praticamente eliminavam a concorrência no mercado brasileiro,
dominando-o por completo.

57
UAB/Unimontes - 3º Período

Como podemos perceber, esses processos vão colocando a Inglaterra com um domínio
cada vez maior sobre a economia brasileira.
Tratados como os mencionados acima fazem dos produtos ingleses os mais presentes na
nação, inviabilizando um possível desenvolvimento da indústria nacional. Entre outras medidas
tomadas pelo governo português no Brasil, sob a influência inglesa, está a questão da escravi-
dão. Dom João se compromete a acabar com o tráfico de escravos no Brasil, o que só vai ocorrer
no ano de 1850, e mesmo assim somente acaba com o tráfico internacional, persistindo a prática
do tráfico interno.
Dom João foi o responsável por algumas medidas de grande repercussão no país. Quando
veio ao Brasil, trouxe com ele uma corte parasitária de cerca de 15 mil pessoas apadrinhadas.
Portanto, essas pessoas vão viver no país à custa da população da colônia, sendo um mo-
mento de grande corrupção e atos incompetentes do imperador.
Entre outras realizações, Dom João cria o primeiro Banco do Brasil, a Casa da Moeda, a Bi-
blioteca Pública, o Jardim Botânico. Percebemos também medidas de cunho cultural, como a
criação do Teatro Real. Era como se o Rio de Janeiro fosse preparado para abrigar a corte real.

Figura 74: O jardim ►


botânico
Fonte: Disponível em
http://www.meumun-
doenadamaisevellyn.
wordpress.com. Acesso
em: 07/07/2009

Figura 75: O Banco do ►


Brasil
Fonte: Disponível em
http://www.joaquimbran-
co.blogspot.com. Acesso
em: 07/07/2009

58
História - História do Brasil Colônia II

Entre as medidas desastrosas de Dom João, está


a sua invasão à Guiana Francesa, em represália a Na-
poleão, e o ordenamento da invasão ao Uruguai, que
vai ser província do Brasil até o ano de 1828. ◄ Figura 76: A região da
Politicamente, no ano de 1815, o Brasil deixa Cisplatina
efetivamente de ser colônia, e é elevado à catego- Fonte: Disponível em
ria de Reino Unido de Portugal e Algarves. Com essa http://www.educacao.
medida, o Brasil deixava de ter o estatuto legal de uol.com.br. Acesso em
07/07/2009
colônia. Era um passo importante para a emancipa-
ção política.
Em meio ao processo de desagregação das rela-
ções entre metrópole e colônia, a Revolução do Porto
teve um papel de enorme importância.
A situação econômica de Portugal não era das
mais favoráveis. No ano de 1820, ocorreu um levante
na cidade do Porto, que apresentou um caráter liberal
e anti-absolutista.
A Revolução do Porto tinha como principais ob-
jetivos: derrubar a administração inglesa, promover
a volta de Dom João VI para Portugal e elaborar uma
Constituição, levando ao fim o absolutismo no reino
lusitano. Outro objetivo era a retomada dos antigos
privilégios comerciais que os portugueses tinham
com o Brasil e que foram perdidos em 1808.

◄ Figura 77: A revolução


do porto. Guarda
Municipal a atacar
os revoltosos
entrincheirados no
edifício da Câmara
Municipal, durante a
Revolta republicana do
Porto.
Fonte: Disponível em
http://www.galeriapho-
tomaton.blogspot.com.
Acesso em 07/07/2009

Com a revolução, as cortes portuguesas passam a exigir o retorno de Dom João VI a Portu-
gal e que o processo de recolonização do Brasil fosse colocado em prática. Era preciso que o Bra-
sil voltasse a ser de Portugal. Somente de Portugal. A volta de Dom João é conseguida: ele volta a
Portugal e deixa como Regente do Brasil Dom Pedro I.
Internamente, no Brasil, esse fato contribuiu para a independência, na medida em que a
pressão sobre Dom Pedro I vai se acentuar, levando o mesmo a declarar o Brasil como uma nação
independente.

