You are on page 1of 52

ISSN 1990-9204

www.abts.org.br UMA PUBLICAÇÃO

ALFREDO LEVY: Uma trajetória lendária MARÇO 2017 | Nº 201

EMISSÕES INDUSTRIAIS DE POLUENTES GASOSOS:


a razão para a inovação nas indústrias

COMPANHIAS PROJETAM MELHORA


PARA O MERCADO EM 2017
Soluções Atotech
Liderando os processos de tratamento
de superfície

  O acabamento certo


para cada exigência

A Atotech oferece processos perfeitamente combinados para todo o espectro de aplicações


de acabamentos de superfícies decorativas e funcionais - desde o pré-tratamento à passivação
final. Nosso portfólio de produtos incluem os mais avançados processos para revestimentos
decorativos, proteção contra corrosão, revestimentos resistentes ao desgaste, revestimentos
eletrônicos funcionais e tecnologias de suporte à pintura. Estamos dedicados em fornecer
um pacote completo de produtos químicos para revestimentos e acabamentos de superfícies,
tecnologia de produção e o melhor serviço técnico para as indústrias de galvanoplastia e
tratamento de superfícies.

Atotech do Brasil Galvanotécnica Ltda


+55 11 4138 9900
atotech.tabo@atotech.com

Atotech do Brasil Tecnologia para as soluções do amanhã www.atotech.com


• PALAVRA DA ABTS •

TEMPO DE
RESILIÊNCIA

D
ifícil começar qualquer texto re- o pouco, muita diferença será feita. chefes e outras, fica difícil lembrar
lacionado ao nosso cotidiano Não busco aqui prever ou tentar disso com afinco e seguir na trilha do
sem levar em conta a situação descobrir uma fórmula para sair deste sucesso.
social e econômica a qual nosso País “tempo de resiliência”. Busco, sim, Ainda assim, estamos acostuma-
vem passando. No lugar de “um pe- mostrar o que está sendo feito dentro dos a enfrentar situações de extrema
ríodo de crise”, gostaria de chamá-lo da ABTS e que também acredito ser dificuldade no dia a dia! Coisas difí-
de “tempo de resiliência”. Pois é, para fundamental para o sucesso de qual- ceis de realizar. Aí estamos nós de
muitos, só nos resta esperar a crise quer empresa. Precisamos mudar! E novo entrando numa postura reativa e
passar! por quê? Um grande cientista afirmou cômoda. Coisas difíceis de fazer? Isto
Mas será que é somente isto? Es- certa vez que: “Insanidade é continu-
é mesmo verdade? Será que realizar
perar até melhorar? Certeza que mui- ar fazendo sempre a mesma coisa e
um bom planejamento empresarial,
tos entendem que pouco se pode fazer esperar resultados diferentes”. Pois
estabelecendo metas tangíveis, esta-
para isso tudo mudar. Mas, sem dúvi- é, até hoje não conheci ninguém que
belecendo prazos factíveis, definindo
da, se muitos fizerem individualmente tivesse argumentos para contradizer
responsáveis e monitorando o de-
as palavras do grande Einstein.
Se nossos resultados estão, ainda senvolvimento destas ações é coisa
mais nestes tempos difíceis, aquém difícil de fazer? De maneira otimista,
daquilo que esperamos e continuamos podemos assumir que isto somente
a fazer as mesmas coisas, tendo as dá trabalho, mas não é difícil. E para
mesmas posturas e atitudes, é certo completar, quando alguém nos disser
que o sucesso do passado não se que é difícil, podemos retrucar dizen-
repetirá. Novas estratégias, metas e do: “Difícil é fazer foguete para levar o
atitudes poderão fazer a diferença homem para andar na Lua”.
e trazer melhores resultados. E se Espero que estas palavras possam
mudarmos e não acertarmos? Cito servir de estímulo para que a sua
outro grande cientista, que antes de trajetória em rumo ao sucesso seja
conseguir inverter a lâmpada, depois mais tranquila. Porém, o real objetivo
de centenas de tentativas, foi indaga- de apresentar tudo isto é justamente
do sobre o motivo de não desistir de informar que, a partir de agora, estas
tentar, já que o seu trabalho, até então, são as nossas premissas. A partir
não havia lhe rendido frutos. Asserti- deste ano, estamos buscando inovar
vamente, respondeu ele: não fracassei,
na nossa forma de operar, buscando a
somente descobri centenas de formas
excelência naquilo tudo que fazemos.
incorretas de se fabricar uma lâmpada;
Estabelecendo metas, buscando otimi-
É verdade que estas afirmações
zar nossos treinamentos, resultando
são parte da história e muitas vezes,
numa maior agilidade, diversidade e
de fronte a dificuldades empresariais,
abrangência; atribuindo novas respon-
impasses financeiros, funcionários,
sabilidades a todos os integrantes do
Conselho Diretor, monitorando cada
PRECISAMOS MUDAR PARA TER O RESULTADO COMPATÍVEL
passo, buscando a interação e coo-
COM NOSSO MOMENTO DE RESILIÊNCIA. VAMOS MANTER peração de todos. Enfim, precisamos
O SUCESSO DA NOSSA ASSOCIAÇÃO E, POR FIM, NENHUMA mudar para ter o resultado compatível
DIFICULDADE VAI SE IMPOR A NOSSA FRENTE, NOS com nosso momento de resiliência.
IMPEDINDO DA BUSCA NECESSÁRIA DO PROGRESSO E DO Vamos manter o sucesso da nossa
SUCESSO. Associação e, por fim, nenhuma difi-
culdade vai se impor a nossa frente,
Edmilson Gaziola nos impedindo da busca necessária
Diretor-Secretário
diretor.secretario@abts.org.br
do progresso e do sucesso. Junte-se a
nós e aguarde as novidades.

Tratamento de Superfície 201 • 3


• SUMÁRIO • • ANUNCIANTES •

PALAVRA DA ABTS ABTS 21


3 Tempo de resiliência
Edmilson Gaziola ANION 52

ARPROTEC 5
EDITORIAL
6 Previsões positivas e homenagem ATOTECH 2
Mariana Mirrha
B8 COMUNICAÇÃO 39
GRANDES PROFISSIONAIS
COMERCIAL COMETA 47
8 Uma trajetória lendária
Alfredo Levy DAIBASE 13

PROGRAMA CULTURAL DÖRKEN 51


10
Calendário
DURR 33
PALAVRA DA FIESP ECOTECNO 5
12 A retomada do crescimento econômico
Paulo Skaf ELECTROGOLD 27

ORIENTAÇÃO TÉCNICA EISENMANN 35


14 Determinação do teor de óleo em solução de desengraxantes ERZINGER 11
emulsificantes por meio de acidificação
Douglas Bösel LABRITS 7

MATÉRIA TÉCNICA METAL COAT 20


16 Coeficiente de fricção para as especificações automotivas
METALLOYS 48
Christine Rohr
NIQUELFER 37
MATÉRIA TÉCNICA
22 Conversão de camadas nanocerâmicas isentas de Cromo VI e Cromo III OLGA 25
Fernando Brasilio da Silveira
QUIRAVELLI 25

MATÉRIA TÉCNICA SAINT STEEL 49


28 Ensaios cíclicos normalizados de corrosão atmosférica acelerada
Carlos A. Maciel e Natan Bessa Bronzatto TRATHO 15

MEIO AMBIENTE E ENERGIA


34 Emissões industriais de poluentes gasosos – a razão para a inovação
em nossas indústrias
Renato Vergnhanini Filho e Gerhard Ett

MATÉRIA ESPECIAL
40 Perspectivas positivas
Mariana Mirrha

47 NOTÍCIAS EMPRESARIAIS
DESTAQUE

47 PROFISSIONAL PROCURA 40
PONTO DE VISTA
50 Cinco dicas para turbinar a motivação de seus profissionais em 2017
PERSECTIVAS
José Ricardo Noronha POSITIVAS
4 • Tratamento de Superfície 201
www.arprotec.com.br

Com base na visão de Sustentabilidade e por meio de


um comportamento empreendedor, a equipe Arprotec
desenvolveu novas tecnologias em Cabines de Pintura SOLUÇÕES EM EQUIPAMENTOS PARA PINTURA
– para aplicação de tinta liquida/pó, estufas de secagem
e tratamento de superfície – para atuar em projetos Todos os equipamentos fornecidos estão de acordo com normas ambientais e trabalhistas vigentes,
automáticos e manuais para linhas de pintura continuas como NR10, NR12, entre outras. Com um fácil financiamento, por meio do BNDES, FINAME ou
e/ou estacionárias. negociado com a empresa diretamente, a Arprotec entrega a solução que sua empresa precisa.

Rua Luis Carlos Brunello, 420 | 13278-074 | Valinhos | SP 19 3881.2026 | falecom@arprotec.com.br

Engenharia de ponta, recursos tecnológicos inovadores e


gestão de qualidade aplicados em projetos de equipamentos
para galvanoplastia, tratamento superficial e equipamentos
de controle ambiental.

EQUIPAMENTOS
- Linhas automáticas (tambores, gancheiras e flex);
- Sistema de exaustão e lavadores de gases;
- Estações de tratamento de efluentes;
- Tanques e acessórios;
- Separadores de óleo, tambores rotativos, bombas químicas;
- Redes hidráulicas.

SERVIÇOS
- Projetos;
- Manutenções;
- Reformas;
- Peças de reposição e acessórios.

11 4595.2519 contato@ecotecno.com.br
Av. Duque de Caxias, 2575, Galpão 2
Bairro Promeca . Várzea Paulista . SP . 13220-015
• EDITORIAL •

A ABTG - Associação Brasileira de Tecnologia Galvânica foi fundada em


2 de agosto de 1968. Em razão de seu desenvolvimento, a Associação
passou a abranger diferentes segmentos dentro do setor de acabamentos
de superfície e alterou sua denominação, em março de 1985, para ABTS
Mariana Mirrha - Associação Brasileira de Tratamentos de Superfície. A ABTS tem como
Editora principal objetivo congregar todos aqueles que, no Brasil, se dedicam
ts.texto@gmail.com à pesquisa e à utilização de tratamentos de superfície, tratamentos
térmicos de metais, galvanoplastia, pintura, circuitos impressos e
atividades afins. A partir de sua fundação, a ABTS sempre contou com o
apoio do SINDISUPER - Sindicato da Indústria de Proteção, Tratamento e
Transformação de Superfícies do Estado de São Paulo.

PREVISÕES POSITIVAS
E HOMENAGEM Rua Machado Bittencourt, 361 - 2o andar
conj.201 - 04044-001 - São Paulo - SP
tel.: 11 5574.8333 | fax: 11 5084.7890
www.abts.org.br | abts@abts.org.br

Gestão 2016 - 2018


Apresentamos nesta edição da Revista Tratamento de Superfície
DIRETOR-PRESIDENTE
uma visão positiva do mercado para 2017. Se os últimos anos fica- Airi Zanini
DIRETOR VICE-PRESIDENTE
ram aquém das expectativas das companhias, 2017 está sendo visto Rubens Carlos da Silva Filho

como o ano em que o setor voltará a crescer. DIRETOR-SECRETÁRIO


Edmilson Gaziola
DIRETOR VICE-SECRETÁRIO
As companhias que atuam com equipamentos, produtos e proces- Douglas de Brito Bandeira
DIRETOR-TESOUREIRO
sos para galvanoplastia e pintura que participam da matéria especial Wady Millen Jr.

estão positivas quanto aos resultados que o setor deve demonstrar DIRETOR VICE-TESOUREIRO
Gilbert Zoldan
este ano. Leia nas próximas páginas as estimativas dessas empre- DIRETOR CULTURAL
Reinaldo Lopes
sas, que também comentam as tendências do segmento e as dificul- VICE-DIRETOR CULTURAL
Maurício Furukawa Bombonati
dades que deverão ser enfrentadas durante o ano. MEMBROS DO CONSELHO DIRETOR
Douglas Fortunato de Souza, Sandro Gomes da Silva,
Também trazemos nesse número uma homenagem ao Dr. Alfredo Silvio Renato de Assis, Wilma Ayako Taira dos Santos
CONSELHEIRO TÉCNICO
Levy, importante e lendário profissional do setor, que por muitos Carmo Leonel Júnior
REPRESENTANTE DO SINDISUPER
anos atuou em conjunto com esta publicação e com a ABTS. O Dr. Sergio Roberto Andretta

Alfredo Levy tem contada sua longa trajetória pessoal e profissional CONSELHEIRO EX OFFICIO
Antonio Carlos de Oliveira Sobrinho
pelas palavras de sua filha Isabela, em Grandes Profissionais.

Na Palavra da ABTS, Edmilson Gaziola, Diretor-Secretário da


Associação, mostra como a instituição está buscando auxiliar as REDAÇÃO, CIRCULAÇÃO E PUBLICIDADE
Rua João Batista Botelho, 72
companhias a atuar num mercado cada vez mais complexo. 05126-010 - São Paulo - SP
tel.: 11 3835.9417 fax: 11 3832.8271
b8@b8comunicacao.com.br
As matérias, artigos e orientações técnicas focam em temas www.b8comunicacao.com.br
DIRETORES
como coeficiente de fricção para as especificações automotivas; Igor Pastuszek Boito
Renata Pastuszek Boito
emissões industriais de poluentes gasosos; ensaios cíclicos norma- Elisabeth Pastuszek
DEPARTAMENTO COMERCIAL
lizados de corrosão atmosférica acelerada; teor de óleo em solução b8comercial@b8comunicacao.com.br
tel.: 11 3641.0072
de desengraxantes emulsificantes por meio de acidificação; e con- DEPARTAMENTO EDITORIAL
Jornalista/Editora Responsável
versão de camadas nanocerâmicas isentas de Cromo VI e Cromo III. Mariana Mirrha (MTb/SP 56654)
FOTOGRAFIA
O número 201 da Revista Tratamento de Superfície está repleto Fernanda Nunes
EDIÇÃO E PRODUÇÃO GRÁFICA
de informações valiosas, incluindo detalhes de recentes aquisições Renata Pastuszek Boito

de empresas e lançamentos de produtos. Aproveite para se manter a TIRAGEM PERIODICIDADE EDIÇÃO


12.000 bimestral Janeiro | Fevereiro
par das novidades do setor. exemplares no 201

(Circulação desta edição: Março/2017)


Boa leitura.
As informações contidas nos anúncios são de inteira
responsabilidade das empresas. Os artigos assinados
são de inteira responsabilidade de seus autores e não
refletem necessariamente a opinião da revista.
6 • Tratamento de Superfície 201
PRODUTOS, PROCESSOS E EQUIPAMENTOS
PARA TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE

Rua Auriverde, 85 | São Paulo | SP


Tel.: 11 2914.1522
labritsquimica@labritsquimica.com.br

www.labritsquimica.com.br
Grandes Profissionais

UMA TRAJETÓRIA
LENDÁRIA

DR. ALFREDO LEVY

Q
“No final dessa jornada pela vida uando me pediram para escrever um pouco da história do meu
do meu pai só posso enfatizar pai, fiquei apreensiva, afinal, quando nasci ele já estava com
o orgulho que eu e toda a família quase 57 anos! Não presenciei mais da metade de sua vida.
(minha mãe, com quem é casado há Seria mais simples se ele mesmo escrevesse, mas, infelizmente,
56 anos, seus três filhos e três netos) aos 94 anos (e duas cirurgias aos 91 com anestesia geral) sua
memória não é mais a mesma. Então, resolvi tomar isso como um
sentimos do homem e do profissional
desafio e uma oportunidade para saber alguns detalhes de sua
que ele sempre foi e continua sendo.”
trajetória.
Isabela Levy Nascido no final de 1922, em uma casa na Vila Mariana, bairro
da cidade de São Paulo, meu pai é filho único de um casal de
judeus alemães naturalizados brasileiros, que imigraram para
o Brasil fugindo das dificuldades de uma Europa pós 1ª Guerra
Mundial.
Aos três anos, perdeu a mãe por problemas de saúde
decorrentes das privações sofridas durante a guerra,
e foi, desde então, criado pelo pai e por governantas.
Nessa época, já morava na Europa, onde residiu boa
parte de sua infância. Lá, foi alfabetizado e aprendeu
vários idiomas. Na volta ao Brasil, estudou no Colégio
Americano Mackenzie.

