You are on page 1of 2

 

                                                                                                                                                 CARTA  ABERTA  

É   com   profunda   preocupação   que   os/as   professores/as   e   pesquisadores/as   abaixo  


assinados/as   observam   os   desdobramentos   do   concurso   público   para   carreira   docente  
realizado   pelo   Departamento   de   Sociologia   do   Instituto   de   Filosofia   e   Ciências   Sociais   da  
Universidade   Federal   do   Rio   de   Janeiro   (IFCS/UFRJ),   relativo   ao   edital   860   de   2017,   cujo  
resultado  foi  divulgado  pela  banca  examinadora  no  dia  11  de  maio  de  2018.  

Trata-­‐se   de   concurso   para   preenchimento   de   três   vagas.   Em   observância   à   lei   nº   12.990/2014,  


torna-­‐se   obrigatória   a   aplicação   de   reserva   de   vagas   para   negros/as,   como   estipula   o   artigo  
primeiro  da  referida  lei.  No  entanto,  a  resolução  12/2014  do  CONSUNI  da  UFRJ,  cujo  texto  rege  
a  realização  de  concursos  na  referida  instituição,  é  extremamente  imprecisa  sobre  a  aplicação  
da   reserva   de   vaga   para   negros.   Apesar   de   reconhecer   esta   ação   afirmativa,   os   procedimentos  
práticos   não   obrigam   a   aplicação   por   parte   das   bancas.   Na   forma   como   foram   aplicadas,   as  
cotas   para   magistério   superior   neste   concurso   da   UFRJ   ficaram   sujeitas   ao   arbítrio   da   banca  
examinadora,   tornando   a   lei   da   reserva   de   vagas   irrelevante,   o   que   fere   o   princípio   da   ação  
afirmativa.   É   necessário   que   a   conversão   de   vagas   reservadas   para   negros   para   o   sistema  
universal   só   ocorra   quando   não   houver   candidato   habilitado   para   tal,   o   que   não   foi   o   caso  
neste  concurso.    

Deste   modo,   conclamamos   a   comunidade   acadêmica   a   se   mobilizar   e   exigir   providências   do  


IFCS  e  da  UFRJ.  O  que  ocorreu  foi  uma  deliberada  deslegitimação  para  inviabilizar  o  efeito  da  
implementação  da  reserva  de  vagas  para  negros/as  no  serviço  público  brasileiro.  

Este  caso  evidencia  os  profundos  entraves  da  sociedade  brasileira  para  lidar  com  o  racismo  e  a  
relutância  na  promoção  e  cumprimento  das  medidas  institucionais  de  promoção  da  igualdade  
racial.   É   um   caso   emblemático   sobre   a   importância   das   políticas   de   ação   afirmativa   para  
promover   de   forma   imediata   o   enfrentamento   às   desigualdades   raciais   no   Brasil.   Ao   mesmo  
tempo,  propicia  a  reflexão  sobre  a  importância  de  se  detalhar  como  operam  os  mecanismos  de  
implementação   de   ações   afirmativas   e   como   a   academia   vem   lidando   com   essas   medidas,   a  
fim   de   garantir   sua   eficácia   enquanto   política   pública.   Como   sempre,   o   momento   é   urgente  
pela   mobilização   contra   essas   práticas.     Mais   uma   vez   é   importante   o   combate   às   práticas  
fundadas   na   leitura   de   que   corpos   negros   não   pertencem   aos   espaços   acadêmicos.   Se  
desejamos  uma  universidade  democrática,  devemos  ter  como  prioridade  central  a  derrubada  
das   barreiras   que   impedem   pesquisadores/as   negros/as   nos   espaços   de   docência.   Seguimos  
atentos/as  e  em  luta.  

Assinam  

1.  Márcia  Lima  (USP)  

2.  Carlos  Augusto  Mello  Machado  (UnB)  

3.  Danusa  Marques  (UnB)  

4.  Antônio  Sérgio  Alfredo  Guimarães  (USP)  

5.  Francisco  Mata  Machado  (UFG)  

6  .  Luiz  Campos  (IESP/UERJ)  

7.  Paula  Barreto  (UFBA)  

8.  Carlos  Banedito  (UFMA)  


9.  Paris  Yeros  (UFABC)  

10.  Luena  Pereira  (UFRRJ)  

11  –  Julio  Tavares  (UFF)  

12.  Kleber  Amancio  (UFRB)  

13.  Flavia  Rios  (UFF)  

14.  Sedi  Hirano  (USP)  

15.Maria  Claudia  Cardoso  (UNILAB)  

16.  Fabio  Nogueira  (UNEB)  

17.  Cristiano  Rodrigues  (UFMG)  

18.  Marcio  André  dos  Santos  (UNILAB)  

19.  Iacy  Maia  Mata  (UFBA)  

20.  Carlos  Procópio  (IFSP)  

22.  Alex  Ratts  (UFG)  

23.  Nadya  Araújo  Guimarães  (USP)  

24.  Lígia  Ferreira  (UNIFESP)  

25.  Edilza  Sotero  (UFBA)  

26.  Maria  Cláudia  Silva  (UFF)  

27    Aline  Najara  Rodrigues  (UFRRJ)  

28.  Wagner  Amaro  (UNIRIO)  

29.  Tulio  Henrique  Pereira  (UFPI)  

30  Karl  Monsma  (UFRGS)  

31.  Nanci Helena Rebouças Franco (UFBA)  

Related Interests