You are on page 1of 23

9

ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS DECORRENTES DA INFECÇÃO PELO VÍRUS


DA LEUCEMIA FELINA

1. Introdução

O vírus da leucemia felina (FeLV) pertence à família Retroviridae e ao gênero


Gammaretrovirus, infecta gatos domésticos e, esporadicamente, felídeos selvagens
(HARTMANN, 2012b). É um dos principais agentes infecciosos de gatos e apresenta
ocorrência mundial (GLEICH & HARTMANN, 2009). Foi descrito pela primera vez em
1964, por Jarret e colaboradores que observaram as partículas virais na superfície de
linfoblastos malignos de um gato com linfoma.

A prevalência e a importância da infecção por FeLV na Europa e nos Estados Unidos


vem diminuindo com o passar dos tempos, graças aos testes diagnósticos disponíveis,
programas de remoção de gatos positivos e melhor compreensão da patogenia da infecção,
além do controle por meio de vacinação (HARTMANN, 2012b; LUTZ et al., 2009). No
Brasil, um cenário diferente é observado, a infecção por FeLV na população felina brasileira
ainda é uma questão importante.

Este vírus responde pelo maior número de síndromes clínicas que qualquer outro
agente infeccioso de gatos (ROJKO & HARDY, 1994). Os sinais clínicos associados com a
infecção por FeLV podem ser classificados em neoplasias, imunossupressão, doenças
hematológicas, doenças imunomediadas, e outras síndromes (incluindo neuropatias,
desordens reprodutivas e síndrome “fadding kitten”) (HARTMANN, 2012a). Embora a
nomenclatura do vírus esteja relacionada com neoplasia contagiosa, a maior parte dos gatos
são apresentados ao clínico por alterações decorrentes de anemia e imunossupressão, e não
por neoplasias (COTTER, 1991). Este estudo tem por objetivo realizar uma breve revisão de
literatura a cerca da infecção por FeLV com ênfase nas alterações hematológicas decorrentes
da infecção por este retrovírus.
10

1. Revisão de literatura

1.1.Etiologia

Com propriedades oncogênicas, o FeLV é um vírus RNA de fita simples que encontra-
se protegido por um envelope, que mede 110 nm de diâmetro. Os retrovírus dependem de um
DNA intermediário para a replicação. O genoma de RNA de cadeia simples é transcrito de
forma inversa pela enzima transcritase inversa em DNA, o qual normalmente é integrado no
genoma da célula hospedeira (provírus). A infecção de uma célula por um retrovírus
normalmente não acarreta em morte celular (LUTZ et al., 2009).

O genoma do FeLV contém três genes: o gene do envelope (env), que codifica a
glicoproteína de superfície gp70 e a proteína transmembrana p15E; o gene da polimerase
(pol), que codifica a transcriptase reversa, protease e integrase; e o gene grupo antígeno
específico (GAG), que codifica as proteínas internas do vírion, incluindo a proteína do
nucleocapsídeo (N) (FENNER, 2011). A ligação do vírus à célula hospedeira é realizada por
glicoproteínas encontradas no envelope viral (SOUZA & TEIXEIRA, 2003). A proteína p27,
codificada pelo GAG, é rotineiramente utilizada para o diagnóstico da infecção, esta proteína
é produzida em grandes quantidades pelas células infectadas pelo vírus (HARTMANN,
2012b).

Conforme as diferentes sequências de nucleotídeos da região N-terminal da


glicoproteína de superfície, este vírus foi classificado em 4 subgrupos, sendo: FeLV-A,
FeLV-B, FeLV-C e FeLV-T (LEVY, 2008). O subgrupo A é o mais comum e é o único que é
transmitido de gato para gato, enquanto que os subgrupos B e C originam-se do A, através de
recombinação e mutação, respectivamente. O subgrupo C é responsável por anemia não-
regeneretiva fatal, este subgrupo é raro e praticamente não é mais transmitido. O subgrupo B,
quando presente com o subgrupo A, foi associado a um prognóstico ruim e a um risco maior
de desenvolvimento de linfoma, em contraste com gatos com infecção apenas pelo subgrupo
A (JARRET et al.,1978; SHEETS et al., 1993). O subgrupo A esté presente e todas as
infecções (LUTZ et al., 2009). O subgrupo T é altamente citolítico aos linfócitos T e está
associado com doenças imunossupressoras (DONAHUE et al., 1991).
11

1.2. Epidemiologia:

O FeLV apresenta distribuição mundial e sua prevalência é grandemente influenciada


pela densidade populacional. Nos Estados Unidos, estudos recentes indicam uma prevalência
de infecção de 2% em gatos saudáveis e até 15% em gatos com alto risco ou doentes
(CRAWFORD, 2011).

Na Europa, várias pesquisas foram realizadas acerca da frequência do FeLV nas


populações de gatos, mostrando resultados bem variados. No Reino Unido, pesquisadores
testaram 1.204 gatos doentes e 1.007 saudáveis e verificaram uma prevalência de 18% e 5%
entre os gatos doentes e saudáveis, respectivamente (HOSIE et al., 1989). Na Alemanha, de
17.462 gatos domiciliados testados, a prevalência foi de 3,6% (GLEICH et al., 2009). Na
Finlândia, 196 amostras de soro de gatos não-domiciliados foram submetidas ao teste de
ELISA e apenas 1% mostrou-se positiva (SUKURA, et al., 1992). Na Itália, 18% de um total
de 277 gatos domiciliados também atestaram positividade para o antígeno do FeLV
(BANDECCHI et al., 1992). Em estudo realizado por TURRAS (2014) com 88 gatos errantes
de Portugal, 5,7% mostraram-se positivos para FeLV.

No Brasil, vários estudos sobre a ocorrência do vírus da leucemia viral felina foram
realizados. Hagiwara e colaboradores (1997) obtiveram 12,5% de positividade ao avaliarem a
infecção em 298 gatos de São Paulo. Uma baixa frequência da infecção foi observada no
interior do estado de São Paulo, em Araçatuba apenas 0,33% dos 38 gatos estudados foram
positivos para o FeLV (SOBRINHO et al., 2011). Outra pesquisa demonstrou uma
prevalência de 10,8% em 65 animais de Porto Alegre (SILVA, 2007). No estado de Minas
Gerais; também foi observada uma variação na ocorrência da infecção; 47,5% de positividade
de um total de 1072 gatos avaliados em Belo Horizonte (COELHO et al., 2011) e 12,6% em
125 animais de Uberlândia (BARBOSA et al., 2001).

