You are on page 1of 253

Editora Poisson

Tópicos em Administração
Volume 5

1ª Edição

Belo Horizonte
Poisson
2018
Editor Chefe: Dr. Darly Fernando Andrade

Conselho Editorial
Dr. Antônio Artur de Souza – Universidade Federal de Minas Gerais
Dra. Cacilda Nacur Lorentz – Universidade do Estado de Minas Gerais
Dr. José Eduardo Ferreira Lopes – Universidade Federal de Uberlândia
Dr. Otaviano Francisco Neves – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Dr. Luiz Cláudio de Lima – Universidade FUMEC
Dr. Nelson Ferreira Filho – Faculdades Kennedy

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


T674
Tópicos em Administração – Volume 5/
Organização Editora Poisson – Belo
Horizonte - MG : Poisson, 2018
253p

Formato: PDF
ISBN: 978-85-93729-67-6
DOI: 10.5935/978-85-93729-67-6.2018B001

Modo de acesso: World Wide Web


Inclui bibliografia

1. Administração 2. Gestão. I. Título

CDD-658.8

O conteúdo dos artigos e seus dados em sua forma, correção e confiabilidade são
de responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores.

www.poisson.com.br

contato@poisson.com.br
Capítulo 1: Programa de Capacitação e Progressão Profissional para os Jovens
Soldados da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de Mato Grosso do Sul........ 6
Juliane Nantesda Fonseca, Narciso Bastos Gomes, Jane Corrêa Alves Mendonça, Vera Luci de
Almeida

Capítulo 2: Proposta de implementação de um plano de gerenciamento de


resíduos sólidos no The Burgers – Unidade Dourados – MS............................... 17
Alexandre Borges Miranda, Vera Luci de Almeida, Jane Corrêa Alves Mendonça

Capítulo 3: Inteligência social: Um novo antecedente para a capacidade de CRM 29


Andreia Bolivar Pedroso D’Amico, Denise Gabriela Rodrigues, Rafael Demczuk

Capítulo 4: Gestão de processos no âmbito da advocacia pública: Estudo de


caso da reestruturação administrativa da Procuradoria de Obrigações da
Advocacia-Geral do Estado de Minas Gerais ...................................................... 38
Ana Luiza Santos Terra, Bruna de Paula Ferreira Costa, Fernanda Alen Gonçalves da Silva,
Luciana Versiani dos Reis

Capítulo 5: Gestão sustentável em uma Organização Militar no estado do Mato


Grosso do Sul....................................................................................................... 48
Natasha de Araújo Cezar, Daniela Althoff Philippi

Capítulo 6: Práticas comerciais e a dinâmica mercadológica (pós)moderna: uma


análise dos deveres anexos e das funções do princípio da boa-fé objetiva na defesa
do consumidor brasileiro........................................................................................ 59
Adriana Sant´Anna, Dirce do Nascimento Pereira, Zilda Mara Consalter

Capítulo 7: Compreendendo os itens de maior rotatividade de uma


microempresa do setor gastronômico através da curva abc: estudo de caso no
restaurante Ponto Certo no município de Caicó/RN ............................................ 70
Leandro Aparecido da Silva, Giovanny Mateus Bezerra de Araújo, Pablo Phorlan Pereira de
Araújo, Tiago Douglas Cavalcante Carneiro, Emilson Souza de Carvalho

Capítulo 8: Fundamentos para a estruturação, desenvolvimento e gestão de


redes de pesquisa: o caso da Rede AgroHidro da Embrapa .............................. 78
Tércia Zavaglia Torres, Lineu Neiva Rodrigues, Azeneth Eufrausino Schuler, Sônia Ternes

Capítulo 9: Satisfação no trabalho dentre os empregados do setor administrativo


de uma instituição de educação superior ........................................................... 89
Cintia Sonale Rebonatto, Priscila Sardi Cerutti, André da Silva Pereira, Carlos Costa

Capítulo 10: O estudo das tentações: a teoria do self-control aplicada ao


comportamento do consumidor ........................................................................... 99
Denise Gabriela Rodrigues, Rafael Demczuk, Andreia Bolivar Pedroso D´Amico

Capítulo 11: Perfil do turista do faxinal dérevo, Prudentópolis – PR (Brasil) ........ 111
Elieti Fátima de Goveia , Vanessa Alberton, Ronaldo Ferreira Maganhotto, Leandro Baptista, Ana
Paula Perardt Farias
Capítulo 12: Planejamento Estratégico como Ferramenta de Enfrentamento à
Crise Econômica Brasileira: Como os Microempreendedores Individuais estão
sobrevivendo? Estudo de caso com os pequenos negócios do segmento de
confecção ............................................................................................................ 124
Henrique Pereira da Silva, Valter de Souza Pinho

Capítulo 13: O gerenciamento estratégico de compras e estoques na busca por


eficiência e eficácia na administração pública .................................................... 136
Andre Lezan Fernandes, Vanessa Ishikawa Rasoto

Capítulo 14: Inteligências Múltiplas: Um Estudo de Caso ................................... 145


Marisa Claudia Jacometo Durante, Liliane Aline Fleck Zimmer

Capítulo 15: Estudo da Cidade e Proposta da Avaliação da Imagem para


Município de São Vicente do Sul-RS .................................................................... 157
Gibsy Lisiê Soares Caporal, Gisele Simi Turchetti, Leonardo Santos de Souza

Capítulo 16: As múltiplas perspectivas sobre a capacidade de desenvolvimento


de novos produtos ............................................................................................... 165
Andreia Bolivar Pedroso D’Amico, Denise Gabriela Rodrigues, Rafael Demczuk

Capítulo 17: Jogos empresariais aplicados à gestão. ......................................... 176


Sonia Maria Esposte Sturaro

Capítulo 18: Arquitetura Estratégica: O que significa na prática? ....................... 185


Jefferson Augusto Krainer, Christiane Wagner Mainardes Krainer, Renata Alves Monteiro Correia,
Alessandra Tourinho Maia, Cezar Augusto Romano

Capítulo 19: Indústria farmacêutica: O perfil do propagandista .......................... 198


Uile Paranhos, Ricardo Milanez de Siqueira

Capítulo 20: Gestão do conhecimento: uma abordagem preliminar para


construção de modelo em uma instituição de ensino superior privada .............. 206
Andreia Marques Maciel de Carvalho

Capítulo 21: Uma proposta de planejamento estratégico para implantação de


uma empresa do setor de produções e eventos de porte regional ..................... 217
Elias Rocha Gonçalves Júnior, Virgínia Siqueira Gonçalves, Ivan Junio Silva Costa, Álvaro de
Azeredo Araújo de Carvalho

Capítulo 22: Os negros em cargos diretivos nas organizações: um estudo de


caso em uma empresa de reciclagem ................................................................ 231
Karine de Jesus Rodrigues Santana, Rommel Melgaço Barbosa, Janice Rodrigues da Silva, José
Waldo Martinez Espinosa, Jorge Luiz Lopes Maciel, Omar Ouro-Salim

Autores: ........................................................................................................................................ 238


Capítulo 1

Juliane Nantes da Fonseca


Narciso Bastos Gomes
Jane Corrêa Alves Mendonça
Vera Luci de Almeida

Resumo: No Brasil, a inserção dos jovens no mercado de trabalho tem se tornado


um dos desafios da do Governo Federal para garantir emprego condições de
ascensão social aos jovens. Este estudo apresenta as características do programa
de capacitação desenvolvido pela 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de
Dourados-MS aos jovens soldados incorporados adquiram as competências
necessárias para desenvolver os trabalhos técnicos e operacionais no dia-a-dia nos
setores estão são lotados, visando também incentivar a formação de um jovem
soldado cidadão e profissional para que após a sua baixa no serviço militar tenha
condições para se inserir no mercado de trabalho. O estudo é de caráter qualitativo
e os dados foram obtidos por meio de entrevista estruturada. Para a análise dos
dados adotou-se a Análise de conteúdo na perspectiva de Bardim. Foram
entrevistados um Comandante e dois soldados ativos e beneficiados pelo
programa. Os resultados do estudo mostram que a maioria dos jovens soldados
que servem na 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de Dourados nunca trabalhou
ou fez cursos profissionalizantes antes de ingressar no serviço militar. Quanto às
características do programa, verificicou-se evidencias de excelente organização
técnica e didático pedagógico de forma capacitar e desenvolver as competências
necessárias para o soldado exercer suas atividades na instituição. O programa
contempla parcerias com universidades e escolas de formação técnica. Para os
soldados beneficiados, o programa é contribuir para o desenvolvimento dos
trabalho no dia-a-dia na Brigada e para garantir uma vaga emprego após darem
baixa no serviço militar e tornarem um cidadão respeitado.

Palavras-chave: Mercado de Trabalho, Capacitação, Empregabilidade.


7

1 INTRODUÇÃO Nesse contexto, o Exército Brasileiro (EB) está


desenvolvendo, por meio dos seus dirigentes,
O mercado de trabalho é caracterizado pelas
incluindo-se a 4ª Brigada de Cavalaria de
oportunidades de empregos ofertadas pelas
Dourados-MS um Programa de Capacitação
organizações, predomina pela oferta de
para os jovens militares, devido à
vagas e procura por parte da empresa e das
transformação do próprio Exército em razão
pessoas que desejam ingressar no mercado
da tecnologia apurada e avançada, bem
de trabalho. A legislação brasileira proíbe a
como, a competitividade do mercado de
contratação de jovens abaixo dos dezesseis
trabalho, que exige profissionais com
anos, assim, a maioria dos jovens que
experiências, conhecimentos e habilidades
ingressam no mercado de trabalho estão na
(EXÉRCITO BRASILEIRO, 2014).
faixa dos 18 a 24 anos. Muitos desses jovens
não têm experiência profissional anterior e A 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de
nem capacitação para ingressar no mercado Dourados-MS, teve a iniciativa de desenvolver
trabalho. o Programa de Capacitação dos jovens
militares no ano de 2015, que consiste num
Quanto à falta de profissionais qualificados
“projeto piloto”, tendo como objetivo principal
para responderem as necessidades das
e futuro, enfatizar o processo de
empresas, Resende et al. (2013) afirma, com
transformação a uma nova doutrina, com o
base no estudo intitulado “Carência de
emprego de produtos de defesa
Profissionais: um desafio para as grandes
tecnologicamente avançados e profissionais
empresas brasileiras”, que o Brasil é um dos
altamente capacitados e motivados para
países que se encaixa com perfeição no
atuarem tanto internamente, enquanto
contexto das realidades: escassez de mão de
militares, para que o Exército enfrente com os
obra e a falta de qualificação dos profissionais
meios adequados os desafios do século XXI,
em geral, o que ressalta a importância da
quanto em meio à sociedade e no mercado
capacitação em qualquer tipo de
de trabalho, quando derem baixa (EXÉRCITO
organização.
BRASILEIRO, 2016).
A economia brasileira, mesmo quando
Assim, diante da proposta da 4ª Brigada de
apresenta diferentes cenários de
Cavalaria Mecanizada em capacitar jovens
oportunidades de emprego, se depara com
militares, visando minimizar o desemprego
essa carência de profissionais, fazendo com
para estes militares após seu desligamento da
que as empresas, especialmente as mais
instituição, bem como prepará-lo para exercer
intensivas em mão de obra, passem a mudar
as atividades internas da Brigada, é que se
suas estratégias de gestão reduzindo as
estabelece a pergunta inicial da pesquisa:
exigências em relação à capacitação e
quais características formatam as estratégias
experiência de trabalho dos profissionais
do Programa de Capacitação desenvolvido
buscados no mercado e, consequentemente,
pelo Exército Brasileiro - 4ª Brigada de
uma maior necessidade de treinamento das
Cavalaria Mecanizada, a fim de assegurar
equipes, ressaltando que essas necessidades
competências ao jovem militar que atuará no
e dificuldades de contratação, são causadas,
Exército e, após o seu desligamento, no
muitas vezes, por gargalos na educação e
mercado de trabalho?
capacitação dos que desejam ingressar no
mercado de trabalho.
No cenário de recessão brasileira, os jovens 2. REFERENCIAL TEÓRICO
são os que mais estão apresentando
2.1 A IMPORTÂNCIA DA CAPACITAÇÃO
dificuldades de inserção no mercado de
PROFISSIONAL
trabalho. O desemprego da faixa etária de 18
a 24 anos de idade, segundo os dados A capacitação profissional é uma exigência
divulgados pelo Instituto Brasileiro de necessária para adaptar o trabalhador a um
Geografia e Estatística (IBGE) no primeiro cargo ou exercício de atividades no ambiente
trimestre de 2016, aumentou organizacional. Com as mudanças da
consideravelmente. Assim, acredita-se que a economia, avanços tecnológicos e processos
capacitação profissional tem se tornado ainda relacionados ao mercado, as empresas se
mais requisitada, as empresas pretendem viram com certa dificuldade para se
investir em profissionais que já possuam manterem ativas no mercado e,
competências e experiências bem definidas. consequentemente, uma maior necessidade

Tópicos em Administração - Volume 5


8

de mudar conforme o meio em que estão aquisição e aplicação sempre representaram


inseridas. estímulo para as conquistas de inúmeras
civilizações. Mas Luchesi (2012) contrapõe
Assim, elas pautam-se num novo modelo de
que, apenas "saber muito" sobre alguma coisa
gestão, baseado na formação e qualificação
não proporciona, por si só, maior poder de
profissional, onde, focando na melhora da
competição para uma organização, mas sim,
produtividade, têm-se apostado no
exatamente quando aliado a sua gestão que
desenvolvimento de seu pessoal através de
ele faz diferença.
políticas de educação, que visam à criação
do conhecimento organizacional (NONAKA; Afirmam Nonaka; Tackeuchi (1997), que o
TAKEUCHI 1997). Por um lado, há o aumento conhecimento tácito, expressa, por definição,
dos trabalhadores informais e, do outro, uma compreensão implícita, que existe sem
empresas que buscam por profissionais ser constatada, algo que se sabe,
capacitados e atualizados e empresas possivelmente, mesmo na ausência da
buscando capacitar seus funcionários para capacidade para se explicar, ou seja, é o
que tenham o retorno em produtividade. conhecimento obtido através da experiência
pessoal, do contato direto com situações que
O indivíduo que busca por oportunidades,
propiciam novas experiências (CARDOSO;
deve estar atualizado sobre as diversas
CARDOSO, 2007).
mudanças do mercado, bem como, os
interesses das organizações que ofertam Quanto o conhecimento explícito, para
vagas. É fundamental estar bem informado, Cardoso; Cardoso, 2007), este refere-se ao
com qualificações e, se possível, com conhecimento expresso de forma articulada,
experiências que darão maiores chances de ou seja, possível ser explicado e
conseguir uma vaga em meio a tanta procura. exemplificado com palavras escritas, fórmulas
Por outro lado, o trabalhador inserido no matemáticas, mapas, etc. Quando, através da
mercado, num emprego formal, sendo utilização da linguagem, se consegue
fundamental no processo produtivo do meio converter o conhecimento tácito em explícito.
em que atua, também deve buscar a Assim, os indivíduos oscilam entre o saber
constante adaptação e reciclagem dos seus tácito e explícito a cada segundo da sua vida,
conhecimentos e habilidades, pois, o fato de uma vez que é exclusivamente humana a
estar empregado, não garante que a empresa capacidade de fundir o novo e o velho
o terá para sempre em seu quadro de conhecimento (CARDOSO; CARDOSO, 2007).
funcionários.

2.3 COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS


2.2 GESTÃO DO CONHECIMENTO
Segundo Bomfim (2012), o estudo sobre
O conhecimento é um atributo necessário competências profissionais traz diversas
para qualquer profissional exercer um vantagens para as organizações, como o
trabalho ou uma atividade lúdica, escrita ou aumento da produtividade no ambiente de
de produção e que deve ser apropriado e trabalho, a satisfação e motivação do
gerido pela organização, totalmente inserido à trabalhador, entre outras. Desta forma, a
gestão do conhecimento, que, segundo Terra competência profissional nas organizações
(2005), é um processo amplo e criterioso de permite um avanço para o desenvolvimento
identificação, maximização, codificação e do conhecimento, das habilidades e atitudes
compartilhamento do conhecimento que seja dos profissionais na busca da qualidade e
relevante para as organizações, existindo produtividade no ambiente em que atuam. O
autores que ressaltam que essa gestão é “saber fazer” dos profissionais por mais
totalmente nova, tendo em vista que torna-se simples e previsíveis que sejam, exige
nos tempos de hoje, o uso de computadores e também o “saber” e o “saber ser” capazes de
tecnologia de informação no âmbito mundial pensar e atuar com qualidade e
para que a organização consiga desenvolver produtividade.
todos os processos da forma desejada e com
O conceito de competência surgiu pela
uma amplitude significativa, utilizando-se os
primeira vez por David McClelland (1973
conhecimentos humanos e organizacionais
apud FISCHER et al 2006), na busca de uma
que detêm.
abordagem mais efetiva que os testes de
Para Luchesi (2012) o conhecimento como inteligência eram realizados nos processos de
papel fundamental na história, pois sua escolha das pessoas para as organizações,

Tópicos em Administração - Volume 5


9

podendo ser utilizado como referência para a técnicas de análise de dados planejadas.
construção e compreensão de instrumentos Esta matriz foi realizada para possibilitar
de gestão de pessoas. direcionar o pesquisador quanto às etapas,
objetivos e base teórica, para analisar e tratar
No processamento do saber, a competência é
os dados colhidos.
o aspecto relevante do conhecimento, a qual
envolve a expertise, como o aprendizado e
destreza em realizar e discernir a
4. RESULTADOS OBTIDOS E ANÁLISES.
essencialidade do fazer. Dessa forma, o
exercício das profissões acompanha as 4.1 CARACTERIZAÇÃO DO EXÉRCITO
necessidades da sociedade emergente, que, BRASILEIRO
cada vez mais exigente, tanto na interação
O estudo foi realizado no Exército Brasileiro,
pessoal, quanto na formação especializada,
situado na cidade de Dourados, fundado em
direciona o profissional a buscar
1935. A cidade de Dourados se situa na
conhecimento (NINA, 2006).
região Centro Sul do Mato Grosso do Sul a
A competência profissional está inserida nos 230 km da capital do estado. Quanto as suas
diferentes níveis organizacionais e, segundo fronteiras, está próxima à fronteira do
Brandão (1999), alguns autores elevam o Paraguai. Por suas características e
conceito de competência à equipe de proximidade a várias cidades, apresentou-se
trabalho ou mesmo à organização como um como a melhor opção para a instalação do
todo. comando da 4ª Brigada, que iniciou suas
atividades em 1981, com seu comando em
Campo Grande, no mesmo estado, sendo
3. METODOLOGIA que, no ano seguinte, 1982, vislumbrou-se a
necessidade da mudança da sede do
O estudo é uma pesquisa de campo e por
comando para mantê-la mais próxima das
caráter qualitativo do estudo, os dados foram
suas unidades subordinadas, situadas na
coletados por meio da entrevista utilizando-se
linha de fronteira sul do estado. Em 24 de
de um roteiro estruturado de perguntas
Junho de 1982, foi composto um grupo de
previamente elaborada conforme orienta
trabalho para conduzir a execução das
(2009). Antes das entrevistas o roteiro foi
medidas necessárias à ativação da
previamente testado com profissionais da
transferência do comando de Campo Grande
brigada para colher as impressões sobre as
para Dourados. A 4ª Brigada é também
categorias de análises. Para a análise dos
conhecida por “Brigada Guaicurus”, em
dados foi adotada a análise de conteúdo na
homenagem aos índios da região. Esta
Perspectiva de Bardim (2009) e a pesquisa
unidade é responsável pelo Programa de
documental. As entrevistas foram gravadas e
Progressão Profissional que pretende
posteriormente transcritas em textos para
expandir seus ideais juntamente aos objetivos
análise das expressões que sinalizavam as
futuros, missão a ser realizada até 2022
características do programa e a percepção
(EXÉRCITO BRASILEIRO, 2016).
dos soldados quanto os benefícios da
capacitação obtida pelo programa. O O Exército pertence à nação brasileira, sendo
Comandante entrevistado é identificado por permanente e regular e sempre voltado para a
(E01), no momento da entrevista, gestor do conquista e a manutenção dos valores e
programa de capacitação; os soldados aspirações nacionais constantes da
beneficiados pelo programa, por (E02) e o Constituição Federal (EXÉRCITO
soldado (E03). BRASILEIRO, 2014). Sua missão e visão de
futuro é contribuir para a garantia da
Para a condução do estudo desenvolveu-se
soberania nacional, dos poderes
uma Matriz de Amarração apresentada no
constitucionais, da lei e da ordem,
Apêndice 01. De acordo com Telles (2001), a
salvaguardando os interesses nacionais e
Matriz de Amarração foi sugerida por Mazzon
cooperando com o desenvolvimento nacional
em 1981 para avaliar a coerência das
e o bem-estar social. Para isso, preparar a
relações entre as dimensões e decisões dos
força terrestre, mantendo-a em permanente
caminhos de uma pesquisa, indicando, assim,
estado de prontidão, tendo como objetivo
uma consistência metodológica, sendo um
futuro, mais precisamente até 2022, o
instrumento de análise cujo foco está na
processo de transformação com o emprego
compatibilidade entre o referencial teórico, os
de produtos de defesa tecnologicamente
objetivos, as hipóteses de pesquisa e as
avançados, profissionais altamente

Tópicos em Administração - Volume 5


10

capacitados e motivados, para que o exército desde a parte operacional, como faxina e
enfrente, com os meios adequados, os outras funções, à excursões.
desafios do século XXI, respaldando as
O Soldado (E03) trabalhou como auxiliar
decisões soberanas do Brasil no cenário
protético, tem ensino médio completo, vinte
internacional (EXÉRCITO BRASILEIRO, 2016).
anos de idade e fez curso básico de auxiliar
Verificando a necessidade de contribuir, administrativo, mas não chegou a trabalhar na
ainda mais, com a sociedade brasileira, em área. Ele afirma “profissionalizei-me aqui
relação à formação dos jovens que se alistam dentro, pois antes estava até desempregado.
ao Exército e executam internamente, além Tirei habilitação no Exército, hoje sou
das atribuições militares, atividades diárias motorista e já fiz cursos”. Se tratando dos
em diversos setores da instituição, o Exército setores e divisões em que os soldados atuam
Brasileiro, especialmente por meio da 4° BDA internamente no quartel, Esse soldado
C MEC teve a iniciativa de idealizar e colocar executa funções no Pelotão de Manutenção e
em prática, o Programa de Progressão Transporte, trabalhando com tudo relacionado
Profissional, que possui um caráter social. à oficina de viaturas, no concerto e, também,
pois, embora o novo modelo de capacitação como motorista.
do EB não consiga atingir todos os jovens,
como moças e rapazes não aceitos nas
seleções de alistamento, as mudanças são 4.2.1 PERFIL DOS SOLDADOS
perceptíveis à vida de muitos dos jovens que INGRESSADOS NA BRIGADA E
não possuem uma boa estrutura familiar e até BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA
mesmo estrutura financeira, que quando se
A faixa etária dos soldados que estão
viram servindo ao Exército, puderam objetivar
ingressados e que desenvolvem trabalhos
novos caminhos. Esse programa visa
internamente e, consequentemente, requer
enriquecer, ainda mais, a estadia dos jovens
capacitação, varia entre 18 a 25 anos. Esses
militares, conseguindo diferenciá-los e
soldados ficam em média sete anos antes do
aprimorá-los em suas experiências,
seu desligamento da Brigada, o que estima-
contribuindo de igual para igual com outras
se terem em média 25 anos ao se desligarem
instituições que também desempenham
do serviço militar.
trabalhos destinados a população jovem do
Brasil Segundo o Comandante responsável pelo
programa muito soldados alistados no
exército local possuem apenas o ensino
4.2 PERFIL DOS ENTREVISTADOS fundamental completo; alguns ainda cursam
ou concluíram o ensino médio e outros,
O Comandante entrevistado é o responsável
possuem cursos preparatórios e experiências
pelo programa de capacitação progressão
profissionais, na maioria das vezes, sem
profissional, cuja patente é de Tenente
carteira assinada.
Coronel, atuando no comando da Base
Administrativa da 4ª Brigada Mecanizada de
Dourados-MS. Tem 30 anos como militar do
4.3. FINALIDADES DO PROGRAMA DE
Exército sendo auxiliado de superiores e
CAPACITAÇÃO E PROGRESSÃO
subordinados para elaboração e toda
PROFISSIONAL
estruturação.
O Programa de Progressão Profissional,
Os soldados entrevistados, são da mesma
executado na 4ª Brigada de Cavalaria
turma de alistamento, possuindo dois anos de
Mecanizada, considerado um projeto piloto,
ingresso no Exército. Participaram de cursos
MS, tem por objetivo desenvolver a
de capacitação distintos desde 2016, visto
capacitação dos jovens militares, bem como,
que o programa teve início de sua execução
um plano de carreira para o efetivo
nos anos 2016 e 2016. Em 2015,
profissional, como Sargentos, Cabos e
O Soldado (E02), tem o ensino médio Soldados temporários, que são os que não
completo. Tem 20 anos de idade e “engajam”, não seguem a carreira
experiência de trabalho em escritório de permanente, de maneira a proporcionar
contabilidade, de pouca duração, com curso fatores para a atração, retenção e motivação
na área de comunicação. Esse soldado dos militares prestadores do serviço, por meio
Trabalha no Pelotão de Segurança, que tem de três projetos estruturantes, visualizados de
como objetivo principal, apoiar todo o quartel, maneira integrada e complementar.

Tópicos em Administração - Volume 5


11

Reconhecido como um projeto, o programa Acreditam (E01 e E02) que a atitude mais
visa atender as exigências delineadas na diferenciada adquirida atualmente na Brigada,
concepção estratégica do EB, buscando um é o fato do respeito à sociedade em geral ser
ciclo virtuoso da dimensão humana – “atração mais elevada, pois o militarismo, por meio da
e retenção” de recursos humanos, bem como, hierarquia, exige isso internamente, mas que
contribuir para o processo de desmobilização reflete intensamente fora do quartel. Afirmam
com inclusão social, preparando para os soldados entrevistados que na 4° Brigada
sociedade ex-militares que possam ser boas atitudes sáo exigidas de forma mais
facilmente absorvidos pelo mercado de rígida, porém, é algo que se “aprende em
trabalho, redundando, consequentemente, no casa, com pai e mãe” e, acrescenta que no
reforço da credibilidade do Exército perante a seu caso, a atitude mais perceptível foi a
sociedade. responsabilidade que adquiriu, pois “se lá
fora a pessoa não tem, quando entra aqui
aprende, porque tem que honrar vários
4.4 COMPETÊNCIAS DESEJADAS PARA OS compromissos, muitos horários, serviços, tudo
JOVENS SOLDADOS isso e, assim fui aplicando em todas minhas
atitudes”.
Para a a 4ª Brigada é importante despertar o
interesse dos soldados sobre a capacitação, Quanto aos valores pretendidos para o
sobre o fato de estarem em contato com o Exército Brasileiro, por se tratar de um
conhecimento, para buscarem cada vez mais aspecto pessoal que afeta, também, a
o desenvolvimento de suas competências sociedade de modo geral.” É preciso ter ética
gerais. “Queremos que eles tenham e responsabilidade e acrescenta, é algo que
competências para exercer a sua função e nos empenhamos em enfatizar desde que o
seu cargo no Exército e que agregue cara entra para o Exército.
conhecimento para quando sair do Exército
valorize o aprendizado e ser valorizado”
(E01). 4.5 CURSOS DE CAPACITAÇÃO
OFERECIDOS PELO PROGRAMA
Na visão do comandante o Comandante
responsável pelo programa as competências O programa contempla cursos técnicos,
requeridas para os soldados diferem-se de administrativos, comportamentais, de
acordo com a função executada. “O soldado liderança e de direção automotiva,
que está num setor financeiro, tem que desenvolvidos pela Brigada e pelos parceiros
desenvolver habilidades distintas de um do projeto. Os conteúdos e formatos dos
soldado que está no setor de mecânica, por cursos atendem as necessidades de
exemplo, “ (E01) ou seja, são competências formação, das competências desejadas, perfil
diferentes, onde há o aprimoramento de
diferentes habilidades.
4.5.1 EQUIPE EXECUTORA DO PROGRAMA
Na visão do soldado (E02) “o que pode
DE CAPACITAÇÃO
destacar em relação ao seu aprendizado é a
forma organizada com que age atualmente, O programa de Capacitação do Exército
afirmando que há muita organização em suas Brasileiro em Dourados-MS é organizado pela
atitudes e na maneira com que lida com suas 4ª Brigada de Cavalaria em parcerias com as
funções, planejando tarefas e atividades, até universidades federais UFGD e UFMS; a
mesmo, por meio de uma planilha de UEMS, o Instituto Federal, o SENAI, SENAC e
organização de serviços, um organograma, o Sistema S, que conta com outros parceiros,
ou seja, suas habilidades foram aprimoradas além dos mencionados. Para a gestão do
em relação às atividades executadas.” Para o programa Exército também capacita com
soldado (E03) em relação ao seu trabalho diz seus militares, como um Sub Tenente citado,
que “a área em que trabalho se trata de que ministra vários cursos, como o de
oficina e mecânica, exige-se uma extrema liderança.
iniciativa para que tudo esteja sempre
Os profissionais internos envolvidos são os
organizado e limpo, sendo imprescindível a
oficiais e praças da própria Brigada, que
manutenção correta de todos os itens
executam e administram o contato com os
existentes do setor, bem como seu controle.
parceiros, a disponibilidade de novos, a
Para (E03) as competências, nestes casos,
busca por diferentes cursos, auxílio na
são exercidas dia a dia, na operação das
elaboração da capacitação, entre outras
atividades

Tópicos em Administração - Volume 5


12

atividades relacionadas, que fazem com que capacitações e as busquem enquanto estiver
todo o programa seja executado. atuando na Brigada.

4.5.2 CUSTOS E FONTES DE RECURSOS 4.6 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM


O custo do programa é calculado com base O programa em fase de implementação
no custo unitário por soldado. Estima-se que procura avaliar os resultados do programa no
custo para um soldado é em torno de desenvolvimento dos trabalhos práticos
R$1.500,00 por ano.Esses custos custos desenvolvidos pelos soldados no dia-a-dia na
variam de acordo com cada curso. O retorno Brigada. Segundo o soldado (E03) No curso
do investimento decorre do bom desempenho em afirma que o programa aplica provas
e empenho do soldado no desenvolvimento práticas e escritas, aplicadas durante o curso
do trabalho na Brigada e possível inserção no e também a avaliação a que são submetidos
mercado de trabalho após sua baixa no no dia a dia, principalmente por seu superior,
Exército. quanto as atividades que executam.
O programa recebe auxílios de programas O soldado bem avaliado no programa
tais como: soldado-cidadão, e o programa, referente ao mérito de desempenho para se
assim como recursos alocados diretamente beneficia na progressão de carreira do
de órgãos específicos do Exército, como soldado, o um “sistema meritocrático”, Para o
também o SISFRON, que disponibiliza comandante, toda capacitação feita pelo
recursos para capacitações na área de soldado, gera uma pontuação dentro do EB,
atuação do mesmo, como informática e que pode servir como se fosse uma prova de
mecânica, acrescentando, também, o títulos como no concurso público.
Ministério da Defesa como origem dos seus
Além da capacidade técnica é avaliado
recursos.
também o comportamento, a
Alguns cursos de formação profissional responsabilidade, teste físico, execução de
previsto no programa são realizados em tiro, ou seja, é um conjunto de fatores, toda
parceria com o Sistema S (SENAI, SESI, uma soma de atividades realizadas que gera
SENAC, SESC, SENAR, SEST). Essas uma pontuação e consequentemente uma
instituições disponibilizam cursos e estruturas classificação para cada soldado.
para o desenvolvimento da capacitação dos
soldados.
4.6.1 AVALIAÇÃO DOS SOLDADOS
O entrevistado (E01) afgirma que, por
EGRESSOS
enquanto, o programa não está vinculado a
programas do Governo Federal, mas já existe O programa desenvolvido pela 4ª Brigada
essa pretensão, mesmo sendo algo mais está sendo implementado de forma
complexo e envolvendo muita política, eles experimental, como um projeto que poderia
objetivam transformar o programa a nível ou não, dar certo, alguns aspectos, como a
nacional, junto aos institutos federais. avaliação dos egressos, não foi pensada
inteiramente. Assim, ações para avaliar o
programa juntos aos soldados que deram
4.5.3 RESULTADOS DO PROGRAMA DE baixa no Exército serão implementadas ao
CAPACITAÇÃO longo da implementação e sucesso do
programa
Inicialmente os resultados desejados com a
implantação era capacitar como um teste
piloto um percentual de jovens militares
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
enganjados na Brigada. “A ideia inicial era de
capacitar 30% do efetivo, cuja variação foi de O estudo teve como objetivo identificar as
20%.” (E01) características que formatam o programa de
capacitação para jovens soldados militares
Os resultados pretendidos pela Brigada além
alistados ao Exército Brasileiro, que tem como
de estratégica é de cunho social e de
escopo, o desenvolvimento das competências
estímulo ao desenvolvimento pessoal do
(conhecimentos, habilidades, valores e
jovem militar. Na visão do o próprio soldado
atitudes) do jovem militar, elevando sua
almeja o nível técnico da área em que desejar
atuação na Brigada e possibilitando
se capacitar, ou seja, some suas
capacitações, desenvolvimento pessoal e

Tópicos em Administração - Volume 5


13

experiências profissionais para que no objetivando capacitar os jovens soldados


desligamento do Exército, o jovem tenha o para os novos desafios do Exército. Para suas
exercício de uma profissão e seja incluso no operações o Exército Brasileiro articula uma
mercado de trabalho. rede de cooperação que envolve
universidades, institutos de ensino, escolas
O estudo focou na capacitação dos jovens
técnicas, agências Governamentais e
militares e traz significativas contribuições ao
empresariais com vistas promover o
levar a conhecimento da sociedade, um
desenvolvimento econômico e social nas
programa bem estruturado e desenvolvido,
regiões fronteiriças, incluindo-se a acidade de
que busca a capacitação não somente por
Dourados-MS.
interesses internos, mas, também, visando a
saída do jovem, que, ao término do seu tempo Os parceiros do programa de capacitação
de permanência no Exército, que se dá até são flexíveis quanto às necessidades da
sete anos, terá mais que experiências Brigada, visando atender os militares em meio
militares, como também, capacitações que o às limitações do tempo disponível pelos
assegure experiências suficientes para o soldados, já que eles executam trabalhos
exercício de uma profissão e assim, inserção internos, não possibilitando um período
ao mercado de trabalho, garantindo que um integral para
novo perfil de profissionais, que atualmente,
Verifica-se que o Programa em estudo
são procurados pelo mercado de trabalho,
configura-se como uma ação estratégica e
sejam disponibilizados pelo Exército
também operacional, partindo da estratégia
Brasileiro.
que objetiva envolver todo o país, mas, até
Verifica-se evidências de que o Programa de então, baseando-se numa ação operacional,
Capacitação em estudo foi pensado tendo em que é executada na 4ª BDA C MEC.
vista a própria transformação do Exército
Por fim, sugere-se a realização de outros
Brasileiro que passou operar em novas
estudos, ampliando a investigação dos
frentes, principalmente no Sistema Integrado
elementos que estruturam o programa de
de Monitoramento Terrestre de Fronteiras
capacitação, a fim de contribuir ainda mais
(SISFRON) em funcionamento nas fronteiras
para sua estruturação e conhecimento.
do Mato Grosso do Sul, dessa forma

REFERENCIAS
[1]. BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, [7]. Desemprego entre os jovens de até 24
Portugal; Edições 70, LDA, 2009. anos chega a 24,1%, diz ibge. economia uol, são
paulo, 2016. disponível em:
[2]. BOMFIM, Rosa Amorim. Competência
<http://economia.uol.com.br/empregos-e-
profissional: uma revisão bibliográfica. Revista
carreiras/noticias/redacao/2016/05/19/desemprego
Organização Sistêmica, vol.1, n. 1 Jan – Jun 2012.
-entre-os-jovens-de-ate-24-anos-chega-a-241-diz-
[3]. BRANDÃO, Hugo Pena. Gestão baseada ibge.htm>. acesso em: 14 ago., 2016.
nas competências: um estudo sobre competências
[8]. DUTRA, Joel Souza. Gestão de pessoas.
profissionais na indústria bancária. 1999.
7. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília,
1999. [9]. FISCHER, André Luiz et al. Absorção do
conceito de competência em gestão de pessoas: a
[4]. CARDOSO, Leonor; CARDOSO, Pedro.
percepção dos profissionais e as orientações
Para uma revisão da teoria do conhecimento de
adotadas pelas empresas. Salvador, BA: 30°
Michael Polanyi. Revista portuguesa de pedagogia,
encontro da ANPAD, 2006.
ano 41-1 2007, 41-54.
[10]. LUCHESI, Eunice Soares Franco. Gestão
[5]. CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A.
do Conhecimento nas Organizações. CET –
Metodologia científica. 4 ED. São Paulo: Makron
Companhia de engenharia de tráfego – São Paulo,
Books, 1996.
2012.
[6]. Desemprego bate 10,9% e atinge 11,1
[11]. Ministério da Defesa – Exército Brasileiro.
milhões de pessoas; é o pior desde 2012.
Disponível em: http://www.eb.mil.br/. Acesso em:
economia uol disponível em:
10 set., 2016.
http://economia.uol.com.br/empregos-
ecarreiras/noticias/redacao/2016/04/29/desempreg [12]. NINA, Renée Rosanne Vaz. Profissional da
o-bate-109-no-1-trimestre-e-atinge-111-milhoes-de- informação: o bibliotecário e suas representações
pessoas.htm. Acesso em: 14 ago., 2016. das competências profissionais e pessoais para

Tópicos em Administração - Volume 5


14

atuar em bibliotecas. 2006. 257f. Dissertação I. RESENDE, Paulo Tarso VILELA DE; ET AL.
(Mestrado em Ciência da Informação) – Programa Carência de profissionais: um desafio para as
de Pós-Graduação em Ciência da Informação. grandes empresas brasileiras. Nova Lima, MG:
Universidade Federal de Santa Catarina, Fundação Dom Cabral, 2013.
Florianópolis, 2006.
[15]. SOARES, Robson. Agregando pessoas -
[13]. NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. recrutamento e seleção de pessoas. Portal HSM,
Criação do conhecimento na empresa: como as 2011.
empresas japonesas geram a dinâmica da
[16]. TELLES, Renato. A efetividade da “matriz
inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.
de amarração” de Mazzon nas pesquisas em
[14]. O Exército Brasileiro. EB20-MF-10.101. 1° administração. Revista de Administração, São
ed. 2014. Disponível em: Paulo v.36, n.4, p.64-72, outubro/dezembro 2001.
http://www.eb.mil.br/documents/10138/6563889/Ma
[17]. TERRA, José Cláudio Cyrineu. Por que
nual+-+O+Ex%C3%A9rcito+Brasileiro/09a8b0d2-
investir em Conhecimento? Revista Banas
81d0-4a69-a6ea-0af9a53eaf45. Acesso em: 10
Qualidade, ano 15, n. 160, set. 2005.
set., 2016.

Tópicos em Administração - Volume 5


15

Problema de Pesquisa: Quais características formatam as estratégias do programa de capacitação


profissional desenvolvida pelo Exército Brasileiro - 4° Brigada de Cavalaria Mecanizada, a fim de
assegurar habilidades e competências ao jovem militar que atuará no Exército e, após o seu
desligamento, no mercado de trabalho?

Problema de Pesquisa: Quais características formatam as estratégias do programa de capacitação profissional


desenvolvida pelo Exército Brasileiro - 4° Brigada de Cavalaria Mecanizada, a fim de assegurar habilidades e
competências ao jovem militar que atuará no Exército e, após o seu desligamento, no mercado de trabalho?
Objetivo Específico Perguntas do Roteiro de Pesquisa Referencial Metodologia
1. Qual o perfil dos soldados beneficiados pelo
Entrevista com
1. Identificar o perfil programa de capacitação? Em quais
Entrevista comandante e com
dos soldados setores/divisões atuam os soldados
os soldados
contemplados com a capacitação?

2. Quais habilidades são requeridas e que se


BOMFIM (2012);
desejam adquirir pelos soldados?
DAVID MCCLELLAND
3. Mapear as 3. Quais os conhecimentos que se esperam que
(1973 APUD Entrevista com
competências e sejam adquiridos pelos soldados?
FISCHER ET AL, comandante e
perfil desejado dos 4. Quais as atitudes comportamentais esperadas
2006); (NINA, 2006); soldados
soldados devido ao programa de capacitação?
SVEIBY (1998);
5. Quais os valores que se desejam que sejam
BRANDÃO (1999);
adquiridos pelos soldados?

6. Como surgiu a necessidade da capacitação


para os soldados?
7. Com qual objetivo surgiu o programa de
capacitação no comando de Dourados?
8. Quantas fases compreende o programa de
capacitação?
9. Qual a periodicidade da execução do
programa de capacitação?
10 .Qual a importância do programa de NONAKA; TAKEUCHI
2. Descrever o
capacitação para o exército, para os soldados, 1997; VIEIRA E
processo, as etapas Pesquisa
para a sociedade? ALVES (1995);
e ações para documental;
11.O programa de capacitação está vinculado LAZEAR 'E GIBBS
capacitação dos entrevista com
com a missão do Exército? (1998); VIDIGAL E
soldados e sua comandante
12. O programa de capacitação é considerado VIDIGAL (2012);
importância
uma ação estratégica ou operacional para o LUCHESI (2012).
Exército Brasileiro?
13. Há custos para o desenvolvimento das
capacitações para o Exército?
14. Qual o investimento aproximado por
soldado?
15. Quais as origens dos recursos? Envolvem
somente recursos públicos ou há recursos
privados (parcerias e convênios)?

Tópicos em Administração - Volume 5


16

Continuação...
Objetivo
Perguntas do Roteiro de Pesquisa Referencial Metodologia
Específico
16. Há dotação orçamentária para o
desenvolvimento e execução do programa de
capacitação?
17. O programa está vinculado a outros programas
de capacitação do Governo Federal?
18. Quais os resultados pretendidos em nível
organizacional?
19. Quais os resultados pretendidos para a
formação dos soldados?
2. Descrever
20 - Existe um sistema de avaliação da NONAKA; TAKEUCHI
o processo,
aprendizagem? Qual o formato? 1997; VIEIRA E ALVES
as etapas e
21. Há algum mérito de desempenho para a (1995); LAZEAR 'E Pesquisa documental;
ações para
formação na capacitação? GIBBS (1998); entrevista com
capacitação
VIDIGAL E VIDIGAL comandante
dos soldados 22. Como o Exército avalia o desempenho do
soldado na realização das atividades em que foi (2012); LUCHESI
e sua
capacitado? (2012).
importância
23.O desempenho das atividades após a
capacitação interfere na progressão de carreira do
soldado? De que forma?
24. Há egressos de soldados que deram baixas e
foram capacitados pelo programa atuando no
mercado de trabalho formal?
25. Há acompanhamento do soldado que foi
capacitado desempenhando a profissão adquirida
no mercado de trabalho formal?
26. Há entidades parceiras para a realização da
3. Verificar capacitação? Quais?
como se 27. Os parceiros auxiliam na elaboração e
formatam as execução do programa de capacitação? Entrevista com
NONAKA; TAKEUCHI
estratégias de 28. Quais os profissionais (internos e externos) comandante e
1997;
parcerias envolvidos no desenvolvimento e execução do pesquisa documental
para programa de capacitação?
capacitação 29. Onde são executadas as capacitações
profissionais?

Tópicos em Administração - Volume 5


17

Capítulo 2

Alexandre Borges Miranda


Vera Luci de Almeida
Jane Corrêa Alves Mendonça

Resumo: Atualmente, a população mundial vem gerando uma quantidade e


variedade muito grande de resíduos sólidos, provenientes de diversas atividades.
Os restaurantes de fast-food, ou seja, comida rápida, são um dos grandes
geradores de resíduos sólidos descartáveis, dentre estes, o papel e o plástico,
gerados em grandes proporções. Nos últimos anos, o município de Dourados/MS,
vem se tornando a aposta de muitas redes de fast-food, sendo considerada uma
das cidades que mais se desenvolve no estado do Mato Grosso do Sul. Assim
sendo, o objeto deste estudo foi a franquia The Burgers, especializada em Burger &
Grill, inaugurada em Dourados/MS, no ano de 2015. Para propor o Plano de
Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), foi realizado um diagnóstico de como
se dá, atualmente, o manejo dos resíduos no The Burgers. Os dados foram tratados
de forma quali-quantitativa. A partir dos resultados adquiridos com o levantamento
de dados, foi elaborada uma proposta de PGRS, tendo como justificativa, propor
para a empresa pesquisada, um caminho adequado para o gerenciamento de seus
resíduos, proporcionando a empresa atende a legislação vigente, além de garantir
vários benefícios particulares, contemplando também a sociedade e o meio
ambiente.

Palavras chave: Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), Resíduos


Sólidos, Coleta Seletiva, Educação Ambiental.

Tópicos em Administração - Volume 5


18

1 INTRODUÇÃO 2 RESÍDUOS SÓLIDOS


Conforme Mano et al. (2010), para garantir as Lixo é todo material inútil, posto em lugares
condições de existência das futuras públicos. Resíduo, é palavra adotada muitas
gerações, sem deixar de atender às vezes para significar sobra no processo
necessidades das atuais, deve haver um produtivo, geralmente na indústria. É nesse
compromisso entre os setores industriais e a sentido, a definição dada ao termo resíduo
sociedade em relação às práticas de pela Associação Brasileira de Normas e
produção e de consumo. Antes do descarte Técnica – ABNT (1993, p.5) “Material
dos resíduos sólidos, deve-se fazer o seu desprovido de utilidade pelo seu possuidor”.
gerenciamento de modo a avaliar o seu
A Política Nacional de Resíduos Sólidos
potencial de redução, reutilização e
(PNRS) estabeleceu que a gestão e o
reciclagem.
gerenciamento de resíduos sólidos no Brasil,
Para tanto, a Política Nacional de Resíduos deverá ser realizada pela seguinte ordem de
Sólidos, instituída pela Lei nº 12.305, de 2 de prioridade: não geração, redução,
agosto de 2010, estabelece a classificação reutilização, reciclagem e tratamento dos
dos resíduos sólidos, considerando dois resíduos sólidos, bem como disposição final
aspectos: a origem e a periculosidade. ambientalmente adequada. Isso significa que
somente poderão ser enviados aos aterros
Pelo fato dos resíduos terem origens e
sanitários os rejeitos, ou seja, resíduos que,
características diferentes, há a necessidade
depois de esgotadas todas as possibilidades
de tratar e destinar de maneira específica
de tratamento e recuperação por processos
cada tipo dos mesmos. Surge então, o Plano
tecnológicos disponíveis e economicamente
de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
viáveis, não apresentam outra possibilidade
(PGRS), instrumento destinado a auxiliar os
que não a disposição final ambientalmente
gestores no gerenciamento destes resíduos,
adequada (BRASIL, 2010).
desde a sua geração até a destinação final
segura, visando preservar a saúde pública e
do meio ambiente. O Plano de Gerenciamento
2.1 A PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS
de Resíduos Sólidos (PGRS) é um documento
SÓLIDOS
integrante do processo de licenciamento
ambiental, por meio do princípio da Conforme Mano, Pacheco e Bonelli (2005), o
minimização (BRASIL, 2011 problema do acúmulo do lixo surgiu quando o
ser humano trocou o nomadismo pelo modo
Para auxílio na instituição de um PGRS se faz
de vida sedentário, o que gerou a
uso da educação ambiental, como uma
necessidade de destinar o lixo em lugares
importante ferramenta para se reverter a
afastados de seu ambiente aglomerado.
problemática apresentada. Diante da
Neste sentido, o desenvolvimento econômico
presente abordagem neste trabalho,
traz um preço embutido nos hábitos e
apresenta-se a realização de uma Proposta
costumes sociais, na qualidade de vida, no
de um Plano de Gerenciamento de Resíduos
crescimento e ampliação do nível de renda e
Sólidos (PPGRS), para o The Burgers –
consumo. Tal fator, associado ao crescimento
Unidade Dourados/MS.
desordenado das cidades devido o êxodo
Neste sentido, a realização deste trabalho rural, agrava os problemas urbanos
propõe ao The Burgers, um meio de se tornar (SALGADO; CANTARINO, 2006).
referência na cidade de Dourados/MS. Além
O agravante é que grande parte desses
de beneficiar a empresa com uma proposta
resíduos é constituído por matéria-prima que
de um PGRS, este trabalho busca evitar que
poderia estar sendo reinserida no processo
resíduos recicláveis gerados pela a empresa
produtivo, como é o caso dos materiais
pesquisada, sejam destinados ao aterro
recicláveis, e também por matéria orgânica,
sanitário, ocasionando na perda da matéria
basicamente alimentos, que devido ás más
prima e exercendo pressão sobre os recursos
condições de armazenamento e ao
naturais virgens, que se encontram cada vez
desperdício, tanto no preparo quanto no
mais escassos diante da intensa
consumo, acaba por virar lixo ao invés de
industrialização.
transformar-se em compostos orgânicos
(ABES, 2000, p. 6).

Tópicos em Administração - Volume 5


19

2.2 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS visam contribuir para a consolidação do


SÓLIDOS COMERCIAIS PGRS e garantir seu correto funcionamento.
Conforme Oliveira et al. (2007), o adequado é
gerenciar o resíduo sólido na sua origem,
2.4 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS
favorecendo a promoção de um resíduo de
SÓLIDOS EM RESTAURANTE DE FAST-FOOD
qualidade, quase pronto para o destino final.
Isto dá evidência do compromisso que o As projeções indicam que, em 2075, a
gerador tem em relação ao meio ambiente. população mundial pode chegar a 9,5 bilhões
Para o sucesso de um PGRS é de extrema de pessoas, o que significa um aumento de
importância o cuidado com a fonte geradora. aproximadamente três bilhões de pessoas em
Ela deve possuir noções de educação relação à população mundial atual.
ambiental que seja amplamente fornecida a Atualmente, são produzidos em torno de 4
todos os geradores envolvidos, ou seja, é bilhões de toneladas de alimentos por ano.
necessário que o gerador saiba qual a ação Porém, estima-se que entre 30–50% de toda a
que estará provocando se descartar de forma comida produzida no mundo (1,2–2 bilhões
incorreta o resíduo que está gerando. A de toneladas) seja transformada em resíduos
redução na fonte é uma eficiente forma de sólidos. Portanto, políticas sociais,
melhorar o gerenciamento de resíduos. econômicas e ambientais precisam ser
construídas hoje para garantir a
Os resíduos sólidos gerados em restaurantes,
sustentabilidade no futuro (IMECHE, 2013).
enquadrados como resíduos de serviços
Os resíduos sólidos gerados em restaurantes
urbanos (RSU), em grande parte são resíduos
de fast-food são divididos em duas
orgânicos. Porém, não descarta a geração de
categorias: orgânicos e inorgânicos.
papel, plástico e metal em grande
quantidade. No gerenciamento integrado dos Neste sentido, o gerenciamento adequado de
RSU é fundamental considerar os seguintes resíduos em restaurantes de fast-food
fatores: número de habitantes no município; garantem diversos benefícios, tanto para a
poder aquisitivo da população; condições empresa, como para seus colaboradores.
climáticas; hábitos e costumes da população;
nível educacional (GIPPI, 2001).
3 PROPOSTA DE ELABORAÇÃO E
IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE
2.3 PLANO DE GERENCIAMENTO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS
RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) NO THE BURGERS
Conforme Brito (2012), o Plano de 3.1 DIAGNÓSTICO PRELIMINAR
Gerenciamento de Resíduos Sólidos aponta e
A elaboração do diagnóstico preliminar do
descreve as ações relativas ao manejo dos
gerenciamento dos resíduos sólidos no The
resíduos sólidos, observando suas
Burgers (TB), objetiva realizar um
características e riscos nos estabelecimentos,
levantamento quali-quantitativo dos resíduos
considerando aspectos como geração,
sólidos gerados pelos colaboradores e
segregação, acondicionamento, coleta,
clientes, a fim de determinar o destino final a
armazenamento, transporte, tratamento e
ser dado aos mesmos, embasando a
disposição final, assim como ações de
implantação do Plano de Gerenciamento de
proteção à saúde e ao meio ambiente. O
Resíduos Sólidos para a empresa. Os dados
plano ainda dá condições de implantação e
coletados devem ser analisados, gerando
acompanhamento das ações.
documentos à empresa acerca de suas
O PGRS visa melhorar a relação dos características, através de gráficos, tabelas e
indivíduos com o meio ambiente no qual a descrição propriamente dita. Também é
empresa está inserida. Alguns benefícios importante na determinação do destino de
podem ser financeiros ou pessoais, ambos os seus resíduos sólidos.
ganhos são positivos para a implantação do
plano. Ressalta-se que para um PGRS ter
sucesso em sua aplicação, é expressamente 3.2 ANÁLISE DOS DADOS
necessária a manutenção constante do plano,
O The Burgers (TB) é uma franquia
por meio da melhoria contínua. É necessário,
especializada em Burger & Grill que ainda
também, implementar alguns programas que
não possui uma estrutura que possibilite o
atendimento à legislação ambiental vigente. O

Tópicos em Administração - Volume 5


20

diagnóstico inicial se deu inicialmente através momento do descarte interno até a destinação
de visita in loco, onde se identificou a final destes materiais, foi realizado um
ausência da coleta seletiva, assim como a levantamento da estrutura física dos coletores
ausência da estrutura necessária para a de resíduos, assim como as práticas internas
realização correta desta coleta. Ressalta-se utilizadas pelos colaboradores da empresa,
que na região onde a empresa está em relação ao descarte dos resíduos. Para a
localizada, também não possui coleta seletiva o diagnóstico inicial, foram definidos seis
realizada pela prefeitura do município, setores da empresa aonde se encontrava os
ocasionando assim em um desleixo por parte coletores de resíduos, sendo estes definidos
dos cidadãos e das empresas localizadas na da seguinte forma: I setor – cozinha; II setor -
região. salão 1º piso; III setor – salão 2º piso; IV setor
– área restrita; V setor – toaletes e VI setor –
De modo a visualizar a atual situação da
área externa.
produção e manejo destes resíduos, desde o
Quadro 1 – Diagnóstico Inicial
Setor Descrição
A cozinha do TB é equipada com vários aparelhos necessários para o
preparo de alimentos característicos de fast-food. No interior da cozinha, se
encontra disponíveis cinco coletores de resíduos, destinados para todos os
tipos de resíduo (exceto óleo). O óleo resultante da fritadeira do TB é
Cozinha
recolhido por uma empresa que faz o uso ambientalmente correto deste
resíduo. Observa-se, no entanto, que não há uma separação de material
reciclável do material não reciclável e, consequentemente, nota-se a
ausência de coletores específicos para estes resíduos.
O salão do 1º piso do TB, corresponde à um espaço onde se concentra 18
mesas com capacidade para atender aproximadamente 74 pessoas. Além
do atendimento aos clientes, ainda no 1º Piso há o espaço kids para as
Salão 1º Piso
crianças. Neste setor, são destinados apenas dois recipientes para à coleta
de resíduos gerado no local, sendo um localizado ao lado da porta de
entrada principal e outro localizado no interior do caixa do TB.
O salão do 2º piso do TB, concentra 20 mesas com capacidade para
atender aproximadamente 94 pessoas, sendo divido em área interna e área
Salão 2º Piso externa. Neste setor, são destinados dois coletores de resíduos, sendo um
localizado abaixo da pia de higiene das mãos e o outro localizado no interior
da choperia.
A área restrita do TB corresponde ao local onde se faz a destinação das
bandejas com todos os resíduos gerados pelos clientes, ou seja, grande
parte dos resíduos são destinados para a área restrita, onde vem a ser
separados em orgânicos e resíduo seco. Também pela a área restrita se dá
ao acesso à dispensa e cozinha do TB. Neste setor se disponibiliza três
coletores de resíduos, sendo um destinado para coletar lenços de papel da
Área Restrita
pia de higiene das mãos, um destinado ao resíduo seco e o outro destinado
para os resíduos orgânicos. O TB disponibiliza para seus clientes dois
toaletes para higiene, sendo estes, masculino e feminino. Também
disponibiliza para seus colaboradores dois toaletes, masculino e feminino.
Assim, em ambos estes, estão dispostos oito coletores de resíduos. De
maneira geral, o principal resíduo gerado nestes é o papel.

A área externa do TB é onde está localizado o estacionamento privativo. Na


área externa também se encontra o coletor geral de resíduos,
Toaletes especificamente um contêiner, onde é destinado todos os resíduos
acondicionados, afim de armazenar por um curto período de tempo até a
sua coleta pelos agentes de limpeza pública. Além do contêiner, há um
contentor para a coleta de resíduos.

A área externa do TB é onde está localizado o estacionamento privativo. Na


área externa também se encontra o coletor geral de resíduos,
especificamente um contêiner, onde é destinado todos os resíduos
Área Externa
acondicionados, afim de armazenar por um curto período de tempo até a
sua coleta pelos agentes de limpeza pública. Além do contêiner, há um
contentor para a coleta de resíduos.

Fonte: Autor

Tópicos em Administração - Volume 5


21

3.3 SEPARAÇÃO E PESAGEM DOS destinados à alimentação de animais. Aos


RESÍDUOS GERADOS demais resíduos, após a sua pesagem foram
destinados ao contêiner apropriado para
A separação e pesagem dos resíduos
acondicionar todos os resíduos do TB.
gerados no TB, ocorreu durante os dias
16/11/2015 até o dia 22/11/2015, (exceto o dia
17/11/2015, devido não ocorrer
3.4 DADOS RELATIVOS À PESAGEM DOS
funcionamento), assim conclui uma semana
RESÍDUOS
de pesagem dos resíduos.
Após o período de pesagem dos resíduos
O período em que ocorreu a separação dos
gerados pelo TB, elaborou-se tabelas com a
resíduos corresponde ao horário de
respectivas pesagens dos resíduos em dia,
funcionamento da empresa, ou seja, das
semana, mês e ano. Assim, a Tabela 1
18:00 às 23:30 (segunda à quinta) e das
representa a quantidade gerada de resíduos
18:00 às 00:00 (sexta à domingo). Ressalta-se
pelo TB diariamente, correspondente ao
que não foram pesados os resíduos gerados
período no qual se aplicou a separação e
no período matutino e vespertino, sendo este
pesagem dos resíduos.
período destinado para o preparo dos
alimentos disponíveis no cardápio do TB. A Pode-se afirmar que a geração diária de
não pesagem destes resíduos, se deve ao resíduos no TB apresenta uma oscilação entre
fato da geração destes, não serem de grande os dias de semana e aos dias de final de
proporção e por fim não interferir semana, pois é possível verificar uma geração
significativamente nos dados da pesagem de resíduos em maior proporção na sexta-
geral dos resíduos. feira, sábado e domingo. Observa-se ainda,
entre os resíduos recicláveis, a geração de
No primeiro dia de separação e pesagem dos
plástico e papel em maiores proporções. A
resíduos, foram selecionados os coletores a
geração do papel é proveniente,
ser identificados por tipo de resíduo que seria
principalmente, pelos dispostos sobre as
descartado. Assim, ficou compreensível à
bandejas, utilizadas para o fornecimento dos
todos os envolvidos como seria o descarte
pratos e lanches aos clientes, além do seu
dos determinados resíduos em cada coletor.
uso para a higiene.
No final de cada dia de separação foram
coletados todos os resíduos acondicionados e A composição do plástico está ligada em
destinados para uma avaliação e separação maior aspecto aos copos de refrigerante
daqueles que estivessem fora do seu utilizados pelo TB. Estes copos estão
acondicionamento apropriado. Assim, após diferenciados pela sua quantidade em ml,
avaliação completa, os resíduos foram podendo ser de 300ml, 500ml ou 700ml.
pesados e os registros anotados. Gera-se também, plástico designado de
embalagens de produtos que são utilizados
Os resíduos orgânicos foram pesados e em
no preparo de alimentos.
seguida foram armazenados para serem

Tópicos em Administração - Volume 5


22

Tabela 1. Quantidade de resíduos gerados no The Burgers (período de uma semana)


Resíduos Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Total
Papel 3,5kg - 4kg 5kg 6kg 6kg 5kg 29,5kg
Papelão 0,4kg - 1kg 500g 3kg 3kg 2kg 9,9kg
Plástico 6,2kg - 8kg 4kg 17kg 14kg 12kg 61,2kg
Metal 0,2kg - 100g 350g 500g 600g 400g 2,1kg
Vidro 0,5kg - 250g 594g 800g 350g 200g 2,6kg
Total
20,3kg - 25,4kg 21,6kg 46,3kg 44,7kg 35,2kg 105,3kg
Recicláveis
Orgânico 9kg - 12kg 11kg 18kg 20kg 15kg 85kg
Rejeito 0,5kg - 100g 200g 1kg 800g 600g 3,2kg
Total
10,8kg - 13,3kg 10,4kg 27,3kg 23,9kg 19,6kg 88,2kg
Rejeitos
*TRGS: 193,5kg
*TRGS – Total de resíduos gerados em uma semana.
Fonte: O autor

O resíduo reciclável gerado em maior 3.6 PLANEJAMENTO


quantidade pelo TB é o plástico,
A fase de planejamento é crucial para
correspondendo a 61,2kg gerados em uma
assegurar um PGRS eficaz, que atue na
semana. Em seguida, o resíduo orgânico,
correção de situações prejudiciais ao meio
corresponde a 85kg gerados por semana e, o
ambiente e à saúde das pessoas. Contudo, o
papel, com a geração de 29,5kg.
planejamento visa minimizar os impactos
negativos e aumentar os pontos positivos em
relação ao meio ambiente. O planejamento
3.5 PROBLEMÁTICA DO GERENCIAMENTO
para o PGRS do TB deve seguir as seguintes
DOS RESÍDUOS NO THE BURGERS
etapas: (1) definir seus objetivos; (2)
Diante do diagnóstico inicial realizado no TB, determinar os procedimentos de manejo de
verifica-se diversas irregularidades na seus resíduos; (3) definir indicadores de
disposição final de alguns resíduos. A desempenho; (4) desenvolver métodos de
disposição de resíduos secos e orgânicos no capacitação para os envolvidos; (5) definir
mesmo coletor é um exemplo, porém, há uma planos de ação, visando à melhoria contínua.
separação considerável entre o resíduo seco
3.7 OBJETIVOS DO PGRS PARA O THE
e o orgânico. A falta de coleta seletiva no
BURGERS
interior e exterior da empresa, ocasiona a
perda de interesse dos colaboradores em O objetivo geral do PGRS do TB é gerenciar
fazer a separação correta dos resíduos adequadamente os resíduos sólidos gerados
gerados. pelo The Burgers – Unidade Dourados/MS,
visando proteger a saúde e o meio ambiente.
O TB gera uma quantidade expressiva de
Os objetivos específicos são: adequação do
resíduos recicláveis como papel e plástico,
The Burgers às normas e legislações
pois, devido ser uma franquia de fast-food
vigentes; desenvolver boas práticas,
utiliza-se em grandes proporções estes
relacionadas aos resíduos, evitando riscos
materiais para atender seus clientes. A falta
ambientais.; direcionar esforços para resolver
de coleta seletiva dos resíduos gerados no
problemas vinculados aos resíduos sólidos.
TB, ocasiona a perda de valor dos resíduos
recicláveis em seu reaproveitamento, sendo A seguir, será abordada cada etapa do Plano
um fator agravante, devido a pressão sugerido, como: os procedimentos de manejo
relacionada ao uso dos recursos naturais na dos resíduos sólidos do The Burgers, os
cadeia de produção atual. indicadores de desempenho para o
monitoramento do Plano e os programas que
contribuem para a sensibilização e

Tópicos em Administração - Volume 5


23

capacitação dos envolvidos, como a coleta contribui à preservação dos recipientes dos
seletiva, por exemplo. resíduos sólidos, protegendo, por
consequência, os colaboradores que realizam
o manuseio e, também, facilita as etapas
3.8 MANEJO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS posteriores.
É fundamental que todas as atividades No acondicionamento dos resíduos sólidos do
realizadas no TB, que estejam voltadas ao TB, recomenda-se o uso de sacos plásticos
manejo dos resíduos sólidos, estejam em de cor diferente para os diferentes resíduos.
conformidade com o que a legislação No caso do resíduo comum, sugere-se que os
determina. Todas as etapas do manejo sacos plásticos sejam da cor preta e que o
precisam ser realizadas corretamente, pois, coletor tenha tampa, e, se possível, acionada
no final de todo o processo é possível saber com o pé. Para os resíduos recicláveis,
se houve êxito no desempenho de todos os sugere-se a utilização do saco plástico na cor
envolvidos. azul e que o coletor possua tampa, também
com acionamento com o pé.. Para os sacos
plásticos recomenda-se que eles estejam
3.9 SEGREGAÇÃO preenchidos no máximo com até 2/3 da sua
capacidade total, para facilitar o seu
No TB sugere-se que a segregação de seus
fechamento. O recipiente do
resíduos sólidos seja dividida em três grupos:
acondicionamento dos resíduos orgânicos
Resíduos recicláveis: compostos por papel,
deve ser de cor marrom, com saco plástico
papelão, vidro, metal e plástico.
de cor preta e com símbolo , identificando de
Resíduos comuns (rejeitos): compostos pelos maneira clara o tipo de resíduo.
materiais que não apresentam condições
boas à reciclagem.
3.1 TRANSPORTE INTERNO
Resíduos orgânicos: compostos por matéria
orgânica. Para o procedimento de transporte dos
resíduos, sugere-se que se tenha
Recomenda-se que os colaboradores façam a
colaboradores treinados para levar os
segregação dos resíduos nos devidos
resíduos sólidos da empresa até o local de
coletores designados para cada tipo de
armazenamento. A regularidade da coleta
resíduo. Esta etapa é fundamental para um
externa e o conhecimento dos dias e horários
manejo adequado, pois se ela não for
da mesma são fundamentais para que os
realizada adequadamente, inviabiliza as
colaboradores possam executar a tarefa
etapas posteriores do manejo dos resíduos
eficientemente. A administração da empresa
sólidos. Assim, após os resíduos serem
deve providenciar as informações referentes
segregados corretamente pelos
aos dias de coleta dos resíduos recicláveis e
colaboradores, conforme seu tipo, dará
resíduos comuns e informar a todos os
prosseguimento a etapa de
colaboradores. Para facilitar o entendimento,
acondicionamento.
sugere-se que este informativo seja
construído em forma de quadro, acessível aos
interessados.
3.10 IDENTIFICAÇÃO E
ACONDICIONAMENTO DOS RESÍDUOS
A identificação se trata de identificar os sacos 3.12 ARMAZENAMENTO
plásticos dos diversos tipos de resíduos,
Após a coleta interna dos resíduos gerados
através de adesivos com símbolos dos grupos
na empresa, há o armazenamento dos
de resíduos, favorecendo o correto manuseio.
mesmos em local próprio, enquanto se
No TB, sugere-se que haja coletores de providencia a sua destinação final, podendo
resíduos em pontos estratégicos, facilitando o ser a reciclagem, o reaproveitamento e/ou o
acesso à todos da empresa, com envio ao aterro sanitário. A guarda dos
identificação para “resíduos comuns”, para os resíduos sólidos é temporária e estes devem
“resíduos recicláveis” e para os “resíduos ser separados conforme o seu tipo (comum,
orgânicos”. recicláveis e/ou orgânico). Este local deve ser
de fácil acesso aos colaboradores e aos
O acondicionamento dos resíduos sólidos é
caminhões do transporte externo. Sugere-se
uma etapa de manejo fundamental, pois
que os locais de armazenamento dos

Tópicos em Administração - Volume 5


24

resíduos sejam azulejados, com ralo Quantidade total de resíduos gerados pela
sifonados, passível de higienização, e possua empresa – QTRGE; Porcentagem de resíduos
identificação do tipo de resíduo disposto. recicláveis na empresa – PRRE; Porcentagem
de resíduos recicláveis da empresa
destinados à AGECOLD – PRRAGECOLD;
3.13 COLETA E TRANSPORTE EXTERNO Porcentagem de colaboradores participantes
das palestras ambientais – PCPPA; Número
A coleta externa no TB deverá ser realizada
total de material informativo distribuído na
conforme o grupo de resíduos armazenados.
empresa – NTMIDE; Taxa de capacitação dos
Quanto ao tipo do veículo, para os resíduos
colaboradores da empresa- TCCE.
comuns e orgânicos, poderá ser do tipo
compactador e para os resíduos recicláveis,
poderá ser caminhões baú ou outro modelo
3.16 CAPACITAÇÃO DOS ENVOLVIDOS E
adaptado. Os resíduos recicláveis gerados no
SENSIBILIZAÇÃO
TB podem ter dois destinos: a venda ou a
doação. A capacitação e a participação em
treinamentos, por parte dos envolvidos, é
fundamental para o sucesso no
3.14 DISPOSIÇÃO FINAL gerenciamento dos resíduos sólidos, pois,
desta forma, pode estimular os colaboradores
A disposição final é o procedimento no qual o
num maior envolvimento, fazendo deles
resíduo coletado pelo transporte externo terá
multiplicadores das informações recebidas.
seu devido destino. Na grande maioria dos
Assim, é importante que todos participem
casos, os resíduos aos quais não couberem
deste processo.
tratamentos são destinados ao aterro
sanitário. A reciclagem é uma das opções de Sugere-se que o The Burgers estabeleça um
destinação final para os resíduos recicláveis, canal de informação com os seus
podendo a empresa realizar a doação dos colaboradores e clientes, para passar as
resíduos para as cooperativas de reciclagem informações sobre o gerenciamento de
do município. resíduos, assim como, dar visibilidade às
ações que estão planejando e/ou executando.
Neste momento, a confecção de materiais
3.15 DEFINIÇÃO DE INDICADORES DE informativos, voltados ao gerenciamento dos
DESEMPENHO resíduos sólidos, é uma opção interessante,
como folders, cartilhas e outros.
Esta etapa visa facilitar o monitoramento do
Plano de Gerenciamento dos Resíduos
Sólidos do The Burgers e também, possibilitar
3.17 PLANO DE AÇÃO
a identificação de oportunidades de melhoria,
ou seja, o uso de indicadores permite O plano de ação corresponde a um plano de
acompanhar o gerenciamento dos resíduos curto prazo, elaborado para especificar
sólidos de forma a identificar pontos a serem ações, responsabilidades e prazos para o
melhorados. alcance de objetivos, composto por um
conjunto de medidas (SOUZA, 2010).
Os indicadores fornecem informações que
dão suporte aos seus gestores na definição Para isso, utiliza-se o método 5W2H para a
das ações de gerenciamento. Há ações elaboração desse Plano de Ação. Esta
específicas para cada situação encontrada ferramenta analisa cada atividade do PGRS
em seu monitoramento. Assim, são exemplos da empresa, identificando problemas e
as ações preventivas, as corretivas e as apresentando soluções, excluindo qualquer
evolutivas. margem de dúvidas, fundamental a qualquer
gestor. O Plano de Ação para o The Burgers,
Contudo, são sugeridos os seguintes
para que tenha um PGRS adequado, está
indicadores para o PGRS do The Burgers:
detalhado no Quadro 2.

