You are on page 1of 55

PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –

ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ


PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Olá!
Nesta aula 4, darei continuidade ao estudo sobre a sintaxe da
oração e do período, agora com o foco voltado para as relações existentes
entre as orações. Será preciso lançar mão de conceitos sobre o que é uma
oração e o que é um período. Lembra-se de que na aula anterior iniciei minhas
explicações esclarecendo o que é uma oração e o que é um período? Se você
ainda tem dúvidas de reconhecê-los, deve reler o material do nosso último
encontro.
A maior parte dos exercícios e comentários será apresentada ao
final da aula, após a exposição da parte teórica. Você perceberá que o Cespe
não está dando ênfase às nomenclaturas das orações, mas sim ao valor
semântico delas em relação ao período.
Acontece que tenho notado que muitos alunos sentem dificuldades
de responder às questões de provas sobre orações porque desconhecem suas
conjunções características e classificações. Sou contra aquele tipo de
“decoreba” a que normalmente nos sujeitamos durante os tempos escolares.
Você se deparará – só para dar um exemplo – com casos em que uma
conjunção tipicamente adversativa introduz uma oração de valor semântico
aditivo, e vice-versa.
Admito, porém, que há certa importância nos estudos “cartesianos”
das orações. Alguns professores tornam esse assunto mais difícil de ser
compreendido porque partem do princípio de que seus alunos já vão para a
sala de aula sabendo classificar cada oração, reconhecendo suas características
e valores semânticos. Não pretendo incorrer em equívoco semelhante, por isso
iniciarei explicando cada uma delas separada e detalhadamente.
De início, você deve observar que as orações surgem organizadas
em períodos. Um período pode ser classificado em simples ou composto.
Será simples quando contiver apenas uma oração (um verbo ou uma locução
verbal), caso em que a oração será dita oração absoluta.

Vive-se um momento social delicado.


Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 1
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Os alunos continuam estudando.


Será composto quando nele houver mais de uma oração, caso em
que as orações estarão articuladas em uma relação de igualdade
(coordenação) ou dependência (subordinação) sintáticas.

Eu vou à escola; você, à praia.

A primeira observação a ser feita sobre o exemplo acima é que o


verbo da segunda oração – “você, à praia” – foi substituído pela vírgula, já que
esta é uma das funções desse sinal de pontuação. A segunda, perceba, é que
as orações se equivalem sintaticamente, o que caracteriza a coordenação
entre elas. Note que na palavra “coordenação” existe o elemento “co”, que
traduz a ideia de igualdade, nivelamento. Em outras palavras, não há o
exercício de uma função sintática (sujeito, objeto, adjunto adnominal etc.) por
qualquer das orações do período.

É necessário que vocês estudem.

A respeito da frase anterior, podemos dividi-la em duas orações: “É


necessário” e “que vocês estudem”. Alguém já deve ter percebido que o a
primeira oração é constituída por um verbo de ligação (SER) e por um termo
(“necessário”) que confere um atributo ao sujeito desse verbo. Mas onde está
o sujeito dele? Se você percebeu que o sujeito é a segunda oração (“que vocês
estudem”) está de parabéns! Caso contrário, sugiro que coloque a frase na
ordem direta:

Que vocês estudem é necessário.

Ficou melhor? Não?! Tente usar um velho e bom artifício: substitua


a oração “Que vocês estudem” pelo pronome ISSO, assim:

Isso é necessário.

Notou agora a função sintática de sujeito sendo exercida pela


oração “Que vocês estudem”? Pois é, quando uma oração desempenha alguma
função sintática na outra, dizemos que a relação entre elas é de
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 2
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

subordinação. Note que no vocábulo “subordinação” existe o prefixo “sub”,


tradutor da noção de posição abaixo, dependência.
Vezes há em que, em um mesmo período, as orações que o
compõem articulam-se de forma coordenada e, também, subordinada.

Eu disse que trabalho e estudo.

As duas últimas orações (“que trabalho e estudo”)


subordinam-se sintaticamente à primeira (“Eu disse”), complementando o
significado do verbo “disse” (o que?), exercendo a função sintática de objeto
direto (isso). Não obstante, entre si mesmas, as duas últimas orações
estabelecem uma relação sintática coordenada. A terceira oração soma-se à
segunda para, juntas, indicarem o que foi dito. Logo, o período é misto, ou
seja, composto por subordinação e coordenação ao mesmo tempo.
Bem, já que falamos na relação coordenada entre orações,
precisamos agora estudar as classificações e os valores semânticos de cada
uma delas. Além disso, devemos notar se essa articulação coordenada se dá
por meio de um conectivo ou não. Sendo a resposta afirmativa, teremos uma
coordenação sindética (o vocábulo síndeto significa conjunção) entre
orações. Caso a resposta seja negativa, estaremos de uma coordenação
assindética (sem conjunção). Averiguemos!

Orações Coordenadas Assindéticas e Sindéticas

As orações coordenadas que se ligam uma às outras sem


conjunção são chamadas assindéticas. Diferentemente, as orações
coordenadas sindéticas são conectadas por uma conjunção que recebe nome
semelhante ao da oração.

Lá estava, lá fiquei. (coordenada assindética, sem conjunção)


Sentou e olhou ao redor. (coordenada sindética, com conjunção)
Estudou, mas não passou. (coordenada sindética, com conjunção)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 3


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

ATENÇÃO! 1 – Costuma-se chamar coordenada inicial a primeira oração de


um período composto por coordenação.
2 – O mesmo período pode ser composto por orações coordenadas
assindéticas e sindéticas.
“Vi, vim e venci.” (a segunda oração – “vim” – coordena-se à
primeira sem conjunção; a terceira – “e venci” – articula-se por meio da
conjunção “e”).

• CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES COORDENADAS SINDÉTICAS

a) Aditivas – indicam fatos sequenciais, dando a ideia de soma.


Ela falava, e eu ouvia.
Nossas crianças não fumam nem bebem.
Ele não só passou no concurso, mas também tirou o primeiro
lugar. (esta é uma estrutura aditiva enfática)

b) Adversativas – exprimem fatos opostos ao que se declara na


oração coordenada anterior; ideia de contraste.
Apressou-se, contudo não chegou a tempo.

Principais conjunções e locuções: mas, porém, todavia, entretanto, no


entanto, não obstante. Cuidado: senão, ao passo que, antes, em todo
caso (conforme Cegalla, 2008, pág. 290).

c) Alternativas – exprimem fatos que se alternam ou se excluem


mutuamente.

Ora respondia, ora ficava mudo.


Estarei lá, quer você permita, quer você não permita.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 4


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Principais conjunções: ou... ou...; ora... ora...; já... já...; quer... quer...;
seja... seja...

d) Conclusivas – expressam uma conclusão lógica que é obtida a


partir dos fatos expressos na oração anterior.

Ele estuda; passará, pois.

ATENÇÃO! A conjunção pois tem valor semântico conclusivo quando aparecer


após o verbo da oração em que surge. Antes dele, porém, ela integrará oração
de cunho explicativo.
Principais conjunções e locuções: logo, pois, portanto, por conseguinte, por
isso, de modo que, em vista disso.

e) Explicativa – expressam a justificativa de uma ordem, suposição


ou sugestão.
Fique calmo, pois ele já vem.
Choveu durante a noite, porque as ruas estão molhadas.

ATENÇÃO! Não devemos confundir explicação com causa, isto é, orações


coordenadas sindéticas explicativas com orações subordinadas adverbiais
causais. Uma explicação é sempre posterior ao fato que a gerou; uma causa é
sempre anterior à consequência gerada. Além disso, as orações explicativas
normalmente aparecem após frases imperativas ou optativas.
Principais conjunções: que, porque, porquanto, pois (antes do verbo da oração
explicativa)

OBSERVAÇÕES: 1 – “Não se deve classificar uma oração considerando


apenas a conjunção que a introduz.

Pediu-lhe a filha em casamento, e logo se arrependeu.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 5


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Apesar da conjunção ‘e’ ser normalmente aditiva, percebe-se que a segunda


oração é coordenada sindética adversativa; pois, nesse contexto, a conjunção
‘e’ apresenta valor de contraste, de oposição.” (João Domingues Maia)
2 – “Para a Nomenclatura Gramatical Brasileira, no entanto,
vale a forma. A conjunção ‘e’ é aditiva e fim. [...] felizmente, essa visão
limitada já está fora de moda. A classificação leva em conta o sentido efetivo.”
(Ulisses Infante e Pasquale Cipro Neto)
3 – “Há orações coordenadas assindéticas que possuem
claramente valor de sindéticas, porque apresentam um conectivo
subentendido.

Fiz o possível para prevenir-lhe o perigo; ninguém me ouviu.


Fale baixo: não sou surdo.

A terceira oração do primeiro período (‘ninguém me ouviu’) e a segunda do


segundo período (‘não sou surdo’), apesar de formalmente assindéticas, já que
não apresentam conjunção, têm sentidos bem marcados: a primeira tem valor
semântico adversativo (equivale a ‘mas ninguém me ouviu’); a segunda,
explicativo (equivale a ‘pois não sou surdo’).
Por isso convém insistir em que você se preocupe mais com o
uso efetivo das estruturas linguísticas do que com discussões às vezes
intermináveis sobre questões de mera nomenclatura.” (Ulisses Infante e
Pasquale Cipro Neto, com adaptações).
Antes de passar adiante e tratar das orações subordinadas, quero
exemplificar o que foi dito anteriormente com uma questão de concurso
público.
Marque a alternativa em que se observa a mesma relação de sentido de adição
que se verifica entre as orações coordenadas em “Não nos deixeis cair em
tentação, mas livrai-nos do mal”.

a) Tem olhos, e não vê.


