You are on page 1of 89

PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –

ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ


PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Olá, prezado aluno!


Nesta aula 1, trataremos do emprego e da colocação de
classes de palavras, assunto importante nas provas do Cespe. Portanto
estude o assunto com muito empenho.
Ao todo, são dez as classes de palavras. Umas variáveis e outras
invariáveis. É importante fazermos uma síntese delas e de suas definições
nesse primeiro momento. Eis abaixo um quadro que resume bem a parte
teórica:

Classe Gramatical Definição


É a palavra que nomeia os seres (pessoas, lugares,
Substantivo instituições, animais, entes de natureza espiritual
ou mitológica, etc.)

Tem a mesma forma para o singular e o plural:


lápis, vírus, ônibus, mil-folhas. A diferença será
Substantivo comum de
estabelecida por meio de outro elemento
dois números
linguístico: o lápis, os lápis, o vírus, os vírus
etc.

Apresenta uma só forma para ambos os gêneros.


Substantivo comum de Efetua-se a distinção por meio do artigo ou de
dois gêneros qualquer outro determinante. Exemplos: o/a
colega, o/a agente, o/a lojista.

Possui uma só forma e um só gênero a fim de


Substantivo designar pessoas de ambos os sexos. Exemplos: a
sobrecomum pessoa, a vítima, a criança, o cônjuge, o
monstro.

Apresenta uma só forma e um só gênero a fim de


designar animais de ambos os sexos. Usam-se as
Substantivo epiceno
expressões “macho” e “fêmea” para fazer-se a
distinção. Exemplos: a águia macho ou fêmea, a

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 1


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

cobra macho ou fêmea, o crocodilo macho ou


fêmea, o jacaré macho ou fêmea, etc.

É a palavra que se antepõe ao substantivo,


servindo basicamente para generalizar ou
particularizar o sentido desse substantivo. Em
Artigo
alguns casos, o artigo é essencial na identificação
(definidos: o, a, os,
do gênero e do número do substantivo. Exemplos:
as; indefinidos: um,
Um aluno faltou à aula. / O aluno faltou à
uma, uns, umas)
aula. – O gerente foi demitido. / A gerente foi
demitida. – O pires quebrou. / Os pires
quebraram.

Palavra que se relaciona com o substantivo para lhe


atribuir uma característica. Com ele concorda em
Adjetivo
número e gênero. Exemplos: mulher alta, livros
bons, árvore alta, tapete novo etc.

Mantém a mesma forma tanto quando se refere a


substantivos masculinos quanto a femininos.
Adjetivo uniforme Exemplos: Decisão favorável, parecer favorável,
obra incrível, livro incrível, rapaz adorável, moça
adorável.

É a palavra que indica a quantidade ou a posição


dos seres. Exemplos: dois, quinze, cem
(cardinais); segundo, décimo quinto, centésimo
Numeral
(ordinais); meio, um terço, um inteiro e treze
avos (fracionários); dobro, triplo, quádruplo
(multiplicativos).

É a palavra invariável que se refere a um verbo, um


Advérbio advérbio ou a um adjetivo, indicando uma
circunstância (causa, tempo, modo etc.). Exemplos:

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 2


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Ele chegou cedo. (refere-se à forma verbal


“chegou”, modificando-lhe o sentido). Você agiu
bastante mal. (refere-se ao advérbio “mal”,
intensificando-lhe o sentido). Essa é a atitude
menos correta. (refere-se ao adjetivo “correta”,
intensificando-lhe o sentido).

É a palavra invariável que exprime emoções ou que


procura agir sobre o interlocutor, levando-o a
Interjeição adotar certo comportamento sem que se faça uso
de estruturas linguísticas mais elaboradas.
Exemplos: Ah! – Psiu! – Opa! – Eia!

É a palavra invariável que conecta (liga) palavras


ou orações. Exemplos: flor da boca da pele do
Preposição
céu. – Vou à Roma de César. – O aluno pediu
para sair mais cedo.

É a palavra invariável que une orações ou termos


de uma oração. No desempenho desse papel, a
conjunção pode relacionar termos e orações
sintaticamente equivalentes (as chamadas orações
Conjunção
coordenadas) ou relacionar uma oração principal a
uma oração que lhe é subordinada. Exemplos:
Pedro e Paulo saíram. Pedro foi ao cinema, e
Paulo foi ao teatro. É preciso que estudemos.

É a palavra que designa um processo (ação, desejo,


estado, mudança de estado, fenômeno). É a classe
gramatical mais rica em variação de formas. Pode
Verbo
mudar para exprimir modo, tempo, pessoa, número
e voz. No dicionário, são encontrados no modo
infinitivo (entrar, comer, chover, comprar, ser,

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 3


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

amanhecer), que é, por assim dizer, o nome do


verbo. Exemplos: Ele estuda. (ação) /
Desejamos a classificação. (desejo) / Ele está
doente. (estado) / A lagarta virou borboleta.
(mudança de estado) / Choveu forte.
(fenômeno)

Palavra que substitui o nome (pronome


substantivo) ou que o acompanha (pronome
Pronome
adjetivo) para tornar claro o seu significado.
Existem seis classes de pronomes:

Indica diretamente as pessoas do discurso (no


singular ou no plural): 1ª pessoa: quem fala; 2ª
pessoa: com quem se fala; 3ª pessoa: de quem se
fala. Eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas. Me, te,
Pessoal se, lhe, o, a, nos, vos, se, lhes, os, as. Mim,
comigo, ti, contigo, si, consigo, conosco,
convosco. Também são pessoais os pronomes de
tratamento: você, o senhor, a senhora, vossa
senhoria, vossa excelência, etc.

Refere-se às pessoas gramaticais, atribuindo-lhes a


posse de algo.: Meu, minha, meus, minhas,
possessivo nosso, nossa, nossos, nossas, teu, tua, teus,
tuas, vosso, vossa, vossos, vossas, seu, sua,
seus, suas.

Indica a posição dos seres em relação às pessoas


do discurso, situando-os no tempo e no espaço.
demonstrativo 1ª. Pessoa: Este, esta, estes, estas, isto.
2ª. Pessoa: Esse, essa, esses, essas, isso.
3ª. Pessoa: Aquele, aquela, aqueles, aquelas,

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 4


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

aquilo.

É aquele que, em uma oração, se refere a um


termo constante em oração anterior, chamado
antecedente. Exemplo: O avião que chegou estava
relativo
danificado. São pronomes relativos: que, quem,
quanto(s), quanta(s), cujo(s), cuja(s), o qual,
a qual, os quais, as quais.

Refere-se à terceira pessoa do discurso num


sentido vago ou exprimido quantidade
indeterminada. Exemplos: Quem espera sempre
indefinido alcança. Alguns podem flexionar-se em gênero e
número. São pronomes indefinidos: algum,
alguns, nenhum, nenhuns, qualquer,
quaisquer, ninguém, tudo, nada, algo etc.

É aquele usado para formular uma pergunta direta


interrogativo
ou indireta: que, quem, qual, quanto.

Tenho observado que bancas examinadoras como Cespe, Esaf e


FCC não se detêm, geralmente, nos questionamentos sobre a definição dessas
classes. Antes, privilegiam o emprego delas no contexto em que estão
inseridas e, consequentemente, o nexo semântico que estabelecem com o
restante do período. Todavia, é a partir do conhecimento das definições que
reuniremos subsídios para compreender o funcionamento de cada classe
gramatical.

• Emprego de substantivos
Com frequência, as formas sintéticas de aumentativo e diminutivo
indicam valor semântico pejorativo: mulherzinha; livreco, sabichão etc.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 5


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Às vezes, essas mesmas formas são empregadas para traduzir


valor semântico afetivo, carinhoso: amorzinho, mulherão, mãezona, paizinho
etc.
Em alguns casos, o emprego dessas formas já não indica mais a
ideia de grau aumentativo ou diminutivo. Passam elas a sugerir significado
diferente daquele expresso pelo substantivo normal: caixão, cartilha, folhinha
(calendário), película, portão, flautim, calção etc.

[...]

1. (Cespe/STJ/Técnico Judiciário/Telecomunicações e Eletricidade/2012) Na


construção do sentido do texto, destaca-se a ambiguidade do vocábulo
“militar”, que, no contexto em que aparece, pode ser classificado ora
como substantivo, ora como verbo.

Comentário – Como substantivo, o vocábulo “militar” significa integrante de


uma das Forças Armadas. Como verbo, significa seguir uma carreira, ou atuar
em um partido, uma organização etc. Portanto é possível entender que o
jornalista aproveitou a oportunidade para reclamar da intromissão das Forças
Armadas na liberdade de imprensa ou para, a exemplo do coronel, desabafar
sobre as dificuldades da sua própria atividade profissional.
Resposta – Item certo.

• Emprego de artigos

1) Ambos
Usa-se o artigo entre o numeral ambos e o elemento posterior,
caso este admita o seu uso.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 6


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Ex.: Ambos os atletas foram declarados vencedores. (Atletas é


substantivo que admite artigo.)
Ambas as leis estão obsoletas. (Leis é substantivo que admite
artigo.)
Ambos vocês estão suspensos. (Vocês é pronome de tratamento
que não admite artigo.)

2) Todos
Usa-se o artigo entre o pronome indefinido todos e o elemento
posterior, caso este admita o seu uso.
Ex.: Todos os atletas foram declarados vencedores.
Todas as leis devem ser cumpridas.
Todos vocês estão suspensos.

3) Todo
Diante do pronome indefinido todo, usa-se o artigo para indicar
integralidade do que é considerado, totalidade da parte; não se usa para
indicar generalização.

Ex.: Todo o país participou da greve. (O país todo, inteiro.)


Todo país sofre por algum motivo. (Qualquer país, todos os
países.)

ATENÇÃO! É muito comum surgirem em provas questões que abordam a


diferença entre os sentidos desses tipos de enunciados. Normalmente, é
perguntado se o emprego ou a retirada do artigo preserva ou altera a
informação original. Perceba que há alteração de sentido. Tomando o segundo
exemplo como ponto de partida, a construção Todos os países (no plural
mesmo) sofrem por algum motivo conserva o significado inicial.
4) Cujo

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 7


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Não se usa artigo após o pronome relativo cujo.

Ex.: As mulheres, cujas bolsas desapareceram, ficaram revoltadas. (e


não: cujas as bolsas.)

5) Nomes de jornais, revistas, obras literárias


Deve-se evitar contrair com preposição o artigo que faz parte do
nome de jornais, revistas, obras literárias.

Ex.: Li a notícia nO Estado de São Paulo. (ou Li a notícia no Estado de


São Paulo) – não recomendado
Li a notícia em O Estado de São Paulo. – recomendado

[...]

[...]

2. (Cespe/STM/Analista Judiciário/Execução de Mandados/2011) A inserção


do artigo definido plural os imediatamente antes da palavra “policiais”
(L.6) não alteraria o sentido original do período.

Comentário – Sem o artigo, o substantivo é entendido em sentido genérico,


não especificado. Quais ou quantos “policiais”: todos, alguns, dois, três? Com o
artigo definido os, o substantivo “policiais” tem seu alcance semântico
delimitado. A referência agora é a todos os policiais da delegacia.
Resposta – Item errado.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 8


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...]

3. (Cespe/PC-CE/Inspetor/2012) Os substantivos “velhice” (L.1) e “tese”


(L.11) estão empregados no texto de forma indefinida e com sentido
genérico.

Comentário – Para resolver acertadamente esta questão, você precisa notar o


que vem antes desses substantivos. Em “à velhice”, tem-se a fusão da
preposição a com o artigo definido a. Os artigos definidos (o, os, a, as) são
antepostos aos substantivos para dar aos seres um sentido determinado.
Semelhantemente, é isso que também ocorre em “à tese”.
Resposta – Item errado.

• Emprego de adjetivos
Destacarei dois fatos importantes quanto ao emprego deles. O
primeiro é que também atingimos o grau superlativo (elevação ou redução da
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 9
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

qualidade de um ser no mais alto grau em comparação ou não com a de outro


ser) com a repetição do adjetivo:
Ex.: O filme foi muito lindo.
O final do filme foi lindo, lindo.

O segundo fato é que, quando comparamos a mesma qualidade


atribuída a dois seres, não empregamos as formas mais bom, mais mau,
mais grande e mais pequeno.
Ex.: Conquistar é melhor do que ganhar.
A reprovação é pior do que alguns meses de dedicação.
Mas quando comparadas duas qualidades do mesmo ser,
usamos a forma analítica desses adjetivos.

Ex.: João é mais pequeno do que inteligente.


Seu comportamento é mais bom do que mau.

• Emprego de pronomes

1. Diferença quanto ao emprego dos pronomes pessoais

a) Ele virou ela. Na função de sujeito e de predicativo, o pronome


pessoal utilizado será, via de regra, do caso reto.

b) Quero falar com ele. Serão empregados os do caso oblíquo nas


Sou útil a ele. demais funções sintáticas (complemento
Vi-o na rua. verbal, complemento nominal etc.)

c) Eu contei a ti o que acontecera. Os pronomes oblíquos tônicos são


Você terá de viajar com nós dois. precedidos de preposição.
Você terá de viajar conosco. Usa-se com nós ou com vós
quando tais expressões vierem
acompanhadas de elementos de
realce, numeral, pronome ou
oração adjetiva.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 10


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

CUIDADO! Não vá sem eu saber. Mesmo diante de preposição, o


Todos saíram, exceto eu. pronome pessoal do caso reto
será empregado quando for
sujeito de verbo, ainda que este
esteja elíptico.

d) Maria fez aniversário. Pedro deu-lhe um presente.


Maria fez aniversário. Pedro a presenteou. Como complementos
verbais, o(s), a(s)
desempenham função de
objeto direto; lhe(s), de
objeto indireto.

e) Mandei-o sair da sala. LHE(S) só poderá ser sujeito de


Fiz-lhes ver que estavam errados. verbo infinitivo transitivo direto.
Mandei-lhe sair da sala seria
uma construção errada, já que
“sair” tem regência intransitiva.

2. Pronomes de tratamento

PRONOME DE USADO PARA SE


ABREVIATURA
TRATAMENTO DIRIGIR A
Senhor, Senhora Sr., Srª tratamento formal
Você V. tratamento informal
Vossa Alteza V. A. príncipes e duques
Vossa Eminência V. Emª cardeais
altas autoridades e
Vossa Excelência V. Exª
oficiais-generais
Vossa Magnificência V. Magª reitores de universidades

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 11


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Vossa Majestade V. M. reis e imperadores


Vossa Reverendíssima V. Rev.ma sacerdotes em geral
Vossa Santidade V. S. papa
tratamento formal para
Vossa Senhoria V. Sª
pessoas graduadas.

