You are on page 1of 100

fotografia sem fronteiras:

pessoas, lugares, outros olhares


transversalidades2018
fotografia sem fronteiras:
pessoas, lugares, outros olhares
transversalidades2018
Título
Fotografia sem fronteiras: pessoas, olhares, outros lugares
Coordenação
Rui Jacinto
Textos
Jorge Gaspar | Rogério Haesbaert
Produção
Alexandra Isidro | Ana Sofia Martins
Revisão
Ana Sofia Martins | Ana Margarida Proença
Concepção e desenho da exposição
Ana Sofia Martins | João Pedro Cochofel
Montagem da exposição
António Freixo | Renato Coelho
Design e pré-impressão
João Pedro Cochofel
Impressão | acabamento
Pride Colour
Tiragem
1000 ex.
Depósito legal
335972/11
ISBN
978-989-8676-18-4
Edição
Centro de Estudos Ibéricos
R. Soeiro Viegas, 8
6300-758 Guarda
www.cei.pt

O Centro de Estudos Ibéricos respeita os originais dos textos,


não se responsabilizando pelos conteúdos, forma e opiniões
neles expressos.
A opção ou não pelas regras do Novo Acordo Ortográfico é da
responsabilidade dos autores.

Organização
Organização: Apoios: Apoios

Universidade
de Coimbra
índice

pessoas
6

Geografias do sofrimento e da melancolia


Jorge Gaspar

34

lugares
38

O lugar: entre fixação e fluidez, repouso e mobilidade


Rogério Haesbaert

68

outros olhares
74

legendas

91
pessoas
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

117.3.1.JPG Sérgio Currais, Portugal | Pessoas de Nova Iorque 1 | Nova Iorque (Estados Unidos da América), 2017 (1)*
117.3.2.JPG Sérgio Currais, Portugal | Pessoas de Nova Iorque 2 | Nova Iorque (Estados Unidos da América), 2017 (2)*
tema 1 pessoas

142.3.3.JPG Kessis Soares de Sena, Brasil | Patrocínio | São Paulo (Brasil), 2018 (3)*
142.3.1.jpg Kessis Soares de Sena, Brasil | Retrato da presente juventude do Brasil | São Paulo (Brasil), 2018 (4)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

8123.4.6.jpg Xavier Duarte, Espanha | Non-urbanite 6 | Segovia (Espanha), 2018 (5)*


123.4.3.jpg Xavier Duarte, Espanha | Non-urbanite 3 | Ávila (Espanha), 2018 (6)*
123.4.5.jpg Xavier Duarte, Espanha | Non-urbanite 5 | Budapest (Hungria), 2016 (7)*
123.4.2.jpg Xavier Duarte, Espanha | Non-urbanite 2 | Budapest (Hungria), 2016 (8)*
tema 1 pessoas

171.4.2.JPG Yulia Bezuglova, Rússia | The craftsman | Moscovo (Rússia), 2017 (9)*
80.2.3.jpg Danny Alveal Aravena, México | Haitian Migrant Worker cutting cane | La Altagracia (República Dominicana) (10)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

10

222.4.3.JPG Felipe Fittipaldi, Brasil | 3 | Sertão (Brasil), 2016 (11)*


222.4.1.JPG Felipe Fittipaldi, Brasil | 1 | Sertão (Brasil), 2016 (12)*
tema 1 pessoas

11
37.2.1.jpg Ahmed Abdulamir, Iraque | Crianças Marsh | Nasiriyah (Iraque), 2017 (13)*
37.2.3.jpg Ahmed Abdulamir, Iraque | Meu sofrimento | Os pântanos de Nasiriyah (Iraque), 2017 (14)*
37.2.5.jpg Ahmed Abdulamir, Iraque | Meu irmão | Os pântanos de Nasiriyah (Iraque), 2017 (15)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

124.4.4.jpg Luís Lobo Henriques, Portugal | Menina da tribo Karen #4 | Chiang Mai (Tailândia), 2017 (16)*
4.4.5.jpg Luís Lobo Henriques, Portugal | Menina da tribo Karen #5 | Chiang Mai (Tailândia), 2017 (17)*
4.4.1.jpg Luís Lobo Henriques, Portugal | Menina da tribo Karen #1 | Chiang Mai (Tailândia), 2017 (18)*
4.4.2.jpg Luís Lobo Henriques, Portugal | Menina da tribo Karen #2 | Chiang Mai (Tailândia), 2017 (19)*
tema 1 pessoas

13
220.4.4.jpg Susmita Bhattacharya, Índia | Source of water | Orissa (Índia), 2017 (20)*
220.4.1.jpg Susmita Bhattacharya, Índia | Miles to go | Orissa (Índia), 2017 (21)*
220.4.3.jpg Susmita Bhattacharya, Índia | My food | Orissa (Índia), 2017 (22)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

14

195.4.1.jpg Suraranjan Nandi, Índia | Drinking lady | Koraput (Índia), 2014 (23)*
195.4.4.jpg Suraranjan Nandi, Índia | Tribal lady | Odisha (Índia), 2014 (24)*
tema 1 pessoas

15
210.4.6.jpg Sanghamitra Sarkar, Índia | The Dhruba tribe | Orissa (Índia), 2017 (25)*
210.4.5.jpg Sanghamitra Sarkar, Índia | The Paniya tribe | Orissa (Índia), 2018 (26)*
210.4.1.jpg Sanghamitra Sarkar, Índia | The Bonda tribe | Orissa (Índia), 2017 (27)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

16

131.4.5.jpg Antonio Aragón Renuncio, Espanha | Somba. La Última Tribu 05 | Montanhas de Atakora (Togo - África Ocidental), 2012 (28)*
187.4.3.jpg António Costa Pinto, Portugal | Meninos da “Temba” | Tete (Moçambique), 2015 (29)*
tema 1 pessoas

17

131.4.4.jpg Antonio Aragón Renuncio, Espanha | Somba. La Última Tribu 04 | Montanhas de Atakora (Togo, África Occidental), 2012 (30)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

18

244.4.6.jpg De Bruyne, Bélgica | Wild Boar Piercings | Wamena Region, Baliem Valley (Indonésia), 2016 (31)*
232.4.6.jpg Amitava Chandra, Índia | 6. The naga-warriors | Índia (Índia), 2014 (32)*
tema 1 pessoas

19

244.4.5.jpg De Bruyne, Bélgica | Melanesians | Wamena Region, Baliem Valley (Indonésia), 2016 (33)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

20
48.2.6.jpg Guilherme Limas, Portugal | Cultura do Arroz | Bali - Ubbud (Indonésia), 2016 (34)*
48.2.1.jpg Guilherme Limas, Portugal | Cultura do Arroz | Bali - Ubbud (Indonésia), 2016 (35)*
48.2.5.jpg Guilherme Limas, Portugal | Cultura do Arroz | Bali - Ubbud (Indonésia), 2016 (36)*
tema 1 pessoas

21

61.2.1.JPG Bao Son Nguyen, Vietname | Cock fighting | Ninh Phuoc, Phan Rang, Ninh Thuan (Vietname), 2015 (37)*
72.2.5.jpg Amin Dehghan, Irão | Grand mother | Irão (Irão), 2016 (38)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

22

70.4.3.jpg Santanu Dey, Índia | The nostalgia on the verge of extinction | Kolkata (Índia), 2018 (39)*
70.4.5.jpg Santanu Dey, Índia | The nostalgia on the verge of extinction | Kolkata (Índia), 2018 (40)*
tema 1 pessoas

23

22.4.3.jpg Kinza Emaan, Paquistão | Poverty | Peshawar (Paquistão), 2016 (41)*


transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

24
144.4.1.jpg Filiberto Capote Martín, Espanha | Infancia | Luang Prabrang (Laos), 2009 (42)*
144.4.5.jpg Filiberto Capote Martín, Espanha | Infancia | Luang Prabrang (Laos), 2007 (43)*
144.4.3.jpg Filiberto Capote Martín, Espanha | Infancia | Yangon (Myanmar), 2009 (44)*
tema 1 pessoas

25

93.2.4.jpg Murtadha Ridha Jasim, Iraque | I am a shepherd | Kut - Wasit (Iraque), 2015 (45)*
93.2.1.jpg Murtadha Ridha Jasim, Iraque | Little shepherd | Kut - Wasit (Iraque), 2015 (46)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