Tem boca, e não fala.
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 6
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

b) — Você pode viajar sozinha, mas apenas por uma semana.


c) Qualquer passo em falso, e você colocará tudo a perder!
d) A nova secretária era competente, mas principalmente responsável.

Comentário – Na alternativa A, as orações coordenadas introduzidas pela


conjunção “e” possuem claro valor semântico adversativo. Em B, a oração
“mas apenas por uma semana” expressa a condição para que o fato
mencionado anteriormente seja levado a efeito. A terceira alternativa
apresenta oração coordenada que traduz a consequência imediata da
realização do fato mencionado antes. Finalmente, é na última alternativa em
que encontramos oração coordenada (“mas principalmente responsável”) com
a mesma relação de sentido aditivo existente também na oração “mas livrai-
nos do mal”, no comando da questão.
Resposta – D

Como você pode perceber, não devemos nos limitar à análise fria e
tradicional das conjunções durante o processo de classificação das orações. É
fundamental, antes, perceber a relação semântica existente entre elas.
A partir de agora, trataremos das orações subordinadas, que
podem exercer funções típicas de substantivos, advérbios e adjetivos.
Antes de estudarmos suas características e valores semânticos, apresentarei
um quadro-resumo delas.
Orações Subordinadas

Substantivas Adverbiais Adjetivas


1 – Subjetiva 1 – Causal 1 – Explicativa
2 – Predicativa 2 – Consecutiva 2 – Restritiva
3 – Objetiva Direta 3 – Condicional
4 – Objetiva Indireta 4 – Concessiva
5 – Completiva Nominal 5 – Comparativa
6 - Apositiva 6 – Conformativa
7 – Temporal
8 – Proporcional
9 – Final

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 7


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Orações Subordinadas Substantivas

São aquelas que desempenham funções típicas de substantivos no


período simples. Elas podem surgir em duas formas:

1. desenvolvidas ligam-se à oração principal por meio das conjunções


subordinativas integrantes que e se, ou ainda por meio de um pronome
ou advérbio interrogativo.

É importante que estudemos com afinco. (conjunção integrante)


Perguntamos se voltará hoje. (conjunção integrante)
Ele quer saber que horas são. (pronome interrogativo)
Ele indagou quando será a prova. (advérbio interrogativo)

2. reduzidas apresentam verbo no infinitivo e podem ser introduzidas


por preposição.

É importante estudar com afinco.


Pensou em omitir o fato, mas se arrependeu.

• Subjetiva (equivale-se ao sujeito da oração principal)

É fundamental a sua opinião sobre o assunto.


É fundamental que você opine sobre o assunto.
É fundamental você opinar sobre o assunto.
O primeiro exemplo constitui-se de período simples. Nele há
apenas uma oração (um só verbo), cujo sujeito é a expressão a sua opinião
sobre o assunto. Colocando-se a frase na ordem direta, é mais fácil perceber
isso: A sua opinião sobre o assunto é fundamental.
Nos dois últimos exemplos, há períodos compostos, pois a
expressão inicial foi transformada em duas orações: uma na forma
desenvolvida (com a conjunção integrante que); outra na forma reduzida
(verbo opinar no infinitivo).
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 8
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

ATENÇÃO! Quando ocorre oração subordinada substantiva subjetiva, o verbo


da oração principal sempre fica na terceira pessoa do singular.

Estruturas típicas da oração principal nesse caso são:

1. verbo de ligação + predicativo é bom...; é conveniente...; é claro...;


está comprovado...; parece certo ...; fica evidente... etc.

É preciso que se adotem providências eficazes..


Parece estar provado que soluções mágicas não funcionam..

2. verbo na voz passiva sintética ou analítica sabe-se...; soube-se...;


comenta-se...; dir-se-ia...; foi anunciando...; foi dito... etc.

Sabe-se que a prova está próxima.


Foi dito que a prova será adiada.
3. verbos como cumprir, convir, acontecer, importar, ocorrer, suceder,
parecer, constar, urgir etc. conjugados na terceira pessoa do singular.

Convém estarmos aqui.


Urge que tomemos uma decisão.

1. (Cespe/PC-CE/Inspetor de Polícia/2012) No trecho “É verdade que a CE


vem desenvolvendo novas formas políticas” (L.21-22), o emprego da
forma verbal singular “É” justifica-se pelo fato de essa forma verbal não
ter sujeito explícito.

Comentário – Deve chamar sua atenção a estrutura verbo de ligação +


predicativo (“É verdade”), como explicado no item 1 acima. Agora, uma
preciosa dica para classificar adequadamente as orações subordinadas
substantivas: substitua a oração “que a CE vem desenvolvendo novas formas
políticas” pelo pronome demonstrativo ISSO: É verdade ISSO. Se preferir,
reorganize tudo: ISSO é verdade. Ficou fácil identificar o sujeito da forma
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 9
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

verbal “É”, certo? Pois é, trata-se de um sujeito oracional e de uma oração


subordinada substantiva subjetiva.
Resposta – Item errado.

2. (Cespe/MP/Analista de Infraestrutura/2012) Seria mantida a correção


gramatical do período “É fato que os números absolutos impressionam”
(L.11-12), caso a preposição de fosse inserida imediatamente antes da
conjunção “que”.

Comentário – Estamos diante de uma estrutura típica de ORAÇÃO PRINCIPAL


(“É fato”: verbo de ligação + predicativo do sujeito) seguida de ORAÇÃO
SUBORDINADA SUBSTANTIVA SUBJETIVA (“que os números absolutos
impressionam”). Portanto não faz sentido empregar a preposição de antes da
conjunção integrante “que”. Não convém preposicionar o sujeito desse modo;
nem sequer existe algum verbo ou nome requerendo tal preposição.
Resposta – Item errado.

• Objetiva Direta

Complementa o valor semântico do verbo transitivo direto da


oração principal, articulando-se com ela sem o intermédio de preposição
obrigatória.
Ressalte-se que, nas frases interrogativas indiretas, as orações
subordinadas substantivas objetivas diretas podem ser introduzidas pelas
conjunções subordinativas integrantes se ou que e, ainda, por pronomes
ou advérbios interrogativos.
Tome cuidado porque as bancas examinadoras podem perguntar,
por exemplo, se “as palavras em destaque nos trechos abaixo possuem a
mesma classificação gramatical” e sublinhar, maliciosamente, dois vocábulos
introdutores de orações subordinadas substantivas objetivas diretas. Partindo
da ideia comum de que elas são iniciadas por conjunções integrantes, é
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 10
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

possível que algum candidato mais afoito diga “sim”, sem se dar conta de que
pode estar diante de uma conjunção integrante e um pronome interrogativo.

Todos sabemos que ele aceitará o convite.


como as coisas funcionam aqui.
onde fica a farmácia.
quanto custa o remédio.
quando acabam as aulas.
qual é a matéria da prova.

ATENÇÃO! Com os verbos deixar, mandar fazer (causativos), ver, sentir e


ouvir (sensitivos), ocorre um tipo especial de oração subordinada
substantiva objetiva direta:

Ouvi-os bater.
Deixe-me entrar.

As orações em destaque são reduzidas de infinitivo. E o mais interessante é


que os pronomes oblíquos átonos os e me são os sujeitos dos verbos no
infinitivo. Na Língua Portuguesa, esse é o único caso em que tais pronomes
desempenham tal função sintática.

3. (Cespe/IRBr/Diplomata/2012) No período “Que Demócrito não risse, eu o


provo” (L.20), o verbo provar complementa-se com uma estrutura em
forma de objeto direto pleonástico, com uma oração servindo de referente
para um pronome.

Comentário – A oração “Que Demócrito não resiste” (iniciada por uma


conjunção integrante) é subordinada substantiva objetiva direta. Por estar
antecipada e retomada pelo pronome oblíquo (que funciona como objeto direto
pleonástico ou repetido), surge separada pela vírgula (voltaremos a esse caso

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 11


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

na aula específica sobre pontuação). Entenda a frase da seguinte forma: Eu


provo que Demócrito não risse (Eu provo ISSO).
Resposta – Item certo.

• Objetiva Indireta
Completa o sentido de um verbo transitivo indireto da oração
principal. Normalmente vem introduzida por preposição, mas esta pode ser
omitida.

Lembro-me de que fizemos muitas visitas. (Mário Donato)


Meu Deus, só agora me lembrei que a gente morre. (Clarice Lispector)

• Completiva Nominal

Liga-se a um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) da oração


principal completando seu significado. É introduzida por preposição (como todo
complemento nominal).
Tenho a impressão de estar sempre no mesmo lugar.
substantivo

A nova metodologia é útil para diminuir a margem de erro.


adjetivo

Está perto de fazermos a prova.


advérbio

Atenção! Quanto à obrigatoriedade do emprego da preposição,


devo fazer alguns esclarecimentos. Já não se discute o emprego facultativo da
preposição diante de oração objetiva indireta. Exemplo: Concordamos (com)
que o aumento seja maior. Não me recordo agora de uma questão
problemática envolvendo esse tipo de análise. Quando o foco é uma oração
completiva nominal, o emprego da preposição suscita dúvidas. Há quem

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 12


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

defenda a obrigatoriedade do emprego da preposição. A Esaf, por exemplo, já


se manifestou a respeito no passado. Veja o item da prova de AFT/2003:

Na América Latina, por exemplo, “a integração global


aumentou ainda mais as desigualdades salariais”, e há uma
preocupação generalizada que o processo esteja levando uma
maior desigualdade no próprio interior dos países. Essa
desigualdade já alcançou os Estados em suas relações
assimétricas.

