You are on page 1of 3

Aprovada nova norma regulamentadora sobre segurança e saúde em plataformas de

petróleo.

Após muito debate e quase quatro anos após o acidente ocorrido em Aracruz, no litoral Norte do
Espírito Santo que matou nove pessoas e feriu vinte e seis, em 21/12/18, foi publicada a portaria
1.186 ("portaria"), expedida pelo extinto ministério do Trabalho 1, que aprova a norma
regulamentadora 37 ("NR-37") sob o título "Segurança e saúde em plataformas de petróleo".

A implantação da NR-37 foi atribuída ao Conselho Nacional Tripartite Temática – CNTT. As


novas regras não entrarão em vigor de imediato. A maior parte dos dispositivos passará a vigorar
no prazo de 1 ano da publicação da portaria 1.186, ao passo que outro conjunto de dispositivos
vigorará após 2 a 3 anos de sua publicação. Com essa medida, garante-se um período de
transição no qual tanto a Administração Pública como o setor privado poderão ajustar-se às
novas normas. A NR-37 também dispõe de procedimento específico para os casos em que seja
constatada incompatibilidade técnica para o atendimento dos novos requisitos ocupacionais.

A NR-37 estabelece os requisitos mínimos de segurança, saúde e condições de vivência no


trabalho a bordo de plataformas de petróleo em operação em águas interiores e espaços
marítimos nos quais o Brasil exerce jurisdição. No caso de plataformas estrangeiras com
previsão de operação temporária de até seis meses que não estejam em conformidade com os
novos requisitos ocupacionais, a NR-37 determina que sejam atendidas as regras estabelecidas
em convenções internacionais.

A nova NR dispõe sobre as obrigações gerais de (i) empresas responsáveis pelo gerenciamento
e execução de todas as operações e atividades na plataforma de petróleo (operadoras de
instalação), (ii) empresas detentoras de direitos de exploração e produção de petróleo e gás
natural (operadoras de contrato), (iii) trabalhadores e (iv) empresas terceirizadas que prestam
serviços diversos a bordo da plataforma de petróleo.

A inserção de obrigações de empresas terceirizadas consolida a terceirização como uma


realidade no ramo. Da mesma maneira, as diversas, prudentes e corretas citações à necessidade
de proteção da saúde e segurança do empregado terceirizado diminuem a estimação deste
profissional como trabalhador de segunda categoria, ao equipará-los com o empregado direto.

A NR-37 reforça ainda a importância da Declaração da Instalação Marítima – DIM para a


execução e encerramento de atividades e operações específicas.

Em mesmo peso, são traçadas as disposições referentes à toda a documentação aplicável, às


atividades de comissionamento, ampliação, modificação, manutenção e reparo naval, de
comissionamento e desmonte de plataformas, e às atividades de capacitação, qualificação,
habilitação e treinamento dos trabalhadores a bordo das plataformas.

Em especial, vale observar as singularidades no que tange aos Serviços Especializados em


Segurança e Medicina do Trabalho – SESMT. De acordo com a NR-37, a operadora da
instalação e as empresas que prestem serviços a bordo de plataformas devem dimensionar os
seus respectivos SESMT situados em terra, consonante disposto na NR-42.

No entanto, a norma define igualmente a aplicação de SESMT a bordo da plataforma. É


determinado que a operadora da instalação garanta também a lotação na plataforma de técnicos
de segurança de trabalho, quando o número total de seus trabalhadores a borda somados com
os trabalhadores das empresas prestadoras de serviços for maior ou igual a 25 (vinte e cinco).
O dimensionamento do SESMT complementar a bordo da operadora da instalação na plataforma
deve assegurar, pelo menos, um técnico de segurança do trabalho para cada grupo de 50
(cinquenta) trabalhadores ou fração de trabalhadores que esteja a bordo (item 37.9.3.1.1 da NR-
37). Para cada novo grupo de 50 (cinquenta) trabalhadores embarcados, a empresa prestadora
de serviços deve adicionar um técnico de segurança (item 37.9.3.2.1 da NR-37). O
dimensionamento do quantitativo de profissionais de segurança do trabalho presentes no
SESMT a bordo deve ser baseado na média do número de trabalhadores embarcados no
trimestre que antecede ao cálculo (item 37.9.6 da NR-37). Ainda, caso a plataforma esteja
desobrigada a constituir SESMT, é obrigatória a presença de profissional de segurança do
trabalho sempre que, mediante a análise de riscos, o serviço necessitar de sua anuência para
liberar a execução do trabalho.

Mais uma particularidade abordada na NR-37 é a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes


em Plataformas – CIPLAT, que deve ser estruturada por plataforma. A duração do mandato da
CIPLAT será de 2 (dois) anos, permitida uma reeleição.

A NR-37 dispõe ainda não só sobre a obrigatoriedade do Programa de Prevenção de Riscos


Ambientais – PPRA e do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO3, como
também prevê maior interação entre os Programas das Operadoras da Instalação e das
Empresas Prestadoras de Serviços.

