You are on page 1of 8

Publicação da Fundação Meridional de Apoio à Pesquisa Agropecuária

www.fundacaomeridional.com.br MARÇO de 2015 • Ano 15 • Nº 53

Soja
NovidadeS
Giros técnicos
Parceria Embrapa/Fundação
personalizados apresentam
Meridional apresenta seu portifólio
as novas variedades
de cultivares de soja com diferentes
da parceria Embrapa e
tecnologias
Fundação Meridional
Página 5
Página 2

Mofo Branco
Manejo
Especialista
Pesquisador da Embrapa
destaca medidas de
indica qual é o manejo
controle para a lagarta falsa-
mais correto
medideira para o
controle
Página 6 da doença
Página 3

Embrapa e Fundação Meridional


Trigo e Triticale
lançam a primeira variedade de soja Condições Climáticas
VI RBPTT foi promovida
com tecnologia Bt Especialistas avaliam os reflexos do
em Londrina e discutiu os
clima na safra 2014/2015
últimos avanços do setor
BRS 1001IPRO tem características da tecnologia Intacta RR2 PRO™, associada à Página 7
base genética da BRS 284, campeã de diversos concursos de produtividade Página 5
Confira na página 4

Fundação Meridional | Administração Central: Av. Higienópolis, 1.100, 4º andar, Cep 86020-911, Londrina - PR | (43) 3323-7171
Editorial

Um marco histórico Notas Meridional


Luiz Meneghel Neto
Diretor-Presidente da Fundação Meridional

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicam que Tecnologias para Produção de Sementes de Soja
a safra de soja 2014/2015, deverá ser superior a 93 milhões de toneladas - A Embrapa Soja produziu, com apoio da Fundação Meridional, um
uma das maiores dos últimos anos. Enquanto os números não são finaliza- manual sobre “Tecnologias para Produção de Sementes de Soja”. A publi-
dos pelo governo brasileiro, esta safra já é considerada um marco histórico cação, em prático formato de bolso, traz ao produtor de sementes e seus
para a parceria Embrapa/Fundação Meridional. cooperantes, uma série de informações, visando solucionar possíveis dúvi-
das, que possam ocorrer durante este complexo processo de produção e
Em Cascavel - PR, durante a última edição do Show Rural Coopavel
assim contribuir para a obtenção de sementes de soja de alta qualidade.
- promovida em fevereiro deste ano, aconteceu o lançamento da pri-
Os interessados em adquirir este manual, podem entrar em contato com a
meira cultivar de soja da Embrapa, com a tecnologia Intacta RR2 PRO™:
Fundação Meridional pelo telefone (43) 3323-7171.
a BRS 1001IPRO. Com a credibilidade, a tradição e a segurança da
base genética do programa de melhoramento da Embrapa, avançamos
muito e oferecemos aos produtores de sementes, uma das melhores Apasem tem novo presidente
variedades já desenvolvidas pela parceria com a Fundação Meridional. O engenheiro agrônomo Kazuo Jorge Baba foi eleito presidente
E neste evento também apresentamos outro pré-lançamento: a da Apasem na Assembleia Geral Ordinária, realizada no dia 17 de março em
BRS 1010IPRO, que deverá chegar ao mercado na próxima safra. Curitiba - PR. Baba substituirá Raphael Rodrigues Fróes, que assumiu a insti-
Com o foco nas indispensáveis áreas de refúgio, já temos as cultivares tuição em março de 2013. Um grande desafio da Apasem é defender a união

