You are on page 1of 33

Livro Eletrônico

Aula 00

Realidade do Distrito Federal p/ CLDF (Inspetor e Agente de Polícia) - Pós-Edital

Professor: Leandro Signori

00000000000 - DEMO

AULA 00 Realidade histÛrica do DF e RIDE

Caro aluno,

… com imenso prazer que nos encontramos no ESTRAT…GIA CONCURSOS para esta jornada em busca de um excelente resultado na disciplina de REALIDADE DO DISTRITO FEDERAL no concurso da C¬MARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL cargos de PROCURADOR LEGISLATIVO, CONSULTOR LEGISLATIVO, CONSULTOR T…CNICO, T…CNICO LEGISLATIVO, INSPETOR DE POLÕCIA e AGENTE DE POLÕCIA.

Sou o Professor Leandro Signori, ga˙cho de Lajeado. Ingressei no serviÁo p˙blico com 21 anos e j· trabalhei nas trÍs esferas da administraÁ„o p˙blica municipal, estadual e federal , o que tem sido de grande valia para a minha formaÁ„o profissional servidor e docente. Nas Prefeituras de Porto Alegre e de S„o Leopoldo desenvolvi minhas atividades nas respectivas secretarias municipais de meio ambiente; na administraÁ„o estadual, fui servidor da Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN), estatal do governo do Rio Grande do Sul.

Fui tambÈm, durante muitos anos, servidor p˙blico federal, como geÛgrafo, no MinistÈrio da IntegraÁ„o Nacional, onde trabalhei com planejamento e desenvolvimento territorial e regional.

Graduei-me em Geografia Licenciatura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Bacharelado pelo UniCEUB, em BrasÌlia. A oportunidade de exercer a docÍncia e poder alcanÁar o conhecimento necess·rio para a aprovaÁ„o dos meus alunos me inspira diariamente e me traz grande satisfaÁ„o. Como professor em cursos preparatÛrios on-line e presencial ministro as disciplinas de Atualidades, Conhecimentos Gerais, Realidade Brasileira e Geografia.

Feita a minha apresentaÁ„o, agora vamos falar do curso.

A Lei n 5.768/2016 tornou obrigatÛria, nos concursos organizados pela administraÁ„o direta, aut·rquica, fundacional e nas empresas p˙blicas que recebam recursos do Tesouro do Distrito Federal, a cobranÁa de conhecimenデラゲ ゲラHヴW ; さヴW;ノキS;SW YデミキI;が ゲラIキ;ノが エキゲデルヴキI;が ェWラェヴ=aキI;が cultural, polÌtica e econÙmica do Distrito Federal e da Regi„o Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno RIDE, instituÌda pela Lei Complementar federal n 94, de 16 de fevereiro SW ヱΓΓΒざく

Dessa forma, o nosso curso vem lhe preparar para esses conte˙dos. De inÌcio, trÍs notÌcias boas: o conte˙do n„o È extenso, È de f·cil leitura e de estudo prazeroso.

O curso ser· de teoria e exercÌcios, com a seguinte estrutura:

AULA 00 に Realidade histÛrica do DF e RIDE Caro aluno, … com imenso prazer que

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

1 31
1
31

Prof. Leandro Signori Aula 00

00

Realidade histÛrica do DF e RIDE

  • 01 Aspectos da Geografia FÌsica do DF e RIDE

  • 02 Realidade Ètnica, social, geogr·fica, cultural, polÌtica e econÙmica do DF e da RIDE

Conte˙do Program·tico

Aula

00 Realidade histÛrica do DF e RIDE 01 Aspectos da Geografia FÌsica do DF e RIDE
00 Realidade histÛrica do DF e RIDE 01 Aspectos da Geografia FÌsica do DF e RIDE

Quando necess·rio, vou ampliar a abordagem dos conte˙dos listados no edital. Isso para que vocÍ tenha plena compreens„o dos fatos histÛricos e fenÙmenos geogr·ficos que ser„o estudados. … um algo a mais que vai ajud·-lo na hora de resolver as questıes da prova.

Fique bem tranquilo se vocÍ n„o conhece ou conhece pouco os conte˙dos relacionados nos tÛpicos. A sistem·tica do curso, a estrutura de distribuiÁ„o dos conte˙dos e as questıes comentadas far„o com que, ao final das aulas, vocÍ esteja preparado para um Ûtimo desempenho na disciplina ao fazer a prova.

Na parte teÛrica seremos objetivos, todavia, sem deixar de fora nenhum conte˙do e sem esquecer os detalhes cobrados pelas bancas. Vamos ver as pegadinhas e as cascas de banana que s„o colocadas para escorregarmos na quest„o. TambÈm vou usar figuras, tabelas, gr·ficos e mapas de forma a sintetizar e esquematizar o conte˙do.

AlÈm do curso, recomendo enfaticamente que, como estudo complementar, vocÍ leia diariamente noticiais sobre BrasÌlia, o Distrito Federal e o Entorno em sites da internet. Nos interessam notÌcias sobre as cidades, as regiıes administrativas, os seus problemas, o seu desenvolvimento, questıes sociais, urbanas, econÙmicas e ambientais. … isso que vocÍ tem que ler. N„o nos interessam notÌcias sobre crimes, mortes, fofocas etc. Para essa leitura sugiro os sites do Correio Brasiliense, G1/Distrito Federal e BrasÌlia Agora. S„o entre 15 a 30 minutos di·rios de leitura que podem fazer toda a diferenÁa na hora da prova.

Quem quiser tambÈm pode me seguir no Facebook curtindo a minha fan page. Nela divulgo gabaritos extraoficiais de provas, publico artigos, compartilho notÌcias e informaÁıes importantes

do mundo atual. Segue o link: https://www.facebook.com/leandrosignoriatualidades.

Sem mais delongas, vamos aos estudos, porque o nosso objetivo È que vocÍ tenha um excelente desempenho na nossa disciplina.

Para isso, alÈm de estudar, vocÍ n„o pode ficar com nenhuma d˙vida. Portanto, n„o as deixe para depois. Surgindo a d˙vida, n„o hesite em contatar-me no nosso FÛrum.

Prof. Leandro Signori Aula 00 00 Realidade histÛrica do DF e RIDE 01 Aspectos da Geografia

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

2

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Estou aqui neste curso, muito motivado, caminhando junto com vocÍ, procurando passar o melhor conhecimento para a sua aprendizagem e sempre ‡ disposiÁ„o no FÛrum de D˙vidas.

”timos estudos e fiquem com Deus! Forte AbraÁo, Professor Leandro Signori

さT┌Sラ ヮラゲゲラ ミ;ケ┌WノW ケ┌W マW aラヴデ;ノWIWくざ

(Filipenses 4:13)

Sum·rio

  • 1 - Do Tratado de Tordesilhas ao surgimento de BrasÌlia

....................................................

4

  • 2 - A ideia mudancista

6

 
  • 3 - ConstruÁ„o de

11

  • 4 - InauguraÁ„o da nova capital

13

  • 5 - Fatores que levaram a transferÍncia da capital

14

 
  • 6 - Resumo

15

  • 7

Questıes comentadas

18

  • 8 Lista de questıes

28

 
  • 9 Gabarito

31

Prof. Leandro Signori Aula 00 Estou aqui neste curso, muito motivado, caminhando junto com vocÍ, procurando
Prof. Leandro Signori Aula 00 Estou aqui neste curso, muito motivado, caminhando junto com vocÍ, procurando

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

3

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Prof. Leandro Signori Aula 00 1 - D O T RATADO DE T ORDESILHAS AO SURGIMENTO

1 - DO TRATADO DE TORDESILHAS AO SURGIMENTO DE BRASÕLIA

 

Portugal e Espanha firmaram, em 1494, o Tratado de Tordesilhas, que determinava que as terras localizadas 370 lÈguas a oeste de Cabo Verde pertenceriam ‡ Espanha e ao leste, a Portugal. Por este tratado, parte do atual territÛrio de Goi·s e a maior parte do atual territÛrio do Centro- Oeste n„o pertenciam ‡ Portugal. Faziam parte das terras de El Rei de Espanha.

Ao longo do sÈculo XVI, o litoral brasileiro foi sendo povoado. Nesse mesmo sÈculo, houve algumas penetraÁıes esparsas para o interior do Brasil, sem, contudo, fixar o homem ao solo. No perÌodo de 1580 a 1640, Portugal esteve sob domÌnio espanhol, no que ficou conhecido como a Uni„o IbÈrica. Necessitando de recursos para bancar as diversas guerras em que estavam envolvidos (contra a Inglaterra, a Holanda e os Principados Alem„es), a Coroa espanhola estimulou a realizaÁ„o das entradas e bandeiras no Brasil, na tentativa de encontrar ouro em nosso territÛrio.

Como Portugal e Espanha estavam sob o mesmo reinado, a linha de Tordesilhas perdeu o seu sentido, embora o tratado n„o tenha sido revogado. Os bandeirantes avanÁaram para muito alÈm da linha, e o Brasil triplicou de tamanho. A expans„o da pecu·ria e as missıes jesuÌticas foram fatores que contribuÌram para essa expans„o.

Penetrando pelo interior do Brasil, em busca do ouro, os bandeirantes chegam ao territÛrio do atual estado de Goi·s. A primeira Bandeira de que se tem notÌcia em terras goianas data de 1590- 93, sob a direÁ„o de Domingos LuÌs Grau e de AntÙnio Macedo. Depois dessa, v·rias outras estiveram em Goi·s.

AlÈm dos bandeirantes, os jesuÌtas e capuchinhos viajaram pelas terras goianas. Eram as Descidas, que vinham do norte do paÌs para capturar Ìndios para suas aldeias na AmazÙnia. A primeira foi coordenada pelo padre CristÛv„o de Lisboa em 1625.

Prof. Leandro Signori Aula 00 1 - D O T RATADO DE T ORDESILHAS AO SURGIMENTO

Entradas, Bandeiras e Descidas

As Entradas eram organizadas pelo governo, com financiamento p˙blico. Geralmente procuravam respeitar os limites de Tordesilhas. A maioria das expediÁıes realizadas partiam da capital do Brasil, na Època, Salvador, na Bahia, ou atÈ mesmo de Pernambuco. Visavam primeiramente ‡ prospecÁ„o do territÛrio e de metais preciosos.

As Bandeiras eram expediÁıes particulares e n„o respeitavam os limites de Tordesilhas. Em geral, comeÁavam a partir da Vila de S„o Paulo de Piratininga, na Capitania de S„o Vicente (hoje S„o Paulo). Visavam primeiramente ‡ prospecÁ„o do territÛrio e de metais preciosos. TambÈm se dedicavam ao apresamento de Ìndios para escravizaÁ„o.

As Descidas eram expediÁıes realizadas pelos jesuÌtas ao interior do Brasil. Tinham como objetivo convencer os indÌgenas dessa regi„o a migrarem para regiıes prÛximas das suas missıes ou reduÁıes visando facilitar o trabalho de catequizaÁ„o. As principais missıes jesuÌticas ficavam no norte e no sul do paÌs.

Prof. Leandro Signori Aula 00 1 - D O T RATADO DE T ORDESILHAS AO SURGIMENTO

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

4

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Apesar dessas duas investidas, nem bandeirantes, nem jesuÌtas vinham para se fixar na terra. Dessa forma, Goi·s n„o possuÌa uma populaÁ„o branca; era habitada apenas pelos povos indÌgenas, pelo menos atÈ a descoberta dos primeiros veios aurÌferos.

O ouro vai ser descoberto em 1722 por Bartolomeu Bueno da Silva Filho (o Anhanguera filho), nas margens do rio Vermelho, no atual municÌpio de Goi·s. Quando da descoberta do ouro, o territÛrio do estado de Goi·s pertencia ‡ capitania de S„o Paulo, fato que perdurou atÈ 1748.