26

53.2.6.jpg Hamid Jamshidian, Irão | Man photographer | Iran (Irão), 2018 (47)*
54.2.1.jpg Alfonso García Marcos, Espanha | Vendiendo el Alma | Elias Piña (República Dominicana), 2017 (48)*
tema 1 pessoas

27

130.4.6.jpg Mohammad, Irão | The Look | Yazd (Irão), 2016 (49)*


130.4.4.jpg Mohammad, Irão | Invocate | Qom (Irão), 2017 (50)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

28
193.4.2.jpg Eugene, Rússia | One day in the life of Pavel Ivanovich | Lake Onega (Rússia), 2010 (51)*
134.4.6.jpg Ricardo Ramos, Portugal | A Cuidadora | Tazém, Trás os Montes (Portugal), 2017 (52)*
182.4.4.jpg Julia Rafaela da Silva Oliveira, Brasil | S/título | Recife (Brasil), 2018 (53)*
tema 1 pessoas

29

116.4.3.jpg Mohammad Rakibul Hasan, Bangladesh | I am Rohingya | Balukhali Rohingya Refugee Camp (Bangladesh), 2017 (54)*
116.4.5.jpg Mohammad Rakibul Hasan, Bangladesh | I am Rohingya | Thangkhali (Bangladesh), 2017 (55)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

30
27.2.3.jpg Natalya Vinogradova, Rússia | Karelian girl | Republic of Karelia (Rússia), 2017 (56)*
18.2.6.jpg Javad Rezaei, Irão | Farmer and his product | Khorasan Razavi Province (Irão), 2017 (57)*
106.1.3.jpg Welman Manest, Indonésia | I choose to Cried on my Uncle Grave | Janji Matogu Grave/Porsea (Indonésia), 2015 (58)*
tema 1 pessoas

31
61.2.3.jpg Bao Son Nguyen, Vietname | Northeast monsoon | Son Hai, Phan Rang (Vietname), 2011 (59)*
238.1.6.jpg David Rengel, Espanha | Tears in the Forest | Cambodia (Camboja), 2014 (60)*
238.1.4.jpg David Rengel, Espanha | Tears in the Forest | Cambodia (Camboja), 2014 (61)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

32

194.1.1.JPG Seyed Madyar Shojaeifar, Irão | Dust | Ahvaz (Irão), 2015 (62)*
194.1.5.JPG Seyed Madyar Shojaeifar, Irão | Dust | Ahvaz (Irão), 2015 (63)*
tema 1 pessoas

33

233.4.6.jpg Javier Pedro Fernández Ferreras, Espanha | Vertedero-6 | Camboja (Camboja), 2014 (64)*
233.4.1.jpg Javier Pedro Fernández Ferreras, Espanha | Vertedero-1 | Camboja (Camboja), 2014 (65)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

Geografias do sofrimento e da melancolia


Jorge Gaspar *

Chegado a esta fase da minha vida é já muito difícil de organização taxonómica, procurei agrupá-los por
ver alguma coisa que não pelo filtro da Geografia, do tipos de passageiros: estantes, migrantes, turistas e
onde das coisas e das pessoas, que com as coorde- deslocados, sem terra, sem pão, sem, sem, sem nada.
nadas definem os lugares. Mas hoje, quis a sorte, ou São cenas da “marcha da Humanidade” que prossegue
seja, a mão do meu querido amigo Rui Jacinto, que não inexorável, desenhando mais e mais labirintos, jogos
ficasse com os lugares, nem com as paisagens, nem para cegos. Detenho-me na profunda melancolia ins-
norte nem sul, nem este ou oeste, mas com os rostos: crita nos olhares a que eu me fixo, melancolia da vida
uma coleção de rostos que pelo que ficou dito, são ne- que não chegou, que não veio mesmo. Vejo-os todos
cessariamente rostos de geografias. Desde logo, numa enquanto crianças, que nunca deixaram de ser, ino-
primeira viagem a galgar páginas, a galgar imagens, centes: sobretudo as crianças, Senhor!!! Não houve,
encontro duas geografias muito evidentes: uma geo- talvez não pudesse mesmo haver lugar a uma poética
grafia do sofrimento e uma geografia da melancolia. da esperança, tão vivas eram as feridas, as más me-
mórias, tão grandes que nem o pitoresco conseguiu
Rostos que são os mapas das geografias do poder, os lugar. Ficou-nos assim o grito suspenso destes rostos
mapas que os impérios desenham e depois dominam, que nos interpelam.
exploram, à escala natural, à escala um para um: um
ser humano, um ser explorado, um ser descontado, Sinto-me numa vertigem, procuro uma âncora, no
um espaço vazio, pronto para novo ciclo. Rostos espaço e no tempo, seguro-me na tábua cronológica,
que traduzem as ações de abuso. São fotografias já que as geografias são insuficientes, vou procurar
implacáveis, na denúncia, mas também na exaltação os lugares no tempo, decifrar as memórias apagadas
da desgraça, da iniquidade, do fim sem retorno, sem nestes rostos que para já estão imobilizados no tempo
paraísos ocultos, sem terras prometidas. das imagens e descubro que são rostos que nos pu-
xam para um tempo sem tempo, para um buraco, o
Na sua crueza, no seu isolamento, estes rostos são buraco que ameaça a Humanidade.
representantes de geografias deslocadas, são ima-
gens descoordenadas, sem azimute. Olhando estas
imagens verificamos que na sua maioria parecem O atlas escolar
deslocadas das geografias originais, pertencem a
viajantes errantes, surpreendidos numa estação da Lembro-me do Atlas Escolar Português do Professor
sua deambulação. Por isso, num primeiro impulso João Soares, uma versão portuguesa, excelente, de
34
tema 1 pessoas

um Atlas do Instituto Agostini de Novara. Quantas que comanda o trovão e protege os navegantes e os
viagens maravilhosas me proporcionou esse Atlas. No comerciantes, a Yu Shi, o mestre das chuvas que nos
final tinha uma rica ilustração fotográfica e a série que dá a água e nos defende das secas, a Indra o Rei dos
mais me animava era a dedicada às raças humanas: Deuses, o rei da luz e do trovão, da chuva e dos rios:
rostos de gentes dos cinco continentes. Mestres do Tempo e do Clima, que são também os
Mestres do Futuro que agora nos atormenta.
Nós, crianças, viajávamos no Mundo através daqueles
rostos amigos, dos nossos irmãos europeus, dos As mudanças climáticas e as alterações dos elemen-
nossos irmãos africanos, asiáticos, oceânicos, das tos comandam as novas marchas da Humanidade e
fadas da Nova Zelândia e da Austrália, aos exóticos aumentam as angústias, ansiedades e desesperos.
papuásios/novaguineenses. Aos queridos chineses de E tudo já começou, tanto que foi ao encontro destes
olhos em bico, que nos ofereciam/vendiam gravatas fotógrafos, passou por estes rostos.
na Baixa de Lisboa – “já tinha passado o tempo do
“perigo amarelo”, juntavam-se os índios que nos arre- As virgens voltam a ensaiar bailados para aplacar as
piavam nos ecrãs dos cinemas, onde os heróis eram fúrias dos deuses e dos demónios.
os vaqueiros e pistoleiros brancos, por vezes com as
fardas das tropas da União e, aí, já metia cornetas
e clarins. Índios que ali nas belas páginas daquele Em cada rosto igualdade
adorado Atlas também se tornavam figuras familiares,
com seus adornos, colares e coifas de penas de aves De facto, a grande utopia de Zeca Afonso torna-se
exóticas. E as viagens tornavam-se mais locais, com os enorme necessidade face a estes rostos que nos con-
rostos a afeiçoarem-se às aldeias e às cidades. templam a lembrar a tábua cronológica e o Atlas da
Humanidade. Temos que fincar bem os pés no futuro
para ver que a nova Amaurota poderá mesmo ser a
Das utopias e das distopias Grândola que, como sinal, até encerra nos seus limites
geográficos uma Aldeia do Futuro.
Rezem irmãos, ao Senhor dos Aflitos, à Senhora das
Candeias à Virgen de Guadalupe, ao grande Haddad, Terra da Fraternidade
senhor do tempo, das trovoadas e das chuvas, a Baal Em cada rosto igualdade

* Geógrafo, Professor Emérito da Universidade de Lisboa.


