You are on page 1of 10

Artigo original

A Interação Ética entre o


Prescritor e o Farmacêutico Centrada
no Medicamento Homeopático –
do Receituário à Dispensação
The Ethical Relationship Between the Physician and the Pharmacist
Concerning Homeopathic Medicaments – from Prescription to Preparation

M A R I G E M A F O N T E L L E S D E L A C RU Z 1,
L E A N D RO M A C H A D O R O C H A 2

m
R ESUMO
O receituário sem as informações necessárias à preparação do medicamento e à
orientação do paciente, ou contendo medicamentos que possam causar danos à saúde do
paciente, ou o encaminhamento do indivíduo a um determinado estabelecimento
farmacêutico, entre outros aspectos, é um assunto que requer reflexão ética profissional.
Este trabalho apresenta os resultados da avaliação farmacêutica do receituário e das
interações existentes entre o prescritor e o farmacêutico. Avaliaram-se os receituários
clínicos, disponíveis nas farmácias que manipulam medicamentos homeopáticos em três
municípios do Estado do Mato Grosso, além dos questionários distribuídos durante o
I Congresso Brasileiro de Farmácia Homeopática, realizado em São Pedro (SP), em 1997.
Na avaliação farmacêutica dos receituários, 6,5% deles não apresentaram o nome do
paciente; 59,8% trouxeram a indicação da via interna ou externa; 57,6% exibiram a
nomenclatura do medicamento correta e não abreviada; 81,5% mostraram a escala de
dinamização, e, apenas, 2,2% não apresentaram a potência. Outras terapias (alopatia,
fitoterapia, oligoterapia e florais) associadas à Homeopatia foram encontradas em 29,3%
dos receituários analisados. As interações existentes entre o farmacêutico e o prescritor
foram avaliadas para as seguintes categorias: 1) relação comercial entre prescritor e
farmácia; 2) conhecimento de elementos básicos da farmacotécnica homeopática por parte
continua

1. M.Sc., Professora de Homeopatia da Faculdade de Farmácia e Bioquímica da Universidade de Cuiabá.


2. M.Sc, Ph.D. Adjunto de Farmacotécnica Homeopática do Curso de Farmácia da
Universidade Federal Fluminense (UFF) e Orientador Acadêmico da Farmácia Universitária da UFF.
Premiado como o melhor trabalho da área de Farmácia no XXV Congresso Brasileiro de Homeopatia,
realizado no Rio de Janeiro, em 2000.

Homeopat. Bras., 9(1): 23-32, 2003 


Artigo original

do prescritor; 3) prescrição de receituário contendo informações incompletas ou


incorretas; e, finalmente, 4) flexibilidade do prescritor em aceitar a orientação
farmacêutica. Na Homeopatia, a interação profissional entre o clínico e o
manipulador/dispensador (farmacêutico) visa ao restabelecimento do bem-estar do
paciente, enquanto a diversidade de formas farmacêuticas, escalas, métodos, e a utilização
de um ou mais insumos ativos – em doses únicas ou múltiplas – favorece a não
padronização por parte dos prescritores. Sendo assim, torna-se necessária uma discussão
sobre algumas questões técnicas como essas e outras relacionadas à conduta profissional.
Unitermos: Homeopatia, Prescrição homeopática, Farmácia.