As formas de tratamento designam indiretamente a 2ª pessoa do


discurso (aquela com quem se fala), mas conduzem todas as concordâncias
nominal e verbal da frase para a terceira pessoa do singular ou do plural,
conforme o caso.

• Particularidades

a) Vossa Excelência fez um belo discurso. (para dirigir-se à pessoa, ainda


que por meio de correspondências)
Sua Excelência fez um belo discurso. (fala-se da pessoa)
b) Vossa Excelência apresentará seus projetos? (note que o verbo e o
pronome correspondem à terceira pessoa; o adjetivo tende a concordar
com o gênero da pessoa – concordância ideológica)

c) Se você chegar cedo, eu vou te ajudar. (errado)


Se você chegar cedo, eu vou ajudá-lo (você). (certo)
(muito cuidado: mesmo os pronomes de tratamento informal levam os
outros pronomes para a terceira pessoa)

3. Pronomes possessivos

Referem-se às pessoas gramaticais, atribuindo-lhes a posse de


algo. Concordam em gênero e número com “a coisa” possuída.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 12


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Meu(s), minha(s),
Primeira pessoa
Ex.: Eu trouxe meu caderno. nosso(s), nassa(s)
Tu trouxeste tuas canetas. Teu(s), tua(s),
Segunda pessoa
vosso(s), vossa(s)
Terceira pessoa Seu(s), sua(s)

4. Pronomes demonstrativos
Indicam a posição dos seres em relação às pessoas do discurso,
situando-os no tempo e no espaço.

RONOMES TEMPO ESPAÇO


Este (s), esta (s), isto Presente; momento atual Perto de quem fala
Passado próximo Perto da pessoa com
Esse (s), essa (s), isso
quem se fala
Aquele (s), aquela (s), Passado longínquo Longe de quem fala e da
aquilo pessoa com quem se fala

Ex.: Nestas últimas horas tenho aprendido muito.


Este rapaz ao meu lado é meu amigo.
Essas horas que passamos na praia foram muito agradáveis.
O que é isso aí do teu lado?
Naquela época, a vida era melhor.
O que é aquilo atrás do carro?

• Casos Especiais

a) Meu argumento é este: não há democracia sem justiça. (Este:


empregado quando ainda vai ser feita a referência; promove a coesão
textual conhecida como catafórica.).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 13


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Não há democracia sem justiça. Esse é meu argumento. (Esse:


empregado quando já foi feita a referência; promove a coesão textual
conhecida como anafórica)
b) Comprei um carro e uma bicicleta. Esta eu dei para meu irmão; aquele,
para mim mesmo. (Este e aquele servem para retomar elementos já
citados. Este diz respeito ao último termo; aquele, ao primeiro.)

c) O que ele disse era verdade.


Passará a que for mais capacitada. (O e a diante de que – pronome
relativo – e de – preposição – serão pronomes demonstrativos)

[...]
16 o triunfo de uma moral tecida de perplexidade. As execuções
acontecem em lugares fechados, diante de poucas testemunhas:
há uma espécie de vergonha. Essa discrição é apresentada como
19 um progresso: os povos civilizados não executam seus
condenados nas praças. Mas o dito progresso é, de fato, um
corolário da incerteza ética de nossa cultura.
[...]
4. (Cespe/DPF/Papiloscopista/2012) O termo “Essa discrição” (l.18)
refere-se apenas ao que está expresso na primeira oração do período
que o antecede.

Comentário – Este é um caso típico em que o pronome demonstrativo foi


usado como elemento de coesão anafórica. A tal “discrição” é a maneira como
as mencionadas execuções são feitas: “em lugares fechados, diante de poucas
testemunhas”.
Resposta – Item certo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 14


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

5. Pronomes indefinidos
São os que têm sentido vago, impreciso, indeterminado. Alguns
podem flexionar-se em gênero e número.

• Casos Particulares

a) Certo livro: antes do substantivo, equivale-se a pronome indefinido.


Livro certo: depois, equivale-se a adjetivo.

b) Algum livro deve ser igual a este. Antes do substantivo, tem valor
positivo, exprime possibilidade.
Livro algum deve ser igual a este. Depois, tem valor negativo, expressa
impossibilidade.
6. Pronomes relativos

a) Eis os velhos amigos de que lhe falhei.

Eis o instrumento de que lhe falei.

O pronome relativo QUE pode ser empregado tanto para substituir


coisa quanto para representar pessoa. Rejeita preposições com duas ou mais
sílabas e dispensa sem e sob
Lembre-se de que para ser conjunção integrante, esse vocábulo
deve unir uma oração subordinada de valor substantivo (objeto direto, objeto
indireto, complemento nominal, sujeito, predicativo, aposto) à sua principal.
Considere este fragmento: “...eles explicam que tipo de rodovia cada uma é.”,
em que a oração sublinhada é objeto direto da forma verbal “explicam” e o
“que” não é pronome relativo.

b) A casa onde morei era muito antiga. (certo)

A reunião onde estávamos acabou tarde. (errado)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 15


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

ONDE é usado restritivamente em referência a lugar.

A escola onde estudo foi fechada.


A escola aonde vais é muito longe.
A escola donde vens é muito longe.

ONDE é pronome relativo quando substitui um termo antecedente,


como no primeiro exemplo (onde = escola). Não deve ser confundido com
onde = advérbio interrogativo: “Onde você estuda?”. Observe que agora o
vocábulo onde não substitui nenhum termo anterior, apenas introduz uma
pergunta que exprime a ideia de lugar.
Usaremos aonde (contração de a + onde) quando o verbo que
surgir após esse pronome relativo exprimir ideia de movimento e exigir a
preposição “a”. Caso o verbo indicativo de movimento reger preposição “de”,
usaremos “donde” (contração de de + onde).
Ressalto que o verbo seguinte deve indicar movimento e não
permanência (como no primeiro exemplo). Com verbos estáticos, que
exprimem permanência, a preposição empregada será “em”. Na Língua
Portuguesa não existe nonde, isto é, a contração de em + onde.

c) Ele participou da reunião, a qual deu origem ao atual grupo de trabalho.

O relativo o qual (e variações) é útil para desfazer ambiguidades.


Perceba que, se fosse empregado o relativo QUE, haveria margem para a
seguinte dúvida: a reunião ou ele deu origem ao atual grupo de trabalho?

d) É uma pessoa com cujas opiniões não podemos concordar.

O pronome relativo CUJO(S)/CUJA(S) estabelece uma relação de


posse/dependeência entre os termos antecedente e consequente. Concorda em
gênero e número com a “coisa” possuída.
Muito cuidado quando a banca lhe propuser a substituição dele por
outro relativo (que, a/o qual, quem), a pretexto de que serão mantidas a
correção gramatical e a coerência argumentativa. ISSO NÃO É VERDADE.
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 16
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

NÃO É POSSÍVEL FAZER TAL SUBSTITUIÇÃO. Não confunda o caso


anterior (correspondência entre que e o/a qual) com este.
Observe esta construção: O professor cujo o filho nasceu está feliz.
O que acha dela? Certa ou errada? ERRADA. A norma gramatical não abona o
emprego de artigo antes (...o cujo...) ou depois (...cujo o...) do relativo CUJO,
daí o motivo de não se empregar o acento indicativo de crase diante dele.

e) Esta é a pessoa a quem prezo como amigo.

O pronome relativo QUEM é utilizado em referência a pessoas e se


faz acompanhar de preposição. Eu disse PREPOSIÇÃO e não artigo. Portanto,
se perguntarem a você qual a classe gramatical daquele “a” em negrito, NADA
DE DIZER “ARTIGO”.

f) Esqueci tudo quanto foi dito.


Podemos confiar em todos quantos estão presentes.
Podemos confiar em todas quantas estão presentes.

QUANTO (e variações) será pronome relativo quando estiver


acompanhado de tudo (e variações).

g) Essa é a hora quando as garças levantam vôo.


Não entendi a maneira como ela se dirigiu a mim.

QUANDO e COMO são pronomes relativos sempre que se referirem a um


termo antecedente (“a hora” e “a maneira”, nessa ordem). O primeiro tem
valor semântico de tempo; o segundo, de modo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 17


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...]

[...]

5. (Cespe/STM/Técnico Judiciário/Área Administrativa/2011) O elemento que


possui, em todas as suas ocorrências (L.7, 8, 13 e 14), a propriedade de
retomar palavras ou expressões que o antecedem no texto.

Comentário – Preste muita atenção no enunciado. O que o examinador


procura, na verdade, é um pronome relativo, pois é ele que retoma palavras
ou expressões antecedentes. Assim sendo, o item está errado. Vejamos:
– “mostra que há setores” (l. 7) => conjunção integrante,
pois introduz oração (substantiva) que funciona como objeto direto do verbo
mostrar.
– “como a construção civil, que tem uma” (l. 8) =>
pronome relativo, pois substitui a expressão “construção civil” na oração em
que aparece. Repare: a construção civil tem uma. Observação: a oração
introduzida por pronome relativo é chamada subordinada adjetiva.
– “que é um equívoco” (l 13) => outra conjunção
integrante, pois introduz oração (substantiva) que funciona como objeto
direto do verbo mostrar (l. 12).
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 18
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

– “mostram que o mercado de trabalho já é bem” (l. 14) =>


outra vez temos uma conjunção integrante, que introduz oração
substantiva. O “que” introduz o objeto direto do verbo mostrar. Repare o
artifício: Os números mostram ISSO. O vocábulo ISSO se equivale à oração
(substantiva) “que o mercado de trabalho já é...”
Resposta – Item errado.

[...]

[...]

6. (Cespe/TJ-ES/Analista Judiciário/2011) A supressão da preposição em “em


que” desrespeitaria as regras gramaticais, pois, por meio dela, se
indica que o pronome “que” retoma “subjetividade” .

Comentário – Não é verdade que o pronome relativo “que” retoma


“subjetividade”. Ele retoma o antecedente “êthos”. A oração adjetiva pode ser
reescrita assim: A sociabilidade assume um tom caracteristicamente
marcante na êthos.
Resposta – Item errado.

[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 19


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

7. (Cespe/FUB/Analista de Tecnologia da Informação/2011) Na linha 49, o


vocábulo “se” é empregado com a mesma função nas duas ocorrências: a
de marcar reciprocidade de ação.

Comentário – Não é verdade. No primeiro caso, o “se” é parte integrante do


verbo assemelhar-se (= ser semelhante a; parecer-se), como em queixar-se,
suicidar-se etc. No segundo, o pronome indica reciprocidade, ou seja, “Criador
e criatura” praticam e sofrem a ação um em relação ao outro.
Resposta – Item errado.

• Colocação dos Pronomes Oblíquos átonos

Antes de apresentar os casos de colocação pronominal – assunto


que não é muito explorado pelo Cespe –, cabe lembrar que próclise é a
ocorrência do pronome antes do verbo (Fingiu que não o reconheceu.).
Quando acontece o inverso, ou seja, o pronome surge após o verbo, temos um
caso de ênclise, que na escrita é marcada pela presença do hífen (Dá-me sua
ajuda.). A mesóclise, que só ocorre com verbos no futuro do presente e no
futuro do pretérito, é o emprego do pronome no “meio” do verbo, entre a
forma infinitiva e a desinência modo-temporal (Dar-lhe-ia minha ajuda.).

Casos de Próclise
a) Palavras de sentido Nada me fará desistir.
negativo Ninguém me fará desistir.
b) Advérbios sem pausa Aqui se fazem chaves.
Talvez se cumprimentassem.
c) Conjunções Quando lhe dissemos a verdade, chorou muito.
subordinativas e pronomes O livro que me deste é muito interessante.
relativos
d) Conjunções Ora se atribulava, ora se aquietava.
coordenativas alternativas Das duas uma: ou as faz ela, ou as faço eu.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 20


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

e) Pronomes e advérbios Quem lhe contou a verdade?


interrogativos Por que te afliges tanto?
f) Pronomes indefinidos Tudo me foi dado.
Alguém te contou a verdade?
g) Frases exclamativas e Como te atreves!
optativas Deus o abençoe, meu filho!
h) Preposição em + Em se tratando desse assunto, nada mudará.
verbo no gerúndio
Casos de Mesóclise
a) Verbo no futuro do Amar-te-ei a vida inteira. (Não te amarei a vida
presente ou do pretérito, inteira.)
sem palavra atrativa Dar-lhe-ia o livro. (Jamais lhe daria o livro.)

Casos de Ênclise
a) Antes de tentar decorar Levante-se e lute.
qualquer outra regra, é
Tratando-se desse assunto, nada mudará.
fundamental saber que a
Vendê-lo era o que mais importava.
tendência da língua
portuguesa recai sobre Aqui, fazem-se chaves.
o uso da ênclise.
Portanto, se não ocorrer
qualquer um dos casos
mencionados
anteriormente, usaremos a
ênclise.

Alguns pontos precisam ser ressaltados neste momento:

1 – O particípio não admite ênclise.

Dada-me a resposta, calei-me. (errado)


Dada a mim a resposta, calei-me. (certo)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 21


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

2 – O futuro do presente e o futuro do pretérito também não admitem ênclise.

Direi-te a verdade. (errado)


Dir-te-ei a verdade (certo)

3 – O numeral ambos, quando sujeito, também atrai o pronome oblíquo átono.

Ambos se casarão amanhã.

4 – É licita a próclise ou a ênclise quando o infinitivo estiver precedido de


preposição ou palavra negativa.

Estou aqui para te servir (ou servir-te).


Meu desejo era não o incomodar (ou incomodá-lo).

5 – Quando o infinitivo vier precedido pela preposição a, a próclise não será


possível se o pronome for o ou a.

Estamos a contemplá-la.
Se soubesse, não continuaria a lê-lo.
Começou a lhe ensinar português (ou ensinar-lhe).