ApÛs a descoberta inicial, minas de ouro foram descobertas em outras localidades. No entanto, em Goi·s, a concentraÁ„o da extraÁ„o do ouro se deu principalmente na vila de Goi·s, nos arraiais de Santa Cruz, Meia Ponte (atual PirenÛpolis), Trayras, Crix·s e Flores e Santa Luzia (atual Luzi‚nia).

O contÌnuo avanÁo portuguÍs para alÈm da linha de Tordesilhas fez com que Portugal e Espanha assinassem um novo tratado de fronteiras, o Tratado de Madri, em 1750. Assinado em 13 de janeiro de 1750, na cidade espanhola de Madri, tinha como princÌpio b·sico o uti possidetis, ou ゲWテ;が さIラマラ ヮラゲゲ┌キゲが Iラミデキミ┌;キゲ ヮラゲゲ┌キミSラざく Foi somente com o Tratado de Madri que a totalidade do atual territÛrio de Goi·s e a maior parte do atual Centro-Oeste passaram a pertencer oficialmente ao Brasil, deixando de serem possess„o espanhola.

Tratados de Tordesilhas e de Madri

Prof. Leandro Signori Aula 00 Apesar dessas duas investidas, nem bandeirantes, nem jesuÌtas vinham para se
Prof. Leandro Signori Aula 00 Apesar dessas duas investidas, nem bandeirantes, nem jesuÌtas vinham para se

Uti Possidetis no Tratado de Madri (1750) possuÌsse, salvo o caso das cessıes m˙tuas.

Cada parte ficaria com o que atualmente

Prof. Leandro Signori Aula 00 Apesar dessas duas investidas, nem bandeirantes, nem jesuÌtas vinham para se

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

5

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

O ciclo do ouro foi curto em Goi·s, durou aproximadamente um sÈculo. Com o fim do ciclo, a regi„o entrou em declÌnio econÙmico e, consequentemente, perdeu em import‚ncia para a economia do paÌs. A regi„o se voltou para a agropecu·ria, din‚mica econÙmica que sÛ vai ser alterada com a implantaÁ„o da capital da Rep˙blica na segunda metade do sÈculo XX.

O surgimento de BrasÌlia deu um novo ‚nimo ‡ regi„o central do Brasil que passou a ter uma relaÁ„o direta com a nova capital, seja com a chegada de migrantes para toda a regi„o, pelo abastecimento dos mercados de BrasÌlia com gÍneros alimentÌcios, pela m„o de obra residente no entorno, que utiliza essas localidades como dormitÛrio, ou pelo uso dos equipamentos urbanos, como os hospitais p˙blicos.

A atual capital do estado da Bahia, Salvador, foi a primeira capital do Brasil, durante o perÌodo de 1549 a 1763, quando foi transferida para o Rio de Janeiro. Por quase dois sÈculos, atÈ 1960, a atual capital fluminense permaneceu como capital do Brasil. No ano de 1960 foi transferida para BrasÌlia.

2 - A IDEIA MUDANCISTA

 

Alguns estudos publicados atribuem o pioneirismo da ideia de interiorizaÁ„o da capital do Brasil a Francesco Tosi Colombina. CartÛgrafo italiano a serviÁo da Coroa portuguesa, Colombina esteve em Goi·s em 1749 e elaborou a Carta de Goi·s e das Capitanias PrÛximas, sugerindo a mudanÁa da capital do litoral para a regi„o central do paÌs. Mas h· indÌcios de que o MarquÍs de Pombal tenha sido o mentor da ideia, tendo Colombina realizado a expediÁ„o a seu mando. Pombal argumentava que a capital longe do litoral estaria mais segura e n„o ficaria vulner·vel ao ataque de naus inimigas. O marquÍs tambÈm foi o respons·vel pela transferÍncia, em 1763, da primeira capital do Brasil, atÈ ent„o Salvador, para o Rio de Janeiro.

Documentadamente, porÈm, a primeira sugest„o de se mudar a capital para o interior partiu dos Inconfidentes mineiros, em 1789, que pretendiam lev·-la para S„o Jo„o del-Rei, さヮラヴ ゲWヴ マ;キゲ HWマ ゲキデ┌;S; W a;ヴデ; Wマ マ;ミデキマWミデラゲざ, e associavam a mudanÁa ‡ implantaÁ„o do regime republicano. Os inconfidentes n„o consideravam correta a separaÁ„o entre o centro polÌtico (a capital) e o centro econÙmico (as Minas Geraes). Entre os inconfidentes aparecia tambÈm a preocupaÁ„o de afastar a capital de um porto marÌtimo onde ocorriam frequentes tumultos.

Em 1808, o jornalista HipÛlito JosÈ da Costa funda, em Londres, o jornal Correio Braziliense, que È editado atÈ o ano de 1813. Nesse perÌodo, em sucessivos artigos, ele tenta empolgar a opini„o p˙blica com a ideia da construÁ„o de uma nova capital no interior do Brasil. Nas p·ginas do jornal, que era editado em Londres e chegava clandestinamente ao Brasil, HipÛlito desbancava o Rio de J;ミWキヴラ ヮラヴ ミ?ラ デWヴ さミWミエ┌マ; S;ゲ ケ┌;ノキS;SWゲ ケ┌W ゲW ヴWケ┌WヴWマ ミ; IキS;SWが ケ┌W SWゲデキミa a ser a Capital Sラ IマヮYヴキラ Sラ Bヴ;┣キノざく

HipÛlito utilizou argumentos relativos ‡ seguranÁa, de ordem econÙmica, polÌtica e demogr·fica. No aspecto da seguranÁa tambÈm bateu na tecla de que o Rio de Janeiro, sendo uma capital marÌtima, ficava vulner·vel ao ataque de estrangeiros. Para o jornalista, a ent„o localizaÁ„o da capital dificultava as comunicaÁıes com as demais regiıes do vasto territÛrio brasileiro.

Prof. Leandro Signori Aula 00 O ciclo do ouro foi curto em Goi·s, durou aproximadamente um

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

6

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

J· em 1821, JosÈ Bonif·cio de Andrada e Silva preparou uma minuta de reivindicaÁıes da bancada brasileira junto ‡ Corte Constituinte em Lisboa, onde fazia constar a necessidade da construÁ„o de uma capital no centro do paÌs. Seguindo a orientaÁ„o de JosÈ Bonif·cio, os deputados constituintes brasileiros conseguiram incluir a construÁ„o no Parecer da Comiss„o Encarregada da RedaÁ„o dos Artigos Adicionais ‡ ConstituiÁ„o Portuguesa Referentes ao Brasil, de 1822.

ApÛs a IndependÍncia do Brasil, JosÈ Bonif·cio continuou a lutar pela mudanÁa da capital. Na primeira Constituinte no ImpÈrio Brasileiro, em 1823, propÙs a instalaÁ„o da capital na recÈm-criada comarca de Paracatu, com o nome de さBヴ;ゲケノキ; ラ┌ PWデヴルヮラノWざ. JosÈ Bonif·cio argumentou que uma nova capital no interior estimularia a economia e o comÈrcio.

O historiador Francisco Adolfo de Varnhagen defendeu a mudanÁa da capital em documentos que redigiu entre 1839 e 1877, ano em que publicou o livreto さá Q┌Wゲデ?ラ S; C;ヮキデ;ノ M;ヴケデキマ; ラ┌ ミラ IミデWヴキラヴざ. Nesse mesmo ano fez uma visita pr·tica ao local, onde definiu o lugar mais apropriado para a construÁ„o da futura capital: um tri‚ngulo formado pelas lagoas Feia, Formosa e Mestre Sげáヴマ;ゲ. Sugeriu o nome de ImperatÛria para a nova capital, que seria a sede do ImpÈrio.

Data de 1883 o famoso sonho de Dom Bosco, que È associado a BrasÌlia. Sacerdote catÛlico italiano, ele sonhou que fazia uma viagem ‡ AmÈrica do Sul continente que jamais visitou. No sonho, ele passou por v·rias terras entre a ColÙmbia e o sul da Argentina, vislumbrando povos e riquezas. Ao chegar ‡ regi„o entre os paralelos 15 e 20 , viu um local especial, onde, nas palavras

SW ┌マ ;ミテラ ケ┌W ラ ;Iラマヮ;ミエ;┗; Wマ ゲ┌; ┗キゲ?ラが ;ヮ;ヴWIWヴキ; さ; デWヴヴ; ヮヴラマWデキS;ざ W ケ┌W ゲWヴキ; さ┌マ; ヴキケ┌W┣; キミIラミIWHケ┗Wノざく

さEミデヴW ラゲ ェヴ;┌ゲ ヱヵ W ヲヰ エ;┗キ; ┌マ; WミゲW;S; H;ゲデ;ミデW ノラミェ; W H;ゲデ;ミデW ノ;ヴェ;が ケ┌W ヮ;ヴデキ; SW ┌マ ヮラミデラ ラミSW ゲW aラヴマ;┗; um lago. Disse ent„o uma voz repetidamente: Quando se vierem a escavar as minas escondidas no meio destes montes, aparecer· aqui a terra prometida, de onde jorrar· leite e mel. Ser· uma riqueza キミIラミIWHケ┗Wノざ.

BrasÌlia est· localizada no mesmo espaÁo geogr·fico delimitado pelo sonho, erguida ‡s margens do Lago Parano· por esse motivo, Dom Bosco È o padroeiro da cidade, ao lado de Nossa Senhora Aparecida.

Com o advento da Rep˙blica, o debate ressurgiu. A construÁ„o da Capital Federal ficou consolidada no artigo 3 da ConstituiÁ„o da Rep˙blica de 1891, que estabelece:

Fica pertencente ‡ Uni„o, no Planalto Central, uma zona de 14.000 km , que ser· oportunamente demarcada, para nela estabelecer-se a futura Capital Federal.

Floriano Peixoto, o segundo presidente da rep˙blica, pretendendo dar continuidade ao que tinha sido determinado pelo texto da ConstituiÁ„o, instituiu, em 1892, a Comiss„o Exploradora do Planalto Central do Brasil, chefiada por LuÌs Cruls. ApÛs pesquisa de campo, em 1893, a comiss„o apresentou relatÛrio que delimitava, na mesma zona indicada por Varnhagen, uma ·rea retangular de 90 x 160 km, que ficou conhecida como Quadril·tero Cruls. Os relatÛrios da comiss„o eram documentos cientÌficos substanciosos, com extenso detalhamento das condiÁıes geogr·ficas,

Prof. Leandro Signori Aula 00 J· em 1821, JosÈ Bonif·cio de Andrada e Silva preparou uma

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

7

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

morfolÛgicas, clim·ticas e topogr·ficas do sÌtio escolhido. O Ret‚ngulo Cruls imediatamente passou a figurar em todos os mapas brasileiros doravante publicados na Rep˙blica Velha.

Prof. Leandro Signori Aula 00 morfolÛgicas, clim·ticas e topogr·ficas do sÌtio escolhido. O Ret‚ngulo Cruls imediatamente

Mapa do Brasil do inÌcio da Rep˙blica, com a demarcaÁ„o da ·rea destinada ‡ futura capital

Fonte: IBGE

ApÛs essa expediÁ„o, devido ‡s dimensıes desse empreendimento, o plano de construÁ„o foi um pouco esquecido. PorÈm, no dia do Centen·rio da IndependÍncia, o presidente Epit·cio Pessoa mandou erigir no Morro do Centen·rio, em Planaltina, um obelisco com os seguintes dizeres:

Sendo Presidente da Rep˙blica o Exmo. Sr. Dr. Epit·cio da Silva PessÙa, em cumprimento ao disposto no decreto 4494 de 18 de janeiro de 1922, foi aqui collocada em 7 de setembro de 1922, ao meio-dia, a Pedra Fundamental da Futura Capital Federal dos Estados Unidos do Brasil. (Pedra fundamental de BrasÌlia)

Nos anos que se seguem, o Brasil passa por sucessivas mudanÁas: duas ConstituiÁıes s„o promulgadas, a de 1934 e a de 1937. Na ConstituiÁ„o de 1934, a ideia de transferÍncia da capital constava do artigo 4 das DisposiÁıes TransitÛrias, conforme segue:

Prof. Leandro Signori Aula 00 morfolÛgicas, clim·ticas e topogr·ficas do sÌtio escolhido. O Ret‚ngulo Cruls imediatamente

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

8

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Ser· transferida a Capital da Uni„o para um ponto central do Brasil. O Presidente da Rep˙blica, logo que esta ConstituiÁ„o entrar em vigor, nomear· uma Comiss„o, que, sob instruÁıes do Governo, proceder· a estudos de v·rias localidades adequadas ‡ instalaÁ„o da Capital. ConcluÌdos tais estudos, ser„o presentes ‡ C‚mara dos Deputados, que escolher· o local e tomar· sem perda de tempo as providÍncias necess·rias ‡ mudanÁa. Efetuada esta, o atual Distrito Federal passar· a constituir um Estado.