Tópicos em Administração - Volume 5


25

Quadro 2 – Plano de Ação para o The Burgers.


Objetivos O que? Quem? Onde? Quando? Por quê? Como?

Implantar um Por meio da


Gestor Após a Para garantir
Implantação do Plano de The aquisição de
Ambien definição reaproveitament
PGRS no The Gerenciamento recurso
tal; Burgers do os dos resíduos
Burgers de Resíduos no financeiro e
Direção PGRS. recicláveis
The Burgers pessoal

Implementar a Durante Para possibilitar Por meio da


Gestor
Implantação da segregação de a que os resíduos aquisição de
Ambien The
segregação de resíduos após implanta sejam recurso
tal; Burgers
resíduos sua ção do separados financeiro e
Direção
identificação PGRS corretamente pessoal

Aquisição de Durante Para o


Dispor de Gestor Por meio da
materiais para a acondicionamen
acondicionament Ambien The aquisição de
acondicionar os implanta to correto dos
o para os tal; Burgers recurso
resíduos ção do materiais
resíduos Direção financeiro
segregados PGRS segregados

Implementar
Implementação Durante Para armazenar
coletores de Gestor Por meio da
de coletores para a temporariament
resíduos Ambien The aquisição de
o armazenamento implanta e os resíduos no
identificados no tal; Burgers recurso
interno de ção do interior da
interior da Direção financeiro
resíduos PGRS empresa
empresa
Para o
Definição de local Definir local Durante
Gestor armazenamento Por meio da
apropriado para o apropriado para a
Ambien The adequado dos aquisição de
armazenamento armazenamento implanta
tal; Burgers resíduos em recurso
externo dos externo dos ção do
Direção curto período de financeiro
resíduos resíduos PGRS
tempo
Adquirir
Aquisição de Durante Para auxiliar os Por meio da
equipamentos Gestor
equipamentos a colaboradores aquisição do
para transporte Ambien The
para transporte implanta no transporte recurso
dos resíduos no tal; Burgers
interno de ção do interno dos financeiro e
interior do The Direção
resíduos PGRS resíduos pessoal
Burgers

Para uma
Por meio da
Gestor Após a melhor
Implantar a coleta Implantar um aquisição do
ambien The implanta segregação e
seletiva no The programa de recurso
tal; Burgers ção do destinação final
Burgers coleta seletiva financeiro e de
Direção PGRS dos resíduos
pessoal
gerados

Sensibilizar os Durante Por meio de


Para informar ao
colaboradores e Gestor e após a palestras,
Sensibilização público alvo
clientes sobre a ambien The implanta cursos,
de todos os sobre a
importância do tal; Burgers ção da treinamentos,
envolvidos importância da
gerenciamento de Direção coleta reuniões,
coletiva seletiva
resíduos sólidos seletiva oficinas, etc.

Implantar a Para o uso


Por meio de
política dos 3Rs Gestor Após a racional dos
Implantar a palestras
no The Burgers ambien The implanta materiais, assim
política dos 3Rs educativas,
– Reduzir, tal; Burgers ção do como o
no The Burgers oficinas e
Reutilizar e Direção PGRS descarte correto
reuniões
Reciclar dos resíduos

Tópicos em Administração - Volume 5


26

3.18 IMPLANTAÇÃO O ciclo PDCA é uma ferramenta importante de


planejamento fundamental nesse período,
Esta etapa visa determinar quais as ações a
dado as funções de “Planejar, Implementar,
serem executadas em um determinado
Verificar e Agir”., É um ciclo contínuo, que
momento na empresa. São decididos quais os
possibilita avaliar pontos fortes e fracos
materiais devem ser adquiridos e as
visando à melhoria continua da gestão.
adequações que devem ser feitas. A empresa
Sugere-se um monitoramento mensal por
deve estabelecer um escopo de projeto de
parte da empresa, utilizando os indicadores
adequação do seu interior e exterior. Neste
definidos anteriormente e sempre que
escopo, apresenta-se os locais no qual será
necessário.
necessário realizar adaptações. O
responsável pelas ações voltadas ao
gerenciamento de resíduos sólidos na
4 CONCLUSÃO
empresa é a equipe gestora do local (gestor
ambiental e administradores), que tomarão as Os restaurantes de fast-food são geradores
iniciativas, estimulando os colaboradores, de grandes quantidades de resíduos. Muitos
comunicando a realização de tais atividades. dos resíduos gerados nesses
A abordagem deve ser alegre e criativa, estabelecimentos são recicláveis, sendo
favorecendo a capacitação de interessados. compostos por materiais como o papel,
plástico, metal e vidro. Além destes materiais,
Num primeiro momento pode ser realizada a
gera-se em maior proporção os resíduos
sensibilização ambiental na empresa,
orgânicos.
juntamente com a distribuição do material
informativo aos colaboradores. Destaca-se A elaboração, implantação e monitoramento
que a realização de tais atividades deve de um PGRS, busca propiciar uma
seguir uma periodicidade acordada com a consciência sustentável nas pessoas em
direção da empresa, ou seja, deve ser relação aos resíduos sólidos, assim como
contínua. Assim, pode-se utilizar oficinas, objetiva mostrar os caminhos a seguir para
minicursos, palestras, entre outras. A coleta atingir metas estabelecidas no Plano.
seletiva é a etapa posterior, após a obtenção
Desta forma, o trabalho atendeu a todos os
de um ambiente capacitado e comunicado,
seus objetivos, pois apresentou uma proposta
de forma a obter a colaboração de todos. Não
para a empresa estudada, dentro da sua
se pode esquecer de divulgar os resultados
realidade, possibilitando a mesma o
obtidos, pois desta forma, podem ser
atendimento as especificações ambientais.
projetadas novas metas, buscando à melhoria
Além disso, a realização deste trabalho no
contínua.
The Burgers de Dourados/MS, possibilitou
No entanto, para garantir que os objetivos do compreender a necessidade de zelar pelos
Plano sejam satisfatórios, se torna necessário recursos naturais, garantindo seu uso de
a verificação de cada etapa do processo, forma sustentável e assegurando o seu uso
observando se está sendo executada pelas futuras gerações. Por fim, o trabalho
corretamente. evidencia que hoje é necessário mudar os
hábitos incorretos em relação ao meio
ambiente. Assim, as empresas que hoje
3.19 MONITORAMENTO adotarem boas práticas em relação ao meio
ambiente, se tornarão destaque no mercado,
O acompanhamento do PGRS deve ser feito
conquistando uma imagem sólida, aliada à
através dos indicadores. A equipe gestora
responsabilidade socioambiental, além de
será responsável por tal atividade, e deverá
conquistar novos clientes, colaboradores,
elaborar relatórios com informações a respeito
expansão de mercado, entre outros.
do andamento da coleta seletiva na empresa.

REFERÊNCIAS
[1]. ABES, Associação Brasileira de [2]. ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
Engenharia Sanitária e Ambiental. Modelo de NORMAS TÉCNICAS – NBR 9.190 – Sacos
Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Urbanos. plásticos para acondicionamento de lixo –
Brasília: setembro de 2000. classificação. Norma técnica, 1993.

Tópicos em Administração - Volume 5


27

[3]. ABRELPE. Panorama dos resíduos sólidos [11]. GRAHAN, S.; POTTER, A. The
no Brasil 2012. Disponível em antecedents and consequences of sustainable
<http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama20 supply chain management within the food industry.
12.pdf> Acesso em: 13 out. 2015. Proceedings of EurOMA Conference, Porto-
Portugal, 2010.
[4]. ABREU, E.S.; SPINELLI, M.G.N.;
ZANARDI, A.M.P. Gestão de Unidades de [12]. GRIPPI, S. Lixo, reciclagem e sua história:
Alimentação e Nutrição: um modo de fazer. 2a ed. guia para as prefeituras brasileiras. Rio de Janeiro:
São Paulo: Metha; 2003. Interciência, 2001.
[5]. BRASIL. Conselho Nacional do Meio [13]. INSTITUTION OF MECHANICAL
Ambiente – Resolução CONAMA nº 275, de 25 de ENGINEERS – IMechE. (2013) Global Food: Waste
abril de 2001. Publicada no DOU nº 117-E, de 19 Not, Want Not. Londres. Disponível em: Acesso em:
de junho de 2001. Estabelece o código de cores 13 jan. 2016.
para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado
[14]. JACOBI, P. Educação ambiental:
na identificação de coletores e transportadores,
cidadania e sustentabilidade. Cadernos de
bem como nas campanhas informativas para a
Pesquisa, n. 118, p. 189-205, março/2003.
coleta seletiva. Disponível em:
Disponível em:
<http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm
<http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16834.pdf>.
?codlegi=273>. Acesso em: 03 fev. de 2014.
Acesso em: 03 Abr. 2015.
[6]. _______. Constituição (1988). Constituição
[15]. LIMA, L. M. Q. Lixo: tratamento e
da República Federativa do Brasil. Brasília, DF:
biorremediação. 3. ed. Brasil: Hemus, 2004, 265p.
Senado, 1988. In: Coletânea de Legislação
Ambiental, Constituição Federal/ organização [16]. MANO, E. B.; PACHECO, É. B. A. V.,
Odete Medauar; obra coletiva de autoria da Editora BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e
Revista dos Tribunais. 10. ed. rev., ampl. e atual. reciclagem. 2ª Ed. São Paulo, Blücher, 2010.
São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.
(MiniCódigos). [17]. MANO, E. B.; PACHECO, E. B. A. V.;
BONELLI, C. M. C. Os componentes do lixo
[7]. _______. Lei 12.305, de 2 de Agosto de urbano. In: Meio ambiente, poluição e reciclagem.
2010. Institui a Política Nacional dos Resíduos 1. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.
Sólidos; altera a Lei 9.605, de 12 de fevereiro de
1998; e dá outras providências. In: Coletânea de [18]. MINUCCI, F. R. et al. O destino dos
Legislação Ambiental, Constituição Federal/ resíduos sólidos provenientes das atividades nos
organização Odete Medauar; obra coletiva de laboratórios e oficinas da engenharia mecânica.
autoria da Editora Revista dos Tribunais. 10. ed. Revista Ciências do AmbienteOn-Line, v. 4, n.º2,
rev., ampl. e atual. São Paulo: Editora Revista dos agosto, 2008. Disponível em:
Tribunais, 2011. (MiniCódigos). http://sistemas.ib.unicamp.br/be310/index.php/be3
10/article/viewFile/155/111. Acesso em: 02 de nov.
[8]. _______. Lei 9.795, de 27 de Abril de de 2014.
1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui
a Política Nacional de Educação Ambiental e dá [19]. NETO, J. A. Os desafios da produção e do
outras providências. In: Coletânea de Legislação consumo sob novos padrões sociais e ambientais.
Ambiental, Constituição Federal/ organização In: NETO, João Amato (Org.). Sustentabilidade e
Odete Medauar; obra coletiva de autoria da Editora Produção: teoria e prática para uma gestão
Revista dos Tribunais. 10. ed. rev., ampl. e atual. sustentável. São Paulo: Ed.Atlas, 2011. 245p.
São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011. [20]. OLIVEIRA, D. et al. Gerenciamento dos
(MiniCódigos). resíduos sólidos em condomínios no bairro de
[9]. BRITO, C. M. Elaboração e Manaíra. II Congresso de Pesquisa e Inovação da
implementação do PGIRS. Universidade Estadual Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica
de Londrina, Londrina – PR, 2012. Disponível em: João Pessoa / PB, 2007.
<http://www.uel.br/proplan/Plano_residuos_%20fina [21]. PICHAT, Philippe. A gestão dos resíduos.
l.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2016. Lisboa: Gráfica Manuel Barbosa & Filhos Ltda.,
[10]. DOURADOS (Município). Lei nº 3.494, de 1995 (Collection DOMINOS).
21 de novembro de 2011. Institui a Política [22]. SALGADO, M. F. M. A.; CANTARINO, A. A.
Municipal de Resíduos Sólidos, nos termos da Lei A. A riqueza do lixo. XIII SIMPEP - Bauru, SP,
Federal 12.305, de 2 de agosto de 2010, incluindo Brasil, 2006. Disponível em:
o Sistema de Gestão Sustentável de Resíduos da <http://www.simpep.feb.unesp.br/anais/anais_13/ar
Construção Civil e Resíduos Volumosos e o Plano tigos /270.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2015.
Integrado de Gerenciamento de Resíduos da
Construção Civil, nos termos da Resolução [23]. SILVA, E. F. C.; OLIVEIRA, L. M. P.
CONAMA nº 307, de 5 de julho de 2002, e dá Elaboração de uma proposta de um Plano de
outras providências. Dourados: guia de leis, Gerenciamento de Resíduos Sólidos Domésticos
Dourados, 2011. do Condomínio Arezzo em Dourados – MS. 2013.
Monografia (Bacharelado em Gestão Ambiental).

Tópicos em Administração - Volume 5


28

Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais. [25]. SOUZA, D. L. Planejamento estratégico


Universidade Federal da Grande Dourados, em organizações públicas: planejamento de longo
Dourados, 2013. prazo em organizações públicas com a utilização
do Balanced Scorecard e de cenários
[24]. SILVA JUNIOR, E.A., Manual de controle
prospectivos. UNIVERSIDADE GAMA FILHO,
higiênico-sanitário em serviços de alimentação. 6ª
Brasília, 2010.
Ed. São Paulo: Livraria Varella, 1995.

Tópicos em Administração - Volume 5


29

Capítulo 3
Andreia Bolivar Pedroso D’Amico
Denise Gabriela Rodrigues
Rafael Demczuk

Resumo: Esse ensaio teórico utiliza como base as teorias da Visão Baseada em
Recursos (VBR) e de capacidades. O artigo apresenta argumentos da literatura de
marketing que mostram como o advento dos aplicativos de mídia social alteraram o
comportamento dos consumidores. Além disso, o artigo evidencia a necessidade
de adaptação das empresas aos novos “consumidores sociais”. Para isso, o artigo
traz conceitos de CRM (customer relationship management), mídia social,
consumidor social, CRM social e inteligência social. Com base nesses conceitos e
na teoria de capacidades de CRM, propõe-se uma alteração no modelo de
capacidade de CRM apresentado por Wang e Feng (2012) no artigo “ Customer
relationship management capabilities”. A alteração proposta é a substituição da
tecnologia de CRM, como recurso antecedente a capacidade de CRM, pela
inteligência social. A influência que a inteligência social tem sobre as três
dimensões do CRM: capacidade de gerenciamento da interação com o
consumidor, capacidade de aprimorar o relacionamento com o consumidor e
capacidade de reconquistar o consumidor, corroboram com a proposição
apresentada.
Palavras-chave: Mídia social, Capacidade de CRM, Inteligência social.

Tópicos em Administração - Volume 5


30

1 INTRODUÇÃO gerenciamento do relacionamento com o


cliente (Customer Relationship Management -
O advento dos aplicativos de mídia social
CRM), estendendo, portanto, o CRM para um
promoveu uma mudança importante na forma
contexto de CRM social (GREENBERG, 2010;
e na velocidade de comunicação entre as
TRAINOR ET AL., 2014).
pessoas (GREENBERG, 2010). Mensagens
são enviadas para toda uma rede de contatos Sendo a capacidade de CRM a habilidade e o
de forma instantânea, possibilitando que os conhecimento incorporados nas atividades de
membros dessa rede possam criticá-la e CRM presentes no processo organizacional
repassá-la imediatamente. A facilidade (MORGAN, 2012; WANG; FENG, 2012), pode-
proporcionada pela fusão das redes sociais se afirmar que o estudo dessa capacidade
(que fazem parte da mídia social) com os também pode ser estendido para um contexto
celulares smartphones atrai as pessoas a social. Com base nessa afirmação e no novo
ficarem sempre conectadas com suas redes cenário promovido pelo advento da mídia
de contatos (KUMAR, 2015). social, esse trabalho tem o seguinte objetivo:
apresentar, por meio de um ensaio teórico,
Trazendo essa realidade para as
argumentos da literatura de marketing que
organizações, isso significa que os
abordam a relação entre CRM e mídia social e
consumidores podem criticar e divulgar suas
que justificam a inclusão do contexto de mídia
experiências com um dado serviço ou produto
social no modelo de capacidade de CRM
de forma abrangente e fácil, o que impacta
proposto por Wang e Feng (2010).
diretamente a imagem dessa organização
frente a um número ilimitado de clientes e A relevância desse trabalho é justificada tanto
potenciais clientes, concorrentes, órgãos pela sua abordagem de mídia social quanto
reguladores e demais stakeholders de CRM. Kumar (2015) diz que abordar a
(MALTHOUSE ET AL., 2013). questão do uso de mídia social pode ter um
impacto potencialmente significativo sobre o
Além do avanço da mídia social, a perda da
curso futuro do marketing. Greenberg (2010)
confiança dos indivíduos nas grandes
reforça a relevância da abordagem de CRM
corporações e em seus gestores, justificada
em momentos de recessão econômica, tal
pelo colapso que ocorreu em 2008 nas
qual o Brasil enfrenta atualmente,
instituições financeiras de Wall Street afetando
argumentando que o CRM fornece uma
toda a economia mundial, fez com que os
estratégia que atinge a preocupação central
consumidores passassem a acreditar mais em
que as empresas têm durante a recessão
“alguém como eles” do que em corporações,
econômica que é a manutenção dos clientes.
governos ou especialistas (GREENBERG,
2010). Isso fomentou a troca de informação O artigo está dividido em quatro partes: (1)
sobre empresas através dos aplicativos de introdução; (2) o referencial teórico, que
mídia social com pessoas consideradas apresenta os conceitos de: visão baseada em
“alguém como eu”. De acordo com a recursos e capacidades, CRM e Capacidades
pesquisa da Pew Research Center de 2015, de CRM, Mídia Social e Consumidor Social,
65% dos estadunidenses com mais de 18 (3) discussão, onde é apresentada a
anos utilizam pelo menos uma rede social, em proposição do trabalho e (4) considerações
2005 esse valor era de 7%. Dos jovens finais.
adultos, entre 18 e 29 anos, 90% utilizam pelo
menos uma rede social.
2 REFERENCIAL TEÓRICO
Dado esse cenário, as empresas passaram a
ampliar seus orçamentos de mídia social 2.1 VISÃO BASEADA EM RECURSOS E
(KUMAR, 2015), para obter uma comunicação CAPACIDADES
mais assertiva com seus clientes, promover o
Esse estudo tem como base teórica a Visão
engajamento desses, mapear os perfis dos
Baseada em Recursos (VBR) e a Teoria de
clientes nas redes sociais e conseguir insights
Capacidades. A visão baseada em recursos
valiosos sobre o comportamento desses
argumenta que uma vantagem competitiva
clientes, suas experiências e expectativas.
sustentável decorre de recursos valiosos,
Além disso, os profissionais da área de
raros, inimitáveis e não substituíveis (BARNEY,
Marketing estão cada vez mais atentos às
1991). Os recursos são os ativos controlados
tecnologias de mídia social como um meio de
pela empresa, que servem como entradas
superar os obstáculos encontrados na
para as capacidades organizacionais
implementação de iniciativas eficazes de
(GRANT, 1991). Os principais recursos de

Tópicos em Administração - Volume 5


31

marketing são: conhecimento, recursos capacidades, refletindo o ambiente dinâmico


financeiros, recursos físicos, recursos do mercado onde a empresa está inserida.
humanos, recursos legais, recursos
O foco desse artigo, conforme já mencionado,
organizacionais, recursos de relativos a
é a capacidade de CRM, a qual será definida
reputação, informações e recursos relacionais
e detalhada no próximo tópico.
(MORGAN, 2012). Tão importante quando
relembrar os fundamentos da VBR, é
compreender como ele se relaciona com as
2.2 CRM E CAPACIDADE DE CRM
capacidades.
O CRM pode ser entendido como estratégia
Para Day (1994) as capacidades unificam
e/ou como processo. Como estratégia, tem-se
esses recursos e permitem que eles sejam
as definições de Payne e Frow (2005) e de
implementados de forma vantajosa. Ele afirma
Greenberg (2010). Para Payne e Frow (2005),
que as capacidades são um conjunto
CRM é uma abordagem estratégica, que une
complexo de habilidades e conhecimento
o potencial das estratégias de relacionamento
acumulado, exercido através do processo
de marketing com a inteligência da
organizacional, que possibilita as
informação para criar relacionamentos
organizações coordenar atividades de forma
rentáveis e duradouros com os clientes e
mais eficaz e utilizar melhor seus recursos
demais stakeholders, visando com isso criar
resultando em vantagem competitiva.
maior valor aos acionistas. O CRM oferece
As capacidades de uma organização se oportunidades para utilizar dados e
desenvolvem quando indivíduos e grupos informações tanto para compreender os
dentro da organização aplicam seus clientes e para co-criar valor com eles. Isto
conhecimentos e habilidades para adquirir, exige uma integração interfuncional de
combinar e transformar os recursos processos, pessoas, operações e recursos de
disponíveis de forma a contribuir para marketing ativado através de informação,
alcançar os objetivos estratégicos da tecnologia e aplicações. Greenberg (2010)
empresa (MAHONEY & PANDIAN, 1992; define o CRM como sendo um conjunto de
TEECE ET AL., 1997). Partindo da definição filosofias, estratégias, sistemas e tecnologias
geral de capacidade, pode-se dizer que as que deveriam, de forma eficiente e efetiva,
capacidades de marketing são os processos gerenciar as transações dos consumidores
especializados, arquitetônicos, interfuncionais com as empresas e consequentemente as
e dinâmicos pelos quais os recursos de relações com esses clientes.
marketing são adquiridos, combinados e
Como processo, tem-se a definição de
transformados em ofertas de valor para o
Reinartz e colegas (2004) que afirmam que o
mercado (MORGAN, 2012).
CRM é um processo sistemático para
Morgan (2012) classifica as capacidades de gerenciar relacionamento com clientes em
marketing em quatro grupos, sendo eles: todas as fases (iniciação, manutenção e
capacidades especializadas, capacidades encerramento) e em todos os pontos de
interfuncionais, capacidades arquiteturais e contato com o cliente, a fim de maximizar o
capacidades dinâmicas. As capacidades valor da carteira de relacionamento. Já,
especializadas englobam as funções do Parvatiyar e Sheth (2001) definem CRM de
marketing acerca de produto, preço, forma mais ampla, considerando-o como
comunicação e distribuição. As capacidades estratégia e processo de aquisição, retenção
interfuncionais têm como foco a integração de e parceria com clientes seletos com o objetivo
capacidades especializadas e são compostas de criar valor superior para a empresa e para
pela a capacidade de CRM, capacidade de o cliente. Devido a sua maior abrangência,
gestão da marca e capacidade de esse será o conceito abordado neste artigo.
desenvolvimento de novos produtos. As
Incorporada nas atividades estratégicas e
capacidades arquiteturais são centradas no
processuais do CRM está a capacidade de
planejamento e implementação das
CRM (WANG; FENG, 2012). Ela reflete a
estratégias de marketing. E, por fim, as
habilidade da organização e o conhecimento
capacidades dinâmicas referem-se à
acumulado para identificar, iniciar e manter
capacidade da empresa de aprender com o
relacionamentos com bons clientes e
mercado e utilizar as ideias provenientes
alavancar esses relacionamentos de forma a
dessa aprendizagem para reconfigurar os
torná-los mais lucrativos (MORGAN, 2012).
recursos da empresa e reforçar as suas
Sendo assim, a capacidade de CRM pode ser

Tópicos em Administração - Volume 5


32

tratada como um construto multidimensional relacionamento com o consumidor e


composto por três fatores: capacidade de capacidade de reconquistar o consumidor
gerenciamento da interação com o (customer win-back capability) – ver figura 1
consumidor, capacidade de aprimorar o (WANG; FENG, 2012).

Figura 1 – Modelo de capacidade de crm de wang e feng (2012)

Fonte: Adaptado de Wang e Feng (2012).

A capacidade de gerenciamento da interação A orientação para o cliente pode ser vista


com o consumidor refere-se à habilidade de como a cultura organizacional que reflete: os
identificar, adquirir e reter consumidores valores, as normas de comportamento e o
rentáveis. Já, a capacidade de aprimorar o compartilhamento de modelos mentais, que
relacionamento com o consumidor é o possibilitam uma empresa colocar os
conjunto de habilidades que a empresa utiliza interesses dos clientes sempre em primeiro
para alavancar suas vendas (vender itens lugar, porém sem excluir os interesses dos
mais caros e melhores) e vender produtos e demais stakeholders, a fim de desenvolver
serviços adicionais (vendas casadas). Por uma organização rentável e duradoura
outro lado, a capacidade de reconquistar o (Deshpandé et al., 1993). O sistema
consumidor refere-se as habilidades que a organizacional centrado no cliente reflete o
empresa possui e emprega para quanto os sistemas e as estruturas já
reestabelecer o relacionamento com clientes existentes na organização são orientados
rentáveis que foram perdidos ou que estão para o cliente. As empresas precisam integrar
inativos (WANG; FENG, 2012). as atividades de CRM nos processos
organizacionais (WANG; FENG, 2012). Trainor
Conforme já mencionado, os recursos são os
e colegas (2014) também utilizam o sistema
ativos controlados pela empresa, que servem
organizacional centrado no cliente como
como entradas para as capacidades
antecedente da capacidade de CRM.
organizacionais e, portanto, têm potencial de
ganho financeiro (GRANT, 1991). Os recursos A tecnologia de CRM é a tecnologia de
que são unificados e trabalhados pela informação implementada para melhorar a
capacidade de CRM, para que resultem gestão dos relacionamentos com os
vantagem competitiva e melhoria de resultado consumidores (REINARTZ ET AL., 2004). Ela
para a organização, segundo o modelo inclui sistemas que dão suporte a vendas,
proposto por Wang e Feng (2012), são: marketing e serviço; armazenagem de dados
orientação para o cliente, sistema e sistemas para integrar e analisar os dados
organizacional centrado no cliente e dos consumidores (WANG; FENG, 2012).
tecnologia de CRM. Nesta definição, a tecnologia de CRM
equivale a tecnologia de CRM tradicional, que
se limita a informações do comportamento de

Tópicos em Administração - Volume 5


33

compra do consumidor e as informações realmente ou não. Os consumidores sociais


internas das empresas, ou seja, informações exigem transparência e autenticidade de seus
transacionais desconsiderando informações pares e das empresas com quem escolhem
da interação desses consumidores. se relacionar. Quando isso ocorre, eles
passam a ter a sensação de ligação com a
O próximo tópico apresentará conceitos
empresa, criando uma atitude de lealdade
relacionados a mídia social e a forma com
para com ela e passando a atuar como
que ela alterou a interação entre os
defensores da mesma (GREENBERG, 2010).
indivíduos. Esses conceitos indicam o quão
importante é para as empresas estarem Para Malthouse e colegas (2013), um jeito
atentas a essa nova forma de interação como fundamental das mídias sociais afetarem o
meio de fomentar suas capacidades se CRM é proporcionando ao cliente a
relacionarem com seus clientes. oportunidade de participar ativamente na
relação com a empresa, ou seja, promovendo
o engajamento do cliente com a marca. Esses
2.3 MÍDIA SOCIAL E CONSUMIDOR SOCIAL autores, por conveniência, definiram dois
níveis de engajamento: baixo nível de
Mídia social é um grupo de aplicativos que
engajamento e alto nível de engajamento.
tem como base a internet e que permite a
Clientes com baixo nível de engajamento são
criação e a troca de conteúdo gerado pelos
apenas consumidores passivos do conteúdo
seus usuários. Esse conteúdo deve ser
disponibilizado pela empresa na mídia social,
publicado em site público, onde os usuários
ou aqueles que usam formas de resposta com
possam tecer comentários sobre ele no
pouco envolvimento, tais como “curtir” um
próprio site, ou em redes sociais para um
conteúdo disponibilizado pela empresa no
grupo de pessoas (KAPLAN; HAENLEIN,
Facebook. Já os clientes com alto nível de
2010).
envolvimento, são aqueles que são ativos em
Os aplicativos de mídia social introduziram relação a marca ou participam de várias
uma nova forma de comunicação. formas de co-criação com a marca, por
Originalmente, as mídias sociais foram exemplo, escrevendo ou postando vídeos no
idealizadas para promover a interação entre Youtube sobre como utilizar um produto da
um indivíduo e seus pares pertencentes a sua marca (MALTHOUSE ET AL., 2013).
rede social de forma simples e ágil. Porém,
O consumidor social é um consumidor
possibilitou também a interação de
apoderado, dado o seu maior volume de
consumidores com empresas, as quais
opções de escolha e ao acesso instantâneo a
passaram a fazer parte das redes sociais de
informações provenientes de seus pares de
seus consumidores. Como exemplo de
confiança ou de terceiros. Desta maneira, eles
aplicativos de mídia social tem-se: blogs
não dependem de em um determinado
quando abertos para comentários, fóruns de
fabricante, distribuidor ou revendedor para
discussões, LinkedIn, Facebook, Youtube e
obter informações sobre um produto ou
Twitter (TRAINOR ET AL., 2014).
serviço oferecido. Produtos e serviços
Os aplicativos de mídia social estão evoluindo semelhantes, bem como informações sobre
rapidamente e novos aplicativos são eles, podem ser encontrados por meio de
continuamente introduzidos no mercado várias empresas concorrentes e em diversos
(MALTHOUSE ET AL., 2013), por esse motivo, canais (GREENBERG, 2010).
no presente artigo não haverá distinção entre
Além disso, o consumidor social possui o
tipos específicos de mídia social.
poder de defender ou depreciar a marca para
A mídia social proporcionou o surgimento do um amplo número de pessoas, por meio da
consumidor social. Os consumidores sociais mídia social. Portanto, ele pode afetar um
são aqueles que confiam em seus pares importante recurso do marketing: a reputação
(“alguém como eles”), com os quais estão da empresa. Esse, tem sido identificado como
conectados através da web, aplicativos de um dos mais importantes recursos intangíveis
mídia social e dispositivos móveis. Eles da empresa e está ligado a resposta dada
esperam que as informações por eles pelos consumidores às iniciativas de
desejadas estejam disponíveis sob demanda, marketing e aos resultados da empresa
e ao mesmo tempo, almejam ter acesso às (MORGAN, 2012). Sendo assim, pode-se
ferramentas para compartilhar e socializar afirmar que o consumidor social impacta o
essas informações com os membros de sua resultado organizacional.
rede – independente de conhecê-los

Tópicos em Administração - Volume 5


34

Para gerenciar o relacionamento com o dos consumidores em fóruns de discussão e


consumidor social, Greenberg (2010) propõe comunidades virtuais, (2) obter os perfis dos
do CRM Social, o qual será tratado no clientes em redes sociais como Facebook e
próximo tópico deste artigo. LinkedIn, (3) analisar os sentimentos dos
consumidores sobre a empresa através de
sofisticadas análises de texto (GREENBERG,
2.4 CRM SOCIAL E INTELIGÊNCIA SOCIAL 2010). Como exemplos dessas ferramentas,
podemos citar: Radian6, Helpstream e SAP
Antes do advento da mídia social, os clientes
Business Objects Insight. Porém, Greenberg
eram passivos em relação as ações de CRM.
(2010) afirma que essas ferramentas só são
Nesse cenário, a empresa era o principal ator
significantes se a empresa as utilizar para ter
e a forma de resposta dos clientes às ações
ideias relevantes sobre seus clientes, ou seja,
da empresa era essencialmente capturada
se forem utilizadas para gerar aprendizado
pelo comportamento de compra desses
sobre os clientes.
clientes. Esse comportamento mudou com a
transformação do consumidor em consumidor Esse aprendizado sobre o cliente, pode ser
social, onde ele passa a ser ativo nessa relacionado com o conceito de inteligência
relação, podendo facilmente expressar e social proposto por Stone e Woodcock (2013).
difundir suas opiniões (MALTHOUSE ET AL., Para eles, inteligência social é o
2014). conhecimento dos consumidores gerado pela
combinação de informações extraídas do
No entanto, as empresas não estão
comportamento do consumidor nas mídias
preparadas para esse novo cenário. Elas
sociais e da inteligência proveniente dos
necessitam encontrar novas formas para
sistemas de marketing e CRM tradicionais,
engajar seus clientes. O que era efetivo antes
permitindo às empresas gerenciar em tempo
do advento da mídia social, como captar
real, ou muito próximo dele, conversas com os
histórico e padrões de compra, não é mais
consumidores, além de ouvir suas opiniões e
suficiente. É preciso ir além para dar
dar respostas relevantes e contextualizadas.
respostas satisfatórias para essa nova
geração de clientes apoderada pela Morgan (2012) inclui o conhecimento e a
transformação da comunicação. Mapear tecnologia na lista dos recursos de marketing.
conversas dos clientes sobre a empresa e Considerando que a inteligência social é um
sobre outros assuntos relevantes - tanto conhecimento gerado pela combinação de
dentro como fora dos sistemas da empresa - informações provenientes das tecnologias
é agora mais relevante do que nunca, novas e tradicionais, ela pode ser classificada
considerando que clientes agem sobre essas como um recurso.
conversas, afetando o negócio da empresa
No próximo tópico desse artigo, é
(GREENBERG, 2010).
apresentado como a inteligência social, como
Com base nesse novo contexto, Greenberg recurso, pode ser utilizada pela capacidade
(2010) apresenta o CRM Social. Enquanto o de CRM, seguindo o modelo de Wang e Feng
CRM tradicional era uma estratégia focada (2012).
nas transações dos clientes, o CRM Social
incorpora tanto as transações dos clientes
quando as interações desses clientes. 3 DISCUSSÃO
Greenberg (2010) define CRM Social como
Recursos sozinhos não são suficientes para
sendo uma filosofia e uma estratégia de
melhorar o desempenho organizacional (DAY,
negócios, suportada por um sistema e uma
1994). As tecnologias de hardware e software
tecnologia, desenhada para engajar o cliente
de CRM e as ferramentas de integração com
em uma interação colaborativa que permite
aplicativos de mídia social só gerarão
benefícios mútuos em um ambiente
vantagem competitiva e resultado financeiro
transparente e confiável. O CRM Social
para a organização se forem integradas a
engloba a integração das ferramentas de
outros recursos organizacionais (DAY, 1994;
tecnologia tradicionais de CRM com as mídias
TRAINOR ET AL., 2014). Devido a isso, o
sociais.
modelo de Wang e Feng (2012) é bastante
As ferramentas, que fazem a ligação entre as relevante e apropriado para se estudar a
tecnologias tradicionais de CRM e os capacidade de CRM, uma vez que ele
aplicativos de mídia social, têm as seguintes combina a tecnologia de CRM com a
funções: (1) monitorar e tratar as conversas orientação para o cliente e o sistema

Tópicos em Administração - Volume 5


35

organizacional centrado no cliente como Na dimensão “capacidade de gerenciamento


antecedentes da capacidade de CRM para da interação com o consumidor”, a qual
melhorar o desempenho organizacional. engloba a habilidade de identificar, adquirir e
reter consumidores rentáveis, a empresa
Porém, conforme apresentado anteriormente,
pode utilizar a inteligência social para criar
a definição de tecnologia utilizada por Wang e
grupos de clientes potenciais com ideologias
Feng (2012) equivale a tecnologia de CRM
semelhantes a fim de oferecer propostas
tradicional, a qual no contexto do consumidor
relevantes a eles através de uma mídia
social deve ser integrada aos aplicativos de
adequada (STONE; WOODCOCK, 2013).
mídia social (GREENBERG, 2010). Ou seja,
Porém essas propostas atrativas, oferecidas
no novo contexto deter apenas informações
aos clientes potenciais, chegarão facilmente
sobre o comportamento de consumo do
aos clientes atuais, através dos aplicativos de
cliente, através dos canais de contato da
mídia social, e esses poderão exigir os
empresa, não é mais suficiente para engaja-
mesmos benefícios das novas propostas e
los e para se obter uma visão mais completa
ameaçar romper o relacionamento com a
da atitude do consumidor frente a empresa.
empresa em caso de negativa. Desta
Essa visão completa é dada pela inteligência
maneira, é essencial que as empresas
social, a qual origina-se da combinação das
avaliem para quais grupos irão oferecer suas
informações extraídas do comportamento do
propostas e como lidarão com as exigências
consumidor nas mídias sociais e da
dos clientes atuais (MALTHOUSE ET AL.,
inteligência proveniente dos sistemas de
2013).
marketing e CRM tradicionais (STONE;
WOODCOCK, 2013). A inteligência social fomenta também a
habilidade da empresa em engajar os clientes
Com base nos argumentos apresentados
com a marca e retê-los. Isso porque a
sobre mídia social e consumidor social, CRM
inteligência social possibilita a empresa
Social e inteligência social, e capacidade de
entender, de maneira mais abrangente, os
CRM apresenta-se a seguinte proposição:
interesses e desejos de seus melhores
P1: A tecnologia de CRM tradicional, que clientes, o que eles gostam e desgostam,
Wang e Feng (2012) apresentam como um onde eles costumam comprar e o que eles
dos recursos antecedentes da capacidade de efetivamente compraram (MALTHOUSE ET
CRM, no contexto atual do consumidor social, AL., 2013). Além disso, a inteligência social
deve ser substituída pela inteligência social. promove o diálogo entre a empresa e o
consumidor, possibilitando que o cliente atue
Para se obter a inteligência social, as
ativamente em relação a marca e possam co-
empresas precisam investir em novas
criar conhecimento.
tecnologias, como por exemplo ferramentas
que unifiquem os sistemas tradicionais de Greenberg (2010) apresenta o exemplo da
CRM com ao aplicativos de mídia social, Starbucks para demonstrar a co-criação entre
novos talentos, treinamentos, novas formas de consumidor e empresa. MyStarbucksIdea é
trabalhar e de pensar – o que gera custos uma comunidade para os consumidores de
para elas (STONE; WOODCOCK, 2013). No bebidas da Starbucks que visa descobrir
entanto, esse novo recurso – inteligência quais são os novos produtos eles gostariam
social – unificado pela capacidade de CRM de consumir. Qualquer membro registrado na
com a orientação para o consumidor e com os comunidade pode lançar uma ideia de um
sistemas centrados no consumidor tendem a novo produto (ou serviço), a qual é avaliada
trazer vantagem competitiva e ganhos de pelos demais participantes. As melhores
desempenho organizacional. ideias passam a fazer parte da linha de
produtos Starbucks. Com isso, os clientes
Para reforçar a proposição desse artigo,
passam a ter uma série de novos produtos
apresenta-se como que a inteligência social
que eles realmente desejavam, além de se
pode ser utilizada em cada uma das
sentirem engajados com o processo e com a
dimensões da capacidade de CRM
marca. A Starbucks, por meio do
apresentadas por Wang e Feng (2012):
MyStarbucksIdea, tem o benefício da
capacidade de gerenciamento da interação
participação do cliente na criação de seus
com o consumidor, capacidade de aprimorar
produtos a um custo incrivelmente baixo.
o relacionamento com o consumidor e
capacidade de reconquistar o consumidor A inteligência social também pode ser
(customer win-back capability). entendida como um recurso importante para a
capacidade de aprimorar o relacionamento

Tópicos em Administração - Volume 5


36

com o consumidor. Por fornecer um adequados para a retomada do


conhecimento profundo sobre os relacionamento e o diálogo para entender o
consumidores e seus desejos, esse recurso motivo pelo qual o mesmo não está mais se
pode ser usado para incentivá-los a adquirir relacionando com a empresa. Uma empresa
um maior volume de produtos e a comprar que utiliza a mídia social para promover a co-
produtos diferentes e com maior frequência. criação e o diálogo com seus clientes tende a
Além disso, possibilita identificar os produtos construir relações duradouras.
e serviços que os clientes possam querer no
Conforme apresentado, a substituição do
futuro, garantindo, portanto, um maior
recurso tecnologia de CRM por inteligência
desenvolvimento da relação da empresa para
social no modelo de Wang e Feng (2012) é
com eles (STONE; WOODCOCK, 2013).
essencial para adaptar o modelo ao contexto
O papel da inteligência social na capacidade atual e essa substituição é válida para as três
de reconquistar um cliente inativo está na dimensões da capacidade de CRM. A Figura
possibilidade de utilizar informações sobre 2 mostra o modelo de Wang e Feng (2012)
seu comportamento para propor benefícios com a alteração sugerida.

Figura 2 – Modelo de Capacidade De CRM De Wang E Feng (2012)

Fonte: Adaptado de Wang e Feng (2012).

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS além de ser essencial para melhorar o


gerenciamento do relacionamento com o
O presente estudo teve como objetivo
consumidor no contexto atual.
“apresentar argumentos da literatura de CRM
que abordam a relação entre CRM e Mídia A contribuição teórica desse artigo está na
Social e que justificam a inclusão do contexto proposição da substituição do recurso
de mídia social no modelo de capacidade de tecnologia de CRM pelo recurso inteligência
CRM proposto por Wang e Feng (2012)”. Para social como antecedente da capacidade de
isso, foram apresentados, entre outros, os CRM, seguindo o modelo apresentado por
conceitos de mídia social, consumidor social, Wang e Feng (2012). A construção dessa
CRM social e inteligência social. Todos esses proposição foi embasada na VBR, nos
conceitos, extraídos da literatura de conceitos que envolvem a capacidade de
marketing, mostraram como que a mídia CRM e em todos os conceitos que interagem
social impacta os consumidores e a relação com o conceito de mídia social.
entre os consumidores e empresas. O
Como proposição de estudos futuros, tem-se
entendimento dos conceitos que relacionam
a necessidade de se testar empiricamente o
CRM e mídia social pode gerar ideias e
modelo de Wang e Feng (2012) com a
mudanças na forma de condução das ações
alteração proposta nesse artigo em empresas
de CRM por parte dos profissionais da área,
de diversos setores. Além disso, há poucos

Tópicos em Administração - Volume 5


37

estudos que relacionam mídia social e oportunidade de desenvolvimento de novos


capacidade de CMR, o que apresenta estudos na área.

REFERÊNCIAS
[1]. BARNEY, Jay. Firm resources and practice, process, and discipline. Journal of
sustained competitive advantage.Journal of Economic and Social research, v. 3, n. 2, p. 1-34,
management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991. 2001.
[2]. DAY, George S. The capabilities of market- [11]. PAYNE, Adrian; FROW, Pennie. A strategic
driven organizations. the Journal of Marketing, p. framework for customer relationship
37-52, 1994. management. Journal of marketing, v. 69, n. 4, p.
167-176, 2005.
[3]. DESHPANDE, Rohit; FARLEY, John U.;
WEBSTER JR, Frederick E. Corporate culture, [12]. PERRIN , Andrew. Social Media Usage:
customer orientation, and innovativeness in 2005-2015 . Pew Research Center. Disponível em:
Japanese firms: a quadrad analysis. The journal of <http://www.pewinternet.org/2015/10/08/social-
Marketing, p. 23-37, 1993. networking-usage-2005-2015/> . Acesso em: 12
jul.2016.
[4]. GRANT, Robert M. The resource-based
theory of competitive advantage: implications for [13]. REINARTZ, Werner; KRAFFT, Manfred;
strategy formulation. California management HOYER, Wayne D. The customer relationship
review, v. 33, n. 3, p. 114-135, 1991. management process: Its measurement and impact
on performance. Journal of marketing research, v.
[5]. GREENBERG, Paul. The impact of CRM
41, n. 3, p. 293-305, 2004.
2.0 on customer insight. Journal of Business &
Industrial Marketing, v. 25, n. 6, p. 410-419, 2010. [14]. STONE, Merlin; WOODCOCK, Neil. Social
intelligence in customer engagement. Journal of
[6]. KUMAR, V. Evolution of marketing as a
Strategic Marketing, v. 21, n. 5, p. 394-401, 2013.
discipline: What has happened and what to look out
for. Journal of Marketing, v. 79, n. 1, p. 1-9, 2015. [15]. TEECE, David J.; PISANO, Gary; SHUEN,
Amy. Dynamic capabilities and strategic
[7]. MAHONEY, Joseph T.; PANDIAN, J.
management. Strategic management journal, p.
Rajendran. The resource‐based view within the
509-533, 1997.
conversation of strategic management. Strategic
management journal, v. 13, n. 5, p. 363-380, 1992. [16]. TRAINOR, Kevin J. et al. Social media
technology usage and customer relationship
[8]. MALTHOUSE, Edward C. et al. Managing performance: A capabilities-based examination of
customer relationships in the social media era: social CRM.Journal of Business Research, v. 67, n.
introducing the social CRM house. Journal of 6, p. 1201-1208, 2014.
Interactive Marketing, v. 27, n. 4, p. 270-280, 2013.
[17]. Wang, Y., & Feng, H. (2012). Customer
[9]. MORGAN, Neil A. Marketing and business relationship management capabilities:
performance. Journal of the Academy of Marketing Measurement, antecedents and
Science, v. 40, n. 1, p. 102-119, 2012 consequences. Management Decision, 50(1), 115-
[10]. PARVATIYAR, Atul; SHETH, Jagdish N. 129.
Customer relationship management: Emerging

Tópicos em Administração - Volume 5


38

Capítulo 4

Ana Luiza Santos Terra


Bruna de Paula Ferreira Costa
Fernanda Alen Gonçalves da Silva
Luciana Versiani dos Reis

Resumo: Considerando a nova realidade trazida pelas inovações tecnológicas,


especialmente às relacionadas ao processo eletrônico, além da publicação do
Decreto Estadual n. 46.739/2015, que passou a exigir legalmente a implementação
de comunicação eletrônica entre os órgãos do Estado de Minas Gerais, em junho
de 2015, iniciou-se um trabalho de Gestão de Processos na Advocacia-Geral do
Estado (AGE-MG). No âmbito da Procuradoria de Obrigações, unidade
especializada da AGE, foi realizado um diagnóstico preliminar, cujos resultados
apontaram a necessidade de realização de profundas mudanças administrativas,
que perpassavam o próprio funcionamento do setor. Assim, após o mapeamento e
redesenho dos fluxos da procuradoria, implementou-se, visando uma atividade
processual célere, a distribuição, o envio e o recebimento de processos, ofícios e
documentos por meio digital, a comunicação, interna e externa,
predominantemente por meio eletrônico e a prática e acompanhamento de atos
processuais diretamente pelo sistema coorporativo Tribunus. Além de trazer
eficiência, organização aos procedimentos e tornar mais rápida a comunicação
entre os órgãos e entidades do Estado e o Poder Judiciário, houve também uma
grande economia de materiais de escritório, recursos humanos e financeiros,
prezando-se ainda pela sustentabilidade. A reestruturação dos macroprocessos foi
viabilizada sem o dispêndio de recursos públicos, considerando-se a crise
financeira vivida pelo Estado. Apesar do sucesso alcançado, alguns desafios ainda
estão presentes, especialmente no que tange aos problemas de infraestrutura, falta
de recursos e à ampliação do trabalho realizado a outros setores da AGE, em
particular, às unidades da advocacia no interior do Estado.
Palavras chave: Gestão de Processo, procedimentos eletrônicos, economia de
recursos, celeridade.

Tópicos em Administração - Volume 5


39

1 INTRODUÇÃO Horizonte. Além da análise basilar, atribui-se a


esta equipe a tarefa de implementar a Gestão
A Advocacia-Geral do Estado de Minas
de Processos, inicialmente, nas unidades
Gerais (AGEMG) é o órgão público que presta
locais de atuação, visando posterior
consulta e assessoramento jurídico ao Estado,
integração e difusão das boas práticas aos
além de representá-lo judicial e
demais setores da AGE.
extrajudicialmente, tutelando o interesse
público mineiro em todas as instâncias e No âmbito da Procuradoria de Obrigações,
Tribunais. estas funções foram desempenhadas pelas
autoras do presente artigo. Decorridos dois
Subdividida em Procuradorias Especializadas
anos do princípio das atividades, observa-se
– localizadas na sede, em Belo Horizonte – e
resultados significativos, os quais serão
Advocacias Regionais – localizadas no interior
apresentados em um estudo de caso, visando
mineiro e em Brasília, exerce suas atividades
não só relatar a experiência, mas possibilitar
na totalidade de Minas Gerais e também no
sua expansão.
Distrito Federal.
O principal objetivo do trabalho é analisar a
Até 2015, os trâmites e processos internos da
implementação do gerenciamento de
AGE baseavam-se apenas em procedimentos
processos no âmbito da Procuradoria de
físicos, com documentação em papel e
Obrigações da Advocacia Geral do Estado de
pastas administrativas. Entretanto, alterações
Minas Gerais. Complementarmente, busca-se
no âmbito do judiciário brasileiro e no próprio
(i) rever os conceitos fundamentais do
Poder Executivo de Minas Gerais tornaram
gerenciamento de processos; (ii) estudar o
imperiosa a adaptação, redesenho dos fluxos
caso do redesenho de processos em um
internos e, portanto, a implementação da
ambiente eminentemente jurídico; (iii) avaliar
Gestão de Processos.
os resultados e propor melhorias futuras.
Desde 2007, conforme diretrizes do Conselho
Assim, serão apresentadas a metodologia do
Nacional de Justiça (CNJ), iniciou-se a
presente trabalho, os principais conceitos que
implantação gradual de sistemas eletrônicos
embasam a situação analisada, o estudo de
para tramitação de processos judiciais em
caso da implementação da Gestão de
todas as instâncias. Além disso, em abril de
Processos na Procuradoria de Obrigações da
2015, foi publicado o Decreto Estadual n.
AGE-MG e, por fim, os desafios futuros e
46.739, que “dispõe sobre o uso de correio
conclusões.
eletrônico institucional no âmbito da
Administração Pública Direta, Autárquica e
Fundacional do Poder Executivo” (MINAS
2 METODOLOGIA
GERAIS, 2015).
A metodologia escolhida para o presente
Assim, fez-se necessária a criação de
artigo foi a do estudo de caso. Segundo YIN
procedimentos virtuais, visando dar
(2001, p. 32), o “estudo de caso é uma
celeridade às atividades, com a) o envio de
investigação empírica que investiga um
ofícios; b) trâmite e recebimento de processos
fenômeno contemporâneo dentro de seu
e documentos pelo meio digital; c) prática e
contexto da vida real, especialmente quando
acompanhamento de atos processuais
os limites entre o fenômeno e o contexto não
diretamente pelo sistema corporativo Tribunus
estão claramente definidos”. Esta ferramenta
(desenvolvido para o controle e
acadêmica apresenta-se, portanto, como
acompanhamento de processos judiciais e
norteadora de análises das conjunturas
expedientes que tramitam ou são
observadas no mundo real num determinado
acompanhados pela AGE), d) visando
momento, possibilitando a investigação de
também a economia de recursos financeiros e
suas causas, efeitos ou fases em seu
a sustentabilidade.
desenvolvimento.
Nesse contexto, em maio de 2015, por
O estudo de caso tem vasta aplicação na
iniciativa do Advogado-Geral do Estado, foi
exploração de casos típicos e atípicos, na
estruturada uma equipe com atuação
compreensão de comportamentos pessoais
matricial, sob coordenação da Assessoria de
ou organizacionais, bem como, em análises
Planejamento (ASPLAN), com a
comparativas. Quanto às vantagens deste
responsabilidade de elaborar um diagnóstico
método, sabe-se que fomenta novas
da situação e das atividades, à época, de
descobertas, devido à flexibilidade e
cada uma da Procuradorias sediadas em Belo
adaptabilidade que o permeiam; permite

Tópicos em Administração - Volume 5


40

avaliar múltiplas dimensões de um problema, novos valores e crenças capazes de alterar o


caracteriza-se pela simplicidade dos comportamento das pessoas, sendo esta,
procedimentos, além de desenvolvimento de possivelmente, a maior dificuldade de
análises profundas. (VENTURA, 2007). implementar as transformações nas
organizações, tendo em vista que as pessoas
O estudo de caso, enquanto metodologia de
possuem convicções próprias que podem
pesquisa, envolve quatro etapas centrais,
apresentar-se como resistência às mudanças.
segundo Ventura (2007), (i) delimitação da
unidade caso; (ii) coleta de dados; (iii) Nesse sentido, o presente trabalho irá tratar
seleção, análise e interpretação dos dados e de uma importante metamorfose
(iv) elaboração do relatório do caso. organizacional ocorrida na Procuradoria de
Obrigações da Advocacia Geral do Estado de
Assim, inicialmente, definiu-se a unidade de
Minas Gerais, que propiciou maior efetividade
caso, a saber a implementação da Gestão de
nos trabalhos prestados pelos servidores
Processos na Procuradoria de Obrigações da
administrativos e procuradores nela alocados.
Advocacia-Geral do Estado de Minas Gerais.
Para tanto, serão apresentados, nas próximas
A coleta de dados foi realizada durante os
seções, dentre outros pontos, os desafios
dois anos de implementação da gestão,
enfrentados na implementação dessa
dados esses que integram o próprio projeto e
mudança.
outros relativos à sua realização, que são a
base do presente trabalho. Quanto à sua
análise e a elaboração do relato do caso,
3.2 CONCEITO DE PROCESSO
estes serão apresentados nas próximas
seções. O conceito de processo está associado às
atividades capazes de transformar entradas
A fim de contextualizar a análise da
(“insumos”) em produtos, com valor agregado
implementação abordada, imprescindível
superior, no próprio produto, na organização
revisitar conceitos-chaves e basilares para
e nas pessoas que a compõe.
compreensão do estudo de caso realizado.
Estas definições estruturam a interpretação Assim define o CBOK (p. 35): “Processo é
dos dados e das situações selecionadas. A uma agregação de atividades e
seguir, passaremos à sua análise. comportamentos executados por humanos ou
máquinas para alcançar um ou mais
resultados”. Nesse sentido, idealmente, as
3 REFERENCIAL TEÓRICO atividades possuem uma composição lógica
entre elas, e, quando realizadas em
3.1 MUDANÇA ORGANIZACIONAL
conformidade com as normas, geram o
Transformações e mudanças ocorrem produto esperado.
diariamente na vida das pessoas e nas rotinas
Em outras palavras, processo é o conjunto de
das organizações. Estas, geralmente, surgem
atividades encadeadas e organizadas com
a partir de questionamentos da realidade,
objetivo de transformar através da agregação
valores e costumes praticados e resultam em
de valor e gerar um produto capaz de atender
um rompimento de paradigmas.
às necessidades dos clientes, internos ou
A mudança organizacional está associada às externos.
alterações no cotidiano das atividades em
uma organização. Antes da década de 70,
elas se davam nos procedimentos internos e 3.3 GESTÃO DE PROCESSOS
na continuidade do padrão destes. Com o fim
O gerenciamento de processos envolve a
do modelo taylorista-fordista, houve o advento
contínua análise dos processos na
das inovações tecnológicas, sendo a busca
organização, de seus resultados e do
pela mudança voltada para elevar a
alinhamento com a missão organizacional. A
efetividade na produção, tendo em vista o
realização permanente desta atividade é
contexto de competitividade entre as nações,
essencial para aprimorar a eficiência e avaliar
conhecido como o início do período da
o impacto das mudanças e transformações
globalização (SOARES, 2007).
realizadas na organização, bem como para a
Segundo Motta (2000, p. 3), nos dias de hoje, contínua melhoria e refinamento dos
a “(...) a mudança só tem sentido tomando-se processos.
o indivíduo como foco e objeto exclusivo de
análise.”. Desta forma, devem ser inseridos

Tópicos em Administração - Volume 5


41

O embasamento teórico do estudo de caso Essa etapa é também conhecida como


desenvolvido neste artigo consiste na “Gerenciamento de desempenho”,
metodologia definida no Guia BPM CBOK considerando os indicadores definidos e as
(Guia para Gerenciamento de processos de metas propostas. É responsável pela aferição
Negócio), segundo o qual a Gestão de e validação do processo, a fim de garantir
Processos, quando atrelada a indicadores de que o que foi modelado está em
desempenho, possibilita o aprimoramento conformidade com as atividades
contínuo das rotinas organizacionais. desempenhadas na organização e com seus
objetivos. Ao realizar esta análise, torna-se
possível levantar a necessidade de mudanças
3.4 ETAPAS DA GESTÃO DE PROCESSOS e as diretrizes para realização de alterações
(GESPUBLICA, 2011);
O Gerenciamento de Processos perpassa as
seguintes etapas: f) Refinamento:
a) Planejamento: A fase do refinamento está intimamente ligada
à filosofia de melhoria contínua que permeia a
Nessa primeira etapa, serão alinhadas
Gestão de Processos. Diante das mudanças
estratégias, metas e expectativas para as
propostas e com os dados do monitoramento
atividades organizacionais, capazes de
de processos implementados, é fundamental
auxiliar no gerenciamento dos processos.
auferir os resultados e a conformidade com as
Além disso, é fundamental o envolvimento dos
metas definidas. A partir dessas informações,
patrocinadores da iniciativa na organização e
torna-se possível corrigir eventuais gargalos
a sensibilização dos responsáveis pela
identificados e refinar o processo.
realização dos processos;
b) Análise:
3.5 REDESENHO DE PROCESSOS
De acordo com o CBOK, uma vez realizado o
planejamento, os processos atuais devem ser O guia CBOK define o redesenho de
compreendidos considerando as metas e processos como o “(...) repensar ponta a
objetivos traçados. Como resultado desta ponta sobre o que o processo está realizando
etapa, são estruturados os principais pontos atualmente”. (2013, p. 240). Nesse sentido, há
para a próxima etapa, quais sejam: objetivos uma análise do processo como um todo,
da modelagem dos processos, o ambiente tomando como base os conceitos
onde será modelado, escopo da modelagem fundamentais desses mesmos processos
e pessoas envolvidas; organizacionais. Como resultado espera-se
melhoria nos indicadores de desempenho da
c) Desenho e Modelagem:
organização, seja ela em termos de
Segundo o guia CBOK (2013, p. 144), celeridade, custo, qualidade, etc. (MORENO,
entende-se por desenho: “(...) a definição 2012).
formal de objetivos e entregáveis, e a
Assim, o redesenho de processos apresenta-
organização das atividades e regras
se como elemento central e crucial da Gestão
necessárias para produzir um resultado
de Processos. Destaca-se que não consiste
desejado”. Para tanto, a compreensão dos
em atividade estanque no tempo, mas em
processos envolvidos é fundamental. A
tarefa contínua, na medida em que visa-se o
modelagem, por sua vez, envolve atividades
aprimoramento constante.
que irão representar os processos, sejam os
atuais ou os que tenham sido propostos;
d) Implementação: 3.6 GESTÃO DO CONHECIMENTO
É nessa fase que o desenho será A Gestão de Conhecimento é entendida como
transformado em fluxos e procedimentos um conjunto de conceitos, métodos e
documentados, testados e operacionalizados. atividades cujo objetivo é (...) “aumentar a
Neste momento, haverá a transformação de capacidade de criação, armazenagem,
fato dos processos da organização, sendo recuperação, transferência e reutilização do
implementados os resultados das etapas: conhecimento nas empresas” (MORENO,
análise, desenho e modelagem 2012, p. 207).
e) Monitoramento: O compartilhar de informações é fundamental
nas organizações, sejam elas públicas ou

Tópicos em Administração - Volume 5


42

privadas, pois permitem a adequada nos órgãos responsáveis pela representação


realização das atividades e processos judicial, como a AGE. É que como um dos
propostos, além de garantir a melhoria vértices da complexa relação processual está
contínua. Além disso, a segmentação do mais moderno e ágil, torna-se imprescindível
conhecimento implica em perdas e variações fazer confluir as tecnologias entre todos os
negativas na curva de aprendizado e, envolvidos.
portanto, na consecução da missão
Dentro deste contexto eletrônico e digital, foi
organizacional.
publicado em abril de 2015, o Decreto
Importa destacar a relevância da necessidade Estadual n. 46.739, que estabelece, dentre
de articulação entre a Gestão de Processos e outras definições, a obrigatoriedade de envio
a Gestão do Conhecimento. Isto porque a de informações, pelos entes à Advocacia,
primeira remete ao aprimoramento constante, para subsidiar a defesa do Estado em juízo,
sendo, portanto, indispensável a construção e de forma eletrônica, no caso de processos
propagação das lições aprendidas, ou seja, eletrônicos, e a preferência pelo envio digital,
imperiosa a aplicação da segunda. nos outros casos.
Diante da relevância da difusão do Entretanto, embora a realidade estivesse
conhecimento, o presente artigo aborda a configurada, a Advocacia-Geral do Estado
aplicação do conhecimento construído nos ainda não estava adaptada à este novo
processos, o estímulo ao compartilhamento cenário. No caso da Procuradoria estudada,
de know-how, de informações e de havia apenas tramitação de documentos em
experiências entre os servidores que suporte físico (papel), em volumes
trabalham na unidade de análise. significativos. Ineficiências e rotinas
desnecessárias eram frequentes: impressão
de documentos eletrônicos, montagem de
4 IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO DE pastas físicas de processos, controle manual
PROCESSOS NO ÂMBITO DA da distribuição de processos aos
PROCURADORIA DE OBRIGAÇÕES procuradores, confecção de ofícios em papel,
entre tantas outras identificadas. Tais
Diante dos conceitos discutidos na seção
procedimentos, além de depender de uma
anterior, passaremos para o estudo do caso
quantidade imensa de materiais de escritório,
selecionado. De início, será apresentada a
recursos humanos e receitas públicas,
situação inicial, que ensejará a apresentação
também prejudicavam a celeridade do serviço
do processo de implementação e dos
prestado, qual seja a representação judicial e
resultados obtidos.
efetiva defesa do interesse público, na fatal
contramão dos princípios da sustentabilidade.
4.1 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO Nesse sentido, indispensável mencionar que
ANTERIOR o envio de ofícios, processo crítico num órgão
que representa judicialmente todo o Estado
Desde 2007, o Poder Judiciário empreende
de Minas Gerais, demandava no mínimo cinco
esforços para promover, gradualmente, o
dias para finalização, a contar do pedido de
trâmite eletrônico dos processos judiciais.
envio pelo responsável por acompanhar o
Minas Gerais, de acordo com o Tribunal de
processo judicial. Além disso, a comunicação
Justiça de Minas Gerais (TJMG), está entre os
entre os órgãos e entidades representados
13 tribunais estaduais que já implantaram o
não seguia qualquer padronização, cuja
Processo Judicial Eletrônico (PJe). A
ausência implicava constantes solicitações de
experiência começou nas Varas Regionais do
correções, inclusive de detalhes, com
Barreiro em 2012, e era, inicialmente, restrita
consequente retrabalho. A atividade de
às ações de divórcio consensual. A partir de
distribuição dos mandados das ações
então, o sistema vem sendo expandido e,
judiciais, por sua vez, tinha tramitação
atualmente, mais de 50% de processos novos
idêntica, independentemente da
ingressam pelo meio eletrônico. No que tange
complexidade.
aos Juizados Especiais, o sistema eletrônico
(Projudi) foi implantado, como sistema piloto, Assim, considerando o princípio da eficiência
em meados de 2007. e da economicidade, bem como a
necessidade do uso racional dos recursos
A realidade do processo eletrônico e a
financeiros e ambientais e, ainda, a elevação
configuração da era eletrônico-digital no
da utilização da tecnologia nas mais diversas
Poder Judiciário promovem impactos diretos