BRS 359RR (GM 6.0) e BRS 360RR (GM 6.2), sendo que nesta safra apre- de todos os setores envolvidos na área de sementes, para combater a pro-
dução e a comercialização de sementes e mudas ilegais no setor. “A pirata-
sentamos também o pré-lançamento da BRS 388RR (GM 6.4). Assim, te-
ria está colocando em risco a pesquisa, tanto no desenvolvimento genético,
mos certeza de que estamos oferecendo excelentes opções, nos diferentes
como na obtenção de novas tecnologias para controle de ervas daninhas, de
grupos de maturidade, para que o produtor de soja mantenha o controle
pragas e de doenças, entre outras”, afirma Baba. A nova diretoria também es-
das lagartas funcionando, sem comprometer o rendimento de suas áreas.
tará focada na ampliação do diálogo entre produtores de sementes e obten-
Além disso, utilizamos estas novas variedades no Projeto Lavouras Expositivas tores, em busca de um maior entendimento quanto à cobrança de royalties
e já recebemos os primeiros elogios pela alta qualidade do material genético de novas tecnologias, a exemplo do que está sendo feito para a soja Intacta.
(veja alguns depoimentos de técnicos na página 5). O desenvolvimento das Atualmente, Kazuo Jorge Baba é gerente de comercialização de sementes
novas cultivares continua em pleno andamento e estamos preparando outros da Cooperativa Integrada e conselheiro fiscal da Fundação Meridional. Vem
lançamentos com a tecnologia IPRO para um futuro bem próximo. integrando a diretoria da Apasem desde 2005, em diversas funções, tendo
ocupado o cargo de vice-presidente da gestão 2013-2015.
Assim sendo, a Embrapa passa a ter um portfólio completo de variedades
de soja (convencional, RR e, agora, IPRO). Para a Fundação Meridional e os
VIII Curso de Amostradores de Sementes
seus colaboradores é uma honra poder participar da construção de mais
esta etapa desta história de sucesso. Fruto de uma tradicional parceria entre a Associação Brasileira
de Tecnologia de Sementes (Abrates) e a Universidade Federal de Lavras
Para os interessados em conhecer estes e outros avanços genéticos obtidos
(UFLA), o VIII Curso Teórico-Prático de Formação de Amostradores de Se-
pela parceria, bem como saber mais detalhes, basta acessar o nosso web- mentes, será realizado de 15 a 17 de abril, em Lavras - MG. Os participantes
site: www.fundacaomeridional.com.br ou consultar o departamento técnico receberão qualificação técnica para formação profissional em amostragem,
pelo telefone: (43) 3323-7171. em conformidade com o Regulamento da Coordenação de Sementes e Mu-
das. Mais informações: www.abrates.org.br/eventos

VII Congresso Brasileiro de Soja


EXPEDIENTE

Esta é uma publicação da Fundação Meridional de Apoio à Pesquisa Agrope-


cuária, entidade com sede em Londrina-PR. Av. Higienópolis, 1.100, 4º andar,
Cep 86.020-911 | Fone (43) 3323-7171 | Fax (43) 3324-6742. No período de 22 a 25 de junho, será realizado no Centro de Con-
meridional@fundacaomeridional.com.br | www.fundacaomeridional.com.br venções - Centro Sul, em Florianópolis - SC, o VII Congresso Brasileiro de
CONSELHO EXECUTIVO Soja (VII CBSoja), cujo o tema será “Tecnologia e mercado global: perspecti-
Diretor-Presidente: Luiz Meneghel Neto | Diretor-Secretário: Luiz Vicente
vas para a soja”. Com promoção e realização da Embrapa Soja, o CBSoja é o
de Souza Queiroz Ferraz | Diretor-Tesoureiro: Almir Montecelli | Produção e
Edição: Fundação Meridional | Jornalista Responsável: Olavo Alves (MTB-PR principal evento no Cone Sul e tem entre seus objetivos, discutir com todos
4285/17) Assessoria de Comunicação: Luciana Maria Machado Pires | Fotos: C.
participantes do complexo produtivo, os problemas, as possíveis soluções,
Vale, Embrapa Soja e Fundação Meridional | Colaboração: Almir Trevisan, Enoir
Pellizzaro e Lebna Landgraf do Nascimento | Projeto Gráfico: Guerra Propaganda bem como as tendências do agronegócio da soja no Brasil e no mundo. Em
| Impressão: Midiograf | Tiragem: 1.700 exemplares
sua 7ª edição, o CBSoja será realizado em conjunto com o Mercosoja 2015,
Informações: (43) 3323-7171 - imprensa@fundacaomeridional.com.br
evento que reúne públicos estratégicos da Argentina, Paraguai, Uruguai,
PARCEIROS: Bolívia e demais países associados ao Mercosul. Mais informações sobre o
evento: www.cbsoja.com.br