O dispositivo constitucional n„o teve consequÍncia pr·tica e, durante a Era Vargas, n„o foram tomadas medidas efetivas visando ‡ transferÍncia da capital. Com o fim do Estado Novo e a redemocratizaÁ„o do Brasil, uma nova constituiÁ„o foi elaborada em 1946, em que constava a transferÍncia da capital para o planalto central e a nomeaÁ„o de uma comiss„o para proceder ao estudo da localizaÁ„o da nova capital:

Art 4 - A Capital da Uni„o ser· transferida para o planalto central do Pais. ß 1 - Promulgado este Ato, o Presidente da Rep˙blica, dentro em sessenta dias, nomear· uma Comiss„o de tÈcnicos de reconhecido valor para proceder ao estudo da localizaÁ„o da nova Capital. ß 2 - O estudo previsto no par·grafo antecedente ser· encaminhado ao Congresso Nacional, que deliberar· a respeito, em lei especial, e estabelecer· o prazo para o inÌcio da delimitaÁ„o da ·rea a ser incorporada ao domÌnio da Uni„o. ß 3 - Findos os trabalhos demarcatÛrios, o Congresso Nacional resolver· sobre a data da mudanÁa da Capital. ß 4 - Efetuada a transferÍncia, o atual Distrito Federal passar· a constituir o Estado da Guanabara.

Ainda em 1946, o presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou a Comiss„o de Estudos para a localizaÁ„o da nova Capital do Brasil, presidida pelo chefe do ServiÁo Geogr·fico do ExÈrcito, general Djalma Polli Coelho. Em 1948, a Comiss„o entregou relatÛrio em que confirmou a excelente qualidade da ·rea proposta pela Miss„o Cruls para nela ser construÌda a nova capital. No entanto, propÙs uma ·rea bem maior para o futuro Distrito Federal, de 77.254 km .

O relatÛrio somente foi aprovado pelo Congresso Nacional no inÌcio de 1953. Nesse ano, por meio da Lei n 1.803 de 5/01/1953, o Legislativo autorizou o Poder Executivo a realizar os estudos definitivos para a escolha do sÌtio da nova capital na ·rea compreendida pelos paralelos 15 30' e 17 Sul, e pelos meridianos 46 30' e 49 30' a oeste de Greenwich. As coordenadas dessa ·rea formavam um ret‚ngulo de 52.000 km . Ou seja, n„o foram aprovados os 77.254 km propostos pela Comiss„o Polli Coelho.

A lei determinou que, em torno do sÌtio a ser escolhido, fosse demarcada uma ·rea aproximada de 5.000km que deveria conter, da melhor forma, os requisitos necess·rios ‡ constituiÁ„o do Distrito Federal e que seria incorporado ao PatrimÙnio da Uni„o. Ressalta-se que os estudos deveriam ser feitos considerando uma cidade para 500.000 habitantes.

Dando seguimento ao disposto na lei, por meio do Decreto n 32.976, de 8/01/1953, foi instituÌda, pelo presidente Get˙lio Vargas, a Comiss„o de LocalizaÁ„o da Nova Capital Federal

Prof. Leandro Signori Aula 00 Ser· transferida a Capital da Uni„o para um ponto central do

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

9

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

presidida pelo General Aguinaldo Caiado de Castro. Essa comiss„o foi posteriormente transformada em Comiss„o de Planejamento da ConstruÁ„o e da MudanÁa da Capital Federal, por meio do Decreto n 38.281, de 9/12/1955, continuando a ser presidida por Aguinaldo Caiado, sendo posteriormente substituÌdo pelo Marechal JosÈ Pessoa Cavalcanti de Albuquerque.

Prof. Leandro Signori Aula 00 presidida pelo General Aguinaldo Caiado de Castro . Essa comiss„o foi

A comiss„o contratou a empresa Cruzeiro do Sul Aerofotogrametria que, em quatro meses, fotografou toda a ·rea de 52.000 Km . Os estudos de fotoan·lise e fotointerpretaÁ„o foram realizados pela empresa norte-americana Donald J. Belcher and Associates. Cinco sÌtios denominados por cores (castanho, verde, azul, vermelho e amarelo) foram selecionados para, entre esses, ser escolhida a ·rea onde seria construÌda a nova capital.

A decis„o final recaiu sobre o SÌtio Castanho, escolhido para sediar a nova capital devido ‡s suas condiÁıes naturais e por ter ligaÁ„o rodovi·ria com Formosa e Cristalina, acrescenta-se tambÈm o fator n„o tÈcnico da beleza natural da regi„o que se via do marco do cruzeiro e que tanto impressionou JK. Os estudos de localizaÁ„o s„o concluÌdos em 1955 e aprovados pelo presidente CafÈ Filho.

No mapa a seguir podemos observar os limites atuais do Distrito Federal. Repare que ele se encontra praticamente na ·rea demarcada pela Miss„o Cruls, o quadril·tero Cruls. Podemos ver tambÈm a demarcaÁ„o proposta por Poli Coelho e o Ret‚ngulo Belcher, onde verifica-se os cinco sÌtios propostos para a definiÁ„o da localizaÁ„o da nova capital: Castanho, Verde, Azul, Vermelho e Amarelo.

Prof. Leandro Signori Aula 00 presidida pelo General Aguinaldo Caiado de Castro . Essa comiss„o foi

Fonte: Distrito Federal paisagem, populaÁ„o e poder M. Peluso e W. Candido

Prof. Leandro Signori Aula 00 presidida pelo General Aguinaldo Caiado de Castro . Essa comiss„o foi

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

10

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Em 04 de abril de 1955, Juscelino Kubitschek (JK) d· inÌcio a sua campanha para a PresidÍncia da Rep˙blica com um comÌcio na cidade de JataÌ, em Goi·s. Nos seus discursos, JK sempre defendia o respeito ‡ ConstituiÁ„o e ‡s leis. Ao ser perguntado se, caso eleito, respeitaria a ConstituiÁ„o e mudaria a capital federal para o Planalto, de acordo com o que ela determinava, respondeu que cumpriria com o que a ConstituiÁ„o decretava. Ou seja, assumiu o compromisso de construir a nova capital do Brasil no Planalto Central.

A partir daÌ, a construÁ„o da nova capital passou a ser uma das metas do seu Plano de Metas. O plano continha 30 metas, inicialmente a nova capital n„o estava na lista das metas, mas passou a constar como a 31 meta, a meta-sÌntese.

Prof. Leandro Signori Aula 00 Em 04 de abril de 1955, Juscelino Kubitschek (JK) d· inÌcio
(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014) A respeito do Plano Piloto de BrasÌlia, julgue o item a seguir.
(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014)
A respeito do Plano Piloto de BrasÌlia, julgue o item a seguir.
As dimensıes e os limites territoriais atuais do Distrito Federal s„o os mesmos propostos pelo
relatÛrio da Comiss„o Exploradora do Planalto Central chefiada pelo cientista belga Luiz Cruls.
COMENT£RIOS:
A ·rea atual do Distrito Federal È de 5.780 km . N„o vamos nos esquecer de que a
ConstituiÁ„o de 1891 estabeleceu como pertencente ‡ Uni„o, no Planalto Central, uma ·rea de
14.000 km , para nela estabelecer-se a futura Capital Federal. O que a Comiss„o Exploradora
do Planalto Central, chefiada pelo cientista belga Luiz Cruls, fez foi demarcar essa ·rea.
A Comiss„o demarcou uma ·rea de 14.400 km , a qual ficou conhecida como Ret‚ngulo
Cruls ou Quadril·tero Cruls. Conclui-se que as dimensıes e os limites territoriais atuais do
Distrito Federal n„o s„o os mesmos propostos pelo relatÛrio da Comiss„o Exploradora do
Planalto Central. A atual ·rea do Distrito Federal È menor do que a proposta no RelatÛrio Cruls.
Gabarito: Errado
3 - CONSTRU« O DE BRASÕLIA

J· como Presidente da Rep˙blica, Juscelino Kubitschek encaminhou, em 18 de abril de 1956, ao Congresso Nacional a chamada Mensagem de An·polis, propondo, entre outras medidas, a criaÁ„o da Companhia Urbanizadora da Nova Capital, a futura Novacap, respons·vel pelo planejamento e execuÁ„o da construÁ„o da nova capital e o nome de BrasÌlia para a nova capital. Aprovado pelo Congresso Nacional em 19 de setembro de 1956, o projeto se converteu na Lei n

2.874/1956.

Prof. Leandro Signori Aula 00 Em 04 de abril de 1955, Juscelino Kubitschek (JK) d· inÌcio

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

11

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

O engenheiro Israel Pinheiro foi indicado como presidente da Novacap, e o arquiteto Oscar Niemeyer como diretor tÈcnico, e quem coube organizar o concurso para a criaÁ„o do projeto urbanÌstico do n˙cleo da cidade, o chamado Plano Piloto.

Nesse mesmo ano, foi lanÁado o edital do concurso do Plano Piloto, publicado no Di·rio Oficial de 30 de setembro de 1956. Venceu o concurso o urbanista L˙cio Costa que apresentou uma ideia ゲキマヮノWゲ W マラSWゲデ;が Iラミゲデキデ┌ケS; SW Sラキゲ デヴ;Nラゲが H;ゲW;S; ミラ さゲキミ;ノ S; Iヴ┌┣ざが ラ┌ ゲWテ;が Sラキゲ eixos, que se cruzam formando um ‚ngulo reto. O projeto teve que se adaptar ‡ topografia do local, ao escoamento natural das ·guas e ao represamento para se criar o Lago Parano·, para isso se arqueou um dos eixos, deixando de ter a forma de cruz para ter a forma de um grande avi„o (p·ssaro). O さIラヴヮラ Sラ ;┗キ?ラざ デラヴミラ┌-se o Eixo Monumental; no centro foi construÌda a rodovi·ria, ligando os dois eixos rodovi·rios asas do avi„o/p·ssaro.

O

Plano Piloto

foi

zoneado em

·reas especÌficas para cada tipo de uso: residencial,

administrativo, comercial, industrial, recreativo, cultural e assim por diante. Para minimizar problemas de circulaÁ„o, os cruzamentos foram eliminados por meio da intersecÁ„o de avenidas em

passagens de nÌvel.

Em 2 de outubro, Juscelino visitou a regi„o, quando fez a seguinte proclamaÁ„o: さDWゲデW planalto central, desta solid„o que em breve se transformar· em cÈrebro das altas decisıes nacionais, lanÁo os olhos mais uma vez sobre o amanh„ do meu paÌs e antevejo esta alvorada com fÈ inquebrant·veノ W ┌マ; Iラミaキ;ミN; ゲWマ ノキマキデWゲ ミラ ゲW┌ ェヴ;ミSW SWゲデキミラざ. Logo em seguida j· se iniciavam as obras de terraplanagem.