O item foi considerado errado também por causa da falta da preposição “de”:
...preocupação generalizada de que o processo... Mas não podemos ignorar a
argumentação daqueles que defendem a possibilidade de omissão da
preposição. O eminente Celso Pedro Luft, por exemplo, diz que “é viável a
elipse da preposição” (Dicionário Prático de Regência Nominal). O Cespe já
trilhou essa mesma linha. Analise atentamente o item seguinte
(TJ-BA/Oficial de Justiça/2005), que foi considerado correto pelo examinador.

“Não há dúvida de que, no início do século XXI, os EUA


chegaram mais perto do que nunca da possibilidade de
constituição de um império mundial”. Como na sequência há
um complemento oracional, a omissão da preposição "de" "não
há dúvida de que" também estaria de acordo com as
exigências da norma escrita culta.

Cegalla (2008:386) diz que “As completivas nominais são regidas de


preposição, a qual em certos casos pode ser omitida” (observe a contundência
da afirmação na primeira parte da frase). Ele não esclarece quais são os casos,
apenas dá um exemplo e nada mais: “Zé Grande tinha a impressão [de] que
estava voltando a ser criança”. Segundo Evanildo Bechara (2009:483-4),
“pode-se prescindir da preposição que inicia uma oração objetiva indireta ou
completiva nominal”. Ele apresenta dois exemplos: a) “ ‘...em que o avisava
[de] que em conselho se decidirá que o fossem cercar...’ ”; b) “...tive medo
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 13
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[de que] fosse ouvida...” (note que agora o conectivo também foi omitido).
Como se percebe, tudo depende do ponto de vista dos examinadores, até que
uma bibliografia seja definida no edital. Enquanto isso não acontece, devemos
analisar cuidadosamente todas as opções e marcar a melhor resposta.

• Predicativa

Funciona como um predicativo do sujeito da oração principal; seu


valor semântico caracteriza, especifica, determina o sujeito dela. É de se notar
também a presença de um verbo de ligação na oração principal.
Nosso desejo era encontrares o teu caminho.
O triste é que não era uma planta qualquer.

• Apositiva

Atua como aposto de um termo da oração principal e é marcada


pela pontuação (vírgula, dois-pontos). Seu significado amplia, explica,
desenvolve, resume o conteúdo da oração principal.

O boato, de que o presidente renunciaria, espalhou-se


rapidamente.
Só resta uma alternativa: encontrar o culpado.

Orações Subordinadas Adverbiais


Características
I. Têm valor semântico de advérbio (causa, tempo, condição,
finalidade etc.) e exercem função de adjunto adverbial em relação à oração
principal;

II. Desenvolvidas: possuem verbo no modo indicativo ou subjuntivo e


são introduzidas por conjunção;

III. Reduzidas: possuem verbo na forma nominal (infinitivo, gerúndio,


particípio).
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 14
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Classificações

I. Causal: expressa a causa do que se diz na oração principal.

Como não haviam combinado, uns cantavam em inglês e outros em


português. (Clarice Lispector)

II. Consecutiva: apresenta a consequência do que se diz na oração


principal.

Fiquei tão alegre com esta ideia que ainda agora me treme a pena na
mão. (Machado de Assis)

III. Condicional: estabelece uma condição para que o fato expresso na


oração principal se realize.

Eu cantarei, se as Musas me ajudarem, a verdadeira história de


Elpenor. (Augusto Meyer)

IV. Concessiva: expressa um fato que deveria impedir o acontecimento


do que se declara na oração principal.

[...] descobri-me, embora estivessem muitas pessoas na sala.


(Graciliano Ramos)

V. Comparativa: indica o segundo elemento de uma comparação.


Ele saiu da vida como quem sai de uma festa. (Cassiano Ricardo)

ATENÇÃO! Muitas vezes, o verbo da oração subordinada adverbial


comparativa está oculto.

As ideias marinhavam-lhe no cérebro, como em hora de temporal


[...]. (Machado de Assis)
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 15
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Além disso, a oração à qual se subordina a oração comparativa pode


apresentar expressões como: mais, menos, pior, tal, tanto.

4. (Cespe/TJ-RO/Analista Judiciário/Análise de Sistemas/2012) No que se


refere a aspectos morfossintáticos e semânticos do texto, assinale a opção
correta.

a) Na oração “que o governo popular” (L.8), que expressa uma


consequência, há elipse da forma verbal “exige” (L.7).
b) Os elementos “menos” (L.8) e “outras” (L.8) são modificadores de
intensidade relacionados ao núcleo nominal “virtudes” (L.8).
c) Sem contrariar o sentido original do texto e mantendo-se a correção
gramatical, a expressão “perante a autoridade da experiência” (L.2)
poderia ser reescrita da seguinte forma: perante ao reconhecimento
da autoridade dos mais experientes.
d) Na oração “a terceira é o pior de todos os governos” (L.7), o verbo
poderia ser suprimido e a vírgula, empregada no lugar dele, para indicar a
elipse.
e) Na linha 7, “se exige” corresponde a é exigido.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 16


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Comentário – Alternativa A: errada. A oração destacada é comparativa. O


autor do texto compara a exigência de virtudes feita pela aristocracia com a
que é feita pelo governo popular. O verbo realmente está elíptico: “que o
governo popular [exige]”. Mas isso não impede que a sentença esteja errada.
Alternativa B: errada. A ideia transmitida pelo elemento
“outras” é qualitativa, e não quantitativa.
Alternativa C: errada. Perante já é preposição e, por isso,
dispensa outra preposição ao seu lado. Em “perante a autoridade”, o “a” é
artigo definido. Então, não é correta a sintaxe perante ao reconhecimento.
O a está sobrando no trecho.
Alternativa D: certa. A elipse do verbo pode muito bem ser
indicada por meio da vírgula. A compreensão da frase é facilitada pela
evidência do mesmo verbo na oração anterior. Veja: ...a segunda, a
aristocracia propriamente dita, é o melhor governo; a terceira, o pior de todos
os governos. A vírgula que substitui normalmente o verbo é chamada de
vírgula vicária.
Alternativa E: errada. Não confunda a estrutura “se exige”
com a flexão do verbo em voz passiva sintética. O “se” não é pronome
apassivador; é conjunção condicional. Veja o trecho com outra organização:
Contudo, se a aristocracia exige menos virtudes que o governo popular
[exige]... Outra dica legal é trocar o “se” por caso (com as devidas
adaptações): Contudo, caso exija a aristocracia menos virtudes que o governo
popular...
Resposta – D

VI. Conformativa: a ideia expressa nela está de acordo com a que é dita
na oração principal.

Conforme nos mandara o sargento, ficamos passando um pelo outro.


(Mário Donato)

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 17


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

VII. Proporcional: expressa um fato que se realiza proporcionalmente ao


que se diz na oração principal.

Quanto mais uma civilização é artista, mais ela se afasta da natureza.


(Graça Aranha)

VIII. Final: indica a finalidade do que se diz na oração principal.

O fuzil foi passado de mão em mão, para que todos aprendessem os


quatro movimentos.

IX. Temporal: expressa o tempo em que ocorre o que se diz na oração


principal.
Quando o semáforo abriu, ele tentou arrancar na bicicleta [...].
(Lourenço Diaféria)

Observe que as três orações subordinadas abaixo destacadas


apresentam estruturas diferentes das anteriores. Nelas não há verbos
desenvolvidos (conjugados no modo indicativo ou subjuntivo) nem conjunções.
Agora, os verbos assumem uma das formas nominais (gerúndio, infinitivo e
particípio).

Ao abrir o semáforo, ele tentou arrancar na bicicleta. (infinitivo)


Aberto o semáforo, ele tentou arrancar na bicicleta. (particípio)
Abrindo o semáforo, ele tentou arrancar na bicicleta. (gerúndio)

Uma vez estudadas as características e os valores semânticos das


orações subordinadas adverbiais, convém agora apontar as principais
conjunções que fazem a articulação entre elas e sua principal.
Porque; como; que; pois; porquanto; visto que; dado
Causais
que; já que; uma vez que; na medida em que; etc.
Consecutivas Que, de forma que, de maneira que, de modo que etc.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 18


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Que; (do) que; quanto; como; assim como; bem como;


Comparativas
etc.
Ainda que; embora; mesmo que; posto que; por mais
Concessivas que; se bem que; por pouco que; nem que; conquanto
etc.
Se; caso; sem que; contanto que; salvo se; desde que;
Condicionais
a menos que; a não ser que; que; etc.
Conformativas Conforme; como; segundo; consoante; etc.
Finais Para que; a fim de que; que; etc.
À medida que; à proporção que; ao passo que; quanto
mais... mais; quanto menos... menos; quanto maior...
Proporcionais
maior; enquanto (conforme Cunha e Cintra, 2008,
págs. 604 e 623) etc.
Quando; enquanto; antes que; depois que; desde que;
Tempo logo que; assim que; até que; que; apenas; mal;
sempre que; tanto que; etc.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 19


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

5. (Cespe/TRE-RJ/Técnico Judiciário/2012) As relações sintáticas do período


não seriam prejudicadas caso se substituísse “enquanto” (L.7) por ao
passo que.

Comentário – Considero esta questão difícil, pois não aprendemos isso


durante os muitos anos de estudo na escola nem em alguns cursos
preparatórios. O examinador deve ter se fundamentado na Nova gramática do
português contemporâneo (CUNHA & CINTRA, 2008, pág. 604). Leia com
atenção o que os gramáticos ensinam:

As [conjunções] PROPORCIONAIS iniciam uma oração


subordinada em que se menciona um fato realizado ou para
realizar-se simultaneamente com o da oração principal. São as
conjunções à medida que, ao passo que, à proporção que,
enquanto, quanto mais... mais , quanto mais... tanto mais,

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 20


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

quanto mais... menos, quanto mais... tanto menos, quanto


menos... menos, quanto menos... tanto menos, quanto menos...
mais, quanto menos... tanto mais (...). [grifos meus]

Na página 623, existem os seguintes exemplos de orações


proporcionais:

a) “Choviam os ditos / ao passo que ela seguia pelas


mesas. /” e
b) “Duas ou três funcionárias aproximaram-se, / enquanto o
servidor / que fizera a pergunta / ia dando o fora. /”.