A demonstrar a preocupação com a saúde mental dos trabalhadores alocados nas plataformas,
digno de menção o reconhecimento e a inclusão dos riscos psicossociais 4 como um risco
ocupacional importante, a ser informado aos trabalhadores e prevenido mediante treinamentos
e condições mais humanas de convivência.

Nesta esteira, a Portaria de forma mais específica do que o previsto no anexo II da NR 30, dispõe
detalhadamente acerca da obrigatoriedade de profissionais de saúde nas plataformas, medidas
de atendimento emergencial, meios de acesso à plataforma, condições de vivência a bordo,
instalações e condições sanitárias, alimentação a bordo e climatização.

Ainda, a preocupação com segurança é externalizada por regras mais claras e descritivas no
tocante a: sinalizações de segurança5, instalações elétricas6, armazenamento de substâncias
perigosas7, movimentação e transporte de cargas, caldeiras, vasos de pressão e tubulações,
análise de riscos das instalações e processos 8, inspeções de segurança e saúde a bordo9,
inspeções e manutenções, procedimentos operacionais e da organização do trabalho, sistema
de detecção e alarme de incêndio e gases, prevenção de controle de vazamentos,
derramamentos, incêndios e explosões, proteção e combate a incêndios, proteção contra
radiações ionizantes10, plano de resposta a emergências, sistema de drenagem, de tratamento
e de disposição de resíduos, e comunicação e investigação de incidentes.

É louvável e elogiável a iniciativa de trazer maior disciplina, cautela e prevenção de saúde e


segurança ocupacional em atividades em Plataforma de Petróleo. Os dispositivos da NR-37
demonstram a clara intenção do Governo Federal de organizar os requisitos aplicáveis a esse
importante segmento da economia, sem apresentar inconsistências no que toca ao cumprimento
das demais normas ocupacionais aplicáveis ao setor. Vale ressaltar ainda que, dada as
peculiaridades operacionais do setor, o cumprimento de requisitos ocupacionais específicos
previstos na NR-37 deve ser compatibilizado, entre outras, com obrigações previstas na
legislação ambiental, em particular no que diz respeito ao armazenamento, manuseio e
disposição de substâncias perigosas e resíduos. _________________

1 Em 1.1.2019 foi publicada a Medida Provisória nº 870, que incorpora o Ministério do Trabalho
ao Ministério da Economia

2 Os SESMT em terra da operadora da instalação e das empresas que prestem serviços a bordo
devem considerar o somatório dos seus próprios trabalhadores lotados nas unidades terrestres,
bem como aqueles lotados nas plataformas (item 37.9.2.1.2 da NR-37).

3 Para um conjunto de plataformas desabitadas, a operadora dessas instalações pode elaborar


PCMSO único, desde que sejam apreciados todos os riscos reconhecidos nos PPRA específicos
de cada uma dessas plataformas desabitadas (item 37.12.1.1 da NR-37).

4 Riscos psicossociais - decorrem de deficiências na concepção, organização e gestão do


trabalho, bem como de um contexto social de trabalho problemático, podendo ter efeitos
negativos a nível psicológico, físico e social, como o estresse relacionado ao trabalho, o
esgotamento ou a depressão. Exemplos de condições de trabalho que conduzem aos riscos
psicossociais: cargas de trabalho excessivas, exigências contraditórias, falta de clareza na
definição das funções, ausência de sua participação na tomada de decisões que afetam o
trabalhador, descontrole sobre a forma como executa o trabalho, gestão de mudanças
organizacionais inadequadas, insegurança laboral, comunicação ineficaz, deficiência de apoio
da parte de chefias e colegas, assédio psicológico ou sexual, violência provenientes de terceiros,
etc.

5 Para fins de atendimento à sinalização de segurança e saúde no trabalho aplica-se à


plataforma o constante da NR-26 (Sinalização de Segurança), com as modificações conforme o
descrito neste item (item 37.17.1 da NR-37).

6 Aplica-se à plataforma o que dispõem os subitens deste item e a NR-10 (Segurança em


Instalações e Serviços em Eletricidade) (item 37.18.1 da NR-37).

7 A localização do compartimento e os locais utilizados para o armazenamento interno de


substâncias perigosas na plataforma devem primar pela segurança e a saúde dos trabalhadores
a bordo, bem como obedecer aos preceitos citados nesta NR, nas normas da Autoridade
Marítima e da International Maritime Dangerous Goods Code – IMDG Code (item 37.19.1 da NR-
37).

8 A operadora da instalação deve elaborar, documentar, implantar e divulgar as análises de


riscos, qualitativas e quantitativas, das instalações e processos, de acordo com o estabelecido
nesta NR, devendo ser revisada ou revalidada no máximo a cada 5 (cinco) anos (item 37.22.1
da NR-37).

9 As plataformas devem ser inspecionadas periodicamente pela operadora da instalação com


enfoque na segurança e saúde no trabalho, considerando os riscos das atividades e as
operações desenvolvidas a bordo (item 37.23.1 da NR-37).

10 A operadora da instalação deve assegurar que as empresas contratadas que manuseiem ou


utilizam equipamentos com fontes radioativas estejam licenciadas pela CNEN (item 37.29.3 da
NR-37).