You are on page 1of 9

GÊNEROS DO DISCURSO: uma leitura bakhtiniana do editorial jornalístico

Camilo Rosa SILVA – UFPB/UFRN

1 . Considerações Introdutórias

Tentando conduzir-me no âmbito da concepção bakhtiniana de linguagem e


visualizando nesta o estudo dos gêneros discursivos, tento, neste artigo, analisar três
editoriais veiculados em jornais diários que circulam em João Pessoa-PB.
O objetivo básico é identificar características especificas desse tipo de discurso, para
problematizar sua definição enquanto gênero específico. Para tanto, recorro a aportes
teóricos bakhtinianos, especificamente sua proposta de análise dos gêneros discursivos.
Visito, também, algumas releituras da obra de Bakhtin, tais como as de Brait (2000),
Mainguenau (2000) e Todorov (1980), numa tentativa de melhor apreender o fio condutor
de sua articulação teórica.
Os gêneros do discurso representam sob a ótica bakhtiniana formas específicas de uso
da língua, sendo perscrutados com bastante atenção no âmbito da análise geral da
enunciação por ele empreendida. Pode ser observada uma concentração de elementos
vitais à compreensão de sua teoria da enunciação, calcada numa textualidade
pressupositiva da dialogia.
O presente trabalho limita-se ao estudo de apenas três editoriais, uma vez que não
pretendo, nos entornos desta averiguação, esvaziar curiosidades relativas a todas as
questões que podem emergir nessa área. Tal intento certamente demandaria um
investimento muito mais amplo em leitura e pesquisa, não condizente com o caráter
restritivo de que é passível a presente investigação.

2. A Concepção Bakhtiniana de Gêneros do Discurso

A partir da elaboração das teorias sócio-interacionistas, a linguagem humana é vista