Até agora, a posição do pronome oblíquo átono levou em conta a


existência de apenas um verbo. Veja a seguir como empregá-los em relação a
uma locução verbal (verbo auxiliar + verbo principal).

a) Verbo auxiliar + infinitivo


Ex.: Eu devo-lhe fazer um favor. (ênclise do verbo auxiliar)
Eu devo fazer-lhe um favor. (ênclise do verbo principal)
Eu não lhe devo fazer um favor. (próclise do verbo auxiliar; a palavra
atrativa impede a ênclise)
Eu não devo fazer-lhe um favor. (ênclise do verbo principal; o advérbio
“não” é insuficiente para impedi-la)

b) Verbo auxiliar + preposição + infinitivo


Ex.: Os jovens deixaram de se falar. (próclise do principal)
Os jovens deixaram de falar-se. (ênclise do principal)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 22


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

c) Verbo auxiliar + gerúndio


Ex.: Estou-lhe obedecendo. (ênclise do auxiliar)
Estou obedecendo-lhe. (ênclise do principal)
Não lhe estou obedecendo. (próclise do auxiliar, em virtude da palavra
atrativa, que impede a ênclise)
Não estou obedecendo-lhe. (ênclise do principal; distante, o advérbio
perde sua força atrativa)

d) Verbo auxiliar + particípio


Ex.: Havia-me levado ao cinema. (ênclise do auxiliar; não é possível a ênclise
do verbo principal por estar ele no particípio)
Não me havia levado ao cinema. (próclise do auxiliar, em virtude do
advérbio de negação)

Devo esclarecer ainda que, na fala brasileira (diferentemente do


que ocorre na tradição lusitana), os pronomes oblíquos átonos tendem a ficar
“solto” entre o verbo auxiliar e o principal, formando a próclise deste, como
atestam os exemplos abaixo, extraídos de excelentes escritores modernos.

a) “Mas agora já sabemos nos defender” (Guimarães Rosa)


b) “Meus olhos iam se enchendo de água.” (Raquel de Queirós)
c) “A conversa na mesa teria lhe dado suficiente prestígio para isso?” (Jorge
Amado)

• Advérbios
Referem-se a um verbo, um advérbio ou a um adjetivo,
acrescentando-lhes informações circunstanciais, acessórias.
Ex.: Ele chegou cedo. (refere-se à forma verbal “chegou” e indica
quando a ação verbal se realizou)
Você agiu bastante mal. (refere-se ao advérbio “mal”,
intensificando o modo indicado pelo advérbio)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 23


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Essa é a atitude menos correta. (refere-se ao adjetivo “correta”,


adicionando-lhe valor semântico intensificador)

Em alguns casos, os advérbios podem se referir a uma oração


inteira. Nesse caso, normalmente transmitem a avaliação de quem fala ou
escreve sobre o conteúdo da oração.
Ex.: Infelizmente, os deputados aprovaram as emendas.
As providências foram infrutíferas, lamentavelmente.
Observamos que os advérbios bem e mal, quando juntos a
adjetivos (ou a particípios), são empregados na forma analítica para indicar o
grau comparativo de superioridade.

Ex.: O quarto está mais bem pintado (do) que a sala.


Joaquim é mais mal educado (do) que Pedro.
Alguns advérbios podem assumir formas diminutivas (e passam a
ter valor superlativo) para indicar linguagem afetiva.

Ex.: Chegaram agorinha.


Terminei a prova rapidinho.

Ocorrendo o emprego sequencial de advérbios terminados em


mente, a terminação pode ser usada apenas no último advérbio ou em todos
eles.
Ex.: Calma e silenciosamente, a aluna repassava os ensinamentos.
Calmamente e silenciosamente, a aluna repassava os
ensinamentos.

ATENÇÃO! É possível que alguns adjetivos sejam empregados com advérbios.


Nesse caso, ficam invariáveis.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 24


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Ex.: Não falem alto!


As aulas de português não custam caro.
• Preposições
Conecta (liga) palavras e orações, estabelecendo uma relação de
subordinação do consequente ao antecedente.
Ex.: O caderno de português ficou na escola. (a preposição estabeleceu
vínculo entre as palavras “caderno” e “português”, pertencentes à
mesma oração)
O medo de fracassar atormentava-o dia e noite. (agora, a
preposição promoveu o vínculo entre o substantivo “medo” e a
oração completiva nominal “fracassar”.
Usualmente, as preposições são desprovidas de valor semântico.
Porém, às vezes indicam noções fundamentais à compreensão da frase.

Ex.: Estou com você. (associação, a favor)


Estou contra você. (posição contrária)
Pus sob a mesa. (posição inferior)
Pus sobre a mesa (posição superior)
Às noites, jogava dominó. (tempo habitual, periodicidade)
Dei pirulitos para as crianças, uma a uma. (distribuição)
Veio de casa. (origem)

1 A tecnologia passou a dominar não apenas o


comércio, as cidades, a vida cotidiana e a intimidade do
homem, mas foi além: transformou-se na linguagem do mundo
4 contemporâneo, nossa mediação universal. Como sistema
universal, a História — da mesma maneira que as ciências, as
artes e a política — é vista da mesma perspectiva, isto é, por
7 meio de um conjunto de regras de conhecimentos, geralmente

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 25


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

quantificados, que valem de forma diferenciada para todas as


dimensões do real.
10 É impossível despojar o mundo das suas
ambiguidades, paradoxos e enigmas, e dominá-lo plenamente
por meio da racionalidade técnica e de forma sistemática. Em
13 vez de habitar o mundo, acolhê-lo, viver no meio dos
acontecimentos, o homem moderno tem a pretensão de
dominá-lo pela técnica. Mas ele não se dá conta de que essa
16 pretensão é o que o transforma no escravo moderno: dominado
por causas exteriores, o homem perde a prudência e age como
qualquer ser passional, isto é, tudo o que ele faz só faz porque
19 é levado pelos acontecimentos.
Russell A. Mittermeyer. Um planeta febril. In: Istoé, 23/12/2009, p. 117 (com adaptações).

8. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010) Considerando o uso das estruturas


linguísticas no texto, assinale a opção correta.

(A) A expressão “da mesma maneira” (l.5) estabelece uma comparação entre
o “sistema universal” (l.4-5) e o “conjunto de regras de conhecimentos”
(l.7).
(B) A expressão “por meio de” (l.6-7) e o vocábulo “pela” (l.15) atribuem a
ideia de instrumento, respectivamente, a “um conjunto de regras” (l.7) e
a “técnica” (l.15).
(C) Os pronomes em “dominá-lo” (l.11) e em “o transforma” (l.16) referem-se
a “mundo”, respectivamente, nas linhas 10 e 13.
(D) Na linha 12, a repetição da preposição de, que precede “racionalidade
técnica” e “forma sistemática”, indica que se trata de dois complementos
para a expressão “por meio”.
(E) A preposição de, em “dos acontecimentos” (l.13-14), corresponde à
preposição a e por ela pode ser substituída, sem prejudicar a correção e a
coerência do texto.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 26


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Comentários – Alternativa A: Muito cuidado, pois apenas uma parte do que


foi dito está correta. Embora a locução conjuntiva “da mesma maneira que”
estabeleça uma comparação, esta ocorre entre “a História” e “as ciências, as
artes e a política”.
Alternativa B: aqui não há problemas. A locução prepositiva
“por meio de” confere ao termo “um conjunto de regras” circunstância de
instrumento, o qual é utilizado para que “a História” seja vista “da mesma
maneira que as ciências, as artes e a política”. Semelhantemente, a contração
da preposição per com o artigo a (= “pela”) provoca o mesmo efeito no termo
“técnica” – é por meio dela que o “homem moderno tem a pretensão de”
dominar o mundo.
Alternativa C: este item trata da função referencial dos
pronomes, aspecto que as bancas gostam de explorar. O exercício não é difícil,
mas requer atenção do candidato quanto à leitura do texto. Em “dominá-lo”, o
pronome realmente se refere ao termo “mundo”. O problema surge agora: em
“o transforma”, o pronome oblíquo se refere a “homem moderno” (l. 14).
Alternativa D: em “da racionalidade técnica”, a preposição
(que se contraiu com o artigo “a”) indica exatamente o que o examinador
afirmou. Já em “de forma sistemática”, a preposição integra locução adverbial
com valor semântico de modo/maneira (de dominar o mundo plenamente).
Portanto a relação é estabelecida com o verbo dominar.
Alternativa E: eu sugiro a reescritura da passagem como
propões a banca, pois facilita a análise.

“Em vez de habitar o mundo, acolhê-lo, viver no meio aos


acontecimentos...”

É notória a falta de coesão entre os elementos textuais, a qual


consequentemente prejudica a coerência argumentativa. Experimente manter
a presente alteração e trocar o conectivo “no” por em:

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 27


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

“Em vez de habitar o mundo, acolhê-lo, viver em meio aos


acontecimentos...”

Ficou melhor assim? Como isso não foi proposto, o item


também está errado.
Resposta – B

1 Afirma-se que a inovação e, particularmente, seus


produtos tecnológicos estimulam a competitividade e, dessa
forma, contribuem para o crescimento econômico do país.
4 Consequentemente, a competitividade é erigida em valor
supremo da vida social, como se fosse uma lei da natureza
imanente à espécie humana. Omite-se, propositadamente,
7 que o mais longo período da história da vida humana foi
orientado pela cooperação e solidariedade, valores
fundamentais para a sobrevivência da espécie. A ideologia
10 da competição e produtividade faz parte de uma visão de
mundo dominada pela corrida atrás da acumulação de
capitais e do enriquecimento ilimitado, nem sempre por
13 meios civilizados e legítimos. Para a sociedade,
coletivamente, só haverá vantagens na busca de maior
produtividade quando seus resultados forem distribuídos
16 para elevar o nível de bem-estar coletivo. Isso pode ser
atingido mediante a elevação proporcional dos salários, a
redução dos preços de bens e serviços ou o aumento de
19 investimentos dos lucros gerados, na expansão do sistema
produtivo. Deixemos bem claro: não se discute aqui a
necessidade de tecnologia nas sociedades contemporâneas,
22 mas a condição de que esta seja ambientalmente segura,
socialmente benéfica (para todos) e eticamente aceitável.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 28


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Henrique Rattner. Tecnologia e sociedade. In: Internet:


<www.espacoacademico.com.br> (com adaptações)

9. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) A coerência e a correção


gramatical do texto seriam mantidas ao se substituir

(A) “erigida em valor supremo” (l.4-5) por erigida valor supremo.


(B) “fundamentais para a sobrevivência” (l.9) por fundamentais a
sobrevivência.
(C) “atingido mediante a elevação” (l.17) por atingido pela elevação.
(D) “condição de que esta seja” (l.22) por condição que esta seja.

Comentário – Alternativa A: a ausência da preposição constitui erro


gramatical e prejudica a coerência do texto. A locução verbal “é erigida” (= é
erguida, é construída) tem seu sentido modificado pela circunstância expressa
pela locução adverbial “em valor supremo”. Uma locução adverbial é composta
por preposição + substantivo (Eu caminho à noite.), adjetivo (Fiz o trabalho de
novo.) ou advérbio (Eu vim de lá.). A preposição serve para conectar o termo
anterior e o posterior; sem ela, a locução perde sua característica.
Alternativa B: a coerência estaria preservada, mas a correção
gramatical não. A troca da preposição “para” por a faz surgir a crase (fusão da
preposição com o artigo “a”), que deve ser indicada por meio do acento grave:
à.
Alternativa C: são equivalentes a locução prepositiva por
meio de, a preposição acidental “mediante” e o vocábulo pela (contração da
preposição per com o artigo a), todos denotam circunstância de instrumento.
A preposição mediante não se aglutina com artigo,
diferentemente da preposição per. Por isso a forma é "mediante a elevação...,
[mediante] a redução... [mediante] o aumento de investimentos...". Não há
necessidade de repetir a preposição.
Vamos trocar "mediante" por per, que se aglutina com
artigo: "pela elevação..., a redução... o aumento de investimentos...". Assim

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 29


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

como não houve necessidade de repetir a preposição "mediante", não há a


obrigatoriedade de repetir o vocábulo per.
Alternativa D: o caso aqui é semelhante ao da alternativa A.
a preposição “de” conecta o substantivo “condição” ao seu complemento: “de
que esta seja”. A ausência dela prejudica a correção gramatical e afeta o
sentido original do texto. Note ainda que o vocábulo “que” é, primeiramente,
conjunção integrante; depois, passa a ser pronome relativo.
Resposta – C

[...] O fato é que essa ininterrupta e


incansável luta pelo saber tem sido uma das mais importantes
10 atividades do homem. Ocorre que, ao dar vazão ao seu
insaciável afã de descobrir, criar, conquistar, ao tentar realizar
em toda sua plenitude a livre aventura do espírito, o homem
13 depara-se com seus limites. [...]
Ivan de Araújo Moura Fé. Conflitos éticos em psiquiatria. In: José E. Assad (Coord.).
Desafios éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 185 (com adaptações).

10. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A repetição da preposição a


em “ao tentar” (l.11) é fundamental para mostrar que a oração aí iniciada
está em paralelo com a oração iniciada por “ao dar vazão” (l.10); e que
não se trata de mais um termo da enumeração de verbos que
complementam “afã de” (l.11).

Comentário – Antes da oração reduzida “ao tentar realizar” há uma


enumeração de orações (“de descobrir, criar, conquistar”) coordenadas entre si
e ligadas ao substantivo “afã” por meio da preposição “de”. A preposição “a”
introduz oração que indica quando o homem se depara com seus limites.
Resposta – Item certo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 30


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

1 A realidade atual vem exigindo dos pesquisadores


envolvidos com a temática da saúde maiores esforços para
compreender as mudanças recentes, pois o modo de as pessoas
4 fazerem uso de suas capacidades físicas, cognitivas e afetivas
para produzir foi transformado. [...]
Ada Ávila Assunção. Uma contribuição ao debate sobre as relações saúde e trabalho.
In: Ciênc. Saúde Coletiva, v. 8, n.º 4, p. 1.005-18, 2003 (com adaptações).

11. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A organização das ideias no


texto mostra que “realidade atual” (l.1) constitui a circunstância de tempo
em que a “temática da saúde” (l.2) está sendo considerada; por isso,
mantêm-se as relações entre os argumentos e a correção gramatical ao se
iniciar o texto com Na realidade atual.

Comentário – Cuidado! “A realidade atual” (termo personificado, usado em


sentido figurado), é o agente do processo verbal; sintaticamente, é o sujeito
dele – por isso não deve ser aglutinado à preposição em como se fosse um
adjunto adverbial.
Resposta – Item errado.

12. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Na linha 2, em razão da


acepção de “envolvidos” usada no texto, é possível substituir “com a” por
na, sem prejudicar sua correção gramatical, nem tornar incoerente a
relação entre as ideias apresentadas.

Comentário – o significado do vocábulo é o seguinte: que se envolveram ou


deixaram envolver; implicados; comprometidos: Envolvidos em uma
conspiração, os acusados precisam de um bom álibi para escapar da prisão.
Resposta – Item certo.

13. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A preposição em “para


compreender” (l.2-3) e “para produzir” (l.5) expressa o sentido de
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 31
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

finalidade: a finalidade dos “esforços” (l.2) e das “capacidades” (l.4),


respectivamente.

Comentário – No texto, a preposição “para” também exprime finalidade.


Resposta – Item certo.

14. (Cespe/PC-ES/Cargos de Nível Superior/2011) No trecho "estão


convencidos de que as desigualdades são, em sua maior parte, sociais ou
históricas" (L.8-10), a omissão da preposição "de" prejudicaria a correção
gramatical do período.

Comentário – Sim, pois ela promove o vínculo entre o adjetivo “convencidos”


e a oração completiva nominal subsequente. A retirada dela afetaria a coesão
do período e as regras de regência nominal.
Resposta – Item certo.

[...]

[...]

15. (Cespe/TJ-ES/Analista Judiciário/Taquigrafia/2011) A substituição da


locução “a fim de” (L.16) por para manteria a correção gramatical e o
sentido original do texto.

Comentário – Sim, são equivalentes quanto ao sentido a locução prepositiva


“a fim de” e a preposição para, ambas exprimem circunstância de finalidade.
Também não se verifica incorreção gramatical na substituição: ...ir agachar-se
sob o túmulo para escapar dos golpes do destino...

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 32


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Resposta – Item certo.

[...]

16. (Cespe/STJ/Analista Judiciário/Área Judiciária/2012) A preposição “para”,


em “para a discussão” (L.3) e em “para colecionar livros” (L.23), introduz
expressão que exprime finalidade.

Comentário – Apesar de alguns protestos por parte de alguns estudantes, não


vejo problemas em considerar certo este item. Na linha 3, a preposição “para”
introduz uma finalidade da biblioteca de Alexandria: servir de epígrafe para a
discussão sobre a materialidade da comunicação. Na linha 23, a mesma
preposição introduz a finalidade da procura por uma biblioteca estruturada:
colecionar livros.
Resposta – Item certo.

• Conjunções

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 33


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Unem orações ou termos de uma oração. No desempenho desse


papel, a conjunção pode relacionar termos e orações sintaticamente
equivalentes (as chamadas orações coordenadas) ou relacionar uma oração
principal a uma oração que lhe é subordinada.
Note que as preposições, ao conectarem termos de uma mesma
oração, estabelecem entre eles um vínculo de subordinação. Já as conjunções,
um vínculo de coordenação.

Ex.: Pedro e Paulo saíram. (os vocábulos “Pedro” e “Paulo” mantêm


entre si uma relação de equivalência sintática)
Pedro foi ao cinema, e Paulo foi ao teatro. (as orações “Pedro foi ao
cinema” e “e Paulo foi ao teatro” também estão em um vínculo de
coordenação)

É preciso que estudemos. (agora, a conjunção “que” estabelece


uma relação de subordinação entre as orações “É preciso” e “que
estudemos”)
Há palavras que podem pertencer a diferentes grupos de
conjunções (e, que, porque, pois, porquanto, por exemplo). Mais
importante do que memorizar as conjunções será observá-las em seus
contextos e, a partir dessa observação, encaixá-la em um grupo
(coordenativas aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas ou explicativas;
subordinativas integrantes ou adverbiais – causal, comparativa, concessiva,
condicional, conformativa, consecutiva, final, proporcional ou temporal).

CONJUNÇÕES COORDENATIVAS

e, nem, mas, também, mas ainda, como também, bem


aditivas
como

e, mas, porém, todavia, contudo, entretanto, senão, ao


adversativas
passo que, antes (= pelo contrário), no entanto, não

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 34


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

obstante, apesar disso, em todo caso)

alternativas ou, ou... ou, ora... ora, já... já, quer... quer

logo, portanto, por conseguinte, pois (após verbo), por


conclusivas
isso

explicativas que, porque, porquanto, pois (antes de verbo)

CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS

integrantes (introduzem orações


subordinadas que funcionam como
substantivos: subjetiva, predicativa, que, se
objetiva direta, objetiva indireta,
completiva nominal, apositiva)

adverbiais (introduzem orações subordinadas que traduzem circunstâncias)

que, porque, pois, como, porquanto, visto que, visto


causais como, já que, uma vez que, desde que, na medida em
que, se

como, (tal) qual, tal e qual, assim como, (tal) como, (tão
ou tanto) como, (mais) que ou do que, (menos) que ou
comparativas
do que, (tanto) quanto, que nem, feito (= como, do
mesmo modo que), o mesmo que (= como)

embora, conquanto, que, ainda que, mesmo que, ainda


quando, mesmo quando, poso que, por mais que, por
concessivas
muito que, por menos que, se bem que, em que (pese),
nem que, dado que, sem que (= embora não)

se, caso, contanto que, desde que, salvo se, sem que (=
condicionais
se não), a não ser que, a menos que, dado que.

conformativas como, conforme, segundo, consoante

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 35


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

que (precedido dos termos intensivos tal, tão, tanto,


tamanho, às vezes subentendidos), de sorte que, de
consecutivas
modo que, de forma que, de maneira que, sem que, que
(não)

finais para que, a fim de que, que (= para que), de modo que

à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto


mais... (tanto mais), quanto mais... (tanto menos),
proporcionais
quanto menos... (tanto mais), quanto mais... (mais),
(tanto)... quanto

Quando, enquanto, logo que, mal (= logo que), sempre


temporais que, assim que, desde que, antes que, depois que, até
que, agora que, ao mesmo tempo que, toda vez que

17. (Cespe/Correios/Agente de Correios/Atendente Comercial/2011 –


adaptada) A respeito de aspectos linguísticos do texto, julgue os itens
abaixo.

I. No pedido de desculpa pelos erros (v.3), o autor da carta comete o


seguinte erro: emprego da forma verbal “desculpes”, em vez de desculpe.
II. Os termos “Porque” (v.2) e “Porém” (v.7) estabelecem, nos respectivos
trechos, semelhantes relações de sentido.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 36


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

III. No verso 5, os vocábulos “Talvez” e “até” expressam circunstâncias de


tempo.

Comentário – Item I: errado. O verbo desculpar corretamente flexionado na


segunda pessoa do singular do presente do subjuntivo. Quanto ao número e à
pessoa, a referência é o pronome TU, representante da pessoa com quem o
enunciador fala. Quanto ao tempo e modo verbal, o subjuntivo traduz a ideia
de possibilidade presente nas palavras do poema.
Item II: errado. A conjunção “Porque” apresenta o motivo pelo
qual o autor escreve a carta; a conjunção “Porém”, como conjunção
adversativa que é, introduz ideia de ressalva, contraste.
Item III: errado. “Talvez” exprime circunstância de dúvida;
“até” denota ideia de inclusão.
Resposta – Itens errados.

[...] A ideologia
10 da competição e produtividade faz parte de uma visão de
mundo dominada pela corrida atrás da acumulação de
capitais e do enriquecimento ilimitado, nem sempre por
13 meios civilizados e legítimos. Para a sociedade,
coletivamente, só haverá vantagens na busca de maior
produtividade quando seus resultados forem distribuídos
16 para elevar o nível de bem-estar coletivo. Isso pode ser
atingido mediante a elevação proporcional dos salários, a
redução dos preços de bens e serviços ou o aumento de
19 investimentos dos lucros gerados, na expansão do sistema
produtivo. [...]
Henrique Rattner. Tecnologia e sociedade. In: Internet:
<www.espacoacademico.com.br> (com adaptações)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 37


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

18. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) Julgue os itens abaixo,


relativos ao emprego das estruturas linguísticas do texto.

(A) Na linha 10, preserva-se a coerência textual ao se inserir da antes de


“produtividade”; mas, para se preservar a correção gramatical, será
necessário mudar “faz” para fazem.
(B) Para a coerência dos argumentos no texto, é indiferente o uso de
“quando” (l.15) ou de se, em seu lugar, pois o período sintático preserva
a ideia de condição.
(C) Seriam mantidas as relações entre os argumentos se, em lugar de “ou”
(l.18), antes do último termo da enumeração, fosse usado e; mas a
desvantagem seria a repetição do mesmo conectivo.

Comentário – Alternativa A: as locuções adjetivas “da competição” e “[da]


produtividade” estão subordinadas ao substantivo “ideologia” por meio da
mesma preposição: “de” (que se contraiu com o artigo “a” = “da”). Por isso a
repetição dela é desnecessária. Ainda que se queira empregá-la novamente, o
núcleo do sintagma permanece “ideologia” (terceira pessoa do singular), o que
obriga o verbo também a permanecer flexionado no mesmo número e na
mesma pessoa.
Alternativa B: frequentemente, classificamos a conjunção
quando como subordinativa adverbial temporal. Antes, porém, é preciso
analisar o seu real valor semântico no período em que ocorre. É o caso, por
exemplo, da passagem aludida pelo examinador. Nela, o valor semântico do
conectivo assemelha-se ao da conjunção condicional “se”. Por isso o uso de um
ou de outro é indiferente.
Alternativa C: a conjunção alternativa “ou” serviu para nos
comunicar que a concretização de um dos fatores (elevação proporcional dos
salários; redução dos preços de bens e serviços e aumento de investimentos
dos lucros gerados) é suficiente para elevar o nível de bem-estar coletivo. Já a
conjunção aditiva e muda esse entendimento e passa a indicar que deve haver

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 38


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

o somatório desses fatores (eles devem ocorrer solidariamente) para que o


objetivo seja atingido.
Resposta – Itens errado, certo e errado.

[...] Pesquisas científicas


recentes sobre a raiva reforçam essa linha de pensamento, e
7 uma delas mostra que quem reprime sua frustração é pelo
menos três vezes mais propenso a admitir que chegou a um
ponto em sua carreira no qual não consegue mais progredir e
10 que tem uma vida pessoal decepcionante. Já as pessoas que
aprendem a explorar e canalizar sua raiva apresentam uma
probabilidade muito maior de estar bem situadas
13 profissionalmente, além de desfrutar de maior intimidade física
e emocional com seus amigos e familiares. [...]
Planeta, jan./2010, p. 64-5 (com adaptações).

19. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Por causa das duas


ocorrências do pronome “que” (l.7-8) no mesmo período sintático, não é
recomendada a substituição de “no qual” (l.9) por que, apesar de a
coerência e a correção do texto serem mantidas.

Comentário – O “que” (l. 7-8) é conjunção integrante. Note que ele introduz
orações que funcionam como objeto direto dos verbos mostrar e admitir.
Isso nada tem a ver com a substituição proposta pelo examinador, que focaliza
pronome relativo. A razão do problema causado pela troca é outra.
O conjunto “no qual” (l. 9) é composto pela preposição em e
pelo pronome relativo o qual. A preposição é obrigatória porque introduz o
advérbio de lugar “um ponto em sua carreira”, expresso na oração anterior e
representado pelo pronome no segmento subsequente: não consegue mais
progredir em um ponto em sua carreira (= “no qual”). Substituir “no qual” por

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 39


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

“que”, sem a presença da preposição “em”, prejudica a correção gramatical.


Além disso, a coerência textual também sofre, observe:

“...chegou a um ponto em sua carreira que não consegue


mais progredir...”

Percebeu que agora é a “carreira” que não progride mais?


Essa mudança brusca de sentido afeta a coerência.
Resposta – Item errado.

[...]

[...]

[...]

20. (Cespe/TJ-ES/Analista Judiciário/2011) Nos trechos “que de fato


desprezava” (L.7) e “que ensinamentos tirei da leitura” (L.22), o elemento
“que” recebe a mesma classificação morfossintática.

Comentário – Na linha 7, o vocábulo classifica-se como pronome relativo,


substitui o antecedente “mulheres” e introduz oração subordinada adjetiva
restritiva.
Na linha 22, o “que” é conjunção integrante, introduz oração
subordinada substantiva objetiva direta.
Resposta – Item errado.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 40


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...]

[...]

21. (Cespe/MJ-DPF/Agente/2012) Mantendo-se a correção gramatical e a


coerência do texto, a oração “se alguém é executado” (l.12), que expressa
uma hipótese, poderia ser escrita como caso se execute alguém, mas
não como se caso alguém se execute.

Comentário – Além de expressar uma hipótese por causa da conjunção


subordinativa “se”, a estrutura original transmite noção de passividade do
termo “alguém”: ele sofre a ação de ser executado.
A primeira proposta de substituição preserva tanto a correção
gramatical quanto a coerência do texto. A conjunção se foi substituída pela
também conjunção condicional caso. É digna de nota a flexão do verbo
executar, obrigatoriamente conjugado no subjuntivo (execute) por causa da
conjunção caso.
Mas a segunda proposta apresenta problemas. Com respeito
à correção gramatical, a justaposição das conjunções condicionais se caso fere
a normatividade da língua. Parece que o examinador quis confundir os
candidatos aproximando tal construção de outra bem semelhante: se acaso.
Nesta estrutura, não temos duas conjunções condicionais, mas uma conjunção
e um advérbio (= eventualmente). Em relação à coerência textual, segunda
proposta transmite noção reflexiva. Alguém executa a si mesmo? Pratica e
sofre a ação ao mesmo tempo? Não, não é essa a ideia original.
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 41
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Resposta – Item certo.

[...]

[...]

22. (Cespe/PCCE/Inspetor/2012) O conector “pois” (L.18) introduz ideia de


consequência no trecho em que ocorre.

Comentário – A conjunção “pois” introduz uma explicação ou justificativa


para o progresso do cientista político Phillippe Schmitter. Eis alguns conectivos
que transmitem a ideia de consequência alegada pelo examinador: que
(precedido dos termos intensivos tal, tão, tanto, tamanho, às vezes
subentendidos), de sorte que, de modo que, de forma que, de maneira
que.
Resposta – Item errado.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 42


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

23. Mantêm-se a correção gramatical e as informações originais do período ao


se substituir o conectivo “pois” (L.1) por já que, uma vez que,
porquanto, visto que ou porque.

