You are on page 1of 8

Directora

:
ISSN: 1645-443X - Depósito Legal: 86929/95 Ago.Set.2017
P r a ç a1645-443X
ISSN: D. Afonso- V , n º 8 6 , Legal:
Depósito 4 1 5 0 - 086929/95
24 P o r t o - P O R TU G A L Ano XLIX- nº 387
Praça D. Afonso V, nº 86, 4150-024 Porto - PORTUGAL
ASSEMBLEIA EUROPEIA DAS FRATERNIDADES LEIGAS
FÁTIMA
LAICADO DOMINICANO

A 10ª Assembleia do Conselho Europeu das tuânia, Holanda, Espanha, Portugal, Eslová-
Fraternidades Leigas Dominicanas (ECLDF) quia, Alemanha do Sul e Áustria e Teutonia
teve lugar de 4 a 8 de outubro de 2017,em Fáti- ( Alemanha do Norte).
ma. O tema central foi "Pregadores da Esperan- No dia 5, quinta-feira, após o café da
ça". manhã e a oração de Laudes, fomos para a
Na quarta-feira, 4 de outubro, festa de São sala de reunião da Assembleia, nosso centro
Francisco, todos os delegados da 10ª Assem- épico para os dias de Assembleia. Entrámos
bleia Europeia das Fraternidades Leigas Do- na sala, cantando o hino do Jubileu e no
minicanas chegaram ao Hotel, Casa das Ir- chão havia um enorme rosário, colocando-
mãs Dominicanas em Fátima. Os participan- nos em seu redor. Ao acender uma vela,
tes foram acolhidos pelos membros do con- Leny Beemer, presidente do ECLDF, abriu
selho Leny Beemer - De Vos, Eva Zudorova, a Assembleia, rezando em conjunto a oração
Aksel Misje, Olga Rozhnikova e Arnaud Ki- da Assembleia.
entz, assim como pelo Frei Rui Lopes, o Pro- Cristina Busto, Presidente do Conselho
motor Geral dos Leigos e pelo irmão Ga- Nacional dos Leigos de Portugal, recebeu
briel Silva, organizador da logística da As- todos os participantes em nome das Frater-
sembleia. nidades portuguesas. Apresentou o hotel
"Leigos Dominicanos - Pregadores da Es- onde nos hospedamos como a casa das Ir-
perança" foi o tema desta Assembleia, que se mãs Dominicanas e como o lugar onde os
realiza de quatro em quatro anos. Neste dia, leigos dominicanos portugueses se sentem
antes da Oração de Vésperas, rezámos o Ro- em casa e celebram as suas ocasiões especi-
sário com os Mistérios da Alegria, na capela. ais.
Seguiu-se o jantar, tempo de partilha e con- O primeiro orador foi o Fr. Bruno Cadoré,
vívio. Mestre da Ordem. Na sua palestra, respon-
A Assembleia era constituída por cerca deu às perguntas: O que significa ser um domi-
de 50 participantes, entre Delegados das nicano leigo como pregador da esperança? Pode-
diferentes Províncias, Promotores e convida- mos falar mais precisamente de leigos e pregado-
dos. Estiveram representadas 17 Províncias e res? Por que falamos sobre pregadores leigos? O
Vicariatos: Bélgica, Bélgica Flamenga, Mestre pensa que é uma dimensão essencial ser o
R.Checa, Bulgária, Dácia( P.Nórdicos), Suí- que se prega.
ça, Hungria, Itália(Norte e Sul), Irlanda, Li- (continua na pág.2)
Laicado Dominicano Ago.Set. 2017