como atividade praticada por sujeitos interrelacionados, visando a objetivos determinados
socialmente. Em todas as esferas da comunicação, a realização de atividades sócio-
cognitivas, via condição pragmática da linguagem, determina a apropriação de
instrumentos textuais que imprimirão uma feição específica a cada situação de uso.
Dessa forma, as manifestações linguísticas, vistas como conjunto de elementos
adequados a cada contexto, recebem influências psicológicas e sociais, mas, para se
efetivarem e atingirem seus intentos, vão depender especialmente de fatores linguísticos
colocados ou não sob o domínio ativo do falante.
Essa perspectiva leva ao entendimento de que cada atividade humana lança mão de
recursos linguísticos típicos, orais ou escritos, imprimindo a formatação que os enunciados
acabam por adquirir nos usos concretos da língua. É sob essa ótica que, para Bakhtin, os
enunciados espelham as condições singulares e as finalidades específicas de cada esfera de
atividade, refletindo-se não apenas no que respeita à utilização dos recursos linguísticos,
“mas também, e sobretudo, por sua construção composicional”. (1997: 279)
Entendendo os gêneros como forma de acabamento de um todo, o texto passa a ser
visto como resultado de uma construção que visa a essa totalidade. É assim que Bakhtin
formaliza sua concepção de linguagem, ressaltando sua “extrema heterogeneidade”, fator
relevante para a classificação dos gêneros em primários (simples) e secundários
(complexos).
Os gêneros primários estariam relacionados à oralidade e a situações de
informalidade. Os secundários entornariam os textos literários produzidos dentro de um
processo de elaboração mais acurado, especialmente talhados através da modalidade
escrita da linguagem.
Não se pode negar que a inter-relação que ocorre entre esses tipos genéricos vai-se
concretizar enquanto intra-(rel)ação, especialmente através da influência que o gênero
primário exerce sobre o secundário, deixando-se absorver por este, imprimindo-lhe
transformações em seu interior.
A influência exercida pela língua sobre a realidade circundante, concretizada através
da formalização dos mais diversos enunciados, ocorre num movimento dialético que
provoca alterações na própria linguagem como consequência de situações pragmáticas.
Bakhtin tece referências expressas a essa inter-ação: “A língua penetra na vida através dos
enunciados concretos que a realizam, e é também através dos enunciados concretos que a
vida penetra na língua” (1997:282).
Já assinalei aqui, a condição de seletividade de formas de expressão apropriadas a cada
círculo de atividades, o que vai imprimir na idiossincrasia das manifestações particulares
a opção por recursos e elementos linguísticos típicos de cada esfera. Bakhtin entende que
os gêneros são formalizados a partir dessas apropriações, as quais sinalizam à existência
de estilos manifestos nas falas individuais. Desse modo, cada função - técnica, científica,
ideológica, oficial, cotidiana, etc. - formaliza-se a partir de determinadas condições de
produção relativas à sua esfera comunicativa.
Esse conjunto de confluências consubstancia a origem dos gêneros, identificados pelo
uso de tipos específicos de enunciados, apresentando uma certa padronização
composicional, temática, estilística e estrutural.
Bakhtin ressalta que os gêneros se constituem historicamente, sendo passíveis de
variações e mudanças, acompanhando a evolução das interações sociais e a dinâmica
inerente ao fluxo das transformações que intervêm nas relações mediadas pela linguagem.
A concepção enunciativa de linguagem formalizada por Bakhtin desenvolve conceitos
relativos à intertextualidade e à interdiscursividade. Tais proposições perpassam a noção
de gêneros discursivos, uma vez que o autor assinala, de maneira contundente, a
essencialidade dialógica da linguagem, cuja virtual onipresença aponta para a não
demarcação de fronteiras isolantes e exclusivistas que protejam um ou outro gênero da
influência de manifestações lingüísticas migratórias, flutuantes. A flexibilidade da língua
é adequada à mobilidade das relações sociais. Assim, atividades de linguagem e demais
atividades humanas são interacionistas e interdependentes.
Qualquer enunciado pode fazer parte de qualquer tipo de gênero. Mas isso não ocorre
de forma aleatória ou autoritária; são as condições de produção que vão permitir ou não
uma determinada ocorrência.
A língua é algo muito maior que o gênero, esse, aliás não é sequer uma forma de
língua, apenas uma forma de enunciado. É a expressividade contida nos enunciados que
imprime uma ou outra conformatação à linguagem, determinando a feição do gênero em
uso. Para Bakhtin (op. cit.:311) “No gênero, a palavra comporta certa expressão típica. Os
gêneros correspondem a circunstâncias e a temas típicos da comunicação verbal e, por
conseguinte, a certos pontos de contatos entre as significações da palavra e a realidade
concreta”
Um olhar que proponha o rastreamento e a sistematização dos estudos relativos às
concepções de gênero vai-se deparar com uma recorrente abordagem, na qual o gênero se
associa ao discurso e à classificação tipológica do texto.
Importa mencionar uma certa indefinição terminológica que paira nos escritos de
Bakhtin, onde termos como texto, discurso, enunciado, entre outros, parecem ser usados
indistintamente um pelo outro, independente dos contextos em que se inserem1.
Os textos perfazem-se no funcionamento da linguagem como produtos de uma
atividade linguística permanentemente atualizada nas formações sociais. É assim que,
segundo Bronckart (1999:137), não se pode deixar de visualizar os objetivos norteadores de
tais formações, as quais se enxertam de interesses específicos e questões particularizadas:

1 Há uma clara indefinição terminológica em Bakhtin, no que diz respeito aos termos enunciado,
enunciação e texto. Os gêneros são mais frequentemente tratados como gêneros do discurso, mas
às vezes também como gêneros do texto e a terminologia usada para seus constituintes internos é
muito hesitante. (Linguagem, língua, estilo, discurso). Bronckat (1999, p. 143)
“essas formações elaboram diferentes espécies de textos, que apresentam características
relativamente estáveis (justificando-se que sejam chamados de gêneros de textos).”
As marcas que emergem em cada expressão particular podem apresentar confluências
e convergências de estilo na interseção com parceiros de uma mesma esfera comunicativa,
assumindo a liberdade de carimbarem, de múltiplas formas, a cultura de seus usuários.
Não se pode deixar de considerar que são os enunciados, nas especificidades de suas
condições de produção, que se impõem como escrivães da história humana.
Bakhtin ressalta o caráter dinâmico do gênero e sua contínua transmutação. A partir
de obras individuais, os gêneros renascem e se renovam incessantemente, estabelecendo
uma inconteste relação entre o passado e o presente.
É claramente perceptível, na proposta bakhtiniana, uma afirmação do dialogismo
como condição sine qua non à articulação da linguagem simbólica. Assim, a textualidade
se define a partir dos gêneros, que ratificam sua condição de agenciadores de visões de
mundo, as quais se materializam através de pontos de vista de atores imersos num dado
contexto comunicacional.
A importância da existência do gênero, enquanto fator de economia linguística que
vai agilizar os processos comunicativos, é enfatizada por Bakhtin: Se os gêneros de discurso
não existissem e se não tivéssemos o domínio deles e fôssemos obrigados a inventá-los a
cada vez no processo da fala, se fôssemos obrigados a construir cada um de nossos
enunciados, a troca verbal seria impossível”. (op. cit.:273)
Barros (2002) destaca a compleição do gênero enquanto contrato cooperativo e regido
por normas. No entanto, para essa autora, apesar de o discurso pressupor regras, estas
podem ser transgredidas, posto que são flexíveis.
Todorov, que tão bem leu Bakhtin, indaga-se sobre a gênese dos gêneros. Para
responder tal questionamento, o autor assegura que os gêneros são mutações de outros
gêneros pré-existentes, marcadas por inversões, deslocamentos ou combinações: ‘Nunca
houve literatura sem gêneros; é um sistema em contínua transformação e a questão das
origens não pode abandonar, historicamente, o terreno dos próprios gêneros: no tempo,
nada há de ‘anterior’ aos gêneros’”. (1980:49)
Todorov enfatiza, ainda, a concomitância entre a existência do gênero e a atividade
descritiva e analítica que elabora a metalinguagem a ele pertinente. Há um volumoso
discurso sobre os gêneros que parece se confundir com sua própria existência. Entretanto,
é relevante não descuidar do fato de que o gênero é, em si mesmo, uma atividade discursiva
independente da metadiscursividade que se lhe perscruta paralelamente.

2.1 É Possível Tipologizar os Gêneros?

Não há dúvida de que importa esboçar e arquitetar tentativas de classificar


didaticamente os gêneros. Mas tal empreendimento deve considerar sempre as
inumeráveis dificuldades que se impõem como obstáculos a tal pretensão.
A maioria dos estudos linguísticos realizados nessa área é atravessada por tentativas
que levam em consideração elementos pertinentes à organização textual, realçando as
formas de encadeamento de seus constituintes, seja ao nível da frase, seja ao nível do texto
como um todo.
Nesse sentido, segundo Brandão (2000:24), “Jakobson propõe uma formulação geral
do gênero em termos de funções que envolvem todo ato de comunicação”. A proposta de
Jakobson, apesar de criticada por causa de suas limitações estruturalistas, é
recorrentemente usada em aulas de língua, uma vez que os professores entendem conter
a mesma uma categorização coerente e metodologicamente eficaz para a compreensão dos
processos comunicativos.
Visando ao atendimento dessa preocupação, isto é, o estabelecimento de uma
tipologia textual que considere os princípios de sua organização, Brandão (2000:22-3),
embora reconheça a ocorrência de problemas em toda e qualquer tipologia - ou se
apresentam excessivamente restritas ou pecam pela vasta amplitude – identifica quatro
tipos de classificações a partir de concepções teóricas distintas:

“. as tipologias funcionais fundadas sobre o estudo das funções dos discursos (na
perspectiva de Bühler e Jakobson, 1963);
. as tipologias enunciativas que tratam principalmente da influência das condições de
enunciação (interlocutores, lugar e tempo) sobre a organização discursiva (aqui se incluem
os modelos inspirados por Benveniste, de 1966 e o trabalho de Bronckart et alli., 1985);
. as tipologias cognitivas, que tratam principalmente da organização cognitiva, pré-
linguística, subjacente à organização de certas seqüências – narrativa, descritiva etc. (neste
grupo estaria o modelo de Adam, 1987);
. a tipologia sócio-interacionista de Bakhtin (1992).”