2
Opinião do colaborador
O DESAFIO DA MANUTENÇÃO DAS TECNOLOGIAS

I N STI TU C I O N AL
Estima-se que a agricultura tenha se origina- além do grande número de instituições de continuem se reproduzindo e cruzando com
do a aproximadamente 8.000 anos a.C., oca- pesquisa, públicas e privadas, que contribuem indivíduos resistentes, originando, assim, des-
sião em que o homem descobriu o potencial para o avanço das tecnologias agrícolas. cendentes suscetíveis que, por sua vez, re-
das sementes que, até então, eram colhidas Atualmente, com o constante desenvolvi- duzirão a pressão de seleção, mantendo um
de plantas silvestres não cultivadas, no intuito mento de novas tecnologias e com o advento bom nível de controle.
de suprir suas necessidades alimentares. Os da engenharia genética por meio da trans- Entretanto, observa-se que a adoção do re-
melhores grãos eram guardados como se- genia, os agricultores dispõem de meios que fúgio não tem sido prática rotineira na agri-
mentes e utilizados como oferenda às divin- auxiliam o manejo de plantas daninhas e de cultura, seja pela baixa praticidade de imple-
dades. Acredita-se que esse comportamento pragas, além de proporcionar produtividades mentação, seja pela escassez de sementes de
tenha dado início ao melhoramento genético. que atingem, a cada ano, tetos mais elevados. variedades ou híbridos convencionais de ca-
Desde então, foi possível ao homem abando- Como exemplos de sucesso da transgenia, racterísticas compatíveis com os transgênicos.
nar a vida nômade e se estabelecer, formando podemos destacar os genes Bt, RR e RR2, que O debate sobre a preservação de eventos
grandes civilizações. são tecnologias consolidadas no cotidiano transgênicos por meio da adoção do refúgio
Na década de 1960, eram necessários 1,1 agrícola. tem estado em evidência, com setores do
hectares para suprir a alimentação de uma No entanto, a manutenção dessas tecnolo- agronegócio atribuindo esta responsabilida-
pessoa. Com a agricultura moderna, é pos- gias requer cuidado, pois, em se tratando de de ao agricultor. No entanto, além deste en-
sível alimentar uma pessoa com apenas 0,4 biologia, sabemos que a natureza está em gajamento, é de extrema importância o com-
hectare. Nesse âmbito, algumas pessoas con- constante processo de transformação e a prometimento de empresas detentoras de
tribuíram decisivamente, lançando as bases longevidade dos eventos transgênicos é dire- tecnologia, de empresas de pesquisa e de as-
para que a ciência se desenvolvesse rumo aos tamente proporcional à adoção de medidas sistência técnica, no sentido de buscar meios
patamares atuais. Podemos destacar como preventivas, que visam a sua manutenção. práticos para tornar a adoção do refúgio uma
alguns exemplos, pesquisadores de grande Todos os anos são gastos bilhões de dólares realidade no campo. Caso contrário, podere-
envergadura, como: Justus Von Liebig, autor em pesquisa e desenvolvimento visando su- mos perder excelentes tecnologias num curto
da lei do mínimo e que demonstrou a im- plantar tecnologias, que foram perdidas pelo período de tempo, o que seria, sem dúvida,
portância do fósforo e do potássio para as seu uso inadequado, o que reflete nos seus um grande retrocesso para a agricultura de
plantas; Gregor Johann Mendel, com a lei da custos de aquisição pelos produtores. clima tropical, como é o caso da agricultura
hereditariedade; Henry Wallace, fundador da Como medida eficaz na manutenção das tec- brasileira.
primeira empresa a produzir milho híbrido; nologias RR, RR2 e Bt, podemos destacar a
Carl Bosch, que realizou a síntese da uréia, prática fundamental do refúgio, que consis-
Autor:
fato que permitiu a produção agrícola em te em conduzir numa parte da propriedade,
Armando Lang
larga escala; Norman Borlaug, que, na déca- uma variedade ou híbrido da mesma espé- Gerente da Divisão de
da de 40, idealizou a revolução verde; James cie, porém, sem a transgenia equivalente ao Produção - C. Vale -
Watson e Francis Harry Compton Crick, que material predominante na área. Essa prática Cooperativa Agroindustrial
descobriram a estrutura da molécula do DNA; permite que plantas ou insetos suscetíveis,

Colaboradores participam da 15ª Reunião


Ordinária e Extraordinária do Conselho
Curador

As empresas colaboradoras da Fundação suntos de interesse do setor sementeiro.


Meridional, se reuniram no dia 20 de feve- “Foi uma reunião bastante prestigiada e elogiada
reiro, no auditório da Embrapa Soja, em Lon- pelos colaboradores, que nos possibilitou discutir-
drina - PR, para a 15ª Reunião Ordinária e mos novas propostas de trabalho para este ano.
Extraordinária do Conselho Curador. Também recebemos boas contribuições para o
Na pauta ordinária, foram discutidos temas impor- médio e longo prazo”, comentou Ralf Udo Den-
tantes como: apreciação da prestação de contas gler, gerente executivo da Fundação Meridional.
referente ao Balanço Geral (Ano 2014); apresenta- “Gostaria de agradecer mais uma vez o empenho
ção do Relatório de Atividades Desenvolvidas em dos conselheiros e colaboradores, que não medi-
2014; ratificação de orçamentos e de alocação de ram esforços para participarem deste encontro.
recursos (PAT’s) para o ano de 2015; e aprovação Esta reunião foi muito válida, pois além do inter-
da previsão do orçamento e do rateio para o ano câmbio de informações, nos deu a oportunidade
de 2016. Já na agenda extraordinária, foram apre- de definirmos novas estratégias de trabalho”, fina-
sentadas informações referentes à produção de lizou Luiz Meneghel Neto, diretor-presidente da
sementes de soja e de trigo, além de outros as- Fundação Meridional.