Os dominicanos leigos estão na Igreja, a Igreja - pela gra- víncia.
ça de Deus - que será construída através da pregação. Ser No final do dia, a lista definitiva de candidatos pa-
um dominicano leigo não diz o que são em termos canónicos, ra as eleições foi apresentada, de seguida rezámos o
mas qual é a identidade da Ordem, porque todos os leigos Rosário e Vésperas na capela das irmãs.
são chamados a ser atores da evangelização. Nós fazemos No dia 7, sábado, como de costume, o dia come-
isso evangelizando através da nossa pertença à fraternidade; çou na capela com a oração da manhã, depois o café
a fraternidade, a comunidade é nossa maneira de pregar. da manhã. Na sala da Assembleia, após rezar a oração
Antes do almoço celebrámos mis- da Assembleia, a Ir. Yosé Höhne-Sparborth falou sobre a
sa na capela e o Mestre da Ordem importância pastoral da esperança, com a contribui-
foi o celebrante. Foi muito especi- ção do seu tempo no Iraque.
al porque o Sérgio, um leigo do- Nesse contexto, pôs a questão: "Pregadores da esperança:
minicano de Portugal, da Frater- quando, onde, quem e a quem?"
nidade do Porto, fez a sua pro- Após a palestra, a Assembleia foi novamente dividida
messa definitiva. nos grupos formados anteriormente, onde foram ana-
À tarde, cada Província e Vicaria- lisadas as questões colocadas.
to apresentou e compartilhou Pelas 12h30, na capela do Santuário, foi celebrada
com os outros participantes os seus projetos. Foi bom a missa, da festa da Santíssima Virgem Maria do Rosá-
e inspirador ouvir todas essas histórias. rio, presidida pelo Fr Rui. Foi um momento de gran-
E por último, mas não menos importante, o Con- de emoção e alegria, participar na eucaristia, neste lu-
selho apresentou o relatório (atividades e finanças) do gar, com tantos irmãos, foi um momento importante
período 2014-2017. e especial para a Ordem.
Este primeiro dia intensivo terminou rezando o rosá- À tarde, foram realizadas as eleições, os delegados es-
rio e oração de Vésperas. Depois do jantar, alguns en- colheram o novo Conselho para o ECLDF e um re-
saiaram para cantar nas celebrações do dia seguinte, presentante do ICLDF (Conselho Mundial das Frater-
outros foram para o Santuário participar no Rosário e nidades Leigas).
procissão das velas e alguns tiveram uma reunião in- A Assembleia terminou o dia rezando o Rosário,
formal no bar do hotel. Foi um dia bom e fraternal- orientado pelos irmãos das Fraternidades da Parede e
mente animado! de Fátima, e as Vésperas. Depois do jantar, houve um
Dia 6, sexta – feira, depois da oração de Lau- encontro social com os Leigos de Portugal, onde os
des, frTimothy Radcliffe OP. proferiu uma maravilhosa Voluntários Dominicanos, bem como os representan-
palestra sobre como os nossos irmãos e irmãs no mun- tes europeus do Movimento Internacional da Juventu-
do árabe nos ensinam a ter esperança. Entre as suas de Dominicana e delegados à Assembleia, contaram
muitas questões de reflexão: como podemos continuar algo sobre seu trabalho e inspiração.
tendo esperança e transmiti-la aos jovens e como os jovens Finalmente, domingo, dia 8, a 10ª Assembleia reuni-
nos ensinam a ter esperança? da em Fátima terminou na capela, com uma pequena
FrTimothy convocou a Assembleia para dar esperança cerimónia, juntamente com as Irmãs, os Voluntários
aos jovens: dê-lhes uma razão para esperar". Mas os jovens Dominicanos e os representantes do IDYM. Os Domi-
também nos estão dando esperança. Às vezes, somos cegos nicanos Leigos Europeus comemoraram a entrega de
para o que fazemos: não percebemos o que é precioso e valio- testemunho ao novo Conselho Europeu.
so, até estar numa área devastada. Dividida por línguas, Os membros do Conselho para os próximos quatro
inglês, francês, alemão e espanhol, a Assembleia traba- anos são: Maro Botica, (Espanha) Felix Hoffmann,
lhou, após o café, em grupos. Com base na palestra os (Alemanha), Damien McDonnnell, (Irlanda), Ludovic
grupos refletiram sobre as questões: o que nos dá espe- Namurois,(Bélgica), Vilija Šemetienė,(Lituânia). Co-
rança? Como podemos dar esperança à próxima gera- mo membro do Conselho Internacional a Assembleia
ção? elegeu o Gabriel Silva.
Após a missa e o almoço, a Presidente do Conselho O antigo Conselho entregou as velas acesas e o ícone
deu uma explicação adicional sobre as eleições. De- ECLDF da Santa Maria e o Ir. Rui deu sua bênção aos
pois, de autocarro, fomos visitar o Mosteiro da Bata- novos membros do Conselho.
lha, belíssima obra gótica mandada construir por D. A próxima Assembleia será em 2021.
João I em 1385 e entregue à Ordem dos Pregadores a
título perpétuo. Desde a sua fundação que foi um lu- Anabela Lopes Dias, o.p.
Delegada da Província portuguesa à Assembleia Europeia
gar de estudo, sede de uma das universidades da pro-
2
Laicado Dominicano Ago.Set.2017