Comentário – Perceba que existe uma relação de causa e efeito entre as


orações ligadas por meio da conjunção “pois”, a qual introduz a oração
subordinada causal. Releia, portanto, o quadro das conjunções subordinativas
adverbiais causais para confirmar que todas as conjunções apresentadas pelo
examinador podem expressar noção de causa.
Resposta – Item certo.

• Verbos
a) FLEXÕES VERBAIS
Voz
1. ATIVA indica que o processo verbal foi praticado pelo sujeito do verbo.
Ex.: Cabral descobriu o Brasil.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 43


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

2. PASSIVA indica que o processo verbal foi sofrido pelo sujeito do verbo.
Ex.: O Brasil foi descoberto por Cabral.

ATENÇÃO! 1 – Observe, de acordo com os exemplos anteriores, que o


SUJEITO da voz ativa (Cabral) torna-se AGENTE DA PASSIVA, assim como o
OBJETO DIRETO da voz ativa (o Brasil) torna-se SUJEITO da voz passiva.

2 – Entretanto, quando o SUJEITO da voz ativa for


INDETERMINADO, na voz passiva não haverá AGENTE DA PASSIVA.
Ex.: Resolveram as questões. – voz ativa com sujeito indeterminado.
As questões foram resolvidas. (ou Resolveram-se as questões.) – voz
passiva sem agente da passiva.

3 – A voz passiva pode ser dividida em verbal ou analítica e


pronominal ou sintética.
Ex.: Aquelas crianças foram abandonadas. – verbo auxiliar + verbo principal
no particípio = analítica.
Abandonaram-se aquelas crianças. – verbo TRANSITIVO DIRETO +
pronome SE = sintética.

Agora considere o seguinte trecho: “[...] Pacientes afetados pela


síndrome ultrapassaram muito a ‘fronteira da adaptabilidade às demandas’
[...]”. Novamente, vamos treinar a transformação da voz ativa para a passiva.

VOZ ATIVA VOZ PASIVA


Pacientes pelos pacientes
Agente da
Sujeito afetados pela afetados pela
passiva
síndrome síndrome
Verbo Locução verbal
ultrapassaram (o
transitivo (voz passiva foi ultrapassada
que?)
direto analítica)
a fronteira da A fronteira da
Sujeito
Objeto direto adaptabilidade às adaptabilidade às
paciente
demandas demandas

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 44


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Há ainda alguns cuidados a respeito das vozes passiva e ativa:


a) Ficou-se feliz com o resultado. – verbo de LIGAÇÂO + SE =
sujeito indeterminado
b) Vive-se bem neste lugar. – verbo INTRASITIVO + SE =
sujeito indeterminado
c) Precisa-se de professores. – verbo TRANSITVO INDIRETO +
SE = sujeito indeterminado
d) Ama-se a Deus. Verbo TRANSITIVO DIRETO + SE + OBJETO
DIRETO PREPOSICIONADO = sujeito indeterminado

3. REFLEXIVA indica que o processo verbal é praticado e sofrido pelo


sujeito ao mesmo tempo.
Ex.: Não me considero tão importante.
Reservamo-nos o direito de ficar calado.
Ele se deu um presente.

ATENÇÃO! 1 – Observe, de acordo com os exemplos anteriores, que o verbo


vem acompanhado de um pronome oblíquo que lhe serve de objeto e
representa a mesma pessoa do sujeito.

2 – Na prática, identifica-se a voz reflexiva acrescentando,


conforme a pessoa, as expressões a mim mesmo, a ti mesmo, a si mesmo,
etc.
Ex.: Feri-me a mim mesmo.
Julgai-vos a vós mesmos.

3 – No plural, a voz reflexiva pode indicar reciprocidade.


Ex.: Os amigos se cumprimentaram.
Amavam-se um ao outro.

1 Um dos aspectos mais notáveis da aventura do homem


ao longo da história tem sido seu constante anseio de

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 45


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

buscar novas perspectivas, abrir horizontes desconhecidos,


4 investigar possibilidades ainda inexploradas, enfim, ampliar o
conhecimento. Desde seus primórdios, os seres humanos
dedicam-se a investigar e a pesquisar, sendo esta curiosidade,
7 este desejo de conhecer, uma das mais significativas forças
impulsoras da humanidade. O fato é que essa ininterrupta e
incansável luta pelo saber tem sido uma das mais importantes
10 atividades do homem. Ocorre que, ao dar vazão ao seu
insaciável afã de descobrir, criar, conquistar, ao tentar realizar
em toda sua plenitude a livre aventura do espírito, o homem
13 depara-se com seus limites. [...]
Ivan de Araújo Moura Fé. Conflitos éticos em psiquiatria. In: José E. Assad (Coord.).
Desafios éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 185 (com adaptações).

24. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Seriam preservadas a


correção gramatical do texto, bem como a coerência de sua
argumentação, se, em lugar de “tem sido” (l.2), fosse usada a forma
verbal é; no entanto, a opção empregada no texto ressalta o caráter
contínuo e constante dos aspectos mencionados.

Comentário – Vamos reescrever a passagem utilizando a forma verbal


sugerida: “Um dos aspectos mais notáveis da aventura do homem ao longo da
história é seu constante anseio...”. Pronto, ficou claro que realmente não
existe problema. Usado no presente, o verbo ser indica um fato atual,
simultâneo ao ato da fala. Mas o pretérito perfeito composto, de fato, imprime
à passagem um aspecto durativo, contínuo, não limitado no tempo. Vamos
“ouvir” o que Cegalla tem a nos dizer: “O pretérito perfeito composto traduz
um fato passado repetido, ou que se prolonga até o presente:
Tenho-lhe dado sempre bons conselhos.”
Resposta – Item certo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 46


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

1 O regime trabalhista, ao adotar estratégias de proteção


à saúde do trabalhador, institui mecanismos de monitoração
dos indivíduos, visando a evitar ou identificar precocemente os
4 agravos à sua saúde, quando produzidos ou desencadeados
pelo exercício do trabalho. [...]
Elias Tavares de Araújo. Perícia médica. In: José E. Assad (Coord.). Desafios
éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 241 (com adaptações).

25. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Para se realçar “mecanismos


de monitoração” (l.2), em vez de “regime trabalhista” (l.1), poderia ser
usada a voz passiva, escrevendo-se são instituídos em vez de “institui”
(l.2), sem que a coerência entre os argumentos e a correção gramatical
do texto fossem prejudicadas.

Comentário – Faça a troca exatamente como sugere o examinador e constate


o quanto é descabida a proposição: “O regime trabalhista [...] são instituídos
mecanismos de monitoração dos indivíduos...”. Notou a falta de concordância
entre sujeito e verbo? Notou que não há agente da passiva corretamente
indicado pelo vocábulo pelo (contração da preposição per com o artigo o). A
alteração adequada deveria ser assim: “Mecanismos de monitoração dos
indivíduos são instituídos pelo regime trabalhista...”.
Resposta – Item errado.

[...]
10 A declaração não previu que o desenvolvimento
capitalista chegasse à sua atual etapa de globalização e de
capitais voláteis, especulativos, que, sem controle, entram e
13 saem de diferentes países, gerando instabilidade permanente
nas economias periféricas. Talvez fosse o caso de se afirmar,
[...]
Francisco Alencar. Para humanizar o bicho homem. In: Francisco Alencar (Org.).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 47


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Direitos mais humanos. Brasília: Garamond, 2006. p. 17-31 (com adaptações).

26. (Cespe/TRT 21ª Região/Analista Judiciário/2011) A oração “A declaração


não previu” (l. 10) poderia ser corretamente reescrita da seguinte forma:
Na declaração, não se previu.

Comentário – A banca resolveu explorar a mudança de voz verbal, que veio


acompanhada por outras modificações. Em vez de transformar o sujeito (“A
declaração”) em agente da passiva, a banca tornou-o adjunto adverbial
(antecipado, o que justifica o uso da vírgula): Na declaração. Até aqui, tudo
bem. Não podemos dizer que a nova redação está errada só por causa disso.
Também não há incorreção na formação da voz passiva sintética (formada pela
combinação de verbo transitivo direto com pronome apassivador): se previu,
nem na posição proclítica do tal pronome, atraído pelo advérbio não. Com a
nova redação, a forma verbal previu passou a concordar com o sujeito
oracional que o desenvolvimento capitalista chegasse...
Resposta – Item certo.

[...]
que fragiliza e subordina economias nacionais. Não é
admissível que grupos privados transnacionais — não mais do
19 que três centenas —, com negócios que vão do setor produtivo
industrial ao setor financeiro, passando pela publicidade e pelas
comunicações, sejam, na verdade, o verdadeiro governo do
22 mundo, hegemonizando governos e nações, derrubando
restrições alfandegárias, impondo seus interesses particulares.
[...]
Francisco Alencar. Para humanizar o bicho homem. In: Francisco Alencar (Org.).
Direitos mais humanos. Brasília: Garamond, 2006. p. 17-31 (com adaptações).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 48


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

27. (Cespe/TRT 21ª Região/Analista Judiciário/2011) A correção gramatical do


texto seria mantida caso o trecho “Não é admissível” (l. 17-18) fosse
substituído por Não se admitem.

Comentário – Na redação original, o verbo ser está na voz ativa e concorda


na terceira pessoa do singular com o sujeito oracional “que grupos privados
transacionais... sejam... o verdadeiro governo do mundo”. Na redação
proposta, o sujeito continua o mesmo, embora o verbo admitir se flexione na
voz passiva sintética. Portanto não há razão para que o verbo admitir se
flexione na terceira pessoa do plural.
Resposta – Item errado.

1 No século XIX, enfatizou-se, nos mais diversos


domínios, a busca de explicações sobre as origens — dos
homens, das sociedades, das nações. Foi dentro desse quadro
[...]
Márcia Regina Capelar Naxara. Cientificismo e sensibilidade romântica.
Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2004, p. 24-35 (com adaptações).

28. (Cespe/TRT 21ª Região/Analista Judiciário/2011) Atenderia à prescrição


gramatical o emprego, na linha 1, da forma verbal foi enfatizada, em
vez de “enfatizou-se”.

Comentário – Sim. O sujeito continuaria sendo a expressão “a busca de


explicações sobre as origens”; o verbo continuaria na voz passiva (apenas
passaria de passiva sintética para passiva analítica). O gênero feminino do
vocábulo enfatizada justifica-se pela concordância do particípio com o
substantivo “busca”.
Resposta – Item certo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 49


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Número e Pessoa

1ª 2ª 3ª
singular eu tu ele/ela
plural nós vós eles/elas

[...]

29. (Cespe/Câmara dos Deputados/Analista/Técnico em Material e


Patrimônio/2012) A flexão de singular na forma verbal “importava” (L.26)
justifica-se por ser o sujeito da oração indeterminado, de interpretação
genérica.

Comentário – O verbo “importava” está na terceira pessoa do singular porque


concorda com o sujeito oracional “descobrir e estudar” (l. 27). Basta fazer a
boa e velha pergunta ao verbo: “O que importava?” A resposta é o sujeito:
“Descobrir e estudar”. Entenda assim, para melhor compreensão: descobrir e
estudar importava. Como se percebe, o sujeito está bem determinado na
passagem. Na aula sobre concordância verbal, veremos que o verbo se
flexiona na terceira pessoa do singular quando o sujeito, mesmo sendo
composto, é oracional (apresenta verbo em sua estrutura).
Resposta – Item errado.

Modo e Tempo

Os modos indicam as diferentes maneiras de um fato se realizar.


Os tempos situam o fato ou a ação verbal dentre de determinado momento
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 50
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

(durante o ato da comunicação, antes ou depois dele). Mais à frente falarei


melhor sobre o emprego dos tempos e modos.

MODOS TEMPOS SIMPLES


presente (tenho)

perfeito (tive)
pretérito imperfeito (tinha)
indicativo
mais-que-perf. (tivera)

do presente (terei)
futuro
do pretérito (teria)
presente (tenha)
subjuntivo pretérito imperfeito (tivesse)
futuro (tiver)
afirmativo (tem tu)
imperativo
negativo (não tenhas tu)

MODOS TEMPOS COMPOSTOS


Perfeito (tenho/hei cantado)
pretérito
mais-que-perfeito (tinha/havia cantado)
Indicativo
do presente (terei/haverei cantado)
futuro
do pretérito (teria/haveria cantado)
Perfeito (tenha/haja cantado)
pretérito
mais-que-perfeito (tivesse/houvesse cantado)
Subjuntivo

futuro (tiver/houver cantado)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 51


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

ATENÇÃO! 1. O quadro acima é uma síntese da formação dos tempos


compostos da voz ativa. Eles são formados pelos verbos auxiliares ter ou
haver, seguidos do particípio do verbo principal.
Ex.: Temos estudado muito.
Tinha posto a televisão na sala.
Havíamos chegado tarde.

2. Note que não há tempos compostos relativos ao


presente e ao pretérito imperfeito. Eles são usados para formar,
respectivamente, o pretérito perfeito composto e o pretérito mais-que-perfeito
composto. Também não há tempo composto relativo ao modo imperativo.

3. O tempo composto da voz passiva é formado com o


emprego simultâneo dos auxiliares ter ou haver e ser, seguidos do particípio
do verbo principal.
Ex.: Temos sido ensinados pelo professor.
O casal havia sido visto no restaurante.
b) EMPREGO DOS MODOS VERBAIS
– Indicativo: é associado a ações presentes, pretéritas (ou
passadas) ou futuras que consideramos de ocorrência certa.
– Subjuntivo: também é associado a acontecimentos presentes,
pretéritos ou futuros; mas com ocorrência provável, hipotética, duvidosa.
– Imperativo: associado a ordens, pedidos, súplicas que
desejamos.

Atenção! Quanto às formas nominais do verbo, o infinitivo indica a ação


verbal em si mesma; o gerúndio indica a ação em processo; o particípio
indica uma ação em curso ou um adjunto de um substantivo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 52


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

c) EMPREGO DOS TEMPOS VERBAIS


O presente do indicativo pode indicar valores semânticos tais
como:
1. fato que se realiza no momento do discurso.
Ex.: A turma toda estuda agora.

2. fato permanente
Ex.: O sol aquece a Terra.
3. fato habitual.
Ex.: Aquele atleta levanta cedo, alimenta-se bem e treina
intensamente.