www.fundacaomeridional.com.br 3
LANÇAMENTO

Embrapa e Fundação Meridional lançam a primeira


variedade de soja com tecnologia Bt
A Embrapa e a Fundação Meridional lançaram na cuária (Consepa), Florindo Dalberto; o prefeito de empresa vem investindo em diferentes e variadas
Vitrine de Tecnologias da Embrapa, no Show Rural Cascavel, Edgar Bueno; o chefe-geral da Embrapa frentes do conhecimento para ampliar o leque de
Coopavel, a BRS 1001IPRO - a primeira cultivar de Soja, José Renato Bouças Farias; o gerente local da oportunidades e de inovação aos diversos siste-
soja da parceria com a tecnologia Intacta RR2 PRO™. Embrapa Produtos e Mercado, Luiz Carlos Miranda; mas produtivos no campo. “Trabalhamos para tra-
A novidade é indicada para Santa Catarina, Paraná, o diretor-presidente da Fundação Meridional, Luiz zer mais e melhores opções tecnológicas e para
São Paulo e Mato Grosso do Sul. Durante o evento, Meneghel Neto; e contou com um público superior prover alternativas sustentáveis para o produtor
os produtores também tiveram a oportunidade de a 150 pessoas, entre técnicos e agricultores. rural brasileiro”, explicou.
conhecer as características da BRS 1010IPRO, que Em seu pronunciamento, Vania Castiglioni desta- Para o diretor-presidente da Fundação Meridional,
chegará ao mercado na próxima safra. cou a importância do fortalecimento das parcerias Luiz Meneghel Neto, ter a Embrapa como parceira
Na solenidade que foi realizada no dia 3 de fe- da Embrapa com instituições públicas e privadas na difusão de novas tecnologias para o homem
vereiro, em Cascavel - PR, estiveram presentes: a para a geração de tecnologias que promovam o do campo é fundamental para o sucesso dos pro-
diretora-executiva de administração e finanças da desenvolvimento de cada região brasileira, como jetos da instituição. “A Embrapa possui uma equi-
Embrapa, Vania Castiglioni; o presidente da Coopa- é o exemplo da Fundação Meridional. “Temos va- pe de pesquisadores de ponta, que nos ajudam
vel, Dilvo Grolli; o secretário de agricultura do Paraná, lorizado muito o trabalho em parceria, porque só a fortalecer ainda mais as nossas atividades no
Norberto Ortigara; o chefe da casa civil do estado assim conseguimos responder aos inúmeros desa- setor agropecuário. O desenvolvimento de novas
do Paraná, Eduardo Sciarra; o presidente do Instituto fios que são postos para a pesquisa, de forma ágil cultivares de soja e de trigo, cada vez mais bem
Agronômico do Paraná (Iapar) e do Conselho Nacio- e efetiva”, relatou. adaptadas, é o grande exemplo do sucesso deste
nal dos Sistemas Estaduais de Pesquisa Agrope- A diretora da Embrapa também reforçou que a trabalho em conjunto”, destacou.

BRS 1001IPRO - Genética de Campeã


A BRS 1001IPRO é a primeira cultivar de soja da parceria Embrapa/Fundação rendimento expressivo, mesmo em solos de fertilidade mediana”, completa o
Meridional com a tecnologia Intacta RR2 PRO™, que reúne características como pesquisador.
a resistência ao herbicida glifosato para o manejo de plantas daninhas e tam- Com relação à fitossanidade, destaca-se como ponto forte da nova cultivar, a
bém a presença da toxina de Bacillus thuringiensis (Bt), que auxilia no controle tolerância ao nematoide de galha Meloidogyne javanica, somada à resistência
de algumas espécies de lagartas. ao cancro da haste, à pústula bacteriana e à mancha olho-de-rã.
Na BRS 1001IPRO, estas características estão associadas à base genética da Com foco nas demandas dos setores produtivos, a Embrapa mantém progra-
cultivar de soja convencional BRS 284, reconhecida como campeã de produti- mas de melhoramento para o desenvolvimento de soja convencional e trans-
vidade nas regiões indicadas: Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso gênica. Para o chefe-geral da Embrapa Soja (com sede em Londrina - PR),
do Sul. De acordo com o pesquisador Geraldo Estevam Carneiro, da Embrapa José Renato Bouças Farias, com o lançamento das primeiras cultivares IPRO, a
Soja, na rede de experimentação da parceria Embrapa/Fundação Meridional, a Embrapa passa a ter um portfólio ainda mais completo de variedades de soja.
BRS 1001IPRO verificou, numa média de três anos, uma produtividade de 64 “Isso garante aos produtores diferentes soluções competitivas e opções que
sacas/ha, sempre superando os melhores padrões dos ensaios. “Também se melhor se adequam ao seu sistema produtivo”, enfatiza Farias.
constatou uma elevada estabilidade para as adversidades ambientais e obteve