35
lugares
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

38

134.3.6.jpg José Figueira, Portugal | Cais do Ginjal | Cais do Ginjal, Almada (Portugal), 2018 (66)*
134.3.4.jpg José Figueira, Portugal | Para mais tarde recordar | Cais do Ginjal, Almada (Portugal), 2018 (67)*
tema 2 lugares

39

170.1.2.jpg Sofia Mendonça, Portugal | O Barco e o Pescador | Cacilhas (Portugal), 2017 (68)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

40
170.1.3.jpg Sofia Mendonça, Portugal | Ginjal a preto e branco | Ginjal-Almada (Portugal), 2017 (69)*
164.1.4.jpg Pedro Tavares, Portugal | Esqueleto da Carrasqueira (4) | Carrasqueira, Comporta (Portugal), 2017 (70)*
164.1.2.jpg Pedro Tavares, Portugal | Esqueleto da Carrasqueira (2) | Carrasqueira, Comporta (Portugal), 2017 (71)*
tema 2 lugares

41

164.1.1.jpg Pedro Tavares, Portugal | Esqueleto da Carrasqueira (1) | Carrasqueira, Comporta (Portugal), 2017 (72)*
164.1.5.jpg Pedro Tavares, Portugal | Esqueleto da Carrasqueira (5) | Carrasqueira, Comporta (Portugal), 2017 (73)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

42101.2.2.JPG Fernando Manuel Cerqueira Barros, Portugal | Veiga de Aceredo | Albufeira do Alto Lindoso, Aceredo, Galiza (Espanha), 2017 (74)*
101.2.3.JPG Fernando Manuel Cerqueira Barros, Portugal | Casa | Albufeira do Alto Lindoso, Aceredo, Galiza (Espanha), 2017 (75)*
81.2.5.jpg Maria Amanda Martinez Elvir, Brasil | S/título | Chapada Diamantina (Brasil), 2017 (76)*
79.2.1.jpg Simonova, França | Time’s flow | Doubs (França), 2016 (77)*
tema 2 lugares

43

101.2.5.JPG Fernando Manuel Cerqueira Barros, Portugal | Resistência | Albufeira do Alto Lindoso, Aceredo, Galiza (Espanha), 2017 (78)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

44

175.1.5.jpg Andrea Hilgert, Brasil | Vida na margem | Tramandaí, Rio Grande do Sul (Brasil), 2018 (79)*
50.2.4.jpeg Marco António Areias Alves, Portugal | Comunidade | Santarém (Portugal), 2018 (80)*
tema 2 lugares

45

244.1.2.JPG Luis Márquez Nogales, Espanha | Marismas del Guadalquivir 2 | Sevilha (Espanha), 2018 (81)*
193.4.1.jpg Eugene, Rússia | One day in the life of Pavel Ivanovich | Lake Onega (Rússia), 2010 (82)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

46

248.4.3.jpg Maria Bernadete Ribeiro da Costa, Brasil | O cotidiano da população ribeirinha | Amazônia (Brasil), 2017 (83)*
248.4.6.jpg Maria Bernadete Ribeiro da Costa, Brasil | O cotidiano da população ribeirinha | Amazônia (Brasil), 2017 (84)*
tema 2 lugares

47

110.1.1.jpg Aakash, Índia | Rare smiles | Pune (Índia), 2017 (85)*


110.1.6.jpg Aakash, Índia | Happy house | Pune (Índia), 2017 (86)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

48

92.2.4.jpg Tran Van Tuy, Vietname | Harvesting food | Binh Thuan (Vietname), 2014 (87)*
36.2.3.jpg Nimai Chandra Ghosh, Índia | Floriculture | West Bengal (Índia), 2015 (88)*
tema 2 lugares

49
49.2.1.jpg Aleix Franco, Espanha | GreenField | Batad (Filipinas), 2018 (89)*
36.2.2.jpg Nimai Chandra Ghosh, Índia | Drying Paddy | West Bengal (Índia), 2015 (90)*
103.1.6.JPG Majid Shahbodaghi, Irão | Light rain | Qazvin (Irão), 2017 (91)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

50

103.3.6.jpg Nuno França Machado, Portugal | Olhos de Amor | Ilha de São Miguel (Portugal), 2018 (92)*
103.3.2.jpg Nuno França Machado, Portugal | A porta para o Amor | Ilha de São Miguel (Portugal), 2018 (93)*
tema 2 lugares

51

122.2.5.jpg Gerson Turelly, Brasil | Agro | Campinas do Sul (Brasil), 2017 (94)*
122.2.4.jpg Gerson Turelly, Brasil | Galpão | Campinas do Sul (Brasil), 2017 (95)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

52
71.1.1.jpg Leandro Moraes Barbosa Lima, Brasil | Floresta de Pedra | Paraúna - Goiás (Brasil), 2018 (96)*
71.1.2.jpg Leandro Moraes Barbosa Lima, Brasil | Pedra Cálice | Paraúna - Goiás (Brasil), 2018 (97)*
235.1.2.jpg José Manuel C. Baptista, Portugal | Oliveira Milenar 2 | Alvaiázere (Portugal), 2018 (98)*
tema 2 lugares

53

235.1.1.jpg José Manuel C. Baptista, Portugal | Oliveira Milenar 1 | Alvaiázere (Portugal), 2018 (99)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

54

224.1.4.jpg Tiago Valido, Portugal | Tesouros da Turquia #4 | Cappadocia (Turquia), 2016 (100)*
tema 2 lugares

55

95.1.1.jpg Ana Santos, Portugal | Final de tarde em Castelo Bom | Castelo Bom (Portugal), 2016 (101)*
132.1.6.jpg Maria Isabel Dias Nobre, Portugal | Casas do Piódão | Piódão, Arganil (Portugal), 2107 (102)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

56
79.3.4.jpg Abdelhadi Akarandou, Marrocos | Traditional handicraft | Dakhla (Marrocos), 2018 (103)*
45.1.5.JPG Adeeb Alsayed, Síria | The City and The castle | Aleppo (Síria), 2018 (104)*
45.1.1.JPG Adeeb Alsayed, Síria | Castle of Aleppo | Aleppo (Síria), 2017 (105)*
tema 2 lugares

57

45.1.6.JPG Adeeb Alsayed, Síria | The Golden Scene | Aleppo (Síria), 2017 (106)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

58

212.4.2.jpg Afshin Azarian, Irão | The Female Lion | Chaharmahal Va Bakhtiari Province (Irão), 2017 (107)*
212.4.5.jpg Afshin Azarian, Irão | Baking bread | Chaharmahal Va Bakhtiari Province (Irão), 2017 (108)*
tema 2 lugares

59

72.2.1.jpg Amin Dehghan, Irão | Shortage of places | Irão (Irão), 2016 (109)*
212.4.6.jpg Afshin Azarian, Irão | Cold weather, warm family | Chaharmahal Va Bakhtiari Province (Irão), 2017 (110)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

60

124.2.1.jpg Avin Abbasi, Irão | Manijalan | Iran Kudistan Bane Manijalan (Irão), 2018 (111)*
15.2.6.jpg Maryam Alemomen Dehkordi, Irão | Rural home | Khonsar (Irão), 2017 (112)*
tema 2 lugares

61

156.4.3.JPG Manuel Alberto Azevedo Gomes Novo, Portugal | Comércio de Rua | Ksar de Ait Ben Haddou, Ouarzazate (Marrocos), 2017 (113)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

62

136.1.2.JPG Katherine Marulanda, Colombia | Olvido | Rioacha (Colombia), 2012 (114)*


156.4.5.JPG Manuel Alberto Azevedo Gomes Novo, Portugal | Comércio Nómada | Erfoud (Marrocos), 2017 (115)*
tema 2 lugares

63

182.1.1.jpg Mohammad Shafai, Irão | Dream desert | Isfahan (Irão), 2017 (116)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

64

170.1.6.jpg Sofia Mendonça, Portugal | Escadaria para a liberdade | Trafaria (Portugal), 2017 (117)*
170.1.1.jpg Sofia Mendonça, Portugal | No País das Maravilhas | Ginjal, Almada (Portugal), 2017 (118)*
tema 2 lugares

65
56.2.2.jpg Celia Cisneros Burbano, Espanha | Vano2 | Ainsa, Huesca (Espanha), 2016 (119)*
114.3.1.jpg Andréa Bernardes e Silva, Brasil | Entropia - 1 | Arredores do Porto de Santos, estado de São Paulo (Brasil), 2017 (120)*
56.2.1.jpg Celia Cisneros Burbano, Espanha | Vano1 | Monsanto (Portugal), 2017 (121)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