4. presente histórico, ou seja, substitui o pretérito para enfatizar


a descrição do fato, conferir mais vivacidade a ele.
Ex.: Antes de subir aos céus, Jesus diz a seus discípulos: “Eu sou o
caminho, a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João
14:6).

5. certeza do fato a que nos referimos e que acontecerá


brevemente, substituindo o futuro do presente.
Ex.: O artilheiro disse que joga amanhã. linguagem
jornalística
Presidente americano chega amanhã ao Brasil.

ATENÇÃO! Esses dois últmos casos têm surgido com frequência em provas.
Mais à frente, resolveremos uma qustão semelhante. Recomendo bastante
atenção a eles.

O pretérito perfeito do indicativo indica que o fato foi


perfeitamente concluído.
Ex.: O réu recorreu da decisão do juiz.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 53


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Também é recorrente em provas a discussão sobre os aspectos


indicados pelo pretérito imperfeito do indicativo. Fique atento aos valores
semânticos desse tempo verbal:
1. indica fato que ocorria habitualmente.
Ex.: Joãozinho era o primeiro a terminar as provas.

2. seu uso em substituição ao presente traduz cortesia e atenua


uma afirmação ou um pedido.
Ex.: Eu queria saber se o diretor já chegou.

3. indica simultaneidade entre dois fatos passados.


Ex.: Os alunos estudavam para o concurso quando o edital foi
publicado.

4. denota uma consequência de um fato hipotético; substitui,


nesses casos, o futuro do pretérito.
Ex.: Houvesse estudado mais, passava em primeiro lugar.

O pretérito mais-que-perfeito do indicativo indica um fato


passado e anterior a outro também passado.
Ex.: Quando o candidato chegou ao local do concurso, o portão já
se fechara.

Pode também surgir em frases optativas:


Ex.: Quem me dera casar com ela...

O futuro do presente do indicativo pode, além de indicar um


fato que ainda vai acontecer, sugerir valor semântico de imperativo:
Ex.: Nas férias, viajaremos para Caldas Novas.
“Não adulterarás” (Êxodo 20:13)

Entre os valores semânticos do futuro do pretérito do


indicativo, destaco:
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 54
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

1. o que indica ação futura expressa no passado.


Ex.: Em virtude dos acontecimentos, decidiram que ficariam em
casa.
2. aquele que indica um fato cuja realização depende de uma
condição que não se concretizou no passado e que,
provavelmente, não se realizará.
Ex.: Se estudássemos mais, obteríamos a classificação.

CUIDADO! Empregando-se a forma verbal da primeira oração no presente ou


no futuro do subjuntivo (estudemos ou estudarmos), com as devidas
modificações, a condição expressa por ela será tomada como uma hipótese
que poderá ocorrer, ou não.
Caso estudemos mais, obteremos a classificação.
Se estudarmos mais, obteremos a classificação.

Em relação ao subjuntivo, note que ele pode indicar hipótese,


condição, vontade do indivíduo que fala enunciadas no presente, no pretérito
ou no futuro.
Ex.: Meu desejo é que todos sejam aprovados. (presente do
subjuntivo)
Paula talvez lhe telefonasse à noite. (pretérito imperfeito
do subjuntivo)
Se estudares, terás bom resultado. (futuro do subjuntivo)

Também é digno de nota o emprego do pretérito imperfeito do


subjuntivo como condição para a ocorrência de outra ação verbal.
Ex.: Se estudássemos mais, obteríamos a classificação.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 55


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

d) CORRELAÇÃO VERBAL

Preciso falar com você sobre correlação verbal – coerência que,


em uma frase ou sequência de frases, deve haver entre as formas verbais
utilizadas. Ou seja, é preciso que haja articulação temporal entre os verbos,
que eles se correspondam, de maneira a expressar as ideias com lógica.
Tempos e modos verbais devem, portanto, combinar entre si. Veja este
exemplo:

Seu eu dormisse durante as aulas, jamais aprenderia a lição.

O verbo dormir está no pretérito imperfeito do subjuntivo.


Sabemos que o subjuntivo expressa dúvida, incerteza, possibilidade,
eventualidade. Assim, em que tempo o verbo aprender deve estar, de
maneira a garantir que o período tenha lógica?
Na frase, aprender é usado no futuro do pretérito (aprenderia),
um tempo que expressa, dentre outras ideias, uma afirmação condicionada
(que depende de algo), quando esta se refere a fatos que não se realizaram e
que, provavelmente, não se realizarão. O período, portanto, está coerente, já
que a ideia transmitida por dormisse é exatamente a de uma dúvida, a de
uma possibilidade que não temos certeza se ocorrerá.
Veja o mesmo exemplo, mas sem correlação verbal:

Se eu dormisse durante as aulas, jamais aprenderei a lição.

Temos dormir no subjuntivo, novamente. Mas aprender está


conjugado no futuro do presente, um tempo verbal que expressa, dentre
outras ideias, fatos certos ou prováveis. Nesse caso, não podemos dizer que
jamais aprenderemos a lição, pois o ato de aprender está condicionado não a
uma certeza, mas apenas à hipótese (transmitida pelo pretérito imperfeito do
subjuntivo) de dormir.
A seguir, veja alguns casos em que os tempos verbais são
concordantes:

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 56


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

1. presente do indicativo + presente do subjuntivo:


Exijo que você faça o dever.

2. pretérito perfeito do indicativo + pretérito imperfeito do subjuntivo:


Exigi que ele fizesse o dever.

3. presente do indicativo + pretérito perfeito composto do subjuntivo:


Espero que ele tenha feito o dever.

4. pretérito imperfeito do indicativo + mais-que-perfeito composto do


subjuntivo:
Queria que ele tivesse feito o dever.

5. futuro do subjuntivo + futuro do presente do indicativo:


Se você fizer o dever, eu ficarei feliz.

6. pretérito imperfeito do subjuntivo + futuro do pretérito do indicativo:


Se você fizesse o dever, eu leria suas respostas.

7. pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo + futuro do pretérito


composto do indicativo:
Se você tivesse feito o dever, eu teria lido suas respostas.

8. futuro do subjuntivo + futuro do presente do indicativo:


Quando você fizer o dever, dormirei.

9. futuro do subjuntivo + futuro do presente composto do indicativo:


Quando você fizer o dever, já terei dormido.

1 É evidente que vivemos em um momento prodigioso


da técnica, com transformações profundas das noções de espaço
e tempo; mas a política do espírito não acompanha esse
4 alargamento do mundo: pelo contrário, vemos dominar no
homem o encolhimento das fronteiras éticas e o esquecimento
de algumas ideias essenciais que fundam o humanismo. Nada
7 vemos de semelhante ao que aconteceu, no plano das ideias, em
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 57
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

outro momento de grandes transformações da técnica e também


de grandes descobertas — o século XVI —, com o
10 renascimento de um mundo esquecido e das doutrinas dos
velhos filósofos da Grécia e do Oriente, e, com elas, a crítica e
a dissolução de antigas crenças que davam ao homem
13 “a certeza do saber e a segurança da ação”. Na época dos
descobrimentos, dos Renascimentos, das incertezas, o espaço
tornou-se uma pluralidade de espaços; o tempo, uma
16 pluralidade de tempos. Hoje, quando predominam as
estatísticas como definidoras e reguladoras da vida social e
política, as verdades matemáticas são inquestionáveis, até
19 mesmo nos sonhos. Espaço e tempo tornam-se unidades
sistematizadas. Portanto, esta concepção engendra e é, ao
mesmo tempo, engendrada pela ideia de sistema, que é a plena
22 realização da racionalidade contemporânea.
Adauto Novaes. Sobre tempo e história. In: Adauto
Novaes (Org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia
das Letras, p. 14-5 (com adaptações).

30. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) Julgue os itens abaixo a


respeito das alterações propostas para as estruturas linguísticas do texto.

(A) A preposição na expressão “com o renascimento” (l.9-10) introduz uma


ideia de causa para as “grandes transformações” (l.8); por isso, a
reescrita como devido o renascimento preservaria a coerência e a
correção gramatical do texto.
(B) Em “o espaço tornou-se uma pluralidade de espaços” (l.14-15), o
deslocamento do pronome para antes da forma verbal violaria as regras
gramaticais.
(C) No desenvolvimento do texto, a retirada da conjunção “quando” (l.16)
provocaria erro na estrutura gramatical do período sintático, mas
preservaria as relações significativas e a coerência entre os argumentos.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 58


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Comentário – Alternativa A: há um problema na construção da locução


prepositiva devido a: a ausência da preposição a. Isso acarreta erro
gramatical e compromete a coesão do texto. Devido é a forma nominal do
verbo dever conhecida como particípio. Acompanhada da preposição a,
converte-se em locução prepositiva. O particípio flexiona-se em gênero e
número para concordar com o substantivo: “A consagração dela é devida à (e
não devido à) intensa dedicação”; “Os efeitos colaterais, devidos à (e não
devido à) má administração dos medicamentos, dificultam a recuperação do
paciente.
Alternativa B: Não há violação às regras gramaticais, repare:
“o espaço se tornou uma pluralidade de espaços”. O que a norma culta não
admite é que o pronome oblíquo átono (me, te, se...) principie a oração: “Me
dê motivo pra ir embora...” (Tim Maia). Construções desse tipo caracterizam
linguagem informal.
Alternativa C: originalmente, a conjunção quando acentua a
relação de temporalidade entre as duas orações (“...predominam as
estatísticas...” e “...as veredas matemáticas são inquestionáveis...”). Seu valor
semântico indica que um fato ocorre concomitantemente ao outro.
Sintaticamente, o conectivo marca a subordinação da primeira oração à
segunda. Vamos reescrever a passagem conforme a proposta do examinador
(permita-me o negrito) “Hoje, predominam as estatísticas como
definidoras e reguladoras da vida social e política, as veredas
matemáticas são inquestionáveis até mesmo nos sonhos.” As relações
sintáticas foram modificadas: sumiu a mencionada subordinação; agora as
orações são coordenadas, equivalem-se sintaticamente. Perdeu-se também a
noção de concomitância entre os fatos, ainda que eles ocorram atualmente (=
”Hoje”).
Resposta – Itens errados.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 59


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...] Para crescer mais e de maneira


13 socialmente mais includente, do que o Brasil realmente precisa é
que se desconstrua o mito do gigante adormecido. E, para isso,
carecemos de um discurso que apresente à sociedade os custos
16 reais que precisam ser pagos para promover a prosperidade de
cada indivíduo e do conjunto da nossa sociedade.
Carlos Pio. Gigante adormecido. In: Correio
Braziliense, 15/4/2010 (com adaptações).

31. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) Assinale a opção correta a


respeito do uso das formas verbais no texto.

(A) O uso do modo subjuntivo em “desconstrua” (l.14) indica haver apenas


uma possibilidade, uma hipótese de se desconstruir o mito; para afirmar
uma certeza, seria escrito desconstrói.
(B) Ressalta-se a importância dos “custos reais” (l.15-16), sem prejudicar a
correção gramatical do texto, se for usada a forma flexionada no verbo
ser, escrevendo-se serem pagos.
(C) Seriam preservadas a coerência entre os argumentos e a correção
gramatical do texto, com a forma flexionada da forma verbal “promover”
(l.16), escrevendo-se promovermos.

Comentário – Alternativa A: é comum os verbos conjugados no modo


subjuntivo virem antecedidos pelas conjunções que, caso e embora e por
advérbios que exprimem dúvida (talvez, possivelmente etc.) Às vezes, é de
fato a conjunção que obriga o uso do verbo no modo subjuntivo, mesmo sem a
aparente ideia de possibilidade, incerteza. Note, por exemplo, a conjunção
“que” no início da linha 14. Ela impede que seja utilizada uma forma verbal do
indicativo.
Alternativa B: estamos diante de uma locução verbal:
“precisam ser pagos”. Nela, o último verbo (“pagos”) é o principal, que se
apresenta em uma forma nominal (particípio); os demais verbos são

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 60


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

auxiliares; a flexão de número e pessoa recai sobre o primeiro. Portanto


constitui erro a forma precisam serem pagos.
Alternativa C: o verbo está no infinitivo impessoal quando,
não flexionado, não se refere a nenhuma pessoa gramatical e desempenha a
função de substantivo (serve para nomear uma ação: Nadar é bom para a
saúde.). Por outro lado, será pessoal quando, flexionado, referir-se a uma
pessoa gramatical. Este é o caso da forma verbal promovermos, que aponta
para o sujeito desinencial nós, o mesmo da forma verbal “carecemos”.
Resposta – C

[...] Pesquisas científicas


recentes sobre a raiva reforçam essa linha de pensamento, e
7 uma delas mostra que quem reprime sua frustração é pelo
menos três vezes mais propenso a admitir que chegou a um
ponto em sua carreira no qual não consegue mais progredir e
10 que tem uma vida pessoal decepcionante. Já as pessoas que
aprendem a explorar e canalizar sua raiva apresentam uma
probabilidade muito maior de estar bem situadas
13 profissionalmente, além de desfrutar de maior intimidade física
e emocional com seus amigos e familiares. [...]

Planeta, jan./2010, p. 64-5 (com adaptações).

32. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Por ter como agente


“pessoas” (l.10), o infinitivo empregado em “explorar” (l.11) poderia ser
flexionado no plural, explorarem, sem prejudicar a coerência e a correção
gramatical do texto.

Comentário – O infinitivo “explorar” é o verbo principal da locução “aprendem


a explorar”. Nela, o primeiro verbo é o auxiliar. É dele a atribuição de se
flexionar em número e pessoa.
Resposta – Item errado.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 61


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

33. (Cespe/CEF/Advogado/2010) “A população carcerária no Brasil é


composta fundamentalmente por jovens”. O vocábulo “jovens” classifica-
se como adjetivo.

Comentário – Adjetivo é palavra que se relaciona com o substantivo para lhe


atribuir uma característica. Com ele concorda em número e gênero. Exemplos:
mulher alta, livros bons, árvore alta, tapete novo etc. Na frase em que
surge, o vocábulo “jovens” nomeia (e não caracteriza) pessoas que estão nos
primeiros tempos de existência, que são juvenis,novas. É, pois, substantivo.
Resposta – Item errado.

34. (Cespe/Pró-Saúde/Fisioterapeuta/2010) “De tão recorrente, virou alvo de


um projeto internacional para preveni-lo [...] afirma o psicoterapeuta João
Figueiró, presidente do Instituto Zero a Seis”. Os vocábulos “recorrente” e
“presidente” pertencem à mesma classe de palavras.