1.3. Transmissão

O FeLV normalmente é transmitido por contato oronasal, sendo a transmissão


horizontal a mais importante, já que os gatos virêmicos liberam constantemente os vírus,
mesmo não apresentando sinais clínicos. A transmissão primária é pela saliva, onde a
concentração de vírus é maior que no plasma, mas também há grande número de vírus
presentes nas secreções respiratórias. Outras potenciais vias de transmissão, porém menos
12

comuns, são a venérea, fecal, urinária, vetorial (pulgas e mosquitos) e a iatrogênica; por meio
de agulhas e instrumentos contaminados, fômites e transfusão sanguínea (SILVA, 2007).

No entanto, a transmissão do vírus da leucemia felina depende de diversos fatores,


como carga viral, via de exposição ao vírus, estado imunológico do animal, a presença de
doenças concomitantes e, em especial, a idade do animal no momento da exposição. Em uma
infecção experimental, 85% dos gatos com idade de 2 a 8 semanas se tornaram virêmicos
persistentes, enquanto que em gatos com idade entre 4 e 12 semanas esse percentual foi de
apenas 15% (TURRAS, 2014; WILLETT & HOSIE, 2013).

Apesar de gatos machos adultos e com acesso à rua serem os mais predispostos à
infecção retroviral, a maioria dos gatos possui algum grau de risco de contágio, seja pelo
contato com portadores assintomáticos por meio da saliva, pelos hábitos de higiene ou pelo
uso em comum de caixas sanitárias e vasilhas de água e de comida (CRAWFORD, 2011;
SOUZA & TEIXEIRA, 2003).

1.4. Patogenia

A classificação da infecção pelo FeLV é baseada no tipo de resposta imunitária do


hospedeiro, e é definida como infecção abortiva, infecção regressiva, infecção progressiva e
infecção focal ou atípica (HARTMANN, 2012b; TURRAS, 2014).

1.4.1. Infecção Abortiva

O vírus inicia a sua replicação nos tecidos linfóides da orofaringe. Em alguns gatos
imunocompetentes, a replicação viral pode ser percebida pela resposta imune humoral e
celular, ambas eficazes, mas esses gatos nunca se tornam virêmicos, devido possuírem altos
níveis de anticorpos neutralizantes. Nem o antígeno do FeLV, o RNA viral ou o DNA
proviral podem ser detectados no sangue, a qualquer momento. A infecção abortiva ocorre,
provavelmente, quando o animal é exposto a baixas doses do vírus. Ainda não se sabe com
qual frequência essa situação ocorre naturalmente. Na verdade, o vírus ainda pode ser
encontrado posteriormente nesses gatos em amostras de tecido. Assim, é provável que
nenhum ou pouquíssimos gatos eliminem a infecção de todas as células (HARTMANN,
2012a).
13

1.4.2. Infecção Regressiva

Neste caso uma resposta imune efetiva limita a replicação viral antes que a infecção
alcance a medula óssea. Antígenos do FeLV e vírus infectivos geralmente são detectados no
sangue periférico em 2 a 3 semanas após a exposição ao vírus, mas desaparecem de 2 e 8
semanas mais tarde ou, em casos raros, após muitos meses (CRAWFORD, 2011).

A infecção latente ocorre quando o provírus é inserido no genoma do gato, mas este
não se torna virêmico. A antigenemia transitória segue-se o estabelecimento de cargas
provirais baixas a moderadas. Esses gatos não-virêmicos que foram “recuperados” da
infecção transitória geralmente se tornam portadores latentes do vírus por um período variável
de tempo. Neste caso, o provírus do FeLV não-replicante permanece dormente no DNA de
determinadas células linfóides e da medula óssea dos gatos, só sendo possível detectar essa
latência por meio de técnicas de cultura celular especializada ou de ensaios de PCR
quantitativo, os quais estão proporcionando uma visão mais profunda da natureza do processo
de recuperação natural da infecção (SHERDING, 1998; WILLETT & HOSIE, 2013).

Os ensaios de PCR mostram que os linfócitos circulantes contêm pequenas


quantidades de DNA proviral e transcritos de RNA (CRAWFORD, 2011). Os animais que se
recuperam da infecção e se tornam negativos aos testes de antígeno viral plasmático, mas
permanecem com níveis detectáveis de DNA proviral, tem maior risco de reativação da
infecção latente do que os gatos com provírus indetectável após a recuperação (WILLETT &
HOSIE, 2013).

Clinicamente, para esses animais, essa latência significa minimização do risco de


desenvolverem doenças relacionadas ao FeLV e também do risco de transmitirem o vírus por
contato. Entretanto, o estado de latência pode ser revertido pela imunossupressão com
corticosteroides, além de, ocasionalmente, possibilitar a transmissão do vírus aos filhotes
ainda no útero ou por meio do leite durante a amamentação, em gatas com infecção latente
(SHERDING, 1998; WILLETT & HOSIE, 2013).

1.4.3. Infecção Progressiva

A resposta imune insuficiente específica ao FeLV resulta na replicação viral extensa,


que primeiro ocorre nos tecidos linfóides e, em seguida, na medula óssea. A disseminação
ocorre nos tecidos glandulares e mucosa. A excreção do vírus ocorre em várias secreções
(saliva, fezes, urina, leite) praticamente ao mesmo tempo que a infecção na medula óssea, e
14

esta resulta em viremia secundária, com leucócitos e plaquetas com altas cargas de RNA viral
e DNA proviral. Os gatos progressivamente infectados se tornam persistentemente virêmicos
e podem ser uma fonte de contaminação por toda a vida para outros gatos. Os animais com
infecção progressiva desenvolvem doenças associadas ao FeLV e a maioria deles morre
dentro de alguns anos (CRAWFORD, 2011; HARTMANN, 2012a)

As infecções progressiva e regressiva podem ser distinguidas através da repetição dos


testes sorológicos em sangue periférico; gatos com infecção regressiva se tornam negativos
em, no máximo, 16 semanas pós-infecção, enquanto que gatos com infecção progressiva
continuarão positivos. Inicialmente, em ambas, há a persistência do DNA proviral no sangue,
detectado pela técnica de PCR, mas que posteriormente estão associadas a diferentes cargas
virais quando avaliadas pela PCR quantitativa, onde a infecção regressiva apresenta-se com
baixas cargas e a progressiva, com altas cargas do vírus (HARTMANN, 2012a).