Mais de 20 mil técnicos e produtores rurais, já


Dias de Campo participaram, no período de janeiro a março, dos
apresentam dias de campo de soja promovidos pela Embrapa
e pelos colaboradores da Fundação Meridional.
a diversidade No total, cerca de 50 eventos já foram realizados
tecnológica da nos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo
e Mato Grosso do Sul, proporcionando o acesso
parceria Embrapa/ às informações técnicas e às últimas novidades do
Fundação mercado. “O destaque nos dias de campo foi o
portifólio de cultivares de diferentes tecnologias
Meridional da parceria: as convencionais, as RR e as varieda-

4
BRS 1001IPRO, BRS 1010IPRO e BRS 388RR
são destaques no Projeto Lavouras Expositivas

N O V I DADE S
As novas cultivares de soja, desenvolvidas pela parceria Embrapa e Fundação Meridional, foram os grandes sucessos
do Projeto Lavouras Expositivas na safra 2014/2015. Confira os depoimentos dos participantes:

LANÇAMENTO - BRS 1001IPRO


PrÉ-LANÇAMENTO - BRS 1010IPRO

No ano de lançamento da BRS 1001IPRO, os participantes do projeto acom-


panharam o desempenho da variedade e puderam comprovar os diferenciais Para o engenheiro agrônomo Rogério Dapont da Coprossel, a BRS 1010IPRO
da nova cultivar. “A BRS 1001IPRO é um material que chama a atenção desde é uma ótima opção para a região: “Na lavoura implantada em Laranjeiras do
o início pelo seu vigor e arranque. Além disto, a variedade apresenta ótima Sul - PR, a variedade se destacou pela arquitetura da planta, o que permitiu
sanidade com o benefício de poder abrir o plantio. A cultivar vai muito bem uma boa penetração de fungicidas e inseticidas nas folhas inferiores, facili-
em áreas de baixa altitude, mantendo bom porte, e tem ótimo desempenho tando o controle de doenças e pragas. A BRS 1010IPRO apresentou excelen-
em áreas com incidência de nematoide de galha Meloidogyne javanica. Outro te ramificação, ciclo intermediário (GM 6.1) e resistência ao acamamento, que é
destaque é a alta caixa produtiva, que acompanhamos de perto em nossos uma importante característica para a nossa região de clima frio”.
campos”, ressaltou o engenheiro agrônomo Fernando Vitor Rocha, responsá- A Sementes Mauá, que conduziu a lavoura expositiva da BRS 1010IPRO na
vel pelo desenvolvimento de mercado da Sementes Jotabasso. região entre Marilândia do Sul e Mauá da Serra - PR, também destaca os
Segundo Irineu Cassol da Sementes Taquá, a produtividade da BRS 1001IPRO pontos fortes da variedade: “Achamos, em princípio, que seria mais uma cul-
foi o grande diferencial: “Colhemos 79,20 sc/ha da BRS 1001IPRO. Mesmo em tivar de soja, porém a BRS 1010IPRO apresentou detalhes que o agricultor
áreas com longo período de estiagem e altas temperaturas, a cultivar produziu procura, como: ciclo 6.1 (nem muito precoce e nem muito tardio); resistência
20 sc/ha a mais do que a variedade mais plantada na região”. ao acamamento, mesmo em região de altitude (850 metros); ótima capaci-
dade de engalhamento; grande presença de vagens com 3 e até 4 sementes,
destacando o potencial produtivo da BRS 1010IPRO”, afirma Durval Bache-
PrÉ-LANÇAMENTO - BRS 388RR
ga, engenheiro agrônomo e responsável técnico da Sementes Mauá.