Esclareço que não encontrei a conjunção enquanto


classificada como adversativa nas gramáticas de Bechara, Cegalla e Celso
Cunha. Já a locução conjuntiva ao passo que consta em Cegalla (2008, pág.
290) também como adversativa.
Resposta – Item certo.

Dizem que se conselho fosse bom ninguém daria, mesmo assim eu


arrisco um: não confunda as locuções conjuntivas à medida que e na
medida em que. A primeira introduz oração subordinada tradutora de valor
semântico de proporcionalidade; a segunda inicia oração subordinada que
expressa a causa de um fato. Já vi muito candidato bom “derrapar” por falta
de atenção a esse detalhe.
Quer outro conselho? Não confunda oração subordinada adverbial
causal com oração coordenada sindética explicativa! Em alguns momentos,
elas podem apresentar semelhanças que dificultam a análise correta. Por
exemplo, ambas admitem as conjunções pois, que, porque, porquanto.
Porém, um pouco de atenção para os aspectos que vou assinalar pode ser de
grande utilidade:

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 21


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[Ele pegou a doença] [porque [Não ande descalço,] [porque


andava descalço.] você vai pegar uma doença.]
1. Há uma relação de causa e 1. Não há relação de causa e
consequência entre as duas orações. consequência: apenas é dado o
motivo para que não se ande
descalço.
2. A conjunção que introduz a 2. Pode-se eliminar a conjunção
oração causal não pode ser eliminada. coordenativa explicativa: Não ande
descalço, você vai pegar uma
doença.
3. A oração adverbial pode ser 3. Não se pode transformar a
transformada em oração reduzida de oração coordenada em oração
infinitivo: Ele pegou a doença por reduzida.
andar descalço.
4. O verbo da oração principal não 4. A oração anterior à explicativa
expressa dúvida ou hipótese. geralmente possui verbo no
imperativo ou tem caráter hipotético.
De outro modo, poderíamos dizer: Ele
dever ter andado descalço, pois
pegou uma doença.

Orações Subordinadas Adjetivas

As orações subordinadas adjetivas podem equivaler-se,


semanticamente, a adjetivos, ou seja, caracterizar um substantivo,
atribuindo-lhe qualidade, estado ou modo de ser. Sintaticamente, podem
exercer a função de adjunto adnominal de um termo da oração principal.
Observem:

Deve-se investir em soluções definitivas.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 22


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Deve-se investir em soluções que resolvam definitivamente os


problemas.

Comparando os dois exemplos acima, é fácil perceber que, no


segundo, a oração “que resolvam definitivamente os problemas”
discrimina o substantivo “soluções” e restringe o seu alcance semântico. Além
disso, exerce função idêntica à do adjetivo “definitivas” no primeiro exemplo:
ambas as expressões são adjuntos adnominais do substantivo “soluções”,
que é núcleo do objeto indireto.

• ORAÇÕES ADJETIVAS RESTRITIVAS E EXPLICATIVAS

Na relação que estabelecem com o termo a que se referem, as


orações subordinadas adjetivas podem atuar de duas maneiras distintas:
restringindo e individualizando esse termo ou simplesmente explicando,
realçando, amplificando uma informação sobre ele.
O jovem que estuda passa.
Oraç. Subord. Adj. Restritivas
O homem que luta vence.
O homem, que é mortal, almeja a vida eterna.
Oraç. Subord.
Cristo, que é filho de Deus, morreu por nós. Adj. Explicativas

No primeiro caso, as orações adjetivas equiparam-se a verdadeiros


adjetivos restritivos (aqueles cujos valores semânticos não constituem um
atributo inerente a todo e qualquer ser de mesma natureza): nem todo jovem
passa (apenas o que estuda); nem todo homem vence (somente o que luta).
Elas funcionam como adjuntos adnominais e não podem ser separadas do
substantivo por vírgulas.
No segundo caso, as orações adjetivas têm valor semântico
explicativo, pois expressam uma característica intrínseca, essencial ao termo a
que se referem: todo homem é mortal; Cristo é filho de Deus. Por não
influenciarem o significado do termo a que se referem, podem ser retiradas da

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 23


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

frase ou ficarem separadas do substantivo pela pontuação sem implicar


alteração semântica. Sendo assim, elas funcionam com aposto explicativo.

[...]
A crescente e constante ampliação da escolaridade feminina
tem contribuído para ampliar o espaço de atuação das
mulheres no mercado de trabalho também em profissões
16 que, historicamente, têm sido consideradas como espaços
masculinos. As profissões científicas e tecnológicas inserem-se
nesse contexto. Essas carreiras estão associadas a
19 conhecimentos de ciência e tecnologia cuja construção
histórica e social foi marcada por exclusões de gênero que
resultaram em campos com predominância masculina, seja pelo
22 perfil de gênero dos seus profissionais, seja pela forma como
seus conhecimentos se desenvolveram, estruturaram-se ou se
organizaram. A baixa participação feminina, nesse universo,
25 ainda é uma realidade, particularmente na Engenharia. A
reduzida presença de mulheres é um fenômeno que pode ser
visto como corolário da baixa presença feminina em cursos
28 superiores dessa área.
Nanci Stancki Silva. Engenharias no Brasil: mudanças no perfil de
gênero? Internet: <www.fazendogenero.ufsc.br> (com adaptações).

6. (Cespe/Câmara dos Deputados/Analista Legislativo/2012) As orações


“que, historicamente, têm sido consideradas como espaços masculinos”
(l.16-17) e “que resultaram em campos com predominância masculina”
(l.20-21) poderiam, mantendo-se a coerência do texto e a sua correção
gramatical, ser introduzidas por vírgulas, sendo, assim, interpretadas de
uma maneira não restritiva.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 24


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Comentário – As duas orações apontadas são adjetivas restritivas e,


portanto, possuem caráter restritivo. É importante notar que elas não são
separadas dos substantivos que especificam por meio de pontuação (vírgula,
por exemplo):
– “profissões que, historicamente, têm sido consideradas”;
– “exclusões de gênero que resultaram em campos”.

De fato, a inserção de vírgulas mudaria o caráter restritivo


delas para explicativo, porém afetaria o sentido original do texto.
Resposta – Item errado.

Note que as conexões entre as orações subordinadas adjetivas


apresentadas até aqui e suas orações principais são feitas pelo pronome
relativo que. Esse pronome, além de conectar (ou relacionar – daí o nome
relativo) os dois tipos de orações, também desempenha uma função sintática
na oração subordinada que introduz. No desempenho dessa função, o pronome
relativo ocupa o papel que seria exercido pelo termo que ele substitui (o
antecedente).

Deve-se investir em soluções. Essas soluções devem resolver


sujeito
definitivamente os problemas.

Deve-se investir em soluções [que resolvam definitivamente os


sujeito
problemas.]

Quando as orações subordinadas adjetivas são introduzidas por


um pronome relativo e apresentam verbo no modo indicativo ou subjuntivo
(forma finita), elas são chamadas de desenvolvidas. E quando não são
introduzidas por um pronome relativo (podem ser introduzidas por preposição)
e apresentam verbo numa das formas nominais (infinitivo, gerúndio e
particípio), elas são chamadas de reduzidas.
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 25
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Essas são as ideias tão valorizadas por ele.


Via-se um cartaz comunicando a falência.
Nosso argumento foi o primeiro a cair.

Uma vez arregimentado, você pode resolver mais questões de


provas anteriores. Nesta etapa, você notará que é frequente, como disse
antes, a exploração das relações semânticas estabelecidas entre as orações
que compõem um período. Portanto não se deixe influenciar simplesmente
pela conjunção empregada (ou não). Além dessa análise inicial, observe ainda
o sentido da frase.

7. (Cespe/IFB/Cargos de Nível Médio/2011) Considerando-se apenas o


trecho “Viver em ambiente sem gravidade faz coisas curiosas com o
corpo” (L.1-2), não se pode determinar, do ponto de vista sintático, o
sujeito da forma verbal “faz”.

Comentário – Quando o examinador diz “do ponto de vista sintático”, ele não
está preocupado com o aspecto semântico, ou seja, não importa para ele a
identificação do ser responsável pela ação verbal. Nesse caso, vale mesmo é a
relação estabelecida entre os termos e as orações do período.
Assim sendo, é importante notar que a oração “Viver em
ambiente sem gravidade” funciona como sujeito (oracional) do verbo da
segunda oração: “faz” (repare a flexão em terceira pessoa do singular).
Resposta – Item errado.

8. (Cespe/CEF/Arquiteto/2010)

“Esse cenário precisa mudar e depende, basicamente, de ações do Estado


em conjunto com a iniciativa privada.”

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 26


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

“No final do ano passado, o Conselho Nacional de Justiça e o Supremo


Tribunal Federal (STF) lançaram a campanha Começar de Novo...”

Em ambas as ocorrências, o vocábulo “e” une orações de mesmo valor


sintático.

Comentário – Na primeira ocorrência, a conjunção “e” uma oração


coordenada aditiva à sua anterior. Na segunda ocorrência, a conjunção não
une orações, mas sim termos que funcionam como sujeito composto de verbo
“lançaram”.
Resposta – Item errado.

[...]

9. (Cespe/EBC/Cargos de Nível Médio/2011) Seria mantida a relação


sintático-semântica entre as orações que compõem o terceiro período do
texto ao se substituir “uma vez que” (L.9) por qualquer um dos termos a
seguir: porque, porquanto, já que, visto que, conquanto.