Tópicos em Administração - Volume 5


43

atividades, mostrou-se imprescindível a reestruturação foram realizadas em paralelo,


adaptação da AGE ao novo contexto com priorização de atuação inicial naquelas
utilizando as ferramentas tecnológicas dotadas de processos críticos, com grande
disponíveis. relevância e urgência, notadamente a
coordenação responsável por acompanhar
Nesse sentido, indispensável a implantação
ações versando sobre Direito à Saúde, cujo
de efetiva Gestão de Processos, até então
risco de demora poderia, inclusive, ocasionar
inexistente, para garantir o adequado
a morte de um indivíduo.
desempenho da missão institucional da AGE.
Tal gestão baseou e fomentou, então, revisão Em cada uma das coordenações, o trabalho
das rotinas existentes, com sua revisão, realizou-se por meio de etapas semelhantes,
sobretudo mediante criação de as quais serão descritas. Interessante
procedimentos virtuais, visando uma atividade ressaltar que algumas fases ocorreram
processual célere, com o envio de ofícios, simultaneamente em coordenações diferentes
processos e documentos e recebimento de e que, por vezes, soluções definidas para um
respostas pelo meio digital, e a prática e setor eram expandidas para outros que
acompanhamento de atos processuais estavam em fases distintas, a fim de
diretamente pelo sistema corporativo Tribunus potencializar melhorias e resultados.
(desenvolvido para o controle e
Considerando que as fases de planejamento
acompanhamento de processos judiciais e
e análise haviam sido estruturadas para toda
expedientes que tramitam ou são
a unidade, a atuação nas coordenações
acompanhados pela AGE).
iniciou-se com o mapeamento dos processos
existentes, seguida da identificação de
gargalos e proposição de melhorias. Esta
4.2 IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO DE
ação contou com a participação direta dos
PROCESSOS
servidores que realizavam as atividades, seja
Diante das oportunidades de melhoria na descrição das tarefas ou na proposição de
apresentadas acima e considerando a soluções. As melhorias foram submetidas à
necessidade de adaptação à nova realizada chefia da Procuradoria de Obrigações e
eletrônica, foram incentivadas várias reformuladas ou aprovadas, conforme a
iniciativas no âmbito da Advocacia-Geral do capacidade de implementação. Uma vez
Estado. Dentre essas, priorizou-se aquelas legitimadas, apresentou-se as propostas aos
voltadas à adequação ao processo judicial servidores e foi iniciada a implementação. Os
eletrônico aliada à proposição de soluções às processos então foram verificados na prática
questões estruturais relacionadas ao objeto e adequados, conforme a necessidade, tendo
central da Advocacia, qual seja, a defesa do sido formalizados após o período de
Estado no âmbito judicial e extrajudicial, bem validação.
como aos processos críticos correlatos.
Os principais gargalos comuns encontrados
Assim, para realização desse objetivo, foi
foram a ausência de padrões para
estruturada a implementação da Gestão de
documentação; a ausência de procedimento
Processos, coordenada pela Assessoria de
operacional para tramitação eletrônica,
Planejamento.
apesar da implementação dos sistemas de
No âmbito da Procuradoria de Obrigações, processo eletrônico no judiciário e a
unidade de análise, inicialmente foi feito um morosidade no envio de ofícios.
diagnóstico preliminar para compreensão da
No que tange à primeira questão, levantou-se
estrutura existente e das atividades
os documentos utilizados com grande
desenvolvidas, a fim de viabilizar o
similaridade e foram elaborados modelos
planejamento da atuação. Além desse
padrões, os quais foram validados pela chefia
levantamento, o planejamento considerou as
e repassado à todos os servidores a fim de
diretrizes de reestruturação e de organização
evitar retrabalho e garantir a celeridade,
de trâmites eletrônicos.
principalmente na elaboração de ofícios.
Diante do observado, a implementação da
Acerca do gargalo referente à tramitação
Gestão de Processos foi organizada a partir
física, foi proposta a distribuição eletrônica de
das quatro coordenações existentes na
processos judiciais. Além de racionalizar o
unidade – importante destacar que o grau de
procedimento, está mudança propiciou
urgência das ações acompanhadas em cada
economia de recursos, especialmente em
coordenação é diferenciado. As atividades de
termos de papel e de materiais de escritório,

Tópicos em Administração - Volume 5


44

como pastas timbradas, etiquetas, colchetes encaminhamento de subsídios para atuações


e livros de controle. de qualidade por parte dos procuradores. Era
comum a dificuldade das Secretarias de
Considerando o volume significativo do
Estado em cumprir determinações judiciais
arquivo, decidiu-se que a aplicação da
em função do prazo para encaminhamento,
distribuição e da lógica de ordenamento
utilizando-se do suporte físico, das decisões.
eletrônico de arquivos seria implementada a
Além disso, não raras vezes o lapso entre
partir de marcos específicos. Assim, definiu-
solicitação de elementos para subsidiar a
se marcos iniciais para implementação em
defesa e a efetiva chegada das informações à
cada um das coordenações da Procuradoria.
AGE era superior ao prazo judicial.
Na distribuição eletrônica, toda a
Assim, foram estabelecidos fluxos eletrônicos
documentação recebida em meio físico é
com vários órgãos que provaram-se
digitalizada e inserida no fluxo com os demais
funcionais. A maior parte destes, baseado na
arquivos recebidos em meio eletrônico. Para
comunicação por e-mail, mas em outros
realização da distribuição e encaminhamento
casos, alicerçados no compartilhamento de
aos procuradores, bem como para fins de
acesso à sistemas corporativos já
arquivo, optou-se por utilizar,
implementados.
majoritariamente, a rede interna da AGE. Há,
também, na AGE, o VDocs um mecanismo de No que tange à utilização de sistemas de
armazenamento utilizado na AGE, mas que outros órgãos, é fundamental destacar o
por restrições técnicas à época da significado deste compartilhamento, pois,
implementação não atendia à todas as ambas as instituições fizeram concessões
necessidades de forma eficiente. visando o fim último de um Estado
Democrático e a consecução do interesse
Visando organizar a documentação e facilitar
público. A prática mais evidente, na inovação
buscas futuras, padronizou-se a nomenclatura
em questão, envolve a parceria com a SES,
dos arquivos envolvidos, bem como, as
para encaminhamento de decisões e atos
estruturas para disponibilização das pastas
processuais nos casos de judicialização da
administrativas virtuais individuais de cada
saúde, a fim de proteger o bem central da
processo. Importa destacar que para cada
vida, primando o cidadão e sem deixar de
coordenação foi criada unidade de rede
respeitar os interesses estatais. Ainda em
específica, visando garantir a definição de
referência direita à esta iniciativa,
autorizações específicas compatíveis com a
constantemente, busca-se ampliar o leque de
função de cada procurador e servidor. Com a
órgãos com comunicação eletrônica,
distribuição eletrônica, introduziu-se também
prezando sempre pela celeridade e
a comunicação via e-mail desta, dispensando
segurança.
a utilização de antigos cadernos de controle
para comprovação de trâmites internos. Como exemplo, além da SES, já foram
estabelecidas parcerias com inúmeros órgãos
Cabe destacar que todas as etapas da
e entidades, da administração direta e indireta
distribuição são registradas com códigos e
do Estado, como por exemplo, o Detran,
acompanhamentos padronizados no sistema
Secretaria de Educação, Secretaria de Defesa
Tribunus, auxiliando também no controle e na
Social, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros
sistematização do andamentos dos
Militar, Junta Comercial do Estado, Fundação
processos, através da extração de relatórios.
Clóvis Salgado, Loteria Mineira, Secretaria de
A sua utilização é fundamental para obtenção
Governo, Instituto Mineiro de Agropecuária,
de informações gerenciais para
dentre outras, e, também, o Tribunal de
acompanhamento do andamento das
Contas do Estado, que não integra o Poder
atividades no setor.
Executivo.
Concomitantemente, em atendimento às
Durante o processo de implementação da
disposições do já mencionado Decreto
Gestão de Processos os principais obstáculos
Estadual n. 46.739/2015, buscou-se organizar
identificados foram a infraestrutura existente e
a comunicação com os órgãos através de
a resistência à mudança.
canais eletrônicos. Tal medida é vital, não só
pela elevação da agilidade e eficácia da troca Inicialmente, os servidores internos do setor
de informações, mas principalmente porque mostraram-se resistentes às mudanças dos
mitiga um dos principais gargalos procedimentos anteriores, mesmo sendo
identificados na representação dos órgãos do alvos de constantes críticas e
Estado em processos judiciais: o reclamações. Externamente, a relação com os

Tópicos em Administração - Volume 5


45

demais setores da AGE e órgãos e entidades enviados e recebidos, que tramitam de forma
do Estado exigiu especial atenção, vez que física ou virtual. Esses relatórios podem ser
fez-se necessário que estes outros entes trabalhados para atender a demandas
alterassem os seus fluxos internos de trabalho especificas da unidade, podendo servir de
para o estabelecimento das soluções. Nesse insumo para obtenção de informação
transcurso, algumas instituições foram mais gerencial.
abertas, ao passo que, com outras, ainda
Conta-se, também, com relatório elaborado
enfrentam-se dificuldades para viabilização
por outros setores, como, por exemplo, o
de cooperação.
almoxarifado, que consegue medir o
Para sanar tal questão, contou-se com forte quantitativo de materiais de escritório,
apoio da chefia, tanto da unidade, quanto da especialmente pacotes de papel, utilizados
instituição. Além disso, os próprios servidores, pelo setor.
envolvidos no fluxo, após o choque inicial,
Todavia, ainda que dispondo desses
vivenciaram os benefícios da mudança,
mecanismos, não foi possível calcular,
tornaram-se apoiadores do projeto,
todavia, a diminuição do tempo médio de
mobilizando-se para sugerir melhorias
distribuição de processos aos procuradores,
contínuas.
dado que não havia mensuração deste, antes
Com relação à infraestrutura, nota-se da mudança para os fluxos eletrônicos.
escassez geral de recursos, que seriam
Entretanto, anteriormente, com a distribuição
fundamentais para estruturação eletrônica
física, era necessário fotocopiar todos os
ideal. Entretanto, soluções alternativas foram
mandados e seus documentos, montar uma
sendo buscadas, aproveitando-se ao máximo
pasta administrativa, com etiqueta, para cada
os equipamentos e insumos disponíveis.
processo, disponibilizar para o Coordenador,
Buscou-se atuar de forma inovadora e através
que distribuía e devolvia ao setor
de parcerias, apesar da ciência de possíveis
administrativo. Os servidores, então,
avanços nos procedimentos, mediante
lançavam o responsável pelo Tribunus,
aprimoramento na infraestrutura (física e do
registravam cada processo em um livro de
sistema Tribunus), foram feitos apontamentos
protocolo e disponibilizavam para os
em diagnóstico consolidado apresentado à
procuradores. Atualmente, a distribuição é
chefia superior do órgão no fim de 2015.
realizada de forma digital, sendo os
Por fim, no desenvolvimento das atividades, processos distribuídos em um ou dois dias
evidenciou-se a relevância e a necessidade após a confirmação de recebimento de ofício
da gestão do conhecimento e documentação pelo órgão, de forma mais segura e célere.
das boas práticas adotadas. Desta forma,
No que tange ao encaminhamento de
garantiu-se, também, a elaboração de POPs
documentos externos, com os envios físicos,
detalhados e atualizados.
era necessária a confecção e impressão dos
Na próxima seção serão abordados, ofícios e dos documentos, além da sua
detalhadamente, os principais resultados disponibilização para a assinatura da
alcançados. Procuradora-Chefe, que conferia e revisava
todos individualmente. Havia centralização de
atividades com baixa complexidade que se
4.3 IMPACTOS E RESULTADOS confundiam com as prioritárias, além de
ampla carga de retrabalho por ausência de
A implementação do fluxo eletrônico de
padronização.
distribuição e encaminhamento de
documentos tornou mais célere a distribuição Agora, em alguns casos mais simples, que se
dos processos judiciais aos procuradores, as restringem somente a dar ciências aos
solicitações de informações aos órgãos e o órgãos, das decisões, os ofícios saem do
envio de ofícios. próprio e-mail do setor administrativo. Nos
casos mais complexos, os documentos saem
O principal mecanismo para monitoramento e
do e-mail da Procuradora-Chefe que,
avaliação das atividades desenvolvidas é o
rapidamente, os encaminha para os entes
sistema corporativo Tribunus, plataforma
envolvidos. Assim, atualmente, os ofícios são
eletrônica de controle de processos judiciais e
encaminhados em até dois dias úteis a partir
expedientes administrativos da AGE. Através
do recebimento dos mandados pela unidade.
dele, é possível extrair relatórios e verificar o
Antes, com o fluxo físico, esse período era de,
quantitativo de expedientes e processos,
no mínimo, quatro dias úteis.

Tópicos em Administração - Volume 5


46

Além disso, houve redução dos recursos O redesenho dos processos impactou
necessários, como a carga de trabalho dos positivamente a carga de trabalho,
servidores administrativos, o custo com principalmente, administrativa (houve redução
correios e carros, para levar os documentos, e de 5 servidores na consecução dos mesmos
os materiais de escritório, particularmente, a objetivos), assim como promoveu redução
do número de papéis utilizados pela dos custos com materiais de escritório.
Procuradoria de Obrigações, devido à Notáveis, também, os ganhos de eficiência e
implementação do fluxo eletrônico. celeridade propiciados pelas alterações das
rotinas, incorporação do elemento eletrônico e
Segundo dados enviados pelo Almoxarifado
digital, além da padronização e definição de
da AGE, em se tratando de outros materiais
modelos.
de escritório, houve significativa queda do
consumo, para praticamente zero, de capas Significativos resultados foram observados no
para processos, colchetes e etiquetas, período, contudo, ainda há pontos para
utilizados, anteriormente, para a confecção de aprimoramento, especialmente na fase de
pastas administrativas de processos, que monitoramento e refinamento da gestão de
seriam distribuídas aos procuradores. O processos. Nesse sentido, estão sendo
consumo de papel, por sua vez, teve redução propostos novos relatórios capazes de
de aproximadamente 20%. monitorar de forma mais próximas os tempos
médios para realização das atividades,
Atualmente, o volume de tramitações externas
possibilitando, assim, atuação efetiva e
físicas, de envio e recebimento, é em torno de
precisa.
48% menor do que no período anterior à
iniciativa. Segundo relatórios extraídos do Ressalta-se também a infraestrutura precária
Tribunus, foram enviados 25.997 expedientes da instituição como um todo, com um foco
físicos entre junho/14 a maio/15 e 12.863, para os equipamentos e a equipe de
entre junho/15 a maio/16, e recebidos 1.136 informática, que não estão preparados para
expedientes físicos entre junho/14 a maio/15 e atender de maneira ideal as mudanças, no
1.446, entre junho/15 a maio/16. Além disso, o que tange aos novos fluxos eletrônicos. Num
tempo mínimo para encaminhamento de ofício contexto de crise fiscal, busca-se implementar
eletrônicos foi reduzido para um dia. melhorias de forma criativa, não se contando
com a disponibilização, em médio prazo, de
Importa destacar que não houve ônus
recursos humanos e financeiros.
adicional no desenvolvimento das atividades.
A atuação inovadora da reduzida equipe A Assessoria de Planejamento estruturou uma
baseou-se e utilizou-se de recursos já carteira de indicadores da AGE, específica
disponíveis, contudo com propostas para as unidades. Estes serão acompanhados
transformadoras em seu emprego. a partir das metas definidas e a compilação
dos resultados será apresentada à alta
Por fim, o impacto mais significativo foi na
liderança, oferecendo-lhe uma visão analítica
própria cultura organizacional e o fomento à
das atividades.
melhoria contínua. Tanto os servidores
responsáveis, quanto a chefia, foram Além disso, faz-se necessária a expansão das
sensibilizados pelo processo e alteraram suas boas práticas desenvolvidas para outras
posturas, buscando e sugerindo constantes unidades da AGE-MG, especialmente para
aprimoramentos. aquelas dispersas pelo interior do Estado,
com recursos humanos e infraestrutura
limitada. Os principais desafios, então,
5 ANÁLISE DOS RESULTADOS E DESAFIOS remetem ao monitoramento e difusão da
FUTUROS Gestão de Processos.
Diante do exposto, nota-se que a
implementação de processos na unidade de
6 CONCLUSÃO
análise derivou, inicialmente, de uma
deliberação da alta liderança da instituição. O presente artigo apresentou o processo de
Todavia, apesar de inicial resistência à reestruturação administrativa da Procuradoria
mudança, os envolvidos no processo foram, de Obrigação do Estado de Minas Gerais,
gradualmente, integrando-o e atuando com destaque especial para a mudança de
conjuntamente para realização de cultura e para os resultados obtidos sem,
refinamentos constantes. contudo, olvidar os desafios para o
refinamento contínuo. Baseou-se a análise em

Tópicos em Administração - Volume 5


47

dados e observações de todo o período de priorização da implementação nas


implementação, os quais subsidiaram uma coordenações críticas. Apesar das limitações
abordagem acadêmica através do estudo de financeiras e dos obstáculos observados,
caso. houve notáveis resultados positivos. No que
tange aos desafios futuros, versam sobre a
Destaca-se o desenvolvimento das atividades
expansão das boas práticas e ao refinamento
em conformidade com as fases da Gestão de
das melhorias efetuadas no período de
Processos, bem como sua a adaptabilidade à
análise.
situação fática, como por exemplo, na

REFERÊNCIAS
[1]. ABPMP. Guia para o Gerenciamento de [5]. MOTTA, Paulo R. Transformação
Processos de Negócio: Corpo Comum de organizacional: a teoria e a prática de inovar. 1 ed.
Conhecimento (CBOK) - versão 3.0.2013. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001. Disponível em:
Disponível em: < < http://files.finessi.webnode.com.br/200000037-
http://c.ymcdn.com/sites/www.abpmp.org/resource d2d12d3cb3/Transforma%C3%A7%C3%A3o%20O
/resmgr/Docs/ rganizacional%20A%20teroaia%20e%20a%20prati
ABPMP_CBOK_Guide__Portuguese.pdf>. Acesso ca%20de%20inovar.pdf>. Acesso em 31 de maio
em 31 de Maio de 2017. de 2017.
[2]. GESPÚBLICA. Guia de Gestão de [6]. SOARES, Helena T. M. Mudança
Processos de Governo: Áreas de Integração para organizacional e seus impactos no
Governo Eletrônico Arquitetura e-PING de comportamento dos indivíduos. 2007. 169 f.
Interoperabilidade. Brasília: Governo Brasileiro - Dissertação, Faculdades Integradas de Pedro
Comitê Executivo de Governo Eletrônico, 2011. Leopoldo - FIPL, Pedro Leopoldo. 2007. Disponível
Disponível em: < em:
http://gestao.planejamento.gov.br/gespublica/sites/ <http://www.fpl.edu.br/2013/media/pdfs/mestrado/d
default/files/documentos/ issertacoes_2007/dissertacao_helena_teixeira_mag
guia_de_gestao_de_processos_de_governo_0.pdf alhaes_soares_2007.pdf> Acesso em 31 de maio
>. Acesso em 31 de maio de 2017. de 2017.
[3]. MINAS GERAIS. Decreto Estadual nº [7]. VENTURA, Magda Maria. O Estudo de
46.739, de 10 de abril de 2015. Dispõe sobre a Caso como Modalidade de Pesquisa. Revista
prestação de informações pelos órgãos e SOCERJ. Rio de Janeiro, v. 1, p. 383-386, set./out
entidades da Administração Pública estadual para 2007. Disponível em:
a defesa do Estado em juízo e dá outras <http://www.rbconline.org.br/wp-
providências. Disponível em < content/uploads/a2007_v20_n05_art10.pdf>.
http://www.age.mg.gov.br/images/stories/download Acesso em 30 maio 2017.
s/ decretos/decreto-46739-a1.pdf >, acesso em 20
[8]. YIN, Robert K. Estudo de Caso:
maio 2017.
Planejamento e Métodos. 2 ed. Porto Alegre:
[4]. MORENO, Valter; SANTOS, Lúcia Helena Bookman, 2001. Disponível em:
A. Gestão do conhecimento e redesenho de https://saudeglobaldotorg1.files.wordpress.com/20
processos de negócio: proposta de uma 14/02/yin-metodologia_
metodologia integrada. Perspectivas em Ciência da_pesquisa_estudo_de_caso_yin.pdf>. Acesso
da Informação, v. 17, n. 1, p. 203-230, jan./mar. em 30 maio 2017.
2012. Disponível em: <
http://www.scielo.br/pdf/pci/v17n1/a12v17n1.pdf>.
Acesso em 31 de maio de 2017.

Tópicos em Administração - Volume 5


48

Capítulo 5
Natasha de Araujo Cezar
Daniela Althoff Philippi

Resumo: A prática do desenvolvimento sustentável (DS) nas organizações ainda


requer muitos estudos. Comumente as organizações mantém em seus discursos a
busca pela sustentabilidade que nem sempre condizem com a prática. O conceito
originou-se de concepções restritas do desenvolvimento, limitando-se ao
econômico, influenciando a existência de problemas de ordem ambiental e social.
Para uma organização ser sustentável é necessário que procure em todos os seus
processos a ecoeficiência e ser socialmente responsável. Em estudo exploratório,
com base na literatura sobre o tema e a sua prática em Organizações Militares,
verificou-se carência de estudos com essa temática no Exército Brasileiro. Diante
disso, a pesquisa objetivou descrever os principais aspectos relativos à
sustentabilidade na gestão de uma OM situada no estado do Mato Grosso do Sul.
Quanto aos procedimentos metodológicos, a pesquisa foi qualitativa e do tipo
estudo de caso. As fontes de dados foram documentos referentes à gestão
ambiental da OM, entrevista com o principal responsável no que se refere às
dimensões da sustentabilidade e a observação não participante. Como principais
resultados, evidenciaram-se as ações da OM voltadas às dimensões social,
econômica e ambiental do DS, que foram descritas como proposto. Observou-se
algo peculiar neste tipo de organização no que se refere à sua missão institucional
que, por natureza, traz em seu bojo a dimensão social. Contudo, alguns processos
relacionados ao DS merecem revisão ou aprimoramento, especialmente quanto à
dimensão ambiental, o que já está sendo trabalhado dentro da OM, conforme prevê
o seu plano de gestão ambiental.

Palavras-chave: Gestão Ambiental, Sustentabilidade, Desenvolvimento Sustentável,


Organização Militar.

Tópicos em Administração - Volume 5


49

1 INTRODUÇÃO percepções da gestão ambiental no exército


brasileiro.
O conceito de Desenvolvimento Sustentável
origina-se no debate internacional Desta maneira, verificou-se que nenhum dos
fundamentado em críticas a percepções estudos contemplou especificamente
restritas do desenvolvimento, limitando-se processos de serviços militares de uma
muitas vezes apenas ao desenvolvimento organização sob a ótica da sustentabilidade
econômico, o que tem contribuído para a na sua plenitude, pois as pesquisas
maior ocorrência de desastres ambientais e encontradas concentram-se na dimensão
para o aumento das desigualdades sociais ambiental, sem, contudo evidenciar as demais
(Van Bellen, 2002; Philippi e Edrmann, 2008). dimensões da sustentabilidade.
Tais problemas têm, conforme Philippi e
Entende-se que organizações militares
Erdmann (2008), levado a novas concepções
brasileiras devam seguir o propósito das
do desenvolvimento, incluindo no seu bojo
legislações ambientais específicas, contudo,
outras dimensões, como a social e a
dada a relevância do tema sustentabilidade
ambiental, entre outras, além da econômica.
nas organizações, observando-se também as
Para a UNEP (2007) e Coral (2002) a
outras dimensões e a busca da harmonia
sustentabilidade compõe-se
entre elas, a pesquisa ora descrita apresentou
fundamentalmente nas dimensões:
como problema a ser estudado: ‘como é a
econômica, social e ambiental, o que se
sustentabilidade na gestão de uma
convencionou denominar de triple bottom line
Organização Militar, situada no estado do
como um ideal a ser perseguido por diversos
Mato Grosso do Sul’?
setores da sociedade, incluindo-se as
organizações.
Desta maneira, o descaso com a 2 SUSTENTABILIDADE
sustentabilidade constitui um dos principais
As ideias direcionadas a um desenvolvimento
problemas enfrentados pela humanidade e,
que respeite o meio ambiente foram
assim, organizações, civis ou militares,
amplamente propagadas a partir da
públicas ou privadas devem estar
Conferência das Nações Unidas para o Meio
direcionadas a ela. De acordo com Viterbo
Ambiente Humano realizada em Estocolmo
Junior (1998, p.15), “o sistema de gestão da
em 1972 (SACHS, 1986). A expressão
organização é a base para o estabelecimento
desenvolvimento sustentável (DS) começou a
de um método de gerenciamento que vise à
ser utilizada no final da década de 1970 e
melhoria contínua dos resultados e promova o
decolou a partir dos trabalhos da Comissão
desenvolvimento sustentável”.
Mundial sobre Meio Ambiente e
A pesquisa orientou-se no que defendem Desenvolvimento, conhecida como Comissão
Pereira, Silva e Cabornari (2011) para quem a Brundtland – Nosso Futuro Comum –, criada
sustentabilidade só é possível quando cada em 1983 pela Assembleia Geral da
dimensão recebe atenção nas mesmas Organização das Nações Unidas (ONU). No
proporções e são examinadas Relatório de Brundtland (1987) o DS é
separadamente, atentando-se também ao que concebido como o desenvolvimento que
apregam Coral (2002) e Dias (2011) de que o satisfaz as necessidades presentes, sem
fundamental é que haja um equilíbrio e comprometer a capacidade das gerações
permanente entre elas. Tendo em vista o tema futuras de suprir suas próprias necessidades.
relacionado aos processos de O relatório faz referência à incompatibilidade
sustentabilidade e organizações e que houve no DS e aos padrões de produção e de
a possibilidade de realizar pesquisa em uma consumo vigentes. Ainda, segundo o mesmo
organização militar. Inicialmente, buscou-se Relatório, há uma série de medidas que
na literatura a existência de estudos em devem ser tomadas pelos países para o
organizações deste tipo envolvendo a desenvolvimento sustentável, dentre as quais
temática. Foram identificadas pesquisas como podem ser destacadas: limitação do
a de Rosa (2014) que aborda as implicações crescimento populacional; garantia de
da legislação ambiental para o exército recursos básicos (água, comida, energia) em
brasileira; a de Perezino (2014) que apresenta longo prazo; preservação da biodiversidade e
enfoque na evolução da legislação ambiental dos ecossistemas; diminuição do consumo de
contemporânea e seus reflexos sobre o energia e desenvolvimento de tecnologias
exército brasileiro do século XXI e, ainda, a de com uso de fontes energéticas renováveis;
Neves (2011), cujo foco foi nas ações e aumento da produção industrial nos países

Tópicos em Administração - Volume 5


50

não industrializados com base em tecnologias sustentabilidade combinam conhecimento,


ecologicamente adaptadas; controle da habilidades e características pessoais e
urbanização desordenada e integração entre reúnem um conjunto de conhecimentos da
campo e cidades menores; adoção da gestão socioambiental como o conjunto de
estratégia de desenvolvimento sustentável procedimentos visando à execução e controle
pelas organizações; banimento das guerras; e de ações objetivando o DS.
implantação de um programa de DS pela
ONU.
2.1 OS PILARES DA SUSTENTABILIDADE
O conceito de desenvolvimento sustentável
deve ser assimilado pelas lideranças de uma No art. 225 da Constituição Federal Brasileira
empresa como uma nova forma de produzir de 1988 constam que “todos têm direito ao
sem degradar ao meio ambiente, estendendo meio ambiente ecologicamente equilibrado,
essa cultura a todos os níveis da organização, bem de uso comum do povo e essencial à
para que seja formalizado um processo de sadia qualidade de vida, impondo-se ao
identificação do impacto da produção da poder público e à coletividade o dever de
empresa no meio ambiente e resulte na defendê-lo e preservá-lo para as presentes e
execução de um projeto que alie produção e futuras gerações” (BRASIL, 1988). Ao se
preservação ambiental, com uso de planejar e executar suas ações, os governos,
tecnologias adaptada a esse preceito as empresas e as organizações têm que
(RELATÓRIO DE BRUNDTLAND, 1987). considerar o equilíbrio entre os seguintes
aspectos no processo de tomada de
Os avanços tecnológicos tornaram cada vez
decisões: econômicos (crescimento e
mais curto o tempo para que o impacto sobre
desenvolvimento da economia); sociais
o meio ambiente e a sociedade fosse
(atendimento das necessidades humanas) e
plenamente sentido (ALMEIDA, 2002). O autor
ambientais (capacidade de regeneração,
ainda completa que a empresa que quer ser
recuperação do ambiente natural). Para
sustentável inclui entre seus objetivos o
Pereira; Silva; Carbonari (2011, p.71) a ideia é
cuidado com o meio ambiente, o bem-estar
de que o “desenvolvimento e o crescimento
do stakeholders e a constante melhoria da
de um país sejam capazes de assegurar o
sua própria reputação. Araújo (2008, p.22)
mínimo de qualidade de vida para todas as
afirma que “o desenvolvimento sustentável é
pessoas, ao mesmo tempo em que seja
definido pela Conferência Rio 92 como aquele
garantida maior proteção ao meio ambiente”.
que satisfaz as necessidades sem
O DS está assim fundamentado em três
comprometer a capacidade das futuras
dimensões (econômica, ambiental e social),
gerações a satisfazer as suas próprias”.
que consistem nos pilares da
Fialho et al. (2008) complementam que as
sustentabilidade, visualizados na figura 01.
competências voltadas para a

Figura 01 – O tripé da sustentabilidade

Fonte: adaptado de Coral (2002)

Tópicos em Administração - Volume 5


51

Para que o resultado seja possível, cada modificar qualquer um de seus processos de
dimensão deve receber a mesma atenção e produção. Segundo Aligleri; Aligleri;
examinada separadamente (PEREIRA; SILVA; Kruglianskas (2009, p.116), “uma gestão
CARBONARI, 2011) e, segundo os autores: responsável e sustentável é construída pelas
(1) a perspectiva social enfatiza a presença pessoas e a forma como a empresa interage
do ser humano na terra, principal com seus colaboradores pode impactar mais
preocupação é o bem-estar humano e a no comprometimento, empenho e satisfação
qualidade de vida. O social diz respeito ao do que um bom salário” e, ainda afirmam que
processo de desenvolvimento que leve a um é o bom ambiente de trabalho e a maneira
crescimento estável com distribuição de como as organizações tratam as pessoas,
renda igualitária; (2) a perspectiva econômica sejam elas público interno ou sociedade em
relaciona a alocação e a gestão mais eficiente geral, que abrem oportunidades para o
dos recursos com o fluxo regular do crescimento da sustentabilidade.
investimento público e privado; (3) a
Na dimensão social, Araújo (2008, p.109)
perspectiva ambiental tem como principal
destaca que o conceito de responsabilidade
preocupação os impactos das atividades
social é essencialmente baseado na “iniciativa
humanas sobre o meio ambiente. Dias (2011)
das empresas em contribuir com o
afirma que o mais importante na abordagem
desenvolvimento da sociedade em termos
dessas três dimensões da sustentabilidade
socioambientais, inspiradas por uma tradição
empresarial é o equilíbrio dinâmico necessário
de auto regulação e autodisciplina”.
e permanente que devem ter, e que tem que
ser levado em consideração pelas Sobre o pilar ambiental, Seifert (2011) afirma a
organizações. O tema, contudo, segundo gestão ambiental, bem como o DS,
Philippi e Erdmann (2008), embora esteja amadureceram nas últimas décadas e, para
presente nos discursos empresariais, nem se obter a harmonia, tem-se que lidar com
sempre está devidamente inserido na prática situações extremamente complexas,
organizacional, o que, mormente, caracteriza envolvendo uma realidade problemática e
a sua apropriação indevida. cujas condições necessitam ser melhoradas.
Para o mesmo autor (p.46) o contexto de
No âmbito empresarial, as três dimensões da
gestão ambiental “não é apenas uma
sustentabilidade se identificam com o
atividade filantrópica ou tema para
conceito de Triple Bottom Line (DIAS, 2011).
ecologistas e ambientalistas, mas também
O termo é adotado para enfatizar a
uma atividade que pode propiciar ganhos
importância da busca pela sustentabilidade, o
financeiros para as empresas”. O que se
que implica que as organizações tenham que
evidencia é que a legislação ambiental existe
alterar a sua abordagem econômica
para patrocinar as soluções sustentáveis
tradicional, incluindo as dimensões ambiental
estimulando as empresas que se adotam e
e social, tonando-se mais sustentáveis (UNEP,
punindo as que se beneficiam dos custos de
2007). “No Brasil é conhecido como o tripé da
produção mais baixos por não investirem na
sustentabilidade, que tanto pode ser aplicado
proteção. Uma economia sadia não resiste
de maneira macro, para um país ou o próprio
sem investimento na área ambiental (ROBLES
planeta, como micro, em uma residência, uma
JR; BONELLI, 2006).
empresa, uma escola ou uma pequena vila”
(DIAS, 2011, p.46). “Sendo assim, acredita-se que a grande
maioria dos impactos negativos provocados
pelas indústrias se deve, fundamentalmente,
2.2 GESTÃO EMPRESARIAL E ao fato da inexistência de um modelo de
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (DS) gestão ambiental” (REIS; QUEIROZ, 2002,
p.70). Lima (2008) destaca que gestão
Afonso (2006, p.60) explica que a busca da
ambiental deve ser precedida por uma
sustentabilidade requer estratégias de
política de meio ambiente que organize e
planejamento de longo prazo, completando
ponha em prática as diversas ações que
ao mencionar que “planejar é buscar
visem o atendimento das demandas sociais e
racionalmente uma situação melhor que a
principalmente de proteção ambiental. Seifert
atual, evitando ou minimizando problemas e
(2011) ainda afirma que na gestão ambiental,
aproveitando possíveis benefícios”, e conclui
tanto de nível público quanto privado,
afirmando que a grande maioria das
constituem-se em sistemas que incluem a
empresas tem incorporado o conceito de
estrutura organizacional, atividades de
sustentabilidade a seu discurso sem, contudo,
planejamento, responsabilidade, práticas,

Tópicos em Administração - Volume 5


52

procedimentos, processos e recursos para organizações de catadores; (4) a logística


desenvolver, implementar, atingir, analisar reversa, que determina que fabricantes,
criticamente e manter a política ambiental. importadores, distribuidores e vendedores
realizem o recolhimento de embalagens
Neste ínterim, a boa gestão ambiental alinha-
usadas; (5) a responsabilidade compartilhada
se ao pilar econômico à medida que se
entre sociedade, empresas e governo na
concentra no fornecimento de bens e
gestão dos resíduos sólidos; e por fim (6) a
serviços, a preços competitivos, que
responsabilidade das pessoas de
satisfaçam as necessidades humanas e
acondicionar de forma adequada o lixo para o
tragam qualidade de vida, ao mesmo tempo
seu recolhimento, devendo fazer a separação
em que reduzem progressivamente o impacto
onde houver a coleta seletiva.
ambiental, caracterizando a empresa, desta
forma, como uma organização ecoeficiente
(VILELA JR; DEMAJOROVIC, 2006).
3 METODOLOGIA
Quanto aos procedimentos técnicos optou-se
2.3 LEGISLAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS pelo estudo de caso, pois, para Jung (2004,
p.54), é “um procedimento de pesquisa que
Lima afirma que “a gestão de resíduos sólidos
investiga um fenômeno dentro do contexto
abrange atividades referentes à tomada de
local, real e especialmente quando os limites
decisões estratégicas com relação aos
entre fenômeno e o contexto não estão
aspectos institucionais, administrativos,
claramente definidos”. Através dele é possível
operacionais, financeiros e ambientais” (LIMA,
descrever um sistema de produção ou técnico
2008, p.21). E o termo gerenciamento de
no âmbito particular ou coletivo, sendo uma
resíduos sólidos refere-se aos aspectos
importante ferramenta para os pesquisadores
tecnológicos e operacionais e ao
que buscam entender “como” e “por que”
desempenho da produtividade e qualidade, e
funcionam os procedimentos. Considerou-se
relaciona à prevenção, redução, segregação,
o estudo de caso o método mais adequado,
reutilização, acondicionamento, coleta,
uma vez que a pesquisa buscou investigar
transporte, tratamento e destinação final dos
como a sustentabilidade está presente na
resíduos sólidos (LIMA, 2008).
gestão de uma OM, o que requereu
Com relação aos resíduos, tramitou por mais procedimentos para a coleta de dados que
de 20 anos no Congresso Nacional o Projeto permitissem o necessário aprofundamento. A
de Lei 354/1989, por intermédio da Lei 12.305 pesquisa caracterizou-se ainda como de
de 2010, que criou a Política Nacional de natureza qualitativa, pesquisa que, de acordo
Resíduos Sólidos, que integra a Política com Michel (2009), é aquela que possui uma
Nacional do Meio Ambiente e articula-se com relação dinâmica, particular, contextual e
a Política Nacional de Educação Ambiental e temporal entre o pesquisador e o objeto de
com a Política Federal de Saneamento Básico. estudo e, por isso, carece de uma
interpretação dos fenômenos à luz do
Considera-se resíduo solido o material,
contexto. As fontes de coleta de dados foram
substância, objeto ou bem descartado
pesquisa documental, entrevista e
resultante de atividades humanas em
observação.
sociedade, a cuja destinação final se propõe
proceder ou se está obrigado a proceder, nos Rampazzo (2013, p.52) explica que a
estados sólidos ou semissólido, bem como pesquisa documental busca informações na
gases contidos em recipiente e líquidos cujas fonte primária: “Algumas pesquisas
particularidades tornem inviável o seu elaboradas a partir de documentos são
lançamento na rede pública de esgotos ou em importantes não porque respondem
corpos d’água, ou exijam para isso soluções definitivamente a um problema, mas porque
técnica ou economicamente inviáveis em face proporcionam melhor visão desse problema”.
da melhor tecnologia disponível (AMADO, Assim, os documentos consultados foram
p.865, 2014). referentes à sustentabilidade, aos objetivos
setoriais e a normas e procedimentos
O autor ainda destaca as principais inovações
vinculados ao DS, tais como o plano de
referente à Lei dos Resíduos Sólidos: (1) a
gestão ambiental, o regulamento interno de
proibição dos lixões; (2) a atribuição de
serviços gerais e as instruções reguladoras.
responsabilidade às indústrias pela
destinação dos resíduos sólidos que Segundo Gressler (2007), a entrevista
produzem; (3) a inclusão social das consiste em uma conversação envolvendo

Tópicos em Administração - Volume 5


53

duas ou mais pessoas com o propósito de se 4.1 O EXÉRCITO BRASILEIRO (EB) E A


obter informações para uma investigação, ORGANIZAÇÃO MILITAR (OM) ESTUDADA
contudo não é somente uma simples
A missão e a visão do EB compreendem
conversa, porém uma conversa orientada
contribuir para a garantia da soberania
para um objetivo definido. Inicialmente foi
nacional, dos poderes constitucionais, da lei e
aplicada uma entrevista com o Tenente e
da ordem, salvaguardando os interesses
Gestor Ambiental da OM estudada, com o
nacionais e cooperando com o
objetivo de conhecer de forma geral a
desenvolvimento nacional e o bem-estar
organização, seus setores, a política e os
social. Para isso, preparar a Força Terrestre,
procedimentos voltados à sustentabilidade e
mantendo-a em permanente estado de
direcionar a coleta de dados das diferentes
prontidão (Ministério da Defesa, 2016). A OM
fontes.
estudada integra, em Mato Grosso do Sul, o
A observação tem como principal objetivo Comando Militar do Oeste (CMO), que tem a
registrar e acumular informações, devendo missão de atuar na defesa da Pátria, dissuadir
ser controlada e sistemática, além de ameaças aos interesses nacionais e, em
possibilitar contato pessoal e estreito do situação de guerra ou conflito externo,
investigador com o fenômeno pesquisado. conduzir a campanha militar terrestre para
Marconi e Lakatos (2011) explicam que na neutralizar agressão ou ameaça a soberania e
observação não participante o pesquisador garantir a integridade territorial, o patrimônio e
entra em contato com a comunidade, grupo os interesses vitais do Brasil. Na garantia dos
ou realidade estudada, sem integrar-se a ela. poderes constitucionais, da lei e da ordem,
“Apenas participa do fato, sem participação manter-se em condições de ser empregado,
efetiva ou envolvimento, age como por ordem do Presidente da República, na
espectador” (MARCONI; LAKATOS, 2011, forma da lei, em situação emergencial e
p.279). O foco da observação foram temporária, depois de esgotados os
procedimentos vinculados à sustentabilidade. instrumentos constitucionais responsáveis.
Contudo, nem todos os procedimentos e Ficar em condições de participar de
observações puderam ser registrados em operações internacionais, de acordo com os
diário de campo, pois não houve autorização interesses do País. O CMO é presença
para a observação e consequente registro soberana na fronteira oeste (COMANDO
dos procedimentos referentes às questões MILITAR DO OESTE, 2017).
ambientais.
A OM iniciou as suas atividades em 06 de
Para Gil (2010) a análise e interpretação dos outubro de 1942, e é formada por
dados é um processo que nos estudos de aproximadamente 638 militares. A OM tem a
caso se da simultaneamente à sua coleta. “A incumbência de apoiar a população
rigor, a análise se inicia com a primeira principalmente em momentos de calamidade
entrevista, a primeira observação e a primeira ou ainda no desenvolvimento da região. E em
leitura de um documento” (GIL, 2010, p.122). tempos de paz forma reservistas – aptos a
A finalidade da pesquisa cientifica, mais do defender a pátria – mas principalmente
que relatar ou descrever os dados forjando o caráter dos jovens para que
empiricamente, é desenvolver um caráter retornem ao seio da sociedade, cidadãos
interpretativo quanto aos dados obtidos. conscientes de seus deveres e produtivos
Assim, os conteúdos foram separados e para a sociedade.
classificados, conforme o problema de
pesquisa, e, então, foram interpretados e
relacionados à base teórica. 4.2 GESTÃO AMBIENTAL E O EXÉRCITO
BRASILEIRO
O EB é um órgão público e ao realizar suas
4 ANÁLISE DOS RESULTADOS
atividades ou administrar patrimônio tem o
A seguir apresentam-se os resultados da dever de cumprir todas as normas e direitos
pesquisa. Inicialmente, abordam-se aspectos ambientais cabíveis. A instituição em toda a
específicos do Exército e da OM, a gestão sua existência sempre tomou as medidas
ambiental e, então, descrevem-se os necessárias para a proteção e prevenção do
resultados sobre as dimensões do DS. meio ambiente (PEREZINO, 2014). A proteção
ao meio ambiente no Exército teve seu marco
inicial com a aprovação do Sistema de
Planejamento do Exército (SIPLEx) no ano de

Tópicos em Administração - Volume 5


54

1985. Desde então a organização passou a relação à sociedade. A OM possui estreita


abordar a Política de Gestão Ambiental. Neste ligação com entidades públicas e privadas da
sentido foram expedidas normas cidade, oferecendo diversos tipos de apoio
administrativas com o intuito de adequar o em prol do desenvolvimento sociocultural e
comando do exército aos ditames da ambiental da comunidade (Ten. Gestor
legislação ambiental. No ano de 2001, o Ambiental, 2016). Igualmente, seu papel
Comando do Exército expediu dois maior é revelado ao se verificar que há
normativos de alta relevância no quesito à também formas de apoio à sociedade
proteção ambiental, a portaria 570 que (comunidade local) em casos de desastre
aprovou a Política de Gestão Ambiental no com danos materiais e pessoais. A OM
Exército (PGAEB), e a portaria 571 na qual se desenvolve ações de apoio logístico, apoio à
refere à Diretriz de Gestão Ambiental do saúde pública em conjunto com a prefeitura,
Exército (DGAEB). apoio à população com emprego de
passadeira de alumínio em caso de
O Sistema de Gestão Ambiental do EB
alagamento, dentre outros vários apoios que
(SIGAEB) possui uma estrutura complexa que
têm a finalidade de complementar atividades
envolve os órgãos do mais alto escalão do EB
em que sejam necessárias a presença da OM
até os comandos militares e regiões militares.
com a população local, desde a presença da
Dessa forma, o SIGAEB é complementado
banda em festividades até como a utilização
pelos Planos de Gestão Ambiental de cada
de botes para procissão fluvial (Ten. Gestor
unidade espalhada dentro do território
Ambiental, 2016). Nesse intuito, Araújo (2008)
nacional (ROSA, 2014). O art. 10 da portaria
ressalta a necessidade da organização de
001⁄2011, referente às instruções
exercer uma função social, onde o mesmo faz
reguladoras, mostra que o Sistema de Gestão
questionar a cerca do verdadeiro conceito,
Ambiental do EB envolve as etapas de
revela o próprio questionamento sobre a
planejamento, implementação e operação,
responsabilidade social.
verificação e análise critica, e ação corretiva.
Na dimensão econômica, há na OM, estrutura
específica, representada pelo setor financeiro.
4.3 SUSTENTABILIDADE NA OM O setor é responsável por todo o controle de
materiais, bens e serviços que a organização
Na dimensão social, verificou-se que na OM
consome. Esse controle é efetivado sempre
há uma estrutura e cuidados relativos à saúde
tomando por base qual a linha de ação menos
e segurança no trabalho. A seção de saúde, é
impactante, tanto no aspecto econômico
uma área sensível à reutilização de resíduos
quanto ambiental e social. Ações como a
proveniente de suas atividades, atua com
conscientização dos soldados incorporados
ações em prol do meio ambiente como a
pelo alistamento militar sobre a importância
destinação do lixo produzido para a
de não desperdiçarem água e comida, sobre
separação depois de coletados, os rejeitos
a conservação dos materiais que lhe são
hospitalares passam por um tratamento que
disponibilizados, tudo isso gera economia,
elimina os seus riscos de contaminação.
tanto de recursos naturais quanto de dinheiro,
Dessa forma é possível evitar acidentes de
além de criar a mentalidade de
trabalho e contribuir para a saúde da
sustentabilidade, que o soldado levará para o
população (Ten. Gestor Ambiental, 2016).
seu ambiente familiar e social, fora da OM,
A saúde e segurança no trabalho abrange podendo disseminar as boas práticas
praticamente toda atividade militar. Desde a aprendidas durante seu serviço militar (Ten.
exigência de uma ficha de gerenciamento de Gestor Ambiental, 2016). Notou-se, pois, uma
risco para qualquer instrução militar, até a peculiaridade da forte ligação do setor
utilização de Equipamento de Proteção financeiro da OM (que mais atende na
Individual (EPI) em qualquer atividade, organização a dimensão econômica) com a
conforme a periculosidade, e também como a dimensão ambiental e também com a
utilização de toucas, luvas e máscaras para o dimensão social.
manuseio de alimentos na área de
No que se refere à dimensão ambiental, a OM
aprovisionamento (Ten. Gestor Ambiental,
possui um plano de gestão ambiental que tem
2016).
o objetivo de auxiliar o Comandante na
Além disso, verificou-se a particularidade de tomada de decisões que permitam adequar a
que a dimensão social está diretamente estrutura e o funcionamento das atividades
inserida na missão maior da instituição em dentro da OM às normas estabelecidas no

Tópicos em Administração - Volume 5


55

RISG, sugeridos à luz da atual legislação água e outros recursos, havendo a filtragem
ambiental brasileira, observadas as da real necessidade de descartar materiais
particularidades, potencialidades e antigos, mas que estejam em bom estado de
possibilidades especiais da OM. Os planos funcionamento, para que se evite o
são: tratamento de resíduos sólidos, desperdício em todos os sentidos, além de
preservação da flora e fauna, arborização, medidas para que se previna o desgaste
iluminação, saneamento, abastecimento e prematuro dos materiais, que geraria uma
utilização de recursos, manejo de produtos demanda por novos materiais e
com alta periculosidade, educação ambiental, consequentemente, possível desperdício.
e monitoramento das atividades de proteção Todas essas ações são gerenciadas para
ambiental (Ten. Gestor Ambiental, 2016). controlar o que está sendo consumido dentro
da OM e há militares responsáveis, dos
Quanto à estrutura organizacional da OM,
setores de fiscalização, para impedir que
mais relacionada à gestão ambiental, existe
gastos excessivos sejam autorizados (Ten.
um oficial responsável por essa gestão, ligado
Gestor Ambiental, 2016). Desta forma,
à 4ª Seção e a mesma também é responsável
percebe-se que a estrutura e a política da OM
pelo controle financeiro da OM. A 5ª Seção é
relativa à dimensão ambiental, condiz com o
responsável pelas ações sociais (Ten. Gestor
que assevera Seifert (2011), o que denota
Ambiental, 2016). Além de responsável
presença efetiva desta dimensão.
específico pela sustentabilidade ambiental, a
OM exerce diversas as funções de O material consumido na organização passa
sustentabilidade social e econômica, dentre por um controle, realizado pela fiscalização:
essas ações podemos destacar (Ten. Gestor sobras de alimentos, combustíveis que
Ambiental, 2016): (1) promover atividades que poderiam estão sendo utilizados e não estão
valorizem o conhecimento sobre o ambiente tudo é relacionado e não deve haver nenhum
natural regional e os recursos ambientais da tipo de descontrole na utilização desses
OM; (2) uso de tratamento e de reutilização da materiais, para não gerar ônus para OM e
água; (3) fiscalizar e proibir o uso de aumentar a sustentabilidade no
herbicidas persistentes na limpeza de áreas desenvolvimento das atividades (Ten. Gestor
pavimentadas com escoamento para galerias Ambiental, 2016). Percebe-se, novamente,
pluviais, cursos d’água e rede de esgotos, forte relação entre as dimensões econômica e
bem como dos inseticidas ou quaisquer ambiental. Contudo, em todas as visitas feitas
outros produtos tóxicos no controle de seres a OM, por meio de observações, verificou-se
vivos sem o acompanhamento de pessoal a utilização de copos descartáveis para água
competente; (4) realizar reflorestamento por e café pelos militares, o que poderia se foco
estaquia, quando necessário, com espécies de mudança para a redução de impactos
apropriadas nas vertentes principais e sujeitas negativos ao meio ambiente. O artigo 286 do
a erosão laminar ou em sulcos erosivos já Regulamento Interno de Serviços Gerais
estabelecidos, nas margens e em pontos (RISG) enseja a continuidade ao tradicional
abertos na mata ciliar dos arroios e em torno zelo e à salutar convivência do militar com o
de lagos naturais ou artificiais; (5) promover a meio ambiente, o controle ambiental, no
separação do lixo seco – papéis, vidros, âmbito da unidade, visa orientar,
plástico, metais – do orgânico em todas as educativamente e preventivamente, todos os
áreas de responsabilidade da OM; (6) integrantes da OM sobre os cuidados e o
reciclagem diária do lixo sólido; e (7) observar respeito à natureza, na execução de
a destinação dos resíduos especiais da atividades diárias e operacionais.
Seção de Saúde da OM.
Sobre os resíduos sólidos, a OM possui uma
Não obstante, há uma divulgação dos ação contínua no tratamento de resíduos
assuntos relativos ao meio ambiente e sólidos, com importantes atitudes para evitar
sustentabilidade para os militares desta OM, problemas relacionados à disposição
assim os militares divulgam esse inadequada do lixo já tomadas, como a
conhecimento no meio familiar e social, inclusão da OM no sistema público de coleta
possibilitando um maior conhecimento por (item I, art. 294, RISG) e a eliminação dos
parte da população (Ten. Gestor Ambiental, depósitos de resíduos a céu aberto (item II,
2016). Há, ainda, o desenvolvimento da art. 294, RISG), entendido como resíduos não
mentalidade para a conservação dos recursos orgânicos (Ten. Gestor Ambiental, 2016). A
naturais, através de medidas de OM promove ainda ação em apoio à
conscientização quanto ao desperdício de prefeitura municipal no auxílio de viaturas com

Tópicos em Administração - Volume 5


56

caçambas para a coleta de pneus em sólido. Contudo, evidenciou-se que a


borracharias e empresas, para que seja feito destinação dos resíduos da Seção de Saúde
o armazenamento, a reutilização e e refeitório pode ser ainda melhorada.
reaproveitamento dos mesmos (Ten. Gestor
No que se refere à dimensão social, cuja
Ambiental, 2016).
principal preocupação é o bem-estar humano
O Tenente entrevistado pontuou também e a qualidade de vida (PEREIRA; SILVA;
outras atividades relacionadas na qual é de CARBONARI, 2011), verificaram-se ações
função da OM, como: (1) promover a externas, internas e externas e internas.
separação do lixo seco (papeis, vidro, Externamente, há ações como palestras de
plástico e metais) do orgânico em todas as militares em escolas municipais proporcionam
áreas de responsabilidade da OM; (2) um maior conhecimento sobre a OM. Além do
observar a destinação dos resíduos especiais Pelotão Esperança (parceria entre a prefeitura
da seção de saúde; (3) verificar a e a OM) e formas de apoio à sociedade em
possibilidade da execução da coleta seletiva caso de desastres com danos materiais e
do lixo pela prestadora responsável; (4) não pessoais. Externamente e internamente, há o
incinerar o lixo orgânico, como os restos desenvolvimento da mentalidade para a
vegetais de aparas de grama, buscando o conservação dos recursos naturais, através
aproveitamento da matéria na adubação de medidas de conscientização quanto ao
orgânica de eventuais cultivos; (5) executar desperdício de água e outros recursos.
rigoroso acompanhamento da destinação final Internamente, os militares utilizam os EPIs em
dos óleos lubrificantes e combustíveis, atividades que oferecem risco e cuidados
verificando o cumprimento da legislação em relativos à saúde, considerando a existência
vigor que recomenda a coleta direta pelos do ambulatório. Também no que concerne à
fornecedores comerciais dos produtos; (6) dimensão social, no sentido de reduzir
promover o aproveitamento de papeis, metais consideravelmente as diferenças sociais
e outros materiais reutilizáveis; (7) não (SACHS, 1986) e prezar pelo crescimento
enterrar resíduos sólidos sob quaisquer estável com distribuição de renda igualitária
circunstâncias; e (8) recolher os resíduos (PEREIRA; SILVA; CARBONARI, 2011),
(comuns e do posto de saúde) e destiná-los verificou-se que não existem ações em longo
aos aterros controlados, conforme normas do prazo que busquem atender a tais objetivos
município. para a sociedade em âmbito geral, tal objetivo
limita-se a geração de renda para os próprios
A OM, por ser um órgão público, não possui
militares.
nenhuma forma de geração de receita, porém
existe o reaproveitamento de materiais, por A dimensão econômica, na busca pela gestão
meio da reciclagem de alguns que estejam mais eficiente dos recursos (SACHS, 1986) e
inutilizados, mas não com o fim de gerar por requerer que a eficiência econômica não
receitas, mas para atender as necessidades deva ser avaliada apenas com base na
internas da OM (Ten. Gestor Ambiental, 2016). lucratividade, mas levar em conta aspectos
macrossociais (PEREIRA; SILVA;
Por fim, a dimensão ambiental, associada à
CARBONARI, 2011), é evidenciada na OM na
busca do equilíbrio da natureza, da
promoção do aproveitamento de papéis,
preservação dos recursos energéticos e
metais e outros materiais reutilizáveis, e,
naturais, da redução dos impactos negativos
mesmo que inexistindo formas de geração de
das atividades humanas sobre o meio
receita, há o reaproveitamento de alguns
ambiente e da utilização de recursos não
materiais para atender as necessidades
renováveis e da emissão de poluentes
internas da OM.
(PEREIRA; SILVA; CARBONARI, 2011) e à
busca do manejo adequado e não prejudicial
de resíduos e do alcance de uma economia
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
de recursos substancial (MARSHALL JR. et.
al., 2009, p.85) está presente na OM. Verificou-se que existe uma política de
Constatou-se que a OM possui tarefas sustentabilidade expressa nos seguintes
cotidianas que visam minimizar o impacto documentos: Regulamento Interno e Serviços
ambiental, tais como: tratamento de resíduos Gerais, Licenciamento do Exército, Plano de
sólidos e líquidos, preservação da flora e Gestão Ambiental da OM e nos relatos de tais
fauna, iluminação e saneamento, tratamento e cargos: Capitão, Tenente e o Major, que são
de reutilização da água, separação do lixo os responsáveis pela aplicação e execução
seco do orgânico, reciclagem diária do lixo do Plano de Gestão na OM. Identificou-se a

Tópicos em Administração - Volume 5


57

vinculação dos objetivos especialmente nos Por fim, através do estudo concluído, sugere-
setores da saúde, refeitório e na garagem. se à OM, principalmente no que se refere à
Porém, por uma questão de privacidade da questão ambiental, que promova melhorias na
Organização, não foi possível conhecer, unidade conforme prevê a legislação em
analisar e descrever corretamente tais vigor, que efetivem um contrato firmando
processos vinculados à sustentabilidade, uma oficialmente a parceria com a prefeitura com
vez que foram apenas mencionados pelos relação ao recolhimento dos resíduos da
responsáveis. saúde, que retirem o uso de copos plásticos
nos setores e que cada um possa levar a sua
Percebeu-se que a OM tem uma mentalidade
caneca ou copo para o café e água, deixando
muito forte quando se trata das dimensões
o uso dos copos plásticos apenas para os
ambiental e social. Por se tratar de um órgão
visitantes, assim diminuindo tais resíduos. E
público federal, há diretrizes e normas para o
que possam aprimorar o Plano de Gestão
melhor cuidado com o ambiente no qual está
Ambiental da OM, tendo como base em
inserido, e faz parte da função do Exército
revisão conforme todas as legislações
ajudar a comunidade em situações de riscos.
vigentes, sejam das esferas municipais,
Também na dimensão social há cuidados
estaduais e federais.
relativos à saúde e à segurança dos próprios
militares. No que se refere à dimensão Como retrato, há uma escassez de estudos
econômica, a OM não tem nenhuma geração em OMs, especialmente no que se refere à
de renda para a mesma, no sentido restrito de prática da sustentabilidade. No entanto, sabe-
lucro, pela própria natureza da OM. Há, se da importância de pesquisas nessas
porém, pequenas funções ou atividades para instituições para que possam melhorar os
se diminuir o gasto gerado pela unidade, seus processos e atividades operacionais em
como economias de luz e água. Todavia, por prol do DS. Assim, sugerem-se pesquisas
conta de uma política de privacidade da OM, semelhantes em outras OMs e nova pesquisa
não foi possível analisar e descrever os na OM objeto de estudo desta, com maior
processos ambientais, sendo possível apenas tempo, para um aprofundamento no que se
identifica-los no que prevê a Lei dos Resíduos referem à dimensão ambiental, dadas
Sólidos. algumas limitações ocorridas na presente
pesquisa.

REFERÊNCIAS
[1]. AFONSO, Cintia Maria. Sustentabilidade: [8]. BRUNDTLAND, Relatório de. Nosso futuro
caminho ou utopia? São Paulo: Annablume, 2006. comum. https://goo.gl/4frQ7T. 1987. Acesso em
maio de 2017.
[2]. ALIGLERI, Lilian; ALIGLERI, Luiz Antonio;
KRUGLIANSKAS, Isak. Gestão socioambiental: [9]. CORAL, Elisa. Modelo de planejamento
responsabilidade e sustentabilidade do negócio. estratégico para a sustentabilidade empresarial.
São Paulo: Atlas, 2009. Florianópolis: UFSC, 2002.
[3]. ALMEIDA, Fernando. O bom negócio da [10]. DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental:
sustentabilidade. Rio de janeiro: Nova Fronteira, responsabilidade social e sustentabilidade. 2ª ed.
2002. São Paulo: Atlas, 2011.
[4]. AMADO, Frederico. Direito ambiental [11]. FIALHO, Francisco Antonio Pereira;
esquematizado. São Paulo: Método, 2014. FILHO, Gilberto Montibeller; MACEDO, Marcelo; e
MITIDIERI, Tibério da Costa. Gestão da
[5]. ARAÚJO, Gisele Ferreira de. Estratégias
sustentabilidade na era do conhecimento: o
de sustentabilidade: aspectos científicos, sociais e
desenvolvimento sustentável e a nova realidade da
legais, contexto global: visão comparativa. São
sociedade pós-industrial. Florianópolis: Visual
Paulo: Editora Letras Jurídicas, 2008.
Books, 2008.
[6]. BRASIL. Constituição. Constituição da
[12]. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar
República Federativa do Brasil. 1988.
projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
[7]. BRASIL. Planalto. Casa Civil. Lei n 12.305
[13]. GRESSLER, Lori Alice. Introdução à
de 2010. Disponível: https://goo.gl/C5kUTw.
pesquisa: projetos e relatórios. 3. ed. rev. atual.
Acesso em agosto de 2016.
São Paulo: Loyola, 2007.
[14]. JUNG, Carlos Fernando. Metodologia para
pesquisa e desenvolvimento: aplicada a novas

Tópicos em Administração - Volume 5


58

tecnologias, produtos e processos. Rio de Janeiro: [24]. REIS, Luis Filipe Sanches de Sousa;
Axcel Books, 2004. QUEIROZ, Sandra Mara Pereira de. Gestão
Ambiental em pequenas e médias empresas. Rio
[15]. LIMA, José Dantas. Gestão de resíduos
de Janeiro: Qualitymark Ed, 2002.
sólidos urbanos no Brasil. 2008.
[25]. ROBLES JR, Antonio; BONELLI, Valério
[16]. MARSHALL JUNIOR, Isnard; CICERO,
Vitor. Gestão da qualidade e do meio ambiente:
Agliberto Alves; ROCHA, Alexandre Varanda;
enfoque econômico, financeiro e patrimonial. São
MOTA, Edmarson Bacelar; LEUSIN, Sérgio. Gestão
Paulo: Atlas, 2006.
da qualidade. 9. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009.
[26]. ROSA, Carlos Mário de Souza Santos. As
[17]. MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS,
implicações da legislação ambiental para o
Eva Maria. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo:
Exército Brasileiro. 2014. Trabalho de Conclusão
Atlas, 2011.
de Curso. Especialização. Escola de Comando e
[18]. MICHEL, Maria Helena. Metodologia e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro.
pesquisa científica em ciências sociais. 2. ed. São
[27]. SACHS, Ignacy. Espaços, tempos e
Paulo: Atlas, 2009.
estratégias do desenvolvimento. São Paulo:
[19]. NEVES, Eduardo Borba. A gestão Vértice, 1986.
ambiental no Exército Brasileiro: ações e
[28]. SEIFERT, Mari Elizabete Bernardini.
percepções. 2011. Tese apresentada com vistas à
Gestão Ambiental: instrumentos, esferas de ação e
obtenção do título de Doutor em Ciências na área
educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
de saúde pública e meio ambiente. Escola
Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca – ENSP, [29]. UNEP – United Nations Environment
Rio de Janeiro. Programme. Annual Report – 2007. Disponível em:
<http://www.unep.org/PDF/AnnualReport/2007/Ann
[20]. PEREIRA, Adriana Camargo; SILVA,
ualReport2007_en_web.pdf> Acesso em:
Gibson Zucca da; CARBONARI, Maria Elisa
08/11/2013.
Ehrhardt. Sustentabilidade, responsabilidade social
e meio ambiente. São Paulo: Saraiva, 2011. [30]. VAN BELLEN, Hans. M. Indicadores de
sustentabilidade: uma análise comparativa. Tese
[21]. PEREZINO, Paulo Eduardo de Mello. A
de doutorado 2002 (Doutorado em Engenharia de
evolução da legislação ambiental contemporânea e
Produção) – Programa de Pós graduação em
seus reflexos sobre o Exército Brasileiro do século
Engenharia de Produção, Universidade Federal de
XXI. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso.
Santa Catarina.
Especialização. Escola de Comando e Estado-
Maior do Exército, Rio de Janeiro. [31]. VILELA JR, Alcir; DEMAJOROVIC,
Jacques. Modelo e ferramentas de gestão
[22]. PHILIPPI, Daniela Althoff; ERDMANN, Rolf
ambiental: desafios e perspectivas para as
Hermann. A Produção Mais Limpa e suas
organizações. São Paulo – Senac, 2006.
alterações no PCP: uma Análise a partir das
Dimensões Social, Econômica e Ecológica do [32]. VITERBO JR, Ênio. Sistema integrado de
Desenvolvimento Sustentável, Anais do. XXV. Gestão Ambiental: como implementar um sistema
Simpósio da Inovação Tecnológica, 2008, XXV de gestão que atenda à norma ISO 14001, a partir
SIMPOI -. Simpósio da Inovação Tecnológica, de um sistema baseado na norma ISO 9000. São
Brasília, DF, BRASIL, Português. Paulo: Aquariana, 1998.
[23]. RAMPAZZO, Lino. Metodologia Científica:
para alunos do curso de graduação e pós-
graduação. 7. ed. São Paulo: Loyola, 2013.

Tópicos em Administração - Volume 5


59

Capítulo 6

Adriana Sant´Anna
Dirce do Nascimento Pereira
Zilda Mara Consalter

Resumo: Discorre sobre as contínuas e irrefreáveis transformações econômico-


culturais que perpassa a sociedade (pós) moderna, e que, simultaneamente,
orientam as ações empresariais no mercado de consumo. Identifica o efetivo
sentido e alcance do princípio da boa-fé objetiva, o qual serve, a priori, ao
estabelecimento e manutenção do equilíbrio contratual, vez que, distinguindo-se
dos fornecedores, os consumidores integram, por lei, o polo juridicamente mais
frágil das vinculações aqui retratadas. Assim, a proposta de reflexão tem como
principal argumento, a dificuldade de se respeitar este princípio, atribuindo-lhe a
necessária eficácia, mormente naquilo que diz respeito à atuação dos
fornecedores. Para tanto, em pesquisa eminentemente teórica, e em respeito ao
método dedutivo de abordagem, far-se-á, inicialmente, uma análise em abstrato da
legislação e axiologia consumeristas, bem como das corriqueiras práticas
comerciais adotadas no mercado de consumo. Após, buscar-se-á identificar a
amplitude e funções conexas ao princípio da boa-fé objetiva e, por fim,
compreender as facetas desta norma geral de conduta, imprescindível à defesa
dos consumidores vulneráveis. As técnicas de pesquisa utilizadas são a
documental indireta, especialmente a legislativa (o Código de Defesa do
Consumidor) e doutrinária. Com a conclusão do estudo aferiu-se, por principais
resultados, a enumeração de hipóteses de não obediência ao referido princípio,
com desdobramentos nefastos ao consumidor, v.g, práticas comerciais e cláusulas
contratuais abusivas.
Palavras chave: Práticas mercadológicas, deveres satelitários, (Pós) Modernidade.