Como j· dissemos, L˙cio Costa foi o respons·vel pelo projeto urbanÌstico. Os projetos arquitetÙnicos de BrasÌlia couberam a Oscar Niemeyer.

BrasÌlia foi construÌda num ritmo febril e atraiu dezenas de milhares de trabalhadores de v·rios pontos do Brasil, conhecidos como candangos, vieram principalmente do Nordeste. A grande maioria desses trabalhadores saiu da terra natal com uma mala e pouquÌssimo dinheiro ‡s vezes nem isso, sÛ com a roupa do corpo e lotavam a carroceria dos caminhıes para viajar dias e dias em estradas prec·rias, de terra batida, atÈ o local demarcado para a construÁ„o de BrasÌlia. Muitos deixaram para tr·s mulher, filhos, familiares e a convivÍncia nas localidades, nos lugares, de onde partiram.

A jornada de trabalho era intensa, os alojamentos eram insalubres, a alimentaÁ„o n„o era de boa qualidade e os sal·rios eram baixos. Praticamente, os candangos n„o tinham folga, feriado ou final de semana. Era preciso construir BrasÌlia em tempo recorde, a ponto de ser inaugurada ainda no governo de JK. ManifestaÁıes por melhores condiÁıes de trabalho eram repelidas com violÍncia pela Guarda Especial de BrasÌlia (GEB).

Para abrigar esses trabalhadores, v·rios n˙cleos de moradia surgiram em torno do Plano Piloto. A principal concentraÁ„o foi a Cidade Livre, atual N˙cleo Bandeirante.

A construÁ„o de BrasÌlia enfrentou muitas resistÍncias polÌticas. V·rios segmentos polÌticos colocaram-se contra a transferÍncia da capital do Rio de Janeiro para BrasÌlia. A Uni„o Democr·tica Nacional (UDN), por exemplo, foi contra a transferÍncia da capital e convocou uma Comiss„o Parlamentar de InquÈrito (CPI) para investigar irregularidades na construÁ„o de BrasÌlia, em 1958. Essa CPI foi protelada atÈ a inauguraÁ„o do novo Distrito Federal, em 21 de abril de 1960.

Prof. Leandro Signori Aula 00 O engenheiro Israel Pinheiro foi indicado como presidente da Novacap, e

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

12

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

O nome Plano Piloto

n„o

tem a ver com o formato de
tem
a
ver
com
o formato de

um avi„o. Todos os projetos

apresentados no concurso p˙blico chamavam-se de Plano-Piloto de BrasÌlia. L˙cio Costa considerava a analogia aceit·vel, mas deixava claro que BrasÌlia n„o foi projetada pensando no formato de um avi„o. Para ele, a cidade poderia ser comparada ao formato de uma borboleta.

Prof. Leandro Signori Aula 00 O nome Plano Piloto n„o tem a ver com o formato
(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014) A respeito do Plano Piloto de BrasÌlia, julgue o item a seguir.
(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014)
A respeito do Plano Piloto de BrasÌlia, julgue o item a seguir.
A Companhia Urbanizadora da Nova Capital (NOVACAP) foi constituÌda pelo governo federal
para planejar e executar a construÁ„o de BrasÌlia em seus diversos aspectos.
COMENT£RIOS:
A NOVACAP foi criada em 1956 com o objetivo de construir a nova capital federal, BrasÌlia.
A estatal era respons·vel, alÈm das obras p˙blicas e urbanizaÁ„o, pelo fornecimento de
energia, abastecimento de ·gua, tratamento de esgoto, assim como a administraÁ„o das terras
p˙blicas do Distrito Federal. Com o desenvolvimento da cidade, ela foi desmembrada em
empresas independentes e especÌficas: Companhia EnergÈtica de BrasÌlia, Caesb e Terracap.
Nラ Wミデ;ミデラが Wゲデ= ミ; ゲ┌; ノWキ SW Iヴキ;N?ラ ケ┌W ラ ゲW┌ ラHテWデキ┗ラ Wヴ; ラ さヮノ;ミWテ;マento e execuÁ„o
Sラ ゲWヴ┗キNラ SW ノラI;ノキ┣;N?ラが ┌ヴH;ミキ┣;N?ラ W Iラミゲデヴ┌N?ラ S; a┌デ┌ヴ; I;ヮキデ;ノざく O W┝;マキミ;Sラヴ aラキ ;ラ ヮY
da lei n 2.874/56.
Gabarito: Certo
4 - INAUGURA« O DA NOVA CAPITAL

BrasÌlia foi inaugurada em 21 de abril de 1960, inconclusa, pois temia-se que, se a capital n„o fosse transferida no governo de JK, isso poderia ser suspenso no prÛximo governo, dependendo de quem chegasse ao poder.

Muitos edifÌcios importantes eram sÛ um esqueleto vazio, outros sequer haviam saÌdo do projeto. A carÍncia de habitaÁıes finalizadas obrigou muitos Ûrg„os administrativos instalados no Rio de Janeiro a retardarem sua transferÍncia, em vista da impossibilidade de acomodar seus funcion·rios. As embaixadas tambÈm n„o puderam funcionar imediatamente. As obras continuaram pelo menos atÈ a dÈcada de 1970, quando suas principais estruturas foram concluÌdas.

Prof. Leandro Signori Aula 00 O nome Plano Piloto n„o tem a ver com o formato

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

13

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Durante os governos de J‚nio Quadros e de Jo„o Goulart, 1961 a 1964, a construÁ„o da cidade e a transferÍncia de Ûrg„os da antiga capital, Rio de Janeiro, fica quase estagnada. A partir de 1964, Castelo Branco e os demais presidentes militares que o sucederam consolidam BrasÌlia como a capital, de fato, do paÌs.

5 - FATORES QUE LEVARAM ¿ TRANSFER NCIA DA CAPITAL

 

De acordo com alguns autores, a ideia mudancista, ao longo do tempo, pode ser justificada pelos seguintes fatores:

1) SeguranÁa Nacional - acreditava-se que, com a capital no litoral, ela estaria mais vulner·vel a ataques estrangeiros. Esse argumento militar-estratÈgico teve como percussor HipÛlito JosÈ da Costa e influenciou tanto os primeiros republicanos como tambÈm os militares apÛs a 2™ Guerra Mundial. Acreditava-se que, com a capital no interior, a ameaÁa da invas„o seria pouco significativa.

2) InteriorizaÁ„o do povoamento e do desenvolvimento e integraÁ„o nacional devido a fatores econÙmicos e histÛricos, a populaÁ„o brasileira concentrou-se na faixa litor‚nea, ficando o interior do paÌs pouco povoado e economicamente esquecido, assim, a transferÍncia da capital para o interior forÁaria o deslocamento de um contingente populacional e a abertura de rodovias, ligando a capital ‡s diversas regiıes do paÌs, o que levaria a uma maior integraÁ„o econÙmica. 3) SÌmbolo do Brasil Novo No governo JK (1956-1960), o Brasil passa por r·pidas

transformaÁıes. O Plano de Metas abre a economia ao capital estrangeiro e a entrada em larga

WゲI;ノ; SW WマヮヴWゲ;ゲ マ┌ノデキミ;Iキラミ;キゲ a;┣ Iラマ ケ┌W ラ ヮ;ケゲ ヮ;ゲゲW ヮWノ; さマラSWヴミキ┣;N?ラざが ラ┌ ゲWテ;が SWキ┝;┗;

de ser rural e foi se tornando predominantemente urbano-industrial. A construÁ„o da nova capital (com base na concepÁ„o arquitetÙnica e urbanÌstica moderna) deveria funcionar como exemplo a ser seguido pelas demais cidades brasileiras.

Bヴ;ゲケノキ; aラキ さヮノ;ミWテ;S;ざ ヮ;ヴ; ミ?ラ デWヴ Wミェ;ヴヴ;a;マWミデラゲが ミWマ ヮラHヴWゲが ミWマ マWミSキェラゲく “Wヴキ; ;

capital da equidade social, com boa qualidade de vida. Parte do planejamento n„o vingou e, hoje, o

Distrito Federal n„o foge ‡ regra das demais cidades brasileiras, ou seja, este espaÁo geogr·fico apresenta os mesmos problemas dos grandes centros urbanos como periferizaÁ„o, falta de infraestrutura, desemprego, violÍncia e degradaÁ„o do meio ambiente.

4) Afastar os governantes (a capital) da concentraÁ„o de atividades e das pressıes

populares o Rio de Janeiro, como centro tradicional do paÌs, abrigava uma extrema concentraÁ„o de atividades (portos, ind˙strias, comÈrcio, atividade intelectual etc.) e forte press„o demogr·fica; sendo assim, o governo ficava sujeito ‡s pressıes populares, que se manifestavam sob a forma de ヮ;ゲゲW;デ;ゲ W さケ┌WHヴ;-ケ┌WHヴ;ゲざく á デヴ;ミゲaWヴZミIキ; S; I;ヮキデ;ノ ヮ;ヴ; ラ さマWキラ Sラ ミ;S;ざが ラ IWヴヴ;Sラ Sラ planalto central, tinha a funÁ„o de isolar os governantes que atendiam aos interesses da elite dominante em detrimento dos anseios populares.

Prof. Leandro Signori Aula 00 Durante os governos de J‚nio Quadros e de Jo„o Goulart, 1961

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

14

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014) A respeito do Plano Piloto de BrasÌlia, julgue o item a seguir.
(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014)
A respeito do Plano Piloto de BrasÌlia, julgue o item a seguir.
Os objetivos da transferÍncia da capital do Brasil para o Planalto Central incluem o estÌmulo ao
povoamento e ao desenvolvimento das regiıes interioranas do paÌs, em face de a grande
maioria da populaÁ„o brasileira estar concentrada nesse perÌodo nas regiıes prÛximas ao
litoral.
COMENT£RIOS:
A proposta de transferÍncia da capital do Brasil para o Planalto Central tinha como
objetivos a defesa nacional e o desenvolvimento do interior, em face de a grande maioria da
populaÁ„o brasileira e as atividades econÙmicas estarem concentradas nas regiıes prÛximas
ao litoral.
Gabarito: Certo
6 - RESUMO
  • 1. IndÌgenas foram os primeiros habitantes da ·rea onde atualmente se localiza o Distrito Federal.

  • 2. Salvador, atual capital da Bahia, foi a primeira capital do Brasil, de 1549 a 1763.

  • 3. Rio de Janeiro, atual capital do estado de mesmo nome, foi a segunda capital do Brasil, de 1763

a 1960.

  • 4. A ideia mudancista È antiga e data do perÌodo colonial.

  • 5. Principais momentos da ideia mudancista:

    • 1749 Francisco Tosi Colombina elaborou a Carta de Goi·s e das Capitanias PrÛximas, sugerindo a

mudanÁa da capital do litoral para a regi„o central do paÌs. H· indÌcios de que o MarquÍs de Pombal

tenha sido o mentor da ideia. O MarquÍs argumentava que a capital longe do litoral estaria mais segura e n„o ficaria vulner·vel ao ataque de naus inimigas.

  • 1789 - Participantes da InconfidÍncia Mineira n„o consideravam correta a separaÁ„o entre o centro

polÌtico (a capital) e o centro econÙmico (as Minas Geraes). Defenderam a tese de mudanÁa da

capital para S„o Jo„o del-Rei.

1808/1813 HipÛlito JosÈ da Costa defendeu, em sucessivos artigos, no jornal Correio Braziliense, a ideia da construÁ„o de uma nova capital no interior do Brasil. Utilizou argumentos relativos ‡ seguranÁa, de ordem econÙmica, polÌtica e demogr·fica.

Prof. Leandro Signori Aula 00 (CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014) A respeito do Plano Piloto de BrasÌlia,

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

15

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

  • 1821 - JosÈ Bonif·cio defendeu, na Corte Constituinte, em Lisboa, a mudanÁa da capital para o

centro do paÌs.