Comentário – A locução conjuntiva “já que” integra o rol das típicas


conjunções subordinativas adverbiais que exprimem valor semântico de causa.
Semelhantemente, as conjunções (ou locuções) porque, porquanto, já que e
visto que também. Mas a conjunção conquanto, diferentemente, integra o

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 27


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

conjunto das conjunções subordinativas adverbiais concessivas. Isso altera a


relação sintático-semântica apontada pelo examinador.
Resposta – Item errado.

[...] Obcecados por conveniência, velocidade e modismos,


7 somos presas fáceis para marcas que promovem a obsolescência
prematura de seus produtos. Segundo especialistas, esse
comportamento é o fenômeno da posse transitória, termo que define
10 o pouco tempo que permanecemos com os produtos que compramos.
Por sinal, o mesmo raciocínio estende-se às relações, tanto pessoais
quanto profissionais. Priorizamos resultados de curto prazo e
13 queremos tudo ao mesmo tempo agora. E, assim, aos poucos, sem
perceber, vamos construindo uma sociedade descartável.
Luiz Alberto Marinho. Sociedade descartável. In: Vida
Simples, dez./2008, p. 80 (com adaptações).

10. (Cespe/TCE-Acre/ACE/2009) Preservam-se a coerência e a correção do


texto ao se ligar o período iniciado por “Priorizamos” (l.12) ao anterior por
meio da conjunção conquanto, escrevendo-se do seguinte modo: [...]
profissionais, conquanto priorizamos [...].

Comentário – Estamos novamente às voltas com a conjunção concessiva


conquanto, que exprime ressalva, objeção em relação a um fato, sem impedir
a realização dele: Conquanto estivesse capacitado para exercer o cargo, não
foi admitido. Ocorre que não se verifica entre os períodos iniciados por “Por
sinal” e “Priorizamos” a ideia de objeção ou ressalva. Antes, a informação
contida no período iniciado por “Priorizamos” justifica o que se declara no
período anterior.
Resposta – Item errado.

[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 28


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Destarte, a razão da organização da sociedade, da


16 formação do poder político e da construção do Estado é a
conquista da segurança e da paz para todos os indivíduos, de
modo que eles possam gozar os seus direitos naturais.
Daniela Romanelli da Silva. Poder, constituição e voto. In: Filosofia,
ciência&vida. Ano III, n.º 27, p. 40-1 (com adaptações).

11. (Cespe/Anatel/Nível Superior/2009) A substituição da conjunção


“Destarte” (l.15) pela oração Assim sendo manteria o sentido conclusivo
do parágrafo e a correção gramatical do texto.

Comentário – Aqui foi exigido simplesmente conhecimento da classificação da


conjunção “Destarte” (= desta forma, deste modo, assim sendo, diante disso),
que é pouco utilizada. Frise-se que, no texto, ela exprime ideia conclusiva, tal
como Assim sendo.
Resposta – Item certo.

1 Na verdade, o que hoje definimos como democracia


só foi possível em sociedades de tipo capitalista, mas não
necessariamente de mercado. De modo geral, a
4 democratização das sociedades impõe limites ao mercado,
assim como desigualdades sociais em geral não contribuem
para a fixação de uma tradição democrática. [...]
Renato Lessa. Democracia em debate. In: Revista
Cult, n.º 137, ano 12, jul./2009, p. 57 (com adaptações).

12. (Cespe/DPF/Agente/2009) Seria mantida a coerência entre as ideias do


texto caso o segundo período sintático fosse introduzido com a expressão
Desse modo, em lugar de “De modo geral” (l.3).

Comentário – A expressão em negrito, conforme o que foi dito acima, tem


valor semântico conclusivo, exprime a consequência, o desfecho de uma ideia
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 29
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

anterior. Esse sentido é diferente do significado da expressão “De modo geral”,


que denota imprecisão, generalização a respeito do que está sendo
considerado.
Resposta – Item errado.
[...] Na oposição que o texto faz entre a arte de falar e a
13 arte de escrever, podemos encontrar não apenas as razões da
desqualificação da concepção gramatical da linguagem, mas
também a indicação do estatuto que Rousseau confere à
16 linguagem. [...]
Bento Prado Jr. A retórica de Rousseau. São Paulo: Cosac Naify, 2008, p. 129-130.

13. (Cespe/IRBr/Diplomata/2009) Os operadores “não apenas” (l.13) e “mas


também” (l.14- 15) possibilitam ao autor a apresentação de dois
argumentos mutuamente excludentes.

Comentário – Esses operadores são utilizados na aproximação de argumentos


coordenados entre si e que se adicionam: “as razões da desqualificação da
concepção gramatical da linguagem” e “a indicação do estatuto que Rousseau
confere à linguagem”.
Resposta – Item errado.

14. (Cespe/IRBr/Diplomata/2009) Haveria prejuízo para o sentido original do


texto se, no trecho “O menino Emílio não existe, não existiu e não foi
pensado para existir” (l.3-4), os termos grifados fossem substituídos pela
conjunção coordenativa nem.

Comentário – A conjunção “nem” é coordenativa sindética aditiva e significa


“e não”. Portanto não há prejuízo na substituição indicada.
Resposta – Item errado.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 30


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

1 A qualidade do ambiente urbano torna-se, cada vez


mais, uma destacada fonte de cobrança da população sobre
seus governantes. Repleta de problemas nessa área, a cidade
4 de São Paulo experimenta, nos últimos anos, uma notável
mudança de comportamento das autoridades municipais, que
passam a incorporar o tema em suas prioridades de gestão.
[...]

Folha de S.Paulo. Editorial, 8/1/2009 (com adaptações).

15. (Cespe/Detran-DF/Analista/2009) O emprego de vírgula após “autoridades


municipais” (l.5) justifica-se porque antecede oração subordinada adjetiva
explicativa.

Comentário – Está correto o que se declara. A oração depois da vírgula


constitui uma informação de caráter explicativo em relação ao substantivo
“autoridades municipais”. Frise-se que oração adjetiva de caráter restritivo
não é separada pela vírgula.
Resposta – Item certo.

[...]
37 Não é preciso repetir que o Brasil é um país inovador.
O que nos falta é o suporte do crédito, de forma contínua, para
sustentar as inovações, é claro que com algumas notáveis
40 exceções: alcançamos o estado da arte na produção de
combustíveis para transporte, e a EMBRAPA fez, em 30 anos,
uma revolução na produtividade de nossa agricultura e
43 pecuária, dando um enorme retorno aos parcos recursos de
investimentos que recebeu.
[...]
Delfim Netto. Fórmulas de crescimento. Internet:
<www.cartacapital.com.br> (com adaptações).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 31


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

16. (Cespe/AGU/Agente Administrativo/2010) Mantém-se a relação existente


entre as orações separadas no texto por dois-pontos (l.40), caso esse
sinal de pontuação seja substituído por vírgula e, após esta, seja
acrescentado o vocábulo pois.

Comentário – Primeiramente, você precisa entender que a oração iniciada


pela forma verbal “alcançamos” é apositiva, isto é, explica, esclarece,
desenvolve o sentido do substantivo “exceções”. A conjunção pois surgida
antes do verbo da oração a que pertence e separada da oração anterior pela
vírgula (“...é claro que com algumas notáveis exceções, pois alcançamos...”)
também introduz segmento de valor semântico explicativo. Portanto a relação
existente entre as orações é preservada com a alteração proposta pelo
examinador.
Resposta – Item certo.

[...]
Para que o Brasil se transforme, efetivamente, em
46 protagonista importante da revolução que vai mudar,
profundamente, os processos de produção industrial e
agropastoril em todo o mundo, os próximos governos terão de
49 dar prioridade absoluta aos investimentos em inovação e ao
desenvolvimento tecnológico.
[...]
Delfim Netto. Fórmulas de crescimento. Internet:
<www.cartacapital.com.br> (com adaptações).

17. (Cespe/AGU/Agente Administrativo/2010) Na linha 46, o pronome “que”


introduz uma oração de sentido explicativo.

Comentário – Perceba que o Cespe gosta de “brincar” com as orações


adjetivas. As explicativas, repito, vêm separadas da sua principal pelo

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 32


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

competente sinal de pontuação (vírgula, travessão, parênteses). Em “que vai


mudar”, o pronome relativo introduz oração de sentido restritivo, pois
especifica, restringe o sentido do substantivo “revolução”: não é qualquer
revolução, e sim a que vai alterar significativamente os processos.
Resposta – Item errado.
[...] Sua metodologia é
simples — por meio de conversas frequentes com a família, o
13 voluntário receita cuidados básicos para evitar que a criança
morra por falta de conhecimento, como os hábitos de higiene,
a administração do soro caseiro e a adoção da farinha de
16 multimistura na alimentação, que se tornou uma solução
simples e emblemática contra a desnutrição. Mas o seu segredo
é um só: a persistência.

Jornal do Commercio (PE), Editorial, 20/1/2010 (com adaptações).

18. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Médio/2010) O trecho “que se tornou uma


solução simples e emblemática contra a desnutrição” (l.16-17) está
precedido por vírgula porque se trata de um trecho com função restritiva.

Comentário – A oração iniciada pelo pronome relativo “que” tem valor


semântico explicativo e esclarece a importância da adoção da farinha de
multimistura na alimentação. A essa altura, você já deve ter certeza de que
oração adjetiva explicativa vem separada por vírgula, ao contrário da adjetiva
restritiva.
Resposta – Item errado.
10 [...] Ocorre que, ao dar vazão ao seu
insaciável afã de descobrir, criar, conquistar, ao tentar realizar
em toda sua plenitude a livre aventura do espírito, o homem
13 depara-se com seus limites. [...]
Ivan de Araújo Moura Fé. Conflitos éticos em psiquiatria. In: José E. Assad (Coord.).
Desafios éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 185 (com adaptações).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 33


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

19. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A oração iniciada por “ao dar


vazão” (l.10) apresenta uma causa para o homem deparar-se “com seus
limites” (l.13).