59
UAB/Unimontes - 3º Período

4.4 O significado da
independência
Os acontecimentos ocorridos em 1821
evidenciaram ser inevitável a independência
do Brasil. Porém, internamente, as classes mais
abastadas discutiam o melhor modo de con-
Figura 78: Dom Pedro I ► quistá-la, levando em conta seus interesses e
Fonte: Disponível em orientação política.
algosobre.com.br. Acesso Nesse sentido, em regra, a aristocracia ru-
em: 07/07/2009 ral escravista (ou grandes proprietários rurais)
e parte dos grandes comerciantes que se bene-
ficiaram com o fim do pacto colonial represen-
tavam a base dos chamados moderados. Este
grupo, mesmo conciliando algumas ideias que
iam de liberais a conservadoras, era favorável a
uma independência sem alteração na estrutu-
ra de poder, sem a participação popular e com
Dom Pedro I à frente de uma monarquia cons-
titucional.
Já a classe média urbana (advogados, letrados,
padres, militares e jornalistas, entre outros) re-
presentava a base dos chamados radicais, que
também eram favoráveis ao processo de independência, porém com alteração na estrutura do
poder.
Este grupo, que se dividia entre partidários de um processo revolucionário de independên-
cia, republicanos e monarquistas, acabou aceitando o projeto de monarquia constitucional com
Dom Pedro I à frente, como queriam os moderados. Este consenso viabilizou a formação do cha-
mado Partido Brasileiro, que foi favorável à independência do Brasil.
No outro extremo, portugueses e até brasileiros que não queriam a independência acaba-
ram se articulando em torno do Partido Português.
ATIVIDADE Atendo-se a Dom Pedro I, sua permanência no Brasil descontentou as cortes de Lisboa,
Pesquise sobre a bio- que passaram a emitir decretos procurando limitar seu poder, bem como exigir seu retorno a
grafia de Dom Pedro I Portugal.
e de José Bonifácio, e Em meio a essas circunstâncias, Dom Pedro I, no dia 9 de janeiro de 1822, após receber uma
procure intercalar as
relações políticas da petição com mais de 8 mil assinaturas pedindo sua permanência no Brasil, resolveu desobedecer
época e o papel desses ao governo português e ficar. Tal fato ficou conhecido como o “Dia do Fico”.
dois homens no proces-
so de independência
do Brasil.

Figura 79: Dia do fico ►


Fonte: Disponível em
http://www.f64.com.br.
Acesso em: 07/07/2009

Essa atitude não foi bem recebida pelos militares portugueses encarregados de conduzir
Dom Pedro I. Assim, este, após ter solicitado juramento de fidelidade da tropa, passou a conside-

60
História - História do Brasil Colônia II

rar inimigas as tropas portuguesas que desembarcassem no Brasil. Em maio de 1822, procurando
ampliar seu poder frente a Portugal, Dom Pedro I baixou o decreto do “Cumpra-se”, estabelecen-
do que os decretos portugueses só seriam cumpridos no Brasil mediante sua assinatura.
Diante dos fatos e considerando que, informalmente, a independência já estava em curso,
em junho de 1822, Dom Pedro I convocou uma Assembleia Constituinte, com José Bonifácio à
frente, com o intuito de elaborar uma constituição para o Brasil.
O descontentamento de Portugal em relação à política de Dom Pedro I cresceu e, em setem-
bro de 1822, novas exigências e ameaças foram feitas e levadas ao conhecimento de Dom Pedro,
que se encontrava em São Paulo, retornando de uma viagem.
Assim, no dia 7 de setembro de 1822, diante das circunstâncias, foi proclamada a indepen-
dência do Brasil, como os moderados queriam, sem povo e com a manutenção da estrutura do
poder, ou seja, a manutenção de uma sociedade dominada pela aristocracia rural escravista, que
marcou todo o período imperial no Brasil, como se verá adiante.