  • 1823 Jose Bonif·cio apresenta, na primeira constituinte do ImpÈrio Brasileiro, projeto para

mudanÁa da capital e sugere o nome さBヴ;ゲケノキ;ざ ou さPWデヴルヮラノWざ para a nova cidade.

  • 1839 a 1877 - Francisco Adolfo de Varnhagen defendeu a mudanÁa da capital em v·rias publicaÁıes

ヮラゲデWヴキラヴマWミデW ヮ┌HノキI;S;ゲ ミラ ノキ┗ヴWデラ さá Q┌Wゲデ?ラ S; C;ヮキデ;ノ M;ヴケデキマ; ラ┌ ミラ IミデWヴキラヴざく Eマ ヱΒΑΑ aW┣

uma visita pr·tica ao local, onde definiu o lugar mais apropriado para a construÁ„o da futura capital. Sugeriu o nome de ImperatÛria para a nova capital, que seria a sede do ImpÈrio.

  • 1883 - Sonho de Dom Bosco, que È associado ‡ BrasÌlia. O sacerdote italiano sonhou que fazia uma

viagem ‡ AmÈrica do Sul continente que jamais visitou, passando por v·rias terras. Ao chegar ‡ regi„o entre os paralelos 15 e 20 , viu um local especial, onde, nas palavras de um anjo que o acラマヮ;ミエ;┗; Wマ ゲ┌; ┗キゲ?ラが ;ヮ;ヴWIWヴキ; さ; デWヴヴ; ヮヴラマWデキS;ざ W ケ┌W ゲWヴキ; さ┌マ; ヴキケ┌W┣; キミIラミIWHケ┗Wノざく BrasÌlia est· localizada no mesmo espaÁo geogr·fico delimitado pelo sonho.

  • 1891 - ConstruÁ„o da Capital Federal ficou consolidada no artigo 3 da ConstituiÁ„o da Rep˙blica de

1891, que estabeleceu: Fica pertencente ‡ Uni„o, no Planalto Central, uma zona de 14.000 km , que ser· oportunamente demarcada, para nela estabelecer-se a futura Capital Federal.

1892-1893 - Comiss„o Exploradora do Planalto Central do Brasil, chefiada por LuÌs Cruls, demarcou ·rea de 14.400 km2 considerada adequada para a futura capital. A ·rea ficou conhecida como さQ┌;Sヴキノ=デWヴラ ラ┌ RWデ>ミェ┌ノラ Cヴ┌ノゲざ.

7/9/1922 Centen·rio da IndependÍncia CラノラI;S; ; ヮWSヴ; a┌ミS;マWミデ;ノ さS; a┌デ┌ヴ; I;ヮキデ;ノ aWSWヴ;l Sラゲ Eゲデ;Sラゲ UミキSラゲ Sラ Bヴ;ゲキノざが ミラ Morro do Centen·rio, perto da cidade de Planaltina, no perÌmetro do atual Distrito Federal.

ConstituiÁ„o de 1934 Artigo estabeleceu a transferÍncia da capital para um ponto central do Brasil e a nomeaÁ„o de uma comiss„o para proceder ao estudo de localidades adequadas ‡ instalaÁ„o da capital a ser enviado ‡ C‚mara dos Deputados que escolheria o local e tomaria as providÍncias necess·rias ‡ mudanÁa. O dispositivo constitucional n„o teve consequÍncia pr·tica.

ConstituiÁ„o de 1946 Artigo estabeleceu a transferÍncia da capital para o planalto central e a nomeaÁ„o de uma comiss„o para proceder ao estudo de localizaÁ„o da nova capital a ser enviado ao Congresso Nacional para deliberaÁ„o e resolver sobre a data da mudanÁa da capital.

  • 1946 - Comiss„o de Estudos para a LocalizaÁ„o da Nova Capital do Brasil presidida pelo General

Djalma Poli Coelho atestou a excelente qualidade do lugar j· prÈ-estabelecido para a construÁ„o da futura capital. No entanto, propÙs uma ·rea bem maior para o futuro Distrito Federal, de 77.254 km .

  • 1953 InstituÌda a Comiss„o de LocalizaÁ„o da Nova Capital Federal, presidida pelo general

Aguinaldo Caiado de Castro, transformada, em 1955, em Comiss„o de Planejamento da ConstruÁ„o e da MudanÁa da Capital Federal, continuando a ser presidida por Aguinaldo Caiado, posteriormente substituÌdo pelo Marechal JosÈ Pessoa Cavalcanti de Albuquerque. Contratada a empresa Cruzeiro do Sul Aerofotogrametria que fotografou uma ·rea de 52.000 Km . Os estudos de fotoan·lise e de fotointerpretaÁ„o foram realizados pela empresa norte-americana Donald J. Belcher

and Associates. Cinco sÌtios denominados por cores (castanho, verde, azul, vermelho e amarelo)

Prof. Leandro Signori Aula 00 1821 - JosÈ Bonif·cio defendeu, na Corte Constituinte, em Lisboa, a

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

16

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

foram selecionados para, entre esses, ser escolhida a ·rea onde seria construÌda a nova capital. Escolhido o SÌtio Castanho.

4/04/1955 ComÌcio de JK em JataÌ Goi·s.

18/4/1956 に JK WミI;マキミエ; ;ラ CラミェヴWゲゲラ ; さMWミゲ;ェWマ SW áミ=ヮラノキゲざが ヮヴラヮラミSラが WミデヴW ラ┌デヴ;ゲ medidas, a criaÁ„o da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (NOVACAP) e o nome de BrasÌlia para a nova capital.

19/09/1956 Mensagem de An·polis aprovada, convertendo-se na Lei n 2.874/1956.

  • 6. JK Plano de Metas. 31 meta, meta-sÌntese, construÁ„o da nova capital.

  • 7. Fatores que levaram ‡ transferÍncia da capital - SeguranÁa nacional; InteriorizaÁ„o do

povoamento e do desenvolvimento e integraÁ„o nacional; SÌmbolo do Brasil Novo; e Afastar os governantes (a capital) da concentraÁ„o de atividades e das pressıes populares.

  • 8. BrasÌlia - projeto urbanÌstico: L˙cio Costa; projetos arquitetÙnicos: Oscar Niemeyer.

  • 9. Israel Pinheiro primeiro presidente da Novacap.

    • 10. BrasÌlia foi construÌda num ritmo febril e atraiu dezenas de milhares de trabalhadores de v·rios

pontos do Brasil. Conhecidos como candangos, vieram principalmente do Nordeste. A jornada de trabalho era intensa, os alojamentos eram insalubres, a alimentaÁ„o n„o era de boa qualidade e os sal·rios eram baixos. Praticamente, os candangos n„o tinham folga, feriado ou final de semana.

ManifestaÁıes por melhores condiÁıes de trabalho eram repelidas com violÍncia pela Guarda Especial de BrasÌlia (GEB). Para abrigar esses trabalhadores, v·rios n˙cleos de moradia surgiram em torno do Plano Piloto. A principal concentraÁ„o foi a Cidade Livre, atual N˙cleo Bandeirante.

  • 11. ConstruÁ„o de BrasÌlia enfrentou muitas resistÍncias polÌticas.

  • 12. BrasÌlia foi inaugurada em 21/4/1960, mesmo dia em que se comemora o dia de Tiradentes.

Prof. Leandro Signori Aula 00 foram selecionados para, entre esses, ser escolhida a ·rea onde seria

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

17

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Prof. Leandro Signori Aula 00 7 に Q UEST’ES COMENTADAS

7 QUEST’ES COMENTADAS

 
  • 1. (IADES/PM DF/2018 - SOLDADO)

AgÍncia criada pelo ent„o presidente Juscelino Kubitschek, em 19 de setembro de 1956, por meio de lei, com a finalidade exclusiva de gerenciar e coordenar a construÁ„o da capital do Brasil no Planalto Central.

A definiÁ„o apresentada descreve a

  • (A) Terracap.

  • (B) Novacap.

  • (C) Construcap.

  • (D) Caesb.

  • (E) Codeplan.

COMENT£RIOS:

A NOVACAP foi criada em 1956 com o objetivo de construir a nova capital federal, BrasÌlia. A estatal era respons·vel, alÈm das obras p˙blicas e urbanizaÁ„o, pelo fornecimento de energia, abastecimento de ·gua, tratamento de esgoto, assim como a administraÁ„o das terras p˙blicas do Distrito Federal. Com o desenvolvimento da cidade, ela foi desmembrada em empresas independentes e especÌficas: Companhia EnergÈtica de BrasÌlia, Caesb e Terracap.

Gabarito: B

(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014)

Julgue os prÛximos itens relativos a aspectos antecedentes ‡ construÁ„o de BrasÌlia.

  • 2. Francisco Adolfo de Varnhagen, um dos precursores da ideia de interiorizaÁ„o da capital do Brasil, defendeu, em 1877, que uma nova cidade fosse construÌda na regi„o em que se situam ;ゲ ノ;ェラ;ゲ FWキ;が Fラヴマラゲ; W MWゲデヴW Dげáヴマ;ゲく

COMENT£RIOS:

Em 1877, o historiador Francisco Adolfo de Varnhagen visitou a regi„o central do paÌs, onde definiu o lugar mais apropriado para a construÁ„o da futura capital: um tri‚ngulo formado pelas ノ;ェラ;ゲ FWキ;が Fラヴマラゲ; W MWゲデヴW Sげáヴマ;ゲ.

Gabarito: Certo

Prof. Leandro Signori Aula 00 7 に Q UEST’ES COMENTADAS 1. (IADES/PM DF/2018 - SOLDADO) AgÍncia

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

18

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

  • 3. Pesquisas histÛricas e escavaÁıes arqueolÛgicas comprovam que n„o havia ocupaÁ„o humana na regi„o do Distrito Federal e do Entorno antes da formaÁ„o dos primeiros assentamentos de origem portuguesa no Brasil ColÙnia.

COMENT£RIOS:

AtÈ a chegada dos portugueses ao litoral do Brasil, no sÈculo XVI, e antes dos assentamentos pioneiros, a porÁ„o central do paÌs, na qual se inclui o atual Distrito Federal, era ocupada por indÌgenas do tronco linguÌstico macro-jÍ, como os acro·s, os xacriab·s, os xavantes, os caiapÛs, os javaÈs etc.

Gabarito: Errado

(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014)

0

Com relaÁ„o ‡ transferÍncia da capital brasileira e ‡ construÁ„o de BrasÌlia, julgue os itens subsecutivos.

  • 4. Apesar da grande imigraÁ„o de nordestinos, os trabalhadores oriundos da regi„o Centro- Oeste, sobretudo do estado de Goi·s, predominaram na construÁ„o de BrasÌlia.

COMENT£RIOS:

Na construÁ„o de BrasÌlia predominaram os trabalhadores oriundos da regi„o Nordeste.

Gabarito: Errado

  • 5. A construÁ„o de BrasÌlia era a meta-sÌntese do Plano de Metas do presidente Juscelino Kubitschek, cujo objetivo era acelerar o desenvolvimento do paÌs em diversas ·reas, como nas de energia, transportes, produÁ„o agrÌcola, ind˙stria e educaÁ„o.

COMENT£RIOS:

O Plano de Metas foi um importante programa de industrializaÁ„o e modernizaÁ„o levado a I;Hラ ミ; ヮヴWゲキSZミIキ; SW J┌ゲIWノキミラ K┌HキデゲIエWニが ミ; aラヴマ; SW ┌マ さ;マHキIキラゲラ Iラミテ┌ミデラ SW ラHテWデキ┗ラゲ

ゲWデラヴキ;キゲざが ケ┌W さS;ヴキ; Iラミデキミ┌キS;SW ;ラ ヮヴラIWsso de substituiÁ„o de importaÁıes que se vinha SWゲWミヴラノ;ミSラ ミラゲ Sラキゲ SWIZミキラゲ ;ミデWヴキラヴWゲざく Cラミゲデキデ┌キ-se em um conjunto de 30 objetivos a serem alcanÁados em diversos setores da economia e da administraÁ„o. Na ˙ltima hora o plano incluiu mais uma meta, a 31 a , chamada de meta-sÌntese: a construÁ„o de BrasÌlia e a transferÍncia da capital federal, o grande desafio de JK.