O ROSÁRIO E A FAMÍLIA DOMINICANA
No passado dia 14 de Outubro pelas 16.00h. da Boa Nova, baseada no exemplo dos apóstolos,
teve lugar, no Museu Diocesano de Lamego, a pri- despojada e dialogante, alicerçada na oração, no es-
meira das “Tertúlias de Outono” naquela cidade tudo e na vida comunitária, abordou-se depois o
duriense, promovida pela Prof.ª Júlia Lourenço, co- aparecimento da Família Dominicana a partir da
leccionadora e curadora da exposição “Contas de fundação do Mosteiro de Prouille em 1206. Segui-
Rezar”. Esta exposição, patente ao público no boni- damente, falou-se do Rosário e da forma como esta
to espaço daquele museu, apresenta vários e valiosos oração nasceu e foi sempre amparada na nossa Or-
Terços, bem como outras Contas de Rezar da tradi- dem – nomeadamente através das Confrarias do
ção muçulmana e budista. A Tertúlia, que teve o Rosário e dos Movimentos Rosaristas – até chegar à
apoio da Diocese de Lamego – nomeadamente do sua estrutura actual.
Pe. João Carlos Morgado, capelão do Mosteiro Do- Ainda antes do debate
minicano de Nossa Senhora da Eucaristia – teve co- que se seguiu, o Pe. Anselmo
mo oradores o Pe. Anselmo Borges que falou sobre Borges, na qualidade de autor,
a importância do diálogo inter-religioso, e do José apresentou o livro Francisco –
Gomes da Costa, leigo dominicano que expos a ínti- desafios à Igreja e ao Mundo
ma relação entre a Família Dominicana e o Rosário. (Gradiva, 2017).
Partindo da história de S. Domingos e dos
anos em que este permaneceu no território do Lan-
guedoc propondo uma renovada forma de pregação José Carlos Gomes da Costa,o.p.

JORNADAS DA FAMÍLIA DOMINICANA
Estimados Irmãos, Irmãs, Monjas, Leigos e Jovens, Apelamos à Vossa disponibilidade para em Famí-
dando cumprimento ao estabelecido nos lia Dominicana fortalecermos a nossa Fé, aprofun-
“ESTATUTOS DA FAMÍLIA DOMINICANA EM darmos o CARISMA DOMINICANO e à LUZ do
PORTUGAL” nº 8.4.1., é com alegria que o Secreta- EVANGELHO, prosseguirmos com o legado que
riado do Conselho Nacional da Família Dominicana nosso PAI, S. DOMINGOS de GUSMÃO nos dei-
vem por este meio convidar-vos a participar nas Jor- xou, pregadores itinerantes e permanentes.
nadas Trienais da Família Dominicana, com data
marcada para os dias 01-02 Dezembro 2017, na casa Início: dia 01, pelas 09 horas
das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena, Termina: dia 02, pelas 17 horas.
em Fátima.
O Tema das Jornadas: ”Justiça, Paz, Ecologia e Não há número limite de inscrições por Ramo da
Direitos Humanos”, incidirá sobre a Encíclica Família.
“Laudato Si” do Santo Padre, o Papa Francisco.
No nº 53 do Capítulo I, o Santo Padre escreveu Agradecemos que a Vossa inscrição nos seja envia-
“somos chamados a tornar-nos os instrumentos de da até ao dia 20 de Novembro 2017.
Deus Pai para que o nosso planeta seja o que Ele so-
nhou ao criá-lo e corres-ponda ao seu projecto de paz,
beleza e plenitude”. Um abraço fraterno em N. P. S. Domingos de
Também o Mestre Geral, Fr. Bruno Cardoré, aca- Gusmão,
ba de enviar uma carta à Ordem a propor que se vive
O Secretariado Nacional da Família Dominicana
"um mês dominicano pela Paz" e sugere o tempo de Lurdes Santos / Ir. Deolinda Rodrigues / Frei Geraldes
Advento
3
Laicado Dominicano Ago.Set. 2017