Devido ao seu caráter mutante, produto das constantes e contínuas intraposições e


interposições que levam os textos a inevitáveis transformações, Bronckart (op. cit., p. 138)
assevera que “os gêneros não podem nunca ser objeto de uma classificação racional, estável
e definitiva”.
A abordagem bakhtiniana não concede aos estudos relativos ao gênero uma
preocupação classificatória. Pelo contrário, é patente em suas posições, uma confirmação
do gênero como fenômeno eivado de pluralidade, o que provavelmente impediria a busca
de uma taxionomia definidora. Aliás, o autor usa por reiteradas vezes a noção de gênero
como algo produzido em cada esfera de atividade humana e por isso, apenas
relativamente estável.
O contexto do conceito de gênero em Bakhtin não considera preocupações com
hierarquização, categorização, estruturalização ou qualquer outra decisão que possa soar
como unidade de medida limitadora da dimensão abrangente do gênero. Nega a validade
de procedimentos que desconsiderem a múltipla existência de formações diversificadas de
pensar e de expressar o mundo.
Tomando-se os textos como enunciados concretos e únicos, produtos que são da
manifestação linguística individual, torna-se impossível aceitar as classificações de caráter
estrutural proposta pela linguística textual. Como há uma infinita variedade de esferas de
atividades humanas nas quais os processos comunicativos se atualizam a cada enunciação,
essa fluidez e essa mobilidade dificultam ou até mesmo inviabilizam uma classificação
estática e estável dos gêneros.

4. Gêneros Discursivos/Gêneros Jornalísticos

Os manuais de redação de jornais como A Folha de S. Paulo, O Globo e o Estado de S.


Paulo, ao se deterem sobre sugestões e regras a serem observadas na produção textual de
seus jornalistas, autorizam a compreensão de que no discurso jornalístico, a delimitação
genérica é concreta e indiscutível.
No entanto, segundo Barros (2000, p. 204), os preceitos oficializados nos referidos
manuais são ignorados pelos autores dos textos que circulam nos noticiosos:

“Uma ‘notícia’, em princípio, deveria apenas registrar os fatos de maneira objetiva,


imparcial e descomprometida. Adjetivos e advérbios devem ser descartados, dando ao
leitor oportunidade de tirar suas próprias conclusões. No entanto, na prática, observa-se
que a própria escolha do ângulo do relato demonstra um certo comprometimento do
jornalista com o fato”.
Nesse universo textual marcado pela utilização imediata de uma linguagem que
objetiva informar, comunicar, esclarecer, o jornal transforma-se num território minado de
manifestações textuais cujas especificidades de objetos, objetivos e potenciais
interlocutores fomenta uma intensa variabilidade no que tange à constituição tipológica
de seus conjuntos de enunciados.
Na visão de Barros (2000:204),

a coluna e o artigo de opinião apresentam regras de jogo comuns: é de sua natureza


trazer interpretação ou opinião do autor. O papel do autor é de maior aproximação
com o seu texto: avaliações e modalizações marcam sua visão de mundo e recursos
retóricos são ativados para atingir com maior eficiência o outro parceiro da
comunicação, seu interlocutor.

A impressão conceptual de um estilo jornalístico pode-se fundamentar a partir da


observação dos editoriais, comentários e opiniões veiculados pelos jornais em geral. Isso
não descarta a possibilidade da existência de textos bem escritos fora do âmbito dos artigos
que trazem a identificação do autor - desde a manchete da capa até a mais recôndita nota
do suplemento cultural.
Segundo Pinto (1986:50), “é muito mais na matéria assinada por jornalistas que
também são literatos que ocorrem desvios afrontosos (geralmente voluntários), em relação
à gramática, do que na matéria de responsabilidade do jornal.”
O propósito do presente trabalho, conforme já explicitado, é analisar três editoriais
de jornais paraibanos, para apreender uma possível confluência de elementos textuais,
estruturais e discursivos que os caracterizem enquanto gêneros de textos. Busco, portanto,
assinalar a presença ou não de elementos que atestem uma interseção material de traços
estruturais, temáticos ou mesmo linguísticos. Tal registro confirmaria a relativa
estabilidade de conteúdo e estilo composicional que, na ótica bakhtiniana, instituiriam a
formação de um gênero discursivo.
Para essa análise, selecionei os editoriais Diálogo Necessário (O Norte, João Pessoa,
16/10/2002), “Serra Condena Mães Solteiras” (A União, João Pessoa, 15/10/2002) e “Decisão
Final” (Correio da Paraíba, João Pessoa, 13/10/2002).
Vejam-se excertos desses editoriais:

