You are on page 1of 17

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS – UniEVANGÉLICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

MECÂNICA DOS SÓLIDOS I


Aula 8

Prof. Me. Gregorio Sandro Vieira


Aula 8: Torção
Ângulo de Torção

Em muitos projetos de vigas e eixos, é necessária a restrição a


quantidade de deslocamento angular que o eixo sofre.

Na determinação dos esforços em elementos estaticamente


indeterminados, o cálculo do ângulo de torção também pode auxiliar.
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Seja o eixo da figura abaixo:
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Vamos considerar que se trata de um elemento com seção variável,
torque variável, feito de um material elástico linear, e vamos
desconsiderar as deformações devido ao efeito de Poisson.
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Extraímos um elemento diferencial deste eixo.
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Pela figura podemos observar que o torque T(x) provoca uma
variação dϕ do ângulo.
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Já vimos que devido a deformação por cisalhamento podemos
escrever:
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Aplicando a lei de Hooke para o cisalhamento (τ = G γ) e aplicando a
equação da tensão de cisalhamento temos:
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Como queremos o ângulo de torção ao longo de todo o elemento,
fazemos a somatória de todas as variações de ângulo:

Onde:
T(x): Torque em algum ponto arbitrário da seção transversal
J(x): Momento de Inércia em um ponto arbitrário da Seção
Transversal
G: Módulo de Elasticidade Transversal
ϕ: Ângulo de torção de um ponto em relação a outro
Aula 8: Torção
Ângulo de Torção
Caso todos os valores sejam constantes teremos a seguinte equação:

Caso ao longo do eixo algum dos parâmetros varie (torque, raio e


material) deve-se fazer o somatório dos efeitos:
Aula 8: Torção
Exercícios: O eixo de aço A-36 é composto pelos tubos AB e CD e uma
seção maciça BC. Está apoiado em mancais lisos que permitem que
ele gire livremente. Se as engrenagens, presas às extremidades do
eixo, forem submetidas a torques de 85 N.m, determine o ângulo de
torção da engrenagem A em relação ã engrenagem D. Os tubos têm
diâmetro externo de 30 mm e diâmetro interno de 20 mm. A seção
maciça tem diâmetro de 40 mm.
Aula 8: Torção
Exercícios: O motor transmite 32 kW ao eixo de aço inoxidável 304
quando gira a 20 Hz. O eixo tem diâmetro de 37.5 mm e está apoiado
em mancais lisos em A e B, que permitem a livre rotação do eixo. As
engrenagens C e D presas ao eixo absorvem 20 kW e 12 kW,
respectivamente. Determine a tensão máxima absoluta no eixo e o
ângulo de torção da engrenagem C em relação à engrenagem D.
(Dado: G = 75 GPa)
Aula 8: Torção

Elementos Estaticamente Indeterminados


Aula 8: Torção
Elementos Estaticamente Indeterminados

Um elemento é considerado Estaticamente Indeterminado se não


for possível encontrar os torques aplicados apenas utilizando-se as
equações de equilíbrio.
Aula 8: Torção
Elementos Estaticamente Indeterminados

Para resolver problemas deste tipo, vamos usar o ângulo de torção


para criar uma equação adicional que nos dê condições de resolver
o problema.
Aula 8: Torção
Exercício: O tubo de bronze C86100 tem diâmetro externo de 37,5
mm e espessura de 0,3 mm. A conexão C está sendo apertada com
uma chave de torque. Se o torque desenvolvido em A for 16 N.m,
determine o valor F das forças conjugadas. O tubo está engastado
na extremidade B.
Aula 8: Torção
Exercício: Os dois eixos de 1 m de comprimento são feitos de
alumínio 2014-T6. Cada tem diâmetro de 30 mm e os dois estão
acoplados pelas engrenagens presas a uma das extremidades de cada
um deles. As outras extremidades de cada um dos eixos estão
engastadas em apoios fixos em A e B. Além disso, os eixos estão
apoiados em mancais em C e D, que permitem que eles girem
livremente ao longo de suas linhas centrais. Se um torque de 900N.m
for aplicado à engrenagem que está mais acima, como mostra a
figura, determine a tensão de cisalhamento máxima em cada eixo.