8 • Tratamento de Superfície 201


Aos 18 anos, ingressou no Centro de Preparação Durante um bom tempo fez parte da banca
de Oficiais da Reserva de São Paulo (CPOR), onde se examinadora da seleção de alunos para a USP. Ministrou
tornou tenente da cavalaria. Esse fato é, sem dúvida, aulas por vários anos e foi orientador de doutorado.
seu maior motivo de orgulho até hoje. Dedicou também vários anos ao Conselho Regional
Em 1942 graduou-se na sexta turma de Química de Química, entidade em que foi conselheiro e primeiro
da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da secretário. Uma de suas principais realizações foi a
Universidade de São Paulo (USP), que na época elaboração do primeiro regimento interno, trabalho
funcionava na Alameda Glete, na capital paulista. executado no final da década de 1950, juntamente com
Tornou-se Doutor seis anos mais tarde na mesma o químico industrial João Pucci e o engenheiro químico
universidade. Paulo Mathias. O documento norteou as atividades do
Meu pai iniciou sua carreira prestando consultoria Conselho até 1994, quando foi reformulado.
em diversas áreas da química. Em 1952, ingressou Não poderia deixar de lembrar que durante muitos
no Instituto Butantã como pesquisador bolsista do anos foi atuante no Sindicato dos Químicos, Químicos
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico Industriais e Engenheiros Químicos do Estado de São
e Tecnológico (CNPq). Atuava no Departamento de
Paulo (SINQUISP).
Bioquímica e era responsável pelo controle químico da
Até o ano passado prestou serviços à Associação
produção do Instituto.
Brasileira de Tratamentos de Superfície (ABTS),
Saindo de lá, foi chefiar o laboratório da Sociedade
entidade da qual recebeu o título de sócio-honorário.
Algodoeira do Nordeste Brasileiro (Sanbra), hoje
Ali, ocupou o cargo de 1º Secretário de 1982 a 2009
incorporada à Bunge Alimentos. No Estado de São
e foi Diretor-Secretário de 2010 a 2012, integrando
Paulo, a empresa produzia óleos e derivados. Além de
sucessivas gestões da diretoria. Em 2013, já aos
chefiar o laboratório da capital, também supervisionava
90 anos, decidiu aposentar-se da mesa diretora da
as unidades do interior do Estado.
ABTS e, mesmo sem se candidatar, recebeu um voto.
Em 1957, deixou a Sanbra e passou a trabalhar
Como forma de homenageá-lo, a instituição concede
no Instituto Pinheiros de Produtos Terapêuticos,
anualmente a “Bolsa de Estudos Alfredo Levy”, que
que chegou a responder por 80% do abastecimento
garante ao estudante contemplado o pagamento integral
nacional de antitoxinas e vacinas. Permaneceu na
de mensalidades e taxas de um curso de Química ou de
empresa até 1963, quando começou a atuar em
Engenharia Química nas Faculdades Oswaldo Cruz.
indústrias automobilísticas. Nesse ramo, trabalhou boa
Sempre foi um leitor compulsivo. Assinava diversas
parte de sua vida, como chefe de laboratório, ligado
principalmente ao tratamento de superfícies. Foi um publicações internacionais e não deixava passar nem

dos pioneiros em pesquisa e desenvolvimento de rótulos de produtos. Muito solícito e disposto a ajudar,

produtos anticorrosão para esse segmento. a simpatia sempre foi sua marca registrada.

A primeira empresa em que trabalhou no ramo foi Após a aposentadoria, começou a trabalhar com
a Willys Overland, fabricante do Jeep. Nessa época, tradução de textos técnicos do inglês e alemão para
morava na Granja Viana e ia todos os dias para São o português. Dava também consultoria para algumas
Bernardo do Campo pela Rodovia Raposo Tavares, empresas do ramo químico, principalmente na área de
ainda com pista simples. Nessa época, também não normas técnicas. Seu último trabalho foi como revisor
existiam a Avenida Bandeirantes, nem a marginal da revista Química e Derivados.
Pinheiros. Até hoje pensamos a viagem que era até lá! No final dessa jornada pela vida do meu pai só posso
Depois vieram a Mercedes Benz e a Ford. enfatizar o orgulho que eu e toda a família (minha mãe,
Aposentou-se em 1984, quando trabalhava numa com quem é casado há 56 anos, seus três filhos e três
empresa fabricante de materiais para fosfatização de netos) sentimos do homem e do profissional que ele
óleos. sempre foi e continua sendo.

Tratamento de Superfície 201 • 9


• CALENDÁRIO CULTURAL 2017 •

MAR 15 | Curso de CQI 11 e 12 ABTS | SP


20 a 24 | Curso de Tratamentos de Superfície ABTS | SP
CURSO

3 e 4 | Curso de Processos de Pintura Joinville | SC


ABR 5 | Curso de Cálculos e Custos em Tratamentos de Superfície Joinville | SC
18 | Palestra Técnica - Fórum de TS na Indústria Automotiva ABTS | SP
CURSO PALESTRA

23 | Curso de Fosfato ABTS | SP


MAI
24 | Curso de E-Coat ABTS | SP
CURSO

12 | Curso de Cálculos de Custos em Tratamentos de Superfície Curitiba | PR


JUN 20 | Palestra Técnica - Pintura ABTS | SP
21 e 22 | Curso de processos de pintura ABTS | SP CURSO PALESTRA
23 | Curso de Cálculos de Custos em Tratamentos de Superfície ABTS | SP

3 a 19 | Curso noturno de Tratamentos de Superfície ABTS | SP


JUL 25 e 26 | Curso de processos de pintura Campinas | SP
27 | Curso de Cálculos de Custos em Tratamentos de Superfície Campinas | SP CURSO PALESTRA

5 | 49º Aniversário da ABTS | SP Evento


AGO 14 a 18 | Curso de Tratamentos de Superfície Joinville | SC
22 | Palestra Técnica - Fixadores ABTS | SP CURSO PALESTRA SOCIAL

13 | Curso de CQI 11 e 12 ABTS | SP


14 e 15 | Curso de Pintura Industrial Caxias do Sul | RS

SET 16 | Curso de CQI 11 e 12 Caxias do Sul | RS


18 a 22 | Curso de Tratamentos de Superfície ABTS | SP CURSO

25 e 26 | Curso de processos de pintura Curitiba | PR

2 a 5 | Curso de Tratamentos de Superfície Curitiba | PR


OUT 17 | Palestra Técnica - Perspectivas para 2018 ABTS | SP
24 e 25 | Curso de processos de pintura Manaus | AM CURSO PALESTRA
27 | Curso de Cálculos de Custos em Tratamentos de Superfície Manaus | AM

NOV 7 e 8 | Curso de processos de pintura ABTS | SP


9 | Curso de Cálculos de Custos em Tratamentos de Superfície ABTS | SP
CURSO

DEZ 8 | Confraternização Evento


SOCIAL

Aproveite para programar a participação da sua empresa e dos seus colaboradores nos eventos da Associação em 2017:
abts@abts.org.br

Os eventos poderão ser alterados. Confira a agenda da ABTS com todos os eventos programados no site:
www.abts.org.br

10 • Tratamento de Superfície 201


• PALAVRA DA FIESP •

A RETOMADA DO
CRESCIMENTO ECONÔMICO

O
Brasil começou o ano de 2017 vão corrigir distorções que tolhem o em outros Países. A importância do
com o grande desafio de recons- bom funcionamento da economia. Novo Regime Fiscal e os motivos que
truir sua capacidade de crescer. O País como um todo, e os empre- embasaram sua aprovação só podem
Tudo indica que estamos no caminho sários em particular, sofrem com os ser entendidos se olharmos para o
certo para isso. A primeira tarefa, no custos adicionais na economia, com- comportamento das finanças públicas
curto prazo, é equilibrar as finanças postos pela soma do excesso de tribu- nos últimos anos. Entre 1997 e 2015,
públicas. Demos um importante passo tação, da burocracia para o pagamento as despesas do governo federal cres-
com a readequação do gasto público, o de impostos, do elevadíssimo custo ceram, em termos reais, 6,1% ao ano,
que está contemplado na chamada Lei de capital, da insegurança jurídica, do enquanto o PIB cresceu em média
do Teto, que limita o crescimento das custo e da ineficiência da infraestrutu- 2,6%. Ou seja, as despesas cresceram
despesas do governo. Ela precisa ser ra nacional, do câmbio volátil e sobre- numa velocidade mais de duas vezes
seguida pela reforma da Previdência e valorizado por longos períodos. Esse maior do que a economia nacional, que
por uma série de outras reformas, que conjunto de características negativas é é a própria base para arrecadação de
o que se apelidou de Custo Brasil. impostos. Essa situação é, obviamente,
Com a lição de casa feita no caso insustentável.
dos gastos, ficam criadas as bases Para fechar as contas, o governo
para no médio prazo combater o Custo quase sempre apelava para criação de
Brasil. Isso é essencial para aumentar impostos ou para aumento de alíquotas
a competitividade do País e permitir a dos tributos existentes. Esse foi o caso
recuperação de sua indústria. da CMPF e do PIS/Cofins, por exemplo.
Além disso, o processo de formaliza-
A primeira das grandes reformas, a
ção no mercado de trabalho e o boom
base do ajuste, é a Emenda Constitu-
de commodities também contribuíram
cional que estabelece o Novo Regime
para que a arrecadação do governo
Fiscal para a União. Seu mecanismo
crescesse.
básico é um teto global para as despe-
Quando a economia brasileira co-
sas da União, que a cada ano poderá
meçou a desacelerar, em 2014, ficou
gastar, no máximo, o que gastou no
evidente a insustentabilidade do cres-
ano anterior corrigido pela inflação do
cimento das despesas. O resultado
mesmo período. Isso quer dizer que,
primário do governo federal, que nos
assim que a inflação se estabilizar, as
anos anteriores esteve na faixa dos R$
despesas da União pararão de cres-
70 bilhões positivos, se transformou
cer em termos reais. Essa regra terá
num déficit de R$ 170,5 bilhões. A dí-
vigência máxima de 20 anos e poderá
vida bruta, que equivalia a 53% do PIB
ser revista em 10 anos, por meio de lei
no início de 2014, deve encerrar 2016
ordinária, ou seja, sem nova alteração perto de 74% do PIB.
Não há mágica para se mudar este da Constituição. O ajuste fiscal é absolutamente
quadro: é preciso definir como queremos Inédita na história das finanças necessário, mas a sociedade brasileira
nos posicionar frente aos outros países e públicas brasileiras, a regra que limita não admite que seja realizado, de novo,
o crescimento de gastos é realidade pelo aumento de impostos. Se não for
desenvolver e implementar os próximos
passos de forma conjunta, disciplinada corrigida a trajetória das despesas pú-
SE NÃO FOR CORRIGIDA A TRAJETÓRIA DAS DESPESAS blicas, dificilmente poderemos pensar
e sistemática.
PÚBLICAS, DIFICILMENTE PODEREMOS PENSAR EM em crescimento econômico nos pró-
ximos anos, já que a incerteza sobre a
CRESCIMENTO ECONÔMICO NOS PRÓXIMOS ANOS, JÁ QUE
viabilidade fiscal do Estado brasileiro
A INCERTEZA SOBRE A VIABILIDADE FISCAL DO ESTADO continuará afastando investimentos.
BRASILEIRO CONTINUARÁ AFASTANDO INVESTIMENTOS. E a indústria brasileira precisa de
confiança na economia para investir,
Paulo Skaf crescer, gerar empregos e contribuir
Presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Centro das
Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp)
positivamente com o crescimento do
Brasil.

12 • Tratamento de Superfície 201


• ORIENTAÇÃO TÉCNICA •

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ÓLEO


EM SOLUÇÃO DE DESENGRAXANTES
EMULSIFICANTES POR MEIO DE ACIDIFICAÇÃO
Douglas Bösel
Gerente de produto (FC/PST/FEC/EN) da Atotech do Brasil
douglas.bosel@atotech.com

D
esengraxantes são soluções REMOVEDORES DE PASTAS/
de limpeza de, basicamente, CERAS DE POLIMENTO
três tipos: Formulados para amolecer,
emulsionar ou saponificar*** es-
EMULSIFICANTES – tearatos e outos compostos que
categoria que se divide em compõem estes materiais utiliza-
dois tipos: dos em linhas de processos deco-
1. Altamente emulsificantes***: rativos. Normalmente, utilizam alta
Normalmente apresentam mé- temperatura e baixa alcalinidade,
dia alcalinidade. Contêm alto indicado para Zinco, Latão, ZDC e
teor de surfactantes mais com- Alumínio.
plexos e, por vezes, de maior *** Saponificação – Reação química entre
custo. Longa vida útil, menor um sal alcalino (NaOH, KOH, Na2CO3, etc.)

temperatura de operação e com com ácidos graxos ou outras sujidades re-


ativas, resultando em um composto solúvel
tendência a maior formação de
em água, tal como um sabão (que pode
espuma;
adicionar propriedades detergentes ao de-
DESENGRAXANTES 2. Baixo e/ou médio emulsifican-
sengraxante, resultando em maior espuma).
EMULSIFICANTES SÃO tes: Desengraxantes de baixo Temperatura elevada, concentração e alto
AQUELES QUE NÃO custo, menor vida útil e maior pH promovem a velocidade e conclusão
SEPARAM E TAMPOUCO temperatura de operação. da reação.
SAPONIFICAM O ÓLEO *** Nesta categoria, incluem-se os desen-
QUE REMOVEM DA O método descrito através do
graxantes biorremediados.
PEÇA, POIS, ATRAVÉS título dessa orientação técnica apli-
ca-se aos desengraxantes emulsi-
DA EMULSIFICAÇÃO,
DEMULSIFICANTES (ou ficantes.
PROCESSO QUÍMICO PELO
separadores): Desengraxantes emulsificantes
QUAL OS SURFACTANTES são aqueles que não separam e
Necessitam de equipamento
PENETRAM NAS SUJIDADES tampouco saponificam o óleo que
adicional para remoção do óleo
OLEOSAS DA PEÇA, da solução (separadores de óleo, removem da peça, pois, através da
QUEBRAM-A EM GLÓBULOS emulsificação, processo químico
skimmers, etc). Se a retirada de
pelo qual os surfactantes penetram
SUFICIENTEMENTE óleo for eficiente, maior vida útil.
nas sujidades oleosas da peça,
PEQUENOS PARA PERMITIR Porém, pode causar contaminação quebram-a em glóbulos suficien-
A DISPERSÃO E SUSPENSÃO orgânica em sequências de galva- temente pequenos para permitir a
NA SOLUÇÃO. noplastia. dispersão e suspensão na solução.

14 • Tratamento de Superfície 201


• ORIENTAÇÃO TÉCNICA •

A estes compostos suspensos da- • Deixe a proveta em repouso, em


mos o nome de Micelas: local plano (o tempo varia de
acordo com as características
da solução desengraxante, po-
dendo levar de 15 minutos até 2
horas em repouso).

Teor de óleo no desengraxante


(% v/v) = (ml de óleo separado
/ ml de desengraxante) x 100

Exemplo: (2 ml de óleo / 50ml


de desengraxante) x100 = 4%

Para melhor ilustração do pro-


cesso, segue fluxo representando
a remoção de sujidades na peça,
formação da micela e dispersão na
solução:

Um teor de óleo entre 4 – 5%


O teor de óleo de uma solu-
(40.000 – 50.000ppm) é geralmen-
ção desengraxante é um parâmetro
te aceito como limite superior mais
frequentemente utilizado para de-
comum. Entretanto, aplicações de
terminar a vida útil de um banho.
desengraxe são diferentes entre
O método descrito a seguir, pode
si, podendo elevar ou até dimi-
ser usado para determinar o teor
nuir esse limite. Um limite mais
de óleo em uma solução de desen-
significativo e preciso pode ser
graxante alcalino. Alguns detalhes
desse método, como a quantidade determinado através de análise ao
de amostra, podem ser facilmente longo da vida do desengraxante,
modificados de acordo com as ne- rastreando o teor de óleo desde o
cessidades do cliente. início da operação até a queda de
• Adicione 50 ml da solução al- sua performance, momento o qual
calina de banho desengraxante será encontrado o teor de óleo
em uma proveta graduada, com crítico para a operação. No futuro,
tampa. este teor pode ser utilizado como
• Lentamente, adicione 30 ml de limite para a operação.
solução de ácido sulfúrico 50%.
• Coloque a tampa na proveta e NOTA: Nem todos os contaminantes de
misture, cuidadosamente, a so- um banho de desengraxante alcalino
lução invertendo verticalmente podem ser determinados por meio desse
a proveta. método.
• MATÉRIA TÉCNICA •

COEFICIENTE DE FRICÇÃO PARA AS


ESPECIFICAÇÕES AUTOMOTIVAS
Christine Rohr

P
or décadas, revestidores têm fornecido com O que significa o coeficiente de fricção?
sucesso porcas e parafusos zincados eletroli- Muitas vezes uma conexão aparafusada é usada
ticamente com cromatizantes amarelo. Pré-tra- para unir com segurança duas partes. O ponto-chave
tamentos para influenciar o coeficiente de fricção µ é a quantidade de força que pressiona as peças em
(lubrificantes) eram aplicados pelo usuário final ime- conjunto. A força de aperto não deve exceder uma
certa quantidade para não danificar o parafuso nem
diatamente antes da montagem.
as partes conectadas. No entanto, a força de aperto
Nos últimos anos, as tecnologias de revestimento
não deve descer abaixo de certo valor uma vez que
e de montagem têm sofrido muitos avanços técnicos.
as partes seriam ainda móveis umas contra as outras.
Estações automáticas de aperto e velocidade de mon-
Esta força não pode ser medida diretamente durante a
tagem mais rápidas melhoraram o tempo de montagem montagem, mas o torque usado para apertar o parafuso
das linhas. sim. O coeficiente de atrito (cof) μtotal é a ligação entre
No início do século, a Comunidade Comum Europeia a força de aperto (Fc) e o torque de montagem (TA) e
se comprometeu em banir produtos contendo Cr(VI) é determinado para parafusos métricos de acordo com
do uso na indústria automobilística. O principal inte- a seguinte equação:
resse em desenvolver novos sistemas base Cr(III) foi
a proteção à corrosão e aspecto visual que levaram ao
aumento do uso de sistemas selantes. Os resultados
desta mudança foram grandes dificuldades durante a
montagem, especialmente de parafusos revestidos com
as novas superfícies. As partes conectadas também P, d2, DKM: constantes específicas para os respectivos
foram afetadas. Com estes resultados veio a constata- parafusos
ção de que o coeficiente de atrito deve ser reconhecido
como critério para superfícies galvanizadas e sempre Se o coeficiente de atrito e o torque são conhecidos,
levado em consideração. a força de aperto pode ser calculada.