Comentário – Não são apenas as subordinadas adjetivas que podem se


apresentar sob a forma reduzida (sem conjunção inicial e com verbo em uma
das formas nominais: particípio, gerúndio e infinitivo); as substantivas e as
adverbiais também. É isso o que se verifica no segmento “ao dar vazão”. O
problema é que o examinador afirmou que ela “apresenta uma causa”, o que
não corresponde aos fatos. A circunstância expressa pela oração é de tempo.
Ela equivale a: “quando dá vazão”.
Resposta – Item errado.

1 O regime trabalhista, ao adotar estratégias de proteção


à saúde do trabalhador, institui mecanismos de monitoração
dos indivíduos, visando a evitar ou identificar precocemente os
4 agravos à sua saúde, quando produzidos ou desencadeados
pelo exercício do trabalho. [...]

Elias Tavares de Araújo. Perícia médica. In: José E. Assad (Coord.). Desafios
éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 241 (com adaptações).

20. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A relação de significados que


a oração introduzida por “ao adotar” (l.1) mantém com as demais orações
do mesmo período sintático permite que se substitua essa oração por se
adotasse, sem se prejudicar a coerência nem a correção gramatical do
texto.

Comentário – Estamos diante de outra oração adverbial reduzida (de


infinitivo). Ela também expressa circunstância de tempo e equivale a: “quando
adota”. Repare que a declaração indica um fato certo, real, positivo e habitual.
A utilização da forma se adotasse (que caracterizaria uma oração adverbial

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 34


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

condicional) tornaria o fato incerto, possível até, mas hipotético. Isso


prejudicaria a coerência e a correção gramatical.
Resposta – Item errado.
[...] Inovador é o
7 indivíduo que procura respostas originais e pertinentes em
situações com as quais ele se defronta. É preciso uma atitude
de abertura para as coisas novas, pois a novidade é catastrófica
10 para os mais céticos. Pode-se dizer que o caminho da inovação
é um percurso de difícil travessia para a maioria das
instituições. Inovar significa transformar os pontos frágeis de
13 um empreendimento em uma realidade duradoura e lucrativa.
[...]

21. (Cespe/MPU/Analista Administrativo/2010) O período sintático iniciado por


“Inovar significa” (l.12) estabelece, com o período anterior, relação
semântica que admite ser explicitada pela expressão Por conseguinte,
escrevendo-se: Por conseguinte, inovar significa [...].

Comentário – A expressão Por conseguinte integra segmento de valor


semântico conclusivo. Mas a relação estabelecida é de explicação, justificativa.
Resposta – Item errado.

[...]

O imaginário, acionado pela imaginação individual, é


19 pluriespacial e, na interação social, constrói a memória, a
história museológica. Mesmo que possamos pensar que
estereótipos são resultado de matrizes, a cultura é dinâmica,
22 porquanto símbolos e estereótipos são olhados e
ressignificados em determinado instante social.

Dina Maria Martins Ferreira. Não pense, veja. São

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 35


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Paulo: Fapesp&Annablume, p. 62 (com adaptações).

22. (Cespe/MPU/Analista Administrativo/2010) Preservam-se as relações


argumentativas do texto bem como sua correção gramatical, caso se inicie
o último período por Ainda, em lugar de “Mesmo” (l.20).

Comentário – A substituição mantém o valor concessivo presente no último


período e não causa nenhum prejuízo gramatical a ele.
Resposta – Item certo.

O corte de 125 mil empregos em junho indica que a esperança


de gradual retomada do crescimento do mercado de trabalho no
10 curto prazo era prematura e não deverá se concretizar. As
razões para esse estancamento encontram-se no comportamento
do polo dinâmico da economia mundial, os países emergentes,
13 cujo desenvolvimento econômico começou a desacelerar —
ainda que a partir de taxas exuberantes de expansão.
Valor Econômico, Editorial, 6/7/2010 (com adaptações).

23. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) No trecho “cujo


desenvolvimento econômico [...] expansão” (L.13-14), identifica-se
relação de causa e consequência entre a construção sintática destacada
com travessão e a oração que a antecede.

Comentário – O conectivo “ainda que” ressalta o valor semântico concessivo


estabelecido na passagem.
Resposta – Item errado.

1 Para a maioria das pessoas, os assaltantes, assassinos e


traficantes que possam ser encontrados em uma rua escura da
cidade são o cerne do problema criminal. Mas os danos que tais

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 36


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

4 criminosos causam são minúsculos quando comparados com os


de criminosos respeitáveis, que vestem colarinho
branco e trabalham para as organizações mais poderosas.
[...]
James William Coleman. A elite do crime. 5.ª ed.,
São Paulo: Manole, 2005, p. 1 (com adaptações).

24. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) Sem prejuízo para a coerência


textual e a correção gramatical, o trecho “Mas os danos [...] minúsculos”,
que inicia o segundo período do texto, poderia ser substituído por:
Embora os danos causados por esses criminosos sejam ínfimos
[...].

Comentário – A transformação prejudicaria o texto; o argumento ficaria sem


conclusão; a estrutura oracional ficaria incompleta (com falta da competente
oração principal).
Resposta – Item errado.

25. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) A correção gramatical e a


coerência do texto seriam preservadas se a oração “que possam ser
encontrados em uma rua escura da cidade” (L.2-3) estivesse entre
vírgulas.

Comentário – A coerência é afetada com o uso das vírgulas, que transformam


a oração restritiva em explicativa.
Resposta – Item errado.

No lugar de alta carga tributária e estrutura de impostos


inadequada, o país deve priorizar investimentos que expandam
16 a produção e contribuam simultaneamente para o aumento de
produtividade, como é o caso dos gastos com educação. É dessa

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 37


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

forma que são criadas boas oportunidades de trabalho,


19 geradoras de renda, de maneira sustentável.
O Globo, Editorial, 12/7/2010 (com adaptações).

26. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) A ausência de vírgula logo após


o termo “investimentos” (L.15) permite concluir que, segundo o autor do
texto, é necessário que, no Brasil, sejam priorizados investimentos
voltados para a expansão da produção e para o aumento da
produtividade.

Comentário – A ausência de vírgula faz surgir orações (subordinadas


adjetivas restritivas) que limitam e distinguem o alcance semântico do
substantivo “investimentos”. Caso uma vírgula fosse empregada, as orações
teriam natureza semântica explicativa.
Resposta – Item certo.

27. (Cespe/STM/Analista Judiciário/Execução de Mandados/2011) Entre as


orações que compõem o período “não é preciso trabalhar com esses
temas, ou sequer saber que existem” (L.14-15) estabelece-se uma
relação sintático- semântica de alternância.

Comentário – Que bela questão! Muitos candidatos erraram a resposta


porque se deixaram levar pela aparência. Em outras palavras, eles viram a
conjunção “ou” articulando as orações e prontamente concordaram com o
argumento do examinador, sem analisar a real relação existente entre os
segmentos.
A ideia é a seguinte: não é preciso trabalhar com esses
temas nem ao menos saber que eles existem. Ficou melhor assim? Deu para
perceber que a conjunção “ou”, no contexto, tem valor semântico de adição,
como a conjunção nem? Vou escrever de outra forma: não é preciso trabalhar

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 38


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

com esses temas e também não é preciso saber que eles existem. Então, o
que você me diz agora?
Resposta – Item errado.

Cinco curiosidades sobre Erasmo de Rotterdam (1467-1536)

1 Nos primeiros anos como seminarista, em Bois le Due,


na Holanda, Erasmo dedicou-se mais à pintura e à música do
que à filosofia e à religião.
[...]
Filosofia, nº 28, Escala Educacional, 16
(com adaptações)

28. (Cespe/Correios/Analista de Correios/Letras/2011) Na construção “mais à


pintura e à musica do que à filosofia e à religião” (L.2-3), o vocábulo
“que” introduz oração restritiva com verbo elíptico.

Comentário – Vocábulo que introduz oração (adjetiva) restritiva é pronome


relativo. Na qualidade de pronome relativo, o que pode muito bem ser
substituído por o/a qual, o que não é possível na passagem apresentada:
...Erasmo dedicou-se mais à pintura e à música da qual à filosofia e à religião
(estranho, não é?). Na verdade, o que é uma conjunção subordinativa que
introduz oração adverbial com valor semântico de comparação. E é nas
orações comparativas que o verbo costuma vir oculto. Observe: ...Erasmo
dedicou-se mais à pintura e à música do que se dedicou à filosofia e à
religião.
Resposta – Item errado.
29. (Cespe/Correios/Agente de Correios/Carteiro/2011) Assinale a opção
correspondente ao trecho em que há mais de uma oração.

(A) “Aposto que ela vai adorar.”


(B) “Vou mandar um cartão de dia dos namorados para a Susi Derkins.”
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 39
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

(C) “Ela é uma gatinha.”


(D) “Eu fiz um coraçãozão vermelho.”
(E) “Agora vou botar renda em volta.”

Comentário – Para haver mais de uma oração, é necessário haver mais de


um verbo com sentido próprio (dois verbos, duas orações, três verbos, três
orações...) ou mais de uma locução adverbial.
Alternativa A: “Aposto” = oração principal; “que ela vai
adorar” = oração subordinada substantiva objetiva direta. O conjunto “vai
adorar” é uma locução formada por verbo auxiliar + verbo principal. Note que
ela pode ser substituída por adorará.
Alternativa B: “Vou mandar” = locução verbal (Mandarei),
uma oração.
Alternativa C: “é” = um verbo, uma oração.
Alternativa D: “fiz” = um verbo, uma oração.
Alternativa E: “vou botar” = uma locução verbal (botarei),
uma oração.
Resposta – A

[...]
16 recolher. Não adiantou. Os protestos continuaram. A semana
terminou sem que estivesse claro o futuro político do maior
aliado dos Estados Unidos da América (EUA) no mundo árabe.
[...]