m
I NTRODUÇÃO outros aspectos, da produção do medicamento
homeopático, da relação com o
A prescrição médica busca a melhor escolha
prescritor/clínico e da relação com o paciente.
medicamentosa e requer um acompanhamento
Cabe ressaltar que, antes da manipulação do
clínico de seus efeitos.1 A literatura2 afirma que:
medicamento, o farmacêutico deve realizar a
“a prescrição homeopática é o ato que
avaliação farmacêutica da prescrição, de acordo
representa o ‘momento resumo’, no qual o
com a Resolução RDC no 333.
prescritor avalia a história clínica do paciente,
A terapêutica homeopática terá sucesso
obtendo um mosaico de sintomas que
quando cada um dos sujeitos (prescritor,
caracteriza cada paciente, para encontrar um
farmacêutico e paciente) cumprir efetivamente
medicamento através do princípio da similitude,
a sua parte, individualmente, e quando a
com o objetivo de reduzir suas queixas.”
interação entre eles se der de maneira eficiente.
A seleção correta do medicamento
A interação médico-paciente e
homeopático é um processo decisório de caráter
farmacêutico-paciente é objeto de estudo da
probabilístico, já que o prescritor lida com a
deontologia. Entretanto, sobre a interação ética
subjetividade do paciente, com o confronto de
entre o prescritor e o farmacêutico pouco se
dois conjuntos de sintomas incompletos: o
tem abordado, mesmo tendo-se consciência de
estudo do paciente e o estudo do medicamento
que os problemas de ética médico-farmacêutica
– em busca do simillimum – além das incertezas
são tão antigos quanto a Medicina e a Farmácia.
sobre o prognóstico e os benefícios/riscos de
A ética, como disciplina orientadora e
sua intervenção.
reflexiva da conduta, “abrange a pesquisa de
O “momento resumo” culmina na ordenação
normas ou regras de comportamento, a análise
do receituário, seguida da decisão do paciente
dos valores, a reflexão sobre os fundamentos dos
em se submeter ou não ao tratamento e da
direitos, a sistematização da reflexão e a prática
procura pela farmácia que venha a manipular o
concreta dos valores.”4 Dessa forma, é possível
medicamento homeopático receitado. Essas duas
estabelecer um conceito de “moral médico-
ações são de livre-arbítrio do paciente.Tomadas
farmacêutica” que, geralmente, gira em torno da
as decisões, a próxima etapa envolve o
prescrição/dispensação de medicamentos que
farmacêutico, cabendo a ele o exercício da
não sejam nocivos à saúde.
assistência farmacêutica que compõe-se, entre

 Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003


Artigo original

A percepção do medicamento como M ATERIAL E M ÉTODOS


mercadoria influencia tanto o farmacêutico –
Realizou-se um levantamento de dados para
uma vez que a farmácia é um estabelecimento
a avaliação farmacêutica do receituário,
destinado ao comércio de medicamentos e à
utilizando-se como amostra os receituários de
manipulação de fórmulas magistrais e oficinais
prescritores (médicos, veterinários e dentistas),
(Lei n0 5.991, 1973)5 –, como o prescritor, que
que continham pelo menos um medicamento
é constantemente bombardeado pela
homeopático e que foram manipulados e
propaganda com a finalidade de reforçar ou
dispensados por farmácias homeopáticas dos
alterar seus hábitos de prescrição. Estudos
municípios de Cuiabá,Várzea Grande e
mostram que a indústria farmacêutica gasta
Rondonópolis, no Estado de Mato Grosso,
25% de seu faturamento global em publicidade
durante uma semana no mês de março de 2000.
e atividades correlatas6.
O levantamento sobre as interações
Essas influências atingem a ética quando o
existentes entre prescritores e farmacêuticos
desejo de obter benefícios a qualquer custo
ocorreu durante o I Congresso Brasileiro de
estimula a utilização de meios ilícitos, em uma
Farmácia Homeopática, realizado em São Pedro
época marcada pelo individualismo, consumismo
(SP), em 1997. Aos farmacêuticos participantes
e imediatismo7. Nota-se, então, no mercado das
do evento, que concordaram em participar da
farmácias de manipulação uma disputa pela
pesquisa, foi entregue um questionário para ser
clientela e pelo prescritor.
respondido. Para a avaliação farmacêutica do
A literatura7 menciona ainda o quão
receituário prescritor, foram estabelecidas as
inquietante é a inadequada relação comercial
seguintes categorias:
médico-farmacêutico que, muitas vezes, vai
além do limite aceitável (por exemplo, o 1) dados que devem estar contidos em um
relacionamento comercial existente entre o receituário, de acordo com as
médico e o laboratório de análises clínicas) e recomendações dos códigos de ética
ressalta a proibição de qualquer transação farmacêutica e médica, com a Lei no
comercial no âmbito profissional entre médico 5.991/73 e com o manual do consumidor
e farmacêutico. de farmácia de manipulação (CRF/RJ,
O receituário sem as informações necessárias 1997): nome do paciente, nome do
à preparação do medicamento e à orientação do medicamento com a respectiva potência,
paciente, ou contendo medicamentos que escala e/ou método de dinamização, modo
possam causar danos à saúde do paciente, ou de uso, posologia, quantidade total desejada
ainda o direcionamento do paciente a um do medicamento e assinatura do prescritor;
determinado estabelecimento farmacêutico, 2) outros dados: data e cuidados e orientações a
entre outros aspectos, é um assunto que requer serem observados pelo paciente;
reflexão ética. 3) legibilidade; e
Este trabalho faz um levantamento sobre a 4) associação com outras terapias.
avaliação farmacêutica do receituário e das
Para avaliar as interações existentes entre o
interações existentes entre o prescritor e
farmacêutico e o prescritor, foram estabelecidas
o farmacêutico.
as categorias relacionadas a seguir:

Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003 


Artigo original

1) Relação comercial entre prescritor Quanto à categoria “dados que devem estar
e farmácia; contidos no receituário”, os mesmos foram
2) conhecimento de elementos básicos da avaliados de acordo com a Lei no 5.991/19935,
farmacotécnica homeopática por parte que descreve os itens que a receita deve conter
do prescritor; para que possa ser aviada:
3) prescrição de receituário contendo
(a) estar escrita à tinta, em vernáculo, por
informações incompletas ou incorretas; e
extenso e de modo legível, observando-se a
4) flexibilidade do prescritor em aceitar a
nomenclatura e os sistemas de pesos e
orientação farmacêutica.
medidas oficiais;
R ESULTADOS E D ISCUSSÃO (b) conter o nome e o endereço residencial do
paciente e, expressamente, o modo de usar
Noventa e dois receituários de prescritores nas
a medicação;
farmácias que manipulam medicamentos
(c) conter a data e a assinatura do profissional, o
homeopáticos, nas três maiores cidades do Estado
endereço do consultório ou de sua residência,
do Mato Grosso, foram avaliados. O Gráfico 1
assim como o número de inscrição no
mostra as freqüências para os itens que constam dos
respectivo Conselho Profissional.
receituários apreciados pelos farmacêuticos.
Dos questionários distribuídos durante o De acordo com o Manual do Consumidor
I Congresso Brasileiro de Farmácia Homeopática, de Farmácia de Manipulação (CRF-RJ,
71 foram respondidos (cerca de 35% dos 1997)8, além dos itens anteriormente
participantes do evento aderiram à pesquisa). O contemplados, os receituários devem trazer
Gráfico 2 apresenta a freqüência de citação dos ainda a dosagem e a posologia. Quanto ao
aspectos pertinentes à interação ética entre o nome do paciente, 6,5% dos receituários não
prescritor e o farmacêutico. O Gráfico 3 indica apresentaram a identificação. Esse é um
a distribuição dos farmacêuticos que aspecto de particular importância, pois o
responderam ao questionário por região do receituário é um documento pessoal e
Brasil, sendo que a que apresentou maior intransferível e, na terapêutica homeopática,
percentual foi a região Sudeste (67,6%) – fato assume um papel fundamental, uma vez que o
compreensível devido a sua proximidade com o medicamento é indicado para o doente e não
local onde foi realizado o evento –, seguida pela para a doença. Essa medida caracteriza a
região Sul, com 19,7%. individualidade da técnica prescritora para a
Dos farmacêuticos que responderam ao seleção correta do medicamento.
questionário, 67,7% provenientes da região Quanto à via de administração, 59,8% dos
Centro-Oeste, 72,9% da Sudeste e 57,1% da receituários apresentam a indicação da via
região Sul, indicaram a falta de dados nos interna ou externa.Todavia, das formas
receituários dos prescritores, tais como: farmacêuticas citadas nos receituários e que
posologia, forma farmacêutica, via de podem ser utilizadas com mais freqüência no
administração, etc., o que pode vir a gerar uso externo, encontrou-se a pomada e a tintura,
confusões e erros de interpretação por parte da associadas a medicamentos de uso interno.Tal
farmácia no momento em que se dá a fato denota uma clara confusão, no que diz
manipulação dos medicamentos. respeito à correta via de administração.

 Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003


Artigo original

GRÁFICO 1 Dos farmacêuticos que responderam ao


FREQÜÊNCIA ENCONTRADA PARA OS ITENS DA
AVALIAÇÃO FARMACÊUTICA DA PRESCRIÇÃO questionário, 69% afirmaram que os prescritores
nome do paciente desconhecem a nomenclatura correta dos
via de administração medicamentos, enquanto 40,8% afirmaram que
nome de medicamento correto
potência existem receituários prescritos em código. Esses
escala
método
códigos, que substituem os nomes dos
forma farmacêutica medicamentos, impedem a livre escolha da
quantidade de medicamento
dose farmácia por parte do paciente, pois somente
modo de usar uma específica é capaz de decodificar as
assinatura do médico
data informações presentes no receituário.Tal fato
cuidados e orientações
legibilidade
constitui um aspecto ilegal, já que “a receita em
associação de terapêuticas código somente poderá ser prescrita por
0% 20% 40% 60% 80% 100% profissional vinculado à unidade hospitalar” (Lei
no 5.991/1973)5. A Farmacopéia Homeopática
O nome do medicamento correto é essencial
para a identificação do mesmo. Abreviaturas,
GRÁFICO 3
supressão do gênero ou do epíteto específico DISTRIBUIÇÃO DOS FARMACÊUTICOS
podem gerar dúvidas quanto ao medicamento QUE RESPONDERAM AO QUESTIONÁRIO DURANTE O
I CONGRESSO BRASILEIRO DE FARMÁCIA HOMEOPÁTICA
homeopático por parte do manipulador/dispen- POR REGIÃO DO BRASIL

sador, requerendo muitas vezes um contato com 80%

o prescritor – atitude imprescindível, mas que


60%
leva ao atraso no aviamento da receita. Dos
receituários avaliados, 57,6% apresentam a 40%
nomenclatura correta e não abreviada; 5,4% a
20%
trouxeram de forma incorreta; 29,4%, abreviada
e 5,4%, incompleta (3,3% das avaliações 0%
Centro-Oeste Norte Sudeste Sul Nordeste
farmacêuticas não responderam a esse item).

GRÁFICO 2
FREQÜÊNCIA DE CITAÇÃO DOS ASPECTOS PERTINENTES À INTERAÇÃO ÉTICA ENTRE O PRESCRITOR E O FARMACÊUTICO

Comissionamento sobre o valor da receita


Falta de conhecimento básico sobre a farmacotécnica homeopática
Receituário em código
Manipulação e venda de medicamentos por médicos
Nomenclatura do medicamento incorreta
Receituário com dados incompletos
Indicação de uma farmácia específica
Médico proprietário de farmácia
Indicação da farmácia da qual o médico é proprietário
Prescrição de medicamentos que, em baixas potências, são tóxicos
Prescrição de medicamentos em altíssimas potências, que inviabilizam o trabalho
Prescrição de medicamentos não constantes em farmacopéias ou códigos oficiais,
ou de isoterápicos de difícil aquisição
Prescrição de medicamentos em escalas inexistentes em farmacopéias ou códigos oficiais
Não aceitação de sugestões para mudança da prescrição

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80%

Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003 


Artigo original

Brasileira9 também proíbe a utilização de Quando os farmacêuticos foram inquiridos