UNIFICAÇÃO DE
INFORMAÇÕES
Segundo Milton Dalbosco, coordenador da área de transferência
Outra variedade que tem recebido muitos elogios dos produtores de sementes de tecnologia da Fundação Meridional, “o projeto é uma im-
é a BRS 388RR. “Na última safra, plantamos a soja BRS 388RR em uma área portante ferramenta de inovação tecnológica, que têm propor-
de 2 ha ás margens da BR-163 em Toledo - PR. A lavoura teve um excelente cionado uma maior aproximação entre agricultores, assistência
desenvolvimento, com ótima sanidade e uma carga muito expressiva. A culti- técnica, colaboradores da Fundação Meridional e pesquisadores.
var teve um desempenho espetacular mesmo em altas temperaturas no perío- Assim, ocorre uma unificação de informações e todos acompa-
do de novembro/2014 a janeiro/2015. Na colheita, temos a expectativa de nham a performance da nova cultivar e os seus méritos em rela-
superar os 4.200Kg/ha. A BRS 388RR é uma cultivar que, na minha opinião, ção às variedades-padrões do mercado”.
veio pra ficar”, enfatizou Fernando Berti, responsável pelo campo experimental
e difusão de tecnologia da I.Riedi.

des IPRO - portadoras da tecnologia Intacta RR2 – ambas em fase de pré-lançamento; e da culti- sempre é aguardado um grande público. Este im-
PROTM. Estas representam um marco histórico no var BRS 1001IPRO, lançada nesta safra e com se- portante evento encerrará as atividades previstas
programa de melhoramento genético desenvolvido mentes já sendo produzidas pelos colaboradores. na agenda do Plano Anual de Transferência de Tec-
pela Embrapa, com apoio da Fundação Meridional”, Todas, além de altamente produtivas, apresentam nologia (PATT), que é avaliado e implementado a
afirma Milton Dalbosco, coordenador de transferên- a credibilidade, a confiança e a segurança de se- cada nova safra de verão. Aos interessados em sa-
cia de tecnologia da Fundação Meridional. rem geradas a partir de uma das mais sólidas ba- ber mais aspectos técnicos sobre as novas varieda-
Segundo Dalbosco, o grande diferencial das no- ses genéticas da agricultura tropical”, acrescenta des de soja, desenvolvidas pela parceria Embrapa/
vas cultivares que integram o portfólio da par- Dalbosco. Fundação Meridional, podem consultar a equipe
ceria é a competitividade. “Atualmente, estamos No período de 13 a 17 de abril, em Rio Verde - GO, técnica pelo telefone (43) 3323-7171 ou acessar o
com variedades extremamente competitivas, as cultivares também serão apresentadas na Ma- website: www.fundacaomeridional.com.br
como é o caso da BRS 388RR e BRS 1010IPRO crorregião 3, no TecnoShow COMIGO, para o qual

www.fundacaomeridional.com.br 5
MANEJO

Amostragem com pano-de-batida Lagarta-falsa-medideira (Chrysodeixis includens)

AS LAGARTAS CONTINUAM CAUSANDO PREOCUPAÇÃO


NAS LAVOURAS DE SOJA
Autor:
Samuel Roggia
Pesquisador da equipe de entomologia - Embrapa Soja
Contato: samuel.roggia@embrapa.br