1.4.4. Infecção Focal ou Atípica

Ocorre em menos de 10% dos gatos infectados, esta forma de infecção é caracterizada
por uma replicação viral atípica persistente, localizada em epitélios, como das glândulas
mamárias, das salivares e da vesícula urinária, mas esses animais não apresentam a doença,
nem a transmitem. O vírus encontra-se sequestrado no tecido epitelial e continua se
replicando, mas é incapaz de deixar as células devido à produção de anticorpos. As infecções
atípicas representam infecção sequestrada em vários focos por uma resposta imune
parcialmente protetora, o que pode levar a níveis baixos ou intermitentes de antígeno e,
consequentemente, estes gatos podem apresentar resultados positivos ou fracamente
discordantes em testes sorológicos, ou alternância entre resultados positivos e negativos
(HARTMANN, 2012b; SOUZA & TEIXEIRA, 2003).

1.5. Sinais clínicos

Está claro que o curso clínico da doença é determinado pela combinação de fatores
virais e do hospedeiro. Algumas dessas diferenças podem estar relacionadas às propriedades
do próprio vírus, como os subgrupos, que determinam diferenças nos quadros clínicos
(HARTMANN, 2011). Provavelmente, o principal fator relacionado ao hospedeiro que irá
determinar o resultado clínico é a idade do animal no momento da infecção. Neonatos
desenvolvem visível atrofia do timo após a infecção, resultando em severa imunossupressão,
15

fraqueza e morte prematura. Conforme amadurecem, os gatos adquirem resistência


progressiva. Quando os gatos se infectam mais velhos, tendem a apresentar a forma abortiva
ou regressiva da infecção ou desenvolvem a forma progressiva, apresentando sinais pelo
menos mais leves e um período assintomático maior (HARTMANN, 2012 a).

Os sinais clínicos de gatos positivos para o FeLV são atribuídos às síndromes clínicas,
que ocorrem em função dos efeitos específicos do vírus, ou devido às infecções secundárias e
oportunistas, e variam enormemente, dependendo do tipo de doença e dos órgãos envolvidos.
De um modo geral, os gatos apresentam mucosas pálidas, dispnéia, letargia, anorexia,
emagrecimento progressivo, febre, gengivite/estomatite, uveíte (invasão linfossarcomatosa no
trato uveal), diarreia e abscessos que não cicatrizam. À palpação podem ser observadas
massas no interior do abdômen e aumento do tamanho de órgãos como baço, fígado e rins
(SOUZA & TEIXEIRA, 2003). Segundo Lutz et al (2009), os sinais clínicos mais comuns da
infecção por FeLV são decorrentes da imunossupressão, anemia e linfoma.

1.5.1. Alterações hematológicas

1.5.1.1. Citopenias

As doenças hematológicas não-neoplásicas descritas como associadas ao FeLV


incluem anemia (não-regenerativa ou regenerativa), síndrome da anemia mielodisplásica,
anemia aplásica (pancitopenia), neutropenias cíclicas, persistentes e transitórias, síndrome da
panleucopenia e anormalidades plaquetárias (trombocitopenia e anormalidades nas funções
das plaquetas). De acordo com a literatura, a anemia é a principal complicação não-
neoplásica, ocorrendo em mais de 50% dos gatos sintomáticos infectados por FeLV
(HARTMANN, 2011; STÜTZER et al., 2010).

Em um estudo realizado com 104 gatos positivos para FeLV foi observado que estes
apresentaram elevado risco para o dessenvolvimento de citopenias, com número de hemácias,
concentração de hemoglobina, hematócrito, número de plaquetas e neutrófilos diminuídos,
quando comparados com os gatos negativos para os retrovírus (GLEICH & HARTMANN,
2009). As citopenias também estiveram presentes em outro estudo realizado com 37 gatos
com FeLV, no qual observou-se anemia hipoplásica, trombocitopenia e, dentre as doenças
relacionadas, a micoplasmose hemotrópica foi a mais comum (HAGIWARA et al., 1997).

A maioria das anemias em gatos com FeLV é não-regenerativa, causadas pela


supressão da medula óssea, efeito de infecção primária das células tronco e células estromais,
16

as quais são primordias para formação das células hematopoiéticas ou devido a infiltração
neoplásica na medula óssea levando a anemia aplásica ou pancitopenia severa (COTTER,
1998; JACKSON et al., 1996). Na anemia aplástica, as células da medula óssea estão
hipoplásicas ou aplásicas, com aumento de tecido adiposo e ligeira infiltração de linfócitos e
plasmócitos. Suspeita-se que a necrose da medula óssea pode estar associada à infecção por
FeLV, onde o mecanismo de aparecimento da mesma ainda não está bem esclarecido, porém
sugere-se que a oclusão da microcirculação medular ou a presença de indutores de necrose,
como o fator de necrose tumoral, desempenham um papel nesta doença (SHIMODA et al.,
1999). Aplasia de células vermelhas, provoca anemia não-regenativa severa (hematócrito <
15%), e ocorre em infecções pelo subgrupo FeLV-C (PAN et al.,2003). Anemia por doença
crônica ou inflamatória também pode ser observada e, nesse caso, é não-regenerativa e
ocasionada pela produção excessiva de citocinas em gatos FeLV positivos em decorrência de
inflamação (JACKSON et al., 1996).

Aproximadamente 10% das anemias associadas ao FeLV são regenerativas, associadas


a uma alta contagem de reticulócitos, alto volume corpuscular médio e com presença de
anisocitose, eritrócitos nucleados e policromasia (SARMA et al, 1978). Anemia por perda
sanguínea (regenerativa) pode ocorrer em alguns felinos infectados e é comumente observada
em animais com trombocitopenia ou disfunção plaquetária associadas ao FeLV (PAN et
al.,2003).