CARTA-CONVITE DO MESTRE GERAL À PARTICIPAÇÃO NA DINÂMICA
PREPARATÓRIA DO SÍNODO CONVOCADO PELO PAPA FRANCISCO SOBRE O
TEMA “OS JOVENS, A FÉ E O DISCERNIMENTO VOCACIONAL”
(Continuação do nº anterior)
Deus, o enraizamento da reflexão na Tradição, a pro-
cura da verdade em diálogo com os outros saberes, a
compaixão para com os apelos que nos chegam dos
locais de intranquilidade no mundo, o desejo da sal-
vação do mundo. Neste ponto de vista, será impor-
tante ter em conta as numerosas experiências de ir-
mãos e irmãs com jovens que vivem em situações de
grande precaridade e vulnerabilidade em tantos liga-
res do mundo.
3)No site aberto pelo Secretariado do Sínodo, o
jovens têm toda a latitude para responder a um ques-
tionário que lhes é proposto
(www.sinodogiovanni2018.va) Todavia proporemos
muito proximamente um espaço de discussão no nos-
so próprio site (www.op.org). Com efeito, parece-nos
que certas questões específicas da tradição dominica-
na poderiam animar os diálogos dos irmãos, irmãs e
leigos da Ordem com os jovens:
 Como jovens, de que modo já tivestes ocasião de
dar o vosso contributo na proclamação da Boa Nova
do Reino de Deus?
Pregar com os jovens  Poderemos juntos identificar os elementos do
Evangelho e da tradição da Igreja que poderão ser os
Eis algumas das etapas que vos proponho para mais “atractivos” para os jovens de hoje? Como Do-
que os frades, irmãs ou leigos acima citados possam mingos, que quis seguir a escola de Jesus assemelhan-
tomar parte neste “projecto da família dominicana”. do-se aos seus apóstolos para ir através das cidades e
1)Convidar e incentivar os jovens com quem estão aldeias proclamar a Boa Nova do Reino, de que mo-
envolvidos a tomar consciência do documento de do os jovens desejarão encontrar, à sua maneira, uma
trabalho, a participar nos encontros de grupo tal dinâmica?
(reuniões) e reflexões sobre este tema nas igrejas que  A partir do vosso conhecimento e da vossa liga-
cada um frequenta, afim de contribuir para as pro- ção com os frades, leigos ou irmãs dominicanas,
postas que serão feitas na preparação do documento quais seriam os novos projectos de evangelização em
de trabalho do Sínodo, para que a realidade das espe- que gostariam de tomar a iniciativa ou ser interveni-
ranças e preocupações dos jovens estejam presentes entes directos? Quais seriam os tipos de linguagem
na reflexão final do Sínodo. Para este efeito, um site (palavra, media, atitudes, etc.) que melhor poderiam
deverá ser aberto durante o mês de Junho, convidan- corresponder à criatividade dos jovens em matéria de
do todos os jovens a tomar parte na reflexão. proclamação desta Boa Nova?
2)Nesta participação, convidamos-vos a estarem De que modo gostariam que a Ordem dos Prega-
particularmente interessados em pôr em prática o dores contribuísse para que a Igreja se mantivesse
compromisso da Ordem na escuta da Palavra de próxima dos jovens das vossas gerações?