16 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

Especificações da indústria
automobilística
O torque é o único parâmetro
controlável para um conjunto de pa-
rafusos e, portanto, o único a manter
uma verificação e, finalmente, para
ajustar.
A fim de obter uma força de
aperto constante com um torque
constante aplicado, o coeficiente de
atrito deve também permanecer o
mesmo. Esta é a razão pela qual,
especialmente a indústria automo-
tiva, com seus muitos processos de
montagem automatizada, tinha esta-
belecido muito cedo os limites para
o coeficiente de atrito. Duas faixas Figura 1: coeficiente de atrito total médio de diferentes cromatizantes em Zn alcalino e ácido
foram estabelecidas no mercado eu- Zn, em parte revestido com um lubrificante adicional
ropeu, a faixa VDA com coeficientes
de atrito de μtot = 0.08 - 0.14 e a de montagem mais elevados para Adicionalmente, as passivações
faixa francesa de μtot = 0.12 - 0.18. obter forças de fixação semelhan- não apresentam o efeito de autocura
Para o mercado americano, a faixa tes em comparação com as gamas como fazem os cromatizantes. Para
de μtot = 0,10 – 0,16 é predominan- inferiores de valores da indústria obter resultados comparáveis para
te. Antes de banir os produtos com proteção contra a corrosão, é prática
automobilística.
Cr(VI), esta faixa era mantida usando comum utilizar um selante adicional.
lubrificantes apropriados nos para- A proibição de cromatizantes O resultado do coeficiente de
fusos cromatizados. Requisitos para com Cr (VI) atrito do sistema completo do re-
definir coeficientes de atrito fora
Inicialmente, o foco da mudan- vestimento é considerável e levou
da indústria automotiva seguiram o
ça dos cromatizantes com Cr (VI) algum tempo para ser reconhecido
exemplo.
para passivações de Cr (III) estava e adaptado.
Alternativamente, o coeficiente
na proteção contra corrosão, bem As passivações com Cr (III) mos-
de atrito resultante de uma super-
como nos aspectos visuais. Mas, tram uma maior dispersão para o
fície existente foi aceito e traba-
lhado, independentemente do seu mesmo uma simples comparação coeficiente de atrito. A gama de va-
valor “verdadeiro”. Esta propriedade da espessura dos pós-tratamentos lores foi significativamente alargada
de um acabamento galvanizado foi mostra que não só a proteção contra de μtot = 0,21 - 0,28 para μtot = 0,18-
aceita como foi recebida e não espe- a corrosão é afetada (Tabela 1). 0,38 (Figura 2).
cificada com valores exatos
Ocorreu que os revestimentos de Tabela 1: Propriedades selecionadas de pós-tratamentos para
zinco cromatizados – o tratamento camada de zinco eletrodepositado.
de superfície principal antes da proi-
Pós-tratamentos Visual Espessura Proteção à corrosão
bição de Cr (VI) 2007 na indústria de camada até corrosão
automotiva – resultam em um inter- branca (ISO 9227)
valo de valor para o coeficiente de Cromatização amarela amarelada ~ 250nm ~ 144h – 192h
atrito em uma margem similar, mas Cromatização oliva oliva 400 – 600 nm ~ 380h – 480h
com valores mais altos: o coeficiente
Cromatização negra negra 300 – 400 nm ~ 24h – 48h
dessas superfícies varia entre 0,21 a
Passivação azul azulada 80 – 100 nm ~ 48h – 96h
0,28 (Figura 1).
Passivação alta camada iridescente 200 – 400 nm ~ 192h – 360h
Assim, uma montagem segura
Passivação negra negra 200 – 400 nm ~ 24h – 72h
poderia ser obtida utilizando torques

Tratamento de Superfície 201 • 17


• MATÉRIA TÉCNICA •

3) Caso desfavorável 2: O trata-


mento de superfície resulta em
um coeficiente de atrito muito
mais baixo. Assim, a força de
aperto desejada é atingida com
um torque menor do que o de-
finido anteriormente. Uma vez
que o torque pré-definido não
é atingido ainda o processo de
montagem não é interrompido re-
sultando em uma força de aperto
muito maior aplicada. Isso pode
levar a quebrar o parafuso e / ou
danificar gravemente as peças
conectadas.
Figura 2: Comparação da média de μtot de diferentes passivações (1-7) e cromatizações (8-11) A utilização de qualquer selante
em parafusos de zinco alcalino. ou lubrificante numa camada passi-
vada de zinco conduz habitualmente
a uma diminuição do coeficiente de
fricção, resultando tipicamente num
valor μtot = 0,08 - 0,16.
A utilização de uma superfície de
zinco passivada e selada como subs-
tituto em parafusos anteriormente
revestidos com zinco e cromatizan-
te resulta, assim, em propriedades
funcionais consideravelmente alte-
radas: o coeficiente de atrito é redu-
zido significativamente e, utilizando
a mesma instrução de montagem
como antes da alteração, resulta
em maiores forças de fixação que
eventualmente poderiam destruir o
Figura 3: Alterar o coeficiente de atrito e seu efeito sobre a força de fixação (FC) com torque parafuso e / ou peças montadas.
fixo (TA) Do ponto de vista da montagem, a
mudança dos cromatizantes com Cr
Revestir um parafuso com o durante a montagem, porque o (VI) para passivações Cr (III) leva a
tratamento de superfície “zinco + torque relatado – o único pa- três efeitos principais:
passivação” pode resultar em resul- râmetro que pode ser medido - coeficiente de atrito mais extre-
tados muito diferentes para a monta- – atingiu seu limite pré-definido. mo;
gem (Figura 3): Como o cof é muito alto, a força - muito maior dispersão do coefi-
1) Melhor caso: o tratamento super-
de fixação necessária não é obti- ciente de atrito;
ficial resulta no coeficiente de
da. - montagem de parafuso difícil de
fricção pré-calculado dando uma
montagem funcional. As peças não estão conectadas não-controlável.
2) Caso desfavorável 1: O tratamen- corretamente, o movimento entre Para a indústria automotiva, o
to superficial resulta em um co- as peças pode ocorrer em última uso de selantes adicionais de lubri-
eficiente de atrito muito maior, análise resultando em uma conexão ficantes está bem estabelecido há
levando a uma parada antecipada com falha. muito tempo e foram rapidamente

18 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

estabelecidas soluções para manter


o coeficiente de atrito com essas
novas superfícies livres de Cr (VI).
Anteriormente, os cromatizantes
também eram tratados para dar o
coeficiente de fricção requerido.
No entanto, muitas das aplica-
ções de montagem fora do mundo
automotivo regulamentado tinham
sido desenvolvidas usando o dado
coeficiente de atrito fornecido pelos
cromatizantes. Devido à queda no
valor do coeficiente de atrito dos
tratamentos superficiais livres de
Cr (VI), não puderam ser atendidos
até recentemente. Ainda mais difícil, Figura 4a: cof de parafusos cromatizados, montados com porcas de aço liso (azul) e porcas
cromatizadas (vermelho)
é prática comum combinar diferen-
tes superfícies revestidas durante
a montagem. Mas os valores para
o coeficiente de atrito são tomados
de acordo com a norma ISO 16047
em combinação não com superfícies
revestidas, mas superfícies de aço
lisas. Isto é para obter resultados
de teste comparáveis, eliminando a
influência de superfícies revestidas,
mas para a superfície testada no pa-
rafuso, respectivamente. A pesqui-
sa usando não somente parafusos
revestidos, mas pelo menos porcas
revestidas na combinação mostra
que a combinação de superfícies re-
vestidas está baixando o valor do co-
Figura 4b: cof de parafusos passivados e selados, montados com porcas de aço liso (azul) e
eficiente ainda mais. A utilização de porcas passivadas (vermelhas) e porcas passivadas e seladas (verde)
superfícies cromatizadas neste teste
conduz a uma ligeira diminuição no Ajustando o coeficiente de metros de montagem são alterados
coeficiente de atrito mantendo um atrito para um nível mais alto para o recém-alcançável (e signifi-
nível bastante elevado para o valor Somente duas áreas definidas cativamente menor) coeficiente de
de μtot (Figura 4a). com coeficiente de atrito definido, a atrito: o torque precisa ser recalcu-
O uso de superfícies passivadas “faixa-VDA” (µtot = 0,09 – 0,14) e a lado para obter a mesma força de
e passivadas e seladas leva a uma “faixa francesa” (µtot = 0,12 – 0,18) fixação com um coeficiente de atrito
queda bastante significativa para o serviram como produtos correspon- alterado.
valor de μtot (Figura 4b), espe- dentes. Mas isso não é possível ou mes-
cialmente quando a combinação de Algumas configurações ções an- mo factível para todas as configura-
superfícies é comparada com combi- tigas de montagem com superfícies ções de montagem. Tanto a força de
nações de superfícies cromatizadas anteriormente cromatizadas são aperto máxima possível como o tor-
agora desatualizadas. ajustadas de tal forma que os parâ- que aplicável com a mesma depen-

Tratamento de Superfície 201 • 19


• MATÉRIA TÉCNICA •

dem não apenas do coeficiente de atrito da combinação


de superfície utilizada, mas também da geometria do
parafuso. Um parafuso de tamanho M10 é capaz de
suportar pré-cargas muito maiores do que um tamanho
de parafuso M3 graças ao maior diâmetro.

Tabela 2: Diâmetro de passo básico, passo


e máx. força de aperto para parafusos M3 e
M10, classe de resistência 10.9 (conforme VDI
2330, DIN EN 13)

Diametro básico Torque [Nm] at µ =


do passo-
Ø*[mm] Passo* Força de 0,08 0,15 0,20 0,25
aperto* [kN]

M3 2,675 0,5 2,5 0,96 1,62 2,1 2,6

M10 9,026 1,5 28,8 36 61 80 98

No caso de montagem de parafusos muito peque-


nos, maiores coeficientes de atrito têm a vantagem de
consumir a maior parte da energia (> 90%) para superar
o atrito. Isto é muito útil na montagem manual devido a
uma maior resistência contra o aperto do parafuso. Um
conjunto de montagem com força de fixação suficiente
é facilmente realizado ao experimentar uma maior re-
sistência contra o aperto em movimento manualmente.
A mudança dos tratamentos de superfície cromati-
zadas com Cr (VI) e passivadas isentas de Cr (VI) e a
consequente perda substancial para o cof conduzem a
muito menos energia perdida (apenas cerca de 80%)
para o processo de montagem. Isto significa que muito
mais energia é colocada na construção da força de
aperto sem aumentar o torque para o valor pré-definido
aparentemente dando uma conexão de parafuso “ainda
não apertada”. Na realidade, o valor máximo para a for-
ça de aperto é excedido e a destruição do conjunto de
peça de parafuso quase inevitável.
Agora, este assunto é resolvido usando selantes
novos. Contrariamente aos selantes ou lubrificantes
comuns, a utilização destes produtos inovadores não
diminui o coeficiente de atrito, mas aumenta o coefi-
ciente de atrito para um intervalo de valores definido e
também reduz a dispersão. As áreas de valores para o
coeficiente de atrito acima das faixas automotivas defi-
nidas usuais podem ser deliberadamente estabelecidas.
Um exemplo de mudança do coeficiente de atrito
(cof) nos parafusos revestidos com zinco alcalino e
uma fina camada de passivação pelo uso destes novos
produtos é mostrado na tabela 3:
• MATÉRIA TÉCNICA •

Tabela 3: cof dos parafusos, com zinco alcalino eletrodepositado ser comparadas com um parafuso
+ passivação de camada fina + alguns selantes fictício. Somente poucas combina-
Passivação selante Ø µTotal ções de revestimento deveriam ser
isento 0,18
testadas no próximo passo, no pro-
HESSOTOP HotStar SP 19 0,215
cesso real de montagem, para en-
contrar a melhor solução.
Passivação camada fina HESSOTOP HotStar SP 25 0,262
Com os novos e inovadores se-
HESSOTOP HotStar SP 30 0,287
lantes da série de produtos HES-
SOTOP HotStar, agora é possível
atender não só as bem conhecidas
faixas de valor para coeficientes
de atrito na indústria automotiva,
mas também faixas de coeficiente
de atrito significativamente maiores
para aplicações alternativas.

Christine Rohr
OEM Manager da Dr.Hesse,Bielefeld,
Alemanha.

Traduzido por José Carlos D’amaro


Diretor de Processos Químicos da Alpha
Galvano Quím. Bras. Ltda.
jose.carlos@alphagalvano.com.br

Figura 5: Coeficiente de atrito dos parafusos selados (selante HESSOTOP HotStar SP 30 para
alcançar alta temperatura, selante HESSOTOP HotStar DE para cof de acordo com a faixa
VDA) combinado com porcas revestidas de forma diferente. Azul: sem revestimento (padrão
para ISO 16047); Vermelho: zincado + passivado; Verde: zincado + passivado + selado com
HESSOTOP HotStar SP 30)

O efeito destes selantes é clara- juntos de parafusos difíceis ou não


mente observado em situações de funcionando é sempre uma análise
montagem simuladas. O uso conven- completa do sistema completo, con-
cional de porcas eletrodepositadas siderando:
resulta em coeficientes de atrito - Qual costumava ser o revestimento
significativamente menores para a dos parafusos quando o proces-
combinação com parafusos eletro- so de montagem era funcional?
depositados. A utilização de porcas - Que combinações de superfícies
revestidas com o selante “V30” re- foram usadas e foram experi-

duz a perda de atrito (Figura 5). mentadas até agora?


- O que exatamente foi mudado, e
Geração confiável de altos por quê?
coeficientes de atrito - Quais são os novos requisitos?
É importante notar que o coefi- - O que foi experimentado e mudado
ciente de atrito não depende ape- até agora?
nas do selante utilizado, mas de Este método permite reduzir as
todo o sistema montado. Portanto, múltiplas possibilidades de camadas
o primeiro passo para resolver con- protetivas para um mínimo que deve
• MATÉRIA TÉCNICA •

CONVERSÃO DE CAMADAS NANOCERÂMICAS


ISENTAS DE CROMO VI E CROMO III
Fernando Brasilio da Silveira

Em muitos setores, já é possível substituir os


revestimentos de cromo sobre superfícies de
alumínio por sistemas equivalentes isentos
de cromo ou de cromo VI.