Tópicos em Administração - Volume 5


60

1 INTRODUÇÃO as partes, com o intuito de mitigar os prejuízos


sofridos pela parte mais vulnerável, é levado a
Socialmente incorporado como um dos
efeito?
comportamentos mais remotos e intangíveis
do ser humano - posto que indispensável à Face a estas questões, e longe de pretender
sua subsistência - o ato de consumir encontrar respostas imediatas e definitivas,
perpassa a vida cotidiana de todo e qualquer não há como negar o poder de sedução de
sujeito, não sendo desarrazoado inferir que algumas estratégias de mercado, e que,
todos são consumidores, independentemente dependendo da circunstância, podem gerar
das fases de sua existência, por inúmeros consequências no âmbito jurídico, por
motivos que vão desde as necessidades mais direcionar a escolha - e até mesmo afetar a
elementares, atreladas à autopreservação, até validade do ato, diante da inobservância de
pelo simples atendimento de um querer valores fundamentais insertos no Código de
exclusivamente individual. Defesa do Consumidor.
Assim, ainda que possa ser visto e Em razão disso, impende ressaltar a
classificado como algo totalmente supérfluo, importância das funções de controle e
“o consumo em si mesmo considerado”, pode integração resultantes do princípio da boa-fé
ocorrer tão somente pelo prazer de fazê-lo ou, objetiva, bem como dos seus deveres anexos
então, como “uma condição e um aspecto, de proteção e cooperação, investigação cuja
permanente e irremovível, sem limites abordagem se dará por intermédio do método
temporais ou históricos; um elemento dedutivo, partindo-se da pesquisa acerca da
inseparável da sobrevivência biológica que evolução e do atual status da relação
nós humanos compartilhamos com todos os consumerista para, na sequência, averiguar o
outros organismos vivos”. (BAUMAN, 2008, p. papel daquela cláusula geral de defesa do
38). Sob tal perspectiva, é que as práticas consumidor, nas contratações desta natureza.
comerciais mostram-se como elementos Para a consecução do método, foi utilizada a
inerentes à dinâmica do mercado documentação indireta, especialmente a
consumerista pós-moderno, ou seja, são a legislação e a doutrina nacional, esperando-
grande força motriz do enlace fornecedor- se que o conteúdo teórico e as conclusões a
produto-consumidor, não sendo temerário que se chega ao final do estudo, sejam
afirmar que essa tríade raramente se proveitosos e que suscitem profunda reflexão
estabelece, sem que haja, de algum modo, a daqueles que se dispuserem a lê-lo.
influência daquelas condutas no poder
decisório do indivíduo, que ao comprar seus
produtos, mantem o aquecimento da 2 ESTRUTURA NORMATIVA DE DEFESA DO
economia e dos setores de produção. CONSUMIDOR: ASPECTOS DE UM DIREITO
FUNDAMENTAL PÁTRIO
Tanto é fato, que importa estudar qual é o
alcance das estratégias de divulgação e Realizar uma abordagem histórica da gênese
oferta de mercadorias no comportamento do e evolução do consumo, com o intuito de
consumidor, chegando ao ponto de se melhor compreender o as nuances deste
questionar se tais instrumentos, da forma fenômeno sócio-cultural, significa, também,
como são utilizados pelos fornecedores, não desenvolver um trabalho de identificação dos
turvam a livre vontade e autonomia daquele diversos modelos comportamentais que são
destinatário final de bens e serviços, experimentados pelos indivíduos de
produzindo, assim, abusos e excessos na determinada coletividade, por ocasião do
seara jurídico-negocial. estabelecimento de relações negociais desta
natureza, ao longo de toda a sua existência.
Neste momento, com o intuito de nortear a
Nessa acepção, não há como refutar o
análise de questões centrais à temática
argumento de que o ato de consumir, desde
proposta, faz-se a seguinte indagação: é
os primórdios, se revela como um importante
correto afirmar que, para esta cultura de
sinal caracterizador dos sujeitos de direito:
consumo, incorporada na sua íntegra ao
cotidiano do homem contemporâneo, no O consumo é parte indissociável do cotidiano
instante em que ocorre a aquisição de bens e do ser humano. É verdadeira a afirmação de
mercadorias, há, por parte dos fornecedores, que todos nós somos consumidores.
respeito ao princípio da boa-fé objetiva? E Independentemente da classe social e da
ainda: na execução diferida dos contratos de faixa de renda, consumimos desde o
consumo, o dever anexo de cooperação entre nascimento e em todos os períodos de nossa

Tópicos em Administração - Volume 5


61

existência. Por motivos variados, que vão Mencionada Resolução reconheceu


desde a necessidade da sobrevivência até o expressamente “que os consumidores se
consumo por simples desejo, o consumo pelo deparam com desequilíbrios em termos
consumo. (ALMEIDA, 2015, p. 01-02). econômicos, níveis educacionais e poder
aquisitivo” (apud ALMEIDA, 2015, p. 05),
Na Idade Média, por exemplo, em razão do
necessitando, por conseguinte, de defesa
aparecimento dos burgos, e consequente
específica diante dos seus fornecedores.
ampliação do comércio e da manufatura,
surgiram condições favoráveis à adulteração Esta normativa da ONU, também apresentou
e fraude, tanto de especiarias quanto de vasto conteúdo principiológico, ao fazer
alimentos, eis que os fornecedores destes incidir sobre os dirigentes estatais, o
produtos, na tentativa de rapidamente compromisso de instauração de políticas
satisfazer o vertiginoso crescimento da públicas adequadas ao atendimento das
demanda, faziam uso de inúmeros artifícios, necessidades dos consumidores,
mesmo que ilícitos, a fim de aumentar o considerando, por óbvio, as peculiaridades
volume de suas lucrativas negociações. sócio-culturais e econômicas de cada país.
(TEIXEIRA, 2014, p. 74).
Como se vê, contigenciadas pela própria
Todavia, é possível constatar que somente a existência e conduta humana, é fato que as
partir do Século XVIII - com a Revolução vinculações consumeristas têm sido alvo de
Industrial e a sedimentação do pensamento constantes modificações, deixando no
capitalista - despontaram os primeiros passado as clássicas operações mercantis,
movimentos voltados à estruturação de um de cunho pessoal e direto, para avançar às
regramento legislativo específico para as contratações virtuais e de massa, as quais
relações de consumo, acontecimentos estes são fixadas por simples adesão e, em muitos
que serviram de base ao nascimento de um casos, a partir de informes publicitários
“novel direito”: o direito do consumidor. No nebulosos e incompletos, dados enganosos e
Ocidente, foram os Estados Unidos que, em cláusulas tendenciosas à promoção de
1872, lideraram a tarefa de implantar e ganhos irregulares por parte dos
formalizar, aquelas consideradas como as fornecedores. Trata-se da “sociedade de
primeiras regras disciplinadoras das consumidores”, retratado por Bauman (2008,
negociações consumeristas, ao editarem uma p. 71-2) nos seguintes termos: “Numa
lei que reprimia os atos fraudulentos sociedade de consumidores, todo mundo
praticados na execução dos contratos precisa ser, deve ser e tem que ser um
firmados no âmbito do comércio. (ALMEIDA, consumidor por vocação, ou seja, ver e tratar
2015, p. 07). Houve também, neste mesmo o consumo como vocação. Nessa sociedade,
período, a criação de agências o consumo visto e tratado como vocação é ao
governamentais, v.g, a Federal Trade mesmo tempo um direito e um dever humano
Comission, a qual, dotada de amplos poderes universal que não conhece exceção”.
investigatórios, tinha como principal
Então, como resposta aos anseios desta
finalidade, a aplicação das leis de repressão
coletividade repleta de compradores vorazes
às práticas comerciais desleais e de proteção
e, diante da urgente necessidade de incisiva
ao consumidor. (CAVALIERI FILHO, 2014, p.
ação terapêutica governamental, na busca
5).
por minimizar a fragilidade daquele que
Também é importante salientar que, nas consome, o avanço legislativo pátrio mais
últimas décadas, em razão dos vários significativo, deu-se com a promulgação da
desdobramentos experimentados por Carta Constitucional de 1988, que culminou
inúmeras nações, e em todas as camadas da por elevar, definitivamente, a defesa do
sociedade, a regulamentação do consumo, consumidor à categoria de direito
em especial, a proteção do “sujeito frágil” fundamental e de princípio da ordem
desta relação, consiste em tema de tal econômica, além de impor ao Estado, o dever
importância, que suplanta as preocupações e de elaborar um “código próprio” para
limites de qualquer legislação nacional, disciplinar as típicas relações consumeristas,
resultando, inclusive, na aprovação pela obrigação esta, cumprida mediante a
Organização das Nações Unidas (ONU) da promulgação da Lei nº 8.078/90 (Código de
Resolução nº 39/248/85, a qual, segundo Defesa do Consumidor). E, neste mesmo
teóricos consumeristas, representa evolução movimento de conformação da realidade
primordial ao estabelecimento de sistemas negocial contemporânea à legislação própria
jurídicos próprios de amparo ao consumidor. é que ocorreu o surgimento de uma “outra”

Tópicos em Administração - Volume 5


62

dinâmica do mercado de consumo, a qual privado. Logo, os direitos fundamentais


tem gerado situações em que, não raras as preconizados no texto constitucional, têm a
vezes, o consumidor termina por firmar pactos força de vincular não somente os poderes
abusivos, flagrantemente contrários aos públicos, pois direcionam-se, igualmente à
princípios e normas que buscam sua defesa dos particulares, disciplinando em
proteção, justificando, ainda mais, a correta e certa medida, o exercício da autonomia e
necessária inserção do direito consumerista, liberdade de contratação na esfera privada.
no rol dos direitos fundamentais da Complementando tal pensamento, segue
Constituição de 1988 (CF/88), bem como, a Kouri (2013, p. 33) afirmando que o direito
existência de um microssistema específico de consumerista é reconhecido no texto
defesa daqueles considerados vulneráveis. A constitucional - haja vista o conteúdo dos
partir desta perspectiva, Medeiros Garcia seus artigos 5º, inciso XXXII, 150, § 5º e 170,
(2015, p. 15) menciona: inciso V -, como “fundamental porque o
consumidor busca no mercado, na qualidade
A inclusão da defesa do consumidor como
de não profissional, de destinatário de tudo o
direito fundamental na Constituição Federal,
que o mercado produz, a satisfação de suas
vincula o Estado, e todos os demais
necessidades essenciais de alimentação,
operadores, a aplicar e efetivar a defesa
saúde, educação, segurança, lazer etc”. E
deste ente vulnerável, considerado mais fraco
mais, para Sarmento (2010, p. 279), com
na sociedade. É o que chamamos de força
fulcro nos parâmetros axiológicos
normativa da Constituição, segundo a qual, os
contemplados pela CF/88, “a eficácia dos
direitos nela assegurados, em especial os
direitos fundamentais nas relações privadas é
direitos fundamentais, não são meros
direta e imediata, não dependendo da
programas ou discursos a serem seguidos,
atuação do legislador ordinário, nem se
mas apresentam força de norma jurídica,
exaurindo na interpretação das cláusulas
passível de ser executada e exigível. A
gerais do direito privado.”.
constituição, sob novo enfoque que se dá ao
direito privado, funciona como centro Deve-se registrar, também, que embora a
irradiador e marco de reconstrução de um legislação de defesa do consumidor,
direito privado brasileiro mais social e enquanto tema específico, seja considerada
preocupado com os vulneráveis. relativamente recente, o ordenamento jurídico
pátrio não esteve totalmente alheio aos
Na mesma linha de análise, e segundo
acontecimentos externos, sendo possível
consideração de Cláudia Lima Marques
elencar, cronologicamente, algumas das
(2016, p. 27), “a Constituição seria a garantia
principais regulamentações que antecederam
e o limite de um direito privado construído sob
o advento da CF/88 e da Lei nº 8.078/90, e,
seus valores, principalmente os direitos
de uma forma ou outra, contribuíram às suas
fundamentais, transformando-o em um direito
formulações: a) o Decreto nº 22.626/33, de
privado solidário.”.
repressão à usura; b) a Constituição Federal
Como efeito desta opção legislativa do poder de 1934 que, nos arts. 115 e 117, elencou as
constituinte originário - que acompanhou uma primeiras regras de proteção à economia
tendência mundial de influência do direito popular; c) o Decreto-lei nº 869/38, e o
público sobre o direito privado - há um Decreto-lei nº 9.840/46, os quais cuidaram da
espraiamento dos direitos fundamentais nas previsão dos crimes contra a economia
tratativas privatísticas; ocorrência denominada popular, resultando, posteriormente, na Lei nº
de eficácia horizontal dos direitos acima 1.521/51 – Lei de Economia Popular; d) a Lei
referenciados, em contraposição à eficácia nº 4.137/62 – Lei de Repressão ao Abuso do
vertical, em que se observa o respeito aos Poder Econômico; e, e) a Lei nº 7.347/85, que
direitos fundamentais nas relações entre o disciplinou a Ação Civil Pública de
indivíduo e o Estado. responsabilidade por danos causados ao
consumidor, juntamente com a tutela de
Aclarando de outra maneira, o entendimento a
outros direitos. (ALMEIDA, 2015, p. 09-10).
respeito da eficácia horizontal dos direitos
fundamentais significa afirmar que as Após tais progressos do órgão legiferante
violações a esta categoria de direitos não pátrio, há que se ressaltar que, ao atribuir à
acontecem apenas na seara das vinculações defesa do consumidor o status de direito
jurídicas entre o cidadão e o Estado, mas fundamental, conectado ao princípio da
também nas relações estabelecidas entre dignidade da pessoa humana, o texto da
pessoas físicas e/ou jurídicas de direito Constituição de 1988, como poderia se inferir,

Tópicos em Administração - Volume 5


63

a priori, não tornou este direito incompatível educação para o consumo e o da informação,
com o princípio da livre iniciativa e da cuja observância, especialmente deste último,
expansão econômica do mercado, mas, tão- tem sido deixada de lado por um considerável
somente buscou estabelecer parâmetros número de fornecedores que, ao empreender
mínimos à existência coordenada e suas estratégias de marketing e práticas
harmoniosa entre os polos das relações comerciais, visam apenas bons resultados
jurídicas nascidas desses interesses. É o que das operações custo-benefício.
nos ensina Luís Roberto Barroso, ao
Objetivando uma melhor compreensão,
mencionar que:
quanto ao princípio da educação para o
Princípios são normas jurídicas que não se consumo, Filomeno (2007, p. 146) menciona a
aplicam na modalidade tudo ou nada, como existência de dois aspectos: a) a educação
as regras, possuindo uma dimensão de peso formal, ministrada nos bancos escolares por
ou importância, a ser determinada diante dos meio de disciplinas que abordem esta
elementos do caso concreto. São eles temática; e b) a educação informal, esta de
mandados de otimização, devendo sua inteira responsabilidade dos fornecedores, os
realização se dar na maior medida possível, quais têm a obrigação legal de bem informar
levando-se em conta outros princípios, bem o consumidor sobre as características dos
como a realidade fática subjacente. Vale produtos e serviços disponibilizados no
dizer: princípios estão sujeitos à ponderação mercado de consumo.
e à proporcionalidade, e sua pretensão
Por seu turno, o princípio da informação
normativa pode ceder, conforme as
representa o dever imposto ao fornecedor de
circunstâncias, a elementos contrapostos.
prestar todos os esclarecimentos necessários
(BARROSO, 2010, p. 11).
sobre o produto ou serviço, assim como, de
Neste passo, e para dar equilíbrio às explicar nitidamente o conteúdo da
pactuações firmadas no mercado, surgiu a contratação que será fixada, sob pena de vir
necessidade de reconhecimento da a ser responsabilizado pelas omissões e/ou
vulnerabilidade do consumidor que, segundo inverdades que venham a frustrar a legítima
Rizzatto Nunes (2015, p. 57), prende-se à expectativa do consumidor.
hipossuficiência técnica daquele sujeito que
Desta maneira, com a finalidade de atribuir
apenas deseja satisfazer uma necessidade
concretude e ampla eficácia à
pessoal, acreditando que os fornecedores,
fundamentalidade do direito do consumidor, o
posicionados como tais no mercado,
princípio da vulnerabilidade, inserto no art. 4º,
cumprirão este papel, nos exatos termos da
inciso I, do CDC, deve ser acolhido e
oferta realizada, ou seja, “ele, consumidor,
interpretado, como elemento basilar de todo o
não participa do ciclo de produção e, nesta
microssistema consumerista, pois dele
medida, não tem acesso a esses meios, assim
decorrem inúmeros outros mandamentos,
como também não dispõe de prévios
como os acima descritos.
mecanismos de controle sobre os produtos e
serviços que adquire [...], logo, necessita de Aqui, reitera-se a observação de que toda
proteção específica”. esta gama de proteção legislativa, voltada
àquele sujeito juridicamente frágil, o qual, em
Noutras palavras, é justamente esta
muitas situações, ao adquirir bens e serviços
fragilidade que identifica a grande massa de
no mercado de consumo, o faz por mero
consumidores, os quais simplesmente se
impulso, instigado e atraído pelas ofertas ditas
colocam como destinatários finais de bens e
imperdíveis, graças às excelentes campanhas
serviços oferecidos no mercado e, em regra,
publicitárias e estratégias comerciais dos
não dispõem das informações necessárias à
fornecedores, é imprescindível ao equilíbrio
realização de contratos que atendam à
contratual, pois “a cultura do consumo”,
confiança dispensada aos fornecedores do
potencializado e imediato, sem um tempo
mercado. Por esta razão é que o Código de
razoável à reflexão do consumidor, é
Defesa do Consumidor apresenta extenso
vivenciada diariamente por todos os membros
conteúdo axiológico, com elevado grau de
da atual sociedade.
protecionismo àquele sujeito considerado
vulnerável, quando da fixação dos contratos Portanto, ainda na esfera axiológica do
de consumo. E, nesta estrutura de defesa do Código de Defesa do Consumidor, igualmente
código consumerista, integrando uma relação consta o princípio da boa-fé objetiva, o qual
meramente exemplificativa de valores, será abordado mais adiante, em virtude de
também se encontra os princípios da sua relevância para o tema ora proposto.

Tópicos em Administração - Volume 5


64

3 MERCADO E PRÁTICAS COMERCIAIS: possibilitavam a venda e compra de


NUANCES DA CULTURA DO CONSUMO mercadorias. Nesta época, a troca e o
(PÓS)MODERNO dinheiro já implicavam em profundas
transformações culturais e econômico-sociais,
Consoante observações já feitas
em um contexto de instabilidade de status, no
anteriormente, é inegável que o consumo,
qual os estilos de vida poderiam ser
com o passar do tempo e em virtude das
determinados pelo acesso ao consumo.
inúmeras modificações sócio-econômicas
(SLATER, 2001, p. 29).
experimentadas pelos sujeitos, ganhou
posição de muito destaque em nossas vidas, Neste cenário, muito bem estabelecido por
e deixou de representar apenas uma McCracken (2003, p. 49), é possível verificar
atividade corriqueira de aquisição e que o consumo, como um fato social
circulação de bens e serviços, necessária à permanente, veio a se sedimentar no Século
sobrevivência dos indivíduos. XIX, provocando profundas modificações na
sociedade da época, as quais podem ser
É fato também, nesta mesma esteira de
claramente percebidas também nos dias
avanços, que o consumo se revelou como um
atuais, merecendo destaque, v.g, a atribuição
“atributo” identificador do ser humano, pois ao
de significado simbólico e comunicativo aos
expandir os incontáveis e efêmeros desejos
bens que circulam no mercado.
de compra, sob o falso pretexto de encontro
com o bem-estar, terminou por reduzir o Por meio de um rápido resgate das linhas de
sujeito a um mero destinatário final de objetos pensamento desenvolvidas até aqui, percebe-
mercantilizados. se que, se antes da configuração da então
denominada sociedade de consumo a
Esta peculiar atitude comportamental, então
finalidade do ato de consumir residia
definitivamente assumida pelos consumidores
basicamente no atendimento das
(pós) modernos, no sentido de adotarem
necessidades primárias do indivíduo, com o
novas bases valorativas ao ato de consumir,
advento do consumismo, esse cenário se
praticando-o de forma sensorial e
altera. O consumismo chega quando o
massificada, muitas vezes em resposta aos
consumo assume o papel-chave que, na
apelos e práticas mercadológicas dos setores
sociedade de produtores, era exercido pelo
de produção e respectivos fornecedores,
trabalho e, de maneira distinta do consumo,
gerou uma relação de “dependência” entre os
que é basicamente uma característica e uma
sujeitos e o mercado consumerista. Ou seja, a
ocupação dos seres humanos como
percepção de que a “felicidade” pode ser
indivíduos, representa um atributo da
experimentada por meio do consumo, é tão
sociedade. (BAUMAN, 2008, p. 41) e, com o
sedutora e persuasiva, que acaba por
seu surgimento e sua integral absorção à vida
conduzir os indivíduos a ações
cotidiana, houve alteração profunda na
estereotipadas, e quase excludentes de
própria orientação das vinculações sociais,
outras possibilidades, despertando nas
visto que a estabilidade, que era
pessoas a necessidade, ou quase um dever,
indispensável à saúde e manutenção dos
de adquirir mercadorias e serviços a todo
sistemas relacionais, passa a ser
tempo e em quaisquer circunstâncias. Neste
compreendida como um perigo real a estes
sentido, Bauman (2008, p. 71) explica que:
mesmos sistemas, e o consumo, por sua vez,
A sociedade de consumidores, em outras adquire tal importância que se entrelaça com
palavras, representa o tipo de sociedade que a ideia de felicidade:
promove, encoraja ou reforça a escolha de
[...] não tanto à satisfação de necessidades,
um estilo de vida e uma estratégia existencial
como suas versões oficiais tendem a deixar
consumistas, e rejeita todas as opções
implícito, mas a um volume e uma intensidade
culturais alternativas. Uma sociedade em que
de desejos sempre crescentes, o que por sua
se adaptar aos preceitos da cultura de
vez implica o uso imediato e a rápida
consumo e segui-los estritamente é, para
substituição dos objetos destinados a
todos os fins e propósitos práticos, a única
satisfazê-la. Novas necessidades exigem
escolha aprovada de maneira incondicional.
novas mercadorias, que por sua vez, exigem
(destacado).
novas necessidades e desejos. O advento do
Isso porque, a partir do Século XVIII, o consumismo inaugura uma era de
consumo iniciou uma redefinição em relação obsolescência embutida dos bens oferecidos
ao comércio, pois por ele passaram a ser no mercado [...]. (BAUMANN, 2008, p. 4).
aferidas as condições sociais que

Tópicos em Administração - Volume 5


65

Interessante observar que esta procura vez por todas, deve parecer aos
desenfreada, empreendida pelo indivíduo, na consumidores, pouco agradável, pois somos
tentativa de conquistar o “sentir-se feliz”, não impulsionados e/ou atraídos a procurar
decorre de um comportamento naturalístico incessantemente por satisfação, mas também
seu, mas sim da correspondência que se a temer o tipo de satisfação que nos faria
firmou, na sociedade (pós)moderna, entre interromper esta procura.
dois mitos: o da felicidade e o da igualdade.
Disso significa dizer que esta tendência
Isso porque, a pós-modernidade, segundo
compulsiva à aquisição de bens, na qual
Lipovetsky (2005, p. 15), deve ser entendida
todos os lugares e momentos são vistos como
como uma continuação do processo
adequados ao ato de consumir, é delineada,
moderno, momento em que ocorre intensa
também, por outros fatores que despertam no
potencialização desses mesmos ideais, ou
indivíduo uma “necessidade artificial”. Esta
seja, exacerbado individualismo, consumo em
demanda, não gerada de forma espontânea,
excesso, e fragmentação da sociedade e dos
comumente surge como consequência de
costumes.
determinadas práticas comerciais, por vezes
Todavia, para que este “binômio mítico” possa abusivas, adotadas por aqueles detentores
funcionar com eficiência, é preciso que esta dos meios de produção, os quais têm como
felicidade almejada, seja dotada de principal objetivo, criar e/ou instigar nos
mensuração, ou seja, deve resultar não só indivíduos, até aqui apenas potenciais
dos bens que quantitativamente o sujeito consumidores, vontades tão fortes, a ponto de
consegue possuir, mas, principalmente, do fazer com que se rendam a estes apelos, e
simbólico perfil de êxito e sucesso contido em terminem por ser conduzidos ao ato de
tais objetos. Nesta contextualização, a consumir, o qual, daqui em diante, adquire
publicidade se apresenta como um status de algo quase que indispensável à
verdadeiro, e muito eficiente, meio de sensação de bem-estar.
transporte de significados, posto que, tem o
Assim, na sociedade pós-moderna, portanto,
poder de agregar extensos conteúdos
vê-se que o progresso individual e a noção de
simbólicos às mercadorias disponíveis no
felicidade encontram-se diretamente atrelados
mercado consumidor. (CHAUÍ, 2006, p. 52 e
ao conforto proporcionado pelo consumo em
ss). Esse cenário factual, de certa forma, vai
excesso de bens e serviços, algo que termina
ao encontro das seguintes considerações
por invadir todos os espaços, inclusive
feitas por Lipovetsky (2005, p. 84 e 85), ao
aqueles antes considerados imunes às
abordar aspectos pertinentes ao
vorazes estratégias de mercado. (BAUMAN,
individualismo na contemporaneidade:
2011, p. 14-15).
O consumismo é um processo que funciona à
base da sedução: sem qualquer dúvida os
indivíduos adotam os objetos, as modas, as 4 PRINCÍPIO DA BOA-FÉ OBJETIVA:
fórmulas de lazer elaboradas pelas FUNÇÕES E DEVERES ANEXOS À DEFESA
organizações especializadas, porém de DO CONSUMIDOR
acordo com suas conveniências, aceitando
Diante das considerações tecidas, verifica-se,
isto e não aquilo, combinando livremente os
então, que as normas insertas no Código
elementos programados.
Consumerista Brasileiro são eminentemente
Diante dessas constatações, o que mais de interesse social, eis que têm relevância
causa perplexidade é a total inversão de para a sociedade como um todo, não dizendo
importantes valores experimentada pelos respeito somente às partes, consumidores e
sujeitos sociais que, inevitavelmente, fornecedores. São elas normas de “função
passaram a visualizar o indivíduo, atribuindo- social, pois não só procuram assegurar uma
lhe ou não determinados predicados, na exata série de novos direitos aos consumidores,
correspondência do seu poder de compra. É mas também possuem a função de
assim que surge o consumismo que, segundo transformar a sociedade de modo a se
Bauman (2008, p. 126), ao pautar o ato de comportar de maneira equilibrada e
consumir no excesso e desperdício, conduz o harmônica nas relações jurídicas”.
consumidor à: (MARQUES, 2016, p. 27).
[...] satisfação momentânea, algo que se Neste caminhar, e buscando dar concretude
durar muito tempo, deve-se temer, e não aos aspectos sociais, é que o CDC altera
ambicionar – a satisfação duradoura, de uma sensivelmente os limites e o alcance do direito

Tópicos em Administração - Volume 5


66

das obrigações, ao relativizar a máxima pacta nesta condição de “comprador final”, o


sunt servanda, e diminuir o âmbito destinado indivíduo vulnerável torna-se alvo da
à livre autonomia da vontade das partes, publicidade e do marketing, eficazes práticas
estabelecendo, para tanto, um extenso rol de de mercado que, ao produzirem
princípios, como o da vulnerabilidade e da necessidades e desejos na mente humana,
boa-fé objetiva. são responsáveis, em grande parte, pelo
fomento e expansão deste contemporâneo
A vulnerabilidade diz mais respeito a um
processo de consumo e de consumismo.
estado da pessoa, um estado inerente de
risco ou um sinal de confrontação excessiva Por publicidade se entende “o anúncio
de interesses identificado no mercado veiculado por qualquer meio de comunicação,
(RIPPERT, 2002, p. 90), podendo ser inclusive embalagens, rótulos, folhetos e
“permanente ou provisória, individual ou material de ponto de venda”. (RIZZTTO
coletiva, que fragiliza e enfraquece o sujeito NUNES, 2005, p. 390) e concebe-se o
de direitos, desequilibrando a relação [...]” ou, marketing como o “conjunto de atividades que
ainda “técnica, jurídica e fática” (MARQUES; são exercidas para criar e levar a mercadoria
BENJAMIN; MIRAGEM, 2016, p.144). do produtor ao consumidor final. É atividade
total de comerciar. Estuda as tendências do
O princípio da boa-fé objetiva, por sua vez,
mercado, as preferências do consumidor e a
“constitui um conjunto de padrões éticos de
distribuição do produto. Marketing é algo que
comportamento, aferíveis objetivamente, que
vem antes da mercadoria e vai além da
devem ser seguidos pelas partes contratantes
mercadoria” (SANT’ANNA, 2016, p. 17),
em todas as fases da existência da relação
sendo um conceito mais amplo do que o de
contratual, desde a sua criação, durante o
publicidade. Esses dois conceitos, embora
período de cumprimento e, até mesmo, após
possam gerar certa confusão para o leigo
a sua extinção”. (GARCIA, 2015, p. 61). Além
(que poderá, equivocadamente, entendê-los
disso, conforme doutrina e jurisprudência
como sinônimos), implicam, de fato, em duas
consumeristas, a boa-fé objetiva também
etapas do processo de consumo:
deve ser interpretada como cláusula geral
(TARTUCE, 2007, p. 173), da qual irradiam as A primeira refere-se aos estímulos
funções de controle e de integração, (publicidades) que são recebidos pelos
compreendidas nos seguintes termos: sujeitos, os quais, sendo analisados conforme
predisposições anteriores, criam uma atitude,
A função de controle da boa-fé objetiva visa
um julgamento favorável, ou não, à compra. A
evitar o abuso do direito subjetivo, limitando
segunda consiste na investigação das
condutas e práticas comerciais abusivas,
possibilidades de compra e no
reduzindo, de certa forma, a autonomia dos
desenvolvimento da motivação para a
contratantes. [...] A função integrativa desse
compra. A terceira é a compra propriamente
princípio insere novos deveres para as partes
dita, e a quarta consiste no consumo e troca
diante das relações de consumo, pois além
de informações, alterando ou não, a
da verificação da obrigação principal, surgem
disposição para novos consumos. (GIGLIO,
novas condutas a serem também observadas.
2004, p. 105).
São os assim denominados deveres anexos
ou deveres laterais, sendo que a violação a O mesmo ocorre com algumas marcas de
qualquer um deles, implicará em produtos que, por meio da publicidade,
inadimplemento contratual. (GARCIA, 2015, p. adquirem o poder de funcionar como
63-64) elementos que atribuem identidade ao sujeito,
definindo-o diante dos grupos sociais e da
Em decorrência dessa interpretação atribuída
coletividade como um todo. Constata-se o
ao princípio da boa-fé objetiva, não se acolhe
estabelecimento de um vínculo de
no ordenamento jurídico o pátrio, o exercício
subordinação por parte dos consumidores
de um direito de maneira absoluta, isto é,
diante dos fornecedores de produtos e suas
desprendido dos valores de lealdade e
respectivas marcas, e isto ocorre de tal forma
probidade, pois frustraria as expectativas
que, v.g., as marcas apostas aos aparelhos
legítimas que foram despertadas no outro
celulares e às roupas fazem com que estes,
contratante, e que, no caso em tela, tem sua
sem aquelas, não tenham como aparecer e
posição negocial ainda mais enfraquecida,
identificar o indivíduo que as utiliza, ou, posto
dada a sua inerente vulnerabilidade enquanto
de outro modo:
destinatário último dos bens e serviços
disponibilizado no mercado de consumo. E

Tópicos em Administração - Volume 5


67

Na marca, a dupla dimensão de emblema e agravamento do devedor. O credor de uma


nome produz, portanto, a sujeição, cujo obrigação precisa colaborar com o devedor
rebento é a criação de um grupo ou coletivo. na tomada de medidas cabíveis para buscar
A clientela de uma marca representa então que o dano sofrido se restrinja às menores
um grupo constituído como uma corporação. proporções possíveis. Se a parte em posição
Cada indivíduo que usa ou exibe uma marca, de vantagem negligencia em tomar as
mostra a servidão voluntária em ação: uma providências que possibilitam mitigar as
forma de renúncia ao entreconhecimento perdas, a parte devedora poderá pedir a
dado pela palavra, em proveito de um sistema redução das perdas e danos, em proporção
de signos que o representa e o situa como igual ao montante da perda que poderia ter
membro de um coletivo unificado pelo nome sido diminuída. [...] Não pode a instituição
da marca. (QUESSADA, 2003, p. 149). bancária permanecer inerte quando o
consumidor não encerra a conta corrente, e
Diante de tal cenário, é muito difícil ficar
dele é cobrada uma quantia mensal para sua
isento, ou escapar ileso deste processo, pois
manutenção. Muitas vezes, o banco
é nesta contínua e incansável mobilidade dos
permanece inerte, esperando alcançar um
sujeitos consumidores que são moldadas as
montante razoável para executar o
diversas relações interpessoais, as quais
consumidor, quando poderia notificá-lo para
também passam a ser orientadas,
providenciar o encerramento.
irrefutavelmente, pelas sensações, devaneios
e apelos do mercado de consumo, todos Já o dever anexo de proteção (ou de
veiculados mediante estratégias publicitárias. cuidado), estabelece a obrigação do
Portanto, com a finalidade de evitar o fornecedor de sempre adotar condutas que
cometimento de abusos e excessos nos preservem a integridade pessoal e financeira
pactos consumeristas, em especial por parte do consumidor, impedindo, com isso, a
dos fornecedores, no desenvolvimento de geração de danos morais e prejuízos
suas atividades e práticas comerciais, materiais. Exemplificando tal hipótese, é
voltadas à ávida captação de consumidores, vedado ao fornecedor disponibilizar
é que houve o estabelecimento dos deveres estacionamento gratuito a seus consumidores,
anexos, os quais ampliam, sobremaneira, os objetivando atraí-los em virtude da segurança
efeitos do princípio da boa-fé objetiva. A partir e facilidade de movimentação, e tentar eximir-
desse entendimento, tem-se que os deveres se da responsabilidade pelos danos que
anexos são basicamente divididos em: dever porventura venham a ser causados no veículo
de informação, de cooperação e de proteção (GARCIA, 2015, p. 67).
(ou cuidado).
Percebe-se, então, que muitas das práticas
O dever anexo de informação impõe ao comerciais empregadas pelos fornecedores,
fornecedor a obrigatoriedade de disponibilizar na tentativa de conquistar o maior número
aos consumidores, o máximo possível de possível de compradores e atingir altos
dados sobre a funcionalidade e índices de lucratividade no mercado de
características dos produtos/serviços, bem consumo, ganham destacado interesse
como, de seus riscos potenciais no momento quando esbarram na (i)licitude, justamente
da utilização. Tais esclarecimentos devem por não observarem os fundamentos
acontecer principalmente na fase pré- axiológicos preconizados no CDC, v.g. boa-fé
contratual, porque é exatamente aí, que o objetiva e deveres anexos, resultando,
fornecedor faz uso de persuasivas estratégias inevitavelmente, em lesividade ao
de venda, para estimular o desejo de compra consumidor.
e conseguir a adesão do consumidor. Por seu
Sendo assim, na proposta de análise aqui
turno, o dever anexo de cooperação (duty to
desenvolvida, é possível afirmar que a
mitigate the loss) exige que o fornecedor
estruturação principiológica consumerista,
propicie ao seu cliente, meios facilitadores ao
com destaque para o princípio da boa-fé
adimplemento contratual, evitando, desse
objetiva e deveres anexos, foi idealizada em
modo, um ônus maior à condição do
virtude da necessidade inadiável de se
consumidor-devedor. É neste sentido, a lição
buscar soluções para os novos conflitos
doutrinária de Garcia (2015, p. 66), ao afirmar
decorrentes da “cultura de consumo”, a qual
que o descumprimento deste dever anexo, é
é dotada, predominantemente, das
recorrente nas relações de consumo:
características da impessoalidade e
O duty to mitigate the loss consiste na universalidade, locus em que praticamente
obrigação do credor de buscar evitar o inexiste, a priori, a noção de importância

Tópicos em Administração - Volume 5


68

pública, pois não se consome com a despertam no indivíduo uma “necessidade


finalidade de se construir uma sociedade artificial”.
melhor, mas, em grande medida, para
Como afirmado, esta demanda de natureza
satisfazer necessidades e vontades que, não
não espontânea, comumente é consequência
raras as situações, são irreais, artificialmente
de práticas comerciais, por vezes abusivas,
criadas e difundidas pelos fornecedores,
usadas pelos detentores dos meios de
mediante estratégias e práticas
produção, que têm como principal objetivo,
mercadológicas iníquas.
criar e/ou instigar nos indivíduos vontades tão
fortes, a ponto de fazer com que se rendam a
estes apelos e terminem por ser conduzidos
5 CONCLUSÃO
ao ato de consumir, quem, dai em diante,
Por ora, o que se pode afirmar é que o ato de adquire status de algo indispensável à
consumir, de per si, não deve ter conotação sensação de bem-estar.
negativa. Problemas ocorrem quando
Essa, sim, é a conduta que deve ser refreada
distorções levam a um universo que refoge
pelo ordenamento jurídico – a fim de garantir
aos padrões de uma relação saudável
efetividade aos comandos valorativos e legais
(notadamente aquela que reside na falsa
constantes no CDC. Aliás, teoricamente este
noção que se tem hodiernamente de que a
cumpre muito bem o seu papel de norma
felicidade e a realização só podem ser
específica protetiva do consumidor. Os
experimentadas por meio do consumo). Essa
instrumentos axiológicos e legais já existem.
ideia é tão sedutora e persuasiva que acaba
O que lhes falta é a efetividade.
por conduzir o indivíduo a um comportamento
estereotipado e quase excludente de outras Assim, apenas a boa legislação não basta
possibilidades, ou seja, gera no sujeito a para emprestar efetividade na prevenção ou
premente necessidade de comprar o como paliativo em eventuais circunstâncias
produto/marca/estilo imposto por um danosas ao consumidor, sendo neste
determinado fabricante. aspecto, um locus em que praticamente
inexiste, a priori, a noção de importância
Há que se salientar que esse tipo de
pública. Talvez o que falte sejam políticas
comportamento, na maioria das vezes, é
públicas voltadas à alteração da ideia de que
“fabricado” pelas práticas midiáticas de
o consumo serve para suprir lacunas ou
marketing, e que disso significa dizer que esta
falhas de convivência, ou que serve de
tendência compulsiva à aquisição de bens, na
moeda de troca. A proposta seguiria, então,
qual todos os lugares e momentos são vistos
em duas direções: a primeira, a educação
como adequados ao ato de consumir, é
para o consumo; e a segunda, que esse
delineada, também, por outros fatores que
consumo seja sustentável.

REFERÊNCIAS
[1]. ALMEIDA, João Batista de. Manual de [4]. ______. Vida em fragmentos: sobre a
direito do consumidor. 6. ed. São Paulo: ética pós-moderna. Rio de Janeiro: Zahar,
Saraiva, 2015. 2011.
[2]. BARROSO, Luis Roberto. A dignidade [5]. CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa
da pessoa humana no direito constitucional de direito do consumidor. 4. ed. São Paulo:
contemporâneo: natureza jurídica, conteúdos Atlas, 2014.
mínimos e critérios de aplicação. Versão
[6]. CHAUÍ, Marilena. Simulacro e poder:
provisória para debate público. Disponível
uma análise da mídia. São Paulo: Fundação
em: http://www.luisrobertobarroso.com.br/wp-
Perseu Abramo, 2006.
content/.../Dignidade_texto-
base_11dez2010.pdf. Acesso em: 24 maio. [7]. FILOMENO, José Geraldo Brito.
2017. Código brasileiro de defesa do consumidor
comentado pelos autores do anteprojeto. 9.
[3]. BAUMAN, Zygmunt. Vida para
ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
consumo: a transformação das pessoas em
2007.
mercadorias. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

Tópicos em Administração - Volume 5


69

[8]. GARCIA, Leonardo de Medeiros. [15]. RIPERT, Georges. A regra moral nas
Direito do consumidor: código comentado e obrigações civis. 2. ed. Campinas: Bookseller,
jurisprudência. Salvador: JusPodivm, 2015. 2002.
[9]. GIGLIO, Ernesto M. O comportamento [16]. RIZZATTO NUNES, Luís Antônio.
do consumidor. 2. ed. São Paulo: Pioneira, Curso de Direito do Consumidor. 10. ed. São
2004. Paulo: Saraiva, 2015.
[10]. LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio. [17]. SANT’ANNA. Armando et al.
São Paulo: Manole, 2005. Propaganda: teoria, técnica e prática. 9ª. ed.
São Paulo: Cengage Learning, 2016.
[11]. MARQUES, Cláudia Lima. Contratos
no código de defesa do consumidor. 8. ed. [18]. SARMENTO, Daniel. Direitos
São Paulo: RT, 2016. Fundamentais e Relações Privadas. 2. ed. Rio
de Janeiro: Lumen Iuris, 2010.
[12]. ______; BENJAMIN, Antônio Herman
V.; MIRAGEM, Bruno. Comentários ao código [19]. SLATER, Don. Cultura do consumo &
de defesa do consumidor. 5. ed. São Paulo: modernidade. São Paulo: Nobel, 2001.
Revista dos Tribunais, 2016.
[20]. TARTUCE, Flávio. A função social dos
[13]. MCCRACKEN, Grant. Cultura e contratos: do Código de Defesa do
consumo: novas abordagens ao caráter Consumidor ao novo Código Civil. São Paulo:
simbólico dos bens e das atividades de Método, 2007.
consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.
[21]. TEIXEIRA, Odelmir Bilhalva. Aspectos
[14]. QUESSADA. Dominique. O poder da principiológicos do código de defesa do
publicidade na sociedade consumida pelas consumidor. Campinas: Russel, 2014.
marcas: como a globalização impõe produtos,
sonhos e ilusões. Trad. Joana Angélica D.
Melo. São Paulo: Futura, 2003.

Tópicos em Administração - Volume 5


70

Capítulo 7

Leandro Aparecido da Silva


Giovanny Mateus Bezerra de Araújo
Pablo Phorlan Pereira de Araújo
Tiago Douglas Cavalcante Carneiro
Emilson Souza de Carvalho

Resumo: Os brasileiros vêm optando pelo consumo de alimentos fora de suas


residências, proporcionando o crescimento do setor gastronômico. Apoiado nesse
contexto, a pesquisa apresenta a seguinte problemática: Como o emprego da
ferramenta curva ABC pode cooperar com o gerenciamento de estoques de uma
empresa do setor gastronômico? Para a obtenção do objetivo geral, foi
imprescindível a boa execução dos seguintes objetivos específicos: analisar os
itens e níveis de estoque de uma empresa gastronômica, considerar os principais
itens pertencentes ao seu gerenciamento de estoques, classificar os itens de maior
importância do estoque através da curva ABC, identificar a imobilização de capital
em estoques de maior e menor importância através das técnicas da curva ABC. A
metodologia utilizada foi de caráter exploratório-descritivo, com abordagem
quantitativa, o levantamento dos dados utilizou o método de pesquisa documental.
A pesquisa foi realizada no restaurante Ponto Certo, localizado em Caicó/RN. A
análise dos resultados permitiu identificar quais os itens de maior importância
dentro da demanda do restaurante, bem como suas variações dentro do cardápio.

Palavras chave: Gestão de estoques, Ferramenta Just in Time, Curva ABC.

Tópicos em Administração - Volume 5


71

1 INTRODUÇÃO peculiar, onde ao longo do tempo vem se


destacando por seus diferenciais
A competitividade nas empresas vem
gastronômicos. Tem sua origem na culinária
crescendo a cada dia, com isso o Brasil
indígena, africana e portuguesa.
aparece em terceiro lugar como o país mais
empreendedor do planeta (SEBRAE, 2011). Toda a pesquisa foi realizada no restaurante
Uma pesquisa do Sebrae (2011), aponta que Ponto Certo situado no município de
60% das empresas fecham suas portas em Caicó/RN, maior município da região do
aproximadamente dois anos de existência, Seridó, onde o mesmo disponibilizou sua
contudo outra pesquisa indica que a base de dados para coleta e realização dos
quantidade de micro e pequenas empresas cálculos necessários, bem como esteve
(MPE’s) cresceram a uma taxa de 26% ao ano disponível para explanar e definir mudanças
(SEBRAE, 2014). conforme a proposta da pesquisa.
A população brasileira vem optando pelo
consumo de alimentos fora de suas
2 GESTÃO DE ESTOQUES
residências, conforme dados do SEBRAE
(2012), mais de R$ 116,5 bilhões de reais vêm As empresas estão adotando cada vez mais a
sendo gastos com alimentos em bares, redução dos custos da cadeia de
restaurantes, pizzarias, padarias, ambulantes, suprimentos, visto que as parcerias estão
dentre outros. Por causa da diversidade e sendo cada vez mais adotadas pelas
competição do setor gastronômico no Brasil, empresas como forma de compartilhamento
as organizações estão buscando novas de compras, diminuindo as despesas em
ferramentas para poder obter o seu diferencial relação à estocagem de produtos
competitivo. Estas buscam reduzir custos, (BOWERSOX, 2001).
minimizando seus estoques, sempre
A sazonalidade é um dos períodos em que a
procurando modelos de gestão inovadores
empresa mais fatura entre épocas específicas
que possam proporcionar um aumento na
do ano e ela apresenta dois fatores que
lucratividade, reduzindo suas despesas.
visualizam estes eventos, tais como a média
Embasado nessa temática, a pesquisa vendida de produtos de anos anteriores e por
responderá a problemática: Como o emprego base das transformações do mercado
da ferramenta Curva ABC pode cooperar com vendedor, onde ele passa entre os primeiros
o gerenciamento de estoques de uma meses como vendedores, comprando todo o
empresa do setor gastronômico? A questão estoque, ressuprindo sua empresa para que
partiu da suposição de que os gestores de possa mudar sua postura para o comprador,
segmentos gastronômicos precisam distinguir onde ele começa a escoar suas mercadorias
detalhadamente cada item que compõe os decorrentes da sua média de vendas,
seus estoques, o capital imobilizado no seu atrelando com o marketing, utilizando
armazenamento, bem como suas demandas. promoções para ter um maior giro de
mercadorias de sua organização
Para a resolução do problema de pesquisa
(BOWERSOX, 2001).
tem-se como objetivo geral: Compreender
como a aplicação da ferramenta Curva ABC
pode colaborar com a gestão de almoxarifado
2.1 FERRAMENTA JUST IN TIME (JIT)
de uma empresa do setor gastronômico. Para
o alcance do objetivo geral, é necessário a Corrêa e Gianesi (1993) dizem que o JIT é
boa execução dos seguintes objetivos muito mais do que uma técnica da
específicos: Analisar os itens e níveis de administração da produção, sendo
estoque de uma empresa gastronômica; considerado como uma completa “filosofia”, a
Considerar os principais itens pertencentes ao qual inclui os aspectos de administração de
seu gerenciamento de estoques; Classificar materiais, gestão da qualidade, arranjo físico,
os itens de maior importância do estoque projeto de produto, organização de trabalho e
através da Curva ABC; Identificar a gestão de recursos humanos. A técnica
imobilização de capital em estoques de maior administrativa é um conjunto de práticas de
e menor importância através das técnicas da organização de estoque, aumentando o
Curva ABC. desempenho e o melhoramento contínuo.
Segundo Gomes (2004) o turismo da cidade A mão de obra humana é algo indispensável
de Caicó é um dos atrativos mais culturais da dentro da filosofia JIT, pois ela proporciona
região do Seridó e sua culinária é muito para o funcionário a autonomia de usar os

Tópicos em Administração - Volume 5


72

recursos na fabricação ou manipulação de A montagem da Curva é composta por quatro


matéria e equipamentos de acordo com o passos fundamentais para a sua construção,
pedido de demanda feito pelos clientes, sem da seguinte forma: (POZO, 2016):
gerar desperdícios de maquinários, materiais,
- Levantamento de problemas a serem
tempo, sujeira no local de trabalho e na
resolvidos, como a quantidade, preço unitário
quantidade certa para cada processo. A
e preço final;
utilização do layout em forma de U faz com
que se tenha mais eficácia no espaço usado - Fazer o levantamento de todos os itens e
para o maquinário de acordo com o agrupá-los em ordem crescente de preço total
necessário (CORRÊA; GIANESI; 1993). e sua somatória;
As atividades logísticas dentro de armazéns e - Dividir cada valor de cada linha pela coluna,
estoque estão se tornando cada vez mais obtendo a porcentagem de cada item e seu
importantes dentro das organizações, e acumulado, (Menor / Maior) x 100;
muitos precisam trazer ferramentas
- O último é a divisão e classificação dos itens
adequadas para poderem ser gerenciadas e
por A, B e C, possibilitando melhores tomadas
controladas. Dentro das armazenagens,
de decisões.
controle de estoque, manuseio de
mercadorias, fluxo e espaço físico são Para Ballou (2006), a curva ABC é
componentes essenciais do conjunto de particularmente útil para o planejamento da
atividades da logística, que por sua vez seus distribuição quanto aos produtos agrupados
custos podem absorver dentro de 10% a 40% ou classificados conforme seu nível de
das despesas logísticas (POZO, 2016). vendas. O conceito da curva é decorrente de
sua classificação de produtos da logística em
administração de matérias baseadas em
2.2 CURVA ABC determinados itens que geram maiores fluxos
em rotatividades de mercadorias vendidas.
A curva ABC surgiu no ano de 1897 por
Vilfredo Pareto. A mesma originou-se de um
estudo por uma comparação de 20 para 80,
3 METODOLOGIA
que por sua vez 20% da população obtinham
80% das riquezas produzidas pelo país e 80% O estudo foi de caráter exploratório-descritivo
da população com 20% das riquezas. Esse por apresentar como determinadas
conhecimento foi passado como uma informações se distribuem dentro do universo
ferramenta que começou a se difundir em amostral. A abordagem do estudo é
atividades da administração, com isso quantitativa por se tratar de um estudo
obtendo controle e reduzindo o déficit de estatístico com o intuito de analisar um
problemas ocasionados por excesso de fenômeno particular ao universo pesquisado.
produtos estocados, reduzindo a lucratividade O levantamento utilizou o método de pesquisa
da produção (POZO, 2016). documental, devido ao fato da natureza das
fontes apoiar-se de materiais que não
Os custos unitários geram conjunto de
auferiram até o momento um tratamento
produtos diferenciados, onde itens de Classe
analítico, podendo estes ainda serem
A são os que apresentam pouco volume de
reelaborados conforme as necessidades do
itens estocados e com valor maior acima de
estudo. O estudo analisou relatórios de
50%. A classe B: é representado por itens de
“primeira mão” oriundos de arquivos digitais
maior quantidade estocados com valor de
pertencentes ao banco de dados da empresa
capital intermediário, sendo o oposto da
em estudo (HAIR JR. et al, 2005).
classe A apresentado pela curva entre 20 a
30% do capital investido na organização. A O local do estudo foi o restaurante Ponto
classe C: são produtos que possuem maiores Certo, localizado na Avenida Seridó, 729. O
quantidades estocadas com menor Ponto Certo é um estabelecimento do setor
porcentagem de capital arrecadado da gastronômico que atende a população
organização, com 20% dos itens seridoense no estado do Rio Grande Do
apresentados, por serem os que menos Norte. Para acolher a estas propostas, o
geram rentabilidade para a organização, não restaurante Ponto Certo presta serviços aos
é preciso uma atenção especial em relação clientes em geral, bem como à população do
aos demais, já que seu faturamento é município de Caicó/RN, onde este abrange
relativamente pequeno (POZO, 2016). uma área geográfica correspondente a

Tópicos em Administração - Volume 5


73

aproximadamente 67.747 habitantes, segundo onde a tabela era composta por 6 colunas,
levantamentos do IBGE (2016). identificadas como: Itens que vão do Nº 1 ao
215, Descrição do Produto, Quantidade
A fonte de dados deste estudo é composta
Vendida, Média Consumo Mensal, Acumulado
por 215 tipos de produtos que são servidos e
em Porcentagem e Classificação a qual
estão disponíveis no cardápio da empresa
pertencem os materiais.
Ponto Certo, e foram coletadas informações
referentes às vendas destes itens no período
de 01 de maio de 2016 até 31 de outubro de
4 PESQUISA E RESULTADOS
2016. Não foram inseridos neste universo os
produtos de vendas disponibilizados como Esta pesquisa teve como levantamento o
“compra eventual”, pela ocorrência dos estudo de caráter exploratório-descritivo com
mesmos não apresentarem previsões mensais análise de dados fornecidos pelo restaurante
de vendas e não constarem no cardápio, Ponto Certo, e coletados e identificados, que
dificultando assim sua identificação. por sua vez foi alcançado 215 itens
classificados e ordenados pela ferramenta
A digitação, tabulação e elaboração da curva
Curva ABC.
ABC utilizou o aplicativo Microsoft Excel 2010,

Tabela 1- Classificação ABC - Itens da Classe A


Dados Coletados entre 01/05/16 e 31/10/2016
I DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS QNT M A% CL
1 FILÉ PAMERGIANA 1.103 183,83 11,49% A
2 FILÉ PAMERGIANA M 1.137 189,50 19,38% A
3 PIZZA DE FRANGO COM CATUP. GG 819,5 136,58 26,78% A
4 PIZZA DE CARNE DE SOL GG 509,5 84,92 31,50% A
5 PIZZA BRASILEIRA GG 365,5 60,92 35,22% A
6 PIZZA FRANGO COM CATUP. G 465,5 77,58 38,67% A
7 PIZZA FRANGO COM CATUP. M 575 95,83 42,00% A
8 PIZZA PORTUQUESA GG 332,5 55,42 44,66% A
9 PIZZA CARNE DE SOL G 291 48,50 46,81% A
10 PIZZA CARNE DE SOL M 320 53,33 48,89% A
11 PIZZA CALABRESA GG 261 43,50 50,95% A
12 PIZZA FRANGO CATUP. P 413,5 68,92 52,87% A
13 PIZZA BRASILEIRA G 213,5 35,58 54,55% A
14 PIZZA CATUPERU GG 174,5 29,08 56,13% A
15 FILÉ EXECUTIVO 338 56,33 57,69% A
16 PIZZA BRASILEIRA M 179,5 29,92 58,94% A
17 PIZZA CARNE DE SOL P 214,5 35,75 60,03% A
18 PIZZA FRANGO GG 137 22,83 61,11% A
19 PIZZA PORTUQUESA G 159 26,50 62,18% A
20 PIZZA PONTO CERTO GG 99,5 16,58 63,19% A
21 PIZZA CAIPIRA GG 95,5 15,92 64,12% A
22 PIZZA CARNE DE SOL CATUP. GG 89 14,83 65,04% A
23 PIZZA PORTUQUESA M 171,5 28,58 65,96% A
24 PIZZA CALABRESA G 132 22,00 66,84% A

Tópicos em Administração - Volume 5


74

(continuação...)
Dados Coletados entre 01/05/16 e 31/10/2016
25 PIZZA CALABRESA M 153,5 25,58 67,70% A
26 PIZZA BRASILEIRA P 141 23,50 68,48% A
27 PIZZA PORTUQUESA ESP. GG 90,5 15,08 69,26% A
28 PIZZA CATUPERU M 131,5 21,92 70,02% A
29 PIZZA CATUPERU G 91 15,17 70,69% A
30 PIZZA DE CARNE DE SOL COM CATUP. G 77,5 12,92 71,34% A
31 PIZZA PONTO CERTO G 72 12,00 71,97% A
32 PIZZA PONTO CERTO M 90,5 15,08 72,60% A
33 PIZZA PORTUQUESA P 146 24,33 73,21% A
34 PIZZA DE FRANGO G 89,5 14,92 73,81% A
35 PICANHA NA CHAPA 57 9,50 74,40% A
36 CAMARÃO A GREGA 53 8,83 74,99% A
37 PIZZA A MODA DA CASA GG 66 11,00 75,55% A
38 CAMARÃO AGREGA M 69 11,50 76,11% A
39 PIZZA FRANGO M 98,5 16,42 76,66% A
40 ISCA DE FRANGO 118 19,67 77,15% A
41 PIZZA CALABRESA P 117,5 19,58 77,64% A
42 PICANHA NA CHAPA M 70 11,67 78,13% A
43 PIZZA PORTUQUESA ESP. G 69,5 11,58 78,61% A
44 PIZZA CAIPIRA G 5,9 0,98 79,09% A
45 PIZZA CARNE DE SOL CATUP. M 60 10,00 79,54% A
46 PIZZA PRESUNTO GG 60,5 10,08 79,97% A
I - Itens; QNT - Quantidade Vendida de Cada Item; M – Média de Consumo de Itens
Mensal; A% - Acumulado dos Itens em Porcentagem; CL – Classificação ABC dos Itens
Fonte: Elaborado pelo Autor

De acordo com a tabela acima foi percebido Camarão, Petiscos e Pizzas, dentre outros.
que 46 itens dentre os 215 do total, ou seja, Estes representam 65 produtos detectados na
21% da variedade de itens, foram curva ABC, correspondendo a
classificados como os que mais tiveram aproximadamente 25% dos produtos
saídas, sendo estes classificados como itens comercializados pela empresa. Segundo Pozo
A. Esse ainda representam quase 80% do (2016) são os itens intermediários que
faturamento total da empresa. Segundo Pozo deverão ser tratados logo após a medida
(2016) são os itens mais importantes, pois tomada sobre os itens de classe A, onde são
integram as primeiras tomadas de decisões considerados de segunda importância, pois
da empresa, os dados apresentados correspondem entre 15% e 30% do capital
representam uma importância monetária, imobilizado em estoques. Em relação a sua
onde concentram aproximadamente 20% do importância, estes podem ser adquiridos em
volume de itens e aproximadamente 80% do um prazo um pouco maior aos itens da classe
faturamento total da empresa. A, porém não devem ser esquecidos.
Já os itens da classe B tem grande Para os itens classificados como classe C,
importância, juntamente aos itens de classe A, foram detectados seis tipos de produtos como
onde estes são identificados no cardápio da Filé A La Carte, Frango, Peixe Camarão,
empresa como: Filé A La Carte, Frango, Peixe Petiscos e Pizzas. Estes apresentam 104

Tópicos em Administração - Volume 5


75

produtos, ou seja, mais de 48% dos itens da Segundo Pozo (2016) São os itens de menor
pesquisa. Com relação ao faturamento estes importância, embora volumosos em sua
representam menos de 5%, sendo quantidade, estes apresentam um valor
considerados itens de menor importância monetário reduzido de faturamento. Estes
dentro da pesquisa. O proprietário deve representam somente 5% em média do valor
prestar atenção a estes itens, pois um alto monetário, apresentando aproximadamente
investimento nos itens desta classe, pode 50% da variedade de itens, estes devem ter
imobilizar o capital da empresa, dificultando uma importância reduzida devido sua baixa
posteriormente a aquisição de itens de agregação de valor.
classes A e B.

Figura 1 - Gráfico da Curva ABC do Restaurante Ponto Certo

Fonte: Elaborado pelo autor

O gráfico acima representa os níveis em pesquisados. Comparando essa variedade a


comparação dos dados utilizados e coletados proposta do autor, pode-se aferir que a
diante do fornecimento da empresa mesma permanece dentro dos padrões
restaurante Ponto Certo. A análise dos dados sugeridos pelo autor, guardadas as devidas
teve o intuito de levantar itens para o proporções.
diagnóstico dos níveis de estoques em
Conforme Pozo (2016) os itens de classe C
vendas apresentadas pela organização, onde
são representados por aproximadamente 50%
obteve o seu comparativo. Segundo
da variedade de itens existentes, tendo estes
Ballou (2006), estes apresentam-se de 80 por
uma participação mínima no faturamento total,
20, onde 80 significa a porcentagem do seu
apenas 5%. A pesquisa apresentou que os
faturamento total e 20 a porcentagem de itens
itens de classe C correspondem a 4,98% de
apresentados. O restaurante Ponto Certo com
todo o faturamento do restaurante Ponto
a participação de 46 itens na classe A,
Certo, esses valores aproximam-se dos 5%
apontou 21,39% dos itens nesta classe, um
sugeridos pelo autor, a classe C ainda
pouco superior ao recomendado pelo autor, já
apresentou 104 variações de itens que
para o faturamento total essa classe
compõem 48,37% do total de itens da
apresenta 79,97%, que representam
pesquisa, esse valor também aproxima-se
adequadamente os 80% do faturamento total
dos 50% sugeridos pelo autor.
sugerido pelo autor.
Com relação a classe B, Pozo (2016) recorda
que esses itens devem apresentar um 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
faturamento na casa dos 15% e uma
Com base na pesquisa realizada, pôde-se
variedade de itens de aproximadamente 30%.
apresentar a aplicabilidade da ferramenta
O restaurante Ponto Certo apresentou 14,52%
Curva ABC na gestão de estoques do
do faturamento total, apresentando resultados
almoxarifado do restaurante Ponto Certo,
muito próximos aos propostos pelo autor, com
situado no município de Caicó/RN. Neste
relação a variedade de produtos, esta classe
foram identificados os itens que atendem ao
foi representada por 65 itens que retratam
público em geral com maior demanda e giro
30,23% da variedade total de itens

Tópicos em Administração - Volume 5


76

de produtos em seu cardápio, como também variedade, correspondendo a 167 produtos


conferiu-se os itens de baixa demanda. distintos, porém com participação apenas de
20,03% do faturamento total. Ambas as
A pesquisa procurou responder a
classes somadas não atingem as proporção
problemática: Como o emprego da ferramenta
da classe A supracitada. Estes porém tornam-
Curva ABC pode cooperar com o
se importantes quando trata-se de
gerenciamento de estoques de uma empresa
competitividade entre organizações, pois uma
do setor gastronômico? Essa questão partiu
maior variedade de itens no cardápio, pode
da hipótese de que os gestores de segmentos
proporcionar uma maior vantagem
gastronômicos necessitavam distinguir os
competitiva para o restaurante.
diversos itens existentes na sua cartela de
produtos, observando o capital imobilizado no O quarto e último objetivo específico foi o de
seu armazenamento, compreendendo suas identificar a imobilização de capital em
demandas. estoques de maior e menor importância
através das técnicas da curva ABC, com base
Para isso a pesquisa apresentou como
nesta pesquisa que tratou das demandas de
solução do problema o objetivo geral que é o
consumo dos produtos do restaurante,
de compreender como a aplicação da
concluiu-se que os 46 itens da classe A
ferramenta Curva ABC pode colaborar com a
representam uma imobilização de 79,20% do
gestão de almoxarifado de uma empresa do
capital investido. Já para os 65 itens da
setor gastronômico. Para obtenção do
classe B, a empresa deverá investir somente
alcance desse objetivo, a pesquisa
14,52% do seu capital. Por último, para os
apresentou os seguintes resultados.
itens de classe C que totalizam uma variação
No primeiro objetivo específico que tratava de de 104 itens, o restaurante deverá imobilizar
analisar os itens e níveis de estoque de uma apenas 4,98% do seu capital. Com base nos
empresa gastronômica, verificou-se que por resultados apresentados a organização
meio da pesquisa com os dados coletados, poderá tomar melhores decisões com relação
foram diagnosticados 215 itens, onde estes a aquisição de insumos.
apresentam um consumo médio mensal
A pesquisa em questão mostrou que a gestão
variando bastante entre as classes A, B e C.
e gerenciamento de estoques pode ser uma
Os itens da classe A apresentam um consumo
ferramenta imprescindível para o
superior aos das outras classes. Como
desenvolvimento de uma organização.
exemplo pode-se observar o item file
Aumentando sua eficiência na gestão
parmegiana que apresenta um consumo
administrativa, proporcionando um melhor
médio mensal de 183 unidades/mês, bem
fluxo e controle de sua gestão. A finalidade da
diferente do item pizza lombinho M que
gestão de estoques é colocar em prática todo
apresenta um consumo médio mensal de 0,08
o conhecimento como foi abordado e posto
unidades/mês.
em pauta na proposta da ferramenta curva
O segundo objetivo tratou de considerar os ABC.
principais itens pertencentes ao seu
Com base em pesquisas bibliográficas, foi
gerenciamento de estoques, que por sua vez
percebido que a administração na gestão de
o filé parmegiana está no topo dos produtos
estoques é um processo em gerenciamento
mais rentáveis, que são classificados como
de riscos e incertezas, e que o mercado está
itens da classe A, os demais 45 itens
sempre em mudanças, e a cada dia surgem
pertencentes a esta classe, correspondem
novas necessidades para que hajam
aqueles de maior rentabilidade, sendo
processos mais rápidos, com menos custos e
responsáveis por 79,97% do faturamento da
despesas, com mínimo de esforço e mais
organização. Os 46 itens pertencentes a esta
eficiência em cada gerenciamento de fluxo de
classe apresentam uma participação de
manuseio e tomadas de decisões.
21,39% do total de itens, sendo estes os
motivadores da maior movimentação do Diante da realidade com relação a
restaurante Ponto Certo. competição entre as MPE’s, muitas dessas
organizações não possuem um sistema de
O terceiro objetivo trata a questão de
gestão de estoques. Neste sentido, esta
classificar os itens de maior importância
pesquisa contribuiu com uma demonstração
dentro da Curva ABC. Para isso foi necessário
de uma gestão de estoques em uma MPE,
coletar, identificar e classificar cada item,
utilizando a ferramenta curva ABC. O estudo
analisando em vista das classes A, B e C. Os
mostra que com uma boa compreensão dos
itens das classes B e C possuem uma maior

Tópicos em Administração - Volume 5


77

itens de seus estoques, as empresas podem focando nos itens que proporcionam maior
se organizar, ou até mesmo competir de giro de vendas, reduzindo seu estoque,
forma salutar em um mercado tão competitivo adquirindo apenas nas quantidades certas e
como é o do setor gastronômico, por no momento certo. Tal aplicação pode
exemplo. colaborar para que a empresa tenha uma
maior qualidade na prestação de seus
As empresas podem reduzir desperdícios e
serviços, proporcionando uma maior
controlar melhor os custos com aquisições de
satisfação aos seus clientes e colaboradores.
produtos que tenham uma menor rotatividade,

REFERÊNCIAS
[1]. BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da [8]. SEBRAE. GEM 2011: Brasil é o terceiro
cadeia de suprimentos: logística empresarial. 5ªed. país com maior n° de empresas. 2011. Disponível
Porto Alegre: Bookman, 2006. em:
<https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/est
[2]. BOWERSOX, Donald J. Logística
udos_pesquisas/gem-2011-brasil-e-o-terceiro-pais-
empresarial: o processo de integração da cadeia
com-maior-n-de-
de suprimento. São Paulo: Atlas, 2001.
empresasdetalhe21,4c0ccd8d48ae3410VgnVCM1
[3]. GOMES, Maria Marluce. História da 000003b74010aRCRD>. Acesso em: 20 out. 2016.
gastronomia do Rio Grande do Norte. Natal:
[9]. _______. Taxa de Sobrevivência das
Estrela, 2004.
Empresas no Brasil. 2011. Disponível em:
[4]. HAIR JR., Joseph F et al. Fundamentos de <https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal
Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Sebrae/Anexos/Sobrevivencia_das_empresas_no_
Alegre: Bookman, 2005. Brasil_2011.pdf>. Acesso em: 20 out. 2016.

[5]. CORRÊA, Henrique L.; GIANESI, Irineu G. [10]. ________. Estudo de Mercado do Setor de
N. Just In Time, MRP II e OPT: Um enfoque Bares e Restaurantes. 2012. Disponível em:
estratégico, 2. ed. São Paulo: Atlas, 1993. <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/AR
QUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/9708855d4feabaf
[6]. IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE 2ab182a45d3736dee/$File/4498.pdf>. Acesso em:
GEOGRAFIA ESTATÍSTICA, 2016. Disponível em: 20 out. 2016.
<http://cod.ibge.gov.br/SD2>. Acessado em: 17 de
nov. de 2016. [11]. ________. Estudo de Tendências e
Oportunidades de Negócios em Goiás. 2014.
[7]. POZO, Hamilton. Administração de Disponível em:
recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem <https://www.sebrae.com.br/Estados/Estudo de
logística. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2016. Tendências e Oportunidades de Negócios em
Goiás.pdf>. Acesso em: 20 out. 2016.

Tópicos em Administração - Volume 5


78

Capítulo 8

Tércia Zavaglia Torres


Lineu Neiva Rodrigues
Azeneth Eufrausino Schuler
Sônia Ternes

Resumo: A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), uma


instituição pública ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
(Mapa), do governo federal brasileiro, instituiu a Rede AgroHidro para estudar as
interações da agricultura com os recursos hídricos de bacias hidrográficas em
diferentes biomas brasileiros. Para isto realizou-se uma pesquisa quanti-qualitativa
de caráter longitudinal. Na primeira fase levantaram-se informações junto aos
integrantes da Rede, sobre os aspectos relativos às competências individuais e à
estrutura e gestão da Rede. Na segunda identificaram-se os elementos
favorecedores da estruturação, desenvolvimento e gestão da Rede. Concluiu-se
que os aspectos organizacionais e as relações e influências destes nas interações
sociais ocorridas na Rede devem favorecer ações de troca de dados, informações,
conhecimentos e experiências para facilitar a execução das atividades
de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I); promover uma gestão
compartilhada para desenvolver vínculos entre os pares; estimular a organização
de informações nas diversas áreas de conhecimentos e temas que envolvam as
necessidades da Rede; e fortalecer as relações entre os pares a partir do
estabelecimento de princípios comunicacionais voltados para autonomia crítica,
dialogismo, corresponsabilidade entre os pares e pensamento complexo. Quanto
aos aspectos relacionados à gestão, desenvolvimento e estruturação da Rede
AgroHidro concluiu-se que as competências humanas e organizacionais existentes
na Rede; o modelo de gestão praticado pelos diversos gestores que a integram; o
excesso de burocracia; e o estabelecimento de papéis/atribuições claras entre os
seus integrantes são fatores que favorecem, em maior ou menor grau, a
estruturação, desenvolvimento e gestão da Rede.

Palavras chave: Rede AgroHidro, Embrapa, Redes de Pesquisa, Gestão de Redes


de Pesquisa, Estruturação de Redes de Pesquisa.

