You are on page 1of 7

Esboço de Mapa Mental Revoluções Inglesas

1. Queda do Absolutismo
1.1. Enfraquecimento dos nobres
1.1.1. Desenvolvimento da economia urbana
1.1.2. Queda do sistema feudal de agricultura
1.1.3. Efeito da Peste Negra, Cruzadas, Guerra dos Cem Anos
1.2. Mas esses fatores, segundo Burns, não são suficientes para explicar a queda do
Absolutismo. Outros fatores:
1.2.1. Revolução Comercial
1.2.1.1. Política mercantilista
1.2.2. Estado forte para proteger a indústria
1.2.3. Reforma Protestante
1.2.3.1. Abolição da suserania papal sobre governos seculares,
1.2.3.2. Favorecimento do nacionalismo
1.2.3.3. Incitação dos países da Europa setentrional a influência em
assuntos religiosos e civis
1.2.3.4.
2. Antecedentes
1.1. Guerra das Duas Rosas, 1485
1.1.1. Lancaster (Primeiro escudo) e os Yorks (Segundo)
1.1.1.1. O Lancaster que sobrou era um Tudor, Henrique Tudor, que casou
com a filha de um York, assume o trono inglês, no auge do
absolutismo,
1.1.1.1.1. direito divino dos reis.
1.2. Domínio Despótico da Dinastia dos Tudors (1485-1603)
1.2.1. Fundadores do governo déspotico
1.2.2. Célebres
1.2.2.1. Henrique VIII
1.2.2.1.1. Religião na Inglaterra: Henrique VIII queria se
casar, Inglaterra se torna um país anglicano.
1.2.2.1.1.1.1. Calvinistas se tornam fortes
na Suíça (França conhecidos
por huguenotes), puritanos
acham que o anglicanismo
não é suficientes,
presbiteriano são calvinistas
escoceses. Puritanos e
calvinistas querem realmente
reformar a igreja, o que
Henrique VIII não fez.
Puritanos e presbiterianos
serão a maioria no
parlamento, principalmente
depois que os Stuart
assumem.
1.2.2.1.2.
1.2.2.1.3. Henrique VIII se separa da sua primeira esposa, se
casa com outra, e tem mais 4 esposas. O único
filho dele homem é Edward. Ele proíbe durante
um período suas filhas de assumirem o trono, mas
depois revoga isso.
1.2.2.2. Elizabeth I (1508-1603)
1.2.3. Habilidosos em lidar com o parlamento inglês
1.2.3.1. Tentavam cooptar os setores médios, populares, quanto o
parlamento, convocavam esse quando iam tomar decisões
polêmicas, eleições fraudadas.A Magma Carta dizia o que o rei
não podia fazer.
1.2.3.2. Mantinham parlamento controlado
1.2.4. Inflação
1.2.4.1. Boa
1.2.4.1.1. para a burguesia
1.2.4.1.1.1. Classe dinâmica
1.2.4.2. Estado inglês
1.2.4.2.1. Cunhava moeda
1.2.5. Cercamentos
1.2.5.1. Estado vendendo terras que antes pertenciam a Igreja
1.2.5.2. Processo de gentrificação
1.2.5.2.1. Ascensão social sem títulos de nobreza
1.2.5.3. Problemas sociais
1.2.5.4. Estado tenta frear o processo cobrando 50% do valor da venda,
mas é ineficaz

1.2.6. Morte de Elizabeth I sem deixar Sucessor


1.2.6.1. Assume o primo, rei Jaime VI da Escócia
1.2.6.2. Torna-se o soberano dos dois países
1.2.6.3. Fim da última dinastia absolutista da inglaterra
2. O Reinado de Jaime I
2.1. Atitudes do Rei
2.1.1. Dissolveu as duas câmaras
2.1.1.1. Porque queria novas formas de financiamento
2.1.1.1.1. E os impostos eram tradicionalmente aprovados
pelo Parlamento
2.1.2. Concedeu monopólios e privilégios a companhias protegidas
2.1.2.1. Feria a liberdade comercial
2.1.3. Negligenciou interesses poderosos nas relações exteriores
2.1.3.1. Fez um concerto de paz com a Espanha e entrou em negociação
em casar sua filha com uma princesa espanhola
2.1.3.1.1. Os ingleses não queriam isso
2.2. Religião
2.2.1. Jaime I
2.2.1.1. Anglicano
2.2.1.1.1. Mas incorporou a doutrina francesa do direito
divino dos reis
2.2.1.1.1.1. Jaime vai tentar implementar o direito
divino dos reis, manda fazer a sua própria
versão da bíblia (BJV).