66119.4.1.jpg Antonio Farto Casado, Espanha | Mercados, Reflejos de Sociedades 11 | Madrid (Espanha), 2017 (122)*
119.4.2.jpg Antonio Farto Casado, Espanha | Mercados, Reflejos de Sociedades 12 | Madrid (Espanha), 2017 (123)*
119.4.4.jpg Antonio Farto Casado, Espanha | Mercados, Reflejos de Sociedades 14 | Madrid (Espanha), 2017 (124)*
119.4.6.jpg Antonio Farto Casado, Espanha | Mercados, Reflejos de Sociedades 16 | Madrid (Espanha), 2017 (125)*
tema 2 lugares

67

104.3.1.jpg Walter Mateus Craveiro, Brasil | Av. São João | São Paulo (Brasil), 2016 (126)*
91.3.4.jpg Fardin Oyan, Bangladesh | Fish market | South Asia (Bangladesh), 2017 (127)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

O lugar: entre fixação e fluidez, repouso e mobilidade


Rogério Haesbaert *

“Este é o meu lugar” – quando fazemos essa afirma- sença do Outro, se não houver alguma relação com
ção, parece que nos apropriamos de um espaço e fa- a alteridade. Assim, o aconchego do lugar também
zemos dele nossa casa. Há uma palavra em português lembra hospitalidade, e hospitalidade lembra Outros
que sintetiza bem esse sentimento, e que a geógrafa que participam de nossas trajetórias e ritmos de vida,
brasileira Lívia de Oliveira recorda muito bem: “acon- tornando-os mais solidários e acolhedores. Afinal, não
chego”: o lugar é “experienciado como aconchego que se define lugar apenas pela fixação e pelo repouso.
levamos dentro de nós”. (Oliveira, 2012, p. 15) Outro geógrafo muito conhecido neste debate, Yu Fu-
Tuan, chegou a distinguir o lugar como “pausa”, frente
Sentimo-nos aconchegados quando estamos no nosso ao espaço como movimento. Alguns o criticaram
lugar. Mas é bom pensarmos sobre de que tipo de por uma visão conservadora ao enfatizar esse lugar
aconchego e de “nosso” estamos falando. Pois acon- seguro e relativamente fechado. Na verdade, diriam
chego não pode ser apenas um quarto fechado onde, outros (talvez Doreen Massey como a mais citada),
sozinhos, repousamos com satisfação. Até porque todos os nossos espaços, seja na leitura como lugar,
nem todos podem (ou precisam) ter um quarto, um como território e/ou como região, são moldados
espaço individual e nem todos repousam – ou querem fundamentalmente por dinâmicas, fluxos, movimento.
repousar – sozinhos. E também porque, hoje, mesmo Não poderíamos mais pensar num lugar apenas como
este lugar-peça de casa, mínimo, que podemos consi- um espaço fechado e, por isso, “seguro”. Segurança
derar um de nossos lugares mais elementares, pode também se garante com abertura, visibilidade e mo-
ser aberto, vulnerável e passível de ser acessado e vimento. Pesquisas já demonstraram, por exemplo,
sofrer interferência pela presença, ainda que virtual. o efeito de ruas mais movimentadas, com maior
de outros. Basta um aparelho de celular. Ligamos a câ- frequência de pedestres, e o quanto uma melhoria na
mera e podemos ter alguém, de certa forma, “dentro” iluminação (mais até, muitas vezes, do que a dispen-
de nossa casa. Como afirma Edward Relph, um dos diosa instalação de câmeras) pode representar em
geógrafos já clássicos no debate sobre o lugar, “minha termos de maior segurança.
experiência de lugar é ao mesmo tempo intensamente
local e sem limites por meio das tecnologias moder- Tal como ocorre com as horas de sono na tranquili-
nas”. (Relph, 2012, p. 31) dade do nosso lar, o repouso é apenas uma parcela
– importante, mas ainda assim temporária – nos
Indo mais além, podemos defender o argumento de múltiplos ritmos de nossa vida. Não é demais lembrar
que não há efetivamente lugar se não existir a pre- a realidade aparentemente banal de que todos, hu-
68
tema 2 lugares

manos e não-humanos, matéria e ideia, tudo é dotado de apartação, fato comum nos condomínios fechados
concomitantemente de estabilidade (sempre relativa) que tanto marcam as cidades latino-americanas.
e movimento – ou de “fixos e fluxos”, na simples e
arguta terminologia de Milton Santos. Mais do que dizer o que é o lugar que habitamos tal-
vez fosse importante nos perguntarmos que tipo de
Assim, se lugar é aconchego não é apenas porque ali lugar gostaríamos – ou mesmo deveríamos – habitar.
paramos e descansamos, recuperando nossas ener- Frente a tantos movimentos que reforçam a direção
gias. É aconchego porque ali encontramos os Outros, rumo a lugares fechados, quase impermeáveis,
Outros que nos afetam, que recebem afeto, que par- defensivos, em busca de uma alegada segurança,
tilham, que, nas nossas diferenças, nos reconhecem precisamos com urgência promover lugares de aber-
e nos respeitam e, assim, permitem que, através do tura ao diálogo, ao encontro e ao aprendizado com o
diálogo, nos estimulemos a pensar e agir (também) Outro, única possibilidade de construir uma sociedade
de modo diferente. Lugar, nesse sentido, deve ser melhor, ao mesmo tempo solidária e transformadora.
também “lugar” porque nele se pratica – ou constante- O conservadorismo que se alastra pelo mundo vem
mente se ensaia – a democracia. acompanhado sempre desses movimentos reclusivos,
introspectivos, de retraimento, de um voltar-se para
Lugar não é somente um espaço que delimitamos em si mesmo e para dentro, como se lá fora estivesse
função de ações, imaginários e desejos que conside- sempre um perigo a ser evitado e não um desafio a
ramos mais propriamente nossos. Até porque aquilo ser conhecido e mutuamente transformado.
que hoje consideramos “nosso” um dia foi (ou ainda é)
também de outros, e nem sabemos mais distinguir o Precisamos reconhecer o paradoxo de que o fora
que nos é efetivamente próprio e o que adquirimos, hoje não está apenas no exterior, ele está também
num amálgama a partir das múltiplas relações que dentro de nós. Nosso lugar, por mais bem delimitado
nos fazem seres sociais, sociáveis, humanos. Huma- e resguardado que pareça, é um espaço também
nos que, contraditória ou ambivalentemente, também interceptável por outros, muitos outros, do poder que
são dotados da capacidade (e do desejo, tantas vezes) do alto nos monitora aos internautas que, mesmo
de condenar, de segregar, de construir barreiras, de sem permissão, armazenam nossa vida digital e, além
impedir a recepção e/ou o diálogo. de nos vigiar, também têm o poder de impor ideias. O
lugar adquire uma outra conotação, ao mesmo tempo
Assim, mesmo sob a tremenda velocidade deste mais vulnerável e mais aberto à construção de cone-
capitalismo global, há, obviamente, lugares de maior xões transformadoras com o mundo.
repouso e de maior movimento, assim como há luga-
res de identificação e de aversão – ou topofílicos e to- Em resumo, precisamos reconhecer as formas com
pofóbicos, nos termos de Yu Fu-Tuan. Nosso cotidiano, que hoje se vinculam o lugar como fixação e o lugar
imerso nesses lugares de vida, semeiam ora hospitali- como movimento, pois eles nunca são excludentes,
dade, receptividade, ora xenofobia, repulsa ao Outro, a começar pelo fato simples, cotidiano, de que nossa
e nesse ir-e-vir parece mover-se o próprio mundo. vida é uma composição, compulsória, de repouso
Enquanto uns “se lugarizam” no aconchego de seus in- e mobilidade. Trata-se apenas de uma questão de
tramuros, outros podem ver aí um signo de evitação, reconhecer suas distintas intensidades: uns são mais
69
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

nômades, outros mais sedentários; uns são mais fixos Sentir-se “inteiro” no espaço que habitamos e onde
ou móveis por opção, outros por obrigação. Como circulamos significa, hoje, mais do que nunca, não
afirmava Doreen Massey, o mais importante é perce- apenas a proteção e a fixação de um “ambiente segu-
ber quem tem o poder de desencadear o movimento, ro”, mas também o aconchego de um lugar múltiplo
quem comanda a extremidade propulsora e quem que, no jogo entre abertura e fechamento, concede a
está muito mais, passivamente, na extremidade re- seus habitantes a autonomia para retrair-se ou expan-
ceptora. Conscientes, entretanto, de que para mudar dir-se de acordo com o momento, a necessidade e/ou
o mundo e minimizar essa enorme desigualdade é o desejo em busca de uma vida melhor. Não se trata,
necessário desconcentrar o poder dos que defendem portanto, de reconhecer – ou mesmo de defender
seus lugares “invioláveis” ao preço de uma mobilidade – um lugar comandado pelo repouso e a fixação, ou
planetária sob seu controle – e que controla o des- pelas conexões e a mobilidade, pois é imprescindível o
locamento dos “de baixo” – e ampliar a capacidade respeito à multiplicidade de ritmos através dos quais
dos “de baixo” de construírem lugares onde se sintam se constrói e se transforma, permanentemente, a
efetivamente presentes, “inteiros”. espaço-temporalidade dos homens.