Anemia hemolítica imunomediada (regenerativa) causada por infecção secundária


pode ocorrer em gatos imunossuprimidos. Os sinais clínicos nesse caso são: anorexia,
letargia, depressão, mucosas pálidas, desidratação, icterícia e esplenomegalia. O principal
agente etiológico da anemia hemolítica em gatos infectados pelo vírus da leucemia é
Mycoplasma spp. Este micro-organismo nem sempre é encontrado no exame direto com
esfregaço sanguíneo, sendo necessária a PCR para concluir o diagnóstico (GEORGE et al.
2002). Contudo, anemia hemolítica imunomediada induzida pelo próprio FeLV (regenerativa)
também já foi descrita (TARTAGLIA et al.,1993).

Outras alterações hematológicas decorrentes da infecção por FeLV são as anomalias


leucocitárias, com diminuição de neutrófilos ou linfócitos, ou mesmo debilidade de suas
funções (QUACKENBUSH, et al., 1990). A linfopenia ocorre pela replicação do vírus nos
linfócitos. Gatos acometidos podem, por isso, apresentar atrofia de timo e depleção da zona
paracortical de linfonodos. Em alguns casos, a linfopenia pode ser caracterizada pela perda de
CD4+ helper das células T (HOOVER, et al., 1991). A neutropenia é um achado comum em
17

gatos infectados e, geralmente, ocorre de forma isolada ou acompanhada de outras citopenias.


Em alguns casos, hipoplasia mielóide de todas as fases granulocíticas pode ser observada.
Neutropenia cíclica também já foi reportada em gatos com FeLV e pode ser tratada com
glicocorticoide, sugerindo que mecanismos imunomediados podem estar envolvidos nessa
alteração leucocitária (COTTER, 1998). Alguns gatos infectados por FeLV apresentam
panleucopenia ou mieloblastopenia, que consiste numa leucopenia severa (<3000
leucócitos/µl) associada a uma enterite pela destruição das células das criptas do epitélio
intestinal pelo próprio vírus, assemelhando-se a panleucopenia causada pelo vírus da
panleucopenia felina (LUTZ et al., 1995).

Alterações plaquetárias também estão presentes na infecção por FeLV; a


trombocitopenia pode ocorrer devido a alteração na produção de plaquetas pela supressão da
medula óssea causada pelo vírus, ou pela infiltração da mesma por células neoplásicas. Outro
tipo de trombocitopenia é a imunomediada, uma variação que raramente ocorre de forma
isolada, sendo mais comumente observada, associada a síndrome da anemia hemolítica
imunomediada em gatos infectados (RICKARD et al.,1969).

1.5.1.2. Neoplasias hematopoiéticas

As neoplasias hematopoiéticas (desordens mieloproliferativas), incluindo a leucemia,


também podem causar síndromes da supressão da medula óssea, devido ao descontrole
mitótico e consequente aumento do número de células, levando à competição por espaço.
Síndrome mielodisplásica, caracterizada por citopenias e mudanças displásicas na medula
óssea, é um pré-estágio da leucemia mielóide aguda (HARTMANN, 2012 b). Leucemia
mieloblástica aguda foi descrita em um gato positivo para FeLV (MYLONAKIS et al. 2008).
A mielofibrose, outro caso de mielossupressão, é caracterizada por uma proliferação anormal
de fibroblastos, resultando em estimulação crônica da medula óssea, tal como a atividade
crônica desta na regeneração hiperplásica ou neoplasia causada pelo FeLV (HARTMANN,
2012 b) Leucemia eosionofílica crônica (SWENSON et al., 1993) e leucemia mielóide
crônica (FINLAY 1985) também foram associadas à infecção por FeLV.

Na tabela 1 estão apresentadas mais informações sobre as alterações hematológicas


observadas em animais infectados pelo FeLV.
18

Tabela 1. Alterações hematológicas relacionadas à infecção pelo vírus da leucemia felina

Causas Mecanismo Alterações hematológicas e


tratamento

ANEMIA

Anemia hemolítica causada por Imunossupressão causada Achados: Anemia regenerativa,


infecção secundária pelo vírus favorece a icterícia e hemoglobinemia
reprodução de Mycoplasma variáveis, Mycoplasma spp.
(regenerativa)
spp., causando doença. Tratamento: Doxiciclina.

Anemia hemolítica imunomediada Expressão antigênica Achados: anemia regenerativa


induzida pelo vírus na (macrocitose e reticulocitose),
(regenerativa)
superfície eritrocitária. icterícia e hemoglobinemia
variáveis, resultado positivo no
teste de Coombs.

Tratamento: drogas
imunossupressoras (ex.
glicocorticoides).

Anemia por perda sanguínea Supressão da produção de Achados: anemia regenerativa,


(regenerativa) plaquetas pela medula óssea trombocitopenia (< 50.000
induzida pelo vírus ou defeito plaquetas/µL), diminuição do nível
funcional de plaquetas pelo de proteína sérica.
FeLV.
Tratamento: Transfusão de sangue e
tratar a causa base da
trombocitopenia

Aplasia de células vermelhas (não- Comum em infecção por Achados: anemia não-regenerativa
regenerativa) FeLV-C, interação do FeLV- com macrocitose (alto índice de
C com os receptores da volume corpuscular [VCM]),
superfície celular, bloqueando outras células normalmente dentro
a diferenciação de dos valores de referência.
precursores eritróides.
Tratamento: transfusão sanguínea;
pode ser responsiva a drogas
19

imunossupressoras.

Anemia da doença crônica ou Estímulo pelo vírus, infecção Achados: anemia não-regenerativa.
anemia da inflamação crônica bacteriana ou neoplasia
Tratamento: remoção ou tratamento
(não-regenerativa) secundária na produção de
do tumor ou doença inflamatória
citocinas inflamatórias que
coexistente, não responsivo a
sequestram ferro
eritropoietina.

Anemia por mielofitise Linfoma ou leucemia assim Achados: anemia não-regenerativa.


como doenças infecciosas, tal
(não-regenerativa) Tratamento: remoção ou tratamento
como micoses sistêmicas ou
de infecção secundária ou tumor
micobacteriose, levando à
coexistente.
infiltração da medula óssea e
a mieloftise.

ANOMALIAS PLAQUETÁRIAS PURAS

Trombocitopenia Trombocitopenia Achados: trombocitopenia pura


imunomediada induzida pelo
Tratamento: imunossupressão (ex.,
vírus ou diminuição da
glicocorticoides) em casos de
produção de plaquetas pela
destruição imunomediada;
supressão da medula óssea
tratamento de doenças adjacentes
pelo FeLV ou pela infiltração
(ex., terapia antineoplásica)
leucêmica.