Juliano Machado e Letícia Sorg. O grito árabe


pela democracia. In: Época, 31/1/2011, p. 32 (com adaptações).

30. (Cespe/TJ-ES/Cargos de Nível Superior/2011) No desenvolvimento da


argumentação do texto, a oração “sem que estivesse claro o futuro
político do maior aliado dos Estados Unidos da América (EUA)” (L.17-18)
expressa circunstância de causa em relação à oração que a antecede.
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 40
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Comentário – Não! A relação é de modo. Como a semana terminou? De


maneira isso aconteceu? Interessante é que a NGB não relaciona este tipo de
oração no rol das subordinadas adverbiais. Porém esclarecidos gramáticos –
como Bechara, Cegalla e Rocha Lima, por exemplo – percebem tal
circunstância. Veja dois exemplos colhidos em Bechara e Cegalla: Os
convidados saíram sem que fossem notados. Aqui viverás em paz, sem que
ninguém te incomode.
Resposta – Item errado.

No próximo encontro, você estudará comigo o emprego dos sinais


de pontuação. Até lá!

Albert Iglésia

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 41


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Lista das Questões Comentadas

1. (Cespe/PC-CE/Inspetor de Polícia/2012) No trecho “É verdade que a CE


vem desenvolvendo novas formas políticas” (L.21-22), o emprego da
forma verbal singular “É” justifica-se pelo fato de essa forma verbal não
ter sujeito explícito.

2. (Cespe/MP/Analista de Infraestrutura/2012) Seria mantida a correção


gramatical do período “É fato que os números absolutos impressionam”
(L.11-12), caso a preposição de fosse inserida imediatamente antes da
conjunção “que”.

3. (Cespe/IRBr/Diplomata/2012) No período “Que Demócrito não risse, eu o


provo” (L.20), o verbo provar complementa-se com uma estrutura em
forma de objeto direto pleonástico, com uma oração servindo de referente
para um pronome.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 42


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

4. (Cespe/TJ-RO/Analista Judiciário/Análise de Sistemas/2012) No que se


refere a aspectos morfossintáticos e semânticos do texto, assinale a opção
correta.

a) Na oração “que o governo popular” (L.8), que expressa uma


consequência, há elipse da forma verbal “exige” (L.7).
b) Os elementos “menos” (L.8) e “outras” (L.8) são modificadores de
intensidade relacionados ao núcleo nominal “virtudes” (L.8).
c) Sem contrariar o sentido original do texto e mantendo-se a correção
gramatical, a expressão “perante a autoridade da experiência” (L.2)
poderia ser reescrita da seguinte forma: perante ao reconhecimento
da autoridade dos mais experientes.
d) Na oração “a terceira é o pior de todos os governos” (L.7), o verbo
poderia ser suprimido e a vírgula, empregada no lugar dele, para indicar a
elipse.
e) Na linha 7, “se exige” corresponde a é exigido.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 43


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

5. (Cespe/TRE-RJ/Técnico Judiciário/2012) As relações sintáticas do período


não seriam prejudicadas caso se substituísse “enquanto” (L.7) por ao
passo que.

[...]
A crescente e constante ampliação da escolaridade feminina
tem contribuído para ampliar o espaço de atuação das
mulheres no mercado de trabalho também em profissões
16 que, historicamente, têm sido consideradas como espaços
masculinos. As profissões científicas e tecnológicas inserem-se
nesse contexto. Essas carreiras estão associadas a
19 conhecimentos de ciência e tecnologia cuja construção
histórica e social foi marcada por exclusões de gênero que
resultaram em campos com predominância masculina, seja pelo
22 perfil de gênero dos seus profissionais, seja pela forma como
seus conhecimentos se desenvolveram, estruturaram-se ou se
organizaram. A baixa participação feminina, nesse universo,
25 ainda é uma realidade, particularmente na Engenharia. A
reduzida presença de mulheres é um fenômeno que pode ser
visto como corolário da baixa presença feminina em cursos
28 superiores dessa área.
Nanci Stancki Silva. Engenharias no Brasil: mudanças no perfil de
gênero? Internet: <www.fazendogenero.ufsc.br> (com adaptações).

6. (Cespe/Câmara dos Deputados/Analista Legislativo/2012) As orações


“que, historicamente, têm sido consideradas como espaços masculinos”

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 44


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

(l.16-17) e “que resultaram em campos com predominância masculina”


(l.20-21) poderiam, mantendo-se a coerência do texto e a sua correção
gramatical, ser introduzidas por vírgulas, sendo, assim, interpretadas de
uma maneira não restritiva.

7. (Cespe/IFB/Cargos de Nível Médio/2011) Considerando-se apenas o


trecho “Viver em ambiente sem gravidade faz coisas curiosas com o
corpo” (L.1-2), não se pode determinar, do ponto de vista sintático, o
sujeito da forma verbal “faz”.

8. (Cespe/CEF/Arquiteto/2010)

“Esse cenário precisa mudar e depende, basicamente, de ações do Estado


em conjunto com a iniciativa privada.”

“No final do ano passado, o Conselho Nacional de Justiça e o Supremo


Tribunal Federal (STF) lançaram a campanha Começar de Novo...”

Em ambas as ocorrências, o vocábulo “e” une orações de mesmo valor


sintático.

[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 45


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

9. (Cespe/EBC/Cargos de Nível Médio/2011) Seria mantida a relação


sintático-semântica entre as orações que compõem o terceiro período do
texto ao se substituir “uma vez que” (L.9) por qualquer um dos termos a
seguir: porque, porquanto, já que, visto que, conquanto.

[...] Obcecados por conveniência, velocidade e modismos,


7 somos presas fáceis para marcas que promovem a obsolescência
prematura de seus produtos. Segundo especialistas, esse
comportamento é o fenômeno da posse transitória, termo que define
10 o pouco tempo que permanecemos com os produtos que compramos.
Por sinal, o mesmo raciocínio estende-se às relações, tanto pessoais
quanto profissionais. Priorizamos resultados de curto prazo e
13 queremos tudo ao mesmo tempo agora. E, assim, aos poucos, sem
perceber, vamos construindo uma sociedade descartável.
Luiz Alberto Marinho. Sociedade descartável. In: Vida
Simples, dez./2008, p. 80 (com adaptações).

10. (Cespe/TCE-Acre/ACE/2009) Preservam-se a coerência e a correção do


texto ao se ligar o período iniciado por “Priorizamos” (l.12) ao anterior por
meio da conjunção conquanto, escrevendo-se do seguinte modo: [...]
profissionais, conquanto priorizamos [...].

[...]

Destarte, a razão da organização da sociedade, da


16 formação do poder político e da construção do Estado é a
conquista da segurança e da paz para todos os indivíduos, de
modo que eles possam gozar os seus direitos naturais.
Daniela Romanelli da Silva. Poder, constituição e voto. In: Filosofia,
ciência&vida. Ano III, n.º 27, p. 40-1 (com adaptações).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 46


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

11. (Cespe/Anatel/Nível Superior/2009) A substituição da conjunção


“Destarte” (l.15) pela oração Assim sendo manteria o sentido conclusivo
do parágrafo e a correção gramatical do texto.

1 Na verdade, o que hoje definimos como democracia


só foi possível em sociedades de tipo capitalista, mas não
necessariamente de mercado. De modo geral, a
4 democratização das sociedades impõe limites ao mercado,
assim como desigualdades sociais em geral não contribuem
para a fixação de uma tradição democrática. [...]

Renato Lessa. Democracia em debate. In: Revista


Cult, n.º 137, ano 12, jul./2009, p. 57 (com adaptações).

12. (Cespe/DPF/Agente/2009) Seria mantida a coerência entre as ideias do


texto caso o segundo período sintático fosse introduzido com a expressão
Desse modo, em lugar de “De modo geral” (l.3).

[...] Na oposição que o texto faz entre a arte de falar e a


13 arte de escrever, podemos encontrar não apenas as razões da
desqualificação da concepção gramatical da linguagem, mas
também a indicação do estatuto que Rousseau confere à
16 linguagem. [...]
Bento Prado Jr. A retórica de Rousseau. São Paulo: Cosac Naify, 2008, p. 129-130.

13. (Cespe/IRBr/Diplomata/2009) Os operadores “não apenas” (l.13) e “mas


também” (l.14- 15) possibilitam ao autor a apresentação de dois
argumentos mutuamente excludentes.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 47


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

14. (Cespe/IRBr/Diplomata/2009) Haveria prejuízo para o sentido original do


texto se, no trecho “O menino Emílio não existe, não existiu e não foi
pensado para existir” (l.3-4), os termos grifados fossem substituídos pela
conjunção coordenativa nem.

1 A qualidade do ambiente urbano torna-se, cada vez


mais, uma destacada fonte de cobrança da população sobre
seus governantes. Repleta de problemas nessa área, a cidade
4 de São Paulo experimenta, nos últimos anos, uma notável
mudança de comportamento das autoridades municipais, que
passam a incorporar o tema em suas prioridades de gestão.
[...]
Folha de S.Paulo. Editorial, 8/1/2009 (com adaptações).

15. (Cespe/Detran-DF/Analista/2009) O emprego de vírgula após “autoridades


municipais” (l.5) justifica-se porque antecede oração subordinada adjetiva
explicativa.