Tópicos em Administração - Volume 5


79

1 INTRODUÇÃO Este artigo possui cinco seções contando


com esta introdução. Na segunda apresenta-
As instituições de pesquisa, desenvolvimento
se o referencial teórico que embasa a
e inovação tecnológica (PD&I) atualmente
pesquisa. Na seção três a metodologia da
implantam políticas e instrumentos de gestão
pesquisa e a forma de tratamento dos dados
que as ajudam a tomar decisões estratégicas.
são discutidas. A quarta seção analisa os
Uma destas políticas refere-se à formação e
resultados da pesquisa e na quinta
ao desenvolvimento de redes de pesquisa. As
apresentam-se as conclusões.
redes de pesquisa usam as competências
individuais e organizacionais para integrar
recursos e buscar soluções sistêmicas para
2 REFERENCIAL TEÓRICO
os problemas sociais trazendo ganhos em
termos de aprendizagem e conhecimentos. 2.1. IMPORTÂNCIA DA ÁGUA E DOS
Ancoradas por premissas colaborativas, RECURSOS HÍDRICOS PARA A
participativas e coletivas as redes se AGRICULTURA
estabelecem a partir das interações, relações
No fim do século XX a temática ambiental
e comunicações promovidas entre os atores
passa a permear de forma mais intensa as
individuais que as compõem. Na Empresa
discussões das instituições governamentais e
Brasileira de Pesquisa Agropecuária –
não-governamentais e da sociedade civil. A
Embrapa, foi criada a Rede AgroHidro que
preocupação concentra-se em criar as
busca o desenvolvimento e a inovação
condições promotoras para o
tecnológica para construir, desenvolver e gerir
desenvolvimento sustentável das atividades
as comunicações criadas entre os cientistas,
produtivas, tendo em vista que o modelo de
educadores, agentes públicos e privados de
desenvolvimento socioeconômico exercido
diversas instituições para favorecer a criação
até então foi danoso a toda a sociedade.
de novos conhecimentos, metodologias,
Segundo Tocchetto (2005) é papel da
processos e tecnologias, estudando as
sociedade priorizar investimentos e esforços
interações da agricultura com os recursos
em alternativas que minimizem os impactos
hídricos de bacias hidrográficas em diferentes
negativos das suas atividades produtivas a
biomas brasileiros, avaliando-se as alterações
partir da adoção de estratégias de prevenção.
hidrológicas advindas de mudanças
climáticas e do uso da terra, com vistas à Dentre as questões ambientais que suscitam
sustentabilidade da agricultura e à atenção e cuidados especiais encontra-se a
manutenção da qualidade de vida das referente à água. A falta de água causada
comunidades rurais. pela escassez da chuva, por desperdício,
bem como pela contaminação das fontes
Neste sentido foi desenvolvida uma
naturais, há muito vem ameaçando a
investigação entre os anos 2012 e 2016 para
sobrevivência da espécie humana. Questões
responder à seguinte questão de pesquisa:
relativas à utilização da água no planeta vêm
quais elementos circunscritos à rede de
ganhando destaque nas atuais discussões
pesquisa AgroHidro são percebidos pelos
ambientais e climáticas porque sua demanda
atores que a integram como fundamentais à
tem aumentado vertiginosamente sem que
sua estruturação, desenvolvimento e gestão?
haja, em contrapartida, planejamento e gestão
O objetivo da pesquisa foi estudar formas de
adequados para seu uso. Ademais, o
estruturar, desenvolver e gerir esta Rede para
aumento populacional e a degradação
potencializar o alcance dos seus resultados. A
ambiental fazem com que a água seja
abordagem metodológica da pesquisa foi
considerada um recurso raro, portanto,
quanti-qualitativa tendo sido realizada em
estratégico.
duas fases. Na primeira a metodologia
utilizada foi a quantitativa sendo levantadas No segmento agropecuário a questão hídrica
informações junto aos integrantes da Rede, é crítica e deve ser compreendida de maneira
sobre os aspectos relativos às competências integrada à questão da segurança alimentar.
individuais e aos aspectos organizacionais Para a Rodrigues et al. (2013) o crescimento
como estrutura e gestão da Rede. Na populacional demandará mais alimentos, fato
segunda fase a metodologia adotada foi a que, aliado às novas demandas energéticas
qualitativa e identificou-se junto aos gestores de bases renováveis, alterará os padrões
da Rede os elementos favorecedores da atuais de uso dos recursos hídricos no meio
estruturação, desenvolvimento e gestão da agrícola. As mudanças climáticas afetarão o
Rede. ciclo hidrológico e a produção nacional de

Tópicos em Administração - Volume 5


80

alimentos acarretando prejuízos à de informações (FOMBRUN, 1997). Observa-


disponibilidade dos recursos hídricos para o se atualmente que este tema vem se
consumo humano e animal, para a geração constituindo em um importante locus de
de energia e, principalmente, para a estudo de diversas áreas do conhecimento.
agricultura, por ser essa a atividade que mais
No campo da sociologia da ciência muitos
demanda esses recursos (RODRIGUES et al.,
estudos têm sido realizados sobre redes de
2013).
colaboração e redes de pesquisa. Balancieri
O enfrentamento referente à escassez de (2004) afirma que a colaboração científica é
água passa necessariamente pelo um fenômeno tão antigo quanto a própria
planejamento do uso racional destes ciência, e os esforços colaborativos
recursos, sendo essencial estabelecer envolvendo pesquisadores de países
políticas hídricas efetivas de modo a diferentes foram detectados já no século XVII
assegurar a produção de alimentos e quando o cientista inglês Robert Boyle
minimizar a pobreza por meio do adotou, pela primeira vez, a expressão
desenvolvimento sustentável. Neste contexto ‘colégio invisível’ para descrever um grupo de
evidencia-se a necessidade de empresas pesquisadores de diferentes instituições que
como a Embrapa investirem esforços na mantinham contatos entre si para trocarem
busca de alternativas que minimizem os ideias (MUELLER, 1994). Define-se redes de
impactos negativos do uso da água no colaboração como um grupo de pessoas,
segmento agropecuário brasileiro. Assim, a normalmente cientistas de áreas de domínios
Embrapa criou em 2010 uma rede de de conhecimentos diferentes, que atuam em
pesquisa intitulada Rede AgroHidro para distintas instituições públicas e/ou privadas
investigar o uso sustentável dos recursos de ensino, pesquisa, desenvolvimento e
hídricos a partir dos desafios associados às inovação que, conectadas por algum meio de
crises de suprimento de alimentos e de água comunicação (atualmente as tecnologias
no contexto mundial. O objetivo principal digitais), relacionam-se entre si para trocarem
desta Rede é promover a integração, a troca ideias, informações, conhecimentos,
de experiências e o avanço de competências, experiências, saberes e
conhecimentos entre profissionais e saberes-fazer.
instituições nacionais e estrangeiras que
Gresham Júnior (1994) defende que as redes
estudam as interações entre os recursos
colaborativas devem ser compreendidas
hídricos e as cadeias produtivas
pelas instituições de PD&I como canais
agropecuárias e florestais, em busca de
comunicacionais formais que apresentam a
soluções baseadas em conhecimentos e
particular vantagem de manter seus
tecnologias, voltadas à sustentabilidade e à
pesquisadores em contatos com outros atores
melhoria da qualidade de vida dos produtores
sociais para que se atualizem, obtenham
rurais e da população em geral (RODRIGUES
feedbacks, compartilhem informações em
et al., 2016). A Rede, liderada pela Embrapa
diversos estágios formativos do
Cerrados, conta com a parceria de diversas
desenvolvimento de uma ideia, promovendo
universidades e instituições governamentais e
aprendizagens em outros domínios de
não governamentais (20 Centros de Pesquisa
conhecimentos. Estas redes colaborativas
da Embrapa e mais de 30 instituições de
ampliam potencialmente as chances de os
ensino e pesquisa externas à Embrapa).
cientistas gerarem em seus projetos de
pesquisa resultados de alto valor agregado
para a sociedade. A partir do uso das
2.2. REDES DE COLABORAÇÃO E REDES DE
tecnologias de informação e comunicação
PESQUISA: IMPORTÂNCIA PARA
(TIC) de cariz digital e a potencialidade
INSTITUIÇÕES DE PD&I
comunicacional que elas inserem, os estudos
O termo redes vem do latim retiolus e significa sobre redes de colaboração, passaram a
um conjunto de linhas entrelaçadas. É um enfatizar a participação individual dos
conceito que está presente na história desde cientistas e o reconhecimento da
o século XII quando designava caça, pesca e interdependência que estabelecem entre si
tecidos (MUSSO, 2004). É também quando criam um fluxo informacional e
empregado para caracterizar um conjunto de comunicacional de troca de experiências e
fluxos, como recursos e informações, que conhecimentos.
passa por um conjunto de nós, por exemplo,
indivíduos, grupos, organizações e sistemas

Tópicos em Administração - Volume 5


81

As redes de pesquisa podem ser definidas apenas as mudanças nos modos


como arranjos organizacionais originários das comunicacionais de se relacionar com seus
profundas alterações que as instituições de públicos, mas, principalmente, a forma de
ensino e PD&I passaram a sofrer a partir da transferir informações para a sociedade e de
segunda metade do século XX. É notório que aprender com os próprios integrantes da rede
o ambiente organizacional, sobretudo a partir e com o ambiente ao qual está imersa
da década de 1990, tornou-se mais dinâmico (MARTELETO, 2010). Possibilita também
e complexo alterando e desafiando as traçar estratégias que levem em “[...] conta os
estruturas tradicionais das pequenas e das fluxos e a dinâmica de funcionamento da
grandes empresas (PECI, 1999). Mudanças empresa, considerando que sua estrutura,
nas condições econômicas, sociais e políticas seus quadros e sua cultura organizacional são
obrigaram as empresas a alterarem seus elementos que a configuram” (SANT’ANA,
modelos de gestão e de organização da 2011).
atividade humana no interior do sistema
As redes de pesquisa são também
produtivo empresarial.
consideradas redes sociotécnicas, ou seja,
Este contexto impulsionou as empresas a um conjunto de elementos (humanos e não-
buscarem alternativas para eliminar as humanos) que, conectados entre si, estão em
barreiras que as limitavam a promover permanente interação para alcançar um
maiores avanços. Como consequência objetivo comum. Os elementos técnicos (não-
surgiram novos arranjos institucionais como humanos) são os equipamentos, normas,
as fusões, constituições de cadeias técnicas, métodos, procedimentos, valores,
empresariais, conglomerados, alianças crenças, cultura, estrutura organizacional e os
estratégicas e, principalmente, a formação de elementos sociais (humanos) são as pessoas
redes. Especificamente no caso das e as relações sociais que elas produzem a
instituições de PD&I, segundo Balancieri partir da interação que se estabelecem entre
(2004), além destes fatores, a aceleração nas elas.
mudanças científicas e tecnológicas, a
Um único elemento da rede de pesquisa
necessidade de uma base científica ampla
nunca age sozinho sobre os outros porque, na
para a produção e a abertura dos mercados à
essência, a rede é a conexão entre os dois
competição global das empresas, aliadas à
elementos que possuem naturezas distintas
globalização da ciência, resultaram em novas
(VACARI et al., 2017). Um cientista, por
exigências para as instituições de PD&I.
exemplo, que integra a Rede sociotécnica
Dentre estas o autor aponta a necessidade
AgroHidro, está conectado com outros
imperiosa de encurtarem o ciclo pesquisa ↔
cientistas e também com diferentes elementos
desenvolvimento ↔ produto.
não-humanos. Ele não exercerá as suas
Diante dessa realidade as redes de pesquisa funções na Rede se não: tiver acesso a
emergem como uma alternativa concreta de computadores, usar seu know-how e
promoção do desenvolvimento tecnológico conhecimento técnico seguindo os valores e
cooperativo e da colaboração externa de cultura organizacional da Empresa,
vários cientistas com vistas à ampliação das apresentar suas ideias para seus pares,
chances de as instituições de PD&I seguir o modelo de gestão de pesquisa da
entregarem para a sociedade soluções Embrapa usando as normas, políticas,
integradas de valor agregado. Assim, define- diretrizes, procedimentos e condutas
se redes de pesquisa como uma organização estabelecidos por ela para promover as
de coesão tênue formada por pesquisadores parcerias, conduzir e liderar ações conjuntas
isolados ou grupos de cientistas ligados entre com seus pares de outras instituições se
si por vínculos de naturezas diversas, que, de todos estes elementos não estiverem
forma interdisciplinar e complementar, se funcionando devidamente alinhados às
unem para trocar ideias, informações, formas como a Rede AgroHidro estiver
experiências, conhecimentos, competências e estruturada e gerida (ALCADIPANI; TURETA,
saberes (WEISZ; ROCO, 1996). 2009). Prado e Baranauskas (2012)
argumentam que o sucesso das redes
Inúmeras são as vantagens para instituições
sociotécnicas, portanto, das redes de
como a Embrapa criarem o arranjo estrutural
pesquisa, depende do quanto um ou mais
no formato de redes de pesquisa. Ele permite
elementos mobilizam seus próprios interesses
à Empresa acompanhar seus próprios
e o de outros elementos para alterar um
movimentos estratégicos, indicando, não
determinado estado de coisas. Assim, para

Tópicos em Administração - Volume 5


82

assegurar o alcance dos objetivos da Rede seus elementos estar-se-á construindo no


AgroHidro e conectar os elementos em torno âmbito das instituições de PD&I uma cultura
de interesses mútuos, torna-se necessário de aprendizagem e um fluxo de construção
estabelecer mecanismos de estruturação, de conhecimento contínuos, que tem como
desenvolvimento e gestão de todos os essência a própria atuação profissional dos
elementos (humanos e não-humanos) que a cientistas que integram estas redes de
integram. pesquisa.
A abordagem sociotécnica é particularmente
vantajosa porque sinaliza para as instituições
3 METODOLOGIA DA PESQUISA
de PD&I que é necessário priorizar a
estruturação e o desenvolvimento simultâneo Realizou-se uma pesquisa quanti-qualitativa
dos elementos técnicos e sociais/humanos de caráter longitudinal composta por duas
visando facilitar a gestão das redes de fases conforme apresentado na Figura 1. Na
pesquisa, sobretudo, se considerarmos que é primeira fase, realizada em 2012 quando do
a partir da interface destes dois elementos início da formação da Rede AgroHidro,
organizacionais que se torna mais viável o aplicou-se um questionário para os
alcance da eficiência e eficácia das redes de integrantes. O objetivo desta fase da pesquisa
pesquisa criadas por estas instituições. foi levantar a percepção deles sobre os
aspectos relativos às competências
Entende-se, portanto que os produtos
individuais e à estrutura e à gestão da Rede.
gerados pelas redes de pesquisa são
Na segunda fase da pesquisa, realizada entre
resultados da mobilização, negociação e
os anos de 2014 e 2015, aplicou-se uma
associações que surgem entre os elementos
entrevista junto aos pesquisadores que
heterogêneos (humanos e não-humanos) que
compunham o grupo gestor da Rede
as integram. À medida que a estrutura, o
AgroHidro para identificar os elementos que
desenvolvimento e a gestão das redes de
favorecem a estruturação, o desenvolvimento
pesquisa se tornem mais eficientes e
e a gestão da Rede.
favoreçam as trocas e as interações entre os

Figura 1- Delineamento metodológico da pesquisa.

O questionário on-line foi composto por quatro (inferência, simulações, data mining, gráficos
variáveis identificadas a partir da literatura etc.).
sobre competências individuais e estrutura e
As entrevistas, realizadas junto a 11
gestão de Redes. Foi enviado para 134
pesquisadores que integram o grupo gestor
pessoas que compunham a Rede AgroHidro,
da Rede foram realizadas entre os meses de
durante o período de 20 de março a 18 de
outubro de 2014 a abril de 2015. O longo
abril de 2012, destas 65 responderam, ou
período transcorrido para a realização das
seja, 48,5% do universo de sujeitos da
entrevistas se deveu a dois fatos: os sujeitos
pesquisa. A análise dos dados coletados
desta fase da pesquisa atuavam em cidades
através do questionário foi realizada com o
diferentes da responsável pela pesquisa; e
apoio do software R que é especificamente
ocorreu uma impossibilidade de ordem
voltado para computação estatística
financeira e orçamentária que tornaram a

Tópicos em Administração - Volume 5


83

coleta de dados e a sua análise mais longa do 4 RESULTADOS DA PESQUISA


que o esperado. As entrevistas seguiram um
4.1 RESULTADOS DA FASE QUANTITATIVA
roteiro semiestruturado que contemplava
DA PESQUISA
tópicos-guia levantados na literatura sobre
estrutura, desenvolvimento e gestão de redes Na fase quantitativa da pesquisa foram
de pesquisa. Todas as entrevistas, gravadas exploradas quatro variáveis conforme destaca
em áudio mediante autorização dos sujeitos, a Figura 2. São elas: 1) competências
foram transcritas. Os dados coletados nelas necessárias ao trabalho em rede; 2) ganhos
foram analisados por meio da técnica de obtidos com o trabalho em rede; 3) esforços
análise de discurso. Esta técnica permitiu a despendidos com o trabalho em rede; e 4)
identificação dos sentidos dados pelos complementaridade de competências entre
sujeitos acerca dos tópicos-guia definidos no os pares. Além disto, foi identificada a
roteiro semiestruturado (CAREGNATO; MUTTI, percepção dos integrantes da Rede
2006). Os sentidos identificados e AgroHidro sobre a forma como ela deveria ser
interpretados geraram as quatro categorias gerida na fase inicial de sua formação.
de análise que serão discutidas na seção
seguinte.

Figura 2- Aspectos relativos às competências individuais e à estruturação e gestão da Rede.

A primeira variável se relaciona ao ‘trabalho si para potencializar o alcance dos resultados


em rede’. Nesta variável os integrantes da da Rede AgroHidro.
Rede AgroHidro informaram que há quatro
As competências comportamentais vistas
competências de caráter individual
pelos sujeitos como mais importantes foram
importantes e necessárias para o
as de: comprometimento com 92% de
estabelecimento das bases de suporte à
resposta (perceber relações entre interesses
solidificação, formação, estruturação e gestão
pessoais/profissionais e os propósitos da
da Rede. São elas: competências
rede); espírito de colaboração (77%)
comportamentais que se referem às atitudes
(procurar o desenvolvimento
que os integrantes devem ter para assegurar
pessoal/profissional dos pares); e constância
que a Rede se estabeleça com a estrutura
de propósito (51%) (buscar sempre o alcance
adequada de funcionamento; competências
de resultados). As competências técnicas
técnicas que se relacionam às fases de
ressaltadas como as mais importantes na fase
produção da pesquisa (prospecção de
inicial de formação da Rede em 2012 foram
demandas, planejamento, execução, gestão e
as de execução de ações de PD&I (55%)
avaliação da pesquisa); competências
(realizar as ações planejadas seguindo
transversais são aquelas que atravessam
métodos compatíveis e cumprindo os prazos
todos os processos que os integrantes da
estabelecidos) e de gerenciamento de ações
Rede executam para atuarem nela e estão
de PD&I (50%) (coordenar e liderar a
ligadas a aspectos como: auto-organização,
execução das ações planejadas gerenciando
métodos de trabalho eficientes e eficazes,
conflitos e negociando outras ações para se
relacionamento interpessoal e articulatório
alcançar os resultados esperados). As
com os pares que integram a Rede;
competências transversais consideradas mais
competência de interdependência técnica
importantes foram as: metodológicas (45%)
que são aquelas que se inter-relacionam entre
(estabelecer métodos próprios de trabalho e
de reflexão sobre a eficiência e eficácia do

Tópicos em Administração - Volume 5


84

que está sendo executado em conjunto com requereu dos integrantes a mobilização de
os parceiros); e auto-organização (40%) competências comportamentais como as de
(organizar ideias e pensamentos de diversas compartilhamento de conhecimentos,
áreas de conhecimentos, conciliando-as às criatividade, iniciativa e excelência na
etapas de PD&I que são realizadas com os pesquisa. Por estas razões parece óbvio que
parceiros). A competência de a competência técnica de execução tenha
interdependência técnica que se destacou surgido como uma das mais relevantes para a
como importante foi a de execução e viabilização da Rede AgroHidro na sua fase
gerenciamento das ações de PD&I conforme inicial.
observado quando os integrantes da Rede
A quarta variável é a ‘complementaridade de
informaram sobre as competências técnicas
competências entre os pares’. Nesta variável
que mais contribuiriam para viabilizá-la na sua
evidencia-se a interface entre as
fase inicial como um espaço de produção de
competências técnicas e transversais. Aqui
informações e conhecimentos coletivos para a
surge novamente como destaque a
promoção de resultados integrados.
importância da competência técnica de
Na segunda variável ‘ganhos com o trabalho execução das ações de PD&I (77%) e sua
colaborativo em rede’ os integrantes relação com a competência transversal de
informaram que o ganho excepcional ao se articulação (62%). Tal resposta esclarece a
atuar em rede está relacionado à troca de interdependência entre ambas as
ideias, informações, conhecimentos e competências à medida que a possibilidade
competências entre os pares (83%), havendo de executar ações conforme planejado é
também destaque para os ganhos indissociável da articulação ou da
relacionados à ampliação dos capacidade que os diversos cientistas da
relacionamentos pessoais e profissionais Rede precisam ter/desenvolver para encaixar
(81%) e de compreensão sistêmica dos ideias, informações, conhecimentos,
problemas ligados às interações entre experiências e saberes relativos às suas
agricultura e recursos hídricos (79%). respectivas áreas de conhecimento e às
etapas do processo de PD&I. Parece evidente
Na terceira variável ‘esforço despendido no
que quanto maior for a articulação ou a
trabalho colaborativo em rede’ ficou
capacidade que os integrantes da Rede
evidenciado nas respostas dos gestores da
tiverem de fazer reflexões e discussões
Rede AgroHidro que o que exigiu excessivo
esquematizando ações para serem
esforço da parte deles na fase inicial de
executadas de forma encadeadas, maiores
formação da Rede foi a competência de
também serão as chances de obterem êxitos
executar as ações de PD&I planejadas (64%).
conforme o esperado e mais adequada
Esta racionalidade observada na resposta se
também se torna a execução destas ações.
compatibiliza com a fase de formação inicial
da Rede porque é exatamente nela que o
esforço de execução se faz mais presente,
4.2 RESULTADOS DA FASE QUALITATIVA DA
uma vez que é necessário concatenar todas
PESQUISA
as ações que são realizadas em diversos
projetos simultaneamente para gerar os Na fase qualitativa da pesquisa surgiram
resultados esperados. Assim, é nesta fase quatro categorias de análise (Figura 3) que,
que se exige dos integrantes muita segundo os gestores da Rede AgroHidro,
articulação, coordenação, condução e favorecem a sua estruturação,
liderança, além da capacidade de aplicar os desenvolvimento e gestão. São elas: 1) as
conhecimentos de um domínio de competências; 2) o modelo de gestão; 3) os
conhecimento específico em um contexto aspectos institucionais; e 4) o papel exercido
mais amplo que é o que se quer com a Rede pelas instituições que compõem a Rede.
AgroHidro. Certamente que todo este esforço

Tópicos em Administração - Volume 5


85

Figura 3- Aspectos favorecedores da estruturação, desenvolvimento e gestão da Rede.

A primeira categoria de análise refere-se às abrangentes e de valor agregado para a


‘Competências’. Na perspectiva desta sociedade. A coordenação refere-se à
pesquisa, competência é entendida como o capacidade que os próprios gestores devem
conjunto de conhecimentos, habilidades e ter de articular atividades imprescindíveis
atitudes que servem para analisar e mensurar para o alcance de resultados da Rede aos
o desempenho dos indivíduos e o das recursos existentes e de lidar com conflitos
organizações. Em resumo, competência é evitando a perda dos esforços de
entendida como estoque de recursos, que o comunicação e de colaboração entre as
indivíduo ou a organização detém. Nesta pessoas. Portanto, estas competências,
categoria ficou evidente para os gestores que corroboram para que haja na Rede AgroHidro
competência é essencial para o a emergência de uma nova forma de
desenvolvimento da Rede. Eles sinalizaram organização para a produção do
que os integrantes da Rede AgroHidro devem conhecimento. Isto porque a constituição de
ter algumas competências como iniciativa, um dispositivo de coordenação apóia a
criatividade, excelência na pesquisa, aprendizagem das pessoas e das empresas
comunicacional, espírito de colaboração, que compõem a Rede; permitem a exploração
constância de propósito, ética, articulatória, de competências complementares,
coordenação, comprometimento e fundamental para dominar soluções
compartilhamento de conhecimentos, caracterizadas pela complexidade e
experiências e saberes. Dentre estas diversidade de áreas de conhecimento
competências duas foram consideradas como distintas; instauram um ambiente
as mais relevantes para a fase de organizacional (ou interorganizacional) que
desenvolvimento que a Rede se encontrava: a abre a possibilidade da exploração de
comunicacional sistêmica e a de sinergias pela junção de diferentes
coordenação/articulação. A competência competências (KÜPPERS; PYKA, 2002).
comunicacional sistêmica é aquela capaz de
A segunda categoria de análise refere-se ao
criar uma ambiência, ou seja, capaz de
modelo de gestão. Define-se modelo de
promover “[...] fluxos informacionais
gestão como o conjunto de opções de gestão
pluridirecionais, descentralizando a
que foram estruturadas sob um quadro de
verticalidade das relações sociais e de
referência ou esquema para serem aplicados
comunicação nos diferentes ambientes,
a um negócio empresarial. O uso de modelo
sobretudo nas empresas” (CORRÊA, 2009, p.
de gestão tende a ampliar as chances de uma
326). Este tipo de comunicação é mais
organização alcançar resultados
aderente aos interesses de uma Rede de
considerados estratégicos. Nesta categoria os
pesquisa como a AgroHidro porque favorece
gestores da Rede AgroHidro evidenciaram
o compartilhamento de informações de forma
que o êxito na gestão da Rede requer, de um
rápida, horizontal, interativa e dinâmica entre
lado, que os pesquisadores tenham
as pessoas, ampliando a capacidade delas
competências para enxergar, estratégica e
de aprenderem a partir desta interação. A
sistemicamente, o campo de atuação da
competência de articulação se refere à
Rede, se articulando em torno de ações
capacidade de integrar os diversos domínios
integradas que gerem alternativas exequíveis
de conhecimentos que os integrantes da
de enfrentamento dos problemas complexos
Rede possuem, de forma a produzir soluções

Tópicos em Administração - Volume 5


86

nela inseridos e, de outro, que a Empresa e as principais processos mais integrados e


instituições parceiras formulem e implementasse sistemas de planejamento,
implementem políticas institucionais acompanhamento e controle mais
compatíveis com o modelo flexível e plural simplificados. Fica evidente que os aspectos
que permeia a execução das atividades no institucionais influenciam a dinâmica de
modus operandis de uma Rede. Esta funciomamento das redes de pesquisa, assim
percepção dos gestores da Rede AgroHidro como também são influenciados pela forma
corrobora com a ideia de que gestão é um como seus integrantes se inter-relacionam.
processo ativo, participativo e dinâmico de Isto sinaliza que estas influências não são
determinar e orientar o caminho a ser seguido apenas mútuas, mas múltiplas e dependentes
pela Rede visando à consecução de seus das interações intra e interorganizacionais
objetivos. Eles sinalizam que gerir uma Rede (SANT’ANA, 2011).
envolve elementos técnicos e sociais como
A última categoria que surgiu nos discursos
recursos financeiros, materiais, tecnológicos,
dos gestores da Rede AgroHidro refere-se ao
analíticos, decisórios, comunicacionais,
papel que as instituições integrantes da Rede
motivacionais, avaliativos e, principalmente,
devem exercer para favorecer o alcance dos
os referentes às competências individuais
resultados. Sobre isto os gestores informaram
e/ou organizacionais (GARAY, 2011). Gerir
que as instituições que integram a Rede
implica na tomada de decisões levando em
devem principalmente apoiar as cientistas no
conta as demandas do ambiente, os recursos
desenvolvimento das competências humanas
(financeiros, humanos ou materiais) e,
e estabelecer e fortalecer políticas, estruturas
principalmente, as políticas instituicionais que
e modelos/formas de gestão que se
devem se alinhar à dinâmica de gestão e
harmonizem e se compassem com a
estruturação das redes de pesquisa.
flexibilidade e dinamicidade com que a Rede
Os aspectos institucionais compõem a caminha para alcançar seus objetivos. Os
terceira categoria de análise e se referem à gestores sinalizam para o fato de que a Rede
interdependência existente entre os AgroHidro é uma figura estruturante de
elementos sociotécnicos que integram a Rede caráter onipotente porque tem a capacidade
AgroHidro. Para os gestores da Rede de organizar ações simultâneas e
AgroHidro são aspectos institucionais todo complementares com autonomia e
tipo de ação organizacional estabelecida de coordenação. Esta capacidade alavanca
forma intencional para ampliar a eficiência de resultados, otimiza o uso de recursos, motiva
funcionamento da Rede e a sua eficácia. São as pessoas e as comprometem com a busca
aspectos institucionais a estrutura por melhores resultados.
organizacional que as instituições da Rede
estabelecem para favorecer a gestão e o
alcance dos seus resultados; as políticas 5 CONCLUSÕES
empresariais, sobretudo as de gestão de
Por tratar-se de um estudo de caráter
pessoas e as relativas ao estabelecimento de
exploratório esta pesquisa constitui-se em
parcerias; os processos organizacionais
uma aproximação de como uma rede de
finalísticos e de apoio que asseguram a
pesquisa pode ser estruturada, desenvolvida
qualidade dos produtos gerados pela Rede; e
e gerida. De maneira geral a pesquisa serviu
as questões burocráticas e administrativas
para indicar elementos que podem favorecer
que permeiam a execução de atividades
sua estruturação e gestão além de levantar
importantes como a orçamentária, financeira,
novas hipóteses sobre outros fatores que
administrativa etc. Dentre os aspectos
contribuam para isto.
institucionais, os relativos às questões
administrativas e burocráticas surgiram como Quanto aos aspectos organizacionais e as
aqueles que condicionam o alcance de relações e influências destes nas interações
melhores resultados para a Rede. Os gestores sociais ocorridas na Rede AgroHidro, conclui-
informaram que a burocracia interna na se ser importante que os gestores favoreçam
Embrapa faz com que despendam muitos ações de troca de dados, informações,
esforços para atender demandas conhecimentos e experiências para facilitar a
administrativas que não são necessariamente execução das atividades de PD&I; promovam
estratégicas, mas precisam ser executadas uma gestão compartilhada para desenvolver
por eles. Argumentam que este esforço seria vínculos entre os pares; estimulem a
desnecessário se a Empresa tivesse seus organização de informações nas diversas

Tópicos em Administração - Volume 5


87

áreas de conhecimentos e temas que fortalecerem as parcerias visando o


envolvam as necessidades da Rede; e desenvolvimento da Rede de acordo com os
fortaleçam as relações entre os pares a partir interesses mútuos de todos os atores que a
do estabelecimento de princípios integram.
comunicacionais voltados para autonomia
Entende-se que a Rede AgroHidro é um
crítica, dialogismo, corresponsabilidade entre
organismo aberto, relacional e dinâmico,
os pares e pensamento complexo. No que se
cujos resultados até agora obtidos refletem o
refere à gestão propriamente dita da Rede
estágio atual de sua formação. Neste sentido
AgroHidro, conclui-se que os gestores desta
é muito importante e necessário avançar em
Rede julgam importante a Embrapa: favorecer
novos estudos para identificar e analisar os
a criação de modelos de gestão compatíveis
fatores de gestão que influenciam seus
com a dinâmica de funcionamento da Rede;
resultados; efetuar uma cartografia entre as
estabelecer políticas, normas e diretrizes que
competências individuais dos integrantes da
permitam o uso pleno dos recursos humanos,
Rede e os fatores de gestão que a
materiais, tecnológicos e financeiros;
influenciam; e realizar um estudo para
minimizar a burocracia no processo de
acompanhar seu desenvolvimento e capturar
execução, planejamento, acompanhamento e
o processo por ela engendrado para obter os
controle das atividades da Rede; e preparar
resultados pretendidos.
os gestores para coordenarem esforços e

REFERÊNCIAS
[1]. ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Teoria ator- [7]. GARAY, A. Gestão. In: CATANNI, A. D.;
rede e análise organizacional: contribuições e HOLZMANN, L. Dicionário de trabalho e
possibilidades de pesquisa no Brasil. O&S, v. 16, tecnologia. Porto Alegre: Zouk, 2011. p. 209-210.
n. 51, p. 647-664, out./dez. 2009. Disponível em:
[8]. KÜPPERS, G.; PYKA, A. The self-
<http://www.scielo.br/pdf/osoc/v16n51/03.pdf>.
organization of innovation networks: introductory
Acesso em: 19 maio 2017.
remarks. In: KÜPPERS, G.; PYKA, A. (Ed.).
[2]. BALANCIERI, R. Análise de redes de Innovation networks: theory and practice.
pesquisa em uma plataforma de gestão em ciência Cheltenham: Edward Elger, 2002. p. 3-21.
e tecnologia: uma aplicação à plataforma Lattes.
[9]. MARTELETO, R. M. Redes sociais,
2004. 117 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade
mediação e apropriação de informação: situando
Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Disponível
campo, objetos e conceitos na pesquisa em
em: <
ciência da informação. Pesquisa Brasileira em
https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/
Ciência da Informação. Brasília, DF, v. 3, n. 1, p.
87468>. Acesso em: 18 maio 2017.
27-46, jan./dez. 2010. Disponível em: <
[3]. CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/vi
Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus ew/26/56>. Acesso em: 19 maio 2017.
análise de conteúdo, Texto Contexto Enfermagem,
[10]. MUELLER, S. P. M. O impacto das
Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 679-684, out./dez.
tecnologias de informação na geração do artigo
2006. Disponível em: <
científico: tópicos para estudo, Ciência da
http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a17>.
Informação, Brasília, DF, v. 23, n. 3, p. 309-317,
Acesso em: 20 maio 2017.
set./dez. 1994.
[4]. CORRÊA, E. S. Comunicação digital e
[11]. MUSSO, P. A Filosofia da rede. In:
novas mídias institucionais. In: KUNSCH, M. M. K.
PARENTE, A. (Org.). Tramas da rede: novas
(Org.). Comunicação organizacional: histórico,
dimensões filosóficas, estéticas e políticas de
fundamentos e processos. São Paulo: Saraiva,
comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2004. p. 17-38.
2009, p. 317-335.
Disponível em: <
[5]. GRESHAM JÚNIOR, J. L. From invisible https://www.4shared.com/get/48v7xDdo/musso_pie
college to cyberspace college: computer rre_-
conferincing and the transformation of informal _a_filosofia_da_.html?simpleLogin=true&startDownl
scholarly communication networks. Interpersonal oad=true#_=_>. Acesso em: 12 maio. 2017.
Computing and Technology Journal, v. 2, n. 4, p.
[12]. PECI, A. Emergência e proliferação de
37-52, Oct. 1994.
redes organizacionais: marcando mudanças no
[6]. FOMBRUN, C. J. Strategies for network mundo de negócios. Revista de Administração
research in organizations. The Academy of Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 6, p 7-24, 1999.
Management Review, v. 7, n. 2, p. 280- 291, Apr. Disponível em: <
1997.

Tópicos em Administração - Volume 5


88

http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/articl <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/it
e/view/7596>. Acesso em: 18 maio 2017. em/157941/1/DOC140.pdf>. Acesso em: 17 maio
2017.
[13]. PRADO, A. B.; BARANAUSKAS, M. C. C.
Relações sociais em comunidades de cientistas [16]. SANT’ANA, L. F. Análise de redes sociais
através da lente da actor-network theory: um como metodologia para a comunicação do
estudo preliminar. In: CONFERÊNCIA IADIS contexto das organizações. In: CONGRESSO
IBERO-AMERICANA WWW/Internet 2012, Madrid, BRASILEIRO CIENTÍFICO DE COMUNICAÇÃO
2012. Proceedings… Madrid: IADIS press, 2012. ORGANIZACIONAL E RELAÇÕES PÚBLICAS, 5.,
Disponível em: < 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: Abrapcorp,
http://eurydice.nied.unicamp.br/portais/ecoweb/nie 2011. 13 p. V Abrapcorp 2011. Disponível em: <
d/ecoweb/publicacoes/artigos-em- http://www.abrapcorp.org.br/anais2011/trabalhos/tr
conferencias/relacoes-sociais-em-comunidades- abalho_lidiane-santanna.pdf>. Acesso em: 19 maio
de-cientistas-atraves-da-lente-da-actor-network- 2017.
theory-um-estudo-preliminar.1.pdf>. Acesso em: 19
[17]. TOCCHETTO, M. R. L.; PEREIRA, L. C.
maio 2017.
Desempenho ambiental e Sustentabilidade. 2005.
[14]. RODRIGUES, L. N. Impactos da Disponível em:
agricultura e das mudanças climáticas nos <http://www.agronline.com.br/artigos/artigo.php?id
recursos hídricos: diagnose e propostas de =212>. Acesso em: 26 ago. 2008.
adaptação e mitigação em bacias hidrográficas
[18]. VACARI, I.; TORRES, T. Z.; VISOLI, M. C.;
nos diferentes Biomas brasileiros. Planaltina, DF:
APOLINÁRIO, D. R. F.; OLIVEIRA, F. S.
Embrapa Cerrados, 2013. (Embrapa.
Desenvolvimento de software na Embrapa:
Macroprograma,1 - Qualidade, produção e
abordagem a partir da teoria ator-rede. Brazilian
sustentabilidade no uso dos recursos hídricos -
Journal of Managemen & Innovation, v. 4, n. 3,
Código SEG. 01.1201.001.000.00). Projeto em
Maio/Ago. 2017, p. 64-88. Disponível em: <
andamento.
http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item
[15]. RODRIGUES, L. N.; PADOVANI, C. R.; /159462/1/desenvolvimento-software.pdf >. Acesso
OLIVEIRA, M. D.; SORIANO, B. M. A. (Ed.). em: 19 maio 2017.
Memórias do III seminário e I workshop da rede
[19]. WEISZ, J.; ROCO, M. C. Redes de
agrohidro. Corumbá: Embrapa Pantanal, 2016. 24
pesquisa e educação em engenharia nas
p. Disponível em:
américas. Rio de Janeiro: FINEP, 1996.

Tópicos em Administração - Volume 5


89

Capítulo 9

Cintia Sonale Rebonatto,


Priscila Sardi Cerutti,
André da Silva Pereira,
Carlos Costa

Resumo: Dada a importância do trabalho na vida do homem, surge a necessidade


de investigar as relações e interferências que provoca no indivíduo, a partir do
conceito de satisfação no trabalho. Nesse sentido, o objetivo desta pesquisa foi o
de identificar a satisfação no trabalho dos empregados de uma unidade acadêmica
de uma Instituição de Ensino Superior (IES), localizada no norte do estado do Rio
Grande do Sul (RS). Assim, neste estudo de abordagem quantitativa, do tipo
descritivo, participaram 15 empregados do quadro técnico-administrativo da
unidade. A coleta de dados primários deu-se por meio de um questionário
estruturado em duas partes principais: na primeira foram abordados os dados
sociodemográficos e, na segunda, utilizando-se uma escala Likert de sete pontos -
Escala de Satisfação no Trabalho (EST) - buscou-se compreender sobre a
satisfação com os colegas, a satisfação como o salário, a satisfação com a chefia,
a satisfação com a natureza do trabalho e, por fim, a satisfação com as promoções.
A análise dos dados se deu por meio do uso do software IBM SPSS Statistics v.24.
Desse modo, os resultados revelaram a existência de uma variação entre satisfação
e insatisfação no contexto pesquisado. Os maiores graus de satisfação foram
constatados com os colegas, a chefia e com a natureza do trabalho e os menores
relacionados ao salário e às promoções.
Palavras-Chave: Gestão de pessoas. Instituição de ensino superior. IES. Satisfação
no emprego.

Tópicos em Administração - Volume 5


90

1 INTRODUÇÃO comportamento familiar e profissional,


comprometendo seus níveis de bem-estar,
O trabalho é uma das atividades humanas
sua saúde física e mental e,
mais antigas, não se pode olvidar que dele
consequentemente, seu desempenho na
dependem os homens para, via de regra,
organização (Martinez & Paraguay, 2003;
sobreviver. Na lógica da evolução e do
Rueda, Santos & Lima, 2012).
desenvolvimento que regem a sociedade, as
configurações do trabalho também foram se Na visão de Alberto (2000), o trabalho se
modificando com o passar do tempo e esse tornou uma das formas mais importantes de o
passou a definir quem é o indivíduo para a sujeito demarcar seu posicionamento como
sociedade, condicionando sua vida, sendo indivíduo único, dando sentido à sua vida,
instrumento organizador da esfera pessoal e sendo um dos componentes da felicidade
social dos sujeitos, interferindo diretamente humana visto como decorrente da satisfação
nas relações humanas. Não só representa plena de necessidades psicossociais, do
meio de sobrevivência, “dignificando e sentimento de prazer e do sentido de
enobrecendo o homem”, mas tornou-se contribuição no exercício da atividade
ambiente propício à dominação e submissão profissional. Numa era em que o capital
do sujeito pelo capital e, também, de humano assume relevante importância,
resistência, de constituição do fazer histórico passando a ser considerado um diferencial
da sociedade num processo lento, competitivo, surge a premissa de que a
contraditório e desigual (Dias, 1994). satisfação no trabalho pode influenciar o
estado emocional do indivíduo, gerando
Diante dessa perspectiva é importante
influência sobre sua produtividade,
compreender que o trabalho, e as relações
desempenho e bem-estar.
humanas que nele se estabelecem, tornou-se
fonte de prazer, de sofrimento, de satisfação, Assim sendo, o trabalho possui um significado
de insatisfação. Sentimentos que, apesar de maior para o sujeito do que o simples ato de
serem contraditórios, podem originar reações realizar uma tarefa e ser remunerado por ela,
positivas - por exemplo, que culminem no não sendo apenas uma busca financeira, mas
desenvolvimento profissional e pessoal do algo maior, carregado de aspectos subjetivos
trabalhador, buscando um outro espaço que são impactantes na individualidade do
laboral - ou negativas. Essa dualidade pode trabalhador e em sua integração social
ser entendida pela análise da movimentação (Dejours, 2015; Lancman & Jardim, 2004).
promovida com a organização do trabalho, a Desse modo, compreende-se que a
estrutura ambiental onde se desenvolvem as satisfação no trabalho corresponde a um
relações de trabalho e, ainda, a forma como estado emocional positivo das pessoas com
os indivíduos percebem o processo de respeito a sua atividade profissional (Martinez
realização de suas atividades e se identificam & Paraguay, 2003), e tal estado contribui para
ou não com elas. Com efeito, entende-se que a saúde individual do sujeito, assim como,
a satisfação pode influenciar o para a eficiência organizacional.
comportamento do indivíduo e sua Ante ao exposto evidencia-se que
produtividade, conforme aponta Dejours compreender as relações entre os indivíduos
(2015). e seu trabalho é uma preocupação para os
Se por um lado o trabalho propicia ao pesquisadores, desde os tempos passados
trabalhador condições favoráveis, por outro, até o momento atual, tendo em vista as
muitas vezes, é percebido como indesejado, transformações dos contextos laborais e a
mostrando-se fragmentado e sem sentido, importância dessas atividades para o homem
burocrático e rotineiro, carregado de como indivíduo e como ser social. Tal
exigências (Rodrigues, 2008). Na tentativa de dinâmica, também torna relevante (e
compreender os sentimentos provocados pelo premente) compreender as repercussões das
trabalho nos indivíduos, a (in) satisfação relações de trabalho no cotidiano das
nesse ambiente foi atrelada ao conceito de organizações e para a sociedade.
motivação, sendo que ambos foram utilizados Nesse sentido, a presente pesquisa buscou
para explicar a maneira como o trabalhador identificar a satisfação no trabalho de
se comporta em seu meio laboral. A (in) empregados de uma unidade acadêmica, em
satisfação no trabalho é um fenômeno que uma Instituição de Ensino Superior (IES)
pode influenciar todas as esferas da vida localizada no norte do estado do Rio Grande
pessoal do trabalhador, afetando seu do Sul (RS). A fim de atingir o objetivo

Tópicos em Administração - Volume 5


91

proposto de forma válida e precisa, utilizou-se desenvolvimento dos atores organizacionais


a Escala de Satisfação no Trabalho (EST) (Bowditch & Buono, 2002; Robins et al. 2011).
proposta por Martins e Santos (2006) e
Portanto, o estudo do comportamento do
revalidada por Siqueira (2014).
indivíduo no trabalho está relacionado às
Assim, explana-se o trabalho organizado em necessidades humanas e seus anseios
cinco partes principais. Essa primeira que influenciados pelo grau de mobilidade,
introduz o assunto, contextualizando o motivação e satisfação percebidos. Nessa
significado do trabalho no mundo perspectiva, o comportamento organizacional
contemporâneo, expondo os objetivos e é uma área do conhecimento humano
justificando a pesquisa, seguida de um importante para o entendimento da dinâmica
capítulo que aborda, teoricamente, conceitos das organizações, focando no estudo das
essenciais sobre o comportamento ações e atitudes humanas, com a intenção de
organizacional e a satisfação no trabalho. Em obter produtividade, diminuir o absenteísmo e
seguida apresenta-se os aspectos a rotatividade, promovendo a cidadania
metodológicos do estudo para, na sequência, organizacional. Aspectos dessa natureza dão
abordar-se e discutir-se os dados primários a real dimensão da importância dos estudos
obtidos, por último, apresentam-se as sobre o comportamento organizacional,
considerações finais advindas do esforço estando no seu bojo a base para pesquisas
metodológico, teórico e empírico de relacionadas à satisfação no trabalho.
compreender questões relativas à (in)
satisfação no contexto laboral.
2.1 SATISFAÇÃO NO TRABALHO
A satisfação no trabalho é tema de pesquisa
2 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
que interessa diversos estudiosos, de
O comportamento organizacional é um campo distintas áreas do conhecimento, desde as
de estudo que se ocupa de investigar primeiras décadas do século XX. De acordo
questões relativas à liderança e poder, com Chen (2008) e Ferreira (2011), os
estruturas e processos grupais, mudanças, conceitos de satisfação foram se modificando
conflito e dimensionamento de trabalho, entre ao longo dos anos e das pesquisas
outros temas que afetam os indivíduos e as realizadas, já que primeiramente estava
equipes nas organizações (Quadros & ligado essencialmente a questões salariais e
Trevisan, 2009). Com tal intento, considera suas possíveis influências na produtividade e
que os sujeitos que possuem sua menos pelas relações sociais e outras
individualidade respeitada no contexto laboral dimensões constitutivas.
são capazes de formar e fazer parte de
Assim, os estudos seminais sobre a satisfação
grupos proativos, com atitudes positivas,
no trabalho deram-se em virtude da busca
desenvolvendo um clima organizacional
pelo entendimento das variáveis que
agradável. Dessa forma, o comportamento
influenciavam na produtividade organizacional
organizacional está relacionado com o estudo
e a influência que a satisfação no trabalho
do que as pessoas fazem nas organizações e
poderia ter sobre a vida pessoal dos
de como esse comportamento lhes afeta e
trabalhadores (Brandão & Reyes Junior, 2011;
impacta no desempenho das empresas
Silva et al., 2017). Desse modo, pode-se dizer
(Brum, 2015).
que a satisfação foi analisada como uma
Desse modo, a função da área do causa de comportamentos no trabalho.
comportamento organizacional é a de
Mais tarde, entre os anos 1970 e 1980, esses
compreender e modificar comportamentos no
estudos sobre comportamento e satisfação no
contexto das organizações, levando em
trabalho passaram a ser concebidos como
consideração as pessoas como sujeitos e
uma atitude. Nesse direcionamento a
membros de unidades sociais maiores, como
satisfação passou a ser considerada em
grupos e organizações (Wagner &
função de suas consequências - como um
Hollenbeck, 2003). Assim, vem ganhando
fator que representava os diferentes
relevo uma vez que contribui com uma visão
comportamentos no trabalho -, podendo
aplicada da natureza do trabalho por meio do
interferir na produtividade, desempenho,
desenvolvimento da combinação do
rotatividade e absenteísmo, partindo da
aprendizado cognitivo e o desenvolvimento
compreensão de que o trabalhador satisfeito
de habilidades, elementos essenciais para o
é também produtivo (Siqueira, 2008). Diante

Tópicos em Administração - Volume 5


92

desses pressupostos, para Locke (1984), a Resultados de estudos relativos à satisfação


satisfação no trabalho é compreendida como no trabalho, apontam, ainda, que a satisfação
um estado emocional agradável ou positivo, é um estado emocional e que as emoções
resultante de algum trabalho ou de implicam em respostas físicas involuntárias,
experiências no trabalho. Assim, o autor cujo nível de satisfação pode ser fonte de
considera interferir nesse estado, estresse atingindo o trabalhador de forma a
essencialmente, a satisfação com salário, provocar reações orgânicas involuntárias.
satisfação com colegas, satisfação com Esses resultados precisam ser avaliados com
chefia, satisfação com promoções e cautela, pois podem ser interpretados de
satisfação com a natureza trabalho. Locke forma diferente: o nível de satisfação no
(1984) exprime, ainda, que cada dimensão trabalho pode ser derivado do estresse (e não
possui uma fonte, uma origem, um foco para a sua causa) ou, o nível de satisfação no
experimentação da satisfação ou insatisfação trabalho e o estado de saúde podem ser
pelo trabalhador. instigados por outro fator em comum
(Peterson & Dunnagan, 1998; Rocha, 1996;
No século XXI, a satisfação no trabalho
Zalewska, 1996, Silva et al. 2017).
passou a ser vista a partir de conceitos que
remetem a um vínculo afetivo do indivíduo Tal cautela, assim como a observação da
com o seu trabalho (Ferreira, 2011). Para variedade teórica sobre o assunto e a não
Martins e Santos (2006), o sujeito lança mão existência de um conceito único, justifica e
de sua bagagem individual (crenças e eleva a necessidade de pesquisa sobre o
valores) a fim de avaliar seu trabalho, tema. Assim, evidencia-se que são variadas
resultando em um estado emocional que, as dimensões constitutivas do sentimento de
quando agradável para o indivíduo, resulta satisfação no trabalho que ainda precisam ser
em satisfação. compreendidas e, sempre, pesquisadas em
organizações que desejam a valorização do
Embora essa dinâmica, conforme Chen
seu capital humano. É nessa direção que se
(2008), ainda hoje, devido à sua
apresenta, na sequência, os procedimentos
complexidade, observa-se que a satisfação
metodológicos adotados para identificar a
no trabalho tem sido definida de maneiras
satisfação no trabalho dos empregados de
distintas. Considera-se, para fins deste
uma unidade acadêmica de uma IES.
estudo, a definição trazida por Spector (2003),
que considera a satisfação no trabalho como
uma variável que indica como o indivíduo se
3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
sente em relação ao seu labor em diversos
aspectos, revelando o quanto esse mesmo A presente pesquisa, de abordagem
indivíduo aprecia seu trabalho e está feliz com quantitativa, do tipo descritiva, teve como
ele. Conforme o referido autor, conhecer objetivo identificar o nível de satisfação no
sobre essa satisfação permite ao gestor tomar trabalho do corpo técnico-administrativo de
as medidas necessárias a fim melhorar as uma unidade acadêmica que compõe uma
relações entre o trabalhador e o trabalho que IES, localizada no norte do estado do RS. A
desempenha. escolha dessa instituição justifica-se a pelo
considerável número de empregados e pelo
É diante dessas possibilidades, que
interesse em replicar, posteriormente, o
emergem os estudos sobre a satisfação no
presente estudo junto às demais unidades
trabalho. Dentre esses, os realizados por
acadêmicas, bem como pela facilidade de
Peterson e Dunnagan (1998), Rocha (1996) e
acesso dos pesquisadores aos participantes.
Zalewska (1996), que relacionam a satisfação
no trabalho como elemento importante na A IES foco do estudo está estabelecida há
prevenção de doenças e na promoção da muito tempo, formou dezenas de milhares de
saúde do trabalhador. Outros estudos, alunos dos cursos de graduação e pós-
conduzidos pelos mesmos autores, indicam a graduação (lato e stricto sensu). A unidade
existência de melhor qualidade de saúde objeto deste estudo foi escolhida
física em sujeitos satisfeitos e, em aleatoriamente, a partir da listagem fornecida
contrapartida, maior risco de problemas como pelo setor de recursos humanos da IES,
fadiga, dores musculares, dor de cabeça, sendo composta por 21 empregados. No
alterações digestivas e dificuldade entanto, dois deles estavam em férias, três
respiratória em indivíduos insatisfeitos. encontravam-se em atestado médico e um
optou por não responder, perfazendo a
amostra da pesquisa com 15 empregados

Tópicos em Administração - Volume 5


93

(75% da força de trabalho alocada naquela satisfeito). Assim, procedeu-se ao cálculo do


unidade). escore médio das respostas dos participantes
em cada dimensão, somando-se as notas
Este estudo é parte de um projeto de
atribuídas a cada item e dividindo-as por
pesquisa maior que visa estudar a motivação,
cinco. A partir dos resultados encontrados, foi
satisfação e comprometimento no trabalho,
possível indicar satisfação, insatisfação ou
desenvolvido em todos os setores dessa IES.
indiferença do respondente à dimensão.
Portanto, não se tem, com estudo, a
Dessa forma, valores médios de 1 a 3,9
pretensão de generalizar os resultados
apontam insatisfação, 4 a 4,9 denotam estado
obtidos para toda a população, mas entender
de indiferença, e, 5 a 7 indicam satisfação.
alguns aspectos relativos ao nível de
Quanto maior for o escore médio, maior será o
satisfação no trabalho, em ambiente menor,
seu grau de contentamento com a dimensão
que serviria de base para um estudo mais
avaliada. Os dados obtidos foram
alargado.
interpretados, conforme o estabelecido por
Os dados primários foram coletados por meio Siqueira (2014). A análises dos dados foi
de um questionário, aplicado realizada por meio de análises estatística
presencialmente, composto por duas partes: descritivas, foram realizadas com o uso do
a primeira destinou-se à obtenção dos dados software IBM SPSS Statistics v.24.
sociodemográficos, a partir de quatro
questões fechadas. Na segunda parte, os
participantes responderam a 25 questões da 4 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS
EST, que mede o grau de contentamento do RESULTADOS
trabalhador frente às dimensões do seu
Da amostra total dos entrevistados (n=15),
trabalho, proposta por Martins e Santos (2006)
73% (n=11) são do sexo feminino e 27% (n=4)
e revalidada para o contexto brasileiro por
do sexo masculino. Quanto à faixa etária, 7%
Siqueira (2014). Essa é composta por cinco
(n=1) possuem até 20 anos de idade, 33%
categorias/dimensões organizadas com o
(n= 5) têm idade de 20 a 30 anos, 40% (n= 6)
mesmo número de perguntas em cada uma,
idade de 30 a 40 anos e, ainda, 20% (n=3)
perfazendo 25 afirmativas: (i) satisfação com
mais de 40 anos. Na variável escolaridade,
os colegas, (ii) satisfação como o salário, (iii)
observou-se que 66% (n=10) dos
satisfação com a chefia, (iv) satisfação com a
entrevistados possuem curso superior
natureza do trabalho e (v) satisfação com as
concluído, 7% (n= 1) apresentam curso
promoções. As interpretações para cada item
superior incompleto e 27% (n=4) cursaram o
são alteradas conforme o grau de
ensino médio completo.
intensidade, evidenciando se uma atitude é
mais favorável ou não (GIL, 2008). As Verificou-se, ainda, que dentre os
questões foram validadas em um estudo empregados com curso superior, 40% (n=6)
anterior, por meio da análise fatorial, que são pós-graduados. Quanto aos tempos de
apontou para a ocorrência dessas cinco trabalho no setor, avaliou-se que 20% (n=3)
dimensões que no conjunto explicavam 48% dos empregados entrevistados possuem
da variância total. tempo de serviço inferior a 6 meses, 33%
(n=5) de um a três anos de empresa, 14%
As respostas às referidas questões se deram
(n=2) apresentam tempo de casa de quatro a
pela utilização de uma escala tipo Likert de
seis anos e cerca de 33% (n=5) fazem parte
sete pontos (1: totalmente insatisfeito; 2: muito
da instituição há mais de sete anos (Tabela 1).
insatisfeito; 3: insatisfeito; 4: indiferente; 5:
satisfeito; 6: muito satisfeito; e, 7: totalmente

Tópicos em Administração - Volume 5


94

Tabela 1 - Dados sociodemográficos dos participantes do estudo (n =15)


Variáveis n %
Sexo
Feminino 11 73
Masculino 4 27
Faixa Etária
Até 20 anos 1 7
De 20 a 30 anos 5 33
De 30 a 40 anos 6 40
> 40 anos 3 20
Escolaridade
Superior Completo 10 66
Superior Incompleto 1 7
Ensino Médio Completo 4 27
Tempo de trabalho
< 6 meses 3 20
De 1 a 3 anos 5 33
De 4 a 6 anos 2 14
Fonte: Elaborada pelos autores (2017).

A análise dos resultados da EST mostra os outro lado, os empregados se mostram


índices de (in) satisfação no trabalho, nas insatisfeitos com as dimensões relativas aos
diferentes dimensões avaliadas (Figura 1). salários e promoções, revelado pelos valores
entre 1 e 3,9. Não foram observadas
Nesse contexto, percebe-se que as
dimensões onde o escore médio denotasse
dimensões relacionadas à satisfação com os
indiferença (valores entre 4 e 4,9).
colegas, com a chefia e com a natureza do
trabalho apresentam escores que indicam
satisfação, isso é, índices entre 5 e 7. Por

Figura 1: Graus de satisfação no trabalho obtido a partir da Escala de Satisfação Trabalho

Fonte: Elaborada pelos autores (2017).

Tópicos em Administração - Volume 5


95

O grau de satisfação individual, por mínimo dos índices de satisfação individual


dimensão, de cada empregado foi avaliado por dimensão (Tabela 2). Com base no grau
por meio da EST. Essa análise permitiu captar de satisfação individual fez-se a análise
a percepção de cada um dos sujeitos descritiva, calculando índice médio de
entrevistados nas dimensões analisadas. Com satisfação (média da EST por dimensão), o
base no índice de satisfação individual fez-se desvio padrão e, ainda, os valores máximo e
a análise descritiva, calculando índice médio mínimo dos índices de satisfação individual
de satisfação (média da EST por dimensão), o por dimensão (Tabela 2).
desvio padrão e, ainda, os valores máximo e

Tabela 2: Estatísticas descritivas individuais das dimensões da EST em estudo


Medidas estatísticas
Intervalo de
Dimensões da EST Desvio- confiança (95%)
Média Minimum Maximum
padrão Limite Limite
inferior superior
Satisfação com colegas 5,80 0,66 5,00 7,00 5,43 6,17
Satisfação com salário 3,78 1,24 2,40 6,00 3,09 4,47
Satisfação com chefia 5,61 0,74 4,00 7,00 5,20 6,02
Satisfação com natureza do
5,12 0,59 3,60 6,20 4,79 5,44
trabalho
Satisfação com promoções 3,66 0,99 1,20 4,80 3,11 4,22
Fonte: Elaborada pelos autores (2017).

Observa-se à Tabela 2 que em relação à entre 2,0 e 3,6. As dimensões onde houve a
dimensão satisfação com os colegas a média maior variação entre os valores extremos
foi 5,80, condizente com satisfação nessa foram satisfação com salário e satisfação com
dimensão; já o desvio padrão foi baixo, de promoções, as mesmas onde o índice EST
0,66 indicando que as respostas representou insatisfação. A dimensão de
individuais tendem a estar próximas da menor variação entre os extremos foi a de
média, não havendo grande disparidade de satisfação com os colegas.
opiniões. Na dimensão satisfação com o
Em relação às dimensões com grande
salário, obteve-se a média de 3,78, índice que
variação, verificou-se que os valores da
remete à insatisfação, enquanto o desvio
dimensão satisfação com promoções estão
padrão foi de 1,24 , representando um valor
deslocados abaixo em 1,2 (aproximadamente
elevado que indica uma alta disparidade nas
17% do máximo da escala). Esse fato
respostas.
representa a opinião de um dos entrevistados,
Na dimensão satisfação com a chefia, a o qual, por outro lado, posiciona-se como
média obtida foi 5,61, indicando satisfação; insatisfeito com seu salário, mas em menor
por outro lado, o desvio padrão de 0,74 é proporção, não sendo o valor mínimo
baixo. Já na dimensão satisfação com a encontrado nessa dimensão (2,4 apontado
natureza do trabalho, a média foi de 5,12 e o por três indivíduos).
desvio padrão foi o menor de todas as
O escore máximo da dimensão satisfação
dimensões - 0,58. Enquanto isso, a dimensão
com promoções (4,8) não demonstra
satisfação com as promoções apresentou
satisfação de nenhum dos indivíduos, sendo
média de 3,66 e desvio padrão
encontrados valores semelhantes no mínimo
proporcionalmente elevado (0,99).
da dimensão de satisfação com os colegas.
Na tentativa de aprofundar as análises dos Ainda na dimensão de satisfação com os
dados individuais dos participantes, foram colegas, destaca-se que foi obtido o valor
destacados na Tabela 2 os valores mínimos e máximo da escala, assim como na dimensão
máximos de cada dimensão. A variação entre de satisfação com a chefia. Esses valores,
mínimo e máximo nas dimensões permaneceu embora relativos ao mesmo indivíduo

Tópicos em Administração - Volume 5


96

analisado, não são comumente encontrados, interessada em conhecer as opiniões de seus


representando alto índice de satisfação. empregados.
O cálculo do desvio padrão em relação à Diante da análise dos resultados são
média corrobora o descrito no parágrafo propostas as seguintes ações com o objetivo
anterior, sendo que as dimensões em que se de melhorar a satisfação do corpo técnico-
observam o menor desvio padrão em relação administrativo: implementação de um plano
à média são, sucessivamente, a satisfação de carreira e de um plano de cargos e
com os colegas, com o percentual de 11,44%; salários. O plano de carreira, complementar
satisfação com a natureza do trabalho ao plano de cargos e salários, permitiria ao
(11,51%) e satisfação com a chefia (13,29%). empregado visualizar sua ascensão e,
consequente, a melhoria de remuneração,
Disso, conclui-se que não existe grande
além de normatizar o processo de promoções
divergência de opinião entre os empregados
dentro da organização. A adoção de um
entrevistados nessas dimensões. Entretanto,
plano de cargos e salários iria sistematizar e
as dimensões satisfação com as promoções e
regulamentar as atividades desenvolvidas
satisfação com os salários são as que
pelos empregados, permitindo ao colaborador
apresentam maior divergência, ou seja, um
perceber a trajetória que tem pela frente,
desvio padrão mais acentuado em relação à
inclusive em termos de evolução salarial.
média dos índices de satisfação individual,
com percentuais respectivos de 27,09% e
32,83%.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Dentre os fatores que deveriam ser
As organizações dependem de pessoas e o
melhorados na empresa para maior
sucesso empresarial está totalmente
satisfação, 93% (n=14) dos entrevistados
relacionado à maneira como as empresas
responderam que os salários deveriam ser
atraem o potencial humano e de como
melhorados e 7% (n=1) acreditam que a
atendem aos interesses e necessidades de
comunicação deveria ser melhorada. Em
seus empregados (Brum, 2015), que, muitas
relação ao principal motivo que os fazem
vezes, passam longa parte de suas vidas no
trabalhar na empresa, 54% (n=9) afirmaram
ambiente laboral. Desse modo, um dos
que trabalham porque gostam do que fazem,
principais desafios das empresas, atualmente,
18% (n=2) responderam que gostam do
consiste em compreender os processos e as
ambiente de trabalho, 14% (n=2) reportaram
dinâmicas que movem as pessoas, por meio
que se sentem seguros no emprego, 9%
de práticas que as conduzam à satisfação
(n=1) assinalaram outros motivos e apenas
pessoal, que representa uma vantagem
5% (n=1) informaram estar satisfeitos com o
competitiva para as organizações.
salário que recebem.
Com a realização do presente estudo junto ao
Ao serem questionados sobre os motivos que
corpo técnico-administrativo de uma unidade
os levariam a sair da empresa, cerca de 40%
acadêmica de dada IES, com o objetivo de
(n=6) dos empregados responderam que não
identificar a satisfação no trabalho desses,
pretendem sair da empresa; 40% (n=6)
pode-se evidenciar a satisfação entre
sairiam da empresa para ganhar um salário
colegas, chefia e com a natureza do trabalho.
melhor; 13% (n=2) deixariam a instituição
Por outro lado, manifestaram-se índices de
para abrir o próprio negócio; e 7% (n=1)
insatisfação em relação aos salários e
abandonaria a empresa para trabalhar em
promoções.
outra instituição do ramo. Essas informações
confirmam os baixos escores individuais da Diante de tais achados, sugere-se que a
dimensão de satisfação com o salário. instituição mantenha e aprimore
constantemente as estratégias adotadas em
A fim de conhecer as percepções dos
relação aos fatores que foram avaliados
empregados entrevistados frente à presente
positivamente pelos empregados, como a
pesquisa e às pesquisas do gênero, foi-lhes
satisfação com colegas, com chefia e com a
perguntado como se viam nessa arguição.
natureza do trabalho. No entanto, é
Para tal questionamento, 73% (n=11)
necessário desenvolver estratégias que
responderam que veem a pesquisa como
transformem os fatores avaliados
uma oportunidade, desejando colaborar para
‘negativamente’, em fatores satisfatórios.
a melhoria do ambiente de trabalho na IES,
Desse modo, recomenda-se melhorias no
enquanto que 27% (n=4) assinalaram que
planejamento e desenvolvimento de um plano
significa que a instituição se mostra

Tópicos em Administração - Volume 5


97

de carreira e um plano de cargos e salários. pelos colegas e pela empresa, por


Isso pois, o empregado necessita ter conseguinte com a sua percepção de
conhecimento dos objetivos e metas para que satisfação no ambiente de trabalho.
possa atingir os resultados esperados pela
É importante mencionar que houve limitações
IES. Acredita-se que tais atitudes poderiam
nesse estudo, como a falta de uma
elevar o moral e a produtividade do corpo
abordagem qualitativa, realizada por meio de
técnico-administrativo, demonstrando o
entrevista, o que contribuiria para melhor
comprometimento da organização com o seu
entendimento das questões que permeiam as
quadro funcional.
relações pessoais e organizacionais na
Por fim, salienta-se que estudos como este instituição de ensino superior. Como sugestão
permitem aos gestores olharem para dentro de trabalhos futuros, propõe-se a ampliação
da organização, verificando se existem do estudo para os empregados do corpo
desvios e implantando melhorias, pois técnico-administrativo que atendem tanto as
somente uma equipe motivada e satisfeita unidades acadêmicas/ensino quanto o setor
pode conduzir a organização ao sucesso. A administrativo, além da utilização de outras
manutenção dos vínculos positivos, escalas que busquem aferir o clima e o
alicerçados pelas interações cotidianas no comprometimento organizacional afetivo.
trabalho, é considerada fonte da construção Outra sugestão de estudo é que se
da identidade do sujeito com a organização, relacionem os motivos de afastamento do
estando associada à percepção dos trabalho com os sintomas indicativos de
indivíduos de serem queridos e valorizados estresse e sofrimento psíquico.