Trombocitopatia Replicação de FeLV nas Achados: deficiência da função


plaquetas, provocando plaquetária (ex. tempo de
deficiência funcional e sangramento de mucosas
diminuição de vida útil prolongados), nos casos de
plaquetária; algumas vezes neoplasia, acentuada trombocitose
trombocitose devido a (> 600.000 plaquetas/ µl).
proliferação neoplásica de
Tratamento: no caso de neoplasia,
megacariócitos induzida pelo
há pouca resposta à quimioterapia
vírus.
antitumoral.
20

ANORMALIAS LEUCOCITÁRIAS PURAS

Linfopenia Destruição linfocitária por Achados: linfopenia pura


replicação direta do vírus nos
Tratamento: quimioterapia antiviral.
linfócitos.

Neutropenia Provavelmente pela Achados: neutropenia pura, que


neutropenia cíclica ou pode ocorrer com ou sem desvio à
persistente imunomediada, esquerda; nenhuma alteração em
induzida pelo vírus, frequente outras linhagens celulares.
após episódio de estresse.
Tratamento: imunossupressão (ex.
glicocorticoides)

Síndrome semelhante a Causada por infecção Achados: severa leucopenia (<3000


panleucopenia felina, também secundária pelo vírus da células/µL) com presença de
conhecida como enterite associada panleucopenia felina (FPV) enterite e destruição do epitélio das
ao FeLV ou mieloblastopenia. criptas intestinais, com vômito e
diarreia, mimetizando a
panleucopenia felina.

Tratamento: tratamento sintomático


com tratamento da sepse.

PANCITOPENIA

Anemia aplásica e pancitopenia Alteração da expressão Achados: anemia não regenerativa,


severa genética hematopoiética trombocitopenia, leucopenia.
induzida pelo vírus
(não-regenerativa) Tratamento: pouca resposta aos
(comumente pelo FeLV-C)
estimulantes da medula óssea ou
que afeta os primeiros
terapia imunossupressora ou
precursores hematopoiéticos;
transplante de medula óssea.
afeta múltiplas linhagens
celulares (desde o nível de
células-tronco).

Leucemia Processo neoplásico induzido Achados: anemia-não regenerativa,


pelo vírus envolvendo comumente também há neutropenia
linhagens celulares mieloides e trombocitopenia, com grande
21

ou linfoides. aumento de linfócitos ou


precursores de granulócitos em
sangue periférico.

Tratamento: pouca resposta para


terapia antitumoral.

Doença mieloproliferativa Transformação neoplásica de Achados: anemia-não regenerativa,


(eritroleucemia/mielose eritrêmica, precursores de eritrócitos, frequentemente com macrocitose e
reticuloendoteliose, leucemias granulócitos, ou precursores variados números e tipos de
granulocíticas variadas). plaquetários, oude células eritrócitos nucleados e células
tronco, ou de todas essas neoplásicas em esfregaços
linhagens de células; induzida sanguíneos.
pelo vírus.
Tratamento: pouca resposta para
quimioterapia antitumoral.

Mielofibrose Proliferação anormal de Achados: Pancitopenia severa,


fibroblastos resultante de uma superfície endosteal com
estimulação crônica da obliteração da cavidade medular.
medula óssea, como atividade Alterações geralmente não
crônica da medula devido a diagnosticadas em aspirado de
uma regeneração hiperplásica medula, necessitando de biópsia.
ou neoplásica causada pelo
Tratamento: prognóstico ruim;
FeLV.
tratamento da condição clínica
subjacente.

FONTE: Hartmmann 2012 a, 2012.

1.5.2. Alterações não hematológicas

As alterações não hematológicas observadas em gatos com FeLV são


imunossupressão, doenças imunomediadas, desordens reprodutivas, neuropatias, e tumores
não hematológicos (HARTMANN, 2012 a, LUTZ et al., 2009).
22

1.6. Diagnóstico:

A maioria dos testes diagnósticos de rotina utiliza anticorpos poli ou monoclonais


contra a proteína mais importante do núcleo do FeLV, a p27, a qual é detectada em amostras
de soro, plasma ou sangue total (CRAWFORD, 2011; SOUZA & TEIXEIRA, 2003). Essa
proteína é abundante no plasma e no citoplasma das células infectadas durante a fase aguda da
infecção e nos gatos progressivamente infectados. As técnicas utilizadas para a detecção da
proteína viral são a imunomigração rápida, a imunofluorescência indireta (IFI) e o teste de
imunoadsorção enzimática (ELISA), sendo os dois últimos os mais utlizados (SOUZA &
TEIXEIRA, 2003).

Geralmente, os testes de triagem que detectam antígenos solúveis são reagentes em 30


dias após a exposição viral, mas o desenvolvimento de antigenemia é variável, especialmente
em gatos com infecção regresiva. Os filhotes podem ser testados a qualquer momento, porque
os anticorpos maternos adquiridos passivamente contra o FeLV não interferem com o teste
para antigeno viral. No entanto, os filhotes infectados como resultado da transmissão materna
podem ser negativos nos testes durante semanas a meses após o nascimento (CRAWFORD,
2011).

Felinos que apresentam resultados positivos para ELISA deverão estar sob infecção
transitória ou estão persistentemente infectados. Trinta por cento desses gatos podem
converter para um estado negativo, devido à infecção transitória ou ao desenvolvimento de
uma infecção latente. Gatos positivos no ELISA, principalmente animais com sintomatologia
clínica do FeLV, deverão ser novamente testados para o vírus pela IFI e/ou ELISA quatro a
oito semanas depois, para detectar se a viremia é transitória ou persistente (SILVA, 2007).

Os felinos com resultados positivos na técnica de ELISA que posteriormente se


tornam negativos, provavelmente desenvolveram anticorpos neutralizantes, e estão com
infecção latente ou com infecção sequestrada. Os felinos com infecção latente ou localizada
podem ser imunodeficientes ou podem se tornar virêmicos (IFI e ELISA positivos) após
receberem corticoides ou em consequência de estresse externo (NELSON & COUTO, 2006).