Referências RELPH, E. Reflexões sobre a emergência, aspectos e essência do lugar.


In: Marandola Jr.; Holzer, W. e Oliveira, L. (org.) Qual o espaço do lugar?
MASSEY, D. Um sentido global de lugar. In: Arantes. O. (org.) O espaço da
Geografia, Epistemologia, Fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, 2012.
diferença. Campinas: Papirus, 2000.
SANTOS, M. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.
OLIVEIRA, L. O sentido de lugar. In: Marandola Jr.; Holzer, W. e Oliveira, L.
(org.) Qual o espaço do lugar? Geografia, Epistemologia, Fenomenologia. São TUAN, Y. F. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel,
Paulo: Perspectiva, 2012. 1983.

* Geógrafo, Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Brasil.
70
tema 2 lugares
outros olhares
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

74
15.4.2.jpg Uliana Kharinova, Rússia | Lena | Russkoe Village (Rússia), 2015 (128)*
15.4.3.jpg Uliana Kharinova, Rússia | Inspired by Rembrandt | Russkoe Village (Rússia), 2015 (129)*
15.4.1.jpg Uliana Kharinova, Rússia | Dandelion | Russkoe Village (Rússia), 2015 (130)*
tema 3 outros olhares

75
130.2.1.jpg António Jorge Feio Bacelar Vilar, Portugal | Frutos do trabalho | Estarreja, Aveiro (Portugal), 2017 (131)*
130.2.6.jpg António Jorge Feio Bacelar Vilar, Portugal | Bincadeiras depois da escola | Murtosa, Aveiro (Portugal), 2016 (132)*
130.2.4.jpg António Jorge Feio Bacelar Vilar, Portugal | Reunião de família | Murtosa, Aveiro (Portugal), 2018 (133)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

76
29.4.1.jpg Amir lavon, Israel | Long way home | Israel (Israel), 2018 (134)*
29.4.2.jpg Amir lavon, Israel | Color matters | Israel (Israel), 2018 (135)*
35.4.3.jpg Maraíza Machadi, Uruguai | Sonhos de criança | Bahia (Brasil), 2018 (136)*
tema 3 outros olhares

77
29.4.4.jpg Amir lavon, Israel | Hands of rights | Israel (Israel), 2018 (137)*
35.4.5.jpg Maraíza Machadi, Uruguai | Sonhos de criança | Bahia (Brasil), 2015 (138)*
35.4.4.jpg Maraíza Machadi, Uruguai | Sonhos de criança | Bahia (Brasil), 2015 (139)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

78111.4.2.jpg Esperanza Labrador Rodríguez, Espanha | Las manos de Josefa | Asturias (Espanha), 2018 (140)*
111.4.6.jpg Esperanza Labrador Rodríguez, Espanha | Manuela | Asturias (Espanha), 2016 (141)*
129.4.5.jpg Meryem Belhaji, Argélia | Be kind to yourself | Blida (Argélia), 2018 (142)*
129.4.6.jpg Meryem Belhaji, Argélia | Be kind to yourself | Blida (Argélia), 2018 (143)*
tema 3 outros olhares

79
148.4.3.jpg Sandro Rogério Charlois Porto, Portugal | Detalhes da Fé 3 | Ponta Delgada, Ilha de São Miguel, Açores (Portugal), 2018 (144)*
148.4.5.jpg Sandro Rogério Charlois Porto, Portugal | Detalhes da Fé 5 | Ponta Delgada, Ilha de São Miguel, Açores (Portugal), 2018 (145)*
148.4.1.jpg Sandro Rogério Charlois Porto, Portugal | Detalhes da Fé 1 | Ponta Delgada, Ilha de São Miguel, Açores (Portugal), 2018 (146)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

80

228.4.5.jpg Yaroslav, Rússia | The Keeper | Novosibirsk (Rússia), 2018 (147)*


91.4.3.JPG Igor Gonçalves da Silva Dorneles, Brasil | Trenzinho | Rio de Janeiro (Brasil), 2018 (148)*
tema 3 outros olhares

81

Gualter Naves, Brasil | Futebol na Favela 04 | Favela Aglomerado da Serra, Belo Horizonte, Minas Gerais (Brasil), 2014 (149)*
72.4.4.jpg Gualter Naves, Brasil | Futebol na Favela 05 | Favela Aglomerado da Serra, Belo Horizonte, Minas Gerais (Brasil), 2014 (150)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

82
128.3.4.jpg Arseniy, Rússia | Inside | Viborg (Rússia), 2017 (151)*
40.2.1.JPG António Manuel Gomes Roque, Portugal | Ferrolho | Carpinteiro, Guarda (Portugal), 2018 (152)*
159.1.2.jpeg Rania, Tunísia | Accient | Mahdia (Tunísia), 2018 (153)*
tema 3 outros olhares

83

128.3.3.jpg Arseniy, Rússia | January | São Petersburgo (Rússia), 2014 (154)*


transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

84

58.4.4.jpg Antonio Pérez, Espanha | 004 Doble mirada sobre la resistencia | Asentamiento chabolistas de inmigrantes en Lepe, Huelva (Espanha), 2017 (155)*
33.2.6.jpg Melika Mohammadi, Irão | Boy and small house | Makhunik village in Doreh Rural District, South Khorasan Province (Irão), 2018 (156)*
tema 3 outros olhares

85

33.2.4.jpg Melika Mohammadi, Irão | The oldest woman in the village | Makhunik village in Doreh Rural District, South Khorasan Province (Irão), 2018 (157)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

86

90.2.3.jpg Amanda Leite, Brasil | Lago | Palmas / TO (Brasil), 2017 (158)*


243.1.1.jpg Carolina Ribeiro Batista, Portugal | Bétulas | Lamas de Olo (Portugal), 2018 (159)*
tema 3 outros olhares

87

56.3.1.jpg Enrique Balenzategui, Espanha | Intervenidos 01 | Navarra (Espanha), 2017 (160)*


56.3.2.jpg Enrique Balenzategui, Espanha | Intervenidos 01 | Navarra (Espanha), 2017 (161)*
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

88233.1.2.jpg Armin Amirian, Irão | Gelofen-01 | Gelofen (Irão), 2014 (162)*


238.4.5.jpg Adam Żądło, Polónia | Millenials | Małopolska (Polónia), 2018 (163)*
188.1.5.jpg Omid Barjasteh, Irão | Mirror head | Urmia (Irão), 2017 (164)*
102.3.4.jpg Leticia Burillo Pinac, Espanha | Arcosur Lucha IV | Zaragoza (Espanha), 2017 (165)*
89