códigos em receituários. Os farmacêuticos (31%) sobre a prescrição de medicamentos em baixas
também mostraram que ocorre a prescrição de potências, tóxicos nessa diluição; 66,7%
medicamentos que não constam de farmacopéias afirmaram que os receituários apresentam tal
ou códigos oficiais, ou de isoterápicos cuja ocorrência. A literatura relata que 0,6% dos
aquisição é difícil ou vinculada a critérios de casos de intoxicação humana registrados se
especificação de matéria-prima (insumo ativo) devem ao consumo de medicamento por erro
insuficientes para sua correta aquisição. do profissional prescritor.10 O Código de Defesa
A potência, resultado do processo de do Consumidor (Lei no 8.078/1990)11 indica
dinamização, é necessária à adequação do como direito do consumidor a proteção contra
medicamento ao quadro sintomático do riscos provocados por práticas no fornecimento
paciente.Talvez seja por isso que apenas 2,2% de produtos e serviços considerados perigosos
dos receituários não apresentaram tal ou nocivos. Além disso, alerta que o fornecedor
informação. O Gráfico 4 apresenta as deverá informar a respeito de sua nocividade.
freqüências das potências encontradas nos 92 Cabe aqui ressaltar que, tanto o prescritor
receituários avaliados. Observou-se que um quanto o farmacêutico são considerados
receituário pode conter um ou mais fornecedores, pois desenvolvem atividades de
medicamentos com potências diferentes. As prestação de serviço ou comércio.Também foi
potências mais prescritas estão contempladas na mencionado por 47,9% dos farmacêuticos que
faixa de 1 a 30 (55,2%), seguida da faixa de 31 a as prescrições apresentavam medicamentos com
200 (22,8%) e 201 a 1.000 (14,3%). Potências potências tão altas que inviabilizavam, técnica
altas, compreeendidas nas faixas que vão de ou financeiramente, a produção ou aquisição
1.001 a 10.001 (2,9%) e de 10.001 a 100.000 dos mesmos.
(2,9%) são, geralmente, preparadas por fluxão A maioria dos receituários de prescritores
contínua, uma vez que nenhuma das farmácias (81,5%) apresenta a escala de dinamização, sendo
manipula medicamentos pelo método de a escala centesimal a mais prescrita (86,7%). Da
Korsakov. Dos 92 receituários avaliados, nenhum mesma forma, a maioria das receitas avaliadas
deles apresentou potência acima de 100.000 (78,3%) apresentam o método de dinamização
(limite estabelecido pela Farmacopéia e, deste total , 98,6% provêm do método
Homeopática Brasileira, 2ª ed.9). hahnemanniano, enquanto 1,4% fazem parte do
GRÁFICO 4 fluxo contínuo. Entre os receituários que
FREQÜÊNCIA DE PRESCRIÇÃO DAS POTÊNCIAS apresentaram a indicação do método
DOS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS CONSTANTES
NOS RECEITUÁRIOS AVALIADOS hahnemanniano, 4,2% exibiram a potência entre
60% 10.001 e 100.000. Entretanto, essas potências só
podem ser obtidas nas farmácias, por meio de
40% fluxão contínua. O Gráfico 5 revela a freqüência
das diversas escalas e métodos encontrada nos
20% medicamentos prescritos.
Dos receituários que não apresentaram o
0% método, 60% dos medicamentos são prescritos
T.M. até 30 31 a 201 a 1.001 a 10.001 a
200 1.000 10.000 100.000 com potência até 200, o que indica que o

 Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003


Artigo original

GRÁFICO 5 No que diz respeito à quantidade total de


FREQÜÊNCIA DE PRESCRIÇÃO DAS
ESCALAS E MÉTODOS DOS MEDICAMENTOS medicamento (volume, peso ou unidades) a ser
HOMEOPÁTICOS CONSTANTES NOS
RECEITUÁRIOS AVALIADOS (MARÇO/2000) aviada pela farmácia, 63% dos receituários não
centesimal contemplam esse aspecto. O presente estudo
decimal mostra que, em relação à pesquisa realizada em
cinqüenta milesimal
hahnemanniano 199712, houve um aumento no percentual, que
Fluxão contínua
antes era de 45,6%.
0% 20% 40% 60% 80% 100%
A dosagem do medicamento homeopático a
ser tomada pelo paciente e o modo de
medicamento pode ser preparado pelo método
utilização aparecem na maioria dos receituários
hahnenmanniano; 5% apresentaram potência
(88% e 97,8%, respectivamente). Essa maioria
entre 1.000 e 10.000, o que denota a
também é verificada para os itens assinatura
possibilidade de preparação por meio de fluxão
(88%) e data (85,9%).
contínua. Um estudo12 realizado nos receituários
A avaliação da interação ética entre
da cidade de Cuiabá (MT) evidenciou que
prescritor e farmacêutico revela que 73,2% dos
95,2% deles expuseram a escala, enquanto
prescritores necessitam incrementar os
74,4% exibiram o método, freqüências estas que
conhecimentos básicos sobre a farmacotécnica
não apresentaram diferenças significativas para o
homeopática. Quanto à legibilidade dos
presente levantamento.
receituários, 65,2% apresentam-se legíveis,
Quanto à forma farmacêutica, a maioria
freqüência que não sofreu alterações
dos receituários (96,7%) apresentou a indicação,
significativas se comparada ao estudo de 1997.
tendo sido verificado, em 1997, o mesmo
Cuidados especiais e orientações a serem
percentual. A forma farmacêutica dos
observados pelo paciente durante o tratamento
medicamentos avaliados mais prescrita nesse
homeopático não constam por escrito em
aspecto foi a dose múltipla líquida (gotas) com a
86,6% dos receituários. Outras terapias (alopatia,
freqüência de ocorrência de 48,1%; seguida de
fitoterapia, oligoterapia e florais) associadas à
glóbulos-dose múltipla, com 29,6%; dose única
Homeopatia são encontradas em 29,3% dos
líquida (14,8%); dose única-glóbulos (3,7%);
receituários. Desse total, 40,7% apresentaram
comprimidos e papéis, ambos com 1,2%. Houve
associação entre Homeopatia e alopatia; 29,6%
a indicação de uma pomada contendo tintura-
entre Homeopatia e florais; 25,9% com
mãe que, atualmente, de acordo com a
oligoelementos/vitaminas; 18,5% com
Farmacopéia Homeopática Brasileira, 2a ed.9,
fitoterapia e, por último, 3,7% com cosméticos.
não é considerada um medicamento
Em comparação ao estudo anterior12, houve um
homeopático. A associação de duas ou mais
aumento de 20% das associações entre
formas farmacêuticas no mesmo receituário
medicamentos de diferentes formas terapêuticas;
aparece em 17,3% dos casos avaliados.
sendo que desse total, 7,4% manifestaram
Dos farmacêuticos que responderam ao
associação de quatro terapêuticas
questionário, 25,4% afirmaram que os prescri-
(Homeopatia/oligoelementos/fitoterapia/florais).
tores utilizam escalas que não estão inscritas em
Um estudo13 remete aos problemas que dizem
farmacopéias ou códigos oficiais. A maioria dos
respeito às associações medicamentosas durante
farmacêuticos que responderam a este item
a manipulação de medicamentos, mencionando
eram provenientes da região Sul (25%) do País.

Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003 


Artigo original

que a prescrição médica possui, em média, três respondidos, três confirmam a ocorrência da
princípios ativos e que, para 90% dos casos, não situação descrita. Já as regiões Sul e Sudeste
há estudo farmacológico clínico sobre apresentam 21,45% e 14,6%, respectivamente.
tais associações. Dos farmacêuticos que responderam ao
A literatura14 afirma que existem alguns questionário, 29,6% afirmaram que existem
critérios homeopáticos quando ocorre a seleção médicos que são proprietários de farmácia e que
de um fitoterápico, entre eles o princípio da esses profissionais encaminham seus pacientes
semelhança. Além disso, a literatura, com a para seus próprios estabelecimentos (32,4%).
Arnica montana, exemplifica que, quando Cabe aqui o questionamento do grau de
utilizada na forma de tintura-mãe ou de isenção comercial que o prescritor tem ao
medicamento dinamizado, essa substância causa prescrever e indicar a farmácia.
os mesmos sintomas no paciente. Nessa vertente das relações comerciais
Na literatura15, há um estudo que afirma que “prescritor/farmácia”, 18,3% dos entrevistados
a Homeopatia e a alopatia mostram diferenças de evidenciam o comissionamento sobre o
forma e conteúdo, mas são práticas da mesma receituário médico que as farmácias oferecem
medicina, seguindo a mesma racionalidade e o ao prescritor para que este indique
mesmo modelo explicativo. Além disso, acredita determinado estabelecimento ao
que o médico homeopata deveria desenvolver consumidor/paciente. A indicação de uma
um trabalho crítico às falhas da Homeopatia e da farmácia específica pelo prescritor, em
medicina e recorrer ao auxílio de outros detrimento de outras existentes na localidade, é
especialistas, sempre que necessário. percebida por 43,7% dos farmacêuticos que
Um estudo16 menciona que, no Brasil, participaram da pesquisa.
convive-se com uma certa anarquia: prescritores O Código de defesa do Consumidor11
e farmacêuticos prescrevem e manipulam, mostra que a publicidade discriminatória de
respectivamente, baixas, altas e altíssimas qualquer natureza, que se aproveita da
potências em diversas escalas e métodos de deficiência de julgamento, capaz de induzir o
preparação, em doses únicas ou múltiplas, com consumidor de forma prejudicial, é proibida. É
um ou mais insumos ativos. vedado ao fornecedor de serviços, condicionar o
A Lei no 5.991/19735 dispõe sobre o fornecimento do produto.
comércio de medicamentos homeopáticos e Finalmente, 23,9% dos farmacêuticos que
sobre a assistência e a responsabilidade responderam ao questionário foram capazes de
técnica, pois é na farmácia que os perceber que o prescritor não aceita sugestões
medicamentos são manipulados e dispensados. sobre modificações no que foi prescrito. A
Entretanto, 18,3% dos farmacêuticos afirmam avaliação farmacêutica das prescrições é
que há médicos que manipulam e vendem obrigatória antes da manipulação, de acordo
medicamentos em seu próprio consultório. com a Resolução RDC no 33/2000.3 Caso o
Segundo os resultados obtidos a partir dos farmacêutico permita que seja dispensado um
questionários respondidos, a região Nordeste medicamento inadequado, a responsabilidade
é a que apresenta maior freqüência de citação, recairá também sobre este profissional, isto é, a
no que diz respeito a essa atividade praticada responsabilidade será solidária entre todos os
pelos médicos. Dos seis questionários integrantes da cadeia de consumo.

 Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003


Artigo original

C ONCLUSÕES A qualidade do medicamento e da


prescrição, que resultam do “momento resumo”,
A eficácia da terapêutica homeopática não
não passam só pelo ato técnico, mas por uma
requer somente a escolha adequada do
série de inter-relações profissionais que visam a
medicamento pelo clínico, embora seja este o
assegurar ao paciente/consumidor a sua
primeiro passo. É necessária também a adesão
satisfação, ou seja, o seu bem-estar.
do paciente ao tratamento (afinal, ele tem o
Os resultados obtidos a partir deste estudo
livre-arbítrio a respeito do que fazer com o
demonstram as opiniões dos farmacêuticos que
tratamento e com o uso do medicamento) e do
realizaram a avaliação da prescrição e que
farmacêutico responsável pela manipulação e
responderam ao questionário sobre a interação
dispensação do medicamento, assim como pela
profissional entre o farmacêutico e o prescritor.
orientação quanto à sua correta utilização.
Este trabalho representa um momento da reali-
A manipulação e a dispensação do
dade investigada, uma vez que ela se altera com o
medicamento homeopático inadequadas, o
decorrer do tempo e das circunstâncias que a
receituário com potencial danoso, a eficácia
envolvem. Muito há que se investigar e discutir,
questionável de associações medicamentosas de
estendendo o estudo às demais regiões do País.
terapêuticas diferentes, o tipo e a extensão da
informação prestada ao paciente/consumidor, a A BSTRACT
fixação de preços, a eqüidade e o livre-arbítrio
The homeopathic prescription without the
do paciente/consumidor, bem como a relação
necessary information concerning the preparation of
profissional e comercial estabelecida entre
the medicament as well as formulations containing
prescritor e farmacêutico, constituem aspectos
components which may be hazardous to the patient’s
de reflexão ética e profissional, que abrangem a
health or the mandatory indication of a determined
pesquisa de normas de comportamento, análise
pharmacy to patient may bring about ethical problems.
de valores e questionamento dos direitos.
In this paper we present results of an inquiry
Na Homeopatia, a interação profissional
concerning evaluation of the prescription as well as the
entre clínico e manipulador/dispensador
relationship between the physician and the
(farmacêutico) sempre esteve muito próxima e
pharmacist.We evaluated the homeopathic
ambos os profissionais estão imbuídos no
prescriptions in pharmacies in three cities of Mato
restabelecimento do bem-estar do paciente.
Grosso state and the questionnaires presented to the
Com a pressão econômica que a área da saúde
participants of the First Brazilian Congress of
vem sofrendo, o equilíbrio entre as relações
Homeopathic Pharmacy. Out of the prescriptions
profissionais pode ser rompido e, com isso,
evaluated, 6,5 % didn’t present the patient’s name;
quem perde é o paciente e a Homeopatia.
59,8 % showed the indication of internal or external
Ao entregar o receituário ao paciente,
use; 57,6 % showed correct and not abbreviated
coloca-se em suas mãos todo o conhecimento
designation of the medicine; 2,2 % did not show the
do clínico sobre o sujeito. Esse instrumento
potency; and 81,5 % showed the correct
simboliza as esperanças de cura e estabelece as
dynamization scale. Other therapies (allopathic
relações com outros profissionais. Portanto, todo
prescriptions, phytotherapy, oligotherapy, etc.) were
o cuidado é fundamental no ato de sua
found in 29,3 % of the prescription admixed with
confecção e interpretação.
homeopathic medicine.

Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003 


Artigo original

Key words: Homeopathy, Homeopathic


prescription, Pharmacy.

R EFERÊNCIAS B IBLIOGRÁFICAS
1. CASTRO, C. G. S. O., PEPE,V. L. E. A. A interação do
prescritor, dispensador e paciente. Informativo ABFH, n. 13,
p. 9, 1998.
2. MARIM, M. A prescrição homeopática. Gazeta Homeopática,
no 20, p. 4, 2000
3. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Resolução RDC n.º 33, de 19 de abril de 2000. Aprova o
regulamento técnico sobre as boas práticas de manipulação
de medicamentos em farmácias.
4. DURANT, G. A bioética: natureza, princípios, objetivos. São
Paulo: Ed. Paulus, 1993. 103p.
5. BRASIL. Lei n.º 5.991, de 17 de dezembro de 1973. Dispõe
sobre o controle sanitário do comércio de drogas,
medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá
outras providências. Diário Oficial da República Federativa do
Brasil, Brasília, DF, 19 de dez. 1973.
6. BARROS, J. A. C. Propaganda de medicamentos: atentado à
saúde? São Paulo: Ed. HUCTEC/SOBRAVIME, 1995.
222p.
7. HAGAR, M. S. Quo vadis pharmacia? Caminos de ética,
educación y ciência. In: CONFERÊNCIA
PANAMERICANA DE EDUCACIÓN
FARMACÊUTICA, 4., 1999, [S.l.]. Resumos... [S.l.]: [s,n.],
1999. p.28.
8. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FARMACÊUTICOS
HOMEOPATAS. Manual de normas técnicas para farmácia
homeopática. 2. ed. São Paulo: [s.n.], 1995. 80p.
9. FARMACOPÉIA Homeopática Brasileira. 2. ed. São Paulo:
Atheneu, 1997. pt. 1.
10. PETROVICK, P. R. Intoxicações: sua importância e atitude
do farmacêutico. Infarma, Brasília, v.1, n. 2, p. 16-17, 1992.
11. BRASIL. Lei n.º 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe
sobre a proteção do consumidor e dá outras providências.
Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12
set. 1990.
12. DE LA CRUZ, M. G. F. Manipulação de medicamentos
homeopáticos: divergências e padronização das técnicas nas
farmácias de Cuiabá (MT): definição do perfil do
medicamento. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE
FARMÁCIA HOMEOPÁTICA, 1., 1997, São Paulo.
Resumos... São Paulo: [s.n.], 1997.
13. GASTON-MARICOURT, J. Interações medicamentosas:
uso oral. Revista ANFARMAG, n. 24, p. 28-34, 2000.
14. CARVALHO, J. C.T. Homeopatia e fitoterapia: uma
interação viável. Informativo ABFH, n. 9, p. 6, 1996.
15. BESSA, M. A Homeopatia e a alopatia: a velha aliança.
Informativo APH, n. 66, p. 4-5, 1997.
16. CESAR, A . T. Nossas aguinhas, bolinhas e qualidade do
medicamento homeopático. Informativo APH, n. 77,
p. 14-15, 1999.

Endereço para correspondência:


Condomínio Solar das Flores, apt. 53 D
CEP: 78.045-710 – Cuiabá – MT
e-mail: marigema@terra.com.br

 Homeopat. Bras. m vol.9 · n 01 · 2003