Na safra 2014/2015 foi a vez da lagarta-falsa- dutos a base da bactéria Bacillus thuringiensis. que de lagarta-helicoverpa ou lagarta-helio-
-medideira (Chrysodeixis includens) chamar Doenças, parasitoides e predadores são os this, o nível de controle é de 4 lagartas/pano,
atenção ocorrendo de forma generalizada em principais agentes de controle biológico, re- antes do florescimento e de 2 lagartas/pano,
soja no Brasil, enquanto o ataque de outras duzindo a intensidade de ataque da praga e a partir do florescimento. É muito importante
lagartas como a Helicoverpa foi pouco ex- seus danos a cultura da soja. Para usufruir dos que não se realize controle preventivo de la-
pressivo, ocorrendo de forma pontual e re- benefícios dos agentes de controle biológico, gartas na área de refúgio.
gionalizada. A falsa-medideira sempre esteve o agricultor deve fazer uso racional de inseti- Os percevejos não são controlados pela In-
presente nas lavouras de soja, no entanto, em cidas e fungicidas, aplicando produtos apenas tacta, portanto devem ser monitorados e
anos recentes, sua intensidade de ataque tem quando necessário e escolhendo aqueles mais controlados tanto na Intacta, como na área
aumentado. seletivos. Aplicações preventivas de inseticidas de refúgio. O controle de percevejos deve ser
O pico populacional da falsa-medideira tem tem se mostrado pouco efetivas no manejo realizado somente após o surgimento das va-
ocorrido na fase reprodutiva da soja, quando a de pragas, devido ao reduzido tempo residual gens (canivetinho) quando a densidade atingir
cultura está próxima da sua máxima área foliar, dos defensivos em condições de campo, mas 2 percevejos/pano. Para lavouras de sementes
o que reduz a penetração da pulverização para tem causado impacto severo sobre os agen- o nível de controle é de 1 percevejo/pano. A
as folhas do estrato inferior da planta, onde a tes de controle biológico. Pesquisas científicas aplicação preventiva de inseticidas para o con-
maior parte das lagartas-falsa-medideira está têm mostrado que o uso preventivo de inse- trole de percevejos, realizada na fase vegeta-
presente, reduzindo o seu controle. Como ticidas não seletivos, aumentam a severidade tiva, não contribui para o seu manejo e pode
agravante, nessa fase, a soja tolera menor des- do ataque de pragas como a falsa-medideira, aumentar a intensidade do ataque de pragas
folha, que não deve ultrapassar 15%. percevejos e ácaros. (lagartas, percevejo e ácaros) na fase repro-
Na safra 2014/2015, houve estiagem em al- O controle da falsa-medideira também pode dutiva da soja. Assim é desaconselhada a re-
gumas regiões produtoras, que favoreceu o ser realizado com a utilização de soja Intac- alização de pulverizações preventivas para o
aumento populacional da praga. Nessas con- ta RR2 PROTM (soja Bt) que contém a toxina controle de percevejos em soja.
dições, ocorrem temperaturas altas, que ace- Cry1Ac. Além da falsa-medideira, a tecnologia Nas condições atuais tem se tornado cada
leram o crescimento populacional da praga Intacta controla a lagarta-da-soja, lagarta- vez mais importante que o agricultor realize o
e baixa umidade do ar, que reduz a ação dos -heliothis, lagarta-elasmo, lagarta-enroladeira monitoramento da sua lavoura semanalmente,
agentes de controle biológico. Pesquisas cien- e lagarta-helicoverpa. Para evitar que as lagar- com o pano-de-batida, e faça o uso racional
tíficas indicam que em safras chuvosas, cerca tas se tornem resistentes à Intacta é necessário de inseticidas e fungicidas a fim de preservar
de 75% das falsa-medideiras morrem devido a utilizar área de refúgio, cultivada preferencial- os agentes de controle biológico. O monitora-
doenças ou parasitoides, e que em safras com mente com soja RR (tolerante ao glifosato). Na mento da lavoura também possibilita realizar o
estiagem a mortalidade natural reduz para área de refúgio, deve ser adotado o manejo controle no momento mais adequado e evitar
50%. Isso indica que, mesmo em condições integrado de lagartas com amostragens sema- que as pragas fujam do controle e coloquem
de estiagem, os agentes de controle biológico nais utilizando o método do pano-de-batida e em risco a produtividade da lavoura. A utiliza-
exercem importante papel na regulação popu- pulverizações só devem ser realizadas quando ção de soja Intacta é uma boa alternativa para
lacional da falsa-medideira, auxiliando o agri- a desfolha atingir 30% antes do florescimento o manejo de lagartas, porém a utilização da
cultor na proteção da sua lavoura ao ataque de ou 15% a partir do florescimento ou quando prática de refúgio é indispensável para que
pragas. O controle biológico também pode ser a densidade da lagarta-da-soja ou falsa-medi- essa ferramenta de controle continue eficiente
aplicado na lavoura, com a utilização de pro- deira atingir 20 lagartas/pano. No caso de ata- nas próximas safras.

6
C L I MA
Reflexos das Condições
Climáticas
na Safra 2014/2015
Autores:
Luiz Renato Lazinski Eng. Agr. Dr. Nelson Harger
Meteorologista - INMET/MAPA Coordenador de Grãos - EMATER
Contato: rlazinski@hotmail.com Contato: nelsonharger@emater.pr.gov.br