Os testes que utilizam a metodologia ELISA são altamente sensíveis, detectando quase
100% dos gatos antigenêmicos. No entanto, a especificidade desses teste é baixa, já a IFI
apresenta alta especificidade. Os gatos com infecção regressiva serão negativos nos testes que
detectam os antígenos virais, e esses gatos devem ser testados com técnicas mais sensíveis,
como a PCR (WILLETT & HOSIE, 2013).
23

Alguns estudos sugerem que a infecção latente por FeLV pode ser detectada por PCR
no sangue. Entretanto, estudos posteriores mostram que a PCR da medula óssea continua
sendo a ferramenta diagnóstica mais sensível para detectar infecções latentes do que a PCR de
células sanguíneas. Isto talvez seja observado pelo fato de que amostras de sangue contém
menos células do que as amostras de medula óssea por volume, o que explicaria a diferença
na sensibilidade (STÜTZER et al., 2010).

A American Association of Feline Practitioners (AAFP) (LEVY et al., 2008) e


o European Advisor Board on Cat Diseases (ABCD) (LUTZ et al., 2009) recomendam que o
diagnóstico de FeLV deve ser realizado com teste de triagem pela detecção de antígeno por
ELISA, sendo todo resultado positivo confirmado com um segundo teste para detectar o
antígeno p27 ou o DNA proviral por PCR, após um período de um mês do teste de triagem. A
PCR é recomendada para diagnóstico precoce, uma vez que detecta DNA proviral na primeira
semana após infecção.

1.7. Tratamento

1.7.1. Tratamento de suporte

O tratamento de suporte dos gatos infectados pelo FeLV visa conter as infecções
secundárias e oportunistas, como também a desidratação, a anemia e a desnutrição. A decisão
de quando iniciar o tratamento paliativo e sintomático nos gatos com infecções concomitantes
não depende apenas da positividade do exame para o FeLV, embora a infecção por esse
retrovírus possa influenciar no prognóstico do paciente. O aspecto essencial na terapia é o
diagnóstico preciso da causa da doença (SOUZA & TEIXEIRA, 2003).

Fluidoterapia, administração de vitaminas, antibióticos, antifúngicos, antiparasitários e


outros fármacos que tratam as infecções secundárias são a base da terapia de suporte de gatos
com FeLV. Cabe ressaltar que a antibioticoterapia deve ser instaurada de forma agressiva,
longa duração e com doses muito elevadas (CASTRO, 2012).

A transfusão de sangue total pode ser necessária, visto que muitas doenças
relacionadas ao FeLV são acompanhadas por anemia não-regenerativa ou síndrome
panleucopênica. Adicionalmente, gatos com FeLV podem ter anemia hemolítica em
consequência do vírus, por si só, pelos micoplasmas hemotrópicos, os quais respondem bem à
terapia com doxiciclina (SOUZA & TEXEIRA, 2003). Na tabela 1 encontram-se outras
recomendações de tratamento para as alterações hematológicas.
24

1.7.2. Tratamento antiviral

A eficácia dos agentes antivirais é limitada e muitos gatos apresentam efeitos


colaterais graves (HARTMANN, 2006). Um antirretroviral rotineiramente utilizado no
exterior é o AZT (3’-azido-2’,31-dideoxitimida) (LUTZ et al., 2009), contudo, no legislação
brasileira proibe a prescrição desse medicamento por médicos veterinários (TURRAS, 2014).

1.8. Prevenção e controle

Por se tratar de um vírus envelopado, o FeLV é muito sensível ao meio externo.


Detergentes e alvejantes podem facilmente eliminá-lo, reduzindo a chance de contaminação
de gatos por exposição ao vírus no ambiente (HARTMANN, 2006; FENNER, 2011).

A identificação precoce de gatos com resultado positivo permite a implantação de


ações para prevenir a disseminação da infecção pela segregação e otimização dos cuidados de
saúde dos gatos infectados (CRAWFORD, 2011). O método ideal de controle do FeLV
consiste em evitar o contato entre os gatos infectados com os não-infectados, e isolar todos os
animais virêmicos, sendo o teste repetido a cada 3 meses, até todos se tornarem negativos
(CASTRO, 2012).

Os gatos infectados pelo FeLV devem ser mantidos domiciliados, sem acesso à rua
para evitar a contaminação de outros gatos e a exposição à agentes oportunistas. O controle de
pulgas deve ser realizado para se evitar a exposição aos micoplasmas hemotrópicos. Aos
felinos já infectados pelo vírus, não deve ser permitida a caça ou a alimentação com carnes
mal cozidas, para se evitar a contaminação por Toxoplasma gondii, Cryptosporidium parvum,
Giardia spp. e outros agentes infecciosos transmitidos por carnes (NELSON & COUTO,
2006).

As vacinas essenciais (panleucopenia, calicivirose e rinotraqueíte viral felina) e a


vacina antirrábica devem ser administradas aos gatos assintomáticos positivos para o FeLV,
preferencialmente, devem ser utilizadas as vacinas inativadas. Ultimamente sugere-se uma
mudança no protocolo vacinal, sendo que após o primeiro reforço anual, as imunizações
seguintes devem ter um intervalo de três anos (SOUZA & TEIXEIRA, 2003). Este intervalo
maior entre as revacinações se deve a uma preocupação sobre o excesso de vacinação em
animais de companhia, em particular, a ocorrência nos gatos de sarcoma nos locais de
25

aplicação das vacinas. Devido uma potente resposta inflamatória no local da injeção ocorre a
predisposição ao desenvolvimento de sarcomas de tecidos moles, causados, principalmente,
pelos adjuvantes indutores de marcada resposta inflamatória e imunógenos (WILLETT &
HOSIE, 2013).