1. ABSTRACT Todos estes sistemas são livres de cromo (VI) e cro-


The market is now able to offer a variety of different chrome- mo, tornando-os mais ambientalmente seguros e mais
free anticorrosion protection systems to meet the sophisticated fácil de lidar do ponto de vista das águas residuais do
requirements of the coatings market. Systems approved by que os processos convencionais de cromatização. E,
quality associations GSB International and Qualicoat, thus quanto a questões de saúde e segurança, os sistemas
fulfilling the high quality standards of the architectural apresentados têm vantagens adicionais devido à sua
coatings. composição química.
All these systems are free of chrome (VI) and chrome, O desempenho de proteção contra a corrosão no
making them more environmentally safe and easier to handle seu estado revestido a pó é absolutamente comparável
from the wastewater viewpoint than conventional chromatizing com o da cromatização.
processes. And regarding health and safety issues, the systems
presented have additional advantages because of their chemical 2. INTRODUÇÃO
composition.The performance of corrosion protection in its
2.1. Por que Cromo Free ou Livre de
powder-coated state is absolutely comparable with that of
Cromo?
chromatisation.
“Cromo Free” é um processo que está ganhando
importância nos últimos tempos, apesar da conversão
RESUMO
convencional amarela ainda estar em uso em muitas
Atualmente, o mercado tem condições de oferecer
instalações de revestimento hoje em dia e continuar
uma variedade de diferentes sistemas de proteção
a ser um dos melhores métodos de proteção contra
anticorrosiva isentas cromo para satisfazer as exigên-
a corrosão. No entanto, é previsível que esta técnica
cias sofisticadas do mercado de revestimentos. Estes venha a perder gradualmente a sua importância nos
sistemas são aprovados pelas associações de quali- próximos anos e será substituída por processos alter-
dade GSB International e Qualicoat, cumprindo assim nativos. Quais são as razões para isso?
os elevados padrões de qualidade dos revestimentos É do conhecimento geral que os compostos de
arquitetônicos. cromo (VI) são tóxicos e capazes de alterar códigos ge-

22 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

néticos, bem como ser cancerígenos. As camadas ama- 3. O DESENVOLVIMENTO


reladas com cromo contêm uma proporção conside- Os processos estudados são completamente isen-
rável destes compostos tóxicos e, consequentemente, tos de cromo, isto é, não contêm compostos crômicos
tornam-se cada vez mais significativas, especialmente tóxicos, hexavalentes (Cr6 +) ou trivalentes (Cr3 +). Os
quando os processos de reciclagem, e a reutilização de produtos de substituição envolvidos são compostos
automóveis, ou a eliminação de componentes cromados com titânio ou zircônio.
destes. O titânio e os seus compostos também são imple-
Portanto, não é nenhuma surpresa que o uso de mentados em vários outros campos de trabalho, e como
compostos de cromo hexavalente (Cr6 +) tornou-se im- elemento de liga em aços inoxidáveis, em artigos exte-
popular nas indústrias elétrica e automotiva há alguns riores e desportivos, na fabricação de gemas sintéticas,
anos. Além disso, as especificações exigem cada vez em implantes dentários e como pigmentos brancos em
mais um pré-tratamento livre de cromo ou pelo menos revestimentos em pó.
livre de cromo (VI) para elementos estruturais no setor Devido à sua elevada resistência à corrosão, o
da arquitetura (alumínio revestido a pó). zircônio é utilizado, por exemplo, como uma liga cons-
A procura de substâncias alternativas recebeu um tituinte em aço, para instrumentos cirúrgicos e instala-
ções químicas, bem como em tecnologia nuclear.
novo ímpeto na forma do Regulamento CE nº 1907/2006
Além das combinações dos metais especificados,
(REACH - Registo, Avaliação, Autorização e Restrição
estes sistemas de proteção contra a corrosão alterna-
de Produtos Químicos) para o qual foram adicionadas
tivos contêm também agentes formadores de película
várias substâncias com um teor de cromo (VI) - A lista
orgânicas e componentes poliméricos que otimizam a
de candidatos SVHC (SVHC = Substâncias de Alta Pre-
aderência da tinta.
ocupação). Apesar de uma obrigação de longo alcance
de fornecer informações ao longo da cadeia de abaste- Estrutura da camada esquemática
cimento, estas medidas ainda não constituem uma proi- (simplificada)
bição de utilização dessas substâncias, mas represen-
tam o primeiro passo para a autorização (normalmente
autorização ou restrição, portanto, autorização neste
caso) das substâncias relevantes num futuro previsível.
Com a recente publicação do Regulamento da UE n.º
348/2013 no Jornal Oficial L108 de 18 de abril de 2013,
estas substâncias com conteúdo de cromo (VI) na lista
de substâncias candidatas SVHC, utilizadas, por exem-
plo, nos processos de cromatização, foram incorpora-
das no Apêndice XIV do Regulamento REACH. Conse-
quentemente, tanto o prazo de encerramento do pedido
de autorização (21 de Março de 2016) como a data de
caducidade (21 de Setembro de 2017) foram agora fi-
xados para todos os compostos de cromo (VI) listados.
Após a data de caducidade, já não é permitido que as 4. O PROCESSO E SUAS REAÇÕES - UMA
substâncias relevantes sejam fabricadas, utilizadas e / VISÃO GERAL
ou importadas na UE sem autorização oficial. No que O mecanismo de reação nos processos estudados
diz respeito ao mercado do revestimento, prevê-se que baseia-se na formação de uma camada de conversão
haverá um aumento da procura de superfícies que te- que precede a ativação da superfície metálica por uma
nham sido submetidas a pré-tratamento sem cromo ou reação de decapagem. Devido à elevada dependência
sem cromo (VI). (Lançamento: maio de 2013). do valor de pH neste passo de reação, a aderência ao
Há, no entanto, boas notícias também. Em muitos valor de pH prescrito é de particular importância.
setores, já é possível substituir os revestimentos de As camadas de conversão resultantes variam de
cromo sobre superfícies de alumínio por sistemas incolor a ligeiramente amarelado. Os pesos de reves-
equivalentes isentos de cromo ou de cromo VI. timento são consideravelmente mais baixos do que os

Tratamento de Superfície 201 • 23


• MATÉRIA TÉCNICA •

obtidos no revestimento convencional com cromo e são 5. QUAL PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO É
inferiores a 0,1 g / m . Por esta razão, a definição de
2 A MAIS VIÁVEL?
Uma vez que o comportamento de proteção contra
camadas convencionais utilizando pesagem diferencial
a corrosão de um sistema depende sempre de um grau
não é suficientemente precisa e métodos de medição significativo da qualidade do metal de base, os valores
alternativos (fotométricos) foram desenvolvidos desde aqui especificados referem-se a superfícies que foram
então. sujeitas a um pré-tratamento ótimo.
Superfícies de alumínio

Superfícies de aço

Topografia de uma camada de conversão, com ampliação de 20000x

A espessura da camada neste caso é de apenas 20


- 40 nm (nanotecnologia) e contém cerca de 3 - 10 mg
de titânio por m².
Embora esta camada de revestimento seja muito Superfícies galvanizadas a quente (hdg)
fina, as superfícies de alumínio adequadamente pré-
-tratadas combinadas com um sistema de revestimento
em pó aprovado cumprem todos os requisitos especifi-
cados pelas associações de qualidade GSB Internatio-
nal e Qualicoat. O efeito protetor do processo é abso-
lutamente comparável com os processos convencionais
de cromatização uma vez que a superfície tenha sido IF = infiltração
revestida a pó.
Devido às suas camadas de revestimento finas, con-
tudo, os processos estudados dificilmente são adequa-
dos para a chamada proteção de corrosão “nua” (isto é,
sem qualquer acabamento de tinta subsequente).

5.1. EXPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA BEM


SUCEDIDA DE 10 ANOS
Além dos habituais testes de exposição ao ar livre
de três anos realizados pelas associações de qualidade,
no GSB International o período de teste para processos
alternativos de proteção contra a corrosão foi estendido
para testes de 10 anos. Estes testes de longa duração
Camada de conversão com 34 nm de revestimento com base em são conduzidos num clima industrial costeiro (neste
Zircônio(branco: zircônio clusters) caso: Hoek van Holland, Holanda).

24 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

Dois processos Nanocerâmicos base Titânio já con-


cluíram com êxito este ensaio de 10 anos a longo prazo
em condições climáticas desafiadoras:

LINHA COMPLETA DE PRODUTOS QUÍMICOS

. Ácidos em geral
. Matérias-primas básicas
Mesmo após o décimo ano de exposição, ambos
. Processos galvânicos
os sistemas não apresentaram sinais significativos de
corrosão (figura-chave para a corrosão filiforme neste . Fosfatos para pintura eletrostática
caso: F <0,1). O valor nominal para a classe de apro- . Fosfatos para trefilação e deformação
vação 4 é F ≤ 0,4 segundo GSB QR AL 631 para um . Sais para tratamento térmico
período de exposição de 36 meses.
. Óleos e lubrificantes para metalúrgica e usinagem
Corpos de prova após 10 anos de exposição ao ar
livre em Hoek van Holland / Holanda: 11 2413.8840
vendas@quiravelli.com.br

São Paulo (Matriz) | Av. Projecta, 617 | Cumbica | Guarulhos | SP

www.quiravelli.com.br

Processo Baixo teor de Titânio Processos sem enxague final

QUALIDADE, CONFIANÇA,
ECONOMIA E SERVIÇO

CHIPS | SEBOS | COMPOSTOS PARA POLIMENTO


Processo Baixo teor de Titânio Processos sem enxague final DISCOS E RODAS PARA POLIMENTO E LUSTRAÇÃO
NÃO FORAM IDENTIFICADOS SINAIS SIGNIFICATIVOS
Avenida Guinle, S/N - 07221- 020 - Cumbica - Guarulhos - SP
DE CORROSÃO.
Tel.: 11 3587.0800 Fax: 11 2412.3273
www.olga-sa.com.br vendas@olga-sa.com.br
• MATÉRIA TÉCNICA •

6. TÉCNICAS DE LAVAGEM bora não seja necessário enxaguamento final, podemos


Processos alternativos de proteção contra a cor- instalar bicos de pulverização opcionalmente (ver foto-
rosão, geralmente, reagem muito mais sensivelmente grafia ao lado) ao final do tratamento para melhorar a
à admissão de impurezas do que o processo conven- estabilidade do processo em instalações com um rendi-
cional de cromatização, de modo que um método de mento continuamente elevado de produto (Por exemplo,
enxaguamento eficiente é absolutamente essencial. em sistemas de pulverização vertical).
Após os processos de limpeza e decapagem, o Ao aderir a este método, quaisquer impurezas ou
produto deve ser enxaguado várias vezes com água de substâncias de decomposição concentradas que podem
processo (e, se necessário, com água desmineraliza- ter atingido o banho não permanecem no produto, mas
da). Os sistemas de lavagem em cascata são particu- são removidas usando uma pequena quantidade de
larmente adequados para reduzir a quantidade de água água desmineralizada (consumo em torno de 100 l / h)
virgem utilizada neste processo. Antes do processo antes do processo de secagem.
de conversão individual, o enxaguamento intensivo é
realizado com água desmineralizada com uma condu- 7. COMPARATIVO DE ESPESSURA CAMADAS
tividade não superior a 30 μS / cm (medição na água APLICÁVEIS NO ALUMÍNIO
que escorre do produto). Isto prolongará a vida útil do
banho subsequente e aumentará consideravelmente a
estabilidade do processo.

Como resultado, métodos especiais de teste foram desenvolvidos


para permitir a caracterização de camadas livres de cromo:

1. Teste de manchas de corante / Teste de


queda
Este teste é usado para fornecer uma verificação
rápida sobre se uma camada de proteção foi gerada
ou não. Uma solução de indicador especial é aplicada
à superfície pré-tratada. A alteração resultante na cor
identifica imediatamente se a camada de conversão
relevante está presente ou não.

2. Determinação da camada fotométrica


Este método permite a definição exata da camada
de revestimento e garante uma gestão confiável do pro-
Após este ciclo de enxaguamento, é efetuado um cesso. Ela implica descascar a camada de conversão de
enxaguamento final com água desmineralizada (análo- uma superfície definida e determinar o titânio e / ou o
go ao processo de cromatização) zircônio nele por meios fotométricos. Este teste pode
No caso de processos de não enxaguamento, em- ser realizado no local.

26 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

3. Métodos técnicos de medição RFA e é difícil de dissolver e que também é encontrado, e


ICP-OES como um mineral natural na forma de fluorita, CaF2. Os
O equipamento de medição analítica em laboratórios resíduos precipitados podem subsequentemente ser
específicos também pode ser usado para determinar removidos por meio de um filtro prensa.
outras características relevantes para as camadas de
9. A APLICAÇÃO NA PRÁTICA
conversão geradas. Exames mais precisos são realiza-
Com base em experiência prática com sistemas
dos usando espectroscopia de fluorescência de raios X
“Cromo Free”, existem inúmeros exemplos de aplica-
(XRF) ou plasma indutivamente acoplado (ICP).
ções em vários setores da nossa vida diária.
8. RECUPERAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS Para além da sua aplicação principal - arquitetura
As águas residuais deste processo podem ser trata- (janelas, portas, fachadas) - os processos livres de
das com muito menos esforço e menos custos do que cromo são também utilizados na engenharia médica, na
os processos de cromatização convencionais, uma vez fabricação de eletrodomésticos, na engenharia mecâni-
que o passo de descontaminação previamente neces- ca, na produção de mobiliário de escritório.
sário (redução de cromo hexavalente) pode ser omitido
completamente. Além disso, devido ao menor teor de Fernando Brasilio da Silveira
Gestor de negócios
sal e menor resistência ácida, são necessárias peque-
Metal Coat Produtos Químicos
nas quantidades de produtos químicos de neutralização
fernando@metalcoat.com.br
para condicionar as águas residuais.
A neutralização e precipitação de fluoretos livres é
possível graças à adição de compostos de cálcio (cal).
Isto provoca a precipitação de fluoreto de cálcio que

um banho de qualidade
desenvolvemos, em parceria com outras empresas, qualquer
tonalidade de banho de ouro para qualquer tipo de adorno.
solicite uma visita!

Produtos e Processos galvanotécnicos


• ouro • Prata • níquel • cobre • Paládio • rhodio sw
• rhodio negro e outros • Banho free níquel
• Banho de folheação 14,18 e 23 Klts • verniz para
imersão e eletrolítico • Banhos de imitação
de ouro, isentos de ouro e de cianeto
• Banho de folheação 18 Klts free cádmio
revenda de equiPamentos e
suPrimentos Para laBoratórios
• retificadores • resistências
• termostatos • termômetros e outros

www.electrogold.com.br
suPorte técnico qualificado | alta qualidade dos Produtos e serviços
Guaporé - rS | rua gino morassutti, 1168 (centro) | 54 3443.2449 | 54 3443.4989
porto aleGre - rS | adriano | 51 9986.8255
• MATÉRIA TÉCNICA •

ENSAIOS CÍCLICOS NORMALIZADOS DE


CORROSÃO ATMOSFÉRICA ACELERADA
Carlos A. Maciel e Natan Bessa Bronzatto

Carlos A Maciel Natan B. Bronzatto

1. INTRODUÇÃO proteção que a tinta conferia aos mais variados tipos

V
isando testar de forma rápida, mas com uma de superfícies.
melhor reprodutibilidade o comportamento Com o avanço da era industrial, a qualidade dos
dos revestimentos perante as intempéries produtos e sua aparência tornaram-se fatores impor-
encontradas nos mais variados ambientes, foram cria- tantíssimos para a preferência e o desenvolvimento
dos os ensaios cíclicos que procuram suprir algumas dos mais variados setores. Assim, com o tempo, sur-
das deficiências encontradas nos ensaios contínuos. giram diversos institutos científicos voltados ao de-
Discursaremos algumas diferenças encontradas entre senvolvimento e validação dos mais variados tipos de
estes dois tipos de testes tão empregados nos dias de revestimentos. Métodos de ensaio para verificação da
hoje no setor de qualidade e tratamento de superfícies. qualidade e durabilidade foram criados. Era importante
prever antecipadamente a durabilidade e performance
2. HISTÓRICO de uma tinta na vida real.
É conhecido que por volta de 8000 a 5000 A.C. os
egípcios criaram os primeiros pigmentos de coloração
variada, destinados a gravar sua história e costumes
nas paredes de seus majestosos monumentos. Esses
pigmentos eram produzidos a partir de plantas, mine-
rais e até mesmo animais. A rainha Cleópatra utilizava
uma tintura púrpura que era produzida a partir de um
molusco para ser empregada em suas vestimentas e
até nas velas de seu navio.
O clima seco e árido do Egito ajudou de certa forma
os hieróglifos durarem até os dias de hoje. Assim, por
muitos séculos a tinta foi empregada por seu caráter
estético. Somente quando começamos a empregar pig- Figura 1: Casa Rosada, sede da presidência da Republica Argentina.
mentos na Europa ou Américas, onde o clima é mais Sua coloração original foi com tonalidade “rosada” feita a partir do
severo, notou-se a importância do distinto caráter de sangue de cavalos. Século XIX.