4
Laicado Dominicano Ago.Set. 2017

 De que modo os ideais de educação nos quais participação activa poderá ser a de transmitir ao So-
estão comprometidos tantas irmãs e irmãos poderão cius para a vida apostólica toda a informação, refle-
tomar parte na reflexão sinodal, por um lado, e por xão, testemunho que poderão ser partilhados com
outro, na renovação do diálogo com os jovens, que a outros através da Ordem. Agradecemos que os envi-
Igreja quer manter? em à Cúria Geral até ao fim de Outubro de 2017,
 Segundo o vosso ponto de vista, quais seriam os afim de que o próximo trabalho dos socii e dos pro-
elementos próprios da tradição dominicana que pen- motores possa ser enriquecido
sais que serão particularmente adaptados à proclama- (apostolatus@curia.op.org). Não se trata de redigir
ção da Boa Nova aos jovens das vossas gerações, parti- um documento próprio da Ordem, mas sobretudo
cularmente aos que estão longe da Igreja? animar no coração da Ordem um movimento em
que os jovens serão os primeiros actores da reflexão
Por certo já compreendestes que o desafio princi- sinodal, por um lado, pela sua participação na dinâ-
pal do projecto que vos apresentamos aqui não é mica colocada pelo Secretariado Permanente do Sí-
uma reflexão sobre “a nossa pastoral para os jovens” nodo, e por outro, pelo seu próprio compromisso na
mas sim uma maneira de de reconhecer e promover a proclamação do Evangelho. E para permitir à Or-
capacidade dos próprios jovens em serem agentes ac- dem ,como um todo, de beneficiar desta dinâmica de
tivos da renovação da evangelização. um “Sínodo com os jovens”. Para este efeito, o
É uma das riquezas dos diversos carismas existen- “Sínodo com os jovens” será o tema de um projecto
tes na Igreja, que não são a “propriedade” daqueles específico no Atrium, animado pelo serviço de promo-
para quem foram constituídos, mas são oferecidos à ção das comunicações.
vida da Igreja no mundo como um todo. A Ordem
dos Pregadores foi instituída no carisma da pregação, Alegrando-me com a perspectiva do que poderá
e é sua missão, hoje mais do que nunca, oferecer a vir a ser um projecto comum da pregação dominica-
todos a convicção de que a Igreja retoma a sua essên- na nos dias de hoje, asseguro-vos a minha amizade
cia quando proclama a Boa Nova do Reino. Os jo- fraterna e a minha comunhão na oração e acção de
vens, e o modo de ter em atenção a grande diversida- graças.
de e riqueza das suas vivências através do mundo, são Vosso irmão,
uma ocasião de tomar consciência deste dever. Fr.Bruno Cadoré,o.p.
Mestre da Ordem
Este convite encontrará uma ocasião de realização
e coordenação no website da ordem (www.op.org). Tradução de Maria do Carmo Ramos o.p.
Convidamos-vos a participar activamente. A primeira a partir do original francês

