You are on page 1of 15

Eihen Dogen

Dōgen Zenji foi um mestre zen-budista japonês nascido em Kyōto. Dogen fundou
a escola Soto de zen. Ele foi uma figura religiosa proeminente em seu tempo, bem
como um filósofo importante.
Como devemos viver?

Nascemos e morremos uma vez nesta vida.


Como devemos vivê-la?
Este é o ponto fundamental do ensinamento de Buda.
Viver muito é algo com o que se alegrar?
A vida não é assim.
É triste morrer após uma vida curta?
A vida não é assim.
O ponto é: como devemos viver?
A Terra, bela para sempre

O espaço: um céu brilhante repleto de estrelas.


A bela Terra: sempre suspirando pela sua mãe-Sol,
hoje novamente viajando pela Via -Láctea!
A Terra azul: uma pequena jóia, por incontáveis éons, imensuráveis e
desconhecidos infinitos.
A Terra, bela para sempre!
O Ensinamento de Buda é o Zazen

O Ensinamento de Buda é o Zazen


O Zazen é a imagem do despertar de Buda Shakyamuni sentado.
Mesmo quando apenas um ser estiver em Zazen,
nenhum ser estará fora do Ensinamento de Buda.
Aspiração ao caminho de Buda

Há religiões em que se espera por um milagre,


e outras em que se reza por poderes sobrenaturais,
e até religiões em que se implora por sucesso nos negócios.
Mas a religião de Buda é uma religião em que se busca
orientar a sociedade e servir às pessoas.
A aspiração ao caminho de Buda significa
amar todo o universo assim como os pais amam seus filhos.
A mente que conhece o que é suficiente

Não há virtude no que é escasso,


assim como não há vício no que é abundante.
Independentemente da prosperidade ou da pobreza,
quando a mente da voracidade surge,
as pessoas esquecem suas boas intenções.
A mente de Buda é aquela que sabe o que é suficiente.
Os preceitos de Buda

Prometemos não matar nenhum ser vivo.


Prometemos não ter ganância para tomar o que não nos foi dado.
Prometemos não nos entregar a atos licenciosos.
Prometemos não falar mentiras.
Prometemos não ingerir bebidas intoxicantes que levem à ilusão.
A generosidade da Mãe Natureza

O arroz e os outros vegetais têm vida,


os peixes e os outros animais têm vida,
e é graças às suas vidas que podemos viver.
Recebamos a comida com gratidão pelas suas preciosas vidas,
sempre dizendo: “eu agradecidamente recebo esta dádiva de alimento”
e “agradeço por essa maravilhosa comida”.
O despertar da Consciência de Buda

A Consciência de Buda é nada mais


que a Consciência que serve ao mundo e às pessoas
antes de atender às suas próprias necessidades.
Como nos concentramos em nós mesmos,
isso se torna difícil,
mas quando a Consciência de Buda está desperta,
mesmo o mais árduo esforço se torna algo pelo qual vale a pena viver.
Sem a prática, nada surge

“Saber” e “entender” são coisas diferentes.


Mesmo quando sabemos, sem colocar o conhecimento em prática,
não podemos entender.
Apenas ler a bula de um remédio
não cura a doença.
O Zen também é algo que não se pode entender
até que se ponha em prática.
O valor de uma pessoa

O valor de uma pessoa não tem nada a ver


com sua posição, fortuna ou ocupação.
Avaliar uma pessoa com base em sua instrução
ou talento levará ao erro.
Antes, são as ações e os pensamentos que dão vida
ao conhecimento que são preciosos.
Pensamentos e ações são o que formam o valor de uma pessoa.
A vida não tem limite de idade

A vida não tem limite de idade


Não há os “anos de decadência” ou os “anos que restam”.
Nós saudamos a morte. Até este instante, a vida é uma ocupação ativa.
A vida ser uma ocupação ativa significa
ser uma pessoa que não tem arrependimentos quando a vida termina,
ser uma pessoa que não tem medo da “idade da velhice” e da “morte”,
que, em lugar disso, conhece apenas
a “idade da generosidade e da beleza” e a “tranqüilidade da morte”.
Tudo é impermanente

Tudo o que nasce morre.


Tudo o que chega parte.
O que foi tomado será perdido.
O que foi feito será quebrado.
O tempo passa como uma flecha.
Tudo é efêmero.
Há algo, neste mundo,
que não seja transitório?
A religião justa

Muita devoção à sua própria religião e difamação


à religião do outro resulta em ódio e discussão.
Há estupidez maior que isso?
A religião justa em todos os tempos é aquela que ilumina as pessoas
e conduz a uma maneira pacífica de viver.
Pessoas religiosas nunca devem sacar espadas umas contras as outras.
Iluminação a partir de nossos pés

Ao arrumar nossos sapatos cuidadosamente, trazemos harmonia a


nossas
mentes,
quando nossas mentes estão em harmonia, arrumamos nossos sapatos
cuidadosamente.
Se arrumamos nossos sapatos cuidadosamente quando os tiramos,
nossas mentes não se perturbarão quando os calçarmos.
Se alguém deixa os sapatos em desordem,
silenciosamente devemos arrumá-los.
Tal ato certamente trará harmonia
para a mente das pessoas de todo o mundo.