2.2.1.1.1.2.
2.2.1.1.2. Desconfiava de outras religiões
2.2.2. Grande parte da população inglesa era calvinista,
2.2.2.1. Uma parte deles formou a seita dos puritanos, que desejava
purificar o país
2.2.2.1.1. O grupo dos puritanos vai tentar matar Jaime , a
conspiração da pólvora, por exemplo.
2.3. Jaime I morreu em 1625
2.4. Sucedido por seu filho Carlos I
3. O Reinado de Carlos I
3.1. Discordância com os puritanos
3.2. Conflito com membros do parlamento por causa de impostos
3.2.1. Queria dinheiro para fazer guerra contra a França, e Parlamento não
aceita
3.2.1.1. Mandou prender alguns parlamentares (Colocar um parêntese
nas duas e uma seta)
3.3. Parlamentares obrigaram o rei a assinar a Petição de Direitos ( 1628):
3.3.1. Comparado a Carta Magna, Declarava Ilegais:
3.3.1.1. Todos os impostos não aprovados pelo Parlamento
3.3.1.2. Prisões arbitrárias
3.3.1.3. Aplicação da Lei Marcial em tempos de paz
3.3.2. Não resolveram a situação
3.3.2.1. Rei repôs leis feudais obsoletas
3.3.2.2. Obrigou burgueses a obter títulos de nobreza por taxas elevadas
3.3.2.3. Vendeu monopólios a preços exorbitantes
3.3.2.4. Orientou juízes a cobrar preços altos em processos criminais
3.3.2.5. Carlos I declarou as contribuições navais (ship money)
3.3.2.5.1. Não só cidades costeiras, mas do interior
deveriam contribuir com dinheiro
3.3.2.5.2. Impopulares
3.3.2.5.3. Atingiram especialmente a classe média
3.3.2.6. Medidas religiosas que irritaram calvinistas e presbiterianos
escoceses
3.4. Calvinistas ao Norte provocaram uma rebelião no país
3.4.1. Rei se viu obrigado a convocar o Parlamento (1640), depois de 11 anos
fechado, para conseguir dinheiro para a guerra
3.4.1.1. Rei tinha invadido a Escócia com dinheiro emprestado da
Espanha, ele perdeu a guerra, e implora ao parlamento dinheiro
para resistir aos escoceses, o parlamento tinha medo de ser
fechado novamente, e exige que nunca mais seja fechado, ele se
compromete, e começa a discussão quem vai ter o comando do
exército, o parlamento sugere que o rei indicaria 2 generais e o
eles 3. Ele fecha o parlamento, esse organiza um exército próprio
e aí começa a guerra civil.
3.4.2. Líderes da Câmara do Comum tomaram o comando do governo
3.4.2.1. Decretada lei que proibia o rei de dissolver o Parlamento
3.4.3. Rei invadiu o Parlamento
4. Guerra Civil (1642-1649) Rei X Parlamento
4.1. Bloco Rei
4.1.1. Maioria dos nobres e latifundiários mais importantes
4.1.2. Católicos
4.1.3. Anglicanos fiéis
4.1.3.1. Conhecidos como “Cavaleiros”
4.2. Bloco Parlamento
4.2.1. Pequenos proprietários de terra
4.2.2. Comerciantes
4.2.3. Manufatureiros
4.2.3.1. A maioria desses eram puritanos ou presbiterianos
4.2.3.2. Conhecidos como “Cabeças Redondas”
4.2.4. Com o povo pegando em armas, há a radicalização (levellers e
diggers), os primeiros defendiam o sufrágio universal, os segundos a
volta da coletivização da terra, eram bem mais radicais que o
Parlamento. Os irlandeses também ocupam uma parte da Inglaterra.