28 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

3. ENSAIOS TRADICIONAIS resultados de ensaios de diversos laboratórios e com


Os ensaios contínuos foram a primeira saída para registros de históricos anteriores. Por ser um processo
simular o comportamento de um revestimento e ter bastante rápido, fornece uma ferramenta adicional para
uma ideia de sua qualidade e durabilidade. Foram verificar a qualidade de revestimentos e produtos, prin-
criadas condições de simulação de climas específicos: cipalmente no dia a dia de produção em uma fábrica.
Beira-mar (Ensaio Névoa Salina / Salt Spray), Clima Podemos citar vantagens para este teste, por exem-
Continental (Ensaio Umidade Saturada) e Clima Indus- plo:
trial ou de centro populacional (Ensaio Chuva Ácida). • Maior simplicidade de realização;
Porém, estes são limitados quando desrespeito a • Vasto material disponível para comparação de resul-
sua proximidade com a realidade. E, como sabemos, tados;
quanto mais próximo conseguirmos reproduzir os • É mundialmente conhecido e reconhecido.
agentes do ambiente real, onde o produto será efetiva- A grande desvantagem atribuída a este ensaio está
mente aplicado, melhor poderemos fazer estimativas de em uma deficitária correlação entre os resultados do
sua durabilidade. ensaio e os da prática (intemperismo natural).
Tomemos como exemplo um dos primeiros ensaios
5. FATORES AMBIENTAIS
criados com esta finalidade. O popular “Salt Spray”,
Qualquer componente ou produto durante a sua
descrito originalmente pela norma ASTM B 117.
utilização real está submetido a diversos fatores que
Tabela 1: Descrição breve das condições de influenciam a corrosão, com alterações constantes da
ensaio para norma ASTM B 117 potencialidade destes durante o tempo.
Os mais importantes são:
Breve descrição do evento Temperatura (°C) • Temperatura (ciclagem térmica);
e suas condições • Umidade (saturada e controlada);
Névoeiro solução salina 35 ± 1 • Secagem;
5 ± 1% NaCl
• Agentes químicos;
• Imersão;
• Abrasão mecânica (poeiras e pedras);
• Repouso (condições laboratório 23 ± 5ºC);
• Exposição Radiação UV (UV A ou UV B); etc.
Muitos destes fatores, não inclusos no ensaio de
Névoa Salina tradicional, agem como ativadores ou
catalizadores de processos de corrosão específicos.
Por exemplo, a exposição à radiação UV ou abrasão
mecânica (granalha) acarretam fissuras no revestimen-
to periférico, funcionando com pontos propagadores da
corrosão.

Figura 2: Corpos de prova em ensaio contÌnuo de Névoa Salina.

Este ensaio é um exemplo de teste contínuo. Após


a câmara ser programada para cumprir as condições
especificadas, não há outra mudança; a amostra per-
manece sob condições constantes até que o período
acordado seja cumprido.

4. VANTAGENS E DESVANTAGENS:
Uma das principais vantagens do ensaio de Névoa
Salina contínuo está em ser um procedimento normali-
zado, cujas condições de ensaio são conhecidas e acei- Figura 3: Desenho esquemático, design de câmara para Simulação
tas mundialmente, o que permite uma comparação de Solar por Lâmpada Xênon.

Tratamento de Superfície 201 • 29


• MATÉRIA TÉCNICA •

6. ENSAIOS CÍCLICOS X ENSAIOS O fato de termos abrasivos como carbonados in-


CONTÍNUOS solúveis ou mesmo recristalização, remete-nos a um
Vejamos agora uma breve comparação de resulta-
resultado completamente distinto do exemplo anterior.
dos entre dois ensaios conhecidos por especificarem
Se usássemos somente o teste acima como esti-
uma fase de constante umidade. A título de compara-
mativa da qualidade do revestimento, poderíamos erro-
ção, usaremos como exemplo amostras de bijuterias.
O revestimento a seguir possuía aplicação puramente neamente inferir que a peça cumpriria aceitavelmente
cosmética e sua intenção era conferir uma coloração sua função, pois como vemos a imagem nos mostra um
da cor de cobre a peça. exemplar que lembra o cobre polido.
Na realidade, infelizmente não é isso o que ocor-
Tabela 2: Descrição breve das condições para re. A peça tem seu revestimento progressivamente
realização de ensaio conforme ABNT NBR
desgastado. Em virtude da abrasão e combinação de
8095.
fatores como umidade e sais provenientes do contato
Breve descrição do Umidade (U.R%) Temperatura
prolongado com a própria pele. Fato que seria mais fa-
evento e suas condições (°C)
Umidade Saturada 95 - 100 40 ± 3 cilmente previsto se usássemos o ensaio cíclico como
SAE J2334.
Outro ensaio realizado sob condições constantes é
o teste de umidade conforme ABNT NBR 8095.
Vemos que em suas condições não há fase de seca-
gem ou aplicação de solução salina ou agente abrasivo
na superfície da amostra. O teste consiste em umidade
constante por todo o período de teste, nada mais.
Vejamos agora o que ocorre com o mesmo tipo de
amostra quando submetida a um teste cíclico de cor-
rosão. Usaremos para esta comparação uma norma de
corrosão cíclica comum SAE J 2334. Notemos que na
descrição a seguir, também, há uma fase de umidade,
porém cerca de 10ºC mais quente.

Figura 5: Estado de amostra após 72 horas de ensaio SAE J2334

Somente com a revolução industrial que os revesti-


mentos conquistaram o mundo da forma como conhe-
Figura 4: Estado de amostra após 72 horas de ensaio ABNT NBR
cemos hoje.
8095 A indústria automotiva foi uma das primeiras a
notar a importância da criação de procedimentos com
Tabela 3: Descrição breve das condições para a finalidade de conseguir testar o desempenho da
realização do ciclo de ensaio conforme SAE enorme quantidade de peças envolvidas na fabricação
J2334 em larga escala do automóvel. No veículo,as peças são
Teste Cíclico - Norma SAE J2334 submetidas a diferentes ambientes a medida que o
Período Breve descrição Temperatura Umidade mesmo circula por diversas localidades (capital, inte-
do evento e (°C) (U.R %) rior, praias, montanha, deserto, etc).
suas condições
06 horas Umidade Saturada 50 ± 2 95 ± 5 7. OUTROS ENSAIOS CÍCLICOS
15 minutos Aplicação de Solução 25 ± 3 --- AUTOMOTIVOS:
Salina - 0.5%NaCl, Com o passar dos anos, cada montadora foi criando
0.1%CaCl2,
0.075% NaHCO3
seu próprio conjunto de métodos para validar peças ou
17 horas e Secagem 60 ± 2 50 ± 5 revestimentos utilizados na fabricação de seus auto-
45 minutos móveis.

30 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

Teste Cíclico - General Motors GMW14872 Tabela 6: Descrição breve das condições para
Como exemplo, vejamos um dos ensaios de corro- realização do ciclo de ensaio conforme FIAT
são requisitados pela General Motors. 50493 (Scab in Door).

Tabela 4: Descrição breve das condições para


Teste cíclico - Norma Volkswagen PV 1210
realização de ensaio conforme GWM 14872
Período Breve descrição do Temperatura Umidade
Período Breve descrição do Temperatura Umidade evento e suas condições (°C) (U.R %)
evento e suas condições (°C) (U.R %) 04 Horas Aplicação de Solução 35 ± 2 ---
08 Horas Fase ambiente com 25 ± 3 55 ± 5 Salina – 5 ± 1% NaCl
aplicação de “stress”
04 Horas Repouso sob condições 25 ± 3 55 ± 5
sobre a amostra
ambientes
08 Horas Estagio úmido 49 ± 2 95 ± 5
16 Horas Umidade Saturada 40 ± 2 95 ± 5
08 Horas
Secagem 60 ± 2 ≤ 30 %
Este ensaio é um teste bem requisitado por fazer
parte do ramo automotivo. É um bom exemplo de teste
de corrosão cíclica. Logo, notamos que a concentração
de cloreto de sódio requerida para a fase de névoa sali-
na é a mesma que a concentração orientada pela norma
ASTM B 117, conforme exemplificamos.
Entretanto, vemos que agora temos condições (fa-
ses) diferentes de umidade saturada e repouso, que
durante o ciclo devem ser periodicamente alternadas.
Temos como resultado do ensaio peças de aparência
diferentes.

Figura 6: Tendência do grau de corrosão; acompanhamento do grau


de corrosão durante ensaio GMW14872.

Neste ensaio, encontramos uma fase que pode va-


riar, em que há aplicação de stress sobre as amostras.
Normalmente, nesta etapa ocorre contato das peças
(a)
com solução salina.
Existe também uma fase para ação da umidade que
é seguida pela etapa de secagem. Essas duas fases são
particularmente importantes por permitirem a propaga-
ção da corrosão da peça após a primeira etapa.
Neste ensaio, procura-se regular o grau de corrosão
da câmara durante o teste de acordo com o requisito
da condição exposta da peça pela sua localização no (b)
veículo. Figura 7: Comparação entre amostras após 96 horas. (a)-96 Horas
Normas de ensaio como GMW 14872 vem cada vez de ensaio PV 1210; (b)-96 Horas de ensaio ASTM B 117.
mais substituindo os tradicionais ensaios contínuos,
unindo técnicas cada vez mais modernas para atender Teste Cíclico – Fiat Método 50493 (Scab In
a demanda da indústria e, ao mesmo tempo, manter a
Door)
qualidade dos produtos.
James Watt, quando construiu sua máquina a vapor, Período Breve descrição do Temperatura Umidade
evento e suas condições (°C) (U.R %)
certamente não imaginou que os motores atuais nos
60 Minutos Névoa Salina - 0.5%NaCl 55 ± 2 90-95
dariam tanto trabalho para testar seus parafusos.
40 Minutos Secagem 55 ± 2 55-60

Tratamento de Superfície 201 • 31


• MATÉRIA TÉCNICA •

9. INTEMPERISMO ACELERADO (D 5894 -


Cyclic Salt Fog/UV)
Esta norma vem ao encontro das necessidades da
indústria de tintas. A ação de radiações UV têm um
papel importante em tintas, devido a estas provoca-
rem modificações químicas que levam a propagar a
corrosão com facilidade. O ensaio consiste em ciclos
com fases de uma semana conforme ASTM G 85, com
outra semana conforme ASTM G 154 (Light and water
exposure apparatus). O número de ciclos varia de 6 a
Figura 8: Incisão sobre revestimento após 120 horas de ensaio
12 dependendo da resistência do material.
“Scab in Door”, material A.

O popular “Scab in Door” é um dos testes cíclicos 10. EXECUÇÃO DOS ENSAIOS
Procedimentos de ensaio podem ser manuais, em
usados na validação de revestimentos, requisitado a
que o operador utiliza diversos aparelhos e realiza em
fornecedores que desejem vender produtos para a Fiat.
tempos determinados a transferência dos corpos de
É um teste mais simples e possui ciclo de uma hora, to-
prova entre as diferentes condições; ou automático, em
davia é uma boa ferramenta para aqueles que desejam que um mesmo equipamento é programado para auto-
visualizar como a peça se comporta quando tem seu maticamente variar as condições internas.
substrato exposto, fato que é muito rotineiro já que é A vantagem de automatizar o processo está em
difícil imaginar um objeto que não sofra arranhões de reduzir o trabalho do operador (e os custos) e evitar
vez em quando. diferenças no resultado do ensaio devido ao modo de
Vejamos um caso interessante em que dois mate- efetuar as transferências entre os aparelhos.
riais diferentes são cobertos por um mesmo reves-
Câmaras para ensaios cíclicos de corrosão
timento e submetidos a um período igual de ensaio
acelerada
conforme Fiat Método 50493.
À primeira vista, ensaios cíclicos são normalmente
A princípio, é difícil dizer se teremos uma proteção
mais caros do que ensaios contínuos por exigir equipa-
semelhante para os dois materiais, ou ainda, se a tin- mento de teste desempenhe funções mais sofisticadas.
ta pode ser usada em ambos os corpos sem que sua Contudo, ensaios cíclicos podem prover resultados
qualidade estética seja comprometida. Mas sujeitar as mais palpáveis e com isso possibilitar a análise mais
amostras ao teste nos traz visões bem claras sobre precisa do produto. Isso nos poupa tempo e dinheiro,
qual material nos oferece resultados menos impactan- pois nos conduz para mais próximo do comportamento
tes em determinado processo. que a amostra teria.
Os equipamentos utilizados para ensaios de cor-
rosão cíclicos são câmaras capazes de permitir a
programação e operação de forma automática das
principais fases solicitadas nas normas: Névoa Salina
(Salt Spray), umidade saturada, secagem e repouso.
Figura 9: Destaque do comportamento de corte realizado sobre
Podem ser complementadas com fases de: jateamento,
revestimento. Estado após 120 horas de ensaio “Scab in Door” ,
umidade controlada, “water fog”, baixas temperaturas,
material B.
injeção de SO2 ou CO2, imersão, etc.
O tempo de transição entre os ambientes indicados
8. OUTRAS NORMAS AUTOMOTIVAS pelo ensaio, tanto para procedimentos manuais ou
ENSAIOS CORROSÃO CÍCLICOS: automáticos, pode ser um fator que cause divergên-
Também são conhecidamente utilizadas: cia nos resultados. Um sistema automático possui a
vantagem de padronizar com exatidão os tempos de
Ford CETP 00.00-L-467 Nissan CCT-I – NES M0158
transição. Muitas normas não especificam este tempo
Renault D17 2028 (ECC1) Toyota TSH 1555G de transição sendo que, o que pode ser aceitável para
Volvo STD 1027,1375 Volvo STD 423-0014 ensaios cíclicos com longos períodos (de dias), pode

32 • Tratamento de Superfície 201


• MATÉRIA TÉCNICA •

não ser aceitável em casos em que os períodos são REFERÊNCIAS


curtos (horas). Orientação para a Calibração de Câmaras Térmicas sem Carga-
Estes itens são responsáveis pela manutenção das DOQ-CGCRE-028, Revisão 01 – MAR/2013 – “Coordenação
condições de cada etapa do ciclo dos testes e seu pe- Geral de Acreditação”.
ríodo de duração. Para isso, os atuais equipamentos “ASTM Standardization News”. ROBERT BABOIAN,
destinados a essa aplicação, dispõe de uma variedade
“Corrosion Test and Standards- Application and Interpretation”,
de sistemas que permitem a estabilização da câmara
ASTM book, June 1995.
nas condições solicitadas por todo tempo do ensaio.
Um bom equipamento é capaz de atender uma am- GARDNER S. HAYNES, “CyclicAnnual Book of ASTM
pla gama de ensaios, permitindo programar e variar Standards-2012 – Section Theree-MetalsTest Methods and
suas condições internas para meses de ensaios sem Analytical Procedures; Volume 03.02, “Corrosion of Metals;
interrupção. Wear and Erosion”.
11. CONCLUSÃO EBRATS-V-Encontro Brasileiro de Tratamentos de Superfícies
O avanço tecnológico possibilitou o aperfeiçoamen- 1234544645
to e facilidade das formas de testar nossos materiais.
A comparação entre os ensaios cíclicos e contínuos Carlos A. Maciel
é um exemplo das diferenças que podemos encontrar Gerente laboratório BLAB e diretor técnico
por meio dos resultados que surgem ao avançarmos Comercial BASS Equipamentos
um passo em direção à simulação dos ambientes reais. Superintendente CB-04 da ABNT
Os ensaios cíclicos de corrosão vêm se mostrando carlos.a.maciel@bass.com.br
uma ferramenta importantíssima na nossa busca por
revestimentos cada vez mais avançados, prontos para Natan Bessa Bronzatto
proteger e embelezar nossos dias; assim como faziam Técnico Laboratório BLAB
há milênios atrás nas embarcações de Cleópatra. lab.ensaios@bass.com.br

A excelência em engenharia e a ampla linha de produtos da Dürr seguem os


princípios de sustentabilidade e responsabilidade ambiental. O
representa a mais alta qualidade e reduz grandemente os seus custos de
energia, de material e da unidade produzida.

www.durr.com
• MEIO AMBIENTE E ENERGIA •

EMISSÕES INDUSTRIAIS DE
POLUENTES GASOSOS – A RAZÃO PARA A
INOVAÇÃO EM NOSSAS INDÚSTRIAS
Renato Vergnhanini Filho e Gerhard Ett