238.4.3.jpg Adam Żądło, Polónia | Brother | Małopolska (Małopolska), 2018 (166)*


legendas

1 ter. There is no sanitation system so for drinking, 26


Na Central Station, cruzamento de todas as bizarrias. washing, toilet purpose and making liquor they use India has a rich tribal culture, its traditional tribal
the same water but with their practical knowledge costumes and tribal Jewelry are known all over in
2 they collect drinking water from upper part. This the world. Different types of tribes have their own
Seduzir os visitantes é uma tarefa constante. area is hilly area. So daily they have to walk few style and fashion. Tribal clothes and Tribal Fashion
miles to collect their drinking water. jewelries like necklace, bangle and earrings are dif-
3
ferent in each tribe tribes.
Aos banqueiros que gerenciam a pobreza. 21
A Paniya (tribal)woman are characterized by their
In remote Orissa there is a tribe bonda, they are large ear plugs made of manjadikkuru (Circassian
4
staying far from the civilised world. Their life style, seed).
A crise de 2008 declinou a pequena ascensão dos their attire their culture is concentreted among
pobres no período petista de governo federal, o themselves. Mainly ladies do the work and after 27
desemprego e a informalidade aumentaram. work intoxicated with country liquor. Weekly they India has a rich tribal culture, its traditional tribal
come to the market in civilised area 25 kilometre costumes and tribal Jewelry are known all over in
5-8
walking from their village to find their necessities the world. Different types of tribes have their own
I’m not an urbanite. that is the only connection with the outer world. style and fashion. Tribal clothes and Tribal Fashion
9 Here they are going to fetch the water. jewelries like necklace, bangle and earrings are dif-
Alexander is a professional craftsman, he cuts from ferent in each tribe tribes.
22
wood some traditional Russian household items The Bonda women have shorn heads and wear
Mainly rice is their staple food, with that they make only a ringa, a length of cloth that covers the waist.
of the 17-19 centuries. Aleksandr is sitting in his one curry with chicken or any edible species or
home workshop. He lives in a small apartment near Their torsos are covered in strings of colourful
sometimes only vegetables. They cultivate rice and beads. Bonda women also wear metal rings that
Moscow. vegitables. Nowadays they buy their necessities cover their necks which are called khagla and are
10 from the market in exchange of liquor they make, made from aluminum. necklaces made of beads
cashews, fruits collected from the forest. One thing are also worn, these are called Mali. The Bonda
The work days last about twelve hours. They earn
i must say government is in the process to connect women also wear bangles on their arms made of
about 3,500 pesos per week (64 euros). Just to
them with the outer society. They are getting rice brass or aluminium.
cover the most basic needs.Sugarcane is an im-
in subsidised price.
portant industry in rural areas. Sugarcane is an im-
28
portant industry in rural areas. The period of cane 23
harvest, known as ”the harvest,” is labor-intensive, Una mujer de la etnia Tamberma, fuma en pipa en
A Bonda (Tribe) lady is drinking Haria (a rice based su casa-torre hecha de estiércol de vaca, barro y
carried out fermented beverage) on the way of Ankedelli Mar-
The vast majority of temporary workers in a sub- paja. Estas fortalezas de dos pisos conocidas como
ket (Tribal Market) at Odisha of India. ”tankietas” o ”tatas” fueron ideadas por los habi-
contract modality is entirely Haitian migrants.
24 tantes de Atakora hacia el siglo XVIII para prote-
11 gerse de las incursiones esclavistas de los guerreros
A Bonda lady (Tribal). The Bonda people are a tribal
Agricultor sertanejo trabalha para tentar minimizar del reino de Dahomey y de los merodeadores y las
people who currently live in the hills of Odisha’s
as perdas na terra seca. bestias salvajes. La zona ha sido nombrada Patri-
Malkangiri district in India. The Bonda are general-
monio de la Humanidad por la UNESCO.
12 ly semi-clothed, the women wear thick silver neck
En Togo, en el interior de este hermoso y desco-
bands. Bonda women have their heads shaved
Pedro dos Santos vive sozinho numa casa sem ele- nocido país existe un valle encantado donde el
and adorned with two types of headbands, called
tricidade e água corrente. tiempo se detuvo siglos atrás. En las montañas
turuba and lobeda. The turuba is made of grass
de Atakora. El hogar de la tribu Tamberma. Casas
13 and the lobeda made of beads. Worn together the
tradicionales, fetiches, espíritus ancestrales, arcos y
Eu espero por uma vida melhor. turuba secures the lobeda by preventing the bead-
flechas... pura naturaleza.
ed headband from slipping off the woman’s head.
Hoy en día viven en busca del equilibrio. Un equi-
14 Bonda women wear metal bands adorning their
librio perfecto. Perfecto para con ellos y para con
Meu barco está esperando por mim quando eu necks, which are called khagla and are made from
el medio ambiente. Sin demasiado contacto que
crescer. aluminum. Including the bands around their neck,
contamine el alma... sin distracciones. Serenidad
necklaces made of beads are also worn, these are
15 permanente. Disfrutando de la familia, el sol, la
called Mali.
luna y las estrellas. Viviendo con la Madre Natura-
Eu te abraço como meu irmão.
25 leza, protegiendo el medioambiente, preservando
16-19 India has a rich tribal culture, its traditional tribal su identidad... buscando permanentemente la paz.
Meninas da tribo das mulheres girafas Karen Long costumes and tribal Jewelry are known all over in 29
Neck Village, em Baan Thong Luang, no norte da the world. Different types of tribes have their own
Menina com uma carreta.
Tailândia, mantêm a tradição das argolas no pesco- style and fashion .Tribal clothes and Tribal Fashion
ço, hoje em dia por uma questão de pura vaidade jewelries like necklace, bangle and earrings are dif- 30
e poderem assim replicar os usos ancestrais das ferent in each tribe tribes. Un niño Tamberma prepara la comida en la cocina
mulheres das suas famílias. The Dhruba tribes are fond of beautiful hair clips de su “tata”. En Togo, en el interior de este precio-
and ear rings and used to wear necklace made of so y desconocido país, existe un valle encantado
20 beads ,seeds and wood. en donde el tiempo se detuvo siglos atrás. En las
Natural falls and a stream is their source of wa-
montañas de Atakora. El hogar de la tribu de los
91
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

Tamberma. Casas tradicionales, fetiches, espíritus 39 64, 65


ancestrales, arcos y flechas… naturaleza en estado Bioscope-Waala / Cinema-Waala (bioscope-man) - Trabajadores del vertedero.
puro… These people carried around portable boxes made
Famosa por sus increíbles chozas fortificadas de 66
of tin, in which we could see short clippings via a
dos pisos (que se han convertido en un símbolo del keyhole. It has a gramophone recorder on its top Cais do Ginjal, passado e história, marcas do tem-
Togo), estas fortalezas conocidas como ”tankie- and inside the box, was slides of characters and po, vivências dos Almadenses, o que é aguardando
tas” o “tatas” fueron ideadas por los habitantes acts in reels, and played manually. It was extreme- para renascer num futuro próximo.
de Atakora hacia el siglo XVIII para protegerse de ly exciting to both kids and adults in the earlier O Cais do Ginjal é um local com uma história for-
las incursiones esclavistas de los guerreros del reino days. They carried these boxes on their heads and tíssima na identidade da Cidade de Almada e um
de Dahomey, de merodeadores y de bestias salva- roamed in the streets of Kolkata, ringing a bell to espaço que possui uma magia e uma atractividade
jes. Esta área ha sido nombrada Patrimonio de la seek the attention of people. Though in the world única perante o Tejo e a sua vizinha urbe, Lisboa.
Humanidad por la UNESCO. of multiplexes and 3D shows, this has lost its charm Nunca se poderá esquecer como foi, é e será o Cais
Casas de barro que servían de fortaleza desde and demand, and there is only one single person do Ginjal, e como os espaços ribeirinhos são tão
la que defenderse de sus atacantes. Siempre en in the city now, the last Bioscopewaala or Cine- especiais e envolventes, mesmo que durante dé-
busca de protección, estos guerreros han estado mawaala. cadas Lisboa tenha sido e continue a ser a menina
luchando contra las tribus vecinas que recibieron dos olhos de tantas políticas de administração do
armas y suministros de los europeos. Todo esto por 40 território, concentradas na cidade capital.
una causa, la esclavitud. Han tenido una sola op- Gachuni (tree cutters) - To build houses and other Embora degradado e fragilizado pela marca do
ción: luchar por la libertad y la paz... buildings, it was necessary to clear the trees and tempo, por aqui passam inúmeras pessoas que
Hoy en día viven en busca del equilibrio. Un equili- shrubs of the desired areas. These people were the procuram um momento de lazer, que pescam, que
brio perfecto. Perfecto para consigo mismos y para ones for this job. Ropes, “daa” and “korol” were passeiam e que desfrutam de uma parcela do terri-
con el medio ambiente. Sin demasiado contacto the necessary equipment for them to cut down the tório de Almada que será, deseja-se, requalificada
que contamine el alma… sin distracciones. Sereni- trees. We are now at a loss of greeneries, and with num futuro próximo.
dad permanente. Disfrutando de la familia, del sol, advanced equipment to clear forests for human Este é o presente, o tempo que as fotografias irão
la luna y las estrellas. Coexistiendo con la madre needs, the demand for such manual laborers have mostrar como foi e como os almadenses, entre
naturaleza, protegiendo el ecosistema, preservando decreased. tantos outros, o viveram.
su identidad… cultivando permanentemente la paz.
41 67
31 Portrait of a garbage collector. He was crying, when Lisboa ao fundo, aqui no Cais o Ginjal encanta e
The use of Wild boar tusks as “piercings” is very he saw that i was taking his picture, he smiled. mais tarde recordaremos este momento.
popular among the local tribes of the Baliem Val- O Cais do Ginjal é um local com uma história for-
42-44
ley.. tíssima na identidade da Cidade de Almada e um
En esta toma podemos ver otro tipo de infancia. espaço que possui uma magia e uma atractividade
32 Infancia carente de sus derechos básicos y funda- única perante o Tejo e a sua vizinha urbe, Lisboa.
A typical tattooed-face of a naga-warrior towards mentales. Nunca se poderá esquecer como foi, é e será o Cais
a ploy to guerrilla-warfare which is very-much their do Ginjal, e como os espaços ribeirinhos são tão
45
part of living-culture. especiais e envolventes, mesmo que durante dé-
Middle brother, when he saw us did not come to cadas Lisboa tenha sido e continue a ser a menina
33 us and did not pay attention to the shooting, and dos olhos de tantas políticas de administração do
The inhabitants op Papua, and surrounding Pacific remained gives us a sharp stares, but when he saw território, concentradas na cidade capital.
Islands, are a physically distinctive human popu- his brothers speak with us he adjusted a little and I Embora degradado e fragilizado pela marca do
lation: Melanesians. These people are generally was able to take up this one shot for him. tempo, por aqui passam inúmeras pessoas que
known for being very friendly and welcoming to procuram um momento de lazer, que pescam, que
46
strangers. passeiam e que desfrutam de uma parcela do terri-
The youngest child among his brothers, who found
34-36 tório de Almada que será, deseja-se, requalificada
them grazing cattle on the way back from the city
num futuro próximo.
Trabalhadores indonésios da tradicional cultura do of Kut to Baghdad, and was the only one barefoot,
Este é o presente, o tempo que as fotografias irão
arroz. it seems that he likes to touch the gr
mostrar como foi e como os almadenses, entre
was abolished.
37 tantos outros, o viveram.
Cock fighting, a folk game in rural Vietnam. 61
68
Farmer resting in her field rice . The kui used only
38 Um espaço abandonado onde a arte da pesca e
a controlled land by the community for planting.
In many villages of Iran, most of the old women do um barco ao fundo, o fazem renascer.
Respecting the forest.
not stop working even until the end of their lives! 69
The type of cover, the color of clothing, food and 62, 63
Lugar de excelência para observar a ponte que nos
habits of life varies with urban people. The sim- The crisis of the hazes in Khuzestan, is an impor-
leva à capital.
plicity and integrity of the rural women are unique tant environmental crisis of Iran.
and universal. This problem several times made Ahvaz, the centre 70-73
The innocent look and the old-fashioned neglected of Khuzestan, the most polluted city in the world, Composição de 6 fotografias que despem por
face is proof of simplicity, hard work and dedica- according to World Health Organization. completo o cais palafítico da Carrasqueira.
tion.