4.3. Rei se rendeu em 1646
4.3.1. Contudo, disputas internas entre presbiterianos (maioria) e puritanos
(minoria liderada por Oliver Cromwell) possibilitou o rei retomar a
guerra em 1648
4.3.1.1. rei se rende aos escoceses e esses exigem que ele se converta ao
presbiterianismo e implemente essa religião na Inglaterra. Então o
parlamento se divide. Metade diz que deveriam negociar com o
rei, muitos eram presbiterianos, e outra eram puritanos mais
radicais e não queriam negociar com o rei. O rei começa a
negociar com as duas facções, com os escoceses, rei da França, rei
da Espanha. O grupo parlamentar que não aceita negociar vai
receber amplo apoio do exército. O rei se aproveita da divisão e
cria um exército para atacar o parlamento, nova guerra civil
((1648-9).
4.3.1.2.
4.4. Rei perdeu novamente
4.4.1. Cromwell e puritanos expulsaram 143 deputados presbiterianos da
Câmara dos Comuns
4.4.2. 60 Deputados restantes extinguiram a monarquia
4.4.3. Em janeiro de 1649, Carlos I é decapitado
4.4.4. Pouco depois, Câmara dos Pares é abolida e Inglaterra se torna uma
República Oligárquica.
4.4.5. Fim da Revolução Puritana.
5. A República e o Protetorado de Cromwell
5.1. Novo Estado: Commowealth,
5.1.1. Conselho de Estado (Rump): 40 membros
5.1.1.1. Cromwell o dominou
5.1.1.1.1. Fechamento em 1653
5.1.1.1.1.1. Ditadura liderada por Cromwell
5.2. Ditadura: Protetorado
5.2.1. Atos de navegação
5.2.1.1. proíbem navios estrangeiros de desembarcar em portos ingleses
5.2.2. Invasão da Jaimaca
5.2.3. Cromwell como “Lorde Protetor” vitalício
5.2.3.1. Cargo hereditário
5.2.4. Parlamento com funções limitadas
5.2.4.1. Em 1655 “membros dispensados”
5.2.5. Cromwell combateu revoltas na Irlanda e na Escócia
5.2.5.1. Opunham a “República”
5.2.6. Política de tolerância religiosa
5.2.6.1. Sofria oposição dos puritanos e presbiterianos
5.2.6.1.1. Desejavam igreja oficial do Estado
5.2.7. Motivos de Cromwell se manter no poder por 9 anos:
5.2.7.1. Força militar que o apoiava
5.2.7.2. Vantagens comerciais concedidas à classe média
5.2.7.2.1.1. Principalmente:
5.2.7.2.1.1.1. proíbem navios estrangeiros
de desembarcar em portos
ingleses
5.2.7.2.1.1.2. Tratados com a França e a
Holanda
5.2.7.2.2. Vitórias que conquistou contra Espanha e Holanda
5.2.8. Ocupação da Escócia e Irlanda (consegue garantir hegemonia):
5.2.8.1. O exército era radical porque o parlamento atrasava os
pagamentos, Cromwell pega essas pessoas e coloca na Irlanda,
ante presença significativa de protestantes lá
5.2.8.2.