1. INTRODUÇÃO da economia, com as quais o nosso setor convive,

T
oda a indústria produtiva, como a automotiva, responsável por uma importante porcentagem do PIB
química, metalúrgica, eletroeletrônica e de brasileiro, o setor automotivo e industrial em geral.
vários outros setores, possuem um grande Estas emissões, devido às legislações ambientais e ne-
desafio: desenvolver processos mais limpos, de menor cessidade de um aumento da eficiência, são responsá-
custo e mais eficientes. veis pela transformação de ambos os setores, a entrada
Com o início da nova era industrial, a 4a revolução de veículos híbridos no mercado e novos processos
industrial (a indústria 4.0), também denominada Manu- industriais.
fatura Avançada, muitos estudos preveem um grande São consideradas poluentes atmosféricos aquelas
aumento da competividade das empresas. Todas as substâncias adicionadas ao ar em quantidade suficiente
grandes empresas estão se preparando para isso; as para produzir efeito mensurável na fauna, flora ou em
micro e pequenas também devem se preparar, e es- materiais em geral. Os poluentes podem estar na forma
tarem atentas a oportunidades que hoje já existem. de partículas sólidas, de gotas ou de gases e podem ser
Diante deste desafio e esta oportunidade, conhecer classificados em dois grupos:
nossos clientes, o que fazem, suas dificuldades e seus • aqueles emitidos diretamente por uma fonte identi-
desafios, é o primeiro passo para podermos oferecer ficável - “poluentes primários”
uma boa prestação de serviço, independente da área. • aqueles produzidos no ar por interação entre duas
A área ambiental, independente de legislações am- ou mais substâncias, sejam elas poluentes ou não -
bientais vigentes, deve ser uma das principais áreas “poluentes secundários”.
de uma empresa – faz parte da sustentabilidade, pois A poluição atmosférica é a principal preocupação
o consumidor já a vê como um diferencial no mercado. ambiental relacionada à queima de combustíveis, de-
No ramo de tratamento de superfície, sempre fomos vido à emissão de efluentes gasosos, embora outras
e estamos muito atentos às emissões sólidas e líqui- formas de poluição possam também estar presentes.
das. Entretanto, neste artigo, procuramos demonstrar Nos gases efluentes de processos industriais de com-
as emissões gasosas de duas áreas muito importantes bustão, encontram-se vários constituintes poluentes,

34 • Tratamento de Superfície 201


• MEIO AMBIENTE E ENERGIA •

sendo os óxidos de nitrogênio (NO e NO2 - NOx), o e sulfúrico, respectivamente, que são os principais
material particulado (MP) e os compostos de enxofre componentes da chuva ácida. Além disso, o NOx par-
(SOx) os mais preocupantes. ticipa de complexas reações fotoquímicas que levam à
Outros poluentes como o monóxido de carbono formação do chamado smog (smoke + fog) - atmosfera
(CO) e os compostos orgânicos voláteis (VOC) são negro-amarronzada constituída de substâncias de forte
constituintes que, em equipamentos operando em con- ação oxidante, como o ozônio (O3), por exemplo. Na
dições normais, são emitidos a taxas muito pequenas, estratosfera, o NOx é um dos gases responsáveis pelo
não causando qualquer dano ambiental. Outros, ainda, ataque à camada de ozônio.
como alcatrões, acroleína, dioxinas e furanos, compos-
2. LEGISLAÇÃO
tos reduzidos de enxofre (TRS - total reduced sulphur),
Os poluentes atmosféricos têm sua emissão pela
metais pesados etc, são menos comuns, sendo especí-
indústria regulamentada na grande maioria dos países.
ficos de determinados processos ou combustíveis. Há,
Os Estados Unidos, por exemplo, têm uma legislação
também, o dióxido de carbono (CO2), cuja abordagem bastante completa e abrangente.
como “poluente” é recente e ainda controversa. A legislação brasileira é mais recente e não engloba
O NOx, o MP e o SOx são poluentes primários. A a totalidade dos combustíveis e processos. As fontes
principal ação no homem consiste no ataque às vias fixas de combustão que entraram em operação a partir
respiratórias. Já o MP, em particular o denominado de 02.01.2007 devem obedecer a resolução CONAMA
“inalável” (diâmetro inferior a 10 micra), aloja-se nas no 382 enquanto que para as “antigas” (anteriores a
partes internas do sistema respiratório provocando 02.01.2007) vale a CONAMA no 436. Por exemplo, para
lesões bastante graves. um equipamento industrial novo e no qual não há conta-
O NOx e o SOx são, também, poluentes secundários, to direto dos produtos da combustão com o material ou
pois ambos na atmosfera dão origem aos ácidos nítrico produto processado (caldeiras e fornos petroquímicos,
• MEIO AMBIENTE E ENERGIA •

Tabela 1 - Padrões de emissão de poluentes


Potência térmica nominal (MW) * NOx, como NO2 ** MP ** SOx, como SO2 **
Óleo combustível
Menor que 10 1600 300 2700
Entre 10 e 70 1000 250 2700
Maior que 70 1000 100 1800
Gás natural
Menor que 70 320 - -
Maior ou igual a 70 200 - -
Bagaço de cana-de-açúcar
Menor que 10 Não aplicável 280 -
Entre 10 e 75 350 230 -
Maior que 75 350 200 -
Derivados da madeira
Menor que 10 Não aplicável 730 -
Entre 10 e 30 650 520 -
Entre 30 e 70 650 260 -
Maior que 70 650 130 -

* Obtida pela multiplicação da quantidade de combustível queimado por unidade de tempo (vazão) pelo poder calorífico inferior (PCI) do com-
bustível.
** Valores em mg/Nm3, base seca, referidos a: 3,0 % de O2 para óleo combustível e gás natural; 8,0 % de O2 para bagaço de cana-de-açúcar
e derivados de madeira.

por exemplo) são fixados limites máximos emissão via três mecanismos: térmico (thermal), combustível
(padrões de emissão) em função do seu porte e do (fuel) e imediato (prompt). O NO formado através des-
combustível utilizado (Tabela 1). ses mecanismos é genericamente denominado: “NOx
No Brasil, há estados que impõem padrões de emis- térmico”, “NOx combustível” e “NOx imediato”. A for-
são mais restritivos, considerando a localização da mação desse último é, em geral, pouco significativa.
fonte ou a qualidade do ar no seu entorno. Outros pre- O NOx térmico se forma no processo de combustão
ferem não estabelecer padrões estaduais, mas exigem pela reação do nitrogênio do ar com oxigênio e pode
que seja implantada a “melhor tecnologia de controle
ser reduzida, basicamente, por: (1) redução dos teores
disponível” (BACT - Best Available Control Technology).
de oxigênio ou nitrogênio nas regiões da câmara de
combustão de alta temperatura, ou redução do tempo
3. TÉCNICAS DE CONTROLE DAS EMISSÕES
de residência desses elementos nessas regiões e (2)
DE POLUENTES
redução das temperaturas na câmara de combustão.
As técnicas para controle das emissões em pro-
cessos de combustão industrial se dividem, basica- Isso pode ser feito de várias formas, que vão desde

mente, em dois grupos: as aplicadas ao processo de alterações nas variáveis operacionais do processo de
combustão e as aplicadas aos gases de combustão. As combustão, como redução do excesso de ar, redução da
primeiras, em geral, são mais atraentes do ponto de potência de operação, recirculação externa dos gases
vista econômico. de combustão etc, até modificações substanciais no
processo, como estagiamento no fornecimento de ar
3.1 Óxidos de nitrogênio (uso de queimadores de baixa emissão de NOx - low
Os óxidos de nitrogênio formados durante proces- NOx burners) ou combustível (emprego da técnica de
sos convencionais de combustão são o NO e, em escala requeima - reburning).
bem menor, o NO2. Em processos muito particulares Entre as tecnologias de abatimento aplicadas aos
outros óxidos podem estar presentes como, por exem- gases de combustão, a mais comum é a denitrificação,
plo, o N2O, formado na combustão em leito fluidizado. catalítica (SCR - selective catalytic reduction) ou não
O óxido nítrico (NO) pode se formar na combustão catalítica (SNCR - selective noncatalytic reduction).

36 • Tratamento de Superfície 201


• MEIO AMBIENTE E ENERGIA •

3.2 Material particulado 3.3 Óxidos de enxofre


A formação e emissão de material particulado em No processo de combustão, o enxofre, encontrado
processos de combustão só é relevante na queima na maioria dos combustíveis fósseis, reage com oxigê-
de combustíveis líquidos e sólidos. O material sólido nio formando o SO2 e, em menor proporção, o SO3. O
“arrastado” pelos gases de combustão para fora do SO3, por sua vez, tende a reagir com água formando o
sistema provêm de três possíveis fontes: ácido sulfúrico e com inorgânicos presentes no com-
• material orgânico resultante da coqueificação das bustível dando origem a compostos inorgânicos com-
gotas do combustível líquido ou das partículas do plexos (sulfatos, óxidos). A parcela do enxofre que irá
combustível sólido (coque - coke);
formar um ou outro produto é função de uma série de
• material orgânico formado a partir de frações eva-
fatores, porém, na média, pode-se considerar que mais
poradas do combustível (fuligem - soot) e
do que 95 % do enxofre deixe o processo de combustão
• material inorgânico presente no combustível (cinzas
na forma de SO2, 1 a 5 % como H2SO4 e 1 a 3 % forme
- ash).
compostos inorgânicos complexos.
Não há o que se possa fazer no processo para redu-
zir a emissão de cinzas. Já a emissão de material or- Na estimativa das emissões e na realização de ba-
gânico, estando diretamente relacionada à qualidade da lanços de massa e energia em processos de combustão
combustão, ou seja, à conversão completa do combustí- industrial costuma-se considerar que todo o enxofre do
vel, pode ser reduzida atuando-se, principalmente, nos combustível é convertido a SO2. A parcela menor do
seguintes parâmetros: mistura ar - combustível (índice enxofre que forma outros compostos só é considerada
de swirl), excesso de ar (teor de O2 dos gases), granu- quando se está preocupado com corrosão das partes
lometria do combustível (para sólidos) e nebulização internas do equipamento de combustão. A denomina-
das gotas (para líquidos). Como tecnologias emergen- ção genérica “SOx” é muitas vezes utilizada quando se
tes, aplicadas a líquidos, há o emprego de aditivos de
quer referir às emissões resultantes da presença de
combustão (dispersantes de asfaltenos e catalisadores
enxofre no combustível.
de combustão) e o uso de emulsões.
Não há como atuar no processo de forma a reduzir
Quanto às técnicas aplicadas aos gases de combus-
tão, consistem na implantação de sistema de separação a emissão de SOx (“todo S é convertido a SOx”), exceto
do MP dos gases. Há, basicamente, cinco alternativas: em equipamentos de combustão em leito fluidizado,
filtro de mangas, precipitador eletrostático, separador onde se pode adicionar ao leito óxidos de metais al-
centrífugo (ciclone e multiciclone), lavador de gases calino-terrosos, como cal e dolomita, com a função de
(tipo spray ou venturi) e câmara inercial. absorver o enxofre.
• MEIO AMBIENTE E ENERGIA •

Entre as tecnologias de abatimento aplicadas aos superiores a 2000 km de São Paulo, quando a instru-
gases de combustão, as mais comuns são as em via mentação segue por via aérea e o cliente providencia
úmida (FGD - flue gas desulfurization) utilizando soda, local para a instalação e operação dos instrumentos.
amônia ou cálcio (cal ou calcário). Na Figura 2, fotos da equipe do LET em trabalhos de
campo.
4. EQUIPAMENTOS PARA MONITORAR E
O LET vem realizando, também, trabalhos de P&D
CONTROLAR
envolvendo combustíveis e suas emissões. Para tanto,
A medição da emissão de poluentes atmosféricos
dispõe de complexa infraestrutura laboratorial, incluin-
em equipamentos industriais de combustão, como
do vários equipamentos de combustão em escala semi-
fornos e caldeiras, acompanhada da interpretação dos
-industrial (Figura 3).
resultados e proposição de medidas mitigadoras é um
trabalho que vem sendo realizado pelo Laboratório de REFERÊNCIAS:
Engenharia Térmica (LET) do IPT há vários anos. No • Carvalho, João e Lacava, Pedro. Emissões em processo de
trabalho é empregada unidade móvel (Figura 1), es- combustão – ed. UNIESP
pecialmente concebida para a instalação, operação e • CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE -
transporte de instrumentos. CONAMA no 382
A unidade móvel é equipada com analisadores • CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE -
contínuos e descontínuos de gases, sistemas de coleta CONAMA no 436
(sondas refrigeradas, bomba de sucção) e condicio- • Manufatura Avançada - http://www.mdic.gov.br/inovacao-
namento de amostra (filtros, condensadores), de cali- in/fomento-a-inovacao/manufatura-avancada
bração de instrumentos (gases padrão, rotâmetros) e
de visualização e aquisição de dados (monitor de 32”, Renato Vergnhanini Filho
registrador). Pesquisador do Laboratório de Engenharia Térmica do Instituto de
Adicionalmente, o veículo tipo furgão é equipado Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT). Líder do
Laboratório de Combustão Industrial.
com instrumentos de medição das propriedades (vazão,
vergnhan@ipt.br
temperatura, pressão) dos principais fluxos de entrada
e saída de processos de combustão, permitindo a rea-
Gerhard Ett
lização de diagnósticos de conservação de energia, a
Chefe do Laboratório de Engenharia Térmica (LET) – Combustão
identificação de problemas operacionais, a avaliação de
Industrial, Motores e Energia, do Instituto de Pesquisas
equipamentos periféricos etc. Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT) e Professor no Centro
Os trabalhos têm sido realizados em indústrias de Universitário FEI
todo o país, inclusive algumas situadas a distâncias gett@ipt.br

Figura 1 - Unidade móvel do IPT

38 • Tratamento de Superfície 201


• MEIO AMBIENTE E ENERGIA •

Aalborg (Alfa Laval) - caldeira a óleo Brazinco - forno de fusão de zinco

Figura 2 - Equipe do IPT na indústria

Figura 3 - Laboratório de combustão e gaseificação do IPT

DESTAQUE DA PRÓXIMA EDIÇÃO


Revista

a mais completa do setor


MERCADO DECORATIVO
O tema principal da próxima edição da Revista Tratamento
de Superfície será o mercado decorativo. Um dos assuntos
abordados será a metalização de plásticos.
Não perca a chance de mostrar o que a sua empresa fornece
de mais moderno para este segmento.
Aproveite para se destacar! Anuncie na edição 202 desta
reconhecida revista e garanta mais visibilidade no mercado.

ANUNCIE E DEIXE A SUA MARCA NO MERCADO.

b8comercial@b8comunicacao.com.br
www.b8comunicacao.com.br
11 3641.0072 | 11 3835.9417
• ESPECIAL •

PERSPECTIVAS
POSITIVAS
Apesar das companhias do segmento não terem atingido alto faturamento durante
2016, mantêm uma visão positiva sobre o mercado de processos, produtos e
equipamentos para galvanoplastia e pintura para 2017. Na busca por atingir
seus objetivos, estão focadas em melhorias internas e em atender as tendências
demandadas pelos clientes.