5
Laicado Dominicano Ago.Set. 2017

NOTÍCIAS DAS FRATERNIDADES
FRATERNIDADE DE Fundação do Convento Dominicano de Nossa Se-
MACEDO DE CAVALEIROS nhora dos Mártires, mais conhecido por São Do-
mingos de Elvas.
Em 08 do corrente mês de agosto, dia de são
domingos de Gusmão, pelas 20,30h na igreja santa
maria mãe da igreja de Macedo de Cavaleiros, a
fraternidade dominicana local, mandou celebrar
uma missa em honra e louvor de são Domingos de
Gusmão. Esta missa préviamente anunciada nos
boletins da paróquia, foi celebrada pelo senhor
cónego Melo coadjuvada pelo diácono permanente
Ilídio Mesquita. Estiveram a assistir à eucaristia
grande parte dos irmãos dominicanos bem como
muito público. Durante a homilia o senhor cónego
falou várias vezes em S. Domingos de Gusmão, na
sua dedicação à igreja e ao cristianismo e no exem- A Eucaristia da Solenidade de Nossa Senhora
plo que nos deixou. As leituras foram feitas pelos dos Mártires foi presidida pelo Senhor Arcebispo
leigos dominicanos e os cânticos por nós e toda a de Évora Dom José Alves e animada pelo Coro
assembleia. No final da celebração o senhor diáco- Beato Aleixo Delgado que tem a sua sede na nossa
no dirigiu-se à assembleia anunciando ao micro igreja. De seguida saiu em procissão a imagem de
que se alguém quisesse pertencer à fraternidade Nossa Senhora dos Mártires pelas ruas da cidade
dominicana para se dirigir ao senhor Geraldes que de Elvas, a relíquia de São Domingos levada pelo
ele lhe daria todas as informações. Antes do públi- Senhor Arcebispo, bem como os pendões das paró-
co se retirar foi cantado o hino de São Domingos, quias da cidade, Irmandades e Confrarias.
o que agradou a todos os presentes e ao senhor No fim foi descerrada uma placa comemorativa
cónego celebrante. De seguida fomos à sacristia o deste jubileu e foi servido um jantar nos claustros
presidente, a vice-presidente acompanhados de al- do antigo convento.
guns leigos agradecer ao senhor cónego e diácono a Foi um ano de muito trabalho, mas também
gentileza e amabilidade, dando-lhe conhecimento com muitas graças, com celebrações, encontros,
de que aqueles que estavam ali presentes eram conferencias, concertos. A todos a Fraternidade
membros da fraternidade em formação de base. agradece o empenho de todas as pessoas que de
Estes foram saudados pelo senhor cónego, deu-lhe um ou outro modo colaboraram na preparação.
os parabéns desejando muitas felicidades. a missa Um agradecimento especial aos Seminaristas do
foi comparticipada voluntáriamente pela irmã Alci- Seminário Maior de Évora que colaboraram na
na Catarino. abertura do Jubileu e que no dia do encerramento
o presidente da fraternidade leiga dominicana quando se deslocavam para Elvas oito seminaristas
Armindo Augusto Geraldes e o Director Espiritual do Seminário tiveram um
acidente de viação, graças a Deus os Seminaristas
ENCERRAMENTO SOLENE DO JUBILEU
DOS 750 ANOS DA FUNDAÇÃO DO tiveram alguns ferimentos excepto o Sr. Padre Her-
CONVENTO DOMINICANO DE nandes que que teve uma fractura na coluna e en-
NOSSA SENHORA DOS MÁRTIRES DE ELVAS contra-se hospitalizado no hospital de Évora.
Fazemos votos que os irmãos da Fraternidade
Foi com muita alegria e um sentimento de gratidão que estiverem daqui a 50 anos, possam comemorar
a Nosso Senhor e sua Mãe Maria Santíssima, que a os 800 anos com maior empenho e dedicação.
Fraternidade Leiga de São Domingos de Elvas en-
cerrou solenemente o Jubileu dos 750 anos da Tozé, o.p.

6
Laicado Dominicano Ago.Set. 2017

A MINHA PEREGRINAÇÃO AO MONTE DE S. DOMINGOS

Chegado ao cimo do monte, avistei a tão ansiada
capela de S. Domingos. É uma pequena e humilde
capela com vista para a beleza e a imensidão da pai-
sagem circundante. Esta visão com que me deparei
ao chegar ao cimo do monte (a pequena capela e a
imensidão da paisagem) relembrava-me aquilo que é
a Ordem Dominicana fundada por S. Domingos,
isto é, a pobreza de bens e a simplicidade de uma
ordem mendicante dedicada apenas e só ao anúncio
do Evangelho, e que produziu frutos de uma riqueza
No passado dia 8 de Agosto, dia de S. Domingos, abundante para a Igreja e para o mundo. No fundo,
fiz pela primeira vez a minha peregrinação pessoal a pequenez daquela capela e a grandiosidade daque-
até ao alto de S. Domingos, monte situado no extre- la paisagem, exortava-me a meditar no valor e nos
mo norte de Portugal. Tinha prometido a mim mes- frutos da Pregação e do anúncio da Palavra de Deus,
mo que, se estivesse de férias em Trás-os-Montes no capaz de gerar uma imensidão de conversões de pes-
referido dia, iria fazer a tão ansiada subida a pé até soas e de Nações ao Evangelho de Jesus Cristo, a
ao cimo de um monte que tem o nome de um dos partir da simplicidade e da mendicância da Ordem
maiores santos da Igreja, e cujo carisma que fundou Dominicana.
tanta falta faz à Igreja e ao mundo de hoje, isto é, a
Pregação. O falar de Jesus Cristo aos outros, o pro-
clamar a Palavra de Deus, o explicar aos outros a
importância que tem a Fé em Jesus Cristo para as
pessoas, para as sociedades humanas, e para o mun-
do; a importância do anúncio do Evangelho para
uma sociedade que progressivamente se vai afastan-
do de Cristo.