5.2.9. Cromwell morre em 1658
5.2.9.1. Ricardo, seu filho assume e permanece alguns meses no cargo
5.2.9.1.1. Conmmonwealth nem o Protetorado tiveram
apoio da maioria dos ingleses
6. Reinado de Carlos II
6.1. Execução de Oliver Cromwell (execução póstuma de quem assinou para matar o
pai dele)
6.2. Tragédias :
6.2.1. Grande praga de Londres (peste burbôrmica),
6.2.2. grande incêndio mais ou menos um terço de Londres
6.3. Carlos da Escócia, filho do rei decapitado, é convidado pelo parlamento recém-
empossado , em 1660, a voltar à Inglaterra e ocupar o trono vago
6.4. O rei Carlos II teve que se comprometer:
6.4.1. Respeitar o Parlamento
6.4.2. A Carta Magna
6.4.3. Petição de Direitos
6.5. O reinado de Carlos II (1660-1685) e seu irmão Jaime II (1685-1688) ficou
conhecido como Restauração
6.6. Atitudes de Carlos II
6.6.1. Posição favorável aos católicos
6.6.1.1. Preocupou os ingleses mais patriotas se o país iria para a zona de
influência do Vaticano
6.6.2. Suspendeu as leis contra os católicos e outros dissidentes, 1672
6.6.2.1. Desafio assim a autoridade do Parlamento
6.6.3. Dispensou o Poder Legislativo, 1681
6.7. Lei de Exclusão
6.7.1. Projeto de lei (1679), defendido pelos Whiggs (partido mais liberal,
composto por presbiterianos e puritanos majoritariamente) para
excluir Jaime II (irmão de Carlos II), que tinha se convertido ao
catolicismo.
6.7.1.1. Os Tories (partido da aristocracia conservadora britânica) eram
contra
6.7.2. Em 1673 Jaime II negou-se a prestar o juramento do Ato de Prova ou
Lei de Teste
6.7.2.1. Ato de prova era uma série de leis penas que revogavam direitos
civis, cívicos ou de família para os católicos e outros dissidentes
anglicanos
6.7.2.2. Com isso, Jaime II tornou público que era católico
6.7.3. Quando a lei parecia que ia ser aprovada, o Parlamento foi dissolvido,
e todos que tentaram retomar o Projeto
7. O reinado de Jaime II
7.1. Jaime II
7.1.1. Católico declarado
7.1.1.1. Parecia querer fazer do catolicismo a religião oficial da Inglaterra
7.1.2. Tinha duas filhas protestantes como herdeiras
7.1.3. Contudo, no seu segundo casamento, com uma católica, teve um filho.
7.1.4. Manda prender 7 bispos protestantes
7.2. Revolução Gloriosa
7.2.1. Não derramou sangue
7.2.2. Tories e Whiggs apoiaram a deposição do rei
7.2.3. O príncipe Guilherme de Orange e sua esposa Maria, filha de Jaime II,
foram convidados a ocupar o trono da Inglaterra.
7.2.3.1. Guilherme de Orange, primo, reuniu um exército na Holanda e
ocupou Londres
7.2.3.1.1. Não houve necessidade de confronto
7.2.3.1.1.1. O rei Jaime II refugiou-se na França
7.2.4. Leis Aprovadas Pelo Parlamento em 1689 (destacar isso)
7.2.4.1. Obrigatoriedade de fixação das verbas do tesouro anualmente
7.2.4.2. Tolerantion Act,
7.2.4.2.1. Liberdade religiosa a todos os cidadãos, exceto
católicos e unitários
7.2.4.3. Bill of Rights, Direitos dos Cidadãos
7.2.4.3.1. Mais ampla que a petição dos Direitos,
7.2.4.3.2. Imposta por um parlamento mais poderoso
7.2.4.3.3. Prescrevia
7.2.4.3.3.1. Julgamento do júri
7.2.4.3.3.2. Direito ao recurso do governo para
reparação de injustiças
7.2.4.3.3.3. Condenava fiança excessiva, punições
cruéis, multas exorbitantes
7.2.4.3.3.4. Proibia o rei de lançar impostos ou
suspender leis sem autorização do
Parlamento
8. Conclusão
8.1. Parlamento inglês conseguiu:
8.1.1. Fim definitivo na monarquia absolutista da Inglaterra
8.1.2. Enterrar a teoria de direito divino dos reis
8.2. Revolução Inglesa e Puritana contribuíram para inspirar Revolução Americana e
Francesa, Iluminismo
8.2.1. Uma parte da Bill of Rights está na Declaração dos Direitos do Homem
e nas dez primeiras emendas da Constituição Americana
8.3. Inglaterra rainha dos mares
8.4. O rei reina, mas não governa