Por Mariana Mirrha

C
onhecer as tendências do
mercado e as demandas dos
clientes viraram importantes
ferramentas para as companhias que
atuam com processos, produtos e
equipamentos para galvanoplastia e
pintura. Com grandes dificuldades a
serem enfrentadas, e após um ano
sem crescimento, as companhias
focam em tendências para vencer o
obstáculo da queda dos negócios e
voltar a crescer.
De acordo com Leonel Xavier,
consultor de vendas técnicas da Ar-
protec, as tendências em processos,
equipamentos e produtos para o
mercado da pintura em 2017 estão
voltadas para a pintura eletrostática
a pó, por ter grande demanda em
função da qualidade e rapidez dos
processos. Além disso, uma nova
demanda se ressalta no mercado:
o uso do plástico industrial, como o
polipropileno em cabines de pintura
para tinta eletrostática a pó. A ten-
dência, que ainda está em estudo e
em fase de implantação em alguns
clientes, é importante devido à gran-
de vantagem de durabilidade, não
corrosão e a facilidade de limpeza e
acumulo de pó na cabine.
No mesmo sentido, segue Rodri-
Arprotec go da Silva Aponi, diretor comercial

40 • Tratamento de Superfície 201


• ESPECIAL •

da Ecotecno. “Notamos que os clientes vêm solicitando


equipamentos com um material construtivo que traga
mais segurança. É o caso do uso do PPS, ou polipropi-
leno com pigmentação retardante de chamas”, analisa.
Segundo Aponi, também há o crescimento da procura
por equipamentos de proteção ambiental. Com a cres-
cente preocupação sobre a proteção do meio ambiente
e o rigor na fiscalização dos órgãos ambientais, equi-
pamentos como estações de tratamento de efluentes
e sistemas de exaustão com lavagens de gases estão
representando uma grande procura no setor.
Na área de pintura para carros está se concretizan-
do cada vez mais a utilização de processos de aplica-
ção de úmido sobre úmido, ou three wet, e a isenção de
primer, substituído por duas camadas de base (primer Fortes, da Carlisle Fluid Technologies do
less), segundo Nivaldo Falcare, CEO da Falcare. “A Brasil: As demandas por redução de custo
automação de aplicação de pintura está sempre em de mão de obra e do desperdício são
pontos importantes para a sobrevivência
crescimento. Entre o final de 2015 e início 2016, insta-
dos negócios, e a automação é um meio de
lamos 72 robôs de pintura nas plantas automotivas, e alcançar estes objetivos.
estamos recebendo muitas cotações de indústrias de
grande porte”, afirma Nivaldo.
As tendências do setor estão voltadas para o au- tendências também se voltam para automação. “As
mento da automatização de processos, com o intuito de demandas por redução de custo de mão de obra e do
melhoria de qualidade e redução de custos operacio- desperdício são pontos importantes para a sobrevivên-
nais, na visão de Alexandre Coelho, diretor da divisão cia dos negócios, e a automação é um meio de alcançar
de sistemas automotivos da Eisenmann do Brasil. “A estes objetivos”, ressalta.
popularização dos sistemas robotizados trouxe uma Cícero Mecias da Silva, coordenador comercial e
importante redução do valor do investimento, motivan- produção da Cromauto, observa que a demanda por
do as empresas a seguirem este caminho”, afirma. Ou- cromo trivalente, em substituição ao cromo hexa-
tra tendência forte é a utilização de tecnologias verdes valente, é grande. “Seu uso é muito difundido pelas
que priorizam a redução do consumo de energia e os montadoras, em especial na Europa, onde as restrições
efluentes gerados no processo, sistema de filtragem ao emprego de substâncias perigosas
a seco para cabines de pintura, sistemas de reapro- começaram há algum tempo. A ELV (End
veitamento de energia térmica gerada pelas estufas of Live Vehicles) é um exemplo de legis-
de secagem, recirculação de ar nos sistemas de lação em que há restrições destas subs-
ventilação das cabines de pintura e retificadores de tâncias”, lembra. Segundo Silva, o níquel
corrente inteligentes para as cataforeses. “A grande acetinado vem como alternativa decora-
demanda dos clientes é pela redução de custos para tiva para o setor, e este acabamento não
enfrentar a grave queda de atividade econômica. A é só voltado para a indústria moveleira,
melhoria da qualidade dos processos é outra deman- mas também para a indústria automotiva,
da para que os produtos brasileiros possam abrir ca- unindo estilo com resistência à corrosão.
minho nos mercados internacionais, algo que haviam Segundo os sócios-administradores
deixado de lado devido à forte atividade interna nos da Zincagem Martins, Eneias Martins e
últimos anos. Isto, com certeza, leva ao investimento Adriana Martins, o mercado busca proces-
em automatização dos processos por meio de robôs e sos de alta resistência à corrosão e abra-
sistemas mais sofisticados de gestão de controle e são. “Em equipamentos, a tendência
operação do processo”, afirma Coelho. é 100% automatização. Os produtos
Para Fábio Fortes, gerente de vendas e marke- ideais para 2017 e para os próximos
ting da Carlisle Fluid Technologies do Brasil, as anos são aqueles que tenham custos
Carlisle
Tratamento de Superfície 201 • 41
• ESPECIAL •

Faquinelli, da Quiravelli: Um mercado Fortunato, da Coating: “Nossa maior dificul-


restritivo leva os empresários a fazerem dade está na queda das vendas de veículos,
melhor uso de sua criatividade, focando seus já que nosso foco é a indústria automotiva.
investimentos no que é essencial, como na Apesar da intensa crise mercadológica, o ano
aquisição de itens indispensáveis à produção de 2016 foi de inúmeros aprendizados, nos
e redução de custos fixos para driblar a crise. dedicamos a criar alternativas e soluções para
problemas existentes.

competitivos e menos impacto ao meio ambiente”, afir- Para Coelho, da Eisenmann do Brasil, o setor au-
mam. Hoje, as maiores demandas em processos são tomotivo demanda muitos projetos em pintura em
os eletrolíticos (zinco, zinco níquel, zinco ferro) e os função dos constantes lançamentos de novos produtos
organometálicos. e pelas modernizações obrigatórias devido à obsoles-
cência das instalações. “Vemos claramente um início
AS ESTRELAS DE 2016 de demanda por projetos vindos da Argentina como
A grande estrela do segmento no último ano foi o consequência da mudança de governo, que melhorou
setor automotivo. De acordo com Xavier, da Arprotec, o ambiente de negócios, e da idade muito avançada do
este foi o setor que mais demandou processos da parque industrial local”, afirma.
empresa em 2016, mesmo apresentando ligeira queda O setor automotivo, mesmo com suas atividades em
para o faturamento. Além dele, o aeronáutico também baixa, sempre mantém uma demanda interessante, na
foi grande cliente. Para o executivo, os dois segmentos visão de Silva, da Cromauto. “Porém, o setor de metais
devem apresentar resultados melhores em 2017. sanitários foi o que mais demandou em 2016, e também
Mesmo em um mercado retraído, a indústria auto- há uma expectativa que demandará mais processos da
motiva foi a que mais demandou os produtos da Falca- empresa em 2017”, indica.
re, e a previsão é que o cenário permaneça em 2017, A Ecotecno espera manter em 2017 o atendimento
segundo Nivaldo, CEO da companhia. para os setores petrolífero e aeroespacial, importantes
para a companhia em 2016. As perspectivas também
estão voltadas para os segmentos de máquinas motori-
Cromauto
zadas e linha branca.

DIFICULDADES
“Sabemos que um mercado restritivo leva os em-
presários a fazerem melhor uso de sua criatividade,
focando seus investimentos no que é essencial, como
na aquisição de itens indispensáveis à produção e redu-
ção de custos fixos para driblar a crise”, analisa Diego
Faquinelli, diretor comercial da Quiravelli. “Existem,
hoje, inúmeras previsões econômicas para 2017. As

42 • Tratamento de Superfície 201


• ESPECIAL •

Arprotec Ecotecno

mais otimistas apontam para uma pequena retomada de endividamento e, consequentemente, a redução do seu
crescimento para a indústria e comércio apenas a par- quadro de funcionários.
tir do segundo semestre de 2017. Não bastasse a crise, “Nossa maior dificuldade está na queda das vendas
outros fatores a agravam e dificultam a normalização de veículos, já que nosso foco é a indústria automotiva.
de nosso sistema econômico, face à altíssima carga Apesar da intensa crise mercadológica, o ano de 2016
tributária imposta pelo governo e o elevado grau de en- foi de inúmeros aprendizados, nos dedicamos a criar
dividamento das empresas”. Para Faquinelli, enquanto alternativas e soluções para problemas existentes”,
o governo acena com a reforma da Previdência Social explica José Irineu Fortunato, diretor geral da Coating.
e dá os primeiros passos para uma série de mudanças Obviamente, a indústria brasileira passa por uma
na lei trabalhista, a tornando mais flexível e menos crise sem precedentes, afirma Fortes, da Carlisle Fluid
onerosa para as empresas, peca por não estruturar e Technologies do Brasil. No entanto, ainda este ano deve
projetar uma renegociação de débitos tributários com haver uma recuperação e os processos de pintura de-
a União e Estados, o que lhes impede a obtenção de vem passar por uma modificação, reduzindo ao máximo
recursos geridos de financiamentos, licenças, impos- a mão de obra e com investimentos em automação e
tos e, em algumas situações, levam as empresas ao controle.

SENAI

Tratamento de Superfície 201 • 43


• ESPECIAL •

zação da capacidade instalada da indústria. Com isso,


as intenções de investimento são reduzidas afetando
diretamente o nosso nível de atividade. A saída para o
mercado externo é mandatória neste momento, porém,
o real valorizado e as dificuldades burocráticas em
nossas fronteiras dificultam os negócios que são im-
portantes para compensar a baixa do mercado interno”,
analise Coelho, da Eisenmann do Brasil.
A importação de matéria-prima indisponível no
Brasil, com alto custo de impostos e transporte, e um
longo tempo de entrega, acaba inviabilizando a melhor
solução técnica para o cliente final, de acordo com Apo-
ni, da Ecotecno. Com entraves como este, acaba sendo
necessário usar as soluções triviais utilizadas no Brasil
Nivaldo, da Falcare: Muitos fornecedores há anos, inibindo a inovação.
baixam seus preços ficando próximo aos seus
custos para garantir que tenham projetos, RESULTADOS
e acabam não conseguindo entregar os
equipamentos como ofertado.
Os resultados da Arprotec em 2016 ficaram próxi-
mos da expectativa da companhia, sem crescimento.
“Tivemos um ótimo resultado relacionado à melhora
Segundo Nivaldo, da Falcare, a maior dificuldade de processos internos, desburocratização e otimização
encontrada é que muitos dos fornecedores de equipa- dos recursos, criando uma empresa mais competitiva
mentos baixam seus preços ficando próximo aos seus e agressiva no mercado. Estamos com uma previsão
custos para garantir que tenham projetos e não conse- para 2017 de crescimento de 30% com relação ao ano
guem entregar os equipamentos como ofertado. Além de 2016, buscando novas formas de leads de vendas
disso, no momento de crise, as multinacionais acabam por meio de feiras, inovação tecnológica e parcerias
tendo que ser subsidiadas pelas matrizes. estratégicas, melhorando o posicionamento no merca-
“Hoje, estamos sofrendo muito com as consequên- do atual”, afirma Xavier, consultor de vendas técnicas
cias da crise econômica que levou a uma baixa utili- da companhia.

SENAI Ecotecno

44 • Tratamento de Superfície 201


• ESPECIAL •

Para a Falcare, os resultados não alcançaram as


expectativas feitas no início de 2016. No entanto, como SENAI

o ano de 2015 foi melhor do que o esperado, foi possível


equilibrar a parte financeira da companhia. “Em 2017,
a previsão é de crescimento nos resultados financeiros
em comparação com 2016. Desde o final do ano pas-
sado estamos participando de vários orçamentos que
já estão com verba assegurada. Estamos focando em
concorrências cujos orçamentos temos maiores chan-
ces de competitividade, pois conseguimos dar soluções
econômicas e funcionais para nossos clientes, alavan-
cando nossos negócios”, analisa.
Os resultados da Eisenmann do Brasil ficaram den-
tro das expectativas em 2016, mesmo sem aumento
de faturamento. “O cenário que trabalhamos para 2017
ainda é menor que dos anos de 2014 e 2015, dado os
poucos negócios disponíveis no mercado. A Eisenmann
vem buscando agregar valor aos produtos por meio
de serviços especializados com o foco em redução de
custos operacionais e em criar projetos com alto re-
torno sobre o investimento”, explica Coelho, diretor da
completa 25 anos no mercado e planeja um ano de
divisão de sistemas automotivos da empresa.
comemorações, aguardando muitas vendas e resultado
“O ano foi difícil para nós, porém não deixamos de
investir em melhorias em nossa fábrica no Brasil, bem financeiro positivo.
como em contratações para reforçar nossa equipe téc- A previsão da Cromauto, após um ano sem cresci-
nica e comercial. Temos objetivos de crescimento em mento e muito abaixo do esperado, é de crescimento
2017”, afirma Fortes, da Carlisle Fluid Technologies do moderado em 2017. “Com certeza a busca para au-
Brasil. mentar o volume de peças é a saída para alavancar
Para a Coating, 2016 não foi positivo em termos os negócios”, afirma Silva, coordenador comercial e
de faturamento. No entanto, em 2017 a companhia produção da empresa.

Xavier, da Arprotec: Tivemos um ótimo Aponi, da Ecotecno. Notamos que os clientes


resultado relacionado à melhora de processos vêm solicitando equipamentos com um
internos, desburocratização e otimização material construtivo que traga mais segurança.
dos recursos, criando uma empresa mais É o caso do uso do PPS, ou polipropileno com
competitiva e agressiva no mercado em 2016. pigmentação retardante de chamas.

Tratamento de Superfície 201 • 45


• ESPECIAL •

Na Zincagem Martins, houve aumento no fatura- AS ESTRELAS


mento, porém o volume processado foi menor. Os re-
sultados financeiros obtidos foram os mesmos de 2015. Os setores que mais devem demandar proces-
“A previsão, especialmente no segundo semestre, é um sos, produtos e equipamentos de galvanoplastia e
crescimento de 20% em produção. Estamos buscando pintura a partir de 2017:
cada vez mais rapidez, qualidade e novas tecnologias
para alavancar nossos negócios”, afirmam Eneias Mar- • AEROESPACIAL
tins e Adriana Martins. • AUTOMOTIVO
Já para a Ecotecno, os resulta- • AUTOPEÇAS
dos financeiros ficaram acima das • LINHA BRANCA
expectativas em 2016, o que pro- • MÁQUINAS AGRÍCOLAS
porcionou crescimento da empresa. “A
• MÁQUINAS MOTORIZADAS
meta para 2017 é atingir um crescimento
• METAIS SANITÁRIOS
financeiro de 30% com relação a 2016”,
afirma Aponi. • NAVAL
• PETROLÍFERO
Carlisle

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE SUPERFÍCIES

O Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Super- douração, paládio, ródio, cobreação, estanhagem, prateação e
fícies atua na inovação em produtos e processos, buscando anodização decorativa.
o aumento do desempenho, durabilidade, confiabilidade e A área de tecnologia de plasma/tribologia possui uma
qualidade de componentes e sistemas. Os especialistas do planta piloto com diferentes equipamentos em escala semi-
Instituto trabalham em parceria com a indústria para encon- -industrial para processos baseados em tecnologias a plas-
trar soluções em revestimentos e processos, levando em ma, dentre os quais estão o Magnetron Sputtering, HIPIMS,
consideração a eficiência e viabilidade técnica/econômica. A Arco Catódico, Nitretação e PECVD. Estes são processos para
equipe de técnicos e pesquisadores do Instituto realiza traba- a fabricação e deposição de revestimentos superficiais em
lhos em conjunto com instituições alemãs, como o Instituto ambiente de vácuo, garantindo alta pureza e qualidade dos
Leibniz e o Instituto Fraunhofer, o maior centro de pesquisa materiais produzidos. Equipado com sistemas de deposição
aplicada da Europa. nacionais e importados, o Instituto contou com o apoio da
O Instituto divide-se em duas principais áreas em tra- Labrits Química para a aquisição e instalação de equipamen-
tamento de superfícies: Química Molhada e Tecnologia de tos Hauzer.
Plasma/Tribologia, e sua infraestrutura é composta por doze
A ampla possibilidade de usos de tecnologias permite a
laboratórios, com equipamentos de escala piloto.
investigação e desenvolvimento de novos materiais e proces-
A área de Química Molhada desenvolve e otimiza pro-
sos nas mais variadas áreas de aplicação, como revestimen-
cessos químicos e eletroquímicos para obter revestimentos
tos decorativos, revestimentos anticorrosão e antioxidação
em substratos metálicos, poliméricos e de vidro. Com isso, é
em altas temperaturas utilizados no setor aeroespacial,
possível ter superfícies com diferentes características, como
metalização de materiais poliméricos, revestimentos super-
anticorrosivas, autorregenerativas, resistentes ao desgaste,
-hidrofóbicos, entre outros.
decorativas, autolimpantes, anti-incrustantes, biocompatíveis
Também com o foco em Tribologia, que pesquisa os efei-
e magnéticas.
tos de atrito, desgaste e lubrificação dos materiais, a área
O Instituto trabalha em escala laboratório e semi-piloto,
de tecnologia desenvolve soluções em revestimentos com
contando também com um laboratório de caracterização
eletroquímica e um de intemperismo equipado com câmaras elevada dureza e baixo coeficiente de atrito com o objetivo de
da Bass Equipamentos, além de uma linha piloto semi-indus- aumentar a vida útil de produtos como, rolamentos, anéis de
trial de galvanoplastia, fornecida pela Daibase Comércio e pistão, válvulas, ferramentas de corte e moldagem, próteses
Indústria. e implantes. A área também dispõe de um laboratório que
A linha piloto de galvanoplastia possui tanques que podem auxilia no desenvolvimento de novos produtos a partir da si-
ser adaptados para uso em diversos tipos de banhos, sendo mulação das condições de operação de materiais em contato,
ideal para diferentes desenvolvimentos de pesquisas, rea- permitindo o levantamento de parâmetros como coeficiente
lizando tratamentos como zincagem, cromação, niquelação, de atrito e taxa de desgaste.