◄ Figura 80: O grito


de independência –
Ipiranga
Fonte: Disponível em
http://oglobo.globo.com.
Acesso em 07/07/2009

Dada a emancipação do Brasil, é necessário fazer algumas ressalvas. Essa emancipação se dá


apenas em termos políticos. Economicamente, o país continua dependente em relação a outras
nações.
Agora, a nossa locomotiva econômica seria a Inglaterra, aos moldes do controle que os EUA
exercem atualmente! Com a independência, o Brasil vai se tornar uma nação monarquista, di-
ferentemente dos países da América Espanhola, que formaram repúblicas. Com a instituição da
monarquia, consegue-se manter a unidade territorial do país.
A emancipação do Brasil – assim como praticamente todos os momentos políticos do país –
não teve participação popular, sendo um movimento da elite. Instituições como a escravidão vão
persistir como base da nossa economia, sendo apenas abolida a escravidão no final do império.

O Brasil se tornava independente, com a manutenção da forma monárquica de


governo. Mais ainda, o novo país teria no trono um rei português. Este último
fato criava uma situação estranha, porque uma figura originária da Metrópole
assumia o comando do novo país. Em torno de Dom Pedro I e da questão de
sua permanência no trono muitas disputas iriam ocorrer, nos anos seguintes
(FAUSTO, 2002, p.134).

Também o processo de independência é um evento carregado de mitos e abordagens das


mais diversas. Até hoje se questiona se a independência foi um acontecimento pacífico ou não,
ou mesmo se Dom Pedro I traiu Portugal.
Em recente texto da Revista Nossa História, vários historiadores discutem alguns desses mi-
tos. A questão da pacificidade, por exemplo, é uma questão que deve ser discutida. O historia-
dor Hendrik Kraay, bem como outros historiadores, demonstra que algumas regiões nem mesmo
aceitaram a independência imediata do país. Bahia e Pernambuco são exemplos de algumas des-
sas tensões (KRAAY, 2004, P. 20-23).
Contudo, o dia 7 de Setembro entraria para a história. Hendrik Kraay, procurando analisar o
significado do 7 de Setembro, analisa como a data passou por uma evolução até chegar à impor-
tância atual:

À medida que o Império entrava em decadência, também decaiu o ritual cívico


associado a ele. Já na época da inauguração da estátua equestre, liberais radi-
cais contestaram a História oficial da Independência, que destacava o papel do

61
UAB/Unimontes - 3º Período

primeiro imperador. Teófilo Otoni, líder da ala radical do Partido Liberal, publi-
camente recusou participar da inauguração, pois a estátua representava a In-
dependência como “uma doação do monarca” (KRAAY, 2004, p. 23).

Mesmo assim, independente do seu significado e da forma de abordagem, a independência


do Brasil foi um evento marcante, não apenas para a nossa história como para a de todo o conti-
nente americano.

Referências
FAUSTO, Boris. História do Brasil. 10. ed. São Paulo: Edusp, 2002.

JESUS, Alysson Luiz Freitas de. 1808-2009: Interseções. São Paulo: Annablume, 2008.

KRAAY, Hendrik. Construindo o 7 de setembro. Revista Nossa História, 2004, p. 20-23.

SCHWARCZ, Lília Moritz. A grande fuga. Revista de História da Biblioteca Nacional, 2005, p. 20-
27.

62
História - História do Brasil Colônia II

Resumo
O presente material tem como objetivo analisar as relações coloniais do Brasil entre os sécu-
los XVIII e XIX. Trata-se da parte complementar dos estudos coloniais, que privilegiam determina-
dos temas, relacionando Brasil e Portugal no contexto da colonização e, em especial, à crise do
sistema colonial.
O objetivo principal desta disciplina é compreender parte do sistema colonial, especialmen-
te a partir dos séculos XVIII e XIX, e, por outro lado, entender como se deu o processo de crise do
sistema colonial brasileiro, levando ao processo que culminou com a Independência.
A análise se inicia a partir do estudo da sociedade colonial, procurando avaliar como se for-
maram os grupos sociais na América Portuguesa, bem como as formas regionais e as dinâmicas
das relações políticas, sociais e culturais na colônia.
Logo em seguida, privilegiam-se os estudos sobre a região das Minas, evidenciando as rela-
ções econômicas e de poder que se deram no espaço político de Minas Gerais.
Referindo-se já diretamente ao processo de crise do sistema colonial, as duas últimas unida-
des têm o objetivo claro de estudar como a região colonial se comportou diante da crise do anti-
go regime, bem como o processo que levou diretamente à ruptura entre Brasil e Portugal.
Assim, é importante frisar que esse material trata apenas dos 2 séculos finais da colonização
portuguesa no Brasil. Analisamos aqui somente o funcionamento político e econômico da colô-
nia, com o objetivo de compreender a crise que levou à derrocada do sistema colonial.