Nenhuma vacina promove 100% de proteção e nem previne a infecção, mas previne o
desenvolvimento de antigenemia persistente. Desta forma, os gatos vacinados tem menor
risco de desenvolver doenças relacionadas ao FeLV e tem maior sobrevida. A indicação é de
que filhotes devem receber a 1ª dose a partir da oitava semana de vida e a 2ª após a quarta
semana, com reforço anual. A vacinação não é obrigatória e as vacinas não interferem nos
testes de diagnóstico. Assim, a decisão de vacinar ou não deve ser tomada considerando-se,
principalmente, o estilo de vida do animal, onde os gatos com aceso à rua ou os que vivem em
abrigos com rotatividade e animais devem ser vacinados (FIGUEIREDO & ARAÚJO
JÚNIOR, 2011).
26

CONCLUSÕES

O vírus da leucemia felina (FeLV) é um patógeno importante para os gatos


domésticos, devido a sua alta infectividade, patogenicidade e ausência de terapia antiviral
específica. Um grande espectro de manifestações clínicas pode ser observado em decorrência
da infecção pelo FeLV. A anemia é a alteração hematológica mais comumente observada em
gatos com FeLV, porém outras citopenias também podem estar presentes. Outra manifestação
hematológica importante é a neoplasia hematopoiética que é responsável por síndromes de
supressão da medula óssea. A compreensão dos mecanismos patogênicos do vírus sobre o
sistema hematopoiético é de fundamental importância para se estabelecer o tratamento
adequado. Todos os gatos, em pelo menos um momento da vida, devem ser testados para
determinar o seu status com relação à esta importante infecção, pois a identificação precoce
de gatos com resultado positivo permite a implantação de ações para prevenir a disseminação
da infecção pela segregação e otimização dos cuidados de saúde dos gatos infectados.
27

REFERÊNCIAS

Bandecchi, P.; Matteucci, D.; Baldinotti, F.; Guidi, G,; Abramo, F.; Tozzini, F.; Bendinelli,
M. Prevalence of feline immunodeficiency virus and other retroviral infections in sick
cats in Italy. Veterinary Immunology and Immunopathology 31, 337-345. 1992.

Barbosa, F.C.; Christianine, M.P.T.; Waldemarin, K.C.A. Prevalência da leucemia felina


em gatos domésticos de Uberlândia-MG. Arq. Ciên vet zool UNIPAR 5, 207-211. 2001.

Castro, R.C.R. Leucemia Viral Felina. Trabalho de conclusão de curso do curso de pós-
graduação Latu sensu em clínica médica e cirúrgica de felinos da Uiversidade Paulista. São
Paulo- SP- Brasil. 2012.

Coelho, E.M. Aspectos clínicos- patológicos da infecção pelo vírus da leucemia felina.
Trabalho de conclusão de curso de graduação em medicina veterinária da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre- RS, Barsil. 2013.

Coelho, F.M.; Maia, M.Q.; Luppi, M.M.; Costa, E.A.; Luiz, A.P.M.F.; Ribeiro, N.A.; Bonfim,
M.R.Q.; Fonseca, F.G.; Resende, M.. Ocorrência do vírus da leucemia felina em Felis
cattus em Belo Horizonte. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec 63, 778-783. 2011.

Cotter, S.M. Mangement of healthy feline leucemia-virus-positive cats. J Am Vet Med


Assoc 199, 1470-1473. 1991.

Cotter,S.M.; Feline viral neoplasia. In: Greene C E. Infectious diseases of dog and cat, ed 2.
W.B. Saunders, Philadelphia. 1998.

Crawford, C. Progressos no diagnóstico de infecções retrovirais. In Medicina Interna de


Felinos. 53-62. 2011.

Donahue, P.R., Quackenbush, S.I., Gallo, M.V., Denoronha, C.M.C., Overbaugh, J., Hoover,
E.A., Mullins ,J.I. Viral genetic-determinants of T-cell killing and immunodeficiency
disease induction by the feline leukemia-virus FELV-FAIDS. Journal of Virology 65,
4461-4469. 1991.

Fenner, S. Veterinary Virology. London. Academic Press 4,491-505. 2011.


28

Figueiredo, A.S.; Araújo Junior, J.P. Vírus da leucemia felina. Análise da classificação da
infecção, das técnicas de diagnóstico e da eficácia da vacinação com o emprego de
técnicas sensíveis de detecção viral. Ciência animal, 41. 47-52. 2011.

Finlay D. Eosinophilic leukemia in the cat: a case report. Vet Rec 116: 567. 1985.

Gelain, M.E.; Antoniazzi, E.; Bertazzolo, W.; Zaccolo, M.; Comazzi, S. Chronic
eosinophilic leukemia in cat: cytochemical and immunophenotypical features. Veterinary
Clinical Pathology 35, 454-459. 2006.

George, J.W.; Rideout, B.A.; Griffey, S.M.; et al. Effect of preexisting FeLV infection or
FeLV and feline immunodeficiency virus coinfection on pathogenicity of the small
variant of Haemobartonella felis in cats. Am J Vet Res 63, 1172-1178. 2002.

Gleich, S.; Hartmann, K. Hematology and serum biochemistry of feline immunodeficiency


virus-infected and feline leukemia virus-infected cats. Journal of Veterinary Internal
Medicine 23, 552-558. 2009.

Greene, C.E. Infectious diseases of the doog and cat. 4 ed. Elsevier. 118-126. 2016.

Hagiwara, M.K.; Reche Junior, A.; Lucas, S.R.R. Estudo clínico da infecção de felinos pelo
vírus da leucemia felina em São Paulo. Revista Brasileira de Ciência Veterinária 4, 35-38.
1997.

Hartmann, K. Clinical aspects of feline immunodeficiency and feline leukemia virus


infection. Veterinary Immunology and Immunopathology 143, 190-201. 2011.

Hartmann, K. Clinical aspects of feline retroviruses: a review. In Viruses vol 4. 2684-2710.


Munich. 2012 A.

Hartmann, K. Feline leukemia virus infection. In: Greene, C.E. Infectious disease of the dog
and cat. 3.ed. Georgia: Elsevier. cap.11, p.108-136. 2012 B.

Hartmann, K. Feline leukemia virus infection. In: Greene, C.E. Infectious disease of the dog
and cat. 3.ed. Georgia: Elsevier. cap.13, p.105-131. 2006.

Hisasue, M.; Nagashima, N.; Nishigaki, K. Myelodisplasic syndromes and acute myeloide
leukemia in cats infected with feline leukemia virus clone 33 containing a unique long
terminal repeat. Int J. Cancer 124, 1133. 2009.
29

Hoover, E.A.; Perigo, N.A.; Quackenbush, S.L.; et al. Protection against feline leukemia
virus infection by use of an inactivated vírus vaccine. J Am Vet Assoc 199, 1392-1401.
1991.

Hosie, M.I.; Robertson C.; Jarret, O. Prevalence of feline leukaemia virus and antibodies
to feline immunodeficiency virus in cats in the United Kingdom. The Veterinrary Record
125, 293-297. 1989.