Gabarito: Certo

Prof. Leandro Signori Aula 00 3. Pesquisas histÛricas e escavaÁıes arqueolÛgicas comprovam que n„o havia ocupaÁ„o

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

19

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

(IADES/METR‘ DF/2014 - Adaptada)

Acerca dos contextos histÛricos, polÌticos, administrativos e geogr·ficos referentes ao Distrito Federal (DF), julgue os itens:

  • 6. Na segunda metade da dÈcada de 1950, o presidente Jo„o Goulart comeÁou o processo de instalaÁ„o da nova capital e viajou ao Planalto Central. Depois de um concurso, a equipe do urbanista L˙cio Costa e o grupo de arquitetos encabeÁados por Oscar Niemeyer comeÁaram os trabalhos para projetar BrasÌlia.

COMENT£RIOS:

Quem comeÁou o processo e instalou a nova capital do Brasil, em BrasÌlia, foi o presidente Juscelino Kubitschek. Depois de um concurso, a equipe do urbanista L˙cio Costa e o grupo de arquitetos, encabeÁados por Oscar Niemeyer, comeÁaram os trabalhos para projetar BrasÌlia.

Gabarito: Errado

  • 7. Ao longo de todo o processo histÛrico que norteou a transferÍncia da nova capital, somente na segunda metade da dÈcada de 1940, no caso, em 1946, foram tomadas novas atitudes em relaÁ„o ‡ transferÍncia da capital. Na ConstituiÁ„o promulgada naquele ano, estava previsto que um novo estudo sobre a regi„o fosse feito e, em 1948, o presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou a Comiss„o Poli Coelho, que chegou ‡ conclus„o que a ·rea demarcada pela Miss„o Cruls, no final do sÈculo 19, era a ideal para a nova capital.

COMENT£RIOS:

A ideia de fixar o governo do Brasil no interior existe desde a primeira metade do sÈculo XIX. Desde aquela Època, a preocupaÁ„o era com a seguranÁa nacional. A capital deveria ficar longe dos portos e de ·reas de mais f·cil acesso de possÌveis invasores. Em 1891, o artigo 3 da ConstituiÁ„o, promulgada naquele ano, determinava que uma ·rea de 14 mil quilÙmetros quadrados seria demarcada no Planalto Central, para onde seria transferida a futura capital do paÌs.

Dando prosseguimento ‡ determinaÁ„o do artigo, em 1892, uma expediÁ„o da Comiss„o Exploradora do Planalto Central do Brasil seguiu para o interior e construÌram quatro marcos na regi„o. Foi a chamada Miss„o Cruls, em homenagem ao seu lÌder, o cientista LuÌs Cruls. Em sete meses, v·rios geÛlogos, mÈdicos, bot‚nicos, entre outros, percorreram mais de 4 mil quilÙmetros, pesquisando minuciosamente a fauna, a flora, os recursos naturais, a topografia etc. A ·rea pesquisada e demarcada foi batizada com o nome de Quadril·tero Cruls. O resultado da expediÁ„o foi entregue em 1894, um relatÛrio contendo todas as informaÁıes da regi„o.

Entretanto, somente em 1946 foram tomadas novas atitudes em relaÁ„o ‡ transferÍncia da capital. Na ConstituiÁ„o promulgada naquele ano estava previsto que um novo estudo sobre a regi„o fosse feito. Nesse mesmo ano, o presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou a Comiss„o Poli Coelho,

Prof. Leandro Signori Aula 00 (IADES/METR‘ に DF/2014 - Adaptada) Acerca dos contextos histÛricos, polÌticos, administrativos

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

20

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

que, depois de dois anos, chegou ‡ conclus„o de que a ·rea demarcada pela Miss„o Cruls era a ideal para a nova capital.

Ao considerar que a ·rea demarcada pela Miss„o Cruls era a ideal para a nova capital, a Comiss„o Poli Coelho entendeu que a nova capital deveria ser instalada em algum lugar do

さQ┌;Sヴキノ=デWヴラ Cヴ┌ノゲざく Cラミデ┌Sラが WミデWミSW┌ ケ┌W ; =ヴW; Sラ a┌デ┌ヴラ Dキゲデヴキデラ FWSWヴ;ノ SW┗Wヴキ; ゲWヴ マ;キラヴ Sラ

que a proposta no RelatÛrio Cruls. PropÙs uma ·rea de 77.250 Km .

O erro da quest„o est· em dizer que a Comiss„o Poli Coelho foi nomeada em 1948, ela foi nomeada em 1946.

Gabarito: Errado

  • 8. A equipe de arquitetos comandada por L˙cio Costa, com o tempo, realizou os trabalhos dos quais surgiram nos desenhos de v·rios prÈdios p˙blicos. J· Oscar Niemeyer partiu do traÁado de dois eixos, cruzando-se em ‚ngulo reto, como uma cruz, para criar o projeto urbanÌstico brasiliense. Os dois eixos foram chamados de Rodovi·rio e Monumental.

COMENT£RIOS:

A equipe de arquitetos comandada por Oscar Niemeyer, com o tempo, realizou os trabalhos nos quais surgiram os desenhos de v·rios prÈdios p˙blicos. J· L˙cio Costa partiu do traÁado de dois eixos, cruzando-se em ‚ngulo reto, como uma cruz, para criar o projeto urbanÌstico brasiliense. Os dois eixos foram chamados de Rodovi·rio e Monumental.

Gabarito: Errado

  • 9. (VUNESP/SEFAZ SP/2013 ANALISTA EM PLANEJAMENTO, OR«AMENTO E FINAN«AS P⁄BLICAS)

さN?ラ Y ラ >ミェ┌ノラ ヴWデラ ケ┌W マW ;デヴ;キが ミWマ ; ノキミエ; ヴWデ;が S┌ヴ;が キミaノW┝ケ┗Wノが Iヴキ;S; ヮWノラ エラマWマく O ケ┌W

me atrai È a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu paÌs, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas È feito todo

ラ ┌ミキ┗Wヴゲラが ラ ┌ミキ┗Wヴゲラ I┌ヴ┗ラ SW EキミゲデWキミくざ

O texto È atribuÌdo a um dos maiores expoentes da arquitetura moderna, falecido recentemente. Trata-se de

  • a) Oscar Niemeyer.

  • b) Burle Marx.

  • c) Fillippo Brunelleschi.

  • d) Lucio Costa.

  • e) Affonso Reidy.

COMENT£RIOS:

Prof. Leandro Signori Aula 00 que, depois de dois anos, chegou ‡ conclus„o de que a

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

21

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Muito f·cil esta quest„o, refere-se a Oscar Niemeyer, falecido em dezembro de 2012, aos 104 anos de idade. Niemeyer se destacou pelo uso de formas abstratas e pelas curvas que caracterizam a maioria de suas obras, e escreveu em suas memÛrias:

Prof. Leandro Signori Aula 00 Muito f·cil esta quest„o, refere-se a Oscar Niemeyer, falecido em dezembro

N„o È o ‚ngulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexÌvel, criada pelo homem. O que me atrai È a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu paÌs, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas È feito todo o universo, o universo curvo de Einstein.

Niemeyer, Oscar, 2000, As Curvas do Tempo: as memÛrias de Oscar Niemeyer (London:

Gabarito: A

Phaidon), pp. 62 e 169-70

10. (CESPE/PMDF/1999 - ADAPTADA)

Em relaÁ„o ‡ histÛria de BrasÌlia, assinale a alternativa FALSA:

  • a) ( ) A ideia de localizar a capital no interior do paÌs È relativamente recente, tendo surgido em

funÁ„o das duas guerras mundiais deste sÈculo.

  • b) ( ) O projeto urbanÌstico de BrasÌlia, vencedor de concurso p˙blico, È de L˙cio Costa.

  • c) ( ) Alguns dos mais significativos prÈdios p˙blicos de BrasÌlia - como o conjunto da PraÁa dos

TrÍs Poderes, a Catedral e o Pal·cio da Alvorada - foram projetados por Oscar Niemeyer.

  • d) ( ) Uma das principais justificativas para a construÁ„o da nova capital, na regi„o central do

paÌs foi a necessidade de se promover a interiorizaÁ„o do desenvolvimento.

  • e) ( ) A autonomia polÌtica concedida pela ConstituiÁ„o de 1988 Consumou-se em 1990, com a

eleiÁ„o inÈdita do governador e dos deputados distritais.

COMENT£RIOS:

  • a) FALSO. A ideia de localizar a capital no interior do paÌs È antiga. Alguns registros indicam que

tenha surgido no Brasil ColÙnia.

  • b) VERDADEIRO. O projeto urbanÌstico da nova capital foi escolhido em um concurso, do qual saiu

vencedor o projeto do arquiteto L˙cio Costa.

  • c) VERDADEIRO. Coube a Oscar Niemeyer os projetos arquitetÙnicos de BrasÌlia. Nessa condiÁ„o,

projetou alguns dos prÈdios mais significativos da capital, como o conjunto da PraÁa dos TrÍs Poderes e o Pal·cio da Alvorada.

  • d) VERDADEIRO. A interiorizaÁ„o do povoamento, do desenvolvimento e a integraÁ„o nacional

foram justificativas para a construÁ„o de BrasÌlia na regi„o central do Brasil.

  • e) VERDADEIRO. De sua inauguraÁ„o atÈ 1967, o DF era administrado por um prefeito. O Engenheiro

Israel Pinheiro presidente da NOVACAP foi o primeiro prefeito do DF. Em 1969, por meio da

Prof. Leandro Signori Aula 00 Muito f·cil esta quest„o, refere-se a Oscar Niemeyer, falecido em dezembro

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

22

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Emenda Constitucional n. 01, o cargo de prefeito foi transformado para o de governador, sendo HÈlio Prates da Silveira o primeiro governador do DF. Do perÌodo de 1969 a 1989, o governador era indicado pelo Presidente da Rep˙blica, o que deixou de acontecer em 1990, com a eleiÁ„o do governador e dos vinte e quatro deputados distritais. A autonomia polÌtica foi concedida pela ConstituiÁ„o de 1988. A conquista da autonomia se deu paulatinamente. Em 1985, uma emenda constitucional determinou que o DF teria representaÁ„o no Congresso Nacional. Considerava inadmissÌvel que uma populaÁ„o superior a um milh„o de habitantes n„o tivesse representaÁ„o para defender seus interesses. Em 1986, foram eleitos pelo voto popular direto 8 deputados federais e 3 senadores que trabalharam na constituinte que daria a definitiva autonomia ao DF.

Gabarito: A

11. (CESPE/PMDF/1995 - ADAPTADA)

Com relaÁ„o ‡ construÁ„o de BrasÌlia, assinale a alternativa FALSA:

I ( ) A verificaÁ„o pr·tica do local destinado ‡ fundaÁ„o de BrasÌlia deu-se no sÈculo XIX.

II ( ) A constituiÁ„o de 1891 j· determinava a mudanÁa da capital do Brasil para o Planalto Central.

III ( ) Em 1892 foi criada a Comiss„o Exploradora do Planalto Central do Brasil, para realizar exploraÁ„o tÈcnica da ·rea a ser destinada ao Distrito Federal.

IV ( ) A construÁ„o de BrasÌlia foi concluÌda em 21/04/1960.

V ( ) Em 1987, BrasÌlia foi declarada patrimÙnio cultural da humanidade pela UNESCO, por suas caracterÌsticas arquitetÙnicas representarem um verdadeiro museu a cÈu aberto em virtude de a capital possuir um grande acervo de obras da arquitetura e do urbanismo moderno.