46 • Tratamento de Superfície 201


• NOTÍCIAS EMPRESARIAIS •

ATOTECH ADQUIRE ao mesmo tempo em que economiza


TECNOLOGIA DE recursos, e é totalmente compatível com
as linhas, equipamentos e ciclos atuais.
METALIZAÇÃO DE
A finalização do desenvolvimento dos
PLÁSTICOS DA PEGASTECH
produtos, testes e lançamento do novo
11 4138.9913 processo estão programados para 2017.
anderson.bos@atotech.com Entre os benefícios da tecnologia es- F E R R O-L I G A S E M E T A I S
tão ser livre de cromo hexavalente; ser
A Atotech está expandindo seu por- um ativador sem paládio; compatibilida-
tfólio em metalização em plásticos e de com uma ampla gama de polímeros,
adquiriu a tecnologia de metalização de incluindo ABS, ABS-PC, e componentes
plásticos desenvolvida pela Pegastech, 2K; evitar a metalização de gancheiras e
uma empresa francesa de especialidades
ser compatível com as linhas galvânicas
químicas.
existentes de tratamento de superfície
A tecnologia para metalização de
em metalização de plásticos.
plásticos não utiliza compostos de cromo
Esta tecnologia incrementa o atual
hexavalente ou paládio no pré-tratamento
de polímeros anterior à deposição dos portfólio de processos de metalização de
metais na linha eletrolítica. A aquisição plásticos da Atotech, incluindo a tecno-
reafirma objetivo de longo prazo da Ato- logia de pré-tratamento livre de cromo
tech de promover tecnologias de trata- hexavalente atualmente em desenvolvi-
mentos de superfícies sustentáveis. mento, que também estará pronta para
De acordo com a empresa, o processo lançamento no mercado no decorrer des-
substitui produtos químicos perigosos, te ano.

ERZINGER LANÇA NOVO e estações de trabalho como montagens e


mascaramento.
SISTEMA PARA APLICAÇÕES
“Este sistema foi especialmente de-
DE PINTURA LÍQUIDA E A PÓ senvolvido para as indústrias de máqui-
nas e implementos agrícolas, de imple-
47 2101.1300
mentos rodoviários e estruturas metá-
erzinger@erzinger.com.br
licas. Vimos a necessidade dos nossos
clientes de pintar peças robustas, mas
O sistema Moviflex é a novidade da as linhas contínuas se tornavam inviáveis
Erzinger para aplicações de pintura lí- em função do investimento e espaço ne-
quida e pó em peças volumosas de até cessários. O Moviflex vem para atender
cinco toneladas. Trata-se de um sistema estes segmentos de negócios de uma
concebido para processar peças grandes forma muito competitiva”, afirma Luiz
em um layout compacto e com grande Henrique Kondlatsch, gerente de vendas
flexibilidade produtiva. da Erzinger. A companhia já fechou con-
O sistema pode ser composto de trato para o fornecimento da linha com
pré-tratamento químico ou mecânico um fabricante multinacional de pulveriza-
- por jateamento de granalha -, dores agrícolas autopropelidos instalado
incorporando cabines de pintura, estufas em Curitiba (PR).

• PROFISSIONAL PROCURAIMPORTAÇÃO
• ESTOCAGEM PROCESSAMENTO ATENDIMENTO DISTRIBUIÇÃO
E MISTURA TÉCNICO
TREINAMENTOS E CONSULTORIA
Profissional com mais de 40 anos de experiência em de tratamentos de superfície busca
oportunidade para ministrar treinamentos e palestras, além de realizar consultoria na área
de galvanoplastia em todo Brasil.

Profissional procura: 01.2017


• NOTÍCIAS EMPRESARIAIS •

COVENTYA INVESTE NA dutos químicos. O objetivo da Coventya


é usar sua rede de distribuição mundial
TURQUIA
para ampliar a penetração no mercado
54 2101.3800 de produtos químicos de alumínio.
Metalloys & Chemicals
coventya.br@coventya.com A segunda transação da empresa
A segurança que o é a aquisição da Telbis. Com receitas
seu produto pede de cerca de € 3 milhões, a Telbis é um
A Coventya acaba de realizar duas
distribuidor exclusivo da Coventya de
aquisições na Turquia. A companhia ad-
produtos químicos para o mercado geral
quiriu uma participação de 80,6% da
Politeknik Metal Sanayi ve Ticaret, fa- de acabamentos metálicos (GMF) na Tur-
bricante de produtos químicos e servi- quia. A Telbis, que será renomeada para
ços de engenharia para tratamento de Coventya Kimya, será capaz de aprovei-
superfície de alumínio para aplicação tar os recursos do grupo para ganhar
correspondente, cuja receita ultrapassa fatia de mercado na região.
€ 9 milhões. O volume total de negócios é de cer-
A companhia se prepara para lançar ca de € 18 milhões, contando também
oferta de compra obrigatória para os com fundos da Silverfleet Capital. “Es-
19,4% das ações restantes da Politeknik, tamos muito satisfeitos com essas duas
em conformidade com os princípios e aquisições que reforçarão a nossa expe-
procedimentos da Junta de Mercados de riência no tratamento de superfície de
Capitais da Turquia. alumínio e desenvolverão nossa pegada
A Politeknik, com fabricação em Is- internacional no GMF, através de uma
tambul, também tem uma empresa afi- presença direta na Turquia”, afirmam
liada nos Estados Unidos e, atualmente, Thomas Costa, CEO, e Torsten Becker,
exporta 20% das vendas de seus pro- CFO da Coventya.

Confira alguns de nossos produtos! Politeknik (foto) e Telbis são adquiridas pela Coventya para ampliar atuação global da
companhia
Ácido bórico Estanho
Ácido crômico Golpanol
Cianeto de cobre Níquel
Cloreto de níquel Permanganato de potássio • PROFISSIONAL PROCURA •
Cianeto de potássio Soda cáustica
Cianeto de sódio Sulfato de cobre CONSULTORIA DE SEGURANÇA E QUALIDADE
Cloreto de zinco Sulfato de níquel Profissional com alta capacidade técnica, atuação no desenvolvimento de produtos e expe-
Cobre Zinco riência em auditorias ISO 9001 e SA 8000 busca oportunidade. Auditora formada pela SGS
e bacharel em química pela Faculdade Farias Brito, é fluente em inglês e espanhol. Possui
SP 11 4615 5158 curso técnico em química pelo Colégio Lavoisier e atuou em grandes multinacionais.
RS 54 3223 0986 Profissional procura: 02.2017
SC 47 3241 6145
www.mcgroupnet.com.br | vendas@metalloys.com.br
• NOTÍCIAS EMPRESARIAIS •

DÜRR ANUNCIA NOVA em termos de custos de investimento


ou necessidades de espaço físico, espe-
GERAÇÃO DE ROBÔS PARA
cialmente ao converter linhas de pintura
PINTURA AUTOMÁTICA SEM
existentes, mas também reduz os custos
TRILHO DE DESLOCAMENTO de manutenção e operação posteriores”,
11 5633.3668 segundo Schumacher. DISTRIBUIDORA EXCLUSIVA
paulo.sentieiro@durr.com.br O tempo de substituição de com- DE NÍQUEL DA NIKKELVERK
ponentes pneumáticos, de controle ou
A Dürr está lançando o EcoRP E043i, de alta tensão, foi reduzido em 50%. O
robô de pintura cinemático de 7 eixos da trocador de cores e a bomba dosadora
terceira geração de robôs da companhia, são montados no braço frontal, per-
que não precisa mais de trilhos de deslo- mitindo rápidas mudanças de cor com
camento. Segundo a empresa, com isso, pouca perda de tinta e baixo consumo
os custos de investimentos e manuten- de solventes. As mangueiras são con-
ção na cabine de pintura são reduzidos duzidas de forma invisível pelo interior
significativamente. Além disso, com o dos robôs.
controle EcoRCMP2, também recém-de- A nova geração de robôs é contro-
senvolvido, o robô de pintura está equi-
lada a partir do controle de processo e
pado para os desafios da Indústria 4.0.
movimento recém-desenvolvido EcoR- PRODUTOS SAINTSTEEL
“O novo EcoRP E043i de nossa ter- CMP2, que movimenta o robô sobre a
NÍQUEL NIKKELVERK - Distribuição Exclusiva
ceira geração de robôs ganhou um sé- Placas 15x60, 15x90, 15x30, 4x4, 2x2, 1x1,
carroceria. Painéis de controle estão 0,5x0,50 - D-Crowns e Crowns
timo eixo giratório. Isto aumenta sig-
menores com componentes de controle
nificativamente sua flexibilidade e mo- Ácido Bórico
e acionamento modulares, novos moto-
bilidade”, explica o Hans Schumacher, Ácido Crômico Midural
res com alta reserva de energia e uma
presidente e CEO da Dürr Systems AG.
interface digital de codificador, assim Anodos de Chumbo, Estanho para
Por meio do sétimo eixo, que está direta-
como um controle de segurança integra- Banhos de Cromo
mente conectado à cadeia cinemática do
robô, é possível acessar melhor diversas do com monitoramento da área de traba- Anodos de Cobre, Granalhas
áreas e evitar colisões com o veículo, lho e da velocidade baseados no concei- Anodos de Estanho
especialmente na pintura interior. to Smart-Factory da Dürr. A plataforma Anodos de Latão
Em parte das aplicações na ope- de controle combina diversos sensores e Anodos e Lingote de Zinco
ração Stop-and-Go e na operação de atuadores do robô de pintura e dos sis- Cianeto de Sódio e Potássio
controle de linha é possível abrir mão temas de manutenção ou controle. Uma Cloreto de Potássio
dos complexos eixos de deslocamento. interface integrada a Nuvem oferece Cloreto e Cianeto de Zinco
“Para nossos clientes, evitar os eixos de dados relevantes para demandas atuais Metabissulfito de Sódio
deslocamento oferece vantagens claras e futuras no ambiente 4.0 da indústria.
Óxido de Zinco
Soda Cáustica
Sulfato de Cobre Pedras e Sal
Sulfato de Estanho
Sulfato e Cloreto de Níquel.

SÃO PAULO (MATRIZ)


Rua Matrix, 17 - Moinho Velho
Centro Empresarial Capuava
Cotia, SP
55 (11) 4613.9393
CAMBORIÚ (FILIAL)
Rua Marginal Oeste da BR101
Km 131,1 S/N - Bairro Monte Alegre
Galpão 07B - sala 1A
Camboriú, SC
EcoRP E043i: Uma interface integrada a Nuvem oferece dados relevantes para demandas
atuais e futuras no ambiente 4.0 da indústria
www.saintsteel.com.br
• PONTO DE VISTA •

CINCO DICAS PARA TURBINAR A MOTIVAÇÃO


DE SEUS PROFISSIONAIS EM 2017

P
are e pense: quem são os só é possível com a proximidade dos rados. Implante uma cultura que
líderes que mais lhe têm ins- líderes com seus liderados. Entretanto, privilegie um feedback mais fre-
pirado, seja no campo pessoal, na maioria das vezes se percebe que quente e genuíno possível. Mostre
político ou profissional? Você deve o líder está distante e pouco conhece que você se importa com eles.
ter encontrado bastante dificulda- os sonhos, as aspirações e os dese- 3) Crie metas SMART: que sejam,
de neste exercício, não é mesmo? jos dos colaboradores. Muitos, ainda, de fato, específicas, mensuráveis,
Especialmente na área profissional, preferem liderar ao modo de pressão atingíveis e relevantes no tempo
nunca estivemos tão carentes de extrema e com pouco contato. estabelecido. Um exemplo prático:
pessoas inspiradoras, que se preo- Disso tudo, deriva, entre outros ao invés de colocar pressão ex-
cupam em construir bons resultados efeitos, os baixíssimos níveis de enga-
trema em cima do que precisa ser
da forma mais ética possível. jamento e motivação, que são percebi-
feito pelos vendedores de sua em-
E esta construção de resultados dos em organizações do mundo intei-
presa para atingirem suas metas,
passa pela valorização e entendi- ro. Nos Estados Unidos, por exemplo,
crie em conjunto com eles metas
mento pleno dos pontos fortes, ta- a conceituada consultoria Gallup esti-
que tenham estes cinco compo-
lentos e até mesmo os pontos de ma que apenas 1/3 dos profissionais
melhoria dos profissionais. E isso estejam realmente engajados em seus nentes: específicas, mensuráveis,
trabalhos. E a mesma pesquisa ainda atingíveis, relevantes e com tempo
aponta que a falta de motivação tem estabelecido.
um custo anual de aproximadamente 4) Fomente uma cultura de aprendi-
US$ 350 bilhões. Inacreditável, não é? zagem contínua: celebre os gran-
E para ajudar você, que é líder da des aprendizados, pois são eles
sua organização, a incrementar os os responsáveis pelo desempenho,
níveis de engajamento e motivação eficácia e produtividade de vendas
de seus profissionais, eu compartilho da sua empresa. Foque na educa-
cinco dicas espetaculares para fomen- ção de alta performance.
tar uma equipe que privilegie a criação 5) Foque no propósito e nos valo-
de um ambiente de automotivação. res: fuja do modelo tradicional de
Vamos lá: gestão de vendas apenas baseado
1) Dê maior autonomia aos seus pro- em métricas e indicadores de alta
fissionais: as pessoas valorizam performance. Tenha um alinha-
cada vez mais a autonomia. Com mento no propósito de existência
menor autonomia, menor é a mo- e dos valores da empresa e dos
tivação e o engajamento. Por outro seus profissionais. Isso faz com
lado, quanto mais empoderamento
que eles se sintam motivados e
para seus profissionais, maior o
que o trabalho tem um valor gran-
engajamento e motivação por parte
dioso, que vai além dos lucros.
deles.
Lembre-se que um dos maiores
2) Estabeleça um vínculo com seus
profissionais: isso só é possível motivos que levam as pessoas a
quando você conhece os valores, se desligarem de sua empresa é
sonhos e propósitos de seus lide- a sensação de falta de motivação,


que se explica, em muitos casos,
do distanciamento dos líderes.
BUSQUE COLOCAR ESTAS CINCO DICAS EM
Portanto, busque colocar estas
PRÁTICA: AUTONOMIA, MAIOR VÍNCULO COM OS
cinco dicas em prática: autonomia,
LIDERADOS, METAS SMART, CULTURA DE EDUCAÇÃO maior vínculo com os liderados, metas
E PROPÓSITO DE VALORES. ASSIM, VOCÊ VAI VER O SMART, cultura de educação e propó-
ENGAJAMENTO E A MOTIVAÇÃO DE SEUS PROFISSIONAIS sito de valores. Assim, você vai ver o
CRESCEREM DE FORMA EXPONENCIAL. engajamento e a motivação de seus
profissionais crescerem de forma ex-
José Ricardo Noronha
Vendedor, palestrante, professor, escritor e consultor. ponencial.
vendas@paixaoporvendas.com.br Sucesso!

50 • Tratamento de Superfície 201


Dörken MKS – Soluções
Inteligentes em Revestimentos
Anticorrosivos.

DESCUBRA AS NOSSAS SOLUÇÕES PARA UM MUNDO MELHOR,


LIVRE DE CORROSÃO.

Os sistemas de flocos de zinco da Dörken MKS são usados em inúmeras áreas em


que a proteção anticorrosiva desempenha um papel fundamental. Quer seja no
setor automotivo, construção ou energia eólica. As principais indústrias têm
contado com nossa tecnologia de flocos de zinco por mais de 30 anos. Este
processo desempenha uma elevada proteção anticorrosiva de peças a granel, tais
como parafusos, grampos e clipes - com baixíssima espessura de revestimento e
alta durabilidade. É também cada vez mais utilizado em grandes peças com
superfícies extensas, como subframes traseiros ou suportes de eixo.

www.doerken-mks.com
Robinson Bittencourt Lara – rlara@doerken.de
CUPROSTAR 1600 S
Cobre Ácido

Cobre Ácido de Alto Nivelamento


Brilho do início ao fim
CUPROSTAR 1600 S produz uma camada de cobre
brilhante e dúctil com excelente desempenho de
nivelamento em substratos tais como: Aço, Latão,
Alumínio e Zamak.

O sistema pode ser otimizado para evitar o efeito casca


de laranja, super nivelamento ou manchas por queimas
em substratos com geometrias complexas.

O sucesso do processo teve início na China e foi


transmitido para outros países. Se sua empresa usa
Cobre Ácido e precisa de um sistema de fácil controle,
brilho, excelente nivelamento e desempenho
consistente...

CUPROSTAR 1600 S é o processo correto!

Para acabamentos de Cobre confiáveis em quaisquer


substratos, conte com a MacDermid Enthone.

• Sistema de ultra nivelamento


• Excepcional Cobertura e Brilho em áreas de baixa densidade de corrente
• Alta Velocidade de deposição com alta resistência a queimas
• Ideal para todos os Metais e Substratos Plásticos

Para maiores informações: www.macdermidenthone.com


MacDermid Enthone. 2016. Todos os direitos reservados