Jackson, M.L.; Haines, D.M.; Taylor, S.M.; et al. Feline leukemia virus detection by
ELISA and PCR in peripheral blood from 68 cats with high, moderate or low suspicion
of having FeLV related disease. J Vet Diag Invest 8, 25-30. 1996.

Jarret, O., Hardy, W.D., Golder, M.C., Hay, D. The frequency of occurrence of felien
leukemia virus subgroups in cats. International Journal of Cancer 21, 334-337. 1978.

Jarret, W.F. A virus-like particle associated with leukemia (lymphossarcoma). Ed. Nature
202, 567-568. 1964.

Levy, J., Crawford, C., Hartmann, K., Hofmann-Lehmann, R., Little, S., Sundahl, E., Thayer,
V. American Association of Feline Practitioners' feline retrovirus management
guidelines. J Feline Med Surg 10., 300-316. 2008

Levy, Laura S. Advances in understanding molecular determinants in FeLV pathology.


Vet Immunol Immunopathol 123, 14-22. 2008.

Lutz, H., Addle, D., Bélak, S., Boucraut-Baralon, C., Egberink, H., Frymus, T., Gruffydd-
Jones, T., Hartmann, K., Hosie, M.J., Lioret, A., Marsilio, F., Pennisi, M.G., Radford, A.D.,
Thiry, E., Truyen, U., Horzinek, M.C. Feline Leukemia- ABCD guidelines on prevention
and management. Journal of Feline Medicine and Surgery 11, 565-574. 2009.

Lutz, H.; Castelli, I.; Ehrensperger, F.; et al. Panleukopenia like syndrome of FeLV caused
by co infection with FeLV and fline panleukopenia virus. Vet Immunol Immunopathol 46,
21-33. 1995.

Mylonakis, M.E.; Pentanides, T.A,; Valli, V.E.; Vernau, W.; Koytinas, A.F.; Michael, R.S.
Acute myelomonocytic leukaemia with short-term spontaneous remission in a cat.
Australian Veterinary Journal 89,224-228. 2008.

Nelson, R.W.; Couto, C.G. Medicina interna de pequenos animais. 3 ed. Rio de Janeiro.
2006.
30

Pan, J.; Zhong, C.; Chang, Z.; et al. A pontetial therapeutic strategy to combat leucemia
vírus infection. Cancer Biol Ther 2, 92-99. 2003.

Quackenbush, S.L.; Donahue, P.R.; Dean, G.A.; et al. Lymphocyte subset alterations and
viral determinants of immunodeficiency disease induction by the feline leukemia virus
FeLV-FAIDS. J Virol 64, 5465-5474. 1990.

Rickard, C.G.; Posto, J.E.; DeNoronha, F.; et al. A transmission virus induced lymphocytic
leukemia of the cat. J Natl Cancer Int 42, 987-1014. 1969.

Rojko, J.L.; Hardy, W.D. Feline leukemia virus and other retroviruses. In: Sherding, R.G.
The cat diseases and clinical management, 2 ed. Churchill Livingstone, New York. 263-432.
1994.

Sarma, P.S.; Log, T.; Skunts, S.; et al. Experimental horizontal transmission of feline
leukemia viruses of subgroups A, B and C. Natl Cancer Inst. 60, 871-874. 1978.

Sheets, R., Pandey, R., Jen,W.,Roy-Burman, P. Recombinant feline leukemia virus genes
detected in naturally occurring feline lymphosarcomas. Journal of Virology 67, 3118-
3125. 1993.

Sherding, R.G. Vírus da leukemia feline. Manual Saunders: clínica de pequenos animais. 91-
100. 1998.

Shimoda, T.; Shiranaga, N.; Mashita, T.; Hasegawa, A. Bone marrow necrosis in a cat with
feline leukemia virus. Journal Veterinarian Medicine, 62, 113-115. 1999.

Silva, F.R.C. Prevalência das infecções pelo vírus da leucemia viral felina e da
imunodeficiência viral felina na cidade de Porto Alegre. Dissertação apresentada como
requisito parcial para obtenção do grau de mestre em Ciências Veterinárias da Universidade
Federal do Rio Grande. Porto Alegre- RS- Brasil. 2007.

Sobrinho, L.S.V.; Vides, J.P.; Braga, E.T.; Gomes, A.A.D.; Rossi, C.N.; Marcondes, M.
Sorofrequência de infecção pelo vírus da imunodeficiência felina e vírus da leucemia
felina em gatos do município de Araçatuba, São Paulo. Faculdade de Medicina Veterinária
da Universidade Estadual Paulista. Araçatuba-SP- Brasil. 2011.

Souza, H.J.M.; Teixeira, C.H.R. Leucemia viral felina. In: Souza, H.J.M. Coletâneas em
Medicina e cirurgia felina. 1 edição. Rio de Janeiro. 251-271. 2003.
31

Stutzer, B.; Muller, F.; Majzoub, H.L.; Greene, C.E.; Hermanns,W ; Hartmann, K. Role of
latente feline leukemia virus infection in nonregenerative cytopenias of cats. Journal of
Veterinary Internal Medicine 24, 192-197. 2010.

Sukura, A.; Salminen, T.; Lindberg, L.A. A survey of FIV antibodies and FeLV antigens in
free-roaming cats in the capital area of Finland. Acta Veterinaria Scandinavica 33, 9-14.
1992.

Swenson, C.L.; Carothers, M.A.; Wellman, M.L.; Kociba, G.J. Eosinophilic leukemia in a
cat with naturally acquired feline leukemia virus infection. J Am Anim Hosp Assoc 29,
497-501. 1993.

Tartaglia, J.; Jarret, O.; Neil, O.C.; et al. Protection of cats against feline leukemia virus by
vaccination with a canarypox virus recombinant, ALVAC-FL. J virol 67, 2370-2375.
1993.

Turras, M.C.C.D. Estudo da prevalência de FIV/ FeLV numa população de 88 gatos


errantes da região metropolitana de Lisboa. Universidade Lusófona de -Humanidades e
Tecnologias- Faculdade de Medicina Veterinária. Lisboa- Portugal. 2014.

Willett, B.J,; Hosie, M.J. Feline leukemia virus: half a century since its Discovery. The
Veterinarian Journal 195, 16-23. 2013.