Texto 1: Diálogo Necessário


Para a construção do gasoduto Urucu-Porto Velho até o final deste ano, a Petrobrás
espera obter a licença do instituto Nacional do meio Ambiente e Recursos Naturais
Renováveis (Ibama). A companhia concluirá dentro dos próximos 30 dias os estudos que
responderão a 23 questionamentos do Ibama sobre prevenção e solução a prováveis
impactos socioambientais na região atingida pela obra.
(...)
A estatal realizou seis audiências públicas em dois anos, para obter a licença provisória do
Ibama para o gasoduto Urucu-Porto Velho, lembra Cabral, afirmando que a Petrobrás fez
tudo dentro da lei. Acredita-se que o impasse será superado. O gasoduto é um imperativo
do desenvolvimento econômico, é verdade. Mas, a questão socioambiental precisa ser
defendida. Acreditamos que o problema será solucionado. Para tanto é necessário o
diálogo.
(O Norte, 16/10/2002)

Texto 2: Serra Condena Mães Solteiras


Os problemas brasileiros ganharam um novo destaque no discurso de José Serra com a
inclusão de mais uma preocupação de caráter nacional. Ele está preocupado com o grande
número de “mães solteiras” no Brasil.
(....)
Causou surpresa o candidato do presidente Fernando Henrique Cardoso preocupar-se
tanto com o problema das mães solteiras quando, no momento, o povo brasileiro está
muito mais preocupado com o aumento do valor do dólar, com o aumento da taxa de juros
e com o aumento do desemprego.
(...)
O candidato não citou nomes de mulheres que tenham tido essa atitude. O caso mais
famoso no Brasil, no entanto, é o da apresentadora Xuxa, que engravidou do ator Luciano
Szafir em uma “produção independente”.
Vocês se lembram de Jânio Quadros?
Ele começou assim, inventando de combater a briga de galo. Até então, briga de
galo não era problema nacional.
(A União, 15/10/2002)

Texto 3: Decisão Final


O reinício amanhã da campanha presidencial pela televisão, agora com vistas à eleição em
segundo turno, marca uma etapa decisiva, à medida em que o processo sucessório
aproxima-se de seu desfecho.
(...)
A legitimação, pois, dos governantes ungidos, como se costuma dizer, pelas urnas, dentro
do rito eleitoral que é a característica por excelência das sociedades politicamente abertas,
converte-se em fundamento irrecusável de uma ordem jurídica digna desse nome.
(Correio da Paraíba, 13/10/2002)