Comentário – A palavra “recorrente” atribui ao pronome substantivo “-lo” a


característica de tornar a aparecer ou de aparece depois de haver
desaparecido. É , portanto, adjetivo. Já o vocábulo “presidente” é substantivo
que designa pessoa (“João Figueiró”) que chefia conselho, tribunal, assembleia
etc.
Resposta – Item errado.

35. (Cespe/DPU/Analista Técnico-Administrativo/2010) “O direito que se


realiza pacificamente é o ideal — praticamente inatingível — de uma
sociedade que se queira justa. A palavra “ideal” é um adjetivo que
caracteriza “direito”.

Comentário – A presença do artigo “o” antes do vocábulo “ideal” torna-o um


substantivo. Os artigos têm o “poder” de substantivar qualquer palavra, até
mesmo verbo: O cantar dos pássaros é belo.
Resposta – Item errado.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 62


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

36. (Cespe/SAD-PE/Contador/2010) “A capacidade de associação, ou o poder


de conectar perguntas [...]. Quanto maior a variedade de experiências e
de conhecimento, mais conexões o cérebro pode fazer”. Os vocábulos
“poder” e “pode” pertencem à mesma classe de palavras.

Comentário – Notou o artigo “o” antes do vocábulo “poder”? Sim, ele é um


substantivo que designa a capacidade, a virtude, a habilidade de fazer algo. A
palavra “pode” é verbo auxiliar que integra a locução verbal “pode fazer”.
Resposta – Item errado.

37. (Cespe/AL-ES/Cargos de Nível Médio/2011) Com relação à estrutura


gramatical do primeiro parágrafo do texto, assinale a opção correta.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 63


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

(A) O vocábulo “se” (L.3) indica, no texto, uma condição para o trabalho;
nesse caso específico, essa condição é deixar de ver o filho nascer ou
crescer.
(B) Na oração “Outro aspecto aterrador aparece” (L.5), a palavra “Outro”
indica que um aspecto considerado aterrador — o fato de as pessoas
acharem que é importante fazer alguma coisa — já foi mencionado
anteriormente.
(C) Na linha 6, o vocábulo “para”, em ambas as ocorrências, pertence à
mesma classe de palavras.
(D) Seriam mantidos a correção gramatical do texto e o seu sentido original
se o trecho “tanto no nível pessoal como no profissional” (L.12-13) fosse
reescrito como tanto a nível de pessoa como a nível de trabalho.
(E) No final do primeiro parágrafo, está implícita a palavra nível antes do
termo “profissional”.

Comentário – Alternativa A: errada. O “se” não exprime condição, pois não é


conjunção condicional. Ele é pronome apassivador. Talvez isso seja mais bem
percebido se você colocar a estrutura na voz passiva analítica: ...nem que para
isso deixe de ser visto o filho nascer ou crescer.
Alternativa B: errada. O que é aterrador e surge
anteriormente é o fato de o trabalho e a produção terem prioridade sobre o
acompanhamento do nascimento e crescimento dos filhos.
Alternativa C: errada. Aqui o examinador explorou as novas
regras ortográficas. O primeiro “para” é verbo (eu paro, tu paras, ele para
etc.), que perdeu o acento diferencial (até 31/12/2012, o uso é facultativo). O
segundo “para” é preposição que indica finalidade.
Alternativa D: errada. A nível de é uma locução inadequada
do ponto de vista da gramática normativa. Caso a intenção seja transmitir o
sentido de “em relação a”, “em termos de”, use “em nível (de)”: Em nível (de)
internacional, nossa educação é uma das piores do mundo. Caso a intenção

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 64


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

seja transmitir o sentido de “a mesma altura”, use “ao nível de”: Não se
rebaixe ao nível dele.
Alternativa E: certa. É fácil perceber o que o examinador
afirma: ...tanto no nível pessoal como no nível profissional.
Resposta – E

38. (Cespe/IRB/Diplomata/2012) Da combinação inusitada do verbo morrer,


flexionado no pretérito perfeito do indicativo, com a expressão adverbial
“desde pequena” (L.8) infere-se uma compreensão da morte diferente da
que estaria implícita caso tivesse sido empregada a locução verbal Venho
morrendo.

Comentário – A forma verbal “Morri”, no pretérito perfeito do indicativo,


exprime um fato começado e totalmente concluído. A locução verbal Venho

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 65


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

morrendo, com o verbo principal no gerúndio, indica que o fato começou e


não foi totalmente concluído ainda; ele está em desenvolvimento.
Resposta – Item certo.

Muito bem, vamos ficar por aqui hoje.


Havendo qualquer dificuldade com respeito à matéria tratada nesta
aula, faça contato comigo por meio do fórum.
Na próxima aula, estudaremos regência e crase. Até lá!

Albert Iglésia

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 66


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Lista das Questões Comentadas

[...]

1. (Cespe/STJ/Técnico Judiciário/Telecomunicações e Eletricidade/2012) Na


construção do sentido do texto, destaca-se a ambiguidade do vocábulo
“militar”, que, no contexto em que aparece, pode ser classificado ora
como substantivo, ora como verbo.

[...]

[...]

2. (Cespe/STM/Analista Judiciário/Execução de Mandados/2011) A inserção


do artigo definido plural os imediatamente antes da palavra “policiais”
(L.6) não alteraria o sentido original do período.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 67


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...]

3. (Cespe/PC-CE/Inspetor/2012) Os substantivos “velhice” (L.1) e “tese”


(L.11) estão empregados no texto de forma indefinida e com sentido
genérico.

[...]
16 o triunfo de uma moral tecida de perplexidade. As execuções
acontecem em lugares fechados, diante de poucas testemunhas:
há uma espécie de vergonha. Essa discrição é apresentada como
19 um progresso: os povos civilizados não executam seus
condenados nas praças. Mas o dito progresso é, de fato, um
corolário da incerteza ética de nossa cultura.
[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 68


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

4. (Cespe/DPF/Papiloscopista/2012) O termo “Essa discrição” (l.18)


refere-se apenas ao que está expresso na primeira oração do período que
o antecede.

[...]

[...]

5. (Cespe/STM/Técnico Judiciário/Área Administrativa/2011) O elemento que


possui, em todas as suas ocorrências (L.7, 8, 13 e 14), a propriedade de
retomar palavras ou expressões que o antecedem no texto.

[...]

[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 69


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

6. (Cespe/TJ-ES/Analista Judiciário/2011) A supressão da preposição em “em


que” desrespeitaria as regras gramaticais, pois, por meio dela, se
indica que o pronome “que” retoma “subjetividade” .

[...]

7. (Cespe/FUB/Analista de Tecnologia da Informação/2011) Na linha 49, o


vocábulo “se” é empregado com a mesma função nas duas ocorrências: a
de marcar reciprocidade de ação.

1 A tecnologia passou a dominar não apenas o


comércio, as cidades, a vida cotidiana e a intimidade do
homem, mas foi além: transformou-se na linguagem do mundo
4 contemporâneo, nossa mediação universal. Como sistema
universal, a História — da mesma maneira que as ciências, as
artes e a política — é vista da mesma perspectiva, isto é, por
7 meio de um conjunto de regras de conhecimentos, geralmente
quantificados, que valem de forma diferenciada para todas as
dimensões do real.
10 É impossível despojar o mundo das suas
ambiguidades, paradoxos e enigmas, e dominá-lo plenamente
por meio da racionalidade técnica e de forma sistemática. Em
13 vez de habitar o mundo, acolhê-lo, viver no meio dos
acontecimentos, o homem moderno tem a pretensão de

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 70


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

dominá-lo pela técnica. Mas ele não se dá conta de que essa


16 pretensão é o que o transforma no escravo moderno: dominado
por causas exteriores, o homem perde a prudência e age como
qualquer ser passional, isto é, tudo o que ele faz só faz porque
19 é levado pelos acontecimentos.
Russell A. Mittermeyer. Um planeta febril. In: Istoé, 23/12/2009, p. 117 (com adaptações).

8. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010) Considerando o uso das estruturas


linguísticas no texto, assinale a opção correta.

(A) A expressão “da mesma maneira” (l.5) estabelece uma comparação entre
o “sistema universal” (l.4-5) e o “conjunto de regras de conhecimentos”
(l.7).
(B) A expressão “por meio de” (l.6-7) e o vocábulo “pela” (l.15) atribuem a
ideia de instrumento, respectivamente, a “um conjunto de regras” (l.7) e
a “técnica” (l.15).
(C) Os pronomes em “dominá-lo” (l.11) e em “o transforma” (l.16) referem-se
a “mundo”, respectivamente, nas linhas 10 e 13.
(D) Na linha 12, a repetição da preposição de, que precede “racionalidade
técnica” e “forma sistemática”, indica que se trata de dois complementos
para a expressão “por meio”.
(E) A preposição de, em “dos acontecimentos” (l.13-14), corresponde à
preposição a e por ela pode ser substituída, sem prejudicar a correção e a
coerência do texto.

1 Afirma-se que a inovação e, particularmente, seus


produtos tecnológicos estimulam a competitividade e, dessa
forma, contribuem para o crescimento econômico do país.
4 Consequentemente, a competitividade é erigida em valor
supremo da vida social, como se fosse uma lei da natureza
imanente à espécie humana. Omite-se, propositadamente,
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 71
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

7 que o mais longo período da história da vida humana foi


orientado pela cooperação e solidariedade, valores
fundamentais para a sobrevivência da espécie. A ideologia
10 da competição e produtividade faz parte de uma visão de
mundo dominada pela corrida atrás da acumulação de
capitais e do enriquecimento ilimitado, nem sempre por
13 meios civilizados e legítimos. Para a sociedade,
coletivamente, só haverá vantagens na busca de maior
produtividade quando seus resultados forem distribuídos
16 para elevar o nível de bem-estar coletivo. Isso pode ser
atingido mediante a elevação proporcional dos salários, a
redução dos preços de bens e serviços ou o aumento de
19 investimentos dos lucros gerados, na expansão do sistema
produtivo. Deixemos bem claro: não se discute aqui a
necessidade de tecnologia nas sociedades contemporâneas,
22 mas a condição de que esta seja ambientalmente segura,
socialmente benéfica (para todos) e eticamente aceitável.

Henrique Rattner. Tecnologia e sociedade. In: Internet:


<www.espacoacademico.com.br> (com adaptações)

9. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) A coerência e a correção


gramatical do texto seriam mantidas ao se substituir

(A) “erigida em valor supremo” (l.4-5) por erigida valor supremo.


(B) “fundamentais para a sobrevivência” (l.9) por fundamentais a
sobrevivência.
(C) “atingido mediante a elevação” (l.17) por atingido pela elevação.
(D) “condição de que esta seja” (l.22) por condição que esta seja.

[...] O fato é que essa ininterrupta e


incansável luta pelo saber tem sido uma das mais importantes
10 atividades do homem. Ocorre que, ao dar vazão ao seu
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 72
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

insaciável afã de descobrir, criar, conquistar, ao tentar realizar


em toda sua plenitude a livre aventura do espírito, o homem
13 depara-se com seus limites. [...]
Ivan de Araújo Moura Fé. Conflitos éticos em psiquiatria. In: José E. Assad (Coord.).
Desafios éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 185 (com adaptações).

10. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A repetição da preposição a


em “ao tentar” (l.11) é fundamental para mostrar que a oração aí iniciada
está em paralelo com a oração iniciada por “ao dar vazão” (l.10); e que
não se trata de mais um termo da enumeração de verbos que
complementam “afã de” (l.11).

1 A realidade atual vem exigindo dos pesquisadores


envolvidos com a temática da saúde maiores esforços para
compreender as mudanças recentes, pois o modo de as pessoas
4 fazerem uso de suas capacidades físicas, cognitivas e afetivas
para produzir foi transformado. [...]
Ada Ávila Assunção. Uma contribuição ao debate sobre as relações saúde e trabalho.
In: Ciênc. Saúde Coletiva, v. 8, n.º 4, p. 1.005-18, 2003 (com adaptações).

11. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A organização das ideias no


texto mostra que “realidade atual” (l.1) constitui a circunstância de tempo
em que a “temática da saúde” (l.2) está sendo considerada; por isso,
mantêm-se as relações entre os argumentos e a correção gramatical ao se
iniciar o texto com Na realidade atual.

12. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Na linha 2, em razão da


acepção de “envolvidos” usada no texto, é possível substituir “com a” por
na, sem prejudicar sua correção gramatical, nem tornar incoerente a
relação entre as ideias apresentadas.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 73


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

13. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A preposição em “para


compreender” (l.2-3) e “para produzir” (l.5) expressa o sentido de
finalidade: a finalidade dos “esforços” (l.2) e das “capacidades” (l.4),
respectivamente.

14. (Cespe/PC-ES/Cargos de Nível Superior/2011) No trecho "estão


convencidos de que as desigualdades são, em sua maior parte, sociais ou
históricas" (L.8-10), a omissão da preposição "de" prejudicaria a correção
gramatical do período.

[...]

[...]

15. (Cespe/TJ-ES/Analista Judiciário/Taquigrafia/2011) A substituição da


locução “a fim de” (L.16) por para manteria a correção gramatical e o
sentido original do texto.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 74


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...]

16. (Cespe/STJ/Analista Judiciário/Área Judiciária/2012) A preposição “para”,


em “para a discussão” (L.3) e em “para colecionar livros” (L.23), introduz
expressão que exprime finalidade.

17. (Cespe/Correios/Agente de Correios/Atendente Comercial/2011 –


adaptada) A respeito de aspectos linguísticos do texto, julgue os itens
abaixo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 75


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

I. No pedido de desculpa pelos erros (v.3), o autor da carta comete o


seguinte erro: emprego da forma verbal “desculpes”, em vez de desculpe.
II. Os termos “Porque” (v.2) e “Porém” (v.7) estabelecem, nos respectivos
trechos, semelhantes relações de sentido.
III. No verso 5, os vocábulos “Talvez” e “até” expressam circunstâncias de
tempo.