63
História - História do Brasil Colônia II

Referências
Básicas

ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial. 4. ed. Rio de Janeiro: Sociedade Capistra-
no de Abreu/Livraria Briguiet, 1954.

ANASTASIA, Carla Maria Junho. Inconfidência Mineira. São Paulo: Ática, 1995.

ANDREONI, João Antônio (André João Antonil). Cultura e opulência do Brasil. São Paulo: Cia.
Editora Nacional, 1967.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

ELLIS, Myriam. As bandeiras na expansão geográfica do Brasil. In.: HOLANDA, Sérgio Buarque de
(Dir.). História geral da civilização Brasileira. Tomo I. v.1. São Paulo: Difusão Europeia do Livro,
1963.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 7. ed. Rio
de Janeiro: Globo, 1987.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. 10. ed. São Paulo: Edusp, 2002.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. 18. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora,
1977.

HOLANDA, Sérgio Buarque de (Dir.). História geral da civilização brasileira. Tomo I. v. 1. São
Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1963.

JESUS, Alysson Luiz Freitas de. 1808-2009: Interseções. São Paulo: Annablume, 2008.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1978.

NOVAIS, Fernando. Estrutura e dinâmica do antigo sistema colonial. São Paulo: Brasiliense,
1998.

OLIVEIRA, Luís da Silva Pereira. Privilégios da nobreza e fidalguia de Portugal. Lisboa, 1808.

PRADO Jr., Caio. Evolução política do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.

PRADO JR., Caio. História econômica do Brasil. 22. ed. São Paulo: Brasiliense, 1979.

ROMEIRO, Adriana. A febre do ouro. Revista Nossa História, 2006, p. 12- 18.

SCHWARCZ, Lília Moritz. A grande fuga. Revista de História da Biblioteca Nacional, 2005, p. 20-
27.

SOUZA, Laura de Mello e. Canalha indômita. Revista Nossa História, 2005, p. 36-41.

TAUNAY, Affonso de E. Histórias seiscentistas da Vila de São Paulo. Tomo segundo. São Paulo:
Typ. Ideal, 1927.

Complementares

APTHEKER, Hebert. Uma nova história dos Estados Unidos: a revolução americana. Rio de Ja-
neiro: Civilização Brasileira, 1969.

65
UAB/Unimontes - 3º Período

BOXER, C. R. A Idade do ouro no Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1963.

CALDAS, José Antônio. Notícia geral de toda esta capitania da Bahia desde seu descobri-
mento até o presente ano de 1759. Salvador: Editora Fac-Similar, 1951.

COELHO, José João Teixeira. Instrução para o governo da capitania de Minas Gerais. In.: Revista
do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, tomo XV, 2.ed. 1888.

CORDI, Cassiano et al. Para filosofar. São Paulo: Scipione, 1995.

ENNES, Ernesto. As Guerras nos Palmares. v.1. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1938.

INÁCIO, Inês da Conceição & LUCA, Tânia Regina de. Documentos do Brasil colonial. São Paulo:
Ática, 1993.

KOSTER, Henry. Viagens ao nordeste do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1941.

KRAAY, Hendrik. Construindo o 7 de setembro. Revista Nossa História, 2004, p. 20-23.

LARA, Sílvia Hunold. Tiradentes e a nação esquartejada. In: Secretaria Municipal de Cultura de
São Paulo. Pátria amada esquartejada. São Paulo: DPH, 1992.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e São Paulo.
São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1938.