4.1. Existe o Gênero Editorial?

A linha política, social e cultural empreendida por uma empresa jornalística é


apresentada e defendida objetiva ou subjetivamente no espaço denominado de editorial.
Neste, são articuladas posições de interesse da empresa, seus pontos de vista, suas
definições ideológicas. Ali se explicitam ou implicitam suas linhas de pensamento e ação.
Sua linguagem é geralmente impessoal, moldando-se num nível vocabular típico da
norma considerada padrão, visível no acatamento aos preceitos gramaticais. A pessoa do
discurso é indeterminada, camuflando-se na terceira do singular ou, algumas vezes,
indefinindo-se em um “nós” que não identifica um autor específico. Não se espera
revoluções sintáticas, malabarismos semânticos ou menos inovações lexicais. O estilo é em
geral sóbrio e os textos, tradicionalmente, beiram a concisão e a formalidade plena.
As estruturas composicionais dos três editoriais observados convergem para uma
formatação onde afloram mais semelhanças que divergências. Apenas no texto do Jornal
A União, opta-se por uma paragrafação mais numerosa, concretizada através da
construção de parágrafos muito curtos. Tal expediente resulta em um texto com um
número consideravelmente exagerado de parágrafos: 19. Os outros editoriais constam de
06 parágrafos (Correio da Paraíba) e 04 parágrafos (O Norte).
Tanto no texto Decisão Final (Correio) quanto no Diálogo Necessário (O Norte), o
esforço por alcançar um tom de sobriedade na formulação dos enunciados, pautados na
impessoalidade discursiva, busca fazer eclodir uma voz institucional, que impossibilite a
identificação de um autor específico.
Dessa forma, os dois textos impregnam-se de uma sensação de ocultamento do
sujeito. A tessitura das informações que neles se entrelaçam, sem que sejam assumidas por
um locutor específico, sinalizam para uma dissimulação, para um descomprometimento
arquitetado pela não marcação da pessoa gramatical. Um pretenso desmascaramento só
se concretizaria após uma familiarização com o conteúdo exposto no todo do jornal e o
acesso à ficha de expediente, onde se identificam editores, diretores e conselho editorial.
A defesa de linhas ideológicas visivelmente assumidas em outras partes do noticioso
traveste-se, no editorial, de uma imparcialidade meticulosamente tramada. Tudo parece
ser destituído de autoria.
Essa característica tão fortemente marcada em dois dos jornais citados, no entanto
não se faz notar no editorial Serra Condena Mães Solteiras (A União). Ali, não se depreende
uma preocupação em mascarar o objetivo do texto, que se explicita do início ao fim,
atrelando-se à forma irônica como se refere ao personagem título, tentando ridicularizá-
lo na aproximação analógica que dele se trama com o ex-presidente Quadros, personagem
reconhecidamente pitoresco da política nacional.
Também em relação à seleção vocabular, há uma distância palpável entre os editoriais
do Correio da Paraíba e de O Norte, quando confrontados com o texto do Jornal A União.
Naqueles, evidencia-se um cuidado com o uso de termos mais formais, fugindo ao
espontaneísmo que permeia todo o texto sobre o candidato “excessivamente preocupado
com as mães solteiras”. A própria referência a nomes públicos, seja de políticos “populares”
como José Serra, Fernando Henrique Cardoso e Jânio Quadros, seja de figuras carimbadas
no indefectível noticiário de curiosidades particulares que diuturnamente alimentam a
mídia nacional, como Xuxa e Luciano Szafir, causa a aderência ao texto de uma
coloquialidade que o distancia amplamente dos outros dois.
Talvez não seja precipitado afirmar que o editorial de A União aponta para a
configuração de um jornal popular ou mesmo popularesco, direcionado a um público-alvo
pertencente a classes sociais menos aquinhoadas economicamente.
Tal avaliação, no entanto, limita-se a apenas a leitura do editorial. E de um único
editorial. Provavelmente não seja este um recorte estatístico que permita a formulação de
conclusões definitivas. Mas é o que se pode aventar a partir das impressões que causam a
forma e o conteúdo do texto analisado.
A respeito dos gêneros do dito discurso jornalístico, é possível cogitar algumas
convenções constitutivas das regularidades estáveis anunciadas por Bakhtin, as quais
dariam forma e existência concreta aos gêneros discursivos.
Considere-se, nessa perspectiva, que as influências e interferências de um tipo
genérico sobre outro é condição inerente à própria dinâmica pragmática da linguagem. Os
gêneros se (inter)põem uns aos/sobre os outros, no mais das vezes ignorando fronteiras e
fazendo renovar os repertórios composicionais de acordo com as condições de produção.
É nessa direção que se pode absorver a afirmação de Maingueneau, para quem

todo texto pertence a uma categoria de discurso, a um gênero de discurso. (...)