PRECIPITAÇÃO
O fenômeno climático “El Niño” esperado e em meados de janeiro, observamos mais to precoce. Houve relatos, principalmente
para esta safra de verão, atuou de forma um período com chuvas muito irregulares nestas regiões, de necessidade de replan-
muito fraca, permanecendo em condições e abaixo da média no estado. Em fevereiro tios. Pelo atraso na semeadura, em razão do
mais próximas à neutralidade climática. O houve chuvas mais abundantes e melhor clima, muitos agricultores substituíram suas
clima ao longo desta safra de verão, foi mar- distribuídas. intenções para a safra de inverno, optando
cado por chuvas muito irregulares no Sul do A falta e mesmo a irregularidade na distri- pelo trigo.
Brasil. Na maior parte dos estados do Rio buição das precipitações entre final de se- Na região Centro-Oeste, as chuvas tiveram
Grande do Sul e de Santa Catarina, as chu- tembro e início de novembro, provocaram uma distribuição mais regular no Mato Gros-
vas ficaram acima da média. Já no Paraná, um déficit hídrico no solo em algumas re- so e na maior parte de Goiás. No Mato Gros-
na maior parte do estado, as chuvas ficaram giões. Principalmente nas regiões noroeste so do Sul e sul de Goiás, as chuvas foram
abaixo do esperado para a época do ano. A e norte do Paraná, houve problemas e atra- muito irregulares, prejudicando algumas
safra no Paraná começou com boas chuvas sos de plantio em cerca de 30 dias. Aque- lavouras nestas regiões. Na região Sudeste,
ocorridas na última quinzena de setembro, les produtores que efetuaram o plantio em as precipitações continuaram muito irregu-
porém o mês de outubro registrou um pe- condição de baixa umidade no solo, tiveram lares e abaixo da média na maior parte de
ríodo que variou de 12 a 18 dias sem chuva problemas com a emergência da soja, falhas São Paulo e Minas Gerais. Já no Nordeste, as
no estado. Durante os meses de novem- de “stand” e um desenvolvimento inicial de- chuvas ficaram abaixo da média, principal-
bro e dezembro, as chuvas normalizaram suniforme, com porte baixo e florescimen- mente no oeste da Bahia e no Piauí.

TEMPERATURA
As temperaturas observadas ao longo des- e muito acima da média para a época do preocupando os agricultores pela dificulda-
ta safra, registraram valores acima da média ano. No Paraná, em razão do clima seco e de de controle, em função de sua localiza-
em toda a região Sul do Brasil, sendo que quente em janeiro, houve um aumento da ção na planta (terço médio e inferior).
nos primeiros vinte dias de janeiro foi ob- população das pragas, em especial da lagar-
servado o período mais quente desta safra ta “falsa-medideira” (Chrysodeixis includens),

PROGNÓSTICO
Mesmo com as adversidades iniciais de falta a tendência do clima não deve alterar muito com características de chuvas de verão, que
e irregularidade das chuvas, bem como do e continuamos com a previsão de precipi- ocorrem normalmente no final do dia e à
clima quente e seco em janeiro, no Para- tações mais regulares e melhor distribuídas noite, muitas vezes acompanhadas de tro-
ná como um todo, existem expectativas de para o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. voadas e rajadas de vento ocasionais.
boas produtividades médias. No Paraná, as chuvas continuam muito ir- As temperaturas devem continuar acima da
Os prognósticos dos modelos de previsão regulares, intercalando períodos com chu- média, como observado nos últimos meses,
climática seguem mostrando a continuida- va acima da média, com períodos maiores intercalando períodos um pouco mais quen-
de desta situação de neutralidade. Com isto, com pouca ou nenhuma precipitação. Vale tes para a época do ano com períodos de
podemos dizer que, para os próximos meses, ressaltar que estas precipitações continuam temperaturas mais amenas.

www.fundacaomeridional.com.br 7
Produtores e técnicos são homenageados
pelo Projeto Lavouras Expositivas
RESULTADOS

Produtores e técnicos que participaram do sistência técnica. tiza Henrique Menarim, diretor-técnico da
Projeto Lavouras Expositivas com a varieda- Para a Menarim Sementes, este trabalho Menarim Sementes.
de de trigo BRS Sabiá, na safra de inverno é bastante relevante para a divulgação de “Este projeto tem sido uma importante
2014, foram homenageados pela parceria novas tecnologias. “Nossa empresa instalou ferramenta de inovação tecnológica e têm
Embrapa/Fundação Meridional. uma área de BRS Sabiá e pode comprovar proporcionado uma maior aproximação
O projeto é uma metodologia inovadora e o elevado potencial produtivo da cultivar, entre agricultores; assistentes técnicos; co-
consiste na instalação de lavouras com as além da boa tolerância às principais doenças laboradores da Fundação Meridional e pes-
novas cultivares geradas pela parceria, com da cultura. O Projeto Lavouras Expositivas é quisadores. Assim, ocorre uma unificação
objetivo de divulgação visual e de realização de fundamental importância, pois além de das informações e todos acompanham a
de dias de campo. Estas áreas são condu- divulgar as novas cultivares no ano de seu performance da nova cultivar e seus méritos
zidas por agricultores previamente selecio- lançamento, também possibilita avaliar o em relação às demais variedades”, ressalta
nados em diferentes localidades, com perfil comportamento em diferentes sistemas de Milton Dalbosco, coordenador da área de
tecnificado e que agem como influenciado- cultivo, bem como seu potencial produtivo transferência de tecnologia da Fundação
res na formação de opinião, junto com a as- comparado aos padrões de mercado”, enfa- Meridional.