[...]
37 Não é preciso repetir que o Brasil é um país inovador.
O que nos falta é o suporte do crédito, de forma contínua, para
sustentar as inovações, é claro que com algumas notáveis
40 exceções: alcançamos o estado da arte na produção de
combustíveis para transporte, e a EMBRAPA fez, em 30 anos,
uma revolução na produtividade de nossa agricultura e
43 pecuária, dando um enorme retorno aos parcos recursos de
investimentos que recebeu.
[...]
Delfim Netto. Fórmulas de crescimento. Internet:
<www.cartacapital.com.br> (com adaptações).
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 48
PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

16. (Cespe/AGU/Agente Administrativo/2010) Mantém-se a relação existente


entre as orações separadas no texto por dois-pontos (l.40), caso esse
sinal de pontuação seja substituído por vírgula e, após esta, seja
acrescentado o vocábulo pois.

[...]
Para que o Brasil se transforme, efetivamente, em
46 protagonista importante da revolução que vai mudar,
profundamente, os processos de produção industrial e
agropastoril em todo o mundo, os próximos governos terão de
49 dar prioridade absoluta aos investimentos em inovação e ao
desenvolvimento tecnológico.
[...]

Delfim Netto. Fórmulas de crescimento. Internet:


<www.cartacapital.com.br> (com adaptações).

17. (Cespe/AGU/Agente Administrativo/2010) Na linha 46, o pronome “que”


introduz uma oração de sentido explicativo.

[...] Sua metodologia é


simples — por meio de conversas frequentes com a família, o
13 voluntário receita cuidados básicos para evitar que a criança
morra por falta de conhecimento, como os hábitos de higiene,
a administração do soro caseiro e a adoção da farinha de
16 multimistura na alimentação, que se tornou uma solução
simples e emblemática contra a desnutrição. Mas o seu segredo
é um só: a persistência.
Jornal do Commercio (PE), Editorial, 20/1/2010 (com adaptações).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 49


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

18. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Médio/2010) O trecho “que se tornou uma


solução simples e emblemática contra a desnutrição” (l.16-17) está
precedido por vírgula porque se trata de um trecho com função restritiva.

10 [...] Ocorre que, ao dar vazão ao seu


insaciável afã de descobrir, criar, conquistar, ao tentar realizar
em toda sua plenitude a livre aventura do espírito, o homem
13 depara-se com seus limites. [...]
Ivan de Araújo Moura Fé. Conflitos éticos em psiquiatria. In: José E. Assad (Coord.).
Desafios éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 185 (com adaptações).

19. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A oração iniciada por “ao dar


vazão” (l.10) apresenta uma causa para o homem deparar-se “com seus
limites” (l.13).

1 O regime trabalhista, ao adotar estratégias de proteção


à saúde do trabalhador, institui mecanismos de monitoração
dos indivíduos, visando a evitar ou identificar precocemente os
4 agravos à sua saúde, quando produzidos ou desencadeados
pelo exercício do trabalho. [...]

Elias Tavares de Araújo. Perícia médica. In: José E. Assad (Coord.). Desafios
éticos. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1993, p. 241 (com adaptações).

20. (Cespe/Inca/Cargos de Nível Superior/2010) A relação de significados que


a oração introduzida por “ao adotar” (l.1) mantém com as demais orações
do mesmo período sintático permite que se substitua essa oração por se
adotasse, sem se prejudicar a coerência nem a correção gramatical do
texto.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 50


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

[...] Inovador é o
7 indivíduo que procura respostas originais e pertinentes em
situações com as quais ele se defronta. É preciso uma atitude
de abertura para as coisas novas, pois a novidade é catastrófica
10 para os mais céticos. Pode-se dizer que o caminho da inovação
é um percurso de difícil travessia para a maioria das
instituições. Inovar significa transformar os pontos frágeis de
13 um empreendimento em uma realidade duradoura e lucrativa.
[...]

21. (Cespe/MPU/Analista Administrativo/2010) O período sintático iniciado por


“Inovar significa” (l.12) estabelece, com o período anterior, relação
semântica que admite ser explicitada pela expressão Por conseguinte,
escrevendo-se: Por conseguinte, inovar significa [...].

[...]

O imaginário, acionado pela imaginação individual, é


19 pluriespacial e, na interação social, constrói a memória, a
história museológica. Mesmo que possamos pensar que
estereótipos são resultado de matrizes, a cultura é dinâmica,
22 porquanto símbolos e estereótipos são olhados e
ressignificados em determinado instante social.
Dina Maria Martins Ferreira. Não pense, veja. São
Paulo: Fapesp&Annablume, p. 62 (com adaptações).

22. (Cespe/MPU/Analista Administrativo/2010) Preservam-se as relações


argumentativas do texto bem como sua correção gramatical, caso se inicie
o último período por Ainda, em lugar de “Mesmo” (l.20).

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 51


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

O corte de 125 mil empregos em junho indica que a esperança


de gradual retomada do crescimento do mercado de trabalho no
10 curto prazo era prematura e não deverá se concretizar. As
razões para esse estancamento encontram-se no comportamento
do polo dinâmico da economia mundial, os países emergentes,
13 cujo desenvolvimento econômico começou a desacelerar —
ainda que a partir de taxas exuberantes de expansão.

Valor Econômico, Editorial, 6/7/2010 (com adaptações).

23. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) No trecho “cujo


desenvolvimento econômico [...] expansão” (L.13-14), identifica-se
relação de causa e consequência entre a construção sintática destacada
com travessão e a oração que a antecede.

1 Para a maioria das pessoas, os assaltantes, assassinos e


traficantes que possam ser encontrados em uma rua escura da
cidade são o cerne do problema criminal. Mas os danos que tais
4 criminosos causam são minúsculos quando comparados com os
de criminosos respeitáveis, que vestem colarinho
branco e trabalham para as organizações mais poderosas.
[...]
James William Coleman. A elite do crime. 5.ª ed.,
São Paulo: Manole, 2005, p. 1 (com adaptações).

24. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) Sem prejuízo para a coerência


textual e a correção gramatical, o trecho “Mas os danos [...] minúsculos”,
que inicia o segundo período do texto, poderia ser substituído por:
Embora os danos causados por esses criminosos sejam ínfimos
[...].

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 52


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

25. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) A correção gramatical e a


coerência do texto seriam preservadas se a oração “que possam ser
encontrados em uma rua escura da cidade” (L.2-3) estivesse entre
vírgulas.

No lugar de alta carga tributária e estrutura de impostos


inadequada, o país deve priorizar investimentos que expandam
16 a produção e contribuam simultaneamente para o aumento de
produtividade, como é o caso dos gastos com educação. É dessa
forma que são criadas boas oportunidades de trabalho,
19 geradoras de renda, de maneira sustentável.

O Globo, Editorial, 12/7/2010 (com adaptações).

26. (Cespe/MPU/Técnico Administrativo/2010) A ausência de vírgula logo após


o termo “investimentos” (L.15) permite concluir que, segundo o autor do
texto, é necessário que, no Brasil, sejam priorizados investimentos
voltados para a expansão da produção e para o aumento da
produtividade.

27. (Cespe/STM/Analista Judiciário/Execução de Mandados/2011) Entre as


orações que compõem o período “não é preciso trabalhar com esses
temas, ou sequer saber que existem” (L.14-15) estabelece-se uma
relação sintático- semântica de alternância.

Cinco curiosidades sobre Erasmo de Rotterdam (1467-1536)

1 Nos primeiros anos como seminarista, em Bois le Due,


na Holanda, Erasmo dedicou-se mais à pintura e à música do
que à filosofia e à religião.
[...]

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 53


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Filosofia, nº 28, Escala Educacional, 16


(com adaptações)

28. (Cespe/Correios/Analista de Correios/Letras/2011) Na construção “mais à


pintura e à musica do que à filosofia e à religião” (L.2-3), o vocábulo
“que” introduz oração restritiva com verbo elíptico.

29. (Cespe/Correios/Agente de Correios/Carteiro/2011) Assinale a opção


correspondente ao trecho em que há mais de uma oração.

(A) “Aposto que ela vai adorar.”


(B) “Vou mandar um cartão de dia dos namorados para a Susi Derkins.”
(C) “Ela é uma gatinha.”
(D) “Eu fiz um coraçãozão vermelho.”
(E) “Agora vou botar renda em volta.”

[...]
16 recolher. Não adiantou. Os protestos continuaram. A semana
terminou sem que estivesse claro o futuro político do maior
aliado dos Estados Unidos da América (EUA) no mundo árabe.
[...]

Juliano Machado e Letícia Sorg. O grito árabe


pela democracia. In: Época, 31/1/2011, p. 32 (com adaptações).

30. (Cespe/TJ-ES/Cargos de Nível Superior/2011) No desenvolvimento da


argumentação do texto, a oração “sem que estivesse claro o futuro
político do maior aliado dos Estados Unidos da América (EUA)” (L.17-18)
expressa circunstância de causa em relação à oração que a antecede.

Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 54


PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS – TÉCNICO JUDICIÁRIO –
ÁREA ADMINISTRATIVA – CNJ
PROFESSOR ALBERT IGLÉSIA

Gabarito das Questões Comentadas

1. Item errado 30. Item errado


2. Item errado
3. Item certo
4. D
5. Item certo
6. Item errado
7. Item errado
8. Item errado
9. Item errado
10. Item errado
11. Item certo
12. Item errado
13. Item errado
14. Item errado
15. Item certo
16. Item certo
17. Item errado
18. Item errado
19. Item errado
20. Item errado
21. Item errado
22. Item certo
23. Item errado
24. Item errado
25. Item errado
26. Item certo
27. Item errado
28. Item errado
29. A
Prof. Albert Iglésia www.pontodosconcursos.com.br 55