Existem denominações que não pertencem ao léxico corrente, são próprias de
certas profissões: os jornalistas, por exemplo, utilizam um vocabulário específico,
ensinando nos cursos profissionais: ‘primeira página’, ‘chamada’, ‘lide’, etc. (...)
Rótulos como ‘epopeia’, ‘vaudeville’, ‘editorial’, ‘talk show’ etc. designam o que
habitualmente entendemos por gêneros de discurso, isto é, dispositivos de
comunicação que só podem aparecer quando certas condições sócio-históricas
estão presentes. (2000:59-61)

Do contato com os textos aqui selecionados, ratifica-se a constatação de que o editorial


jornalístico se enquadra nas considerações teóricas que pressupõem a existência de
elementos determinativos da constituição de um tipo específico de texto. Os conjuntos de
enunciados analisados, apesar de conterem características também comuns aos artigos de
opinião e mesmos às produções de colunistas e articulistas em geral, mantêm entre si,
respeitadas suas idiossincrasias, uma convergência de elementos temáticos, estruturais e
composicionais que autorizam afirmar-se ser o editorial um gênero específico.
O fato de um dos editoriais se distanciar dos demais quanto ao uso de elementos
discursivos certamente só reafirma a variedade de estilos de que são passíveis as
manifestações textuais, o que não impede que se assimile a convergência de elementos
composicionais e linguísticos, ratificando uma proposição genérica que os enquadre
conjuntamente.
Tais constatações se confirmam no estudo aqui exposto, onde os textos cotejados
mostram características relativamente comuns, apesar das divergentes linhas ideológicas
e políticas que defendem implicitamente, inserindo-se enquanto tipo “editorial” em uma
esfera mais abrangente que é a do “discurso jornalístico”, enquadrando-se no conceito
bakhtiniano de gênero.
Afinal, nenhum leitor familiarizado com a linguagem jornalística teria dificuldades
em reconhecê-los como editoriais, distantes que estão da crônica, da reportagem, do
artigo, da coluna social, dos classificados, dos cadernos de variedades, das charges, da carta
do leitor...
Referências

BAKHTIN. Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
BARBOSA, Jacqueline Peixoto. Do professor suposto pelos PCNs ao professor real de
língua portuguesa: são os PCNs praticáveis? In ROJO, Roxane. (org.) A prática de
linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: Educ; Campinas: Mercado
de Letras 2000.
BARROS, Nina Célia de. Estratégias de ataque à face em gêneros jornalísticos. In MEURER,
José Luiz; MOTH-ROTH (orgs.) Gêneros textuais. Bauru: Edusc, 2002.
BRANDÃO, Helena Naganime. Gêneros do discurso na escola. Coleção ensinar e
aprender com textos, V. 5. São Paulo: Cortez, 2000.
BRAIT, Beth. PCNs, gêneros e ensino de língua: faces discursivas da textualidade. In ROJO,
Roxane. (org.) A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo:
Educ; Campinas: Mercado de Letras 2000.
BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um
interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: Educ, 1999.
MACHADO, Irene A. Os gêneros e a ciência dialógica do texto. In FARACO, Carlos
Alberto; TEZZA, Cristóvão; CASTRO, Gilberto de. (orgs.) Diálogos com Bakhtin. 3. ed.
Curitiba: UFPR, 2001.
MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez,
2000.
Manual de Estilo Editora Abril. 16 ed. São Paulo: Nova Fronteira, 1990.
MARTINS, Eduardo. O Estado de S. Paulo: Manual de Redação e Estilo. 3. ed. São
Paulo: Moderna, 1997.
PINTO, Edith Pimentel. A Língua Escrita no Brasil. São Paulo: Ática, 1986.
POMPÍLIO, Berenice Wanderley et alli. Os PCNs: uma experiência de formação de
professores do ensino fundamental. In ROJO, Roxane. (org.) A prática de linguagem em
sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: Educ; Campinas: Mercado de Letras 2000.
ROSSI, Clóvis. O que é jornalismo. 7 ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.
SILVA, Camilo Rosa. Inovação lexical no texto jornalístico: produtividade neológica
nos jornais Diário de Natal e Tribuna do Norte. (Dissertação de mestrado). João Pessoa:
UFPB, 1999.
_____. Linguagem jornalística: possibilidades de uso didático nas aulas de língua
portuguesa. In Anais do XV Encontro de Pesquisa em Educação do Norte e Nordeste.
São Luiz: 2001. (cd rom)
TODOROV, Tzvetan. Os gêneros discursivos. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

Disponível em: <http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Anais/ECLAE_II/generos


%20do%20discurso/principal.htm>