[...] A ideologia
10 da competição e produtividade faz parte de uma visão de
mundo dominada pela corrida atrás da acumulação de
capitais e do enriquecimento ilimitado, nem sempre por
13 meios civilizados e legítimos. Para a sociedade,
coletivamente, só haverá vantagens na busca de maior
produtividade quando seus resultados forem distribuídos
16 para elevar o nível de bem-estar coletivo. Isso pode ser
atingido mediante a elevação proporcional dos salários, a
redução dos preços de bens e serviços ou o aumento de
19 investimentos dos lucros gerados, na expansão do sistema
produtivo. [...]
Henrique Rattner. Tecnologia e sociedade. In: Internet:
<www.espacoacademico.com.br> (com adaptações)

18. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) Julgue os itens abaixo,


relativos ao emprego das estruturas linguísticas do texto.

(A) Na linha 10, preserva-se a coerência textual ao se inserir da antes de


“produtividade”; mas, para se preservar a correção gramatical, será
necessário mudar “faz” para fazem.
(B) Para a coerência dos argumentos no texto, é indiferente o uso de
“quando” (l.15) ou de se, em seu lugar, pois o período sintático preserva
a ideia de condição.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 76


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

(C) Seriam mantidas as relações entre os argumentos se, em lugar de “ou”


(l.18), antes do último termo da enumeração, fosse usado e; mas a
desvantagem seria a repetição do mesmo conectivo.

[...] Pesquisas científicas


recentes sobre a raiva reforçam essa linha de pensamento, e
7 uma delas mostra que quem reprime sua frustração é pelo
menos três vezes mais propenso a admitir que chegou a um
ponto em sua carreira no qual não consegue mais progredir e
10 que tem uma vida pessoal decepcionante. Já as pessoas que
aprendem a explorar e canalizar sua raiva apresentam uma
probabilidade muito maior de estar bem situadas
13 profissionalmente, além de desfrutar de maior intimidade física
e emocional com seus amigos e familiares. [...]
Planeta, jan./2010, p. 64-5 (com adaptações).

19. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Por causa das duas


ocorrências do pronome “que” (l.7-8) no mesmo período sintático, não é
recomendada a substituição de “no qual” (l.9) por que, apesar de a
coerência e a correção do texto serem mantidas.

[...]

[...]

[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 77


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

20. (Cespe/TJ-ES/Analista Judiciário/2011) Nos trechos “que de fato


desprezava” (L.7) e “que ensinamentos tirei da leitura” (L.22), o elemento
“que” recebe a mesma classificação morfossintática.

[...]

[...]

21. (Cespe/MJ-DPF/Agente/2012) Mantendo-se a correção gramatical e a


coerência do texto, a oração “se alguém é executado” (l.12), que expressa
uma hipótese, poderia ser escrita como caso se execute alguém, mas
não como se caso alguém se execute.

[...]

[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 78


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

22. (Cespe/PCCE/Inspetor/2012) O conector “pois” (L.18) introduz ideia de


consequência no trecho em que ocorre.

23. Mantêm-se a correção gramatical e as informações originais do período ao


se substituir o conectivo “pois” (L.1) por já que, uma vez que,
porquanto, visto que ou porque.

1 Um dos aspectos mais notáveis da aventura do homem


ao longo da história tem sido seu constante anseio de
buscar novas perspectivas, abrir horizontes desconhecidos,
4 investigar possibilidades ainda inexploradas, enfim, ampliar o
conhecimento. Desde seus primórdios, os seres humanos
dedicam-se a investigar e a pesquisar, sendo esta curiosidade,
7 este desejo de conhecer, uma das mais significativas forças

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 79


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

impulsoras da humanidade. O fato é que essa ininterrupta e


incansável luta pelo saber tem sido uma das mais importantes
10 atividades do homem. Ocorre que, ao dar vazão ao seu
insaciável afã de descobrir, criar, conquistar, ao tentar realizar
em toda sua plenitude a livre aventura do espírito, o homem
13 depara-se com seus limites. [...]
Ivan de Araújo Moura Fé. Conflitos éticos em psiquiatria. In: José E. Assad (Coord.).
Desafios éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 185 (com adaptações).

24. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Seriam preservadas a


correção gramatical do texto, bem como a coerência de sua
argumentação, se, em lugar de “tem sido” (l.2), fosse usada a forma
verbal é; no entanto, a opção empregada no texto ressalta o caráter
contínuo e constante dos aspectos mencionados.

1 O regime trabalhista, ao adotar estratégias de proteção


à saúde do trabalhador, institui mecanismos de monitoração
dos indivíduos, visando a evitar ou identificar precocemente os
4 agravos à sua saúde, quando produzidos ou desencadeados
pelo exercício do trabalho. [...]

Elias Tavares de Araújo. Perícia médica. In: José E. Assad (Coord.). Desafios
éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 241 (com adaptações).

25. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Para se realçar “mecanismos


de monitoração” (l.2), em vez de “regime trabalhista” (l.1), poderia ser
usada a voz passiva, escrevendo-se são instituídos em vez de “institui”
(l.2), sem que a coerência entre os argumentos e a correção gramatical
do texto fossem prejudicadas.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 80


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...]
10 A declaração não previu que o desenvolvimento
capitalista chegasse à sua atual etapa de globalização e de
capitais voláteis, especulativos, que, sem controle, entram e
13 saem de diferentes países, gerando instabilidade permanente
nas economias periféricas. Talvez fosse o caso de se afirmar,
[...]

Francisco Alencar. Para humanizar o bicho homem. In: Francisco Alencar (Org.).
Direitos mais humanos. Brasília: Garamond, 2006. p. 17-31 (com adaptações).

26. (Cespe/TRT 21ª Região/Analista Judiciário/2011) A oração “A declaração


não previu” (l. 10) poderia ser corretamente reescrita da seguinte forma:
Na declaração, não se previu.

[...]
que fragiliza e subordina economias nacionais. Não é
admissível que grupos privados transnacionais — não mais do
19 que três centenas —, com negócios que vão do setor produtivo
industrial ao setor financeiro, passando pela publicidade e pelas
comunicações, sejam, na verdade, o verdadeiro governo do
22 mundo, hegemonizando governos e nações, derrubando
restrições alfandegárias, impondo seus interesses particulares.
[...]
Francisco Alencar. Para humanizar o bicho homem. In: Francisco Alencar (Org.).
Direitos mais humanos. Brasília: Garamond, 2006. p. 17-31 (com adaptações).

27. (Cespe/TRT 21ª Região/Analista Judiciário/2011) A correção gramatical do


texto seria mantida caso o trecho “Não é admissível” (l. 17-18) fosse
substituído por Não se admitem.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 81


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

1 No século XIX, enfatizou-se, nos mais diversos


domínios, a busca de explicações sobre as origens — dos
homens, das sociedades, das nações. Foi dentro desse quadro
[...]
Márcia Regina Capelar Naxara. Cientificismo e sensibilidade romântica.
Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2004, p. 24-35 (com adaptações).

28. (Cespe/TRT 21ª Região/Analista Judiciário/2011) Atenderia à prescrição


gramatical o emprego, na linha 1, da forma verbal foi enfatizada, em
vez de “enfatizou-se”.

[...]

29. (Cespe/Câmara dos Deputados/Analista/Técnico em Material e


Patrimônio/2012) A flexão de singular na forma verbal “importava” (L.26)
justifica-se por ser o sujeito da oração indeterminado, de interpretação
genérica.

1 É evidente que vivemos em um momento prodigioso


da técnica, com transformações profundas das noções de espaço
e tempo; mas a política do espírito não acompanha esse
4 alargamento do mundo: pelo contrário, vemos dominar no
homem o encolhimento das fronteiras éticas e o esquecimento
de algumas ideias essenciais que fundam o humanismo. Nada
7 vemos de semelhante ao que aconteceu, no plano das ideias, em
outro momento de grandes transformações da técnica e também
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 82
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

de grandes descobertas — o século XVI —, com o


10 renascimento de um mundo esquecido e das doutrinas dos
velhos filósofos da Grécia e do Oriente, e, com elas, a crítica e
a dissolução de antigas crenças que davam ao homem
13 “a certeza do saber e a segurança da ação”. Na época dos
descobrimentos, dos Renascimentos, das incertezas, o espaço
tornou-se uma pluralidade de espaços; o tempo, uma
16 pluralidade de tempos. Hoje, quando predominam as
estatísticas como definidoras e reguladoras da vida social e
política, as verdades matemáticas são inquestionáveis, até
19 mesmo nos sonhos. Espaço e tempo tornam-se unidades
sistematizadas. Portanto, esta concepção engendra e é, ao
mesmo tempo, engendrada pela ideia de sistema, que é a plena
22 realização da racionalidade contemporânea.
Adauto Novaes. Sobre tempo e história. In: Adauto
Novaes (Org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia
das Letras, p. 14-5 (com adaptações).

30. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) Julgue os itens abaixo a


respeito das alterações propostas para as estruturas linguísticas do texto.

(A) A preposição na expressão “com o renascimento” (l.9-10) introduz uma


ideia de causa para as “grandes transformações” (l.8); por isso, a
reescrita como devido o renascimento preservaria a coerência e a
correção gramatical do texto.
(B) Em “o espaço tornou-se uma pluralidade de espaços” (l.14-15), o
deslocamento do pronome para antes da forma verbal violaria as regras
gramaticais.
(C) No desenvolvimento do texto, a retirada da conjunção “quando” (l.16)
provocaria erro na estrutura gramatical do período sintático, mas
preservaria as relações significativas e a coerência entre os argumentos.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 83


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...] Para crescer mais e de maneira


13 socialmente mais includente, do que o Brasil realmente precisa é
que se desconstrua o mito do gigante adormecido. E, para isso,
carecemos de um discurso que apresente à sociedade os custos
16 reais que precisam ser pagos para promover a prosperidade de
cada indivíduo e do conjunto da nossa sociedade.
Carlos Pio. Gigante adormecido. In: Correio
Braziliense, 15/4/2010 (com adaptações).

31. (Cespe/IPAJM/Advogado/2010 – adaptada) Assinale a opção correta a


respeito do uso das formas verbais no texto.

(A) O uso do modo subjuntivo em “desconstrua” (l.14) indica haver apenas


uma possibilidade, uma hipótese de se desconstruir o mito; para afirmar
uma certeza, seria escrito desconstrói.
(B) Ressalta-se a importância dos “custos reais” (l.15-16), sem prejudicar a
correção gramatical do texto, se for usada a forma flexionada no verbo
ser, escrevendo-se serem pagos.
(C) Seriam preservadas a coerência entre os argumentos e a correção
gramatical do texto, com a forma flexionada da forma verbal “promover”
(l.16), escrevendo-se promovermos.

[...] Pesquisas científicas


recentes sobre a raiva reforçam essa linha de pensamento, e
7 uma delas mostra que quem reprime sua frustração é pelo
menos três vezes mais propenso a admitir que chegou a um
ponto em sua carreira no qual não consegue mais progredir e
10 que tem uma vida pessoal decepcionante. Já as pessoas que
aprendem a explorar e canalizar sua raiva apresentam uma
probabilidade muito maior de estar bem situadas

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 84


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

13 profissionalmente, além de desfrutar de maior intimidade física


e emocional com seus amigos e familiares. [...]
Planeta, jan./2010, p. 64-5 (com adaptações).

32. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) Por ter como agente


“pessoas” (l.10), o infinitivo empregado em “explorar” (l.11) poderia ser
flexionado no plural, explorarem, sem prejudicar a coerência e a correção
gramatical do texto.

33. (Cespe/CEF/Advogado/2010) “A população carcerária no Brasil é


composta fundamentalmente por jovens”. O vocábulo “jovens” classifica-
se como adjetivo.

34. (Cespe/Pró-Saúde/Fisioterapeuta/2010) “De tão recorrente, virou alvo de


um projeto internacional para preveni-lo [...] afirma o psicoterapeuta João
Figueiró, presidente do Instituto Zero a Seis”. Os vocábulos “recorrente” e
“presidente” pertencem à mesma classe de palavras.

35. (Cespe/DPU/Analista Técnico-Administrativo/2010) “O direito que se


realiza pacificamente é o ideal — praticamente inatingível — de uma
sociedade que se queira justa. A palavra “ideal” é um adjetivo que
caracteriza “direito”.

36. (Cespe/SAD-PE/Contador/2010) “A capacidade de associação, ou o poder


de conectar perguntas [...]. Quanto maior a variedade de experiências e
de conhecimento, mais conexões o cérebro pode fazer”. Os vocábulos
“poder” e “pode” pertencem à mesma classe de palavras.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 85


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

37. (Cespe/AL-ES/Cargos de Nível Médio/2011) Com relação à estrutura


gramatical do primeiro parágrafo do texto, assinale a opção correta.

(A) O vocábulo “se” (L.3) indica, no texto, uma condição para o trabalho;
nesse caso específico, essa condição é deixar de ver o filho nascer ou
crescer.
(B) Na oração “Outro aspecto aterrador aparece” (L.5), a palavra “Outro”
indica que um aspecto considerado aterrador — o fato de as pessoas
acharem que é importante fazer alguma coisa — já foi mencionado
anteriormente.
(C) Na linha 6, o vocábulo “para”, em ambas as ocorrências, pertence à
mesma classe de palavras.
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 86
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

(D) Seriam mantidos a correção gramatical do texto e o seu sentido original


se o trecho “tanto no nível pessoal como no profissional” (L.12-13) fosse
reescrito como tanto a nível de pessoa como a nível de trabalho.
(E) No final do primeiro parágrafo, está implícita a palavra nível antes do
termo “profissional”.

38. (Cespe/IRB/Diplomata/2012) Da combinação inusitada do verbo morrer,


flexionado no pretérito perfeito do indicativo, com a expressão adverbial
“desde pequena” (L.8) infere-se uma compreensão da morte diferente da

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 87


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

que estaria implícita caso tivesse sido empregada a locução verbal Venho
morrendo.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 88


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Gabarito das Questões Comentadas

1. Item certo 30. Itens errados


2. Item errado 31. C
3. Item errado 32. Item errado
4. Item certo 33. Item errado
5. Item errado 34. Item errado
6. Item errado 35. Item errado
7. Item errado 36. Item errado
8. B 37. E
9. C 38. Item certo
10. Item certo
11. Item errado
12. Item certo
13. Item certo
14. Item certo
15. Item certo
16. Item certo
17. Itens errados
18. Itens errado, certo e errado
19. Item errado
20. Item errado
21. Item certo
22. Item errado
23. Item certo
24. Item certo
25. Item errado
26. Item certo
27. Item errado
28. Item certo
29. Item errado
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 89