O Monte de S. Domingos fica na freguesia de
Morgade, concelho de Montalegre, distrito de Vila
Real. A Festa da freguesia em honra de S. Domin-
gos foi apenas no Domingo seguinte, dia 13 de “E como hão-de acreditar naquele de quem não ouvi-
Agosto. ram falar? E como hão-de ouvir falar, sem alguém que o
Logo à entrada da aldeia, uma pequeníssima ca- anuncie? E como hão-de anunciar, se não forem enviados?
pela, com algumas imagens de S. Domingos no seu (…) Portanto, a fé surge da pregação, e a pregação surge
interior, como que a darem-me força a alento para pela palavra de Cristo.” (Rom 10, 14-15. 17)
as dificuldades que aí vinham, porque a subida não
seria tarefa fácil. Estava uma tarde de calor, e o per- E foi assim que terminei a minha peregrinação
curso, embora curto, sobe a pique. Mas, como em até ao alto de S. Domingos, contemplando aquela
tudo na vida, para se conseguir um objectivo é preci- paisagem magnífica no fim da tarde daquele dia 8
so esforço e perseverança, fiz-me ao caminho, unin- de Agosto, meditando no carisma dominicano, e
do o esforço físico às intenções espirituais: enquan- na sua importância para a Igreja e o mundo de hoje.
to subia, rezei pela paz no mundo, pela re-
cristianização de Portugal e da Europa, pelas voca- José Alves,
ções dominicanas na Igreja. S. Domingos de Benfica - Lisboa

7
Laicado Dominicano Ago.Set. 2017

ORAÇÃO

Deus Nosso Pai
Que nos deste a Tua paz por Jesus
E que por Ele conduziste nosso pai S. Domingos
A ser um pregador do Teu mundo para todo o mundo
Rezamos, como leigos dominicanos em união,
Para que possamos cada vez mais
Tornarmo-nos verdadeiros irmãos e irmãs em S. Domingos
Por amor do Teu filho e de todas as pessoas que nos são confiadas
Em Fátima, onde a Virgem Maria nos convida
A rezar pela paz no mundo
Concede-nos, te pedimos, que a paz reine entre todos os homens
Que os líderes das nações encontrem caminhos de justiça
Que todos alcancemos a paz do coração
E que, pela intercessão da Virgem Maria,
Possamos tornarmo-nos construtores de um mundo mais frater
no
Verdadeiros pregadores da Esperança
Por Cristo, Nosso Senhor,
Ámen

Oração da Assembleia Europeia das Fraternidades Leigas
Fátima 2017

F i c h a T é c n i c a
Jornal bimensal Rua Comendador Oliveira e Carmo, 26 2º Dtº
Publicação Periódica nº 119112 / ISSN: 1645-443X 2800– 476 Cova da Piedade
ISSN: 1645-443X
Propriedade: Fraternidade Leigas de São Domingos Endereço: Praça D. Afonso V, nº 86,
4150-024 PORTO
Contribuinte: 502 294 833
Depósito legal: 86929/95 E-mail: laicado@gmail.com
Tiragem: 370 exemplares
Direcção e Redacção
Cristina Busto (933286355)
Maria do Carmo Silva Ramos (966403075) Os artigos publicados expressam apenas
a o p i n i ã o d o s s e u s a u t o r e s .
Colaboração: Maria da Paz Ramos

Administração: Maria do Céu Silva (919506161) 8