COMENT£RIOS:

I) VERDADEIRO. A ·rea onde assenta-se BrasÌlia encontra-se no Quadril·tero Cruls, demarcado na ˙ltima dÈcada do sÈculo XIX.

II) VERDADEIRO. A ConstituiÁ„o da Rep˙blica de 1891 determinou, no seu artigo 3 , que pertenceria a Uni„o, no Planalto Central, uma zona de 14.000 km , que seria oportunamente demarcada, para nela estabelecer-se a futura Capital Federal.

III) VERDADEIRO. Em 1892, no governo do presidente Floriano Peixoto, foi criada a Comiss„o Exploradora do Planalto Central do Brasil, para realizar exploraÁ„o tÈcnica da ·rea a ser destinada ao Distrito Federal. A Comiss„o foi chefiada por LuÌs Cruls.

IV) FALSO. BrasÌlia foi inaugurada em 21 de abril de 1960, inconclusa. Muitos edifÌcios importantes eram sÛ um esqueleto vazio, outros sequer haviam saÌdo do projeto. A carÍncia de habitaÁıes finalizadas obrigou muitos Ûrg„os administrativos instalados no Rio de Janeiro a retardarem sua transferÍncia, em vista da impossibilidade de acomodar seus funcion·rios. As embaixadas tambÈm n„o puderam funcionar imediatamente. As obras continuaram pelo menos atÈ a dÈcada de 1970, quando suas principais estruturas foram concluÌdas.

Prof. Leandro Signori Aula 00 Emenda Constitucional n. 01, o cargo de prefeito foi transformado para

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

23

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

V) VERDADEIRO. O traÁado original (desenho urbanÌstico) e as belas construÁıes idealizadas pela dupla formada pelo urbanista L˙cio Costa e pelo arquiteto Oscar Niemeyer fizeram da nova capital da Rep˙blica o primeiro bem moderno inscrito pela UNESCO na Lista do PatrimÙnio Cultural da Humanidade, em dezembro de 1987.

Gabarito: IV

12. (CESPE/PMDF/1995)

Juscelino Kubitschek, "homem soci·vel, extrovertido, de magnÌfica comunicaÁ„o com o povo", na vis„o de Francisco Iglesias, era mÈdico e foi eleito deputado federal em 1934, exercendo o mandato atÈ o fechamento do Congresso, pelo golpe de 1937. Foi prefeito nomeado de Belo Horizonte, em 1940. Voltou ‡ C‚mara de 1946 a 1950, quando assumiu o governo de Minas Gerais. Na eleiÁ„o de 3 de outubro de 1955, teve vitÛria por pequena margem, tornando-se Presidente da Rep˙blica. A meta-sÌntese, de n 31, do Plano de Metas do Presidente JK era a construÁ„o de BrasÌlia. O projeto urbanÌstico do Plano Piloto, vencedor do concurso realizado em marÁo de 1957, era de autoria de:

a ( ) Oscar Niemeyer. b ( ) Israel Pinheiro. c ( ) Bernardo Say„o. d ( ) L˙cio Costa. e ( ) Jo„o Goulart.

COMENT£RIOS:

O projeto urbanÌstico era de autoria de L˙cio Costa. Os projetos arquitetÙnicos foram de autoria de Oscar Niemeyer. Israel Pinheiro foi o primeiro presidente da Novacap, entre 1955 a 1960, empresa criada para a construÁ„o de BrasÌlia. Foi tambÈm o primeiro prefeito do Distrito Federal. Bernardo Say„o foi um dos diretores da Novacap, entre 1956 a 1958. Jo„o Goulart foi presidente da Rep˙blica, de 1961 a 1964.

Gabarito: D

(CESPE/PM DF/2001 SOLDADO)

BrasÌlia È fruto de um sonho polÌtico: o da transferÍncia da capital para o coraÁ„o do paÌs. Essa imaginaÁ„o, cultivada pelas elites brasileiras, teve uma longa histÛria, que culminou em 1960. A respeito dos fatos que antecederam a criaÁ„o de BrasÌlia bem como seus desdobramentos atuais, julgue os itens que se seguem.

13. O conhecido sonho de Dom Bosco permaneceu no imagin·rio dos inventores de BrasÌlia como uma aspiraÁ„o de ocupaÁ„o do interior do paÌs.

Prof. Leandro Signori Aula 00 V) VERDADEIRO. O traÁado original (desenho urbanÌstico) e as belas construÁıes

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

24

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

COMENT£RIOS:

さEミデヴW ラゲ ェヴ;┌ゲ ヱヵ W 20 havia uma enseada bastante longa e bastante larga, que partia de um ponto onde se formava um lago. Disse ent„o uma voz repetidamente: -Quando se vierem a escavar as minas escondidas no meio destes montes, aparecer· aqui a terra prometida, de onde jorrar· leite

W マWノく “Wヴ= ┌マ; ヴキケ┌W┣; キミIラミIWHケ┗Wノくざ

As palavras acima s„o consideradas por muitos como uma profecia da construÁ„o de BrasÌlia. S„o o relato de um sonho de S„o Jo„o Bosco, santo italiano fundador da CongregaÁ„o dos Salesianos. Elas aparecem no ノキ┗ヴラ さMWマルヴキ;ゲ Bキラェヴ=aキI;ゲ SW “?ラ Jラ?ラ BラゲIラざが WゲIヴキデラ ヮラヴ ゲW┌ ;ゲゲキゲデWミデWが ヮ;SヴW Lemoyne.

Em agosto de 1883, Dom Bosco, como È mais conhecido, sonhou que fazia uma viagem ‡ AmÈrica do Sul continente que jamais visitou. No sonho, ele passou por v·rias terras entre a ColÙmbia e o sul da Argentina, vislumbrando povos e riquezas. Ao chegar ‡ regi„o entre os paralelos 15 e 20 , viu um local especial, onde, nas palavras de um anjo que o acompanhava em sua vis„o,

;ヮ;ヴWIWヴキ; さ; デWヴヴ; ヮヴラマWデキS;ざ W ケ┌W ゲWヴキ; さ┌マ; ヴキケ┌W┣; キミIラミIWHケ┗Wノざく

BrasÌlia foi inaugurada exatamente dentro do intervalo de coordenadas geogr·ficas mencionado na vis„o de Dom Bosco e emoldurada pelo Lago Parano·, setenta e sete anos depois desse sonho.

A vinculaÁ„o com o sonho do santo existiu desde o comeÁo da construÁ„o da capital, tanto que a primeira obra de alvenaria a ser erguida foi a Ermida Dom Bosco, uma pequena capela em forma piramidal, projetada por Oscar Niemeyer e localizada ‡s margens do Lago Parano·. Foi construÌda em 1957 como uma homenagem ao santo mais tarde feito padroeiro de BrasÌlia ao lado de Nossa Senhora Aparecida e como um pedido para que ele abenÁoasse a nova cidade. AlÈm disso, a congregaÁ„o fundada por S„o Jo„o Bosco, a dos Salesianos, desde 1956 se fez presente nos acampamentos dos trabalhadores foi a primeira ordem religiosa a chegar ao Distrito Federal.

Fonte: http://www.senado.gov.br/noticias/especiais/brasilia50anos/not08.asp Gabarito: Certo

14. A proposta efetiva de transferÍncia da capital, como j· se fizera no perÌodo colonial, de Salvador para o Rio de Janeiro, n„o alterou a din‚mica econÙmica da regi„o em torno da qual a nova capital foi implantada.

COMENT£RIOS:

A transferÍncia da capital do Rio de Janeiro para o Brasil central alterou a din‚mica econÙmica da regi„o em torno da qual BrasÌlia foi implantada. Um dos objetivos da transferÍncia foi o de contribuir para o desenvolvimento econÙmico e o povoamento do interior do Brasil.

Prof. Leandro Signori Aula 00 COMENT£RIOS: さEミデヴW ラゲ ェヴ;┌ゲ ヱヵ W 20 havia uma enseada bastante

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

25

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

A instalaÁ„o da capital no planalto central atraiu dezenas de milhares de migrantes para a regi„o e levou a abertura de estradas conectando BrasÌlia a diferentes pontos do Brasil. Ao longo das estradas abertas, novos n˙cleos de povoamento surgiram e atividades econÙmicas se instalaram.

A capital atraiu para o Distrito Federal e regiıes prÛximas empresas que se instalaram para fornecer serviÁos e gÍneros diversos para a populaÁ„o e o Governo Federal. DÈcadas depois da sua instalaÁ„o, verifica-se que a populaÁ„o cresceu vertiginosamente e o PIB da regi„o multiplicou-se v·rias vezes.

Gabarito: Errado

15. Juscelino Kubitschek, ao encaminhar o projeto de construÁ„o de BrasÌlia, enfrentou apenas pequenas resistÍncias polÌticas internas diante da grandeza dos seus objetivos.

COMENT£RIOS:

N„o somente quando do encaminhamento do projeto, mas tambÈm durante o perÌodo de construÁ„o, JK enfrentou muitas resistÍncias polÌticas diante do grandioso objetivo de transferir a capital do paÌs, construindo uma nova.

V·rios segmentos polÌticos colocaram-se contra a transferÍncia da capital do Rio de Janeiro para BrasÌlia. A Uni„o Democr·tica Nacional (UDN), por exemplo, foi contra a transferÍncia da capital e convocou uma Comiss„o Parlamentar de InquÈrito (CPI) para investigar irregularidades na construÁ„o de BrasÌlia, em 1958. Essa CPI foi protelada atÈ a inauguraÁ„o do novo Distrito Federal, em 21 de abril de 1960.

BrasÌlia foi inaugurada inacabada, ainda em construÁ„o, j· que se temia que, se a capital n„o fosse transferida no governo de JK, isso poderia ser suspenso no prÛximo governo, dependendo de quem chegasse ao poder.

Gabarito: Errado

16. A organizaÁ„o social e polÌtica do atual Centro-Oeste brasileiro antes da transferÍncia da capital para BrasÌlia estava marcada pelo seu isolamento em relaÁ„o ao prÛprio paÌs.

COMENT£RIOS:

Antes da construÁ„o de BrasÌlia, o Centro-Oeste brasileiro estava bastante isolado do paÌs. N„o somente essa regi„o, mas tambÈm o Norte e parte do Nordeste. O Brasil n„o possuÌa a rede de estradas e aeroportos que dispıe na atualidade. Integrar diferentes regiıes do Brasil era um desafio dos governos da Època.

Desde a Marcha para o Oeste, no governo de Get˙lio Vargas, vinham sendo empreendidos esforÁos para integrar o Centro-Oeste ao Brasil. Era uma etapa prÈvia para a posterior integraÁ„o da AmazÙnia ao nosso paÌs.

Prof. Leandro Signori Aula 00 A instalaÁ„o da capital no planalto central atraiu dezenas de milhares

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

26

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Prof. Leandro Signori Aula 00 A construÁ„o de BrasÌlia deu um grande impulso para a

A construÁ„o de BrasÌlia deu um grande impulso para a integraÁ„o econÙmica, social e polÌtica do Centro-Oeste ao Brasil e contribuiu para a integraÁ„o de porÁıes da AmazÙnia ao paÌs.

Gabarito: Certo

17. A saga das famÌlias que vieram para a construÁ„o de BrasÌlia, envolvendo migraÁıes internas e o nascimento da figura do candango, traduz o alto impacto social gerado em regiıes de imigrantes bem como permite a construÁ„o de certa dimens„o Èpica atribuÌda ‡ fundaÁ„o da cidade.

COMENT£RIOS:

Dezenas de milhares de trabalhadores foram trazidos de outras regiıes do Brasil para a construÁ„o da nova capital, a maioria do Nordeste. A grande maioria desses trabalhadores saiu da

terra natal com uma mala e pouquÌssimo dinheiro ‡s vezes nem isso, sÛ com a roupa do corpo e lotavam a carroceria dos caminhıes para viajar dias e dias em estradas prec·rias, de terra batida, atÈ o local demarcado para a construÁ„o de BrasÌlia, onde sÛ havia mato e poeira. A viagem j· foi uma saga.