92
legendas

74 84 98, 99
O rio Lima/Límia estrutura um fértil vale ao longo As correntezas do rio e o caminho do lar. Um pouco por todo o país, oliveiras de troncos car-
de mais de uma centena de quilómetros, desde a comidos pelo tempo embelezam há centenas de
85
sua nascente, no Monte Talariño (Galiza), até à sua anos o património natural.
Foz, em Vianna da Foz do Lima, actual Viana do Farmers Farming the Farm during Monsoons...near Muitas delas também são vítimas da desertificação
Castelo (Portugal). by village, 56km away from Pune City, India. do interior. São votadas ao abandono, sofrem com
As suas veigas permitiram um povoamento denso os incêndios, atos de vandalismo ou negligência.
86
e numeroso, dando vida a centenas de pequenos Estas árvores apresentam um valor patrimonial
núcleos populacionais. A view captured during the walkway towards un- elevado, são memórias vivas, tendo algumas delas
Com a subida das águas do Lima, após a constru- known village. ligações diretas com a história e cultura da região.
ção da Barragem do Alto Lindoso, essas águas que 87 Há pois que preservar estas “castelos” que para
deram vida a estas veigas, foram as mesmas que além de valorizar a paisagem são um elemento di-
Farmers are using machine tools to harvest rice to
ditaram a sua morte, em aldeias como a Várzea, o ferenciador e identitário de um povo.
reduce labor.
Bao, Buscalque, ou Aceredo.
100
88
75 A intromissão humana - a povoação.
Village women are involved in floriculture for their
Casas na Aldeia de Aceredo (Galiza), ressurgindo
livelihood, it is also part of agriculture, specially 101
das águas do Lima, mais de 25 anos após o desa-
women are involved in this job, they have their Antes de retomar caminho em direção à próxima
parecimento da aldeia.
own field for this floriculture and they maintain aldeia histórica pausas para espreitar um outro lu-
76 their family livelihood. gar e deambular por entre ruas de calçada e uma
Sem legenda. 89 ou outra casa de pedra tão bem conservada.

77 A man working in rice terrasses. 102


Waiting is always a stop time. 90 As típicas casas do Piódão são feitas de xisto e
lousa, com janelas em madeira, pintadas de azul,
78 A happy family is drying paddy of their own rice
descem graciosamente a encosta da serra do Açor,
Espessas paredes de alvenaria de granito, a junta field, it is their own food grain for their family.
formando um anfiteatro nesta íngreme serra, sen-
seca. 91 do por muitos apelidada de “aldeia presépio”.
Topo coroado por cápea, em cantaria de granito.
Spring weather in the field. 103
Portas e janelas, de umbrais e padieiras reforçadas.
Divisória interior em frontal de madeira. 92, 93 The center of the traditional industry in Dakhla city.
Estas velhas arquitecturas populares continuam a Yves Decoster, um artista que vive nos Açores há 104
resistir ao tempo, debaixo do peso de um quarto mais de 20 anos e que desenha corações em ha-
de século, e toneladas de água. In sight of the city, the castle sits on the throne of
bitações a pedido dos seus donos e também em
Quando reaparecem, são lições de construção tra- the city.
locais abandonados, para dar vida aos edifícios
dicional, de resistência e estabilidade: ”Firmitas”. devolutos. 105
Para os que ali habitaram, são duras recordações,
dos ”dias afogados” da aldeia que os viu nascer 94 The Citadel of Aleppo is a large medieval forti-
e crescer, e de uma vivência familiar e vicinal que fied palace in the centre of the old city of Aleppo,
Detalhe de propriedade rural com áreas plantadas
desapareceu para sempre. northern Syria. It is considered to be one of the
e com a presença de gado.
oldest and largest castles in the world. Usage of
79 95 the Citadel hill dates back at least to the middle of
Pássaros se alimentam dos peixes do Rio Tramandaí Pequeno galpão junto a um açude em propriedade the 3rd millennium BC. Subsequently occupied by
e aqui repousam entre uma pesca e outra. rural. many civilizations including the Greeks, Byzantines,
Ayyubids and Mamluks, the majority of the con-
80 96 struction as it stands today is thought to originate
Arruamentos organizados. A Serra das Galés em Paraúna de Goiás é um ver- from the Ayyubid period.
dadeiro testemunho da história geológica e conti-
81 106
nental da América Latina. As análises apontam que
Tras las cuantiosas lluvias de finales de este invier- suas formações rochosas são remanescentes de In sight of the city, from the highest point in the
no las tablas de los arrozales del Guadalquivir, de um oceano que um dia compôs o que hoje conhe- castle.
terrenos arcillosos, se inundan, siendo un lugar cemos como cerrado Brasileiro. Sendo no coração 107
perfecto para que vengan a alimentarse numero- do Brasil, as evidencias deste tipo de topografia
sos flamencos. A woman of this village wearing traditional Bakh-
revelam um passado recôndito e de profundas mu-
tiari costume. Women take on many duties at
82 danças climáticas.
home including washing clothes. Only a handful of
Village in Russia. 97 houses in the village have tap water, and this is one
Formação rochosa especial encontrada na Serra of them. Almost none of the houses have a bath-
83
das Galés em Paraúna-Goiás-Brasil com desenho room and villagers wash themselves in a large tub.
Buscando conexão na Amazônia.
que se assemelha a um cálice. 108
Women carry on their duties regardless of the con-
93
transversalidades 2018 fotografia sem fronteiras