TOLLENARE, L. F. Notas dominicais. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1957.

TORRES, Luis W. Tiradentes, A áspera estrada para a liberdade. São Paulo: Obelisco, 1965.

VIANA, Oliveira. Instituições políticas brasileiras. 3. ed. v.1. Rio de Janeiro; São Paulo: Distribui-
dora Record, 1974.

Suplementares

FRAGOSO, João. BICALHO, Maria Fernanda. GOUVEA, Maria de Fátima. (orgs.) O antigo regime
nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2001.

RONCARI, Luiz. Literatura brasileira: dos primeiros cronistas aos últimos românticos. São
Paulo: Edusp, 1995

WHELING, Arno. WEHLING, Maria José. Formação do Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fron-
teira, 2005.

66
História - História do Brasil Colônia II

Atividades de
Aprendizagem- AA
1) No Brasil colônia, a pecuária teve um papel decisivo na

a. ( ) ocupação das áreas litorâneas.


b. ( ) expulsão do assalariado do campo.
c. ( ) fixação do escravo na agricultura.
d. ( ) expansão para o interior.
e. ( ) Inconfidência Mineira

2) “O senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obe-
decido e respeitado de muitos”. O comentário de Antonil, escrito no século XVIII, pode ser consi-
derado característico da sociedade colonial brasileira, porque

a. ( ) a condição de proprietário de terras e de homens garantia a preponderância dos se-


nhores de engenho na sociedade colonial.
b. ( )a autoridade dos senhores restringia-se aos seus escravos, não se impondo às comu-
nidades vizinhas e a outros proprietários menores.
c. ( ) as dificuldades de adaptação às áreas coloniais levaram os europeus a organizar uma
sociedade com mínima diferenciação e forte solidariedade entre seus segmentos.
d. ( ) as atividades de senhores de engenho não se limitavam à agroindústria, pois contro-
lavam o comércio de exportação, o tráfico negreiro e a economia de abastecimento.
e. ( ) os africanos não participaram do processo de colonização.

3) Sobre a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana, assinale a alternativa CORRETA.

a. ( ) o movimento Baiano fracassou, porque tinha o mesmo caráter elitista do Mineiro, de-
sejando manter a escravidão.
b. ( ) a Inconfidência Mineira, assim com a Conjuração Baiana, foi movimento realizado pe-
los ricos comerciantes das regiões, visando à liberdade da população em geral, assim como
dos negros.
c. ( ) ambos os movimentos estão situados num contexto de crise do sistema colonial,
sendo responsáveis diretos pela proclamação de um governo Republicano em Minas Gerais
e Bahia, após a independência do Brasil.
d. ( ) os planos da Inconfidência Mineira foram realizados por uma elite letrada, sendo por
isso um movimento elitista, sem a participação popular; ao contrário da Baiana, que defen-
dia a igualdade social e teve um caráter mais popular.
e. ( ) ambas tiveram sucesso, levando à independência do Brasil.

4) Na verdade, o que Portugal queria para sua colônia americana é que fosse uma simples produ-
tora e fornecedora dos gêneros úteis ao comércio metropolitano, que se pudessem vender com
grandes lucros nos mercados europeus. Esse será o objetivo da política portuguesa até o fim da
Era Colonial. E tal objetivo ela o alcançaria plenamente, embora mantivesse o Brasil, para isso,
sob um rigoroso regime de restrições econômicas e opressão administrativa; e abafasse a maior
parte das possibilidades do país.
Prado Júnior, Caio. – História do Brasil.
Pela leitura do texto, podemos concluir que

a. ( ) apesar de o Brasil ser uma colônia de exploração, os princípios mercantilistas não fo-
ram aplicados aqui com rigor, o que possibilitou o desenvolvimento de atividades que visa-
vam ao crescimento da colônia.
b. ( ) mesmo tendo a Metrópole se afastado dos princípios econômicos do sistema colo-
nial, os seus objetivos foram plenamente alcançados.