REFERÊNCIAS
[1]. Alberto, L. (2000). Os determinantes da Revista Psicologia: Organizações e Trabalho
felicidade no trabalho: um estudo sobre a (RPOT), 11(1), 8-28.
diversidade nas trajetórias profissionais de
[9]. Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos
engenheiros (Dissertação de Mestrado). Instituto
de pesquisa. (5ª ed.). São Paulo: Atlas.
de Psicologia, Universidade de São Paulo, São
Paulo. [10]. Lancman, S., & Jardim, T. (2004). O
impacto da organização do trabalho na saúde
[2]. Bowditch, J., & Buono, A. (2002).
mental: um estudo em psicodinâmica do trabalho.
Elementos de comportamento organizacional. São
Paulo: Pioneira.
Revista Terapia Ocupacional, 15(2), 84-96.
[11]. Locke, E. (1984). Job satisfaction. In M.
[3]. Brandão, C., & Reyes Junior, E. (2011). A
Gruneberg, & T. Wall, Social psychology and
relação entre cultura organizacional e satisfação no
trabalho em IES na Amazônia: um estudo de caso.
organizational behaviour. New York: John Wiley &
Sons. Faltam as páginas desse capitulo.
Revista de Administração de Roraima, 1(1), 35-46.
[12]. Martinez, M., & Paraguay, A. I. (2003).
[4]. Brum, M. (2015). A influência do
Satisfação e saúde no trabalho: aspectos
comportamento humano dentro das organizações.
conceituais e metodológicos. Cadernos de
Revista Pós-Graduação: desafios contemporâneos,
2(3), 181-198. psicologia social do trabalho, 6, 59-78.
[13]. Martins, M. C., & Santos, G. (2006).
[5]. Chen, L. Job satisfaction among
Adaptação e validação de construto da Escala de
information system (IS) personal. (2008).
Satisfação no Trabalho. Psico-USF, 11(2), 195-205.
Computers in Human Behavior, 24, 05-118.
[14]. Peterson, M., & Dunnagan, T. (1998).
[6]. Dejours, C. (2015). A loucura do trabalho:
Analysis of a worksite health promotion program’s
estudo de psicopatologia do trabalho (6ª ed.). São
impact on job satisfaction. Journal Occupational
Paulo: Cortez.
Environ. Medicine, 40(11), 973-979
[7]. Dias, E. (1994). A atenção à saúde dos
[15]. Quadros, D., & Trevisan, R. (2009).
trabalhadores no setor saúde (SUS), no Brasil
(Tese de Doutorado). Faculdade de Ciências
Comportamento organizacional: gestão do capital
Médicas, Universidade Estadual de Campinas,
humano. Recuperado de
http://www.facape.br/ruth/adm-
Campinas/SP.
comport_organ/CO_-_Texto_1_
[8]. Ferreira, M. (2011). A ergonomia da
[16]. Robbins, S. P., Judge, T. A., Sobral,
atividade pode promover a qualidade de vida no
F.(2011). Comportamento organizacional: teoria e
trabalho? Reflexões de natureza metodológica.

Tópicos em Administração - Volume 5


98

prática no contexto brasileiro. (14 ª ed.). São Paulo: [20]. Siqueira, M. (2014). Novas medidas de
Pearson Prentice Hall. comportamento organizacional: ferramentas de
diagnóstico e de gestão. São Paulo: Bookman.
[17]. Rocha, L. (1996). Estresse ocupacional
em profissionais de processamento de dados: [21]. Spector, P. (2003). Psicologia nas
condições de trabalho e repercussões na vida e organizações (2ª ed.). São Paulo: Saraiva.
saúde dos analistas de sistemas (Tese de
[22]. Wagner, J. A., & Hollenbeck, J. R. (2003).
Doutorado). Faculdade de Medicina, Universidade
de São Paulo, São Paulo.
Comportamento organizacional: criando vantagem
competitiva. São Paulo: Saraiva.
[18]. Rueda, F., Santos, A., & Lima, R. (2012).
[23]. Zalewska, A. (1996). Health promotion
Relação entre satisfação no trabalho e clima
among bank workers: who is primarily in need of
organizacional: um estudo com trabalhadores.
health promotion and what types of promoting
Boletim de Psicologia, 62(37), 129-140.
activities they necessitate. In Juczyński, Z., &
[19]. Siqueira, M. (2008). Medidas de Ogińska-Bulik, N., Health promotion: a
comportamento organizacional: ferramentas de psychosocial perspective. Poland: Universiy of
diagnóstico e de gestão. São Paulo: Bookman. Lódz Press. 135-143.

Tópicos em Administração - Volume 5


99

Capítulo 10

Denise Gabriela Rodrigues


Rafael Demczuk
Andreia Bolivar Pedroso D´Amico

Resumo O presente trabalho objetivou verificar como os estudos sobre autocontrole


vem sendo trabalhado nos periódicos classificados no primeiro quartil no ranking
da AMS até o momento. Foi utilizada a base Scopus para realização de consulta às
publicações com os termos “Self-Control” e “Self-Regulation”, resultando em 195
artigos, os quais foram analisados conforme a congruência com a temática da
pesquisa. Quanto à metodologia, realizou-se uma pesquisa bibliográfica,
analisando-se estatística e quantitativamente os dados de todos os trabalhos. A
conclusão da análise dos estudos é que ainda apresentam espaço para
crescimento com possibilidade de gaps à serem explorados.

Palavras-chave: Self-Control; Tomada de Decisão; Pesquisa bibliográfica.

Tópicos em Administração - Volume 5


100

1 INTRODUÇÃO procedimentos metodológicos mais utilizados


e se houve algum desenvolvimento ao longo
Você já se deparou com um dilema entre
dos anos analisados; (b) examinar quais
fazer “aquela viagem” ou poupar o dinheiro?
foram os contextos mais explorados pelas
Já sentiu dificuldade de controlar a si mesmo
pesquisas nessa amostra; (c) apresentar um
diante uma tentação, desde comprar um
breve resumo das principais tendências para
produto na promoção, comer um chocolate na
estudos futuros; (d) propor a existência de
dieta, ou ainda ir ou não para a academia?
categorias para agrupamento dos trabalhos,
Esses dilemas relacionados ao autocontrole,
e; (e) oferecer reflexões sobre a preocupação
embora encontrados em diversas áreas,
com o bem-estar do consumidor.
apresentam preocupações adicionais quando
aplicados ao contexto de consumo. Uma vez realizada a introdução, apresenta-se
a estrutura de organização deste trabalho,
O autocontrole é uma área que vem sendo
que se divide em cinco partes, a presente
associada a questões relacionadas ao bem-
introdução, seguido da revisão da literatura e
estar e felicidade do consumidor (HOFMANN,
os procedimentos metodológicos, na quarta
et al; 2014). Esta capacidade possui
serão apresentados os resultados da coleta e
considerável importância, uma vez que, caso
por fim, são descritas as considerações finais
o consumidor tenha dificuldades em exercer
e sugestões para estudos futuros.
tal controle de suas ações, acaba tendo
problemas financeiros e emocionais (MICK, D.
G., PETTIGREW, S., PECHMANN, C. C., &
2 REVISÃO DA LITERATURA
OZANNE, 2012).
A tomada de decisão é descrita como
Ante o exposto, tal compreensão permite que
“atividades discretas” que demandam a
os consumidores identifiquem os hábitos
dedicação de tempo e esforço para execução
comuns e as melhores maneiras de atuar em
da alternativa escolhida. Tal processo é
tais condições. Além disso, mesmo que o
subjetivo e de considerável complexidade de
dinheiro fosse ilimitado, há a restrição do
ser estudado devido às influências
tempo, preferência, personalidade, hábitos
comportamentais e cognitivas de cada
saudáveis, ou seja, os consumidores, com
indivíduo (NUT; WIISON, 2010). O
frequência, exercem seu autocontrole a fim
desenvolvimento do conhecimento em relação
negociar – consigo mesmos – qual seria a
à racionalidade limitada permitiu que o
melhor opção. No entanto, o problema não
processo decisório fosse reconsiderado a
reside unicamente na decisão, mas na
partir das influências emocionais e cognitivas,
satisfação com a decisão tomada, que não
admitindo os aspectos da subjetividade que
raro, é inconsistente com os objetivos dos
interagem com o processo.
consumidores (FISHBACH; DHAR, 2005).
A partir dessas descobertas, pesquisas
A complexidade desse fenômeno se dá
dedicaram-se a explorar os contextos em que
porque, durante o processamento das
tais influências ocorrem e como afetam o
informações para tomada de decisão, o
comportamento do indivíduo sob o enfoque
consumidor utiliza vias afetivas e cognitivas,
cognitivo. A psicologia possui relevante
as quais funcionam como um “cabo-de-
contribuição para a perspectiva evolutiva
guerra” interno. A tentação oferece o prazer
destes estudos, ampliando os pontos de
imediato, que frequentemente se contrapõe
análise da tomada de decisão (PEREIRA,
com uma recompensa futura. Uma “briga”
LOBLER e SIMONETTO, 2010).
difícil que tem sido explorada pela área do
comportamento do consumidor por diversas O interesse pela complexidade de
perspectivas a fim de estabelecer relações de deliberação tem sido verificado pelo
causa e efeito e identificar mecanismos crescente volume de estudos e,
explicativos que auxiliem o consumidor em especificamente, em relação à capacidade de
seu bem-estar (HONG; CHANG, 2015). deliberação à respeito de si mesmo. Os
estudos em self-control surgiram na
A partir desta compreensão, este artigo tem
Psicologia e ganharam corpo por meio das
como objetivo responder ao seguinte
contribuições da economia comportamental,
questionamento: Como os estudos sobre
com sua aplicação ao consumo acorrendo de
autocontrole têm sido trabalhados nos
forma gradual (METTE; & MATOS, 2016).
principais periódicos de Marketing nos últimos
anos? Além disso, tem como objetivos O contexto inicial da pesquisa em self-control
específicos (a) verificar quais foram os partiu de condições de extrema incerteza e

Tópicos em Administração - Volume 5


101

complexidade, até que seu escopo de dessas ações, podendo ocorrer alteração de
conhecimento foi evoluindo e tomando forma. objetivos motivados pela dificuldade de
Atualmente, é considerado como um assunto atingimento de metas. (MURAVEN, MARK;
central e está entre as temáticas de maior BAUMEISTER, 2000)
importância na área da Psicologia Social
Para o Marketing, o processo que antecede a
(VOHS; BAUMEISTER, 2011), além disso, é o
definição da escolha é um tópico crucial.
tema que apresenta o maior número de
Assim como para a área de comportamento
pesquisas independentes dentro da área de
do consumidor, que se interessa pela
Neurociências Cognitivas Sociais
compreensão dos mecanismos de
(KRUGLANSKI; HIGGINS 2007).
autocontrole e de definição de objetivos
Os primeiros estudos sobre a auto regulação pessoais a fim de verificar suas influências no
foram realizados pela neurociência sob o comportamento de compra. (HAUGTVEDT;
enfoque gerencial, avaliando executivos em HERR; KARDES, 2008).
atividade. Os estudos tratavam de diversas
A pesquisa em self-control enriqueceu o
habilidades prejudicadas pela função do lobo
entendimento sobre o comportamento do
frontal, como planejamento e resolução de
consumidor e os julgamentos no cotidiano,
questões problemáticas, que foram medidos
baseando-se em características de sua
por uma série de atividades
personalidade, considerando a satisfação
neuropsicológicas. Os resultados abriram
com tais decisões, por meio da autoavaliação
espaço para os modelos de controle
de seu desempenho no processo decisório
cognitivo, considerando a memória de
em relação ao alvo pretendido (VOHS;
trabalho, atenção seletiva, e seleção de
BAUMEISTER, 2011).
resposta, quesitos estes que podem ser
medidos por serem sensíveis ao tempo de Os termos self-control ou self-regulation
resposta. (KRUGLANSKI; HIGGINS, 2007). podem ser utilizados de forma intercambiável
ou ter algumas especificidades que variam de
O primeiro autor a abordar essas
acordo com o autor (VOHS; BAUMEISTER,
contradições foi Fisher (1930), que discorreu
2011). No presente trabalho, ambos serão
sobre como o consumidor lida com os
utilizados sem distinção de sentido. Há
dilemas ponderando entre custos e benefícios
tradução, podendo se referir também como
de longo prazo. A clássica analogia que
autocontrole, no entanto, tal conhecimento
ilustra os dilemas permanece útil para esta
tem grande volume de estudos e publicações
compreensão, onde se considera o
internacionais. Sendo assim, com a finalidade
autocontrole simultaneamente como um
de manter o tema que identifique o assunto
visionário com hipermetropia ou um executor
optou-se por utilizar preferencialmente a
míope. Ou seja, a capacidade de planejar é
nomenclatura original da língua inglesa.
fraca frente aos aspectos atuais ou a vontade
imediata, bem como a habilidade de executar
tende a desvalorizar os ganhos futuros ou
3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
penosos, um constante dilema (THALER;
SHEFRIN, 1981), sendo tratado como A partir dos objetivos deste trabalho, realizou-
mecanismo crucial pelo qual as pessoas se uma pesquisa bibliográfica que é
coíbem seus impulsos e à alteração das caracterizada pelo rigor dos procedimentos a
respostas ou impulsos, visando o alinhamento serem adotados, norteada por um objeto de
com princípios e demais regulamentações, estudo (MACEDO, 1995). Além da
por meio de um processo psicológico interno. dependência do problema de pesquisa,
(Haugtvedt; Herr; Kardes (2008). compreende-se que a pesquisa bibliográfica
é realizada como etapa inicial de qualquer
Trata-se ainda, por processos intencionais, no
pesquisa, mas não se restringe apenas a tal
sentido de auto ajustes ou correções,
finalidade (LIMA;MIOTO, 2007). Por fim, este
conforme seja necessário para manutenção
método vai além da reprodução descritiva dos
ou conquista de uma meta pessoal, podendo
conhecimentos gerados a cerca de
ser o ato de resistir ou evitar um desejo,
determinado tema, permitindo a reflexão em
corroborando a ideia de que o
torno do conteúdo, tornando-se fonte de
comportamento refere-se a um ação contínua
novas conclusões, identificação de
de avançar em direção (ou contra) ideais
tendências e padrões (MARCONI;LAKATOS,
objetivados (MICHAEL; SCHEIER, 2011). Tal
2011).
processo também incorpora características
relacionadas ao processo de auto avaliação

Tópicos em Administração - Volume 5


102

Para a coleta, executou-se uma investigação topo do ranking dos periódicos mais
por meio de buscas exploratórias na internet relevantes na área de Marketing, acessado
por meio dos sites Periódicos da Capes e pelo site da Academy of Marketing Science
Base da Scopus a fim de definir o termo que (AMS), na seguinte ordem: Journal of
viabilizaria a consulta mais acertada, Marketing (1º), Journal of Marketing Research
conforme descrição da sobreposição (2º), Journal of Consumer Research (3º).
existente na literatura internacional. Utilizou-se
Para tal filtro foi inserido o número do ISSN do
então a expressão “Self-Regulation”, sendo
periódico impresso e digital, resultando em 99
pesquisado entre aspas para garantir
artigos para o primeiro e 98 para o segundo
resultados específicos da expressão e não
termo, totalizando 197 arquivos. Para efeito de
das palavras separadamente, repetiu-se o
reflexão do conhecimento que sendo
processo com o termo sem hífen para
produzido pela academia, optou-se por incluir
certificação da abrangência dos resultados.
mais um periódico que não faz parte do
Em seguida, realizou-se o mesmo
ranking, mas está alinhado com a proposta do
procedimento com o segundo termo “Self-
trabalho em fornecer insights sobre o bem-
Control”, entre aspas, alternando também a
estar do consumidor, O Journal of Marketing
utilização do hífen. Todas as entradas foram
Public Policy, totalizando 199 artigos. Feito
direcionadas incialmente para a
isso, verificou-se a existência de redundância
correspondência em “Título”, “Palavra -
de trabalhos, e após comparação, identificou-
Chave” “Abstract” e “Corpo do texto”.
se que na intercessão da busca havia 10
Uma vez delimitado os termos, foi pesquisado artigos repetidos, reduzindo o total para 189.
na Base Scopus eleita por englobar os
Dando continuidade ao processo de
principais periódicos das da área de
delimitação dos trabalhos a serem analisados,
“Administração e negócios”, subárea
adotou-se o critério incongruência no título
“Marketing” e principal temática
para avaliação das publicações pesquisadas,
“Comportamento do Consumidor”. Na referida
em seguida leitura de todos os abstracts, a
plataforma, foi então efetuada a pesquisa
fim de comprovar adequação ao tema
cruzando os quatro termos possíveis, sendo
proposto, tal conferência validou 111 artigos.
“Self-Control” e “Self-Regulation”, com a
variação sem hífen e com o operador Por fim, alinhado com o proposto de verificar
booleano “or”. as publicações mais recentes e identificando
possíveis tendências futuras da pesquisa
Outro critério foi a limitação das publicações
optou-se pelo recorte temporal dos anos mais
por periódicos com o maior fator de impacto
recentes, uma vez que a maior incidência de
internacional Q1 pelo índice de citação do
publicações sobre este assunto deu-se a
ranking do Scimago Journal & Country Rank,
partir de 2009, conforme Gráfico 1.
acessados pelo site, e que compusessem o

Gráfico 1: Publicações por Ano (1987- 2016)

Public…
20
Quantidade de

15 15
Publicações

12 11 12
11
10 10

4 7 5
4 5 4
2 2 2 1 2
1 1 1 1 1 2
0
1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016

Fonte: Elaborado pelos autores, 2017.

Sendo assim, com o intuito de adequar-se à pelas publicações dos últimos seis anos,
proposta do escopo deste trabalho e resultando em 31 artigos dos quatro
cumprimento de todos os objetivos, optou-se periódicos acima citados.

Tópicos em Administração - Volume 5


103

Por fim, os artigos foram analisados e realização de atividades prazerosas versus


agrupados segundo as abordagens atividades entediantes.
correspondentes com os objetivos deste
Dos 31 artigos analisados apenas o trabalho
estudo, com o intuito de mapear os últimos
dos autores (WILLIAMS; POEHLMAN, 2016),
anos destas publicações e ainda fornecer as
foi desenvolvido por meio de um ensaio
perspectivas e direcionamentos futuros para o
teórico e teve como objetivo avaliar o conceito
escopo destes estudos.
de “atitudes conscientes” questionando se os
estudos do autocontrole aplicado ao contexto
do comportamento do consumidor têm
4 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS
produzido resultados precisos uma vez que
A partir dos métodos e filtros reportados, foi frequentemente as falhas no autocontrole têm
possível analisar como os estudos sido atribuídas a atitudes inconscientes, no
relacionados ao self-control tem se entanto o autor demonstra por meio da
apresentado no contexto do Marketing e revisão dos últimos 30 anos das publicações
Comportamento do Consumidor, mais relevantes na área e conclui que o
especificamente nos periódicos mais conceito de consciência ou autoconsciência
relevantes da área. Foi confeccionado um tem sido inconsistente ao longo das
quadro com informações detalhadas sobre os pesquisas já publicadas, mas que está
principais achados. As informações mais havendo uma convergência e mais
específicas e que coadunam com o proposto importante, salienta que o consumidor deve
foram destacas a seguir: ser engajado no processo de “consciência”
para que o resultado seja significativo para
Quanto ao procedimento metodológico, a
educação no consumo.
predominância é da pesquisa experimental,
presente em 98% dos artigos, uma pequena Além disso, o trabalho de ROMERO e BISWAS
parcela de métodos mesclados com meta- (2016) e KLESSE; LEVAV & GOUKENS (2015),
análise e um trabalho faz uma etapa inicial utilizam um método misto, complementando a
com entrevista por survey. O que é pesquisa experimental com meta-análise de
consistente com a epistemologia positivista dados semelhantes. Nos dois artigos o
predominante na área, os métodos são objetivo foi verificar resultados estatísticos
congruentes a com abordagem utilizada, congruentes com o encontrado e assim
todos quantitativos e as análises estatísticas, validar proposições de seus estudos.
via software Statistical Package for the Social
As contribuições foram agrupadas em cinco
Sciences - SPSS, alinhado com a proposta
categorias, são elas práticas, gerenciais,
objetivista.
teóricas, metodológicas e úteis para
Sobre a evolução dos métodos, observou-se confecção de políticas públicas.
que na média o número de estudos por artigo
Sobre as contribuições práticas a área que
foi aumentando com o passar dos anos e os
recebeu maior contribuição foi a do bem-estar
estímulos tornando-se mais elaborados
do consumidor, cujas descobertas apontam
também, demonstrando uma evolução da
que a saliência da meta (MEHTA et al., 2014),
pesquisa nesse aspecto.
a atenção ao estado presente na hora da
Como a maior parte das relações nesta área tomada de decisão (LARAN et al., 2016),
já está consolidada, o objetivo geral dos evocação da esperança (WINTERICH et
estudos concentra-se na identificação de al., 2011), ensino da importância do
mecanismos explicativos, mediadores e autocontrole para as crianças (VANBERGEN.,
moderações destas relações. As principais et al, 2011), negociação em dupla
manipulações encontradas envolvem (DZHOGLEVA et., 2014), boas referencias
emoções, autoindulgência, quantidade sociais (LOWE et al., 2014), diluição da meta
consumida, percepção de tempo, avaliações e monitoramento objetivo na medida certa são
cognitivas, avaliações afetivas e feedback de aspectos que favorecem a manutenção do
consumo. Os principais dilemas abordados autocontrole (MURTHY et al ., 2010;GAL; LIU,
foram comidas saudáveis e insalubres, 2011).
poupança versus gastos imediatos, avaliação
A respeito do panorama deste tipo de
de progresso contra comprometimento com a
contribuição, percebe-se que os artigos tem
meta, produtos de cunho utilitário contra
privilegiado cada vez mais esse aspecto,
produtos mais associados ao prazer e
sendo na maioria dos artigos o objetivo
principal de prover educação do consumidor

Tópicos em Administração - Volume 5


104

e está presente em todos os artigos, nessa consolidação dos objetivos e motivações da


categoria estão incluídas as contribuições pesquisa em Comportamento do Consumidor.
relacionadas ao bem estar do consumidor.
E contrário à questão crítica da educação
Notavelmente, tais resultados têm sido
para o consumo que dá indícios de ainda não
apresentados de forma crescente nos artigos,
estar totalmente consolidada, o paradigma
sugerindo uma tendência que pode ser
epistemológico positivista é muito presente na
explicada pelos danos causados pelo
pesquisa de Marketing e no Comportamento
consumismo ou ainda pela preferência de
do Consumidor. Os métodos pragmáticos
financiamento do governo para pesquisas que
quantitativos com pesquisas essencialmente
privilegiem a educação do consumidor
objetivistas é utilizado rigorosamente nos
(MORAIS, 2016).
trabalhos conforme já abordado. Em todos os
Tal panorama é inverso quando comparado trabalhos analisados, apenas os autores Gal e
aos achados de aplicação gerencial. Liu (2011), apresentaram uma contribuição
Observou-se que as implicações focadas nos metodológica relacionada ao trato dos dados
gestores e nas empresas têm sido reduzidas para eliminar a existência de correlações
com o passar do tempo, congruente com o espúrias, fornecendo insights para os
foco para bem estar do consumidor e criação pesquisadores ao trabalhar com dados em
de políticas públicas. Sendo assim, fica pares, ajustando os dados de modo a evitar
aparente uma possível alteração tal equívoco de análise de dados.
paradigmática em direção a uma

Tabela 1: Estudos
Principais
Autor Resumo Principais Contribuições
Dilemas
Rafay
A. Siddiqui, F Investiga a influência da data
A data de validade pode ser utilizada como
rank May, As de validade na taxa de Frutas x
um dispositivo ou desculpa para quebrar uma
hwani Monga consumo de produtos Cupcake
meta.
saudáveis x calóricos.
2016
Noah Vanber
gen, Juliano L Analisa a manutenção (ou não) Consumo (ou Valorização da capacidade de autocontrole
aran da meta a partir de lembranças não) de está diretamente ligada ao bem-estar assim,
da educação na infância. Batata Chips este deve ser incentivado desde a infância.
- 2016
Leilei Gao, Ya Dois Quando a atenção do consumidor é muito
njie Li, Robert Examina a tomada de decisão
alimentos aguçada ele tem mais dificuldade em manter
S. Wyer Jr baseada na escolha entre duas
gordurosos x uma meta, optando por itens mais salientes
opções ruins.
- 2016. Não comer em vez de mais adequados

Lawrence Manter-se
E. Williams, T. Conceituação de Consciência
saudável x A compreensão da consciência torna os
Andrew Poehl aplicada ao comportamento do
não fazer estudos sobre SC mais precisos e para o
man Consumidor no contexto
exercícios consumidor melhor seu bem estar
(principalmente) do SC
2016 físico

A interpretação do ambiente tem uma ordem


Verifica qual o impacto da de leitura mais precisa. A exposição de
Marisabel Ro
ordem de exposição de produtos insalubres em ordem
mero, Dipaya Maçã x
produtos saudáveis (Direita x
n Biswas - Chocolate inversa, pode confundir o consumidor,
Esquerda), na quantidade
2016 provocando maior consumo pelo lado
consumida.
dominante.
Anne-
Kathrin Kless Identifica qual a influência do Quando o consumidor expressa sua escolha
e, Jonathan L meio de expressão de uma Frutas x por meio da fala é mais propenso a quebrar
evav, Carolin preferência na manutenção de Chocolate uma meta do que quando escreve ou
e Goukens - uma meta. manipula máquinas.
2015

Tópicos em Administração - Volume 5


105

(continuação...)
Principais
Autor Resumo Principais Contribuições
Dilemas
Julia Propagandas que antropomorfizam
Investiga o efeito da Dieta x
D. Hur, Minj tentações oferecem grande risco para o
antropomorfização de produtos Cookie
ung Koo, Wil consumidor por causar a ilusão de
ou marcas na tomada de calórico (com
helm Hofma delegação da responsabilidade sobre si
decisão. face humana)
nn2015 mesmo.
Manter
hábitos
saudáveis
Margaret Quando as metas são objetivamente
Investiga a percepção do peso (Exercícios) x
C. Campbell controladas ajudam na manutenção do
atribuído ao avanço vs. comer algo
, Caleb Warr autocontrole por meio da percepção e da
retrocesso de um objetivo. calórico
en - 2015 evolução e redução da desistência.
(Metas
incongruentes
)
Ingestão (ou
não) de Quando há saliência da proximidade do
Ravi Mehta, Analisa a decisão em
alimento alcance da meta, aumenta a propensão à
Rui Zhu, Joa situações discrepantes sobre a
calórico manutenção da meta – Contribuição
n Meyers- perspectiva da Teoria
(exposição ao Metodológica: auxílio sobre como evitar
Levy - 2014 Construal Level.
chocolate correlações espúrias.
M&M´s)
Aquisição (ou
Michael A influência de grupos de referência oferece
Verifica a influência social não) de
L. Lowe, Kel risco de realização de más escolhas por
como justificativa para quebrar agrados.
ly L. Haws - parte dos consumidores que sentem-se
de metas. (Incentivada x
2014 apoiados.
recriminada)
Hristina Dzh Casais que tem diferentes níveis de
Aquisição (ou
ogleva, Cait Investigação da influência de disciplina devem estabelecer critérios para
não) de
Poynor Lam decisões em dupla na tomada de decisão, uma vez que a
agrados em
berton - manutenção de uma meta. tendência de uma dupla mista é sempre
dupla
2014 piorar a qualidade das decisões.
Hyeongmin Produto Ambientes com estímulos materialistas como
(Christian) K Análise da influência do
luxuoso x loterias geram um volume de pensamentos
im materialismo situacional ao
Produto consumistas reprimidos, oferecendo risco às
entrar numa loteria.
- 2013 utilitário metas financeiras.

A preocupação com a imagem nas redes


Keith Wilcox Investiga a influência de redes
sociais gera uma visão sobrevalorizada do
, Andrew sociais na autoestima e Poupar x
consumidor que por sua vez sente sua
T. Stephen consequente impacto na Gastar
autoestima elevada e assim, se desengaja
- 2013 quebra de uma meta.
das metas.
Joseph Verifica o impacto da
P. Redden, percepção do desejo de Consumo Produtos saudáveis podem induzir o
Kelly saciedade na quantidade (alto x baixo) pensamento de que não saciam, induzindo o
L. Haws consumida de um produto de comida aumento da quantidade consumida.
2013 alimentício.

Gastar a
A crença relacionada aos benefícios da
restituição de
Claudia Tow Investiga influência do ato de realização de planejamento de metas não
impostos com
nsend, Wen planejar as metas baseado no tem o mesmo efeito positivo em todos os
algo
dy Liu - estado emocional inicial do consumidores. Caso esteja inicialmente
prazeroso x
2012 consumidor. muito distante o objetivo, poderá ter
poupar para
emoções negativas e desistir da meta.
aposentadoria

Tópicos em Administração - Volume 5


106

(continuação...)
Principais
Autor Resumo Principais Contribuições
Dilemas
O consumidor pode apresentar emoções
David Gal, Identificação de negativas como raiva após exercer o
Wendy Liu comportamentos agressivos Frutas x autocontrole e resistir à tentações. Sugerindo
motivados pela raiva após Chocolate a necessidade de atenção à atividades que
- 2011 manutenção do autocontrole. exijam auto monitoramento, pois pode gerar
um comportamento agressivo.
Karen
Page Winter Gastar o gift
Verifica o papel da esperança Evocar o sentimento de esperança durante a
ich, Kelly card x poupar
e emoções positivas na tomada de decisão ajuda na manutenção de
L. Haws para um
manutenção do autocontrole. uma meta.
trabalho futuro
- 2011
Keith Wilco Examina a influência do
x, Thomas O consumidor que já é propenso a se sentir
sentimento de orgulho após a Ser saudável
Kramer, Sa orgulhoso de sua capacidade de
manutenção de metas e x poupar
nkar Sen autocontrolar-se em alguma área tende a
consequente impacto na dinheiro
maior busca por indulgências.
2011 opção por indulgências.

Demonstrou que o esgotamento do


Echo Investiga como o exercício do
autocontrole (ego depletion) diminui os níveis
Wen Wan, autocontrole influencia Produto Viável
de avaliação e aumenta a preferência por
Nidhi Agraw decisões subsequentes a partir x Desejável
opções mais atraentes, mesmo que
al - 2011 da Construal Level Theory.
inferiores.
Juliano Lara Impacto da interpretação do Completar (ou
n, Chris Jan A interpretação de atividades como
trabalho voluntário como desistir) de
iszewski obrigatórias, em vez de voluntárias, levam o
obrigação ou prazer na tarefa
consumidor a piorar o autocontrole.
- 2011 manutenção de uma meta. dispendiosa.

Juliano Lara Verifica a influência de O consumidor após exercer o autocontrole


Lanches
n escolhas sequenciais no torna-se mais propenso a adquirir
saudáveis x
consumo público (família, indulgências para outras pessoas do que
- 2010 calóricos
amigos) ou privado. para si mesmo.
Parthasarat Ter um orçamento mental ajuda na
hy Krishna Examina se os orçamentos manutenção da meta porque a mantém
Chocolate x
murthy, Son mentais podem auxiliar na saliente, no entanto, se o consumidor focar
Frutas
ja Prokopec manutenção de uma meta. no monitoramento pode gerar licenciamento
- 2010 para indulgências
Comer
Alimentos
Investiga como a distância saudáveis x
Por meio da conscientização do consumidor,
Juliano Lara temporal influencia o ser mais
ele se torna mais capaz de cumprir suas
n - 2010 autocontrole dos saudável
metas.
consumidores. (metas
concretas x
abstratas)
Yael
Zemack-
Ampliou o entendimento do comportamento
Rugar, Examina o comportamento
pós-falha. Oferecendo uma perspectiva
Canan sequencial após falha do Poupança x
potencialmente preditiva para compreensão
Corus, autocontrole dos Gastos
e manutenção do comportamento sequencial
David consumidores.
em dilemas.
Brinberg -
2012

Tópicos em Administração - Volume 5


107

(continuação...)
Principais
Autor Resumo Principais Contribuições
Dilemas
Juliano
Laran, Ao reforçar a meta consciente, é gerada uma
Chris Investiga a influência do busca clara de objetivos que aumentam a
Janiszewski reforço e conscientização de Granola x probabilidade de escolher uma alternativa
, and uma meta na tomada de Chips consistente com a meta concorrente, porque a
Anthony decisão. saliência da conquista gera o licenciamento
Salerno para indulgência.
- 2016
Timothy J.
Gilbride, J.
Adquirir (ou
Jeffrey Verifica se o planejamento (ou Ao realizar uma compra não planejada, a
não) boas
Inman, and não) de uma viagem altera o tendência é permanecer consumindo itens por
ofertas de
Karen comportamento de compras impulso, o que oferece risco de endividamento
itens não
Melville subsequentes. em viagens, por exemplo.
planejados
Stilley -
2015
Apresentou o paradoxo da embalagem
Xiaoyan
Investiga o efeito da transparente. Produtos menos saudáveis e
Deng and
embalagem transparente em Chocolate x mais atrativos tendem a ter uma velocidade
Raji
relação à quantidade Frutas maior do consumo, já produtos menos
Srinivasan -
consumida. interessantes em embalagens menores,
2013
tendem a aumentar.

Murat Usta, Examina o efeito da


Escolha (ou
Gerald delegação de decisões à Demonstrou que ao delegar decisões para
não) de
Häubl - especialistas e consequente consultores ou agentes gera depleção do ego
Pacotes de
influência na tomada de e consequente propensão à quebra da meta.
2011 Viagem
decisão.
Anirban
Verifica o efeito das crenças
Mukhopadh
sobre autocontrole nas Escolha (ou
yay, O incentivo do autocontrole em crianças tem
escolhas de produtos para não) de
Catherine grande contribuição da sua educação para o
crianças o consequente alimentos
W.M. consumo e consequente bem-estar.
impacto na aprendizagem para os filhos
Yeung -
infantil.
2010
Kelly L.
Haws, Scott A comunicação da politicas públicas deve ser
W. Davis, Investiga o impacto das Quantidade
precisa, uma vez que diferentes níveis de
and Utpal diferenças individuais na consumida
disciplina dos consumidores tende a alterar a
M. Dholakia eficácia de intervenções de de Chocolate
interpretação, oferecendo o risco de gerar o
- políticas públicas. M&M
efeito contrário.
2016
Jennifer
Gastar mais Ambientes online geram uma falsa sensação
Christie
Identifica a influência dos (menos) do de anonimato o que mina o autocontrole,
Siemens,
ambientes de aposta online no que o sendo extremamente arriscado para ambiente
Steven W.
autocontrole. proposto de jogos facilitando o endividamento do
Kopp -
inicialmente consumidor.
2011

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS anos e a partir disso verificou-se que a


metodologia de trabalho está bem
A presente pesquisa teve como propósito
consolidada em métodos quantitativos e
principal investigar como os estudos sobre
pesquisa experimental que tem se tornado
autocontrole têm sido trabalhados nos
mais sofisticada ao longo dos anos, o enfoque
principais periódicos de Marketing nos últimos

Tópicos em Administração - Volume 5


108

tem sido a produção de informações que especificamente porque o autocontrole é um


contribuam para o bem-estar e educação do dos assuntos mais relacionados ao bem-estar
consumo, consistente com a aplicação do do consumidor, devida à frequência com a
tema e preocupações mundiais relacionadas qual se manifesta no cotidiano do
ao consumo. (WILLIAMS; POEHLMAN,2016.; consumidor, tendo sido demonstrado,
MORAIS, 2016). inclusive, como fonte de felicidade
(HOFMANN. et al, 2014).
Este trabalho também forneceu um resumo
das principais contribuições dos estudos Uma pesquisa bibliográfica tem como objetivo
coletados, também possibilita a visualização mapear determinada área de estudo. Neste
das principais manipulações dos trabalho realizou-se o mapeamento da
experimentos nesse campo de estudo, pesquisa em self-control e identificou-se a
resumindo os principais dilemas estudados tendência relacionada à priorização do bem
neste contexto. E por fim, ofereceu reflexões estar do consumidor como aplicação prática.
sobre a preocupação com o bem-estar do Para o futuro, sugere-se a ampliação para um
consumidor. horizonte maior de tempo, confrontar
resultados para examinar a existência de
Sendo assim, torna-se fundamental o
inconsistências. Aprofundar os detalhamento
investimento de pesquisas neste contexto
dos três estágios teóricos do self-control e
para que seja possível auxiliar o consumidor a
expandir a amostrar investigando se há
lidar com tais questionamentos,
equilíbrio entre os três.

REFERÊNCIAS
[1]. CAMPBELL, Margaret C.; WARREN, [9]. HAUGTVEDT, C. P., HERR, P. M. &
Caleb. The progress bias in goal pursuit: When one KARDES, FRANK,R. 2008. Handbook of Consumer
step forward seems larger than one step Psicology. New York: Psychology Press.
back. Journal of Consumer Research, v. 41, n. 5, p.
[10]. HAWS, Kelly L.; DAVIS, Scott W.;
1316-1331, 2015.
DHOLAKIA, Utpal M. Control over what? Individual
[2]. DE MACEDO, Neusa Dias. Iniciação à differences in general versus eating and spending
pesquisa bibliográfica: guia do estudante para a self-control. Journal of Public Policy & Marketing, v.
fundamentação do trabalho de pesquisa. Edicoes 35, n. 1, p. 37-57, 2016.
Loyola, 1995.
[11]. HOFMANN, Wilhelm et al. Yes, but are
[3]. DENG, Xiaoyan; SRINIVASAN, Raji. When they happy? Effects of trait self‐control on affective
do transparent packages increase (or decrease) well‐being and life satisfaction. Journal of
food consumption?. Journal of Marketing, v. 77, n. Personality, v. 82, n. 4, p. 265-277, 2014.
4, p. 104-117, 2013.
[12]. HONG, Jiewen; CHANG, Hannah H. “I”
[4]. DZHOGLEVA, Hristina; LAMBERTON, Cait Follow My Heart and “We” Rely on Reasons: The
Poynor. Should birds of a feather flock together? Impact of Self-Construal on Reliance on Feelings
Understanding self-control decisions in versus Reasons in Decision Making. Journal of
dyads. Journal of Consumer Research, v. 41, n. 2, Consumer Research, v. 41, n. 6, p. 1392-1411,
p. 361-380, 2014. 2015.
[5]. FISHBACH, Ayelet; DHAR, Ravi. Goals as [13]. HUR, Julia D.; KOO, Minjung; HOFMANN,
excuses or guides: The liberating effect of Wilhelm. When temptations come alive: How
perceived goal progress on choice. Journal of anthropomorphism undermines self-control. Journal
Consumer Research, v. 32, n. 3, p. 370-377, 2005. of Consumer Research, v. 42, n. 2, p. 340-358,
2015.
[6]. FISHER, Irving. The theory of interest. New
York, v. 43, 1930. [14]. JOOSTEN, Anne et al. Being “in control”
may make you lose control: The role of self-
[7]. GAL, David; LIU, Wendy. Grapes of wrath:
regulation in unethical leadership behavior. Journal
The angry effects of self-control. Journal of
of business ethics, v. 121, n. 1, p. 1-14, 2014.
Consumer Research, v. 38, n. 3, p. 445-458, 2011.
[15]. KIM, Hyeongmin Christian. Situational
[8]. GAO, Leilei; LI, Yanjie; WYER, Robert S.
materialism: How entering lotteries may undermine
Choosing Between Two Evils: The Determinants of
self-control. Journal of Consumer Research, v. 40,
Preferences for Two Equally Goal-Inconsistent
n. 4, p. 759-772, 2013.
Options. Journal of Consumer Research, p.
ucw002, 2016. [16]. KLESSE, Anne-Kathrin; LEVAV, Jonathan;
GOUKENS, Caroline. The effect of preference

Tópicos em Administração - Volume 5


109

expression modality on self-control. Journal of [29]. MISCHEL, Walter. Processes in delay of


Consumer Research, v. 42, n. 4, p. 535-550, 2015. gratification. Advances in experimental social
psychology, v. 7, p. 249-292, 1974.
[17]. KRISHNAMURTHY, Parthasarathy;
PROKOPEC, Sonja. Resisting that triple-chocolate [30]. MORAIS, João. A Co-Criação, o
cake: Mental budgets and self-control. Journal of Crowdsourcing ea Sustentabilidade Aplicada à
Consumer Research, v. 37, n. 1, p. 68-79, 2010. Gestão e Comunicação de Marcas de
Moda. International Journal of Marketing,
[18]. KRUGLANSKI, A. W. e HIGGINS, E. T.
Communication and New Media, v. 2, n. 2, 2014.
2007. Social Psychology Handbook Of Basic
Principles. New York : The Guilford Press. [31]. MOTTA,P.R., Gestão contemporânea: a
ciência e a arte de ser dirigente. 15ed. Rio de
[19]. LARAN, Juliano. Choosing your future:
Janeiro: Record, 2004.
Temporal distance and the balance between self-
control and indulgence. Journal of Consumer [32]. MUKHOPADHYAY, Anirban; YEUNG,
Research, v. 36, n. 6, p. 1002-1015, 2010. Catherine WM. Building character: Effects of lay
theories of self-control on the selection of products
[20]. LARAN, Juliano. Goal management in
for children. Journal of Marketing Research, v. 47,
sequential choices: Consumer choices for others
n. 2, p. 240-250, 2010.
are more indulgent than personal choices. Journal
of Consumer Research, v. 37, n. 2, p. 304-314, [33]. MURAVEN, Mark; BAUMEISTER, Roy F.
2010. Self-regulation and depletion of limited resources:
Does self-control resemble a
[21]. LARAN, Juliano; JANISZEWSKI, Chris.
muscle?. Psychological bulletin, v. 126, n. 2, p. 247,
Work or fun? How task construal and completion
2000.
influence regulatory behavior. Journal of Consumer
Research, v. 37, n. 6, p. 967-983, 2011. [34]. NUTT,P.C. e WILSON,D.C. 2010.
Handbook of Decision of making. United Kingdom:
[22]. LARAN, Juliano; JANISZEWSKI, Chris;
John Wiley & Sons, Ltd
SALERNO, Anthony. Exploring the differences
between conscious and unconscious goal [35]. PARKER, Sharon K.; BINDL, Uta K.;
pursuit. Journal of Marketing Research, v. 53, n. 3, STRAUSS, Karoline. Making things happen: A
p. 442-458, 2016. model of proactive motivation. Journal of
management, 2010.
[23]. LIMA, Telma CS; MIOTO, Regina Célia
Tamaso. Procedimentos metodológicos na [36]. PEREIRA, Breno A. Diniz; LOBLER, Mauri
construção do conhecimento científico: a pesquisa Leodir; DE OLIVEIRA SIMONETTO, Eugênio.
bibliográfica. Revista Katálysis, v. 10, n. 1, p. 37-45, Análise dos modelos de tomada decisão sob o
2007. enfoque cognitivo. Revista de Administração da
UFSM, v. 3, n. 2, p. 260-268, 2010.
[24]. LOWE, Michael L.; HAWS, Kelly L. (Im)
moral support: the social outcomes of parallel self- [37]. PEREIRA, Breno A. Diniz; LOBLER, Mauri
control decisions. Journal of Consumer Research, Leodir; DE OLIVEIRA SIMONETTO, Eugênio.
v. 41, n. 2, p. 489-505, 2014. Análise dos modelos de tomada decisão sob o
enfoque cognitivo. Revista de Administração da
[25]. MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS,
UFSM, v. 3, n. 2, p. 260-268, 2010.
Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e
execução de pesquisas, amostragens e técnicas [38]. REDDEN, Joseph P.; HAWS, Kelly L.
de pesquisa, elaboração, análise e interpretação Healthy satiation: The role of decreasing desire in
de dados. Atlas, 2011. effective self-control. Journal of Consumer
Research, v. 39, n. 5, p. 1100-1114, 2013.
[26]. MEHTA, Ravi; ZHU, Rui; MEYERS-LEVY,
Joan. When does a higher construal level increase [39]. ROMERO, Marisabel; BISWAS, Dipayan.
or decrease indulgence? Resolving the myopia Healthy-Left, Unhealthy-Right: Can Displaying
versus hyperopia puzzle. Journal of Consumer Healthy Items to the Left (versus Right) of
Research, v. 41, n. 2, p. 475-488, 2014. Unhealthy Items Nudge Healthier Choices?. Journal
of Consumer Research, p. ucw008, 2016.
[27]. METTE, Frederike Monika Budiner; DE
MATOS, Celso Augusto. Uma Análise Bibliométrica [40]. SIDDIQUI, Rafay A.; MAY, Frank; MONGA,
dos Estudos em Educação Financeira no Brasil e Ashwani. Time Window as a Self-Control
no Mundo. Revista Interdisciplinar de Marketing, v. Denominator: Shorter Windows Shift Preference
5, n. 1, p. 46-63, 2016. toward Virtues and Longer Windows toward
Vices. Journal of Consumer Research, p. ucw064,
[28]. MICHAEL, F.C. e SCHEIER, F. C. Self-
2016.
Regulation of Action and Affect. in cap1 - VOHS, K.
D. e BAUMEISTER, F.R. 2011. Handbook of Self- [41]. SIEMENS, Jennifer Christie; KOPP, Steven
Regulation Research, Theory, and Applications. W. The influence of online gambling environments
New York: The Guilford Press. on self-control. Journal of Public Policy &
Marketing, v. 30, n. 2, p. 279-293, 2011.

Tópicos em Administração - Volume 5


110

[42]. SIMON, H. Comportamento Administrativo. making: A construal-level perspective. Journal of


São Paulo: FGV Editora, 1965. Capítulo V – A Consumer Research, v. 38, n. 1, p. 199-214, 2011.
psicologia das decisões administrativas (p. 93-
[49]. WILCOX, Keith; KRAMER, Thomas; SEN,
128).
Sankar. Indulgence or self-control: A dual process
[43]. THALER, Richard H.; SHEFRIN, Hersh M. model of the effect of incidental pride on indulgent
An economic theory of self-control. The Journal of choice. Journal of Consumer Research, v. 38, n. 1,
Political Economy, p. 392-406, 1981. p. 151-163, 2011.
[44]. TOWNSEND, Claudia; LIU, Wendy. Is [50]. WILCOX, Keith; STEPHEN, Andrew T. Are
planning good for you? The differential impact of close friends the enemy? Online social networks,
planning on self-regulation. Journal of Consumer self-esteem, and self-control. Journal of Consumer
Research, v. 39, n. 4, p. 688-703, 2012. research, v. 40, n. 1, p. 90-103, 2013.
[45]. USTA, Murat; HÄUBL, Gerald. Self- [51]. WILLIAMS, Lawrence E.; POEHLMAN, T.
regulatory strength and consumers' relinquishment Andrew. Conceptualizing Consciousness in
of decision control: When less effortful decisions Consumer Research. Journal of Consumer
are more resource depleting. Journal of Marketing Research, p. ucw043, 2016.
Research, v. 48, n. 2, p. 403-412, 2011.
[52]. WINTERICH, Karen Page; HAWS, Kelly L.
[46]. VANBERGEN, Noah; LARAN, Juliano. Loss Helpful hopefulness: The effect of future positive
of Control and Self-Regulation: The Role of emotions on consumption. Journal of Consumer
Childhood Lessons. Journal of Consumer Research, v. 38, n. 3, p. 505-524, 2011.
Research, v. 43, n. 4, p. 534-548, 2016.
[53]. ZEMACK-RUGAR, Yael; CORUS, Canan;
[47]. VOHS, K. D. e BAUMEISTER, F.R. 2011. BRINBERG, David. The “response-to-failure” scale:
Handbook of Self-Regulation Research, Theory, predicting behavior following initial self-control
and Applications. New York: The Guilford Press. failure. Journal of Marketing Research, v. 49, n. 6,
p. 996-1014, 2012.
[48]. WAN, Echo Wen; AGRAWAL, Nidhi.
Carryover effects of self-control on decision

Tópicos em Administração - Volume 5


111

Capítulo 11

Elieti Fátima de Goveia


Vanessa Alberton
Ronaldo Ferreira Maganhotto
Leandro Baptista
Ana Paula Perardt Farias

Resumo: Trata-se de uma pesquisa cujo objetivo foi analisar o perfil do turista que
frequentava a propriedade denominada Faxinal Dérevo. O local está localizado no
interior do município de Prudentópolis, no Estado do Paraná (Brasil), a cerca 233
km da capital Curitiba. A propriedade oferecia atividades de turismo rural,
gastronomia típica ucraniana e a oportunidade de vivenciar as práticas do Sistema
Faxinal, porém em virtude da baixa procura e condições de acesso, o
estabelecimento optou por suspender as atividades turísticas. A metodologia
utilizada foi de cunho qualitativa, descritiva, de observação in loco, anotações em
diário de campo e aplicações de questionários para definir o perfil do turista
visando compreender a demanda do local. Entre os principais resultados destaca-
se que professores e estudantes realizavam saídas técnicas para conhecer o modo
simples e peculiar do Sistema Faxinal. Oriundos de estados vizinhos, se
deslocavam de ônibus e carro próprio e permaneciam apenas meio período na
propriedade.
Palavras chave: Faxinal, Turismo Rural, Perfil.

Tópicos em Administração - Volume 5


112

1 INTRODUÇÃO A partir deste contexto, foi determinado o


objetivo geral: analisar o perfil do turista na
Entre as opções de lazer da atualidade, o
propriedade Faxinal Dérevo e na sequência
turismo no meio rural figura como uma opção
foi estabelecido o problema da pesquisa
para vivenciar as atividades desenvolvidas
direcionado a questão: Será que os turistas se
nestes espaços, mesmo não agrícolas, como
deslocaram até a propriedade Faxinal Dérevo
degustar pratos típicos produzidos na
motivados pela realização de atividades de
propriedade, de forma simples e artesanal,
turismo ou por outra prática de atividade no
passeio por meio de carroças, cavalgadas,
local? Em seguida, foram nomeados os
caminhadas na natureza e atividades
objetivos específicos: foi identificado o perfil
desportivas não competitivas.
do turista no Faxinal Dérevo; se verificou a
Neste sentido, o turismo rural em áreas de origem e; identificou os motivos das visitações
faxinais configura-se como uma oferta dos turistas com base nos resultados de
diferenciada, indo além das alternativas pesquisa de campo.
comuns de turismo, visto que é um ambiente
É importante frisar que a propriedade
de práticas específicas, em que é possível ver
suspendeu suas atividades de atendimento
os animais soltos, convivendo com outras
ao turista no início do ano de 2015, em virtude
espécies. Além disso, “Acredita-se que tais
da baixa demanda, condições de acesso e
comunidades, por apresentarem valor
falta de sinalização até a sua propriedade.
diferencial, podem ter o turismo como
Portanto, os dados dessa pesquisa são frutos
instrumento ou veículo para manutenção de
de visitas a campo realizadas antes do
suas características culturais e paisagísticas”
término das atividades do turismo rural na
e ainda, pode ser uma fonte de renda
propriedade.
alternativa aos faxinalenses (LEMES, 2010, p.
51). 2 O TURISMO RURAL
A então coordenadora geral de segmentação Trata-se de um segmento do turismo que
do Ministério do Turismo do Brasil, Rosiane pode ser desenvolvido em meio às áreas
Rockenbach (BRASIL, 2008) e Brasil (2010), naturais e que vem “crescendo
apontaram que o perfil do turista que procura gradativamente nas diferentes regiões do
atividades no meio rural, direciona para os Brasil, favorecido pelas singularidades dos
que buscam refúgio, são famílias, grupos de ciclos econômicos que as marcam e pela
amigos, tem nível médio, superior completo e diversidade cultural resultante dos processos
incompleto, se deslocam de suas residências de colonização” (BRASIL, 2008, p. 15).
de uma distância de 150 a 300 km, o tempo
É caracterizado como “o conjunto de
de viagens é de curta duração durante finais
atividades turísticas desenvolvidas no meio
de semana e feriados. Rockenbach (BRASIL,
rural, comprometido com a produção
2008), acrescentou que há necessidade de
agropecuária, agregando valor a produtos e
ampliação da oferta de atividades para este
serviços, resgatando e promovendo o
segmento, além de plano de marketing e
patrimônio cultural e natural da comunidade”
investimento por parte do setor público, para
(BRASIL, 2003, p. 11). De fato, “as atividades
que o turista tenha mais uma oportunidade de
não agrícolas no meio rural estão sendo
entretenimento durante o ano.
responsáveis cada vez mais pela ocupação
Porém, existem algumas limitações e econômica do campo, introduzindo nas
dificuldades em desenvolver o turismo, propriedades novas estratégias familiares de
independentemente de ser ou não dentro de reprodução” (PHILERANO; SOUZA &
uma comunidade tradicional como o Faxinal. BAGOLIN, 2008, p.5).
Essas dificuldades, geralmente dizem
Entre as áreas passíveis de desenvolver o
respeito à infraestrutura básica de apoio ao
turismo rural, os faxinais são sistemas
visitante, como meios de acesso adequados
distintos e que têm um valor inestimável para
para o deslocamento e sinalização.
ser desvendado, atraindo turistas específicos,
Nesse sentido, a propriedade denominada com finalidades e motivações diferenciadas
Faxinal Dérevo, localizada na comunidade de visitação.
Papanduva de Baixo, interior do município de
2.1 TURISMO EM ÁREAS DE FAXINAIS
Prudentópolis/PR, cerca de 16 km do centro
da cidade é o objeto de estudo dessa Na região Centro-Sul do estado do Paraná
pesquisa, que visou identificar o perfil do encontra-se um sistema agrossilvopastoril
turista que se deslocava até a propriedade. tradicional, chamado de Sistema Faxinal. Este

Tópicos em Administração - Volume 5


113

modo de uso da terra, de forma genérica, 2.2 O MUNICÍPIO DE PRUDENTÓPOLIS


pode ser dividido em dois espaços separados
O município de Prudentópolis está localizado
por cercas ou valos: as “terras de criar” são
na região sudeste paranaense. De acordo
áreas de uso comum dos moradores nas
com o Instituto Brasileiro de Geografia e
quais se preserva a Floresta com Araucária e
Estatística (IBGE, 2010), soma uma população
onde se encontram suas casas e seus
de 48.792 habitantes, desse total quase 54%
animais; e; as “terras de plantar”, que se
reside no meio rural (26.329 pessoas). A área
constituem em áreas de uso particular de
territorial é de 2.236,579 km², resultando em
cada morador, onde se desenvolve a
uma densidade demográfica de 21,14
agricultura de subsistência (MUDREI, 2011, p.
habitantes por km². De acordo com Mudrei
14).
(2011, p. 9) os primeiros imigrantes a se
Guil, Fernandes e Farah (2006, p. 60), estabelecerem no município foram os
pressupõe que o Sistema Faxinal, teve início ucranianos, poloneses, franceses e italianos e
no Centro-Sul do Paraná, entre os séculos “hoje a maioria da população é descendente
XVII e XVIII, estimulado pelos padres jesuítas, de ucranianos”, que compõem cerca de 70%
sendo aderido pelos caboclos e pelos desta.
imigrantes eslavos que chegaram à essa
O município também é notório por ser a “Terra
região do estado, fazendo com que este tipo
das Cachoeiras Gigantes”, com mais de 50
particular de organização permaneça até a
cachoeiras catalogadas e reconhecidas como
contemporaneidade. Os faxinalenses são
atrativos e recursos turísticos naturais com
povos tradicionais cuja formação social se
representatividade cênica (PREFEITURA
caracteriza principalmente pelo uso comum
MUNICIPAL DE PRUDENTÓPOLIS, 2015),
da terra e dos recursos florestais e hídricos
muitas delas com mais de cem metros de
disponibilizados na forma de criadouro
altura. As atividades de turismo começaram a
comunitário. Através de mobilização social e
ser desenvolvidas no município a partir da
pressão política, os faxinais conquistaram a
década de 1990, quando teve “início um
identificação de sua territorialidade específica
movimento para exploração do mesmo, além
através do Decreto Federal 10.408/2006 –
da natureza exuberante, a cultura e a
Comissão de Desenvolvimento Sustentável
religiosidade dos imigrantes formam um
das Comunidades Tradicionais e pela Lei
conjunto sofisticado e único” (MUDREI, 2011,
Estadual 15.673/2007.
p. 9).
A crescente desagregação dos territórios de
De modo geral, embora não se tenham dados
faxinais impulsionou a iniciativa política de
oficiais da demanda que o município atrai, há
auto reconhecimento desses povos atinada
valorização dos segmentos aptos na região e
com a busca pela garantia de seu território.
constante fluxo turístico durante todo o ano,
Alguns dos faxinais que continuam atuantes
com destaque para a alta temporada, pois os
com seus sistemas de cultivo, se organizaram
turistas procuram pelas atividades que podem
no movimento social intitulado Articulação
ser desenvolvidas nas áreas naturais.
Puxirão dos Povos Faxinalenses, que tem
como principal reivindicação o acesso a seus
direitos territoriais decorrentes de sua
2.3 COMUNIDADE DE PAPANDUVA DE
identidade étnica.
BAIXO, PRUDENTÓPOLIS/PR
Porém, ano após ano o sistema faxinal tem
A comunidade “foi colonizada por ucranianos
apresentado uma séria descaracterização e
e italianos”, tem a economia oriunda do cultivo
“encontram-se ameaçados, pois os
do fumo, milho e feijão, dentro do sistema
faxinalenses por manterem a floresta em
faxinalense. Os moradores da comunidade
estágio avançado de conservação sofrem
têm como religião principal a católica latina e
com a intensa pressão para a conservação ao
a católica ucraniana, a qual conta com uma
uso agrícola e florestal, além da exploração
igreja latina, duas ucranianas e uma
da madeira restante” (MOREIRA, et al, 2011,
evangélica (MUDREI, 2011, p. 8).
p. 97). Assim, o Faxinal Dérevo, apostou no
turismo como atividade econômica O local apresenta infraestrutura básica para
complementar, mas não obteve sucesso em atender a população local, como: uma
decorrência de alguns entraves a qual foram agência de correio, uma mercearia, um posto
identificados no item resultados desta de saúde com atendimento médico uma vez
pesquisa. por semana, com um dentista, uma
enfermeira, uma agente comunitária da

Tópicos em Administração - Volume 5


114

saúde. Também há tratamento da água da rua que tivessem interesse em conhecer o


(MUDREI, 2011), proporcionando condições sistema faxinal, assim como a cultura
mínimas de atendimento ao morador e ao ucraniana, gastronomia e demais atividades
visitante. Lemes (2009, apud Silva, 2012), ofertadas, bem como atender pessoas
afirma que há cerca de 100 famílias interessadas em desenvolver pesquisa sobre
residentes dentro do Faxinal de Papanduva o local, colaborando com ideias para melhoria
de Baixo, totalizando aproximadamente 400 das atividades.
pessoas, em uma área de 1.450 hectares, a
O Faxinal Dérevo localiza-se na comunidade
qual se inclui o Faxinal Dérevo.
de Papanduva de Baixo, 16 km do centro de
Prudentópolis e 192 km da capital do Estado
do Paraná e apresenta uma estrutura típica de
2.4 FAXINAL DÉREVO
um sistema faxinal, ou seja, os animais
Segundo Mudrei (2011), Faxinal Dérevo, tem circulam livremente, aproveitando o entorno
como significado “árvore” e o objetivo da das casas para trafegarem, como pode ser
idealizadora da atividade de turismo rural na visualizado na figura 1.
propriedade estudada era receber turistas

Figura 1 - Animais soltos no interior do Faxinal Dérevo

Fonte: Acervo dos autores (2015)

Com relação ao acesso até a propriedade, de rural e saborear a gastronomia ucraniana.


acordo com visitas técnicas ocorridas nos Pesquisa de Silva (2012), aponta que a
anos de 2011 a 2015, verificou-se dificuldade idealizadora das atividades de turismo rural
em chegar até o local, devido ao problema da no faxinal afirmava que as atividades de
inexistência de sinalização durante o percurso referência no local se destacava pela questão
e a falta de manutenção nas vias de acesso, do faxinal, como sendo primordial para atrair
predominantemente sem pavimentação. turistas/visitantes para o local, pois acreditava
que era o “diferencial da propriedade”.
Ainda Silva (2012) ressalta que além do
2.5 EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS
sistema de faxinal, os turistas apreciavam a
DISPONIBILIZADOS AOS TURISTAS
gastronomia ucraniana, assim como o sabor
As atividades existentes na propriedade dos alimentos que eram postos à mesa, pois
Faxinal Dérevo tinham como objetivo atender eram produtos orgânicos oriundos do local. A
os turistas/visitantes que procuravam o local figura 2 retrata o café colonial servido aos
para conhecer os atrativos ligados ao turismo visitantes.

Tópicos em Administração - Volume 5


115

Figura 2 – Café colonial oferecido aos visitantes

Fonte: Acervo dos autores (2015)

Quanto aos pratos típicos, o empreendimento costumes da família despertavam a atenção


procurava apresentar iguarias oriundas da de quem visitasse o local, pois a família
gastronomia ucraniana, sobretudo no almoço, preserva sua cultura e seus costumes, o
apreciada pelos descendentes ucranianos e modo de vida no campo e os artesanatos
visitantes na propriedade. A cultura e os confeccionados conforme (Figura 3).

Figura 3 - Artesanato ucraniano da família

Fonte: Acervo dos autores (2015)

A partir das imagens é possível compreender urbana, da paisagem local e ambiência


que o objetivo da idealizadora era a bucólica em sua região de entorno.
valorização dos costumes e tradições
Outra atividade ofertada no local era uma
culturais, como também, proporcionar aos
réplica da primeira residência da família,
visitantes conhecer as questões ligadas ao
reconstruída com objetivo de mostrar como
turismo rural a partir de um faxinal. Com esta
era a casa, os móveis que eram utilizados,
relação, foi observado que o Sistema Faxinal,
além dos objetos que eram usados pelos
era considerado o principal atrativo aos
integrantes. Essa casa era chamada de
visitantes, pois correspondia como diferencial
Museu da “Nona” (Figura 4).
em detrimento da competitividade da área

Tópicos em Administração - Volume 5


116

Figura 4 – Museu da “Nona” e peças de seu interior

Fonte: Acervo dos autores (2015)

Quanto à infraestrutura básica, o local possuía primeiras saídas de campo refere-se ao


um banheiro para atender os turistas, sem aproveitamento de um antigo paiol utilizado
distingui-los quanto ao sexo ou com para a estocagem de erva-mate, fonte de
acessibilidade e as refeições eram servidas renda em épocas anteriores. O local ficou
na garagem da casa. Em relação aos atrativos desativado após o ciclo do mate e a partir de
naturais, o local conta com uma cachoeira, o um projeto da UNICENTRO os bolsistas
Salto Samambaia, com aproximadamente 15 analisaram e orientaram que fosse
metros de altura, porém esta trilha não foi aproveitado para agregar mais uma atividade
inclusa para os visitantes turistas devido à para o turismo rural aos visitantes/turistas.
dificuldade de acesso. Para tanto, a família organizou o local (Figura
5), preservando o espaço, aspecto físico,
Um local com potencial identificado na
acrescentaram todos os objetos que
propriedade e adaptado posteriormente as
utilizavam na época.

Figura 5 - Antigo paiol onde era processado a erva mate

Fonte: Acervo dos autores (2015)

Tópicos em Administração - Volume 5


117

Também na propriedade há atividades que o influenciam ou são por ele


voltadas à cultura do fumo, feijão, milho, como influenciados.
também outras formas de produção para o
Os dados foram obtidos através de
sustento da família, pois, a atividade de
questionários, observações in loco e coleta de
turismo rural no local, era apenas uma
dados primários, por meio de registros
complementação de renda.
fotográficos da propriedade e anotações em
diário de campo durante as visitas técnicas. A
tabulação dos mesmos ocorreu por meio de
3 METODOLOGIA
pesquisa laboratorial, com softwares editores
A pesquisa a campo foi desenvolvida por uma de texto gratuitos.
docente-orientadora do curso de Turismo da
Como a demanda de turistas não era muito
UNCENTRO, campus Irati, através de visitas
expressiva, optou-se por deixar os
técnicas ocorridas entre 2011 e 2015. Durante
questionários com a proprietária e na medida
essas visitas, acadêmicos do curso se
em que haviam visitantes, eram aplicados.
deslocavam conjuntamente com a professora
Dessa forma, chegou-se ao total de 21
para conhecer a realidade do
questionários aplicados no início do ano de
empreendimento e colocar em prática os
2015, contendo 16 questões que pudessem
temas aprendidos em sala de aula. Trata-se
identificar o perfil dos visitantes.
de uma pesquisa com abordagem qualitativa,
que de acordo com Minayo (2010, p. 21-22), é Contudo, os pesquisadores entendem que
aquela que “trabalha com o universo de mesmo com esta pequena quantidade de
significados, motivos, aspirações, crenças, informações, foi possível delinear um perfil da
valores e atitudes, o que corresponde a um demanda dos visitantes no local, assim como
espaço mais profundo das relações, dos a motivação da viagem. Neste enfoque, os
processos e dos fenômenos”, que não podem pesquisadores apresentam os resultados em
ser medidos em números. forma de quadros para melhor dimensionar o
perfil da demanda no local.
É ainda uma pesquisa descritiva, que visa
descrever as características de uma
população ou fenômeno, além de utilizar
4 RESULTADOS
“técnicas padronizadas de coleta de dados,
tais como o questionário e a observação De acordo com as informações computadas a
sistemática” (GIL, 2002, p. 42). Caracteriza-se partir dos questionários aplicados no local,
como um estudo de caso, elemento observa-se que dentre os 21 respondentes,
importante na pesquisa qualitativa, pois é com 13 pessoas são do gênero feminino e 08 do
ele que se produz uma construção teórica de gênero masculino. Contudo neste primeiro
qualidade, independentemente da quantidade momento os pesquisadores não conseguem
conferida ao processo estudado. Conforme identificar esta diferença da procura pela
afirma Gil (2002, p. 55) atividade do Turismo Rural no Faxinal Dérevo,
pelo gênero masculino e feminino. Só será
Os propósitos do estudo de caso não são os
possível entender essa questão conforme as
de proporcionar o conhecimento preciso das
análises das demais respostas que serão
características de uma população, mas sim o
avaliadas na sequência deste estudo.
de proporcionar uma visão global do
problema ou de identificar possíveis fatores

Quadro 01- Faixa etária dos turistas entrevistados


Idade Quantidade
De 19 a 29 anos 09
De 30 a 45 anos 03
De 46 a 50 anos 01
De 51 a 60 anos 02
Acima de 60 anos 06
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

Tópicos em Administração - Volume 5


118

Foi possível averiguar que a mais expressiva (10) e casados (07), sendo que quatro
faixa etária dentre os respondentes está entre pessoas se declararam viúvos.
19 a 29 anos (09 pessoas) e que houve o
Ao analisar este item, conclui-se que o local
segundo grupo trata de pessoas acima de 60
não recebia apenas uma determinada faixa
anos. Conclui-se que as pessoas procuravam
de idade e sim diferentes grupos etários. Os
o local para visitação, devido a acentuada
pesquisadores entendem este fato como
diferença entre as idades identificadas.
positivo, pois assim o local poderia ofertar
Importante declarar que, segundo a
atividades de turismo rural para um amplo
proprietária, a demanda se dava
público.
principalmente pela melhor idade, seguida
pelos jovens e, em menores proporções, os De acordo com os dados, interpretou-se que
adolescentes, oriundos de escolas de Curitiba os variados grupos de visitantes na
e Universidades do estado do Paraná. propriedade podem ter sido influenciados
Portanto, estas pessoas possivelmente não pela oferta das atividades no local, como a
tiveram acesso aos questionários ou optaram gastronomia e a cultura ucraniana
por não os responder. O estado civil dos considerados pontos fortes e que acabava
entrevistados foi majoritariamente de solteiros despertando atenção dos visitantes na
referida propriedade.

Quadro 02- Escolaridade


Nível de Escolaridade Quantidade
Ensino superior incompleto 06
Ensino superior completo 10
Especialização 01
Mestrado 01
Doutorado 03
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

De acordo com o quadro 02, o nível de à importância e das especificidades locais já


escolaridade da maioria dos respondentes relatadas.
remete-se a curso superior completo. De
Com relação ao quadro 3, percebe-se que as
modo geral, o nível escolar dos visitantes é
profissões são de diferentes atuações no
acima da média brasileira, chegando até a
mercado. Importante apontar que dentre as
doutorado. Os pesquisadores entendem que,
21 respostas foram identificados um número
além das atividades de turismo dentro de uma
de 07 professores, maior parcela do universo
área de faxinal, o local despertava atenção
amostral.
para o desenvolvimento de pesquisas, devido

Quadro 3- Profissão dos entrevistados


Tipos de profissão Quantidade
Auxiliar administrativo 02
Dentista 01
Engenheiro Industrial Mecânico 01
Estudante 04
Geógrafo 01
Jornalista 01
Pedagoga 01
Procuradora Federal Aposentada 01
Professor 07
Psicóloga 01
Servidor público 01
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

Tópicos em Administração - Volume 5


119

Neste aspecto observa-se que fica claro que pesquisa a campo e visita técnica na
os visitantes que procuravam a propriedade, propriedade. No quadro 4 são relacionados
não buscavam somente o turismo rural no os gêneros e as respectivas profissões
local, como também desenvolviam alguma citadas no quadro anterior.