ditions and spend much of their lives in the kitchen 119 Não é possível ignorar as suas mãos calejadas do
and home. The kitchen is used for both cooking, Vano con mosquitera en muro de piedras en rui- trabalho árduo da terra, as suas rugas profundas
bread making and bathing due to its warm tem- nas. ou seus corpos esgotados.
perature. A large tub is used for bathing. Large ket- É meu dever dignificar este povo, que me acolhe
tles are always kept by the fire for washing. Wood 120 como a um membro da família.
is mainly burned as a source of fuel and is brought Cerca viva.
134
by women and children from surrounding thickets.
121 An African boy from Ghana is a stranger studying
109 Puerta en una piedra. in an Israeli high school.
Sar Aqa Seyyed : is a village in , in the Central Dis-
122-125 135
trict of Kuhrang County, Chaharmahal and Bakh-
tiari Province, Iran. At the 2016 census, its popula- El mercado de Barceló se muestra en B/N, dejando Slava and Goni from Afula, one African and the
tion was 2,360, in 308 families la escena reflejada en color para destacar que los other from Russia, and despite their cultural di-
Sar Agha Seyyed architecture is unique. The build- mercados son un exponente de la sociedad donde versity, they know how to cooperate and become
ings have been built into the mountain and are in- se encuentran. leaders for the youth at risk.
terconnected. Courtyards and roofs both serve as
126 136
pedestrian areas similar to streets. Sar Agha Seyyed
does not allow any motor vehicles to enter, due Durante 4 anos andei pelas ruas das cidades Porto, O desejo de transformar o agora.
to its unique layout. It is the only city in Iran with em Portugal e de São Paulo, no Brasil, guiado pela
137
such a prohibition. However, the small streets and luz, fotografando como se os dois espaços, sepa-
rados pelo Oceano Atlântico, a 7.000 km de dis- The demonstration of the Ethiopian community
many stairs simply wouldn’t make it possible for
tância, fossem um único território urbano. Como due to discrimination and denial of cultural rights
vehicles to enter.
resultado surge uma nova cidade imaginária. in front of the municipality building.
110
127 138
At night, the homes are lit one by one and the
This is a local fish market in mymensingh city, Quando a alma cala e o corpo grita.
warmth of the fires provide the opportunity for the
families to sit closely, chat and eat together, rest Bangladesh. The population is growing too much
139
and have a fruitful day ahead. and quickly. Bangladesh is a country of 150millions
people. Mymensingh is one of the congested city É com o meu caminhar que conto a minha história.
111 of Bangladesh. 20years back the city have a little 140
Manjilan is a mountainous village in the west of amount of buildings . Now it is urbanizing rapidly.
Estas manos tienen 83 años, y han trabajado el
the city of Baneh. This village is hidden among the The country side are planned for making the city
campo desde que era una niña.
mountains. bigger. The picture of a local fish market can show
the crowd of the city. All kind of people of Bangla- 141
112 desh eat fish. Fish and rice is the national food of Manuela es incansable, desde las primeras horas
Mother and son are collecting autumn produce. Bangladesh. Bangladesh have many canals, rivers, hasta que se pone el sol, no deja ni un minuto de
pond. In this case, fish is handy in Bangladesh. trabajar.
113
No Ksar de Ait Ben Haddou ainda vivem alguns 128-130 142
habitantes que se dedicam essencialmente ao co- Lena - a student girl, who studies at the institute, Keep going. don’t stop.
mércio de artesanato. Este local, que é Património studies an agricultural enterprise, lives in a state
Mundial da UNESCO, serviu de cenário a filmes of deprivation. He is fond of collecting medicinal 143
bastante conhecidos. herbs and mixing them for tea. Whatever happens to you do not hesitate to your-
Lena is a very unordinary personality, not so long self and resist for yourself
114
ago - she just shaved her head. Her hair grew a It happened to me a year I was very frustrated and
Aún se siente, en tierra firme, la ondulación del mar. little, and she looked like one of the plants she I was hoping someone would come asking me
collects. about my current. No one has decided to surren-
115
der at the moment of stupid moments. But I think
Perto de Erfoud, junto a um enorme sistema de 131-133
the world does not deserve all this. And I decided
poços do deserto, uma família nómada vive do co- Através do meu trabalho fotográfico dou a conhe- to fight for myself.
mércio directo com os turistas. cer os agricultores da região de Aveiro, a Gente
Marinhoa. Fotografo dentro de suas casas ou den- 144-146
116
tro dos currais, sempre com luz natural, num regis- As Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres são
The magic of light in the desert hills displays a to mais íntimo do mundo rural. Tento retratar o seu as maiores festas religiosas dos Açores. Anualmen-
beautiful and colorful dream. modo de vida, dignificando uma gente que subsis- te, milhares de açorianos e seus descendentes, reú-
117 te diariamente em condições econômicas difíceis. nem-se em Ponta Delgada para venerar a imagem
Vivem dos recursos que a terra lhes dá, do que se- do Senhor Santo Cristo dos Milagres.
Numa prisão antiga, as escadas ao fundo, fazem o
meiam e plantam, e da criação de gado, que tra- Detalhes da Fé é um trabalho fotográfico que re-
sonho da liberdade.
tam com muito carinho. gista com grande emoção cada pormenor de fé
118 Não existem fins de semana nem dias de descanso, destes devotos, que veem no Senhor Santo Cristo
Ao fundo no Ginjal, uma quinta abandonada de trabalham do nascer ao pôr do sol, numa luta diá- do Milagres a esperança de dias melhores.
cores mágicas. ria pela subsistência.

94
legendas

147 Lepe (Huelva), es el punto de partida, realizado en 162


Students take part in a fashion show. Clothing on dípticos. Sem legenda.
models assembled by Anastasia. Dos imágenes sobre un mismo territorio y espacio
concreto (exterior/interior) se replantea el uso y sig- 163
148 nificado de las palabras “ver” (primera imagen) y I am a photographer and a graphic designer. I
Registro corpos estranhos vivendo o seu afeto e “mirar” (segunda imagen) para llegar a compren- can’t distinguish different grains or pluck the hen
carinho. der una realidad, en la que año tras año en nues- for dinner. My parents have other kind of trou-
tra comunidad existen distintas interpretaciones e bles – they use Internet so rarely that they have
149, 150
intereses: difficulties in adding attachments to an email. My
Uma das poucas alegrias e momento raro de lazer grandma believes that computers and Internet are
VER
para estes meninos. São moradores do Aglomera- developed version of “phone in a tv set”. For me
do da Serra, enorme favela localizada na cidade de 1. Percibir algo material por medio del sentido de
the screens of those “tv sets” mean all the world.
Belo Horizonte (ao fundo). Estas imagens tentam la vista.
transmitir o que existe praticamente em todo Bra- MIRAR 164
sil: desigualdade. Desigualdade de oportunidades. 1. Dirigir la vista hacia algo y fijar la atención en ello Contemporary humans, despite the current con-
Desigualdade de renda. Desigualdade de apoio do Una segunda imagen donde los pequeños gestos gestion of the contemporary world, are the only
Estado. Desigualdade de perspectivas. Desigualda- humanos y de habitabilidad diaria nos hablan de ones and can not be realistic themselves, when
de de desenvolvimento social, econômico, cultural. las personas de que viven y habitan estos espacios, faced with this bustle of the surrounding environ-
Desigualdade no saneamento básico. Desigualda- de su cercanía con nosotros, de los gestos cotidia- ment. Contemporary humans is a reproduction of
de na Educação. Desigualdade de vidas. nos... the behaviors of his environment.

151 156 165


Graffiti could not save the old house. But at least Poor boy near the old and small house. The result of the Spanish urban crisis is reflected
the vandals cut a hole in the wall in the right place. in these images thanks to the fight of the people
157 who still suffer it.
152
Poor woman with the small house.
Vai lá abaixo buscar lenha! 166
158 Grandma: “…and that’s how it is on the Internet
153
Lago. and later on the tablet? Before you have told me
Accient, old is one of the most important culture I thought that behind that glass you have a roll of
in our life. It’s somthing not anybody can see it ir 159 paper and that you move it by finger. And that
feel it. Correndo pelas bétulas. you read it as grandpa read newspaper! But whole
newspaper would not fit there…” That’s a quote
154 160
from a conversation between my grandma and
Collapsing buildings outside the tourist routes in Contrastes. her grandchild, robotics engineer. My brother is a
St. Petersburg. nerd completely absorbed by the electronics. He
161
155 has constructed himself remote-controlled, eight
Confluências. legged, walking robot – the newest “animal” on
Los asentamiento chabolistas de inmigrantes en
our farm.

95

Related Interests