67
UAB/Unimontes - 3º Período

c. ( ) apesar de a colonização atender aos princípios mercantilistas, estes, em grande par-


te, não foram respeitados, uma vez que a economia colonial se voltou mais para o comércio
interno.
d. ( ) a montagem da empresa colonial obedecia aos princípios do mercantilismo e, nesse
sentido, Lisboa preocupou-se em incentivar na colônia as atividades complementares à eco-
nomia metropolitana.
e. ( ) a autoridade dos senhores restringia-se aos seus escravos, não se impondo às comu-
nidades vizinhas e a outros proprietários menores.

5) A economia brasileira no período colonial esteve vinculada, ora ao setor açucareiro, ora ao cam-
po da mineração. Com base nessas duas áreas econômicas, identifique a alternativa CORRETA.

a. ( ) o açúcar foi utilizado no Brasil porque era um produto rentável, apesar de que a sua
utilização foi difícil, devido não ter no Brasil solo próprio para o seu cultivo.
b. ( ) a sociedade açucareira tem como sua principal característica a questão da “imobili-
dade social”, devido à dificuldade de melhoria de condição social das camadas mais pobres
da sociedade.
c. ( ) a mineração tem um caráter mais urbano, e foi utilizada no Brasil devido à necessida-
de dos americanos (EUA) de retirar o maior volume possível de riquezas do Brasil.
d. ( ) no processo mineratório, vários impostos foram criados por Portugal para controlar a
exploração das riquezas preciosas, destacando- se impostos como o plantation e a mita.
e. ( ) a economia do ouro não possibilitou lucros a nenhum dos grupos envolvidos em sua
exploração.

6) A abertura dos portos foi um passo decisivo para a nossa independência, porque

a. ( ) encareceu as importações brasileiras, criando assim condições para o início da indus-


trialização.
b. ( ) essa medida causou sérios prejuízos à elite agrária brasileira, a qual passou então a
apoiar o movimento de independência.
c. ( ) os comerciantes e banqueiros portugueses, principais beneficiários dessa abertura,
perceberam que seria muito mais lucrativo conceder a independência ao Brasil, mantendo
eles o controle econômico da ex-colônia.
d. ( ) essa abertura eliminou o monopólio comercial, que era o principal elemento de do-
minação de Portugal sobre o Brasil.
e. ( ) foi a principal causa da Inconfidência Mineira.

7) No Brasil, a bandeira e o seu lema “Liberdade ainda que tardia” estão associados a um movi-
mento político que questionava o pacto colonial. Eles simbolizavam a

a. ( ) Revolta de Vila Rica de 1720.


b. ( ) Inconfidência Mineira de 1789.
c. ( ) Conjuração Baiana de 1798.
d. ( ) Revolução Pernambucana de 1817.
e. ( ) Confederação do Equador de 1824.

8) A Conjuração Baiana (1798) diferenciou-se da Conjuração Mineira (1789), entre outros aspec-
tos, porque aquela
a. ( ) envolveu a alta burguesia da sociedade do nordeste.
b. ( ) pretendia a revogação da política fiscal do Marquês de Pombal.
c. ( ) aglutinou a oficialidade brasileira insatisfeita com seu soldo.
d. ( ) teve um caráter popular, com preocupações, sobretudo, sociais.
e. ( ) ficou também conhecida como “revolta dos marinheiros”.

9) “Trata-se da principal revolta anti-colonial que ocorreu no nordeste brasileiro, sendo um even-
to de caráter popular”.

68
História - História do Brasil Colônia II

a. ( ) Revolução Farroupilha
b. ( ) Abertura dos Portos
c. ( ) Guerra de Canudos
d. ( ) Conjuração Baiana
e. ( ) Conjuração Alagoana

10) “Trata-se da economia que levou a região de Minas Gerais a se tornar uma das mais impor-
tantes de todo o sistema colonial na América.”

a. ( ) Ouro
b. ( ) Açúcar
c. ( ) Pecuária
d. ( ) Tabaco
e. ( ) Soja

69