Quadro 4- Profissão dos entrevistados


Gênero Tipos de profissão Quantidade

Auxiliar administrativo 02

Dentista 01
Estudante 02
Jornalista 01
Feminino Pedagoga 01
Procuradora Federal Apresentada 01
Professora 03
Psicóloga 01
Servidor Público 01
Engenheiro Industrial Mecânico 01
Estudante 02
Masculino
Geógrafo 01
Professor 04
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

No quadro subsequente é apresentado o de verificar se a demanda provém da região


município de origem destes visitantes, a fim ou de outras cidades.

Quadro 5 - Município de origem


Município e Estado Quantidade
Campo Largo/PR 01
Catalão/GO 01
Caxambu do Sul/SC 01
Chapecó/SC 04
Hortolândia/SP 01
Imbituva/PR 01
Olinda/PE 01
Ourinhos/SP 01
Presidente Prudente/SP 01
Rio de Janeiro/RJ 06
Riqueza/SC 01
São Paulo/SP 01
Não informou 01
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

Tópicos em Administração - Volume 5


120

De acordo com os dados dos questionários, de Janeiro, Pernambuco, São Paulo, Santa
foram identificados que os visitantes não eram Catarina, Goiás, além do Paraná. Portanto,
somente da região de entorno, mas conclui-se que o local possuía demanda,
principalmente de outros estados. O local embora em um fluxo abaixo do esperado.
recebia pessoas de outros estados, como Rio

Quadro 06 – Renda dos Visitantes


Renda Quantidade de Pessoas que recebem este valor
Menos de R$ 1.000,00 02
De R$ 1.100,00 a R$ 2.000,00 08
De R$ 2.100,00 a R$ 3.000,00 01
De R$ 3.100,00 a R$ 4.000,00 -
De R$ 4.100,00 a R$ 5.000,00 01
Acima de R$ 5.000,00 08
Não respondeu 01
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

Os respondentes foram questionados sobre visitantes no mercado do trabalho. Assim, no


suas rendas e, de acordo com os dados, quadro seguinte foi questionado a questão do
verificou-se que o perfil econômico dos transporte com objetivo de dimensionar os
visitantes se iguala entre dois níveis, sendo modais que os visitantes utilizaram.
que 8 respondentes afirmam ter a renda entre
Os pesquisadores observaram que o principal
R$ 1.100,00 a R$ 2.000,00 e outros 8 como
modal de transporte utilizado pelos visitantes
sendo superior a R$ 5.000,00.
foi o ônibus (20 respostas), acredita-se que os
Considerando o nível de escolaridade (quadro respondentes fretaram para chegar a
2) e das diferentes profissões (quadro 4), propriedade, já que a mesma fica em um
entende-se que os visitantes entrevistados espaço rural e as estradas não detém uma
possuem um bom nível de vida, levando em boa infraestrutura. Por sua vez, no quadro 7
consideração a escolaridade e atuação dos mostrará o motivo das visitas no local:

Quadro 7 – Motivação em visitar a propriedade


Motivos Quantidade
Apreciar as atividades no meio rural 05
Gastronomia 02
Outro motivo (pesquisa científica) 16
Vivenciar a vida no campo 03
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

Conforme observado, o número de afirmações pessoas buscaram a propriedade para


foi maior em relação aos demais resultados desenvolver pesquisa científica. Outros
por considerar que os respondentes afirmaram que além do estudo buscaram
assinalaram mais de uma das alternativas. conhecer os costumes, conhecer o faxinal, a
Assim, dentre os itens que poderiam cultura ucraniana, aprender sobre o local e
assinalar, verificou-se que nenhum dos outros apenas estavam em excursão
respondentes buscou a propriedade para acadêmica.
descanso ou contato com a natureza, como
Além destas informações foi averiguado que
fazer trilha, andar pelas estradas, etc.
100% dos respondentes indicariam o local
Concretamente pode ser afirmado que 16

Tópicos em Administração - Volume 5


121

para as demais pessoas, ainda que a maioria perfil destes respondentes configura-se grupo
destes (20) tenha ido somente uma vez até o de visitas técnicas de estudos e pesquisa. Em
Faxinal, enquanto que um visitante disse estar relação ao tempo de visitação, 14
lá pela terceira vez. Isso indica a falta de uma respondentes disseram permanecer apenas
política de fidelização. Conclui-se que os meio período no local e outros 07 durante um
visitantes que responderam essa pesquisa dia, sendo que não foi constatado nenhum
eram grupos que tinham objetivo especifico pernoite. Assim, os pesquisadores concluíram
em conhecer o local. Quanto à forma de nesta questão que a propriedade tinha
visitação, 20 pessoas disseram estar em condições de receber visitantes o dia todo
companhia de grupos e uma pessoa deixou o devido as atividades/serviços oferecidos.
questionário sem resposta.
Contudo, se a atividade de turismo rural
Estes dados corroboram com as demais tivesse continuado no local, poderia, a longo
colocações já mencionadas nos quadros prazo, ser estruturada uma pousada,
anteriores, onde a maioria das visitas se incrementando o perfil dos visitantes.
remetem as atividades acadêmicas. Assim o

Quadro 8 – Os serviços e a infraestrutura são suficientes?


Opções Quantidade
Sim 19
Não 01
Parcialmente 01
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

Entre os respondentes, 19 afirmaram que os Com relação à resposta desta questão,


serviços e a infraestrutura oferecida na verificou-se que o não, foi interpretado pelos
propriedade para recebê-los, foi suficiente. pesquisadores como um fator positivo, pois a
Contudo 1 respondeu negativamente, melhor forma para avaliar um local são as
alegando que a infraestrutura e os serviços pessoas que compram os serviços quando
podem melhorar. Segundo ele “foi agradável, escolhem um determinado destino. No último
mas sempre podem melhorar. Contudo fiquei quadro, será apresentado dados com relação
contente pela forma como foram gentis em ao ponto de vista dos visitantes/turistas, sobre
nos receber”. incluir produtos e serviços, para melhor
atender os turistas.

Quadro 9 – A propriedade deve incluir produtos e serviços para melhor atender os turistas?
Opções Quantidade
Local para tomar banho 01
Artesanato 01
Cavalgadas 01
Um cafezinho 01

(continuação...)
Opções Quantidade
Venda de mais adereços e produtos
01
ucranianos
Comida típica, produtos agroecológicos 01
Para o turismo, alguma atividade esportiva 01
Poderiam funcionar o Barbaquá e mostrar a 01
produção de erva, inclusive usando a mão de

Tópicos em Administração - Volume 5


122

obra dos próprios visitantes.


Construção de um restaurante com produtos
produzidos na comunidade, materiais que
01
possam representar a comunidade para os
visitantes/turistas.
Fonte: Elaborado pelos autores (2016)

Primeiramente, é importante frisar que esta tudo ótimo”, “Tudo foi extremamente
questão foi aberta aos respondentes, com agradável e surpreendente e o caminho está
objetivo de terem a liberdade de indicarem aberto e muito bem conduzido, mas devem
opções com relação a oferta de serviços e sempre buscar o progresso, a perfeição”.
produtos. Contudo, apenas nove
respondentes indicaram algumas opções
para serem implantadas na propriedade. Um 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
colocou um local para banho, que
Pode concluir-se, que os visitantes procuram
provavelmente se referia a algum rio ou
o empreendimento estudado para entender
cachoeira.
mais sobre o sistema faxinal. Em sua maioria,
No item assinalado por um respondente são professores e estudantes de estados
quanto à comida típica e produtos vizinhos ao Paraná, que se deslocam em
agroecológicos, pode-se aclarar que, para excursões de ônibus e permanecem meio
fazer os quitutes, a proprietária procurava período. Além do interesse pelo modo de
colocar à mesa produtos orgânicos de sua criação dos animais, o fato de ofertar
propriedade. Quanto à venda destes, seria atividades de turismo rural é considerado um
algo a ser pensado a médio prazo, visto que o motivador para atração da demanda, sendo
processo de certificação orgânica é que alguns visitantes buscam a tranquilidade
burocrático e o empreendimento precisa do meio rural e a gastronomia típica
apresentar o selo de produtor orgânico para ucraniana.
comercializá-lo.
Entretanto, com a falta de infraestrutura
Com relação ao funcionamento do Barbaquá, adequada de acesso, sinalização, apoio
um respondente indicou a possibilidade de público, falta de mão de obra para o
ser exibida a produção de erva, inclusive desenvolvimento das atividades no local,
usando a mão de obra dos próprios visitantes. verificou-se no decorrer desta pesquisa que
Neste item seria interessante, apresentar esta havia um fluxo pequeno de visitantes de
atividade aos visitantes, sejam estes de diferentes perfis no Faxinal Dérevo, que
estudo ou de turismo, como item diferenciado procuravam conhecer o funcionamento do
do local. mesmo, cultura, gastronomia e demais
atividades que eram ofertados no local.
O último item elencado por um respondente
Apesar de todos estes aspectos apontados
indicou a possibilidade de construírem um
nesta pesquisa, a idealizadora do
restaurante que vendesse os produtos da
empreendimento optou por suspender as
comunidade, assim como os materiais que
atividades de turismo no Faxinal Dérevo,
pudessem representar ou apresentar a
cessando com a divulgação do turismo rural
comunidade para os visitantes. A questão do
na localidade e com a disseminação do modo
restaurante os pesquisadores entendem que
de vida e da cultura praticada no sistema
não seria viável, devido a questão de custos e
faxinal, devido à pouca demanda no local.
por não haver fluxo de demanda no faxinal, o
Atualmente permanece atendendo apenas
que tornaria inviável.
integrantes do evento anual denominado
Entre a amostra, nove não sugeriram Caminhada Internacional da Natureza,
nenhuma atividade para melhoria na desenvolvido em parceria com a comunidade
propriedade no que se refere ao turismo rural local e poder público.
no local e outros dois afirmaram que “Está

Tópicos em Administração - Volume 5


123

REFERÊNCIAS
[1]. BRASIL, Ministério do Turismo. Ministério [7]. MOREIRA, Jasmine Cardozo; SANTOS,
traça perfil do turismo rural no Brasil. 2008. Vania Mara Moreira dos; GARCIA, Jussara do
Disponível em: Nascimento; PAZ, José Aderli. O roteiro dos
<http://www.pantanalecoturismo.tur.br/NOTICIA- faxinais em Prudentópolis (PR): Ecoturismo como
349- ferramenta de desenvolvimento sustentável.
MINISTERIO+TRACA+PERFIL+DO+TURISMO+RU Revista Brasileira de Ecoturismo. São Paulo, v. 4, n.
RAL+NO+BRASIL.htm#ixzz4PGiYHWKq>. Acesso 1, 2011, p.95-110.
em 04/05/2017.
[8]. MUDREI, Taciana Aparecida. Turismo
[2]. BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo Rural: Valorização Da Cultura Ucraniana.
rural: orientações básicas. / Ministério do Turismo, Prudentópolis: CEDEJOR- Centro de
Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Desenvolvimento do Jovem Rural. 2011. 22 p.
Departamento de Estruturação, Articulação e
[9]. PHILERANO, Deivis Cassiano; SOUZA,
Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de
Osmar Tomaz; BAGOLIN, Izete Pengo. O turismo
Segmentação. – 2. ed – Brasília: Ministério do
rural como alternativa de desenvolvimento para a
Turismo, 2010. 68p.
agricultura familiar: investigação sobre suas
[3]. ______. Diretrizes para o desenvolvimento possibilidades nos municípios de Taquara e
do turismo rural. Brasília: Ministério do Turismo, Rolante (RS). Anais do 4º Encontro de Economia
2003. Gaúcha, 2008. Disponível em:
<http://www.fee.rs.gov.br/4-encontro-economia-
[4]. GUIL, Chico; FERNANDES, Josué Correa;
gaucha/trabalhos.htm>. Acesso em 27/10/2016.
FARAH, Audrey. Prudentópolis 100 anos: 1906 –
2006. Prudentópolis: Editora Artheiros, 2006. [10]. PREFEITURA MUNICIPAL DE
PRUDENTÓPOLIS. Inventário da oferta turística de
[5]. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA
Prudentópolis. Prudentópolis: Secretaria Municipal
E ESTATÍSTICA. IBGE cidades. 2010. Disponível
de Turismo, 2015.
em:
http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun [11]. SILVA, M. M. (2012). Diagnóstico da
=412060. Acesso em 24/02/2015. Potencialidade Turística da Propriedade Faxinal
Dérevo, na Comunidade Papanduva de Baixo do
[6]. LEMES, Pedro Henrique Sanches. Turismo
Município de Prudentópolis/PR (Trabalho de
comunitário: reflexões sobre faxinais do município
Conclusão de Curso, Curso de Turismo,
de Prudentópolis – Paraná. UNOPAR Científica:
Universidade Estadual do Centro Oeste – UNIC.
Ciências Humanas e Educação. Londrina, v. 11, n.
1, p. 51-58. Jun., 2010.

Tópicos em Administração - Volume 5


124

Capítulo 12

Henrique Pereira da Silva


Valter de Souza Pinho

Resumo: O objetivo primordial deste trabalho é identificar a natureza da crise


instalada e averiguar quais as estratégias utilizadas no enfrentamento da mesma,
tendo em vista minimizar seus efeitos danosos na atual conjuntura econômica
sofridos pelas micro e pequenas empresas do ramo de confecção em uma cidade
do interior do Estado do Ceará. Como objetivo intermediário, este estudo se propõe
a identificar e analisar os reflexos gerados pela dita crise neste segmento das
microempresas. Com uma perspectiva exploratória, foram realizadas pesquisas de
métodos mistos de caráter qualitativo e quantitativo, com o estudo de caso e a
pesquisa bibliográfica. Foram entrevistadas 8 microempreendedoras individuais. A
coleta de dados foi instrumentalizada por intermédio de um questionário
semiestruturado com perguntas abertas e fechadas. Os dados foram examinados
através do método de análise de conteúdo seguindo o modelo proposto por Bardin
(2011). Os resultados demonstram que algumas das entrevistadas utilizam ações
derivadas do planejamento estratégico, mesmo que de forma inconsciente. Entre os
reflexos gerados pela crise estão a queda nas vendas, perdas de clientes e
consequente diminuição da compra de mercadorias junto a fornecedores, entre
outros.

Palavras chave: Crise, Planejamento Estratégico, Pequenos Negócios.

Tópicos em Administração - Volume 5


125

1 INTRODUÇÃO estudo busca identificar e analisar os


impactos causados pela crise aos pequenos
A crise econômica mundial, ocorrida entre os
negócios do ramo de confecção em uma
anos de 2008 e 2009 evidenciou a ampla
cidade Cearense. Este estudo surgiu da
integração econômica que as grandes
necessidade de enfrentamento que se impõe
potencias globais mantinham entre si e com
em face do quadro de recessão ora reinante e
os seus respectivos mercados financeiros,
com a proposta de identificar os fatores
através de uma dependência econômica
decisivos no combate a essa situação
recíproca alimentada entre esses países que
adversa sobretudo no que diz respeito aos
culminou no expansionismo da crise iniciada
pequenos empreendimentos, com vistas a
nos Estados Unidos para as demais
descrever as suas estratégias de
economias internacionais através das fortes e
enfrentamento. Justifica-se também através
inevitáveis repercussões que afetou todo o
de uma proposta de gerenciamento das
cenário econômico mundial (CARVALHO, et
ações empresariais utilizadas pelos pequenos
al, 2015).
negócios com a perspectiva do planejamento
Todos os países do mundo apresentaram estratégico, na medida em que este estudo se
índices negativos em suas economias, como propõe a identificar e se necessário sugerir a
consequências oriundas da crise, tendo aplicação de estratégias visando melhorias no
impactos causados em diferentes esferas que âmbito da pequena empresa.
compreenderam desde os aspectos
O presente estudo visa contribuir, tanto no
macroeconômicos até às questões sociais
campo teórico do ensino, com a revisão da
(NECKER & ZIEGELMEYER, 2016).
literatura acerca da temática central que o
As crises econômicas, financeiras e políticas fundamenta, quanto no campo empírico da
se interrelacionam, pois consistem em pesquisa, ao passo em que se propôs uma
fenômenos comuns que atingem as nações pesquisa de campo para identificar e
que vivem no sistema capitalista. A crise posteriormente analisar as estratégias e
global atingiu também os países da América alternativas utilizadas pelos pequenos
Latina, onde iniciou-se a recessão, mais negócios como forma de enfrentamento à
precisamente durante o quarto trimestre do crise, e consequentemente os fatores
ano de 2008. Entre os principais aspectos relacionados a sua capacidade promissora e
contributivos que se desenvolveram e se as projeções futuras de seus respectivos
agravaram com o advento da crise, estão a negócios no âmbito da economia local em
degradação nos termos de troca, a que estão inseridos.
diminuição significativa nos processos
Como base metodológica, este trabalho
migratórios internacionais, a retirada maciça
segue duas abordagens de pesquisa.
do capital privado dos mercados financeiros,
Inicialmente, uma revisão bibliográfica de
o desemprego, retração econômica, inflação,
caráter exploratório da literatura no tocante à
desvalorização da moeda nacional, entre
temática da crise econômica, contemplando
outros (GUILLÉN, 2011).
desde os parâmetros internacionais que a
Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às precederam até os impactos causados na
Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), os economia do nosso país, versados com a
pequenos negócios se constituem enquanto temática do planejamento estratégico nos
principais geradoras de riqueza no setor de pequenos negócios. Inclui também uma
comercio no Brasil, com cerca de (54%) do pesquisa de campo que versa métodos
PIB deste setor. Na indústria, a participação mistos de caráter qualitativo e quantitativo,
dos pequenos negócios já se equipara às com o estudo de caso.
médias empresas com (24,5%). Quanto ao
A estrutura deste trabalho está organizada da
setor de serviços (36,3%) maior parte da
seguinte forma: A primeira seção aborda a
produção nacional deriva dos pequenos
introdução e a contextualização do tema que
negócios.
foi estudado. Em seguida, o referencial teórico
Dada a importância dos pequenos negócios que fornece uma visão geral acerca das
para a economia nacional, a presente definições e consequências da crise
pesquisa centraliza-se a partir da econômica, desde o contexto mundial até o
identificação do uso de eventuais estratégias âmbito nacional, assim como os conceitos de
utilizadas pelos microempreendedores no planejamento estratégico nos pequenos
tocante ao enfrentamento da crise econômica negócios. A terceira parte expõe os
brasileira. Como objetivo intermediário, este procedimentos metodológicos utilizados para

Tópicos em Administração - Volume 5


126

a viabilização deste estudo. A quarta seção Segundo Mathiason (2008), a crise econômica
apresenta os dados obtidos no estudo e a de 2008 emergiu como um terremoto
discussão dos resultados. Por fim, são financeiro de proporções globais, criando
explanadas as considerações finais assim expectativas de que as ramificações deste
como a sugestão de novas propostas de colapso se estenderiam pelos próximos anos,
pesquisas. ou até pelas décadas seguintes. Como as
grandes economias mundiais, o Brasil
também estava suscetível às consequências
2 REFERENCIAL TEÓRICO derivadas da crise que causou grande
desequilíbrio na maior potência econômica do
Muitos ainda se recordam da grande queda
mundo, os EUA, e que inevitavelmente se
ocorrida no mercado imobiliário americano em
estendeu por diversas economias na escala
meados do ano de 2006 e a intensa crise
mundial.
econômica que acarretou em grandes
estragos tanto nos Estados Unidos da Com a crise implantada e a diminuição do
América quanto em outras economias crédito internacional, o Brasil passa a ser
mundiais. Ressalta-se que com o passar dos prejudicado diretamente, pois ao passo em
tempos, as crises financeiras tornaram-se que há grande escassez de crédito
fenômenos cada vez mais comuns na história, internacional há também uma queda nas
causando na imensa maioria das vezes exportações e o aumento do preço das
estragos de proporções imensuráveis nos mercadorias, propiciando os riscos e a
âmbitos social, político e econômico das elevação da taxa de juros (SATO; SILBER,
economias afetadas (BONDARENKO, 2017). 2009).
Segundo a The Economist (2013), a grande Para Luna (2011), os efeitos da respectiva
crise financeira ocorrida em setembro de crise tornaram-se perceptíveis pela economia
2008 quase exterminou o sistema financeiro global a partir da quebra do banco americano
mundial, gerando assim a pior recessão em Lehman Brothers e da falência técnica da
80 anos. Na época, o Produto Interno Bruto American International Group (AIG), que até
(PIB) de diversos países ricos estava bem então era a maior empresa de seguros dos
abaixo do seu pico pré-crise, sobretudo no EUA. A crise ocorrida neste período tomou
continente Europeu, onde se começou a proporções mundiais em função de seu
observar o desenvolvimento e a transição da caráter sistêmico, onde causou profundas
crise financeira para a crise do euro. Em rupturas na cadeia de pagamentos na
suma, os efeitos da crise financeira se economia mundial, sensibilizando diversos
estenderam por diversas economias mundiais setores econômicos. Outra consequência
e proporcionaram grandes dificuldades aos advinda da crise foi a redução expressiva da
mercados financeiros afetados. produção industrial dos países desenvolvidos,
mesmo aqueles que não eram detentores de
Para Castells et al (2015) são tão diversas
problemas estruturais em seus sistemas
quanto complexas as razões contributivas
financeiros, como era o caso do Brasil na
para a crise econômica mundial de 2008.
época, que apresentou uma queda de 30% só
Desde o ano anterior, os mercados de ações
no último trimestre do ano de 2008 no que
apresentaram um declínio bastante
corresponde a produção industrial e uma
significativo, fato que acarretou a derrocada
contração atualizada em 14% no mesmo
de grandes instituições financeiras em
período (INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS,
diversas partes do mundo. Até os governos
2011).
das nações mais ricas esforçaram-se para
potencializar pacotes de resgates e medidas A natureza externa da crise econômica
econômicas que tinham como intuito auxiliar mundial de 2008/2009 apresentou efeitos
os seus sistemas financeiros. A decadência perversos sobre o sistema financeiro exterior,
enfrentada pelo mercado de hipotecas nos fazendo com que as exportações brasileiras
EUA, o fracasso de algumas economias sofressem forte redução no segundo semestre
europeias e a restituição da valorização de 2008 (FERRAZ, 2013). Na época, o Brasil
imobiliária em diversas economias apresentou grande resistência em função da
industrializadas geraram um efeito cascata solidez de seu sistema econômico. O
para diversas outras nações, gerando favorecimento do crédito pelos bancos
consequências diretas e contundentes nos públicos, a abundância nas reservas
setores de diversas economias globais. internacionais, o desenvolvimento contínuo do
mercado de consumo interno, os estímulos

Tópicos em Administração - Volume 5


127

tributários, a política monetária e cambial, o 2014/2017 apresenta índices significativos


incentivo ao desenvolvimento das empresas e que impactaram o comércio, a indústria, a
os processos de internacionalização fizeram prestação de serviços e outros setores
com que o país tivesse condições sólidas vinculados à economia nacional, causando
para enfrentar e posteriormente superar a diminuição de demanda, demissões,
crise mundial que se instalara desde então recessão econômica, etc. (SINDICATO DA
(ARNOLDI; MADUREIRA, 2009). MICRO E PEQUENA INDÚSTRIA DE SÃO
PAULO, 2015, 2017).
O Brasil apresentou grande estabilidade no
enfrentamento da crise econômica mundial de O comércio varejista foi intensamente afetado
2008/2009. Entretanto, o país não teve a pela crise, havendo grande retração no
mesma solidez necessária para enfrentar a volume de vendas e aumento no índice de
crise que se iniciou em 2014 e se estende até demissões para o setor (SOCIEDADE
os dias atuais. Segundo o Comitê de Datação BRASILEIRA DE VAREJO E CONSUMO,
do Ciclo Econômico da Fundação Getúlio 2016). O setor de serviços é o mais sensível
Vargas (2016), a situação econômica do no enfrentamento das crises, sobretudo pelos
Brasil encontra-se em recessão desde o pequenos empresários, uma vez que a crise
segundo trimestre do ano de 2014, com ocasiona o agravamento trazendo prejuízos
queda de 7,2% no PIB, apresentando a pior econômicos, fazendo com que o pequeno
recessão desde 1948. Em 2016, a economia empresário utilize de todos os seus recursos
brasileira recuou 3,6%, sendo esta a maior financeiros disponíveis para driblar o cenário
recessão do país em oito trimestres de crise (SILVA, 2015).
consecutivos de contração (SARAIVA &
A crise econômica impactou diretamente os
SALES, 2017).
pequenos negócios no país. Pesquisas
Para Barbosa Filho (2017) a crise econômica realizadas pelo Sebrae (2016) apontaram uma
brasileira que vigora desde 2014 iniciou-se a tendência na mortalidade das micro e
partir de uma série de choques de oferta e pequenas empresas no ano de 2014, quando
demanda, alinhadas a uma série de erros de a crise econômica emergiu no país. Estes
políticas governamentais, que acabariam por estudos consideram o índice de sobrevivência
reduzir significativamente a capacidade de das empresas, observando os seus dois
crescimento da economia brasileira gerando primeiros anos de atividade. Para o ano de
assim um custo fiscal bastante elevado. A 2014, a expectativa era a de que cerca de
redução do PIB, o aumento da inflação, o 30% das empresas abertas no mesmo ano
desemprego, baixo crescimento na indústria, fechassem as portas em função da crise.
a recessão nos principais setores econômicos Destarte, com o agravamento da situação
são algumas das consequências enfrentadas econômica do país imposta pela crise,
pelo país no âmbito da crise nacional que se surgem os inúmeros desafios a serem
instaurou em nosso país desde meados de enfrentados pelos pequenos negócios tendo
2014 (LUIZ, 2014). em vista a sua sobrevivência e permanência
no mercado. A partir de então, surge a
Apesar das inúmeras adversidades, é
necessidade de implementar o planejamento
possível identificar alguns sinais de
estratégico no âmbito do pequeno negócio,
recuperação da economia brasileira. O
tendo em vista que o mesmo consiste em uma
mercado de ações no país cresceu cerca de
grande ferramenta que oportuniza o
60% nos últimos 12 meses, estimativa com
reconhecimento e a reavaliação acerca da
base no dólar, tendo apresentado certa
realidade na qual a empresa se encontra,
recuperação quanto a sua moeda nacional, o
para que possam criar meios que sirvam de
real. O Fundo Monetário Internacional (FMI)
subsídio para a retomada do crescimento
prevê que a recessão brasileira termine ainda
dentro das perspectivas mercadológicas do
neste ano de 2017, porém com previsões de
negócio. É necessário que as empresas
crescimento inferiores à 1% (GILLESPIE,
adotem o planejamento estratégico com vistas
2017).
a implantar o controle, maximização de suas
As consequências da crise são diversas e se potencialidades, metas, objetivos, eficiência,
estendem por múltiplos setores da economia análises de ambiente interno e externo,
de um país, causando prejuízos diretos aos inovação e outros componentes próprios que
empresários, sobretudo aos pequenos impulsionem o desenvolvimento da empresa
negócios (CERQUEIRA, 2015) pois na medida (RIBEIRO, 2016).
em que a crise econômica brasileira do ciclo

Tópicos em Administração - Volume 5


128

Para Beppler, Pereira e Costa (2011) o utilização dos pontos fortes e fracos de
planejamento estratégico é uma importante ambas as metodologias (qualitativa e
ferramenta de gestão, pois planejar quantitativa) de forma que possa avaliar a
estrategicamente significa delimitar os percepção dos entrevistados e suas
destinos ou as maneiras com as quais os preferências acerca dos problemas impostos
objetivos organizacionais pretendidos serão de forma multidisciplinar.
alcançados, de forma eficaz e efetiva,
Para a viabilização desta pesquisa, optou-se
compreendendo a melhor concentração dos
também pelo uso do estudo de caso em
recursos e esforços disponíveis. Para os
função de seu próprio objetivo, que segundo
autores, o planejamento estratégico
YIN (2010, p. 24) “é usado em muitas
possibilitará o estabelecimento e o
situações para contribuir ao nosso
direcionamento das metas a serem seguidas
conhecimento dos fenômenos individuais,
pela organização, tendo em vista um maior
grupais, organizacionais, sociais, políticos e
grau de relacionamento com o ambiente. À
relacionados”. O autor reitera que nessas
vista disso, compreende-se que para obter
diversas situações “a necessidade
êxito empresarial, faz-se necessário que as
diferenciada dos estudos de caso surge do
empresas usufruam do planejamento
desejo de entender os fenômenos sociais
estratégico adequando-o às suas condições,
complexos”.
de forma que venham a apresentar bons
resultados que originem-se do cumprimento O público-alvo desta pesquisa consiste na
das metas e objetivos organizacionais “totalidade de indivíduos que possuem as
previamente estabelecidos. Nos dias de hoje, mesmas características definidas para um
a implantação do planejamento estratégico é determinado estudo” (PRODANOV; FREITAS,
algo imprescindível para o êxito das 2013, p. 98). Assim sendo, o universo adotado
empresas, haja vista que ele identifica os compreende todas as empresas do ramo de
pontos positivos que a mesma precisa tomar confecção da cidade pesquisada. Com vistas
para o enfrentamento de ameaças assim a viabilizar esta pesquisa, decidiu-se que a
como no aproveitamento de novas amostra selecionada seria do tipo não
oportunidades encontradas em seu ambiente. probabilística, por critérios de conveniência e
acessibilidade do pesquisador.
Em suma, o planejamento estratégico salienta
as preocupações que uma empresa pode ou Para classificar as empresas que seriam
deve tomar quanto ao ambiente em que a entrevistadas, utilizou-se os parâmetros de
mesma se insere, versando propostas de classificação do SEBRAE e do Instituto
estratégias internas e externas desse meio Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
com o propósito de determinar seus principais que diferencia as empresas conforme o porte
pontos (TEIXEIRA; ALONSO, 2014). A seguir econômico e receita bruta anual, assim como
serão apresentados os procedimentos a sua quantidade de empregados.
metodológicos.
Destaca-se que para fins de refinamento da
amostra, foram escolhidas apenas os
microempreendedores que se enquadrassem
3 METODOLOGIA
no ramo de confecção e atuassem como
Esta seção apresenta os métodos e as costureiros(as) e consequentemente
técnicas que foram utilizadas na realização da atendessem a todos os requisitos de
pesquisa. Quanto a descrição do tipo de enquadramento da microempresa.
pesquisa empregada, este estudo amparou-
Para identificar quais as estratégias utilizadas
se tanto na abordagem qualitativa quanto
pelos pequenos negócios entrevistados,
quantitativa, caracterizando um método misto,
utilizou-se um questionário semiestruturado
que segundo Creswell e Clark (2011) consiste
com perguntas abertas e fechadas, algumas
na combinação de elementos de abordagem
classificadas em uma escala do tipo Likert de
qualitativa (coleta de palavras) e quantitativa
4 ou cinco pontos, entre outras questões que
(coleta de número). Flick (2013) afirma que
continham alternativas de múltipla escolha,
todos os métodos de pesquisa têm suas
onde se seguiu um roteiro constituído a partir
limitações, e que o fato de mesclar diferentes
da temática central deste estudo. Em seguida,
métodos pode ser bastante proveitoso para a
foram abordadas questões abertas
pesquisa.
relacionadas à crise e suas consequências
A opção pelo método de pesquisa mista para os pequenos negócios pesquisados.
justifica-se pela possibilidade de abordar a

Tópicos em Administração - Volume 5


129

As perguntas abertas foram gravadas em


forma de áudio com a autorização dos
4 APRESENTAÇÃO DOS DADOS E
participantes. Inicialmente, os entrevistados
DISCUSSÃO DOS RESULTADOS
foram indagados se aceitariam participar
desta pesquisa e todos aceitaram ao assinar Nesta seção, são apresentados os dados
um termo de livre consentimento para que a obtidos neste estudo e a respectiva discussão
pesquisa se viabilizasse. O questionário dos resultados, que encontram-se divididos
abordou questões básicas acerca do perfil em duas partes: (i) a primeira que expõe o
sócio-econômico dos entrevistados, questões perfil sócio-econômico dos entrevistados e a
vinculantes ao funcionamento do negócio, (ii) segunda que discorre acerca das
assim como as eventuais dificuldades e questões relacionadas ao planeamento
estratégias utilizadas em contraponto à crise estratégico e a crise econômica abordados
enfrentada. durante a pesquisa.
As pesquisas foram realizadas nos dias 10 e Verifica-se, conforme a Tabela 1 abaixo, que o
11 de maio de 2017, compreendendo horários perfil das entrevistadas é composto em sua
diversos, com duração média de 10 minutos totalidade pelo sexo feminino, a maioria
cada. A análise das questões fechadas foi casada com idades entre 47 e 69 anos. A
realizada com o auxílio da ferramenta Excel, maior parte estudou até o 2° grau e apenas
que permitiu a tabulação dos respectivos duas afirmaram não ter filhos. Todas são
dados. Já as questões abertas foram microempreendedoras individuais
gravadas, transcritas e posteriormente formalizadas, pois trabalham por conta
analisadas através do método de análise de própria e são legalizadas como pequenas
conteúdo, que “trata-se de um método de empresárias (SEBRAE, 2016).
descrição analítica do conteúdo manifesto
Apenas uma entrevistada possui empregado.
das comunicações e consequentes
Ao serem questionadas acerca de que teriam
interpretações inferenciais” (GIORDANO,
outra fonte de renda, apenas duas
2000, p. 80).
respondentes informaram que sim, sendo no
A análise ocorreu por ordem de quesito, caso as duas de idade mais avançada.
utilizando o método para decodificação e Quanto ao tempo de atividade, as
análise de conteúdo (BARDIN, 2011). A entrevistadas têm entre 3 e 57 anos de
próxima seção aborda a apresentação dos atuação.
dados e a discussão dos resultados obtidos
com a pesquisa.
Tabela 1 – Características socioeconômicas dos entrevistados
Escolaridade

Possui outra
Empregado
Tem Filhos
Estad Civil

Tempo de
Atividade
Empresa
Porte da
Grau de

fonte de
renda?
Possui
Idade

[E] [S]

[E1] F Solteira 49 3° Grau 0 MEI Não Não 3 anos


[E2] F Casada 52 2° Grau 2 MEI Sim Não 3 anos
Separad
[E3] F 64 1° Grau 5 MEI Não Não 5 anos
a
[E4] F Casada 47 2° Grau 3 MEI Não Não 10 anos
[E5] F Casada 66 2° Grau 2 MEI Não Sim 43 anos
[E6] F Solteira 47 2° Grau 0 MEI Não Não 20 anos
[E7] F Casada 69 1° Grau 2 MEI Não Sim 57 anos
[E8] F Casada 57 2° Grau 3 MEI Não Não 12 anos
Total= 8 entrevistadas
Obs: [E] = Entrevistada; [S] = Sexo; [F] = Feminino
[MEI] Microempreendedor Individual.
Fonte: Dados da Pesquisa (2017). Elaborado pelo autor

Tópicos em Administração - Volume 5


130

Após a exposição das características do perfil a metade alega ter se utilizado de alguma
das entrevistadas, serão relatados os estratégia para superar a crise no negócio.
resultados relacionados às temáticas do
Ao serem questionadas acerca de como
planejamento estratégico nas micro e
imaginam o próprio negócio daqui há 1 ano, a
pequenas empresas pesquisadas, e
grande maioria afirmou que a expectativa é
posteriormente os aspectos relacionados à
de que seja melhor do que hoje. E por fim, a
crise. Segundo a tabela 2, mais da metade
maioria das entrevistadas acredita que o
das entrevistadas afirmam ter uma meta para
próprio negócio tem possibilidades de
o seu negócio.
crescimento. Isto posto, serão apresentados
Metade das respondentes alegou que os resultados das questões que abordaram o
realizam algum tipo de planejamento. Todas aspecto da crise econômica com as
as microempreendedoras afirmam que existe entrevistadas.
concorrência no negócio. Pouco mais do que

Tabela 2 – Questões abordadas acerca do planejamento estratégico


PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
2. Você 3.Você acha 5.Como 6.Você
4.Já utilizou
1.Você tem realiza algum que tem você acha que
de alguma
alguma meta tipo de muita imagina o o seu
[E] estratégia
para o seu planejamento concorrênci seu negócio negócio
para superar
negócio? no seu a no daqui há 1 pode
a crise?
negócio? negócio? ano? crescer?
[E1] Sim Sim Sim Sim MQH Sim
[E2] Sim Sim Sim Sim MQH Sim
[E3] Sim Não Sim Sim MQH Sim
[E4] Sim Sim Sim Sim MQH Sim
[E5] Não Não Sim Não MQH Sim
[E6] Não NQR Sim Não MQH Talvez
[E7] Não Sim Sim Não IH Sim
[E8] Sim Não Sim Sim Não sabe Não
Obs: [E] = Entrevistada; [MQH] = Melhor que hoje; [NQR] = Não quis responder; [IH] – Igual a hoje.
Fonte: Dados da Pesquisa (2017). Elaborado pelo autor

Conforme se verifica na Tabela 3, entre os cinco primeiros meses do ano de 2017 para o
fatores que afetam os custos do negócio das negócio, mais da metade das respondentes
microempreendedoras, os quesitos aluguel, avaliaram de forma positiva, enquanto outra
empréstimos e matéria prima figuram como os parte avaliou de forma negativa. Destarte, são
mais frequentes. De um modo geral, a grande apresentadas a seguir as questões abertas
maioria das entrevistadas acredita que o país que objetivaram explorar a percepção das
sairá da atual crise em 2018. Quando microempreendedoras acerca da atual crise
questionadas acerca de como avaliam os econômica brasileira.

Tópicos em Administração - Volume 5


131

Tabela 3. – Questões abordadas acerca da temática da crise econômica


CRISE ECONÔMICA
1.Quais os 2.Quando você 4. Qual das opções 5.Como você avalia
fatores que mais acredita que o abaixo você utilizaria os 5 primeiros meses
[E]
afetam os custos Brasil sairá da para impulsionar o do ano de 2017 para
do seu negócio? crise? seu negócio na crise? o seu negócio?
[E1] Aluguel Em 2018 Reduzir preços Bom
[E2] Aluguel Em 2018 AVP Ruim
[E3] Empréstimo Não sabe Não sabe Péssimo
[E4] Outros custos Em 2020 APE Péssimo
[E5] Empréstimo Em 2018 Nenhuma Bom
[E6] Matéria Prima Em 2018 INE Bom
[E7] Matéria Prima Não sabe INE Bom
[E8] Água e Energia Em 2018 Reduzir os preços Bom
Obs: [E] = Entrevistado; [AVP] = Aumentar a variedade dos produtos; [APE] = Aumentar o prazo
de entrega; [INE] = Investir em novos equipamentos;
Fonte: Dados da Pesquisa (2017). Elaborado pelo autor

Esta seção expõe as questões abertas assim primeiras entrevistadas, conforme exposto na
como a síntese da percepção das Tabela 4. A segunda e a quarta entrevistada
respondentes acerca da crise. A tabela 4 [E2] e [E4] afirmam que para enfrentar a crise,
abaixo apresenta alguns trechos que foram estão investindo em melhorias na gestão de
retirados dos relatos das respondentes. visual da loja e na qualidade do atendimento
Através da análise das falas das prestado. Tais alegações se corroboram com
microempreendedoras, podemos observar a o pensamento de Cobra (2009) de que os
existência dos aspectos relacionados às aspectos físicos do negócio e a oferta de um
consequências provenientes da crise no bom atendimento se constituem enquanto
negócio de cada entrevistada. principais componentes para uma boa
estratégia de marketing.
Entre elas, destaca-se: a dificuldade na
aquisição de mercadorias, a queda na Já a [E5] reduziu a compra de mercadorias,
demanda de serviços pelos clientes, a cancelou as vendas a prazo e começou a
diminuição nas vendas e encomendas, o considerar alguns aspectos com o intuito de
prazo de entrega dos fornecedores e a perda selecionar melhor os clientes, visando apenas
de alguns clientes. Para as [E6] e [E8], a crise aqueles que são bons pagadores. Logo após,
não causou nenhuma consequência no pôde-se observar a semelhança no discurso
negócio. Por conseguinte, buscou-se das três últimas respondentes quanto ao uso
identificar nas entrevistadas como os seus de eventuais formas de enfrentamento à crise.
negócios reagiam no enfrentamento da crise. Segundo as próprias entrevistadas, o negócio
não está enfrentando a crise porque não
A dificuldade propriamente dita, a tentativa de
observaram nenhuma consequência
reinventar a exposição dos produtos para
proveniente desta, e que o fato das três
despertar o interesse dos clientes e a
trabalharem apenas com encomendas
impossibilidade de enfrentar a crise foram
proporciona a impressão de que nada mudou
algumas das alegações perceptíveis nas três
no negócio.

Tópicos em Administração - Volume 5


132

Tabela 4 – As consequências e o enfrentamento da crise segundo as microempreendedoras


entrevistadas
A crise causou alguma consequência no seu
Como o seu negócio está enfrentando a crise?
negócio?
[...]” Dificuldade para comprar novas
[E1] [...] “Com muita dificuldade”
mercadorias
[...] “É o prazo dos fornecedores, [...] “Tá difícil mas a gente inventa de tudo. Muda
ultimamente eles estão dando cada as prateleiras de um canto, a mercadoria, tudo pra
[E2] vez menos”. tentar deixar mais visível e pra atrair os clientes”
[...] “Muito ruim, porque eu não tenho condições
[E3] [...] “Diminuiu as encomendas”.
de enfrentar a crise”.
[...] “Antes eu tinha muitas
encomendas de alguns clientes que
faziam em grande quantidade e hoje [...] “Através do bom atendimento, da qualidade
[E4]
reduziu muito por conta da crise”. dos produtos e dos preços”.

[...] “Diminuição na compra de mercadorias,


cancelamento de vendas ‘fiado’, selecionando
[E5] [...] “Queda de vendas”. melhor os clientes”.
[E6] [...] “Nenhuma”. [...] “Não mudou nada. Está do mesmo jeito”.
[...] “Continua do mesmo jeito. Porque eu trabalho
[E7] [...] “Perda de alguns clientes”.
com pouca coisa, só com encomendas”.
[...] “Eu acho que bem porque como eu só
trabalho com as encomendas que o pessoal faz eu
[E8] [...] “Nenhuma”. não tenho prejuízo.”
Fonte: Dados da Pesquisa (2017). Elaborado pelo autor

Outro aspecto abordado durante a entrevista crise conforme se verifica no discurso


com as microempreendedoras foi a anteriormente proferido pela
compreensão das mesmas acerca da crise de microempreendedora, ao ressaltar que “[...] tá
um modo geral. Quando questionadas em difícil mas a gente inventa de tudo. Muda as
relação à qual seria a primeira coisa que viria prateleiras de um canto, a mercadoria, tudo
à cabeça quando se fala em crise, obtevese pra tentar deixar mais visível e pra atrair os
respostas bastante diversificadas. clientes” [E2].
Dificuldade financeira, prejuízo no negócio, A terceira respondente afirma que não
discurso de reafirmação de enfrentamento, pretende se utilizar de estratégias para
corrupção política e desigualdade social enfrentar a crise, ao ratificar “[...] que não
foram alguns dos temas que as respondentes pretende enfrentar nada, porque eu não tenho
associaram à crise econômica brasileira. Por como” [E3]. A quarta entrevistada alegou que
fim, a última questão direcionada às optou por manter os preços de alguns
entrevistadas abordou a utilização de produtos e serviços. “[...] eu escolhi por não
estratégias para enfrentar a crise. aumentar os preços, porque eu vi que a
maioria da concorrência tinha aumentado”
A primeira microempreendedora entrevistada
[E4].
afirma que por conta da crise, começou a
permitir as vendas a prazo, sendo que antes a Desta forma, podemos observar a utilização
mesma só fazia à vista. “[...] Tô encarando da estratégia de precificação de produtos e
isso ai por conta da crise. Era um costume serviços pela [E4], que vão de encontro ao
que eu não tinha aí tive que adaptar, porque pensamento de Souza (2015) de que a alta
eu só fazia as vendas à vista” [E1]. competitividade do mercado impulsiona a
efetivação de boas estratégias de
No momento em que fora questionada, a
precificação. Para o Sebrae (2016) a
segunda entrevistada afirma que não tinha
utilização desta ferramenta cria as condições
nenhuma estratégia para superar a crise.
necessárias para que o negócio lide melhor
Entretanto, podemos identificar o uso de
com a necessidade de aumento ou
estratégias de marketing no enfrentamento da

Tópicos em Administração - Volume 5


133

diminuição estratégica de vendas imediatas, enfrentamento à crise econômica utilizadas


sua maximização e participação de mercado, pelas microempreendedoras pesquisadas.
assim como a reação das estratégias de São diversas as formas de enfrentamento à
enfrentamento à concorrência. crise assim como o uso de estratégias.
Por conseguinte, a quinta respondente elenca Ao passo em que as mesmas utilizam-se dos
alguns pontos estratégicos para enfrentar a mecanismos disponíveis dentro de suas
crise: “[...] comprar menos, selecionar os condições para buscar melhorias no âmbito
clientes, investir também assim em outros de seus respectivos negócios, também fazem
produtos, porque tem muita concorrência. Eu a utilização do planejamento estratégico,
acho que pra dar uma melhorada eu tenho mesmo que de forma inconsciente. Quanto ao
que fazer isso” [E5]. A sexta empreendedora seu objetivo intermediário, este estudo buscou
entrevistada afirmou que não pretende fazer identificar quais foram as consequências da
uso de estratégias, pois segundo a mesma crise econômica para os pequenos negócios
“[...] o negócio está indo bem demais” [E6]. pesquisados, onde os resultados obtidos
Por fim, as duas últimas entrevistadas atestam apresentaram ampla diversidade de opiniões
que não fizeram uso de estratégias para acerca da problemática abordada.
enfrentar a crise. A quinta respondente afirma
Acredita-se que os achados desta pesquisa
que continua do mesmo jeito, pois trabalha só
tragam contribuições para a compreensão da
com as encomendas. A microempreendedora
realidade de enfrentamento da crise pelos
afirma que não dispõe “[...]de um capital de
pequenos negócios, tendo em vista a
giro maior para que pudesse ter uma
importância que os mesmos detém na
estratégia de fazer alguma coisa pra mudar”,
economia do país.
e que tem esperanças de que a crise passe
[E7]. Presume-se que este tipo de pesquisa
produza informações úteis tanto para
Quanto a última entrevistada, a mesma afirma
pesquisas futuras quanto para o
que não utilizou de quaisquer estratégias para
desenvolvimento e sugestão de novas
enfrentar a crise, ao ratificar que “[...]
soluções de enfrentamento à crise para as
pretende continuar do jeito que está” [E8]. A
próprias microempreendedoras entrevistadas,
seguir são apresentadas as considerações
assim como os demais
finais deste estudo.
microempreendedores.
Para estudos futuros, sugere-se a ampliação
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS da amostra e a diversificação do segmento
mercadológico, visando a abrangência de
Cumpre-se, até o presente momento, revisar
outros empreendedores que atuam tanto
os objetivos pretendidos por este estudo. De
neste quanto em outros ramos, contemplando
um modo geral, todos os objetivos propostos
as grandes, médias e pequenas empresas.
foram atingidos com êxito, ao passo em que
foi possível identificar a existência de algumas
estratégias como ferramenta de

REFERÊNCIAS
[1]. ARNOLDI, Paulo Roberto Colombo; pid=S0103-
MADUREIRA, Mirella. Efeitos da crise econômico- 40142017000100051&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.
financeira de 2008 no mercado internacional e a Acesso em: 09/05/2017.
preservação das microempresas e empresas de
[3]. BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo.
pequeno porte brasileiras. Revista de Estudos
Lisboa: Edições 70, 2011.
Jurídicos UNESP, São Paulo, v. 15, n. 21. 2009.
Disponível em: [4]. BEPPLER, Mônica Külkamp; PEREIRA,
https://ojs.franca.unesp.br/index.php/estudosjuridic Maurício Fernandes; COSTA, Alexandre Marino.
osunesp/article/view/326/325. Acesso em: Discussão conceitual sobre o processo de
08/05/2017. estratégia nas organizações: formulação e
formação de estratégia. Revista Ibero-Americana
[2]. BARBOSA FILHO, Fernando de Holanda.
de Estratégia – RIAE, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 128-
A crise econômica de 2014/2017. SCIELO, São
146, janeiro-abril 2011.
Paulo, v. 31, n. 89. 2017. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&

Tópicos em Administração - Volume 5


134

[5]. BONDARENKO, Peter. 5 of the World’s [17]. INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS.


Most-Devastating Financial Crises. Encyclopedia Origem, causas e impactos da crise. 2011.
Britannica On-line. Disponível em: Disponível em:
https://www.britannica.com/list/5-of-the-worlds- http://www.ihu.unisinos.br/noticias/500801-origem-
most-devastating-financialcrises. Acesso em: causas-e-impacto-da-crise. Acesso em:
07/05/2017. 08/05/2017.
[6]. CARVALHO, Fernando J. Cardim de. et al. [18]. LUIZ, Gustavo de Carvalho. Onde o Brasil
Economia monetária e financeira: teoria e política. é mais afetado pela crise financeira internacional?
3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015. Conselho Federal de Administração, Brasília. 2014.
Disponível em:
[7]. CASTELLS, Manuel. et al. A crise e seus
http://www.cfa.org.br/acoescfa/artigos/usuarios/ond
efeitos: as culturas econômicas da mudança. Rio
e-o-brasil-e-mais-afetado-pela-crise-financeira-
de Janeiro: Paz e Terra, 2015.
internacional. Acesso em: 08/05/2017.
[8]. CERQUEIRA, Rosana. Crise econômica
[19]. LUNA, Alexandre. Implantando
afeta severamente as micro e pequenas empresas.
governança ágil: uma visão crítica, uma
G1, São Paulo. 2015. Disponível em:
abordagem prática. Rio de Janeiro: BRASPORT,
http://g1.globo.com/hora1/noticia/2015/11/crise-
2011.
economica-afetaseveramente-micro-e-pequenas-
empresas.html. Acesso em: 08/05/2017. [20]. MATHIASON, Nick. Three weeks that
changed the world. The Guardian. London. 2008.
[9]. Comitê de datação do ciclo econômico.
Disponível em:
Brasil está em recessão desde 2° trimestre de
https://www.theguardian.com/business/2008/dec/2
2014. Rio de Janeiro: FGV, 2016. Disponível em:
8/markets-credit-crunch-banking-2008. Acesso em:
http://www.valor.com.br/brasil/4163592/brasil-esta-
07/05/2017.
em-recessaodesde-2-trimestre-de-2014-nota-
comite-da-fgv. Acesso em: 09/05/2017. [21]. NECKER, Sarah; ZIEGELMEYER, Michael.
Household risk taking after the financial crisis: The
[10]. COBRA, Marcos. Administração de
Quarterly Review of Economics and Finance. 2016.
Marketing no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier,
Disponível em:
2009.
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1
[11]. CRESWELL, John W; CLARK, Vicki L. 06297691500037X. Acesso em: 07/05/2017.
Plano. Pesquisa de Métodos Mistos. Porto Alegre:
[22]. PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS,
Penso, 2011.
Ernani Cesar de. Metodologia do Trabalho
[12]. FERRAZ, Fernando Cardoso. Crise Cientifico: Métodos e Técnicas de Pesquisa e do
financeira global: impactos na economia brasileira, Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo:
política econômica e resultados. 2013. 104 f. Feevale, 2013.
Dissertação (Mestrado em Economia) – Instituto de
[23]. RIBEIRO, Isabel. Planejamento estratégico
Economia da Universidade Federal do Rio de
aplicado às MPE. Sebrae Nacional, Brasília. 2016.
Janeiro, Rio de Janeiro. 2013. Disponível em:
Disponível em:
http://www.ie.ufrj.br/images/pos-
http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQ
graducao/ppge/FernandoFerraz.pdf. Acesso em:
UIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/7C465CF397B797
08/05/2017.
D5832576F7005446F8/$File/NT00043D4A.pdf.
[13]. FLICK, Uwe. Introdução à Metodologia de Acesso em: 09/05/2017.
Pesquisa: um guia para iniciantes. Porto Alegre:
[24]. SATO, Paula; SILBER, Simão Davi. O que
Penso, 2013.
causou a crise econômica mundial entre 2008 e
[14]. GILLESPIE, Patrick. Brazil’s worst 2009? NOVA ESCOLA, 2009. Disponível em:
recession: 8 consecutive quarters of contraction. https://novaescola.org.br/conteudo/363/o-que-
Cable News Network, New York. 2017. Disponível causou-a-criseeconomica-mundial-entre-2008-e-
em: 2009. Acesso em: 07/05/2017.
http://money.cnn.com/2017/03/07/news/economy/b
[25]. SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS
razil-gdp2016/index.html. Acesso em: 09/06/2017.
MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Participação
[15]. GIORDANO, Blanche Warzée. das Micro e Pequenas Empresas na Economia
(D)eficiência e trabalho: analisando duas Brasileira. Brasília. 2014. Disponível em:
interpretações. São Paulo: Annablume; Fapesp, https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebra
2000. e/Estudos%20e%20Pesquisas/Participacao%20das
%2 0micro%20e%20pequenas%20empresas.pdf.
[16]. GUILLÉN, Arturo. The effects of the global Acesso em: 08/05/2017.
economic crisis in Latin America. Revista de
Economia Política, São Paulo, v. 31, n. 2. 2011. [26]. ______. Crise ameaça sobrevivência das
Disponível em: micro e pequenas empresas. Brasília. 2016.
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext& Disponível em:
pid=S0101-31572011000200001. Acesso em: http://www.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/NA/c
08/05/2017. rise-ameaca-sobrevivencia-das-micro-e-

Tópicos em Administração - Volume 5


135

pequenasempresas,f94b1ba91def8510VgnVCM10 economia como ruim ou péssima. São Paulo. 2015.


00004c00210aRCRD. Acesso em: 09/05/2017. 2017. Disponível em:
http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2
[27]. ______. Entenda as diferenças entre
017-01/quase-80-das-micro-e-pequenas-
microempresa, pequena empresa e MEI. Brasília.
empresasde-sp-veem-economia-como-ruim-ou-
2016. Disponível em:
pessima. Acesso em: 08/05/2017.
https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artig
os/entenda-as-diferencas-entremicroempresa- [31]. SOCIEDADE BRASILEIRA DE VAREJO E
pequena-empresa-e- CONSUMO. Raio X da Economia: O que aconteceu
mei,03f5438af1c92410VgnVCM100000b272010aR nos indicadores econômicos do País nos últimos
CRD. Acesso em: 11/05/2017. três anos? Revista SBVCNews. São Paulo. 2016.
Disponível em: http://www.sbvc.com.br/wp-
[28]. ______. Acerte na precificação de seu
content/uploads/2016/03/Revista_sbvc-
produto e serviço. Brasília. 2016. Disponível em:
News_02.pdf. Acesso em: 08/05/2017. SOUZA,
http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigo
Sergio Ricardo de Magalhães. Subscrição de
s/acerte-na-precificacao-de-seu-produto-
Riscos e Precificação de Seguros. São Paulo:
eservico,8038a9f08a446410VgnVCM1000003b740
Escola, 2015.
10aRCRD. Acesso em: 14/05/2017.
[32]. THE ECONOMIST. The origins of the
[29]. SILVA, Aarão Miranda da. Efeitos da crise
financial crisis: Crash course. London. 2013.
econômica e política no mercado de trabalho: a
Disponível em:
flexibilização, a desregulamentação e a
http://www.economist.com/news/schoolsbrief/2158
informalidade batem à porta e pedem passagem.
4534-effects-financial-crisis-are-still-being-felt-
In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVIII, n. 140, set
fiveyears-article. Acesso em: 07/05/2017.
2015. Disponível em:
http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_l [33]. SARAIVA, Alessandra; SALES, Robson.
ink=revista_artigos_leitura&artigo_id=16362&revist PIB do Brasil cai 7,2% em dois anos, pior recessão
a_caderno=25. Acesso em: 08/05/2017. desde 1948. Valor econômico. Rio de Janeiro.
2017. Disponível em:
[30]. SINDICATO DA MICRO E PEQUENA
http://www.valor.com.br/brasil/4890366/pib-do-
INDÚSTRIA DE SÃO PAULO. Quase 80% das
brasil-cai-72-em-dois-anos-pior-recessao-desde-
micro e pequenas empresas de SP veem a
1948. Acesso em: 15/05/2017.

Tópicos em Administração - Volume 5


136

Capítulo 13

Andre Lezan Fernandes


Vanessa Ishikawa Rasoto

Resumo: A crescente busca pelo aumento da eficiência e redução de custos das


atividades executadas pelo poder público tem sido o foco e elemento indutor de
debates em grande parte da população brasileira nos dias atuais. A mídia,
elemento ativo na fomentação dessa temática, constantemente expõe reportagens
e notícias expondo ineficiências e problemas do poder público em suas diversas
esferas dos processos de compras e aquisições. Esses problemas variam desde a
falta de itens para a população até a aquisição de itens em excesso, resultando em
sobras e desperdícios. Para complementar a literatura existente sobre a temática
de compras públicas e fomentar ainda mais sua discussão no meio acadêmico,
este artigo, elaborado com base em uma pesquisa bibliográfica sobre a literatura
pertinente, apresenta uma síntese sobre a temática de gestão estratégica de
compras e estoques e sua convergência com a administração pública.

Palavras chave: Compras Públicas. Gestão Estratégica de Compras. Planejamento


de Compras. Administração Pública.

Tópicos em Administração - Volume 5


137

1 INTRODUÇÃO vezes não são adequados ao gestor público


que precisa seguir procedimentos e normas
O gerenciamento de compras da
estabelecidas previamente por meio de
administração pública brasileira se apresenta
editais e chamadas públicas de licitações.
como um tema rotineiro na vida publicada da
Essas limitações, entretanto, não impedem
população. Muitas são as falhas e denúncias
que tais modelos possam ser adaptados ou
apresentadas pelos geradores de opinião no
utilizados como fonte de ideias para o
país, mas pouco de concreto e metodológico
aprimoramento da gestão pública.
é apontado para auxiliar na solução desses
problemas. Este artigo não tem como objetivo É com o intuito de maximizar o entendimento
propor soluções para tais problemas – pois, básico do leitor sobre alguns desses modelos
não obstante suas limitações metodológicas, e suas possibilidades de aplicação na gestão
não cabe aqui apontar aos gestores públicos de compras governamentais que este artigo
a maneira a qual devem realizar suas apresenta e define alguns conceitos relativos
atividades –, mas proporcionar uma a essa área do conhecimento. Será realizada
introdução a alguns métodos e práticas já uma discussão sobre as formas com as quais
existentes na área do conhecimento o ente público efetua suas aquisições e sobre
pertinente ao gerenciamento de compras e o gerenciamento de compras e estoques
estoques e como tais conhecimentos podem como ciência e seu potencial uso na
vir a auxiliar a gestão pública. administração pública em conjunto com as
ferramentas da tecnologia da informação.
É por meio das compras governamentais que
Este estudo não tem por finalidade
o Estado contemporâneo sustenta suas bases
estabelecer métodos ou fórmulas para a
para o atendimento de suas obrigações
realização de processos, pois tal ação
perante seus cidadãos. O volume e a
extrapolaria a proposta delineada. Da mesma
diversidade de itens que precisam ser
forma, este trabalho não pretende apresentar
adquiridos para manter tal estrutura
alternativas ou modificações no modo de se
funcionando tendem a aumentar
realizar tais processos, mas proporcionar uma
continuamente com o avanço tecnológico, o
leitura sobre o tema e proporcionar ao leitor
aumento das demandas da população e o
um maior entendimento sobre as
aumento da população em si, que segundo o
possibilidades existentes de melhorias na
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
gestão.
(IBGE) teve uma taxa média de crescimento
na série histórica 2001/2010 de
aproximadamente 1,17% ao ano.
2 AQUISIÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO
Com a finalidade de realizar tal processo PÚBLICA BRASILEIRA
dentro dos princípios de eficiência e eficácia,
Sobre o processo de aquisições na
aqui se entenda ambas as palavras segundo
administração pública, a Carta Magna
a definição de Amora (1998, p. 242), o qual
(BRASIL, 1988), no artigo 37, inciso XXI,
diz: “eficiência é a virtude de produzir um
determina que, salvo casos específicos na
efeito” e “eficácia à qualidade de ser eficaz”,
legislação vigente, todas as obras, serviços,
é que o ente público em suas atribuições
alienações e correlatos deverão ser realizadas
deve sempre buscar formas e métodos que
mediante processo de licitação pública, o
vão ao encontro com tais princípios.
qual deve garantir igualdade de participação
A iniciativa privada faz uso da gestão de entre todos os concorrentes e dispor de
compras associada à gestão de estoques cláusulas específicas a fim de salvaguardar o
desde os primórdios da administração ente público. Com a finalidade de
científica até os modernos e amplamente regulamentar o art. 37 da CF/88, surge em
utilizados métodos MRP (material requirement 1993 a Lei 8.666/1993, que instituiu normas e
planning), kanban e just in time, os quais regulamentou a forma como devem ser
associam a gestão de estoques com a gestão executadas as licitações de serviços, obras,
de compras, proporcionando aos gestores compras entre outras modalidades passíveis
uma maior previsibilidade na realização das de licitação, tal como consta no art. 1º da
compras e uma maior eficiência no controle e referida Lei:
estocagem de itens. Técnicas de seleção de
Esta Lei estabelece normas gerais sobre
fornecedores e negociação de compras
licitações e contratos administrativos
também são amplamente utilizadas na
pertinentes a obras, serviços, inclusive de
iniciativa privada, porém, esses modelos por
publicidade, compras, alienações e locações

Tópicos em Administração - Volume 5


138

no âmbito dos Poderes da União, dos Percebe-se, então, que o processo de


Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. gerenciamento de compras não tem um fim
(BRASIL, 1993) em si mesmo, mas tem como finalidade
trabalhar em conjunto com diversas áreas da
Como descrito, o processo de compras na
organização em seus diversos níveis. O
administração pública é estabelecido,
gerenciamento de compras abrange o
definido e controlado por uma série de leis,
trabalho de todos os departamentos da
decretos e órgãos. É possível encontrar
organização, pois é ele que fornece os
diversas definições sobre licitações, mas
insumos necessários para que cada unidade
neste estudo serão utilizados o conceito de
da organização consiga atingir seu objetivo
Meirelles (2002) e de Di Pietro (2012).
ou produto final dentro da cadeia de
Para Meirelles (2002), a licitação é um processos (BATISTA; MALDONADO, 2008).
procedimento o qual o ente público escolhe a
É possível considerar compras como função
proposta mais vantajosa para ele. Para a
administrativa, composta por vários processos
escolha dessa proposta o Estado cria um
e etapas as quais necessitam de controle e
ambiente de competitividade igual a todos os
realização de tomadas de decisão em
interessados em contratar com o governo
diferentes aspectos relacionados a
(Ibidem, p. 241).
cronograma, custos, quantidade,
Ao encontro dessa definição, Di Pietro (2012, características, qualidade e outros itens
p. 298) define licitação como um (Ibidem).
procedimento administrativo no qual o ente
A atividade de compras é um item vital nos
público abre a oportunidade a todos os
setores de materiais e suprimentos em
interessados que se sujeitem a determinadas
qualquer organização ou departamento. As
condições especificadas no instrumento
atividades relacionadas a tal função,
convocatório e tenham a oportunidade de
envolvem uma série de etapas, das quais
terem suas propostas, se aceitas, contratadas
podem ser sintetizadas em: identificação de
pela administração pública. Pode-se dizer
demandas, seleção de fornecedores,
então que a licitação é a forma que a
determinação de prazos e cronogramas,
Administração Pública dispõe para executar
levantamento de preços e outros itens.
os seus contratos (ADRIANO, 2013).
McCormack (2005) diz que o fluxo de uma
demanda de compras é composto por seis
etapas distintas, dentre as quais: emissão de
2.1 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE
solicitação, momento o qual o sistema ou
COMPRAS
usuário faz o pedido do item requisitado;
A gestão de aquisições representa um aprovação da solicitação, momento o qual o
importante elemento no cotidiano de uma gestor responsável pelo setor do solicitante
organização, pública ou privada. Sua verifica a demanda gerada e aprova ou não a
condução pode resultar em economias e continuidade do processo para o setor de
compras condizentes com a necessidade da compras; escolha do comprador, nesta etapa
organização bem como pode gerar prejuízos é designado dentro do setor de compras um
e desperdícios de recursos caso não seja comprador para efetuar a transação; cotação
bem executada ou planejada. Seu estudo e de fornecedores, momento o qual o
uso são quase que indispensáveis no comprador faz uma busca por possíveis
gerenciamento das organizações fornecedores do item em demanda e o valor
contemporâneas, em especial as de grande solicitado para o fornecimento do item;
porte, devido a seu alto volume de compras e negociação final, momento o qual se chega a
necessidades. Martins e Alt (2000, p. 63) um acordo sobre os valores cobrados pelo
corroboram com tal argumento dizendo que a fornecedor na transação; conclusão da
gestão de compras transação com a aprovação final para a
compra, pagamento e recebimento do item
Assume papel verdadeiramente estratégico
solicitado.
nos negócios de hoje em face do volume de
recursos, principalmente financeiros, Percebe-se então que o processo de compras
envolvidos, deixando cada vez mais para trás só é acionado no momento em que se verifica
a visão preconceituosa de que era uma a necessidade de aquisição de um item ou
atividade burocrática e repetitiva, um centro serviço, não estando ele controlando
de despesas e não um centro de lucros. diretamente a demanda por tais aquisições,
(MARTINS e ALT, 2000 p.63) porém é sua responsabilidade garantir que

Tópicos em Administração - Volume 5


139

tais aquisições, quando solicitadas, sejam recursos ociosos registrados em inventário em


respondidas de forma a garantir o melhor um nível o qual se garante a melhor relação
custo e benefício para a organização. de equilíbrio econômico e de segurança.
Bertaglia (2003, p. 109), discorrendo sobre a
Pode-se resumir, então, as principais funções
gestão de compras nas organizações
do gerenciamento de estoques e da
contemporâneas, diz que:
existência em si de estoques como garantia
A evolução dos processos empresariais tem de atendimento pleno às demandas da
afetado a forma de realizar compras nos dias organização – independentemente de
de hoje, pois comprar serviços ou materiais eventuais atrasos ou problemas no
pelo menor preço é uma preocupação fornecimento de itens com fornecedores – e
constante, entretanto, a busca de um de economia de escala, que, através da
balanceamento entre o preço, qualidade, realização de compras em lotes econômicos,
serviço, relacionamento e capacidade de se obtém um melhor preço pelos itens
entrega ainda tem sido uma discussão demandados (LOPRETE et al., 2009).
importante. (BERTAGLIA, 2003 .p 109)
Ainda sobre o estoque e sua função de
Tornam-se importantes, então, dentro do garantir o provimento contínuo das demandas
processo de gerenciamento de suprimentos – da organização, Slack et al. (1997) dizem que:
o qual o gerenciamento de compras está
O estoque é definido como acumulação de
inserido –, uma maior previsibilidade das
recursos materiais em um sistema de
demandas a serem requisitadas ao setor de
transformação. Algumas vezes estoque
compras e a garantia de que os itens
também é usado para descrever qualquer
adquiridos serão destinados corretamente ao
recurso armazenado. Não importa o que está
demandante. É com tal objetivo que se utiliza
sendo armazenado como estoque, ou onde
a gestão de estoques, tema do próximo
ele está posicionado na operação, ele existira
tópico, para se fornecer tais informações e
porque existe uma diferença de ritmo ou de
atender às demandas previstas e (eventuais)
taxa entre fornecimento e demanda. (SLACK
não previstas dentro das organizações e
et Al, 1997)
departamentos.
Para se realizar a organização correta de um
controle de estoques, alguns pontos devem
2.2 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE ser observados: o que se deve manter em
ESTOQUES estoque; quando se deve reabastecer o
estoque; qual quantidade deve ser adquirida
O gerenciamento de estoques é a função de
a fim de se manter o estoque; iniciar o
planejar e gerir os recursos conforme eles se
processo de reabastecimento junto ao
movimentam na cadeia de operações e
departamento de compras; recebimento e
processos (SLACK et al., 2008, p. 295).
estocagem dos itens solicitados e recebidos;
Vendrame (2008) diz que a finalidade básica
controle e gerenciamento dos itens em
do controle de estoques é a de prevenir que
estoque a fim de evitar perdas e desperdícios.
ocorra uma falha no atendimento das
Essas etapas não necessariamente ocorrem
demandas de um processo ou atividade sem
nessa ordem, porém cada gestor define o
que essa diligência gere estoques excessivos
método ou modelo que utilizara para gerir os
na organização. Discorrendo sobre uma visão
estoques sob sua responsabilidade,
mais empresarial do gerenciamento de
buscando sempre o que melhor se enquadra
estoques, Dias (1993) diz que seu objetivo
a suas necessidades.
principal é reduzir o capital aplicado em
estoques, buscando um equilíbrio entre o Existem inúmeros métodos para executar e
fornecimento contínuo dos itens sem que eles auxiliar o gerenciamento estoques na
sejam comprados em excesso, p ois atualidade, métodos como o da curva ABC,
isso acarretaria diretamente no lucro líquido kanban, e ainda doutrinas como a just in time
da organização. formam o amplo universo de rotinas de
controle de estoques utilizadas por
A gestão de estoque, ainda de acordo com
organizações públicas e privadas no mundo;
Vendrame (2008), permite ao gestor
não cabe a este trabalho aprofundar o estudo
acompanhar se os estoques estão sendo
em algum método em específico ou discorrer
utilizados corretamente e se estão de fato
sobre uma enorme quantidade de métodos
atendendo à demanda. Ainda segundo o
existentes, mas proporcionar ao leitor a noção
autor, a gestão de estoque busca manter os
de que para o gerenciamento de estoques em