Deixaram para tr·s mulher, filhos, familiares e a convivÍncia nas localidades, nos lugares, de onde partiram.

A jornada de trabalho era intensa, os alojamentos eram insalubres, a alimentaÁ„o n„o era de boa qualidade e os sal·rios eram baixos. Praticamente, os candangos n„o tinham folga, feriado ou final de semana. Era preciso construir BrasÌlia em tempo recorde, a ponto de ser inaugurada ainda no governo de JK. ManifestaÁıes por melhores condiÁıes de trabalho eram repelidas com violÍncia pela Guarda Especial de BrasÌlia (GEB).

O artista Bruno Giorgi denominou o seu monumento na

PraÁa dos TrÍs Poderes, em

homenagem a esses trabalhadores, de Os Guerreiros que, mais tarde, foi renomeado de Os

Candangos. Essa denominaÁ„o inicial do monumento expressa bem a construÁ„o de certa dimens„o Èpica atribuÌda ‡ fundaÁ„o da cidade.

Gabarito: Certo

Prof. Leandro Signori Aula 00 A construÁ„o de BrasÌlia deu um grande impulso para a

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

27

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

Prof. Leandro Signori Aula 00 8 に L ISTA DE QUEST’ES

8 LISTA DE QUEST’ES

 
  • 1. (IADES/PM DF/2018 - SOLDADO)

AgÍncia criada pelo ent„o presidente Juscelino Kubitschek, em 19 de setembro de 1956, por meio de lei, com a finalidade exclusiva de gerenciar e coordenar a construÁ„o da capital do Brasil no Planalto Central.

A definiÁ„o apresentada descreve a

  • (F) Terracap.

  • (G) Novacap.

  • (H) Construcap.

  • (I) Caesb.

  • (J) Codeplan.

(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014)

Julgue os prÛximos itens relativos a aspectos antecedentes ‡ construÁ„o de BrasÌlia.

  • 2. Francisco Adolfo de Varnhagen, um dos precursores da ideia de interiorizaÁ„o da capital do Brasil, defendeu, em 1877, que uma nova cidade fosse construÌda na regi„o em que se situam ;ゲ ノ;ェラ;ゲ FWキ;が Fラヴマラゲ; W MWゲデヴW Dげáヴマ;ゲく

  • 3. Pesquisas histÛricas e escavaÁıes arqueolÛgicas comprovam que n„o havia ocupaÁ„o humana na regi„o do Distrito Federal e do Entorno antes da formaÁ„o dos primeiros assentamentos de origem portuguesa no Brasil ColÙnia.

(CESPE/BRASÕLIA SEM FRONTEIRAS GDF/2014)

Com relaÁ„o ‡ transferÍncia da capital brasileira e ‡ construÁ„o de BrasÌlia, julgue os itens subsecutivos.

  • 4. Apesar da grande imigraÁ„o de nordestinos, os trabalhadores oriundos da regi„o Centro- Oeste, sobretudo do estado de Goi·s, predominaram na construÁ„o de BrasÌlia.

  • 5. A construÁ„o de BrasÌlia era a meta-sÌntese do Plano de Metas do presidente Juscelino Kubitschek, cujo objetivo era acelerar o desenvolvimento do paÌs em diversas ·reas, como nas de energia, transportes, produÁ„o agrÌcola, ind˙stria e educaÁ„o.

Prof. Leandro Signori Aula 00 8 に L ISTA DE QUEST’ES 1. (IADES/PM DF/2018 - SOLDADO)

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

28

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

(IADES/METR‘ DF/2014 - Adaptada)

Acerca dos contextos histÛricos, polÌticos, administrativos e geogr·ficos referentes ao Distrito Federal (DF), julgue os itens:

  • 6. Na segunda metade da dÈcada de 1950, o presidente Jo„o Goulart comeÁou o processo de instalaÁ„o da nova capital e viajou ao Planalto Central. Depois de um concurso, a equipe do urbanista L˙cio Costa e o grupo de arquitetos encabeÁados por Oscar Niemeyer comeÁaram os trabalhos para projetar BrasÌlia.

  • 7. Ao longo de todo o processo histÛrico que norteou a transferÍncia da nova capital, somente na segunda metade da dÈcada de 1940, no caso, em 1946, foram tomadas novas atitudes em relaÁ„o ‡ transferÍncia da capital. Na ConstituiÁ„o promulgada naquele ano, estava previsto que um novo estudo sobre a regi„o fosse feito e, em 1948, o presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou a Comiss„o Poli Coelho, que chegou ‡ conclus„o que a ·rea demarcada pela Miss„o Cruls, no final do sÈculo 19, era a ideal para a nova capital.

  • 8. A equipe de arquitetos comandada por L˙cio Costa, com o tempo, realizou os trabalhos dos quais surgiram nos desenhos de v·rios prÈdios p˙blicos. J· Oscar Niemeyer partiu do traÁado de dois eixos, cruzando-se em ‚ngulo reto, como uma cruz, para criar o projeto urbanÌstico brasiliense. Os dois eixos foram chamados de Rodovi·rio e Monumental.

  • 9. (VUNESP/SEFAZ SP/2013 ANALISTA EM PLANEJAMENTO, OR«AMENTO E FINAN«AS P⁄BLICAS)

さN?ラ Y ラ >ミェ┌ノラ ヴWデラ ケ┌W マW ;デヴ;キが ミWマ ; ノキミエ; ヴWデ;が S┌ヴ;が キミaノexÌvel, criada pelo homem. O que me atrai È a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu paÌs, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas È feito todo o universo, o universo curvo de EinsデWキミくざ

O texto È atribuÌdo a um dos maiores expoentes da arquitetura moderna, falecido recentemente. Trata-se de

  • a) Oscar Niemeyer.

  • b) Burle Marx.

  • c) Fillippo Brunelleschi.

  • d) Lucio Costa.

  • e) Affonso Reidy.

10. (CESPE/PMDF/1999 - ADAPTADA)

Em relaÁ„o ‡ histÛria de BrasÌlia, assinale a alternativa FALSA:

Prof. Leandro Signori Aula 00 (IADES/METR‘ に DF/2014 - Adaptada) Acerca dos contextos histÛricos, polÌticos, administrativos

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

29

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

  • a) ( ) A ideia de localizar a capital no interior do paÌs È relativamente recente, tendo surgido em

funÁ„o das duas guerras mundiais deste sÈculo.

  • b) ( ) O projeto urbanÌstico de BrasÌlia, vencedor de concurso p˙blico, È de L˙cio Costa.

  • c) ( ) Alguns dos mais significativos prÈdios p˙blicos de BrasÌlia - como o conjunto da PraÁa dos

TrÍs Poderes, a Catedral e o Pal·cio da Alvorada - foram projetados por Oscar Niemeyer.

  • d) ( ) Uma das principais justificativas para a construÁ„o da nova capital, na regi„o central do

paÌs foi a necessidade de se promover a interiorizaÁ„o do desenvolvimento.

  • e) ( ) A autonomia polÌtica concedida pela ConstituiÁ„o de 1988 Consumou-se em 1990, com a

eleiÁ„o inÈdita do governador e dos deputados distritais.

  • 11. (CESPE/PMDF/1995 - ADAPTADA)

==0==

Com relaÁ„o ‡ construÁ„o de BrasÌlia, assinale a alternativa FALSA:

  • I ( ) A verificaÁ„o pr·tica do local destinado ‡ fundaÁ„o de BrasÌlia deu-se no sÈculo XIX.

II ( ) A constituiÁ„o de 1891 j· determinava a mudanÁa da capital do Brasil para o Planalto Central.

III ( ) Em 1892 foi criada a Comiss„o Exploradora do Planalto Central do Brasil, para realizar exploraÁ„o tÈcnica da ·rea a ser destinada ao Distrito Federal.

IV ( ) A construÁ„o de BrasÌlia foi concluÌda em 21/04/1960.

  • V ( ) Em 1987, BrasÌlia foi declarada patrimÙnio cultural da humanidade pela UNESCO, por suas

caracterÌsticas arquitetÙnicas representarem um verdadeiro museu a cÈu aberto em virtude de a capital possuir um grande acervo de obras da arquitetura e do urbanismo moderno.

  • 12. (CESPE/PMDF/1995)

Juscelino Kubitschek, "homem soci·vel, extrovertido, de magnÌfica comunicaÁ„o com o povo", na vis„o de Francisco Iglesias, era mÈdico e foi eleito deputado federal em 1934, exercendo o mandato atÈ o fechamento do Congresso, pelo golpe de 1937. Foi prefeito nomeado de Belo Horizonte, em 1940. Voltou ‡ C‚mara de 1946 a 1950, quando assumiu o governo de Minas Gerais. Na eleiÁ„o de 3 de outubro de 1955, teve vitÛria por pequena margem, tornando-se Presidente da Rep˙blica. A meta-sÌntese, de n 31, do Plano de Metas do Presidente JK era a construÁ„o de BrasÌlia. O projeto urbanÌstico do Plano Piloto, vencedor do concurso realizado em marÁo de 1957, era de autoria de:

a ( ) Oscar Niemeyer. b ( ) Israel Pinheiro.

  • c ( ) Bernardo Say„o.

  • d ( ) L˙cio Costa.

e ( ) Jo„o Goulart.

Prof. Leandro Signori Aula 00 a) ( ) A ideia de localizar a capital no interior

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

30

31

Prof. Leandro Signori Aula 00

(CESPE/PM DF/2001 SOLDADO)

BrasÌlia È fruto de um sonho polÌtico: o da transferÍncia da capital para o coraÁ„o do paÌs. Essa imaginaÁ„o, cultivada pelas elites brasileiras, teve uma longa histÛria, que culminou em 1960. A respeito dos fatos que antecederam a criaÁ„o de BrasÌlia bem como seus desdobramentos atuais, julgue os itens que se seguem.

  • 13. O conhecido sonho de Dom Bosco permaneceu no imagin·rio dos inventores de BrasÌlia como uma aspiraÁ„o de ocupaÁ„o do interior do paÌs.

  • 14. A proposta efetiva de transferÍncia da capital, como j· se fizera no perÌodo colonial, de Salvador para o Rio de Janeiro, n„o alterou a din‚mica econÙmica da regi„o em torno da qual a nova capital foi implantada.

  • 15. Juscelino Kubitschek, ao encaminhar o projeto de construÁ„o de BrasÌlia, enfrentou apenas pequenas resistÍncias polÌticas internas diante da grandeza dos seus objetivos.

  • 16. A organizaÁ„o social e polÌtica do atual Centro-Oeste brasileiro antes da transferÍncia da capital para BrasÌlia estava marcada pelo seu isolamento em relaÁ„o ao prÛprio paÌs.

  • 17. A saga das famÌlias que vieram para a construÁ„o de BrasÌlia, envolvendo migraÁıes internas e o nascimento da figura do candango, traduz o alto impacto social gerado em regiıes de imigrantes bem como permite a construÁ„o de certa dimens„o Èpica atribuÌda ‡ fundaÁ„o da cidade.

9 GABARITO

  • 1. B

  • 13. Certo

  • 2. Certo

  • 14. Errado

  • 3. Errado

  • 15. Errado

  • 4. Errado

  • 16. Certo

  • 5. Certo

  • 17. Certo

  • 6. Errado

  • 7. Errado

  • 8. Errado

  • 9. A

  • 10. A

  • 11. IV

  • 12. D

Prof. Leandro Signori Aula 00 (CESPE/PM DF/2001 に SOLDADO) BrasÌlia È fruto de um sonho polÌtico:

Realidade do Distrito Federal para a CLDF

www.estrategiaconcursos.com.br

00000000000 - DEMO

31

31