Tópicos em Administração - Volume 5


140

uma organização contemporânea há diversos Governo Eletrônico é um conceito emergente


modelos, métodos e ferramentas que o gestor que objetiva fornecer ou tornar disponíveis
pode fazer uso para realizar tal atividade em informações, serviços ou produtos, através de
sua organização, bastando apenas que se meio eletrônico, a partir ou através de órgãos
utilize o que melhor atenda às demandas e públicos, a qualquer momento, local e
aos pré-requisitos da organização. Adiante, cidadão, de modo a agregar valor a todos os
complementando o referencial teórico stakeholders envolvidos com a esfera pública.
apresentado sobre gestão de compras e (Ibidem, p7.)
gestão de estoques se discute o governo
Percebe-se então que o uso da tecnologia da
eletrônico e como a tecnologia da informação
informação por meio da implementação do
pode auxiliar ambas as funções.
governo eletrônico pode trazer novas
perspectivas para a gestão de suprimentos
públicos, a tecnologia da informação é, nos
2.3 GOVERNO ELETRÔNICO E O
dias contemporâneos, o componente
GERENCIAMENTO DE SUPRIMENTOS
presente em quase todas as inovações de
PÚBLICOS
processos organizacionais (BARBOSA, 2015).
As iniciativas de modernização do Estado, Suas possibilidades de aprimoramento, maior
amplamente difundidas a partir da década de controle e acessibilidade das atividades
1990, como reforma da gestão pública ou governamentais fazem seu uso quase
“new public management”, a qual se indispensável na sociedade contemporânea.
baseando em conceitos gerenciais voltados
O governo eletrônico surge como uma
para resultados fomentou uma busca por
infraestrutura de rede compartilhada por
maior eficiência nos processos realizados
diversos órgãos e esferas do poder público.
pela administração pública (BRESSER-
Ainda sobre seu uso, o governo eletrônico
PEREIRA, 2002). Um novo conjunto de
proporciona uma maior governança sobre
elementos e doutrinas foi implementada na
seus processos e procedimentos,
administração pública brasileira, entre os
maximizando o uso dos recursos disponíveis.
quais um amplo estímulo ao uso de novas
Os autores ainda citam que:
tecnologias a fim de alcançar a excelência em
gestão. Diversos sistemas informatizados O uso das tecnologias da informática pelos
passaram a integrar o governo brasileiro e entes estatais, especialmente no tocante a
seus processos, entre os quais o de compras gestão da cadeia de suprimentos do setor
governamentais, que teve, a partir dos anos governamental, tem se mostrado positivo
2000, grande mudança com a implementação tanto no que se refere à melhoria dos gastos,
dos pregões eletrônicos, regulamentados pela por meio de um conhecimento sistematizado
Lei 10.520/2002 (BRASIL, 2002). Essa de seus processos de aquisição e contração,
modalidade rapidamente passou a ser a como no que concerne a pratica de preços de
principal forma pela qual o governo realizava governo dos bens e serviços compatíveis com
suas aquisições em suas mais diversas a realidade de mercado, com o afastamento
esferas. gradual e contínuo da figura do sobrepreço,
através de processos de compras mais
O uso generalizado de compras eletrônicas,
competitivos e transparentes. (Ibidem, p7.)
principalmente o uso dos pregões eletrônicos,
por si só não tem sido suficiente para explorar Nesse contexto de aprimoramento e
todo o potencial de racionalização e eficiência gerenciamento das compras públicas que
das compras públicas brasileiras. Técnicos surge a Gestão da Cadeia de Suprimentos
defendem que a abordagem de governo (GCS), a qual pode ser entendida como uma
eletrônico seja levada a toda a cadeia de coordenação dos processos e materiais entre
suprimentos, para se garantir que todo o o fornecedor e o usuário, como um sistema de
processo seja realizado de forma eletrônica e forma integrada. A forma pela qual essa
a fim de se alcançar a maior eficiência e a ligação entre o fornecedor e o usuário final é
maior eficácia possível (TRIDAPALLI et al., realizada tem como objetivo a maior
2011). otimização possível, reduzindo custos e
melhorando a oferta ao usuário final
O conceito de governo eletrônico é ainda
(GUARNIERI; HATAKEYAMA, 2007). A cadeia
recente, e sua definição acaba por encontrar
de suprimentos é uma parte do conjunto da
dificuldades em ser realizada. Porém, aqui se
cadeia de valor, área a qual se foca em
destaca a de Zweers e Planqué (apud JOIA,
agregar valor a um serviço ou produto.
2002, p.5.):

Tópicos em Administração - Volume 5


141

A implementação do e-government gestão de suprimentos, pois tal função é onde


procurement (e-GP) é destacada no meio grande parte dos recursos arrecadados em
acadêmico como uma das ferramentas mais forma de impostos pelo Estado são utilizados.
promissoras para melhora e otimização do No tópico de discussões finais será abordada
gerenciamento de aquisições, estoques e mais profundamente essa necessidade de se
serviços na administração pública. Os adequar o gerenciamento de suprimentos e a
resultados, para serem positivos, com a forma a qual se realiza tal tarefa às novas
implementação do governo eletrônico, realidades e demandas do mundo
precisam estar respeitando as premissas de contemporâneo.
que se utilizara um bom sistema de governo
eletrônico, ágil, integrado e compatível com
as atividades e características pertinentes de 3 METODOLOGIA
cada órgão ou entidade ligada a ele
Metodologia, de acordo com Fonseca (2002)
(TRIDAPALLI et al., 2011).
se refere à organização, estudo sistemático,
O uso da tecnologia da informação, por si só, investigação, ou seja, a metodologia trata os
não possui o poder de alterar a realidade procedimentos necessários para a construção
organizacional por vezes ainda imersa em de uma pesquisa (GERHARDT; SILVEIRA,
procedimentos burocráticos pouco eficientes 2009). Neste tópico serão tratados os
de muitas organizações do poder público, métodos e procedimentos de pesquisa
porém, a utilização de um meio eletrônico utilizados para a elaboração deste estudo
apropriado para a atividade, bem como a sobre o gerenciamento estratégico de
qualificação dos agentes envolvidos nos compras e estoques e seu potencial para o
processos e procedimentos a serem aumento da eficiência e eficácia na
informatizados, podem ser importantes administração pública.
ferramentas para se aumentar a eficiência e
reduzir desperdícios de materiais e horas de
trabalho dos recursos humanos envolvidos 3.1 TIPO DE PESQUISA
(BARBOSA, 2015), bem como corroborar com
Quanto ao tipo de pesquisa, classifica-se este
uma maior transparência da atividade pública
trabalho como uma pesquisa básica que,
perante a sociedade, a qual, atuando como
para Gerhardt e Silveira (2009, p. 34),
um controle externo, pode contribuir para um
“objetiva gerar conhecimentos novos, úteis
maior controle das atividades do Estado.
para o avanço da Ciência, sem aplicação
Nota-se então que o compartilhamento de prática prevista. Envolve verdades e
informação nesse caso é de extrema interesses universais”. Conceitua-se este
importância para que ocorra o correto trabalho como sendo também uma pesquisa
funcionamento do sistema e a boa tomada de bibliográfica, que, para Gil (1999, p. 66), diz
decisões no gerenciamento da cadeia de respeito à análise de fundamentos e temas já
suprimentos. Isso ocorre pois é com as trabalhados por outros autores. Vergara
informações que se pode montar o correto (1998) acrescenta que:
escopo do processo, tomar decisões
Pesquisa bibliográfica é o estudo
assertivas e, junto a isso, implementar as
sistematizado desenvolvido com base em
ferramentas da tecnologia da informação para
material publicado em livros, revistas, jornais,
auxiliar e agilizar o processo. (CHOPRA;
redes eletrônicas, isto é, material acessível ao
MEINDL, 2001).
público em geral. Fornece instrumental
As organizações estão deixando de ser analítico para qualquer outro tipo de
sistemas relativamente fechados para se pesquisa, mas também pode esgotar-se em si
tornarem cada vez mais abertas; a divisão mesma. (VERGARA, 1998)
entre a organização e o ambiente passa a ser
A abordagem de pesquisa empregada neste
delineado por uma tênue linha divisória
estudo se baseia na abordagem qualitativa,
(STRATI, 1995); e o mundo globalizado e
que, segundo Gerhardt e Silveira (2009), está
interconectado por diversos meios de
relacionada ao aprofundamento intelectual de
comunicação já não aceita mais que o Estado
determinado tema e não à quantificação ou à
seja fechado em si mesmo na realização de
extração de dados numéricos. Não se buscou
suas atividades internas e externa. Cabe aos
identificar ou delinear modelos específicos
gestores públicos se adequarem a essa
para a realização da gestão de compras ou
realidade de troca de informações e uso de
estoques, mas abordar de forma sucinta a
tecnologias, principalmente no que tange à

Tópicos em Administração - Volume 5


142

temática das compras públicas e suas da ferramenta pela qual se realiza as compras
possibilidades de melhoria por meio de (no caso, as licitações). Grande é a literatura
avanços em tais áreas. sobre suas normas, leis e formas de
funcionamento, porém, em menor escala, se
encontram estudos sobre o gerenciamento de
3.2 ROTEIRO DE PESQUISA compras antes que as compras se
concretizem.
Este trabalho buscou se basear em estudos já
realizados sobre temáticas relevantes às Por vezes são executadas as licitações, são
discussões propostas referentes ao recebidos itens sem que de fato sejam
gerenciamento de suprimentos na necessários ou, então, são adquiridos itens
administração pública. Para tanto se utilizou que não atendam às demandas do solicitante.
de uma pesquisa bibliográfica em revistas Cabe aos gestores buscarem integrar os
científicas, anais de congressos e buscadores sistemas de compras e estoques a fim de se
eletrônicos de repositórios acadêmicos para ter um maior controle sobre essa cadeia de
se alavancar uma série de trabalhos processos, possibilitando, assim, uma maior
acadêmicos e documentos com temas previsibilidade de gastos e necessidades,
pertinentes à proposta de pesquisa. bem como redução de gastos e desperdícios.
A partir do referencial foi elaborado um Boa parte da literatura existente sobre tais
conjunto de discussões relacionadas ao tema temas recai sobre exemplos e modelos
proposto, bem como sugestões para estudos existentes e em uso por empresas da
futuros. iniciativa privada, porém, muitos dos sistemas
e modelos utilizados possuem utilidade
também no setor público, apesar das
4 DISCUSSÕES limitações deste em só poder agir dentro
daquilo que a legislação o permite. Ainda é
Com base no referencial apresentado
possível utilizar tais modelos e sistemas em
anteriormente, fica perceptível que o universo
sua totalidade ou com algumas adaptações,
do conhecimento existente sobre a temática
cabendo ao gestor identificar quais
de gestão estratégica de compras e estoques
adaptações são necessárias.
é amplo e diversificado. A gestão pública
brasileira caminha, a passos por vezes lentos, Diante de tantas possibilidades de
para a implementação de tais conhecimentos aprimoramento da gestão de suprimentos da
a suas rotinas operacionais de compras e administração pública, é preciso que os
armazenagem. A tecnologia da informação gestores públicos identifiquem, em suas
também se faz cada vez mais presente em organizações, possibilidades de melhoria e
tais processos da administração pública; o integração com outros departamentos ou
uso da informática, porém, já é há décadas setores o gerenciamento de suprimentos,
praticamente obrigatório na iniciativa privada para assim garantir que tal tarefa seja
para a sobrevivência das empresas diante da executada da forma a se obter a maior
acirrada disputa e concorrência existente eficiência e eficácia possível, e ao cidadão
entre essas organizações no mundo dos cabe o papel de fiscalização e cobrança para
negócios. que tais mudanças sejam implementadas em
todas as esferas e organizações do Estado,
É a partir de meados dos anos 2000 que se
pois o maior beneficiado de tais melhorias
observou, com maior frequência, a
será ele mesmo, destino de todas as ações e
administração pública brasileira,
processos executados pela administração
principalmente com a implementação da
pública.
modalidade pregão e sua variante eletrônica
de licitações, buscando se informatizar e
acompanhar as evoluções tecnológicas
5 CONCLUSÃO E SUGESTÕES PARA
existentes no mercado privado para a
FUTUROS ESTUDOS
realização de compras e o gerenciamento de
suprimentos. Este estudo teve como principal fator
motivador estudar o gerenciamento
Apesar dessa melhoria real no sistema de
estratégico de compras e estoques como
gerenciamento de suprimentos, ainda são
forma de aprimorar a eficiência dos processos
comuns os casos de falhas ou ineficiências da
de gerenciamento de suprimentos da
administração pública com relação a essa
administração pública brasileira, discorrendo
função. Percebe-se que grande importância

Tópicos em Administração - Volume 5


143

sobre os avanços alcançados pelo Estado estoques da maneira a qual ocorre atualmente
nas últimas duas décadas no sentido de se e nos é constantemente revelado pela grande
atualizar e informatizar. mídia seus meios de comunicação. Muitos
avanços já foram feitos ao longo das últimas
Aqui não se pretendeu estabelecer dogmas
décadas, porém é preciso caminhar com
ou métodos para se executar tais tarefas, mas
cada vez mais velocidade e determinação
acrescentar ao universo do conhecimento e,
para que essas melhorias sejam
principalmente, despertar a atenção do leitor
implementadas de forma unânime em toda a
para a possibilidade de se aprimorar a gestão
administração.
pública por meio de estudos e uso de
modelos de gestão de compras e estoques, Cumprindo o que se propunha, este trabalho
os quais já são usados por uma enorme apresentou uma pequena parcela sobre o
quantidade de organizações na iniciativa amplo universo do conhecimento existente
privada. sobre o tema. Sugerem-se, aqui, novos
estudos sobre essa temática, estudos os
Defende-se aqui um maior investimento na
quais não apenas tratem sobre o processo de
capacitação dos gestores públicos bem como
compras em si, em especial o processo de
um maior investimento em infraestruturas que
licitação, mas toda a cadeia de processos
possibilitem a implementação de tais modelos
que gera a demanda por uma licitação de
de gestão estratégica. O Estado
aquisição de um item ou serviço, bem como o
contemporâneo e seu crescente busca por
que ocorre após o empenho e recebimento
maior economia seguem em paralelo com
dos produtos licitados e sua destinação. O
uma cada vez maior demanda de serviços e
universo de estudos sobre tal temática ainda
produtos por parte da população; em suas
é limitado quando comparado a outras áreas
atividades não pode mais ser tolerado que
do conhecimento e debate da administração
haja desperdícios, fraudes e ineficiências em
pública.
seus processos de compras e gestão de

REFERÊNCIAS
[1]. ADRIANO, P. R. I. Processos licitatórios: providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF,
legislação e formalização. 2013. 151 f. Dissertação 22 jun. 1993. Seção 1, p. 8269.
(Mestrado em Planejamento e Governança Pública)
[7]. ______. Lei nº 10.520, de 17 de julho de
– Universidade Tecnológica Federal do Paraná,
2002. Institui, no âmbito da União, Estados, Distrito
Curitiba, 2013.AMORA, Antônio Soares.
Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso
Minidicionário Soares Amora da Língua
XXI, da Constituição Federal, modalidade de
Portuguesa. 4º ed. São Paulo: Saraiva. 1998.
licitação denominada pregão, para aquisição de
[2]. BARBOSA, E. F. O governo eletrônico e a bens e serviços comuns, e dá outras providências.
gestão da cadeia de suprimentos do setor público. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 set. 2002.
In: CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA, Seção 1, p. 1.BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. A
8., 2015, Brasília, DF. Anais… Brasília, DF: Consad, reforma gerencial da administração pública
2015. brasileira. In: Moderna Gestão Pública: dos meios
aos resultados. Oeiras: INA, 2000, p. 55-72.
[3]. BATISTA, M. A. C.; MALDONADO, J. M. S.
V. O papel do comprador no processo de compras
em instituições públicas de ciência e tecnologia em [8]. CHOPRA, S.; MEINDL, P. Supply chain
saúde (C&T/S). Revista de Administração Pública, management: strategy, planning, and operation.
Rio de Janeiro, v. 42, n. 4, p. 681-699, jul./ago. New Jersey: Prentice Hall, 2001.
2008.
[9]. DIAS, M. A. P. Administração de materiais:
[4]. BERTAGLIA, P. R. Logística e uma abordagem logística. 4. ed. São Paulo: Atlas,
gerenciamento da cadeia de abastecimento. São 1993.
Paulo: Saraiva, 2003.
[10]. DI PIETRO, M. S. Z. Direito administrativo.
[5]. BRASIL. Constituição da República 25. ed. São Paulo: Atlas, 2012.
Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da
[11]. FONSECA, J. J. S. Metodologia da
União, Brasília, DF, 5 out. 1988. Seção 1, p. 1.
pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.
[6]. ______. Lei n. 8.666, de 21 de junho de
[12]. GUARNIERI, P.; HATAKEYAMA, K.
1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da
Padrões de qualidade no gerenciamento da cadeia
Constituição Federal, institui normas para licitações
de suprimento da indústria automotiva. In:
e contratos da Administração Pública e dá outras
CONGRESSO INTERNACIONAL DE

Tópicos em Administração - Volume 5


144

ADMINISTRAÇÃO, 2007, Ponta Grossa. Anais… [20]. TRIDAPALLI, J. P. et al. Análise dos
Ponta Grossa: AdmPG, 2007. gastos ambientais no setor público brasileiro:
características e propostas alternativas. Revista de
[13]. GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T.
Gestão Social e Ambiental, São Paulo, v. 5, n. 2, p.
Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.
79-95, 2011.
[14]. GIL, A. C. Métodos e técnicas de
[21]. SLACK, N. et al. Administração da
pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.
produção. São Paulo: Atlas, 1997.
[15]. JOIA, L. A. O que é governo eletrônico.
[22]. SLACK, N. et. al. Gerenciamento de
Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas; Ebape,
operações e de processos: princípios e práticas de
2002.
impacto estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2008.
[16]. LOPRETE, D. et al. Gestão de estoque e a 552 p.STRATI, A. Aesthetics and organization
importância da curva ABC. Lins: Unisalesiano, without walls. Studies in Culture. Organization and
2009. Disponível em: <http://bit.ly/2nbu7FU>. Societies, p. 83-105, 1995.
Acesso em: 19 jan. 2017
[23]. VENDRAME, F. C. Administração de
[17]. MARTINS, P. G.; ALT, P. R. C. recursos materiais e patrimoniais. Lins: Faculdades
Administração de materias e recursos patrimoniais. Salesianas de Lins, 2008. 66 p.
São Paulo: Saraiva, 2000.
[24]. VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de
[18]. MEIRELLES, H. L. Direito administrativo pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo:
brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2002 Atlas, 1998.

[19]. MCCORMACK, M. H. A arte de negociar.


3. ed. Rio de Janeiro: Best Seller, 2005.
[25].

Tópicos em Administração - Volume 5


145

Capítulo 14
Marisa Claudia Jacometo Durante
Liliane Aline Fleck Zimmer

Resumo: Para potencializar as inteligências presentes na organização é necessário


identificar o que cada colaborador tem ou faz de melhor, ou quais são as limitações
dos mesmos. Dessa forma o presente trabalho mostra a importância de estudar
inteligências múltiplas existentes, a fim de auxiliar a organização no
desenvolvimento do seu colaborador. Tendo por objetivo geral identificar quais
inteligências estão presentes nos colaboradores da empresa De modo específico
buscou-se: a) Identificar quais inteligências os funcionários da empresa X
apresentam, conforme a definição de Gardner de inteligências múltiplas; b) Analisar
se as inteligências identificadas estão atuando no cargo correspondente, por meio
do mapeamento das inteligências múltiplas presentes na mesma.
Metodologicamente, classifica-se como estudo de caso, com mapeamento das
inteligências a seis funcionários que compõem o quadro administrativo da empresa.
Os principais resultados indicam que a organização apresenta divergência em
relação aos ocupantes das funções estudadas, podendo haver uma fragilidade na
seleção dos mesmos. Percebe-se que os colaboradores que atuam na empresa
não estão em sintonia com as inteligências demandadas na organização, visto
através do mapeamento, principalmente a carência da inteligência matemática, o
qual seria evidente no segmento da empresa, sendo assim, observou-se a
necessidade de ter-se ocupantes nos cargos com capacidades condizentes com
as necessidades apresentadas em cada função desenvolvida.

Palavras-chave: Inteligências Múltiplas. Pessoas. Organização.

Tópicos em Administração - Volume 5


146

1 INTRODUÇÃO matemática, a espacial, a musical, a


cenestésica corporal, a naturalista e as
Com as constantes mudanças no mundo
inteligências pessoais, isto é, a intrapessoal e
globalizado, a sociedade passou a ser mais
a interpessoal.
exigente e as organizações passaram a
procurar por colaboradores que se adaptem A partir dessa teoria percebe-se que cada
as essas exigências. Percebe-se que investir indivíduo possui um conjunto de inteligência
no capital intelectual pode gerar valor à que se destaca de forma clara ou não ao
empresa, conforme descreve Silva (2005, longo da vida. Identifica-las nos
p.1): colaboradores será de grande valia para
organização, pois a mesma poderá utilizar o
[...] Diante das transformações atuais do
máximo desse potencial.
processo produtivo no contexto da expansão
do capital, faz-se necessário questionar a O estudo foi aplicado em uma empresa de
concepção de inteligência que se torna material para construção de pequeno porte,
predominante na configuração de uma nova fundada no ano 2007, atualmente conta com
fase do capitalismo. 13 colaboradores atuando nas áreas de
compras, venda, entregas, estoque, financeiro
Dessa forma entende-se que o mercado está
e administrativos.
cada vez mais tecnificado e informatizado e
isso incide direto sobre a concepção Assim, a questão problema foi: Quais
intelectual dos colaboradores. Desse modo, inteligências estão presentes nos
para a expansão capital, se faz necessário colaboradores da empresa X? Tendo por
contar com colaboradores flexíveis e que se objetivo geral identificar quais inteligências
adaptam as exigências no mundo estão presentes nos colaboradores da
contemporâneo. empresa X.
A organização que pode contar com o apoio De modo específico buscou-se: a) Identificar
de colaboradores com níveis elevados de quais inteligências os funcionários da
inteligências as organizações passaram a empresa X apresentam, conforme a definição
tomar decisões com a participação dos de Gardner de inteligências múltiplas; b)
indivíduos envolvidos no processo e que Analisar se as inteligências identificadas estão
possuem uma concepção e visão atuando no cargo correspondente, por meio
diferenciada na execução de cada atividade do mapeamento das inteligências múltiplas
desempenhada. Knapik (2009, p.15) afirma presentes na mesma.
que:
A escolha desse tema se justifica a partir da
As pessoas são os alicerces das observação por parte dos gestores em
organizações e utilizam suas habilidades, identificar quais são as inteligências
capacidades, experiências e conhecimentos presentes na organização, quem são seus
como ferramentas para conseguir novos colaboradores potencias, e aonde estão
recursos a alcançar os resultados esperados atuando na empresa.
pela empresa.
Para potencializar as inteligências presentes
2 REVISÃO DA LITERATURA
na organização é necessário identificar o que
cada colaborador tem ou faz de melhor, ou 2.1 AS PESSOAS E A ORGANIZAÇÃO
quais são as limitações dos mesmos. Dessa
Entende-se por organização a combinação de
forma o presente trabalho mostra a
indivíduos que buscam alcançar objetivos
importância de estudar inteligências múltiplas
comuns. Robbins (2002, p.31) afirma que
existentes, a fim de auxiliar a organização no
“Uma organização é um arranjo sistemático
desenvolvimento do seu colaborador.
de duas ou mais pessoas que cumprem
Antunes (1998,25) descreve:
papeis formais e compartilham um propósito
[...] o ser humano seria propriedade de oito comum”.
pontos diferentes de seu cérebro onde se
Desta forma, as organizações estão
abrigariam diferentes inteligências. Ainda que
diretamente ligadas à união de indivíduos os
esse cientista afirme que o número oito é
quais se juntam para alcançar um objetivo em
relativamente subjetivo, são essas as
comum. Nesse sentido, Chiavenato (2006,
inteligências que caracterizam o que chama
p.22) destaca que:
de inteligência múltiplas. Seria elas a
inteligência linguística ou verbal, alógica-

Tópicos em Administração - Volume 5


147

A vida das pessoas constitui uma infinidade decisões tomadas, assim formando a “cara”
de interações com outras pessoas e com da empresa.
organizações. O ser humano é inerentemente
Como já visto a participação dos indivíduos
social e interativo. Não vive isoladamente,
na organização não aconteceu a apenas
mas em constante convívio e relacionamento
como uma opção para obter a renda, mas
com seus semelhantes. Devido as suas
também como realização pessoal, status ou
limitações individuais, os seres humanos são
meio de manter contato interpessoais
obrigados a cooperar uns com os outros
formando uma organização para alcançar Por sua vez, a organização busca poder
certos objetivos que a ação individual isolada contar com colabores que estejam
não conseguiria alcançar. preparados para enfrentar novos desafios,
fazendo-se parte da empresa. Deusdedit; et al
Cada empresa com suas regras, exigências
(2006, p.15) afirma que:
no decorrer do trabalho faz com que as
pessoas juntamente com sua forma individual Neste século XXI, o mercado de trabalho
de agir e pensar, possuem comportamentos busca menos produtividade e mais
diferenciados que se adaptam à organização competitividade, menos informação e mais
com o intuito de alcançar o sucesso de conhecimento, menos treinamento e mais
ambos educação. Assim surgem novas
características do trabalhador para este
Pode-se dizer que as organizações estão em
século.
constante busca por inovação para alcançar
seus objetivos. Para conquistar sucesso se Pode ser observado uma elevação das
tem a necessidade de uma administração exigências na busca pela qualificação. O
efetiva e colaboradores com inteligência mercado está mais competitivo, e os
adequado para desenvolvimentos das trabalhadores precisam estar adaptado a
atividades proposta. Administrar significa essas mudanças.
buscar resultados. De acordo com Kwasnicka
Capacidades de diagnóstico e de solução de
(1995, p.17) “administrar é, portanto, um
problemas, e aptidões para tomar decisões,
processo pelo qual o administrador cria,
trabalhar em equipe, enfrentar situações em
dirige, mantém, opera e controla uma
constantes mudanças e intervir no trabalho
organização”, sendo um dos principais
para melhoria da qualidade dos processos,
aspectos para trabalhar de forma organizada.
produtos e serviços, passam a ser exigidas
Pode-se dizer que as organizações estão dos trabalhadores no quadro atual de
ligadas por colaborares, departamentos e mudanças na natureza e no processo de
setores, os quais desenvolvem suas trabalho (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2016,
atividades a fim de alcançar as metas da p.10).
organização com sucesso. Para isso é
A necessidade de o colaborador estar
necessário contar com indivíduos que atuam
preparado para enfrentar qualquer situação
em departamentos que sejam destaque ou
na organização, a qual espera que além das
que possuem melhor desenvolvimento
tarefas diárias o funcionário possa realizar
utilizando todo seu potencial de inteligência
mais atividades ou seja, ter um maior
As modificações na organização são ações desempenho do que se espera, assim
conscientes que estão ligadas ao contribuindo para crescimento profissional
comportamento humano sendo resultado das juntamente com o sucesso da equipe.
modificações por um processo social
Para um melhor entendimento se faz
individual, onde que o ser humano age aos
necessário a definição de trabalho. Moreira
estímulos do meio em que vive participando
(2012, p.10) descreve que “O conceito de
na formulação dos seus próprios valores.
trabalho tem sua definição modificada de algo
Knapik (2006, p.24), cita que: “podemos
ruim, penoso, vergonhoso, para algo que
concluir que a personalidade da empresa é
insere o homem em seu contexto social,
desenvolvida por um conjunto de variáveis
fornecendo a ele uma identidade”.
influenciadas pelos estilos de administração
organizacional”. Dessa forma entendesse que houve mudança
no conceito de trabalho. O que era visto como
Nesse contexto entende-se que os
castigo passou ser compreendido como uma
colaboradores formam a personalidade da
forma de estar em constante interação com o
organização o qual é definido pela políticas e

Tópicos em Administração - Volume 5


148

meio social, criando uma identidade para o Percebe-se que apenas ter o conhecimento
colaborador. Moreira (2012, p10), não é suficiente, pois cada vez mais as
organizações exigem a comprovação da
Se o trabalho tem objetivo final identificar o
capacidade de realização e da geração de
indivíduo no âmbito da sociedade, então
resultado.
muitas pessoas são reconhecidas
socialmente ou têm suas identidades A teoria das inteligências múltiplas tem como
associadas diretamente a profissão que fundador o psicólogo americano Howard
desempenham e isso pode trazer Gardner, o qual teve o início a partir da
consequências positivas ou negativas para o necessidade de desfazer a ideia de que
ser humano. Por exemplo, o fato do indivíduo existia apenas uma única inteligência, dessa
perder o emprego poderá trazer forma foi em busca de estudo do potencial
consequência negativa para a sua vida, não humano e procurou medir a inteligência de
apenas pela questão financeira, mas também cada pessoa, o qual concluiu que a mente é
porque ao perder o emprego o indivíduo composta por capacidades independente
perde parte de sua identidade, perde o seu entre si.
“sobrenome”, dificultando, assim, a sua
Vê-se que a inteligência humana é
inserção em círculos sociais.
destacada em cada indivíduo de diferentes
Com tudo, observa-se que o trabalho define o formas, o qual recebe estímulos de todas as
comportamento humano, ou seja, o trabalho partes, como do ambiente que vive e a cultura
modifica o indivíduo na forma de agir, pensar inserida no mesmo. Segundo Antunes (1998,
e se posicionar bem como o indivíduo p.11) conceitua inteligência como:
modifica o ambiente que atua.
A palavra “inteligência” tem sua origem na
junção de suas palavras latinas: inter= entre e
eligere = escolher. Em seu sentido mais
2.2 INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS SEGUNDO
amplo, significa a capacidade cerebral pela
GARDNER
qual conseguimos penetrar na compreensão
Para maior entendimento do tema, se faz das coisas escolhendo melhor caminho. A
necessário conceituar inteligência, a qual formação de ideias, o juízo e o raciocínio são
pode ser interpretada de diferentes formas, frequentemente apontados como atos
devido sua complexidade. Segundo Mocovici essenciais à inteligência. A inteligência é
(apud OLIVARES; SITA, 2013, p.45) resumida pelo Pequeno dicionário ilustrado
brasileiro da língua portuguesa como “a
A primeira concepção de inteligência era
faculdade de compreender”.
como aptidão geral intelectual. A inteligência
era definida como capacidade geral de Dessa forma entende-se que inteligência é a
resolver problemas; a pessoa que é mais capacidade que o indivíduo tem de
inteligente é aquela que resolve os compreender algo e buscar a melhor resposta
problemas. para o mesmo, ou seja é o instrumento que
permite a consciência saber qual a melhor
Sendo assim os colaborares considerados
escolha a ser tomada. Pode-se ter como
inteligentes eram somente aqueles que
exemplo quando duas ou mais pessoas
resolvia os problemas da organização com
presenciam a mesma situação, com analises
eficácia, para que a empresa não sofra as
diferentes, podendo apenas ver o simples fato
consequências as dificuldades encontradas
ocorrido ou uma visão além do que se viu,
no dia a dia. Olivares; Sita (2013, p.45)
como identificar as áreas fortes e as que
também descreve que:
possuem maiores dificuldades, essa analise
Inteligência é um tipo especial de diferenciada deve-se a diferentes
conhecimento, e necessário para se realizar inteligências presente no colaborador,
uma missão. É o tipo de conhecimento podem ser causada não apenas sua genética
estratégico que revela ameaças, críticas e mas também por suas experiências e
oportunidades que podem comprometer ou conhecimentos adquiridos, assim sabendo
assegurar uma missão. como pode ser trabalhando com maior
eficácia dentro do ocorrido. Sabino; Roque
Nos negócios, o sigilo é um processo de
(2016, p.412) descrevem:
proteção contra a concorrência garantindo
competitividade, portanto, a necessidade de Segundo sua visão, a inteligência deixou de
segurança na presença da competição, ser vista simplesmente como “uma coisa em
impulsiona a necessidade de inteligência. si” para ser concebida mais como “um

Tópicos em Administração - Volume 5


149

potencial para diversos tipos de exigências relacionadas a padrão, sistematização e


sociais e profissionais”, e apesar de ser ordem, dessa forma destacam-se por terem
dotada de uma herança genética, não está essa capacidade mais aperfeiçoada.
confinada somente a essa condição biológica,
A Inteligência linguística está relacionada com
já que seu desenvolvimento depende também
a capacidade em desenvolver atividades de
das interações dos indivíduos com os
forma efetiva na linguagem escrita e na oral,
ambientes naturais e sociais em que vivem.
assim tendo sensibilidade para os sons e
Nesse contexto entende que a inteligência é compreensão de diferentes funções da
composta por diversos fatores que interagem linguagem, podem ser identificadas em
com o ambiente envolvido e as diferentes indivíduos que possuem o prazer da leitura e
culturas que cada indivíduo acarreta, ou seja, escrita.
o indivíduo não nasce sendo inteligente e
A inteligência linguística responde pela
também entendesse que a mesma não é
produção da linguagem é relacionada ao
igualitária para todos pois é construída ao
processo de geração da linguagem tal como:
longo da vivência humana e experiências
declamação de poemas, contarem estórias,
adquiridas em particularidades de cada um.
gramática, raciocínio abstrato, pensamento
simbólico, jogos de palavras, entre outros.
(POLLI; et al, 2008, p.2).
2.2.1 TEORIA DAS INTELIGÊNCIAS
MÚLTIPLAS Indivíduos que possuem essas características
desenvolvidas possuem habilidades para
A teoria das inteligências múltiplas, segundo
negociar, ensinar e são hábeis em transmitir
Gardner (apud ARMSTRONG, 2001, p. 22)
ideias.
são compostos por 8 tipos de inteligências
diferentes entre si: Na Inteligência intrapessoal é relativamente o
interior do indivíduo, seu próprio eu, o qual
As inteligências foram classificadas de forma
está ligada em ter o conhecimento de si
múltipla, contendo: inteligência matemática,
mesmo, ou seja, compreender os próprios
inteligência linguística, inteligência
sentimentos, ideias, desejos ou sonhos, tendo
intrapessoal, inteligência interpessoal,
facilidade na resolução de problema pessoas
inteligência corporal sinestésica, inteligência
é habilidade para formular uma imagem
musical, inteligência espacial e mais
precisa de si e utilizá-la de forma efetiva.
recentemente foi acrescentada a inteligência
naturalista A inteligência intrapessoal refere-se à
capacidade do indivíduo de conhecer a si
Segundo o autor os indivíduos possuem níveis
mesmo, controlar suas emoções, administrar
diferentes de cada umas das inteligências e
seus sentimentos, projetos, podendo assim
capacidades diferentes na forma como as
construir um modelo de si mesmo e utilizar
inteligências se combinam e organizam.
esse modelo a favor de si na tomada de
A inteligência matemática está ligada ao decisões. Esta inteligência permite que o
raciocínio dedutivo, o qual possuem maior indivíduo conheça suas capacidades e possa
facilidade de resolução de problemas usa-las de melhor forma possível. Supõem a
complexos como números e formas capacidade de compreender a si mesmo. De
geométricas ou discernir conexões entre ter um modelo útil e eficaz de si, que inclua os
peças distintas ou separadas. próprios desejos, medos e capacidades
empregar esta informação com eficiência na
[...] o desenvolvimento de tal inteligência
regulação da própria vida (VEIGA; MIRANA,
inicia-se nas primeiras ações do bebê
2006, p.67).
desenvolvendo-se gradativamente durante a
primeira ou as duas primeiras décadas da sua Dessa forma, um indivíduo com inteligência
vida. A inteligência lógico-matemática pode intrapessoal possui um poder de si, pois tem
ser definida como uma capacidade de conhece e entende seu interior tendo maior
utilização de raciocínio efetivo para a facilidade para na escolha da melhor decisão.
formulação de cálculos e relacionamentos
Considera-se Inteligência interpessoal a
lógicos; sua origem remonta a observação do
habilidade de interação com as pessoas a
mundo material, ou seja, um confronto com o
compreensão das emoções e atitudes diante
mundo dos objetos (POLLI; et al, 2008, p.2)
dos indivíduos, tende a ser positivo prestativo,
As características presentes em indivíduos criando empatia com os demais
que possuem essas inteligências estão desenvolvendo a grande capacidade de

Tópicos em Administração - Volume 5


150

liderar e tornar-se um indivíduo aceito no meio composição musical com ritmo e letras com
social. grande facilidade, pois tem como
característica sensibilidade aos sons, timbres
A inteligência interpessoal é a competência
e texturas.
através da qual o indivíduo e relaciona bem
com as outras pessoas, distinguindo A Inteligência espacial representa a
sentimentos (intenções, motivações, estados habilidade para dominar o visual como na
de animo) pertencentes ao outro, buscando descriminação das cores e formas e da
reagir em função desde sentimento. Esta percepção espacial precisa. Tender a ter uma
capacidade permite a descentralização do ótima memória e boa coordenação motora
sujeito para interagir com o outro. Mostra a para criar o que pensam. Segundo Sabino;
capacidade de uma pessoa para entender as Roque (2016, p.1),
intenções, as motivações e os desejos alheios
A inteligência espacial é responsável pela
e, em consequência, sua capacidade para
capacidade de perceber com precisão o
trabalhar eficazmente com outras pessoas
mundo visuo-espacial (por exemplo, como um
(VEIGA; MIRANA, 2006, p.67).
caçador, escoteiro ou guia) e de transformar
Pessoas com inteligência interpessoal tende a essas percepções (como um arquiteto, artista,
ter um bom convívio no meio que vive devido ou decorador de interiores). Por isso ela
a capacidade de se relacionar e liderar envolve sensibilidade à cor, linha, forma,
grupos pois criam empatia com facilidade, configuração e espaço, e as relações
assim possibilitando bom desempenho. existentes entre esses elementos.
A Inteligência corporal sinestésica constitui no Constituem no desenvolver da visão criando
desenvolvimento das habilidades de controlar na mente a imagem e transformar em algo
o corpo com ótima coordenação motora, boa real. Conduz o mundo espacial de forma
sincronização de movimentos auxiliando na precisa com facilidade para manipular
execução de tarefas tornando a intenção objetos, utilizam a visão e a imaginação para
para a ação, gerando um equilíbrio entre o localizar-se no mundo.
corpo e a mente. Segundo Gardner (1995,
A Inteligência naturalista foi inclusa em 1996
p.24)
pelo autor na listagem original das
[..] executar uma sequência mímica ou bater inteligências múltiplas. Pode-se de
numa bola de tênis não é resolver uma descrevera-la em indivíduos que possuem o
equação matemática. E, no entanto, a prazer em conhecer o natural, apreciar ar livre
capacidade de usar o próprio corpo para e se sentir confortável na natureza, ter grande
expressar uma emoção (como na dança), aptidão em atividades com a fauna e a flora.
jogar um jogo (como num esporte) ou criar um Brennand e Vasconcelos (2005, p.32)
novo produto [...] é uma evidência dos descrevem:
aspectos cognitivos do uso do corpo.
O potencial naturalista é valorizado
Essa inteligência é relacionada com o culturalmente, tanto no senso comum, quanto
movimento físico e o conhecimento do próprio na esfera da ciência. Por exemplo, assim
corpo tendo facilidade na realização e como o indivíduo que vive em ambientes
atividades que movimenta e controla o corpo. rurais lida com situações de agricultura,
baseado em informações que são
A Inteligência musical envolve a capacidade
transmitidas nas relações do cotidiano e age
de perceber e combinar sons estruturando
criativamente junto à natureza, também, o
melodias, ritmo e tom. Conforme Sabino;
cientista que decodifica o DNA lida com
Roque (2016, p.1),
informações que tendem a repercutir na
Esta inteligência envolve a capacidade de natureza, inclusive no modo como o senso
perceber, discriminar, transformar e expressar comum lida com a agricultura, como no caso
formas musicais. Incluem-se, portanto, neste da fabricação de alimentos transgênicos.
tipo de inteligência, sensibilidade ao ritmo, Ambos, o cientista e o agricultor,
tom ou melodia, e timbre de uma peça desenvolvem a inteligência naturalista e
musical. Pode-se ter um entendimento geral aprendem a lidar com elementos que
da música (global, intuitivo), um entendimento implicam na relação humana com a natureza
formal ou detalhado.
Inteligência naturalista mostra facilidades em
Essa inteligência está presente em indivíduos lidar com elementos que implicam na relação
que apreciam a boa música ou fazem

Tópicos em Administração - Volume 5


151

humana com a natureza mantendo essa Como procedimentos, instrumentos de coleta


relação prazerosa, continue e precisa. e tratamento dos dados foi aplicado um
questionário aos colaboradores do setor
As inteligências múltiplas de Gardner
administrativo para verificar quais
mostram graus variados de cada uma das
inteligências estão presentes na empresa. O
inteligências sendo que não são dependentes
questionário é composto por perguntas
uma da outra, mas podem se complementar
fechadas e abertas, onde o respondente
em indivíduos que possuem acuidade de
identificou quais características estão mais
mais de uma inteligência, isso explicar a
presentes em si, e descreveu as atividades
razão em colaboradores ter bom
desempenhadas em sua função.
desenvolvimento em determinada área e ser
fracassado em outro ou indivíduo que Com estes dados foi possível verificar quais
precisam de mais de uma inteligência para as inteligências presentes e se estão em
desenvolver uma única atividade. acordo com os cargos ocupados.

3 METODOLOGIA 4 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS


RESULTADOS
Para este estudo foi utilizado o método
dedutivo, pois os resultados são específicos 4.1 IDENTIFICAR QUAIS, INTELIGÊNCIAS OS
da empresa X. A pesquisa tem por FUNCIONÁRIOS DA EMPRESA X
característica ser qualitativa, pois houve um APRESENTAM, CONFORME A DEFINIÇÃO
levantamento e a interpretação dos DE GARDNER DE INTELIGÊNCIAS
questionários aplicado para identificar as MÚLTIPLAS
inteligências presentes na empresa.
Para a analisar as inteligências presentes na
Para alcançar o objetivo da pesquisa foi empresa X, foi aplicado um questionário no
utilizado o procedimento estudo de caso, pois setor administrativo que é formado por 6
partiu-se da teoria das inteligências múltiplas colaboradores ocupando os cargos de
do autor Gardner para identificar as financeiro, almoxarife, gerente de deposito,
inteligências presentes na empresa X. Ainda caixa, vendedor e comprador, o qual teriam
tendo como base os objetivos, essa pesquisa que assinalar, das características fornecidas,
é descritiva, pois foi realizada uma descrição quais eles realmente julgavam possuir. Os
detalhada dos resultados encontrados. resultados apresentam-se no quadro 1:

Quadro 1 – Características das inteligências múltiplas.


% CARACTERISTICAS
16,66 % Sou preciso (Característica de quem é nítido e exato)
16,66 % Aprecio cálculos
50 % Organizado
66,66 % Aprecio resolução de problemas
0% Raciocínio dedutivo
66,66 % Gosto de leitura
33,33 % Gosto de escrever
83,33 % Sou comunicativo
16,66 % Gosto de contar piadas, trocadilhos e histórias
16,66 % Facilidade na gramática
66,66 % Habilidade para desenvolver e resolver meus problemas
50 % Controlo minhas emoções
66,66 % Sei administrar meus sentimentos

(continuação...)

Tópicos em Administração - Volume 5


152

% CARACTERISTICAS
83,33 % Conheço meus medos
33,33 % Foco e concentração nas atividades desempenhadas
33,33 % Facilidade de resolução de conflitos
100% Determinação e persistência para atingir os resultados desejados
50 % Disciplina
Autoestima elevada (é a apreciação que uma pessoa faz de si mesma em relação à
33,33 %
sua autoconfiança e seu autor respeito.)
66,66 % Independência para criar o próprio caminho
33,33 % Maior capacidade de realização
50 % Comportamento congruente com princípios e valores
50 % Capacidade de despertar o melhor de si em todas as situações

Facilidade em estabelecer empatia (A empatia é diferente de ser simpático. A


83,33 % empatia é um sentimento além, é quando a pessoa se coloca no lugar do outro.
Podemos chamar de compreensão.

0% Perceber as probabilidades climáticas (ter noção se vai fazer frio, chover, calor)

100 % Cuidado com animais de estimação


Reconhecer e classificação de plantas, animais, minerais, incluindo rochas e
0%
gramíneas
33,33 % Observo a natureza
16,66 % Caminho junto a natureza ou viajo em ambiente natural
16,66 % Capacidade de mover objetos no espaço
33,33 % Resolver problemas usando a visualização
65 % Boa memória
33,33 % Habilidade para dominar o visual como descriminar cores e formas
66,66 % Boa coordenação motora
16,66 % Sensibilidade a cor, linha, forma, configuração e espaço

66,66 % Canto com frequência e/ou toco/quero aprender a tocar um instrumento

33,33 % Sensibilidade ao ritmo, tom ou melodia

16,66 % Timbre apurado é o que diferencia dois sons de mesma frequência (mesma nota).

33,33 % Interpretação e produção de sons


16,33 % Utilizo de instrumentos musicais
0% Habilidade de controlar e orquestrar movimentos do corpo
33,33 % Pratico dança ou os esportes
Capacidade de usar todo o seu corpo ou parte do seu corpo para resolver um
33,33 %
problema
0% Processa melhor as informações através do movimento e do toque
Não consegue ficar muito tempo sentado e aprende melhor movimentando-se,
50 %
tocando ou mexendo nas coisas
Fonte: Dados da pesquisa, 2016.

Tópicos em Administração - Volume 5


153

Como observado, o questionário não lugar do outro, compreendendo-o. Os


identificava a qual inteligência as colaboradores que representaram os outros
características pertencem. 50% possuir inteligência interpessoal têm
domínio para administrar a si mesmo e com
As características:
isso sabem como e quando agir perante os
- Sou preciso (Característica de quem é nítido problemas do dia a dia, trazendo benefícios a
e exato) organização. Pois ter um funcionário com
essa inteligência é de grande importância
- Aprecio cálculos
principalmente nos cargos que desenvolvem
- Organizado atividades em conjunto, aonde uma precisa
do outro para alcançar um bom resultado ao
- Aprecio resolução de problemas
finalizá-la.
- Raciocínio dedutivo
Para a inteligência interpessoal apresentou-se
Representam a inteligência matemática. A as características:
característica que mostrou-se ser mais
- Foco e concentração nas atividades
presente na organização, é a apreciação de
desempenhadas
resolução de problema com 66%. Para os
cargos existentes na organização pode-se - Facilidade de resolução de conflitos
disser que a inteligência matemática é de
- Determinação e persistência para atingir os
grande importância, visto que está presente
resultados desejados
em atividades das mais básicas a mais
complexa no dia-a-dia desses colaboradores. - Disciplina
Observou-se que um respondente teve a - Autoestima elevada
maioria das características assinaladas,
- Independência para criar o próprio caminho
indicando ter uma possível inteligência
matemática, porém não marcou a opção mais - Maior capacidade de realização
importante, o raciocino dedutivo, onde o
- Comportamento congruente com princípios
indivíduo tem a dedução lógica para obter
e valores
uma solução a respeito de determinada
premissa, portanto, não é possível apresenta- - Capacidade de despertar o melhor de si em
lo com inteligência matemática. todas as situações
A inteligência intrapessoal estava - Facilidade em estabelecer empatia
representada pelas seguintes características:
As opções menos marcadas pelos
- Habilidade para desenvolver e resolver colaboradores pesquisados foram: foco e
meus problemas concentração nas atividades
desempenhadas, e determinação e
- Controlo minhas emoções
persistência para atingir os resultados
- Sei administrar meus sentimentos desejados com 33,33%. Sabe-se, de modo
empírico, que a tecnologia e informação em
- Conheço meus medos
excesso gera falta de concentração,
Através do questionário, percebe-se que consequentemente pode estar gerando
somente 50% dos participantes marcaram as ansiedade nesses funcionários, sendo assim,
características dessa inteligência, dessa percebe-se indivíduos sem foco, com
forma, pode-se observar que nem todos os dificuldade para se desenvolver, propício a
respondentes possuem conhecimento total de gerarem conflitos no ambiente de trabalho.
si mesmo, isso pode gerar dificuldade para
Disciplina no local de trabalho é de
tomada de decisão, pois é necessário que os
fundamental importância independente do
indivíduos conheçam suas capacidades e
cargo ocupado ou da tarefa desempenhada,
seus medos, para assim desenvolverem com
somente colaboradores disciplinados e
eficácia as atividades a ele proposto. Sendo
organizado podem exercer uma boa
assim, os mesmos também não apresentaram
produtividade. Para essa característica 50%
possuir domínio das suas emoções e controle
manifestaram-se ser disciplinados, os quais
dos sentimentos, podendo gerar conflitos ou
produzem mais e aspiram confiança
tornar o ambiente desagradável.
construindo oportunidades de crescimento
Quando um indivíduo conhece a si próprio profissional juntamente com o sucesso da
tem facilidade para conhecer e se colocar no empresa.

Tópicos em Administração - Volume 5


154

Nessa inteligência, determinação e de atividade da empresa estudada, são as


persistência para atingir os resultados que menos influenciam no desenvolver das
desejados foi a maior escolha dentro os atividades. Estavam representados pelas
colaboradores 100%, isso implica uma seguintes características:
profunda ligação pessoal com o objetivo da
Linguísticas:
organização, são características de quem
possui necessidade de produzir o melhor - Gosto de leitura
resultado.
- Gosto de escrever
A empatia também fez parte das escolhas
- Sou comunicativo
desses colaboradores com 83,33%,
mostrando que possuem uma facilidade para - Gosto de contar piadas, trocadilhos e
compreender o próximo, colocando-se no histórias
lugar do outro, gerando bom convívio no
- Facilidade na gramática
ambiente de trabalho e indicando nos
mesmos a capacidade para liderar e ser um Naturalista:
colaborador bem aceito no ambiente da
- Perceber as probabilidades climáticas (ter
empresa e no meio social.
noção se vai fazer frio, chover, calor)
A inteligência espacial está pouco presente
- Cuidado com animais de estimação
nos participantes da pesquisa. A
característica com mais destaque foi a boa - Reconhecer e classificação de plantas,
coordenação motora com 66,66%, e a animais, minerais, incluindo rochas e
capacidade de mover objetos no espaço a gramíneas
menor, com 16,66. Se mostra importante
- Observo a natureza
poder contar com colaboradores com essas
características, pois os mesmos possuem - Caminho junto a natureza ou viajo em
habilidade motora para desenvolver o visual ambiente natural
criando o real, e também tem maior domínio
Musical:
para armazenar, trocar ou localizar objetos
utilizando a visão para localizar-se. - Canto com frequência e/ou toco/quero
aprender a tocar um instrumento
Capacidade de mover objetos no espaço
(fazer como as anteriores, indicando a qual - Sensibilidade ao ritmo, tom ou melodia
inteligência pertence esse grupo de
- Timbre apurado é o que diferencia dois sons
características).
de mesma frequência (mesma nota).
- Resolver problemas usando a visualização
- Interpretação e produção de sons
- Boa memória
- Utilizo de instrumentos musicais.
- Habilidade para dominar o visual como
Corporal sinestésica:
descriminar cores e formas
- Habilidade de controlar e orquestrar
- Boa coordenação motora
movimentos do corpo
- Sensibilidade a cor, linha, forma,
- Pratico dança ou os esportes
configuração e espaço.
- Capacidade de usar todo o seu corpo ou
Colaboradores com essa inteligência tem
parte do seu corpo para resolver um
grande capacidade para criar imagens
problema
mentais e projeta-las em um determinado
espaço físico, também possuem uma visão - Processa melhor as informações através do
diferente de um mesmo espaço, ou seja, movimento e do toque
veem um mesmo objeto por vários ângulos
- Não consegue ficar muito tempo sentado e
diferente. Dessa forma percebe-se a
aprende melhor movimentando-se, tocando
importância de tê-los presente na
ou mexendo nas coisas
organização, pois são capazes de organizar
produtos e processos para maior agilidade no Por tanto, a mais assinalada foi a opção
desenvolver do processo. comunicativo, presente na inteligência
linguística. Poder contar com colaboradores
As inteligências linguísticas, naturalista,
com essa característica e que também
musical e corporal sinestésica, para o ramo
possua a inteligência intrapessoal, é um

Tópicos em Administração - Volume 5


155

diferencial competitivo, pois os mesmos Através da análise da pesquisa infere-se que


sabem se expressar e transmitir suas ideias, e o mesmo se encontra em divergências.
se trabalhado junto com a empatia,
Para função de vendedor, o qual realiza
desenvolvem laços de proximidade e
vendas, trabalha com cálculos para melhor
amizades, isso podendo ser tanto no
atendimento dos clientes e também faz a
ambiente interno quanto externo.
reposição de produtos nas gôndolas,
Através do questionário percebeu-se que a manifestou-se possuir a inteligência
inteligência interpessoal gerou maior interpessoal, o qual está de acordo com o
destaque nas respostas, isso mostrou que os cargo pois o mesmo possuem indicativos
respondentes desenvolvem comprometimento necessário para realizar com êxito essa
com o grupo, motivam as pessoas ao seu atividade, assim estabelecendo um
redor, gerando grande possibilidade de boa atendimento agradável e mantendo seu poder
liderança. de persuasão sobre o cliente.
A função de caixa e financeiro desenvolve
atividades similares, como fechamento de
4.2 ANALISAR SE AS INTELIGÊNCIAS
caixa, atendimento ao cliente,
IDENTIFICADAS ESTÃO ATUANDO NO
cobrança/recebimento, contas a pagar.
CARGO CORRESPONDENTE, POR MEIO DO
Ambos indicaram apresentar a inteligência
MAPEAMENTO DAS INTELIGÊNCIAS
intrapessoal, onde seria importante também
MÚLTIPLAS PRESENTES NA MESMA
mostrar a inteligência matemática, pois para
Para responder a esse objetivo específico, obter a excelência das atividades financeira é
solicitou-se aos participantes da pesquisa que necessário que se tenha domínio sobre os
descrevessem o que faz em seu cargo todos cálculos/números. Portanto é preciso que,
os dias. Assim, comparou-se as exigências do para ocupar essa função, tenha-se a
cargo e o desempenhado no dia a dia com a inteligência matemática.
inteligência apresentada pelo funcionário.
Já passa o cargo de compras indicou-se
Para a função almoxarife, onde segundo o possuir a inteligência intrapessoal, espacial e
questionário desenvolve a função de musical. Segundo os questionários relatou-se
“atendimento ao cliente, cobrança, trabalho desenvolver as atividades de “compras em
externos como realizar pagamento em geral, cadastro de produto, preço,
agências bancárias, organização de estoque, atendimento a fornecedor e cliente e
lançamentos e pedidos, orçamentos e conferência geral das demais atividades
vendas”, mostrou-se a probabilidade de ter a estabelecidas na organização”. Essa função
inteligência intrapessoal. Para a função é peça chave para garantir a lucratividade e a
apresentada é de grande importância que se produtividade da empresa, para isso exige-se
tenha a inteligência espacial e inteligência um profissional que tenha flexibilidade,
interpessoal, pois o mesmo desenvolve como resiliência, autoridade e posicionamento na
principal atividade a organização do ambiente tomada de decisão, bem como a arte de
interno, ou seja, o estoque e também mantém negociar, a qual é essencial na prática da
uma relação com os clientes havendo a transação. Portanto, para o sucesso desse
necessidade de estabelecer um bom setor, se faz necessário a inteligência
atendimento. Dessa forma entende-se que o intrapessoal, o qual poderá desempenhar seu
cargo ocupado não está de acordo com as potencial na negociação e também a
inteligências necessárias para o bom inteligência matemática para realização de
desenvolvimento das atividades de análise de preço de venda versos compras.
responsabilidade dessa função.
Dessa forma, percebeu-se que a organização
Para a função de gerente de depósito, está com divergência em relação aos
designa-se como principal inteligência á ocupantes das funções estudadas, podendo
espacial, pois atua na logística e recebimento haver uma fragilidade na seleção dos
de mercadoria, ou seja, faz necessário ter-se mesmos.
boa visão para localiza-se, assim facilitando e
reduzindo o tempo das entregas, trazendo
satisfação ao cliente pela agilidade. Nesse 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
cargo percebe-se ter indicativos de
O presente estudo buscou identificar as
inteligência interpessoal e intrapessoal.
inteligências múltiplas presente nos
funcionários da empresa X, onde utilizou-se

Tópicos em Administração - Volume 5


156

de um questionário para avaliar se as mesmas futuras seleção de novos colaboradores,


estavam em coerência com a função assim podendo contar com indivíduos
desempenhada. dotados de inteligência essencial para
desempenhar com excelência a demanda de
Através do estudo percebeu-se que as
cada setor, dessa forma contribuindo com
organizações são formadas por pessoas com
crescimento e sucesso da organização.
personalidade e inteligências diferentes, as
quais buscam alcançar seus objetivos por Através do estudo foi constatado que a
meio do trabalho. inteligência mais presente nos colaboradores
da empresa A, é a inteligência interpessoal, a
Percebe-se que os colaboradores que atuam
qual é uma das principais para o bom
na empresa pesquisada não estão em
desenvolvimento de todas atividades, pois a
sintonia com as inteligências demandadas na
mesma favorece o contato direto com o
organização. Visto através do questionário,
público.
principalmente a carência da inteligência
matemática, o qual seria evidente no Neste sentido, a teoria das inteligências
segmento da empresa, sendo assim, múltiplas, proposta por Gardner, vem para
observou-se a necessidade de ter-se traçar a ideia que cada pessoa possui
ocupantes nos cargos com capacidades inteligências independente entre si, ou seja,
condizentes com as necessidades desenvolvem um potencial diferente na
apresentadas em cada função desenvolvida. realização da mesma atividade, sendo assim
um colaborador poderá ser excelente em
Portanto, é necessário que a organização faça
determinada atividade e fracassar em outra.
uma reavaliação dos colaboradores, para que
Portanto, mostra-se a importância de cada
possa contar com o máximo potencial dessas
colaborador estar em sintonia com suas
inteligências, para assim obter melhores
possíveis inteligências e as necessárias para
resultados.
o sucesso das atividades. Esse torna-se um
Orienta-se levar em consideração as grande desafio dos gestores.
inteligências múltiplas apresentadas, para

REFERÊNCIAS
[1] ANTUNES, C. Celso. Inteligência múltiplas [8] MOREIRA, Elen Gongora. Clima
e seus estímulos. Jogos para a estimulação das organizacional. 2 ed. Curitiba/PR: IESDE Brasil,
múltiplas inteligências. 9 ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2012.
2001.
[9] PASSARELLI, B. A teoria das inteligências
[2] ARMSTRONG, T. Inteligências Múltiplas múltiplas aliada à multimídia na educação: novos
na sala de aula. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, rumos para o conhecimento. In: III Simpósio
1995. Brasileiro de Geoprocessamento, 1995, São Paulo.
Anais do III Simpósio Brasileiro de
[3] DEUSDEDIT, C.de Morais; et al. Projetos
Geoprocessamento. São Paulo: Escola Politécnica
inovadores. In: Evolução de projetos inovadores
da Universidade de São Paulo, 1995. v. 1. p. 151-
na educação profissional. Curitiba, PR. SESI e
170.
SENAI, 2006. (Col. Inova v.1). 2.
[10] POLLI, Marcos; et tal. Analise das
[4] GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: a
inteligências múltiplas dos graduandos do curso
teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995
de administração da universidade regional de
[5] KWASNICKA, Eunice Lacava. Introdução Blumenau. Revista eletrônica de ciência
à Administração. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1995. administrativa (RECADM0. Blumenau – SC. v.7, n.1,
p.1-13, maio 2018.
[6] MINISTERIO DA SAUDE. Formação 02.
<http://www.periodicosibepes.org.br/ojs/index.php/
Humanizar cuidados de saúde: Uma questão de
recadm/article/view/50>
competência. 2011.
[11] SABINO, Marilei A. ROQUE, Aaguaia S.
[7] MONTANA, Patrick J. Administração. 2 ed. Docentes da área de Língua e Literatura Italianas
São Paulo: Saraiva, 2003. do IBILCE/UNESP - Campus de São José do Rio
Preto - SP. Disponível em:
file:///C:/Users/Geovai/Downloads/ateoriadasintelig
encias%20(6).pdf. Acesso em 20/05/2016.

Tópicos em Administração - Volume 5


157

Capítulo 15

Gibsy Lisiê Soares Caporal


Gisele Simi Turchetti
Leonardo Santos de Souza

Resumo: Os entendimentos de marketing indicam ações de relacionamento entre


as organizações e seus mercados, a fim de avaliar os pontos da cidade trazendo
as informações para aproximar seus clientes cidadãos das demandas para
possibilitar as oportunidades de crescimento do município. Sendo assim, a
comunicação e o relacionamento contribuem para o desenvolvimento local. O
cliente tanto na esfera pública como em empresas privadas busca satisfazer suas
necessidades com o produto desejado. O público alvo no qual o marketing está
focado é para quem está na cidade, ou seja, os residentes, os cidadãos, os que
contribuem para as atividades laborais, com seus impostos, com o varejo,
promovendo as empresas locais. A metodologia aplicada foi a partir do estudo de
caso - a pesquisa exploratória, em que se destacaram as variáveis que possibilitam
uma análise. Assim se pretende chegar às variáveis que possam organizar e
qualificar o marketing de cidades no município de São Vicente do Sul. A partir
disso, a coleta de dados estrutura-se em três elementos: as rotas de entrada da
cidade, ruas principais e a praça central. Logo após, 45 alunos do curso de
Tecnólogo em Gestão Pública foram convidados para fazer o diagnóstico coletado
das imagens considerando os diversos pontos. Espera-se, assim, trazer assuntos e
trabalhar na melhoria dos pequenos municípios envolvendo a comunidade, além de
levar ao poder público, as demandas sugeridas por empresas locais e pelo Instituto
Federal Farroupilha Campus São Vicente do Sul.

Palavras-chave: Administração; Desenvolvimento local; Marketing de Cidades.

Tópicos em Administração - Volume 5


158

1 INTRODUÇÃO Segundo DIAS (2010 P.10) o Marketing


assume a posição de líder estimulando a
O estudo apresentado como Trabalho de
inovação, coordenando processos de
Conclusão do Curso Tecnologia em Gestão
mudança, assumindo riscos, apoiando e
Pública analisa as relações de Marketing, do
orientando equipes, integrando às varias
Marketing de Cidades e faz um estudo sobre
funções organizacionais, representando
a aplicação do conceito de imagem a partir
empresas perante comunidades órgãos de
da teoria de Experiência de Produto.
governo e zelando pelos interesses dos
A Gestão Pública designa as atividades de clientes diante dos acionistas da empresa.
planejamento municipal, como coloca Silva et
Para KOTLER e ARMSTRONG (2007, 57)
al.(2016, p.21), “O planejamento das cidades
no Brasil é prerrogativa da gestão municipal”. “Os mercados consumidores consistem em
indivíduos e famílias que compram bens e
Os pequenos municípios precisam estar
serviços para consumo pessoal. Os mercados
atentos aos cidadãos aportando soluções que
organizacionais compram bens e serviços
melhorem a qualidade de vida da população,
para processamento posterior ou para o uso
neste sentido, as análises de Marketing de
em seu processo de produção, enquanto os
Cidades podem colaborar com o
mercados revendedores compram bens e
entendimento de necessidades e desejos dos
serviços para revendê-los com uma grande
indivíduos em sociedade.
margem de lucro”.
As concepções de Marketing designam ações
Para BAUTZER (2010, p. 28)
de relacionamento entre as organizações e
seus mercados. As cidades são ambientes “As cidades estabelecem suas relações com
onde se manifestam as diversas formas de base em compartilhamento estratégico, ou
ofertas e demandas, organizadas em um seja, elas partilham de indicadores, metas,
espaço geográfico, físico de urbanização. É objetivos e preceitos concebidos em nível
na cidade onde se encontram os cidadãos e regional. Se isso é um elemento de estrutura
também o comércio. Historicamente, as na existência dos municípios, também pode
relações comerciais se deram nas formações ser um diferencial competitivo, dependendo
das aldeias, nos centros dos feudos, nas da forma com que os indicadores são
áreas de feiras e, portanto, tiveram grande trabalhados”.
importância na formação das cidades tal
A cidade e sua gestão estão relacionadas aos
como as conhecemos hoje (apud CAPORAL,
sistemas de gestão territoriais e são eles que
2016, p.140).
indicam as dimensões espaciais e os
O estudo proposto entende a cidade como agrupamentos urbanos que sustentam as
um ambiente de relações entre ele e seus cidades.
cidadãos e busca trazer uma teoria que
Segundo CASTRO, GOMES E CORRÊA (2008
auxilie o poder público municipal na
p. 68)
concepção de marketing de cidade quanto a
imagem que a cidade tem para aqueles que “À função de gestão de território está à
nela residem, trabalham e produzem. necessidade da corporação de conceber,
planejar e gerenciar o ciclo de reprodução de
Com esta realidade, quais variáveis do
seu capital, ciclo que tem uma nítida e
conceito de imagem podem ser observadas
complexa dimensão espacial, envolvendo
em um pequeno município, neste caso, o
centros urbanos e áreas rurais nas quais o
município de São Vicente do Sul (RS)?
capital circula em suas diversas formas e é
ampliado, concretizando a sua acumulação”.
2 REFERENCIAL TEÓRICO Para FROEHLICH (2011, p.40) “O estado
deve desempenhar um papel fundamental na
São apresentados conceitos que envolvem o
promoção do desenvolvimento territorial”.
Marketing de Cidades, teorias e autores
utilizados para o desenvolvimento deste Ele deve desfazer progressivamente, os
trabalho, que darão ênfase ao estudo de caso obstáculos que resultam de sua organização
realizado no Município de São Vicente do Sul, vertical, sem que isso signifique retira-se da
buscando qual a importância, classificação,